Acrescenta um bit 1 ou um bit 0 às mensagem para que o número total de bits 1 seja par

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acrescenta um bit 1 ou um bit 0 às mensagem para que o número total de bits 1 seja par"

Transcrição

1 Detecçã ção o de Erros Paridade Verificação de Paridade Esse tipo de detecção consiste em acrescentar um bit (de paridade) a cada conjunto de bits da mensagem (caractere) de modo a ter as seguintes características: Paridade Par Acrescenta um bit 1 ou um bit 0 às mensagem para que o número total de bits 1 seja par Paridade Ímpar Acrescenta um bit 1 ou um bit 0 às mensagem para que o número total de bits 1 seja ímpar Assim, uma mensagem com k bits se torna uma palavra de código com n = k + 1 bits ASCII: utiliza 7 bits para codificação da informação (k = 7) e 1 bit para paridade (n = 7) O método de detecção de erros por paridade é pouco eficiente Se houver um número par de bits errados, o esquema de paridade não consegue detectar a ocorrência de erros

2 Detecçã ção o de Erros Paridade Exemplo de Detecção de Erros Paridade Par (k=3) x 1 x 2 x 3 P

3 Detecçã ção o de Erros Paridade Exemplo de Detecção de Erros Paridade Ímpar (k=3) x 1 x 2 x 3 P

4 Detecçã ção o de Erros BSC Block Sum Check (BSC) Probabilidade de um bloco de caracteres conter erros taxa de erro de bloco Usa conj. de bits de paridade calculado pelo no. total de caracteres transmitidos em um frame Exemplo: x 1 x 2 x 3 x 4 P r (impar) P c (par)

5 Detecçã ção o de Erros CRC Cyclic Redundance Check (CRC) No Transmissor, um bloco de k bits é representado por um polinômio de ordem k 1 Bloco: p 7 + p 5 + p Polinômio é dividido mod2 por um polinômio gerador de ordem n, tendo um quociente e um resto de ordem n 1 Frame de k bits de informação seguidos dos n bits correspondentes ao resto da divisão de ordem n 1 (Frame Check Sum - FCS) No Receptor, o polinômio de ordem k 1, correspondente aos k primeiros bits recebidos, é dividido pelo mesmo polinômio gerador usado no Transmissor O resto da divisão é comparado com os n últimos bits recebidos Se forem iguais, não há erros Se os bits forem diferentes, cada bit diferente representa um erro

6 Detecçã ção o de Erros CRC CRC-12 Caracteres de 6 bits FCS de 12 (p 12 + p 11 + p 3 + p 2 + p + 1) CRC-16 Caracteres de 8 bits FCS de 16 (p 16 + p 15 + p 2 + 1) CRC-32 Caracteres de 8 bits FCS de 32 (p 32 +p 26 +p 23 +p 22 +p 16 +p 12 +p 11 +p 10 +p 8 +p 7 +p 5 +p 4 +p 2 +p+1)

7 Exemplos de Códigos de Bloco

8 Correçã ção o de Erros Códigos de Bloco Códigos de Hamming Foram descobertos por R.W. Hamming e constituem um código perfeito (para correção de um único erro) Os códigos de Hamming apresentam m 2 e apresentam: n = 2 m 1 k = n m A distância mínima é sempre igual a 3, independente do número de bits de paridade usado, de modo que podem detectar até 2 erros e corrigir apenas 1 erro: dmin = 3 3 t t2 + 1 As k linhas da matriz P T consistem em palavras de m bits com 3 ou mais bits 1

9 Correçã ção o de Erros Códigos de Golay Códigos de Golay São códigos de correção de erros cíclicos perfeitos (para correção 3 erros) que podem ser gerados pelos polinômios: Os códigos de Golay apresentam as seguintes características: n = 23 k ( p) = p + p + p + p + p 11 ( p) = p + p + p + p + p 11 g p g p = 12 A distância mínima é sempre igual a 7, independente do número de bits de paridade usado, de modo que podem detectar até 6 erros e corrigir até 3 erros: dmin = 7 7 t t2 + 1

10 Correçã ção o de Erros Códigos BCH Códigos BCH Foram descobertos por Bose, Chaudhuri e Hocquenghem São os códigos de correção de erros cíclicos mais eficientes Constituem uma família de códigos de bloco cíclicos que englobam os códigos de Hamming Enquanto os códigos de Hamming conseguem detectar no máximo 2 erros e corrigir apenas 1, os códigos BCH permitem detectar e corrigir um número bastante grande de erros Exemplo: BCH (64,127) pode corrigir até 10 erros Os códigos BCH apresentam m 3 e apresentam: n = 2 m 1 k n m t 2 A distância mínima é dada por: d min t1 + 1 d min 2 t 2 + 1

11 Correçã ção o de Erros Códigos Reed Solomon Códigos de Reed Solomon São um subconjunto dos códigos BCH que opera num nível de bloco ao invés de bit Em outras palavras, a seqüência de informação é primeiramente empacotada em blocos menores que são tratados como um novo conjunto de k símbolos para serem empacotados num bloco supercodificado de n símbolos Dessa maneira, o decodificador é capaz de detectar e corrigir blocos completos de erros O emprego de códigos de Reed Solomon permite corrigir uma seqüência grande de erros (erros em rajadas) que ocorrer com freqüência nas transmissões em canais com desvanecimento e nas reproduções de CDs contendo riscos Normalmente são associados a entrelaçadores

12 Correçã ção o de Erros Códigos Reed Solomon Os códigos de Reed Solomon apresentam: n = 2 m 1 k = n 2 t 2 Considerando que a palavra de código é composta por m bits, devem satisfazer a seguinte condição: m 0 < k < n < 2 2 A distância mínima é dada por: d E a capacidade de correção é dada por: t 2 min = n k +1 = n 2 k

13 Modulaçã ção o Codificada em Treliça a (TCM)

14 Modulaçã ção o Codificada em Treliça TCM Modulação Codificada em Treliça Partição 8PSK

15 Modulaçã ção o Codificada em Treliça TCM Modulação Codificada em Treliça

16 Modulaçã ção o Codificada em Treliça TCM Modulação Codificada em Treliça

17 Modulaçã ção o Codificada em Treliça TCM Modulação Codificada em Treliça

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Códigos de bloco. Instituto Federal de Santa Catarina Curso superior de tecnologia em sistemas de telecomunicação Comunicações móveis 2

Códigos de bloco. Instituto Federal de Santa Catarina Curso superior de tecnologia em sistemas de telecomunicação Comunicações móveis 2 Instituto Federal de Santa Catarina Curso superior de tecnologia em sistemas de telecomunicação Comunicações móveis 2 Códigos de bloco Prof. Diego da Silva de Medeiros São José, maio de 2012 Codificação

Leia mais

Redes de Telecomunicações (11382)

Redes de Telecomunicações (11382) Redes de Telecomunicações (11382) Ano Lectivo 2014/2015 * 1º Semestre Pós Graduação em Information and Communication Technologies for Cloud and Datacenter Aula 2 07/10/2014 1 Agenda A camada física ou

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Circuitos Lógicos Combinacionais (Parte

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Detecção e Correção de Erros

REDES DE COMPUTADORES. Detecção e Correção de Erros REDES DE COMPUTADORES Detecção e Correção de Erros A Camada de Enlace Serviços prestados Serviços da camada de Enlace Encapsulamento Endereçamento Controle de erros Controle de fluxo Controle de acesso

Leia mais

Códigos de Detecção e Correcção de Erros

Códigos de Detecção e Correcção de Erros Códigos de Detecção e Correcção de Erros Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Manuela Rodrigues M1379 Detecção e Correcção de Erros Características dos Erros Possíveis Abordagens Códigos de Detecção

Leia mais

BC-0504 Natureza da Informação

BC-0504 Natureza da Informação BC-0504 Natureza da Informação Aula 3 Transmissão serial e paralela da informação e medida da informação transmitida Equipe de professores de Natureza da Informação Parte 0 Sistemas de numeração Decimal

Leia mais

Tecnologias de Redes Informáticas (6620)

Tecnologias de Redes Informáticas (6620) Tecnologias de Redes Informáticas (6620) Ano Lectivo 2013/2014 * 1º Semestre Licenciatura em Tecnologias e Sistemas da Informação Aula 3 Agenda Códigos detectores e correctores de erros O modelo OSI emissor

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros Eytan Modiano Códigos Cíclicos Um código cíclico é um código de bloco linear onde c é uma palavra-chave, e também

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Codificação de Canal

Codificação de Canal Laboratório de Processamento de Sinais Laboratório de Sistemas Embarcados Universidade Federal do Pará 26 de janeiro de 2012 Sumário 1 Introdução a 2 Códigos de Blocos Lineares 3 Códigos Cíclicos Introdução

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 3. Camada de Enlace de Dados DIN/CTC/UEM 2008 Funções Principais Lidar com erros de transmissão Regular o fluxo de dados : Funções Principais Divide informação em quadros: Verifica se quadros chegaram

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 A Camada de Enlace Principal objetivo da camada: Comunicar dados entre dois equipamentos de rede conectados ao mesmo meio de transmissão

Leia mais

Camada de Ligação de Dados

Camada de Ligação de Dados Camada de Ligação de Dados Serviços Detecção e correcção de erros Protocolos de Acesso Múltiplo Endereçamento em LANs Hubs e Pontes de interligação Tecnologias da camada de ligação de dados Ethernet Anel

Leia mais

Comunicação Digital Exercícios

Comunicação Digital Exercícios Comunicação Digital Exercícios Problema 1 Eficiência Espectral Deseja-se implementar um sistema de transmissão digital com taxa de transmissão de 9600 bits por segundo em um canal com faixa disponível

Leia mais

PARTE 1 (CONTROLE DE FLUXO)

PARTE 1 (CONTROLE DE FLUXO) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N PARTE 1 (CONTROLE DE FLUXO) 1 DEBATE EM AULA (QUESTÕES DEVEM SER

Leia mais

ÍNDICE LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS PREFÁCIO AGRADECIMENTOS

ÍNDICE LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS PREFÁCIO AGRADECIMENTOS ÍNDICE LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS PREFÁCIO AGRADECIMENTOS 1 O SISTEMA TELEFÓNICO 1.1 Introdução 1.2 Terminais telefónicos 1.3 Rede telefónica 1.4 Princípios de comutação telefónica 1.4.1 Introdução

Leia mais

Douglas Antoniazi Kleberson Hayashi Angelossi

Douglas Antoniazi Kleberson Hayashi Angelossi Fundamentos de compressão e codificação de imagens Douglas Antoniazi Kleberson Hayashi Angelossi 1 Sumário Redundância Codificação Interpixel Psicovisual Critérios de fidelidade Erro total Erro médio quadrático

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Enlace Parte I Prof. Thiago Dutra Agenda Camada de Enlace n Introdução ndetecção e Correção de Erros n Protocolos de Acesso Múltiplo n Endereçamento

Leia mais

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks Criado em alternativa para os discos grandes e caros. Justificativa: Substituindo discos grandes por muitos discos pequenos, o desempenho melhoraria mais cabeças

Leia mais

Codificação de Linha

Codificação de Linha Codificação de Linha Conhecer os diversos métodos de codificação de linha para transmissão digital. Chamamos de transmissão digital o envio de sinais digitais do computador diretamente na linha de transmissão

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TELEMÁTICA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TELEMÁTICA MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TELEMÁTICA 2003 Curso de Especialização em Telemática Departamento de Eletrônica e Sistemas - UFPE Códigos Corretores de Erros Códigos de Bloco

Leia mais

20.1 - Seja o código de Hamming Binário C com m = 4. Pede-se:

20.1 - Seja o código de Hamming Binário C com m = 4. Pede-se: IE 56 A - Códigos de Bloco, espectro de peso. - Seja o código de Hamming Binário C com m = 4. Pede-se: a) Matriz H b) dmin e todas palavras-código com peso igual à dmin. c) Liste a coluna dos líderes de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - CAMADA DE ENLACE DE DADOS 1. INTRODUÇÃO A Camada de Enlace de dados é a camada que lida com quadros, grupo de bits transmitidos pela rede. Ela depende da camada Física para enviar e receber

Leia mais

III-2 Cyclic Redundancy Check

III-2 Cyclic Redundancy Check III-2 Cyclic Redundancy Check 1 Dezembro de 2010 ISEL-DEETC- 1 Sumário 1. Códigos cíclicos 2. Polinómio gerador. CRC 1. Cálculo dos bits de paridade 2. Verificação dos bits de paridade 4. Divisão de polinómios

Leia mais

A camada de Enlace. Serviços e Protocolos

A camada de Enlace. Serviços e Protocolos A camada de Enlace Serviços e Protocolos Camada de Enlace Segunda camada do modelo OSI Primeira Camada do Modelo TCP/IP Modelo OSI Modelo TCP/IP Aplicação Apresentação Aplicação Sessão Transporte Rede

Leia mais

1 Técnicas de Seleção de Antenas Transmissoras

1 Técnicas de Seleção de Antenas Transmissoras 1 Técnicas de Seleção de Antenas Transmissoras Como visto em aulas anteriores, para se atingir uma ordem de diversidade espacial maior é necessário o emprego de múltiplas antenas no transmissor e/ou no

Leia mais

Teoria da Informação

Teoria da Informação Charles Casimiro Cavalcante charles@gtel.ufc.br Grupo de Pesquisa em Telecomunicações Sem Fio GTEL Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Teleinformática Universidade Federal do Ceará UFC http://www.gtel.ufc.br/

Leia mais

Modulação e Codificação

Modulação e Codificação INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação Engenharia de Telecomunicações e Informática Modulação e Codificação Ano Lectivo 2001/2002 2º

Leia mais

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Enlace de Dados 15/05/2013.

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Enlace de Dados 15/05/2013. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Enlace de Dados Modelo de Referência OSI 1 1 - Fornece interface bem definida para a

Leia mais

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Camada de Enlace de Dados Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Introdução A função desta camada parece trivial, pois a máquina A coloca os bits no meio e a máquina B tem que retirar de lá, porem

Leia mais

UFPE CODEC ESTUDO DIRIGIDO TELEMÁTICA- COMUNICAÇÃO DE DADOS

UFPE CODEC ESTUDO DIRIGIDO TELEMÁTICA- COMUNICAÇÃO DE DADOS UFPE CODEC ESTUDO DIRIGIDO TELEMÁTICA- COMUNICAÇÃO DE DADOS 1) Explique o processo de amostragem topo plano, e indique qual o valor adotado para o tempo de retenção? 2) Comente o funcionamento do conversor

Leia mais

Conceito de Comunicação Digital: Transmissão de informação em forma digital a partir de uma fonte geradora da informação até um ou mais destinatários.

Conceito de Comunicação Digital: Transmissão de informação em forma digital a partir de uma fonte geradora da informação até um ou mais destinatários. Conceito de Comunicação Digital: Transmissão de informação em forma digital a partir de uma fonte geradora da informação até um ou mais destinatários. Figura 1: Diagrama de blocos simplificado, contendo

Leia mais

Memória Interna. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Memória Interna. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Memória Interna Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Sistema de Memória de Computadores; Hierarquia de Memória; Memória Principal de Semicondutores; Memória Cache; Organizações das Memórias

Leia mais

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Redes de Computadores Tratamento de erros Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Ligação de dados Conceitos e objectivos Uma ligação física caracteriza-se

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CIÊNCIAS EXATAS E E NATURAIS NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização

Leia mais

Aula 8. Multiplexadores. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 8. Multiplexadores. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 8 Multiplexadores SEL 44 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira 4. Circuitos Multiplexadores l Circuitos seletores de dados ; l Chave seletora digital; l Seleciona um dos diversos

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior De Tecnologia e Gestão Departamento de engenharia. Tecnologias WAN

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior De Tecnologia e Gestão Departamento de engenharia. Tecnologias WAN Instituto Politécnico de Beja Escola Superior De Tecnologia e Gestão Departamento de engenharia Tecnologias WAN [Escrever o subtítulo do documento] Aluno: 2009 Capitulo 3 Hight-Level Data Link Control

Leia mais

3 Estimação e Compensação de movimento na codificação de vídeo

3 Estimação e Compensação de movimento na codificação de vídeo Estimação e Compensação de movimento na codificação de vídeo 36 3 Estimação e Compensação de movimento na codificação de vídeo O objetivo do modelo temporal (que engloba as fases de estimação e compensação

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES MODELO TCP/IP DE 5 CAMADAS MODELO OSI MODELO TCP IP NUMERO DA CAMADA CAMADA NUMERO DA CAMADA CAMADA 7 APLICAÇÃO 6 APRESENTAÇÃO 5 APLICAÇÃO 5 SESSÃO 4 TRANSPORTE

Leia mais

Sumário: Par Trançado (UTP) 07/07/2016. Meios de Comunicação para (LAN): Fios e Cabos de Cobre; Fibras Óticas; Irradiação Eletromagnética;

Sumário: Par Trançado (UTP) 07/07/2016. Meios de Comunicação para (LAN): Fios e Cabos de Cobre; Fibras Óticas; Irradiação Eletromagnética; Sumário: Meios de Comunicação para (LAN): Fios e Cabos de Cobre; Fibras Óticas; Irradiação Eletromagnética; Técnico em Informática 4º Integrado Redes de Computadores Fabricio Alessi Steinmacher Par Trançado

Leia mais

UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC. Fonte: Othon M. N. Batista

UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC. Fonte: Othon M. N. Batista UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC Fonte: Othon M. N. Batista Relembrando a aula passada A verificação de redundância cíclica (CRC Cyclic Redundancy Check) consiste na técnica de detecção de erros muito

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Aula Prática Bit stuffing, CRC e IP 1 Introdução 1.1 Framing O nível de ligação de dados utiliza o serviço fornecido

Leia mais

Circuitos Combinacionais Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h

Circuitos Combinacionais Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h Circuitos Combinacionais Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Circuitos Combinacionais Nessa aula será abordados os seguintes conceitos: Circuitos Exclusive-OR e Exclusive-NOR; Escalas

Leia mais

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Aula 04 Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Prof. Otávio Gomes otavio.gomes@ifmg.edu.br sites.google.com/a/ifmg.edu.br/otavio-gomes/ 1 Bytes A maioria dos microcomputadores

Leia mais

Técnicas de diversidade

Técnicas de diversidade Instituto Federal de Santa Catarina Curso superior de tecnologia em sistemas de telecomunicação Comunicações móveis 2 Técnicas de diversidade Prof. Diego da Silva de Medeiros São José, outubro de 2011

Leia mais

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa Desenvolvimento de programas 1 Análise do problema Desenvolvimento do algoritmo Codificação do programa Compilação e execução Teste e depuração Análise do problema 2 Conhecer exatamente o que o problema

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 4

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 4 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 4 Índice 1. Transmissão de Sinais Digitais...3 1.1 Modulação... 3 1.2 Banda passante... 4 1.3 Taxa de transmissão (BIT RATE)... 5 2 1. TRANSMISSÃO DE SINAIS

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza

Segurança de Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza Segurança de Redes de Computadores Ricardo José Cabeça de Souza CRC (Cyclic Redundancy Check) Verificação de redundância cíclica É um código detector de erros Tipo de função hash que gera um valor expresso

Leia mais

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Resumo Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática othonb@yahoo.com Mesmo sendo um protocolo que nada garante, o UDP tem um campo no datagrama

Leia mais

Estudo da Constelação 16-QAM

Estudo da Constelação 16-QAM Estudo da Constelação 6-QAM Luciano Leonel Mendes Aluno do INATEL Santa Rita do Sapucaí - MG Prof. Geraldo Gil Ramundo Gomes Professor do INATEL Santa Rita do Sapucaí - MG Resumo O tutorial aqui apresentado

Leia mais

Ex 4.3 O anel é construído pelos polinômios S 1 1 S 2. x S 3. x 1 S 4. x 2 S 5. x 2 1 S 6. x 2 x S 7. x 2 x 1 S 8. x 3 S 9

Ex 4.3 O anel é construído pelos polinômios S 1 1 S 2. x S 3. x 1 S 4. x 2 S 5. x 2 1 S 6. x 2 x S 7. x 2 x 1 S 8. x 3 S 9 Ex. 4.1 As palavras código são c 0 = [0 0 0 0 0 0 0], c 1 = [0 0 0 1 1 0 1], c 2 = [0 0 1 1 0 1 0], c 3 = [0 0 1 0 1 1 1], c 4 = [0 1 1 0 1 0 0], c 5 = [0 1 1 1 0 0 1], c 6 = [0 1 0 1 1 1 0], c 7 = [0

Leia mais

Acesso Múltiplo por divisão de Código (CDMA) é o nome de uma tecnologia usada para comunicação sem fio em que o transporte das

Acesso Múltiplo por divisão de Código (CDMA) é o nome de uma tecnologia usada para comunicação sem fio em que o transporte das Acesso Múltiplo por divisão de Código () é o nome de uma tecnologia usada para comunicação sem fio em que o transporte das informações ocorre por meio de ondas de rádio. O foi desenvolvido primeiro nos

Leia mais

Algoritmos de Compressão sem Perdas

Algoritmos de Compressão sem Perdas Algoritmos de Compressão sem Perdas (continuação) Aula 08 Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal Rural do Semiárido Departamento de Ciências Exatas e Naturais Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Fabian David Backx. Detecção Multiusuário Ótima por Grupos em Sistemas DS/CDMA M-PSK com Codificação Convolucional. Dissertação de Mestrado

Fabian David Backx. Detecção Multiusuário Ótima por Grupos em Sistemas DS/CDMA M-PSK com Codificação Convolucional. Dissertação de Mestrado Fabian David Backx Detecção Multiusuário Ótima por Grupos em Sistemas DS/CDMA M-PSK com Codificação Convolucional Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do

Leia mais

O QUE É QAM? Figura 1 (a) Sinal modulador, (b) portadora e (c) sinal modulado.

O QUE É QAM? Figura 1 (a) Sinal modulador, (b) portadora e (c) sinal modulado. WISE Indústria de Telecomunicações CATV QAM V2 O QUE É QAM? QAM é a sigla para Quadrature Amplitude Modulation, que significa Modulação de Amplitude em Quadratura, e nada mais é do que uma forma de modulação

Leia mais

Conceitos Básicos de Teleprocessamento e Comunicação de Dados

Conceitos Básicos de Teleprocessamento e Comunicação de Dados Conceitos Básicos de Teleprocessamento e Comunicação de Dados Conceitos Básicos de Teleprocessamento e Comunicação de Dados Desde 1838, quando Samuel F. B. Morse transmitiu, pela primeira vez, uma mensagem

Leia mais

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome:

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome: Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012 Nome: 1. Com base na rede mostrada abaixo: i. Assumindo que essa rede use IP, circule as subredes IP que nela devem ser criadas. ii. Identifique um protocolo

Leia mais

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Eletrônica Digital Sistemas de Numeração e Códigos 1. Conversões de Binário para Decimal 2. Conversões de Decimal para Binário 3. Sistema de Numeração Hexadecimal 4. Código

Leia mais

1 Seleção Híbrida Antena/Código no Transmissor

1 Seleção Híbrida Antena/Código no Transmissor 1 Seleção Híbrida Antena/Código no Transmissor Em (TAROKH, 1999) foi demonstrado que é possível se projetar códigos espaço-temporais de bloco ortogonais (OSTBCs) com taxa de transmissão unitária (R = 1)

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

UNIDADE II Aula 2 Modulação parte 6. Fonte: Irene Silva Farias e Edmar José do Nascimento

UNIDADE II Aula 2 Modulação parte 6. Fonte: Irene Silva Farias e Edmar José do Nascimento UNIDADE II Aula 2 Modulação parte 6 Fonte: Irene Silva Farias e Edmar José do Nascimento Modulação ASK (Amplitude Shift Keying) O sinal ASK pode ser produzido empregando-se os mesmos teoremas da modulação

Leia mais

III-2 Cyclic Redundancy Check

III-2 Cyclic Redundancy Check III-2 Cyclic Redundancy Check 29 Dezembro de 2008 ISEL-DEETC- 1 Sumário 1. Códigos cíclicos 2. Polinómio gerador. CRC 1. Cálculo dos bits de paridade 2. Verificação dos bits de paridade 4. Divisão de polinómios

Leia mais

Comunicação de dados. Introdução

Comunicação de dados. Introdução Comunicação de dados Introdução Os microcontroladores AVR estão equipados com dois pinos destinados à comunicação serial, UART (Universal Asynchronous Reciever/Transmitter), ou seja, permitem trocar informações

Leia mais

Introdução a Modulação

Introdução a Modulação Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Telecomunicações PRT- Princípios de Telecomunicações Introdução a Modulação Fontes: Prof. Deise Monquelate Arndt Princípios de Sistemas de Telecomunicações,

Leia mais

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Teoria da Informação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Claude Elwood Shannon, 1948 Autor que estabeleceu os fundamentos da Teoria da Informação Teoria da

Leia mais

Multiplexação por divisão de frequência em links de fibra ótica para arranjo de antenas defasadas

Multiplexação por divisão de frequência em links de fibra ótica para arranjo de antenas defasadas Resumo de trabalho Multiplexação por divisão de frequência em links de fibra ótica para arranjo de antenas defasadas Disciplina: Componentes e sistemas de sensoriamento a fibra ótica PEA5719 Professor:

Leia mais

Protocolos de Enlace Redes Industriais Semestre 01/2015

Protocolos de Enlace Redes Industriais Semestre 01/2015 Protocolos de Enlace Redes Industriais Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Revisão OSI Revisão OSI Revisão OSI Revisão OSI Implementações Modelo OSI Rede Internet Rede Industrial Camada

Leia mais

Teoria da Informação: o legado de Shannon

Teoria da Informação: o legado de Shannon Teoria da Informação: o legado de Shannon Carlos Salema 3/2/2005 Academia das Ciências 1 Índice Introdução Definição e medida da informação Informação do sinal analógico O sistema de comunicação Capacidade

Leia mais

3.1) Diga o que é uma transmissão síncrona e uma transmissão assíncrona. 3.2) Qual a principal diferença entre codificação banda básica e modulação?

3.1) Diga o que é uma transmissão síncrona e uma transmissão assíncrona. 3.2) Qual a principal diferença entre codificação banda básica e modulação? 3 a. Lista Redes de Comunicações I pg. 1/5 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REDES DE COMUNICAÇÕES 1 Prof. Flávio Alencar 3 a. LISTA (Assuntos: Dados, Sinais e Transmissão, Características do Meio,

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Numeração

Introdução à Computação: Sistemas de Numeração Introdução à Computação: Sistemas de Numeração Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. Sistemas de Informação CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. Sistemas de Informação CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos Sistemas de Informação CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Objetivos Converter um número de um sistema de numeração (decimal, binário ou hexadecimal) no seu equivalente

Leia mais

Camada de Enlace de Dados. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Serviços Oferecidos à Camada de Rede; Enquadramento; Detecção e Correção de Erros; Correção de Erros Protocolos Elementares

Leia mais

Controller Area Network CAN bus. Introdução

Controller Area Network CAN bus. Introdução Controller Area Network CAN bus Introdução Desenvolvido pela Bosch para automóveis Padronizado pela ISO 11898 Camada física Camada de enlace Comunicação serial até 1Mbps e até 1km. Sinalização diferencial

Leia mais

Camada de Enlace. OSI x IEEE. Arquitetura IEEE 802. Redes. Nível de Enlace: Controle de Erros e Fluxo Multiplexação

Camada de Enlace. OSI x IEEE. Arquitetura IEEE 802. Redes. Nível de Enlace: Controle de Erros e Fluxo Multiplexação Camada de Enlace Redes Nível de Enlace: Controle de Erros e Fluxo Multiplexação Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico Delimitação e transmissão de quadros Detecção de erros Controle

Leia mais

Capítulo 2. Numéricos e Códigos. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Capítulo 2. Numéricos e Códigos. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Capítulo 2 Sistemas Numéricos e Códigos slide 1 Os temas apresentados nesse capítulo são: Conversão entre sistemas numéricos. Decimal, binário, hexadecimal. Contagem hexadecimal. Representação de números

Leia mais

VSAT. Very Small Aperture Terminal

VSAT. Very Small Aperture Terminal Comunicações Via Satélite VSAT Very Small Aperture Terminal AGENDA Introdução do Conceito de VSAT Aplicações VSAT Arquiteturas e Topologias de Redes Características Gerais da Tecnologia Segmento Espacial

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/ O DIA GABARITO 1 1 MATEMÁTICA QUESTÕES DE 01 A 15

PROCESSO SELETIVO/ O DIA GABARITO 1 1 MATEMÁTICA QUESTÕES DE 01 A 15 PROCESSO SELETIVO/005 1 O DIA GABARITO 1 1 MATEMÁTICA QUESTÕES DE 01 A 15 01. As prefeituras das cidades A, B e C construíram uma ponte sobre o rio próximo a estas cidades. A ponte dista 10 km de A, 1

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES I

REDES DE COMPUTADORES I REDES DE COMPUTADORES I Versão 1.4 Por: Analucia Schiaffino Morales De Franceschi Verônica Conceição Oliveira da Silva 2010 1. Comunicação de dados Significa a transferência de informação entre um transmissor

Leia mais

Resposta: Resposta: Na 5ª hora. QUESTÃO 1 (VALOR: 1,0)

Resposta: Resposta: Na 5ª hora. QUESTÃO 1 (VALOR: 1,0) 1 QUESTÃO 1 (VALOR: 1,0) O estudo do crescimento populacional de bactérias é fundamental para entendermos o comportamento das populações de um ecossistema. Medidas de tamanho de uma população, tomadas

Leia mais

Capítulo 1. Introdução 15

Capítulo 1. Introdução 15 1 Introdução A demanda por meios que possam prover comunicação de dados a elevadas taxas e com alta disponibilidade é o fator que impulsiona o desenvolvimento de sistemas de comunicação mais aprimorados

Leia mais

Redes de Computadores - I

Redes de Computadores - I Camada de Enlace de Dados p. 1/4 Redes de Computadores - I A Camada de Enlace de Dados Esbel Tomás Valero Orellana evalero@uesc.br, esbel.valero@gmail.com Curso de Ciência da Computação - UESC Camada de

Leia mais

4 Agregação de Quadros

4 Agregação de Quadros 4 Agregação de Quadros Foram implementados no padrão 802.11n diversos mecanismos para melhorar a vazão tanto na camada física quanto na camada MAC. Na camada física, o uso principalmente de MIMO, OFDM

Leia mais

Sistemas Digitais Representação Digital de Informação

Sistemas Digitais Representação Digital de Informação Sistemas Digitais Representação Digital de Informação João Paulo Baptista de Carvalho (Prof. Auxiliar do IST) joao.carvalho@inesc-id.pt Representação de números em Base b Base 10: 435 10 = 4 x 100 + 3

Leia mais

Camada de banda base. É a camada mais próxima de uma subcamada MAC. Incorpora também algumas características da camada física do IEEE 802

Camada de banda base. É a camada mais próxima de uma subcamada MAC. Incorpora também algumas características da camada física do IEEE 802 Camada de banda base É a camada mais próxima de uma subcamada MAC Incorpora também algumas características da camada física do IEEE 802 Camada de banda base Transmissões do mestre e dos escravos são separadas

Leia mais

Princípios Básicos de Teoria da Informação

Princípios Básicos de Teoria da Informação Princípios Básicos de Teoria da Informação Teorema da Codificação de Fonte Teorema Fundamental de Shannon Até que limite é possível comprimir um conjunto de dados? Qual a maior taxa de transmissão de informação

Leia mais

MODULAÇÃO ASK, PSK, FSK E QAM

MODULAÇÃO ASK, PSK, FSK E QAM MODULAÇÃO ASK, PSK, FSK E QAM ÉCNICAS DE MODULAÇÃO PASSA-FAIXA Na transmissão da dados anda ase a sequencia serial de dados de entrada é representada na forma de uma onda discreta modulada por amplitude

Leia mais

MODELO OSI CAMADAS FUNCIONAMENTO. Arquiteturas de Redes

MODELO OSI CAMADAS FUNCIONAMENTO. Arquiteturas de Redes MODELO OSI CAMADAS FUNCIONAMENTO Arquiteturas de Redes 1 Arquiteturas de Redes Conjunto de regras para interligar equipamentos Grandes fabricantes com soluções proprietárias para a interconexão de seus

Leia mais

IEEE a, b, g, n

IEEE a, b, g, n IEEE 802.11 a, b, g, n Redes de Computadores I Professor Otto Carlos Muniz Bandeira Barreto Felipe Martins Athayde Alves Thiago de Lima Vasconcelos Sumário 1. IEEE 802.11 2. Perguntas 1.1 IEEE 802.11 a

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores O problema fundamental da comunicação é reproduzir em um ponto exatamente ou aproximadamente

Leia mais

Modelo OSI. Fábio Santos, Redes de Comunicação 10º ano

Modelo OSI. Fábio Santos, Redes de Comunicação 10º ano Modelo OSI Fábio Santos, Redes de Comunicação 10º ano Sumário da apresentação Introdução Analogia Modelo OSI: camadas Modelo OSI: funções Processo de comunicação Transmissão de dados Processo de encapsulamento

Leia mais

Compactação de Dados Letícia Rodrigues Bueno

Compactação de Dados Letícia Rodrigues Bueno Compactação de Dados Letícia Rodrigues Bueno UFABC Compactação de Dados: Introdução Objetivo: Compactação de Dados: Introdução Compactação de Dados: Introdução Objetivo: 1. minimizar espaço de memória

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Princípios de Comunicação de Dados Prof. Alexandre Dezem Bertozzi Divinópolis, fevereiro de 2003 1 Por que redes? É praticamente impossível não pensar em redes quando

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 2: Dados e sinais Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais