CAPÍTULO 5 VEGETAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 5 VEGETAÇÃO"

Transcrição

1 CAPÍTULO 5 VEGETAÇÃO Salustiano Vilar da Costa Neto Marcio Sousa da Silva 5.1 INTRODUÇÃO O litoral estuarino do Estado do Amapá apresenta um conjunto vegetacional ímpar, moldado pela dinâmica do rio Amazonas, onde predominam os campos naturais e as florestas de várzea. Os campos naturais se caracterizam por áreas abertas com predomínio do elemento herbáceo, existindo também aqueles localizados em locais com pequenas oscilações na topografia do terreno que permitem o estabelecimento de um estrato arbóreo-arbustivo; além destes, existem ainda áreas com concentração de ilhas de mata de tamanho e formas variadas. Estas últimas estão localizadas em relevo mais alto, onde geralmente os efeitos da inundação não são observados. As florestas são predominantemente do tipo pluviais ou ombrófilas e perenifólias. Estas apresentam um padrão que varia de Florestas de Terra Firme, sem influência de inundação, passando pelas Aluviais, com pouca influência de inundação, até alcançar as áreas de igapó, que são permanentemente inundadas. As matas de várzea que se encontram sob a influência das marés semidiurnas estão associadas ao Rio Amazonas e seus tributários, como os rios Jari, Cajari, Ariramba, Maracá, Preto, Mazagão, Matapi, Vila Nova, Ipixuna, Pedreira, Macacoari, Piririm, Gurijuba, Araguari e outros. O objetivo deste trabalho é o de caracterizar e identificar os tipos de vegetação do Setor Estuarino do Estado do Amapá, servindo como instrumento de consulta ao mapa de vegetação da região e de base para elaboração do mapa de potencialidades e limitações do Setor. 71

2 5.2 METODOLOGIA O procedimento metodológico empregado baseou-se inicialmente na análise e interpretação de um mosaico de imagens de satélite LANDSAT TM-5, ano 1997, cuja elaboração foi apresentada no capítulo inicial deste volume, tendo como base principal para definição dos diferentes tipos de vegetação os padrões texturais observados nas imagens. Posteriormente, estas unidades foram digitalizadas através do programa SPRING em versão 3.4b; em seguida, foram realizadas checagens de campo para reconhecimento e identificação das diferentes fisionomias vegetais classificadas. No levantamento de campo foi utilizado um GPS (Global Position System) para registrar a localização exata dos diversos tipos fisionômicos da vegetação desse setor. O sistema utilizado para classificação das tipologias foi de Velloso et al (1991); IBGE (1997) ; IEPA (1999). Todas as espécies herbáceas, arbóreas e arbustivas férteis contidas nos pontos visitados foram coletadas, obedecendo à metodologia convencional, isto é, cada amostra composta de um ou mais ramo(s) florido(s), acompanhado(s) ou não de amostras de madeira, e herborizado(s) segundo as técnicas habituais de Fidalgo e Bononi (1984). Na fase de laboratório, as coletas botânicas provenientes do campo passaram pela rotina de herbário, consistindo de prensagem, secagem, montagem da exsicata e posterior incorporação no Herbário Amapaense (HAMAB), do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (IEPA). A identificação foi efetuada por comparação no HAMAB e bibliografia especializada. Os espécimes que não conseguiram ser identificados serão enviados a especialistas para este fim. Para a investigação etnobotânica foram empregadas técnicas de entrevistas de campo através de formulários por comunidades e com pessoas-chaves, onde se procurou abordar a utilização de plantas e outros produtos para tratamento de diversas doenças. Foram efetuadas 72

3 excursões a quase todas as comunidades dos municípios que compõem a Zona Costeira Estuarina do Estado do Amapá, no período de 1998 a RESULTADOS Os trabalhos de campo associados com a interpretação das imagens LANDSAT permitiram identificar três tipos fisionômicos na paisagem do Setor Costeiro Estuarino: vegetação de influência flúviomarinha, campestre, florestal, além das associações e das áreas alteradas. Dentro do tipo fisionômico de influência flúvio-marinha foram caracterizadas duas unidades; na campestre, seis unidades; e para a floresta, quinze unidades. Nas associações foram definidas dez unidades e nas áreas alteradas, duas Floresta com influência flúvio-marinha São formações vegetais que ainda se encontram em fase de sucessão, com ecossistemas dependentes de fatores ecológicos instáveis. Trata-se de áreas sedimentares relativamente recentes podendo ocorrer influência marinha, apresentando uma cobertura vegetal litorânea, com predomínio de raízes escoras (Rhizophora mangle L. e R. racemosa G. F. Mayer) e pneumatóforos (Avicennia germinans (L.) Stearn e Laguncularia racemosa (L.) Gaertn.) (Tabela 5), ou, ainda, de influência fluvial, caracterizada pelos componentes denominados várzea e campos inundáveis, que ocorrem sobre solos hidromórficos. Tabela 5 - Espécies das florestas com influência fluvio-marinha do Setor Estuarino do Estado do Amapá Nome Vernacular Nome Científico Família Mangue Rhizophora mangle L. Rhizophoraceae Mangue R. racemosa G. F. Mayer Rhizophoraceae Siriúba Avicennia germinans (L.) Stearn Avicenniaceae Tinteiro Laguncularia racemosa (L.) Gaertn. Combretaceae Siriubal (Sb) Caracteriza-se pela presença de Avicennia germinans (Siriúba) em áreas de grande concentração, uma vez que esta espécie representa o 73

4 tipo dominante nos manguezais amapaenses. Estão distribuídas nas áreas de deposição mais recentes do Arquipélago do Bailique e na Foz do rio Araguari, formando bosques monoespecíficos. Essa espécie também ocorre em pequenas populações ao longo do rio Amazonas, chegando a atingir a foz do rio Ariramba (Figura 33). Associadas aos bosques de Siriúba, com porte arbóreo a herbáceo, encontram-se as espécies: mututi (Pterocarpus amazonicus Huber e P. officinalis Jacq.), verônica (Dalbergia monetaria L.f. e D. subcymosa Ducke), aturiá (Macherium lunatum L.f.), Crenea maritima L., Crinum sp., Cyperus comosus Poir., Fimbristylis sp. entre outras. A B Figura 33 - Siriubal da região do Igaçaba, b) Vista geral do ecossistema. Fonte: Acervo GERCO. Arquipélago do Bailique. a) Destaque para o bando de guarás e A espécie Rhizophora racemosa distribui-se na parte mais interna do estuário chegando a atingir a foz do rio Preto, sendo que sua maior concentração é verificada na porção norte do Arquipélago do Bailique. No igarapé Grande da Terra Grande (Bailique) foi verificada a ocorrência de Laguncularia racemosa. Estas áreas apresentam uma importância na cadeia alimentar dos oceanos, mares e estuários, servindo de local de reprodução, de berçário e de alimentação para alevinos e peixes jovens, crustáceos e moluscos, que usam esses ambientes como moradia ou em alguma fase do ciclo de vida para se desenvolverem. Dada essa importância biológica é imprescindível a conservação desses ecossistemas, uma vez que abrigam espécies de interesse econômico, 74

5 como os caranguejos, camarões, mexilhões e várias espécies de peixes e aves Restinga (R) Adotou-se a definição de restinga de Araújo e Henriques (1984), como sendo o ecossistema adjacente ao oceano, ocorrendo sobre areia marinha ou fluvio-marinha, de origem quaternária. São caracterizadas pela presença da Fabaceae Vigna luteola (Jacq.) Benth. Convolvulaceae Ipomoea asarifolia (Desr.) Roem. ; Schult., Malvaceae Hibiscus cf. bifurcatus Cav. e as Poaceae Hymenachne amplexicaule (Rudge) Nees, Digitaria horizontalis Willd. e Paspalum decubens Sw (Figura 34). Figura 34 - Vegetação de Restinga da praia do Parazinho, Arquipélago do ailique, Amapá. Fonte: Acervo GERCO Campestre Campo Herbáceo Periodicamente Inundado (Ch) Ocorre em toda a extensão do Setor Estuarino, desde o rio Jari até o rio Araguari, sobre os terraços holocênicos, ligeiramente acima do nível da água. São caracterizados pela presença de diversas espécies de macrófitas aquáticas (Figura 35), como Poaceae, Cyperaceae, 75

6 Nymphaceae, Alismataceae, Araceae, Maranthaceae, sem a presença de arbustos ou árvores (Tabela 6). A pecuária bubalina é intensa nessas áreas, causando alterações na paisagem dos campos, gerando canais de drenagem que servem de escoamento da água, principalmente durante os meses de estiagem, facilitando a queimada e o desmatamento desse ecossistema (Figura 36). Figura 35 - Campo Herbáceo Periodicamente Inundado. Em primeiro plano, temos aguapé (Echornia sp.), taboa (Cyperus giganteus Vahl.), aninga (Montrichardia arborescens Schott.) e, ao fundo, o buriti (Mauritia flexuosa L.f.). Fonte: Acervo GERCO. a b Figura 36 - Campo Herbáceo Periodicamente Inundado. a) Áreas de campo no rio Gurijuba, município de Macapá. b) Área utilizada para bubalinocultura. Fonte: Acervo GERCO. 76

7 Tabela 6- Espécies dos campos naturais do Setor Estuarino do Estado do Amapá Nome Vernacular Nome Científico Família Alface d água Pistia stratioides L. Araceae Aguapé Eichhornia azurea (Sw.) Kunth Pontederiaceae Aguapé Eichhornia crassipes (Mart.) Solms. Pontederiaceae Azolla Azolla sp. Saviniaceae Buriti Mauritia flexuosa L. f. Arecaceae Cabomba Cabomba aquatica DC. Nymphaeaceae Canarana Hymenachne amplexicaule (Rudge) Nees Poaceae Caranã Mauritiella aculeata (Kunth) Burnet. Arecaceae Junco Eleocharis emarginata (Ness) Klotz. Cyperaceae Junco Eleocharis intesticta (Vahl) Roemer et Schultes Cyperaceae Junco Eleocharis mutata (L.) Roemer et Schultes Cyperaceae Junco Eleocharis sp. Cyperaceae Salvinia Salvinia articulata Aubl. Saviniaceae Samambaia Blechnum serrulatum L. C. Rich. Polypodiaceae Taboa Cyperus giganteusi Vahl. Cyperaceae Centrosema brasilianum (L.) Benth. Cuphea melvilla Lindley Cyperus luzulae (L.) Retz. Fimbristylis annua (Allioni) Roemer et Schultes Scleria microcarpa Nees Panicum laxum Sw. Paspalum repens Berg. Fabaceae Lythraceae Cyperaceae Cyperaceae Cyperaceae Poaceae Poaceae Campo Arbustivo Periodicamente Inundado (Ca) Estas áreas diferenciam-se dos campos herbáceos pela freqüência de árvores como a taxi (Triplaris surinamensis Cham.), mamorana (Pachira aquatica Aubl.), munguba (Bombax munguba Mart. et Zucc.); arbustos esparsos, como Solanum sp., Mimosa pigra L. e as palmeiras buriti (Mauriti flexuosa L. f.) e caranã (Mauritiella aculeata (Kunth) Burnet.) (Figura 37). 77

8 Figura 37 - Vista geral do campo arbustivo periodicamente inundado no rio Araguari. Destaque para o arbusto Mimosa pigra L (a). Fonte: Acervo GERCO Campo Permanentemente Inundado (I) São as áreas a mais baixas dos campos, constituídos de depressões onde se formam lagos permanentes, com acúmulo de matéria orgânica proveniente da decomposição das macrófitas aquáticas. Dentre essas podemos destacar o aguapé (Eichornia crassipes (Mart.) Solms e E. azurea (Sw.) Kunth.), mururé (Nynphaea sp.), cabomba (Cabomba aquatica DC.) e outras aquáticas (Figura 38). Figura 38 - Vista geral do Lago Ajuruxi, com domínio de macrófitas aquáticas. Fonte: Acervo GERCO. 78

9 Cerrado com Forma Arbórea/Arbustiva e de Campo Limpo Associado (C) É uma classe de formação predominante dos climas quentes e úmidos, com chuvas torrenciais bem demarcadas pelo período seco e caracterizada sobretudo por árvores tortuosas, de folhas raramente deciduais, como também por formas biológicas adaptadas aos solos deficientes, profundos e aluminizados (RADAMBRASIL, 1974) (Tabela 7). As potencialidades do cerrado estão ligadas às espécies frutíferas, como mangaba (Hancornia speciosa Gomez.), muruci (Byrsonima crassifolia (L.) Rich.), caju (Anacardium occidentale L.) e araticum (Annona paludosa Aubl.); e às medicinais, como o barbatimão (Ouratea hexasperma (St. Hill.) Benth.), sucuúba (Himathanthus articulata (Vahl.) Wood.) e lacre (Vismia guianensis (Aubl.) Choisy). Formação do grupo das savanas, com pequenas árvores esparsas entre dois e cinco metros, esgalhadas e bastante tortuosas, e outras lenhosas a sublenhosas rasteiras dispersas em um estrato herbáceo contínuo. Entre as espécies arbórea/arbustivas podemos citar: sucuúba (Himathanthus articulata (Vahl.) Wood.), caimbé (Curatella americana L.), mangaba (Hancornia speciosa Gomez.), barbatimão (Ouratea hexasperma (St. Hill.) Benth.), muruci (Byrsonima crassifolia (L.) Rich.), muruci rasteiro (Byrsonima verbascifolia (L.) Rich.) e bate-caixa (Salvertia convallariaeodora St. Hill.). No estrato herbáceo as espécies mais freqüentes são: Chamaecrista diphylla Greene, C. racemosa (Vogel) Irwin et Barn. (Leguminosae), Comolia lytrarioides (Steud.) Naud. (Melastomataceae), Paspalum carinatum Fluegge (Poaceae), Rhynchospora barbata (Vahl) Kunth, Scleria cyperiana Kunth. (Cyperaceae), entre outras (Figura 39). 79

10 b a Figura 39 - Cerrado com Forma Arbórea Arbustiva associado a Campo Limpo. a) Vista aérea do cerrado sobre relevo ondulado e a Floresta de Galeria; e b) Área de cerrado utilizada pela pecuária. Fonte: Acervo GERCO Tabela 7- Espécies arbórea/arbustivas dos cerrados do Setor Estuarino do Estado do Amapá Nome Vernacular Nome Científico Família Araticum Annona sp. Annonaceae Barbatimão Ouratea hexasperma (St. Hill.) Benth. Ochnaceae Bate-caixa Salvertia convallariaeodora Aubl. Vochysiaceae Caimbé Curatella americana L. Dilleniaceae Caju Anacardium occidentale L. Anacardiaceae Lacre Vismia guianensis (Aubl.) Choisy Clusiaceae bmangaba Hancornia speciosa Gomez. Apocynaceae Muruci Byrsonima crassifolia (L.) Kunth Malpighiaceae Muruci Rasteiro Byrsonima verbascifolia (L.) Rich. Malpighiaceae Sucuúba Himatanthus articulata (Vahl.) Wood. Apocynaceae Floresta de Várzea Floresta de Várzea de Alto Porte com Grande Freqüência de Palmeiras (Fv) As florestas de várzea ocupam 4,85% da cobertura vegetal do Estado, e aproximadamente 15,46 % do Setor Costeiro Estuarino (IEPA, 1998). São ecossistemas energeticamente abertos, associados às planícies de inundações dos rios e igarapés de água branca do estuário amazônico. Apresentam uma estrutura exuberante, rica diversidade e um grande patrimônio genético. Estão submetidas a um ciclo diário de enchentes e vazantes por água doce represada pelas marés. Devido a essa dinâmica, são carreados diariamente para essas áreas uma grande quantidade de material sedimentar. São formadas por áreas mais recentes sobre solos 80

11 hidromórficos ricos em material sedimentar do Período Quaternário, o que lhe confere um potencial econômico na exploração da madeira e essências. As florestas de várzea são relativamente baixas e abertas, comparadas com as de terra firme, com altura em torno de 20 a 25 m. No entanto, a biomassa pode ser equivalente, com área basal em torno de 25 m² e a densidade aproximada de 200 a 300 árvores por hectare, quando considerados somente os indivíduos com DAP = 10 cm (MPEG, 1998; NELSON; OLIVEIRA, 1999). As espécies características das florestas de várzea na região estuarina do Amapá são marcadas pelo domínio de palmeiras, destacando-se o açaí (Euterpe oleracea Mart.), buriti (Mauritia flexuosa L.f.), ubuçu (Manicaria saccifera Gaertn.) e urucuri (Attalea excelsa Mart) (Tabela 8 e Figura 40). a b Figura 40 - Palmeiras predominantes nas várzeas do Setor Estuarino do Estado do Amapá. a) Açaí (Euterpe oleracea Mart.). b) Buriti (Maurita flexuosa L.f.). Fonte: Acervo GERCO. Tabela 8- Palmeiras da floresta de várzea do Setor Estuarino do Estado do Amapá Nome Vernacular Nome Científico Família Açai Euterpe oleracea Mart. Arecaceae Buriti Mauritia flexuosa L. f. Arecaceae Jacitara Desmoncus sp. Arecaceae Mumbaca Astrocaryum munbaca Mart = A. gynacanthum Arecaceae Mart. Murumuru Astrocaryum murumuru Mart. Arecaceae Paxiuba Socratea exorrhiza (Mart.) H. Wendl Arecaceae Ubuçu Manicaria saccifera Gaertn. Arecaceae Urucuri Attalea excelsa Mart. Arecaceae 81

12 Foram identificadas as espécies arbóreas pau-mulato (Callycophyllum spruceanum Benth.), assacu (Hura crepitans L.), anani (Symphonia globulifera L.f.), jenipapo (Genipa americana L.), seringueira (Hevea guianensis Aubl.), taperebá (Spondias monbim Jacq.), mamorana (Pachira aquatica Aubl.), ucuúba (Virola surinamensis (Rol.) Warb.), andiroba (Carapa guianensis Aubl.), samaúma (Ceiba pentandra Gaertn.), pracuúba (Mora paraensis Ducke.), mututi (Pterocarpus amazonicus Huber.), pracaxi (Pentaclethra macroloba (Willd.) Kunt.), acapurana (Campsiandra laurifolia Benth.),b entre outras (Tabela 9). Essas florestas apresentam um grande potencial econômico, com a presença de espécies oleaginosas, frutíferas, laticíferas e várias espécies madeireiras, estoques esses que estão sendo perdidos em função da exploração e manejo inadequados destes recursos, que estão entre as principais fontes de renda para os povos ribeirinhos (Figura 41 e 42). a b c Figura 42 - Floresta de Várzea da área sul do Setor Estuarino. a) Rio Preto. b) Rio Cajari. c) Rio Maracá. Fonte: Acervo GERCO 82

13 a b c Figura 42 - Floresta de Várzea da área norte do Setor Estuarino. a) Rio Pacuí. b) Rio Curuá. c) Rio Araguari. Fonte: Acervo GERCO a Floresta de Várzea de Porte Mediano com Baixa Freqüência ou Ausência de Palmeiras (Fv1) c Esta unidade assemelha-se às outras unidades de várzea, apresentando as mesmas espécies, com um detalhe importante a ser ressaltado, que é a diminuição do número de espécies ou a total ausência das palmeiras, que são muito freqüentes no restante do estuário amazônico Floresta de Várzea de Porte Mediano com Domínio de Guadua sp. (Fv2) Na Foz do rio Araguari, as várzeas apresentam uma altura de 15 a 20 metros, com o domínio de taboca do gênero Guadua sp., formando uma franja de difícil penetração, além das outras espécies que ocorrem no estuário amazônico. 83

14 Tabela 9 - Espécie da floresta de várzea do Setor Estuarino do Estado do Amapá Nome Vernacular Nome Científico Família Abiorana Pouteria sp. Sapotaceae Acapurana Campsiandra laurifolia Benth. Caesalpiniaceae Anani Symphonia globulífera L. f. Clusiaceae Andiroba Carapa guianensis Aubl. Meliaceae Aninga Montrichardia arborescens Schott. Araceae Arumã Ischnosiphon arouma (Aubl.) Koern. Maranthaceae Assacu Hura crepitans L. Euphorbiaceae Aturiá Macherium lunatum Ducke Fabaceae Cacau Theobroma cacao L. Sterculiaceae Cedro Cedrela odorata Ruiz et Pav. Meliaceae Fava Macrolobium multijugum (DC.) Benth. Caesalpiniaceae Jenipapo Genipa americana L. Rubiaceae Jeniparana Gustavia augusta J. L. Gmel. Lecythidaceae Macucu Licania heteromorpha Benth. Chrysobalanaceae Mamorana Pachira aquatica Aubl. Bombacaceae Mata Pau Ficus sp. Moraceae Munguba Bombax munguba Mart. et Zucc. Bombacaceae Mututi Pterocarpus amazonicus Huber Fabaceae Parquia Parkia nitida Miq. Mimosaceae Pau Mulato Callycophyllum spruceanum Benth. Rubiaceae Pente de Macaco Apeiba echinata Gaertn. Tiliaceae Pracaxi Pentaclethra macroloba (Willd.) O. Kuntze Mimosaceae Pracuuba Mora paraensis Ducke Caesalpiniaceae Samauma Ceiba pentandra Gaertn. Bombacaceae Seringueira Hevea guianensis Aubl. Euphorbiaceae Sororoca Phenakospermum sp. Musaceae Taperebá Spondias monbim Jacq. Anacardiaceae Tento Ormosia sp. Fabaceae Ucuúba Virola surinamensis (Rol.) Warb. Myristicaceae Uxirana Saccoglotis guianensis Benth. Humiriaceae Floresta de Várzea de Porte Mediano com Domínio de Mauritia flexuosa Mart. (Fv3) São áreas com grande concentração de buriti (Mauritia flexuosa L.f.), localizadas na planície flúvio-estuarina do rio Jerusalém do Pau Mulato, e nas áreas de deposição das margens dos rios Gurijuba, Pedreira, Ipixuna, Matapi, Vila Nova, Mazagão e outros. 84

15 Juntamente com o açaí, o buriti é uma das palmeiras mais importantes para as populações ribeirinhas, sendo utilizada na sua alimentação como bebida natural ou fermentada, óleo e doces dos frutos, açúcar do estipe, sabão caseiro, material para casa, etc. (CAVALCANTE, 1988). Apesar disto, as populações ribeirinhas da região estuarina do Amapá utilizam muito pouco esse recurso Floresta de Galeria (Fg) A mata de galeria é uma tipologia de transição entre o cerrado e os campos inundáveis (campos herbáceo e arbustivo). Composta pelas espécies de palmeiras buriti (Mauritia flexuosa L.f.), açaí (Euterpe oleracea Mart.), caranã (Mauritiella aculeata (Kunth) Burnet.) e jacitara (Desmoncus sp.); araticum (Annona paludosa Aubl.), Coccoloba sp, Ficus sp., anani (Symphonia globulifera L.f.) e ucuúba ou virola (Virola sp.). Nas bordas, em terrenos mais elevados, encontramos espécies como a sapucaia (Lecythis sp.) e o jatobá (Hymenaea parvifolia L.) Aluvial Florestal - Terraços Fluviais (Alf) São formações aluviais sempre presentes nos terraços mais antigos nos cursos médios dos rios, encontrados na região sul e sudeste do Estado na transição entre a terra firme e as florestas inundáveis (várzea),. Ocorre sobre solos hidromórficos, onde a inundação proveniente do acúmulo de águas pluviais se dá pela drenagem deficiente desses solos aliada à presença do lençol freático superficial. As florestas aluviais são compostas por manchas de vegetação localizadas em áreas onde as enchentes podem ser causadas por águas transportadas dos sistemas fluviais durante as cheias, ou pelo acúmulo de água da chuva durante o inverno, entre os meses de janeiro a maio (Figura 43). 85

16 Floresta de Igapó (Fi) São florestas que ocorrem nas regiões sul e sudeste do Estado, sofrendo a influência das cheias dos meses de inverno. Aqui aparecem espécies comuns de igapó e várzea como o açai (Euterpe oleracea Mart.), taxi (Triplaris surinamensis Cham.), mucuna (Mucuna altissima (Jack.) DC.), faveiro (Vatairea guianensis Aubl.), pajeú (Coccoloba sp.), etc. (Tabela 10). Figura 43- Aspecto interno das florestas aluviais sobre terraços luviais. Fonte: Acervo GERCO Tabela 10- Espécies da floresta de várzea-igapó do Setor Estuarino do Estado do Amapá Nome Vernacular Nome Científico Família Açai Euterpe oleraceae Mart. Arecaceae Arapari Macrolobium acaciifolium Benth. Caesalpiniaceae Faveiro Vatairea guianensis Aubl. Fabaceae Pajeú Coccoloba sp. Polygonaceae Pitaiga Swartzia acuminata Willd. Caesalpiniaceae Taxi Triplaris surinamensis Cham. Polygonaceae Floresta de Terra Firme Apesar de ser um componente dominante na paisagem amazônica, na região costeira estuarina essas florestas apresentam-se em pequenos trechos, em contato com os campos herbáceos e arbustivos e os cerrados. 86

17 As florestas de terra firme são densas, com árvores emergentes, com dossel em torno de 30 a 35 m, a biomassa é considerada alta com área basal em torno de 30 m² e a densidade aproximada de 400 a 500 árvores por hectare, quando se consideram apenas os indivíduos com DAP = 10 cm (MPEG, 1998 ; NELSON ; OLIVEIRA, 1999). Essas florestas são caracterizadas pela presença de espécies típicas de floresta densa como a castanheira (Bertholletia excelsa Berg.), itaúba (Mezilaurus itauba (Meissn) Taub. ex Mez.), carapanaúba (Aspidosperma carapanauba Pichon), quaruba (Vochysia guianensis Aubl.), visgueira (Parkia pendula Benth. ex Walp.) e angelim (Dinizia excelsa Ducke) (Tabela 11). A espécie Bertholletia excelsa (castanheira) caracteriza grandes espaços da floresta densa, constituindo às vezes, associações homogêneas, o que facilita seu extrativismo comercial. Outro ponto a ser abordado é a potencialidade madeireira destas áreas, com uma infinidade de espécies de valor econômico, como o angelim, itaúba, quaruba, etc. Tabela 11- Espécies da floresta de terra firme do Setor Estuarino do Estado do Amapá Nome Vernacular Nome Científico Família Andiroba Carapa guianensis Aubl. Meliaceae Angelim Dinizia excelsa Ducke Mimosaceae Cacaui Theobroma speciosum Willd. Sterculiaceae Carapanauba Aspidosperma carapanauba Pichon Apocynaceae Castanheira Bertholletia excelsa Berg. Lecythidaceae Coataquiçaua Peltogyne paradoxa Caesalpiniaceae Itaúba Mezilaurus itauba (Meissn) Taub. ex Mez. Lauraceae Jatobá Hymenaea courbaril L. Caesalpiniaceae Parquia Parkia pendula Benth. Ex Walp. Mimosaceae Quaruba Vochysia guianensis Aubl. Vochysiaceae As florestas de terra firme estão classificadas de acordo com a estrutura da vegetação, presença de espécies dominantes e o relevo a qual está associada. Através destes critérios foram identificadas oito unidades florestais: 87

18 Floresta de Alto Porte com Presença de Castanha do Brasil (Bertholletia excelsa H ; B) Dispersa no Estrato Emergente Associada a Relevo Forte Ondulado (F1a); Floresta de Alto Porte com Presença de Castanha do Brasil (Bertholletia excelsa H ; B) Dispersa no Estrato Emergente Associada a Relevo Ondulado (F1b); Floresta de Alto Porte com Presença de Castanha do Brasil (Bertholletia excelsa H ; B) Dispersa Estrato Emergente Associada a Relevo Plano a Suave Ondulado (F1c); Floresta de Porte Mediano (Mata Fina) com Domínio de Quaruba Cedro (Vochysia sp.) com Espécies Emergentes (F2); Floresta de Porte Mediano (Mata Fina) com Espécies Emergentes Dispersa (F3); Floresta de Alto Porte com Presença de Angelim Vermelho (Dinizia excelsa Ducke) e Coataquiçaua (Peltogyne paradoxa) com Espécies Emergentes Associadas a Relevo Forte Ondulado (F4a); Floresta de Alto Porte com Presença de Angelim Vermelho (Dinizia excelsa Ducke) e Coataquiçaua (Peltogyne paradoxa) com Espécies Emergentes Associadas a Relevo Ondulado (F4b) e Floresta de Alto Porte com Dossel Pouco Estratificado (F5) Áreas Alteradas Área Alterada (A) As florestas secundárias estão associadas às áreas de floresta de terra firme e de várzea que foram deflorestadas ou queimadas, aproveitando-se dos meses de menor intensidade pluviométrica (seca) para esta prática. A remoção da cobertura vegetal está relacionada com a prática de agricultura itinerante, como o plantio de mandioca, milho, banana, melancia, etc. As espécies freqüentes nestas capoeiras são embaúba (Cecropia palmata Willd., C. sciadophylla Mart.), lacre (Vismia guianensis (Aubl.) 88

19 Choisy), tapiririca (Tapirira guianensis Aubl.), murta (Myrcia fallax DC., Eugenia biflora DC., Myrciaria tenella Berg.), Miconia sp., Psychotria sp., dentre outras espécies (Figura 44). Na região de São Joaquim do Pacuí, as áreas de capoeira ocorrem no domínio das palmeiras tucumã (Astrocarium vulgare Mart.) e inajá (Maximiliana maripa (Aubl.) Drude) Área Reflorestada (Ar) São áreas de plantio da Amapá Agroflorestal/Champion do Brasil S.A. International Paper e Jarí Celulose JARCEL, com pinheiro (Pinus sp.) e eucalipto (Eucaliptus sp.), nas áreas de cerrado, para fabricação de celulose (Figura 45). a b c Figura 44 - Áreas alteradas: a) Região de Vitória do Jari, associada a relevo plano a suave ondulado. b) Capoeira na região de Mazagão. c) Roçado no região de Mazagão. Fonte: Acervo GERCO 89

20 Figura 45 - Vista aérea reflorestadas com pinheiro (Pinus sp.) da Amaá da International Paper Fonte: Acervo GERCO Associações! Cerrado com Forma Arbórea/Arbustiva e de Campo Limpo Associado + Área Alterada (C1 + A);! Cerrado com Forma Arbórea/Arbustiva e de Campo Limpo Associado + Floresta de Porte Mediano (Mata Fina) com Espécies Emergentes Dispersas (C1 + F3);! Campo Arbustivo Periodicamente Inundado + Campo Herbáceo Periodicamente Inundável (Ca + Ch);! Campo Herbáceo Periodicamente Inundável + Área Alterada(Ch + A);! Floresta de Porte Médiano (Mata Fina) com Espécies Emergentes Dispersas + Área Alterada (F3 + A);! Floresta de Porte Médiano (Mata Fina) com Espécies Emergentes Dispersas + Campo Herbáceo Periodicamente Inundável + Área Alterada (F3 + Ch + A);! Floresta de Alto Porte com Presença de Angelim Vermelho (Dinizia excelsa Ducke) e Coataquiçaua (Peltogyne Paradoxa) com Espécies Emergentes Associadas a Relevo Forte Ondulado + Área Alterada (F4a + A);! Floresta de Galeria + Área Alterada (Fg + A); 90

21 ! Floresta de Várzea de Alto Porte com Grande Freqüência de Palmeiras + Área Alterada (Fv + A) e! Floresta de Várzea de Alto Porte com Grande Freqüência de Palmeiras + Siriubal (Fv + Sb) Espécies Medicinais No Setor Costeiro Estuarino as informações referentes a este item foram coletadas a partir de perguntas sobre tipos de plantas medicinais utilizadas. Os dados foram trabalhados por frequência de ocorrência de uso de plantas medicinais (Tabela 12). As famílias com maior número de espécie foram Labiatae com 10 espécies, seguidas da Euphorbiaceae e Rutaceae, com 6 espécies e Asteraceae, com 5 espécies (Figura 46). As doze principais espécies mais citadas pelas populações ribeirinhas são: amor crescido (Portulaca pilosa L.), anador (Plectranthus barbatus Benth.), arruda (Ruta graveolens L.), barbatimão (Ouratea hexasperma), boldo (Vernonia condensata Backer), catinga de mulata (Tanacetum vugare L.), erva-cidreira (Lippia alba Cham.), hortelã grande (Marrubium vulgare L.), hortelãzinho (Mentha piperita L.), manjericão (Ocimum minimum L.), mastruz (Chenopodium ambrosioides L.) e verônica (Dalbergia subcymosa Ducke) (Figura 47) Espécies Ameaçadas de extinção Baseando-se na portaria do IBAMA Nº 06, de 15 de janeiro de 1992, constatamos que existe apenas uma única espécie encontradas no Setor Costeiro Estuarino que se encontra ameaçada na categoria vulnerabilidade: Virola surinamensis (Rol.) Warb. (categoria: vulnerável) Recursos Genéticos Importantes Para Melhoramento Importante patrimônio genético, que podem ser utilizado para melhoramento de plantas, pois são parentais selvagens de espécies em processo de domesticação e de grande valor econômico. 91

22 o Hevea guianensis Aubl. o Theobroma mariae (Mart.) Schum o Oryza alata Sw. o Oryza perennis Moench o Oryza glumaepatula Steud. Tabela 12- Listagem das espécies medicinais utilizadas pelas populações do Setor Estuarino do Estado do Amapá Nome Popular Nome Científico Família Abacate Persea americana Mill. var. americana Lauraceae Abacaxi Ananas sp. Bromeliaceae Açai Euterpe oleracea Mart. Arecaceae Alecrim Vitex agnus-castus.l. Verbenaceae Alfavaca Ocimum sp. Labiatae Lamiaceae Alfazema Lavandula spica L. Labiatae Lamiaceae Algodão Gossypium sp. Malvaceae Alho Allium sativum L. Liliaceae Amapá Parahancornia amapa (Huber) Ducke Apocynaceae Ameixa Eugenia cumini (L.) Druce Myrtaceae Amor crescido Portulaca pilosa L. Portulacaceae Anador Plectranthus barbatus Benth. Labiatae Lamiaceae Andiroba Carapa guianensis Aubl. Meliaceae Anuerá Licania macrophylla Benth. Chrysobalanaceae Arruda Ruta graveolens L. Rutaceae Assacu Hura crepitans L. Euphorbiaceae Babosa Aloe barbabensis Mill. Liliaceae Barbatimão Ouratea hexasperma (St. Hill.) Benth. Ochnaceae Batatão Operculina alata (Harm.) Hub. Convulvulaceae Boldo Vernonia condensata Backer. Asteraceae Cajueiro Anacardium occidentale L. Anacardiaceae Camapu Physalis angulata L. Solanaceae Cana Roxa Costus spicatus Rosc. Zingiberaceae Canela Cinnamomum zeylanicum Blume Lauraceae Capim Marinho Cymbopogon citratus Stapt. Poaceae Carapanauba Aspidosperma sp. Apocynaceae Casca de Preciosa Aniba canelilla (H.B.K.) Mez. Lauraceae Castanheira Bertholletia excelsa H ; B. Lecythidaceae Catinga de Mulata Tanacetum vugare L. Asteraceae Caxinguba Ficus sp. Moraceae Cedro Cedrela odorata L. Meliaceae Chicória Eryngium foetidum L. Apiaceae Cidreira Lippia alba Cham. Verbenaceae Cipó de Alho Adenocalymna alliaceum Miers Bignoniaceae 92

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL 3.1 CONSIRAÇÕES INICIAIS O meio natural representa um dos grandes bens da humanidade, pois sobre ele o homem desencadeia suas ações e se apropria de acordo

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Mata Amazônica Atlântica

Mata Amazônica Atlântica Mata Amazônica Atlântica Mata Amazônica Atlântica REALIZAÇÃO Instituto Peabiru e Museu Paraense Emílio Goeldi ORGANIZAÇÃO Richardson Frazão COORDENAÇÃO CIENTÍFICA Richardson Frazão PESQUISADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas;

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas; RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993 Legislação O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, com as alterações

Leia mais

Recebido em: 31/03/2015 Aprovado em: 15/05/2015 Publicado em: 01/06/2015

Recebido em: 31/03/2015 Aprovado em: 15/05/2015 Publicado em: 01/06/2015 ETNOBOTÂNICA DE PRODUTOS FLORESTAIS NÃO MADEIREIROS EM COMUNIDADE DA RESERVA EXTRATIVISTA VERDE PARA SEMPRE, PORTO DE MOZ, PARÁ Jéssica de Araújo Campos¹, Saymon Roberto Pontes da Fonseca ², Marlon Costa

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil.

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 2.2 Conteúdo: Os Grandes Biomas no Brasil. 3 2.2 Habilidade: Comparar as formações vegetais existentes no Brasil e seus diferentes biomas. 4 Biomas da

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Caatinga. Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas

Caatinga. Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas Caatinga Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas ceas ou xerófitas (plantas adaptadas a ambientes secos). Caatinga As espécies

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Rede Amazônia Sustentável. Pesquisas sobre vegetação

Rede Amazônia Sustentável. Pesquisas sobre vegetação Rede Amazônia Sustentável Pesquisas sobre vegetação > Quem somos A Rede Amazônia Sustentável (RAS) é formada por mais de 30 instituições de pesquisa e universidades que, em parceria com a sociedade civil,

Leia mais

Estudo Etnobotânico no Município de Colômbia SP

Estudo Etnobotânico no Município de Colômbia SP Estudo Etnobotânico no Município de Colômbia SP (Ethnobotany Study at Colômbia, SP, Brazil) Elaine Tosti 1 ; Áurea Maria Therezinha Colli 2 1 Faculdades Integradas Fafibe - Bebedouro-SP elianetosti@hotmail.com

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

Vegetação de Mato Grosso

Vegetação de Mato Grosso Vegetação de Mato Grosso Prof. Pedro Eisenlohr pedrov.eisenlohr@gmail.com Objetivos desta aula Fornecer as bases para o estudo da vegetação de Mato Grosso. Contextualizar historicamente os estudos da vegetação

Leia mais

ANÁLISE ETNOECOLÓGICA DA FLORESTA DE VÁRZEA DA ILHA DE SOROROCA, ANANINDEUA, PARÁ, BRASIL

ANÁLISE ETNOECOLÓGICA DA FLORESTA DE VÁRZEA DA ILHA DE SOROROCA, ANANINDEUA, PARÁ, BRASIL MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS MESTRADO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS ADRIELSON FURTADO ALMEIDA ANÁLISE ETNOECOLÓGICA DA FLORESTA DE VÁRZEA DA ILHA DE SOROROCA,

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

ENRIQUECIMENTO DO SOLO EM QUINTAIS NA TERRA INDÍGENA ARAÇÁ E SUAS APLICAÇÕES

ENRIQUECIMENTO DO SOLO EM QUINTAIS NA TERRA INDÍGENA ARAÇÁ E SUAS APLICAÇÕES ENRIQUECIMENTO DO SOLO EM QUINTAIS NA TERRA INDÍGENA ARAÇÁ E SUAS APLICAÇÕES Rachel Pinho Sonia Alfaia Robert Miller Katell Uguen Leovone Magalhães Marta Ayres Viviane Freitas Ralph Trancoso 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Composição Florística e Estrutura de Floresta de Várzea no Município de Mazagão, Estado do Amapá, Brasil

Composição Florística e Estrutura de Floresta de Várzea no Município de Mazagão, Estado do Amapá, Brasil Scientia Forestalis Composição Florística e Estrutura de Floresta de Várzea no Município de Mazagão, Estado do Amapá, Brasil Floristic composition and structure of a floodplain forest in the municipality

Leia mais

COLETA, AVALIA CÃO. E CARACTERIZACÃO. DE PLANTAS MEDICINAIS DE OCORRÊNCIA NA AMAZÔNIA

COLETA, AVALIA CÃO. E CARACTERIZACÃO. DE PLANTAS MEDICINAIS DE OCORRÊNCIA NA AMAZÔNIA " ISSN 1517-2244......~ ~~inistério da Agricultura e do Abastecimento Amazônia Oriental Ministério da Agricultura e do Abastecimento Trav. Dr. Enéas Pinheiro s/n, Caixa Posta/48, Fax (91) 276-9845, Fone:

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA COMUNIDADE DE CURRAL DO MEIO - CRATEÚS - CE

O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA COMUNIDADE DE CURRAL DO MEIO - CRATEÚS - CE O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA COMUNIDADE DE CURRAL DO MEIO - CRATEÚS - CE Fábio Araújo Bezerra (Graduando), Ana Lúcia Rodrigues da Silva (PQ), Cléia Rocha de Sousa (PQ), Adervan Fernandes Sousa* (PQ).

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

Florística e estrutura da comunidade arbórea de uma floresta de várzea na Ilha de Sororoca, Ananindeua, Pará, Brasil

Florística e estrutura da comunidade arbórea de uma floresta de várzea na Ilha de Sororoca, Ananindeua, Pará, Brasil Sci e n t i a For e s ta l i s Florística e estrutura da comunidade arbórea de uma floresta de várzea na Ilha de Sororoca, Ananindeua, Pará, Brasil Floristic and structure of tree community of a floodplain

Leia mais

História Natural das Regiões dos Lagos e Sucuriju, Amapá, Brasil

História Natural das Regiões dos Lagos e Sucuriju, Amapá, Brasil História Natural das Regiões dos Lagos e Sucuriju, Amapá, Brasil Odete Fátima Machado da Silveira Orlando Tobias Silveira Salustiano Vilar da Costa Neto Apresentação Os estuários das costas tropicais do

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO Formações vegetais do globo AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO As Grandes Formações Vegetais da Superfície da Terra Tundra Vegetação

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP

Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, Paragominas- PA PECUÁRIA VERDE RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais em Paragominas,

Leia mais

A importância das plantas medicinais para a comunidade pesqueira de Algodoal 1 The importance of medicinal plants for the Algodoal fishing community

A importância das plantas medicinais para a comunidade pesqueira de Algodoal 1 The importance of medicinal plants for the Algodoal fishing community Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém, v. 1, n. 1, p. 69-80, jan-abr. 2006 A importância das plantas medicinais para a comunidade pesqueira de Algodoal 1 The importance of medicinal plants

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos BIOMAS ESTADO DE SÃO PAULO O que é vegetação nativa? O conjunto de plantas nativas de certo local que se encontram

Leia mais

Levantamento de plantas de uso terapêutico no município de Santa Bárbara do Pará, Estado do Pará, Brasil

Levantamento de plantas de uso terapêutico no município de Santa Bárbara do Pará, Estado do Pará, Brasil Artigo Científico Levantamento de plantas de uso terapêutico no município de Santa Bárbara do Pará, Estado do Pará, Brasil Study of therapeutical use plants in municipality of Santa Bárbara do Pará, State

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL ÁREA LOCALIZADA NA AVENIDA DR. SEZEFREDO AZAMBUJA VIEIRA, LOTE 37, ESQUINA AV. FARROUPILHA (projetada), CANOAS, RS. Outubro de 2013. SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO 3 1.1 Dados

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMA BRASILEIRO O extenso território brasileiro, a diversidade de formas de relevo, a altitude e dinâmica das correntes e massas de ar, possibilitam uma grande diversidade

Leia mais

4.9. Quintais nas comunidades Tradicionais da RDS Piagaçu-Purus

4.9. Quintais nas comunidades Tradicionais da RDS Piagaçu-Purus 118 4.9. Quintais nas comunidades Tradicionais da RDS Piagaçu-Purus Na Amazônia, um dos subsistemas mais freqüentes dos sistemas tradicionais é o manejo dos quintais, de fácil manipulação, adaptável aos

Leia mais

QUAIS ÁRVORES BRASILEIRAS ESTÃO EM EXTINÇÃO?

QUAIS ÁRVORES BRASILEIRAS ESTÃO EM EXTINÇÃO? / / Por: Renata Costa QUAIS ÁRVORES BRASILEIRAS ESTÃO EM EXTINÇÃO? WikimediaCommons/Guanandi Flores da árvore Pau-brasil. Segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), há diferentes estados

Leia mais

RESGATE DE GERMOPLASMA VEGETAL NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA UHE SANTO ANTONIO DO JARI

RESGATE DE GERMOPLASMA VEGETAL NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA UHE SANTO ANTONIO DO JARI RESGATE DE GERMOPLASMA VEGETAL NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA UHE SANTO ANTONIO DO JARI Relatório de Campo 2ª campanha Macapá AP 2011 Página 1 de 104 RESGATE DE GERMOPLASMA VEGETAL DE NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP Sumário Conceituação, definições Classificações da vegetação do Cerrado Condições ambientais Origem

Leia mais

Fitogeografia do Brasil

Fitogeografia do Brasil Prof. Me. Fernando Belan Fitogeografia do Brasil BIOLOGIA MAIS Introdução Devido as grandes dimensões territoriais, estabelecem-se muitas formações vegetais características de alguma região do Brasil.

Leia mais

INTRODUÇÃO METODOLOGIA

INTRODUÇÃO METODOLOGIA Pesquisas agronômicas das plantas medicinais nativas regulamentadas pela ANVISA Lin Chau Ming, Gabriela Granghelli Gonçalves, Maria Izabela Ferreira Departamento de Horticultura, Faculdade de Ciências

Leia mais

Fitogeografia do Brasil.

Fitogeografia do Brasil. Fitogeografia do Brasil. Profº Me. Fernando Belan Alexander Fleming Introdução Devido as grandes dimensões territoriais, estabelecemse muitas formações vegetais características de alguma região do Brasil.

Leia mais

UNIDADES DE VEGETAÇÃO DA MATA ESTRELA, MUNICÍPIO DE BAHIA FORMOSA - RN

UNIDADES DE VEGETAÇÃO DA MATA ESTRELA, MUNICÍPIO DE BAHIA FORMOSA - RN Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 UNIDADES DE VEGETAÇÃO DA MATA ESTRELA, MUNICÍPIO DE BAHIA FORMOSA - RN DORADO, A. 1 ; MELERO,

Leia mais

Ecossistemas Brasileiros

Ecossistemas Brasileiros Ecossistemas Brasileiros Biomas - É o conjunto de ecossistemas que funcionam de forma estável. Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação (num mesmo bioma podem existir diversos tipos

Leia mais

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto.

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. BIOMAS BRASILEIROS BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. Bioma é uma área do espaço geográfico, com dimensões até superiores a um milhão de quilômetros quadrados, representada por

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Cobertura Vegetal A localização espacial e a diversidade da vegetação estão sistematicamente integradas às especificidades do meio físico e a ação humana sobre o território

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

CALENDÁRIO PARA CULTIVO DE FLORESTA PLANTADA COM FINS COMERCIAL PARA O ESTADO DE RONDÔNIA

CALENDÁRIO PARA CULTIVO DE FLORESTA PLANTADA COM FINS COMERCIAL PARA O ESTADO DE RONDÔNIA CALENDÁRIO PARA CULTIVO DE FLORESTA PLANTADA COM FINS COMERCIAL PARA O ESTADO DE RONDÔNIA Cultura Espaçamento (m) Variedade Cultivar Época de Abate Produtividade Média/ha Sementes ou Mudas/ha Pinho Cuiabano

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

Curso de Ecologia da Vegetação. Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado

Curso de Ecologia da Vegetação. Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal Curso de Ecologia da Vegetação Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado Ary T. Oliveira

Leia mais

CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS

CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS Valdenira Ferreira dos Santos Antônio Tebaldi Tardin 4.1 INTRODUÇÃO Este trabalho faz parte do Projeto Zoneamento Ecológico- Econômico do Setor Costeiro Estuarino do Estado

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC

ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC Vicente Rocha Silva Bolsista PNPD-CAPES/ PGE/UEM-PR vicenters61@ig.com.br Introdução O município de Urussanga localiza-se na região

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Quebra de dormência das sementes Atividades realizadas pelo grupo

Quebra de dormência das sementes Atividades realizadas pelo grupo Secagem das sementes Armazenagem das sementes Quando as sementes já estão secas, são guardadas em local apropriado para que elas possam manter suas condições de germinação. Nesse lugar, dever ter armários

Leia mais

INVENTÁRIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO VIVEIRO MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA D OESTE

INVENTÁRIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO VIVEIRO MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA D OESTE EIXO TEMÁTICO: Ciências Ambientais e da Terra INVENTÁRIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO VIVEIRO MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA D OESTE Bruna Eveline Domingos Petrini 1 Lindolpho Capellari Jr. 2 Resumo: Este trabalho

Leia mais

ANEXO 06 Resultados do Inventário Florestal

ANEXO 06 Resultados do Inventário Florestal ANEXO 06 Resultados do Inventário Florestal Nota Técnica sobre o Inventário Florestal da FLONA Jamari 1. Apresentação Esta nota técnica tem por objetivo apresentar as principais informações geradas pelo

Leia mais

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape Diagnós(co Ambiental e Plano de Coordenação geral: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Felipe Melo Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave Biólogo Michel Metran da Silva Restauração Florestal da ZPEC

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

CAPÍTULO 2 VEGETAÇÃO. Por. Ivomar Carvalhal Britto

CAPÍTULO 2 VEGETAÇÃO. Por. Ivomar Carvalhal Britto CAPÍTULO 2 VEGETAÇÃO Por Ivomar Carvalhal Britto Na área do Projeto Porto Seguro Santa Cruz Cabrália, foram identificadas unidades fitofisiográficas pertencentes à Mata Atlântica, bem como regiões de Manguezal,

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna Domínio Amazônico Clima equatorial Solos relativamente pobres Relevo

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

PROGRAMA DE GERMOPLASMA FLORESTAL DA UHE TUCURUÍ: CONTRIBUIÇÃO PARA RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NA AMAZÔNIA

PROGRAMA DE GERMOPLASMA FLORESTAL DA UHE TUCURUÍ: CONTRIBUIÇÃO PARA RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NA AMAZÔNIA COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T99 A18 PROGRAMA DE GERMOPLASMA FLORESTAL DA UHE TUCURUÍ: CONTRIBUIÇÃO PARA RECUPERAÇÃO E

Leia mais

Floresta Equatorial: Floresta Amazônica. Floresta Ombrófila: Mata Atlântica. Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias

Floresta Equatorial: Floresta Amazônica. Floresta Ombrófila: Mata Atlântica. Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias Floresta Equatorial: Floresta Amazônica Floresta Ombrófila: Mata Atlântica Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias FLORESTA EQUATORIAL: FLORESTA AMAZÔNICA Floresta equatorial: floresta de baixa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E ESTRUTURA DO ESTRATO INFERIOR DE FLORESTA DE VÁRZEA

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS EM UMA ÁREA RURAL NA REGIÃO DE RONDONÓPOLIS, MATO GROSSO

LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS EM UMA ÁREA RURAL NA REGIÃO DE RONDONÓPOLIS, MATO GROSSO LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS EM UMA ÁREA RURAL NA REGIÃO DE RONDONÓPOLIS, MATO GROSSO Mariane Duarte de Souza 1 Maria Corette Pasa 2 RESUMO: Este artigo buscou reunir informações etnobotânicas

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

praiais estuarino manguezais

praiais estuarino manguezais 3.2.2 Ecossistemas Relevantes Um ecossistema pode ser definido como a interação de comunidades de espécies de animais, vegetais e microorganismos entre si e o seu habitat num grau de equilíbrio estável.

Leia mais

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se:

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: 01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: I. Concentração nas baixas latitudes, associadas a elevadas precipitações. II. Distribuição

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

Regeneração natural em formações florestais de uma Unidade de Conservação, Maracanã, Pará, Brasil.

Regeneração natural em formações florestais de uma Unidade de Conservação, Maracanã, Pará, Brasil. ARTIGO DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v3n2p79-87 Regeneração natural em formações florestais de uma Unidade de Conservação, Maracanã, Pará, Brasil. Daniel Gonçalves Jardim 1, Mário

Leia mais

Vegetação do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Vegetação do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Vegetação do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Distribuição da Vegetação Brasileira Depende de fatores climáticos Diferentes classificações Biomas (=>) Domínios Morfoclimáticos Aziz Ab Saber (década 1960)

Leia mais

Modular BIO Biomas Brasileiros Prof. Caffé

Modular BIO Biomas Brasileiros Prof. Caffé 1. O mapa abaixo representa os principais biomas brasileiros. b) F V F V. c) V F V F. d) F V V F. 3. A caatinga é um bioma que ocorre exclusivamente no Brasil. Seu nome vem do tupi-guarani, e significa

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores:

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores: Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Desafios Uma cidade com a natureza exuberante e diferenciada merece um levantamento a sua altura: Inédito Único no Brasil Multidisciplinar

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Biomas Brasileiros Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Biomas Brasileiros Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Biomas Brasileiros Prof. Enrico Blota Biologia Ecologia Biomas brasileiros O Brasil e seus biomas 2 Biologia Prof. Enrico Blota Os domínios morfoclimáticos do Brasil Na mata

Leia mais

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972). Figura 2.2: Contexto geológico-estrutural da costa amazônica. Compilado a partir de Bizzi et al., 2001; Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Leia mais

POTENCIAL PRODUTIVO DE MADEIRA E PALMITO DE UMA FLORESTA SECUNDÁRIA DE VÁRZEA BAIXA NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO 1

POTENCIAL PRODUTIVO DE MADEIRA E PALMITO DE UMA FLORESTA SECUNDÁRIA DE VÁRZEA BAIXA NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO 1 311 POTENCIAL PRODUTIVO DE MADEIRA E PALMITO DE UMA FLORESTA SECUNDÁRIA DE VÁRZEA BAIXA NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO 1 Michelliny de Matos Bentes-Gama 2, José Roberto Soares Scolforo 3 e João Ricardo Vasconcellos

Leia mais

REPRESENTAÇÂO DA PAISAGEM E APROPRIAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS POR COMUNIDADES TRADICIONAIS NA AMAZÔNIA: Estudo de caso no munícipio de Quatipuru/PA

REPRESENTAÇÂO DA PAISAGEM E APROPRIAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS POR COMUNIDADES TRADICIONAIS NA AMAZÔNIA: Estudo de caso no munícipio de Quatipuru/PA REPRESENTAÇÂO DA PAISAGEM E APROPRIAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS POR COMUNIDADES TRADICIONAIS NA AMAZÔNIA: Estudo de caso no munícipio de Quatipuru/PA SANTOS, Cássio Rogério Graças dos. (1); SENNA, Cristina

Leia mais

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Na área dos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, existem as seguintes unidades de conservação (Anexo II): Parque Nacional de Monte Pascoal Parque Nacional

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO DIAMÉTRICA EM FLORESTA DE VÁRZEA DO ESTUÁRIO DO RIO AMAZONAS NO ESTADO DO AMAPÁ

FITOSSOCIOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO DIAMÉTRICA EM FLORESTA DE VÁRZEA DO ESTUÁRIO DO RIO AMAZONAS NO ESTADO DO AMAPÁ 1 JOSÉ ANTONIO LEITE DE QUEIROZ FITOSSOCIOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO DIAMÉTRICA EM FLORESTA DE VÁRZEA DO ESTUÁRIO DO RIO AMAZONAS NO ESTADO DO AMAPÁ Dissertação apresentada ao Curso de Pós- Graduação em Engenharia

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

CONTROLE MENSAL DE COMPRAS DE SEMENTES

CONTROLE MENSAL DE COMPRAS DE SEMENTES 1 ABIU REFLO 2 ABIU AMARELO REFLO 0,30 0,30 3 ABIU BALATA REFLO 0,00 4 ABIU CAMITIE REFLO 0,00 5 ABIU CASCA GROSSA REFLO 0,00 6 ABIU CUTITE FRUTO GRANDE REFLO 4,00 4,00 7 ABIU CUTITE FRUTO PEQUENO REFLO

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 2 Tipos de vegetação Vegetação é caracterizada como o conjunto de plantas de uma determinada região. Em razão da

Leia mais

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Thiago Morato de Carvalho * Introdução O rio Tocantins é bastante peculiar desde o ponto de vista

Leia mais

Capítulo 9. Climas Brasileiros. Há grande variação climática, devido:

Capítulo 9. Climas Brasileiros. Há grande variação climática, devido: Capítulo 9 Climas Brasileiros Há grande variação climática, devido: Diferença de latitude (extensão norte-sul); Maior ou menor influência da Maritimidade (extensão leste-oeste). Massas de ar Tipos: Equatoriais,

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais