GUIA DO MOBILIZADOR SOCIAL DIGITALIZAÇÃO DA TV ABERTA NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DO MOBILIZADOR SOCIAL DIGITALIZAÇÃO DA TV ABERTA NO BRASIL"

Transcrição

1 GUIA DO MOBILIZADOR SOCIAL DIGITALIZAÇÃO DA TV ABERTA NO BRASIL

2 Apresentação A TV digital está se consolidando no Brasil, o que nos faz chegar cada vez mais perto de países como Japão, Alemanha, França, Estados Unidos e Reino Unido, que já passaram pelo desligamento do sinal analógico. E nós, da Seja Digital, temos como missão acelerar o processo de conversão da recepção analógica para a digital, contribuindo com a digitalização plena do Brasil. A meta é concluir essa etapa em grandes e médias cidades até Começamos pensando nossa operação como um projeto muito centrado em tecnologia, mas hoje temos a certeza de que é muito mais do que isso. É de fato um projeto de inclusão, de utilidade pública, pela importância que a TV tem na vida das pessoas, pelas oportunidades que a TV digital oferece e pelo que vem depois, pois o desligamento da TV analógica viabiliza uma política pública de expansão da banda larga no nosso país. Com isso em mente, entre as várias frentes de trabalho da Seja Digital nesse processo, estamos muito focados na atuação junto às comunidades, para que ninguém seja deixado para trás e fique sem ver TV. Estamos, mais do que nunca, abertos a entender os caminhos que farão a TV digital se tornar realidade no Brasil. Dentro do nosso aprendizado, estamos nos deparando com muitas pessoas e organizações que compreenderam a relevância desse processo na vida da população e têm contribuído voluntariamente, oferecendo tempo e suas redes de contatos para engajar a todos. Por isso, motivado e cheio de alegria, gostaria de saudá-lo/a, desejando-lhe boas-vindas. Obrigado por assumir conosco este desafio. A certeza de que isso tem tudo para acontecer da melhor forma ganhou ainda mais força depois que você, mobilizador, disse sim e também aceitou essa missão desafiadora. Seguimos em frente, sem deixar ninguém para trás! Antônio Carlos Martelletto CEO da Seja Digital 1

3 Caro (a) mobilizador (a), Depois de todo o tempo dedicado à construção do Plano de Mobilização em prol da TV digital, experimentado com êxito em Rio Verde (GO), chegamos à conclusão de que somente seremos capazes de levá-lo adiante e completá-lo se contarmos com o envolvimento de todos: governos, radiodifusores, sociedade civil, lideranças entre tantos outros. Só assim, teremos a certeza de que a televisão aberta continuará a ser um bem cultural de todos os brasileiros e ninguém ficará às margens do processo de migração para a TV Digital. Vale aqui ressaltar que, por trás do nosso padrão brasileiro de TV digital, têm-se as mãos de muitos pesquisadores que dedicaram os últimos anos das suas vidas a desenvolver uma tecnologia de ponta capaz de oferecer uma experiência singular de acesso à televisão, seja em relação à qualidade de som e imagem, seja em relação à oferta de serviços interativos. Conseguimos e, agora, precisamos estar de mãos dadas para que esse avanço digital seja vivido, apropriado e sentido por todos nós brasileiros. Para isso, contamos com você, um parceiro fundamental na missão de digitalizar plenamente o Brasil. Seja muito bem-vindo(a) à equipe de Mobilização Social da Seja Digital! Cecilia Zanotti Gerente de Mobilização da Seja Digital Deisy Feitosa Coordenadora de Mobilização Local da Seja Digital 2

4 Sobre o Guia do Mobilizador Social O Guia do Mobilizador Social foi elaborado com o objetivo de preparar todos aqueles que participarão com a Seja Digital do desafio de orientar e preparar a população no processo de migração do sinal analógico para o digital, mantendo a garantia ao acesso à TV. O material contempla todos os conteúdos necessários para que os mobilizadores se sintam preparados, e, portanto, sua leitura é fundamental para uma prática segura e qualificada. Índice: MÓDULO 1: Sobre a Seja Digital e o processo de desligamento do sinal de TV analógico 1. Quem Somos O que vai acontecer Como se preparar Quem tem direito ao kit conversor Como agendar Retirada Informações Importantes...8 MÓDULO 2: ORIENTAÇÕES PARA O MOBILIZADOR SOCIAL...11 TERMO DE ADESÃO AO TRABALHO VOLUNTÁRIO LEI Nº 9.608, DE 18 DE FEVEREIRO DE

5 MÓDULO 1: Sobre a Seja Digital e o processo de desligamento do sinal analógico 1. Quem somos e o que vai acontecer. No dia 26 de outubro de 2016, o sinal de TV analógico será desligado no Distrito Federal e nas cidades de Valparaíso de Goiás, Novo Gama, Planaltina de Goiás, Cristalina, Formosa, Águas Lindas, Santo Antônio do Descoberto, Cidade Ocidental e Luziânia. Isso significa que todas os aparelhos de televisão dessa região devem ser estar preparados para receber o sinal digital dos canais de TV aberta para que não fiquem sem televisão. A Seja Digital é a entidade administradora do processo de migração do sinal analógico e digital da televisão no Brasil e tem a missão de informar e orientar as famílias do DF e região sobre como se preparar até a data do desligamento para não ficar sem ver TV. 2. Como se preparar 1º passo Identificar quais aparelhos de TV da sua casa serão impactados pela mudança de sinal. TV por assinatura Se você é cliente de TV por assinatura, não precisa se preparar. A não ser que tenha em casa outros aparelhos de televisão onde assista os canais de TV aberta. TV com antena parabólica Não precisa se preparar. A antena parabólica consegue captar o sinal para a televisão sem necessidade do conversor. TV aberta São os canais que todo mundo pode assistir em qualquer aparelho de televisão. Será preciso checar sua antena e o tipo de televisão que tem em casa. 4

6 2º passo Qual é o tipo de TV que você tem em casa? TV de tubo Será preciso instalar uma antena UHF para captar o sinal digital e um conversor, que vai traduzir o sinal para que sua TV fique com imagem e áudio de cinema. TV de tela fina fabricada até 2010 Será preciso instalar um conversor e antena UHF. TV de tela fina fabricada depois de 2010 Provavelmente já possui um conversor interno e precisará apenas da antena. Em caso de dúvida, consulte o manual do televisor. 3º passo De olho na letra A Ainda não sabe se sua TV está recebendo o sinal analógico, que será desligado, ou o sinal digital? Então, ligue a TV e veja se em algum canto da tela aparece a letra A. Se você encontrou a letra A, sua TV ainda é analógica e precisa ser preparada para o sinal digital. 4º passo Como se preparar Você precisa instalar uma antena UHF no alto de sua casa e um kit conversor ao lado da TV. E pronto! Sua TV vai ficar com imagem e som de cinema, e ainda vai poder aproveitar vários outros benefícios, como ver a programação na tela e a interatividade que alguns canais oferecem. Em alguns canais você poderá ver o resumo do filme, da novela e a até assistir mais de um programa ao mesmo tempo. É o que chamam de multiprogramação. Tudo pelo controle remoto. 5

7 Como ficarão as famílias que não têm condições de migrar para o digital Para contribuir com essa migração, há um grupo de pessoas definido pelo Governo Federal que será beneficiário de um kit gratuito, com antena e conversor. Esse kit vai permitir que as TVs antigas ou analógicas continuem a funcionar com muito mais qualidade, sem que as pessoas precisem comprar uma nova TV para assistir à sua programação preferida. Quem tem direito ao kit gratuito da Seja Digital Famílias inscritas no Cadastro Único e Bolsa Família, com cadastro atualizado até o dia 7 de fevereiro de 2016, devem retirar um kit gratuito que contém uma antena digital, um conversor externo (que deve ser conectado ao aparelho de televisão), um controle remoto e um manual de instalação. Para receber o kit, A primeira etapa para retirar o kit é o agendamento. COMO AGENDAR Para agendar a retirada do kit, com o número do CPF ou NIS do responsável familiar em mãos, o inscrito tem algumas opções: Ligar gratuitamente para o número 147 (disponível 24 horas por dia. A ligação é gratuita também se feita a partir do celular); Acessar o portal Seja Digital (www.sejadigital.com.br); Procurar um posto de aconselhamento comunitário nos bairros; Ir até o CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) do município; Ir até o Posto do Bolsa Família. 6

8 RETIRADA Quais os documentos que devo apresentar para receber meu kit conversor? Compareça ao Ponto de Retirada portando: - NIS do Responsável Familiar (11 primeiros dígitos do Cartão Bolsa Família) - Documento de Identificação com foto: Identidade, Habilitação, Carteira de Trabalho, Passaporte, Procuração de Plenos Poderes, Identidade de Segmentos Profissionais, Cédula de Identidade de Estrangeiro. - Protocolo de Agendamento para sua comodidade O kit gratuito para TV digital somente pode ser retirado pelo responsável familiar ou membros do núcleo familiar registrados no Cadastro Único, com o número do NIS em mãos. ATENÇÃO! Algumas questões podem inviabilizar a retirada do kit - Carteira do Idoso ou Passe Livre para Pessoa com deficiência desatualizados; - NIS irregular porque a criança não frequenta a escola ou não foi pesada, e a família é beneficiária do Bolsa Família; - Quando o NIS é atualizado, é gerado um novo número, que pode corresponder a um número diferente daquele que foi enviado pelo Ministério de Desenvolvimento Social à Seja Digital. Nesse caso, se a família não conseguir agendar com o número novo, pode tentar recuperar o número antigo para verificar se não é o número cadastrado em nosso sistema; - Mesmo que a família seja beneficiária de algum programa social, mas se ela se inscreveu após o dia 7 de fevereiro de 2016, ou atualizou o NIS depois desse dia, provavelmente ela não poderá realizar o agendamento. - A falta de atualização dos dados a cada dois anos torna a pessoa inativa. 7

9 Informações Importantes Se mais de uma família morar na mesma casa, é possível receber mais de um kit conversor? Sim. Será entregue 1 kit conversor para a TV digital a cada família beneficiada pelo Bolsa Família ou Cadastro Único, mesmo que as famílias morem na mesma residência. Como saber se a família está inscrita no Cadastro Único? A inscrição no Cadastro Único é obrigatória para que as famílias de baixa renda possam receber benefícios de diversos programas sociais como: Programa Bolsa Família, Tarifa Social de Energia Elétrica, Programa Minha Casa Minha Vida, Pronatec, Bolsa Verde, Carteira do Idoso, Aposentadoria para Pessoas de Baixa Renda, Água para Todos, Programa Brasil Alfabetizado, entre outros. Ou seja, se a família faz parte de algum desses programas, estará inscrita no Cadastro Único. Quem não tem ou perdeu o número de NIS (Número de Identificação Social) pode fazer a consulta através do O que é o NIS? NIS é o Número de Identificação Social (NIS). O NIS está localizado no cartão PIS/PASEP, na Carteira de Trabalho, no extrato FGTS ou no Cartão Cidadão. NIS e PIS são a mesma coisa? Uma inscrição NIS é atribuída apenas para fins de identificação aos cidadãos que tenham ou possam vir a ter direito a benefícios sociais como, por exemplo, Bolsa Família e Pró- Jovem. No momento em que o cidadão passa a ter um vínculo empregatício, a inscrição NIS é cadastrada no Programa de Integração Social, tornando-se uma inscrição PIS. Ou seja, uma inscrição PIS é uma inscrição NIS com a informação de vínculo empregatício. Com um cadastro PIS, o cidadão passa a usufruir de benefícios associados ao seu emprego, tais como seguro desemprego e direito ao abono salarial anual. Por isso, o fato de o cidadão ter um PIS não significa dizer que necessariamente esse número equivale ao NIS. Então, é possível que algumas famílias consigam agendar a retirada do kit apresentando o número do PIS, mas precisam estar inscritas em algum programa do Governo Federal. 8

10 Onde encontro o NIS do Responsável Familiar? No cartão Bolsa Família contém o número do NIS e o nome do Responsável Familiar. O número no cartão possui 13 dígitos, mas apenas os 11 primeiros correspondem ao NIS. É possível fazer o agendamento pelo número do CPF? SIM. É possível fazer o agendamento pelo número do CPF. Entretanto, alguns programas não inseriram no Cadastro Único o CPF dos beneficiários. Portanto, caso a pessoa não tenha confirmação pelo CPF inicialmente, vale a pena checar em seguida pelo NIS, lembrando que caso não saiba o número do NIS ele deve entrar em contato com o Ministério do Desenvolvimento Social O que é o Cadastro Único? O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (Cadastro Único) é um banco de dados que identifica e caracteriza as famílias de baixa renda, permitindo que o governo conheça melhor as condições de vida dessa população. Nele são registradas informações como: características da residência, identificação de cada pessoa da família, escolaridade, situação de trabalho e renda, entre outras. É por meio dessas informações que podem ser formuladas políticas públicas para atender melhor a essas pessoas. A partir de 2003, o Cadastro Único se tornou o principal instrumento do Estado brasileiro para a seleção e a inclusão de famílias de baixa renda em programas federais, sendo usado obrigatoriamente para a concessão dos benefícios do Programa Bolsa Família, da Tarifa Social de Energia Elétrica, do Programa Minha Casa Minha Vida (na faixa de baixa renda), entre outros. Ele também pode ser utilizado para a seleção de beneficiários de programas ofertados pelos governos estaduais e municipais. Não tenho telefone celular. Posso usar o telefone de outra pessoa para o agendamento? Sim. Você pode usar um celular de alguém próximo a você (familiares ou amigos). Lembre-se que o uso do celular é para sua comodidade. É possível fazer o agendamento mesmo não tendo um número de celular. Não recebi o código de confirmação no meu celular. O que devo fazer? Você pode pedir para enviar o código novamente. Se mesmo assim você não receber o código, siga com o agendamento sem informar o número de telefone. 9

11 Não posso comparecer no dia agendado. O que devo fazer? Você pode fazer um novo agendamento através do site ou ligar gratuitamente para o 147 para agendar uma data, hora e local da sua preferência. Esqueci de retirar o meu kit conversor no dia agendado. O que devo fazer? Você pode fazer um novo agendamento através do site ou ligar gratuitamente para o 147 para agendar uma data, hora e local da sua preferência. Como faço um reagendamento? Da mesma forma que você fez o agendamento: através do site ou ligando gratuitamente para o 147. Recebi um SMS informando data, hora e local diferentes do agendado. O que devo fazer? Isso aconteceu porque um reagendamento foi feito. Se a data, hora e local não forem da sua preferência, você pode fazer um novo agendamento ligando gratuitamente para o 147 ou através do site Se você não conseguir fazer a mudança, dirija-se ao Posto de Retirada com a documentação necessária: - NIS do Responsável Familiar (11 primeiros dígitos do Cartão Bolsa Família) - Documento de identificação com foto; - Protocolo de agendamento, para sua comodidade. Não tem a data e hora da minha preferência? Se não encontrar um local, data e hora da sua preferência, você pode: - Ir ao posto de retirada e entrar numa lista de espera ou; - Pedir para que um membro da composição familiar faça a retirada do seu kit. Recebi a informação de que o agendamento não está disponível para o meu município. Acompanhe em nosso site as datas que serão disponibilizados o kit para sua cidade/município e assim que disponível faça seu agendamento. Recebi uma carta no meu domicílio, o que devo fazer? Se a família recebeu a mala direta (cartinha) da Seja Digital, comunicando que irá receber o kit, ele deve agendar a retirada ligando no 147 ou através do site. 10

12 MÓDULO 2: ORIENTAÇÕES PARA O MOBILIZADOR SOCIAL Considerando o desafio de preparar a população brasileira para migrar para o sinal digital, a Seja Digital preparou um Plano de Mobilização Social composto por um conjunto de projetos, que contribuirão para o alcance desse desafio. Para a elaboração dos nossos projetos consideramos algumas estratégias e princípios, como: Nossos Princípios 1. Atuação colaborativa entre equipe de mobilização e parceiros; 2. Formação de grupos multiplicadores capazes de disseminar a nossa mensagem e de apoiar a população mais vulnerável no processo de digitalização, dando ênfase ao recrutamento de voluntários; 3. Criação de projetos que possam ser replicáveis nos demais clusters; 4. Otimização de recursos humanos, naturais, materiais e financeiros; 5. Atuação integrada com todas os grupos de trabalho da Seja Digital. Nossas Estratégias 1. Identificação e mobilização de instituições públicas e privadas (incluindo ONGs) que já atuam, no cluster, com o público das classes C2, D e E; 2. Realização de projetos formativos, informativos, lúdicos, motivacionais e de interesse social para gerar engajamento do público; 3. Aproveitamento dos fluxos de encontros e ações coletivas já existentes (Exploraremos ao máximo ambientes de média e pequena circulação, como: CRAs, postos de saúde, restaurantes comunitários e feiras permanentes); 4. Atuação nos territórios por meio das lideranças comunitárias, conferindo legitimidade e confiabilidade, além de agilidade ao processo de disseminação da informação. Na prática, o que queremos? - Atuar de forma colaborativa; - Potencializar o alcance de público por meio de ações coletivas, voluntárias e socioambientais; - Promover a valorização e inclusão das pessoas. Como colaborar conosco? Mobilizadores voluntários: todos aqueles que contribuirão com a mobilização social a partir da sua própria atuação, seja ela comunitária e/ou profissional. São eles: 11

13 Idosos Profissionais do CRAS Agentes de Saúde e Endemias Professores, diretores e alunos de escolas, institutos e universidades. Voluntários em geral O Plano de Mobilização parte da premissa de que todos os envolvidos possuem grande potencial de atuarem na condição de mobilizadores multiplicadores do tema, motivados por um propósito comum: não deixar ninguém para trás. O que faz um mobilizador social? Antes de mais nada, mobilizar é convidar pessoas a participarem de uma atividade social, política ou de outra natureza, dando-lhes entusiasmo e vontade. Assim, os mobilizadores são as lideranças e atores sociais que atuam de forma direta em suas comunidades. Podem ser ligados ou não a grupos culturais, esportivos, religiosos, educacionais ou comerciais, que promovem o diálogo social através de reuniões, cultos, ações comunitárias, apresentações culturais, oficinas esportivas e atendimento à população no comércio local e/ou no ambiente escolar. Qual é o perfil de um mobilizador Seja Digital? O simples fato de querer fazer parte desse projeto já é o nosso principal requisito para ter sua presença na equipe. Mas é importante contarmos com algumas de suas qualidades e disponibilidades para vencermos o nosso desafio de mobilizar toda a população nessa ação conjunta. Podemos citar: responsabilidade com os horários e trabalhos assumidos, iniciativa, paciência, bom senso, vontade de aprender, aliados ao comprometimento de multiplicar as informações tais quais foram ensinadas no momento de seu treinamento. Finalmente, a capacidade para relacionar-se com outros é fundamental para o sucesso da atuação do voluntário nas ações de mobilização. Entre os grupos de pessoas que estão sob nosso foco de mobilização, teremos: pessoas com dificuldades financeiras, crianças, idosos e pessoas com deficiência. Para estes, em especial, precisamos garantir, de forma didática e cuidadosa, o entendimento de todo o processo. Como deve atuar o mobilizador Seja Digital? Fazendo uma ligação direta e mais próxima da população local com a campanha Seja Digital, através: Do levantamento de contatos e mobilização de possíveis voluntários; Da realização de reuniões com os grupos locais; Da interlocução entre a comunidade e a Seja Digital; Da motivação para que os moradores possam aderir à campanha de voluntariado; 12

14 Do diálogo com os multiplicadores locais, para fortalecer a rede comunitária em torno das ações. Qual a abordagem ideal? Os mobilizadores voluntários precisam estar atentos a alguns pontos relevantes: Seja cordial; Evite falar alto, utilizar termos grosseiros e conversar demais; Se não souber fornecer alguma informação, não invente. Procure seu supervisor ou coordenador e sempre lembre que você pode ligar gratuitamente para o 147. O importante é nunca deixar as pessoas com dúvidas, nem que isso signifique retomar o contato no dia seguinte para prestar esclarecimentos que você não conseguiu dar naquele momento; A linguagem corporal também é muito importante. Por isso, procure falar olhando nos olhos da pessoa, cumprimente e sorria. Jamais dê as costas enquanto ela estiver falando, e nunca a atenda com os braços cruzados. Não consulte o seu celular enquanto estiver conversando com alguém, e se for urgente, peça licença para atender; Cada região ou comunidade tem suas particularidades e, isso precisa ser respeitado sempre; O nível de escolaridade e entendimento é diverso, por isso, a comunicação deve ser feita da forma mais fácil, objetiva e acessível possível, para que o recado seja recebido de forma clara pelas pessoas abordadas; Palavrões e gírias em excesso precisam ser evitados, já que nem sempre são bem recebidos por grande parte das pessoas; Fale sempre pausadamente, de forma clara e objetiva; É importante se comunicar de forma serena, evitando gesticular e falar em tom alto para não causar espanto aos ouvintes; Os mobilizadores já são, em grande parte, conhecidos em suas comunidades, então, essa função deve ser levada como atividade que irá complementar sua rede, de forma nenhuma deve ir à contramão da sua atuação cotidiana; Os moradores idosos e as pessoas com deficiência precisam de uma atenção especial, que demonstre carinho e empenho, para que possam ter o melhor esclarecimento possível sobre a campanha, possibilitando que se sintam incluídos e valorizados; 13

15 É importante exercitarmos o que chamamos de escuta sensível. O que é isso? Saber ouvir as pessoas e atendê-las em suas dúvidas e dificuldades de compreensão sobre o tema, sempre de forma respeitosa, paciente, cuidadosa e acolhedora; Atitudes simples como essas garantirão o sucesso de sua tarefa, conquistando confiança e atenção para a importância do assunto tratado. Sobre os registros de atuação Todos os mobilizadores fazem parte de uma campanha que, esperamos, tenha impacto positivo em suas comunidades, por isso, é de extrema importância, o registro de cada reunião ou abordagem para que a Seja Digital tenha todas as informações possíveis para aprimorar cada vez mais o apoio à população; Existem coordenadores para cada projeto desenvolvido para a campanha, que entrarão em contato com os mobilizadores, sempre que necessário, para alinharem as ideias para o aperfeiçoamento das ações planejadas; Os mobilizadores têm a função de colaboradores sociais, por isso, é importante que os mesmos tenham a clareza que a parceria está sendo feita para uma finalidade de cunho social e comunitário, tendo como foco e objetivo a divulgação e conscientização da população acerca do desligamento do sinal analógico e os benefícios da TV digital. Sobre os horários para abordagem Cada comunidade tem sua vida social viva e pulsante, por isso os mobilizadores devem avaliar os melhores momentos para conversas e reuniões, assim como, agirem dentro de suas possibilidades, pois, precisamos de empenho e não de sacrifícios por parte dos colaboradores. Portanto, as agendas serão construídas em conjunto com os mobilizadores e coordenadores, respeitando o que já é desenvolvido na comunidade. Fiquem atentos aos horários mais adequados! Tranquilidade e Segurança O bem-estar e a segurança, nesse processo, são fundamentais para todos! A causa é nobre, social e prazerosa, portanto, todas as relações sociais devem ser conduzidas de forma serena para que tenhamos o menor desgaste possível em nosso trabalho cotidiano. A segurança é ponto central no processo. Por isso, devemos: 14

16 Evitar reuniões ou conversas em horários avançados (tarde da noite), assim como em lugares que ponham a segurança em risco; Por mais que os mobilizadores conheçam suas comunidades, devemos evitar a exposição a situações de risco, por isso não se deve, em momento algum, insistir em ações que comprometam, mesmo que hipoteticamente, a segurança dos mesmos; É essencial que o trabalho em equipe seja fortalecido. Então, o ideal é que as ações sejam feitas de forma coletiva; Evitem andar a sós ou sem comunicar os locais onde irão dialogar; Procurem dar suporte aos colaboradores e às equipes de trabalho que exerçam funções nas comunidades; Comuniquem sempre qualquer tipo de problema ou de desgaste para que possa ser resolvido coletivamente. SOMOS EQUIPE! Ser voluntário Segundo as Nações Unidas, o voluntário é aquele que, devido a seu interesse pessoal e ao seu espírito cívico, dedica parte do seu tempo, sem remuneração alguma, a diversas formas de atividades, organizadas ou não, de bem-estar social ou outros campos. Neste processo, o voluntário atuará como agente multiplicador de todas as informações necessárias sobre a migração do sinal de TV, junto à comunidade em que está inserido. A Seja Digital aposta no programa de Mobilizadores Sociais Voluntários como uma das principais ferramentas para envolver a população brasileira neste processo, de forma branda e humanizada, garantindo que todos continuem a assistir TV, após o desligamento do sinal analógico. Durante todo o período de mobilização, a Seja Digital espera motivar e garantir condições para que os voluntários alcancem o maior número possível de famílias. Qual a importância de ser um voluntário e por que nós precisamos de você? Hoje a grande maioria das empresas coloca como pré-requisito de contrato dos seus empregados a experiência em trabalho voluntário. Nos Estados Unidos isso já e uma regra e no Brasil aumenta o número de empresas com esse perfil. Esse e um bom motivo para se começar a pensar no trabalho voluntário, mas defendemos que, nem de longe, deve ser o principal. Basta você dedicar um minuto para conversar com pessoas que já viveram a experiência de poder ajudar o próximo que entenderá que ser voluntário e 15

17 muito mais que isso: e o movimento de dar e receber do mundo, e você, certamente, muito mais receberá. O desligamento do sinal analógico e mais do que uma mudança de tecnologia. A televisão e um veículo de comunicação muito importante para o povo brasileiro. E para uma camada da população ela e, acima de tudo, uma companhia. Muitos idosos e pessoas com deficiência têm dificuldade de locomoção e e pela televisão que veem o mundo afora. Ao aceitar ser um voluntário da Mobilização Social Seja Digital, você será um agente social em pleno exercício de cidadania. A ideia e que você preste apoio a comunidade, dedicando ao nosso projeto o tempo que lhe for mais conveniente, numa área geográfica definida em conjunto conosco e que provavelmente será aquela mais adequada para o seu acesso. O importante e encontrar a melhor maneira para chegar a s pessoas que mais precisam e ajudá-las de fato. Com a sua ajuda, pretendemos realizar ações com as comunidades, visitar igrejas, entidades sociais, associações de moradores, escolas, universidades, feiras livres, e demais espaços onde possamos criar um vínculo com as pessoas, levando a nossa mensagem, esclarecendo dúvidas e contribuindo para que a televisão brasileira continue a ser de todos. A sua parte no projeto 1. Participar de uma oficina de formação que irá oferecer informações mais detalhadas sobre a TV digital e sobre estrate gias de abordagem a população; 2. Relatar sua participação no projeto ao seu gestor, incluindo a quantidade de tempo gasto, a quantidade de pessoas abordadas e a descrição de histórias que mais chamaram a sua atenção. Este relatório será um formulário com perguntas preestabelecidas que você só precisará preencher em cada atendimento que fizer; 3. Participar de encontros para atualização e para coleta de material a ser distribuído; 4. Realizar visitas comunitárias e participar de eventos, que podem ser realizados na semana ou nos finais de semana; 5. Visitar as comunidades locais, a fim de se relacionar com as pessoas-chave (influenciadores de opinião) em seu meio social, convidá-las a colaborar conosco e acompanhar sua atuação junto ao público-alvo. O seu papel será formar 16

18 6. pessoas capazes de difundir a nossa mensagem e prestar apoio direto a população, identificando as famílias que mais precisam de ajuda; 7. Estar aberto a conhecer novas pessoas, construir novas relações com a população local e dedicar o seu tempo como voluntário para atender o públicoalvo de forma dedicada e humanizada, pois e preciso considerar que o objetivo do projeto e a inclusão digital da população de baixa renda que tem dificuldades de acesso às novas tecnologias. A nossa parte no projeto 1. Oferecer material de apoio para as ações; 2. Propiciar as condições necessárias para a realização das ações; 3. Fornecer certificado que comprove a participação do voluntário no projeto. Sobre o seu tempo... Reconhecemos que cada indivíduo possui a sua limitação de tempo livre. Um programa individual de divulgação será, portanto, acordado para você, considerando o tempo que tem disponível para doar ao nosso projeto. O ideal e que planejemos, preferencialmente, a sua atuação em torno do lugar onde vive, para que possamos facilitar o seu trabalho voluntário e recorrer às suas conexões locais. Materiais para o trabalho voluntário Podem variar de acordo o envolvimento no projeto. Camisetas, folhetos, cartazes, sacola, squeeze, colete, são itens que compõem o material de apoio aos voluntários. Esclarecimentos importantes Lembramos que o serviço voluntário não gera vínculo empregatício, nem qualquer obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim com a entidade beneficiada. Ademais, para participar do projeto, o voluntário deverá assinar um Termo de Adesão junto a Seja Digital, o qual descreverá o objeto e as condições de seu exercício, declarando estar de acordo com seus termos, conforme dispõe a Lei no 9.608/1998. EQUIPE SEJA DIGITAL Mobilização SOCIAL 17

19 Conheça melhor o trabalho de Mobilização da SEJA DIGITAL Acesse o nosso blog: brasilrumoatvdigital.blogspot.com.br Página no Facebook: Site: Autores: Cecilia Zanotti Deisy Feitosa Marcus Vinicius de Brito Soares Patricia Mazoni Silvia Campos 18

20 TERMO DE ADESÃO AO TRABALHO VOLUNTÁRIO A SEJA DIGITAL, ASSOCIAÇÃO ADMINISTRADORA DO PROCESSO DE REDISTRIBUIÇÃO E DIGITALIZAÇÃO DE CANAIS DE TV E RTV, SEJA DIGITAL, pessoa jurídica de direito privado, com endereço na Rua George Ohm, n , 17º andar, Cidade Monções, São Paulo SP, CEP , inscrita no CNPJ/MF sob o nº / , neste ato, representada na forma de seus atos constitutivos, doravante denominada Seja Digital, e, portador da Cédula de Identidade RG nº, inscrito no cadastro de Pessoas Físicas CPF/MF sob o nº, residente e domiciliado na, doravante designado(a) Voluntário(a) celebram o presente Termo de Adesão ao trabalho Voluntário, que vigorará a partir da data de sua assinatura e se regerá pelas cláusulas abaixo enumeradas, nos termos da Lei nº 9.608/1998 e demais proposições vigentes, concernentes à matéria, conforme segue: 1. DO OBJETO O(A) Voluntário(a) se compromete a auxiliar a Seja Digital na implementação de seus objetivos institucionais, realizando os seguintes serviços voluntários, observando as diretrizes traçadas no Guia do Mobilizador e informadas pelo gestor: 1. Participar de uma oficina de formação sobre a TV digital e estrate gias de abordagem a população e de encontros para atualização e coleta de material; 2. Relatar sua participação no projeto ao seu gestor por meio de relatório fornecido pela Seja Digital; 3. Visitar as comunidades locais, a fim de se relacionar com as pessoas-chave (influenciadores de opinião) em seu meio social, convidá-las a colaborar com a Seja Digital, formá-las e acompanhá-las em sua atuação voluntária junto ao público-alvo; 4. Prestar apoio direto a população, identificando as famílias que mais precisam de ajuda de forma dedicada e humanizada, considerando que o objetivo do projeto e a inclusão digital da população de baixa renda que tem dificuldades de acesso às novas tecnologias. 2. DA GRATUIDADE DOS SERVIÇOS O(A) Voluntário(a) está ciente e de acordo que, conforme a Lei nº de 18 de fevereiro de 1998 (ANEXO I), a atividade não remunerada prestada em prol da 19

21 Associação não gera vínculo empregatício, nem qualquer obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim. Outrossim, o(a) Voluntário está ciente que por se tratar de prestação de serviço voluntário não faz jus a qualquer remuneração ou ressarcimento pelos serviços prestados à Seja Digital. 3. DA VIGÊNCIA O presente Termo de Adesão terá vigência a partir de / / até / /. 4. DA RESCISÃO O presente Termo de Adesão poderá ser rescindido por qualquer uma das partes, a qualquer tempo, sem ônus de qualquer natureza. 5. DAS CONDIÇÕES GERAIS O presente Termo de Adesão passa a viger a partir de sua assinatura pelas partes. 6. DO FORO Para dirimir quaisquer controvérsias oriundas deste termo de adesão, as partes elegem o foro da comarca de São Paulo. Por estarem assim justos e acordados, firmam o presente instrumento, em duas vias de igual teor, juntamente com 2 (duas) testemunhas., de de 20. VOLUNTÁRIO(A) SEJA DIGITAL ASSOCIAÇÃO ADMINISTRADORA DO PROCESSO DE REDISTRIBUIÇÃO E DIGITALIZAÇÃO DE CANAIS DE TV E RTV Testemunhas:

22 LEI Nº 9.608, DE 18 DE FEVEREIRO DE 1998 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Considera-se serviço voluntário, para fins desta Lei, a atividade não remunerada, prestada por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza, ou a instituição privada de fins não lucrativos, que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social, inclusive mutualidade. Parágrafo único. O serviço voluntário não gera vínculo empregatício, nem obrigação de natureza trabalhista previdenciária ou afim. Art. 2º O serviço voluntário será exercido mediante a celebração de termo de adesão entre a entidade, pública ou privada, e o prestador do serviço voluntário, dele devendo constar o objeto e as condições de seu exercício. Art. 3º O prestador do serviço voluntário poderá ser ressarcido pelas despesas que comprovadamente realizar no desempenho das atividades voluntárias. Parágrafo único. As despesas a serem ressarcidas deverão estar expressamente autorizadas pela entidade a que for prestado o serviço voluntário. Art. 4º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Art. 5º Revogam-se as disposições em contrário. Brasília, 18 de fevereiro de 1998; 177º da Independência e 110º da República. FERNANDO HENRIQUE CARDOSO Paulo Paiva Este texto não substitui o publicado no DOU de

CONCURSO ALUNO DIGITAL ENTORNO REGULAMENTO

CONCURSO ALUNO DIGITAL ENTORNO REGULAMENTO CONCURSO ALUNO DIGITAL ENTORNO REGULAMENTO TEMA: SEJA DIGITAL, E NÃO DEIXE NINGUÉM FICAR PARA TRÁS! A TV BRASILEIRA VAI SER PLENAMENTE DIGITAL INTRODUÇÃO SOBRE A MUDANÇA PARA O SINAL DE TV DIGITAL 1. Quem

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES ESTUDANTES

DÚVIDAS FREQUENTES ESTUDANTES DÚVIDAS FREQUENTES ESTUDANTES 1. O que é estágio? Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de educandos que

Leia mais

Promoção Faça com Primor FAQ

Promoção Faça com Primor FAQ Promoção Faça com Primor FAQ 01. Quem pode participar da Promoção? Resposta: Podem participar desta Promoção todos os consumidores pessoas físicas, maiores de 18 anos, residentes e domiciliados no território

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO POLITIZE! INSTITUTO DE EDUCAÇÃO POLÍTICA

TERMO DE COOPERAÇÃO POLITIZE! INSTITUTO DE EDUCAÇÃO POLÍTICA TERMO DE COOPERAÇÃO TERMO DE COOPERAÇÃO QUE FIRMAM ENTRE SI O POLITIZE! INSTITUTO DE EDUCAÇÃO POLÍTICA E O(A) REDATOR(A) VOLUNTÁRIO(A). Considerando que o Politize! é uma associação civil sem fins lucrativos

Leia mais

Secretaria Nacional DE POLÍTICA SOBRE DROGAS

Secretaria Nacional DE POLÍTICA SOBRE DROGAS Secretaria Nacional DE POLÍTICA SOBRE DROGAS 81 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICA SOBRE DROGAS Secretaria Nacional DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS Horário de funcionamento: de segunda a sexta,

Leia mais

Art. 1º Regulamentar o serviço voluntário no âmbito da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ.

Art. 1º Regulamentar o serviço voluntário no âmbito da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ. RESOLUÇÃO N o 023, de 7 de julho de 2008. Regulamenta o serviço voluntário no âmbito da UFSJ. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Informações Gerais do Projeto Rondon

Informações Gerais do Projeto Rondon PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS EDITAL PROEXT Nº 07/2013 CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA O PROJETO RONDON A Pró-Reitora de Extensão e Assuntos

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS CACHOEIRAS LEI Nº DE 28 DE MAIO DE 2014.

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS CACHOEIRAS LEI Nº DE 28 DE MAIO DE 2014. LEI Nº 1.453 DE 28 DE MAIO DE 2014. Autoriza o Poder Executivo a celebrar convênio com a Associação Te Yang de Taekwondo. NESTOR BEHENCK SEBASTIÃO, Prefeito de Três Cachoeiras, Estado do Rio Grande do

Leia mais

EDITAL 1 a OLIMPÍADA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE APPS: Ações para o Desenvolvimento Sustentável 1 a ONDA

EDITAL 1 a OLIMPÍADA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE APPS: Ações para o Desenvolvimento Sustentável 1 a ONDA EDITAL 1 a OLIMPÍADA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE APPS: Ações para o Desenvolvimento Sustentável 1 a ONDA Informações gerais: A Olimpíada Nacional de Apps irá ocorrer em todo o país e envolverá a participação

Leia mais

FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL. Autuação Relacionamento

FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL. Autuação Relacionamento FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL Autuação Relacionamento FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL O relacionamento: Instituições públicas Organizações privadas NOVO POSICIONAMENTO DO CREA-RJ PREMIAR

Leia mais

CANAIS DE ATENDIMENTO. Saiba como fazer as operações bancárias em qualquer lugar e em horários diferenciados

CANAIS DE ATENDIMENTO. Saiba como fazer as operações bancárias em qualquer lugar e em horários diferenciados CANAIS DE ATENDIMENTO Saiba como fazer as operações bancárias em qualquer lugar e em horários diferenciados RÁPIDO, PRÁTICO E EM QUALQUER LUGAR! Com o objetivo de facilitar o seu dia a dia, os bancos disponibilizam

Leia mais

PROGRAMA REDE COLABORATIVA DE DIVULGAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DOS PRODUTOS DA COOPERATIVA DE MÚSICA. Apresentação

PROGRAMA REDE COLABORATIVA DE DIVULGAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DOS PRODUTOS DA COOPERATIVA DE MÚSICA. Apresentação PROGRAMA REDE COLABORATIVA DE DIVULGAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DOS PRODUTOS DA COOPERATIVA DE MÚSICA Apresentação PROGRAMA REDE COLABORATIVA DE DIVULGAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DOS PRODUTOS DA COOPERATIVA DE MÚSICA

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E DE PARCERIA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E DE PARCERIA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E DE PARCERIA CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E DE PARCERIA que entre si celebram na melhor forma de direito, ABFMED ASSOCIAÇÃO XXXXXXXX XXXXXXXX XXXXX, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 LEI 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 Artigo 2º, parágrafo 1º, estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma. Artigo

Leia mais

VOLUNTARIADO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

VOLUNTARIADO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO VOLUNTARIADO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EDITAL N 001/2016 SELEÇÃO DE VOLUNTÁRIOS NO PARQUE NACIONAL DE JERICOACOARA O Parque Nacional de Jericoacoara (PNJ), Unidade de Conservação Federal administrada

Leia mais

SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Cadastro e Habilitação Declaração de Inocorrência

SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Cadastro e Habilitação Declaração de Inocorrência SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras Cadastro e Habilitação Declaração de Inocorrência Sumário ORIENTAÇÕES GERAIS... 3 O que são Pessoas Obrigadas... 4 O que é o SISCOAF... 4 Quem deve

Leia mais

Assessoria de Comunicação Social - ASCOM

Assessoria de Comunicação Social - ASCOM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Assessoria de Comunicação Social - ASCOM Petrolina - PE Julho de 2016 2ª Versão Apresentação A Assessoria de Comunicação Social (Ascom) da Univasf tem como

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação do idoso, os dados

Leia mais

Matrícula: 2. A minha matrícula está inativa 3. O CEJA Virtual 4

Matrícula: 2. A minha matrícula está inativa 3. O CEJA Virtual 4 Perguntas frequentes Matrícula: 2 1. Estou tentando fazer a minha pré-matrícula no site, mas está aparecendo a informação de que o meu CPF já está em uso. O que eu faço? 2 2. Quero transferir a minha matrícula

Leia mais

CENSO ESCOLAR - EDUCACENSO

CENSO ESCOLAR - EDUCACENSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 NOVA ANDRADINA MS DEZEMBRO/2013 ESCOLA IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 Plano de ações previstas a serem executadas no

Leia mais

DESAFIO NAS ESCOLAS ÁGUA: USE, NÃO ABUSE REGULAMENTO

DESAFIO NAS ESCOLAS ÁGUA: USE, NÃO ABUSE REGULAMENTO 1- OBJETIVOS DO DESAFIO DESAFIO NAS ESCOLAS ÁGUA: USE, NÃO ABUSE REGULAMENTO Conscientizar a rede escolar para a importância da água; Desenvolver ações de economia de água na residência; Socialização e

Leia mais

EAD SEJA DIGITAL: A EXPERIÊNCIA DO PILOTO DE RIO VERDE, PREPARATIVOS DE BRASÍLIA E SÃO PAULO E PROJEÇÕES PARA O BRASIL

EAD SEJA DIGITAL: A EXPERIÊNCIA DO PILOTO DE RIO VERDE, PREPARATIVOS DE BRASÍLIA E SÃO PAULO E PROJEÇÕES PARA O BRASIL EAD SEJA DIGITAL: A EXPERIÊNCIA DO PILOTO DE RIO VERDE, PREPARATIVOS DE BRASÍLIA E SÃO PAULO E PROJEÇÕES PARA O BRASIL São Paulo, 29 de agosto de 2016 COMO OS ENTES DO MERCADO PODEM SE PREPARAR PARA O

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES CAMPO LIMPO PAULISTA 2014 Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica - Telecomunicações

Leia mais

CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE WEBSITE

CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE WEBSITE 1 CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE WEBSITE Sobre o serviço, Desenvolvimento e hospedagem de Site A agência Brachynus oferece o serviço, Desenvolvimento e hospedagem

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

A COMUNICAÇÃO INTERNA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO USINA CORURIPE

A COMUNICAÇÃO INTERNA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO USINA CORURIPE A COMUNICAÇÃO INTERNA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO USINA CORURIPE APRESENTAÇÃO: Anderson Tsuchida Jornalista, Publicitário e Pós Graduado em Comunicação Empresarial Por que a Comunicação Interna é tão

Leia mais

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 1 PETROBRAS Fundada em 1953, a partir de uma campanha popular O petróleo é nosso. Empresa integrada de energia Sociedade anônima de capital aberto

Leia mais

MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS. KIT DE DISSEMINAÇÃO Parte 3

MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS. KIT DE DISSEMINAÇÃO Parte 3 MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS KIT DE DISSEMINAÇÃO Parte 3 2 Consideramos que no curto espaço de tempo que tivemos para a captação, 45 dias, tivemos um grande sucesso, mas foi fruto de muito esforço com muitos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO Edital de Seleção CURSO DE APERFEIÇOAMENTO: A DIVERSIDADE EM SALA

Leia mais

CONEXÃO VERDE IASEA REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL

CONEXÃO VERDE IASEA REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL CONEXÃO VERDE REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL IASEA INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL 1. APRESENTAÇÃO Conexão Verde é uma rede de aprendizagem e colaboração que envolve jovens

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDIOVISUAL ESCOLA DE CINEMA DARCY RIBEIRO

INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDIOVISUAL ESCOLA DE CINEMA DARCY RIBEIRO INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDIOVISUAL ESCOLA DE CINEMA DARCY RIBEIRO EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA PROCESSO SELETIVO CURSO CINEASTAS DO FUTURO A Escola de Cinema Darcy Ribeiro (ECDR) torna pública a abertura

Leia mais

Manual de Sinistro. BB Seguro Agrícola

Manual de Sinistro. BB Seguro Agrícola Manual de Sinistro BB Seguro Agrícola Julho 2016 1 Sumário INTRUÇÕES PARA AVISO E ACOMPANHAMENTO DE SINISTRO... 3 ANEXO I - LISTA DE DOCUMENTOS QUE DEVEM SER ENTREGUES PARA ANÁLISE DO SINISTRO. 5 ANEXO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Manual do Voluntário

Manual do Voluntário Manual do Voluntário Homepage Últimas notícias do Programa de Voluntariado Ações que estão prestes a acontecer Cadastrando-se no portal Ao se cadastrar no portal, você poderá interagir com outros voluntários,

Leia mais

CONTRATO PARA DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE DAS PARTES

CONTRATO PARA DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE DAS PARTES CONTRATO PARA DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE DAS PARTES CONTRATANTE: Empresa Faculdade Senac, inscrita no CNPJ número 1234-45678898877-00, localizada na Rua 1002, Setor Leste Universitário GO, CEP 74645-010,

Leia mais

Cadastro Nacional de Entidades de Assistência Social CNEAS. Manual de Utilização. Brasília, Abril 2014 V. 1.0

Cadastro Nacional de Entidades de Assistência Social CNEAS. Manual de Utilização. Brasília, Abril 2014 V. 1.0 Cadastro Nacional de Entidades de Assistência Social CNEAS Manual de Utilização Brasília, Abril 2014 V. 1.0 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 GLOSSÁRIO... 3 APRESENTAÇÃO... 4 1- Como acessar o CNEAS?... 5 2- Como conferir

Leia mais

Sobre a nova minha UFOP

Sobre a nova minha UFOP Sobre a nova minha UFOP A minha UFOP está com um novo visual. Foi criada uma nova interface, mais bonita, ágil e intuitiva para facilitar a utilização de nossos usuários. Esse tutorial visa mostrar as

Leia mais

CHAMADA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS Apoio à Gestão do Projeto

CHAMADA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS Apoio à Gestão do Projeto CHAMADA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS Apoio à Gestão do Projeto 3.11.2016 Fiotec seleciona para atuar no Projeto Avaliação das boas práticas na atenção ao parto e nascimento em maternidades do SUS. O processo

Leia mais

Seja bem-vindo à família SIDESC!

Seja bem-vindo à família SIDESC! Seja bem-vindo à família SIDESC! Agora nós fazemos parte da sua vida e estamos muito felizes por isso. Nossa maneira de retribuir é oferecer PROTEÇÃO para você e sua família, com benefícios especiais em

Leia mais

EDITAL: Processo Seletivo 2016

EDITAL: Processo Seletivo 2016 EDITAL: Processo Seletivo 2016 A presidência da ELO Engenharia Júnior no uso de suas atribuições regimentais, por meio da Diretoria de Recursos Humanos torna público, por meio deste Edital, que estarão

Leia mais

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art 1º. A Extensão Acadêmica se constitui em uma prática permanente de interação universidade-sociedade, articulada ao ensino

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDIOVISUAL ESCOLA DE CINEMA DARCY RIBEIRO

INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDIOVISUAL ESCOLA DE CINEMA DARCY RIBEIRO INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDIOVISUAL ESCOLA DE CINEMA DARCY RIBEIRO EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA PROCESSO SELETIVO OFICINA DE CAPACITAÇÃO EM REALIZAÇÃO E PRODUÇÃO AUDIOVISUAL A Escola de Cinema Darcy Ribeiro

Leia mais

Pelo presente instrumento, são partes, de um lado

Pelo presente instrumento, são partes, de um lado CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA, CONSULTORIA E INTERMEDIAÇÃO Pelo presente instrumento, são partes, de um lado LOCADORA DE VEICULOS LTDA. LOCADORA RENT, pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

Orientação de cadastro cadsei (cadastro no sei)

Orientação de cadastro cadsei (cadastro no sei) Orientação de cadastro cadsei (cadastro no sei) CADSEI Usuário externo/cadastrado: qualquer pessoa poderá consultar o CADSEI. Após a aprovação do cadastro receberá login e senha para acesso (art.3º, letra

Leia mais

O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH.

O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH. O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH. Apresentação Experiência e juventude se unem na Avanti Humanas, afinal, somos uma empresa dedicada à atração, recrutamento, seleção e desenvolvimento

Leia mais

EDITAL N 010, de 11 de março de 2016

EDITAL N 010, de 11 de março de 2016 EDITAL N 010, de 11 de março de 2016 EDITAL DE SELEÇÃO DE DISCENTES E EGRESSOS PARA O GRUPO DE PESQUISA E ESTUDOS: TEMAS CONTEMPORÂNEOS EM DIREITO INTERNACIONAL DO NÚCLEO DE ESTUDOS DE DIREITO INTERNACIONAL

Leia mais

8 de agosto de 2011 Brasília 16/08/2011 1

8 de agosto de 2011 Brasília 16/08/2011 1 MOBILIZAÇÃO SOCIAL, CAMPANHAS E ARTICULAÇÃO EM REDE Daniela Guedes 8 de agosto de 2011 Brasília 16/08/2011 1 Por que mobilizar? Melhores práticas em implantação de políticas públicas eficazes contam com

Leia mais

Art. 1º Estabelecer cooperação técnica, científica e política com a Associação Brasileira de Enfermagem -ABEn Seção Paraná para a promoção de ações

Art. 1º Estabelecer cooperação técnica, científica e política com a Associação Brasileira de Enfermagem -ABEn Seção Paraná para a promoção de ações DECISÃO COREN/PR Nº 32, DE 07 DE ABRIL DE 2015. Dispõe sobre a celebração de Termo de Cooperação Mútua entre Coren/PR e ABEn-PR. O Conselho Regional de Enfermagem do Paraná Coren/PR, no uso das atribuições

Leia mais

Agenda de Ações PDA

Agenda de Ações PDA Agenda de Ações PDA - 2013 Planejamento Estratégico O PDA fornece metodologia e facilitadores para a realização de duas reuniões de planejamento, com duração de oito horas cada. Esse processo possibilita

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO - FANEESP -

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO - FANEESP - REGIMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO - FANEESP - 2015 Ficha Catalográfica Preparada pela Faculdade Nacional de Educação e Ensino Superior do Paraná Faculdade Nacional de Educação e Ensino Superior

Leia mais

EDITAL PIBID FESL Nº 03/2015 SELEÇÃO DE BOLSISTAS ID

EDITAL PIBID FESL Nº 03/2015 SELEÇÃO DE BOLSISTAS ID EDITAL PIBID FESL Nº 03/2015 SELEÇÃO DE BOLSISTAS ID A Direção Acadêmica e a Coordenação do PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUIS tornam público a abertura

Leia mais

REGULAMENTO. Bolsa Instituto TIM OBMEP

REGULAMENTO. Bolsa Instituto TIM OBMEP REGULAMENTO Bolsa Instituto TIM OBMEP A bolsa Instituto TIM OBMEP é uma iniciativa do Instituto TIM, em parceria com a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas OBMEP com o objetivo de dar

Leia mais

Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS:

Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: Modalidade Produto Área de Ciências Humanas e Direitos Humanos SELECIONA CURRÍCULOS

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP Edital n o 01/2016 Seleção de Projetos de Pesquisa A Coordenadoria do Mestrado Acadêmico e Pesquisa

Leia mais

Fundação Darcy Ribeiro

Fundação Darcy Ribeiro I Fundação Darcy Ribeiro ATUAÇÃO DOS EDUCADORES PONTOS ESSENCIAIS DA PROPOSTA Vídeo 05 Coordenação Nacional Formação Inicial e Continuada do Educador do ProJovem: o especialista, o pensador, o cidadão

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2009

PROJETO DE LEI N o, DE 2009 PROJETO DE LEI N o, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) Dispõe sobre a criação de cadastro nacional de consumidor para proibição do recebimento de propagandas através de telemarketing, mensagens eletrônicas

Leia mais

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed Diretriz Nacional de Comunicação Sistema Unimed Diretriz de Comunicação Definição Política ou Diretriz de Comunicação é um processo articulado de definição de valores, objetivos, diretrizes, normas e estruturas,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA ESTÁGIO

DOCUMENTAÇÃO PARA ESTÁGIO DOCUMENTAÇÃO PARA ESTÁGIO PASSO A PASSO Caro Aluno, Leia atentamente as instruções abaixo para saber como entregar seus documentos de estágio. Os documentos deverão ser entregues ANTES de iniciar o estágio.

Leia mais

Guia de Utilização do Produto

Guia de Utilização do Produto Guia de Utilização do Produto www.ot.iob.com.br Login: faça o login com seu código de usuário ou e-mail, digite sua senha e clique em Ok. IOB Orientador Trabalhista Online, o melhor provedor de conteúdo

Leia mais

Tarifa Social de Energia Elétrica

Tarifa Social de Energia Elétrica Tarifa Social de Energia Elétrica O que é a TSEE Tarifa Social de Energia Elétrica, regulamentada pela Lei no 12.212, de 20 de janeiro de 2010 e pelo Decreto no 7.583, de 13 de outubro de 2011. Consiste

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTÁRIOS DO FMDH MANUAL DO CANDIDATO

PROGRAMA DE VOLUNTÁRIOS DO FMDH MANUAL DO CANDIDATO PROGRAMA DE VOLUNTÁRIOS DO FMDH MANUAL DO CANDIDATO O Programa de Voluntários do FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS FMDH lhe da às boas vindas! Apresentamos, a seguir, orientações aos interessados em atuar

Leia mais

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias República Federativa do Brasil Governo Federal Ministério da Educação Educação a Distância e as novas tecnologias Educação Personalizada Vencendo as Barreiras Geográficas e Temporais EAD NO ENSINO PRESENCIAL

Leia mais

Tudo o que você precisa saber e fazer para Iniciar Consultoras e Formar sua Equipe!

Tudo o que você precisa saber e fazer para Iniciar Consultoras e Formar sua Equipe! Tudo o que você precisa saber e fazer para Iniciar Consultoras e Formar sua Equipe! A Sessão de Cuidados com a Pele é a base para qualquer negócio bem sucedido na Mary Kay, e eu sei que realizando Sessões

Leia mais

WHATSAPP COMO FERRAMENTA DE VENDAS. 08 a 11 de outubro de a 12 de novembro de 2016

WHATSAPP COMO FERRAMENTA DE VENDAS. 08 a 11 de outubro de a 12 de novembro de 2016 WHATSAPP COMO FERRAMENTA DE VENDAS 08 a 11 de outubro de 2014 09 a 12 de novembro de 2016 Dimensões da competência CONHECIMENTO SABER HABILIDADE Aprender a exercer uma atividade FAZER Tomar conhecimento

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação:

SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação: SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação: 304-16 Em conformidade com o Regulamento de Compras e Contratações de Obras e Serviços da Organização Social de Cultura Associação Amigos do Projeto Guri, decreto nº.

Leia mais

Orientações: Teleconsultorias Clínica e de Organização do Processo de Trabalho

Orientações: Teleconsultorias Clínica e de Organização do Processo de Trabalho telessaude.sc.gov.br telessaude.sc@saude.sc.gov.br (48) 3212 3505 Orientações: Teleconsultorias Clínica e de Organização do Processo de Trabalho O que é? Consulta registrada e realizada entre trabalhadores,

Leia mais

COMO AGENDAR A ENTREVISTA?

COMO AGENDAR A ENTREVISTA? COMO AGENDAR A ENTREVISTA? 1. Acessar o link: https://secure.e-konsulat.gov.pl/ Sugerimos que antes de realizar o agendamento sejam lidas as informações que estão disponíveis no site referente ao assunto

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ANUAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ANUAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ANUAL INTRODUÇÃO Entendendo que a formação do aluno não se dá apenas em sala de aula, o Curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Texto compilado Institui o Comitê Gestor e o Grupo Executivo do Programa Mais Médicos e dá outras providências.

Texto compilado Institui o Comitê Gestor e o Grupo Executivo do Programa Mais Médicos e dá outras providências. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.040, DE 8 DE JULHO DE 2013 Texto compilado Institui o Comitê Gestor e o Grupo Executivo do Programa Mais Médicos e dá

Leia mais

COMO ABRIR UMA IGREJA

COMO ABRIR UMA IGREJA COMO ABRIR UMA IGREJA Este ebook tem por finalidade proporcionar um esclarecimento sobre como as igrejas são vistas pelo governo, quais tributos ela deve pagar e como deve ser constituída. As igrejas,

Leia mais

21 dicas para aumentar sua produtividade e gerenciar melhor seu tempo. VIVER DE BLOG Página 1

21 dicas para aumentar sua produtividade e gerenciar melhor seu tempo. VIVER DE BLOG Página 1 21 dicas para aumentar sua produtividade e gerenciar melhor seu tempo VIVER DE BLOG Página 1 INTRODUÇÃO Como você usa seu tempo depende muito mais das habilidades que você procura desenvolver depois de

Leia mais

2 Cartilha de Estágio Univale CARTILHA DE ESTÁGIO UNIVALE

2 Cartilha de Estágio Univale CARTILHA DE ESTÁGIO UNIVALE 2 Cartilha de Estágio Univale CARTILHA DE ESTÁGIO UNIVALE Apresentação 3 Prezados alunos da UNIVALE, Com o objetivo de socializar as informações sobre estágio obrigatório e não obrigatório na UNIVALE,

Leia mais

REGULAMENTO DO SIMULADO FOLHA - ENEM 2014

REGULAMENTO DO SIMULADO FOLHA - ENEM 2014 REGULAMENTO DO SIMULADO FOLHA - ENEM 2014 1. Da Organização O Simulado Folha Enem 2014 é fruto da parceria entre o jornal Folha de S.Paulo e a Adaptativa Inteligência Educacional e tem como objetivo a

Leia mais

NÚCLEO DE ESTÁGIO E EMPREGABILIDADE III FEIRA DE EMPREGABILIDADE

NÚCLEO DE ESTÁGIO E EMPREGABILIDADE III FEIRA DE EMPREGABILIDADE NÚCLEO DE ESTÁGIO E EMPREGABILIDADE III FEIRA DE EMPREGABILIDADE Prezado Expositor: Este Manual foi elaborado para orientar e regulamentar sua participação na lll Feira de Empregabilidade evento promovido

Leia mais

CURRICULARES. CONTRATANTE ( ALUNO)(A): Nacionalidade: Fone: Celular: Carteira de Identidade: Endereço Residencial: Nº.

CURRICULARES. CONTRATANTE ( ALUNO)(A): Nacionalidade: Fone: Celular: Carteira de Identidade:   Endereço Residencial: Nº. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS OFICINAS EDUCACIONAIS EXTRA CURRICULARES CONTRATANTE ( ALUNO)(A): Nacionalidade: Fone: Celular: Carteira de Identidade: E-mail: Endereço Residencial: Nº Complemento: Bairro:

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES POLÍTICA DE TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES A CCT Conceitual Construções LTDA, considera cada reclamação como uma oportunidade de melhorar o serviço que desenvolve para seus clientes, colaboradores e parceiros

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 44/09

PROJETO DE LEI N.º 44/09 PROJETO DE LEI N.º 44/09 Dispõe sobre a Política Municipal de Esporte e Lazer de Santa Bárbara d Oeste". A Câmara Municipal Santa Bárbara d Oeste decreta: CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º. - A Política

Leia mais

II FORMULÁRIO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE VOLTADOS A PROJETOS DE RESPOSTA A AMEAÇAS IMEDIATAS

II FORMULÁRIO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE VOLTADOS A PROJETOS DE RESPOSTA A AMEAÇAS IMEDIATAS II FORMULÁRIO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE VOLTADOS A PROJETOS DE RESPOSTA A AMEAÇAS IMEDIATAS Com o objetivo de auxiliar no preenchimento deste documento de Manifestação de Interesse, o Centro de Agricultura

Leia mais

Manual do Voluntário

Manual do Voluntário Manual do Voluntário O Que é o V2V? V2V é a rede social do Programa de Voluntariado da sua empresa. Através dela, você poderá participar de ações promovidas pela empresa ou por seus colegas, compartilhando

Leia mais

WY XP. WyExperience Vivenciando o conhecimento. 2 meses longe de casa. Imersão em Ciência & Tech. Capacitação em empreendedorismo & inovação

WY XP. WyExperience Vivenciando o conhecimento. 2 meses longe de casa. Imersão em Ciência & Tech. Capacitação em empreendedorismo & inovação WY XP WyExperience Vivenciando o conhecimento Imersão em Ciência & Tech 2 meses longe de casa Capacitação em empreendedorismo & inovação Procura-se! Estudante apaixonado por conhecimento, que sonhe com

Leia mais

6º EDITAL SULAMÉRICA SEGUROS, PREVIDÊNCIA, INVESTIMENTOS E CAPITALIZAÇÃO PARA CAPTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

6º EDITAL SULAMÉRICA SEGUROS, PREVIDÊNCIA, INVESTIMENTOS E CAPITALIZAÇÃO PARA CAPTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 6º EDITAL SULAMÉRICA SEGUROS, PREVIDÊNCIA, INVESTIMENTOS E CAPITALIZAÇÃO PARA CAPTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS I. APRESENTAÇÃO A SulAmérica Seguros, Previdência, Investimentos e Capitalização entende sustentabilidade

Leia mais

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS Pró-Reitoria de Ensino Núcleo de Educação a Distância

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS Pró-Reitoria de Ensino Núcleo de Educação a Distância Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS Pró-Reitoria de Ensino Núcleo de Educação a Distância EDITAL DE SELEÇÃO PARA TUTORES A DISTÂNCIA Programa Pró-Licenciatura Edital NEAD 01/2008 A Universidade

Leia mais

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão, de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente.

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão, de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente. Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO - PREVIDÊNCIA SOCIAL DE ÁGUAS LINDAS Responsável: Elisabeth Santos

Leia mais

TUTORIAL PORTAL MAIS EMPREGO

TUTORIAL PORTAL MAIS EMPREGO TUTORIAL PORTAL MAIS EMPREGO TRABALHADOR WEB Esse tutorial tem como objetivo instruir o trabalhador para se cadastrar no Portal Mais Emprego, verificar as vagas disponíveis e se autoencaminhar para vagas

Leia mais

Liderança direta líder da área onde o programa de voluntariado está inserido

Liderança direta líder da área onde o programa de voluntariado está inserido Liderança direta líder da área onde o programa de voluntariado está inserido 1. Quais as principais causas da falta de apoio ao programa? Quando o gestor diretor é da área responsável pelo programa ele

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO ONLINE NOME DO CURSO FORMAÇÃO DE TUTORES COORDENAÇÃO Professor Mestre Ivan Carlos Alcântara de Oliveira ÁREA DO CONHECIMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA EDITAL N. 17, DE 25 DE JULHO DE 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA EDITAL N. 17, DE 25 DE JULHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO ACADÊMICO - COPA/PROGRAD EDITAL N. 17, DE 25 DE JULHO DE 2014 INSCRIÇÃO À SELEÇÃO DE TUTORES

Leia mais

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor 2016

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor 2016 O que é o Padrão de Gestão e Transparência Padrão de Gestão e Transparência O Padrão de Gestão e Transparência (PGT) 2013-2014 é um conjunto de práticas e ações recomendadas para as organizações sem fins

Leia mais

IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames

IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames Para os profissionais de acesso por corda. Rev. 00 SUMÁRIO 1. OBJETIVO.... 3 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3. RESPONSABILIDADES... 3 4. REVISÃO... 3 5. DOCUMENTO

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL Nº 1, DE 8 JANEIRO DE 2016

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL Nº 1, DE 8 JANEIRO DE 2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL Nº 1, DE 8 JANEIRO DE 2016 PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS PROUNI PROCESSO SELETIVO - PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CRA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CRA PERGUNTAS E RESPOSTAS CRA 1. O que é a CRA? A CRA é a Central de Relacionamento com o Aluno. Um departamento criado para atender às solicitações acadêmicas e financeiras, através de diversificados canais

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA Pacajus - CE Maio/2011.1 Sumário Apoio e Parcerias:... 3 Justificativa... 4 Introdução... 5 Objetivos... 6 Objetivo Geral:... 6 Objetivo Específico:... 6 Público Alvo... 7

Leia mais

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada O aprendizado e a progressão da criança dependerão do processo por ela desenvolvido,

Leia mais

Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005

Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005 Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho AEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005 CÓDIGO ÍDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3. PROCESSO

Leia mais

Programa Primeiro Museu

Programa Primeiro Museu R E G U L A M E N T O Programa Primeiro Museu O Instituto Cultural Ingá e o Museu da Família, ambos com sede e foro na cidade de Maringá-PR, no cumprimento de seus objetivos institucionais e inspirados

Leia mais