RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2015 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo Sistema de Águas e Esgotos da empresa Habitasul Empreendimentos Imobiliários Ltda, em conformidade ao Decreto n 5440, de 4 de maio de A Habitasul Empreendimentos Imobiliários Ltda, através do seu Sistema de Água e Esgotos SAE, possui as certificações de qualidade e meio ambiente ISO 9001 e ISO 14001, respectivamente. O SAE é composto pela Estação de Tratamento de Água - ETA e a Estação de Tratamento de Esgoto - ETE. Possui dois laboratórios, um na ETA, que analisa a água produzida para consumo, e um para as análises dos efluentes dos esgotos, localizado na ETE. DESCRIÇÃO DA EMPRESA: Razão social: Habitasul Empreendimentos Imobiliários Ltda Setor: Sistema de Águas e Esgotos SAE CNPJ: / Endereço: Av. dos Dourados, s/n, Bairro Jurerê. Florianópolis - Santa Catarina. Fones: Responsável Técnico: Eng Sanitarista Luiz Fernando Lemos Diretor Geral: Carlos Berenhauser Leite RESPONSABILIDADE PELA FISCALIZAÇÃO: Órgão: Vigilância Sanitária Municipal Página 1 de 11

2 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES: A Estação de Tratamento de Águas ETA, do SAE Habitasul que atende o Residencial Jurerê Internacional, localiza-se no bairro Jurerê em Florianópolis/SC. O setor de atendimento ao consumidor também se localiza em escritório administrativo na própria Estação de Tratamento de Águas ETA. Os dados e informações complementares sobre a qualidade da água encontram-se no site bem como, em informativo encaminhado mensalmente às residências, anexo à conta de água. IDENTIFICAÇÃO DOS MANANCIAS DE CAPTAÇÃO: O manancial de captação encontra-se a 600 metros da Estação de Tratamento de Água, aos fundos do Jurerê Sports Center, que fica na Av. Dourados. É caracterizado como lago artificial, que é abastecido pelas águas pluviais e do lençol freático. Possui volume aproximado de m³, de onde é captada a vazão de 50 litros por segundo. Além do lago artificial são utilizadas ponteiras instaladas no entorno da Estação de Tratamento de Água para captação das águas do lençol freático, e possuem uma capacidade aproximada de 20 l/s. O lago de captação é monitorado mensalmente por laboratório interno e externo, e avaliado quanto aos parâmetros de potabilidade e cianobactérias. Resultados da qualidade: Abaixo na Tabela 1 apresentamos os resultados médios da qualidade do manancial de captação no ano de Estas análises foram realizadas por laboratório interno, localizado na Estação de Tratamento de Águas. Página 2 de 11

3 Tabela 1: Resultados médios Qualidade manancial captação 2015 Parâmetros Unidade Resultados Método de Análise Temperatura o C 21,7 Termômetro Condutividade µs/cm 478,8 Condutivímetro STD mg/l 251,2 Condutivímetro Turbidez NTU 6,51 Turbidímetro ph --- 7,18 Peagâmetro Fósforo Total mg/l 0,81 Espectrofotômetro Nitrogênio 1,8 Espectrofotômetro Amoniacal mg/l Dureza Total mg/l CaCO 3 201,7 Titulação Alcalinidade mg/l CaCO 3 165,4 Titulação Nitrato mg/l 0,6 Espectrofotômetro Alumínio mg/l 0,033 Espectrofotômetro Manganês mg/l 0,243 Espectrofotômetro Ferro mg/l 0,487 Espectrofotômetro Col. Totais Nmp/100ml 2366 Tubos múltiplos Col. Fecais Nmp/100ml 822 Tubos múltiplos OD mg/l 5,67 Oxímetro Salinidade 0,2 Condutivímetro Cor UC 109,5 Colorímetro Sulfatos mg/l 27,0 Espectrofotômetro Cloretos mg/l 95,0 Titulação DQO mg/l 26,3 Espectrofotômetro DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TRATAMENTO E ABASTECIMENTO DAS ÁGUAS: A Estação de Tratamento de Água tem capacidade de tratamento de 115 litros por segundo. Atualmente, o sistema é composto de quatro reservatórios com volume total armazenado de 2 milhões e meio de litros. A distribuição da água a partir da Estação de Tratamento é realizada por bombas chamadas de "boosters", acionadas por "sistema eletrônico inteligente" para manter a pressão na rede, garantindo que o abastecimento não sofra variações de pressão nas tubulações junto às residências. A ETA dispõe, ainda, de geradores próprios de energia elétrica, movidos a diesel, que asseguram a continuidade do abastecimento, independentemente de quedas de energia. Página 3 de 11

4 O sistema de tratamento é do tipo convencional composto das seguintes etapas: Torre de aeração - Auxilia na oxidação dos metais e matéria orgânica presentes na água; Calha parshall Local onde acontece a mistura rápida da água com o coagulante, e local onde é realizada a leitura da vazão de água a ser tratada. O coagulante possui a finalidade de aglutinar os componentes presentes na água, que precisam ser removidos, formando flocos; Floculadores São tanques compostos por misturadores mecânicos que realizam a mistura lenta do coagulante e do floculante com a água. Neste ponto é adicionado um floculante, responsável pelo aumento do volume dos flocos formados, favorecendo a decantação; Decantador lamelar - É nesta etapa que os flocos formados nos floculadores sedimentam, clarificando a água; Filtros de dupla camada, de antracito e areia A água clarificada é encaminhada aos filtros que servem para polimento final; Tanque de contato de chicanas - Responsáveis por promover a agitação da água e favorecer seu contato com o hipoclorito de sódio, tornando eficaz a sua desinfecção; Reservação - São quaatro reservatórios com capacidade total de litros de água, sendo 2 de litros cada, 1 de litros e outro de litros. O lodo resultante da etapa de decantação, e o resíduo das limpezas da Estação é encaminhado aos leitos de secagem. Depois de desidratado, o sólido resultante é encaminhado a um aterro industrial adequado. MONITORAMENTOS E CONTROLES OPERACIONAIS REALIZADOS: São realizados todos os controles estabelecidos na Portaria n de 14 de dezembro de 2011, do Ministério da Saúde, que determina Normas e Padrões de potabilidade de água destinada ao consumo humano. Abaixo segue Tabela 2 com os monitoramentos realizados e suas freqüências: Página 4 de 11

5 Tabela 2: Monitoramentos realizados em Pontos de Freqüência Legislação Laboratório monitoramento Lago de Captação Mensal - SAE / Acquaplant Reservatório de distribuição Mensal Portaria n Acquaplant Canais de Drenagem Jurerê Internacional Mensal - SAE PCQs Semanal Portaria n SAE PCQ Mensal Portaria n Acquaplant Microbiologia 2 x por reservatório de semana distribuição Portaria n SAE Além das análises demonstradas na tabela acima, o reservatório de distribuição de água tratada é controlado de hora em hora pelos operadores da ETA, quanto aos parâmetros ph, turbidez e cloro. O Sistema de Águas e Esgotos - SAE possui para controle da qualidade da água distribuída, Pontos de Controle de Qualidade P.C.Q s, que são pontos distribuídos no residencial, principalmente em pontos finais de rede e têm como objetivo de favorecer a coleta de amostra de água, para o controle de qualidade da água na rede de abastecimento. Também possibilita a imediata detecção de quaisquer problemas existentes. Nestes pontos são avaliados cloro residual, pressão, ph, turbidez, cor e coliformes fecais. Mensalmente é escolhido um ponto da rede para realização de análises de potabilidade por laboratório externo. RESULTADOS DAS ANÁLISES: Na Tabela 3, Tabela 4 e Tabela 5 encontram-se os resultados mensais obtidos no ano de 2015 para as amostras coletadas no reservatório de distribuição de água tratada, e para as amostras coletadas na rede de abastecimento. As análises foram realizadas por laboratório externo Acquaplant Química do Brasil Ltda. Na Tabela 6encontra-se a média mensal dos resultados de cloro residual obtidos da análise dos PCQs, no ano de Na Tabela 7 encontra-se a média mensal dos resultados de turbidez obtidos da análise dos PCQs, no ano de Na Tabela 8 encontram-se os resultados das análises de cianobactérias no manancial de captação, realizadas mensalmente no ano de Página 5 de 11

6 Tabela 3: Resultados das análises realizadas em Parâmetro UNIDADE VMP N de amostras realizadas Nº de amostras anômalas detectadas Janeiro/15 Fevereiro/15 Março/15 Booster PCQ Booster PCQ Booster PCQ Amônia (como NH3) mg/l 1, < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,70 Cor Aparente uh ,2 6,1 3,6 3,4 4,3 4,2 Dureza mg/l , ,0 166,0 180,0 198,0 194,0 Sólidos Dissolvidos Totais mg/l ,0 477,0 352,0 472,0 410,0 376,0 Sulfato mg/l < 38 < 38 < 38 < 38 < 38 < 38 Surfactantes (como LAS) mg/l 0, < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 Turbidez NTU ,2900 0,75 0,33 0,33 0,47 0,46 Cloro Residual mg/l 0,2-5, ,8 0,67 0,60 0,45 1,19 0,77 ph (a 20 C) - 6,0-9, ,35 7,34 7,16 7,12 7,06 7,09 Sulfeto de Hidrogênio mg/l 0, < 0,05 < 0,05 < 0,05 < 0,05 < 0,05 1,2-Diclorobenzeno mg/l 0, < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 1,4-Diclorobenzeno mg/l 0, < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 Alumínio mg/l 0, ,0610 0,1100 0,0530 0,0514 0,0700 0,2010 Cloreto mg/l ,4 69,1 63,1 62,4 55,3 57,4 Etilbenzeno mg/l 0, < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 Ferro mg/l 0, ,0 0,015 0,009 0,009 0,013 0,036 Gosto ,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 Odor ,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 m,p-xilenos mg/l 0, < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 Manganês mg/l 0, ,0 0,0500 0,0060 0,0080 0,0150 0,0620 Monoclorobenzeno mg/l 0, < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 o-xileno mg/l < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 Sódio mg/l ,088 37,402 37,239 37,661 40,591 45,655 Tolueno mg/l 0, < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 Xileno mg/l 0, < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 Zinco mg/l < 0,005 < 0,005 < 0,005 < 0,005 < 0,005 0,015 Coliformes Totais NMP/100mL ausente ausentes ausentes ausentes ausentes Escherichia coli NMP/100mL ausente ausentes ausentes ausentes ausentes Booster: Reservatório de distribuição; STD: Sólidos Totais Dissolvidos; PCQ: Ponto de Controle da Qualidade na rede de abastecimento de água. Página 6 de 11

7 Tabela 4: Resultados das análises realizadas em Parâmetro UNIDADE Abril/15 Maio/15 Junho/15 Julho/15 Agosto/15 Booster PCQ Booster PCQ Booster PCQ Booster PCQ Booster PCQ Amônia (como NH3) mg/l < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,7 < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,70 Cor Aparente uh < 0,20 3,0 6,00 7,00 5,00 4,00 1,00 11,00 5,00 6,00 Dureza mg/l 180,0 190,0 196,0 200,0 150,0 148,0 194,0 186,0 202,0 200,0 Sólidos Dissolvidos Totais mg/l 438,0 365, Sulfato mg/l < 38 < 38 < 38 < ,0 112,0 89,9 98,1 95,0 113,8 Surfactantes (como LAS) mg/l < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 Turbidez NTU 0,29 0,39 0,72 0,59 0,34 0,41 0,38 0,99 0,38 0,37 Cloro Residual mg/l 0,90 0,46 0,85 0,55 0,96 0,,66 1,24 0,50 0,82 0,71 ph (a 20 C) - 6,97 7,60 7,14 7,11 7,29 7,35 7,17 7,17 7,20 7,25 Sulfeto de Hidrogênio mg/l < 0,05 < 0,05 < 0,05 < 0,05 < 0,05 < 0,05 < 0,05 < 0,05 < 0,05 < 0,05 1,2-Diclorobenzeno mg/l < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 1,4-Diclorobenzeno mg/l < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 Alumínio mg/l 0,0800 0,0950 0,1080 0,1140 0,0870 0,0850 0,1120 0,1910 0,1030 0,1030 Cloreto mg/l 53,2 56,7 66,65 68,42 23,04 23,40 71,96 67,36 59,20 57,78 Etilbenzeno mg/l < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 Ferro mg/l 0,011 0,017 0,011 0,018 0,010 0,013 0,016 0,033 0,012 0,034 Gosto - 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 Odor - 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 m,p-xilenos mg/l < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 Manganês mg/l 0,0090 0,0110 < 0,005 0,0100 0,0250 0,0140 0,0050 0,0860 < 0,005 0,0100 Monoclorobenzeno mg/l < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 o-xileno mg/l < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 Sódio mg/l 39,131 41,467 34,260 25,349 43,115 45,612 65,809 60,556 29,479 31,784 Tolueno mg/l < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 Xileno mg/l < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 Zinco mg/l < 0,005 < 0,005 < 0,005 < 0,005 < 0,005 < 0,005 0,012 0,011 0,011 < 0,005 Coliformes Totais NMP/100mL ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes Escherichia coli NMP/100mL ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes Booster: Reservatório de distribuição; STD: Sólidos Totais Dissolvidos; PCQ: Ponto de Controle da Qualidade na rede de abastecimento de água. Página 7 de 11

8 Parâmetro UNIDADE Tabela 5: Resultados das análises realizadas em Setembro/15 Outubro/15 Novembro/15 Dezembro/15 MÉDIA Jan - Dez Booster PCQ Booster PCQ Booster PCQ Booster PCQ Booster PCQ Amônia (como NH3) mg/l < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,70 < 0,70 Cor Aparente uh 3,00 4,00 6,00 4,90 < 0,20 < 0,20 5,10 4,90 4,11 4,88 Dureza mg/l 168,0 178,0 166,0 154,0 162,0 162,0 188,0 192,0 163,69 166,00 Sólidos Dissolvidos Totais mg/l ,5 385,1 Sulfato mg/l 118,0 128,9 120,0 121,8 107,4 107,1 115,2 115,3 95,06 99,63 Surfactantes (como LAS) mg/l < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 < 0,35 Turbidez NTU 0,41 0,46 0,35 0,40 < 0,20 < 0,20 0,49 0,71 0,37 0,49 Cloro Residual mg/l 0,57 0,42 1,13 0,97 1,06 0,99 1,01 1,14 0,856 0,636 ph (a 20 C) - 6,77 6,98 7,30 7,40 7,01 6,91 6,84 6,88 6,56 6,63 Sulfeto de Hidrogênio mg/l < 0,05 < 0,05 < 0,005 < 0,05 < 0,05 < 0,05 < 0,001 < 0,001 < 0,05 < 0,05 1,2-Diclorobenzeno mg/l < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 <0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 1,4-Diclorobenzeno mg/l < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 Alumínio mg/l 0,0800 0,0720 0,0650 < 0,010 0,0530 0,0570 0,0740 0,1060 0,073 0,099 Cloreto mg/l 57,78 60,97 45,20 45,50 47,10 47,70 52,40 52,60 51,03 51,49 Etilbenzeno mg/l < 0,001 < 0,001 < 0,01 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 Ferro mg/l 0,013 0,40 0,01 0,01 0,01 0,03 0,007 0,044 0,0094 0,0507 Gosto - 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,00 1,00 Odor - 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,00 1,00 m,p-xilenos mg/l < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 < 0,002 Manganês mg/l < 0,005 0,0180 0,0050 0,0100 0,0050 0,0060 < 0,005 0,0240 0,0078 0,0238 Monoclorobenzeno mg/l < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 o-xileno mg/l < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 Sódio mg/l 32,275 42,459 13,591 13,632 22,288 22,945 23,549 23,513 32,19 32,93 Tolueno mg/l < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 < 0,001 Xileno mg/l < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 < 0,003 Zinco mg/l 0,028 0,032 < 0,005 < 0,005 < 0,005 0,007 < 0,005 < 0,005 < 0,005 < 0,005 Coliformes Totais NMP/100mL ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes Escherichia coli NMP/100mL ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes ausentes Booster: Reservatório de distribuição; STD: Sólidos Totais Dissolvidos; PCQ: Ponto de Controle da Qualidade na rede de abastecimento de água Página 8 de 11

9 Tabela 6: Média mensal dos resultados das análises de cloro residual 2015 Mês VMP N de amostras realizadas Nº de amostras anômalas detectadas Jan 0,72 0,28 0,63 0,47 0,71 0,62 0,95 0,60 0,57 0,70 0,42 0,76 - Fev 0,32 0,30 0,38 0,30 0,50 0,37 0,44 0,21 0,32 0,36 0,34 0,34 - Mar 0,20 0,22 0,18 0,17 0,28 0,23 0,33 0,24 0,20 0,23 0,30 0,35 - Abr 0,51 0,33 0,34 0,27 0,54 0,51 0,94 0,29 0,44 0,56 0,41 0,80 - Mai 0,56 0,58 0,50 0,54 0,31 0,84 0,92 0,56 0,74 0,96 0,87 0,65 - Jun 0,2 à 5,0 0,97 0,47 0,76 0,81 0,69 1,09 1,18 0,84 0,77 0,97 0,94 0, Jul mg/l 0,79 0,44 0,46 0,40 0,56 0,66 0,75 0,36 0,56 0,68 0,66 0,55 - Ago 0,50 0,41 0,43 0,43 0,47 0,70 0,67 0,37 0,52 0,58 0,58 0,38 - Set 0,72 0,55 0,59 0,64 0,82 0,89 0,88 0,57 0,76 0,84 0,77 0,66 - Out 0,96 0,63 0,57 1,02 1,01 1,16 1,17 1,00 1,07 1,12 1,02 0,56 1,08 Nov 0,87 0,48 0,62 0,75 0,74 0,99 0,96 0,87 0,90 1,02 0,74 0,81 0,73 Dez 0,83 0,73 0,56 0,71 0,81 0,91 0,87 0,76 0,87 0,88 0,78 0,68 0, Quanto ao cloro residual, onde foram obtidos resultados fora do estipulado pela legislação, algumas ações foram tomadas, como aumento da concentração de cloro no reservatório de distribuição e projeto de automatização do sistema de cloração, com instalação de sensores para a nova Estação de Tratamento de Águas. Os pontos que não atendem a legislação são situados em finais de rede onde existem eventuais ocupações residenciais - apenas em alta temporada - provocando a volatilização do cloro que fica parado naquele trecho de rede. Página 9 de 11

10 Tabela 7: Média mensal dos resultados das análises de turbidez 2015 Mês VMP N de amostras realizadas Nº de amostras anômalas detectadas Jan 1,23 0,39 0,85 0,67 0,44 0,30 1,37 0,67 0,27 0,29 0,27 0,32 Fev 0,45 0,37 0,43 0,39 0,45 0,33 0,36 0,47 0,34 0,35 0,34 0,46 Mar 0,51 0,38 0,63 0,34 0,93 0,52 0,45 0,57 0,43 0,34 0,37 1,37 Abr 0,58 0,30 0,51 0,37 0,38 0,41 0,42 0,70 0,41 0,36 0,47 0,48 Mai 0,86 0,65 0,75 0,73 0,75 0,74 0,76 0,92 0,66 0,70 0,73 0,74 Jun 5,0 0,67 0,63 0,60 0,80 0,60 0,65 0,81 0,70 0,44 0,57 0,65 0, Jul NTU 0,65 0,51 0,72 0,53 0,42 0,61 0,45 0,59 0,41 0,44 0,41 0,55 Ago 0,62 0,56 0,98 0,55 2,09 0,82 0,66 1,26 0,49 0,56 0,57 0,90 Set 0,80 0,58 0,66 0,62 0,49 0,57 0,72 0,61 0,52 0,60 0,47 0,82 Out 0,75 0,64 0,90 0,79 0,62 0,57 0,94 0,82 0,54 0,56 0,56 0,67 Nov 1,09 0,73 0,66 0,77 0,66 0,66 0,74 0,92 0,66 0,68 0,58 0,45 Dez 0,87 1,05 0,52 0,83 0,75 0,65 0,65 0,81 0,76 0,69 0,67 0, Página 10 de 11

11 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA Tabela 8: Resultados das análises de cianobactérias no ano de Mês N de amostras realizadas Nº CÉLULAS CIANOBACTÉRIAS (cél /ml) Jan 10 Fev 216 Mar 21 Abr 5 Mai 320 Jun 3 12 Jul 10 Ago 7 Set 4 Out 21 Nov 4 Dez 0 PARTICULARIDADES DO SISTEMA Tanto o lago de captação quanto as ponteiras instaladas ao entorno da ETA possuem concentração elevada de dureza na água, originada dos sedimentos de conchas, formadas basicamente de cálcio sílica e magnésio, presentes no solo. Dureza da água significa a presença de sais alcalinos de cálcio, sódio e magnésio, e algumas vezes de ferro e alumínio. A água de JI possui uma dureza aproximada de 200 ppm, sendo classificada como água dura. O lago de captação caracteriza-se por apresentar baixa turbidez, e alta presença de cor, proveniente principalmente do ferro, manganês e algas. As algas presentes são em sua maioria algas verdes que não representam problemas para a saúde da população, sendo estas, em sua maioria, removidas na ETA. No tratamento não é adicionado flúor pela ocorrência natural nas águas do lençol freático, e do nível sócio-econômico da população residente em Jurerê Internacional. Página 11 de 11

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS 2015

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS 2015 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS 2015 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2015, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS 2016

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS 2016 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS 2016 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2016, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2008 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2008, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

SISTEMA DE ÁGUA E ESGOTOS SAE

SISTEMA DE ÁGUA E ESGOTOS SAE AGOSTO/2018 Prezado (a) Cliente, A partir do dia 15 de setembro de 2018 as tarifas de água, esgotos e dos serviços prestados pelo SAE serão reajustados em 4,39%, o que corresponde ao IPCA (Índice de Preços

Leia mais

SISTEMA DE ÁGUA E ESGOTOS SAE. O SAE deseja O SAE deseja a todos os nossos clientes um ótimo 2019!

SISTEMA DE ÁGUA E ESGOTOS SAE. O SAE deseja O SAE deseja a todos os nossos clientes um ótimo 2019! OUTUBRO/2018 Que nesse ano possamos sonhar e acreditar, de coração, que podemos realizar cada um de nossos sonhos. Que nesse ano possamos abraçar, e repartir calor e carinho. Que isso não seja um ato de

Leia mais

JANEIRO/2017 SISTEMA DE ÁGUA E ESGOTOS SAE

JANEIRO/2017 SISTEMA DE ÁGUA E ESGOTOS SAE JANEIRO/2017 PARÂMETROS DE CONTROLE DA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA A partir deste mês, apresentaremos informações sobre todos os parâmetros citados mensalmente nos resultados das análises, divulgados

Leia mais

Qualidade da Água Tratada

Qualidade da Água Tratada Qualidade da Água Tratada Turbidez da Água Tratada 1,20 1,10 1,00 0,90 0,80 0,70 M E L H O R ntu 0,60 0,50 0,40 0,30 0,20 0,10 0,00 0,32 0,25 0,21 0,22 0,08 0,08 0,04 0,06 0,06 0,06 0,03 jan/14 fev/14

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2012 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2012 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2012, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

JANEIRO/2017 SISTEMA DE ÁGUA E ESGOTOS SAE

JANEIRO/2017 SISTEMA DE ÁGUA E ESGOTOS SAE JANEIRO/2017 PARÂMETROS DE CONTROLE DA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA A partir deste mês, apresentaremos informações sobre todos os parâmetros citados mensalmente nos resultados das análises, divulgados

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ACQUA BOOM SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA EPP Determinação

Leia mais

APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE ÁGUAS PLUVIAIS NO PROCESSO INDUSTRIAL DA SCHULZ SA

APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE ÁGUAS PLUVIAIS NO PROCESSO INDUSTRIAL DA SCHULZ SA APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE ÁGUAS PLUVIAIS NO PROCESSO INDUSTRIAL DA SCHULZ SA A Schulz Automotiva fornece componentes a partir de ferro fundido nodular e cinzento para os seguintes mercados: 2 JOHN

Leia mais

Relatório Anual de Qualidade da Água

Relatório Anual de Qualidade da Água Relatório Anual de Qualidade da Água - 2016 Com o objetivo de atender ao Decreto Federal nº 5.440/05 que estabelece os procedimentos para a divulgação de informações ao consumidor sobre a qualidade da

Leia mais

10 Estações de Tratamento de Água. TH028 - Saneamento Ambiental I 1

10 Estações de Tratamento de Água. TH028 - Saneamento Ambiental I 1 10 Estações de Tratamento de Água TH028 - Saneamento Ambiental I 1 10.1 - Introdução Água potável à disposição dos consumidores: De forma contínua Quantidade adequada Pressão adequada Qualidade adequada

Leia mais

Relatório do período de 23 de Novembro a 21 de Dezembro de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS.

Relatório do período de 23 de Novembro a 21 de Dezembro de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Relatório do período de 23 de Novembro a 21 de Dezembro de 2017. INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Os dados constantes no boletim informativo, produzido pela Estação de Tratamento de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Resolução SS- 293, de 25 /10 / 96 Estabelece os procedimentos do Programa de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano no Estado de São Paulo e dá providências correlatas. O Secretário da Saúde,

Leia mais

Escritório Central: Rua Aderbal R. da Silva, s/n Centro CEP: Doutor Pedrinho SC Fone: (47)

Escritório Central: Rua Aderbal R. da Silva, s/n Centro CEP: Doutor Pedrinho SC Fone: (47) RELATORIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA CASAN - COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO AGÊNCIA DE DOUTOR PEDRINHO Responsável legal: Diretor Presidente Valter Gallina As informações complementares

Leia mais

Saneamento I. João Karlos Locastro contato:

Saneamento I. João Karlos Locastro contato: 1 ÁGUA 2 3 Saneamento I João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 4 Objetivos Projeto; Legislação; Atuação Profissional - Prestação de serviços - Concursos públicos 5 Ementa Saneamento

Leia mais

Relatório do período de 22 de Dezembro de 2018 a 22 de Janeiro de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS.

Relatório do período de 22 de Dezembro de 2018 a 22 de Janeiro de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Relatório do período de 22 de Dezembro de 2018 a 22 de Janeiro de 2019. INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Os dados constantes no boletim informativo, produzido pela Estação de Tratamento

Leia mais

Escritório Central: Rua Leandro Longo, s/n Centro CEP: Rio dos Cedros SC Fone: (47)

Escritório Central: Rua Leandro Longo, s/n Centro CEP: Rio dos Cedros SC Fone: (47) RELATORIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA CASAN - COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO AGÊNCIA DE RIO DOS CEDROS Responsável legal: Diretor Presidente Valter Gallina As informações complementares

Leia mais

Escritório Central: Rua Celso Ramos, 1303 Centro CEP: Benedito Novo SC Fone: (47)

Escritório Central: Rua Celso Ramos, 1303 Centro CEP: Benedito Novo SC Fone: (47) RELATORIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA CASAN - COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO AGÊNCIA DE BENEDITO NOVO Responsável legal: Diretor Presidente Valter José Gallina As informações complementares

Leia mais

AMPARO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

AMPARO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE AMPARO PRESTADOR: SAAE - SANEAMENTO AMBIENTAL Relatório R2 Não Conformidades Americana, novembro de 2014 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Relatório Anual de Qualidade da Água -2012

Relatório Anual de Qualidade da Água -2012 Relatório Anual de Qualidade da Água -2012 Com o objetivo de atender ao Decreto Federal nº 5.440/05 que estabelece os procedimentos para a divulgação de informações ao consumidor sobre a qualidade da água

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO QUALY LAB ANÁLISES AMBIENTAIS LTDA / QUALY LAB ANÁLISES

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2010

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2010 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2010 São Paulo Itapetininga Quem é a Sabesp A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) é uma empresa de economia mista, capital aberto, que tem

Leia mais

Relatório do período de 22 de Março a 20 de Abril de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS.

Relatório do período de 22 de Março a 20 de Abril de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Relatório do período de 22 de Março a 20 de Abril de 2018. INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Os dados constantes no boletim informativo, produzido pela Estação de Tratamento de Água e

Leia mais

QUEM É A SABESP SITUAÇÃO DOS MANANCIAIS

QUEM É A SABESP SITUAÇÃO DOS MANANCIAIS ITAPETININGA QUEM É A SABESP A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) é uma empresa de economia mista, de capital aberto, que tem como principal acionista o Governo do Estado de

Leia mais

RELATÓ RIÓ DE QUALIDADE DA A GUA

RELATÓ RIÓ DE QUALIDADE DA A GUA RELATÓ RIÓ DE QUALIDADE DA A GUA ANO BASE 2017 Fonte: Planejamento Estratégico da SGS A SGS tem como um de seus objetivos promover a diversificação das atividades da empresa, de forma a oferecer aos clientes

Leia mais

II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO

II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO Cristiano Olinger (1) Engenheiro Civil pela Fundação Universidade Regional

Leia mais

FERRAMENTA COMPUTACIONAL

FERRAMENTA COMPUTACIONAL FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA CONTROLE DE PROCESSO DE TRATAMENTO DE ÁGUA João Francisco de Paula Pimenta Engenheiro Ambiental (UFV), Mestre em Engenharia Civil (UFV), Doutorando em Engenharia Civil (UFV),

Leia mais

Relatório do período de 22 de Junho a 20 de Julho de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS.

Relatório do período de 22 de Junho a 20 de Julho de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Relatório do período de 22 de Junho a 20 de Julho de 2018. INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Os dados constantes no boletim informativo, produzido pela Estação de Tratamento de Água e

Leia mais

SANTA BÁRBARA D OESTE

SANTA BÁRBARA D OESTE RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE SANTA BÁRBARA D OESTE PRESTADOR: DAE DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE SANTA BÁRBARA D OESTE Relatório R3 Continuação do Diagnóstico

Leia mais

10.2 Parâmetros de qualidade da água

10.2 Parâmetros de qualidade da água 10-3 m 1 m 10.2 Parâmetros de qualidade da água Sistema de Abastecimento de Água Partículas dissolvidas Dureza (sais de cálcio e magnésio), ferro e manganês não oxidados Partículas coloidais Coloidais:

Leia mais

Relatório do período de 23 de Maio a 21 de Junho de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS.

Relatório do período de 23 de Maio a 21 de Junho de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Relatório do período de 23 de Maio a 21 de Junho de 2018. INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Os dados constantes no boletim informativo, produzido pela Estação de Tratamento de Água e

Leia mais

I EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE CARBONO ORGÂNICO TOTAL EM ETA DE CICLO COMPLETO NO TRATAMENTO DE ÁGUA SUPERFICIAL CONTAMINADA ESTUDO DE CASO

I EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE CARBONO ORGÂNICO TOTAL EM ETA DE CICLO COMPLETO NO TRATAMENTO DE ÁGUA SUPERFICIAL CONTAMINADA ESTUDO DE CASO I-120 - EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE CARBONO ORGÂNICO TOTAL EM ETA DE CICLO COMPLETO NO TRATAMENTO DE ÁGUA SUPERFICIAL CONTAMINADA ESTUDO DE CASO Angela Di Bernardo Dantas (1) Engenheira Civil com Mestrado,

Leia mais

Relatório do período de 24 de Outubro a 22 de Novembro de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS.

Relatório do período de 24 de Outubro a 22 de Novembro de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Relatório do período de 24 de Outubro a 22 de Novembro de 2018. INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Os dados constantes no boletim informativo, produzido pela Estação de Tratamento de Água

Leia mais

05/06/2012. Petróleo e Gás Prof. Sabrina

05/06/2012. Petróleo e Gás Prof. Sabrina Petróleo e Gás Prof. Sabrina 1 2 3 4 5 6 7 8 TRATAMENTO DE ÁGUAS Petróleo e Gás Prof. Sabrina 9 10 FLUXOGRAMA DA ETA- ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA 11 12 Oxidação Oxidar os metais presentes na água, principalmente

Leia mais

Relatório de Potabilidade

Relatório de Potabilidade Relatório de Potabilidade 2018 ÁGUAS DE BOMBINHAS www.aguasbombinhas.com.br A Águas de Bombinhas é a concessionária responsável pelo abastecimento de água e esgotamento sanitário no município de Bombinhas,

Leia mais

JANEIRO/2017 SISTEMA DE ÁGUA E ESGOTOS SAE

JANEIRO/2017 SISTEMA DE ÁGUA E ESGOTOS SAE JANEIRO/2017 PARÂMETROS DE CONTROLE DA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA A partir deste mês, apresentaremos informações sobre todos os parâmetros citados mensalmente nos resultados das análises, divulgados

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO PARINTINS - AMAZONAS

ESTADO DO AMAZONAS SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO PARINTINS - AMAZONAS Plano de amostragem mensal recomendável para o controle da qualidade da água do sistema de abastecimento do SAAE, para fins de análises microbiológicas, em função da população abastecida conforme a Portaria

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA

RELATÓRIO DE CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA RELATÓRIO DE CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA Uruguaiana, 26 de abril de 2019. À Comunidade, Em cumprimento ao Anexo XX da Portaria de Consolidação Nº 5 do Ministério da Saúde de 28 de setembro de 2017, a

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2010

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2010 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2010 São Paulo Apiaí Quem é a Sabesp A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) é uma empresa de economia mista, capital aberto, que tem como

Leia mais

PROCESSO DE TRATAMENTO

PROCESSO DE TRATAMENTO PROCESSO DE TRATAMENTO Consiste em separar a parte líquida da parte sólida do esgoto, e tratar cada uma delas separadamente, reduzindo ao máximo a carga poluidora, de forma que elas possam ser dispostas

Leia mais

Relatório do período de 21 de Julho a 21 de Agosto de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS.

Relatório do período de 21 de Julho a 21 de Agosto de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Relatório do período de 21 de Julho a 21 de Agosto de 2018. INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Os dados constantes no boletim informativo, produzido pela Estação de Tratamento de Água

Leia mais

LOUVEIRA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R8 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

LOUVEIRA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R8 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE LOUVEIRA PRESTADOR: SAE SECRETARIA DE ÁGUA E ESGOTO DE LOUVEIRA Relatório R8 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

Leia mais

PARÂMETRO LEGISLAÇÃO RESULTADO UNIDADE. 1,2-Dicloroetano 10 µg/l < 1,0 µg/l. 1,2-Diclorobenzeno 0,01 mg/l < 0,001 mg/l

PARÂMETRO LEGISLAÇÃO RESULTADO UNIDADE. 1,2-Dicloroetano 10 µg/l < 1,0 µg/l. 1,2-Diclorobenzeno 0,01 mg/l < 0,001 mg/l Data de Conclusão do Relatório: 28/09/2015 Interessado: SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE AGUA E ESGOTO - SAMAE Cidade: Brusque, Santa Catarina Endereço: Rua Doutor Penido nº294 CEP: 89.350-460 CNPJ: 82.985.003/0001-96

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE ARARUAMA, SAQUAREMA E SILVA JARDIM

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE ARARUAMA, SAQUAREMA E SILVA JARDIM RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE ARARUAMA, SAQUAREMA E SILVA JARDIM Agosto 2018 Sumário 1. Considerações...Pag.1 2. Análises ETE Araruama...Pag.3

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE ARARUAMA, SAQUAREMA E SILVA JARDIM

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE ARARUAMA, SAQUAREMA E SILVA JARDIM RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE ARARUAMA, SAQUAREMA E SILVA JARDIM Setembro 2018 Sumário 1. Considerações...Pag.1 2. Análises ETE Araruama...Pag.3

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

I ENCONTRO DAS ÁGUAS. 13 a 15 de maio de Campo Grande MS

I ENCONTRO DAS ÁGUAS. 13 a 15 de maio de Campo Grande MS I ENCONTRO DAS ÁGUAS 13 a 15 de maio de 2009 - Campo Grande MS Realização: SINTERCON Painel : Título da Palestra: Palestrante: GESTÃO TÉCNICA E OPERACIONAL Avaliação do descarte de lodo da ETA diretamente

Leia mais

Relatório de Potabilidade

Relatório de Potabilidade Relatório de Potabilidade 2017 www.aguasbombinhas.com.br A Águas de Bombinhas Saneamento SPE LTDA é a concessionária responsável pelo abastecimento de água e esgotamento sanitário no município de Bombinhas,

Leia mais

ÁGUA Fundamentos Caracterização Impurezas Classificações Legislação aplicada Tratamentos

ÁGUA Fundamentos Caracterização Impurezas Classificações Legislação aplicada Tratamentos Disciplina: Água e Efluentes Industriais Prof.: Sávio Pereira ÁGUA Fundamentos Caracterização Impurezas Classificações Legislação aplicada Tratamentos FUNDAMENTOS SOBRE ÁGUA FUNDAMENTOS SOBRE ÁGUA Dados

Leia mais

Relatório do período de 22 de Setembro a 23 de Outubro de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS.

Relatório do período de 22 de Setembro a 23 de Outubro de INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Relatório do período de 22 de Setembro a 23 de Outubro de 2018. INTERPRETAÇÃO DO RELATÓRIO DA E.T.A. E COMENTÁRIOS. Os dados constantes no boletim informativo, produzido pela Estação de Tratamento de Água

Leia mais

Rua Nereu Ramos, 580, Centro, São Lourenço do Oeste CEP FONE (0xx)

Rua Nereu Ramos, 580, Centro, São Lourenço do Oeste CEP FONE (0xx) RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA CASAN - COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO AGÊNCIA DE SÃO LOURENÇO DO OESTE SAA São Lourenço Unidade I CNPJ 82 508 433/0123-95 Responsável legal:

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE ARARUAMA, SAQUAREMA E SILVA JARDIM

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE ARARUAMA, SAQUAREMA E SILVA JARDIM RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE ARARUAMA, SAQUAREMA E SILVA JARDIM Julho 2018 Sumário 1. Considerações...Pag.1 2. Análises ETE Ponte

Leia mais

QUEM É A SABESP SITUAÇÃO DOS MANANCIAIS

QUEM É A SABESP SITUAÇÃO DOS MANANCIAIS APIAÍ QUEM É A SABESP A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) é uma empresa de economia mista, de capital aberto, que tem como principal acionista o Governo do Estado de São Paulo,

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CPOA Nº CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO Processo nº 50971-05.67 / 17.6 00038 / 2017-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício

Leia mais

Flúor Cloro Turbidez Cor. VMP = 1,5 mg/l 0,2 até 5,0 mg/l VMP = 5,0 ut VMP = 15 uh 6,0 a 9,5 Sorensen. Nº Amostras Realizadas. Nº Amostras Exigidas

Flúor Cloro Turbidez Cor. VMP = 1,5 mg/l 0,2 até 5,0 mg/l VMP = 5,0 ut VMP = 15 uh 6,0 a 9,5 Sorensen. Nº Amostras Realizadas. Nº Amostras Exigidas Concessionária Águas das Agulhas Negras - Estado do Rio de Controle de Qualidade da Água Distribuída Referência 2018 Sistema de Abastecimento Físico - Químico Flúor Cloro Turbidez Cor VMP = 1,5 mg/l 0,2

Leia mais

I AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA ÁGUA BRUTA DE ABASTECIMENTO DA UFLA

I AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA ÁGUA BRUTA DE ABASTECIMENTO DA UFLA I-081 - AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA ÁGUA BRUTA DE ABASTECIMENTO DA UFLA Daniela Aparecida Vitor (1) Jean Michel pereira Souza (2) Arthur Boari (3) Dyego Maradona Ataide de Freitas (4) Engenheiro Ambiental

Leia mais

Tratamento da Água. João Karlos Locastro contato:

Tratamento da Água. João Karlos Locastro contato: 1 Tratamento da Água João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 2 Vazão 3 Informações pertinentes - A água bruta pode conter compostos como: partículas coloidais, substâncias húmicas e

Leia mais

ALTERNATIVA DE TRATAMENTO DO LODO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA ETA QUEIMA PÉ NO MUNICÍPIO DE TANGARÁ DA SERRA/MT.

ALTERNATIVA DE TRATAMENTO DO LODO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA ETA QUEIMA PÉ NO MUNICÍPIO DE TANGARÁ DA SERRA/MT. ALTERNATIVA DE TRATAMENTO DO LODO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA ETA QUEIMA PÉ NO MUNICÍPIO DE TANGARÁ DA SERRA/MT. CAMPOS, Flaviane de Morais. UFMT flavi.morais@hotmail.com GONÇALVES, Edu Rodolfo. SAMAE

Leia mais

RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N / Processo Comercial N 18152/2018-2

RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N / Processo Comercial N 18152/2018-2 RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N 262986/2018-1 Data da entrada no laboratório: 22/09/2018 09:50:00 Data de Elaboração do RRA: 08/10/2018 Parâmetros Unidade LQ/ Faixa Resultados analíticos Alcalinidade

Leia mais

Você está recebendo um caderno de prova para o cargo de AGENTE DE ETA.

Você está recebendo um caderno de prova para o cargo de AGENTE DE ETA. Nome do candidato: Assinatura: Número da inscrição: ATENÇÃO! SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO SAMAE Edital nº 001/2017 CADERNO DE PROVA AGENTE DE ETA Você está

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr.

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr. 18 de agosto de 2010, Rio de Janeiro GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr. O Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro Dados

Leia mais

Raoni de Paula Fernandes

Raoni de Paula Fernandes 19 de Agosto de 2010, Rio de Janeiro ANÁLISE DA QUALIDADE DO EFLUENTE FINAL DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO ETE BREJO COMPRIDO E DE SEU CORPO RECEPTOR, O CÓRREGO BREJO COMPRIDO. Raoni de Paula Fernandes

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO CORPO RECEPTOR

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO CORPO RECEPTOR Qualidade de Água e Esgotos Página: 01/10 RELATÓRIO MENSAL PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO CORPO RECEPTOR ARMAÇÃO DOS BÚZIOS MARÇO/2014 ETE ARMAÇÃO DOS BÚZIOS LO Nº IN 018438 PROCESSO E-07 201.999/03 Qualidade

Leia mais

Vigilância e Monitoramento - Visualizar

Vigilância e Monitoramento - Visualizar Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano Data: 14/08/2018 Hora: 16:44:38 Vigilância e Monitoramento Visualizar Informações gerais UF RS Código IBGE 432350 Ano de Referência

Leia mais

Flúor Cloro Turbidez Cor. VMP = 1,5 mg/l 0,2 até 5,0 mg/l VMP = 5,0 ut VMP = 15 uh 6,0 a 9,5 Sorensen. Nº Amostras Realizadas. Nº Amostras Realizadas

Flúor Cloro Turbidez Cor. VMP = 1,5 mg/l 0,2 até 5,0 mg/l VMP = 5,0 ut VMP = 15 uh 6,0 a 9,5 Sorensen. Nº Amostras Realizadas. Nº Amostras Realizadas Concessionária Águas de Jahu - Estado de São Paulo Controle de Qualidade da Água Distribuída Referência 2018 Sistema de Abastecimento Físico - Químico Flúor Cloro Turbidez Cor Referencia istema de Abasteciment

Leia mais

Flúor Cloro Turbidez Cor. VMP = 1,5 mg/l 0,2 até 5,0 mg/l VMP = 5,0 ut VMP = 15 uh 6,0 a 9,5 Sorensen. Nº Amostras Realizadas. Nº Amostras Realizadas

Flúor Cloro Turbidez Cor. VMP = 1,5 mg/l 0,2 até 5,0 mg/l VMP = 5,0 ut VMP = 15 uh 6,0 a 9,5 Sorensen. Nº Amostras Realizadas. Nº Amostras Realizadas Concessionária Águas de Jahu - Estado de São Paulo Controle de Qualidade da Água Distribuída Referência 2018 Sistema de Abastecimento Físico - Químico Flúor Cloro Turbidez Cor Referencia istema de Abasteciment

Leia mais

Alexandre Pontes& Wagner Carvalho

Alexandre Pontes& Wagner Carvalho 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Águas Novas Reuso e tratamento de lodo de ETA Alexandre Pontes& Wagner Carvalho Apresentação - Prolagos - Concessionária de abastecimento público de água e tratamento

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CPOA Nº CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO Processo nº 50499-05.67 / 17.0 00041 / 2017-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício

Leia mais

Agradecimento Abril de 2017

Agradecimento Abril de 2017 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Hidráulicas Departamento de Obras Hidráulicas IPH 02058: Tratamento de Água e Esgoto Engenharia Hídrica Agradecimento: O prof. Gino agradece

Leia mais

Relatório de Ensaio nº /15

Relatório de Ensaio nº /15 : 07.877.969/0001-94 ÁGUA - MANCIAL SUBTERRÂNEO 08:45 06:00 CHUVAS S 48 HORAS: NÃO, PRESERVADA: SIM, TEMPERATURA DO AR: 26.1ºC, CLORO RESIDUAL LIVRE: 0.28 MG/L. Registro:. FQ020 - Cor aparente 3 mg Pt-Co/L

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 23 O meio aquático II: Monitoramento e parâmetros de qualidade de água Prof.ª Heloise Knapik 1 Bacia do Alto Iguaçu Ocupação Urbana

Leia mais

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM SÃO FRANCISCO DO SUL

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM SÃO FRANCISCO DO SUL A Águas de São Francisco do Sul é a concessionária responsável pelo abastecimento de água e esgotamento sanitário no município de São Francisco do Sul, em Santa Catarina. A companhia faz parte da Aegea

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental I-14 - CARACTERIZAÇÃO DA ÁGUA BRUTA E AVALIAÇÃO DA CARGA HIDRÁULICA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DO BOLONHA (ETA-BOLONHA)-REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM Rubens Chaves Rodrigues (1) Graduando em Engenharia

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ACQUA BOOM SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA - EPP Determinação

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

Relatório de Ensaio nº /14

Relatório de Ensaio nº /14 Lucas do Rio Verde/ Data/Hora da Data de Remessa Local de Responsável pela CHUVAS S 48 HORAS: SIM, CLORO RESIDUAL LIVRE: 0.4 MG/L, TEMPERATURA DO AR: 28 C. Registro:. FQ020 - Cor aparente

Leia mais

Coagulantes nas Estações de Tratamento de Água de Campinas: Vantagens do uso do PAC Engº Sinezio Ap. de Toledo - SANASA Campinas

Coagulantes nas Estações de Tratamento de Água de Campinas: Vantagens do uso do PAC Engº Sinezio Ap. de Toledo - SANASA Campinas Coagulantes nas Estações de Tratamento de Água de Campinas: Vantagens do uso do PAC Engº Sinezio Ap. de Toledo - SANASA Campinas Americana, 21 de Fevereiro de 2019 Engº Sinézio Ap. de Toledo Coordenador

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2010

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2010 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2010 São Paulo - SP Quem é a Sabesp A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) é uma empresa de economia mista, capital aberto, que tem como principal

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO TOMMASI ANALÍTICA LTDA ALIMENTOS E BEBIDAS ORIGEM ANIMAL

Leia mais

I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE.

I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE. I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE. Luiz Boaventura da Cruz e Silva (1) Químico bacharel graduado pela Universidade

Leia mais

DESEMPENHO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PELO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS OPERANDO POR BATELADA

DESEMPENHO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PELO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS OPERANDO POR BATELADA DESEMPENHO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PELO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS OPERANDO POR BATELADA Paulo Sergio Scalize (*) Graduado em Ciências Biológicas Modalidade Médica pela Faculdade Barão de

Leia mais

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME O SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto da cidade de Governador Valadares-MG, é uma Autarquia Municipal, criada pela Lei Municipal Nº276 de 01/09/1952,

Leia mais

16º Encontro Técnico de Alto Nível: Reúso de Água

16º Encontro Técnico de Alto Nível: Reúso de Água PROGRAMA DE REÚSO DE ÁGUA SANASA CAMPINAS 16º Encontro Técnico de Alto Nível: Reúso de Água 07 DE NOVEMBRO DE 2016 SANASA Sociedade de economia mista responsável pelo sistema de saneamento em Campinas-SP

Leia mais

Purificação das águas: tratamento de água para abastecimento

Purificação das águas: tratamento de água para abastecimento Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Química Ambiental (2017/2) Química das Águas (Parte 3a) Purificação das águas: tratamento de água para abastecimento

Leia mais

ANEXO III. (4) Indicador de integridade do sistema de distribuição (reservatório e rede). NOTAS: (1) Valor máximo permitido. (2) Unidade de Turbidez.

ANEXO III. (4) Indicador de integridade do sistema de distribuição (reservatório e rede). NOTAS: (1) Valor máximo permitido. (2) Unidade de Turbidez. ANEXO I Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano Tipo de água Parâmetro VMP (1) Água para consumo humano Escherichia coli (2) Ausência em 100 ml Água tratada Na saída do tratamento Coliformes

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 9 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO GREEN LAB ANÁLISES QUÍMICAS E TOXICOLÓGICAS LTDA. /

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Profª Heloise G. Knapik 1 Primeiro módulo: Dimensionamento de redes de

Leia mais

Flúor Cloro Turbidez Cor. VMP = 1,5 mg/l 0,2 até 5,0 mg/l VMP = 5,0 ut VMP = 15 uh 6,0 a 9,5 Sorensen. Nº Amostras Realizadas. Nº Amostras Exigidas

Flúor Cloro Turbidez Cor. VMP = 1,5 mg/l 0,2 até 5,0 mg/l VMP = 5,0 ut VMP = 15 uh 6,0 a 9,5 Sorensen. Nº Amostras Realizadas. Nº Amostras Exigidas Conformes Conformes Concessionária Águas do Paraíba - Estado do Rio de Controle de Qualidade da Água Distribuída Referência 2018 Sistema de Abastecimento Físico - Químico Bacteriológico Flúor Cloro Turbidez

Leia mais

Flúor Cloro Turbidez Cor. VMP = 1,5 mg/l 0,2 até 5,0 mg/l VMP = 5,0 ut VMP = 15 uh 6,0 a 9,5 Sorensen. Nº Amostras Realizadas. Nº Amostras Exigidas

Flúor Cloro Turbidez Cor. VMP = 1,5 mg/l 0,2 até 5,0 mg/l VMP = 5,0 ut VMP = 15 uh 6,0 a 9,5 Sorensen. Nº Amostras Realizadas. Nº Amostras Exigidas Conformes Conformes Concessionária Águas do Paraíba - Estado do Rio de Controle de Qualidade da Água Distribuída Referência 2018 Sistema de Abastecimento Físico - Químico Flúor Cloro Turbidez Cor VMP =

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Tratamento de Água, Tratamento de Efluente, Resíduos de ETA s, Reuso de Água.

PALAVRAS-CHAVE: Tratamento de Água, Tratamento de Efluente, Resíduos de ETA s, Reuso de Água. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA, QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE FLUXO DESCENDENTE EM ETA DE CICLO COMPLETO PARA FINS DE REAPROVEITAMENTO Eduarda da Conceição Oliveira (*), Karytany Ulian

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUIDA 2014 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE AGUA DE BELA VISTA

RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUIDA 2014 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE AGUA DE BELA VISTA RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUIDA SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE AGUA DE BELA VISTA INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO, EM CUMPRIMENTO AO DECRETO Nº 5.440

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E OPERACIONAIS DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E OPERACIONAIS DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E OPERACIONAIS DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (*) Graduado em Ciências Biológicas Modalidade Médica pela Faculdade Barão de Mauá

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais