Descrição do Projecto Proposta de actividades

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Descrição do Projecto Proposta de actividades"

Transcrição

1 ACÇÃO TÉCNICA E DIDÁCTICA PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E A QUALIDADE DO AR INTERIOR NAS ESCOLAS DA RAM (EEQAI-) Descrição do Projecto Proposta de actividades 1 (Versão 3: Maio de 2011) PARCEIROS: AREAM Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira SREC Secretaria Regional de Educação e Cultura Acção promovida no âmbito projecto EEQAI- Acção Técnica e Didáctica para a Eficiência Energética e a Qualidade do Ar Interior nas da RAM, co-financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional através do Programa Intervir +. INTERVIR+ para uma Região cada vez mais europeia

2 Índice IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO E DOS PARCEIROS... 3 IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO... 3 PARCEIROS:... 3 AREAM Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira... 3 Equipa Técnica:... 3 SREC Secretaria Regional de Educação e Cultura RESUMO DO PROJECTO... 5 ENQUADRAMENTO DO PROJECTO... 8 ENQUADRAMENTO NA POLÍTICA REGIONAL, NACIONAL E EUROPEIA... 8 ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO COMUNITÁRIO, NACIONAL E REGIONAL... 8 ENQUADRAMENTO SOCIOECONÓMICO E AMBIENTAL... 9 PLANO DE TRABALHO...11 COMPONENTE DIDÁCTICA COMPONENTE TÉCNICA EVOLUÇÃO DOS TRABALHOS:...17 ACÇÕES DA VERTENTE TÉCNICA Estabelecimentos de ensino alvo de estudos para efeitos de Certificação Energética no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) ACÇÕES DA VERTENTE DIDÁCTICA JÁ DESENVOLVIDAS Acções de sensibilização e informação sobre energia dirigidas a alunos nos seguintes estabelecimentos de ensino da RAM: Concurso escolar Energia Sustentável 2009/ Exposição Energias Sustentáveis 2009/2010 no Centro Ciência Viva Porto Moniz Concurso escolar Energia Sustentável 2010/ DIVULGAÇÃO DO PROJECTO N A COMUNICAÇÃO SOCIAL (EXEMPLOS)...23 PROPOSTA DE ACTIVIDADES PARA AS ESCOLAS...24 CONTACTOS...27

3 Identificação do projecto e dos parceiros Identificação do projecto Designação do projecto: Acção Técnica e Didáctica para a Eficiência Energética e a Qualidade do Ar Interior nas da RAM Acrónimo do projecto: EEQAI- Data de início: 1 de Julho de 2009 Data de encerramento: 30 de Setembro de Parceiros: AREAM Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira Equipa Técnica: Melim Mendes, Engenheiro Químico e Engenheiro de Minas, Membro da Especialidade Energia da Ordem dos Engenheiros. Filipe Oliveira, Engenheiro Mecânico, Perito Qualificado do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (RCCTE, RSECE - Vertente Energia e RSECE Vertente Qualidade do Ar Interior), inscrito na DGEG como Técnico Examinador das Condições de Utilização de Energia e Autor de Planos de Racionalização. Gorete Soares, Engenheira Mecânica, Perita Qualificada do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (RCCTE e RSECE - Vertente Energia), inscrita na DGEG como Técnico Examinador das Condições de Utilização de Energia e Autor de Planos de Racionalização. Elizabeth Olival, Engenheira do Ambiente, frequência dos módulos Técnico e de Certificação da formação no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (RSECE Vertente Qualidade do Ar Interior). Cláudia Henriques, Engenheira Física. Equipa de comunicação e de gestão administrativa e financeira: Carmina Camacho, Comunicação e Gestão administrativa. Marta Silva, Gestão financeira. Cecília Alves, Comunicação e apoio administrativo. Odília Gonçalves Auxiliar administrativa.

4 SREC Secretaria Regional de Educação e Cultura Equipas técnicas a designar de acordo com a especificidade das tarefas, provenientes de diversas Direcções Regionais deste Secretaria Regional. 4

5 Resumo do projecto A iniciativa Acção Técnica e Didáctica para a Eficiência Energética e a Qualidade do Ar Interior nas da RAM surge na sequência da identificação de necessidades e oportunidades específicas da Região Autónoma da Madeira, associadas nomeadamente: Aos desígnios das políticas regionais de energia e de ambiente; Às obrigações da legislação energética e ambiental aplicável aos estabelecimentos de ensino, nomeadamente no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE); 5 Aos resultados do projecto ESENUR Informação, conhecimento e educação sobre utilização racional de energia e energias renováveis, realizado pela AREAM e pela SREC, em parceria com os Açores e as Canárias, no âmbito do Programa INTERREG IIIB (05/MAC/4.3/C6); Ao potencial de eficiência energética e de redução de custos com a energia existente no parque escolar da Região; Ao potencial de aprendizagem de procedimentos e hábitos de utilização eficiente de energia nas escolas e à capacidade de transmissão de conhecimentos à sociedade através da população escolar. A implementação de medidas técnicas e didácticas no âmbito da eficiência energética, da utilização das energias renováveis e da qualidade do ar interior (QAI) previstas no projecto para os estabelecimentos de ensino da Região, tem impactes positivos na saúde, no conforto e na produtividade dos alunos e professores, na redução do consumo de energia e da factura energética, e na redução das emissões de gases de efeito estufa. Os edifícios são responsáveis por cerca de 30% da energia final consumida na RAM, sendo possível reduzir os consumos de energia até 50% através da implementação de medidas de eficiência energética e valorização de energias renováveis, sendo que grande parte das medidas depende da mudança de comportamentos e hábitos dos utilizadores. Neste contexto, desenvolver a eficiência energética nas escolas tem um impacte directo na factura energética dos estabelecimentos de ensino e um potencial de redução da factura energética das famílias, pelo veículo privilegiado de transmissão de conhecimentos entre os alunos e as famílias, sendo igualmente de considerar o potencial de diminuição nas importações de fuelóleo e dos custos com licenças de emissão de CO 2. As preocupações com a qualidade do ar interior têm assumido uma atenção crescente associada ao facto de as pessoas passarem cerca de 90% do tempo em espaços interiores, onde ficam expostas à acção de uma variedade de poluentes químicos e biológicos, com origem nos materiais de construção e decoração, nas actividades que se desenvolvem no edifício, nos produtos de manutenção e limpeza, nos sistemas de aquecimento, ventilação e ar condicionado, nos ocupantes, na qualidade do ar exterior, entre outras fontes, e que podem constituir uma ameaça ao rendimento e mesmo à saúde dos ocupantes.

6 Neste contexto, os objectivos do projecto são: Incutir na comunidade escolar melhores hábitos de consumo de energia e sensibilizar os alunos e pessoal docente e não docente para a importância e as mais-valias da gestão da energia, da eficiência energética, da utilização das energias renováveis, da qualidade do ar interior e da prevenção às alterações climáticas. Com esta acção pretende-se que o trabalho de sensibilização a desenvolver pelo projecto envolva as 235 escolas da RAM, incluindo ensino pré-escolar, creches, ensino profissional, ensino privado e ensino especial, com cerca de alunos, e que tenha um efeito multiplicador nas famílias e na sociedade. 6 Avaliar o desempenho energético e a qualidade do ar interior em 35 estabelecimentos de ensino da RAM, abrangendo todos os níveis de ensino e cerca de 50% dos alunos da Região, e propor medidas com vista à redução dos consumos de energia e à melhoria da qualidade do ar interior com impactes positivos no conforto térmico e na saúde, contribuindo para o aumento do rendimento escolar e para a prevenção de doenças, e dando cumprimento aos requisitos legais aplicáveis nesta matéria. Promover a instalação de equipamentos eficientes e de aproveitamento de energias renováveis nas escolas auditadas através do desenvolvimento dos estudos técnicos de viabilidade, do apoio à elaboração da componente técnica dos cadernos de encargos e do apoio à elaboração de candidaturas para co-financiamento das intervenções. Fomentar a certificação dos estabelecimentos de ensino da RAM no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios, através do desenvolvimento das auditorias e estudos técnicos necessários à emissão dos primeiros 35 Certificados de Desempenho Energético e da Qualidade do Ar Interior para o parque escolar regional, requisito obrigatório de acordo com a legislação em vigor. Com estes objectivos, as acções do projecto contemplam uma vertente didáctica com intervenções para os professores e alunos e uma vertente técnica com desenvolvimento de auditorias e estudos técnicos em 35 estabelecimentos de ensino. No âmbito da vertente didáctica do projecto serão des as seguintes acções: Desenvolvimento de conteúdos técnicos e realização de 80 sessões de informação e de sensibilização dirigidas aos professores e alunos da RAM sobre as temáticas da gestão de energia e monitorização dos consumos, eficiência energética, valorização das energias renováveis, qualidade do ar interior e alterações climáticas; Elaboração de um guia de eficiência energética e outro para a qualidade do ar interior, em formato digital, a enviar a todas as escolas da RAM com procedimentos e recomendações sobre gestão de energia, eficiência energética, energias renováveis e qualidade do ar interior, com o objectivo de transmitir conhecimentos e motivar a comunidade escolar a ter um papel activo na

7 implementação de procedimentos com mais-valias para a economia, o ambiente e a qualidade de vida nas escolas e na Região; Apoio à criação de clubes de gestão de energia nas escolas para motivar a comunidade escolar a identificar oportunidades de melhoria, implementar medidas de redução dos consumos e custos com a energia, monitorizar os consumos de energia, bem como a avaliar o desempenho da implementação das medidas de melhoria. Realização de dois Concursos Escolares sobre energias renováveis e eficiência energética no seguimento dos concursos realizados em 2008 e 2009, que envolveram respectivamente 300 alunos e 70 professores e 200 alunos e 35 professores, de várias escolas da Região, de diferentes níveis de ensino. 7 No âmbito da vertente técnica do projecto serão des as seguintes acções de acordo com os requisitos do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios: Realização de 35 auditorias energéticas, 35 estudos com medidas de melhoria do desempenho energético e 35 planos de racionalização energética, de acordo com os requisitos da legislação aplicável; Realização de 35 auditorias à qualidade do ar interior, 35 estudos com medidas de melhoria da qualidade do ar interior e 35 planos de acções correctiva da qualidade do ar interior, de acordo com os requisitos da legislação aplicável; Preenchimento dos Certificados de Desempenho Energético e da Qualidade do Ar Interior dos 35 estabelecimentos de ensino auditados, com base na legislação em vigor e nos estudos desenvolvidos no âmbito do projecto. Os certificados serão emitidos mediante o pagamento da taxa de registo à ADENE Agência para a Energia, que deverá ser efectuado pelos respectivos estabelecimentos de ensino; Elaboração da componente técnica dos cadernos de encargos para a instalação de equipamentos para melhoria do desempenho energético e da qualidade do ar interior nas escolas auditadas; Identificação de linhas de financiamento para apoio à implementação das medidas de eficiência energética, valorização das energias renováveis e melhoria da qualidade do ar interior estudadas; Apoio técnico às escolas para a elaboração de candidaturas para co-financiamento das medidas que carecem de investimento.

8 Enquadramento do Projecto Enquadramento na Política Regional, Nacional e Europeia A Acção Técnica e Didáctica para a Eficiência Energética e a Qualidade do Ar Interior nas da RAM, a desenvolver pela AREAM e pela SREC, contribui para o cumprimento dos compromissos e metas da política regional, nacional e europeia, nomeadamente no âmbito: Do Plano de Política Energética da Região Autónoma da Madeira que estabelece os grandes objectivos e os eixos estratégicos da Política Energética Regional, bem como medidas de promoção da eficiência energética, valorização de recursos renováveis e redução de gases com efeito de estufa (aprovado através da Resolução nº 1468/2002, a 2 de Dezembro, do Conselho do Governo da Região Autónoma da Madeira); 8 Do Plano Regional da Política de Ambiente que estabelece os grandes objectivos da política regional de ambiente, as linhas de orientação estratégicas, bem como os programas de acção e recomendações; Do Programa Nacional para as Alterações Climáticas que estabelece objectivos e propõe medidas de combate às alterações climáticas (aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 119/2004, de 31 de Julho); Da Estratégia Nacional para a Energia que estabelece as linhas de orientação políticas sobre a eficiência energética (aprovada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 169/2005, de 24 de Outubro); Do Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética que engloba um conjunto alargado de programas e medidas fundamentais para que Portugal possa alcançar e suplantar os objectivos fixados no âmbito da Directiva n.º 2006/32/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 5 de Abril, relativa à eficiência na utilização final de energia e aos serviços energéticos (aprovada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 80/2008, de 20 de Maio); Da Estratégia Europeia para a Energia e as Alterações Climáticas, aprovada a 12 de Dezembro de 2008, que estabelece como grandes objectivos a alcançar até 2020, uma melhoria de 20% na eficiência energética, um aumento da participação das energias renováveis dos actuais 7% para 20% e uma redução dos gases com efeito de estufa de 20% em relação aos valores de 1990, metas para as quais é fulcral o envolvimento dos Estados membros a nível regional. Enquadramento Legislativo Comunitário, Nacional e Regional Os edifícios do parque escolar da Região estão abrangidos pelo Sistema Nacional da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios, sistema que resulta da adaptação ao quadro legislativo nacional da Directiva Europeia relativa ao desempenho energético dos edifícios.

9 Neste contexto, o projecto tem por objectivo desenvolver as auditorias e os estudos técnicos de forma a possibilitar a emissão dos primeiros Certificados de Desempenho Energético e da Qualidade do Ar Interior em 35 escolas da Região, desenvolvendo-se, nomeadamente, no seguinte enquadramento legislativo a nível comunitário, nacional e regional: Directiva n.º 2002/91/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Dezembro relativa ao desempenho energético dos edifícios, estabelecendo que os Estados membros da União Europeia devem implementar um sistema de certificação energética de forma a informar o cidadão sobre a qualidade térmica dos edifícios, incluindo os grandes edifícios públicos e edifícios visitados pelo público; 9 Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprova o Sistema Nacional da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE); Decreto-Lei n.º 79/2006 de 4 de Abril aprova o Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios (RSECE Energia e RSECE QAI); Decreto-Lei n.º 80/2006 de 4 de Abril aprova o Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE); Decreto Legislativo Regional n.º 1/2008/M de 11 de Janeiro adapta à Região Autónoma da Madeira o Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE), o Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios (RSECE) e o Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE). Enquadramento socioeconómico e ambiental O facto de o projecto ter como objectivo a transmissão de conhecimentos e a alteração de comportamentos na comunidade escolar da RAM, nos domínios da utilização eficiente de energia, energias renováveis, qualidade do ar interior e alterações climáticas, sendo desenvolvido maioritariamente por técnicos qualificados da Região, com conhecimentos específicos da realidade regional, tem impactes esperados a nível socioeconómico e ambiental na Região, associados, nomeadamente: Ao efeito multiplicador da transmissão de conhecimentos à comunidade pelos alunos e pelo pessoal docente e não docente, pelo número de escolas a envolver no projecto; Ao potencial de redução da factura da energia das escolas, garantindo níveis iguais ou superiores de conforto e qualidade de vida, com efeito replicador nas famílias e na sociedade, e impacte continuado no futuro, devido à interiorização esperada de hábitos de utilização eficientes de energia; À sensibilização da comunidade escolar e, através desta, das famílias e da sociedade, para os benefícios da utilização de equipamentos mais eficientes e equipamentos de valorização de energias renováveis;

10 À sensibilização da comunidade escolar e da sociedade para a importância da qualidade do ar interior na escola, em casa, no trabalho e nos veículos, nomeadamente para a produtividade, a saúde e o bem-estar; À sensibilização da comunidade escolar e da sociedade para os efeitos nefastos e preocupantes das alterações climáticas e para o papel individual e colectivo que devem desempenhar, a nível local, na redução das emissões da gases de efeito de estufa; À melhoria da qualidade do ambiente associada à utilização racional de recursos, à redução de emissões poluentes e, no global, à melhoria da consciência ambiental da comunidade escolar, das famílias e da sociedade; 10 À dinamização da economia associada nomeadamente à melhoria da qualidade do ambiente e da qualidade de vida, à redução das importações de combustíveis fósseis e à gestão mais eficiente do orçamento das famílias, entre outros aspectos.

11 Plano de trabalho Componente didáctica Tarefa 1 Descrição da tarefa Coordenação do Projecto Coordenação técnica do projecto e da cooperação entre os parceiros. Acompanhamento da realização do projecto, de acordo com as tarefas previstas. Articulação com os estabelecimentos de ensino envolvidos. Elaboração dos relatórios de execução física. Elaboração de pedidos de pagamento. Não aplicável. 11 Tarefa 2 Descrição da tarefa Acções de Informação para Professores Desenvolvimento de conteúdos técnicos e realização de cerca de 40 acções de informação para professores, abrangendo todos os concelhos e níveis de ensino, com o objectivo de informar e sensibilizar os docentes para as seguintes temáticas: Gestão de energia e monitorização dos consumos; Eficiência energética; Valorização das energias renováveis; Alterações climáticas; Qualidade do ar interior. Cerca de 40 acções em escolas da RAM, a seleccionar de acordo com o número de alunos, níveis de ensino e localização, interesse e necessidades.

12 Tarefa 3 Descrição da tarefa Acções de Informação para Alunos Desenvolvimento de conteúdos técnicos e realização de cerca de 40 acções de informação para alunos, abrangendo todos os concelhos e níveis de ensino, com o objectivo de informar e sensibilizar os alunos para as seguintes temáticas: Gestão de energia e monitorização dos consumos; Eficiência energética; Valorização das energias renováveis; 12 Alterações climáticas; Qualidade do ar interior. Cerca de 40 acções nas escolas da RAM, de acordo com os interesses e necessidades. Tarefa 4 Descrição da tarefa Concursos Escolares sobre Energias Renováveis e Eficiência Energética Concepção, desenvolvimento e organização de dois concursos escolares abrangendo escolas públicas e privadas e todos os níveis de ensino, incluindo ensino profissional e ensino especial, no seguimento dos concursos escolares lançados em anos anteriores no âmbito do projecto ESENUR e por iniciativa da AREAM e da SREC, que envolveram em 2007/2008 cerca de 300 alunos e 70 professores e em 2008/2009 cerca de 200 alunos e 36 professores. Os concursos a lançar têm por objectivo sensibilizar a comunidade escolar para a energia sustentável, motivando os professores e os alunos a desenvolver protótipos sobre a temática. A construção de modelos didácticos, recorrendo à utilização de tecnologias conhecidas e de fácil acesso, permitirá, aos alunos a aprendizagem e experimentação de conceitos dos domínios da matemática, física, educação ambiental, educação tecnológica, entre outros. Os concursos são de participação voluntária e serão divulgados em todos os estabelecimentos de ensino da RAM.

13 Tarefa 5 Descrição da tarefa Elaboração de um Guia de Gestão de Energia e um para a Qualidade do Ar Interior e Promoção de Clubes de Gestão de Energia nas Desenvolvimento de um guia com procedimentos e recomendações sobre: Gestão de energia; Eficiência energética; Energias renováveis; Qualidade do ar interior. Os guias têm por objectivo transmitir conhecimentos e motivar a comunidade escolar a ter um papel activo na implementação de procedimentos com mais-valias para a economia, o ambiente e a qualidade de vida nas escolas e na Região. 13 Os guias serão divulgados através de internet para todas as escolas da Região e nos portais da AREAM, da SREC e dos estabelecimentos de ensino da RAM, bem como em formato de manual (impresso e cd). No âmbito desta tarefa, e em coordenação com as acções de informação aos professores e alunos, será promovida a criação de Clubes de Gestão de Energia nas escolas para motivar a comunidade escolar a implementar medidas de redução dos consumos e custos com a energia, e monitorizar os consumos de energia, bem como, avaliar o desempenho da implementação das medidas de melhoria. Serão igualmente des ferramentas de cálculo de fácil utilização para acompanhamento dos consumos de energia nas escolas. Os guias serão enviados, por via electrónica e por correio a todas as escolas da RAM, serão disponibilizados nas páginas da AREAM e da DRE. A criação do Clube de Gestão de Energia é voluntária, estando prevista a divulgação do conceito e da ferramenta de cálculo em todas as escolas da RAM.

14 Componente técnica Tarefa 6 Realização de Auditorias Energéticas, Estudos de Melhoria do Desempenho Energético e Planos de Racionalização Energética Descrição da tarefa No âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios, a realização de auditorias energéticas é obrigatória para os estabelecimentos de ensino abrangidos. Neste contexto, serão realizados, por peritos qualificados, e de acordo com os requisitos técnicos da legislação aplicável: Auditorias energéticas; Estudos com propostas de medidas de melhoria do desempenho energético, incluindo análise da viabilidade da instalação de equipamentos de eficiência energética e de aproveitamento de energias renováveis; Planos de racionalização energética. 35 Estabelecimentos de ensino da RAM, abrangendo todos os níveis de ensino e cerca de 50% dos alunos da Região. 14 Tarefa 7 Realização de Auditorias à Qualidade do Ar Interior, Estudos de Melhoria da QAI e Planos de Acções Correctivas de QAI Descrição da tarefa No âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios, a realização de auditorias à qualidade do ar interior é obrigatória para os estabelecimentos de ensino abrangidos. Neste contexto, serão realizadas por peritos qualificados e de acordo com os requisitos técnicos da legislação aplicável: Auditorias à qualidade do ar interior; Estudos com propostas de medidas de melhoria da qualidade do ar interior, incluindo análise da viabilidade da instalação de soluções para a melhoria da QAI; Planos de acções correctivas de QAI. 35 Estabelecimentos de ensino da RAM, abrangendo todos os níveis de ensino e cerca de 50% dos alunos da Região.

15 Tarefa 8 Descrição da tarefa Certificados de desempenho energético e da qualidade do ar interior nos edifícios Conforme aplicável, serão preenchidos, por peritos qualificados, os formulários dos Certificados de Desempenho Energético e da Qualidade do Ar Interior dos 35 estabelecimentos de ensino auditados, com base na legislação em vigor e nos estudos a desenvolver no âmbito do projecto: Relatórios das auditorias energéticas e da qualidade do ar interior; Estudos com propostas de medidas de melhoria do desempenho energético e na qualidade do ar interior; 15 Planos de acções correctivas de QAI. Para finalizar o processo de certificação obrigatória, é da responsabilidade das 35 escolas a iniciativa de solicitação da emissão dos Certificados de Desempenho Energético e da Qualidade do Ar Interior e o pagamento das respectivas taxas à ADENE, sendo exigido por Lei a exposição do Certificado no estabelecimento de ensino 35 Estabelecimentos de ensino. Tarefa 9 Descrição da tarefa Elaboração da componente técnica dos cadernos de encargos para instalação de equipamentos de eficiência energética e aproveitamento de energias renováveis Elaboração da componente técnica dos cadernos de encargos para instalação de equipamentos de eficiência energética e de aproveitamento de energias renováveis e para intervenções de melhoria da qualidade do ar interior nos estabelecimentos de ensino, em função dos resultados dos estudos desenvolvidos no âmbito do projecto: Auditorias energéticas e da qualidade do ar interior; Propostas de medidas de melhoria do desempenho energético e na qualidade do ar interior; Planos de acções correctivas de QAI. 35 Estabelecimentos de ensino (o número varia em função dos resultados dos estudos e do interesse a ser manifestado no investimento na melhoria do desempenho energético e da QAI nos estabelecimentos de ensino auditados).

16 Tarefa 10 Descrição da tarefa Pesquisa de Linhas de Financiamento e Apoio na Elaboração de Candidaturas para cofinanciamento dos equipamentos a instalar Pesquisa de linhas de financiamento para co-financiamento da aquisição e instalação dos equipamentos de eficiência energética e/ou de aproveitamento de energias renováveis e/ou para intervenções de melhoria da QAI. Apoio técnico às escolas na elaboração de candidaturas para co-financiamento dos equipamentos a instalar Estabelecimentos de ensino (o número varia em função dos resultados dos estudos e do interesse a ser manifestado no investimento na melhoria do desempenho energético e da QAI nos estabelecimentos de ensino auditados).

17 Evolução dos trabalhos: Acções da vertente técnica As auditorias energéticas e à qualidade do ar interior nos 35 estabelecimentos de ensino identificados no ponto anterior estão em fase de desenvolvimento. No final, pretende-se que cada um destes estabelecimentos de ensino obtenha: Um Certificado de Desempenho Energético e da Qualidade do Ar Interior, em cumprimentos com a legislação em vigor; Uma classe energética; Um Plano de Racionalização Energética; Um Plano de acções correctiva da Qualidade do Ar Interior. Identificação de linhas de financiamento para implementação das medidas que carecem de investimento. 17

18 Estabelecimentos de ensino alvo de estudos para efeitos de Certificação Energética no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Auxílio Maternal do Funchal Centro de Formação Profissional da Madeira Colégio de Santa Teresinha Escola Básica do 1º ciclo com Pré-escolar da Nazaré Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-escolar de Machico (sede) Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-escolar do Campo de Baixo Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-escolar do Estreito de Câmara de Lobos Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-escolar da Ribeira Brava Escola Básica dos 1º, 2º e 3º Ciclos de Porto da Cruz Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Bartolomeu Perestrelo Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Cónego João Jacinto Gonçalves de Andrade Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos da Torre Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de São Roque Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos do Caniçal Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos do Caniço Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos do Estreito de Câmara de Lobos Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Dr. Alfredo Ferreira Nóbrega Júnior Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Dr. Horácio Bento Gouveia Escola Básica e Secundária D. Lucinda de Andrade Escola Básica e Secundária Bispo D. Manuel Ferreira Cabral Escola Básica e Secundária da Calheta Escola Básica e Secundária da Ponta do Sol Escola Básica e Secundária de Machico Escola Básica e Secundária de Porto Moniz Escola Básica e Secundária de Santa Cruz Escola Básica e Secundária do Carmo Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco Escola Complementar do Til (APEL) Escola Profissional de Hotelaria e Turismo da Madeira Escola Salesiana de Artes e Ofícios Escola Secundária Francisco Franco Escola Secundária Jaime Moniz 18

19 Acções da vertente didáctica já des Acções de sensibilização e informação sobre energia dirigidas a alunos nos seguintes estabelecimentos de ensino da RAM: Escola Básica e Secundária do Carmo Escola Básica e Secundária de Santa Cruz EB1/PE da Seara Velha - Curral das Freiras EBS Gonçalves Zarco ES Jaime Moniz EB1/PE do Tanque - Monte EB1/PE do Assomada EB23 Cónego João Jacinto Gonçalves Andrade EB23 Santo António EB1/PE de Ponta Delgada EB1/PE Palheiro Ferreiro EBS de Machico Infantário Universo dos Traquinas 19

20 Concurso escolar Energia Sustentável 2009/

21 Exposição Energias Sustentáveis 2009/2010 no Centro Ciência Viva Porto Moniz 21

22 Concurso escolar Energia Sustentável 2010/

23 Divulgação do projecto n a comunicação social (exemplos) 23

24 Proposta de actividades para as escolas A1 - Acções de Informação para Professores Desenvolvimento de conteúdos técnicos e realização de cerca de 40 acções de informação para professores, abrangendo todos os concelhos e níveis de ensino, com o objectivo de informar e sensibilizar os docentes para as seguintes temáticas: Gestão de energia e monitorização dos consumos; 24 Eficiência energética; Valorização das energias renováveis; Alterações climáticas; Qualidade do ar interior. Estado Cerca de 40 acções em escolas da RAM, a seleccionar de acordo com o número de alunos, níveis de ensino e localização, interesse e necessidades. Solicitar à aream : A2 - Acções de Informação para Alunos Desenvolvimento de conteúdos técnicos e realização de cerca de 40 acções de informação para alunos, abrangendo todos os concelhos e níveis de ensino, com o objectivo de informar e sensibilizar os alunos para as seguintes temáticas: Gestão de energia e monitorização dos consumos; Eficiência energética; Valorização das energias renováveis; Alterações climáticas; Qualidade do ar interior. Estado Cerca de 40 acções nas escolas da RAM, de acordo com os interesses e necessidades. Solicitar à aream :

25 A3 - Elaboração de um Guia de Gestão de Energia e um para a Qualidade do Ar Interior e Promoção de Clubes de Gestão de Energia nas Desenvolvimento de um guia com procedimentos e recomendações sobre: Gestão de energia; Eficiência energética; Energias renováveis; Qualidade do ar interior. 25 Os guias têm por objectivo transmitir conhecimentos e motivar a comunidade escolar a ter um papel activo na implementação de procedimentos com mais-valias para a economia, o ambiente e a qualidade de vida nas escolas e na Região. Os guias serão divulgados através de internet para todas as escolas da Região e nos portais da AREAM, da SREC e dos estabelecimentos de ensino da RAM, bem como em formato de manual (impresso e cd). No âmbito desta tarefa, e em coordenação com as acções de informação aos professores e alunos, será promovida a criação de Clubes de Gestão de Energia nas escolas para motivar a comunidade escolar a implementar medidas de redução dos consumos e custos com a energia, e monitorizar os consumos de energia, bem como, avaliar o desempenho da implementação das medidas de melhoria. Serão igualmente des ferramentas de cálculo de fácil utilização para acompanhamento dos consumos de energia nas escolas. Os guias serão enviados, por via electrónica e por correio a todas as escolas da RAM, serão disponibilizadas nas páginas da AREAM e da DRE. A criação do Clube de Gestão de Energia é voluntária, estando prevista a divulgação do conceito e da ferramenta de cálculo em todas as escolas da RAM. Estado Guias em desenvolvimento Algumas ferramentas já des que podem ser facultadas Solicitar informação:

26 A4- Concursos Escolares sobre Energias Renováveis e Eficiência Energética Concepção, desenvolvimento e organização de dois concursos escolares abrangendo escolas públicas e privadas e todos os níveis de ensino, incluindo ensino profissional e ensino especial, no seguimento dos concursos escolares lançados em anos anteriores no âmbito do projecto ESENUR e por iniciativa da AREAM e da SREC, que envolveram em 2007/2008 cerca de 300 alunos e 70 professores e em 2008/2009 cerca de 200 alunos e 36 professores. Os concursos a lançar têm por objectivo sensibilizar a comunidade escolar para a energia sustentável, motivando os professores e os alunos a desenvolver protótipos sobre a temática. A construção de modelos didácticos, recorrendo à utilização de tecnologias conhecidas e de fácil acesso, permitirá, aos alunos a aprendizagem e experimentação de conceitos dos domínios da matemática, física, educação ambiental, educação tecnológica, entre outros. 26 Estado Os concursos são de participação voluntária e serão divulgados em todos os estabelecimentos de ensino da RAM. Edição do Concurso 2010/2011 em desenvolvimento

27 Contactos Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira Madeira Tecnopolo, 2º andar Funchal 27 Telefone geral: Fax geral: geral: do concurso escolar:

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR MAPA V EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Código Estabelecimento de Educação/Concelho/Zonas Pedagógicas 3101 Concelho da Calheta 3101101 EB1/PE de Ladeira e Lamaceiros 3101102 EB1/PE do Lombo da Guiné 3101103 EB1/PE

Leia mais

Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior. Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009

Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior. Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009 Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009 Qualidade do Ar Fontes de

Leia mais

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal!

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! 25 de Janeiro de 2013 Agenda: Enquadramento Legislativo e Regulamentar adequado à Utilização de Energia nas empresas; Âmbito

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Energia 2ª ALTERAÇÃO AO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO. Aviso - ALG-48-2011-01. Eixo Prioritário 3 Valorização Territorial e Desenvolvimento Urbano

Energia 2ª ALTERAÇÃO AO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO. Aviso - ALG-48-2011-01. Eixo Prioritário 3 Valorização Territorial e Desenvolvimento Urbano 2ª ALTERAÇÃO AO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário 3 Valorização Territorial e Desenvolvimento Urbano Energia Aviso - ALG-48-2011-01 Página 1 de 2 A Autoridade de Gestão do POAlgarve 21, comunica

Leia mais

PROJECTO TER TOTAL ENERGY ROCKS

PROJECTO TER TOTAL ENERGY ROCKS PROJECTO TER 15 DE DEZEMBRO DE 2009 Projecto desenvolvido por: Professora Ana Mafalda Henriques Alunos Adriano Félix Ana Filipa Gonçalves Ana Rita Castelão André Gomes Lady Burrell Lauro Espanhol Marta

Leia mais

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento Área Metropolitana do Porto 2007-2013 Programa Territorial de Desenvolvimento Modernização do Governo Electrónico e melhoria da relação das empresas e dos cidadãos com a Administração Desconcentrada e

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais

PROGRAMA ECO-ESCOLAS 2012/2013

PROGRAMA ECO-ESCOLAS 2012/2013 PROGRAMA ECO-ESCOLAS 2012/2013 ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO E ENSINO INSCRITOS/GALARDOADOS, POR CONCELHO CALHETA EB1/PE da Calheta EB1/PE do Estreito da Calheta EB1/PE da Ladeira e Lamaceiros EB1/PE do

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA O Programa para a Eficiência Energética tem como objectivo principal melhorar a eficiência energética dos edifícios portugueses. Com efeito, Portugal, sendo um país com excelentes

Leia mais

Q1 - Com a entrada em vigor do DLR 16/2009/A, continuam a ser necessárias as certificações dos projectos de gás (no Açores pelo ITG, por exemplo)?

Q1 - Com a entrada em vigor do DLR 16/2009/A, continuam a ser necessárias as certificações dos projectos de gás (no Açores pelo ITG, por exemplo)? Q Equipamentos e Instalações de Gás Q1 - Com a entrada em vigor do DLR 16/2009/A, continuam a ser necessárias as certificações dos projectos de gás (no Açores pelo ITG, por exemplo)? Um projectista de

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA. Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento

5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA. Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento 5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA Peniche, 7 de Novembro de 2007 Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento O Sol pode ser um recurso? Moura e Amareleja: 2.200 KWh/m2 Soma da irradiação anual global,

Leia mais

Dr. Paulo Santos ADENE

Dr. Paulo Santos ADENE Dia 28 de Maio Construir com Sustentabilidade Dr. Paulo Santos ADENE Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) 1 Distrito de Lisboa com quase 20000 edifícios

Leia mais

Entidades do Subsector Institucional da Administração Pública Regional da Madeira

Entidades do Subsector Institucional da Administração Pública Regional da Madeira Entidades do Subsector Institucional da Administração Pública Regional da Madeira 2014 As tabelas seguintes contêm a lista das entidades que, em 2014, integravam o subsector institucional da Administração

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

2. O Artigo 7.º do DL 78/20006, Exercício da função de perito qualificado, estabelece:

2. O Artigo 7.º do DL 78/20006, Exercício da função de perito qualificado, estabelece: Assunto: SCE Certificação de Competências 1. O Decreto Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, transpõe parcialmente para a ordem jurídica nacional a directiva n.º 2002/91/CE, do parlamento Europeu e do Conselho,

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

Dr. Henrique Relógio

Dr. Henrique Relógio Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade Dr. Henrique Relógio Jardins de S. Bartolomeu Case Study Renovar com Sustentabilidade Henrique Relógio henriquerelogio@gmail.com 1 Jardins São Bartolomeu Um

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

Workshop Soluções energeticamente eficientes em edifícios públicos Portalegre, 14 de Abril de 2010

Workshop Soluções energeticamente eficientes em edifícios públicos Portalegre, 14 de Abril de 2010 Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Workshop Soluções energeticamente eficientes em edifícios públicos Portalegre, 14 de Abril de 2010 Sistema

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 -

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana

Leia mais

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP Candidatura 2010 ENERGIA Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP ÍNDICE: 1. ENQUADRAMENTO 2. EIXO 2 APOIO AS ENERGIAS RENOVÁVEIS 3. OBJECTIVOS

Leia mais

Calendário Escolar Ano Letivo 2014/2015

Calendário Escolar Ano Letivo 2014/2015 Calendário Escolar Ano Letivo 2014/2015 Níveis de Ensino Período Início Termo 1.º 17 de setembro de 2014 18 de dezembro de 2014 1.º Ciclo 2.º 5 de janeiro de 2015 20 de março de 2015 3.º 7 de abril de

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

SUSTENTABILIDADE URBANA

SUSTENTABILIDADE URBANA 1ª FEIRA IBÉRICA SUSTENTABILIDADE URBANA ENERGIA, SUSTENTABILIDADE, CIDADANIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 8 de Junho de 2011 ENERGIA e SUSTENTABILIDADE Utilização Racional de Energia

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

Serviço de Educação e Bolsas

Serviço de Educação e Bolsas Serviço de Educação e Bolsas CONCURSO DE APOIO A BIBLIOTECAS ESCOLARES/CENTROS DE RECURSOS 2005 REGULAMENTO A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo a apoiar projectos de criação, actualização e dinamização

Leia mais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais Página: 1 de 14 das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Acções ambientais Acção 7.3 Recuperação de energia a partir de resíduos de colheitas e outras matérias orgânicas Acção 7.4

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

= e-learning em Educação Ambiental =

= e-learning em Educação Ambiental = Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo = e-learning em Educação Ambiental = PRINCIPAIS RESULTADOS DO RELATÓRIO FINAL Dezembro de 2010 Título: Financiamento: Plataforma de e-learning

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A DIRECÇÃO REGIONAL DE PLANEAMENTO E RECURSOS EDUCATIVOS E O SERVIÇO DE SAÚDE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, E.P.E.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A DIRECÇÃO REGIONAL DE PLANEAMENTO E RECURSOS EDUCATIVOS E O SERVIÇO DE SAÚDE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, E.P.E. PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A DIRECÇÃO REGIONAL DE PLANEAMENTO E RECURSOS EDUCATIVOS E O SERVIÇO DE SAÚDE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, E.P.E. Considerando que incumbe ao Serviço de Saúde da Região

Leia mais

Entidades do Subsector Institucional da Administração Pública Regional da Madeira

Entidades do Subsector Institucional da Administração Pública Regional da Madeira Entidades do Subsector Institucional da Administração Pública Regional da Madeira 2015 As tabelas seguintes contêm a lista das entidades que, em 2015, integravam o subsector institucional da Administração

Leia mais

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica Auditoria Energética para Escolas Objectivo da Medida As Auditorias Energéticas para Escolas faz parte de um conjunto

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa CONSULTORIA E ESTUDOS TÉCNICOS DE AMBIENTE E SEGURANÇA, S.A. Apresentação Corporativa Dezembro 2011 Propriedade da Enviprime 12/2011. Proibida a Cópia Sem Autorização Prévia SOBRE A ENVIPRIME, S.A. é uma

Leia mais

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA AS ENTIDADES FORMADORAS ÍNDICE OBJECTIVOS

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

Programa Operacional Regional de Lisboa

Programa Operacional Regional de Lisboa AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM REGIME DE APROVAÇÃO CONDICIONADA - OVERBOOKING Considerando que a dotação global do Programa Operacional já está comprometida, não existindo recursos financeiros,

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA

OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA O Projecto SMART-SPP: a visão do Município de Cascais Dr. João Dias Coelho - Administrador da Agência Cascais Energia Supported by: YOUR LOGO OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA Promover o uso racional de energia;

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios. J. Júlio Correia da Silva

Eficiência Energética em Edifícios. J. Júlio Correia da Silva J. Júlio Correia da Silva Workshop (Bio)Energia Resíduos Energias Renováveis e Eficiência Energética U. Évora 31 Maio 2010 A humanidade está a tomar consciência de que: - os recursos da Terra são finitos.

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 9 Investimento em competências, educação e aprendizagem ao longo da vida PRIORIDADE DE INVESTIMENTO

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

Eixo Prioritário V Assistência Técnica

Eixo Prioritário V Assistência Técnica Eixo Prioritário V Assistência Técnica Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica no Âmbito da Delegação de Competências com os Organismos Intermédios na gestão dos

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Regulamento n.º 32/2006, de 3 de Maio publicado no Diário da República, II Série, n.º 85, de 3 de Maio de 2006 Artigo 1.º Objecto 1 Este regulamento define as regras relativas

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 111 III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2010 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 113 Quadro I Programação do Investimento por Programas

Leia mais

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso O ruído tem vindo a assumir um lugar de destaque no conjunto de preocupações dos cidadãos em matéria ambiental. De acordo com informação

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Lisboa, 30 de Dezembro Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação

Leia mais

Licenciamento de Instalações Desportivas

Licenciamento de Instalações Desportivas Licenciamento de Instalações Desportivas 1 Finalidade O licenciamento dos projetos de Instalações Desportivas Especializadas e Especiais para Espetáculos (Artigos 8º e 9º do D.L. n.º 141/2009, de 16 de

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sessão de Divulgação Gestão de Energia - Novas Disposições Regulamentares, sua Articulação e Estratégias Auditório

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros

REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros Página1 REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros 1. Apresentação O presente concurso é uma iniciativa promovida pela, no âmbito do Ano Europeu das Actividades Voluntárias que promovam uma Cidadania Activa

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

MÊS DA ENERGIA - AÇORES

MÊS DA ENERGIA - AÇORES MÊS DA ENERGIA - AÇORES SEMINÁRIO Eficiência Energética Credenciação de Técnicos no âmbito do SCE Fernando Brito Ponta Delgada 6 de Maio de 2008 1 1 COMISSÃO TRIPARTIDA CTAQAI DIRECÇÃO GERAL DE ENERGIA

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal.

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. VISÃO & MISSÃO VISÃO O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. MISSÃO Actuar junto de empresas industriais, de serviços, estabelecimentos de ensino, empresas

Leia mais

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU 19 CAPÍTULO 3 ÍNDICE 3. PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

O Projecto SMART-SPP: a visão do Município de Cascais

O Projecto SMART-SPP: a visão do Município de Cascais O Projecto SMART-SPP: a visão do Município de Cascais Dr. João Dias Coelho - Administrador da Agência Cascais Energia Supported by: YOUR LOGO OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA Promover o uso racional de energia;

Leia mais

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro Nota complementar e explicativa Setembro de 2012 IDENTIFICAÇÃO Título: Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) - Município

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 LNEC - LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE LISBOA, 29/06/2015 O que é? Fundo de Eficiência Energética (FEE):

Leia mais

enewsletter NOVEMBRO`09

enewsletter NOVEMBRO`09 Página Web 1 de 7 enewsletter NOVEMBRO`09 www.centralprojectos.pt Central Projectos conquista estatuto de PME Líder A Central Projectos foi recentemente reconhecida como PME Líder pelo IAPMEI no âmbito

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM IPSS SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM IPSS SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015 OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM IPSS SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015 ENQUADRAMENTO Para os efeitos previstos na secção 2 da Portaria 57-B/2015,

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

Investimento Adjudicado 2007-2009

Investimento Adjudicado 2007-2009 Programa de Modernização das Escolas do Ensino Secundário Investimento Adjudicado 2007-2009 Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, Memorando de apoio à audição parlamentar de 24 Março de 2010 NOTA

Leia mais