guia estude no reino unido

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "guia estude no reino unido"

Transcrição

1 guia estude no reino unido Ano I - Edição I seu futuro está aqui As vantagens de concluir a graduação e a pós-graduação no Reino Unido Ciência sem Fronteiras Conheça tudo sobre o programa que vai transformar a vida de muitos brasileiros Diário de Bordo Depoimentos de quem já estudou fora ou ainda vive por lá E MAIS: Inglês afiado Planejamento financeiro Tudo sobre o IELTS

2 KNOWLEDGE IS HOME TO FOUR OF THE TOP TEN UNIVERSITIES IN THE WORLD Corpus Christi College Cambridge

3 editorial O Reino Unido mais perto de você! O Guia Estude no Reino Unido foi desenvolvido especialmente para os brasileiros que querem realizar o sonho de estudar nas mais consagradas universidades da Inglaterra, da Escócia, do País de Gales ou da Irlanda do Norte. E como o Brasil vive, desde 2011, um período promissor para os estudantes de graduação e pós-graduação, nesta edição apresentamos o Ciência sem Fronteiras, um programa cujo objetivo é colocar os estudantes brasileiros em contato com sistemas internacionais educacionais competitivos, como o do Reino Unido. Até 2014, espera-se a chegada de dez mil estudantes às terras governadas pela rainha Elizabeth II, o que faz com que o programa seja o maior de mobilidade estudantil já registrado na história do ensino britânico. Você vai conferir não só as dicas do British Council para pleitear uma vaga, como vai acompanhar os relatos de brasileiros que aproveitaram ao máximo essa experiência e já estão colhendo os frutos pós-retorno ao país. A reportagem especial Descubra o Reino Unido já antecipa para você as diferentes faces dessa nação extremamente acolhedora para quem deseja investir nos estudos e desfrutar de qualidade de vida, lazer, entretenimento e paisagens de tirar o fôlego. As páginas seguintes foram pensadas para auxiliar nas suas escolhas, desde a cidade, passando pela universidade até chegar ao curso ideal para o seu perfil. E tem mais! Toda a parte burocrática, com informações concisas sobre requisitos básicos, documentação necessária, exames de proficiência em inglês e indicação dos melhores caminhos para alcançar cada uma das etapas exigidas. Se a ideia for viver esse sonho de maneira descomplicada, as principais informações estão aqui! Para a primeira edição do guia, também reunimos alguns tópicos que vão contribuir para que a sua estadia no Reino Unido seja a mais tranquila possível. Você vai encontrar, por exemplo, informações sobre transporte público, tipos de acomodações para estudantes e planejamento financeiro. Selecionamos, ainda, alguns dos principais rankings indicativos sobre as universidades britânicas para facilitar a sua decisão. E, por último, você vai conferir as novidades sobre o evento mais aguardado do ano, o UK Universities, que acontecerá em São Paulo e no Rio de Janeiro em outubro de Prepare-se e aproveite a leitura! expediente Realização Projeto e organização Clube Editorial Conselho editorial Gerente de Promoção de Educação: Rodrigo Gaspar Marketing e Comunicação Lucia H. P. Alves Igor Arraval Colaboradores UUK Universities UK Tania Lima Rachael Sarah Kennedy Visit Britain Mitsi Goulias Samuel Lloyd UKBA UK Border Agency Marina Zelenoy Robert Delamere Edição de textos Maria Cláudia Aravecchia Klein (Mtb: SP) Reportagens Cris Negrão, Natali Checoni e Marina Olegário Direção de arte e diagramação Danieli Campos Revisão Sérgio Kakitani Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida sem a autorização por escrito dos editores. O Guia Estude no Reino Unido é uma publicação do British Council. Todos os direitos reservados.

4 sumário 04. Descubra o Reino Unido Quatro países formam o Reino Unido (United Kingdom), destino cada vez mais escolhido pelos brasileiros que querem estudar fora. 10. Carreira Berço da língua inglesa e dono de excelência acadêmica em ensino superior, o Reino Unido é uma das melhores escolhas para os brasileiros na atualidade. 16. Ensino superior Mesmo com as diferenças educacionais entre os dois países, a oportunidade de concluir o ensino superior nas universidades britânicas está cada vez mais próxima dos brasileiros. 22. Fluência Ir para o exterior com baixo conhecimento da língua pode ser um fator decisivo para o aproveitamento acadêmico. Saiba tudo sobre os principais exames de proficiência. 28. Graduação As principais respostas para quem busca uma oportunidade desafiadora de concluir um curso de nível superior no UK. 32. Pós-graduação Acompanhe as tendências em relação à demanda do mercado por profissionais com pós-graduação. Veja as novidades sobre cursos de especialização, MBAs, mestrado e doutorado. 38. A melhor escolha Dicas para auxiliar a escolha do curso mais condizente com o seu perfil e com as suas necessidades e expectativas.

5 40. Bolsas de estudos Conheça os diferentes tipos de programas de bolsas de estudos que o Reino Unido disponibiliza para os estudantes brasileiros. 42. Ciência sem Fronteiras Saiba mais sobre o programa, criado pelo governo brasileiro, que promove um avanço na educação dos alunos de graduação e pós-graduação, que vão frequentar as melhores instituições de ensino do Reino Unido. 50. Universidades Lista de algumas das universidades que estão de portas abertas para recepcionar os estudantes brasileiros. 56. Contagem regressiva Informações para você planejar a sua estadia no UK a médio e a longo prazo. Orientações sobre investimento, planejamento financeiro e requerimento do visto de estudante. 60. A vida no Reino Unido Logo que entra no Reino Unido, o estudante se depara com algumas novidades, que vão muito além das surpresas da chegada, como transporte público, alimentação e tipos de moradia. 68. O UK vem até você Prepare-se para participar do UK Universities, a maior feira de educação britânica, organizada pelo British Council e que acontecerá em outubro de Diário de bordo Acompanhe relatos de estudantes que vivenciaram a experiência de estudar no UK.

6 descubra o reino unido Onde tradição e modernidade convivem perfeitamente A Millenium Bridge, a mais longa ponte de pedestres do mundo, atravessa o Rio Tâmisa, possibilitando a ligação entre a Catedral de St. Paul, e a City de Londres

7 5 Tendo Londres como principal centro financeiro, o mapa do Reino Unido conta com outras cidades menos cosmopolitas, sendo que algumas são mais tranquilas e com um custo de vida menor. Em geral, estudar no mundo de Shakespeare, dos Beatles e do Monty Python oferece uma vasta experiência cultural num ambiente propício para o aperfeiçoamento do idioma. M uitas vezes perdemos a possibilidade de felicidade de tanto nos prepararmos para recebê-la. Por que, então, não agarrá-la toda de uma vez?. Quando escreveu essa frase, a britânica Jane Austen, autora do célebre romance Orgulho e Preconceito, não imaginava que, um dia, seu livro seria um dos mais apreciados da literatura inglesa no mundo, com 50 mil cópias vendidas por ano apenas no Reino Unido. Desbravadora nata e muito à frente de seu tempo, Jane, nascida em 1775, é um dos orgulhos britânicos e representa, em suas obras, a paixão pelo novo, pelas descoberta e pela busca constante por novas experiências. Investir em uma formação no exterior, especificamente no Reino Unido, pode ser interpretado como um romance de Jane: requer ousadia, versatilidade e, principalmente, determinação. E por que esse local deve ser o Reino Unido? Simples. Porque, assim como as obras da escritora, esse conglomerado de países proporciona experiências inesquecíveis e enriquecedoras, que certamente farão parte da sua trajetória, seja ela pessoal ou profissional. Formado em 1707 pela união política de quatro nações Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, o Reino Unido é o berço da língua inglesa. É governado por um sistema de monarquia constitucional que tem como chefe a rainha Elizabeth II e David Cameron como primeiro-ministro. Todos os países que o compõem têm em comum o inglês como idioma oficial, a mesma moeda (libra esterlina) e a direção em ruas e rodovias invertida à esquerda. FOTO: britain on view Um destino fácil de explorar Como está a um passo de destinos como Paris, Amsterdã, Barcelona, Madri e Praga, o Reino Unido atrai muitos imigrantes. Atualmente, eles representam 15% da população, sendo a maioria composta por indianos, australianos, africanos e caribenhos. Repletos de belezas naturais e com vasta programação cultural e artística, os países do Reino Unido também atraem cada vez mais turistas, que se misturam às diversas etnias ocupantes desse território de quase 245 mil quilômetros quadrados. A frase que diz os pequenos detalhes são os mais importantes, proferida pelo detetive Sherlock Holmes, personagem de ficção criado pelo escritor escocês Arthur Conan Doyle, é facilmente aplicada ao Reino Unido. São quatro países em um. Todos hospitaleiros, fáceis de explorar e com características marcantes e íntrinsecas a cada um. E, juntos, eles formam um conjunto cultural, musical, literário e de belezas naturais que dá origem a um polo comercial e industrial. O Reino Unido exporta principalmente manufaturados, produtos químicos, bebidas e tabaco e detém o sexto maior PIB do mundo.

8 descubra o reino unido Com uma população estimada em 62,641 milhões de habitantes, segundo dados do Banco Mundial, e densidade demográfica de 258 pessoas por quilômetro quadrado, os quatro países do Reino Unido, juntos, têm um dos índices de desenvolvimento humano (IDH) mais altos do mundo. A marca de 0,863, considerada muito elevada, permite aos cidadãos desfrutarem de uma expectativa de vida de 80 anos de idade. Outro dado importante é em relação ao nível de alfabetização, de 99%.

9 A modernidade está presente no Scottish Exhibition and Conference Centre, em Glasgow, na Escócia curiosidades Os britânicos adotaram Os famosos ônibus de dois Usquebaugh é o nome o hábito de tomar chá no andares surgiram no século original do uísque escocês, século XVII, principalmente XIX, na Grã-Bretanha, no famoso em todo o mundo. por causa da princesa portu- ano da Grande Feira do Hyde Feito de cevada, levedura guesa Catarina de Bragança, Park, evento de promoção e água fresca, ele é deposi- mulher do rei Charles II, que cultural e industrial. Como tado em barris de madeira, trouxe o hábito de seu país muitas pessoas queriam che- onde descansa por pelo de origem e o introduziu na gar ao local, foram criados menos três anos. realeza. Por volta de 1800, meios de transporte de dois a Duquesa de Bedford deu níveis, que eram, inicialmen- O Reino Unido é o berço FOTO: VisitBritain / Pawel Libera início ao chá da tarde. O Reino Unido ganhou 85 Prêmios Nobel em Ciência e Tecnologia, sendo o segundo país no mundo com mais condecorações, atrás apenas dos Estados Unidos. te, antes da motorização, puxados por cavalos. Muitos esportes tiveram origem no Reino Unido. Futebol, críquete, rúgbi, golfe, badminton e tênis são alguns exemplos. de diversas bandas e cantores que brilharam no cenário mundial. As mais conhecidas são os Beatles, Queen, Coldplay, Elton John, Led Zeppelin, Rolling Stones e Iron Maiden. 7

10 descubra o reino unido Lugares imperdíveis As atrações relacionadas à música, à literatura e ao teatro com destaque para as criações do dramaturgo William Shakespeare são infinitas. Em Londres, por exemplo, é possível visitar alguns dos mais famosos museus do mundo, como o British Museum e a National Gallery, além do tradicional Palácio de Buckingham, residência da rainha. Na Escócia, o centro histórico de Edimburgo oferece paraísos preservados, tais como a Catedral St. Giles, o Museu Real da Escócia e a Galeria Real da Escócia. Glasgow, maior cidade escocesa e também a mais efervescente em cultura, possui o melhor da arquitetura FOTO: VisitBritain / Pawel Libera moderna, que pode ser contemplada junto a seus belos parques, como o Glasgow Green. Em meio às ilhas britânicas, há muitas paisagens naturais de tirar o fôlego, criadas pelas civilizações celta, romana, viking e tribos teutônicas. Um exemplo é a preservada Stonehenge, próxima à histórica Salisbury, que fica a 150 km de Londres. Ver de perto os monolitos de até 50 toneladas, feitos há cerca de quatro mil anos, faz um dia valer a pena. No País de Gales, os castelos medievais criam um cenário de filme. Em Nottingham, na Inglaterra, o destaque fica por conta da lenda de Robin Hood. Acredita-se que o príncipe dos ladrões viveu escondido em Sherwood Forest, local bastante visitado por turistas. Não se pode esquecer também dos pubs, famosos em todo o mundo por oferecerem diversos tipos de cervejas. Em Londres, os mais frequentados ficam em Soho e Covent Garden. Em Liverpool, o destaque é Mathew Street, onde se localiza o Cavern, lugar onde os Beatles começaram a tocar. Em Edimburgo, a dica é a Royal Mille, na Cidade Velha. Há, ainda, o Festival de Edimburgo, que é um dos mais importantes manifestos culturais da Europa na atualidade. Com clima temperado e longos períodos de chuva durante o ano, o Reino Unido tem temperatura amena, que apenas no inverno rigoroso registra números abaixo dos 10 C. No verão, é comum ver os britânicos se refrescando em parques e em fontes, já que os termômetros podem marcar até 35 C. Os verões são quentes no sudeste da Inglaterra, região mais próxima da Europa Continental, e mais frios no norte. Londres, a capital, é conhecida por sua intensa fog (neblina), peculiaridade que já foi tema de diversas músicas e poemas. Instalação artística sobre a expansão da cidade, Museum of London, em Londres, na Inglaterra 8 para saber mais

11 FOTO: mat wright Fundado em 1753, o British Museum conta com objetos e fragmentos das primeiras civilizações da Mesopotâmia, do Egito e da Grécia

12 carreira Para alcançar a excelência acadêmica, o Reino Unido tem um sistema educacional de alto nível

13 11 Com o novo posicionamento do Brasil no mercado internacional, é cada vez mais crescente o interesse do mercado por profissionais formados ou pós-graduados no Reino Unido Além de sua rica cultura e belezas naturais, o Reino Unido também detém uma ótima reputação mundial em excelência acadêmica, com taxa de alfabetização de 99% segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Diversas oportunidades de estudos profissionalizantes e para o aprimoramento de carreira credenciam o Reino Unido como um dos destinos mais indicados para os estudantes de todos os níveis. Para se ter uma ideia, dados do British Council indicam que aproximadamente 600 mil estudantes chegam ao país a cada ano para aperfeiçoar o inglês, 430 mil viajam ao país com foco em graduação e pós-graduação e mais 100 mil fazem o Ensino Médio ou profissionalizante. Esses números representam, no total, mais de um milhão de estrangeiros que chegam anualmente ao Reino Unido para complementar ou iniciar seus estudos. Assim, os estudantes provenientes de outros países respondem por quase 2% da população do Reino Unido hoje. O primeiro benefício de estudar no Reino Unido é estar em contato direto com a língua inglesa, haja vista que os quatro países que o compõem têm o idioma da rainha como oficial. Outra vantagem é a existência da Quality Assurance Agency for Higher Education (QAA), órgão que realiza, regularmente, auditorias independentes nas instituições de ensino, garantindo o fornecimento de educação superior, bolsas e qualificações dentro de um padrão acadêmico estabelecido. O QAA analisa as necessidades dos estudantes, bem como padrões e qualidade de ensino, além de disponibilizar todas as informações em seu site, para que sejam consultadas no momento da escolha de uma instituição. FOTO: VisitBritain / Eric Nathan O Brasil é a bola da vez A aptidão para se comunicar ou se relacionar com povos de outros países é imprescindível, por isso a fluência no inglês representa um avanço em todos os aspectos da vida, sejam eles profissionais ou pessoais. Ao aprimorar a fluência no Reino Unido, é possível explorar um universo interminável de conhecimento e estabelecer relações profissionais e de amizade com pessoas de todas as nacionalidades do mundo. Logo atrás do Reino Unido no ranking das maiores economias do planeta está o Brasil, ocupando a sétima posição. O país avança no cenário mundial e precisa, mais do que nunca, de mão de obra altamente qualificada para tornar-se mais competitivo

14 carreira Uma infinidade de opções nos modernos centros urbanos Além do ensino oferecido nas escolas e universidades britânicas, o Reino Unido dá ao estudante, sem custos, a possibilidade de estar em contato permanente com um museu a céu aberto. Permeado por catedrais, obras arquitetônicas preservadas, castelos medievais e belas paisagens, é o local ideal para quem tem sede de cultura e informação sem, no entanto, deixar de se antenar à modernidade, presente em todos os grandes centros urbanos. Todas as atividades extracurriculares praticadas durante o tempo em que você estiver na universidade, na escola de negócios ou no college têm o poder de desenvolver outras habilidades, as quais serão essenciais para o seu desenvolvimento pessoal e profissional. Algumas delas são: teatro, equitação, dança, alpinismo e música. As aulas são ministradas por instrutores profissionais e, muitas vezes, oferecidas de graça aos alunos. Recomenda-se entrar em contato com a instituição de ensino para obter mais informações a respeito. O maior benefício de estudar no Reino Unido é justamente a flexibilidade. Você passa menos tempo na sala de aula e pode se organizar entre estudo, trabalho e lazer de forma mais livre e efetiva. Você dosa o horário das suas leituras e dos essays que precisará escrever, adaptando isso ao seu ritmo pessoal, explica Rodrigo Gaspar, gerente de promoção da educação do British Council no Brasil. Estimativas apontam que existam, aproximadamente, 400 escolas de idiomas para estrangeiros espalhadas pelo Reino Unido. Uma garantia que assegura a qualidade do ensino aos alunos é o selo Accredited by the British Council, concedido pelo Conselho Britânico após as escolas serem submetidas a avaliações rigorosas de qualidade. Os cursos de graduação no Reino Unido são bastante flexíveis. Eles podem ser adaptados de acordo com os interesses do aluno, que pode escolher módulos opcionais dentre os temas obrigatórios. Quem optar pelo curso de graduação sequencial terá um programa específico para desenvolver suas habilidades técnicas, com várias atividades de laboratório supervisionadas. No caso da pós-graduação, tutores e professores fornecem a estrutura do curso, porém, o aluno é estimulado a pensar de forma independente o tempo todo. Programas de pesquisa introduzidos em sala de aula dão todo o suporte técnico ao estudante, que tira dessa experiência as ferramentas que utilizará posteriormente, quando precisar realizar uma pesquisa avançada. Para quem opta pelo Master of Business Administration (MBA), os desafios fazem parte da rotina do aluno, que geralmente já tem uma vasta experiência no mercado de trabalho. Em contato com uma enorme quantidade de materiais, executando projetos e fazendo apresentações frequentes, o curso engloba estudos de caso, jogos com foco em negócios e simulações que estimulam o pensamento de executivos. Na hora de escolher o destino, leve em consideração o seu estilo de vida. Para os estudantes que preferem tranquilidade, há lugares mais em conta, que incluem Brighton, Leeds, Bournemouth, Bristol, Newcastle, Liverpool, Manchester, Belfast, Edimburgo e Glasgow. Em algumas dessas localidades, há, inclusive, a possibilidade de entrar em contato com sotaques diferentes, especialmente na região norte. Oxford e Cambridge também são boas opções. Longe da agitação, essas cidades universitárias abrigam diversas tribos de estudantes, que preferem ficar mais afastados da badalação.

15 FOTO: VisitBritain / Britain on View Destaque da arquitetura na University of Glasgow, uma das mais antigas da Escócia

16 carreira Uma experiência internacional que vai ampliar o seu mundo! Hoje, estudar no Reino Unido significa conquistar um real ganho de fluência na língua inglesa e tornar-se um profissional altamente capacitado Sem sombra de dúvida, é uma experiência fantástica. Conheci vários lugares, várias pessoas com as quais poderei fazer grandes negócios no futuro e lugares que dão enormes leques de oportunidades. Não consigo pensar em algo para mudar, é uma experiência sensacional. Se eu pudesse modificar alguma coisa, apenas iria trazer meus amigos e minha família Guilherme Debortoli Calça, Estudante de Engenharia Mecânica na University of Wolverhampton 14 A avaliação de Guilherme, que embarcou para o Reino Unido em setembro de 2012 com permanência de um ano no país, ilustra o sentimento do estudante que desbrava uma nova cultura, enfrenta novos desafios e abre oportunidades em sua vida pessoal e profissional. Para aqueles que pretendem concluir seus cursos de graduação e pós-graduação no Reino Unido, o sistema de ensino britânico representa um benefício enorme. Isso porque o aluno será estimulado o tempo todo a pensar por si e a executar suas atividades. Essa independência é fundamental para criar autoconfiança, que posteriormente será explorada em sua vida profissional. Munido das habilidades linguísticas, analíticas e criativas que os recrutadores tanto procuram, será muito mais fácil obter sucesso na carreira escolhida. Aprendi o básico sozinho, mas fiz um curso para masterizar meu inglês e, por consequência, obter um diploma. Consegui atingir a nota do IELTS na primeira tentativa e atribuo o sucesso ao convívio universitário e ao contato constante

17 FOTO: Mat Wright com a língua em si, completa Guilherme. O estudante classifica os britânicos como pacientes e acolhedores, pois sempre ajudam quando ainda não dominamos a fluência. Um outro ponto destacado por ele é a variedade de línguas presentes na universidade onde ele estuda, já que há alunos de diversos lugares do mundo estudando juntos. Em dois meses, no máximo, você já está familiarizado com o idioma e não terá 10% da dificuldade que tinha inicialmente; é tudo uma questão de paciência. Deve-se levar em consideração que o inglês britânico é de fácil compreensão, o que torna a comunicação mais simples do que em outros países, complementa. Guilherme, que viajou pelo programa Ciência sem Fronteiras, destaca que um dos benefícios de estudar no Reino Unido é a possibilidade de ter sua primeira opção de universidade atendida. O sistema daqui nos dá a oportunidade de escolher cinco universidades em primeira instância, para o envio dos históricos e notas do IELTS. Recebi a oferta de uma das cinco universidades apontadas no primeiro momento, que foi a University of Wolverhampton. O programa Ciência sem Fronteiras, aliás, é lembrado por Guilherme como o viabilizador de sua ida ao Reino Unido e, consequentemente, da realização de seus estudos. Sem o Ciência sem Fronteiras eu não teria condição de estudar no Reino Unido. Conseguir essa bolsa de estudos foi uma forma de retribuir o que os meus pais fizeram e ainda fazem por mim. Com o conhecimento adquirido e a vivência obtida diante dessa experiência ímpar, a volta ao Brasil será muito mais satisfatória para ele. Estudos indicam que as empresas preferem recrutar candidatos que tenham algum tipo de experiência no exterior, pois além da facilidade de convivência adquirida e do alto nível no idioma, os profissionais, habituados a lidar com situações adversas, estarão aptos para enfrentar e solucionar as questões inerentes ao mercado de trabalho, cada vez mais competitivo e desafiador. 15

18 ensino superior Ensino plural como o mercado exige Oxford é conhecida como a cidade dos pináculos sonhadores. A vista de cima do telhado do famoso Sheldonian Theatre permite admirar os prédios, as igrejas e as universidades

19 17 Tão tradicionais e cheias de histórias quanto o próprio Reino Unido, as universidades e os cursos oferecidos nos quatro países que o compõem atraem jovens que buscam, além de uma graduação, uma riquíssima experiência de vida Sonho, persistência, inteligência e genialidade. Ninguém melhor que Charles Chaplin, cidadão londrino, para traduzir os sentimentos de milhares de jovens que correm atrás de seus sonhos. Ator, diretor, autor, produtor, escritor e comediante, entre outras coisas, traduziu de forma inesquecível e quase sem palavras o sentimento de que para vencer é preciso batalhar e perseverar. Afinal, A persistência é o menor caminho do êxito, dizia ele. E esta deve ser a principal característica de quem quer enfrentar o desafio de cursar uma graduação ou undergraduate, como é mais popularmente conhecida. Anualmente, cerca de 2,5 mil brasileiros seguem para a Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte e País de Gales em busca de uma qualificação universitária. O Reino Unido é o segundo destino do mundo onde se tem a maior quantidade de estrangeiros estudando. Os números são impressionantes: 600 mil tipos de cursos - mais específicos e customizados que no Brasil - em mais de 200 instituições de ensino superior. A cada semestre que para os ingleses começa em setembro há novos cursos sendo oferecidos. O Reino Unido é um berço de talentos. Da literatura de George Bernard Shaw e da música de Lennon e McCartney à ciência de Isaac Newton e Stephen William Hawking, mentes brilhantes despertam, há séculos, a atenção do mundo. E você pode aprender muito com o legado que esses ídolos nos deixaram FOTO: VisitBritain / Pawel Libera O foco é o aluno Alguns pontos marcam as diferenças entre os cursos britânicos e os brasileiros e fazem valer a pena a escolha pela graduação no exterior: No Reino Unido, os cursos são mais curtos e mais específicos. Além disso, o aluno passa menos tempo em sala de aula e mais tempo estudando sozinho, com menos aulas expositivas conduzidas por um professor, explica Rodrigo Gaspar, gerente de promoção da educação do British Council no Brasil. Para os estudantes ingleses, a graduação dura três anos. Já os estrangeiros precisam passar por um ano básico o Foundation Year ou ano zero, que é quando aprendem como o sistema educacional funciona, os mecanismos de pesquisas e estudos etc. Então, neste ponto, a menos que você escolha cursar Medicina, terá de cumprir os mesmos quatro anos, como no Brasil. Mas não vá achando que são os mesmos quatro anos do que os das faculdades brasileiras. No Reino Unido, a carga horária é bem puxada, com aulas pela manhã e à tarde, além de muitos trabalhos.

20 ensino superior Independentemente das diferenças entre os sistemas de ensino brasileiro e britânico, o desafio está presente em cada momento. Essa oportunidade e essa experiência enriquecedora em outro país são valorizadas no mercado corporativo e podem ser um grande diferencial e a grande passagem para uma carreira brilhante. Na margem sul do Rio Tâmisa, à direita, está localizado o prédio da Greater London Authority, que inclui a prefeitura e a assembleia de Londres. Inaugurado em 2002, o moderno prédio tem 45 metros de altura e dez andares

21 FOTO: VisitBritain / Damir Fabijanc FOTO: Mat Wright Para inscrever-se em uma universidade O processo de application uma espécie de candidatar-se para uma grande variedade de candidatura - para a graduação não tem muitas cursos e instituições, utilizando o UCAS Apply; etapas e é bem simples se você seguir as orientações básicas. O primeiro passo é candidatar-se no acompanhar o andamento de suas inscrições. site do UCAS (Universities and Colleges Admissions Service), o orgão que gerencia todo o cami- vida acadêmica no Brasil, são consideradas na As suas notas, conquistadas durante toda a sua nho de inscrição do estudante. Todas as instituições que fazem parte do UCAS são reconhecidas Isso é algo a que os brasileiros estão pouco sua avaliação pelas universidades britânicas. pelo Reino Unido, o que dá aos alunos a certeza acostumados. Portanto, quanto melhor for o da seriedade e da confiabilidade do curso. seu boletim e histórico escolar brasileiro, maiores são as suas chances. Para iniciar o ano letivo em setembro, o recomendado é fazer o application em dezembro ou Outro documento solicitado durante o preenchimento do formulário UCAS é a carta de janeiro. Há três datas diferentes para aplicações durante o ano: outubro, janeiro e março. recomendação de um professor, tutor ou profissional que o conheça o suficiente para indicá-lo Quanto mais cedo você se aplicar é essa a terminologia usada, mais chances de conseguir a vaga e mais bolsas disponíveis haverá. Como parte do seu planejamento minucioso, ve- para uma instituição britânica. rifique se as universidades que mais têm a ver Por meio do UCAS, o aluno pode: com seu perfil estão cadastradas no UK Border optar por até cinco cursos de uma só vez, em Agency (www.ukba.homeoffice.gov.uk), uma vez uma única inscrição. Essa regra não vale para que, com as novas regras para emissão de visto os cursos de Medicina, Odontologia e Medicina para o Reino Unido, os estudantes estrangeiros Veterinária, que permitem escolher apenas só poderão inscrever-se em uma instituição quatro opções; registrada nesse órgão. Agora, é segurar a ansiedade e aguardar a Welcome Letter a carta 70% dos alunos são aceitos em sua primeira opção das cinco possíveis; que traz a boa notícia: você foi aceito. 19

22 ensino superior O que você vai ser quando crescer? Parteira. Essa, definitivamente, não seria por tecnologia e de olho no futuro, uma graduação em animação 3D e jogos ou arte e design uma resposta dada por um estudante brasileiro, a menos que ele vá estudar na Middlesex seria o início de uma carreira promissora. Os University, em Londres. Lá é possível fazer atores também encontram diversas opções curso de obstetrícia, que dura três anos, e sair de escolas dramáticas, podendo, entre outras com registro de parteira. Dos mais tradicionais especializações, formar-se como marionetista. aos mais exóticos, é possível encontrar um É claro que, nesse centro da economia enorme leque de opções de cursos. mundial, não poderiam faltar os cursos mais Se você tem uma queda pela medicina procurados, como Contabilidade e Finanças, oriental ou por cavalos, pode formar-se em terapias complementares pela Cardiff Metropoli- TV, Saúde e Assistência Social, Farmácia, Mídia, Negócios, Informática, Engenharia, Cinema e tan University, no País de Gales, ou Equoterapia Marketing, Arquitetura e Construção, Educação, Criminologia, Ciências Ambientais, RH, (Equine Sports Therapy and Rehabilitation), na University of Greenwich. Para os apaixonados Psicologia, Turismo e Hotelaria etc. FOTO: Mat Wright O valor do diploma Após quatro anos de estudos, estágios e riquíssimas experiências, você precisa voltar ao Brasil e iniciar sua carreira. Os diplomas conquistados no Reino Unido são reconhecidos no Brasil. Porém, há um processo determinado pelo governo brasileiro, às vezes demorado, para a validação de diplomas conquistados fora do país. Para facilitar a validação do certificado ou do diploma no Brasil, recomenda-se a autentificação do documento pelo consulado brasileiro no Reino Unido. De volta às terras brasileiras, para validar o documento é prudente solicitar ao British Council um atestado de reconhecimento da instituição britânica. Depois, será necessário encontrar uma universidade pública, que reconheça que o curso feito lá fora é semelhante a um curso oferecido por ela. Isso é feito por meio de uma comparação das disciplinas. O processo será analisado e a revalidação poderá incluir, ainda, a obrigatoriedade de estudos complementares, exames e provas específicas. 20

23 FOTO: British Tourist Authority/ Tony Pleavin para a vida toda Um ano de estudos dentro de uma universidade britânica - seja fazendo graduação ou pós-graduação - pode custar, em média, de 9 a 12 mil libras. Convertendo para a nossa moeda, a variação é de 27 mil a 37 mil reais*. Além do investimento no curso, é necessário planejar-se para manter os custos do dia a dia: alimentação, transporte, livros, aluguel etc. Isso chega a variar de região para região, mas gira em torno de dez mil libras, se o estudante optar por Londres, e oito mil libras fora da capital, durante o período de um ano, explica Rodrigo Gaspar, gerente de promoção da educação do British Council no Brasil. Muitas instituições do Reino Unido firmam parcerias com empregadores, portanto eles entendem que o aluno vai precisar de flexibilidade para trabalhar ao mesmo tempo em que continua estudando. Assim, é possível conseguir estágios e trabalhar enquanto se faz a faculdade. No Reino Unido, é permitido que o estudante estrangeiro trabalhe por até 20 horas semanais, em meio período, e 40 horas durante as férias ou em estágios. As universidades também têm um serviço de carreiras - os career services que se empenham para ajudar o aluno a entrar no mercado de trabalho, dentro da sua área de atuação. Eles oferecem todo tipo de ajuda, desde a busca em anúncios de empregos, elaboração de currículos, candidatura a vagas, dicas de como se preparar para uma entrevista etc., acrescenta ele. E finaliza: utilize ao máximo os recursos e a estrutura da universidade, vai ser muito produtivo. * Valores apenas referenciais de acordo com a conversão da moeda em março de 2013 para saber mais Estudante no campus do Corpus Christi College, em Cambridge 21

24 FLUÊNCIA Mergulhe na extraordinária experiência do idioma O cenário é encantador e propício para o encontro de estudantes no Wales Millennium Centre, em Cardiff, no País de Gales

25 23 Se você tem planos de estudar no Reino Unido, independentemente do curso graduação ou pós-graduação, saiba que tudo começa pelo domínio do idioma. Um bom nível de inglês é fundamental para a realização do seu sonho! FOTO: MAT WRIGHT Para concorrer a uma vaga em um dos colleges ou nas universidades britânicas, a habilidade de comunicação na língua inglesa é obrigatória e precisa ser comprovada por meio de exames de proficiência. Na preferência das instituições britânicas, o primeiro certificado é o IELTS, seguido do TOEFL e do CPE. Essas siglas (explicadas logo a seguir) podem significar seu ingresso ou não em uma universidade no Reino Unido. Esses três certificados visam, exclusivamente, a comprovar as suas habilidades nos seguintes quesitos: compreensão de texto, nível de conversação e escrita. Os exames têm uma duração de aproximadamente três horas para a parte escrita e quinze minutos de entrevista. Dependendo da universidade e das necessidades do curso, exige-se um nível de inglês compatível. Normalmente, uma nota 6.0 ou 6.5 no exame IELTS garante o acesso. Mas há cursos específicos que pedem notas maiores, como Medicina, Direito e Literatura. É necessário prestar muita atenção em relação à nota solicitada. International English Language Testing System (IELTS): Depois de 40 anos de pesquisas, o teste foi criado pela University of Cambridge em Desde então, o exame, que é administrado internacionalmente pelo British Council em parceria com a Austrália, avalia, por meio de testes de proficiência, a real habilidade de comunicação do aluno em inglês. Hoje, o IELTS é um dos exames mais confiáveis para se medir a fluência de um candidato, por analisar as habilidades de comunicação na língua inglesa pelos aspectos conversação, interpretação de textos, redação, interpretação e compreensão oral. Além disso, ele é aceito no Reino Unido, na Austrália, no Canadá, na Nova Zelândia, na Irlanda, na África do Sul e por muitas universidades norte-americanas. Cerca de seis mil instituições educacionais, incluindo duas mil universidades nos O IELTS é o teste líder mundial de proficiência da língua inglesa, realizado por quase 2 milhões de candidatos anualmente em todo o mundo Estados Unidos, reconhecem o IELTS. O exame está disponível em dois módulos: o Academic Module, exigido para quem deseja ingressar em cursos de graduação e pós-graduação; e o General Training Module, para candidatos a vistos de imigração para Austrália, Nova Zelândia ou Canadá, e para os que desejam fazer um estágio prático ou treinamento profissional nestes países, entre outros. ESCALA DE NOTAS E VALIDADE O IELTS é corrigido totalmente no Brasil por examinadores treinados e certificados pela University of Cambridge, o que permite a entrega dos resultados em até 13 dias corridos. Numa escala de 0 a 9, o certificado mostra a nota alcançada em cada uma das quatro habilidades testadas, além de uma média final. A nota média necessária e o prazo de validade do exame (geralmente em torno de dois anos) são

26 FLUÊNCIA determinados pela instituição em que o candidato deseja ingressar. O IELTS não tem prazo de validade, mas há uma recomendação para que as universidades aceitem exames feitos até dois anos antes da seleção. Se for necessário, você poderá refazer o IELTS quantas vezes quiser, sem limite de intervalo. É possível alterar a data da prova apenas uma vez, mas isso gera uma taxa equivalente a 20% do valor pago. A entrega do resultado do Test Report Form (TRF), como é chamado o certificado do IELTS, depende da logística dos Correios. INSCREVA-SE JÁ E TESTE A SUA FLUÊNCIA! Aplicado em 25 cidades brasileiras e em várias datas ao longo do ano, o IELTS. requer para a inscrição os seguintes documentos: 1 foto 3x4 recente, com fundo branco; Cópia da carteira de identidade (RG) ou do passaporte; Formulário preenchido eletronicamente no Comprovante de pagamento da taxa de inscrição de R$ 440,00. FOTO: MAT WRIGHT 24

27 O IELTS é reconhecido pela Capes e pelo CNPq como teste de proficiência da língua inglesa para participação nos programas de bolsas no exterior de ambas as instituições, inclusive do Ciência sem Fronteiras. COMO FUNCIONAM OS TESTES DAS QUATRO HABILIDADES DO IELTS? O teste leva praticamente o dia inteiro. Geralmente, as entrevistas (speaking) acontecem no período da manhã. E as demais provas são realizadas à tarde. Na sala, você só poderá entrar com a carteira de identidade ou o passaporte, lápis, borracha e apontador. Todo e qualquer objeto de uso pessoal, como aparelhos de telefone celular, tablets etc., deverão ser deixados fora da sala de exame. Speaking (Conversação): Tem duração de 11 a 15 minutos. Consiste em uma entrevista oral na forma de conversa entre o candidato e um examinador treinado pela Universidade de Cambridge. Listening (Interpretação oral): Com 30 minutos de duração, o teste é composto de 40 questões, dispostas em quatro seções. O Listening é gravado em um CD e executado apenas uma vez. Durante o teste, os candidatos poderão ler as questões, ouvir a gravação, anotar as respostas no caderno de questões e terão alguns segundos para conferir suas respostas. Ao final da gravação, haverá, ainda, dez minutos para que os candidatos possam transferir suas respostas para a Folha Oficial de Respostas. Reading (Interpretação de textos): São 60 minutos para responder 40 questões. Três textos num total de a palavras serão utilizados. Vários tipos diferentes de questões são aplicadas: múltipla escolha, respostas curtas, preenchimento de espaços/resumos/tabelas etc. Há ainda a identificação da opinião ou conclusão do autor, classificação em Sim, Não ou Não informado e associação de ideias. Writing (Redação): No período de uma hora, o candidato deverá escrever duas redações. A primeira requer que os candidatos analisem um gráfico, tabela ou diagrama e apresentem as informações neles contida. O número mínimo de palavras exigido é 150. Na segunda redação, os candidatos deverão discutir ou argumentar sobre o tema proposto. Esta redação deverá conter, no mínimo, 250 palavras.

28 FLUÊNCIA OUTROS CERTIFICADOS: Apesar da existência de vários cursos preparatórios para os exames, nenhum deles exige a conclusão de um curso prévio. Test of English as a Foreign Language (TO- EFL): Desenvolvido pela ETS, uma instituição sem fins lucrativos dos Estados Unidos dedicada à pesquisa e testes educacionais, o TOEFL é aceito em seis mil instituições e em mais de 110 países no processo de emissão de visto. Cada prova varia de 0 a 30 pontos e a nota final é somada, chegando a 120 pontos, no máximo. O exame do TOEFL custa US$ 210* e é composto de quatro provas: compreensão de texto, que acontece entre 60 e 100 minutos; compreensão auditiva, com prova de 60 a 90 minutos; exame oral, que dura 20 minutos; e exame escrito, com duração de cerca de quatro horas. Certificate of Proficiency in English (CPE): Utilizado há 100 anos (desde 1913), é o exame de Cambridge usado para fins acadêmicos e também requisitado na área profissional. Para ser aprovado é preciso acertar 60% das questões. O formato atual do exame contém quatro tarefas distintas: leitura e uso do inglês (90 minutos), escrita (90 minutos), compreensão auditiva (40 minutos) e conversação (prova de 16 minutos feita em duplas ou trios). Atualmente, mais de 60 unidades de várias redes de escolas de inglês no Brasil estão credenciadas para aplicar o CPE. Ele é realizado no país, em média, três vezes por semestre. O valor da inscrição varia de R$ 450 a R$ 550 (março/13). *Aproximadamente R$ 412, conforme conversão da moeda em março de 2013 E PARA QUEM NÃO FALA INGLÊS? Nem sempre é tão simples conseguir uma vaga em um curso de graduação ou pós-graduação no Reino Unido. Muitas vezes, acontece o caminho contrário: você sabe qual curso quer fazer, sabe para qual universidade ir, tem o dinheiro e fez o planejamento financeiro, porém, a fluência do idioma deixa a desejar por falta de prática. Ao longo da vida acadêmica, eu não tive um ensino contínuo de inglês. Mas a oportunidade de viajar apareceu de surpresa. Por isso, não tive tempo suficiente de preparação para o IELTS. E precisei repeti-lo para alcançar as notas desejadas, diz Leonardo Ciomini, estudante de mestrado em Gestão Ambiental na Glasgow Caledonian University. O que me auxiliou para o segundo teste foi a conclusão do meu intercâmbio de dez semanas e um programa de dez horas, monitorado por um tutor ligado ao British Council Leonardo Ciomini Estudante de mestrado em Gestão Ambiental na Glasgow Caledonian University PARA SABER MAIS 26

29 PREPARE-SE! Quem não domina o idioma ou fala muito pouco e tem dificuldades de compreensão precisa preparar-se mais no Brasil antes de ir estudar fora. São 10 mil pessoas estudando inglês em terras britânicas. E quem segue para lá para aperfeiçoar o inglês recebe apenas o visto de turista. Uma vez lá, não é possível trocá-lo para o status de estudante. Isso é uma determinação das autoridades responsáveis por conceder o visto para o Reino Unido. O British Council está criando algumas estratégias para auxiliar os estudantes a vencerem a dificuldade da língua. Atualmente, o aprendizado do inglês nos níveis iniciais e intermediários deve ser resolvido no Brasil, para que o estudante aproveite ao máximo o conteúdo que será ensinado no curso, orienta Rodrigo Gaspar, gerente de promoção da educação do British Council no Brasil. No caso do estudante Leonardo, no início, a principal barreira foi entender o sotaque. E, mesmo após cinco meses, sinto dificuldades em algumas interpretações, explica ele, que está em Glasgow, na Escócia, desde Existem cursos preparatórios específicos para quem pretende fazer o IELTS ou o TOEFL. Mas fazer ou não um curso mais completo dependerá do tempo de cada um. Quem passou mais de uma vez pelo processo e por essa incrível experiência reconhece a importância de tanta dedicação: Com o mercado tão competitivo, possuir o inglês avançado e fluente é indispensável para o ingresso em grandes empresas. Quero aproveitar essa oportunidade para, realmente, ter um diferencial. Com certeza, experiências de vida no exterior não só pelo conhecimento da língua estrangeira, mas também pelo amadurecimento pessoal e profissional são valorizadas no mercado de trabalho, completa Leonardo. O TÍPICO ACCENT BRITÂNICO Ouvir determinadas músicas irão lhe trazer com clareza uma grande parte da cultura britânica. O sotaque é inconfundível nas músicas London Calling, do The Clash, Life on Mars, de David Bowie, e Holidays in the Sun, do Sex Pistols. A variante do idioma também marcou a carreira de alguns atores que fazem sucesso em Hollywood, como Hugh Grant, Damian Lewis e Hugh Laurie. Charmoso, clássico e romântico, o sotaque mais conhecido do Reino Unido é chamado de Received Pronunciation (RP), mas também pode ser chamado de Queen s English, Oxbridge English (em referência às universidades Oxford e Cambridge) ou BBC. Essa pronúncia mais acentuada demonstra rapidamente se a pessoa pertence às classes sociais mais altas ou estudou nas tradicionais escolas britânicas particulares. A rede de Televisão BBC padronizou sua programação apenas em RP, evitando, até pouco tempo, a contratação de repórteres e âncoras que demonstrassem características regionais em suas falas. Porém, o RP é um conceito linguístico teórico, adotado, principalmente, para o ensino do inglês como língua estrangeira em todo o mundo, competindo diretamente com o sotaque padrão da América do Norte, o General American (GA). 27

30 GRADUAÇÃO Sim, você foi aceito! Seja qual for a sua escolha, o Reino Unido conta com uma infinidade de cursos de graduação. Com certeza, alguns deles se encaixarão perfeitamente ao seu perfil e às suas expectativas Para uns, é a melhor frase para se ouvir na vida. Para outros, um momento difícil, repleto de desafios e mudanças. Assim é a vida de quem está a um passo de ingressar em uma universidade. No Brasil, os jovens, por exemplo, estão acostumados a receber cobranças de todos os lados. Ora dos pais, ora da sociedade. Mesmo sem uma definição vocacional, pairam indagações em relação ao ingresso em uma faculdade logo no início do Ensino Médio. Isso envolve o pesadelo dos grandes vestibulares, os meses de cursinho, a ansiedade a se enfrentar na hora da prova e no momento do resultado final e, se tudo der certo, no mínimo, quatro anos de curso. No Reino Unido, algumas diferenças são marcantes e dão um caráter de flexibilidade às escolhas, a começar pelo vestibular, que não existe. A seguir, vamos esclarecer, de forma simples, as principais dúvidas sobre qual o curso de graduação (undergraduate) mais adequado. Preste atenção em algumas dicas:

31 29 Complexo Lowry (que abriga também um museu) em Salford, na Inglaterra FOTO: Mat Wright Como funciona o vestibular no Reino Unido? No Reino Unido, o sistema educacional é diferente do brasileiro. Não há vestibular ou qualquer tipo de prova. A avaliação dos brasileiros que se inscreveram para as universidades é feita pelo conjunto de sua obra: notas do Ensino Médio no Brasil, carta de recomendação de um professor, o personal statement (carta de apresentação) escrito pelo próprio candidato com um texto autobiográfico e o nível de inglês de preferência, com certificação e exames de proficiência já realizados, como o IELTS (International English Language Testing System), cuja validade costuma ser de dois anos. 2Quais os passos para tentar conquistar uma vaga? O processo de application para a graduação em uma universidade no Reino Unido é simples. Todos os estudantes de graduação devem procurar o órgão que gerencia o processo de inscrição e aceitação de um estudante nas instituições de ensino. Para isso, basta acessar o portal do Universities and Colleges Admissions Service (www.ucas.com) e candidatar-se a uma vaga. O application é uma espécie de formulário que deve ser preenchido com os dados pessoais e as opções de cursos e universidades. Seguindo as regras estipuladas, é possível escolher até cinco faculdades, sendo que uma delas é considerada a primeira escolha (First choice) e uma outra funciona como backup (insurance choice).

32 GRADUAÇÃO 3Como escolher o curso e a universidade? Pesquisar, pesquisar e pesquisar. Só no portal você encontra um sistema de busca com mais de 600 mil opções de cursos. Assim que definir os mais interessantes, pesquise as universidades correlatas. No sistema de ensino britânico, há três tipos de instituições que ministram cursos de nível superior: as universidades, os colleges e as escolas superiores de Arte e Música. Para ajudar na decisão, participe também das feiras e dos eventos educacionais promovidos e organizados pelo British Council para sanar todas as dúvidas. Vale também conversar com pessoas que já vivenciaram essa experiência ou com estudantes que estão no Reino Unido no momento. Procure detalhes em cada área de estudo e na estrutura curricular de cada curso os módulos, as optativas, o ângulo que é dado no conteúdo. Ao chegar no Reino Unido, você vai se deparar com quatro países, universidades com diferentes estilos de campus e custos de vida dos mais variados. Pense um pouco sobre como será estudar em uma grande cidade ou em uma universidade cujo campus é mais afastado das metrópoles. Além disso, procure conhecer um pouco mais sobre as particularidades de cada destino e veja em qual deles você se adaptaria melhor. 4Qual a principal diferença DE ENSINO ENTRE UNIVERSIDADES brasileiras e britânicas? Há algumas diferenças entre o sistema educacional britânico e o brasileiro que, em princípio, podem pesar. No Reino Unido, por exemplo, a carga horária é maior, o número de aulas expositivas em classe é menor e exige-se mais tempo de estudos em casa. Em relação à duração dos cursos de graduação, a maioria acontece em três anos, permitindo uma rápida inserção 30 no mercado de trabalho. Em relação às atribuições de notas, o sistema britânico emprega a escala por letras, sendo A a mais alta e E a mais baixa. Para passar de ano, os critérios são os mesmos do Brasil: estudar muito, fazer bons trabalhos e tirar boas notas. 5Como se preparar para um curso no Reino Unido? Como já dito anteriormente, o planejamento começa no Brasil, onde o estudante precisa ter tido boas notas no ensino médio, alcançado o domínio do idioma inglês para ter um bom desempenho no IELTS e pesquisado muito sobre os países e os cursos. Assim, o choque cultural será menor. Quando chegar à universidade, o ano zero ou foundation year/course, seu primeiro ano lá é básico e vai preparar você para os outros três anos de graduação. Com duração de seis meses a um ano, esse primeiro curso tem o objetivo de quebrar as barreiras educacionais existentes. Nesta formação, além da língua inglesa acadêmica, são abordadas matérias como metodologia de pesquisa, redação para monografias e estudo dirigido na área da graduação escolhida. Esse curso também pode ser uma excelente opção para quem já é graduado e quer mudar de área. 6Quais os tipos de cursos de graduação, licenciatura e títulos disponíveis? Foundation course, Foundation year, Access ou Bridging course: curso preparatório, que pode ser realizado antes de começar a graduação no Reino Unido. Muitas vezes requisitado pelas universidades, principalmente para pessoas com mais de 21 anos de idade (mature students), esse curso visa, como já abordado na questão anterior, igualar, em matéria de conhecimento, o estudante estrangeiro ao aluno britânico.

33 Higher National Certificate (HNC) e Higher National Diploma (HND): são cursos de qualificação superior, com duração de um ou dois anos, relacionados à carreira escolhida e focados no desenvolvimento de habilidades e competências específicas para a prática profissional. Eles são equivalentes à primeira fase de uma graduação sequencial ou tecnológica no Brasil. Após a conclusão do curso, o estudante pode prosseguir com seus estudos caso queira obter um programa completo de bacharelado. Os cursos HNC e HND estão disponíveis em inúmeras áreas, incluindo Engenharia, Esportes, Arte e Design, Mídia e Comunicação e Tecnologia da Música. Após a conclusão bem-sucedida neste curso, você inicia sua carreira no nível de gestor júnior, ou então pode optar por obter uma qualificação de graduação transferindo para o segundo ou terceiro ano de um curso de graduação na área. O HNC, com duração de um ano, se concluído com êxito, garante a possibilidade de o estudante ingressar no segundo ano de um curso de graduação. Com duração de dois anos, o HND possibilita o ingresso no segundo ou terceiro ano de um bacharelado, dependendo do conteúdo estudado. Diplomas de ensino superior: o Diploma of Higher Education (DipHE) é um curso superior, que confere uma qualificação europeia de nível quatro, e que tem a duração de dois anos. Após a frequência de mais um ano, esta qualificação poderá ser convertida em um Bachelor s degree. São geralmente relacionados às áreas de Ciências Sociais, Educação, Serviço Social e Comunicação Foundation Degree: curso superior profissionalizante validado por universidades e outras instituições de ensino que confere uma qualificação europeia de nível quatro, e que tem a duração de dois anos (período integral), ou de três ou quatro anos se for semi-integral. Estes cursos foram desenvolvidos em parceria com entidades empregadoras com o objetivo de desenvolver nos alunos competências e conhecimentos necessários ao mercado de trabalho. Após a conclusão desse curso, pode-se concluir uma licenciatura em apenas quinze meses de estudo. Bachelor s degree: É o diploma mais comum e similar aos das universidades brasileiras, o bacharelado. Com qualificação europeia de nível 5, esse tipo de curso superior pode ser concluído em quatro anos na Escócia e em três nos demais países britânicos. Porém, cursos como Arquitetura, Medicina Dentária, Medicina, Ciências Veterinárias e Medicina Veterinária podem levar até sete anos para serem concluídos. 7As faculdades contam com algum departamento para auxiliar os estudantes estrangeiros? Sim. As universidades costumam oferecer apoio completo aos estudantes estrangeiros. O objetivo é prestar auxílio em vários pontos, incluindo acomodação, serviços de orientação vocacional e educacional e até na procura de vagas de empregos condizentes com as áreas do curso. 8Qual o investimento médio necessário? Diferentemente do que ocorre no Brasil, em que os cursos têm um valor relativo à mensalidade, no Reino Unido calcula-se uma anuidade, que na maioria das vezes é cobrada de uma vez só e antecipadamente. Estudar no Reino Unido vai exigir um planejamento financeiro também. Para estudantes de HND e HNC (graduação sequencial), os custos médios, por ano, são de *, e para os de Bachelor s degree, de *. *Valores referenciais em libras esterlinas em março de

34 pós-graduação Aprenda a ver o mundo com outros olhos

35 33 Mais um degrau precisa ser alcançado. A pós-graduação no Reino Unido tem programas inovadores e conectados com as áreas e os nichos mais promissores Omercado de trabalho atual exige dos profissionais, além de empenho e dedicação, uma formação sólida e que vá muito além da faculdade. Por isso, investir em um curso de pós-graduação no exterior faz toda a diferença quando o sucesso profissional está em jogo. A pós-graduação é uma grande oportunidade, não só de ampliar o conhecimento em um assunto específico, mas para atualizar-se em virtude da demanda das novas carreiras. Segundo a pesquisa intitulada Educação de Pós-Graduação do Reino Unido, realizada pela Biblioteca Britânica e pelo Instituto Superior de Educação Política, houve um crescimento de estudantes de pós-graduação estrangeiros desde 2002/2003. Registrou-se que cerca de 50% dos estudantes de mestrado e 44% dos estudantes de doutorado eram provenientes de outros países. Nas universidades ou nas mais de cem business e management schools do Reino Unido, você encontra diferentes opções de programas em educação continuada, que servem tanto para o aprimoramento profissional como para o ingresso em um doutorado. Os programas são diversificados e você pode optar por se especializar, produzir pesquisas científicas ou fazer um curso mais generalista. Logo após ter concluído a graduação no Brasil, muitos estudantes iniciam uma busca intensa para identificar a melhor opção entre os milhares de cursos ofertados. Embora o Reino Unido tenha uma longa tradição como centro financeiro e de negócios, quando se trata da preferência dos brasileiros pelos cursos de pós-graduação, temos a seguinte ordem de interesse: Direito, Relações Internacionais, Novas Mídias, Design e Gestão de Negócios. Ao pleitear uma vaga em uma pós-graduação, seja na Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte ou País de Gales, saiba que as instituições britânicas mantêm fortes vínculos com empresas e indústrias, direcionando pesquisa e ensino para as necessidades reais do mercado. Outra vantagem é a possível construção do networking profissional e a troca de experiências com pessoas de todo o mundo, graduadas em outras áreas. Estudantes recém-formados e profissionais experientes de várias nacionalidades compõem a sala de aula de uma pós-graduação, o que intensifica ainda mais o aprendizado, diz Rodrigo Gaspar, gerente de promoção da educação do British Council no Brasil. Essa troca cultural acaba tornando-se uma matéria a mais que se aprende também fora da universidade. FOTO: Mat Wright

36 pós-graduação Entenda melhor a diferença entre os cursos de pós-graduação: Programa pré-mestrado Da mesma forma que acontece com a pré-graduação, o Reino Unido dispõe de cursos preparatórios, que podem durar até um ano letivo, para promover a imersão do candidato ao mestrado nos seguintes tópicos: metodologia acadêmica, instrução cultural e treinamento em linguística. Muitas universidades exigem o nível mínimo de 6.5 a 7.0 no IELTS para os cursos de mestrado. Portanto, o pré-mestrado também pode contribuir no aprimoramento do inglês acadêmico. mestrado em apenas um ano Os popularmente conhecidos mestrados em sala de aula são menos disponíveis no Brasil. Seus nomes podem variar de acordo com a área de interesse: chama-se MA na área de Humanas, MSc na área de Ciências e LLM para Direito. Porém, todos apresentam a mesma estrutura. Intensivos, com duração de um ano, eles exigem um certo número de créditos, que poderão ser alcançados pela presença nas aulas, palestras e seminários; redação de artigos científicos e realização dos exames; além, claro, da produção da tese de pesquisa. No Reino Unido, não existe lato ou stricto sensu. É o Masters, o mestrado, que torna o aluno um especialista. No aspecto da carreira prática, existem muitos mestrados que podem ser feitos por pessoas de qualquer idade. Assim, o mestrado (MA e MSc) com duração de um ano é perfeito, afinal, volta-se para o Brasil com o título de mestre e um horizonte de possibilidades pela frente. Esse mestrado é mais recomendado para quem almeja empregabilidade e um salto na carreira profissional. As especializações, os títulos e os conteúdos desses cursos refletem isso. Além de ser o mestrado mais rápido do planeta, a variedade dos cursos disponíveis é surpreendente: administração hospitalar, transporte e logística, agribusiness, combustível e energia, desenvolvimento sustentável, comunicação multimídia e trabalho social são apenas alguns exemplos. Os programas de pós-graduação britânicos são extremamente flexíveis, atendendo diferentes necessidades dos estudantes e profissionais em função de seus interesses. Você sairá do Reino Unido como especialista em sua área profissional. Cursos modulares Há, ainda, outra opção para quem não dispõe de muito tempo ou não quer realizar a pesquisa acadêmica: a pós-graduação em módulos, que pode culminar no mestrado. Independentes entre si ou cumulativos, alguns deles exigem apenas uma monografia no final do curso, mas a maioria envolve trabalhos práticos, exames e avaliações escritas. Postgraduate Certificate (PgCert): similar a uma extensão lato sensu no Brasil, dura cerca de 4 a 7 meses; Postgraduate Diploma (PGDip): similar à especialização lato sensu no Brasil, dura de 9 a 12 meses. Pode haver monografia no final do curso. É importante entender uma diferença fundamental que há no Reino Unido entre o Certificate e o Degree, que equivalem respectivamente ao certificado e ao diploma. O curso de pós-graduação ou mestrado tem a duração de doze meses, porém, de forma 34

37 modular. Como os cursos britânicos são modulares, pode-se contratar o serviço por seis meses e receber um certificate ou estendê- -lo para nove meses e receber o diploma. Research Masters (MPhil) Seguindo o modelo brasileiro, no Research Masters conta-se com a supervisão de um docente para orientar o desenvolvimento da pesquisa científica. É o equivalente a um mestrado acadêmico no Brasil, o stricto sensu. Durante o período do curso, de até dois anos, o aluno deve dedicar-se exclusivamente à pesquisa que está conduzindo e sua nota será determinada com base na dissertação que produzirá. Na opinião de quem encarou esse desafio, foi uma experiência incrível: Morei na Inglaterra em dois períodos diferentes: a primeira vez, em Birmingham, por um ano, onde fiz o mestrado em Governança e Gestão do Desenvolvimento no Departamento de Desenvolvimento Internacional da Universidade de Birmingham, conta a estudante brasileira Cintia Abreu. Depois, morei em Londres, por cinco meses, quando participei de um programa de pesquisa da Hansard Society, uma organização que tem por objetivo fortalecer a democracia parlamentar e encorajar a participação da população na vida política do país, acrescenta ela. Além do curso, Cintia conseguiu realizar um estágio na LSE (London School of Economics and Political Science). Eu tinha expectativas relacionadas ao meu futuro profissional e ao crescimento pessoal, cultural e intelectual. E todas foram alcançadas no Reino Unido, completa. Master of Business Administration (MBA) De acordo com a Association of MBAs (AMBA), que monitora a qualidade dos programas de MBA no mundo, um terço das 126 escolas de negócios que oferecem esse tipo de curso estão no Reino Unido. Em sua maioria, esses cursos são ministrados por profissionais que estão no mercado de trabalho e possuem experiência e especialização em empreendedorismo. Diferentemente de como o conhecemos no Brasil, o MBA britânico é voltado para pessoas com, no mínimo, oito anos de experiência gerencial comprovada. Além disso, o curso é generalista e engloba todas as áreas de gestão, com as seguintes disciplinas: Finanças, Marketing, Recursos Humanos, Economia, Contabilidade, Sistemas de Informação para Gestão, Operações e Métodos Quantitativos. Cada curso de MBA tem um período de duração específico, mas a maioria é de dois anos. Uma curiosidade é que quase não há a relação professor e aluno. São apenas discussões de cases full-time. Doutorado (PhD) O PhD, também conhecido como doutorado no Brasil, leva de três a cinco anos para ser concluído, tempo durante o qual o pesquisador trabalhará em seu projeto com a supervisão de um orientador. Em seu último ano, será feita a apresentação de uma dissertação final. A chave para admissão é pesquisar universidades com projetos relevantes ao assunto no qual você quer se aprofundar. Existe, ainda, uma modalidade de doutorado, chamada New Route PhD, que insere também elementos de pós-graduação profissional (lato sensu). Neste curso há alguns módulos específicos de pesquisa e outros mais voltados para o mercado de trabalho. Ele também concede ao pesquisador que o obtiver o título de PhD. Para concluí-lo, é necessário também desenvolver uma tese final de até cem mil palavras. 35

38 pós-graduação Estudar em um país tão rico em diversidade faz com que passemos a enxergar o mundo com outras lentes Cintia Abreu

39 Estudar no Reino Unido significa estar entre paisagens vislumbrantes, como esse caminho, cercado por topiarias, que leva à entrada do Burghley House. Esse palacete foi construído entre 1555 e 1587 pelo lorde William Cecil para a rainha Elizabeth I Prepare-se! Para inscrever-se em um curso de pós-graduação, o caminho é mais direto quando comparado ao da graduação. O mais indicado é escrever um personal statement, ou seja, uma carta em que o aluno conta um pouco sobre si e a respeito das razões que o levam a merecer uma oferta de vaga em determinado curso. É o momento de fazer seu marketing pessoal, convencê-los de que você está no lugar certo, esclarece Rodrigo Gaspar, gerente de promoção da educação do British Council no Brasil. Os outros documentos necessários estão relacionados no quadro abaixo. No caso do doutorado, um primeiro passo é entrar em contato com os respectivos departamentos para discutir o real interesse da universidade e a possibilidade da realização do projeto. Fique atento em relação à documentação necessária FOTO: British Tourist Authority/ Tony Pleavin notas da graduação traduzidas; duas cartas de referência; teste IELTS pedido pelo curso; formulário de application geralmente disponível no site da universidade; personal statement. Algumas instituições de ensino exigem uma pontuação mínima no exame Graduate Management Admission Test (GMAT) ou GRE. 37

40 a melhor escolha Antes de escolher a faculdade, escolha a carreira Um bom trabalho de orientação profissional e uma profunda pesquisa sobre as áreas e a cultura britânica são uma boa bússola para direcionar uma decisão mais coerente na escolha do curso Seja a profissão do futuro ou aquela mais tradicional para seguir os passos do avô ou, ainda, quebrar todas as regras e renovar. Qualquer que seja a sua escolha, ela será muito melhor sucedida se no currículo constar o peso de um diploma britânico. Atualmente, várias profissões se encontram em destaque no cenário do mercado de trabalho. Porém, é necessário lembrar que estão distribuídas em áreas distintas, diz Giovana Sueza Fiorin, psicóloga, pedagoga e orientadora vocacional: Comunicação: abrange todas as profissões da área de Comunicação Social. Você pode ser publicitário, jornalista, produtor de audiovisuais ou profissional de Marketing, relações internacionais e comércio exterior. Tecnologia: incluem atividades que envolvem gestores e/ou técnicos em engenharia da computação, automação, sistema de informação, biotecnologista, desenhista e analista de comunicações e sistemas de redes e dados. Meio ambiente: agronomia, engenharia ambiental e sanitária, analista de controle ambiental, avaliação e prevenção da contaminação da água e do solo. Energia: engenharia agrônoma, químicos, petróleo e gás, mecânicos, físicos, biólogos e bioquímicos. Saúde: nutrição, fisioterapia, fonoaudiologia, enfermagem, medicina, psicologia. Lazer: atividades direcionadas ao turismo, como hotelaria.

41 39 FOTO: Mat Wright Humanas ou exatas? Na hora de decidir, deixe a pressa de lado. Segundo Giovana, existem várias ações que podem auxiliar na escolha de uma carreira. Veja algumas dicas que vão guiá-lo a escolher o curso que mais tem a ver com você: Concentre-se nos seus objetivos e liste quais são suas habilidades (aptidões naturais). Saiba quais são as áreas em que você apresenta maior aptidão e busque por outras ligadas à elas. Feito isto, pesquise a fundo essas áreas. Isso poderá ser feito através de diversos cursos de orientação profissional, pesquisas na internet, feiras de profissões, visitas às universidades. Procure por grupos profissionais por meio de encontros como congressos, conferências, palestras, entre outros eventos de grupos profissionais e feiras. Isso irá fazer com que você conheça o mercado de trabalho e as suas exigências. Amplie sua rede de contatos para receber e pesquisar informações sobre as profissões e áreas de seu interesse. Acerte no alvo Como um bom jogo de dardo, tradicional nos pubs ingleses, a escolha pela melhor opção de instituição precisa ser certeira. O ideal é analisar vários fatores, a começar por você mesmo. Os rankings The Times Higher, The Guardian, QS ajudam a identificar a universidade que melhor se encaixa no seu perfil, mas isso deve ser apenas parte do processo, diz Rodrigo Gaspar, gerente de promoção da educação do British Council no Brasil. Segundo ele, a escolha certa nem sempre é a melhor universidade, a mais famosa ou renomada, mas sim a melhor para você, de acordo com seus sonhos e objetivos. Por não haver um só critério, a posição das universidades em cada ranking pode variar muito. Aí entra o papel do olhar crítico e cauteloso do estudante antes da escolha, explica Gaspar. Olhar os módulos dos cursos ou o foco que cada universidade divulga em seus catálogos e websites são fundamentais para você achar o melhor curso para sua carreira. Não é recomendado comprar fórmulas prontas e indicações genéricas que não foram personalizadas para cada um, acrescenta. Se você pretende ser candidato à graduação, faça uma lista com cerca de 40 nomes e vá refinando as escolhas até chegar às cinco permitidas pelo application. Algumas ferramentas podem auxiliar na escolha: o campo busca no site é um deles. Outra é participar da feira anual UK Universities, organizada pelo British Council, que reúne no Brasil cerca de 70 universidades britânicas em um mesmo espaço para oferecer cursos, tirar dúvidas e passar todas as informações aos candidatos interessados em realizar a graduação ou a pós-graduação no Reino Unido. Na pós, o recomendado é sempre ter mais de uma opção para o application. Cada universidade tem critérios diferentes de aceitação. Você precisa ampliar suas chances, se dar mais opções de escolha para a etapa final do processo, a decisão final Rodrigo Gaspar Gerente de promoção da educação do British Council no Brasil

42 bolsas de estudos Ajuda sempre bem-vinda! Nas universidades do Reino Unido, os estudantes sempre encontram locais, permeados pela arquitetura clássica, para relaxar e conversar com os amigos Muitas universidades oferecem ótimas chances para quem quer aprender e não conta com recursos para manter-se durante todo o tempo do curso. Conheça os programas de bolsas de estudos do Reino Unido! Bom desempenho acadêmico, um excelente histórico escolar, fluência na língua inglesa e planejamento financeiro são essenciais para quem almeja uma bolsa de estudos para uma das instituições de ensino do Reino Unido. Oferecidas em grande parte das universidades, as bolsas de estudos podem cobrir de 10 a 100% do custo total (tuition fee) do curso. Diferentemente do que acontece no Brasil, onde o estudante se candidata para uma bolsa antes de se inscrever em um curso, no Reino Unido, as bolsas devem ser solicitadas apenas após o preenchimento do formulário de inscrição (application form) na instituição desejada e a confirmação de que você foi realmente aceito (a), ou seja, já com uma oferta certa de vaga. Alunos de pós-graduação e mestrado têm a opção de inscrever-se no programa Chevening, do Ministério das Relações Exteriores Britânico, que cobre o valor integral das despesas com anuidade do curso (até 12 mil libras), acomodação, alimentação e gastos extras, tais como a compra de livros. Todos os anos, um seleto grupo de brasileiros é escolhido seguindo os critérios do programa, que busca identificar e premiar futuros líderes e formadores de opinião. Esse tipo de benefício é ideal para profissionais em início ou meio de carreira, com pelo menos dois anos de experiência de trabalho na área após o término da graduação. O programa Ciência sem Fronteiras é mais um aliado dos estudantes de graduação e pós-graduação de todo o Brasil. Esse progra-

43 41 ma prevê o fornecimento de 100 mil bolsas de estudo no período de 2012 a No caso dos professores de língua inglesa, por exemplo, há a Hornby Scholarship, uma bolsa integral de mestrado que contempla cinco universidades. Já os pesquisadores de pós- -doutorado podem obter financiamento, por dois anos, da Newton International Fellowship. As bolsas cobrem as áreas de Ciências Naturais e Sociais, Engenharia e Humanidades e são administradas pela British Academy, Royal Academy of Engineering e Royal Society. O Dorothy Hodgkin Postgraduate Awards também é outro programa interessante, que financia estudos e pesquisas em Ciências Biológicas, Tecnologia, Medicina e Engenharia. Engenheiros contam, ainda, com a Royal Academy of Engineering, que tem programas de bolsas concedidas por mérito e excelência de pesquisa. Na Escócia, o fundo Scottish Overseas Research Student Awards Scheme (SORSAS) oferece bolsas aos melhores pesquisadores internacionais. No País de Gales, o estudante pode obter um financiamento para curso de inglês de duas semanas, financiado pela Learn English in Wales (LEW). As universidades britânicas também possuem, cada uma, seus programas de bolsas, especialmente na pós-graduação. É preciso pesquisar o site de cada uma e aproveitar os eventos para conversar pessoalmente com os representantes das instituições. Para guiar o estudante e ajudá-lo a encontrar a melhor oportunidade, o site Education UK (www.educationuk.org.br) possui um sistema de busca com todas as opções de bolsas especiais para brasileiros ou latino-americanos, além de oportunidades em mais de 300 instituições. Ao solicitar uma bolsa de estudos em uma instituição do Reino Unido, o candidato precisa prestar atenção a alguns pontos que podem ser cruciais no processo de avaliação e determinar se ele conseguirá ou não o benefício. A seguir, listamos algumas dicas para que seu pedido tenha mais chances de ser aceito: Sempre leia os critérios e regras com calma e responda apenas o que é perguntado; Seja preciso e objetivo. Evite anexar material demais. Atenha-se ao que foi pedido; Você precisa ter um bom marketing pessoal. Tente dizer por que você é especial e merece essa oportunidade; Milhares de candidatos concorrerão com você. Para superá-los, diga como o conteúdo que aprenderá no curso beneficiará seu país, não apenas você; Exponha com clareza quais são as suas intenções depois que finalizar o curso. Dicas para concorrer a uma bolsa FOTO: Mat Wright Os critérios para obtenção de bolsas no Reino Unido avaliam quase sempre os méritos acadêmicos. Notas, histórico escolar, referências e carta de intenção são importantes para quem pretende conquistar um desconto. Uma pequena parte das bolsas é concedida levando em conta critérios socioeconômicos, portanto, preocupe-se em responder os questionários de maneira precisa e objetiva, principalmente em relação às suas intenções para depois do curso no que se refere a seu país e comunidade, não só a si mesmo.

44 ciência sem fronteiras Transformar o Brasil em uma potência do conhecimento De acordo com declaração da presidente Dilma Rousseff, o programa Ciência sem Fronteiras concedeu, até janeiro de 2013, bolsas de estudos para graduação e pós-graduação E is que, às 5h da manhã, recebo o seguinte Dear Camila Cereja de Paula, we are delighted to attach your offer for study in the UK on the Science Without Borders scholarship scheme. Anexo, estava meu Terms of Placement e minha carta de aceite da University of Birmingham. Aos 21 anos, a friburguense Camila Cereja estuda Engenharia Mecânica na Universidade de Birmingham, na Inglaterra, com apoio do Ciência sem Fronteiras. O programa é resultado de uma ação conjunta dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação (MEC), que deve conceder, em quatro anos, mais de 100 mil bolsas de estudos para alunos de graduação e pós-graduação de diversas áreas, tais como engenharia e tecnologia, ciências exatas e da terra, biologia, ciências biomédicas e da saúde, computação e tecnologias da informação, tecnologia aeroespacial, entre outras, que podem ser conferidas no site cienciasemfronteiras.gov.br. Os benefícios concedidos pelo Ciência sem

45 43 Girl with a Dolphin. Esse é o nome da estátua da fonte localizada perto da Tower Bridge de Londres, na Inglaterra FOTO: VisitBritain / Britain on View Fronteiras permitem que candidatos de todas as classes sociais tenham acesso ao programa e possam concluir seus estudos no exterior. São oferecidos aos alunos: mensalidade de bolsa, auxílio-instalação, passagens aéreas e seguro-saúde no período de duração da bolsa. Atualmente, cerca de 1.100* estudantes de graduação se encontram no Reino Unido pelo programa Ciência sem Fronteiras, além de mais de 350 pós-graduandos. * Informações referentes a março de 2013 O Reino Unido é o lar de algumas das melhores universidades do mundo. Eu queria a oportunidade de estudar em uma delas e melhorar o meu inglês ao mesmo tempo Guilherme Ramos Estudante da Newcastle University

46 ciência sem fronteiras Depois de ser aceita na universidade, Camila começou a planejar sua viagem ao Reino Unido. Foi atrás de tirar o passaporte e dar entrada no pedido do visto de estudante. Após o envio da documentação, ela recebeu seu primeiro benefício. Abaixo, segue a relação dos primeiros passos da estudante, o que inclui os pagamentos iniciais: Estudantes na Queen s University, a principal universidade de Belfast, na Irlanda do Norte Auxílio Instalação (em libras): dinheiro destinado à sua instalação no país de destino. Vai servir para comprar roupa de cama, cobertores, utensílios de cozinha, roupa de frio, produtos de higiene e limpeza; Auxílio Seguro-Saúde (em libras): todos os moradores do Reino Unido têm direito ao UK s National Health Service, mas a Capes sugere que os bolsistas façam o seguro-saúde; Auxílio Deslocamento (em dólar): para comprar a passagem aérea de ida e volta do local de origem ao destino final; Três mensalidades (em libras): referentes aos três primeiros meses de vigência da sua bolsa. As próximas mensalidades, o auxílio material didático e a segunda parcela do auxílio deslocamento serão depositados na conta que o bolsista abrir assim que chegar ao exterior, diz a estudante Camila. Para facilitar ainda mais, a partir de 2013 esses pagamentos passaram a ser feitos por meio de um cartão de crédito pré-pago. O Ciência sem Fronteiras é um dos maiores programas de incentivo ao estudo no Reino Unido e prevê que o país receba 10 mil estudantes brasileiros nos quatro anos de duração do projeto, que terminará em Grande parte das universidades e instituições de ensino do Reino Unido participam do Ciência sem Fronteiras, porém, as oportunidades podem variar de acordo com o período do ano. Para conferir todas as vagas abertas, visite o site: sciencewithoutborders.international.ac.uk/student-applications/undergraduate-applications/ participating-uk-universities. 44

47 Em 2012, a área de cursos mais popular nas inscrições para a graduação- -sanduíche [início do ano letivo em setembro e janeiro] foi engenharia. A área mais popular para o programa de doutorado é Biologia e Ciências Biomédicas Tania Lima Diretora do Ciência sem Fronteiras no Reino Unido Uma questão recorrente entre os candidatos é o gasto com documentos e os trâmites antes de se conseguir a bolsa. Aqui, vale destacar que o Ciência sem Fronteiras custeia grande parte das despesas, mas documentos como passaporte e visto são por conta do estudante. Abaixo, os custos que a Camila teve: Passaporte: R$ 157,00*; IELTS: R$ 440,00*; Visto: 283,00* + IOF + Sedex + transporte. FOTO: Mat Wright Aprendi que esse dinheiro tem que ser visto como um investimento e, com certeza, o retorno vai valer muito a pena. Sem contar que, no final das contas, a quantia que vamos receber é muito maior do que a que gastamos!, vislumbra Camila a respeito do próprio futuro. Para os que têm o desejo de estudar na Inglaterra, na Escócia, no País de Gales ou na Irlanda do Norte e não possuem inglês fluente, a estreita parceria entre os governos britânico e brasileiro viabilizou a oferta de bolsas para o estudo intensivo da língua inglesa no Reino Unido. *Valores referentes a março de

48 ciência sem fronteiras Ao fundo, a torre de Broadway, construída em 1797 em um dos pontos mais altos de Cotwolds, Worcestershire, na Inglaterra FOTO: VisitBritain / Tony Pleavin Eu já disse a outros estudantes brasileiros que eles devem vir! Quando fazíamos aulas de inglês no Brasil, víamos como o Reino Unido podia ser a partir de livros ou vídeos, mas não é nada parecido com o que o Reino Unido realmente é. O Reino Unido é um país muito grande, tanto em termos de pessoas quanto de oportunidades acadêmicas eu voltaria várias vezes, se pudesse! Mariana de Morais Leandro Estudante de Engenharia Civil e do Ambiente na Universidade de Southampton 46 Os candidatos que não atingirem o nível mínimo exigido poderão participar de cursos de três a seis meses de duração para aprender o idioma. Ao fim do período de aulas, o estudante terá de realizar um novo teste para comprovar a proficiência do inglês. Caso seja reprovado, retornará ao Brasil. Já se for aprovado em todas as modalidades de proficiência, o aluno inicia seu período de estudos no Reino Unido. Para mais detalhes de elegibilidade para estes cursos intensivos, acesse: sciencewithoutborders.international.ac.uk. O candidato que deseja fazer um curso de graduação no Reino Unido - com duração de 12 meses - precisa estar regularmente matriculado em instituição de ensino superior no Brasil em cursos relacionados às áreas prioritárias do Ciência sem Fronteiras e ter sido classificado no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) com, no mínimo, 600 pontos, além de

49 Parte da fachada de um dos prédios da University College London, Londres, Inglaterra FOTO: Mat Wright A universidade tem 500 anos. Aqui, se pensa o desenvolvimento do aluno como um todo Rafael Carlos dos Santos Estudante da University of Glasgow ter concluído 20% do currículo previsto para o curso de graduação. O doutorado-sanduíche, programa de doutorado que é parcialmente realizado em outra instituição brasileira ou estrangeira e dura doze meses, é destinado aos alunos regularmente matriculados há pelo menos um ano em um curso de doutorado no Brasil, entre outros critérios de seleção. Para os que pleiteiam um curso de doutorado pleno, há bolsas destinadas a candidatos de desempenho e potencial acadêmico comprovados que tenham sido aprovados em instituição estrangeira de excelência. A inscrição para os dois tipos de doutorado (sanduíche e pleno) deve ser submetida diretamente com a universidade escolhida ou por meio da Unidade Internacional do Universities UK pelo site sciencewithoutborders.international.ac.uk/student-applications/postgraduate-applications. 47

50 ciência sem fronteiras Confira as universidades do Reino Unido, em ordem alfabética, que estão participando do programa Ciência sem Fronteiras em 2013: Aberystwyth University Anglia Ruskin University Bangor University Birkbeck College Birmingham City University Bishop Grosseteste University College Lincoln Bournemouth University Brunel University Cardiff Metropolitan University Cardiff University Central School of Speech and Drama City University, London Courtauld Institute of Art Coventry University Cranfield University De Montfort University Durham University Edge Hill University Edinburgh Napier University Glasgow Caledonian University Goldsmiths College, University of London Guildhall School of Music and Drama Harper Adams University College Heriot-Watt University Imperial College London Institute of Cancer Research Institute of Education Institute of Zoology Keele University King s College London Kingston University Lancaster University Leeds Metropolitan University Liverpool Institute of Performing Arts Liverpool John Moores University London School of Economics London School of Hygiene & Tropical Medicine London South Bank University Loughborough University Middlesex University Newcastle University Nottingham Trent University Oxford Brookes University Queen Mary, University of London Queen s University Belfast Robert Gordon University Roehampton University Royal Academy of Music Royal College of Art Royal College of Music Royal Holloway, University of London School of Oriental and African Studies Sheffield Hallam University St George s Hospital Medical School Swansea University The Royal Veterinary College University College Falmouth University College London University of Aberdeen University of Bath University of Bedfordshire University of Birmingham University of Bradford University of Brighton University of Bristol University of Cambridge University of Chester University of Derby University of Dundee University of East Anglia University of East London University of Edinburgh University of Essex University of Exeter University of Glamorgan University of Glasgow University of Greenwich University of Hertfordshire University of Huddersfield University of Hull University of Kent University of Leeds University of Leicester University of Lincoln University of Liverpool University of Manchester University of Northumbria University of Nottingham University of Oxford University of Plymouth University of Portsmouth University of Reading University of Salford University of Sheffield University of Southampton University of St Andrews University of Stirling University of Strathclyde University of Sunderland University of Surrey University of Sussex University of Teesside University of the Arts London University of the West of England University of Ulster University of Wales, Newport University of Warwick University of West London University of Westminster University of Wolverhampton University of York O órgão responsável por gerenciar essa lista de universidades é o Universities UK (International Unit). A lista muda com alguma frequência, por isso, é sempre bom checar a fonte oficial: 48

51 FOTO: Mat Wright A University College London, em Londres, na Inglaterra, conta com um campus repleto de prédios de arquitetura moderna

52 universidades Para onde eu vou? Estudantes em frente à Queen s University, em Belfast, na Irlanda do Norte

53 51 Estudantes estrangeiros contam com uma infinidade de opções. Provavelmente, escolher um curso em uma das instituições de ensino já acostumadas a receber brasileiros será uma das escolhas mais importantes da sua vida, por isso, neste capítulo, reunimos as principais universidades do Reino Unido Adecisão de ir para o Reino Unido investir em seus estudos, por si só, já é uma boa escolha. E tudo o que já apontamos até aqui corrobora esta afirmação: séculos de tradição, alta qualidade do sistema de ensino e reconhecimento mundial dos títulos, diplomas e certificados. Cada um dos quatro países britânicos têm suas peculiaridades e curiosidades, mas todos contam com a estrutura necessária para serem o seu ponto de partida. FOTO: Mat Wright Inglaterra Na Inglaterra, país com a maior concentração de universidades, há diversas opções de cursos de graduação, que são oferecidos em mais de 330 instituições de ensino, sendo 114 localizadas em Londres. Com duração de três anos além do foundation year, no caso da graduação, os cursos permitem o rápido ingresso do aluno no mercado de trabalho com uma qualificação valorizada mundialmente. As instituições de ensino britânicas mantêm fortes vínculos com empresas e com indústrias, permitindo que os estudantes façam estágios em suas áreas, simultaneamente aos estudos. Irlanda do Norte O país possui duas universidades a Queen s University Belfast e a University of Ulster e doze colleges que são centros de alta qualidade de ensino e têm inovadores programas de pesquisa em uma variedade de disciplinas. Os cursos de graduação têm a duração de três ou quatro anos. Escócia Com cursos que duram quatro anos, a Escócia recebe, anualmente, mais de 30 mil estudantes de todo o mundo em suas 23 instituições. Tão tradicional e respeitado como o próprio país, o sistema de ensino escocês serviu de parâmetro para os sistemas dos Estados Unidos, Canadá e França. O príncipe Charles, herdeiro direto do trono inglês, e seu filho William estudaram na Escócia. Charles estudou na Gordonstoun College e seu filho na St. Andrews. País de Gales No País de Gales existe uma estreita relação entre o ensino superior do país e a indústria, os negócios e o comércio local. Há também muitas parcerias entre instituições de ensino e a comunidade. Isso tem um impacto positivo sobre a inovação da educação e explica porque o país atrai mais investimentos estrangeiros de empresas internacionais do que qualquer outro lugar no Reino Unido. Hoje, reúne aproximadamente 19 estabelecimentos de ensino, entre universidades e colleges.

54 universidades Brasileiros em terras inglesas Interessados e apaixonados por desafios, os estudantes brasileiros estão multiplicando-se a cada ano pelas universidades britânicas e estão deixando sua marca. As universidades que mais reúnem a galera brazuca, na atualidade, são: London School of Economics University of the Arts, London King s College London University College London University of Westminster London Business School University of Nottingham University of Leeds Birkbeck College University of Warwick University of Wales Institute, Cardiff University of Oxford Goldsmiths College Institute of Education, University of London * Dados: HESA - Higher Education Statistics Agency (2011) Detalhes internos da arquitetura da University College London, em Londres 52

55 Uma delas tem a sua cara Intuição e muita pesquisa. Assim deve ser a sua busca pela universidade ideal. O The Times Good University Guide, publicado anualmente pelo jornal inglês The Times, é apenas uma das referências que podem ser usadas na orientação sobre as universidades do Reino Unido. Mas somente uma delas. Existem outros meios online e off-line. Pesquise o maior número possível de sites de universidades e colleges, a grade curricular e o teor dos programas. Privilegie a sua especialidade. Além disso, vá a feiras, converse com pessoas que estudaram fora e ouça depoimentos. Assim, sua escolha será a mais acertada possível. 1 University of Oxford, Oxford, Inglaterra 2 University of Cambridge, Cambridge, Inglaterra 3 London School of Economics and Political Science, University of London, Londres, Inglaterra www2.lse.ac.uk 4 Imperial College London, Londres, Inglaterra www3.imperial.ac.uk 5 Durham University, Durham, Inglaterra 6 University of St Andrews, Escócia 7 University College London (UCL), University of London, Londres, Inglaterra 8 University of Warwick, Coventry, Inglaterra www2.warwick.ac.uk 9 University of Bath, Bath, Inglaterra 10 University of Exeter, Exeter, Inglaterra 11 University of Bristol, Bristol, Inglaterra 12 Lancaster University, Lancaster, Inglaterra 13 University of York, York, Inglaterra 14 University of Edinburgh, Escócia 15 University of Glasgow, Escócia 16 Loughborough University, Inglaterra 17 University of Leicester, Inglaterra 18 University of Southampton, Inglaterra 19 University of Sussex, Inglaterra 20 University of Nottingham, Inglaterra 21 University of Sheffield, Inglaterra 22 King s College London, University of London, Inglaterra 23 Newcastle University, Inglaterra 24 University of Birmingham, Inglaterra 25 University of Reading, Inglaterra 26 University of Surrey, Inglaterra 27 Royal Holloway, University of London, Inglaterra 28 University of East Anglia (UEA), Inglaterra 29 University of Liverpool, Inglaterra 30 University of Leeds, Inglaterra 31 School of Oriental and African Studies, University of London, Inglaterra FOTO: Mat Wright Cardiff University, País de Gales University of Manchester, Inglaterra University of Kent, Inglaterra Queen s University Belfast, Irlanda do Norte

56 universidades 36 University of Strathclyde, Escócia 37 Aston University, Inglaterra 38 Queen Mary, University of London, Inglaterra 39 University of Aberdeen, Escócia 40 University of Essex, Inglaterra 41 University of Buckingham, Inglaterra 42 Heriot-Watt University, Escócia 43 Brunel University, Inglaterra 44 University of Dundee, Escócia 45 Keele University, Inglaterra 46 City University, Londres, Inglaterra 47 Aberystwyth University, País de Gales 48 Goldsmiths, University of London, Inglaterra 49 University of Hull, Inglaterra 50 University of Stirling, Escócia 51 Robert Gordon University, Escócia 52 Swansea University, País de Gales 53 University of Lincoln, Inglaterra 54 Oxford Brookes University, Inglaterra 55 Coventry University, Inglaterra 56 Bangor University, País de Gales 57 University of Huddersfield, Inglaterra 58 Northumbria University, Inglaterra 59 University of Chester, Inglaterra 60 University of the Arts London, Inglaterra 61 University of Chichester, Inglaterra 62 Bristol, University of the West of England, Inglaterra 63 University of Portsmouth, Inglaterra 64 Plymouth University, Inglaterra 65 University of Ulster, Irlanda do Norte 66 University of Gloucestershire, Inglaterra 67 University of Bradford, Inglaterra 68 University of Hertfordshire, Inglaterra 69 University of Brighton, Inglaterra 70 Bath Spa University, Inglaterra 71 University of Central Lancashire, Inglaterra 72 De Montfort University, Inglaterra 73 Edge Hill University, Inglaterra 74 Sheffield Hallam University, Inglaterra www1.aston.ac.uk www2.hull.ac.uk wwwm.coventry.ac.uk

57 75 University of Winchester, Inglaterra 76 Birmingham City University, Inglaterra 77 University of Sunderland, Inglaterra 78 Cardiff Metropolitan University (UWIC), País de Gales 79 Nottingham Trent University, Inglaterra 80 York St John University, Inglaterra 81 Glasgow Caledonian University, Escócia 82 Bournemouth University, Inglaterra 83 Queen Margaret University, Edinburgh, Escócia 84 Edinburgh Napier University, Escócia 85 Canterbury Christ Church University, Inglaterra 86 Roehampton University, Inglaterra 87 Teesside University, Inglaterra 88 University of Bedfordshire, Inglaterra 89 University of Derby, Inglaterra 90 Middlesex University, Londres, Inglaterra 91 University of Salford, Inglaterra 92 University of Greenwich, Londres, Inglaterra 93 University of Worcester, Inglaterra 94 Liverpool John Moores University, Inglaterra 95 University of Glamorgan, País de Gales 96 University of Westminster, Londres, Inglaterra 97 University of Cumbria, Londres, Inglaterra 98 University of Northampton, Inglaterra 99 Staffordshire University, Inglaterra 100 Kingston University, Inglaterra 101 Manchester Metropolitan University, Inglaterra 102 University for the Creative Arts, Inglaterra 103 Leeds Metropolitan University, Inglaterra 104 Buckinghamshire New University, Inglaterra 105 Anglia Ruskin University, Inglaterra 106 University of Wales, Newport, País de Gales 107 University of the West of Scotland, Escócia 108 University of West London, Londres, Inglaterra 109 London South Bank University, Londres, Inglaterra 110 University of Abertay Dundee, Escócia 111 Southampton Solent University, Inglaterra 112 University of Bolton, Inglaterra 113 London Metropolitan University, Londres, Inglaterra www3.cardiffmet.ac.uk www2.gre.ac.uk www2.mmu.ac.uk

58 contagem regressiva Na reta de chegada Nesta fase, a ansiedade já tomou conta e começam os preparativos tanto para os estudantes de primeira viagem quanto para os que não se cansam de voltar às terras britânicas Instituição e curso escolhidos, planos feitos. É chegado o momento de preparar a documentação para entrar no Reino Unido. Primeiramente, o estudante precisa ter um passaporte válido e com data de vencimento superior a seis meses. Depois, é hora de tirar o visto. Há dois tipos de vistos para estudantes internacionais que são de fora da Área Econômica Europeia (EEA): o Adult Student (destinado a alunos com mais de 16 anos) e o Child Student (para estudantes de quatro a 17 anos). Apenas para quem tem mais de 18 anos de idade, deseja fazer um curso de longa duração e trabalhar no Reino Unido exige-se uma avaliação baseada em pontos, o Points Based System. Será necessário marcar 40 pontos para que seu visto seja concedido. Esses pontos incluem: 30 pontos do CAS (Certificate of Acceptance for Studies), que traz informações sobre você, sua instituição de ensino, seu curso e suas finanças; e dez pontos da comprovação de fundos suficientes para cobrir as despesas do curso e do custo de vida mensal por pelo menos nove meses. Nesse caso, é imprescindível apresentar uma comprovação bancária, confirmando não só o valor referente ao custo médio anual do curso, mas o montante para se manter no país escolhido. A comprovação pode ser feita com a apresentação de uma evidência de fundos que

59 57 Riqueza história e paisagens belíssimas podem ser vistas do observatório da torre do Lincoln Castle FOTO: VisitBritain / Tony Pleavin pode ser um extrato de conta bancária ou uma caderneta de poupança ou uma carta datada e assinada por uma instituição financeira afirmando que você é o titular da conta, o número da conta e o extrato de movimento desta conta por um período não inferior a 28 dias. Todos os documentos devem ser originais e com versões traduzidas para o inglês, preferencialmente por um tradutor profissional. O custo para solicitar o pré-visto é em torno de 220 libras. No caso de estudantes com bolsa de estudos, é necessário fornecer uma carta de confirmação quando for preencher a aplicação para o visto. O documento deve ser oficial, de papel timbrado e com o logotipo da organização que está concedendo o financiamento. O documento deve conter também o nome do estudante, nome e contatos do seu financiador oficial, data, duração do financiamento, quantia de dinheiro que você tem ou uma declaração de que o seu financiador oficial vai cobrir todas as taxas e custos de vida. O estudante que optar por uma graduação ou pós-graduação no Reino Unido poderá permanecer no país durante toda a duração de seu curso, com o acréscimo de até quatro meses. Em cursos com nível abaixo desses (por exemplo, cursos de inglês), a permanência máxima no Reino Unido é de até três anos. Importante: escolha o curso e a instituição antes de tirar o visto. Se optar por mudar o local de estudo, precisará de uma nova permissão para mudar de curso. Também será cobrada uma taxa de 357 libras caso o novo curso dure mais do que o previsto para ficar no país. É possível prolongar sua estadia no Reino Unido, seja para estudar ou viajar. Entretanto, você precisará passar novamente pela avaliação baseada em pontos, que devem ser superiores a 40. A prorrogação do visto custa de 357 libras (por correio) ou 565 libras (pessoalmente).

60 contagem regressiva O histórico castelo de Leeds fica situado a sudeste de Maidstone, no condado de Kent FOTO: VisitBritain / Craig Easton Documentos necessários para requerer o visto de estudante para o Reino Unido: Passaporte válido atual; Passaporte anterior vencido (se você tiver um); Confirmação impressa da sua entrevista (se for relevante veja abaixo); Formulário de requerimento preenchido, assinado e datado; Comprovante impresso de submissão online do formulário de requerimento do visto; Documentos de apoio (devem incluir os originais, cópias e traduções): Certificado de patrocínio (sponsorship) através de uma instituição educacional, carta da escola confirmando o curso e CAS (certificado de aceitação de estudos); Comprovante de renda do estudante ou do responsável pelo estudante extrato bancário de, no mínimo, 28 dias; Certificado de inglês nível pré-intermediário (mínimo recomendado); Comprovante de acomodação; Informação biométrica (foto e impressão digital); Duas fotos recentes (35 mm largura x 45 mm altura) em cores. As fotos devem ter o fundo cinza claro ou creme, em foco, com boa qualidade, sem sombra. Informações oficiais e atualizadas a respeito da solicitação do visto de estudante para o Reino Unido estão disponíveis em: Informações importantes Antes de viajar para o Reino Unido, o estudante que estiver fazendo tratamento médico ou for portador de necessidades especiais precisará levar todas as receitas médicas atuais e um relatório médico (traduzido para o inglês) com dados sobre medicação, condições atuais e assistência necessária. Esses documentos devem ser levados na bagagem de mão, pois podem ser solicitados antes de passar pela imigração; 58 Estudantes que farão um curso com duração mínima de seis meses têm direito a tratamento gratuito ou subsidiado pelo Reino Unido no Serviço Nacional de Saúde (NHS). Para descobrir se você tem direito aos serviços do NHS no Reino Unido, visite o site Department of Health (www.dh.gov.uk/en). Caso não tenha direito a tratamento pelo NHS, é preciso fazer um seguro de saúde para estudante internacional antes de deixar o Brasil.

61 Planejando as finanças O planejamento de um curso no exterior deve levar em conta não apenas o valor do estudo em si, mas também contas de serviços públicos, impostos municipais, alimentos, livros, equipamentos e uma vida social. No planejamento, a instituição de ensino pode ajudar o aluno a calcular os custos, fornecendo valores de alojamento, refeições e o custo de vida na região onde você vai morar. Estudantes com mais de 18 anos talvez precisem pagar o Imposto Municipal, destinado a serviços da comunidade local, tais como polícia, bombeiros, iluminação pública etc., e seu valor varia de acordo com a região do Reino Unido. Para quem divide dormitório com outras pessoas, a taxa é isenta. Uma ou mais televisões em casa também demandam custos. Uma taxa anual de 140 libras será cobrada da moradia de estudantes, que podem dividir os custos entre si. Administrando seu dinheiro Fazer o dinheiro render no exterior não é tarefa fácil. Por isso, é necessário ter em mente algumas regras para administrar os gastos e, assim, evitar situações constrangedoras. A primeira dica é colocar as contas em débito automático. Essa opção permite a criação de planos de pagamento com os fornecedores dos serviços públicos ou a compra de cartões pré-pagos que você pode inserir em seu medidor de gás e eletricidade. O site Uswitch (http://www.uswitch.com) compara preços de serviços públicos de diferentes fornecedores do Reino Unido. Administrar as finanças no período de estudos no Reino Unido é mais fácil com a abertura de uma conta bancária. A dica aqui é abrir a conta em um banco próximo ou dentro do campus. Alguns documentos são necessários para abrir a conta, tais como passaporte, carta de aceitação da sua instituição de ensino, comprovante de endereço no Reino Unido e referências de seu banco no Brasil. Antes de viajar, pergunte ao seu banco no Brasil qual é a melhor forma para transferir dinheiro, como funciona uma conta bancária lá e se o banco possui relacionamento com bancos do Reino Unido. Outra questão importante é se será possível usar cartões daqui em caixas eletrônicos do Reino Unido. Estudantes possuem muitos descontos no Reino Unido. Você pode viver sem gastar muito, com condições especiais na compra de livros, música, moda, filmes e jantares, por exemplo. O NUS extra card, destinado a pessoas com mais de 16 anos e que estudam em uma instituição afiliada ao programa, custa 10 libras e oferece uma vasta gama de descontos, incluindo alimentos e bebidas, cinema, roupas, música e DVDs, entre outros, com a possibilidade de ser sorteado e ganhar vários prêmios. O que levar na mala? Um drama vivido pela maioria dos estudantes certamente é o momento de arrumar as malas. O que levar? Levo roupas de frio ou calor? E se minhas roupas não forem suficientes? O importante nessa hora é pensar no que será útil e o que poderá ser adquirido lá. Em uma viagem para o Reino Unido, cada pessoa tem direito a levar duas malas de 32 kg cada e uma mala de mão de, no máximo, 5 kg. Uma dica importante na hora de escolher a mala ideal é verificar se ela possui zíper com um compartimento que pode ser aberto, aumentando, assim, seu tamanho. Sacos a vácuo também são úteis para arrumar as roupas, que ficam perfeitamente organizadas dentro da mala. A mala de mão deve conter todos os documentos necessários para sua viagem que serão pedidos no momento da imigração, além de uma troca de roupa completa para o caso de sua mala ser extraviada. Potinhos com xampu, remédios, hidratante e uma pasta de dente também são úteis. Eletrônicos como notebook, tablet, celular, etc. devem ser levados na bagagem de mão. 59

62 a vida no reino unido You may say I m a dreamer, but I m not the only one Vista do cais de Newcastle e de Sage Gateshead ao entardecer, na Inglaterra

63 61 Quando o cantor John Lennon, compositor de Imagine, escreveu essa frase, também se acreditava um sonhador. Mas não estava só. Hoje, milhares de outros jovens, estudantes brasileiros, também carregam o sonho de estudar, morar e experimentar um lugar cheio de história, tradição e contemporaneidade. E esse lugar é o Reino Unido! Tudo começa meses antes do início do curso. A parte mais demorada e que exige o máximo de cuidado é a pesquisa por universidades e por cursos. É só a partir daí que se chega, nas datas corretas, ao application, uma espécie de inscrição, uma sinalização para a universidade de que você está interessado nela. O próximo passo é segurar a ansiedade e esperar cerca de dois meses pela welcome letter, o documento que diz: sim, você foi aceito. A partir disto começa a correria com pagamento integral do curso, documentação, passagem, visto, acomodação etc. Portanto, antes de sair do Brasil e aventurar-se na terra da Rainha, saiba muito bem o que você quer e faça um planejamento detalhado de todos os itens: da escolha do curso à alimentação diária. embarque tranquilo Várias companhias aéreas fazem a rota Brasil-Reino Unido. Pesquise as empresas, os valores, os voos diretos ou com escala, o tempo de viagem e o peso permitido da bagagem. Para evitar problemas, como já visto no capítulo anterior, leve na bagagem de mão uma troca de roupa, os documentos exigidos pela alfândega e pela faculdade, o dinheiro já em libras, um cartão de crédito internacional ou os cheques de viagem (travelers checks). Uma dica é tirar uma cópia autenticada no Brasil de todas as páginas do seu passaporte e guardá-las separadamente. Em caso de perda, extravio ou roubo, você tem como comprovar as suas informações à embaixada ou à polícia. Não se esqueça de etiquetar tudo. Em caso de perda, comunique imediatamente aos funcionários da companhia aérea. FOTO: VisitBritain / Rod Edwards Companhias aéreas British Airways (direto) Lufthansa (escala) Iberia (escala) Air France (escala) Tap (escala) Alitalia (escala) KLM (escala) TAM (direto e com escala) Tempo de viagem: se o voo for direto, a viagem leva em torno de 13 horas. Já se você optar por um voo com escalas, a sua chegada a Londres pode variar muito. O fuso horário é de mais três horas

64 a vida no reino unido Mais um arranha-céu da cidade de Londres: o 30 St Mary Axe, de arquitetura moderna, projetado por Norman Foster Vida noturna repleta de opções de entretenimento FOTOs: Mat Wright Money, Money Mais seguro para quem viaja, o cheque de viagem travelers checks é uma moeda, comprada em bancos brasileiros e que pode ser reembolsada pelo banco em caso de perda ou roubo. A diferença é que ele deve ser trocado por dinheiro em uma casa de câmbio na cidade britânica onde você estiver. Advinha quem estampa as notas de libras (lá chamada de pounds)? Sim, a rainha! Sem permitir a entrada do euro, ela está em todas as notas que circulam pela Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte. Para quem vai trabalhar no Reino Unido, é muito importante abrir uma conta bancária para que seu empregador possa efetuar o pagamento de seu salário. Muitas escolas têm convênio com os principais bancos na Inglaterra (Barclays, Halifax, NatWest, Lloyds, HSBC), o que ajuda bastante. Para abrir a conta, você precisará apresentar seu passaporte, um comprovante de endereço, uma carta do empregador e outra da escola. Quem precisar receber dinheiro do Brasil 62 deve ter em mãos um cartão de crédito para saque ou utilizar os serviços de agências que transferem dinheiro de cá para lá, como a LCC, Western Union, SafeTransfer, Go Transfer, entre outras. Em relação à segurança do seu dinheiro, cartões de crédito, dinheiro e cheques de viagem devem ser guardados em local seguro e carregados em bolsos internos ou falsos em suas roupas. Mantenha os telefones dos bancos, da escola e de outras organizações importantes não só na agenda do celular ou do tablet, mas em um bloco de notas. Em solo inglês Normalmente, a porta de entrada do Reino Unido é o Aeroporto Internacional de Heathrow, em Londres, e lá você terá o seu primeiro desafio. Esse aeroporto é o maior e mais agitado de toda a Europa, recebendo voos de todos os continentes. Passaram por ele, em 2012, 69,984 milhões de passageiros. Localiza-se na parte oeste, distante 24 km do centro,

65 FOTO: VisitBritain / Britain on View Música, entretenimento e esportes se reúnem na arena multiuso The O2, em North Greenwich, Londres e conta com estações de metrô, ônibus e táxis. São quatro terminais, sendo que 1, 2 e 3 estão ligados por faixas de pedestre e conectados ao terminal 4 através do trem livre Heathrow Express. De lá, há partidas para o País de Gales, para a Escócia e para a Irlanda do Norte. Frente a frente com a imigração Os brasileiros que têm dupla cidadania donos do passaporte vermelho gozam de direitos e usufrutos que os portadores apenas do documento brasileiro não têm. O passe livre na entrada do Reino Unido é um deles. Se você não tem cidadania europeia, prepare-se para apresentar alguns documentos que a imigração exige, entre eles o visto de estudante e a carta da universidade onde você foi aceito. Mais uma etapa foi vencida. Você passou pela imigração, pegou sua bagagem na esteira e, agora, precisa chegar ao seu destino. Ônibus, trens, táxis e metrô ligam Heathrow à área metropolitana de Londres. Conexões de avião ou mesmo de trem levam para os outros países do Reino Unido. Pesquise tudo antes de embarcar e trace um plano. Com a qualidade do transporte público local, você chega a qualquer lugar. Caso opte por pegar um táxi na saída do aeroporto, os cuidados são os mesmos do que ocorre no Brasil, portanto, certifique-se sempre de que é um táxi licenciado. Mais proteção Alguns estudantes internacionais terão que registrar a sua estadia com a polícia local dentro de sete dias de sua chegada ao Reino Unido. O que dita essa obrigatoriedade é o carimbo em seu passaporte, que vai dizer se você deve ou não se cadastrar. Muitas universidades e instituições ajudam a organizar sessões de registro no campus. Para muitos estudantes que já vivenciaram essa experiência, esse registro reforça ainda mais o sentimento de segurança, proteção extra, monitoramento e um bom exemplo de manutenção de registros de imigrantes em casos de emergência. 63

66 a vida no reino unido Sua identidade e informações pessoais são valiosas. Portanto, todo cuidado é pouco ao acessar a internet de computadores públicos, das universidades e dos colleges. Crimes virtuais acontecem em qualquer parte do mundo, então tenha cuidado com acessos à contas bancárias, compras online e trocas de informações nas redes sociais, como o Facebook. Após realizar o acesso, realize a limpeza do seu histórico de navegação e tenha certeza de que as senhas não foram armazenadas. Esperamos que você não tenha nenhum contratempo durante os estudos no Reino Unido, mas caso tenha que contatar a polícia, bombeiros ou ambulância, é só discar 999, gratuitamente, de qualquer telefone. Assim que chegar lá, registre seus bens mais valiosos, incluindo o seu telefone celular, bicicletas e computadores portáteis, gratuitamente, com um serviço que chama Immobilise Phone Crime no site Caso leve seu laptop ou tablet, mantenha-os sempre em locais seguros e anote os números de série dos equipamentos (número IMEI formado por 15 dígitos). Home sweet home Sair da sua casa, de perto da sua família, exige, mais que coragem, planejamento. Mas, para que a experiência seja boa e segura, pesquise antes quais os tipos de acomodação mais próximos da universidade. Saiba que vários deles investem em segurança privada, vigilância e uso de cartões de identificação, privando pela tranquilidade dos seus hóspedes. Antes de decidir, leve em consideração se as instalações são confortáveis, a distância da universidade e do trabalho, se existe acesso fácil aos meios de transporte público e como o bairro é durante o dia e à noite. As opções mais comuns costumam ser: Na própria universidade: em 90% dos casos, as universidades garantem a moradia aos estudantes durante o primeiro ano de curso. 64 É a oportunidade ideal para conhecer pessoas novas e de outros países e fazer amigos; Albergues: uma opção mais em conta e com alta rotatividade de pessoas; Aluguel de kitchenette, casas ou flats: para dividir com várias pessoas. Esta é a opção mais procurada por tornar o aluno mais independente, gastando pouco, já que todas as despesas são divididas. O aluguel deve ser negociado diretamente com uma agência imobiliária ou com o dono da casa, que no Reino Unido é conhecido como landlord. O pagamento do aluguel é semanal e as duas primeiras semanas são pagas logo na entrada como garantia. Esse valor deverá ser devolvido após o término do contrato. Daniela Madureira, que cursa mestrado em Global Media and Transnational Communications na Goldsmiths, University of London, encarou o desafio e, acompanhada do marido, está passando uma temporada no Reino Unido: ao invés de morar em uma residência estudantil, onde normalmente os estudantes têm uma equipe dedicada e todas as contas incluídas no aluguel, optamos por alugar um imóvel. O que nos tornou aptos também a lidar com o mercado imobiliário, os bancos e a contratação de serviços para a casa, orienta a estudante. Virando-se sozinho A Inglaterra é um país com alto custo de vida e você precisará calcular muito bem o dinheiro semanal gasto com alimentação e passagens. No supermercado, provavelmente você fará compras a pé. Leve uma mochila para colocar as compras e trazê-las nas costas. É bem mais fácil e prático do que carregá-las nas mãos. Sistema de saúde Os estudantes estrangeiros de cursos superiores têm acesso aos serviços de saúde pública gratuita no Reino Unido. A própria universidade indica qual o posto de saúde mais próximo.

67 Para o atendimento, tenha em mãos o passaporte para comprovar o visto. Os estudantes podem se registrar no posto de saúde mais perto da universidade ou de sua moradia. As consultas realizadas no posto de saúde são com clínicos gerais que, quando necessário, encaminham o paciente para um especialista que atenda em algum hospital próximo. Para saber informações sobre seguradores, acesse o site da Association of British Insurers, que reúne as principais corretoras de seguros do Reino Unido: Já se uma gripe ou algo mais grave o acometer, fique tranquilo: O sistema de saúde é público National Health Service e tanto eu como o meu marido temos direito a utilizá- -lo, conta Daniela. Quem tinha convênio no Brasil pode estranhar o sistema daqui, pois há diferenças. Eu não tive problemas até agora e fui bem atendida sempre que precisei, completa a estudante brasileira Daniela, que está em Londres. Fachada da loja de departamentos Selfridges, em Birmingham, Inglaterra No início, senti bastante a falta da comodidade proporcionada pelo carro para fazer compras no supermercado, por exemplo. Ter que carregar tudo sozinha a pé, de ônibus ou no metrô me parecia muito desgastante. Aos poucos, eu me acostumei. Na Europa, as pessoas andam muito mais a pé Cintia Abreu Ex-aluna de mestrado em Governança e Gestão do Desenvolvimento no Departamento de Desenvolvimento Internacional da University of Birmingham FOTO: VisitBritain / Pawel Libera

68 a vida no reino unido Imagem clássica de Londres, na Inglaterra: o ônibus vermelho de dois andares na ponte de Westminster com o Big Ben FOTO: VisitBritain / Britain on View O tube, como é chamado o metrô de Londres, completou 150 anos em janeiro de O emaranho de linhas que percorre toda a cidade foi inaugurado em 1863, ligando três estações do norte (Paddington, Euston e King s Cross) ao centro. Atualmente, são 408 quilômetros de vias que formam 12 linhas e 300 estações que levam você a qualquer canto da cidade. Não deixe de pegar um mapa do metrô assim que chegar. Ele orienta você a se locomover não só pelas estações, mas também pelas linhas de ônibus. A bicicleta também é um meio de transporte muito utilizado em diversas regiões do Reino Unido. Há mais de cem mil milhas de ciclovias ou rotas livres onde os britânicos costumam pedalar. Estudantes, trabalhadores e turistas utilizam esse meio de transporte que pode ser próprio ou alugado para garantir uma locomoção tranquila e adequada para chegar ao destino pretendido e apreciar as belezas locais. ônibus de dois andares O transporte público é outro ponto forte do Reino Unido. Confortável, relativamente barato e conveniente de usar, de ônibus, de trem ou de metrô é possível chegar a quase todos os lugares, seja para estudar ou apenas para se divertir e relaxar. Os famosos ônibus vermelhos de dois andares, ícones ingleses, cobrem toda a cidade de Londres e várias outras cidades britânicas. O sistema de passe é parecido com o do metrô, oferecendo opções de passagem individual, diária, semanal e mensal, o que contribui para economizar no orçamento final. Existem várias opções: o ticket de ida e volta, o travelcard, que vale por um dia inteiro, e o Oyster Card, um cartão que pode ser recarregado e que tem uma variação de preços dependendo da periodicidade e das zonas por onde você vai passar. E o melhor: estudantes têm descontos de 30% na recarga do Oyster Card. 66 Na contramão Dirigir em Londres, para quem não está habituado à mão inglesa, pode virar uma aventura. A carteira de habilitação brasileira é valida por um ano a partir do dia em que você chega. Depois disso, será necessária uma permissão britânica. O primeiro passo é pagar uma taxa no correio e obter a Carteira de Motorista Provisória (Provisional Driving License). Com esse documento, você poderá dirigir, porém, precisa estar acompanhado de uma pessoa já licenciada com a carteira britânica por mais de três anos. As informações sobre como obter a licença estão em e sobre como dirigir no Reino Unido em student/info_sheets/driving.php. Assim como o nosso código de trânsito, que dita as regras e traz informações sobre códigos de conduta, infrações e multas, o Reino Unido conta com o The Highway Code.

69 FOTO: VisitBritain / Britain on View O tradicional e popular prato britânico: peixe com batatas fritas Hello, Brazil! Com tanta tecnologia à disposição, a comunicação com o Brasil certamente não será problema. As charmosas e tradicionais cabines telefônicas britânicas estão espalhadas por todos os lugares, basta comprar um cartão telefônico que faça ligações para a América do Sul. Correio e cafés que oferecem internet estão à disposição por todo o Reino Unido. Outra possibilidade interessante é comprar e instalar no seu celular desbloqueado um chip de uma operadora local do país onde você está. Para ligar, é simples: 55 (código DDI do Brasil) + XX (Código DDD da cidade) + Nº de telefone Fish and Chips O peixe com batata frita dos ingleses pode causar certo estranhamento aos brasileiros, acostumados com outra dupla alimentar, o arroz e o feijão, mas é considerado o prato típico do Reino Unido. Barata e rápida de preparar, tempos atrás a iguaria era embrulhada em folhas de papel jornal para ser levada para casa. Tradicionalmente, o peixe empanado e as batatas fritas sempre estiveram presentes na mesa da classe operária britânica. Outros pratos bastante populares são o rosbife e o purê de batatas com salsichas. Como toda boa refeição pede uma deliciosa dessert sobremesa, saiba que as tipicamente inglesas são o pudim de Yorkshire, os muffins, o bolo Eccles, a torta de maçã e o butter pudding. Para acompanhar esses pratos e sobremesas, as bebidas clássicas britânicas são a cerveja e o chá, que pode ser servido com ou sem leite, tomado religiosamente às cinco da tarde. Arrume um emprego Se a carga horária do seu curso permitir e for concedido o visto de estudante, você poderá trabalhar por até 20 horas semanais. Como seu inglês é fluente afinal, você conseguiu nota mínima de 5,5 no IELTS não terá dificuldades para conseguir um emprego. E não precisa ser em restaurantes ou hotéis. As universidades oferecem serviços que vão auxiliar você na conquista do seu primeiro emprego internacional. É uma chance como poucas. Aproveite! Nunca se esqueça, nem quando estiver a pé, que você está em um lugar onde a mão do trânsito é do lado esquerdo, o contrário do que você está habituado para saber mais 67

70 o uk vem até você O encontro das gigantes no Brasil Na Irlanda do Norte, um dos destaques é o suntuoso prédio da Queen s University, em Belfast

71 69 O segundo semestre do ano é especial para quem busca informações e pretende fazer um planejamento para ir estudar no Reino Unido. A UK Universities é uma grande oportunidade de ficar frente a frente com uma universidade britânica e conhecer tudo o que ela pode oferecer. E a edição 2013 da feira promete superar a anterior FOTO: Mat Wright OBritish Council está preparando a 7ª edição da UK Universities, a maior feira de educação britânica no Brasil. Nas versões paulista e carioca, o evento reflete mais do que a experiência única que é estudar no exterior: Há, no mercado, uma necessidade por profissionais completos e globais. Nossa feira reflete essa tendência e traz as oportunidades que o Reino Unido oferece, diz Rodrigo Gaspar, gerente de promoção da educação do British Council no Brasil. Em 2012, a feira reuniu pessoas em São Paulo o dobro do público da feira anterior e 700 no Rio de Janeiro. Essa feira é `simply the best` para os estudantes porque só reúne as pessoas que já estão fazendo suas pesquisas, english speakers etc. Não é uma feira de intercâmbio, esclarece Rodrigo. Os estudantes interessados e que buscam as mais diversas informações vão ter contato com 65 universidades britânicas contra 46 do ano passado, entre elas, a maioria das 25 melhores instituições do Reino Unido, de acordo com o ranking do jornal The Times (veja a lista completa na pág. 53). Além disso, a feira contará com mais de 50 universidades que fazem parte do programa de bolsas do governo brasileiro, o Ciência Sem Fronteiras (leia detalhes sobre este programa na página 42). Os interessados poderão ter informações sobre cursos de graduação, pós-graduação, mestrado, doutorado e MBA, além de conhecer mais sobre áreas tradicionais e inovadoras, como Estudos da Guerra, Gestão do Lixo e Zooarqueologia. Para aprimorar a sua pesquisa por cur- sos e aguçar ainda mais a sua vontade de estudar em terras britânicas, também estão programadas palestras como: Seu Programa de Doutorado e Pesquisa, Como um curso pode prepará-lo para ter sucesso na carreira, Estudando Artes e Design no UK. É uma das melhores oportunidades que você vai ter para entrar em contato direto com as universidades e esclarecer suas dúvidas. Os mais importantes nomes e os 800 anos de tradição da educação britânica marcarão presença na UK Universities Sabor Britânico Os visitantes das feiras, em São Paulo e no Rio de Janeiro, poderão, ainda, ganhar uma pequena amostra do que é estar dentro de uma universidade britânica. Os vencedores de um concurso cultural, que será realizado no evento, vão ganhar passagens aéreas, acomodação e um programa de dez dias dentro de uma universidade. Esse ano, a novidade é que estudantes fora de São Paulo e do Rio de Janeiro também poderão concorrer ao prêmio. Onde e quando? Em São Paulo, a feira acontecerá no dia 19 de outubro de 2013, no Hotel Intercontinental. No Rio de Janeiro, será no dia 21 de outubro de 2013, no Hotel Royal Tulip São Conrado. O link para inscrição estará disponível em setembro no site

72 diário de bordo Uma experiência para a vida toda Foto: Arquivo pessoal Roberta Gregoli na University of Oxford, Inglaterra A experiência de viver em outro país é única e intransferível. Só quem enfrenta todas as etapas da decisão de ir até à formatura sabe medir a sua importância. Novos amigos, outra cultura, aperfeiçoamento da língua e, quem sabe, até uma terceira língua aprendida pela convivência com outros estrangeiros, um curso de peso no currículo e histórias para contar. Essa é a bagagem de quem volta de um curso no Reino Unido. E, para compartilhar suas experiências com você, conversamos com algumas brasileiras vitoriosas que foram estudar no Reino Unido ou que ainda estão lá desfrutando dos encantos do Reino de Elizabeth II.

73 71 Estudar no Reino Unido, sobretudo na Universidade de Oxford, é uma forma única de vivenciar um estilo acadêmico diferente, com recursos e infraestrutura de pesquisa muito diferenciados em comparação ao Brasil. Eu já era proficiente em inglês, mas o inglês acadêmico é uma modalidade bem específica, que requer muita prática. Escrever uma tese em inglês é um desafio à parte e, com certeza, sairei daqui melhor habilitada para escrever artigos acadêmicos em inglês, o que é relativamente raro na academia brasileira. As dificuldades são as já conhecidas: o clima e os choques culturais. O segundo item pesou mais para mim, mas esse é um desafio interessante, que certamente guarda seu lado positivo, já que expande nossa visão de mundo, relativiza conceitos e nos faz rever preconceitos naturalizados pela nossa cultura. Como feminista, minha experiência na Inglaterra foi fundamental. O balanço da vivência de Daniela no Reino Unido é superpositivo: O curso de mestrado, com duração de um ano, me deu a oportunidade de estudar a Comunicação e a Mídia a partir de diferentes pontos de vista, correspondendo ao que eu procurava nas universidades brasileiras e não encontrava. Além de inovadora, a universidade Goldsmiths foi acolhedora. Fiz amigos vindos de todas as partes do mundo. Como vim acompanhada do meu marido, não fiquei morando em uma residência estudantil. Alugamos um imóvel e, apesar das dificuldades inicias, atualmente lidamos bem com as questões burocráticas e com a contratação de serviços básicos. Para mim, outro ponto de destaque é o fácil acesso à cultura. Contamos com uma variedade imensa de eventos gratuitos ou com preços excelentes, como shows, exposições e peças de teatro. Não faltam opções de lazer e entretenimento compatíveis com o nosso orçamento! Encontrei aqui o que não encontrava no Brasil e pude ver a Comunicação de outro ponto de vista A qualidade de vida na Europa, não só na Inglaterra, é incomparável: não é preciso ter carro, você tem acesso à saúde pública de qualidade e a uma vida cultural efervescente Foto: Arquivo pessoal Daniela Madureira fez mestrado em Global Media and Transnational Communications em Goldsmiths, University of London, em Londres

74 diário de bordo Camila Franco Defaveri, delegada em uma Delegacia para o Turista em Porto Alegre, estudou inglês na Mayfair School, em Londres Durante o período de intercâmbio, dividi experiências com estudantes de outras nacionalidades por alguns meses. Esperava alcançar uma fluência no idioma e conhecer alguns países europeus, no entanto consegui muito mais do que isso. Aprendi a me comunicar e ingressei na rotina londrina e, por ter visto de estudante, tive várias experiências interessantes de trabalho, diferentemente das que tinha no Brasil, gerando um fortalecimento pessoal. Com isso, consegui viajar por mais de 20 países, conhecendo muitas culturas diferentes. Sou delegada de polícia da Delegacia para o Turista, em Porto Alegre, e devo isso muito ao ano em que passei em Londres. Por ser fluente em inglês, além de conquistar o cargo que ocupo, tive a oportunidade de ir à Londres em dezembro de 2012 com a delegação de representantes da segurança pública das cidades-sedes de Copa do Mundo. Muitas portas se abrem para aqueles que fazem um intercâmbio como esse. Foto: Arquivo pessoal Ela sempre se encantou pelo Reino Unido, por sua diversidade cultural e pela proximidade com os outros países da Europa. E morou na Inglaterra em dois períodos diferentes: Na primeira vez, morei em Birmingham, por um ano, onde fiz o mestrado em Governança e Gestão do Desenvolvimento no Departamento de Desenvolvimento Internacional da University of Birmingham. Já na segunda, morei em Londres, por cinco meses, quando participei de um programa de pesquisa da Hansard Society, uma organização que tem por objetivo fortalecer a democracia parlamentar e encorajar a participação da população na vida política do país. Dessa vez, além do curso na LSE (London School of Economics and Political Science), fazíamos um estágio no órgão ou entidade relacionado à nossa pesquisa. Além disso, o mestrado no Reino Unido me deixou mais preparada para conseguir participar do programa da Hansard Society alguns anos depois. Antes de ir para a Inglaterra, Cintia levou na bagagem muitas expectativas: crescimento pessoal, cultural e intelectual, e todas foram alcançadas. Cintia Abreu, servidora pública idioma é apenas um O acessório para todos os ganhos na minha vida profissional atual 72 Foto: Arquivo pessoal

75 Sua pesquisa continua! Além das informações publicadas no Guia Estude no Reino Unido, você vai encontrar novidades também nos sites relacionados abaixo: Education UK Brasil Universities UK Visit Britain UK Border Agency FOTO: Mat Wright British Council

76 INNOVATION IS 76 NOBEL PRIZES IN SCIENCE AND TECHNOLOGY Touch Bionics Livingston, Scotland ukti.gov.uk/greatbritain

NApresentação. Como Vender a Imagem da sua Escola

NApresentação. Como Vender a Imagem da sua Escola NApresentação Nesta época de grande concorrência, exposição de marca, novas diretrizes e outras confusões, fica apenas uma certeza: não se tem certeza de nada. Afinal, como fazer uma escola destacarse

Leia mais

Introdução. João Carlos Cruz

Introdução. João Carlos Cruz Introdução Caro Profissional, quando eu tive a iniciativa de criar o site www.novosplanos.com imaginei que pudesse ajudar de alguma forma as pessoas que perdem seus empregos, estão à procura da primeira

Leia mais

VIABILIDADE DE ABERTURA DE UMA EMPRESA NO RAMO DE BELEZA E ESTÉTICA

VIABILIDADE DE ABERTURA DE UMA EMPRESA NO RAMO DE BELEZA E ESTÉTICA Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis VIABILIDADE DE ABERTURA DE UMA EMPRESA NO RAMO DE BELEZA E ESTÉTICA Andréa Gomes de Oliveira Belo Horizonte 2011 Andréa Gomes de

Leia mais

30º. Programa Ciência Sem Fronteiras

30º. Programa Ciência Sem Fronteiras 30º Programa Ciência Sem Fronteiras Caros (as) Leitores (as) O Café com Sustentabilidade da FEBRABAN acaba de completar 30 edições. Lançado em 2007, o evento reúne representantes dos bancos associados,

Leia mais

Por que deixar a empresa quando tudo indica que o melhor é ficar?

Por que deixar a empresa quando tudo indica que o melhor é ficar? Por que deixar a empresa quando tudo indica que o melhor é ficar? Cléber Jorge de Mello Silva Adriane Vieira Faculdade de Estudos Administrativos - Fead RESUMO A temática desse artigo está inserida no

Leia mais

Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097. Um Projeto a partir de uma Lei

Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097. Um Projeto a partir de uma Lei : Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097 Um Projeto a partir de uma Lei A proposta de construir a Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei

Leia mais

»Educação. para o trabalho: Desenhando um sistema que funcione. McKinsey Center for Government

»Educação. para o trabalho: Desenhando um sistema que funcione. McKinsey Center for Government »Educação para o trabalho: Desenhando um sistema que funcione McKinsey Center for Government 2 Educação para o trabalho: Desenhando um sistema que funcione Autores 3 AUTORES Mona Mourshed Diana Farrell

Leia mais

A ECONOMIA CRIATIVA: UM GUIA INTRODUTÓRIO

A ECONOMIA CRIATIVA: UM GUIA INTRODUTÓRIO No mundo inteiro se concebe a economia criativa como uma parte determinante e crescente da economia global. Os governos e os setores criativos estão dando cada vez mais importância ao papel que ela desempenha

Leia mais

MULTIPLICANDO BEM-ESTAR

MULTIPLICANDO BEM-ESTAR Sergio Buaiz MULTIPLICANDO BEM-ESTAR Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária Com prefácio de Seu nome Chance! Network MULTIPLICANDO BEM-ESTAR Considerando que

Leia mais

Demandas de Aprendizagem de Inglês no Brasil Elaborado com exclusividade para o British Council pelo Instituto de Pesquisa Data Popular

Demandas de Aprendizagem de Inglês no Brasil Elaborado com exclusividade para o British Council pelo Instituto de Pesquisa Data Popular Demandas de Aprendizagem de Inglês no Brasil Elaborado com exclusividade para o British Council pelo Instituto de Pesquisa Data Popular TeachingEnglish Demandas de Aprendizagem de Inglês no Brasil Elaborado

Leia mais

Viagem ao Mundo do Empreendedorismo

Viagem ao Mundo do Empreendedorismo Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 2 Rita de Cássia da Costa Malheiros Luiz Alberto Ferla Cristiano J.C. de Almeida Cunha Viagem ao Mundo do Empreendedorismo FLORIANÓPOLIS - BRASIL - 2005 3 REDAÇÃO Rita

Leia mais

PARA QUE SERVE A AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO. A VISÃO DA CAPES.

PARA QUE SERVE A AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO. A VISÃO DA CAPES. PARA QUE SERVE A AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO. A VISÃO DA CAPES. Renato Janine Ribeiro, Universidade de Sao Pablo O texto que se segue reúne os artigos que publiquei semanalmente, em 2007, entre 18 de julho

Leia mais

Você sabe (mesmo) ler?

Você sabe (mesmo) ler? Ana Maria Mendez González Você sabe (mesmo) ler? Leitura, o sutil mundo das palavras Edições Anagon Junho 2007 Copyright de Ana Maria Mendez González Primeira edição: julho 2007 Você sabe (mesmo) ler?

Leia mais

empreender Tempo de Saiba quais são os incentivos, programas e serviços a favor do desenvolvimento da pequena empresa Desoneração

empreender Tempo de Saiba quais são os incentivos, programas e serviços a favor do desenvolvimento da pequena empresa Desoneração ANO V / Nº 33 / NOV-DEZ 2012 Tempo de empreender Saiba quais são os incentivos, programas e serviços a favor do desenvolvimento da pequena empresa Compras governamentais Veja como pequenas empresas aumentam

Leia mais

EXCELÊNCIA COM EQUIDADE. As lições das escolas brasileiras que oferecem educação de qualidade a alunos de baixo nível socioeconômico

EXCELÊNCIA COM EQUIDADE. As lições das escolas brasileiras que oferecem educação de qualidade a alunos de baixo nível socioeconômico EXCELÊNCIA COM EQUIDADE As lições das escolas brasileiras que oferecem educação de qualidade a alunos de baixo nível socioeconômico REALIZAÇÃO Fundação Lemann e Itaú BBA PESQUISA E COORDENAÇÃO TÉCNICA

Leia mais

Formação do Instrutor e seus Recursos Uma introdução ao seu conteúdo e usos para Arquivistas e Gestores de arquivos

Formação do Instrutor e seus Recursos Uma introdução ao seu conteúdo e usos para Arquivistas e Gestores de arquivos Formação do Instrutor e seus Recursos Uma introdução ao seu conteúdo e usos para Arquivistas e Gestores de arquivos Margaret Crockett e Janet Foster Tradução: Gak, Luiz Cleber, Gak Igor, e Bellesse, Julia

Leia mais

Educação pública de qualidade: quanto custa esse direito?

Educação pública de qualidade: quanto custa esse direito? Educação pública de qualidade: quanto custa esse direito? B r a s i l 2011 Síntese do CAQi (2010) (valores atualizados conforme PIB per capita de 2010) Ensino fundamental Ensino fundamental no campo Tipo

Leia mais

Que público é esse? formação de públicos de museus e centros culturais

Que público é esse? formação de públicos de museus e centros culturais Que público é esse? formação de públicos de museus e centros culturais Que público é esse? formação de públicos de museus e centros culturais Luciana Conrado Martins (Org.) Ana Maria Navas Djana Contier

Leia mais

J.Wilson Granjeiro A DISCIPLINA DE UM MARATONISTA

J.Wilson Granjeiro A DISCIPLINA DE UM MARATONISTA J.Wilson Granjeiro A DISCIPLINA DE UM MARATONISTA 4ª Edição 2014 06/2014 - Editora Gran Cursos GRANJEIRO, José Wilson. A Disciplina de um Maratonista / José Wilson Granjeiro 4. ed. Brasília: Ed. Gran Cursos,

Leia mais

Riscos e Oportunidades para Crianças e Adolescentes no Futebol

Riscos e Oportunidades para Crianças e Adolescentes no Futebol A INFÂNCIA ENTRA EM CAMPO Riscos e Oportunidades para Crianças e Adolescentes no Futebol Salvador, 2014 APOIO REALIZAÇÃO REALIZAÇÃO CEDECA Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Yves de Roussan Coordenador

Leia mais

A C pa. do Mundo. 15 km. País se prepara para sediar o maior evento do planeta, que irá abrir oportunidades de negócios. Perfil do Consumidor

A C pa. do Mundo. 15 km. País se prepara para sediar o maior evento do planeta, que irá abrir oportunidades de negócios. Perfil do Consumidor ANO V / Nº 32 / set-out 2012 A C pa do Mundo É NOSSA 15 km País se prepara para sediar o maior evento do planeta, que irá abrir oportunidades de negócios Mudanças Radicais Itaquera, na Zona Leste da capital,

Leia mais

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado Franquias 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado 1 Índice 1. FRANQUIAS a. O Sistema de Franquias 1. Conhecendo o sistema 2. Quais os principais termos utilizados 3. Franquia x Licenciamento

Leia mais

ISBN 978-85-99362-63-1 9 7 8 8 5 9 9 3 6 2 6 3 1 capaaberta3b.indd 1 7/6/11 3:47 PM

ISBN 978-85-99362-63-1 9 7 8 8 5 9 9 3 6 2 6 3 1 capaaberta3b.indd 1 7/6/11 3:47 PM use SUA MENTE Como desenvolver o poder do seu cérebro 1 2 Use sua mente Tony Buzan use SUA MENTE Como desenvolver o poder do seu cérebro 3 Use sua mente Título original: Use your head Edição original em

Leia mais

Árvores não crescem até o céu

Árvores não crescem até o céu ESPECIAL PETER DRUCKER Árvores não crescem até o céu Em sua última, inédita e exclusiva entrevista a HSM Management, Peter Drucker afi rma que muitas empresas precisam entender que não conseguirão crescer

Leia mais

DICAS PRÁTICAS PARA QUEM PENSA EM INVESTIR NUMA FRANQUIA

DICAS PRÁTICAS PARA QUEM PENSA EM INVESTIR NUMA FRANQUIA Marcelo Cherto PRESIDENTE DO GRUPO CHERTO www.cherto.com.br www.franchisestore.com.br DICAS PRÁTICAS PARA QUEM PENSA EM INVESTIR NUMA FRANQUIA O emprego é um animal em extinção Some-se à Globalização

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE VENDAS

COMO ELABORAR UM PLANO DE VENDAS COMO ELABORAR UM PLANO DE VENDAS COMO ELABORAR UM PLANO DE VENDAS 3 4 2007 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais Nenhuma parte ou todo desta publicação poderá ser reproduzido -

Leia mais

NMC. Horizon Report > Edição Ensino Superior 2013

NMC. Horizon Report > Edição Ensino Superior 2013 NMC Horizon Report > Edição Ensino Superior 2013 O NMC Horizon Report é uma fonte imparcial de informação que ajuda líderes da educação, administradores, responsáveis políticos e outros a compreender facilmente

Leia mais

Para otimizarmos o tempo e conseguirmos falar com o maior número de pessoas obtendo melhores resultados, seguem algumas dicas:

Para otimizarmos o tempo e conseguirmos falar com o maior número de pessoas obtendo melhores resultados, seguem algumas dicas: O que é melhor: prospectar por telefone ou visitar pessoalmente? por André Santos A resposta para essa pergunta dependerá muito do tipo de produto ou serviço que você comercializa e do ramo de atividade

Leia mais

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 2 C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional Por que investir em Comunicação Interna PREFÁCIO Em pouco mais

Leia mais