CÂMARA AMBIENTAL DO SETOR DE SANEAMENTO Grupo de Trabalho de Reuso não Potável de Água. São Paulo - Março 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÂMARA AMBIENTAL DO SETOR DE SANEAMENTO Grupo de Trabalho de Reuso não Potável de Água. São Paulo - Março 2013"

Transcrição

1 PROPOSTA DE DISCIPLINAMENTO DO REUSO DIRETO NÃO POTÁVEL DE ÁGUA PROVENIENTE DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PARA FINS URBANOS: RESOLUÇÃO CONJUNTA SES/SMA/SSRH Este documento apresenta o resultado dos estudos e discussões realizados no âmbito da Câmara Ambiental do Setor de Saneamento, propondo uma resolução intersecretarias do governo do Estado de São Paulo, com o objetivo de regulamentar os aspectos ambientais e de saúde pública, referentes às práticas de reuso direto não potável de água proveniente de Estações de Tratamento de Esgoto Sanitário para fins urbanos. São Paulo - Março 2013 (*) SES Secretaria de Estado da Saúde SMA Secretaria de Estado do Meio Ambiente SSRH Secretaria de Estado de Saneamento e Recursos Hídricos Governo do Estado de São Paulo 1

2 Participantes : Adriano Roberto Mendonça Foz do Brasil Ana Lucia F. R. Szajubok SABESP Anicia B. Pio FIESP Anna Carolina R.C. Motinaga - CENTROPROJEKT/SINDESAM Arnaldo M. Elmec CVS/SES Cleonildo A.Souza Foz do Brasil Dante R. Paulli (ABES) Eduardo Mazzolenis CETESB Elaine Ruby CETESB Elayse M. Hachiih CETESB Fernando H. Cataldi SABESP Jaqueline Duran ARSESP Jorge Rocco CIESP Keiko Arlete Semura SABESP Leda Aschermann SVMA Livia Baldo OPERSAM Marcelo Morgado SABESP Marcio Amaral Yamamoto SVMA Maria C. Gonçalves AESBE Maria Cecília Boni ARSESP Maria de Fatima Oliveira Welsel SABESP Maria Inês Z. Sato CETESB Orlando G. Queirós ABIMAQ/SINDESAM Paulo Cesar Accioli Nobre ABES Pedro Mancuso FSP/USP Regis Nieto CETESB Rita Candido Ribeiro Opersan/CSJ Romeu C. Neto ASSEMAE Roseli Dutra Sposito SABESP Sandra R. Fujita Gomes CETESB Servio Valentim CVS/SES Thomas Haitmam Foz do Brasil Valéria Damico SSRH CÂMARA AMBIENTAL DO SETOR DE SANEAMENTO Secretário Executivo: Engº Eduardo Mazzolenis de Oliveira - CETESB Presidente: Engº Dante Ragazzi Neto ABES/SP 2

3 PROPOSTA DE DISCIPLINAMENTO DO REUSO DIRETO NÃO POTÁVEL DE ÁGUA PROVENIENTE DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PARA FINS URBANOS: RESOLUÇÃO CONJUNTA SES/SMA/SSRH O GT - Reuso priorizou com aprovação da reunião Plenária, a solicitação da Secretaria da Saúde de regulamentar os aspectos ambientais e de saúde pública referentes à práticas de reuso direto não potável de água proveniente de Estações de Tratamento de Esgoto Sanitário para fins urbanos. O GT realizou 12 reuniões (até setembro de 2012) e teve a participação da ARSESP, ASSEMAE, ABIMAQ/SINDESAN, FIESP, SINDCON, ABCON, CETESB, SABESP, SES/CVS, ABES, com apoio da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. A reunião Plenária de 13 de dezembro de 2012 deliberou que a minuta ora apresentada seja encaminhada para apreciação e providências que a Diretoria da CETESB julgar necessárias. HISTÓRICO E JUSTIFICATIVAS O conceito de reuso não é novo, uma vez que o próprio ciclo hidrológico integra a reutilização das águas. Recentemente, vem sendo intensificadas as práticas de reciclagem e reuso da água tanto no âmbito nacional como internacional em vista da escassez crescente dos recursos hídricos em certas regiões aliada ao aumento da demanda e ao mesmo tempo dos avanços científicos e tecnológicos. O reuso de água configura-se como iniciativa importante para o aprimoramento da gestão dos recursos hídricos e tem sido reconhecido em suas políticas institucionais e em todos os níveis de governo. Entre elas merece destaque, em nível estadual, a Lei de 27 de dezembro de 1994 que dispõe sobre o Plano Estadual de Recursos Hídricos e estabelece no Inciso III do artigo 14 (sobre ações em bacias quantitativamente críticas em termos de gestão), a obrigatoriedade de implantação, pelos usuários, de programas de racionalização do uso de recursos hídricos, com metas estabelecidas pelos atos de outorga. Em nível federal, o Conselho Nacional de Recursos Hídricos aprovou as Resoluções CNRH 54 de 24 de novembro de 2005 que estabelece modalidades, diretrizes e critérios gerais para a prática de reuso direto não potável de água e a CNRH nº 121 de 16 de dezembro de 2010 que estabelece diretrizes e critérios para a prática de reuso direto não potável de água na modalidade agrícola e florestal. As práticas de reuso direto não potável de água proveniente de Estações de Tratamento de Esgoto Sanitário para fins urbanos, especialmente para construção civil e lavagem de ruas (feiras) tornaram-se prática de racionalização em franca expansão no Estado de São Paulo. Atenta às preocupações de ordem sanitária e ambiental destas práticas, a Secretaria de Estado da Saúde por meio do Centro de Vigilância Sanitária (CVS), propôs regulamentá-las, o que levou à publicação da Resolução Conjunta SES/SMA/SERHS-7 de que instituiu um grupo de trabalho inter-secretarias. A versão final da Resolução ficou pronta em Dezembro de 2007, mas por questões institucionais, esta não prosperou. O produto deste trabalho foi retomado por decisão da Câmara Ambiental do Setor de Saneamento da SMA/CETESB ao criar, em junho de 2010, um grupo de trabalho para discutir o tema a partir da minuta de Resolução elaborada pelo grupo inter-secretarias. As Secretarias Estaduais de Energia e Saneamento e de Saúde referendaram na ocasião, a disposição em colaborar com a elaboração e implementação desta norma. 3

4 MODALIDADES PARÂMETROS ADOTADOS A água de reuso, definida nesta minuta de Resolução, abrange exclusivamente as seguintes modalidades: Irrigação paisagística de caráter esporádico ou sazonal (para suprir as necessidades hídricas das plantas, nos períodos mais secos do ano, em geral de maio a setembro para o estado de São Paulo), de parques, jardins, campos de esporte e de lazer urbanos, ou áreas verdes de qualquer espécie, com os quais o público tenha ou possa vir a ter contato direto; Lavagem de logradouros e outros espaços públicos como ruas, avenidas, viadutos, praças, locais onde há a maior demanda pela utilização da água de reuso; Construção civil: para amassamento em concreto não estrutural, cura de concreto em obras, umectação para compactação em terraplenagens, lamas de perfuração em métodos não destrutivos para escavação de túneis, resfriamento de rolos compressores em pavimentação e controle de poeira em obras e aterros; Desobstrução de galerias de água pluvial e rede de esgotos; Lavagem de veículos especiais como caminhões de lixo doméstico e trens, desde que a mesma seja realizada somente na parte externa dos mesmos e seja executada de forma automatizada, sem contato com os operadores, devendo ser garantidas as condições de isolamento do interior dos veículos. Os parâmetros/valores propostos para qualidade da água de reuso foram definidos considerando a proteção ao meio ambiente e à saúde pública e as possíveis técnicas de aplicação (por exemplo, aspersão em áreas que possam ter contato com o público). Para tanto, foram utilizadas as referências da legislação nacional e internacional relacionadas à matéria. Em termos gerais, as justificativas para adoção os valores adotados para os parâmetros na minuta são as seguintes: Substâncias inorgânicas: Para a maior parte dos parâmetros foram utilizados os estudos da Organização das Nações Unidades para Alimentação e Agricultura FAO (WHO, 2006), complementados pelos valores da Resolução CONAMA 430/2011 e do Regulamento da Lei Estadual 997/76 (aprovado pelo Decreto 8.468/76). Em especial, os valores dos parâmetros Boro (0,5 mg/l), Sódio (69 mg L/), Cloretos (106,50 mg/l) e Fluoreto (1,0 mg/l) foram estabelecidos considerando a toxicidade para as plantas e o potencial de degradar o solo (quanto à salinidade e permeabilidade); Turbidez, DBO 5,20, Sólidos Suspensos Totais e Cloro Residual: USEPA (2004) Parâmetros microbiológicos: Foi adotada a restrição na origem devido às potenciais possibilidades de contaminação da população e trabalhadores que manipulam o produto ao longo da cadeia de geraçãodistribuição-utilização pelo consumidor final. Definiu-se para Ovos de helmintos e Escherichia coli os valores da WHO (2000 e 1989) e para Giardia e Cryptosporidium valor baseado em Avaliação de Risco Microbiológico (AQRM) realizada pela CETESB em conjunto com a Faculdade de Saúde Pública da USP (Ryu & outros, 2007). A AQRM é processo que avalia a probabilidade de ocorrência de um efeito adverso à saúde humana após exposição a microrganismos patogênicos ou a um meio onde esses ocorram (aplicação dos princípios de avaliação de risco para estimar as consequências da exposição planejada ou casual a microrganismos infecciosos). No caso em tela, a CETESB e a FSP-USP, baseadas em estudos da literatura internacional e dados disponíveis até o momento, definiram alguns cenários e modelos que resultaram no valor adotado. Para garantia dos padrões de qualidade estabelecidos definiu-se a exigência do monitoramento com frequência mínima de amostragem variável para cada conjunto de parâmetros, que poderá ser alterada, desde que embasada no histórico de qualidade da água de reuso e nas características da bacia de drenagem da ETE, já que há pouco conhecimento em nível estadual (e nacional) sobre a matéria. 4

5 RESPONSABILIDADES E GESTÃO A experiência internacional sobre as práticas de reuso indicam a importância de que tais práticas venham acompanhadas de um processo de gestão. Neste ponto, a minuta busca deixar claro diversos aspectos, entre eles: ETE produtora de água de reuso é empreendimento que deverá avaliado pelo DAEE e licenciado pela CETESB, segundo estabelece o artigo 57 (Inciso IV, Alínea b) do Anexo do Decreto de 8 de setembro de 1976, alterado pelo Decreto de 4 de dezembro de 2002, que aprova o Regulamento da Lei 997 de 31 de maio de 1976; A produção, distribuição e utilização de água de reuso devem ser cadastradas no Sistema Estadual de Vigilância Sanitária, sem prejuízo das demais normas legais vigentes. O produtor da água de reuso deverá: - Informar e orientar o distribuidor e o usuário de água de reuso quanto aos cuidados, restrições e riscos envolvidos na sua utilização, assim como adotar medidas para evitar procedimentos inadequados que impliquem em riscos à saúde; - Registrar os dados sobre produção, qualidade da água, destino do produto medidas de proteção e garantir que estes registros estejam disponíveis sempre que solicitado pelos órgãos e autoridades competentes; Produtores e usuários deverão cuidar para que os trabalhadores envolvidos na produção, distribuição e utilização de água de reuso estejam devidamente protegidos e que as tubulações, reservatórios, e demais equipamentos envolvidos na produção, distribuição e utilização de água de reuso estejam devidamente identificados e isolados de forma a evitar contaminação; As ETEs já implantadas para este fim deverão ter prazo de adequação às normas estabelecidas na minuta; Os critérios técnicos adotados poderão ser reformulados e/ou complementados considerando o desenvolvimento científico e tecnológico, os dados gerados nas operações dos sistemas e a necessidade de preservação ambiental, saúde pública e manejo sustentável da água, a partir de três anos de publicação desta Resolução. REFERÊNCIAS RYU, H., ALUM, A., MENA, K.D., ABBASZADEGAN, M (2007). Assesment of risk of infection by Criptosporidium and Giardia in no-potable reclamaid water. Water Science & Technology, vol 55, nº1-1, pp IWA Publishing. Disponível em: 20Giardia%20in%20Non-potable%20Reclaimed%20Water.pdf Acessado em janeiro de USEPA (2004). Guidelines for water reuse. USEPA/625/r-04/108, september Usepa. Washington, DC. WHO (2000). Guidelines for the microbiological quality of treated wastewater used in agriculture: recommendations for revising. Guidelines: Bulletin of the World Health Organization. WHO. Geneva. 5

6 WHO (2006). Guidelines for the safe use of wastewater, excreta and greywater vol.ii wastewater use in agriculture. WHO. Geneva. Disponível em: Acessado em novembro de WHO (1989). Health guidelines for the use of wastewater in agriculture and aquacuture. Techical Report Series 778. WHO. Geneva. 6

7 Texto onde houve consenso Textos onde houve consenso propostos na plenária de 13/12/2012 Texto onde não houve consenso MINUTA DE RESOLUÇÃO CONJUNTA SES/SMA/SERHS Disciplina o reuso direto não potável de água proveniente de Estações de Tratamento de Esgoto Sanitário para fins urbanos Os Secretários de Estado da Saúde, de Meio Ambiente e de Saneamento e Recursos Hídricos, considerando que: A Resolução n o 54 do Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH), de 28 de novembro de 2005, que estabelece diretrizes e critérios gerais para a prática de reuso direto não potável de água e dá outras providências, engloba o reuso urbano e ainda estabelece em seu artigo 3º, Inciso I, as modalidades de reuso direto não potável de água para fins urbanos; A utilização de água residuária proveniente de estações de tratamento de esgoto apresenta implicações de ordem sanitária e ambiental; O reuso de água configura-se como iniciativa importante para o aprimoramento da gestão dos recursos hídricos, incluindo o estabelecimento de padrões menos exigentes para usos não nobres da água; O reuso de água tornou-se prática de racionalização em franca expansão no Estado de São Paulo; Resolvem: Artigo 1 o Disciplinar, por meio desta Resolução Conjunta, o reuso direto não potável de água proveniente de Estações de Tratamento de Esgoto Sanitário (ETEs) para fins urbanos. CAPÍTULO I Das Definições Artigo 2º - Para efeito desta Resolução, água de reuso para fins urbanos é a água residuária gerada em ETEs cujos processos de tratamento viabilizem o atendimento aos padrões de qualidade definidos nesta resolução, para aproveitamento em determinadas atividades relacionadas ao meio urbano que não requerem necessariamente o uso de água potável. Artigo 3º - A água de reuso, para efeito desta Resolução, abrange exclusivamente as seguintes modalidades: 7

8 I. Irrigação paisagística; II. Lavagem de logradouros e outros espaços públicos; III. Construção civil; IV. Desobstrução de galerias de água pluvial e rede de esgotos; V. Lavagem de veículos especiais. 1º. A irrigação paisagística, para efeito desta Resolução, é a prática de irrigação com água de reuso, de caráter esporádico ou sazonal, de parques, jardins, campos de esporte e de lazer urbanos, ou áreas verdes de qualquer espécie, com os quais o público tenha ou possa vir a ter contato direto; 2º. Não estão incluídos no parágrafo anterior, a irrigação para usos agrícolas e florestais. 3º. O uso em construção civil considerada nesta resolução refere-se à água de reuso para amassamento em concreto não estrutural, cura de concreto em obras, umectação para compactação em terraplenagens, lamas de perfuração em métodos não destrutivos para escavação de túneis, resfriamento de rolos compressores em pavimentação e controle de poeira em obras e aterros; 4º. Veículos especiais, para efeito desta resolução, referem-se a caminhões de lixo doméstico e trens. A lavagem desses veículos deverá ser realizada somente na parte externa dos mesmos e ser executada de forma automatizada, sem contato com os operadores, devendo ser garantidas as condições de isolamento do interior dos veículos. Artigo 4 o. Considera-se usuário de água de reuso a pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado, que utilize água de reuso proveniente das estações de tratamento de esgoto sanitário para os fins previstos nesta resolução. Artigo 5º. Esta Resolução divide as águas de reuso em duas classes: I. Classe A: Águas destinadas a irrigação paisagística; II. Classe B: Águas destinadas a lavagem de logradouros, espaços públicos, construção civil e desobstrução de galerias de água pluvial, rede de esgotos e lavagem de veículos especiais. Artigo 6º. Fica vedada a utilização de água de reuso para desobstrução de galerias de água pluvial e rede de esgotos que drenem para Áreas de Proteção de Mananciais e outros usos não previstos nesta resolução. CAPÍTULO II Dos padrões de qualidade e do monitoramento Artigo 7 o. As ETEs produtoras de água de reuso deverão, obrigatoriamente, atender aos padrões de lançamento estabelecidos no artigo 21 da Resolução CONAMA 430, de 13 de maio de 2011 e no artigo 18 do 8

9 Regulamento da Lei 997, de 31 de março de 1976, aprovado pelo Decreto 8.468, de 08 de setembro de 1976 e suas alterações. Artigo 8º. A água de reuso, além dos padrões especificados no artigo 7 o, observará, também, os seguintes padrões de qualidade: I - Padrões de qualidade de água para Classe A Giardia e Cryptosporidium Parâmetros E.coli PADRÕES DE QUALIDADE CLASSE A AESBE: Propõe que este parâmetro não seja incluído na Resolução (somente após estudos posteriores) Demais entidades: permanência deste parâmetro e do valor proposto Ovos viáveis de Ascaris sp Turbidez Valor Máximo Permitido <200 UFC/100mL <0,05 cistos ou oocistos /L <0,1 ovo viável/l 5 UT Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO 5,20 ) Sólidos em suspensão totais (SST) Cloro residual total Alumínio dissolvido Arsênio total Berílio total Boro total Cádmio total Chumbo total Cloreto total Cobalto total Cobre dissolvido Cromo hexavalente 30 mg/l 30 mg/l 1,0 mg/l após 30minutos de contato; CRL máximo de 1,0 mg/l para rega direta de área verde e 2,0 mg/l para outros fins 5,00 mg/l 0,10 mg/l 0,10 mg/l 0,5 mg/l 0,01 mg/l 0,50 mg/l 106,5 mg/l 0,05 mg/l 0,20 mg/l 0,10 mg/l 9

10 Ferro dissolvido Fluoreto total Lítio total Manganês dissolvido Molibdênio Níquel total Selênio total Sódio Vanádio total Zinco total 5,00 mg/l 1,00 mg/l 2,50 mg/l 0,20 mg/l 0,01 mg/l 0,20 mg/l 0,02 mg/l 69 mg/l 0,10 mg/l 2,00 mg/l II - Padrões de qualidade de água para Classe B Parâmetros E.coli Giardia e Cryptosporidium AESBE: Propõe que este parâmetro não seja incluído na Resolução (somente após estudos posteriores) Demais entidades: permanência deste parâmetro e do valor proposto Ovos viáveis de helmintos Turbidez Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO 5,20 ) Sólido em suspensão total (SST) PADRÕES DE QUALIDADE CLASSE B Valor Máximo Permitido <200 UFC/100mL <0,05 cistos ou oocistos /L <0,1 ovo viável/l 5 UT 20 mg/l 30 mg/l 1º. O valor do Cloro Residual Total (CRT) nos usos de Classe B será de, no mínimo0,5 mg/l, após trinta minutos de contato. 2º. Quando da utilização de métodos de desinfecção que não utilizem compostos a base de cloro, o atendimento ao padrão de qualidade para Cloro Residual Total poderá ser dispensado desde que seja apresentada comprovação de que o método utilizado resulta em eficiência igual ou superior à obtida com desinfecção a base de cloro com tempo de contato de 30 minutos e cloro residual total de 1,0 mg/l. 3º. Nos casos em que a água de reuso seja destinada à irrigação paisagística (Classe A) e apresente concentrações de Cloretos, Sódio ou de ambas os parâmetros em desconformidade com os valores definidos 10

11 no inciso I deste artigo, sua utilização, em vista dos riscos de danos ao solo e a vegetação, estará condicionada a: 1. Aprovação, por meio de Parecer Técnico do órgão competente, de projeto específico elaborado pelo usuário; 2. Valores de cloreto limitados até 350 mg/l; 3. Apresentação, sempre que solicitado pelo órgão competente, dos registros operacionais da aplicação. Artigo 9º. As ETEs produtoras de água de reuso deverão estar providas de sistema de tratamento que garanta a qualidade do produto, no padrão estabelecido nesta Resolução, devendo para isto contar, no mínimo, com processo de tratamento secundário, seguido de filtração e desinfecção. Artigo 10. Para garantia do padrão de qualidade, a água de reuso deverá ser monitorada por meio de análises laboratoriais que empreguem métodos de análises especificados em Normas Técnicas de Instituições Nacionais e Internacionais reconhecidas, na frequência abaixo estabelecida: Frequência Parâmetro Diária Semanal Trimestral Cor, Turbidez, CRT DBO 5,20, E.coli, SST Protozoários e Helmintos Semestral Anual Metais Os parâmetros constantes no Artigo 21 da Resolução CONAMA 430/2011 e no artigo 18 do Regulamento da Lei 997/1976, aprovado pelo Decreto 8.468/76, que não foram relacionados anteriormente neste artigo. 1º. O monitoramento da água de reuso para os parâmetros de frequência anual poderá ser substituído por resultados do automonitoramento da ETE exigido pela CETESB. 2º. O produtor de água de reuso poderá solicitar às autoridades sanitárias e ambientais a alteração na frequência mínima de amostragem de determinados parâmetros estabelecidos nesta resolução, apresentando justificativas embasadas no histórico de qualidade da água de reuso e nas características da bacia de drenagem da ETE. CAPÍTULO III Das atribuições Artigo 11. O produtor de água de reuso deverá: I. Proceder às análises laboratoriais definidas nesta Resolução e gerar os respectivos laudos analíticos de acordo com a Resolução SMA nº 90/2012 ou a normas que venham a substituí-la, que dispõem sobre os requisitos dos laudos analíticos submetidos à apreciação dos órgãos integrantes do Sistema Estadual de 11

12 Administração da Qualidade Ambiental, Proteção, Controle e Desenvolvimento dos Recursos Naturais (SEAQUA); II. Elaborar um relatório anual consolidado, referente ao período de janeiro a dezembro, com o seguinte conteúdo mínimo: a) Volume mensal e anual produzidos e distribuídos, destinos do produto, procedimentos adotados para garantia de qualidade laboratorial e medidas de proteção da saúde dos funcionários envolvidos na produção, distribuição e utilização; b) Avaliação da qualidade da água de reuso produzida, com base no monitoramento especificado nesta resolução, descrição de eventuais não-conformidades ocorridas em relação aos limites estabelecidos e das respectivas ações corretivas adotadas; III. Disponibilizar os registros operacionais em meio eletrônico, sempre que solicitado pelos órgãos e autoridades competentes; Artigo 12 As tubulações, reservatórios, veículos bombas, medidores de vazão, sensores e demais equipamentos envolvidos na produção, distribuição e utilização de água de reuso deverão ser estanques, devidamente identificados e projetados de forma a evitar contaminação e exclusivos para esta atividade, não podendo ser transferidos para instalações de água potável. 1º. As redes internas de água de reuso deverão ser completamente segregadas, não devendo haver possibilidade de mistura na tubulação com água potável por meio de válvulas ou desvios. 2º. Nos veículos e tanques deverão figurar, de forma visível, em destaque os dizeres abaixo: Laterais dos caminhões, tanques e contêineres: ÁGUA DE REUSO Artigo 13. Os trabalhadores envolvidos na produção, distribuição e utilização de água de reuso deverão estar devidamente protegidos, para que não se exponham, por contato direto ou indireto, a qualquer risco de contaminação, bem como devidamente orientados e capacitados para o uso correto do produto. Artigo 14. O produtor deverá informar e orientar o distribuidor e o usuário de água de reuso quanto aos cuidados, restrições e riscos envolvidos na sua utilização, assim como adotar medidas para evitar procedimentos inadequados que impliquem riscos à saúde. Artigo 15. O usuário de água de reuso deverá adotar procedimentos diferenciados para evitar contaminação de alimentos e água potável que porventura estejam expostos próximos aos locais de aplicação do produto. Artigo 16. A ETE produtora de água de reuso deverá ser avaliada pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), licenciada pela CETESB e a produção, distribuição e utilização de água de reuso, devem ser cadastradas no Sistema Estadual de Vigilância Sanitária, sem prejuízo das demais normas legais vigentes. 12

13 CAPÍTULO IV Disposições finais e transitórias Artigo 18. As ETEs que possuírem outorga de direito de uso e licença ambiental expedida para produção de água de reuso poderão solicitar manifestação da CETESB quanto à adequação ao disposto nesta Resolução, desde que sejam apresentados: I Cronograma das medidas necessárias ao cumprimento do caput deste artigo em até trinta dias contados a partir da data de publicação desta Resolução; II Implantação das medidas citadas no inciso anterior, desde que aprovadas pela CETESB, em até cento e oitenta dias contados a partir da data de publicação desta Resolução. Artigo 19. Os critérios técnicos adotados nesta Resolução poderão ser reformulados e/ou complementados considerando o desenvolvimento científico e tecnológico, os dados gerados nas operações dos sistemas e a necessidade de preservação ambiental, saúde pública e manejo sustentável da água, a partir de três anos de publicação desta Resolução. Artigo 20. A cor padrão para identificação de tubulações e inscrições será regulamentada pelos órgãos competentes em até três meses, contados da data de publicação desta Resolução. Artigo 21. O descumprimento ao disposto nesta Resolução ou a adoção de qualquer procedimento envolvendo a produção, distribuição e utilização de água de reuso que resultem em riscos à saúde ou ao meio ambiente sujeitarão os responsáveis às penalidades previstas nas legislações sanitária e ambiental. Artigo 22. Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação. 13

Regulação de reúso da água no Estado de São Paulo

Regulação de reúso da água no Estado de São Paulo Regulação de reúso da água no Estado de São Paulo Os desafios do Reúso da Água no Brasil: Alternativas e práticas de reuso VI Seminário de tecnologias Limpas (junho 015) Secretaria de Estado do Meio Ambiente

Leia mais

Proposta de Água de Reúso ETE Insular

Proposta de Água de Reúso ETE Insular Proposta de Água de Reúso ETE Insular Setor Operacional de Esgoto SEOPE / AFLS Gerência de Políticas Operacionais GPO Gerência de Meio Ambiente - GMA Setor de Qualidade de Água e Esgoto /Gerência Operacional

Leia mais

Projeto de norma da ABNT de Reúso não potável de

Projeto de norma da ABNT de Reúso não potável de Projeto de norma da ABNT de Reúso não potável de esgotos sanitários para uso urbano Msc. Eng. Hidráulica e Sanitária USP EESC - Virgínia Sodré A EMPRESA ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE A INFINITYTECH Somos

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

REUSO DA ÁGUA COMO RECURSO HÍDRICO: OPORTUNIDADES E NECESSIDADE DE REGULAMENTAÇÃO

REUSO DA ÁGUA COMO RECURSO HÍDRICO: OPORTUNIDADES E NECESSIDADE DE REGULAMENTAÇÃO REUSO DA ÁGUA COMO RECURSO HÍDRICO: OPORTUNIDADES E NECESSIDADE DE REGULAMENTAÇÃO Eduardo Mazzolenis de Oliveira 1 RESUMO A degradação da qualidade das águas superficiais e subterrâneas tanto no Brasil

Leia mais

Reúso de Águas Residuais e Água Regenerada

Reúso de Águas Residuais e Água Regenerada Worshop Inovação e Tecnologias Globais em Saneamento. Reúso de Águas Residuais e Água Regenerada 29/07/2014 Eng.º Américo de Oliveira Sampaio Superintendente Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

A QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REÚSO

A QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REÚSO Seminário Ganhos Econômicos e Ambientais com Reúso de Água A QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REÚSO Engº. Regis Nieto Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento Reúso da Água e Ações da CETESB Controle

Leia mais

Reuso para uso Urbano não Potável

Reuso para uso Urbano não Potável 6 Seminário sobre Tecnologias Limpas Porto Alegre, 10 de Junho de 2015 Painel :Alternativas Práticas de Reuso Reuso para uso Urbano não Potável Eng. Américo de Oliveira Sampaio Coordenador de Saneamento

Leia mais

PROPOSTAS DE SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO

PROPOSTAS DE SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO PROPOSTAS DE SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO Este documento apresenta o resultado dos estudos e discussões realizados no âmbito da Câmara

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012. RESOLUÇÃO 015, de 24 de janeiro de 2012. Homologa a Norma Técnica T.187/4 Lançamento de Efluentes não Domésticos no Sistema de Esgotamento Sanitário da Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG.

Leia mais

Portaria de Potabilidade de Água Evolução e desafios contínuos

Portaria de Potabilidade de Água Evolução e desafios contínuos Portaria de Potabilidade de Água Evolução e desafios contínuos A evolução ao longo de anos das portarias sobre potabilidade de água tem sido um exemplo a ser seguido por outras legislações. A cada revisão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.440, DE 4 DE MAIO DE 2005. Estabelece definições e procedimentos sobre o controle de qualidade da água de sistemas de

Leia mais

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento 2.1 - Definição e Objetivos Objetivo principal de um Sistema de Abastecimento de água: fornecer ao usuário uma água de boa qualidade para seu uso, em quantidade

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título do Trabalho: Regulamentação do Reúso urbano (Minuta de projeto lei)

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título do Trabalho: Regulamentação do Reúso urbano (Minuta de projeto lei) 1 ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do Trabalho Título do Trabalho: Regulamentação do Reúso urbano (Minuta de projeto lei) Currículo do Autor Manoel Henrique Ramos

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

Portaria RS/SES nº 1238 DE 28/11/2014

Portaria RS/SES nº 1238 DE 28/11/2014 Portaria RS/SES nº 1238 DE 28/11/2014 Norma Estadual - Rio Grande do Sul Publicado no DOE em 28 nov 2014 Estabelece definições e procedimentos sobre o Transporte de Água Potável para o Consumo Humano,

Leia mais

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e, 1 RESOLUÇÃO N 212/2003 - CG Disciplina a qualidade da prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, operado pela SANEAGO, conforme processo nº 22187758 /2003. O CONSELHO DE GESTÃO

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA - Propostas para o Esgotamento Sanitário - Sistema de Informações em Saneamento Responsabilidades da Concessionária: - Realizar o

Leia mais

LANÇAMENTO DE EFLUENTES

LANÇAMENTO DE EFLUENTES NORMA TÉCNICA T. 187/ 5 LANÇAMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS NO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA COPASA S I N O R T E Sistema de Normalização Técnica Copasa NORMA TÉCNICA LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS

Leia mais

PROGRAMA PILOTO DE UTILIZAÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO PELO SETOR DE TRANSPORTES LOCALIZADO NA ZONA NORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PROGRAMA PILOTO DE UTILIZAÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO PELO SETOR DE TRANSPORTES LOCALIZADO NA ZONA NORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PROGRAMA PILOTO DE UTILIZAÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO PELO SETOR DE TRANSPORTES LOCALIZADO NA ZONA NORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Eliane Rodríguez de Almeida Florio* Sabesp. Administradora de Empresas

Leia mais

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CRIA, no município de Manaus, o Programa de Tratamento e Uso Racional das Águas nas edificações PRO-ÁGUAS. O PREFEITO DE MANAUS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

O CONTRÔLE DA QUALIDADE DA ÁGUA NA SABESP

O CONTRÔLE DA QUALIDADE DA ÁGUA NA SABESP O CONTRÔLE DA QUALIDADE DA ÁGUA NA SABESP Coppini Blum José Roberto SABESP - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo RESUMO As características específicas do serviço de abastecimento público

Leia mais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais i 20/07/2007 José Luiz Silvério da Silva CCNE Djalma Dias da Silveira - CT Introdução Água é essencial: Sua ausência impossibilita

Leia mais

Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano na Cidade de São Paulo Vigiagua

Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano na Cidade de São Paulo Vigiagua Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano na Cidade de São Paulo Vigiagua Marília Rodrigues Médica Veterinária Sanitarista PMSP/SMS/COVISA/GVISAM Objetivo: Realizar a vigilância da qualidade

Leia mais

II-155 - ESTUDO DA VIABILIDADE DO REUSO DE EFLUENTES SANITÁRIOS TRATADOS PARA FINS NÃO POTÁVEIS

II-155 - ESTUDO DA VIABILIDADE DO REUSO DE EFLUENTES SANITÁRIOS TRATADOS PARA FINS NÃO POTÁVEIS II-155 - ESTUDO DA VIABILIDADE DO REUSO DE EFLUENTES SANITÁRIOS TRATADOS PARA FINS NÃO POTÁVEIS Reginaldo Ramos (1) Químico pelo Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IQ/UFRJ).

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CHUVEIROS DAS PRAIAS DE IPANEMA E LEBLON

RELATÓRIO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CHUVEIROS DAS PRAIAS DE IPANEMA E LEBLON RELATÓRIO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CHUVEIROS DAS PRAIAS DE IPANEMA E LEBLON GABRIELA BAKER DE MACEDO FERREIRA ORIENTADOR: JOSE MARCUS DE OLIVEIRA GODOY

Leia mais

reuso e utilização de água de chuva

reuso e utilização de água de chuva Definições Legislação sobre reuso e utilização de água de chuva FABIANO GENEROSO Biólogo Especialista em Técnicas Avançadas em Análises Clínicas - USP Especialista em Parasitologia Médica - USP Especialista

Leia mais

Portaria nº 491/2015-GS/SESaP, 26 de outubro de 2015.

Portaria nº 491/2015-GS/SESaP, 26 de outubro de 2015. Portaria nº 491/2015-GS/SESaP, 26 de outubro de 2015. Dispõe sobre os critérios de liberação do alvará sanitário para os veículos que captam, armazenam, transportam, distribuem e comercializam água potável

Leia mais

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol.

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Alexandre Cruz 1 Documentos Emitidos Autorização Ambiental para Perfuração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3)

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) Estabelece as diretrizes e critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos superficiais para fins de captação por

Leia mais

Brasília, 16 a 18 de março de 2015. Foto: autor

Brasília, 16 a 18 de março de 2015. Foto: autor Brasília, 16 a 18 de março de 2015 Experiência da SES/SP no desenvolvimento das ações de vigilância da qualidade da água para consumo humano durante eventos climáticos extremos. Centro de Vigilância Sanitária

Leia mais

PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DO ANEXO DO DECRETO 8.468/1976 SOBRE O RECEBIMENTO DE EFLUENTES NÃO-DOMÉSTICOS EM SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DO ANEXO DO DECRETO 8.468/1976 SOBRE O RECEBIMENTO DE EFLUENTES NÃO-DOMÉSTICOS EM SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DO ANEXO DO DECRETO 8.468/1976 SOBRE O RECEBIMENTO DE EFLUENTES NÃO-DOMÉSTICOS EM SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS Este documento apresenta o resultado dos estudos e discussões realizados

Leia mais

UNIDADE DE NEGÓCIO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA METROPOLITANA MT. Aquapolo Ambiental Uma Parceria de Sucesso

UNIDADE DE NEGÓCIO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA METROPOLITANA MT. Aquapolo Ambiental Uma Parceria de Sucesso UNIDADE DE NEGÓCIO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA METROPOLITANA MT Aquapolo Ambiental Uma Parceria de Sucesso José Luiz Salvadori Lorenzi Superintendente Abril/2008 PAUTA SABESP SOLUÇÕES AMBIENTAIS ÁGUA DE

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E DIRETRIZES AMBIENTAIS PARA ENQUARAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

CLASSIFICAÇÃO E DIRETRIZES AMBIENTAIS PARA ENQUARAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CLASSIFICAÇÃO E DIRETRIZES AMBIENTAIS PARA ENQUARAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS APROVADA NA CAMÂRA TÉCNICA DE CONTROLE E QUALIDADE AMBIENTAL DO CONAMA-CTCQA Dra. Dorothy Carmen Pinatti Casarini COORDENAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA Fábio Netto Moreno 1, Beatriz Durazzo Ruiz 2, Carmen Lúcia V. Midaglia 3, Nelson Menegón Jr. 4 1 Setor de águas Interiores, CETESB, São Paulo,

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 SALVADOR, BAHIA - QUARTA-FEIRA 12 DE MARÇO DE 2014 ANO - XCVIII - N O 21,375 RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 Estabelece diretrizes e critérios gerais para a outorga do direito de uso dos recursos

Leia mais

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II Autores: Ivanildo Hespanhol José Carlos Mierzwa São Paulo, 24 de maio de 2.001 Lienne Carla Pires 2 Índice

Leia mais

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL Luciana Vaz do Nascimento Marcos von Sperling (*) (*) Departamento de Engenharia Sanitária

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ, no uso das suas atribuições legais, conforme Lei Orgânica Municipal, e;

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ, no uso das suas atribuições legais, conforme Lei Orgânica Municipal, e; DECRETO Nº 769 DE 23 DE SETEMBRO DE 2009 SÚMULA: Regulamenta a gestão dos resíduos orgânicos e rejeitos de responsabilidade pública e privada no Município de Londrina e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA TABELA ANEXA AO DECRETO Nº14824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA 11 Para execução de ligação de água em tubos de plásticos, com reenchimento da escavação e repavimentação da faixa de rolamento

Leia mais

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp O papel da SABESP no ciclo de vida da água Redução do volume produzido. Preservação e despoluição dos mananciais. Água de reúso Controle de Perdas

Leia mais

Pro r gram am d a e Recebim i en t E Contr t o r le P E R C E E C N E D dos Efl f u l entes Não Domést ést co Novembro/2008

Pro r gram am d a e Recebim i en t E Contr t o r le P E R C E E C N E D dos Efl f u l entes Não Domést ést co Novembro/2008 Programa de Recebimento E Controle dos Efluentes Não Domésticos PRECEND Novembro/2008 Geração dos Efluentes Água Impurezas incorporadas devido aos usos da água em sua residência: chuveiros, vasos sanitários,

Leia mais

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação Segurança da Água para Consumo Humano Como Moldar o Futuro da Água para as partes Interessadas 07 Maio de 2015 Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para

Leia mais

Correlações: Complementa e altera a Resolução nº 357/2005.

Correlações: Complementa e altera a Resolução nº 357/2005. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N o 430, DE 13 DE MAIO DE 2011 Correlações: Complementa e altera a Resolução nº 357/2005. Dispõe sobre as condições e padrões de

Leia mais

POTENCIAL E DESAFIOS

POTENCIAL E DESAFIOS IV Seminário Regional sobre os Usos Múltiplos M da Água e Gestão Integrada de Recursos HídricosH Seminários Regionais Tema: Uso da água na indústria e tratamento de águas residuárias rias REÚSO DE ÁGUA

Leia mais

PROPOSTA DE MODELO DE REÚSO DE ÁGUA DE BEBEDOUROS, CONDICIONADORES DE AR E DESTILADORES EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO

PROPOSTA DE MODELO DE REÚSO DE ÁGUA DE BEBEDOUROS, CONDICIONADORES DE AR E DESTILADORES EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PROPOSTA DE MODELO DE REÚSO DE ÁGUA DE BEBEDOUROS, CONDICIONADORES DE AR E DESTILADORES EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO Anna Júlia Santos Barros (1); Antônio Olívio Silveira Britto Júnior (1); Leonardo Lima

Leia mais

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA Danielle Martins Cassiano de Oliveira (*), Ricardo Nagamine Costanzi * Universidade Tecnológica Federal do Paraná, danielle.martins.cassiano@gmail.com

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

19 à 22 de outubro de 2014. Minascentro Belo Horizonte / MG. Resíduos de Serviços de Saúde, Ambiente e Saúde

19 à 22 de outubro de 2014. Minascentro Belo Horizonte / MG. Resíduos de Serviços de Saúde, Ambiente e Saúde 2º Simpósio Brasileiro Saúde e Ambiente Desenvolvimento, conflitos territoriais e saúde: ciência e movimentos sociais para a justiça ambiental na políticas públicas. 19 à 22 de outubro de 2014 Minascentro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial Cerca de 71% da superfície do planeta Terra é coberta por água. Cerca de 97,5% dessa água é salgada e está nos oceanos, 2,5% é doce sendo que deles, 2% estão nas geleiras, e apenas 0,5% estão disponíveis

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. Estabelece as diretrizes e os critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos por meio de caminhão-pipa em corpos de água

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

REÚSO DA ÁGUA BASE LEGAL E NORMATIVA

REÚSO DA ÁGUA BASE LEGAL E NORMATIVA REÚSO DA ÁGUA REÚSO DA ÁGUA BASE LEGAL E NORMATIVA Resolução nº 54, de 28/11/05 do Conselho Nacional de Recursos Hídricos -CNRH - Estabelece modalidades, diretrizes e critérios gerais para a prática de

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido CISA Cooperação Internacional do Semi-Árido Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 7 de Maio de 2009 Aspetos sanitários da qualidade da água Qual é a diferença dessas

Leia mais

DECRETO Nº 18.901, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº 18.901, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.901, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece os preços dos serviços complementares a serem cobrados pelo Departamento Municipal de Água e Esgotos (DMAE). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

DECRETO Nº 18.515, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.515, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.515, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece os preços dos serviços complementares a serem cobrados pelo Departamento Municipal de Água e Esgotos (DMAE). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE,

Leia mais

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Aprova a proposta para implementação da cobrança pelo uso dos recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo, nas bacias hidrográficas

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

Produção de Alimentos e Sustentabilidade

Produção de Alimentos e Sustentabilidade I SEMINÁRIO ESTADUAL DA REDE SANS Desafios e estratégias para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária no Estado de São Paulo Produção de Alimentos e Sustentabilidade Profa. Dra. Tamara

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. Dispõe sobre a emissão de outorga de direito de uso dos recursos hídricos de domínio do Estado da Bahia, assim como a sua renovação, ampliação, alteração,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

ATO nº 03/2009. Artigo 2º - Para os efeitos deste Ato, são considerados efluentes especiais passíveis de recebimento pelo SAAE:

ATO nº 03/2009. Artigo 2º - Para os efeitos deste Ato, são considerados efluentes especiais passíveis de recebimento pelo SAAE: ATO nº 03/2009 Dispõe sobre a criação e normatização do Programa de Recebimento de Efluentes Especiais (PRESS) pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Sorocaba O DIRETOR GERAL do Serviço Autônomo de

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1175, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 1175, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 1175, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre critérios para definição de derivações, captações e lançamentos de efluentes insignificantes, bem como serviços e outras interferências em corpos

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO

LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO Declara Área de Proteção Ambiental - APA, regiões que específica, dando providências correlatas. O Governador do Estado de São Paulo. Faço saber

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462 Regulamenta critérios para operação e manutenção de reservatórios de água potável superiores e inferiores (cisternas), de estabelecimentos

Leia mais

TÍTULO: ESTAÇÃO PRODUTORA DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA CAMPINAS.

TÍTULO: ESTAÇÃO PRODUTORA DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA CAMPINAS. TÍTULO: ESTAÇÃO PRODUTORA DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA CAMPINAS. 1. OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA DO PROJETO A Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A. SANASA é uma empresa de economia

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos.

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos. REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS Gilsâmara Alves Conceição 1 João José Cerqueira Porto 2 1 Universidade Federal da Bahia, Escola Politécnica. Av. Cardeal da Silva, 132, Federação, 40210-630. Salvador-BA,

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Consórcio PCJ: A Certificação de Qualidade no Saneamento como Fator de Sustentabilidade no Setor EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Gilberto Coelho Júnior Americana, 17 de Agosto de 2011 O que

Leia mais

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados)

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Mostra Local de: Araruna Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Nome da Instituição/Empresa: Empresa Máquinas Agrícolas Jacto S/A,

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

S. A. Gobbi 1, E. Rangel 2, J. Silva 3. Centro Latino Americano de zeólitos, Indústrias Celta Brasil, São Paulo, Brasil

S. A. Gobbi 1, E. Rangel 2, J. Silva 3. Centro Latino Americano de zeólitos, Indústrias Celta Brasil, São Paulo, Brasil Comparativo técnico e econômico da filtração de esgotos secundários por meio de filtros rápidos de areia e zeólito para reúso agrícola e urbano não potável S. A. Gobbi 1, E. Rangel 2, J. Silva 3 Centro

Leia mais