GUIA PARA AMOSTRAGEM DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EXISTENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA PARA AMOSTRAGEM DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EXISTENTES"

Transcrição

1 GUIA PARA AMOSTRAGEM DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EXISTENTES INTRODUÇÃO Este guia pretende estabelecer um padrão para unificar as informações levantadas/obtidas ou amostradas pelos pesquisadores da Rede Guarani Serra Geral. Uso da água Profundidade do poço Diâmetro do poço residencial, industrial, comercial. Marcar apenas o uso prioritário, mesmo que hajam outros usos. Em metros geralmente o gerente de rede sabe esta informação, bom como moradores próximos. Geralmente os poços possuem diâmetro de 4 (10 cm). Para compreender mais sobre águas subterrâneas acesse o documento Noções e Definições em Hidrogeologia da CETESB. Os quadros a seguir trazem informações sobre os itens que devem ser anotados e comenta a cerca de como esta informação deve ser preenchida no Formulário para Cadastramento de Poços (Anexo único). Parâmetros básicos Portaria 396/2008 Regra geral: Para dados existentes: anotar a valor/concentração e unidade de medida constante na fonte de obtenção do dado. Data da coleta Dia em formato DD/MM/AAAA Fonte das informações Ponto Latitude UTM N Longitude UTM E Localidade e Município Informações básicas do poço Instituição, empresa, órgão de gestão onde foram obtidas as informações. Código original do poço geralmente o nome da localidade ou do perfurador. Referem-se as coordenadas do poço. Se for coleta do grupo, configurar o GPS para obter coordenadas em UTM, utilizando o Datum SAD69 (Ver PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE COORDENADAS). Se for informação obtida de terceiro, apenas preencher com a informação original, mesmo que a coordenada esteja em grau, minuto e segundo ou grau decimal. Nome do distrito e o nome do município. Se não for distrito, e sim o perímetro urbano central, destacar SEDE no preenchimento. Condutividade elétrica Temperatura da Amostra Turbidez ph STD Nitrato Coliformes fecais Anotar o valor seguido da unidade em que foi medida (ms ou µs) Amostragem: medir a temperatura da amostra na ocasião da determinação do ph e condutividade. Medir com auxílio de turbidímetro em campo. Caso não haja, será determinada em laboratório. Anotar com precisão de uma casa decimal. Sólidos totais dissolvidos. Amostragem: Coletar 250 ml em frasco de polietileno ou vidro - refrigerar a 4 ± 2 C por até 48H. Amostragem: Coletar 250 ml em frasco de polipropileno ou vidro (esterilizado) - refrigerar a 4 ± 2 C por até 8H (CETESB, 1988). Encaminhar para o laboratório da rede RGSG mais próximo. Situação Se o poço está em uso ou não, se seu estado é bom ou precário, se tem acesso ou está bloqueado à amostragem.

2 Parâmetros para determinação hidrogeoquímica, requisitos gerais para condicionamento, preservação e validade de amostras por parâmetros (CESTESB, 2007). figura a seguir. Regra geral: Para dados existentes: anotar o valor/concentração e a unidade de medida constante na fonte de obtenção do dado. Os parâmetros em negrito são indispensáveis para a caracterização. Sódio, Cobre, Arsênico, Zinco, Potássio, Cálcio, Magnésio Amônia, Nitrito, Nitrato Bicarbonato Alcalinidade Fluoretos, Sulfatos, Cloretos, Fenóis ou vidro - adicionar HNO 3 até ph<2 por até 28 dias. ou vidro - adicionar H 2 SO 4 até ph<2 por até 28 dias. Calculado a partir da alcalinidade. Amostragem: Coletar 250 ml em frasco de polietileno ou vidro - refrigerar a 4 ± 2 C por até 24H. Encaminhar para o laboratório da rede RGSG mais próximo. ou vidro - refrigerar a 4 ± 2 C por até 28 dias. OBS: Para os dados preexistentes, fazer a indicação na cadeia de custódia (em anexo), que os diferencie dos dados medidos diretamente no momento da coleta. Na ocasião da amostragem de águas subterrâneas deverá ser realizada a sangria do poço, que consiste na obtenção de água fresca (nova) e fornece água com as características mais próximas do seu ambiente natural. Para proceder a sangria, ative a bomba e espere alguns minutos verificando a temperatura da água que deve diminuir até estabilizar. Em casos de águas termais o efeito é contrário. Caso a temperatura não mude em 5 minutos, proceda a amostragem. Atente para a condição em que a amostra será coletada. Apenas o trecho entre a boca do poço e a chegada no reservatório é adequado para a coleta de águas. Qualquer ponto após o reservatório é inadequado, conforme a Serão necessários 6 frascos para a amostragem completa: 2 de polipropileno ou vidro de 250mL, sendo um para coliformes fecais e outro para a alcalinidade; 4 de polietileno ou vidro de 1000mL, sendo um para conservação com H 2 SO 4, outro com HNO 3 e mais dois onde não será feita a acidificação. Ao preencher os frascos com água de amostra atentar para não ficar ar no frasco de coleta, pois sua presença alterará o resultado da análise. O encaminhamento das amostras para análise deve seguir a logística estabelecida para a região em estudo. Amostras com tempo de conservação curto, como coliformes fecais e alcalinidade, devem ter análise priorizada para a região.

3 PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE COORDENADAS GEOGRÁFICAS COM O GPS As configurações a seguir foram estabelecidas para aparelhos de GPS padrão, geralmente fornecidos pela fabricante Garmin. Se você possui um GPS de outra linha, por favor, consulte se manual de operações para definir o formato UTM (métrico) de coordenadas e o Datum SAD'69, estabelecidos como padrões para o projeto. Unidades de medida - (Units) Selecionar Meters ou Metric, conforme o parâmetro solicitado a seguir. Menu de Configuração (Setup Menu) Setup permite a configuração do receptor para, entre outros parâmetros, utilizar as unidades de medidas e o Datum (referencial geodésico) compatíveis com a base oficial do projeto. Configuração de Posição - (Position Settings) Position Format permite mudar o sistema de coordenadas no qual a uma determinada posição é exibida e armazenada. Map Datum - permite selecionar o mesmo Referencial Geodésico utilizado no mapa. Simulator System Units* Timers Time Alarms Position* Interface Habilita e Desabilita o simulador. Realiza-se as configurações internas do receptor (iluminação, etc) Unidades de medida. Ativa a contagem de tempo para diversas funções. Formato e referencial da hora. Liga e desliga os alarmes do receptor. Formato das coordenadas Permite configurar os formatos NMEA, RTCM (proprietário GARMIN) e de comunicação com PC ou outro periférico. Para mudar o formato de posição e/ou dado do mapa Destaque Position Format ou o campo Map Datum e pressione ENTER. Selecione a configuração desejada (usando a tecla central) e pressione ENTER. * parâmetros a serem configurados. Usar UTM UPS. Usar Sth Amrcn '69.

4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CETESB. Relatório de qualidade das águas subterrâneas do estado de São Paulo / CETESB. São Paulo : CETESB, p. : il. ; 30 cm. (Série Relatórios / Secretaria de Estado do Meio Ambiente, ISSN ). Acesso em: 23/06/2011. Disponível em: CETESB Amostragem e monitoramento das águas subterrâneas Norma CETESB, Atualizada em Acesso em: 23/06/2011. Disponível em: pdf. Modificado em 25 de Ago de revisão 120 Sugestões ou correções para este documento podem ser encaminhadas para Arthur

5 FORMULÁRIO PARA CADASTRAMENTO DE POÇOS INFORMAÇÕES BÁSICAS DO POÇO Qual a fonte das informações? Coleta Levantamento junto a terceiros. Quem/qual? Ponto: Coordenadas Localidade: UTM S UTM W Latitude Longitude Município: Em operação? Estado de conservação: Não Bom Precário Sim Qual o uso da água? Residencial Industrial Comercial Possui acesso à amostragem? Sim Não Se sim. Como se dá o acesso? Possui torneira na boca do poço No reservatório Após o reservatório Prof.: metros Diâmetro do poço: <4 4 (10cm) >4 INFORMAÇÕES ADICIONAIS Parâmetros básicos Portaria 396/2008 Parâmetros indispensáveis para determinação hidrogeoquímica Data da coleta: PH: Sódio: Alcalinidade: Cond. Elétrica: STD: Potássio: Sulfato: Temp. da amostra: Nitrato: Cálcio: Bicarbonato: Turbidez: Colif. fecais: Magnésio: Cloreto: Outros parâmetros: Fluoretos: Zinco: Cobre: Ferro: Anotador: Entrega no laboratório: Técnico que recebeu a amostra: Arsênico: Amônia: Fenóis: Manganês: Data: Outras observações:

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNIVATES LABORATÓRIO UNIANÁLISES Sistema de Gestão da Qualidade INSTRUÇÕES PARA AMOSTRAGEM

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNIVATES LABORATÓRIO UNIANÁLISES Sistema de Gestão da Qualidade INSTRUÇÕES PARA AMOSTRAGEM Amostras de Efluentes, de Águas Superficiais e de Poços de Monitoramento Para coletar de água ou efluente, usa-se frasco de vidro âmbar ou polietileno com tampa, fornecidos pelo Laboratório UNIANÁLISES,

Leia mais

COLETA DE AMOSTRAS AMBIENTAIS

COLETA DE AMOSTRAS AMBIENTAIS COLETA DE AMOSTRAS AMBIENTAIS ANÁLISE MICROBIOLÓGICA (Bactérias Heterotróficas, Coliformes Totais, Coliformes Termotolerantes ou Fecais, Escherichia coli). 1. Coleta de amostra de água tratada a) Esta

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CINTER Nº CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO Processo nº 176-05.67 / 17.2 00017 / 2017-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÃO DE HIDRÁULICA E DOS RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÃO DE HIDRÁULICA E DOS RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS Origem nº 1 Aspecto - limp. c/sed. Cheiro terroso terroso Cor - 85 Turvação 50 60 Sólidos suspensos totais 80 85 Condutividade 4 5 Oxidabilidade 8,5 10,0 Sulfatos 5,,5 Ferro 10 12 Manganésio 0,2 0,1 Coliformes

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

USO E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO

USO E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO USO E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO Maria de Fátima B. da Silva 1, Aimar Nicoletti 2, Alfredo C. C. Rocca 3 e Dorothy C. P. Casarini 1 Resumo - O presente

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA, QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA QUALIDADE DA AGUA PARA FINS DE PISICULTURA

AVALIAÇÃO FÍSICA, QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA QUALIDADE DA AGUA PARA FINS DE PISICULTURA AVALIAÇÃO FÍSICA, QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA QUALIDADE DA AGUA PARA FINS DE PISICULTURA SPERLING,Caio 1 ; ROTH, Alfredo 1 ; RODRIGUES, Silvana 1 ; NEBEL, Álvaro Luiz Carvalho 2 ; MILANI, Idel Cristiana

Leia mais

MODELAGEM DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ÁREA DO CAMPUS DA UFMG PROHBEN; AVALIAÇÃO PRELIMINAR.

MODELAGEM DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ÁREA DO CAMPUS DA UFMG PROHBEN; AVALIAÇÃO PRELIMINAR. MODELAGEM DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ÁREA DO CAMPUS DA UFMG PROHBEN; AVALIAÇÃO PRELIMINAR. Adriana Jeber de Lima Barreto Marra 1 e Celso de Oliveira Loureiro 2 Resumo - Este artigo trata do trabalho

Leia mais

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte Dr. Cristiano Kenji Iwai Belo Horizonte Março/2013 Introdução Condições da disposição de resíduos no Brasil

Leia mais

CONCESSÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO QUADRO I A - Quadro de Tarifas TABELA I - TARIFA DE ÁGUA E ESGOTO

CONCESSÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO QUADRO I A - Quadro de Tarifas TABELA I - TARIFA DE ÁGUA E ESGOTO CONCESSÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO QUADRO I A - Quadro de Tarifas TABELA I - TARIFA DE ÁGUA E ESGOTO CATEGORIA SUBCATEGORIA FAIXAS (m³) TARIFAS DE ÁGUA ÁGUA R$ Até 10

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da Cor pelo método espectrofotométrico - comprimento de onda único LQ: 10 CU

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da Cor pelo método espectrofotométrico - comprimento de onda único LQ: 10 CU ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ANGLOGOLD ASHANTI CÓRREGO DO SÍTIO MINERAÇÃO S/A LABORATÓRIO

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO PARINTINS - AMAZONAS

ESTADO DO AMAZONAS SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO PARINTINS - AMAZONAS Plano de amostragem mensal recomendável para o controle da qualidade da água do sistema de abastecimento do SAAE, para fins de análises microbiológicas, em função da população abastecida conforme a Portaria

Leia mais

ANÁLISE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO AQUÍFERO JANDAÍRA EM APOIO AO PROGRAMA ÁGUA DOCE NO RIO GRANDE DO NORTE (PAD/RN)

ANÁLISE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO AQUÍFERO JANDAÍRA EM APOIO AO PROGRAMA ÁGUA DOCE NO RIO GRANDE DO NORTE (PAD/RN) ANÁLISE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO AQUÍFERO JANDAÍRA EM APOIO AO PROGRAMA ÁGUA DOCE NO RIO GRANDE DO NORTE (PAD/RN) Autor(es): Alexandre Endres Marcon; Carlos Alberto Mar7ns & Paula Stein Introdução O Programa

Leia mais

ABB Automação. Indicador Digital Processos Pt100 e TAP s MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional

ABB Automação. Indicador Digital Processos Pt100 e TAP s MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional Indicador Digital Processos Pt100 e TAP s MODO DE USO Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional ABB Automação Hartmann & Braun Dados Técnicos (NRB5180) Entrada Características

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

*Módulo 1 - IDENTIFICAÇÃO

*Módulo 1 - IDENTIFICAÇÃO 24 - REBAIXAMENTO DE NÍVEL DE ÁGUA SUBTERRÂNEA (para obras civis) Definição: O rebaixamento de nível de água é um procedimento que tem por objetivo manter o nível d água em uma determinada cota que permita

Leia mais

SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL - TH 758

SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL - TH 758 Programa de Pós Graduação em Engenharia de Recursos Hídricos e Ambiental Departamento de Hidráulica e Saneamento Universidade Federal do Paraná Profª. Heloise G. Knapik Luciane Prado SANEAMENTO AMBIENTAL

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE MG 57, DE 9 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO ARSAE MG 57, DE 9 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO ARSAE MG 57, DE 9 DE OUTUBRO DE 2014 Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços Não Tarifados da Companhia de Saneamento Municipal de Juiz de Fora - CESAMA O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA REGULADORA

Leia mais

Sonda Multiparâmetro Aquaread AP-5000

Sonda Multiparâmetro Aquaread AP-5000 Sonda Multiparâmetro Aquaread AP-5000 Monitoramento de qualidade de água com sensor de OD óptico e leitura de até 15 parâmetros simultaneamente Eletrodos ISE Amônio & Amônia Cloretos Fluoretos Nitratos

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS (MT).

QUALIDADE DAS ÁGUAS DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS (MT). QUALIDADE DAS ÁGUAS DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS (MT). Alterêdo Oliveira Cutrim ; Ana Lícia Fonseca Cutrim ABSTRACT This research was carried out in Rondonopolis city, Mato Grosso state,

Leia mais

Saneamento I. João Karlos Locastro contato:

Saneamento I. João Karlos Locastro contato: 1 ÁGUA 2 3 Saneamento I João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 4 Objetivos Projeto; Legislação; Atuação Profissional - Prestação de serviços - Concursos públicos 5 Ementa Saneamento

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 81/2016, DE 1º DE ABRIL DE 2016.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 81/2016, DE 1º DE ABRIL DE 2016. RESOLUÇÃO ARSAE-MG 81/2016, DE 1º DE ABRIL DE 2016. Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços Não Tarifados da Companhia de Saneamento Municipal de Juiz de Fora Cesama O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO TOMMASI ANALÍTICA LTDA ALIMENTOS E BEBIDAS ALIMENTOS

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 1 INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 Yanna Julia Dantas de Souza 2, Jardson Álvaro Freitas Bezerra 3, Hozineide Oliveira Rolim 4,

Leia mais

Indicador Digital Processos MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional. ABB Automação.

Indicador Digital Processos MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional. ABB Automação. Indicador Digital Processos MODO DE USO Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional ABB Automação Hartmann & Braun Dados Técnicos (NRB5180) Entrada - Temperatura: 0 350ºC Sensor

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2015 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE POÇO DO INSTITUTO DE SAÚDE E BIOTECNOLOGIA DE COARI/AM Cristiane do Nascimento

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS POÇOS TUBULARES E A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO MUNICIPIO DE JUAZEIRO DO NORTE, CEARÁ

DIAGNÓSTICO DOS POÇOS TUBULARES E A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO MUNICIPIO DE JUAZEIRO DO NORTE, CEARÁ DIAGNÓSTICO DOS POÇOS TUBULARES E A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO MUNICIPIO DE JUAZEIRO DO NORTE, CEARÁ José Joeferson Soares dos Santos 1 Ricardo Souza Araújo 2 Nayanne Lis Morais Sampaio 3 Thais

Leia mais

A Qualidade da Água Superficial e Subterrânea

A Qualidade da Água Superficial e Subterrânea A Qualidade da Água Superficial e Subterrânea José do Patrocinio Hora Alves Programa de Pós-Graduação em Recursos Hídricos Universidade Federal de Sergipe 1 SUMÁRIO A Qualidade da Água; Estrutura de um

Leia mais

GENOVA MONITORAMENTO DE PARÂMETROS HÍDRICOS E METEOROLÓGICOS

GENOVA MONITORAMENTO DE PARÂMETROS HÍDRICOS E METEOROLÓGICOS GENOVA MONITORAMENTO DE PARÂMETROS HÍDRICOS E METEOROLÓGICOS 2015 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL O monitoramento por tempo real proporciona uma grande eficiência no sistema de segurança de monitoramento das

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOSH NAS ILHAS DE SÃO MIGUEL E SANTA MARIA DA

MONITORIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOSH NAS ILHAS DE SÃO MIGUEL E SANTA MARIA DA MONITORIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOSH NAS ILHAS DE SÃO MIGUEL E SANTA MARIA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORESA ENQUADRAMENTO Directiva Quadro da Água (DQA) Avaliação da qualidade ecológica das águas superficiais

Leia mais

SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA IMPLANTAÇÃO E COMPLEMENTAÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSAS PRAÇAS DE PORTO ALEGRE ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA IMPLANTAÇÃO E COMPLEMENTAÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSAS PRAÇAS DE PORTO ALEGRE ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA IMPLANTAÇÃO E COMPLEMENTAÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSAS PRAÇAS DE PORTO ALEGRE ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. GENERALIDADES O presente projeto tem como finalidade

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM nº..., de... de...

Deliberação Normativa COPAM nº..., de... de... 1 Deliberação Normativa COPAM nº..., de... de... Dispõe sobre a utilização da areia descartada de fundição na produção de artefatos de concreto sem função estrutural. O Conselho Estadual de Política Ambiental

Leia mais

TABELA DE CONSERVAÇÃO

TABELA DE CONSERVAÇÃO TBEL DE CONSERVÇÃO Metais Ensaio Matriz Frasco/Preservante Refrigeração líquota METIS - Polietileno com HNO3 20% Prazo de Validade Não requerida 300 ml, 100 g 6 meses METIS Mercúrio Mercúrio Solúvel -

Leia mais

Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas.

Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas. Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de 2008 Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas. - Definições Águas subterrâneas: águas que ocorrem naturalmente

Leia mais

Matriz I Acreditação Flexível Intermédia - Lista de Ensaios Acreditados Acreditação Nº L Data:

Matriz I Acreditação Flexível Intermédia - Lista de Ensaios Acreditados Acreditação Nº L Data: Acreditação Nº L216-1 Data: 4-2-216 Águas 1 Águas naturais doces (superficiais, subterrâneas) de consumo e de processo Determinação da dureza. Complexometria NP 424:1966 2 e residuais Determinação da turvação.

Leia mais

Sonda Multiparâmetro Aquaread AP-7000

Sonda Multiparâmetro Aquaread AP-7000 Sonda Multiparâmetro Aquaread AP-7000 Monitoramento contínuo de qualidade de água, sensor de OD óptico, leitura de 17 parâmetros e limpador automático A sonda multiparâmetro AP-7000 foi desenvolvida para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA INSTITUTO CIBERESPACIAL ICIBE

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA INSTITUTO CIBERESPACIAL ICIBE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA INSTITUTO CIBERESPACIAL ICIBE ELABORADOR: STEPHAN DE ALMEIDA JESUINO ENGENHEIRO FLORESTAL UFRA / 2007 GUIA DE INSTRUMENTOS DO GPS Passos a serem realizados no GPS

Leia mais

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Nome do Laboratório No da Certidão Validade Credenciador Matriz Descrição do Parâmetro Acquaplant Quimica do Brasil Ltda. 3/2013 20-12-2014

Leia mais

4ª Jornada Científica e Tecnológica e 1º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Muzambinho MG

4ª Jornada Científica e Tecnológica e 1º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Muzambinho MG 4ª Jornada Científica e Tecnológica e 1º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Muzambinho MG Análise De Parâmetros De Potabilidade Da Água De Diferentes Bicas De Abastecimento

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO MUNICÍPIO DE REDONDO

PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO MUNICÍPIO DE REDONDO PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO MUNICÍPIO DE REDONDO 2006 1) ZONAS DE ABASTECIMENTO a) ZONA DE ABASTECIMENTO DA VIGIA b) ZONA DE ABASTECIMENTO DA CADIEIRA 2) CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Linha Automação VAZÃO. Partida e Calibração Rápida para Medição de Vazão TRANSMISSOR ULTRA-SÔNICO DE NÍVEL CONTÍNUO. WUS11 e WUS21

Linha Automação VAZÃO. Partida e Calibração Rápida para Medição de Vazão TRANSMISSOR ULTRA-SÔNICO DE NÍVEL CONTÍNUO. WUS11 e WUS21 Partida e Calibração Rápida para Medição de Vazão TRANSMISSOR ULTRA-SÔNICO DE NÍVEL CONTÍNUO WUS11 e WUS21 Diagrama Elétrico Instalação com Protocolo HART Instalação sem Protocolo HART Configuração rápida

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES LAS PALMAS, 7 e 8 JULHO 2003 A DQA estabelece um quadro comum de acção cujo cronograma de implementação determina

Leia mais

ABNT NBR 15847 - Amostragem de água subterrânea em poços de monitoramento - Métodos de purga

ABNT NBR 15847 - Amostragem de água subterrânea em poços de monitoramento - Métodos de purga CEET-00:001.68 Comissão de Estudo Especial Temporária de Avaliação da Qualidade do Solo e da Água para Levantamento de Passivo Ambiental e Avaliação de Risco à Saúde Humana ABNT NBR 15847 - Amostragem

Leia mais

26/10/2012. Professor

26/10/2012. Professor Universidade Paulista - Unip Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia ICET Curso de Engenharia Civil Disciplina: 227L - Geodésia Introdução à Geodésia Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Definição:

Leia mais

Prospecção. Sistema de Prospecção de Clientes Manual do Usuário. versão 1

Prospecção. Sistema de Prospecção de Clientes Manual do Usuário. versão 1 Prospecção Sistema de Prospecção de Clientes Manual do Usuário versão 1 Sumário Introdução 1 Operação básica do aplicativo 2 Formulários 2 Filtros de busca 2 Telas simples, consultas e relatórios 3 Parametrização

Leia mais

TB DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 2ºTRIMESTRE DE 2016 PROF: LUCIA SÉRIE: 2º EM TURMA: A-B-C LEVE ESTA FOLHA PARA A AULA DE RECUPERAÇÃO- 29/08/2016

TB DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 2ºTRIMESTRE DE 2016 PROF: LUCIA SÉRIE: 2º EM TURMA: A-B-C LEVE ESTA FOLHA PARA A AULA DE RECUPERAÇÃO- 29/08/2016 TB DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 2ºTRIMESTRE DE 2016 PROF: LUCIA SÉRIE: 2º EM TURMA: A-B-C LEVE ESTA FOLHA PARA A AULA DE RECUPERAÇÃO- 29/08/2016 OBS: a) O trabalho deverá ser entregue no dia da prova de recuperação(8/09/2016)

Leia mais

O Camguard permite detectar e gravar vídeos facilmente com uma webcam.

O Camguard permite detectar e gravar vídeos facilmente com uma webcam. CamGuard O Camguard permite detectar e gravar vídeos facilmente com uma webcam. Para ativar o CamGuard, clique em no console do aplicativo da webcam da Kworld. A interface do CamGuard é exibida e apresenta

Leia mais

TÉCNICAS GERAIS DE AMOSTRAGEM E CONSERVAÇÃO DAS AMOSTRAS

TÉCNICAS GERAIS DE AMOSTRAGEM E CONSERVAÇÃO DAS AMOSTRAS COMPOSTOS ORGÂNICOS Parâmetros Natureza do recipiente Tempo máximo (colheita/análise) Técnicas de conservação Observações Pesticidas organoclorados e PCB' s em águas V. escuro 1000 ou 2000 ml, com rolha

Leia mais

Cálculo de população exposta ou potencialmente exposta em uma área contaminada para cadastro no SISSOLO

Cálculo de população exposta ou potencialmente exposta em uma área contaminada para cadastro no SISSOLO Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Cálculo de população exposta ou potencialmente exposta em uma área contaminada

Leia mais

Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano

Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano ANEXO I da Resolução SS 65 de 12 de maio de 2005 Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano Nome do Sistema/Solução Alternativa: Regional de Saúde: Código IBGE:

Leia mais

Portaria IAP nº 259 DE 26/11/2014

Portaria IAP nº 259 DE 26/11/2014 Norma Estadual - Paraná Portaria IAP nº 259 DE 26/11/2014 Publicado no DOE em 28 nov 2014 Aprova e estabelece os critérios e exigências para a apresentação do AUTOMONITORAMENTO AMBIENTAL DE ATERROS SANITÁRIOS

Leia mais

Lista de Ensaios Acreditados Sob Acreditação Flexível

Lista de Ensaios Acreditados Sob Acreditação Flexível Referente ao Anexo Técnico Acreditação Nº L 2 16-1 (Ed. 19 Data: 3-6- 2 1 6) Data: 3-6-216 Águas 1 2 3 4 5 Águas de consumo Águas de consumo Águas de consumo Águas de consumo Águas de consumo metais: alumínio,

Leia mais

MF-402.R-1 - MÉTODO DE COLETA DE AMOSTRAS DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS

MF-402.R-1 - MÉTODO DE COLETA DE AMOSTRAS DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS MF-402.R-1 - MÉTODO DE COLETA DE AMOSTRAS DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 192, de 28 de maio de 1981 Publicado no DOERJ de 30 de junho de 1981, com incorreções

Leia mais

MÉTODOS DE AMOSTRAGEM DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E APLICABILIDADE DA PORTARIA 518 DO MINISTÉRIO DA SAÚDE

MÉTODOS DE AMOSTRAGEM DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E APLICABILIDADE DA PORTARIA 518 DO MINISTÉRIO DA SAÚDE MÉTODOS DE AMOSTRAGEM DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E APLICABILIDADE DA PORTARIA 518 DO MINISTÉRIO DA SAÚDE Luiz Fernando Miliorini 1 Vinicius Ishimine 1 Atualmente, a Portaria 518/2.004 do Ministério da Saúde

Leia mais

Lista de ensaios sob acreditação flexível

Lista de ensaios sob acreditação flexível Nº Produto Parâmetro e Técnica Norma / Procedimento 1 Dispositivos médicos 2 Dispositivos médicos 3 Dispositivos médicos 4 5 6 7 8 Zaragatoas em superfícies associadas a zonas de risco Zaragatoas em superfícies

Leia mais

1 - Inicializando o Sistema Página Inicial Tempo Real Guia Dados do veículo Guia de Alertas Operações...

1 - Inicializando o Sistema Página Inicial Tempo Real Guia Dados do veículo Guia de Alertas Operações... Índice 1 - Inicializando o Sistema... 4 2 - Página Inicial Tempo Real... 4 2.1 Guia Dados do veículo... 6 2.2 Guia de Alertas... 6 2.3 Operações... 7 2.4 Cadastrando uma operação... 8 2.5 Acesso ao menu

Leia mais

RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N / Processo Comercial N 11232/2016-1

RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N / Processo Comercial N 11232/2016-1 RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N 176251/2016-0 Identificação do Cliente: ETA São Vitor Amostra Rotulada como: Água Tratada Data da entrada no laboratório: 06/07/2016 16:10 Data de Elaboração do RRA:

Leia mais

PORTARIA Nº 20/UNOESC-R/2014. Fixa valores para serviços prestados pela Unoesc, Campus de Joaçaba.

PORTARIA Nº 20/UNOESC-R/2014. Fixa valores para serviços prestados pela Unoesc, Campus de Joaçaba. PORTARIA Nº 20/UNOESC-R/2014. Fixa valores para serviços prestados pela Unoesc, Campus de Joaçaba. O Reitor da Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc, Professor Aristides Cimadon, no uso de suas

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA e MICROBIOLOGICA CERTIFICADO N 0261/2009

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA e MICROBIOLOGICA CERTIFICADO N 0261/2009 CERTIFICADO N 0261/2009 Amostra: 0261 Solicitante: PROGEL Origem: Ponto 01 Coordenadas Georeferenciadas: E = 229059 N = 9282462 PARÂMETROS V.M.P (*) Ponto 01 Oxigênio dissolvido, mg/l de O 2 5,00 9,00

Leia mais

MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO

MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO Notas: Revisão aprovada pela Deliberação CECA nº 0102, de 04 de setembro de 1980. Publicada no DOERJ de 18 de setembro de 1980. 1. OBJETIVO

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ESTABELECIMENTO DE VALORES DE REFERÊNCIA DE QUALIDADE PARA ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

METODOLOGIA PARA O ESTABELECIMENTO DE VALORES DE REFERÊNCIA DE QUALIDADE PARA ÁGUAS SUBTERRÂNEAS METODOLOGIA PARA O ESTABELECIMENTO DE VALORES DE REFERÊNCIA DE QUALIDADE PARA ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Elzira Dea Alves Barbour 1 ; Claudio Luiz Dias 1 ; Mara Magalhães Gaeta Lemos 2 ; José Bezerra de Sousa

Leia mais

QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Prof. Marcelo da Rosa Alexandre QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL 106213 Prof. Marcelo da Rosa Alexandre AMOSTRAGEM RETIRADA REPRESENTATIVA DE MATERIAL PARA ANÁLISE E CONTROLE AMOSTRA: Amostragem Ambiental Representação por quantidade, fragmentos

Leia mais

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS TÍTULO: RECOLOCAÇÃO E SUBSTITUIÇÂO DE POSTES DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA, COM IDENTIFICAÇÃO, GEORREFERENCIAMENTO E CADASTRAMENTO DE LUMINÁRIAS, EM DIVERSOS LOGRADOUROS DE

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL.

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. MAYAME MARTINS COSTA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia Campus Colorado

Leia mais

INSTRUÇÕES DE CONSERVAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE VASILHAME

INSTRUÇÕES DE CONSERVAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE VASILHAME INSTRUÇÕES DE CONSERVAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE VASILHAME PT-VAS-02/V2 Historial de versões Versão Data Razões para a nova versão 2 06-05-2009 3 29-03-200 4 20-04-20 5 9-0-20 6 2-04-202 7 2--202 8 29-04-203

Leia mais

Processo Nº PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS Mod:18.

Processo Nº PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS Mod:18. ANEXO IV ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Ácido Fluossilícico 20% NE: 262055 Ácido fluossilícico a 20% para fluoretação de água para consumo humano, para prevenção de cárie dentária. O produto deverá apresentar

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE IRRIGAÇÃO

REQUISITOS BÁSICOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE IRRIGAÇÃO 1 VERSÃO 3 JUL 2006 PROJETO 04:015.08-014 REQUISITOS BÁSICOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE IRRIGAÇÃO 1º Projeto de Norma Palavras-chave: Projeto de irrigação, Irrigação páginas Folha provisória - não

Leia mais

IV INDICADORES HIDROQUÍMICOS OBTIDOS A PARTIR DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM ALGUNS POÇOS DO CEARÁ

IV INDICADORES HIDROQUÍMICOS OBTIDOS A PARTIR DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM ALGUNS POÇOS DO CEARÁ IV 34 - INDICADORES HIDROQUÍMICOS OBTIDOS A PARTIR DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM ALGUNS POÇOS DO CEARÁ Fernando José Araújo da Silva (1) Engenheiro Civil, Universidade de Fortaleza UNIFOR. Mestre em Engenharia

Leia mais

10.2 Parâmetros de qualidade da água

10.2 Parâmetros de qualidade da água 10-3 m 1 m 10.2 Parâmetros de qualidade da água Sistema de Abastecimento de Água Partículas dissolvidas Dureza (sais de cálcio e magnésio), ferro e manganês não oxidados Partículas coloidais Coloidais:

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

O uso do GPS para desenho de croquis e manipulação eletrônica de dados espaciais e estatísticos.

O uso do GPS para desenho de croquis e manipulação eletrônica de dados espaciais e estatísticos. XLVII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical Curso Trans-Congresso: Metodologia para a confecção de croquis informatizados para estudos de campo em doenças parasitárias O uso do GPS para

Leia mais

Diagnóstico da qualidade química das águas superficiais e subterrâneas do Campus Carreiros/FURG.

Diagnóstico da qualidade química das águas superficiais e subterrâneas do Campus Carreiros/FURG. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE Instituto de Oceanografia LABORATÓRIO DE HIDROQUÍMICA Diagnóstico da qualidade química das águas superficiais e subterrâneas do Campus Carreiros/FURG. Coordenadora: MSc.

Leia mais

Guia Rápido de Configuração

Guia Rápido de Configuração Guia Rápido de Configuração Newello Tecnologia com Responsabilidade 1 Sumário Como abrir o ZKAccess 3.5?... 3 Dispositivo... 4 1 Como Adicionar um dispositivo (Controladora ou StandAlone) no sistema? 4

Leia mais

11/11/2013. Professor

11/11/2013. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Topografia II Introdução à Geodésia Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Definição: - Geodésia é a ciência

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 8 SAÚDE HUMANA E ANIMAL ENSAIOS QUÍMICOS Determinação de Metais Totais e Dissolvidos por espectrometria de emissão atômica em plasma de argônio indutivamente acoplado - ICP OES - geração de

Leia mais

GMI 20 Manual do Utilizador

GMI 20 Manual do Utilizador GMI 20 Manual do Utilizador Junho 2013 190-01609-34_0A Impresso em Taiwan Todos os direitos reservados. Ao abrigo das leis de direitos de autor, este manual não pode ser copiado, parcial ou integralmente,

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA ANÁLISE INTEGRADA DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DA BACIA DO RIO IPITANGA, BAHIA, BRASIL Charlene Luz, MSc (SENAI/CETIND) Luiz Roberto

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

Exercício Etapa 3 PEA 2200 / PEA Coletor solar : Aquecimento de água

Exercício Etapa 3 PEA 2200 / PEA Coletor solar : Aquecimento de água 1- Objetivos Exercício Etapa 3 PEA 2200 / PEA 3100 Coletor solar : Aquecimento de água Esta terceira etapa do exercício tem os seguintes objetivos: Substituir a tecnologia utilizada no aquecimento de água

Leia mais

Receptor de TV. full seg

Receptor de TV. full seg Receptor de TV full seg ÍNDICE 1. Controle remoto...4 2. Operações básicas...4 3. Canais...5 4. Configuração de tempo...7 5. Imagens...7 6. Línguas...8 7. USB...9 8. Configuração PRV...10 OPERAÇÃO BÁSICA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Resolução SS- 293, de 25 /10 / 96 Estabelece os procedimentos do Programa de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano no Estado de São Paulo e dá providências correlatas. O Secretário da Saúde,

Leia mais

Sistema AGHU. Manual do Almoxarifado/Suprimentos. Versão 5.1

Sistema AGHU. Manual do Almoxarifado/Suprimentos. Versão 5.1 Sistema AGHU Manual do Almoxarifado/Suprimentos Versão 5.1 Data da última atualização: 21/09/2017 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Data da Modificação Alterado por Aprovado por Modificação 24/07/2017 Alterado

Leia mais

MATERIAIS INCLUÍDOS INSTALAÇÃO DO PROGRAMA

MATERIAIS INCLUÍDOS INSTALAÇÃO DO PROGRAMA Infra-Red Interface System DESCRIÇÃO DO PRODUTO Leia atentamente este manual de instruções antes de utilizar o equipamento. Parabéns! Ao adquirir o novo inter face IRIS-USB, você passa a dispor de um produto

Leia mais

Título: Integração de Impostos pagos pelo Escritório Folha x Honorários

Título: Integração de Impostos pagos pelo Escritório Folha x Honorários Título: Integração de Impostos pagos pelo Escritório Folha x Honorários Pode ocorrer alguma situação onde o escritório de contabilidade paga alguns impostos para seus clientes, como por exemplo: INSS,

Leia mais

Capítulo 1 Instalação e Configuração I. Instalação II. Configurações III. Parâmetros de Processamento IV. Geoide V. Antena VI.

Capítulo 1 Instalação e Configuração I. Instalação II. Configurações III. Parâmetros de Processamento IV. Geoide V. Antena VI. Capítulo 1 Instalação e Configuração I. Instalação II. Configurações III. Parâmetros de Processamento IV. Geoide V. Antena VI. Configuração de Sistema de Coordenadas e Datum VII. Opções Na pasta do seu

Leia mais

CONTAMINAÇÃO NA ÁGUA SUBTERRÂNEA PROVOCADA PELO LIXIVIADO DE ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

CONTAMINAÇÃO NA ÁGUA SUBTERRÂNEA PROVOCADA PELO LIXIVIADO DE ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CONTAMINAÇÃO NA ÁGUA SUBTERRÂNEA PROVOCADA PELO LIXIVIADO DE ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Schueler, A.S. e Mahler, C.F. GETRES - COPPE / UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil RESUMO: O presente trabalho apresenta

Leia mais

Ensaio: Acidez, Alcalinidade, Cloreto, Condutividade, Cor, Demanda Bioquímica de Oxigênio DBO 5D, Demanda de Cloro,Fluoreto, Iodeto

Ensaio: Acidez, Alcalinidade, Cloreto, Condutividade, Cor, Demanda Bioquímica de Oxigênio DBO 5D, Demanda de Cloro,Fluoreto, Iodeto Página: 2 de 8 -------------------- INFORMAÇÕES PARA AMOSTRAGEM EM FUNÇÃO DO ENSAIO Ensaio: Acidez, Alcalinidade, Cloreto, Condutividade, Cor, Demanda Bioquímica de Oxigênio DBO 5D, Demanda de Cloro,Fluoreto,

Leia mais

ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE ÁGUAS ADICIONADAS DE SAIS COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SUMÉ-PB

ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE ÁGUAS ADICIONADAS DE SAIS COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SUMÉ-PB ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE ÁGUAS ADICIONADAS DE SAIS COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SUMÉ-PB Eliton Sancler Gomes Sales (1); Leonardo Oliveira Santos Medeiros (1); Fabiana Terezinha Leal de Morais (2);

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. Homologa a Tabela de Preços de Serviços Não Tarifados e o Termo de Ocorrência de Irregularidade, ambos do Serviço Autônomo de Água e de Esgoto do Município de

Leia mais

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente,

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, DE Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente Marcus de Almeida Lima Vice-Presidente José Maria

Leia mais