J.Wilson Granjeiro A DISCIPLINA DE UM MARATONISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "J.Wilson Granjeiro A DISCIPLINA DE UM MARATONISTA"

Transcrição

1 J.Wilson Granjeiro A DISCIPLINA DE UM MARATONISTA 4ª Edição 2014

2 06/ Editora Gran Cursos GRANJEIRO, José Wilson. A Disciplina de um Maratonista / José Wilson Granjeiro 4. ed. Brasília: Ed. Gran Cursos, p. ISBN: 1.Brasil: A Disciplina de um Maratonista. Título. CDD 9999 Presidência: José Wilson Granjeiro Diretoria Executiva: Ivonete Granjeiro Conselho Editorial: José Wilson Granjeiro Ivonete Granjeiro Bruno Pilastre João Dino Gerência de Produção: Samyra Campos Gerência Administrativa: Eliete Ribeiro Supervisão de Produção: Geisiane Novais Diagramação: Washignton Nunes Chaves Revisão: Sabrina Alencar / Vittor Azevedo Capa: Pedro Wgilson Granjeiro Editora Gran Cursos SIG Quadra 06, Lote n. 1435, Brasília-DF Cep.: Tel.: (61) TODOS OS DIREITOS RESERVADOS De acordo com a Lei n , de , nenhuma parte deste livro pode ser fotocopiada, gravada, reproduzida ou armazenada em um sistema de recuperação de informações ou transmitida sob qualquer forma ou por qualquer meio eletrônico ou mecânico sem o prévio consentimento do detentor dos direitos autorais e do editor.

3 Dedico este livro a minha família. Minha lição maior de vida. Minha motivação maior para tudo. A vocês Ivonete, Matheus e Gabriel, dedico não só mais este livro, mas toda a minha vida já que vocês são a razão dela. Amo vocês. Aos concurseiros, que são minha motivação pessoal. Ajudálos a conquistar uma carreira de sucesso, vencer seus desafios diários, suas angústias, seus medos, suas derrotas - pois haverá muitas! -, esse é o propósito deste livro de lições de vida e esperança. Aos corredores - amadores, profissionais -, que são boa parte de minha esperança de um mundo melhor. Sem eles, este livro seria sem propósito. Fui um aluno exemplar de seus ensinamentos e hoje deixo minha contribuição para os que desejam começar a correr ou entrar na fila por uma vaga no serviço público.

4

5 Agradecimento Especial A Deus, que me dá força e sabedoria para enfrentar os desafios e resolver os problemas - pequenos e grandes - com a melhor solução e sem cometer injustiças.

6

7 Homenagem Ao meu pai, Seu Zuza (in memorian), nordestino, homem bom, trabalhador, rendo aqui minha homenagem sem jamais esquecer do que me foi ensinado, tampouco o que me foi pedido. Sua memória é um norte em minha vida, pois me legou os atributos do respeito pelas pessoas, da humildade, da generosidade, da paixão pelo trabalho, do saber ouvir e da gratidão.

8

9 Ninguém jamais alcança um sucesso muito notável simplesmente fazendo o que se exige dele; é o grau de excelência do que está além do exigido que determina a grandeza. Charles Kendall Adams

10

11 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO, POR TONINHO POP...15 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA I...19 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA II...23 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA III...25 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA IV...29 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA V...33 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA VI...37 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA VII...41 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA VIII...45 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA IX...47 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA X O ATLETA E O SÁBIO...49 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA XI UM BRASILEIRO NA MARATONA DE NOVA IORQUE...53 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA XII O SONHO VIROU REALIDADE...57 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA XIII O MESTRE E A DISCÍPULA...61 DISCIPLINA DE UMA MARATONISTA XIV DETALHES...65 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA XV CORRA!...69 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA XVI...73 DISCIPLINA DE UM MARATONISTA XVII PREPARAÇÃO EXTREMA...77 DISCIPLINA É TUDO...81 O CONCURSEIRO E O BODE EXPIATÓRIO...85 MOTIVAÇÃO É O SEGREDO...87 NUNCA DESISTA DOS SEUS SONHOS...89 UMA CONVERSA DE CONCURSEIRO...93 CONCURSEIRO PROFISSIONAL...97 DEZ PASSOS PARA SER APROVADO EM CONCURSO PÚBLICO GUIA DE APROVAÇÃO O SEGREDO DO SUCESSO O CONCURSEIRO E O SAPO O CONCURSEIRO E O BAMBU O CONCURSEIRO E O MAMUTE PÍLULAS DE MOTIVAÇÃO ENTRE SONHOS E REALIZAÇÕES QUE TIPO DE COMPETIDOR VOCÊ É? CONCURSOS PÚBLICOS DICAS E MÉTODOS DE ESTUDO PARTE I...127

12 CONCURSOS PÚBLICOS DICAS E MÉTODOS DE ESTUDO PARTE II CONCURSOS PÚBLICOS DICAS E MÉTODOS DE ESTUDO PARTE III A CIGARRA E A FORMIGA CONCURSEIRA A CIGARRA, O PERCEVEJO E A FORMIGA CONCURSEIROS A LIÇÃO DOS ATLETAS OLÍMPICOS PARA OS CONCURSEIROS PROFESSOR GRANJEIRO EM CORDEL ÚLTIMA LIÇÃO O PERFIL DOS PRIMEIROS COLOCADOS O METABOLISMO DOS CONCURSEIROS MULHERES CONCURSEIRAS A FORÇA DO DESTINO ESTUDO INDIVIDUAL X ESTUDO EM GRUPO O CONCURSEIRO, O MARATONISTA E O PATETA NADA SUBSTITUI A PREPARAÇÃO OS APERREADOS PREPARAÇÃO NÃO É TUDO, MAS É 100% É HORA DE ESTUDAR MAJESTOSA CAPITAL FEDERAL DESAFIOS DO CONCURSO PÚBLICO EDUCAÇÃO COMO GARANTIA DE FUTURO DIREITO À EDUCAÇÃO AUTORIZAÇÃO VALE UM EDITAL PROPOSTAS PARA UMA EDUCAÇÃO DE VERDADE A IMPORTÂNCIA DA AUTOMOTIVAÇÃO OS APERREADOS II O PODER DA PACIÊNCIA ATRIBUTOS DOS VENCEDORES RECEITAS DE SUCESSO NO ANO-NOVO FAÇA A COISA CERTA! A IMPORTÂNCIA DO CURSO PRESENCIAL AI QUE MEDO! OS CONCURSEIROS E A SÍNDROME DO URSO POLAR MARAVILHOSAS MULHERES FILMES PARA CONCURSEIROS FELIZ ANIVERSÁRIO, AMADA CEILÂNDIA! A FORÇA DO TRABALHO ÉTICO A FORÇA DO DESTINO CONSELHOS QUE OS CONCURSEIROS NUNCA DEVEM ESQUECER CORRER AUMENTA A INTELIGÊNCIA COMO A MÚSICA PODE AJUDAR NOS ESTUDOS BIBLIOGRAFIA BÁSICA PARA O SUCESSO QUEM TUDO QUER TUDO PERDE AOS MESTRES, COM CARINHO...275

13 É TEMPO DE AGRADECER OS JOVENS PREFEREM O GOVERNO COMO PATRÃO PESQUISA ATESTA IMPORTÂNCIA DOS TESTES PARA OS ESTUDOS ORAÇÃO DE AMOR ÀS MÃES AOS PAIS, TODO O AMOR QUE ELES MERECEM DE OUTUBRO: PARABÉNS, SERVIDOR PÚBLICO! SAIBA O QUE AS PRINCIPAIS BANCAS DE CONCURSOS PÚBLICOS PEDEM NAS PROVAS AS LIÇÕES DA CASA DOS MIL ESPELHOS AI SE EU ME EMPREGO (NO BB) SE VOCÊ QUER PASSAR, SAIBA O QUE LER UMA HISTÓRIA QUE SERVE DE LIÇÃO PARA TODA A VIDA O PODER DO PENSAMENTO POSITIVO NA VIDA DE UM CONCURSEIRO PENSE POSITIVO E VEJA O RESULTADO AUTOCONHECIMENTO: A CHAVE PARA SER BEM-SUCEDIDO VIDA DURA DE CONCURSEIRO. VIDA BOA DE CONCURSADO!!! MAIS SEGURANÇA PARA A POPULAÇÃO DO DF O MUNDO DOS CONCURSOS EM NÚMEROS COMO O CONCURSO PÚBLICO MUDOU A MINHA VIDA SEJA JUSTO E CONQUISTE SEU CARGO PÚBLICO NO DIA D, SAIBA COMO SEU CÉREBRO DEVE TRABALHAR QUER PASSAR EM CONCURSO PÚBLICO? DURMA BEM! CONHEÇA O PERFIL DOS NOSSOS SERVIDORES PÚBLICOS CUIDADO COM O TAF. NINGUÉM PODE FUGIR DA PROVA! ACREDITE: O ESTRESSE PODE AJUDAR O CONCURSEIRO QUAL A MELHOR TÉCNICA DE ESTUDO? SAIBA O QUE DIZ A CIÊNCIA DUAS HISTÓRIAS DE SUCESSO PARA INSPIRAR OS CONCURSEIROS AS LIÇÕES DO PAPA FRANCISCO E OS CONCURSEIROS SEJA PERSISTENTE ATÉ CONQUISTAR A CARREIRA PÚBLICA JOVENS SÃO UM FATOR POSITIVO PARA O SERVIÇO PÚBLICO COMO LIDAR COM A PREPARAÇÃO PARA CONCURSO PÚBLICO A CONQUISTA DO SUCESSO EM UMA LIÇÃO O QUE O SÁBIO POLÍBIO ENSINA AOS CONCURSEIROS O QUE PODE FAZER UM CONCURSEIRO FELIZ MÃE CONCURSEIRA, UMA HISTÓRIA DE SUCESSO AS PRECIOSAS DICAS DE UM CONCURSEIRO BEM-SUCEDIDO O SEGREDO DO SUCESSO DOS CAMPEÕES E DOS CONCURSEIROS QUAL É O TAMANHO DA SUA FOME PARA PASSAR NUM CONCURSO PÚBLICO? MELHOR ACRESCENTAR VIDA AOS DIAS DO QUE DIAS À VIDA...461

14

15 A disciplina de um maratonista Apresentação O ANIMADO GRANJEIRO por Toninho Pop Eu tenho uma história legal do Granjeiro. No dia 21 de abril de 2006, quando cheguei para a cerimônia de premiação de Jornalistas, realizada pela TV Brasília, encontrei o Granjeiro. Ele me perguntou: De onde você vem tão engomadinho? Tava correndo a maratona, tomei um banho e tô aqui pra prestigiar o evento, respondi. E ele falou: Como assim correu? Pois é, bicho! Sou um GTI Gatinho da Terceira Idade, um atleta Máster. Ele riu. E eu disse: Eu corro quase todos os dias no Parque da Cidade e também nessas corridinhas organizadas de final de semana, só pra ganhar medalha; chego lá entre os velhotes. É só pra manter a forma. Ele riu mais ainda. E me disse: Estou precisando voltar a praticar esportes. Vou correr com você amanhã. Que horas você corre? Às sete. No dia seguinte, confesso que não lembrava mais da conversa; estava me alongando no parque, quando alguém me cutucou. E aí? Era o Granjeiro, com seus quase 100 quilos, todo animado e vestido para correr. Foi então que tudo começou, pelo menos nessa nova fase. Corremos a volta menor de 4 km. 15

16 A Disciplina de um maratonista No outro dia nos encontramos novamente; ele sempre animado. E então corremos os 6 km. Passei uma semana sem ir ao parque. Quando voltei, lá estava o Granjeiro, animado. Nesse dia, nos encontramos no Pará, o Velho Jorge que tem uma banca de frutas. O Granjeiro já estava lá, animado e enturmado. Deixou as chaves do carro aos cuidados do Pará, de quem já estava íntimo e tinha até uma conta (pendura) aberta, e lá fomos nós. Nesse dia eu vi os cabelos do carpete arrepiarem. O homem, como sempre, motivado, me chamou pra correr os 10 km. Passei mal só de pensar; afinal, o meu treino durante a semana não ultrapassava os 6 km. Fizemos o percurso conversando e nem vi o tempo passar. Foi ótimo. Depois disso, acompanhei-o de longe. Tá doido! O homem tomou gosto pela coisa. Animado, sempre. Dois meses se passaram e encontrei o Granjeiro com uns 14 kg a menos. E como sempre, animado! Já era um atleta de competição, com equipe montada e tudo mais. O resto da história, vocês já sabem... Organização de provas (corrida 10 km do Obcursos atual Gran Cursos), Maratona de Nova Iorque, Volta da Pampulha, São Silvestre e mais outras tantas maratonas em Brasília, no Brasil e no mundo. Esse é o Granjeiro: determinado, competitivo, disciplinado, mas acima de tudo, AMIGO. 16

17 J.W.Granjeiro J.W. Granjeiro, antes de iniciar sua jornada como maratonista, com 108 kg (novembro/2005). 17

18 A Disciplina de um maratonista 18

19 J.W.Granjeiro Disciplina de um maratonista I Acordei determinado. A partir daquele dia, realizaria mais um de meus sonhos. Eram seis horas da manhã, quando me preparava para encarar mais um desafio. Meu ritmo de trabalho já era bem árduo, mas nada que muita disciplina e determinação não pudessem superar. Comecei a procurar uma boa ajuda profissional e uma instituição com tradição, pois acreditava que, com professores altamente especializados, meu objetivo seria atingido em um prazo mais razoável. Até porque eu estava convencido de que me preparando de véspera, como muitos dizem e fazem, estaria longe do ideal para alcançar meu objetivo. Não pensei que apenas isso fosse o suficiente. Então, montei um plano. Passei a cumprir rigorosamente a tarefa que meus professores me recomendavam; investi em materiais para aumentar meu desempenho; alterei minha dieta (afinal, meu corpo teria que estar a meu favor); conversei com algumas pessoas e li muito sobre o assunto para obter experiência. Além disso, fora das aulas, fazia um trabalho de condicionamento progressivo. Teria que ter fôlego, muito fôlego. Chegou, então, a hora de testar meus limites. Até onde eu poderia chegar? Será que daria conta? Além da cobrança que fazia a mim mesmo, havia prometido a minha família que conseguiria. Eu não poderia decepcioná-la. Foi então que, após oito meses de muita preparação, tomei coragem para fazer a minha primeira inscrição em uma prova. A 1ª Corrida do Coração, com mais de dois mil competidores e um nome bem sugestivo. Seria meu primeiro desafio, após 25 anos sem me dedicar ao esporte e, mais especificamente, às corridas de longa distância. Antes disso, eu era um daqueles atletas de final de semana, que jogava uma partidinha de tênis a cada quinze dias, fazendo algumas caminhadas leves pela manhã. 19

20 A Disciplina de um maratonista Chegou o grande dia. Eu já tinha planejado uma estratégia bem definida do meu percurso. Agora era para valer. Começou a corrida. Ao longo do trajeto, vi algumas pessoas desistindo. Confesso que também quis desistir em vários momentos, mas tinha que dar o exemplo; precisava chegar ao final da prova. Era um compromisso e decidi cumpri-lo. Após algumas subidas e descidas, ao longo do percurso de 10 km, que por um erro da organização foi elevado para 12,6 km, já esgotado, um aluno se aproximou e bateu em meu ombro: professor, o senhor está tão bem quanto a sua escola. E me convidou para continuar o trajeto em sua companhia, incentivando-me e fazendo questão de que chegássemos juntos, apesar de ele ter mais fôlego naquele momento. Minha pretensão não era de chegar em primeiro lugar. Por esse motivo, alcançar a 601º classificação geral e a 113º em minha faixa etária foi uma grande vitória. Pude testar meus limites. Isso me trouxe um grande estímulo para que pudesse melhorar ainda mais os meus resultados. Na corrida de Duque de Caxias, realizada no dia 27 de agosto, obtive uma classificação ainda melhor: 475º na classificação geral e 101º em minha faixa etária. Dentro de meus limites e em minha categoria, pretendi alcançar as primeiras colocações. Meu próximo objetivo foi a São Silvestre, que aconteceu no final do ano. Superado mais esse obstáculo, vislumbrei-me chegar ao final da Maratona de Nova Iorque. A cada dia me superava e ficava mais perto de meu objetivo. Você também pode se ver cada dia mais perto de alcançar aquele tão desejado cargo público. Use os exemplos de determinação e disciplina que lhe cercam. Volte ao início do texto e lembre que uma boa ajuda profissional em uma escola de tradição e premiada poderá lhe auxiliar. Contar com professores de renome pode ser de grande valia. Investir em bons materiais gerais e específicos para concursos públicos melhora o seu desempenho. Não seja um atleta de final de semana, e sim um concursando com hábitos diários de estudo. O ritmo é essencial. Encontre um local reservado, calmo e silencioso, para que você possa se concentrar nos seus estudos. Faça simulados regularmente, a fim de testar 20

21 J.W.Granjeiro seus limites. A disciplina deve ser sua eterna aliada. Faça um compromisso com seus familiares e amigos e conte com o apoio deles. E tenha a determinação de um maratonista. Quero lembrá-lo de que desculpas não são válidas nesta hora, pois são incompatíveis com superação de limites. Use a determinação como sua aliada, deixando de lado os problemas. Pois, embora eu seja empresário, professor do Gran Cursos, Plêiade, Facon, Gran Juris, trabalhe em média 17 horas por dia, tenha uma família com esposa e filhos, que merecem atenção e carinho, escreva livros e ministre palestras, aproveito o máximo do meu tempo para também investir em novos projetos. Racionalize seu tempo. Não diminua o ritmo de estudo e nem abandone seus objetivos. Faça uma boa escolha e permaneça nela até alcançar o sucesso. E que DEUS nos ilumine em nossas trajetórias. J.W.Granjeiro, 86 kg. Corrida de Duque de Caxias-DF (agosto/2006). 21

22 A Disciplina de um maratonista 22

23 J.W.Granjeiro Disciplina de um maratonista II Nos últimos dias, andei pensando sobre meu desempenho. Percebi que, apesar de melhorar a cada dia, ainda cometo alguns erros crassos. Isso mesmo, erros crassos, a falha cometida por Marcus Licinius Crassus em Roma, que tomou a ofensiva na Síria contra os Partos, mas foi derrotado por um erro grosseiro de estratégia militar, que lhe custou a vida. E pude perceber que uma boa estratégia é aquela que pode ser melhorada a cada erro percebido. E, é claro, levada em consideração pelos acertos. Como minha intenção é sempre abrir caminho para o sucesso, quero compartilhar com você, querido leitor, meus acertos e erros, a fim de que possamos crescer juntos nesta trajetória. Antes disso, gostaria de atualizar os resultados de minhas últimas corridas: de 601º para 354º na classificação geral e de 113º para 60º em minha faixa etária. A melhoria na minha colocação em pequenas maratonas tem sido um grande estímulo. Eu diria que inexperiência e imediatismo são erros bastante comuns. Também não posso deixar de falar de acertos, como a determinação, simulação e motivação. Começo falando sobre inexperiência. Na última corrida, fiz um treinamento intenso no dia anterior à prova. Como consequência, no momento do desafio, estava fatigado e estafado. Quase não consegui terminá-la. Essa estratégia equivocada deve ser tomada como exemplo também para aquele aluno que, na véspera da prova, intensifica o estudo ou vara a noite estudando e, diante das provas no dia seguinte, se depara com um inimigo chamado estresse. Dentro de minhas observações, cito e explico o imediatismo: tentar acelerar no início da prova sem estar 23

24 A Disciplina de um maratonista devidamente condicionado. Querer acompanhar os outros corredores que estão em ritmo constante de treino não é uma boa tática. Isso me levou a não conseguir manter o ritmo durante a prova e me faltou o fôlego no final. Você como candidato a uma vaga na carreira pública assim como eu maratonista deve saber que existe uma limitação inicial. É preciso definir sua estratégia e segui-la rigorosamente, sem pressa, sem buscar efeitos imediatos. Adquira segurança para que no final possa dar um sprint. Para você persistir em sua meta, determinação é essencial. Estou mais próximo de meu objetivo. Já realizo a meia maratona de forma bem tranquila: 21 km em menos de duas horas. Agora corro para conseguir fechar os 42 km em menos de quatro horas. Continuo investindo em materiais que me possam auxiliar em meu desempenho. Portanto, não desista nunca e invista em vários livros e apostilas relacionados a concursos, para você otimizar seu tempo e esforço. O Gran Cursos, a Plêiade e a FACON podem ajudá-lo. Bons profissionais e uma instituição com tradição reduzirão o tempo de conquista do seu objetivo. Você deve simular sempre. Ao invés de eu ficar apenas em um percurso, começo a variá-lo. Se a prova que estou me preparando irá acontecer pela manhã, treino naquele horário. Sempre simulando as condições que irei enfrentar, testando terrenos e períodos. O candidato ao concurso deve ter sempre essa preocupação de começar a estudar em locais públicos com certo nível de barulho, pois pode se deparar com a mesma situação no dia do exame. Vivenciar vários tipos de situações é uma importante estratégia. Outra simulação que deve ser levada em conta é com relação ao próprio tempo de realização da prova. Estudar no mesmo tempo de duração da prova, para que o corpo esteja bem preparado para o teste. Sinta-se motivado a continuar progredindo até a obtenção de sua vitória. Aprenda com os erros, as experiências dos outros e não repita táticas equivocadas. E lembre-se: o segredo da aprovação está na preparação com método, muita disciplina e orientação adequada. 24

25 J.W.Granjeiro Disciplina de um maratonista III Sabe aqueles dias em que você se sente desmotivado? Essa sensação já esteve presente em meus treinamentos. Não tinha vontade nem mesmo de sair de casa para ir ao Parque da Cidade ou para outro lugar em que costumava treinar. Logo percebi que, se não me livrasse daquela sensação, minha estratégia estaria arruinada. Para minha sorte, lembrei-me de uma história bíblica. Vou contá-la aqui como forma de estímulo tanto para quem deseja começar quanto para aquele que já está caminhando rumo à conquista de uma vaga no serviço público. Quando eu era mais novo, fazia parte da comunidade de Vicentinos. Eu era presidente da 1ª Conferência de Jovens Vicentinos, em Ceilândia, e nós tínhamos, entre outras atividades, assistência a determinados grupos de famílias carentes. Fazíamos campanhas para arrecadação de alimentos e donativos e, nos finais de semana, aproveitávamos para entregá-los às famílias. Em uma dessas visitas, conheci uma senhora cega que vivia com uma filha ainda pequena. Sempre que ia visitá-la, gostava de ouvir suas sábias histórias. Em suas narrativas, encontrava conhecimentos riquíssimos para formação de uma boa pessoa. Irei reproduzir aqui uma dessas histórias de muita emoção e sabedoria. É um bom exemplo para este momento em que as pessoas estão desanimadas, sem querer começar a estudar, ou adiando a cada dia um novo projeto, como por exemplo, a mudança de carreira. E até mesmo para aquelas que estão acomodadas de alguma forma e acreditam que não vão conseguir obter sucesso em sua nova jornada. A história começa assim: Noé estava no deserto e ouviu uma voz, que afirmava querer falar com ele. Noé ficou assustado por não ver ninguém e perguntou quem gostaria 25

26 A Disciplina de um maratonista de falar com ele. Viu apenas uma luz, que respondeu dizendo ser o seu Senhor Deus, e logo afirmou que tinha uma grande missão para Noé. Essa missão era a construção de uma grande arca e a colocação, em seu interior, de um casal de cada espécie de animal. Ao final, o Senhor Deus mandaria um dilúvio sobre a terra e todos que estivessem dentro da arca estariam salvos. Noé perguntou como iria cumprir essa tarefa sem ferramentas, sem pessoal, sem experiência. Como começaria um grande projeto sem recursos? E as últimas palavras do Senhor foram: comece e eu o ajudarei! Noé reuniu sua família e contou a conversa que teve com o Senhor. A família logo se dispôs a ajudá-lo na feitura da arca, para que sua missão fosse concretizada. A família iniciou sua empreitada com o que possuíam, com os recursos disponíveis naquele momento. Todos os dias o céu azul o inspirava a continuar na realização de um bom trabalho. De forma incansável, eles continuavam em sua meta, em seu objetivo, em seu projeto. Próximo de terminar a sua obra, Noé reuniu os casais de animais e logo percebeu que o tempo começava a mudar, as nuvens se formavam. E a previsão se concretizou. Um dilúvio caiu sobre a terra, obrigando a arca a navegar por um longo tempo, estando Noé, sua família e os animais reunidos, em segurança. Naqueles dias em que estive desanimado, lembrei-me desta lição e voltei com novo fôlego e muita garra para meu trabalho de preparação. Como professor, pai, empresário e em minhas relações pessoais, posso afirmar que não conheço ninguém que tenha obtido sucesso ficando parado. Minha preparação para maratonas tem me mostrado, dia a dia, que, com muita persistência, o sucesso é consequência certa. Os resultados de minha última corrida demonstram isso. Obtive uma melhora considerável em tempo e colocação: de 601º para 209º na classificação geral e de 116º para 33º em minha faixa etária. Posso, com essa história e com a minha experiência de vida, afirmar a 26

27 J.W.Granjeiro importância de três itens para motivá-lo: tenha sempre um objetivo, trabalhe com os recursos disponíveis e comece seu projeto. Avalie suas potencialidades e limitações e saiba aproveitar o apoio dado pela família e amigos. Alguns valores como atitude, disciplina e perseverança devem estar presentes tanto na vida de um maratonista quanto na de um candidato à carreira pública. Comece a se preparar e a estudar, que o Senhor DEUS irá ajudá-lo em sua conquista. 27

28 A Disciplina de um maratonista 28

29 J.W.Granjeiro Disciplina de um maratonista IV Vejo meu ritmo aumentar e meus treinamentos estão mais intensos a cada dia. A motivação em melhorar minha classificação tem me acompanhado nesta semana. Agora, irei encarar meus primeiros desafios fora de Brasília: a VIII Volta Internacional da Pampulha, em Belo Horizonte, e a 82ª Corrida Internacional de São Silvestre, em São Paulo. São duas das principais provas de rua do país. E para mais essas competições, meu lema é manter o foco. Nas últimas semanas, meus treinamentos estão entre 12 e 16 km diários. Aumentei meu ritmo e estou correndo entre 60 e 80 km por semana. Os especialistas afirmam que a média de um bom maratonista está na faixa de 120 km semanais (o nosso Marilson corre em média 200 km por semana). Fico feliz em saber que toda a minha perseverança e alegria em correr vêm contagiando as pessoas que me cercam. Hoje, minha esposa e filhos já correm também. Até mesmo meus coordenadores, funcionários e professores iniciaram-se nesta jornada. E já quero lhe informar que o Obcursos (atual Gran Cursos) está negociando com a CORDF (Corredores de Rua do Distrito Federal) para que a primeira minimaratona da empresa prevista para março do próximo ano entre no calendário oficial de eventos da instituição. É um evento muito aguardado e espero que vire tradição na cidade. Minha intenção é que sejam distribuídos prêmios para atletas, professores, funcionários e alunos. Agora vamos para as dicas! Diferentemente de um maratonista, que deve intensificar o seu ritmo nas últimas semanas que antecedem a prova, o candidato ao cargo público deve reservar esse tempo para uma revisão geral. 29

30 A Disciplina de um maratonista Tenha a humildade de ler os resumos, como se fosse a primeira vez, pois é nesse momento que conseguirá assimilar detalhes importantes e informações preciosas que passaram desapercebidos. O primeiro passo de um maratonista é analisar o regulamento da competição, tais como: percurso, horário, permissões e proibições. Já o candidato, após a escolha de seu cargo e concurso, deve ler o edital de uma forma minuciosa e detalhada, identificando o conteúdo a ser cobrado, o peso de cada disciplina, nota mínina de cada prova, se vale a pena chutar ou não, os critérios de desempate e demais regras do jogo. Engana-se quem pensa que, fazendo isso, está perdendo tempo. Esmiuçar o edital e verticalizar o programa cobrado na prova são essenciais para um bom rendimento. Para uma boa jogada é preciso saber bem as regras. Quer um bom exemplo? Veja o edital recente do TSE. As provas objetivas serão realizadas pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe/UnB), por intermédio de questões de múltipla escolha, com quatro alternativas. Você sabia disso? Provavelmente não. Isso prova que quem não lê o edital corre o risco de preparar-se de maneira errada. Mesmo as instituições organizadoras que já possuem tradição aplicando sempre um tipo específico de avaliação podem mudar de um concurso para o outro, como é o caso do TSE. Fique sempre atento! Outra dica: não se intimide com a concorrência! Na última prova me deparei com mais de três mil corredores, e sei que na Corrida de São Silvestre este número deverá aumentar para mais de 15 mil pessoas. Mas assim como em concurso público, minha experiência demonstra que eu não devo me preocupar com a quantidade, pois desse número, apenas 10% são competitivos, os quais podem dar algum trabalho tanto na corrida quanto na concorrência por um cargo público. Neste último concurso para o TRF, por exemplo, 2,5 mil candidatos disputam uma vaga; no TRE de 30

31 J.W.Granjeiro São Paulo, cerca de pessoas concorriam pela mesma vaga. Desses números, apenas 10% possuem alguma chance de classificação. Há alguns anos esse número já foi menor, quando apenas 5% eram competitivos. O crescimento acontece devido à intensa preparação e à consciência que os candidatos vêm adquirindo. Então, alguns diferenciais podem levar você a uma excelente pontuação, como: um curso de exercícios; uma aula particular; um curso por matéria; um caderno de prova comentado, a frequência a um Gran Dicas etc. Manter o foco e a concentração é essencial para se chegar bem ao objetivo esperado. É preciso vigiar seus passos para que não caia nas armadilhas da desconcentração. Durante meu percurso, pude vivenciar, de perto, essa situação. Após empregar certo ritmo à corrida, comecei a pensar nos meus afazeres e no meu trabalho, e meu desempenho imediatamente começou a cair. Esse fato também costuma ocorrer com o candidato que, durante a sua preparação, perde o cronograma de estudo, ou que, na hora da prova, se desconcentra. Isso pode ser fatal. Em virtude desta queda de concentração, muitos candidatos podem cair nos famosos pegas, errar questões fáceis, ou até perder preciosos minutos do tempo da prova. Não dê vantagem para seu concorrente. Assim como um maratonista, que escolhe as provas das quais pretende participar e nelas obter bons resultados, você deve se manter decidido quanto ao concurso escolhido. Ainda que apareçam seleções com vários atrativos, é preciso concentrar toda sua energia e preparo na prova escolhida. Outras seleções poderão ser feitas apenas para simulação e treino. 31

32 A Disciplina de um maratonista 32

33 J.W.Granjeiro Disciplina de um Maratonista V Iniciarei esta seção atualizando o resultado de minha última corrida a oitava edição da Volta Internacional da Pampulha. Afinal, obtive uma boa marca em meu primeiro desafio fora da cidade: 1.644º na classificação geral. No evento realizado em torno da Lagoa da Pampulha, no último dia 3, em Belo Horizonte, mais de 10 mil pessoas participaram da corrida em um percurso de 17,8 km. Considero essa corrida um marco, pois foi o meu trajeto mais longo em competições e com a participação de feras do esporte. Esse resultado amplia a minha expectativa com relação à Corrida Internacional de São Silvestre. Sinto-me motivado e o meu desejo, de coração, é de que você, concurseiro, pudesse usar a disciplina de maratonista como exemplo para seus estudos. Assim como o hábito de correr traz disciplina e determinação, você também pode transformar o estudo num bom aplicativo para superar limites. Sem falar que tanto a corrida quanto o estudo nos dão resultados que podem ser utilizados para o resto de nossa vida: na saúde, na qualidade de vida, entre outros. Nesta última corrida, fiz uma prova muito tranquila, de maneira bem estratégica, assim como um candidato ao cargo público deve fazer. Não fiquei estressado e percorri todo o trajeto de forma prazerosa, sem nenhum desconforto. Cheguei à frente de pessoas mais preparadas, por conta da estratégia que mentalmente desenvolvi desde o início até o final. Pessoas do Brasil inteiro e até de fora do país participaram da prova mais charmosa que existe hoje. Com toda essa experiência, pude perceber que, no momento em que consigo adquirir condicionamento, minha preocupação deve voltar-se para a velocidade. O 33

34 A Disciplina de um maratonista mesmo deve ocorrer com o candidato, que, após adquirir segurança no conteúdo estudado, deve saber lidar com o tempo. Além da complexidade das disciplinas, um dos grandes inimigos do candidato é o tempo mal administrado. Saber administrar bem o tempo de resolução das questões é um grande diferencial nas provas. Outra dica importante que tenho utilizado em meus treinamentos: não se distraia de seu objetivo e em seus estudos. Quando corro, não utilizo nenhum subterfúgio, como aparelhos de MP3 (Ipod). Parto do princípio de que, durante a corrida, tenho a oportunidade de viver momentos de introspecção que aliviam as tensões do dia a dia e nos quais consigo ter as melhores ideias para os meus negócios e meus projetos. A concentração nos estudos e nos objetivos é importante instrumento para obtenção do sucesso. Não desperdice o tempo de estudo. O aluno que pretende passar em um concurso deve esquecer as revistas de entretenimento e focar nos materiais úteis para sua preparação. É importante buscar materiais que o candidato possa utilizar ao mesmo tempo em que realiza outras tarefas, como, por exemplo, um CD de áudio para o uso no trânsito ou numa caminhada pelo parque. Uma boa técnica que utilizei quando fazia faculdade, quero repassar a você. Naquela época, o tempo que tinha para estudo era de meia-noite a seis da manhã, já que trabalhava o dia todo e fazia faculdade no período da noite. Ao ler que o ser humano dorme apenas quando esquenta os pés, colocava os pés numa bacia de água fria a fim de me manter acordado e, durante esse tempo, estudava com afinco. Este foi um método natural que resolvi usar por não ter tempo suficiente. Compensava essas horas de descanso em meu horário de almoço. Isso me permitiu tirar as maiores notas na faculdade e em provas para concursos. 34

35 J.W.Granjeiro Aproveito para deixar aqui meus votos de paz, amor, felicidade e saúde neste ano que inicia. Prepare-se bastante, dedique-se muito, para realizar ainda este ano o sonho de conquistar uma vaga no serviço público. O seu sucesso é o meu mais sincero desejo! 8ª edição da Volta Internacional da Pampulha-BH/MG (dezembro/2006). Tempo de corrida: 1h30min1 (18 km). Classificação Geral: 1.644º. 35

36 A Disciplina de um maratonista 36

37 J.W.Granjeiro Disciplina de um maratonista VI Cheguei cedo para marcar a minha posição na largada. Afinal, após tanta preparação, não poderia ser engolido pela multidão logo no começo da prova. Por isso é preciso chegar cedo para conseguir um bom posicionamento. Meu maior desafio a 82ª Corrida de São Silvestre iria começar em alguns minutos e, apesar de muito treinamento, não me sentia nas condições ideais, como acontece com muitos concurseiros que, na hora da prova, têm sempre a sensação de não estar totalmente em forma. Assim que me posicionei, logo vi ao meu redor milhares de pessoas com o mesmo objetivo. A sensação de concorrência aumentava a cada minuto. Mas logo pensei em aproveitar aquele tempo para trocar experiências e ouvir conselhos dos outros corredores. Aproveitando o clima da prova, troquei informações sobre alimentação mais saudável, treinamento e estratégias de corrida. Naquela ocasião conheci um experiente corredor de 72 anos, com uma bela bagagem de vida, que me deu uma aula de determinação e estímulo. Ele conta que em seus treinos, quando estava desestimulado, lembrava-se sempre de que, enquanto pensava em desistir ou não ir treinar, seus concorrentes estavam se preparando. E logo vinha a força para vencer aqueles competidores. Isso deve acontecer com o candidato a um cargo na carreira pública, que não deve esquecer que, enquanto não estuda ou pensa em desistir de sua preparação, o seu concorrente está em uma sala de aula, em uma biblioteca, em algum lugar, estudando. Entre os mais de 15 mil inscritos, obtive a colocação de 3.599º, com um tempo de 1h16. Confesso que cometi 37

38 A Disciplina de um maratonista alguns erros. Fiquei duas semanas fora do país. Esta viagem prejudicou meu desenvolvimento ao longo da prova. Eu esperava uma melhor classificação. Não estava em meu condicionamento pleno, pois minha alimentação durante o período que antecedeu a prova foi irregular e não treinei com a mesma intensidade. Nessa prova foram vários os complicadores: alimentação irregular, que me fez ganhar certo peso; a viagem que fiz para o exterior, que causou cansaço devido ao tempo de voo; falta de aquecimento no início da prova, em função do reduzido espaço na largada da prova; a chuva fina, que me acompanhou durante toda a corrida; o fato de não conhecer o percurso da prova; e os buracos na pista. Percebi que se tivesse dado atenção maior para todos esses itens, hoje estaria entre os primeiros colocados. Tirei algumas lições que quero repartir com você, leitor. Não cometa o erro de ficar, às vésperas de uma prova, mais de duas semanas sem estudar, sem revisar, sem treinar, sem reforçar os seus estudos; ou até mesmo de ir para a prova desconhecendo todo o conteúdo. Esse erro pode ser a sentença para uma reprovação. No dia que antecedeu a corrida, assisti a uma entrevista de um atleta bicampeão da São Silvestre e do seu treinador, que relatou uma experiência de parceria muito interessante. Ao conhecer o atleta, o treinador não identificou talento algum para o esporte, mas percebeu que ele possuía outras virtudes como: disciplina, perseverança, humildade e obediência às ordens a ele direcionadas. Com essas características, conseguiu obter muito sucesso em sua carreira de corredor. Quero mostrar com isso que um candidato que pretende passar em um concurso público deve obedecer às orientações de seu professor de cursinho, ler o material, fazer os exercícios. Não deve nunca subestimar, ignorar ou desprezar a orientação de um professor experiente. 38

39 J.W.Granjeiro Gostaria de constatar que, assim como nas maratonas, quem tem obtido as melhores colocações, tanto em corridas, quanto em concursos, são pessoas comuns e simples, que venceram adversidades e que vêm de família humilde. Em meus 20 anos de experiência em concurso público, pude perceber que, em sua maioria, não são gênios que são aprovados nas principais seleções realizadas no país são pessoas comuns. Dei adeus ao ano de 2006 com a certeza de dever cumprido. Terminei a última prova, realizada na cidade, com a classificação geral em 129º e 26º em minha categoria. Estar entre os primeiros colocados na Corrida de São Silvestre de 2007 é a minha meta. Mantenho o ritmo de treinamento entre 15 e 21 km por dia, para obter sucesso em meu próximo objetivo, que é a Maratona de Nova Iorque. 39

40 A Disciplina de um maratonista 40

41 J.W.Granjeiro Disciplina de um maratonista VII Maratonista e concursando não podem se dar ao luxo de tirar férias, parar de treinar ou de estudar, sem antes alcançarem seus objetivos. Nos primeiros dois meses do ano não há provas de corridas importantes na Capital Federal. Na única de que participei a 37ª Corrida de Reis obtive um tempo de 46 minutos e classifiquei-me em 503º. Esse resultado foi reflexo das férias, como diria o nosso renomado professor de Direito Constitucional e filósofo, Zélio Maia: essa maldita e implacável produtora de preguiça. A Corrida de Reis é uma bela prova, porém com trajeto difícil e complexo, pois os competidores descem 5 km, do Estádio Mané Garrincha até o Congresso Nacional. Depois, precisam subir 5 Km. Nesse percurso é que se identifica quem possui disciplina, perseverança e força. Todas essas virtudes devem ser alcançadas pelo concursando que pretende ser aprovado em um concurso público como no do MPU, que conta com até candidatos disputando uma vaga. Aqui faço uma observação: do total de inscritos, no máximo 10% são competitivos, enquanto os demais vêm aventurar-se e apenas aumentam as estatísticas de candidatos por vagas. Na altura da Rodoviária, observei que muitos corredores jovens paravam e outros desistiam. E pensei: essas pessoas nunca passarão em um concurso público por faltar-lhes a persistência e a raça dos grandes maratonistas. Ao entrar na fila dos concursandos, dela você somente deverá sair quando alcançar a meta, isto é, a aprovação naquele concurso cujo cargo oferecerá todos os benefícios de se ter o Governo como patrão. Assim como em uma preparação para concurso, nós 41

42 A Disciplina de um maratonista os maratonistas temos que começar um treinamento diariamente. Sempre teremos como companhias alguns tipos de pessoas que tentam atrapalhar, os quais devemos ignorar, que são: o senhor psicológico, a senhora preguiça, o senhor desânimo, e outros tipinhos. Entretanto, devemos constantemente ir em busca do pelotão em que se encontram as senhoras disciplina, perseverança, superação, energia. Voltei aos treinos pesados, aumentando o grau de dificuldade dos percursos objeto de treinamento. Os meus treinos agora são feitos em novos horários e trajetos cada vez mais complexos. A ideia é simples: enfrentar grandes dificuldades a fim de, no dia de prova, estar confiante e seguro, para que eu possa bater meu recorde pessoal e fazer uma excelente corrida. Superar minhas marcas e melhorar sempre são minhas ambições. Faço longões de até 25 km, pois agora meu grande desafio e o maior deles é concluir, com o tempo para contar do ranking dos maratonistas, os m da maratona de Nova Iorque. Aproveito este artigo para responder a uma pergunta que recebo diariamente de internautas, alunos e ex alunos: Qual a ordem preferencial para a solução das questões de uma prova de concurso público?. Tenho para essa pergunta pelo menos quatro respostas, dependendo do candidato, do concurso e da sua formação: R1. Comece a responder as questões das disciplinas que exigem maior grau de concentração e interpretação (Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, Legislação etc.). Depois, resolva as questões mais trabalhosas em relação a cálculo (Matemática, Estatística, Contabilidade etc.). Por fim, as questões menos trabalhosas, porém não menos importantes, como (Direito Constitucional, Direito Administrativo, Informática etc.); R2. Responda as questões simples, com grau de dificuldade 1, (pelo menos 30% da prova), depois as 42

43 J.W.Granjeiro questões com grau de dificuldade 2 (40% da prova) e, por fim, as questões com grau de dificuldade 3 (30% da prova), decisivas para a sua classificação; R3. Comece a resolver a prova pelas questões das disciplinas relativas a sua formação: Direito, Português, Matemática, Informática etc., ou por aquelas que você mais gosta de estudar ou estudou mais; R4. (Esta última resposta é a mais óbvia) Responda as questões na ordem que forem apresentadas, uma vez que o candidato que quer passar em um concurso não poderá se dar ao capricho de escolher conteúdo ou matérias. Tudo é importante e deverá ser estudado com paixão e interesse. Saiba que há questões elaboradas para que ninguém as responda. O intuito da questão complexa é desarticular o candidato e abatê-lo psicológica e emocionalmente. Esqueça tal entrave, siga em frente e lembre que até 10% das questões poderão ser resolvidos com o conteúdo apresentado na própria prova. Separe um tempo para cada matéria e pelo menos 30 minutos para marcação do cartão de respostas. Os editais costumam estabelecer nota mínima em cada prova e no grupo de provas. Portanto, não adianta gabaritar certas disciplinas e não tirar a nota mínima exigida em outras estabelecidas no edital do certame. Equipe de elite do Obcursos (atual Gran Cursos). 43

44 A Disciplina de um maratonista 44

45 J.W.Granjeiro Disciplina de um maratonista VIII Se você anda um pouco sem ânimo para os estudos ou para a prática de esportes, gostaria de lhe fazer uma pergunta: cadê aquela força interior que você utiliza para alcançar algo, mesmo quando não está em seus melhores dias? Na última corrida da qual participei, obtive a resposta dessa interrogação inspirado em meu amigo Adeilton Cavalcante, grande incentivador do atletismo em nossa cidade. Apesar de estar acometido por uma forte gripe, completei o difícil percurso Eixo Norte e conquistei a 17ª classificação, em minha categoria, na Corrida Adeilton Cavalcante. Uso a palavra conquistei, porque foi o que exatamente aconteceu: venci as adversidades. É certo que vários fatores levaram-me a mais essa vitória: a força de Deus o mais importante deles, o treinamento intensivo e o exemplo de uma pessoa mais experiente no assunto. Adeilton Cavalcante, ex-presidente da CORDF, que completaria 57 anos no último dia 9, dedicou boa parte de sua vida ao crescimento do atletismo. E não podíamos deixar de homenageá-lo em um clima de comemoração e saudade. Lembro aqui alguns dos valores pregados por Adeilton, como atleta e também como profissional: ética, simplicidade, organização, preocupação com detalhes da prova para que nada ocorresse de forma contrária ao esperado, intensidade no envolvimento com seus projetos. São valores com os quais me identifico e que busco a cada dia oferecer aos nossos alunos. Com mais de 20 anos de experiência na área de preparação para concursos públicos e na direção do Obcursos (atual Gran Cursos), posso afirmar que nossa escola oferece uma estrutura física e de pessoal de alta 45

46 A Disciplina de um maratonista qualidade. E a cada dia buscamos a melhoria de nossos serviços, para que possamos auxiliar um maior número de pessoas na conquista de seus sonhos. O candidato a um cargo público não pode se dar ao luxo de se abater com os problemas do dia a dia. Percebo que é muito comum a queixa de cansaço, de estresse ou de uma pequena gripe e, com isso, o aluno se abate e reduz o seu ritmo de estudo. Além de seu desenvolvimento nos estudos, o candidato deve centrar-se em seu interior, tentando alcançar um equilíbrio e a estabilidade emocional. Calma e concentração são essenciais na hora da prova. Como sempre afirmo, a aprovação em um concurso é também uma questão de amadurecimento. Se você sabe aonde quer chegar, nada irá lhe abater. Tanto o maratonista quanto o concurseiro não devem esquecer jamais essa frase. Usarei isso para conquistar o meu objetivo maior, que é a maratona de Nova Iorque, que ocorrerá em novembro deste ano. Espero que você conte com minha experiência para alcançar seus objetivos. Então, nos momentos de dificuldade, lembre: os obstáculos só podem ser vistos quando nos desviamos de nosso objetivo. Corrida Adeilton Cavalcante/DF (dezembro/2006). 46

47 J.W.Granjeiro Disciplina de um maratonista IX Num belo domingo de sol, vislumbrei a paisagem perfeita para superar meus limites e obter o êxito que tanto almejava. Mas infelizmente o que venho relatar são alguns erros que cometi em minha primeira maratona. E como toda história de superação tem seus momentos bons e ruins, neste momento meu leitor irá aprender com os erros. Afirmo humildemente que isso é possível e fará parte de seu processo de aprendizado, assim como aconteceu comigo. No meu intuito de preparação para a Maratona de Nova Iorque, resolvi, embora sem muito treino específico para completar um percurso completo de maratona, participar da prova realizada no último domingo, dia 24, no Rio de Janeiro. Empolgação com a competição, o charme da prova e o período que antecede a Maratona de Nova Iorque novembro deste ano foram fundamentais para a decisão de correr o percurso. Os preparativos que antecedem a prova foram perfeitos: fiz alguns pequenos trotes na véspera da prova que é indicado por bons profissionais de atletismo para soltar a musculatura; criei uma ansiedade grande para correr também recomendado por especialistas para estimular o psicológico; alimentei-me bem na noite anterior, com um reforço em carboidrato; acordei cedo e tomei todos os cuidados com calçado, roupa, proteção solar, entre outros. Minha pretensão era finalizar a prova, de m, em 3h20min 1 km a cada cinco minutos. No quilômetro 23 fiz um movimento brusco em uma curva e acabei sofrendo uma contusão, que me causou uma dor até suportável para um maratonista que não pode se dar ao luxo de sentir dor. E para meu desespero, após uma grande subida, tive 47

48 A Disciplina de um maratonista uma câimbra generalizada nas duas panturrilhas que me travou e não consegui mais correr. Então fui obrigado a parar e fazer um alongamento na musculatura. Com o retorno não consegui manter o ritmo investido no início da prova, e resolvi por algum tempo caminhar para que a musculatura relaxasse. Neste percurso pude acompanhar que muitos competidores desistiram e muitos foram carregados. É bem verdade que muitos da equipe de apoio se ofereceram para me carregar, mas como eu decidi terminar a prova, fui até o final. Minha persistência levou-me até a linha de chegada, com fôlego e respiração perfeitos e ainda cheguei correndo, para sair bem na foto. Avalio que não fui derrotado por falta de vontade, mas pelo fato de não estar totalmente preparado para completar uma maratona com tempo competitivo, como um candidato que estuda para uma vaga de agente administrativo e resolve se aventurar em um concurso para o Tribunal de Contas de União. Saber avaliar o momento exato para competir foi a experiência que obtive nessa prova. Cheguei à conclusão de que é mais fácil passar em um concurso do que completar uma maratona. Brincadeiras à parte, tenho certeza de que evoluí como corredor, pois esta foi mais uma experiência que me rendeu um sofrido, pesado e dolorido aprendizado. Apesar de tudo, obtive a classificação 193º em minha categoria. Desejo a você persistência. Não desista nunca de seu sonho, aprenda com seus erros e supere seus limites. Até a próxima! 48

49 J.W.Granjeiro Disciplina de um Maratonista X O atleta e o sábio Acompanhei os jogos do PAN e, de todos os casos, de todas as imagens, de todos os exemplos, de todas as histórias de superação e de vitória, o que mais me emocionou foi o que aconteceu na última prova do atletismo a maratona, com a conquista da medalha de ouro pelo fundista Franck Caldeira. No dia da prova, acordei cedo, vesti o meu uniforme, calcei meu tênis de corrida e acompanhei por um canal de assinatura todos os momentos (do aquecimento até a chegada) da mais verdadeira e desgastante prova de competição, que é a maratona: 42 km e 195 m, e mais de duas horas de intensa concentração, de muitas estratégias para vencer o cansaço, a dor, os competidores, e alcançar a tão sonhada medalha de ouro. Foi emocionante acompanhar aquela corrida. Durante toda a transmissão a que eu assisti de pé, gritando Vai, Tiago!, quero dizer, Vai, Vanderlei!, ou Vai, Franck!, observei o que a garra, a determinação, a disciplina, a perseverança, os treinos, a estratégia correta e os estímulos são capazes de gerar: vencedores. Quando acabou a maratona, quase sem voz, aquecime e comecei o meu treino básico de 23,5 km sob um sol no asfalto de 31ºC, umidade de 20%, altitude de m e 2 horas e 5 minutos de subidas e descidas. Tudo visando à meia maratona do Rio, em setembro, e à maratona de Nova Iorque, em novembro. Fiz um dos melhores treinos de minha breve vida de maratonista sem desconforto e sem dores. E olha que, se houvesse uma maratona para concluir, acho que naquele dia eu chegava com sobra. E pensei: o que um exemplo assimilado e imitado pode 49

50 A Disciplina de um maratonista produzir em uma pessoa. Ah! À tarde ainda fiz uma hora de educativos e exercícios com peso na academia, para soltar e reforçar a musculatura. Treinar, com tantos fatores conspirando contra, é para quem tem sangue nas ventas, como diriam meus conterrâneos nordestinos. É meu estilo vencer adversidades, fazer as coisas com garra, prazer, disciplina e inspiração nos bons exemplos. Para essa situação, recordo-me de uma bela história que consta dos livros de autoajuda e que agora eu conto. É a história do sábio chinês que presenteou o imperador com um livro que tinha apenas duas páginas. Ao entregálo, o sábio explicou: No momento mais triste de sua vida, senhor imperador, leia a primeira página e feche o livro. E, no momento mais feliz, leia a segunda. O presente terá atingido o objetivo. Tempos depois, o azar abateu-se sobre o império. Uma peste matou parte da população; uma praga destruiu a lavoura; bárbaros invadiram as terras, saqueando o que sobrara. Desesperado, o imperador lembrou-se do livro. Na primeira página, somente uma frase curta: Isso vai passar. Incansável e laborioso, o soberano convocou os conselheiros e pediu apoio do povo para expulsar os invasores, debelar a peste e recuperar a lavoura. Mais tarde, sua única filha casou-se com o filho de um imperador vizinho, e os dois países se uniram num único e imenso império. Feliz da vida, o imperador lembrou-se novamente do livro e foi direto à segunda página, onde se lia apenas outra frase curta: Isso também vai passar. Moral da história: não devemos nos embriagar pelas grandes alegrias nem nos deixar abater pelas grandes frustrações. Meu recado para Vanderlei Cordeiro de Lima, que não concluiu a prova, embora fosse o favorito, é: isso vai passar. Para o Franck Caldeira, que venceu a prova mais importante dos jogos pan-americanos: isso também vai passar. 50

51 J.W.Granjeiro Da mesma forma, para você que foi reprovado em um concurso público ou no vestibular, isso passa; e para você que foi aprovado em primeiro lugar em um concurso público ou no vestibular: isso também passa. A reprovação e a aprovação dependem, respectivamente, da falta e da presença dos seguintes elementos: preparação adequada, disciplina, vontade de vencer e pensamento positivo. So, good luck and success in the exam! 51

52 A Disciplina de um maratonista 52

53 J.W.Granjeiro Disciplina de um Maratonista XI Um brasileiro na Maratona de Nova Iorque Eu tinha 8 anos de idade quando a Maratona de Nova Iorque foi disputada pela primeira vez, em Correr, para mim, nada mais era do que brincadeira normal da idade, como para as outras crianças. Se, àquela época, meu pai tivesse previsto meu futuro e dito que um dia eu estaria entre os participantes da prova, eu provavelmente teria respondido com outra pergunta: Papai, mas o que é maratona? Porém, hoje, 37 anos depois, eis-me de malas prontas para participar da mais importante e charmosa de todas as maratonas, entre nada menos que 45 mil corredores do mundo inteiro e diante de um público de 2 milhões de pessoas nas ruas, além dos incontáveis telespectadores por todo o planeta. Neste momento, sinto toda a ansiedade de um atleta diante do imenso desafio que é correr 42 km e 195 m pelas ruas da cidade mais cosmopolita do mundo, depois de intensa preparação de três meses nas condições mais adversas que pude enfrentar aqui no Planalto Central: temperaturas acima de 30 graus, seca atroz, terrenos dos mais difíceis, até mesmo para atletas profissionais. Agora posso dizer que estou pronto, de corpo e alma, para o que me espera a partir das 10h47 do dia 4 de novembro, quando será dada a largada na maior ponte pênsil do mundo, ao som de tiro de canhão do forte Wadsworth. Não sonho com o pódio, cujo maior lugar foi ocupado pelo nosso Marilson Gomes dos Santos orgulho do atletismo nacional e brasiliense em particular, que saiu da Ceilândia para alcançar as maiores glórias do atletismo. 53

54 A Disciplina de um maratonista Sou um atleta amador, e meu objetivo é concluir a prova com tempo abaixo de 4 horas, o que será um feito importante em minha faixa de idade, 45 anos. Não será minha primeira Maratona, pois a estreia foi na do Rio de Janeiro. De lá para cá, já participei de outras provas, entre elas algumas meias-maratonas e várias corridas mais curtas em outras cidades e em Brasília, onde, aliás, o Gran Cursos patrocina uma equipe de corredores que vem se destacando nas competições, com pouco mais de dois meses de atividade. A disciplina de maratonista foi para mim a descoberta de um novo estilo de vida. O desafio pode ser comparado ao que o mestre Sun Tzu definiu em seu livro, hoje mundialmente famoso, A Arte da Guerra : Aquele que conhece o inimigo e a si mesmo, ainda que enfrente cem batalhas, jamais correrá perigo. Aquele que não conhece o inimigo, mas conhece a si mesmo, às vezes ganha. Aquele que não conhece nem o inimigo, nem a si mesmo, está fadado ao fracasso e correrá perigo em todas as batalhas. Meu inimigo a ser batido é a Maratona de Nova Iorque, com seus m, num terreno traiçoeiro, com várias subidas e descidas que exaurem o corredor, e com temperatura normalmente abaixo dos dez graus centígrados. Para poder combater esse inimigo com chance de derrotá-lo, fui conhecer o percurso há alguns meses e tenho gravada na mente toda a minha tática de batalha. Por não ser marinheiro de primeira viagem em provas de longa distância, creio que levo grande vantagem. Aliado a isso, usarei todo o poder de concentração para atingir o objetivo: cruzar a linha de chegada no tempo que programei e em boas condições físicas. 54

55 J.W.Granjeiro A disputa de maratona atlética exige a mesma dedicação, pertinácia e obsessiva vontade de vencer, necessárias ao candidato a concurso público, que se prepara durante meses a fio para enfrentar a maratona de quatro a cinco horas de prova. Essa é a lição que costumo passar aos alunos nas aulas de Administração Pública e Direito Administrativo. Esses princípios sempre nortearam minha vida e me levaram ao sucesso pessoal e profissional. Agora, eu os estou aplicando também no esporte, em minha atividade de maratonista, igualmente com êxito. Espero que isso se repita no próximo domingo em Nova Iorque. Com a leitura do livro O Segredo, de Rhonta Byrne, aprendi que acreditar implica em agir, falar e pensar como se já tivesse recebido o que pediu. Quando você emite a frequência de ter recebido, a lei de atração move pessoas, acontecimentos e situações para que você os receba. Concordo com quem disse que não se pode passar a vida sem plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro. Já realizei as três missões. Quem gosta de correr e adotou a corrida como esporte não pode deixar de participar da Maratona de Nova Iorque. Essa é a quarta meta de minha vida. Por isso, estarei lá. Concluo com o pensamento do escritor norte-americano Tom Hopkins. A meu ver, trata-se de uma bela síntese da experiência que viverei daqui a uma semana: Se você quer realmente alguma coisa, isto fará uma diferença em sua vida. Trabalhará para satisfazer essa necessidade. Por ela, sacrificará prazeres. Sentir-se-á mesmo disposto a mudar e a crescer para atendê-la. 55

56 A Disciplina de um maratonista Até a volta! E aguardem o relato desta grande aventura. Maratona de Nova Iorque (2007). 56

57 J.W.Granjeiro Disciplina de um Maratonista XII O sonho virou realidade Concluí, no dia 4 de novembro de 2007, os m da Maratona de Nova Iorque, com o tempo de 4h18, sem desconforto, dores ou inconvenientes do grande esforço que se emprega para alcançar a reta final da mais desgastante das provas do gênero. E posso dizer que valeu a pena: se fosse um concurso público, eu teria sido aprovado e classificado. Já escrevi e repito agora com mais convicção ainda que a disciplina de maratonista é fundamental para o sucesso de quem realmente deseja conquistar um cargo público por meio de concurso, pois enfrentará não apenas a maratona das provas, mas também milhares de concorrentes que têm o mesmo objetivo. Para alcançá-lo, é necessário pensar, agir e se dedicar à preparação como um corredor de maratonas. Fui a Nova Iorque após me preparar durante um ano e três meses, com diversos treinamentos duríssimos por semana, além de participação em diversas provas semelhantes, entre elas, a Maratona do Rio de Janeiro. Se não fosse isso, dificilmente teria conseguido chegar ao final desses pouco mais de 42 km e conquistar a medalha que agora tem lugar de honra em minha galeria de troféus. O dia do maratonista em Nova Iorque começa às 5 horas da manhã, hora em que ele acorda e tem apenas uma hora para se preparar, o que inclui o banho e o café da manhã, pois às 6 horas o ônibus está pronto para partir com os atletas para o local da largada. Chegando lá, começa uma longa espera, que dura nada menos que 4 horas, sob frio de 6 a 7 graus, pouco antes da Ponte Verrazano, no bairro 57

58 A Disciplina de um maratonista de Staten Island. Ali, nada há para fazer a não ser esperar e procurar exercitar-se para aquecer a musculatura, enquanto mais corredores vão chegando a cada momento e se aglomerando para não perder a largada. Comparo essa extrema ansiedade com a do candidato nos momentos que antecedem a prova de um concurso público. É preciso estar bem física e psicologicamente, para que corpo e mente possam se concentrar exclusivamente na meta que traçou para as horas difíceis que enfrentará a seguir. Assim, como um concurseiro às vésperas da prova, no sábado evitei extravagâncias e fui dormir cedo, para que na manhã seguinte madrugada, na realidade acordasse bem-disposto e descansado. Os cuidados com a alimentação são também essenciais, tanto para quem vai fazer prova quanto para o maratonista. O jantar da véspera foi rico em carboidratos (massas, principalmente), e o café da manhã, além de massas, incluiu leite e frutas. É preciso estar bem alimentado, tanto para correr como para passar de quatro a cinco horas fazendo uma prova de concurso público. Não é à toa que a Maratona de Nova Iorque tem o status extraoficial de Rainha das Maratonas. Calculo que pelo menos 50 mil pessoas tenham participado da prova, entre elas cerca de 300 brasileiros e alguns milhares de concorrentes que lá estão apenas pela farra, os chamados pipocas, sem qualquer preocupação de concluir a corrida. A largada é extremamente difícil, devido à enorme aglomeração, que torna quase impossível correr num ritmo normal. Além disso, o frio de 6 graus era mais uma dificuldade a ser vencida pelo corredor. Apesar de tudo, consegui realizar uma corrida estratégica, exatamente conforme o planejamento que desenvolvi nos treinamentos, sem forçar minhas condições físicas. Ao longo da prova, o tempo mudou algumas vezes: ora estava mais frio, ora estava mais quente, até 58

59 J.W.Granjeiro a chegada ao Central Park, que estava gélido. Mas para mim o percurso foi um prazer, pois não apenas corri, como também pude apreciar todo o cenário em que se desenrolou a prova. Em nenhum momento fui ultrapassado. Ao contrário, ultrapassei vários corredores, chegando em ótima colocação para minha faixa etária (45 anos). Graças a isso, tenho meu nome incluído na relação dos atletas que concluíram a Maratona em menos de 5 horas, publicada pelo jornal The New York Times. Detalhe importante para o maratonista é o apoio do público, que o estimula a buscar a linha de chegada, ainda que isso lhe custe imenso sacrifício em determinados trechos que é obrigado a percorrer. Na Maratona de Nova Iorque, esse calor humano esteve presente durante todo o tempo para os brasileiros, pois os americanos têm grande carinho pelo nosso País e pela nossa gente. Por onde passava, eu ouvia gritos de Brazil! Brazil!, e isso renovava minhas forças, assim como deve ter ocorrido com todos os brasileiros que participaram da prova. Agora, parto em busca de outro sonho em minha carreira de maratonista. Com o tempo que fiz, e na minha faixa etária, estou certo de que consegui o índice para participar do circuito que constitui a nata das maratonas internacionais equivalente, no tênis, ao chamado Grand Slam, que reúne os principais torneios do mundo. Refirome às maratonas de Berlim, Londres, Chicago e Boston, além da de Nova Iorque. Assim como o candidato que tenta ser aprovado num concurso público, minha preparação será longa e cuidadosa para cada uma dessas provas, de modo que, tal como em Nova Iorque, ao final, eu seja aprovado e classificado. De volta a Brasília, estou feliz como nunca! Participar da Maratona de Nova Iorque é a glória. Concluí-la, um triunfo. Constar da lista do The New York Times, a grande realização de todo maratonista. 59

60 A Disciplina de um maratonista 60

61 J.W.Granjeiro Disciplina de um Maratonista XIII O mestre e a discípula Alguns dias atrás, conversei com uma aluna que me pedira orientação sobre a melhor maneira de estudar para concursos, já que há três anos ela vinha lutando por uma vaga, sem sucesso. Contou-me que estava estudando apenas determinadas matérias e passava por um momento de desânimo, diante dos seguidos fracassos. Entendi a angústia daquela moça, sentimento que, aliás, é um problema que afeta a muitos de seus colegas, mas que, obviamente, tem solução. É o que vou mostrar neste artigo, para ajudá-lo a superar as dificuldades. Essa circunstância é uma das muitas que podem ser comparadas à do maratonista, que sofre as agruras do percurso de m e, em determinadas marcas, chega a pensar em desistir da prova. Para que isso não aconteça, ele tem de recorrer a todas as reservas físicas e mentais (o famoso psicológico), à lembrança dos exaustivos treinos e à determinação de vencer aquele momento de cansaço e potencializar ao máximo a energia, a fim de continuar correndo até cruzar a linha de chegada. Só assim conseguirá suportar a dor e o cansaço extremos que se abatem o corpo a cada metro percorrido. Foi o que aconteceu comigo quando corri pela primeira vez uma maratona, a do Rio de Janeiro. Embora me considerasse preparado para enfrentar aqueles pouco mais de 42 km, que me separavam da linha de chegada, estive a ponto de desistir, tamanhas eram as dores que me faziam cambalear e quase ir ao chão, depois de percorrer mais de 30 km. Mas, recorrendo à disciplina de maratonista, que é o meu lema, consegui superar aqueles maus momentos, recuperar as forças e seguir até o final. Foi um exercício de 61

62 A Disciplina de um maratonista tenacidade, uma luta do homem contra o relógio, o clima e tudo o que conspirava contra meu objetivo de alcançar o último centímetro da pista. Ao chegar ao final da prova, internalizei a ideia de que, se sou capaz de concluir uma maratona, especialmente naquelas condições, sou capaz de qualquer coisa. Assim, repensei minha planilha de treinamentos. O tempo passou e voltei a disputar maratonas no início de novembro, como a de Nova Iorque, considerada a principal e mais difícil corrida de longa distância. Só que, desta vez, foi para mim um prazer e um divertimento, e não um sofrimento, correr aqueles mesmos m. Não senti nenhum desconforto, nenhuma dor, nada que me fizesse pensar em outra coisa senão que eu estaria entre aqueles que terminariam a prova nas melhores condições físicas e em ótimo tempo para a minha faixa etária. Essa mudança aconteceu em consequência do treinamento que cumpri desde a Maratona do Rio, buscando aprimorar meus métodos de corrida e minha preparação física e mental. Já escrevi, e repito: se a Maratona de Nova Iorque fosse um concurso público, eu estaria aprovado e classificado, dado o tempo que alcancei. Nos estudos é a mesma coisa: só a disciplina de um maratonista leva o candidato ao sucesso num concurso público. Por isso, expliquei àquela aluna que ela precisava mudar o método de estudo para alcançar o resultado almejado. Primeiramente, matriculando-se em um curso do tipo pacote fechado, que contemplasse todas as matérias do concurso pretendido, o que lhe daria a base necessária para um bom desempenho. Depois, aprimorando-se em cursos específicos nas áreas em que sentisse mais dificuldade. E o mais importante: treinando. Sugeri que ela resolvesse pelo menos as últimas cinco provas aplicadas pela banca que realizaria o concurso. Esse é um conselho que serve para todos os candidatos. Portanto, é preciso assimilar bem este ensinamento, que 62

63 J.W.Granjeiro os levará ao caminho do sucesso, assim como eu consigo concluir uma maratona: sou brasileiro, maratonista (ou concurseiro), e não desisto nunca! Aproveito a oportunidade para lhe contar um fato interessante que acontece com o bambu japonês: semeiase a semente, aduba-se a terra e preocupa-se com regála constantemente. Durante os primeiros meses, não acontece nada apreciável. Na realidade, não acontece nada à semente durante os primeiros cinco anos, de tal forma que um agricultor inexperiente ficaria convencido de que teria comprado sementes inférteis. No entanto, durante o quinto ano, num período de apenas seis semanas, a planta do bambu cresce mais de 30 m. Demorou apenas seis semanas a crescer? Não! Na verdade, necessitou de cinco anos e seis semanas para desenvolver-se. Durante os primeiros cinco anos de aparente inatividade, o bambu estava gerando um complexo sistema de raízes que lhe permitirá sustentar o crescimento que terá nas seis semanas seguintes. Talvez, com a mesma impaciência, muitos concursandos que aspiram a resultados em curto prazo, abandonam rapidamente a fila, quando já se encontravam a ponto de conquistar a vaga. É tarefa difícil convencer o impaciente! Só alcançam a aprovação/classificação em concurso público aqueles que se mantêm perseverantes e coerentes e sabem esperar o momento adequado. 63

64 A Disciplina de um maratonista 64

65 J.W.Granjeiro Disciplina de uma Maratonista XIV Detalhes Na vivência diária em meio a concurseiros e maratonistas, frequentemente me deparo com lições perfeitamente correlacionáveis entre as duas áreas. Esses dois mundos têm muito em comum, apesar de, à primeira vista, parecerem completamente distintos. Já abordei vários desses aspectos em artigos anteriores e agora neste livro. Eis a continuação da série de lições extraídas de minha experiência em concursos e maratonas. O senso comum de muita gente atribui demasiado valor a detalhes, seja na corrida, seja na maratona. Por exemplo, algumas pessoas acham que a marca e o modelo do tênis podem garantir melhor desempenho ao atleta, da mesma forma que um short específico ou certa camiseta podem ser determinantes para a vitória. Mas ponderar o valor isolado de tais detalhes, sem dar a devida atenção aos demais, influirá pouco ou nada no resultado. É comum o concurseiro incorrer em erro semelhante, ao julgar que o fato de se matricular em uma boa escola preparatória e adquirir um excelente material didático por si só já garantirá a sonhada aprovação. É fato que um vencedor se atém aos detalhes. Deve dar a eles a devida importância, mas não se pode esquecer de que eles fazem parte de um todo e, isoladamente, não são nada senão meros artefatos. Há outros fatores que também têm de ser levados em consideração e devem ser conciliados com os demais. A qualidade do tênis, do short e da camiseta é importante. Mas também é fundamental optar por meias desenhadas para cada tipo de pisada, treinar em diversos tipos de solo, alimentar-se de forma balanceada, 65

66 A Disciplina de um maratonista ingerir suplementos específicos, praticar técnicas de aquecimento e alongamento e, sobretudo, procurar orientação especializada, que aconselhará e acompanhará o desenvolvimento do atleta, e cumprir rigorosamente o plano de treino. O mesmo se aplica ao concurseiro. Ele deve atentar para a relação de complementaridade que existe entre uma boa base e os detalhes que devem ser agregados a ela. Não basta matricular-se em uma excelente instituição preparatória e ter à mão material de estudo de qualidade e direcionado para cada tipo de prova. É preciso aderir a um método de estudo eficaz e que respeite a sua individualidade, ter organização e seguir à risca o plano de estudo, conhecer bem a banca examinadora e o tipo de cobrança de cada prova e não deixar de buscar orientação adequada. São detalhes como esses que fazem a diferença. Na corrida, existem diversas modalidades, algumas mais exigentes do que outras. O mesmo se aplica aos diversos concursos, uns mais disputados do que outros e, portanto, com provas mais difíceis e seletivas. Antes de iniciar a rotina de preparação, o estudante deve saber qual curso escolher, considerando suas habilidades e seu objetivo. Para quem está iniciando os estudos, é recomendável o módulo introdutório, curso de curta extensão, ou a Faculdade dos Concursos (Facon), curso mais extenso, que dará base para os concursos em geral. Para quem está no meio do caminho e conhece um pouco o conteúdo das disciplinas há as turmas de pacote, que sobem alguns degraus e nivelam os candidatos em patamar mais alto de conhecimento em todas as matérias. Já para quem pretende aprofundar o conhecimento em uma disciplina específica, nada melhor que a Plêiade curso por matéria que destrincha o conteúdo integralmente, ou os cursos de exercícios pacotes avançados. Escolha o seu curso, busque a orientação de nossos professores, sempre solícitos e dispostos a direcionar e 66

67 J.W.Granjeiro instruir nossos alunos, e exercite o conteúdo visto em sala de aula. Da mesma maneira que o maratonista não pode entrar numa corrida sem antes se alongar e aquecer, o concurseiro que de fato pretende ser aprovado não pode encarar a prova sem exercitar o conteúdo visto em sala de aula, por meio da resolução de questões. São elas que lhe darão malícia para saber como a banca cobra a matéria. Para não desanimar ao longo da trajetória, faça amizades com os colegas de estudo. Eles sempre têm uma história de perseverança que lhe dará forças. Lembre-se de que seu maior concorrente é você mesmo! 67

68 A Disciplina de um maratonista 68

69 J.W.Granjeiro Disciplina de um Maratonista XV Corra! Já percebeu como o correr está presente em nossas vidas? Nosso cotidiano é tão agitado no mundo globalizado, que a solução, portanto, é correr! Correr da crise, correr para fugir dos problemas, para enfrentá-los, para realizar as atividades diárias, e por aí vai. Recentemente e felizmente! o hábito de correr também passou a ser levado ao pé da letra. Segundo dados do Conselho Federal de Educação Física, em 2005 havia dois milhões de brasileiros praticando a corrida. Até o ano passado, esse número dobrou. O aumento da procura por essa atividade física representa a preocupação que a população desenvolveu em levar uma vida mais saudável. Os benefícios que a corrida proporciona são inúmeros. E quando se fala em benefícios, não poupamos esforços em correr atrás deles, não é mesmo? Exemplo disso são os concurseiros, que não medem forças em prol do sonho de ingressar no serviço público. Sempre os aconselho a não desviar a atenção do foco e, nos momentos de fraqueza, para reanimá-los, recomendo que se lembrem das vantagens que os aguardam no regime estatutário. Em decorrência da crise econômica de nível mundial que ora enfrentamos, centenas de pessoas diariamente perdem o emprego. Isso nos faz refletir sobre a importância de um emprego estável. Mas não é só estabilidade que o governo tem a oferecer. É claro que a tranquilidade de não ter o ganha-pão ameaçado sempre que a economia passa por turbulências ou mesmo quando o novo chefe não vai com a sua cara, já é uma vantagem e tanto. Mas o melhor patrão que existe oferece ainda, além de vantagens pecuniárias (indenizações, gratificações e adicionais), licenças e auxílios dos mais variados tipos. Só 69

70 A Disciplina de um maratonista para ilustrar: horário especial para estudo; afastamento para estudo ou missão no exterior; auxílio-moradia; ajuda de custo; auxílio-natalidade, entre muitos outros. Se isso não basta para as concurseiras se convencerem, lá vai: a Administração saiu na frente e, para dar o exemplo, muitas das servidoras públicas já se beneficiam da prorrogação da licença-maternidade para seis meses. Como dito, um cargo público pode garantir uma série de vantagens para o trabalhador. Da mesma forma, a corrida contribui para uma melhor qualidade de vida: aumenta o bem-estar, o que reflete positivamente no humor e na autoestima; promove relaxamento; propicia boas noites de sono; atrasa o processo de envelhecimento, se praticada corretamente; auxilia na prevenção da catarata e da degeneração macular (área do olho que capta os detalhes das imagens); contribui para o equilíbrio da pressão arterial e consequentemente ajuda na prevenção de AVC (acidente vascular cerebral); fortalece os ossos, ao estimular células envolvidas na formação da massa óssea; tonifica e fortalece os músculos; ajuda a manter a elasticidade dos vasos, prevenindo a hipertensão; fortalece o músculo cardíaco, bombeando o sangue com mais eficiência; e, por fim, queima calorias e gordura um dos benefícios mais conhecidos. Mas o concurso público e a maratona não têm em comum apenas a quantidade de benefícios que oferecem. Eles também se identificam em seu caráter democrático. O concurso, graças à intrínseca isonomia, não distingue candidatos por sexo, raça, crença ou qualquer outro motivo que não seja devidamente justificado para o exercício do cargo. Da mesma forma, a corrida ao contrário de outros esportes, que exigem, por exemplo, faixa etária específica para certas categorias é uma atividade física que, para ser praticada, não importa o sexo, a idade, a classe social, o tamanho. Na corrida amadora, a família inteira pode se exercitar em união e harmonia. 70

71 J.W.Granjeiro São essas, a corrida e o concurso, as duas de minhas grandes paixões. Como já fui muito beneficiado por ambas, corro para divulgá-las a todos que eu puder. Quero que todos tenham bem-estar, e o serviço público e a corrida certamente têm muito a contribuir para isso. Falo por experiência: meu estilo de vida mudou completamente quando ingressei no serviço público, e, posteriormente, meus hábitos melhoraram de forma significativa com a prática de atividade física, a corrida. Una o útil ao agradável: estude e corra. Treine a mente e o corpo. Você verá como um influirá positivamente no outro. E lembre-se: somos o que repetidamente fazemos. A excelência não é um fato, mas sim um hábito (Aristóteles). 71

72 A Disciplina de um maratonista 72

73 J.W.Granjeiro Disciplina de um maratonista XVI O concurseiro é um maratonista em potencial. Tenho convicção disso baseado em minha experiência pessoal como concurseiro e maratonista. Quanto mais penso no assunto, mais me entusiasmo em transmitir aos meus colegas, tanto àqueles que disputam concursos públicos como aos que se preparam para maratonas, dicas de comportamento que podem ajudá-los nessas atividades. Uma delas diz respeito à alimentação, aliás, é tema frequente nas perguntas que me fazem acerca de minha preparação para as provas de longa distância de que participo. 73

74 A Disciplina de um maratonista Há quem indague qual o segredo da minha vitalidade, aos 50 anos de idade, e se ela se deve a algum energético ou suplemento incluído em meu cardápio de atleta. A resposta a essa pergunta talvez desaponte os mais desconfiados, mas a verdade é que não faço uso de nenhum produto destinado a aumentar o vigor físico nas corridas. Atribuo os excepcionais resultados que obtenho nas pistas ao consumo diário de alimentos simples, como feijão, cuscuz de milho e vitamina de abacate; esses, sim, presentes em minha dieta diária. Acho que a minha dedicação à vida de atleta está muito bem alicerçada a meu tripé alimentar. Sem dúvida, ele oferece a energia de que meu corpo necessita para correr com alto desempenho. Basta lembrar que o feijão é fonte de ferro para o organismo e que o milho presente no cuscuz é um poderoso revigorante dos músculos de corredores como eu. Que o digam os homens que dominam as corridas de longa distância por todo o mundo, os quenianos, cuja dieta é rica em cereal. Obviamente, meus excelentes resultados nas corridas não provêm apenas da alimentação saudável nem são frutos de genética privilegiada. O segredo é a preparação adequada. Faço questão de treinar em todos os tipos de solo e sob todas as condições meteorológicas. Além disso, cuido para ter disciplina de maratonista, que persegue metas, respeita a orientação dos mestres treinadores e lê tudo sobre excelência nas corridas. O candidato a concurso público tem muito em comum com o maratonista, ao longo de sua preparação para a grande disputa pela vaga no órgão onde pretende trabalhar. Ambos, concurseiro e maratonista, precisam, antes de tudo, de grande poder de concentração, a fim de manterem o foco no objetivo a ser conquistado. Também precisam de autoconfiança, para superarem os obstáculos que surgirem no caminho. Outro fator fundamental para o sucesso do concurseiro é a dedicação integral aos estudos, 74

75 J.W.Granjeiro assim como o maratonista se dedica de corpo e alma ao treinamento. Não há outro jeito de fazer as coisas darem certo, a não ser com entrega total ao projeto de vida idealizado. Aliás, permito-me citar um provérbio chinês que talvez você já conheça. Ele ensina que há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida. No momento em que o maratonista inicia a corrida rumo à linha de chegada, ele sabe que terá de percorrer exatamente m, nem um centímetro a mais, nem um centímetro a menos. Se não conseguir, a oportunidade perdida jamais será recuperada, exatamente como prevê o provérbio chinês. O mesmo se aplica ao candidato a concurso público quando entra na sala de provas depois de uma preparação de meses ou até de anos: ele não pode permitir que tudo acabe em uma oportunidade perdida. O concurseiro tem de ser, nos estudos não me canso de repetir, um verdadeiro e persistente maratonista. Ao longo da corrida, ele precisa saber escolher o equipamento certo e dosar as energias para não falhar nos momentos decisivos. Eu mesmo faço isso quando estou correndo. Minha concentração é total e sou capaz de controlar meu corpo de tal maneira que não me sinto desgastado, nem mesmo depois de mais de duas horas de prova. E o meu desempenho vem melhorando continuamente. É isso que ocorrerá também com o concurseiro que tiver, como exemplo para alcançar a vitória na corrida do concurso público, a mesma disciplina que tem o maratonista até alcançar a linha de chegada. Acredite que você é capaz; 70% de sua capacidade está na sua cabeça (Dean Karnazes, maratonista). Vamos em frente! 75

76 A Disciplina de um maratonista 76

77 J.W.Granjeiro Disciplina De Um Maratonista XVII Preparação extrema Este artigo foi inspirado na nova série do programa Fantástico, chamada Planeta Extremo, mais precisamente no primeiro episódio, em que acompanhamos a participação de 40 atletas, oriundos de 16 países, em uma maratona na Antártica. Os maratonistas enfrentaram temperaturas de até 30 graus negativos e ventos que chegavam a 200 km/h, em um dos lugares mais inóspitos do planeta. Protagonistas brasileiros do desafio, o repórter da Rede Globo Clayton Conservani e o ultramaratonista Bernardo Fonseca se prepararam durante quatro meses, ora em treinos em areia fofa, sob sol escaldante, ora dentro de um frigorífico. Sem contar as horas e horas passadas 77

78 A Disciplina de um maratonista na academia. O objetivo desses treinos exaustivos era simular as condições que os atletas enfrentariam nos 42 quilômetros e 195 metros da maratona da Antártica. Os competidores todos portadores de pelo menos um bom motivo para participar da prova estavam dispostos a testar os próprios limites e a pôr à prova a força da mente. Correriam horas e quilômetros sozinhos, acompanhados apenas de bons e maus pensamentos. A força para enfrentar tantos desafios viria dos filhos, da família ou de uma causa particular em especial. O lema daquele que se sagrou vencedor na competição um brasileiro chamou-me a atenção: O sofrimento é passageiro; desistir é para sempre. Essa é exatamente a mensagem que este livro pretende passar. O concurseiro não deve desistir jamais. O desgaste físico e emocional da preparação logo passa, mas o cargo público permanece e, junto com ele, muitos benefícios. A sensação de ser aprovado em um concurso público é indescritível. Eu mesmo já a experimentei oito vezes, uma delas por ter sido aprovado em primeiro lugar em concurso nacional. O vencedor da maratona promovida pelo Fantástico, o ultramaratonista Bernardo Fonseca, concluiu o percurso em 4h20 praticamente o mesmo tempo que levei para terminar a maratona de Nova Iorque (4h18). Na maratona da Antártica, os competidores enfrentaram frio de 15 graus negativos e ventos de 50 km/h. Na maratona de Nova Iorque, tive de conviver com cerca de 50 mil competidores, partilhando com eles temperaturas de 6 graus negativos e muito vento ao longo do percurso. Foi duro, mas nada comparável às condições adversas do continente antártico. A atleta que chegou por último na prova do programa da Globo, uma americana que corria em nome dos desabrigados do Katrina, precisou de 9h30, entre corrida e caminhada, para concluir a maratona. Com os concurseiros também é assim: alguns demoram quatro meses para conquistar a vaga, outros levam quatro 78

79 J.W.Granjeiro anos. Tudo é uma questão de preparação, disciplina e foco. Os que nunca desistem, mais cedo ou mais tarde, assomam à carreira pública e conquistam o governo como patrão. É fato: qualquer um é capaz de passar em concurso. Basta encontrar o ritmo certo de estudo e esperar na fila a vez de ser aprovado e classificado. Só não passam aqueles que morrem antes da aprovação ou aqueles que desistem em outras palavras, os desafortunados ou os de mente fraca. Na aventura do Planeta Extremo, uma cena e uma frase, em particular, me marcaram. Já haviam sido percorridos mais ou menos 30 km da prova, quando o repórter, com muitas dores, cãibras e enjoos, entre outros sentimentos, pensou em desistir. Face a face com a própria fraqueza, ele logo se lembrou da frase do amigo Bernardo O sofrimento é passageiro; desistir é para sempre e buscou na filha a inspiração para continuar, gritando: Eu fico forte por causa de você, filha!. Aquilo me emocionou. Da mesma forma que o atleta, o concurseiro precisa encontrar algo que o motive a persistir. Pensar no contracheque, nos benefícios, na tranquilidade da família, na estabilidade, na segurança financeira, nas portas que o status de um cargo público pode abrir, lembrar disso tudo ajuda, e muito. Eu assisti a toda a saga dos maratonistas da Antártica. E o fiz sentado e sem piscar, para não perder nenhum detalhe da aventura. Quando o brasileiro cruzou a linha de chegada, eu me levantei e, instintivamente, o aplaudi. O exemplo dele inspirou-me a, já no dia imediato, começar os treinos para as maratonas previstas mundo afora. Com a lembrança das imagens daquela corrida, consegui concluir o percurso de 21 km em 1h39. Foi o meu melhor tempo, o meu melhor treino. Tudo inspirado em um exemplo. A vida é mesmo assim: devemos sempre nos inspirar nos vencedores, copiando e aperfeiçoando as suas estratégias exitosas. Nesse contexto, fica a mensagem para os amigos concurseiros, alunos e leitores: Um conselho ajuda, um exemplo arrasta. 79

80 A Disciplina de um maratonista 80

81 J.W.Granjeiro Disciplina é Tudo Em uma série de artigos publicados nesta coluna, escrevi que o candidato que deseja ser aprovado em concurso público deve ter, entre outros atributos, a disciplina de um maratonista. Aquela do competidor que não desiste nunca e está sempre treinando para melhorar seu desempenho; que é focado em seus planos e sabe muito bem quais são suas metas; que está atento a seus limites físicos, admite suas fraquezas e explora seu potencial; e que, acima de tudo, conhece e respeita seus adversários no caso do concursando, a banca examinadora. Na literatura, encontram-se inúmeros exemplos de atletas paraolímpicos ou não, artistas, jogadores, pais, concurseiros, estudantes, entre outros, cujas atitudes resultaram em feitos inacreditáveis. Mas mesmo eles, sem a famosa disciplina, não teriam alcançado seus objetivos. Analisando a história de alunos e ex-alunos, cada vez me convenço mais de que as pessoas aprovadas em concursos públicos não têm qualidades extraordinárias, nem são geniais, tampouco contam com uma memória gigante. São, sim, indivíduos dos mais organizados e disciplinados, que sabem enfrentar obstáculos e frustrações para superar seus limites e alcançar seus objetivos. Essas pessoas assimilam derrotas seguidas de derrotas, até a vitória final. Para ter sucesso na maratona de Nova Iorque, tive de emagrecer 16 kg e correr mais de 3 mil km em um ano em uma semana cheguei a correr 150 km. Treinei intensamente durante 3 meses e investi em calçados, exames médicos, treinador, academia, suplementos, vestimenta adequada e inscrição para participar de provas similares. Fiz longas sessões de academia para fortalecer determinadas musculaturas. Além disso, durante a prova, enfrentei um frio 81

82 A Disciplina de um maratonista de 6ºC e suportei uma pubite. Passei por esses e muitos outros obstáculos, para finalmente concluir a prova e receber a medalha de participação à frente de mais de 35 mil outros competidores do mundo inteiro. Senti-me, então, abençoado e vitorioso. Disciplina tem a mesma etimologia da palavra discípulo, que significa aquele que segue. Já autodisciplina é a capacidade de aderir a ações, pensamentos e comportamentos que resultem em crescimento pessoal. O concurseiro não chega a lugar nenhum sem disciplina, atitude e foco. Uma pessoa com talento, porém sem disciplina, terá muita dificuldade de atingir seus objetivos. A boa notícia e o mais interessante é que disciplina não é um dom, mas é algo que se aprende, que se pode treinar e desenvolver. Vejamos como: 1. Acabe com as desculpas e os bodes expiatórios para justificar seu insucesso ou sua apatia. O poder de decisão e escolha é exclusivamente seu. Quando você deixa de fazer todo o possível para obter êxito em sua missão ter sucesso e ser feliz em uma carreira pública, por exemplo, está abrindo mão de seu único poder: o poder sobre si mesmo; 2. Comece devagar o sucesso depende de pequenos passos. Muitos dos juízes de carreira um dia foram técnicos ou analistas. Grande parte dos delegados de polícia já foi policial, escrivão ou papiloscopista. Estabeleça metas modestas, mas sem deixar de pensar grande. Quando estiver bem confiante, comece a exigir mais de si. Um maratonista vitorioso começou seu treinamento andando, depois andando depressa, depois correndo e, por fim, voando; 3. NÃO se desvie da meta e NÃO faça exceções. Crie o hábito de estudo e nunca flexibilize os planos de estudo e de metas. Quando se começa a fazer exceções, logo elas se tornam novas regras, e os objetivos ficam cada vez mais distantes; 82

83 J.W.Granjeiro 4. Faça da alegria de estudar um hábito, não uma cruz. Pelo fato de você ter-se tornado uma pessoa disciplinada e vencedora, não exija que todos ao redor vivam segundo sua cartilha e suas regras. Tome a decisão de competir para valer. Mire-se no exemplo do maratonista, que, com determinação e força de vontade, mantém a disciplina necessária para obter sucesso em cada uma das provas que decide correr. 4ª Volta ao Lago Caixa (2007). 83

84 A Disciplina de um maratonista 84

85 J.W.Granjeiro O Concurseiro e o Bode Expiatório Outro dia, encontrei um aluno no Parque da Cidade, quando eu fazia o aquecimento para um treino intenso, em preparação para o Desafio do Pateta, prova que ocorre na Disneylândia, no início do mês de janeiro, e que consiste em correr 5 km na sexta-feira, m (meia maratona) no sábado e m (uma maratona) no domingo. Por certo, esse será mais um grande desafio que testará e desafiará minha disciplina e capacidade físico-psicológica. Mas não duvide: eu vencerei e publicarei nesta coluna o relato da aventura. Voltando a nosso concurseiro, perguntei-lhe se ele estava estudando bastante e quais eram seus planos para ingressar no serviço público. Falou-me que estava desanimado porque ouvira de um colega histórias como a de que uma pessoa comprou a aprovação em determinado concurso e a de que a filha de um juiz, mesmo sem estudar nada, tinha passado em um dos últimos certames para um tribunal, onde já estava trabalhando, inclusive com cargo de direção. Percebi, então, que nosso personagem estava apenas se justificando. Justificando-se por não ter se dedicado com afinco. Justificando-se porque, próximo à data da prova, já tinha a consciência de que reprovaria. Enfim, justificando-se, porque, antes que o condenassem como se isso fosse possível, precisava arranjar desculpas para sua fraqueza, sua indisciplina e sua desorganização. Na mesma semana, recebi em minha sala três jovens que vinham agradecer aos professores e à direção do curso a ajuda em sua aprovação no último concurso da AGU. Estavam felizes e realizados na carreira que criteriosamente haviam escolhido. Aproveitei para perguntar-lhes qual fora a estratégia por eles adotada para garantir a aprovação de todos os três. Fiquei surpreso com a história que me 85

86 A Disciplina de um maratonista contaram. Primeiro, eles haviam frequentado um curso do tipo pacote, ao mesmo tempo em que se matricularam em algumas plêiades, para reforçar as disciplinas de maior peso no concurso. Porém o mais surpreendente foi que, três semanas antes da prova, alugaram uma casa em Maceió, em frente a uma das mais belas praias da maravilhosa capital. Lá, passavam todo o tempo somente estudando, revisando e fazendo muitos exercícios. Contra todas as tentações da natureza. Achei aquilo um tanto masoquista, mas respeitei, porque a estratégia dera certo e os três esforçados candidatos haviam sido aprovados e classificados nos primeiros lugares. Como eu atendo e oriento muitos alunos concurseiros, e embora não entenda nada de psicologia, já consegui identificar alguns tipos ou espécies de candidatos e os respectivos perfis. Há o idealista, que quer ser servidor para melhorar a administração pública, em prol do cidadão-cliente e de toda a humanidade. Há o necessitado, que não é vocacionado nem idealista, e carece do emprego e do salário para sobreviver e pagar as contas. Há o desmotivado, em quem faltam força espiritual e energia, e sobram-lhe desculpas e justificativas. Há o motivado, sempre pronto para estudar e aprender, e quanto maiores o desafio e a concorrência, mais motivação ele tem para os estudos. Há o derrotista, ou negativista, que entra na fila já derrotado e reprovado, seguro de que não passará mas não custa nada tentar; quem sabe eu dou sorte. Há, ainda, o arrogante, que sabe tudo : critica os professores, a estrutura da escola, o material didático e tudo o que aparece na frente; esse passa, mas dá um trabalho danado para a organização do curso. E há o tipo ideal, aquele que conhece as dificuldades e as regras do jogo, tem consciência de quanto precisa estudar para ser aprovado e classificado, reconhece as dificuldades de um concurso e não mede esforços e investimentos para alcançar seus objetivos, com a paciência chinesa e a disciplina de um maratonista. E então, qual é o seu tipo? 86

87 J.W.Granjeiro Motivação é o Segredo Em uma dessas manhãs, estava assistindo à tevê. Um programa de esportes que passa aos domingos narra, em suas diversas edições, histórias de esportistas que dão exemplo de persistência e disciplina. Mas, naquele dia, uma dessas histórias, em especial, me chamou a atenção. Falava de um jovem que aos 8 anos passara por um problema de saúde e tivera de amputar as pernas. Mas ele tinha um sonho: ser atleta. Mesmo diante da dificuldade, não desistiu. Saberia que a caminhada para ele seria mais árdua, mais difícil, mas não impossível. A criança revelou o sonho à mãe, que, com muito carinho e amor, o incentivou a realizar aquilo que devolveria no filho o sentido da vida. Esse jovem, hoje com próteses, teve seu sonho realizado: tornou-se esportista e campeão do atletismo. Essa e tantas outras narrativas, sempre tão comoventes, nos ensinam o quão importante é persistir, insistir e não desanimar NUNCA! Servem como uma máquina impulsora. E sempre relato essas experiências por acreditar que elas funcionam como combustível para nossa vida. Com elas, quero demonstrar que, por mais difícil que pareça, não é impossível conquistar a vitória. Os aditivos para a aprovação em concursos são motivação, conteúdo e muito estudo. Os esportes são tema recorrente de meus artigos porque vejo mesmo muitas semelhanças entre atletas e concurseiros. O esportista precisa definir bem seus horários, sua alimentação e seu tempo de repouso. O concurseiro também. O atleta precisa de muita disciplina e muito treino. O concurseiro também. Ter metas e objetivos claros e buscar incessantemente a realização dos sonhos pode transformar você em atleta dos concursos e em um vencedor. 87

88 A Disciplina de um maratonista Olhemos para o lado e inspiremo-nos nessa e em tantas outras histórias de superação. Às vezes, a vontade que temos é de largar tudo. Queremos sumir, nos render ao cansaço. Mas quem disse que seria fácil? Para toda e qualquer grande conquista, é necessário o aprendizado, ir além. É como se a carreira de concurseiro fosse dividida em etapas. Concluir com êxito cada uma delas não é tarefa simples, mas aqueles que conseguirem vencer o cansaço, superar os contratempos e abdicar das sedutoras festas e comemorações com os amigos alcançarão o topo: a aprovação. Se você almeja o lugar mais alto do pódio, faça por merecê-lo. Lute diariamente contra o cansaço, o mau humor, a preguiça matinal. Vença a indisposição, os pensamentos negativos e os comentários desnecessários lançados contra você. Conquiste seu espaço, domine seu tempo e treine sem cessar. Assim, após os primeiros passos, a corrida pelo sucesso terá em primeiro lugar VOCÊ! Equipe de elite do Obcursos (atual Gran Cursos) e atletas mirins. 88

89 J.W.Granjeiro Nunca Desista dos seus Sonhos Esta semana recebi em minha sala alguns alunos concurseiros desesperados. Eles vieram me pedir ajuda, conselhos e dicas, quaisquer palavras que os estimulassem a não desistir e a continuar na fila. Todos me perguntaram, ao mesmo tempo: Passar em concurso público é muito difícil?. É, sim, e sempre ressaltei isso em palestras, aulas e artigos. Digo isso não com base em teorias ou só por ter ouvido falar, mas por experiência própria de ex-concurseiro aprovado em oito concursos públicos, embora reprovado no primeiro que fiz. E como eu sofria! E quanto doía ter de estudar sempre que eu dispunha de alguma folga ou quando poderia estar dormindo ou simplesmente descansando. Mas me mantive firme e criei uma rotina de operário do estudo, com horários rígidos e intensa vigilância para cumprimento de prazos e metas. Usava material de estudo quase sempre emprestado, porque não tinha dinheiro para comprar livros e apostilas, e pagava com muito sacrifício um cursinho preparatório. Dinheiro para lanche, nem pensar: ou eu pagava as passagens de ônibus ou comprava a comida fora de casa. Naqueles tempos, eu já percebia que os colegas de sala não eram exatamente inimigos ou concorrentes. Ao contrário, tinha-os na conta de parceiros, colegas, colaboradores, cúmplices de meu projeto de vida, que previa 89

90 A Disciplina de um maratonista o governo como patrão. Compartilhávamos informações, apontamentos, provas, material de estudo, simulados e tudo mais que considerássemos útil. Quando um de nós pensava em desistir, os outros o desafiavam e lembravamlhe os benefícios, as vantagens, os direitos, o prestígio e a segurança dos cargos públicos. Gostávamos, ainda, de estudar em grupo um dava aula para o outro. E os pais participavam do projeto, fazendo o lanche, fornecendo o material de estudo, orando. Enfim, do jeito que podiam. E como sofriam com a reprovação ou com a TPP Tensão Pré- Prova do filho. Certa vez, ouvi de um pai que os erros e as derrotas nos fazem crescer, aprender e melhorar, e que, quando temos um sonho, não devemos nunca desistir dele. Temos, pois, de controlar o desespero e a ansiedade. Um candidato desesperado pode ter o raciocínio ou a capacidade de leitura e de interpretação prejudicados exatamente no momento em que mais precisar dessas proficiências é quando dá branco. Estar com as emoções sob controle conta pontos para quem disputa uma vaga, em determinados casos com até três mil candidatos! Por isso, amigo leitor, acredite em si mesmo, confie em sua capacidade, em seus conhecimentos e em seu destino. O universo não costuma dar crédito para quem não acredita em si próprio. É óbvio que nem todos os inscritos serão aprovados, mas VOCÊ, sim. E sabe por quê? Porque deu o melhor de si e tem segurança e convicção de que uma das vagas previstas no edital é sua. Lembre-se: O que mais se nota em pessoas bemsucedidas é que elas venceram a tentação de um dia desistir de seus sonhos. 90

91 J.W.Granjeiro Professor Granjeiro e o ex-jogador do Flamengo, Zico, que após ter seu nome cortado da lista de jogadores que iriam às Olimpíadas de Munique quase abandonou sua carreira. Mas com o apoio da família, não desistiu de seu sonho e tornou-se um grande ícone do futebol. 91

92 A Disciplina de um maratonista 92

93 J.W.Granjeiro Uma Conversa de Concurseiro No início deste ano fui procurado por um jovem engenheiro de redes em busca de conselhos. Ele estava no início da preparação para concursos públicos. Relatou que era engenheiro de telecom, mas estava trabalhando muito e resolvera pedir demissão para se dedicar aos estudos e à conquista de uma carreira com segurança, status, poder e muitos benefícios. Perguntou minha opinião sobre o preparatório para o concurso da Polícia Civil, curso de pacote que estava aberto na ocasião, com início imediato. Também mencionou que pensava em se dedicar aos cursos específicos de tecnologia da informação, área em que era formado. Mas seu maior objetivo, mesmo, era o concurso para a área de TI da CGU. Conversamos sobre vários assuntos, e eu o aconselhei a focar no concurso da Civil. Ofereci como estímulo o contracheque de um ex-aluno que se tornara perito legista da PCDF. Ele ponderou que teria de começar praticamente do zero. Eu, então, questionei: Ora, você não é engenheiro? Os engenheiros têm disciplina e são acostumados a se dedicar ao estudo. Se fizer uso racional dessas virtudes e se dedicar, você passa. O rapaz deixou minha sala convencido de que deveria, mesmo, investir no curso da Polícia Civil ainda que para o cargo de papiloscopista, mais factível até porque não teria tempo hábil para dedicar-se também a um concurso da área de TI sem fazer nenhum preparatório. Ao sair, falou que traçaria uma estratégia e repetiu em voz alta: Vou passar nesse concurso da Civil e depois focarei no concurso da Polícia Federal. 93

94 A Disciplina de um maratonista Resultado de tamanha convicção: com apenas dois meses de estudo com dedicação integral, é claro, o jovem passou na Polícia Civil, tanto para o cargo de papiloscopista como para o de perito. No certame para perito, descuidouse e acabou reprovado na prova de redação, mas no cargo de papiloscopista foi aprovado em todas as etapas. Com humildade e gratidão, enviou-me um em que agradecia por seu progresso e atribuía seu ótimo desempenho ao incentivo ofertado em meus artigos e na conversa que tivemos, à estrutura física oferecida pelo Gran Cursos e aos excelentes professores que ministraram aulas em sua turma. Por oportuno, escreveu que se arrependia por não ter iniciado os estudos há mais tempo. Embora tenha tentado fazer um preparatório específico em sua área de interesse e formação, na época para a Câmara dos Deputados, nunca chegava cedo às aulas e teve de abandoná-las no meio do curso porque viajava muito e trabalhava sempre até tarde. Agora percebia que de nada adiantaria ter simplesmente comparecido às aulas se não se dedicasse com afinco e persistência até o final, como fez para conseguir a tão sonhada vaga de papiloscopista. Por fim deu seu testemunho. Disse que ter se matriculado em um curso do tipo pacote focou seu estudo. Nas aulas, recebia excelentes dicas dos professores que ele chama de consultores e orientadores estrategistas. De fato, a maioria dos professores do Gran Cursos são servidores públicos que já trilharam o caminho dos alunos. Conhecem, portanto, os atalhos, as bancas examinadoras, o conteúdo que cai e o que não cai em prova. E, acima de tudo, entendem as dificuldades enfrentadas por aqueles que querem ser vencedores e ter o governo como patrão. Mesmo tendo traçado uma estratégia de estudo e garantido com êxito a aprovação em concursos em pouco tempo de preparação, nosso personagem percebeu o quão 94

95 J.W.Granjeiro importante foi compartilhar experiências e estratégias com alguém. Segundo relatou, foi muito motivador escutar de um colega ou de um professor que ele estava no caminho certo. Então, caro leitor, quando você tiver dúvidas ou estiver ansioso, venha conversar com quem tem experiência e uma longa história como concurseiro. Aproveitando a oportunidade, aí vão algumas dicas: 1. Estude somente o que vai cair no concurso. Seja objetivo: muitos candidatos aprofundam demais um assunto que não vai cair ou não tem tanta importância ou peso. Dê ênfase às matérias em que você tem mais dificuldade. Na hora de resolver a prova, comece pelas questões mais fáceis ou pelas matérias que mais domina. 2. Planeje os estudos e administre o tempo. Escreva uma lista de prioridades e defina como gastará seu precioso tempo com os estudos. Elabore um plano de estudo e siga-o religiosamente. 3. Faça seus próprios resumos e resolva muitos exercícios. Teoria sem prática não aprova ninguém. Leia pelo menos três vezes cada uma das legislações cobradas. 4. Tenha em mente que até 10% de uma prova são respondidos com base em dados contidos na própria prova. Além disso, não se lê uma prova com os olhos, mas com a ponta do lápis, riscando e rabiscando, para não cair nos chamados pegas. 5. Chute quando a prova for de múltipla escolha as mais difíceis, mas jamais quando a prova for do estilo certo ou errado. Pense duas vezes quando for responder os itens em que você tenha alguma dúvida. 95

96 A Disciplina de um maratonista No último concurso da Polícia Civil, mais de 350 ex-alunos do Obcursos (atual Gran Cursos) foram aprovados, incluindo o 1º, 2º, 3º, 4º, 5º, 6º, 7º, 8º, 9º e 10º colocados! 96

97 J.W.Granjeiro Concurseiro Profissional Neste artigo, pretendo responder a uma pergunta muito frequente de meus alunos e internautas: quais os segredos ou mandamentos para ser aprovado em concurso público e alcançar o tão almejado cargo público com estabilidade e outros benefícios? Todos nós sabemos que a cada dia a concorrência e o nível dos candidatos têm aumentado e é preciso buscar uma boa estratégia pode lhe render bons frutos. E sendo assim, não existem segredos ou mandamentos e, sim, dicas que podem potencializar a preparação e garantir uma boa classificação. Eis algumas que considero relevantes. Local de estudo Nada melhor que um ambiente tranquilo, ventilado, bem iluminado e agradável com tudo à mão: editais, apostilas, resumos, cadernos com anotações das aulas do curso preparatório, provas anteriores, cadernos de exercícios, uma Constituição atualizada, uma Lei n /1990 atualizada e preferencialmente comentada, um dicionário, um computador com acesso à internet e uma jarra de água bem próxima. Quem não encontrar em casa um lugar em que seja possível reunir tais elementos deverá estudar em bibliotecas ou na escola. Para nossos alunos da unidade do Setor Gráfico (SIG), oferecemos uma arborizada alameda de estudo e confortáveis salas com cabines individuais e mesas coletivas. É só escolher o que melhor lhe agrada. Em Taguatinga, nossos alunos também encontram silenciosas salas de estudo. E para os alunos das cidades de Goiânia, Belo Horizonte e São Paulo, nossas 97

98 A Disciplina de um maratonista instalações possuem o mesmo padrão de qualidade que já consagrou nossa prestação de serviço na área de concursos públicos. Curso preparatório Fazer um bom curso é útil por dois motivos: promove uma revisão das matérias estudadas no ensino médio e na faculdade, e dá aos alunos apoio até a véspera da prova. Vale a pena investir em um bom preparo, pois não adianta estudar compulsivamente sem método e sem embasamento operacional. Para escolha de um bom curso, o candidato deverá levar em consideração o nível dos professores, a qualidade dos materiais e a infraestrutura da escola. Nas escolas preparatórias para concursos públicos os professores na sua maioria servidores públicos e autores de obras especialmente dirigidas para concursos ministram os conteúdos exigidos nos editais de forma objetiva, atualizada e interdisciplinar, resolvendo provas anteriores, exercícios inéditos e provas simuladas reunindo teoria e prática. O candidato a um cargo público aprende a matéria e aprende a administrar o tempo, o que faz muita diferença na hora do exame. Material de estudo A preocupação com o material de estudo também é primordial. Os candidatos às vagas em concurso público devem sempre procurar material dirigido a concurso, feito por autores que escrevem pensando no candidato de forma objetiva (questões de prova, dicas de preparação), tudo feito por quem realmente já passou por um processo de seleção e conhece o ambiente a fundo. Um bom material de estudo é aquele que reúne texto atualizado, com linguagem objetiva e baseada na doutrina dominante acrescido de muitos exercícios de provas recentes com gabarito oficial, remissivo ou comentado. 98

99 J.W.Granjeiro Tempo de estudo x tempo de lazer Três horas diárias de estudo é um tempo suficiente, fora o tempo de sala de aula em um bom curso. Na véspera do concurso esse período dedicado pode aumentar, dependendo da necessidade de cada estudante. Mas atenção na dose: está demonstrado, por meio de pesquisas, que o excesso de estudo causa estresse e pode atrapalhar. São fundamentais para o bom desempenho nos estudos alguns momentos de lazer. Pelo menos alguns momentos diários de descanso para a mente. Não é muito proveitoso ficar todo o tempo estudando e não relaxar, pois nessa circunstância não há assimilação suficiente de conhecimento. Isso ocasiona perda de tempo, desmotivação e cansaço além do normal. A prática de exercícios físicos também é muito válida, uma vez que promove a oxigenação do cérebro, o que melhora a memória. Intervalos Pesquisas concluíram que os alunos mantêm concentração absoluta nos estudos durante cerca de vinte minutos ininterruptos. Por essa razão, é recomendável que se façam intervalos de 2 minutos depois desse período. Isso ajuda a elevar a produtividade. Estudar de acordo com o tempo da prova é essencial, para não correr o risco de não conseguir completar a prova. Um bom treino fará a diferença na hora da prova. Pesquisas demonstraram que antes de começar uma atividade intelectual é preciso preparar o cérebro. A técnica consiste em sentar-se confortavelmente em uma poltrona, fechar os olhos, ouvir uma música clássica e respirar profundamente por 5 a 10 minutos até sentir que a música o envolveu. O estudo comprovou que após o relaxamento a pessoa é capaz de alcançar níveis de concentração acima de 95%. 99

100 A Disciplina de um maratonista 100

101 J.W.Granjeiro Dez Passos para ser Aprovado em Concurso Público A aprovação em concurso público depende de disciplina, o que nem todos têm. Para desenvolvê-la e chegar ao objetivo maior, algumas atitudes estão ao alcance de qualquer pessoa, especialmente dos concurseiros. Elas são baseadas na disciplina de um maratonista, tema sobre o qual venho escrevendo já há algum tempo, para mostrar a analogia que existe entre o espírito competitivo do atleta de maratona e o do candidato a concurso público que realmente deseja conquistar sua vaga. São dez os passos a serem seguidos, que detalharei neste artigo. 1. Local de estudo Encontre um lugar reservado, com ambiente calmo e silencioso para estudar. Isso irá auxiliá-lo na concentração durante as horas dedicadas ao repasse das aulas e à leitura de textos que fazem parte do programa do concurso. 2. Simulados regulares Faça simulados regularmente. A disciplina deve ser sua eterna aliada. Firme um compromisso com familiares e amigos e conte com o apoio deles. Siga as dicas e tenha a determinação de um maratonista. 3. Inexperiência e imediatismo É o caso do aluno que, na véspera do concurso, intensifica o estudo ou passa a noite revisando o conteúdo e, no dia seguinte, na hora da prova, depara com um inimigo chamado estresse. O imediatismo também deve ser evitado pelo candidato. Tal como ocorre com o maratonista, é preciso definir uma estratégia e segui-la rigorosamente, sem pressa. Adquira segurança para que, no final, possa dar um sprint. 101

102 A Disciplina de um maratonista 4. Simulações O concurseiro deve ter a preocupação de se habituar ao estudo em locais públicos e com certo nível de barulho, porque podem ser essas as condições do local do exame. Outra simulação válida tem a ver com o tempo de realização das provas: estude durante o mesmo tempo que durará o exame, a fim de que o corpo esteja bem preparado na hora do concurso. 5. Tempo como aliado Diferentemente de um maratonista, que deve intensificar o ritmo nas semanas que antecedem a prova, o candidato a um cargo público deve reservar esse tempo para a revisão geral. Além da complexidade do conteúdo das provas, um dos grandes inimigos do candidato é o tempo. Saber administrá-lo na resolução das questões é um grande diferencial nos concursos. Sugiro que o candidato faça cursos de leitura dinâmica e de memorização. 6. Ânimo Maratonistas e concursandos não podem se dar ao luxo de tirar férias ou de parar de treinar ou estudar sem antes alcançarem seus objetivos. Devemos ignorar o Sr. Desânimo e outros tipinhos, em busca do pelotão em que se encontram a Srª. Disciplina, Perseverança, Superação e Energia. 7. Concorrência Não se intimide com a concorrência. Dos outros candidatos, apenas 10% possuem alguma chance de classificação no concurso. Assim, um simples detalhe pode garantir ao candidato excelente pontuação. Refiro-me a diferenciais, como ter feito um curso de exercícios ou um curso por matéria, ter assistido a uma aula particular, ter estudado por um caderno de prova comentado. 8. Concentração Manter o foco e concentrar-se são essenciais para alcançar o objetivo. É preciso vigiar seus passos para não cair nas armadilhas da desconcentração. O foco nos estudos e nos objetivos 102

103 J.W.Granjeiro é importante instrumento para obter sucesso. Lembre-se da dica de ouvir música clássica, por dez ou quinze minutos, antes de começar o turno de estudo com a rotina de um operário. 9. Enganando o sono Desenvolvi ótima técnica para isso quando fazia faculdade. Li que o ser humano dorme apenas quando esquenta os pés. Então, para me manter acordado de madrugada já que trabalhava durante o dia e estudava de noite, colocava os pés numa bacia com água fria e, durante algumas horas, estudava com afinco. Trata-se de um método natural que apliquei com frequência e que me ajudou bastante. Por que não experimentar? 10. Na hora H Lembre-se de que há questões elaboradas para ninguém responder. O intuito é desarticular o candidato e abatê-lo psicológica e emocionalmente. Esqueça tal entrave e siga em frente, lembrandose de que até 10% dos itens poderão ser resolvidos com base no conteúdo fornecido na própria prova. Separe um tempo para cada matéria e pelo menos trinta minutos para marcar o cartão de respostas. Os editais costumam estabelecer nota mínima em cada prova e no grupo de provas. Portanto, não adianta gabaritar algumas disciplinas e não tirar a nota mínima em outras. Eis um macete: no exame, o candidato vai deparar com questões irresolúveis (coloque C, de complexo, e esqueça), questões que provocam alguma dúvida (coloque V, de voltar ) e questões fáceis (resolva-as imediatamente e assinale logo o gabarito). Lembre-se: A aprovação ou a reprovação estão no detalhe. Leve em conta essas dicas de um concurseiro profissional. 103

104 A Disciplina de um maratonista 104

105 J.W.Granjeiro Guia de Aprovação Devido à grande procura de nossos alunos, internautas e leitores, eu resolvi, em mais uma edição de Concursos públicos: dicas e métodos, fazer um apanhado das mais importantes dicas. Este artigo será o seu guia de aprovação. São 18 importantes orientações que garantirão o melhor aproveitamento de seus estudos. Leia atentamente cada dica e bons estudos! 1. Para alcançar a aprovação é preciso muita dedicação, estratégia, perseverança, além de muita disciplina. 2. Opte pela compreensão, pelo entendimento. Isso garantirá a você uma bagagem que nem o tempo será capaz de apagar. 3. Trace um mapa de batalha: leia atentamente o edital, busque bibliografia específica de apoio, encontre o método que melhor se aplique a você, eexercite seu poder de concentração e encontre um bom ambiente de estudo. 4. Opte por uma alimentação saudável e pratique atividades físicas. 5. Elabore um roteiro, alternando as disciplinas, para não fadigar a mente. 6. Resolva exercícios, pois esse é um dos métodos mais eficazes para praticar o conhecimento. 7. A reprovação significa, tão somente, erro de estratégia, método, disciplina, orientação adequada e foco. 8. Escolha uma instituição de ensino respeitada. No curso preparatório, o candidato passa a conhecer os conteúdos que mais aparecem nas provas e a forma como são cobrados. 105

106 A Disciplina de um maratonista 9. Além de estar a par de dicas e métodos de estudos, você deve aprender a fazer prova e a administrar o tempo de que dispõe para resolver as questões. Faça isso estudando em tempo igual ao previsto para a prova. 10. Algumas matérias são comuns a todos os concursos e é importante que você as domine para ministrar aulas. Português, Direito Constitucional e Direito Administrativo devem ser o ponto de partida dos seus estudos. 11. O candidato bem preparado e competitivo mantémse sempre atualizado e não se desmotiva com as tentativas que não deram certo. 12. Em média, o tempo de preparação é de um ano a um ano e meio, com estudos de até sete horas diárias, acompanhados de planejamento, organização e disciplina. 13. Elabore um cronograma com o tempo disponível e todas as atividades diárias. Inicie os estudos pelas matérias mais difíceis e deixe as preferidas para o período da tarde ou para a noite. 14. Prefira ambientes bem iluminados, arejados, silenciosos e que tenham todo o material necessário à mão, com mobília adequada e suporte para livros. 15. Reserve de 20 a 30 minutos do horário de almoço para descansar o corpo e a mente com um breve cochilo. 16. Invista em conhecimento intelectual para que, assim, consiga realizar seu sonho. 17. Por fim, exercite sempre. Resolva as últimas cinco provas do concurso escolhido ou da banca examinadora que prepara as questões do certame. 18. Aquele que conhece o inimigo e a si mesmo, ainda que enfrente cem batalhas, jamais correrá perigo. Aquele que não conhece o inimigo, mas conhece a si mesmo, às vezes ganha. Aquele que não conhece nem o inimigo nem a si mesmo está fadado ao fracasso e correrá perigo em todas as batalhas. 106

107 J.W.Granjeiro O Segredo do Sucesso Certo dia, um pai me procurou com o filho, que acabara de completar 18 anos. Queria matriculá-lo em um curso preparatório para concurso e buscou o melhor da cidade. O curso e um carro foram presentes de aniversário para o filho, que, a partir daquele momento, somente estudaria para concurso público, inicialmente para a Câmara ou para o Senado Federal. O pai pediu-me que sugerisse alguns cursos por matérias (Plêiades) e elaborasse uma lista de livros e apostilas para que comprasse. O nosso candidato vamos chamá-lo aqui de Maurício, que sempre estudara nas melhores escolas privadas, estudaria agora no melhor curso preparatório para concursos, com todo o apoio financeiro e todo o tempo do mundo para se preparar bem. Recordei-me, então, do José Wilson, morador de Ceilândia, que começou a trabalhar com 12 anos de idade, morou por quatro anos em um trailer (instalado próximo à faculdade), porque não tinha dinheiro para pagar a passagem de ônibus para a casa dos pais, e só podia se preparar para os concursos com apostilas emprestadas e durante a madrugada com os pés numa bacia-d água, pois não contava com outro tempo para estudo das matérias da faculdade e do concurso. Com tantas forças contrárias, José Wilson não teria a mínima chance de vencer os Maurícios da vida e conquistar uma vaga no serviço público. Entraram em cena fatores como disciplina, foco, método adequado, apoio dos amigos e familiares, planejamento, muita perseverança, Deus na mente e no peito e vontade de vencer e de conquistar uma posição de destaque. 107

108 A Disciplina de um maratonista Hoje, tantos anos depois, com o objetivo conquistado, e tendo ido muito além do que havia planejado, posso dizer que a banca examinadora não quer saber se você, candidato(a), estudou em escola privada ou em escola pública, se tem boa ou má aparência. Não espere que o concurso seja justo e a banca lhe dê a vaga apenas porque merece, por você ser mais necessitado. O concurso é um processo isonômico e destina a vaga àquele que mais acerta questões, e não ao mais carente. Diante disso, não há outra saída, caro(a) concursando(a), senão seguir o exemplo do jovem José Wilson, que um dia saiu do interior do Nordeste praticamente com a roupa do corpo, em companhia da mãe e de quatro irmãos, para tentar a sorte na capital do país, e se tornou um vencedor: foi aprovado em oito concursos públicos, ocupou cargos públicos de alta relevância durante 17 anos e depois usou sua experiência para ajudar milhares de outros candidatos a vencer o desafio da aprovação em concursos públicos, dirigindo nos últimos anos o Obcursos (atual Gran Cursos), maior rede de cursos preparatórios do país, com mais de 100 mil alunos aprovados desde sua criação. 108

109 J.W.Granjeiro O Concurseiro e o Sapo A caminhada é mesmo muito longa. Eu, não mais do que você que está há tempos se preparando para alcançar a aprovação, sei o quão difícil é superar cada passo que damos sem conseguir o êxito. Em minha caminhada de concurseiro e maratonista, já enfrentei muitas dificuldades, mas não desisti. Fui além de cada derrota, de cada desestímulo, e conquistei não somente uma, mas várias aprovações em minha busca de realização profissional em um cargo público com os benefícios e a segurança de ter o governo como patrão. Talvez você questione o que fiz para conseguir isso. E eu lhe digo: muitas horas especialmente noturnas de estudos, com os pés dentro de uma bacia com água, para não dormir e vencer o plano de estudo que criteriosamente havia elaborado, além de muita persistência e enorme disciplina. Essa é a chave que abre o cofre do sucesso. Muitas vezes você deve ter ouvido de pessoas próximas, amigas, pessoas em quem você pensa poder confiar, que deveria desistir. Mas saiba que passar na primeira tentativa sem estudar muito é quase impossível é mais fácil ganhar na loteria. O tempo de preparação é longo, e o desânimo não deve entrar na sua lista de atitudes. Sabe, para conquistar grandes sonhos, às vezes é preciso ensurdecer. Infelizmente, na vida há pessoas que torcem por nosso insucesso. Assim, numa batalha tão difícil a conquista da aprovação é preciso muita força de vontade para não parar no meio do caminho ou quando a vaga chega à ponta do nariz. Muitos candidatos são considerados concorrentes de editais. Esses estudam apenas com a divulgação das normas editalícias e nunca 109

110 A Disciplina de um maratonista estão preparados. Os bons não desanimam nunca; pelo contrário, se fortalecem a cada passo dado na longa caminhada, e fazem sempre a revisão dos métodos de estudo quando fracassam em um certame. Certa vez, li a história de uma cidade onde só havia animais. No mais alto morro daquela terra, existia um tesouro, mas ninguém nunca tinha alcançado o topo para conquistar a recompensa. Um dia, três atrevidos sapos resolveram percorrer o difícil trajeto até o tesouro. No percurso, os animais da cidade fizeram uma grande algazarra. Quando o primeiro sapo disparou a pular rumo ao tesouro, ouviu gritos dos outros animais dizendo para desistir, pois era muito pequenino e jamais conseguiria chegar vivo ao topo do morro. O desanimado sapo desistiu. Então, o segundo sapo se pôs a pular. Não demorou muito para que os animais da cidade começassem a gritar: Desista! Nem a girafa nem o elefante conseguiram. Não será você, um simples sapo, que conseguirá. O sapo, tristonho e desiludido, também desistiu. Sobrou apenas o terceiro sapo. Esse pulava, e pulava, e pulava. Os animais, acreditando que ele desistiria ao perceberem que também não tinha chances, resolveram deixá-lo, e partiram de volta à cidade com o segundo sapo. Dias depois, o terceiro sapo retornou cheio de ouro. Os animais, boquiabertos, não conseguiam acreditar. Começaram o interrogatório. Estavam alvoroçados com o acontecido e queriam a todo custo saber como o sapo conseguira conquistar todo aquele ouro. Depois de muitas perguntas sem nenhuma resposta, descobriram que o sapo era surdo. Assim deve ser você, leitor, internauta e concurseiro. A luta para conquistar um cargo, por causa da concorrência, é hercúlea. Cada vez mais os candidatos têm se entregado à dedicação integral para conquistar uma vaga. Os obstáculos são ilimitados e as dificuldades imensas. Mas você nunca deve deixar-se levar por comentários desestimulantes ou palavras de desânimo. Ensurdeça diante dessas pessoas e acredite em si mesmo. A estrada é dura e longa, e você está aqui para percorrê-la e vencer. 110

111 J.W.Granjeiro O Concurseiro e o Bambu Há muito tempo, um escritor chamado Covey fez uma analogia ao crescimento do bambu, em uma história intitulada A História do Bambu Chinês. Nela, o autor explicava o processo de crescimento e maturação do arbusto e comparava cada etapa ao processo humano. Como comentei em O mestre e a discípula, o bambu leva em média cinco anos para começar a se desenvolver externamente. Nesses primeiros anos, o crescimento é subterrâneo. O arbusto cria fortes e resistentes raízes, para somente então permitir que o caule apareça. Aplico o ensinamento de Covey à vida dos concurseiros. Se nos ocupássemos de analisar a estrutura do bambu, ficaríamos no mínimo curiosos para entender como um arbusto tão comprido e fraco permanece em pé mesmo durante tempestades. Ocorre que, além de contar com uma base firme e sólida, o bambu tem a flexibilidade da humildade. É preciso curvar-se até o chão diante das dificuldades que você, leitor e concurseiro, enfrentará durante a trajetória rumo à aprovação. Analisando minuciosamente a composição do arbusto, colhi sete verdades e ensinamentos que auxiliarão o concurseiro de plantão a ser aprovado em um concurso público e ter um futuro de sucesso. 1. Primeira verdade: O que mais importa é a humildade. Essa virtude permitirá que, assim como o bambu, você consiga se curvar diante dos ensinamentos dos mestres e das dificuldades. Aprenda com os concorrentes mais disciplinados, organizados e preparados. 111

112 A Disciplina de um maratonista 2. Segunda verdade: É muito difícil derrotar um candidato bem preparado. Ele demora a aparecer e a demonstrar o seu valor. Antes de tudo, o bom candidato prepara a terra e a semeia, para, então, aguardar o fortalecimento da raiz. Só depois de ter certeza de que conta com uma base forte e resistente, como o bambu, o concurseiro se propõe a crescer e passa a colher os frutos da profunda e planejada preparação para o sucesso. 3. Terceira verdade: O bambu nunca está sozinho. Se você observar, no bambuzal eles estão sempre muito unidos. É um sinal de fortalecimento e proteção. Tendo isso em vista, é importante o concurseiro saber unir a voz da experiência, estudar em grupo e fazer cursos do tipo pacote. Quem caminha sozinho dificilmente chega a algum lugar. 4. Quarta verdade: O bambu não se dá ao luxo de ter folhas. O bambu pode alcançar até 25 m de altura sem galhos e folhas. Inspirado no exemplo da planta, o candidato deve se prender tão somente à meta de conquistar o alto e o sucesso. Para isso, é necessário renunciar a coisas insignificantes, isto é, às folhas. Para vencer, é preciso desprender-se daquilo que suga as forças e impede o crescimento: preguiça, pessoas negativas, indisciplina, desorganização etc. 5. Quinta verdade: O bambu é cheio de nós. Em cada fase ou gomo, no caso do bambu, encontramos um nó que a liga à próxima fase ou ao próximo gomo, e assim sucessivamente. Esses nós são aquelas pessoas que nos ajudam a resolver os problemas e a enfrentar as dificuldades que surgem; são os amigos e familiares que nos ajudam a alcançar as nossas metas. Nunca descarte os nós de sua vida, pois eles o fortalecerão e estimularão nos momentos de fraqueza. 112

113 J.W.Granjeiro 6. Sexta verdade: O bambu é oco (vazio). O bom e preparado candidato deve esvaziar-se de tudo aquilo que é desnecessário, rouba tempo e tira a atenção da principal meta: a aprovação. 7. Sétima verdade: O bambu cresce somente para o alto. O crescimento do bambu é linear e sempre em direção ao alto, ao superior. O concurseiro dedicado deve, antes de tudo, traçar metas de curto, médio e longo prazo e persegui-las paciente e atentamente. Às vezes praticamos a semeadura e demoramos a ver a chegada das flores, dos frutos, do caule. Sentimo-nos desestimulados ao ver que já se passaram dias, semanas, meses e anos sem nenhum retorno. Mas, se nos apegarmos ao ensinamento do bambu, perceberemos que, para alcançar a aprovação, antes de qualquer coisa, é preciso contar com uma base sólida. Busque, dia após dia, o conhecimento aprofundado, e dedique-se com tenacidade. Em breve você será como um bambu de 25 m de altura: alguém que alcançou o topo da estabilidade e o sucesso profissional. 113

114 A Disciplina de um maratonista 114

115 J.W.Granjeiro O concurseiro e o Mamute Certo dia uma senhora me procurou em busca de orientação. Ela queria ouvir minha opinião sobre em qual concurso se inscrever e que carreira pública seguir. Contou-me que era divorciada, tinha dois filhos e acabara de concluir o curso superior em Psicologia. Perguntei-lhe sua experiência profissional, e ela me disse: NENHUMA. Até então, ela nunca trabalhara, e sempre vivera para o esposo e os filhos. Só depois da separação havia conseguido finalmente ingressar na faculdade e concluir, com louvor, o curso superior. Cansada da vidinha de pensionista e de mãezona, agora queria trabalhar e viver a vida com os benefícios e as vantagens de ter o governo como patrão. Eu quis, então, saber sobre sua vocação e áreas de afinidade. Ela me disse que gostava de ler e que tinha muita facilidade com o estudo da legislação, do direito. Também gostava de escrever. Indaguei acerca do tempo que ela teria para os estudos. Ela respondeu que tinha disponível o período da manhã e parte da noite. Após algum tempo de conversa e de muitas perguntas e respostas, ficou construído o perfil da candidata. Apresentei-lhe algumas opções de concursos, falei sobre cargos, responsabilidades, benefícios, requisitos e expectativas de progressão funcional e de promoção nas carreiras. A cada alternativa que eu expunha, a senhora agora nossa aluna e futura servidora pública impunha dificuldades e enormes obstáculos todos inverossímeis, irreais, inexistentes para justificar sua incapacidade ou impossibilidade de passar no concurso sugerido. Eu, sem mais argumentos para convencê-la, apelei para uma história infantil que certa vez me contaram. Era uma vez um mamute órfão que fora criado por uma família de gambá. O animal crescera com hábitos de gambá dormia de cabeça 115

116 A Disciplina de um maratonista para baixo, alimentava-se de insetos e somente saía para caçar à noite. Tinha plena certeza de que era um gambá e comportava-se como tal. Certo dia, ao avistar um abutre, fingiu-se de morto os abutres não atacam presas inertes. Os outros animais, observando aquela cena, perguntaramse como um animal de l0 toneladas e com mais de 4 metros de altura podia ter medo de ser capturado pelas presas de um simples abutre? O que eu pretendia demonstrar com a pequena história infantil era que todo mundo pode ser aprovado em concurso público, que as pessoas mais bem-sucedidas não são necessariamente as mais inteligentes, as melhores, as mais fortes, as mais rápidas, as mais brilhantes, mas, sim, as mais confiantes e persistentes. São aquelas que estabeleceram uma meta passar em concurso público, acreditaram nesse sonho e criaram as condições favoráveis para que todo o universo conspirasse para a concretização desse objetivo. Se você tem plena convicção de que é fraco e incapaz, você será fraco e incapaz. Mas, se acredita ser forte, se enxerga em si mesmo capacidade, logo desenvolverá essas virtudes. Então pare de dar justificativas e de inventar desculpas. Pare de alegar que não consegue passar em concurso público. Acredite que você é um vencedor, alguém com potencial, inteligência e disciplina para conquistar o que quiser. A senhora ainda me encarava com olhar inseguro. Aproveitei para também narrar uma passagem bíblica muito oportuna. Um dia, Noé caminhava pelo deserto quando ouviu a voz do Senhor, que lhe delegava uma missão: construir uma grande arca e colocar dentro dela um casal de cada espécie de animal. Como concretizar tamanho projeto sem dispor de ferramentas, materiais e pessoal?, perguntou um atônito Noé. O Senhor respondeu: Comece, e eu o ajudarei. Portanto, se você, caro leitor, quer começar a estudar para concurso, mas está indeciso, com medo, inseguro, comece assim mesmo. Certamente, ELE o ajudará a alcançar o seu objetivo: a aprovação com a desejada classificação. 116

117 J.W.Granjeiro Pílulas de Motivação Praticamente todos os dias ouço alguém que não passou em determinado concurso por apenas um ponto Só faltou um ponto... um pontinho!. Outros candidatos contam que reprovaram por apenas três questões. Uma pessoa da minha família, muito querida, que orientei no concurso para consultor do Senado Federal, fez tudo certo, porém esqueceu-se de um mandamento: Não chutarás!. A prova era estilo Cespe, em que uma errada anula uma certa. Ficou, então, por dois itens. Cheguei a pedir ao meu melhor professor de raciocínio lógico para elaborar um recurso com vistas à mudança de gabarito, a fim de beneficiá-la. O recurso foi acatado, mas ainda faltava um item, para o qual não houve jeito. Minha protegida reprovou. Se tivesse acertado aquele item, ela conquistaria o primeiro lugar no certame e por certo estaria feliz e realizada em uma carreira de sucesso. Até hoje nossa personagem chora e reclama da sorte. Faltou-lhe humildade, e a arrogância a venceu. Recordo-me de que, quando fui chamar a atenção dela, ela repetia: Eu era a melhor aluna de matemática da escola.... Não importa se faltou apenas uma, ou duas, ou dez questões. O que vale para o concurseiro é o resultado final, não o parcial. A grande lição que se pode extrair quando não se passa em um concurso por pequena diferença de pontos é a de que estamos no caminho certo. A quase classificação pode e deve ser revertida com mudança de método e de atitude. Conheço candidatos que são aprovados em diversas fases do concurso e reprovam na última. Em regra, esmoreceram e deixaram de estudar com a mesma disciplina e com o mesmo afinco. Outros candidatos reprovam já na primeira etapa de um 117

118 A Disciplina de um maratonista concurso, mas, no seguinte, conquistam as primeiras colocações. Se você continuar fazendo tudo exatamente do mesmo jeito, receberá a mesma nota e idêntica colocação. Portanto, a ordem é mudar, e mudar para melhor: altere o método de estudo, amplie o tempo dedicado à preparação, invista em cursos por matéria, adquira cadernos de provas comentadas, matricule-se em cursos de resolução de exercícios. O concursando precisa assimilar a ideia de que concurso público é como uma competição: exige preparo intelectual, físico e psicológico, e somente os fundistas têm grande possibilidade de êxito. O maratonista, de maneira semelhante ao atleta dos estudos, treina meses a fio para melhorar suas condições físicas, preparar bem a mente e aprimorar a técnica, para, no dia da prova nem um dia antes, nem um dia depois, estar apto à competição. Note: ele se prepara para aquele dia específico. Antes desse dia, ainda não está preparado e, depois, pode ficar fora de forma. A reprovação em concurso público é normal e natural. Noventa por cento dos candidatos que disputam as vagas não estão preparados para a prova e por certo reprovarão. Logo, a regra é não passar; o anormal é passar. Portanto, não se abale com a reprovação. Volte para a fila e estude mais e mais. Seu futuro espera por você. Seu destino é maior que uma simples reprovação ou uma derrota pontual. Perca a batalha, mas não a guerra. E lembre-se de nosso lema: Sou concurseiro e NÃO DESISTO NUNCA! 118

119 J.W.Granjeiro Entre Sonhos e Realizações O início de minha relação com o mundo dos concursos públicos começou quando dei baixa do Exército brasileiro, em uma sexta-feira, e, na segunda-feira, com o caderno de classificados debaixo do braço, procurava emprego. O primeiro concurso ainda não público consistia em fazer uma prova de Língua Portuguesa, Matemática e Conhecimentos Gerais, para trabalhar em uma instituição financeira, misto de banco e seguradora. Disputávamos quatro vagas, e fui um dos aprovados na prova e na entrevista que fazia parte do certame. Para manter a boa nota da prova objetiva, demonstrei que precisava do cargo mais que os concorrentes. Eu conhecia bem a técnica de entrevista. Enquanto trabalhava na financeira, fazia um curso preparatório para concurso agora público do Banco do Brasil. O sonho de meus pais era me ver trabalhando no banco oficial, sinônimo de status e estabilidade. Estudei muito! Mas, sob a pressão de passar para não desapontar meus pais, fui reprovado. Fui vencido pelos principais inimigos dos candidatos a uma vaga no serviço público: fadiga, ansiedade e falta de estratégia para enfrentar a prova e administrar o pouco tempo disponível para responder as questões. Contudo, a preparação ajudou-me a passar em alguns dos concursos públicos que vieram logo em seguida, em especial o do DASP (Federal) e o do IDR (aqui do DF). Passei em 13º e 9º lugar, respectivamente, para o cargo de agente administrativo. Terminei o curso superior e fiz outros concursos públicos, com aprovação em 1º lugar no concurso da FPS (Sarah), onde permaneci até a redistribuição para o MJ de lá, parti para o primeiro 119

120 A Disciplina de um maratonista PDV do Governo Federal. Paralelamente a todas essas atividades, escrevi quase duas dezenas de obras voltadas para concursos (há obras que já estão na 28ª edição!). Sempre atuei no meio público, como servidor, professor ou instrutor. Entretanto, para mim, o fato que mais se destaca em minha vida profissional, sem dúvida, é ter sido pioneiro em diversos produtos para o seguimento dos concursos públicos. Ajudei a criar o maior e melhor curso preparatório, a primeira editora especializada em apostilas e livros voltados para concursos e uma rede de livrarias multimarca com todo tipo de material direcionado aos certames. Posso afirmar que são poucos os profissionais que ingressaram nesse mercado e nele permaneceram depois de quase duas décadas de trabalho. Outro dado que consagra minha trajetória é ter trabalhado em diferentes setores na preparação dos concurseiros, atuando ora como professor, palestrante, ora como autor, diretor de editora e dirigente de curso preparatório o que inegavelmente me torna um profundo conhecedor da área, um especialista no assunto concursos públicos. Aliás, não é à toa que fui um dos poucos professores de cursos preparatórios do país a ser entrevistado pelo apresentador Jô Soares, em um reconhecimento mais do que justo por minha história de sucesso e de colaboração para com aqueles que se preparam para se tornar servidores públicos. De forma direta e indireta, ajudei mais de 100 mil pessoas a ingressar no serviço público. Ainda como professor concursado de Direito e Legislação da extinta FEDF, destaquei-me, e isso me rendeu um convite da direção do Obcursos (atual Gran Cursos) em 1989 para ministrar as disciplinas de Direito Administrativo, Administração e Direito Comercial no incipiente curso preparatório. Sou titular dessas matérias até hoje. A formação didático-pedagógica Esquema I habilitou-me a sempre conquistar excelentes notas nas avaliações dos professores realizadas pela Coordenação do 120

121 J.W.Granjeiro Obcursos (atual Gran Cursos). Quebrei todos os recordes de aulas já ministradas por um professor 105 horasaula por semana em duas oportunidades. Tanto empenho, dedicação, energia e carisma renderam-me outros convites, primeiro para ser sócio e diretor administrativofinanceiro do Obcursos (atual Gran Cursos), o maior curso preparatório do país, e, mais tarde, para assumir o posto de diretor-presidente do grupo, que conta com escolas próprias, franquias, editora, livrarias e gráfica. E o Gran Cursos continua crescendo. Pretendo implementar nos próximos dias o telepresencial, via satélite, e o ensino a distância, via internet. Mas meu maior sonho é inaugurar o shopping dos concursos espaço que contará com tudo que o candidato necessita para seu preparo a fim de ingressar no serviço público e uma faculdade diferente, voltada para esse mundo dos concursos públicos. Deus foi generoso comigo e permitiu que eu atuasse em segmentos nos quais este país mais tem carências: educação, qualificação profissional, livrarias e editora. Que eu tenha êxito e possa realizar o sonho de milhares de pessoas que confiam em meu trabalho e no trabalho dos profissionais que me cercam como colaboradores. 121

122 A Disciplina de um maratonista 122

123 J.W.Granjeiro Que Tipo de Competidor Você é? Quando comparo o concurso público à maratona, sempre o faço tendo em vista similaridades existentes entre as dificuldades que se apresentam ao atleta e ao concurseiro e as qualidades exigidas para superá-las nas duas modalidades de competição. Mas hoje quero discutir uma questão diferente embora também relacionada à competição com aqueles que estão enfrentando a dura preparação para os concursos que vêm por aí. Afinal, você, concurseiro que está lendo este artigo, se sente, nessa jornada, mais como um corredor de 100 m rasos ou como um maratonista? As diferenças são muito nítidas e, claro, têm tudo a ver com a personalidade de cada um, ou seja, com características trazidas do berço, herdadas do pai e da mãe e presentes em todas as ações da vida. Entre elas, obviamente, estão a dedicação aos estudos e a disciplina na preparação para concurso público. Se você é um corredor de 100 m rasos nato e vai fazer a prova do TST no dia 17 de fevereiro, por exemplo, certamente está aflito para chegar logo o dia e não vê a hora de fazer a prova. E se você tem temperamento de maratonista quanto mais o dia do concurso demorar a chegar, melhor, você vai aproveitar todo o tempo disponível para estudar até o momento da prova. A questão é a seguinte: quem leva vantagem em matéria de concurso público: o corredor de 100 m rasos ou o maratonista? A minha resposta, baseada na própria experiência pessoal de maratonista que sou, é a segunda opção. Correr 100 m rasos significa explodir em 10 segundos ou menos toda a energia acumulada dentro de si, sem pensar em nada nada mesmo, a não 123

124 A Disciplina de um maratonista ser em atingir a linha de chegada na frente dos outros corredores. O velocista atingirá o objetivo em curto espaço de tempo, sem nenhuma estratégia a não ser a máxima velocidade possível. Na prova de concurso público, esse atleta corresponde ao candidato que termina de responder às 100 questões da prova em uma hora, enquanto os concorrentes ainda estão começando a pensar em como fazer a primeira parte dela concentrados e focados. Já o candidato-maratonista tem o comportamento oposto. E é ele que, ao final, deverá ter-se saído melhor, porque terá traçado uma estratégia aplicada desde o momento em que soou a campainha para dar início ao teste. É como o maratonista que precisa correr os m e tem mais de duas horas para desenvolver todo o seu potencial, dosando as energias, observando os adversários, alternando seu ritmo de acordo com as exigências do organismo e as necessidades do percurso. No concurso, ele agirá da mesma forma e dificilmente entregará a prova antes de soar o sinal de encerramento, mesmo que já tenha respondido todas as questões. De acordo com a sabedoria popular, a pressa é inimiga da perfeição. E, em matéria de concurso público, essa pode ser considerada uma regra de ouro. Fazer prova de concurso no ritmo de um corredor de 100 m rasos é suicídio na certa. Você vai esquecer preciosas lições aprendidas no decorrer de sua preparação, agirá por impulso, dará a resposta que primeiro vier à mente, e não aquela que exige raciocínio mais demorado. E pode ter certeza: isso não vai dar certo. Se você é um velocista na vida pessoal, na prova de concurso público terá de mudar seu ritmo para o do maratonista e fazer tudo de modo calculado, dosado, sem precipitação. Lembre-se de Franck Caldeira na maratona do Pan, que foi um exemplo do que acabo de afirmar: fez uma corrida cerebral e acabou vencendo a prova. Ele passou boa parte do tempo no segundo pelotão, para poupar energias, e 124

125 J.W.Granjeiro só quando sentiu que dava para arrancar até a primeira posição se lançou num sprint incontrolável. Daí até o final, foi só correr para o abraço, literalmente. É assim que deve ser o concurseiro. É preciso saber lidar com a ansiedade para atingir o pódio, tal como faz o maratonista durante a prova mais longa do atletismo mundial. A prova dos 100 m rasos é dominada pela emoção. Na maratona, predomina a razão. É por isso que a segunda opção é o melhor espelho para o candidato a concurso público, assim como o atleta busca a vitória na pista de corrida. O candidato-maratonista elabora um plano de treinamento e segue solitário e com perseverança. Conhece a teoria, as táticas e as estratégias de uma competição e, acima de tudo, treina muito. É obediente e respeita as orientações transmitidas pelo professor-treinador. Usa material adequado. Faz trabalho de reforço. Consulta sites especializados. Assina revistas e periódicos que tratam do assunto. Conhece muito bem as regras do jogo e o percurso que vai trilhar para alcançar a meta previamente traçada. E, o mais importante, não desiste NUNCA. 125

126 A Disciplina de um maratonista 126

127 J.W.Granjeiro Concursos Públicos Dicas e métodos de estudo Parte I Tenho ressaltado em meus artigos como é importante se preparar bem para passar em um concurso público. Mais uma vez, gostaria de esclarecer alguns pontos sobre ter o governo como patrão, a fim de orientar você, concurseiro, para que essa caminhada não se torne tão densa. Entendo o quão cansativo é a maratona da preparação e sei que às vezes o caminho, que parece muito mais longo do que imaginávamos, nos prega boas peças. Essa fase é realmente árdua, mas como dizem por aí, depois da tempestade vem a bonança. Então, por que estar bem preparado faz toda a diferença? Sabemos que o concurso público é a forma mais justa de seleção para um emprego. Graças a ele, afastam-se os indisciplinados, os sem-habilidades e os despreparados. O importante, portanto, é compreender que todo bom maratonista, para se tornar um vencedor, precisa de dedicação, estratégia, perseverança e muita disciplina. Acreditar que o esforço pessoal é tudo não passa de mera ilusão. Assim como você, muitos outros concurseiros estão cansados, trabalham durante o dia, estudam de noite e dariam tudo para dormir até mais tarde. Mas é preciso ir além. O diferencial deve estar em como estudar. Um bom plano de estudo pode garantir que você aprenda o conteúdo, e não apenas o decore. Confiar na memória não é uma boa estratégia, pois o nervosismo, entre outros fatores, pode fazer com que você simplesmente esqueça o conteúdo memorizado. Opte pela compreensão, pelo entendimento. Isso garantirá a você uma bagagem que nem o tempo será capaz de apagar. 127

128 A Disciplina de um maratonista Nos dizeres de Sun Tzu, a guerra é de vital importância para o Estado; é o domínio da vida ou da morte, o caminho para a sobrevivência ou a perda do Império: é preciso manejá-la bem. Todo desafio encontrado para conquistar uma vaga no serviço público deve ser visto como uma batalha. E você, como um grande soldado, deve priorizar as orientações de seu superior. Assim, a cada etapa superada, entenderá que, às vezes, mesmo sem ainda ganhar a guerra, vence-se uma batalha. O concurso público é uma guerra entre milhões de candidatos que têm o mesmo ideal: boa remuneração e estabilidade. De fato, não é fácil derrubar um exército, mas, quando se conhece o próprio potencial e o do adversário, é mais fácil montar as estratégias. O sucesso na luta leva à classificação; a vitória na guerra leva à posse. Trace um mapa de batalha: leia atentamente o edital; busque bibliografia específica de apoio; encontre o método que melhor se aplique a você; pratique atividades físicas, para cuidar do corpo e da mente; opte por uma alimentação saudável; exercite seu poder de concentração; encontre um bom ambiente de estudo; elabore um roteiro, alternando as disciplinas, para não fatigar a mente; e não se esqueça: resolver exercícios é um dos métodos mais eficazes para praticar o conhecimento. Só assim você poderá conhecer de perto seu maior adversário: a banca examinadora. O candidato deve confiar em seu potencial. Todo mundo consegue ser aprovado em um concurso público. A reprovação significa, tão somente, erro de estratégia, método, disciplina, orientação adequada e foco. Tenha em mira seus objetivos e lute com afinco. A luta será bem menos dolorosa e as aprovações serão mera consequência. 128

129 J.W.Granjeiro Concursos Públicos Dicas e métodos de estudo Parte II Como disse anteriormente, a aprovação em um concurso público depende de uma série de fatores. Além de disciplina, dedicação e planejamento do tempo de estudo, é importante se preparar para cargos cujas atividades práticas exijam conhecimentos similares aos conteúdos cobrados nas provas. Na maioria dos certames, os conteúdos exigidos vão além das matérias vistas nos bancos das escolas e das faculdades. Por isso, é importante que você invista em livros e apostilas específicas e estude em instituições preparatórias de confiança. A quantidade de matérias exigidas nos editais costuma ser muito ampla e, normalmente, os cursos preparatórios se guiam pelo edital no planejamento das aulas. Assim, no curso preparatório, o candidato passa a conhecer os conteúdos que mais aparecem nas provas e a forma como eles são cobrados. Além de estar a par de dicas e métodos de estudos, você deve aprender a fazer prova e a administrar o tempo de que dispõe para resolver as questões. Faça isso estudando em tempo igual ao previsto para a prova. Algumas matérias são comuns a todos os concursos e é importante que você as domine para ministrar aulas. Português, Direito Constitucional e Direito Administrativo devem ser o ponto de partida dos seus estudos. Aprofunde o conhecimento e entenda a lógica dos conteúdos. Assim, ficará mais fácil relembrar na hora da prova. Escolha outras matérias como Raciocínio Lógico, Informática, Contabilidade e Regimento Interno dos Tribunais. Assim, 129

130 A Disciplina de um maratonista seu leque de informações estará quase completo. Quando divulgado o edital, dedique-se às matérias complementares, já que as matérias básicas estarão frescas na memória. A administração pública paga até 400% a mais que as empresas privadas, e isso faz com que mais de 10 milhões de pessoas em todo país se sintam atraídas por essas vagas. Alguns órgãos, por não realizarem concursos públicos há mais de 15 anos, abrirão milhares de vagas neste ano. Contudo, mais de 35% dos candidatos não se sentem preparados e, por isso, estar com os estudos em dia faz toda a diferença. O candidato apto a fazer uma boa prova encontra-se a passos de se tornar um vencedor. É importante ter um diferencial. O candidato bem preparado e competitivo mantém-se sempre atualizado e não se desmotiva com as tentativas que não deram certo. Os estudos não devem se transformar em um tormento, mas, sim, em algo prazeroso. Ler com cautela e prazer facilita o entendimento. Quando se tem satisfação em fazer algo, tudo parece mais agradável. E por que não fazer do seu estudo, que é o essencial para passar em um concurso, algo motivador? A caminhada para investida no cargo público dos seus sonhos pode ser longa. Em média, o tempo de preparação é de um ano a um ano e meio com estudos de até sete horas diárias, acompanhados de planejamento, organização e disciplina. Mas esse tempo se torna curto, se comparado à estabilidade e à qualidade de vida que você terá em retorno. Focalize seu cargo e dedique-se de segunda a segunda. Todo esforço será devidamente recompensado quando alcançar a aprovação. Faça como Thomas Edison, que, ao ser questionado sobre ter fracassado várias vezes antes de inventar a lâmpada, respondeu: Não fracassei várias vezes; minha caminhada é que teve vários passos. Assim é a vida do concursando: um caminho com vários passos que levam ao sucesso e à realização profissional. 130

131 J.W.Granjeiro Concursos Públicos Dicas e métodos de estudo Parte III Chegamos à última parte deste ciclo de artigos com dicas e métodos importantíssimos para garantir sua aprovação em concursos públicos. Se você, concurseiro, seguir rigorosamente esses conselhos, poderá encurtar a corrida pela aprovação. Portanto, como bom maratonista, e não como corredor de 100 m rasos, você deve priorizar a disciplina, a organização e a dedicação. O princípio do concurso público é a isonomia. Logo, não há discriminação de candidatos, mas eliminação dos menos preparados e dos mais desorganizados. Reforço a ideia da importância da dedicação total. Para o maratonista e para o concurseiro, não existe fim de semana, feriado ou dias impróprios para o estudo. Todos os dias são dias úteis, e o período indicado para a preparação vai de segunda a segunda. Planejar e estruturar o estudo de cada uma das disciplinas é de extrema importância. Isso significa organização. Elabore um cronograma com o tempo disponível e todas as atividades diárias. Inicie os estudos pelas matérias mais difíceis e deixe as preferidas para o período da tarde ou para a noite, já que você consegue compreendê-las com menos esforço. E sempre comece o dia revisando as matérias. Acorde mais cedo e, antes de sair para o trabalho, repasse os conteúdos. Faça uma escolha criteriosa do local de estudo. Prefira ambientes bem iluminados, arejados, silenciosos e que tenham todo o material necessário à mão, com mobília adequada e suporte para livros. Faça o seu mural dos sonhos. Coloque nele fotos dos órgãos e imagens 131

132 A Disciplina de um maratonista relacionadas ao cargo que pretende exercer. Isso servirá como motivação diária, e assim você terá força para persistir nos estudos. Quem estudou em escola pública ou em faculdade com pouca tradição deve se dedicar ainda mais à preparação. O período de estudo e de privação não deve ser encarado como perda de tempo, mas, sim, como mudança de hábito. No momento, a prioridade é alcançar e valorizar um sonho, investindo em conhecimento intelectual. Reserve de 20 a 30 minutos do horário de almoço para descansar o corpo e a mente com um breve cochilo. É preciso recarregar as energias para retomar os estudos. Dessa forma, ao reiniciar as leituras e a resolução de exercícios, você não sentirá sono nem fadiga, e isso fará com que seu rendimento seja bem maior. No início dos estudos, o concurseiro costuma valorizar as doutrinas majoritárias. Porém, dedicar-se somente à doutrina pode restringir seu campo de alcance. As exigências mudam de acordo com a banca examinadora, e às vezes saber apenas o que a maioria dos doutrinadores acredita não lhe garantirá um bom resultado. Estude e conheça bem a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Antes de tudo, lembre-se: a humildade é uma grande virtude. Tenha-a como princípio nas aulas, nos estudos e nas provas. E não se esqueça nunca da sábia arte chinesa difundida pelo mestre Sun Tzu: Aquele que conhece o inimigo e a si mesmo, ainda que enfrente cem batalhas, jamais correrá perigo. Aquele que não conhece o inimigo, mas conhece a si mesmo, às vezes ganha. Aquele que não conhece nem o inimigo nem a si mesmo está fadado ao fracasso e correrá perigo em todas as batalhas. 132

133 J.W.Granjeiro Busque o autoconhecimento. Procure perceber e compreender suas limitações, seus esforços e suas carências. Dia após dia, dê um passo adiante, e em breve terá completado o percurso de distância não revelada. Sua aprovação em um concurso pode estar trilhada em 1 ou em 10 quilômetros. O que definirá o caminho a ser seguido e o tempo para percorrê-lo será sua determinação. Ouça a torcida das pessoas queridas, que lhe darão força para seguir em frente. Por fim, exercite sempre. Resolva as últimas cinco provas do concurso escolhido ou da banca examinadora que prepara as questões do certame. Lembre-se da sábia lição de Confúcio: Ouço, esqueço. Vejo, entendo. Faço, aprendo. 133

134 A Disciplina de um maratonista 134

135 J.W.Granjeiro A Cigarra e a Formiga Concurseira Era uma vez uma cigarra que vivia brincando, aproveitando a vida; saía com as amigas noites e noites, tomava uma cervejinha, viajava muito. Não gostava de estudar. Isso nem pensar, falava para as amigas. Bem, a menos que tivesse um bom edital na praça, com muitas vagas e uma boa remuneração inicial para o cargo. Aí teria chance de estudar e logo passar. A cigarra varava noites estudando, tentando vencer o programa do edital que era extenso, com muita legislação e dezenas de disciplinas para serem estudadas num tempo médio de 60 dias. É claro que a nossa amiga cigarra não conseguia, rolava uma fadiga, uma ansiedade, um enorme estresse, especialmente nos dias que antecediam à prova do concurso. Pensava na farra que faria, no que estava perdendo com os amigos, na noite, comparava sua vida de antes e de agora. O que fazer?, pensava. Estudar e sofrer assim ou entrar na festa como antes? E, quando chegava o dia da prova, baixava o famoso branco e nossa candidata se desesperava porque não conseguia resolver todas as questões, pois não treinou direito e não planejou adequadamente as suas táticas e estratégias para conquistar a tão sonhada vaga em uma carreira pública. No fim, reprovou. Enquanto isso, a formiga estudava muito baseada apenas no fato de que a autorização do seu concurso fora publicada e que por certo o edital mais cedo ou mais tarde também seria publicado. Matriculou-se em um curso do tipo pacote e em algumas plêiades para reforçar conteúdos e suprir as suas limitações. Acordava muito cedo para estudar as matérias de maior dificuldade e aquelas de que não gostava tanto. Reservava o turno da noite para 135

136 A Disciplina de um maratonista estudar as matérias mais simples ou aquelas com que tivesse mais afinidade, fazendo muitos exercícios de provas anteriores. Durante as aulas, tirava suas dúvidas, porque antes estudou o capítulo que o professor sugeriu. Adorava conversar com os alunos concorrentes e com os mestres sobre o comportamento da banca examinadora, querendo sempre saber o que tem sido cobrado nos últimos certames. Era humilde quando procurava outros colegas para estudar em grupo, trocar material e experiências. A cigarra concurseira gosta de estudar sozinha, se acha autossuficiente. Para ela material bom é aquele encorpado, prolixo e escrito por grandes nomes. Despreza apostilas, cadernos de provas comentadas ou livros escritos por professores de escolas preparatórias. Critica cursos sobre técnica de estudos, administração eficiente do tempo, ou coisa similar. Para a cigarra, o que importa é estudar muitas horas, desde que se tenha um edital na praça. A formiguinha tinha a consciência de que a vida de concurseira é dura e que, enquanto durassem os estudos, não haveria muito tempo para a família, diversão, mas que não prescindia de uma leve atividade física e de um bom planejamento de estudo, com prazos e metas bem rigorosos para cumprimento. Quando chegou finalmente a data da prova, lá foi a nossa formiga, consciente, convicta de que fez o certo e o melhor, sendo merecedora da vaga. Foi, então, aprovada e classificada. Moral da história: os resultados advêm depois de muita disciplina, perseverança, foco, muito trabalho, e uma dose de sorte oportunidade com adequada preparação. 136

137 J.W.Granjeiro A Cigarra, o Percevejo e a Formiga Concurseiros Era uma vez uma cigarra que se achava a esperta. Compreendo tudo o que me dizem, de maneira rápida e eficiente. Só de prestar atenção à aula, aprendo tudo. Estudo em casa, leio e entendo. Faço assim: leio tudo primeiro, depois resolvo os exercícios. É mole! Acerto quase tudo. Esse concurso será fácil. Estou estudando muito. Sempre foi assim no colégio: nem precisava estudar, sempre tive facilidade. Não abro mão é de meu fim de semana. Nesse, ninguém mexe. Acho que o divertimento faz parte dos estudos. Meu sábado à noite é para as baladas, afinal ninguém é de ferro. Já o percevejo não é esperto; é o inteligente, o cabeçudo, CDF. Sabe tudo de tudo. Entende tudo melhor do que alguns professores, até. Compreende o mecanismo de qualquer estrutura lógica que lhe é apresentada: seja na área do direito, do português, da arquivologia. Sabe tudo. Sempre tirava dez nas provas do colégio e, quando a nota era menor, convencia o professor de que era ele, o aluno, que estava certo nas respostas tidas como erradas. Sou inteligente. Por isso não saio de noite, prefiro estudar. Família, eu deixo para depois do concurso, afinal ela não fará com que eu seja aprovado. Tempo para atividade física, para relaxar? É para otário! O negócio é estudar, estudar e estudar. Já a formiga é diferente. É a concurseira profissional. Encara tudo de maneira séria e focada no que quer, sem limites. É estrategista. Monto um plano de estudo que me permita uma preparação completa. Das horas de estudo individual até o lazer tranquilo com a família, tudo é 137

138 A Disciplina de um maratonista planejado. Minha rotina deve estar dentro da normalidade, para que eu não seja prejudicada por súbitos desejos ou vontades. Equilíbrio é a palavra certa. É a chave do sucesso. Reservo tempo para atividades físicas, que me deixam mais forte para aguentar o dia a dia pesado de estudos e ainda me carregam de adrenalina e disposição. Deixo tempo para a família. Pode ser um almoço no fim de semana, uma festa de aniversário. Assim minha mente se distrai um pouco, para que, na hora do estudo, esteja 100%. Minha vida gira em torno dos estudos. Tudo é preparação. Até mesmo minha alimentação é voltada para isso. Balanceando adequadamente nutrientes energéticos e, quando necessário, alimentos relaxantes, consigo rendimento melhor de tarde e de noite. Estudo só, resolvendo os exercícios de provas anteriores e das apostilas. Anoto e reviso todas as dicas dos mestres, em quem confio totalmente. Eles me farão passar. O sucesso deles é o meu sucesso. Estudo em grupo também. Tiro dúvidas, lido com anseios, ensino muito do que sei, e assim aprendo ainda mais. Não há horas do dia em que não esteja focada no estudo. Tudo o que faço é voltado para a aprovação. Tenho foco. Procuro a melhor preparação, alio-me aos melhores profissionais e estudantes que existem, tranquilizo-me com a melhor estrutura para a realização de meu sonho. Nada pode ser mais ou menos. Não desejo ser um profissional mais ou menos. Não posso estudar mais ou menos. Saber muito ajuda. Ser esperto ajuda. Porém, ser só o esperto atrasará demais minha aprovação. Ser apenas o inteligente não me garantirá o manejo das questões que exigem perspicácia. Tenho de ser ambos: o inteligente, para que saiba o conteúdo com segurança, e o esperto, para que use esse conhecimento de maneira eficaz e não caia em pegas na prova. Sou os dois. E tenho outra vantagem: tenho planejamento. Sei o que quero, sei o que fazer, sei 138

139 J.W.Granjeiro onde procurar aliados. Com planejamento, conseguirei estudar, aprender e ser aprovado com rapidez, segurança e eficiência. Depois de conseguir o que quero, serei de minha família por inteiro. Afinal, me sacrifiquei assim pelos entes queridos. Terei mais tempo para mim, pois estudei muito para isso. Viverei sem preocupações e olharei para trás com orgulho. Não do sacrifício, mas da estratégia de preparação correta. Buenos Aires, Argentina. O excelente resultado da Equipe Obcursos (atual Gran Cursos) de atletismo (1º e 3º lugares) na corrida Airton Senna-Racing Day Brasília 2008 deve-se a muito treino, empenho, planejamento estratégico e disciplina. 139

140 A Disciplina de um maratonista 140

141 J.W.Granjeiro A Lição dos Atletas Olímpicos para os Concurseiros Acompanhei as principais provas das Olimpíadas de Pequim e, em especial, as entrevistas dos vencedores e daqueles que, embora tivessem dado o melhor, não subiram ao pódio. Os vencedores em geral disseram que antes mesmo da prova se sentiam merecedores da medalha porque haviam treinado muito durante anos para conquistá-la. Em outras palavras, todos prepararam corpo e mente para o dia D. Sacrificaram lazer e o convívio com a família; investiram em equipamentos, treinadores, psicólogos e alimentação; participaram de inúmeras provas com vistas à preparação para o mais importante evento do esporte mundial. Já aqueles que amarelaram alegaram falta de sorte. Alguns admitiram a incompetência, outros atribuíram o fracasso à desorganização ou à falta de apoio. Eram muitas as razões e muitos os motivos para tentar justificar a falta de planejamento, de empenho, de organização, de preparo psicológico, de concentração, de foco e de estratégia e a insegurança, o medo e a fraqueza para enfrentar as adversidades. Enfim, muitos argumentos para justificar a indisciplina e a incompetência. Mesmo os mais brilhantes dos atletas aqueles que praticamente nasceram correndo ou nadando, que têm talento e físico próprio para a modalidade ou prova que disputaram, repetiram inúmeras vezes, treinaram sete dias por semana, sete horas por dia, durante anos. Todos ressaltam que a conquista de tantas medalhas não resultou de sorte ou simples talento nem se deveu apenas à condição física, mas foi fruto de muita ralação, dedicação 141

142 A Disciplina de um maratonista aos treinos e obediência técnica. De fato, a conquista de uma vaga não é consequência de uma preparação de quatro meses ou de véspera; demanda, sim, tempo para boa assimilação do condicionamento... ou do conteúdo. Um dos atletas fracassados nas Olimpíadas disse não saber o que aconteceu. Segundo justificou, deixara de participar de inúmeras provas para chegar bem às Olimpíadas. Já os campeões, ao contrário, relataram ter competido em diversas outras provas para treinar e obter a segurança necessária para conquistar o ouro. Uma atleta não achou a vara de que precisava para saltar e, por consequência, perdeu a concentração e a tão sonhada medalha. Ela não estava preparada psicologicamente para eventuais adversidades e contratempos. De outro lado, uma equipe de esporte coletivo ganhou o ouro, embora antes tenha sofrido uma grande derrota. A diferença é que, durante quatro anos, as atletas se prepararam técnica, física e psicologicamente para se tornarem campeãs. Portanto, amigo concurseiro, é balela a campanha publicitária que promete aprovação rápida graças à estrutura física bonitinha e aos recursos tecnológicos de última geração do preparatório. Não existe milagre ou mágica para assegurar a aprovação com classificação. Em matéria de concurso público, é necessária muita transpiração e pouca inspiração. A sorte da aprovação está na escolha do método adequado de estudo, no foco assegurado pelo curso de pacote, na elaboração minuciosa e no cumprimento disciplinado do plano de estudo, no estudo concentrado do material certo, na escolha adequada das plêiades de reforço e dos cursos de exercícios, no preparo físico e psicológico para vencer eventuais turbulências e obstáculos. Quando se pergunta a uma pessoa aprovada em primeiro lugar em concurso público ou vestibular como ela conseguiu a façanha, a resposta é, com pouca variação, quase sempre a mesma: muito estudo, de forma focada, no 142

143 J.W.Granjeiro lugar certo e com método e metas bem definidos. Em regra, os classificados aplicam técnicas de estudo, recorrem a cronômetros para disciplinar a mente e desenvolvem o hábito do estudo com rotina de operário. Então, desfaça-se o mito: a diferença entre os aprovados e os reprovados em concurso é a atitude e o esforço pessoal com foco e admirável disciplina. Lembre-se de que estudar dói. No início, você não quer e não consegue estudar é melhor se divertir. O corpo reclama, a mente rejeita as informações. Com o tempo e com disciplina, você se acostuma e acaba gostando de estudar. Estudar e aprender tornam-se um grande prazer, e os resultados logo aparecem. Atletas de Elite da Equipe Obcursos (atual Gran Cursos). 143

144 A Disciplina de um maratonista Professor Granjeiro em Cordel Ele nasceu em Encanto E é Cidadão Honorário Foi homenageado em Brasília Por tornar-se um grande empresário Da área de cursinhos Mostrou que é um operário No dia da homenagem Chorou a mãe e até o vigário. Estou falando de um professor Conhecido apenas por Granjeiro Que está em Brasília há 38 anos E na arte de ensinar é o primeiro De servidor público para empresário Ele batalhou, mas foi tudo muito ligeiro Foi aprovado em oito concursos Comprovando que é concurseiro. Antes que você me pergunte 144

145 J.W.Granjeiro Vou logo lhe responder Encanto fica no Rio Grande do Norte Foi lá que Deus fez nascer Um menino abençoado Que ia fazer muita gente crescer Ensinando passar em concurso E ao Mestre agradecer. Ele saiu de Encanto ainda pequeno Tinha apenas sete anos de idade Pela mão de sua mãe Mulher de simplicidade Com mais quatro irmãos E com muita humildade Sonhando em vencer na vida E encontrar prosperidade. Uilma era a mais velha Wnilson e Wgilson vinham em seguida José Wilton era o caçula De uma família querida De origem humilde e simples E por que não dizer sofrida. O pai já havia se mudado Para ser pioneiro na nova Capital Ajudar na construção de Brasília A convite do governo federal Comandado por Juscelino O presidente magistral Que resolveu criar Brasília Mesmo com a oposição xingando e tal. O encontro da família com o pai Como era de se esperar Foi bastante emocionante Que fez todo mundo chorar. Era abraço pra todo lado Ninguém podia acreditar Que depois de tanta poeira 145

146 A Disciplina de um maratonista O pai pudesse beijar. O ano era 1970 E o governo era militar JK já tinha sido banido Nem em Brasília podia pisar Para tristeza dos pioneiros Que vieram por acreditar Naquele mineiro de coragem Que a vida de muita gente fez mudar. Depois de sete intermináveis dias A família estava feliz Esquecera o ônibus quebrado Porque era a união que o pai sempre quis Aqui já se encontravam outras famílias Dos Silva, dos Freitas e dos Diniz Todas com muita esperança De conquistar a bonança E agradecer a Deus na Matriz. O menino Granjeiro estava eufórico Mas ainda um pouco assustado Era muita poeira e tudo novo Mas seu pai era um homem equilibrado Ele não precisava se preocupar Seu futuro estava traçado. Sempre com a bênção de Deus E a proteção Divina Aquele menino foi estudando Mas sentindo a falta de esquina Que tinha na sua cidade E vibrava em sua retina. Era mais do que um retirante Era um nordestino Que sonhava alto Já não era tão menino 146

147 J.W.Granjeiro Em Brasília, a família cresceu Welder e a Unilma trouxeram mais emoção Eram os primeiros brasilienses Daquela família do sertão Que veio para Brasília Para lutar com garra e determinação E com força de vontade Ajudar na sua consolidação. A família de Granjeiro Morou na Vila Esperança Mas mesmo na pobreza Todo mundo tinha confiança O menino virou rapaz em Ceilândia Sem dúvida, uma grande cidade Trabalhava de dia e estudava à noite Sempre mantendo a humildade Sabia do seu potencial E que tinha capacidade. Uma prova disso é que a vida melhorou Foi servidor público concursado E já podia guardar dinheiro Porque era muito organizado Já sabia administrar a vida Seu destino estava traçado. Foi na Ceilândia que ele começou Trabalhou na Fundação Educacional No CDS e no Centro de Bem-Estar do Menor E na Administração Regional Não teve vergonha de pedir livros emprestados Porque sabia que venceria no Distrito Federal. Foi professor de cursinhos Mas já pensava em abrir sua própria empresa 147

148 A Disciplina de um maratonista Hoje é presidente do grupo GRAN CURSOS E não foi nenhuma surpresa Quando viu o negócio crescer Diante de tanta dureza Com o apoio da mulher Ivonete Inteligente e de grande beleza Que lhe deu dois lindos filhos Meninos de muita pureza. Ele já recebeu inúmeras honrarias Títulos e medalhas Todos para compensar Suas lutas e batalhas. Granjeiro é filho de Seu Zuza e De Dona Maria Raimunda, uma Guerreira E pai do Gabriel e do Matheus Que só dão alegria a vida inteira É amigo dos amigos Mas não gosta de gente traiçoeira Já foi traído por alguns Mas isso agora é besteira Nunca guardou rancor de ninguém Porque isso é coisa de gente sem beira. Granjeiro gosta de Brasília Assim como gostamos do sol nascente Porque a cidade tem qualidade de vida Conforme pesquisa recente E aqui ele construiu a vida Por ser batalhador e persistente Na Câmara foi homenageado Por iniciativa do deputado Prudente. A esposa e filhos nasceram em Brasília Daqui a família não pensa em sair Aqui ele treina para as maratonas O professor gosta de competir. 148

149 J.W.Granjeiro Em Brasília, Granjeiro gera empregos Aqui ele é empreendedor Ajuda milhares de pessoas a ocupar cargos públicos E de impostos é um grande pagador Lê a Bíblia várias vezes ao dia E sempre agradece ao Salvador. O GRAN CURSOS é líder em aprovação Porque tem muita gente capacitada Do mais simples funcionário ao diretor A equipe é bem preparada A empresa se expandiu E até sua Editora já é consagrada. Professor, usei quadras, sextilhas, oitavas e décimas Para esta homenagem fazer Demorei duas horas exatas Para este cordel escrever Fiz apenas um resumo de sua vida Porque sua história só tende a crescer. Lima Rodrigues 149

150 J.W.Granjeiro Última Lição Não conheço nenhum concurseiro que tenha sido aprovado e classificado em concurso público sem antes ter sacrificado lazer, convívio social, família, feriados e domingos, pelo menos uma centena de vezes. Há quem diga que o êxito e o sucesso só vêm depois de trinta mil horas de treino no caso do candidato a uma vaga no serviço público, depois de trinta mil horas de estudo e resolução de questões de certames anteriores. Da mesma forma, sou incapaz de vislumbrar o sucesso de um profissional que não seja muito persistente; de um estudante que não dedique todo o tempo disponível e mesmo o não disponível ao cumprimento de um plano de estudos; de uma pessoa que não deixe de lado a preguiça, o orgulho, a arrogância e o comodismo. Se o objetivo da vida de alguém é uma carreira pública de sucesso, há que investir em cursos, material de apoio e tudo mais que for necessário: apostilas e livros específicos, aulas de reforço, taxas de inscrição. Há que encontrar tempo, canalizar a energia e nutrir paixão e sentimentos positivos pela missão. Do contrário, a reprovação é certa, assim como um lugar na fila de perdedores. Lembre-se: o sucesso é construído de noite! Durante o dia você faz o que todos fazem. Portanto, para garantir um dos primeiros lugares da lista de classificados, tem de agir de forma incomum e elaborar estratégias diferentes. Deve, por exemplo, acordar às cinco horas da manhã e estudar até às sete. Ou ficar acordado até de madrugada, estudando com os pés em uma bacia de água fria para manter-se desperto. Se fizer o mesmo que todos os candidatos, conseguirá apenas a mesma classificação que eles obviamente, fora do número de vagas. 151

151 A Disciplina de um maratonista Não se iguale à maioria, pois, infelizmente, ela não é modelo de inspiração ou de sucesso. Se quiser ser aprovado e classificado, terá de estudar no horário em que os outros estão tomando chope e comendo batatas fritas. Terá de se planejar, de se organizar, de se automotivar e de controlar periodicamente seus resultados, enquanto os concorrentes os incautos permanecem na frente da tevê. Terá de estudar enquanto os outros tomam sol à beira da piscina embora tal extravagância seja até viável, desde que durante a leitura de um livro ou de uma apostila com conteúdos voltados para o concurso. Em tudo na nossa vida, tendemos a desistir nos primeiros obstáculos por nos julgarmos incapazes de transpô-los. Mas quando, determinados, tentamos e passamos o primeiro deles, aí ninguém mais poderá nos deter: podemos transpor tudo. Há pessoas que desistem de seus sonhos nos primeiros obstáculos, por falta de acreditarem em si. Mas há pessoas que, por mais difíceis que pareçam os problemas, acreditam e nunca desistem. Assim seu cérebro, seu coração e sua alma trabalham para fazer possível o impensável. A realização de um sonho depende de dedicação, persistência, método, organização e disciplina de maratonista. Há muita gente que espera que o ideal de ter o governo como patrão se concretize por mágica, sorte ou intervenção divina. Certamente esses fatores podem ajudar, desde que você faça a sua parte. Trabalhe e estude muito, com orientação adequada e com os meios adequados. Quem quer fazer alguma coisa encontra um meio. Quem não quer fazer nada encontra uma desculpa. Se você acredita que pode, poderá, porque vontade gera energia. E a disposição de fazer é o começo do sucesso. Lembre-se: mais faz quem quer do que quem pode. Ou, como escreveu o saudoso Machado de Assis: Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinhos. Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas 152

152 J.W.Granjeiro O Perfil dos Primeiros Colocados Com muito esforço, consegui reunir em nossa sede, no SIG, os primeiros colocados nos concursos públicos da ANA, da Anatel, do Detran, do HFA, do MTE, da PCDF, da SES/DF e do Senado Federal. Todos são ex-alunos de nosso curso presencial. Conversei com a maioria deles e perguntei o que fizeram para obter a classificação nos primeiros lugares. Notei que a fórmula do sucesso fora basicamente a mesma: todos fizeram um curso do tipo pacote dirigido para o concurso dos sonhos ou uma Facon, matricularam-se em algumas Plêiades cursos por matéria, com vistas ao aprofundamento de conteúdos de peso ou em que tinham dificuldades e, no fim da preparação, já próximo à data da prova, se inscreveram em cursos de exercícios. Percebi que os concurseiros que haviam se matriculado em mais Plêiades lograram as melhores classificações. Os cursos por matéria fizeram a diferença. Não satisfeito com essas informações, pedi que os felizes futuros servidores públicos respondessem a um questionário elaborado pela equipe Gran Cursos. As respostas nos forneceriam dados para traçarmos um mapa do perfil, das estratégias e dos atributos dos ilustres vitoriosos. Eis as conclusões a que chegamos: 78% dos entrevistados têm entre 17 e 29 anos e os 22% restantes contam entre 30 e 47 anos de idade; 84% têm formação superior e 16% concluíram o nível médio; 62% estudaram entre 4 e 6 horas por dia; os outros 38% dedicaram acima de 6 horas diárias, chegando a até 10 horas de intenso estudo; 153

153 A Disciplina de um maratonista 68% foram aprovados antes de completarem 1 ano de preparação, 19% levaram entre 1 e 2 anos para obter sucesso e 13% precisaram estudar mais de 2 e menos de 3 anos para conseguir a primeira aprovação; 84% passaram em mais de um concurso, enquanto 16% foram aprovados em apenas um certame; 73% elaboraram resumos para estudo nos dias anteriores à prova; 97% quase a totalidade! revisaram a matéria para enfrentar o dia D; 81% não recorreram a nenhuma técnica de concentração ou memorização, mas 19% se beneficiaram desses artifícios de alguma forma. Perguntamos, ainda, aos nossos modelos de sucesso, que atributos, em sua opinião, foram decisivos para a aprovação nos diversos certames. A resposta já era esperada: persistência, determinação, dedicação, disciplina, foco e autoconfiança. São qualidades que não me canso de repetir! todo concurseiro deve desenvolver. Mais um dado que confirma o que costumo dizer em meus artigos: segundo as respostas colhidas, o que mais atrai os jovens para a carreira pública são os benefícios assegurados pelo cargo público e o fato de não se exigir experiência prévia para a contratação. Com base em minha experiência, posso afirmar que esse dado, embora colhido em um rol pequeno de concurseiros, reflete a opinião da maioria deles. Enfim, caro leitor, eis aí alguns dados estatísticos que podem inspirá-lo e ajudá-lo a elaborar planos e estratégias para a concretização do sonho de ter o governo como patrão e a segurança da carreira pública. GRAN Sucesso! 154

154 J.W.Granjeiro O Metabolismo dos Concurseiros Um dos questionamentos que tenho ouvido com mais frequência ao longo dos anos entre os concurseiros diz respeito ao tempo de preparação até a aprovação. Muitos se intrigam com o fato de estudarem há anos e ainda não terem conquistado o sonhado cargo público enquanto outros são aprovados logo no primeiro concurso que fazem. O que costumo dizer a esses concurseiros aflitos é: não se apavorem, ninguém é melhor nem mais capaz que ninguém. Mas, então, por que para alguns parece demorar tanto? Como ocorre com o metabolismo humano, que tem funcionamento exclusivo para cada indivíduo, todos nós passamos por um processo de preparação também particular e exclusivo, de duração variável conforme nossas características particulares. O metabolismo é definido como conjunto de reações químicas responsáveis pela produção de síntese e degradação dos nutrientes nas células. Em outras palavras, é a taxa com que o corpo queima calorias e produz energia para se manter vivo. Inúmeros são os fatores que o influenciam, como genética, idade, peso, altura, sexo, temperatura ambiente e prática de atividade física. Assim, um indivíduo, de acordo com a conjugação desses fatores, pode despender mais ou menos energia do que outro. É por isso que vemos pessoas magras que comem de tudo e não engordam de jeito nenhum, enquanto outras lutam muito para perder alguns poucos quilos. Essas particularidades individuais também explicam a diferença de tempo decorrido até a aprovação em concurso entre os muitos candidatos. Analogamente, 155

155 A Disciplina de um maratonista o metabolismo dos concurseiros envolve o processo de captação e recebimento das informações à transformação em conhecimento potencial exigido pelas organizadoras de seleções públicas. O metabolismo, apesar de ser um processo orgânico, pode ter seu funcionamento acelerado. Um dos aspectos que mais concorrem para essa aceleração é a disciplina. É preciso desenvolver uma rotina saudável, seja na alimentação, seja no estudo; rotina que seja baseada, acima de tudo, na persistência. Sabemos que há alimentos que, por sua composição, levam mais tempo para serem metabolizados. Igualmente, há conteúdos de assimilação mais difícil para alguns estudantes. Assim, da mesma forma que alguém que precisa entrar em uma dieta baseada em vegetais e saladas tem de rever sua relação com esses alimentos, um concurseiro com dificuldade em compreender e processar certas disciplinas deve dedicar a elas um pouco mais de tempo e não vê-las como monstros. Quanto menor o gasto calórico, menor será a energia gasta, mais calorias ficarão armazenadas e logo se entrará na faixa de sobrepeso. Por isso, outro aspecto essencial à melhora do desempenho metabólico é a atividade física. A gordura, nada mais que energia acumulada, pode ser comparada às informações que recebemos ao longo de meses de aulas e de estudo, mas não colocamos em prática. O resultado é que elas passam a sobrecarregar o metabolismo intelectual. Da mesma forma que os exercícios físicos contribuem para a queima da energia em excesso e proporcionam inúmeros benefícios à saúde, a resolução de questões e de provas de concursos anteriores ajuda a fixar a matéria e desenvolve experiência acerca da abordagem da banca examinadora. Não há uma dieta para acelerar o metabolismo nem um método de estudo que possam ser considerados universais. A situação de cada indivíduo deve ser analisada com base nas peculiaridades dele. Sugiro, então, que, inspirado por 156

156 J.W.Granjeiro essas dicas, você monte sua própria estratégia em prol do sucesso almejado: o ingresso no serviço público. Observe como funciona seu organismo e em que circunstâncias ele trabalha melhor e produz mais resultados. Repare bem nos ambientes e nos horários de estudo em que você se sente mais produtivo. Avalie em que medida a releitura de anotações e a transcrição das notas de aula contribuem para sua aprendizagem. Mensure quanto tempo deve ser dedicado a cada disciplina. E o mais importante: não se desespere com o tempo que você leva para ser aprovado. Não siga dicas mirabolantes que coloquem em risco sua saúde. Entre em sintonia consigo mesmo e dedique-se, com calma, apenas a melhorar seu desempenho, preenchendo as lacunas necessárias e efetuando as correções devidas. O autoconhecimento será determinante para você finalmente obter a sonhada aprovação. 157

157 A Disciplina de um maratonista 158

158 J.W.Granjeiro Mulheres Concurseiras Neste mundo globalizado, a concorrência no mercado de trabalho está cada vez mais acirrada. A presença marcante da mulher na disputa pelos cargos públicos pode ser explicada por alguns fatores: isonomia de salários, estabilidade, inexigibilidade de experiência, ausência de discriminação em virtude da aparência, possibilidade de trabalhar perto de casa etc. Depois de terem conquistado a independência, as mulheres assumiram muitas responsabilidades, inclusive a de chefe de família. O resultado é que, hoje, elas respondem por essa função em grande parte dos lares brasileiros. Ao observar algumas mulheres e ouvir suas histórias pessoais, percebo como elas são fortes, perseverantes, determinadas e corajosas. Verdadeiras sobreviventes em uma sociedade em que desempenham vários papéis: o de mãe, o de filha, o de esposa, o de profissional, o de administradora do lar. Têm de ser muito competentes para dar conta do recado. Não bastasse tudo isso, ainda há um padrão de beleza esquelético, talvez inspirado na grande criadora de parâmetros indiretos: a Barbie. A boneca sintetiza o estilo, a classe, a beleza e o corpo perfeito. Certo dia, chegando ao Gran Cursos, fui abordado por uma jovem senhora. Ela criticava os professores, funcionários e afins. Aparentemente, a empresa não lhe agradava em nada. Tão logo concluiu as reclamações, a mulher se desculpou. Disse que estava em um dia ruim e que passava por problemas pessoais. De fato aquilo era apenas uma maneira de desabafar. Essa história me fez refletir. Como é importante perseverar e amar, não é mesmo? Aos poucos, entre um 159

159 A Disciplina de um maratonista olhar e outro, as palavras iam saindo da boca daquela mulher. Numa tentativa de consolo, ela confiou a mim os problemas de sua vida. Estava cansada. Estudava diariamente havia mais de seis meses. A mãe seguia internada em uma clínica para tratar de uma doença degenerativa, e a concurseira dedicava-se exaustivamente aos cuidados daquela que lhe dera a vida. Diariamente, por duas ou três horas, se desprendia dos estudos, cuidava de sua mestra e, em seguida, retornava à árdua caminhada rumo aos concursos públicos. Sem cessar, prolongava os estudos até às 23 horas. O curioso é que a situação dela é idêntica à de muitas das milhares de alunas que temos. Naquele mesmo dia, atendi mais duas estudantes que também estavam emocionalmente frágeis. Todas, mulheres que enfrentam com determinação as adversidades para realizar os sonhos. Todas, heroínas que se dedicam aos estudos e se privam de estar no seio da família, com o intuito de proporcionar um futuro melhor para os filhos, para os pais ou para si mesmas. Vivendo em uma sociedade em que o gênero masculino é indisfarçadamente mais valorizado que o feminino, as mulheres lutam por igualdade. E é exatamente isso que atrai tantas delas para o serviço público. Trata-se de um sistema onde se preza a isonomia; onde a idade, a experiência e o sexo ficam de lado. Na batalha do concurso público, vencem aqueles mais persistentes, disciplinados e preparados. Apenas esses alcançam o lugar mais alto do pódio. E elas? Estão lá! O número de servidoras públicas aumentou consideravelmente nos últimos anos. Segundo dados do IBGE 1, a participação feminina no serviço público já é maior do que a masculina em todos os estados brasileiros e, em 1 BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa do Mercado de Trabalho no Brasil Série Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica. n. 7, p. 30. Disponível em: <mercado_trabalho/mapa_mercado_trabalho.pdf>. Acesso em: 05 jan

160 J.W.Granjeiro alguns, elas ocupam três vezes mais cargos que eles! Graças ao instituto do concurso público democrático e isonômico, muitas mulheres conquistaram uma carreira de sucesso e estão realizadas profissionalmente, trabalhando com estabilidade e dignidade. Lembre-se: A força de uma pessoa não provém da capacidade física, e sim de uma vontade indomável (Mahatma Gandhi). 161

161 A Disciplina de um maratonista 162

162 J.W.Granjeiro A Força do Destino O nome dele era Davi. Pura coincidência: mesmo nome do Pequeno que venceu o Gigante, conforme revela a Bíblia. Vinha de família pobre, filho de sertanejos que lidavam com a terra e criavam umas vaquinhas na zona rural de uma pequena cidade do interior do Maranhão. Tinha três irmãos. Era a década de noventa, e, como em qualquer outro lugar, as pessoas mais humildes batalhavam muito para vencer na vida. Muitas morriam sem realizar o sonho da casa própria ou sem lograr aprovação em algum concurso público. Outras desistiam dos estudos e iam mexer como se diz lá na região com comércio, abrindo lojas de autopeças, confecções, farmácias, bares ou restaurantes. O importante era ter o próprio negócio, casar, ter filhos e viver aquela vidinha feliz para sempre. Quem não conseguia passar no vestibular de uma universidade pública do Maranhão mesmo, ou do Piauí, Tocantins ou Pará, estados mais próximos nem pensava em enfrentar uma faculdade particular porque a mensalidade era (e continua sendo) alta. Com os baixos salários da região, seria impossível sobreviver e ainda pagar os estudos. O jovem e pujante Davi era diferente. Ele era determinado. Tinha um norte na vida. Queria ser juiz. Não juiz de futebol, com todo o respeito a esses profissionais, mas Juiz Federal, do Poder Judiciário. Assim, o rapaz estabeleceu metas, organizouse e foi à luta. Durante o dia, trabalhava no escritório de uma grande serraria e fábrica de carrocerias de caminhão da cidade. Mas aproveitava regradamente os fins de semana e os momentos de lazer. O tempo que tinha usava para se preparar para o vestibular da Universidade Federal do Maranhão. Sabia 163

163 A Disciplina de um maratonista que a vida de auxiliar de contabilidade não o levaria muito longe. O máximo que conseguiria seria o cargo de chefe do escritório da fábrica. Isso era pouco para ele. Dedicou-se de corpo e alma ao seu objetivo. Estudou, fez o vestibular e foi aprovado com ótima classificação na UFMA. O curso? Direito, claro. Era com isso que ele sempre sonhara. Mas Davi não parou por aí. Na verdade, estava só na metade de sua longa jornada. De dia continuava trabalhando no escritório da serraria e de noite se preparava para ser advogado. Já quase no fim do curso, os três irmãos, que mal haviam concluído o antigo segundo grau, se uniram para ajudá-lo, ou melhor, para bancar o esforçado estudante, a mulher e os dois filhos dele. Tudo para permitir que o único universitário da família se dedicasse somente aos estudos. Com a ajuda dos irmãos, o jovem concluiu o curso de Direto e obteve, sem dificuldade, a famosa e temerosa carteira da Ordem dos Advogados do Brasil, Secção do Maranhão. Davi exerceu a profissão por alguns meses, mas, como ainda não era possível montar um belo escritório e ganhar grandes causas, dedicava-se cada vez mais aos estudos. Ele não queria ser advogado do dia a dia, do tipo que só faz petições, embargos, recursos e defende alguém. Queria ser Juiz. Com o apoio da família e dedicação exclusiva aos estudos e ao cursinho preparatório, o incansável bacharel fez concurso para o Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão. Aprovado e bem classificado, em pouco tempo estava com a vida estabilizada, morando bem, e o melhor: retribuindo a ajuda dos irmãos, dentro das possibilidades. Mas estes não estavam preocupados em recuperar o dinheiro investido no estudioso membro da família. Estavam felizes, contentes por ter um irmão Juiz o Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz Eleitoral da Primeira Zona Eleitoral Davi Costa, que venceu na vida com muita dedicação e PERSISTÊNCIA. Inspire-se na história de Davi e atinja o apogeu de sua própria história. 164

164 J.W.Granjeiro Estudo Individual x Estudo em Grupo Certo dia, em um de meus treinos para maratonas no Parque da Cidade, fui abordado por um aluno que também é maratonista corrêramos juntos a maratona do Rio de Janeiro. Ele contou-me que, outro dia, enquanto aguardava o horário de entrada no Gran Cursos, lia um de meus artigos sobre a relação entre concursos e maratonas quando ouviu o seguinte comentário de um estudante que estava ali por perto: Assim é fácil concluir o percurso da maratona. O professor Granjeiro deve ter toda uma equipe de staff ao seu redor. Bem, isso não é verdade. Apesar de a ideia ser boa, eu não disponho de uma equipe dessas. E, mesmo que dispusesse, a função dela seria apenas de apoio. Ela supervisionaria meus treinos, me ajudaria a desenvolver melhor condicionamento físico, monitoraria meu desempenho, e só. Ela não correria no meu lugar. É o corpo do atleta que atravessa todo o trajeto de m, de ponta a ponta. Ninguém o carrega até a linha final. Da mesma forma que o estudante se equivocou ao supervalorizar o papel dos treinadores de um maratonista no sucesso deste, muitos concurseiros se enganam ao pensar que o simples fato de se matricular em uma excelente escola preparatória para concursos já é o suficiente para garantir a aprovação. De nada adianta dispor dos melhores professores, dos melhores livros e apostilas, da melhor estrutura, se o candidato não estiver ciente de que é ele que deve se dedicar, de que é ele que tem de estudar, e muito! Quero, com isso, salientar que é o estudo com foco e método que põe um concorrente à frente dos outros, que o leva à vitória a aprovação com classificação dentro do número de vagas. 165

165 A Disciplina de um maratonista Milhares de candidatos fazem cursinho sem reservar tempo para os estudos, sem se dedicar de verdade. Consequentemente, não obtêm o resultado esperado. Outros até estudam, mas de forma inadequada. Pensam, por exemplo, que o estudo em grupo dispensa o individual, quando, na verdade, eles são complementares. Sem dúvida, o estudo solitário é requisito para o sucesso dos debates em grupo. Sem aquele, o esforço coletivo será inútil. O candidato tem de se preparar bem, apenas ele com ele mesmo, para, só então, colher frutos do estudo coletivo. Este só tem a acrescentar; nunca deve ser visto como forma exclusiva de preparo. Afinal, na hora da prova assim como na hora da corrida, o candidato não contará com o auxílio de ninguém. Estudar sozinho é seguir o próprio ritmo. Você, com as próprias mãos, destrincha o conteúdo até entendê-lo por completo. Cria afinidade com o texto. É importante esse momento solitário entre aluno e material didático, em que haja, digamos, uma comunicação, um entendimento entre os dois. Concluído o alicerce o estudo individual, é hora de construir os pilares, com o estudo em grupo. Essa é a oportunidade de consolidar os conhecimentos adquiridos individualmente e de dirimir as dúvidas remanescentes. Reúna pessoas o ideal são três, mas não deixe que o total exceda cinco com as quais tenha afinidades e que estejam realmente focadas em concursos, de preferência o mesmo que o seu ou algum que tenha matérias similares. Agendem encontros semanais. Neles, debatam os assuntos, ensinem uns aos outros. É na prática que o conhecimento se solidifica. Antes de iniciar os estudos, pondere os horários disponíveis e elabore um cronograma. Essa organização é fundamental. Ela disciplinará sua preparação e trará grandes benefícios, desde que você siga à risca todo o plano. Não permita exceções, pois logo elas se tornarão 166

166 J.W.Granjeiro novas regras, e os objetivos ficarão cada vez mais distantes. Alterne as disciplinas durante o estudo, para não fatigar a mente. E procure estudar em grupo, mesmo que o grupo seja, na verdade, apenas uma dupla. Entenda, porém, que o estudo com os colegas deve ser esporádico, semanal; estudar sozinho, por sua vez, deve se tornar tarefa diária. Tenha em mente, ainda, que as pessoas à sua volta são importantes na trajetória até a aprovação. Busque o apoio da família, os conselhos e os ensinamentos dos professores, os incentivos e a ajuda dos amigos e dos colegas de estudo. Mas compreenda que, na pista de corrida, você corre sozinho. Todas aquelas pessoas ficam nos bastidores. Quem tem de cruzar a linha de chegada é você. Estude só, estude em grupo, mas estude. E, à sua volta, busque inspiração para permanecer firme. Lembrese: O reino dos céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele (Mateus 11:12). 167

167 A Disciplina de um maratonista 168

168 J.W.Granjeiro O Concurseiro, o Maratonista e o Pateta Participei, no último dia 11, da 16ª Maratona da Disney, em Orlando, Flórida, EUA. A prova testou meus limites na superação da dor e meu poder de resistência e concentração, na medida em que tive de lidar com fortes dores na panturrilha, no púbis e no músculo lombar. Afora uma vontade quase descontrolada de ir ao banheiro. Tudo ao mesmo tempo. Por um erro de estratégia, fiz o aquecimento, mas não o devido e obrigatório alongamento da musculatura que de fato seria submetida ao intenso e exaustivo esforço e fadiga dos m da corrida cheia de subidas e descidas, que percorri sob frio intenso, ventos fortes e chuva fina, após ter largado às 5h45 da manhã. Erros que cometi: fiquei sem treinar por uma semana, ao longo da qual comi apenas carne e batata frita (com litros de Coca-Cola e Budweiser) é só o que há para comer na terra do Tio Sam! Aqueci-me com rigor por mais de 30 minutos isso resultou em perda desnecessária de energia, que me faltou nos últimos quilômetros da corrida. Aumentei o ritmo no meio da prova, embora não houvesse treinado o suficiente para me submeter a esse esforço. Para completar, não estudei devidamente o percurso. Cometi erros equivalentes aos daqueles concurseiros que, uma semana antes da prova, não reveem os apontamentos e resumos de que dispõem e, atravessam a noite anterior ao grande dia sobre os livros, pois não querem nem podem perder tempo. Agi como um dos inúmeros candidatos a um cargo público que tentam resolver todas as questões da prova, mesmo aquelas cuja resposta ignoram completamente. Senti-me como um desses concorrentes que nunca estudam e são arrogantes 169

169 A Disciplina de um maratonista o bastante para desprezar a banca examinadora erro muito comum entre os candidatos reprovados ou não classificados dentro do número de vagas, ou que nem sequer leem o edital do certame. Foi sem dúvida a maratona em que mais colhi ensinamentos até hoje, em que mais aprendi. E que corrida charmosa! Imagine: o percurso atravessava os parques da Disneylândia! No caminho, cruzei com personagens de Walt Disney, corri na companhia do Pateta e não me refiro a um dos maratonistas (embora tenha visto alguns com número no peito), mas à simpática, desligada e atrapalhada, embora determinada, criação dos estúdios Walt Disney. Corri bem os primeiros 30 km. A partir dali, senti fortes dores na panturrilha direita, o que me forçou a diminuir o ritmo. Qualquer outro teria desistido da prova, mas eu sou concurseiro, e não desisto nunca! Quando faltava uma milha para a chegada, a panturrilha esquerda também passou a me torturar. Busquei forças e inspiração em meus referenciais o morro, local de meus duros treinos, e o mar, o mais forte dos elementos da natureza e em minha família, razão de minha vida e de minha persistência. Nesse contexto, aqui vai uma dica: em algum momento o concurseiro vai querer desistir de seu objetivo. Essa será a hora de buscar forças nos elementos que compõem seu referencial ou sua meta: DEUS, filhos, amigos, contracheque, status, segurança etc. Recordo-me de que, em dado momento da competição do início do mês, quando eu estava esgotado, pensando em abandonar a prova, busquei inspiração também no lema do criador da Disneylândia: Continue seguindo em frente. O resultado: concluí a corrida no mesmo tempo que gastei para chegar ao fim da maratona de Nova Iorque, apesar de agora as condições terem sido ainda mais desfavoráveis. Aproveito para registrar que participei da 84ª São Silvestre, em 31 de dezembro último. Em comparação com a 170

170 J.W.Granjeiro prova de 2006, melhorei meu tempo e minha classificação, apesar do peso dos dois anos de idade a mais. Tudo graças ao treino disciplinado, ao estudo do percurso, às técnicas de corrida que aprendi e a alguns truques que desenvolvi ao longo de minha curta vida de maratonista. O concurseiro que quer mesmo ser aprovado já sabe que a chave do sucesso está no estudo focado, no treino com resolução de muitas questões de provas anteriores, na persistência, na determinação e na disciplina de maratonista. Deixo, por fim, o registro das frases que mais ouvi no percurso da maratona em Disney, para que você, leitor, internauta, concurseiro, tenha êxito em sua empreitada: Good job! Good luck! 171

171 A Disciplina de um maratonista 172

172 J.W.Granjeiro Nada Substitui a Preparação É fato que na hora da prova vários elementos se somam para resultar na aprovação ou na reprovação do concurseiro. O que garante o sucesso não é só a quantidade de horas de estudo e os conhecimentos adquiridos. É também o preparo direcionado. É também o controle emocional. Manter-se calmo durante a aplicação do exame, aliás, pode ser um relevante diferencial. Muitos candidatos detêm conhecimento e técnica, mas o nervosismo e a insegurança os eliminam do certame. Esses são aqueles concurseiros que não se sentem suficientemente preparados para a prova. Na hora H, ficam inseguros, nervosos e desconcentrados. A autoconfiança está relacionada à boa preparação, que não diz respeito somente ao número de horas dedicadas ao estudo, mas também à qualidade desse estudo, à concentração nele empregada. Quando dá o devido valor a esses aspectos da preparação, o candidato desenvolve o senso de merecimento e a certeza de que está pronto para o exame e até mesmo para executar as atividades que o cargo público exige. Estudar sozinho ou em grupo, fazer cursos específicos de cada matéria e tirar dúvidas com os professores são formas de evitar o famoso branco na hora da prova. A serenidade na realização do exame é consequência do preparo embasado em bons livros, apostilas e cursos. Sem dúvida, para chegar seguro às provas, é necessário ter conhecimento sobre as disciplinas cobradas. Mas também é imprescindível conhecer bem o edital e se informar sobre o estilo da banca. O conhecimento sobre tudo o que diz respeito à seleção a ser enfrentada conduz à autoconfiança, à crença do merecimento pela competência, pelos esforços dedicados e por toda a sabedoria acumulada. 173

173 A Disciplina de um maratonista O êxito em concursos é reflexo do estudo eficaz e resultado de metas projetadas para curto, médio e longo prazo. A ponte entre objetivos e resultados é construída com disciplina, obstinação e atitude. A disciplina revela-se na constância das leituras, na assiduidade às aulas e no hábito de resolução de exercícios. Já a obstinação dialoga com a persistência, a tenacidade. A atitude, por sua vez, diz respeito às escolhas, à necessária abdicação de alguns prazeres e à opção pelo empenho absoluto, que definem toda a trajetória até a aprovação, nomeação e posse. Portanto, tenha foco. Trace metas coerentes com a sua realidade. Estude com afinco proporcional ao tamanho dos seus sonhos. Acredite no seu desenvolvimento. Não custa reiterar: o bom preparo constrói o senso de merecimento, o que diferencia o candidato aprovado do reprovado. Estar dentro do número de vagas só depende de você: da sua disciplina, obstinação e atitude diante de todos os obstáculos que venha a encontrar no longo caminho até a conquista do cargo público. 174

174 J.W.Granjeiro Os Aperreados Há três alunos do Gran Cursos que se tornaram meus amigos, enquanto eu me transformei, para eles, em espécie de consultor, mentor, guru, confidente, algo do gênero. Pois bem. Esses alunos não aguentam mais esperar pela aprovação. Já estão impacientes, irritados, incapazes de aguardar mais um pouco. Os três têm uma característica em comum: são como diriam meus conterrâneos nordestinos aperreados. Sempre que me encontram, relatam a angústia que sentem e pedem aconselhamento. É para esses alunos, e para milhares de outros concurseiros, que dedico este artigo, em que ofereço algumas palavras extraídas da experiência, das leituras e da minha crença no trabalho e no poder da paciência. Em vez de ficarmos com raiva, em pânico, estressados, desmotivados ou frustrados enquanto nos preparamos para um concurso, na véspera da prova, ou em caso de reprovação, deveríamos ser capazes de analisar a situação por outra perspectiva. Deveríamos avaliar, por exemplo, como essas experiências contribuem para nosso aprendizado. Como elas nos ajudam a desenvolver serenidade, tão importante para voltarmos para a fila e persistirmos na jornada rumo à carreira pública. Sem paciência, não podemos aprender as lições que a vida nos ensina e não conseguimos amadurecer. A consequência é que não conquistamos os resultados esperados. Isso vale para o empregado, para o estudante, para o político, para o governante, para o concurseiro. A paciência nos imbui da firmeza e da capacidade necessárias para caminharmos em direção aos nossos objetivos e sonhos. Tomemos o exemplo dos estudantes 175

175 A Disciplina de um maratonista asiáticos. Por serem treinados desde cedo para persistir, eles costumam apresentar desempenho melhor do que a média dos americanos. Obviamente, ter paciência e perseverar, a despeito dos obstáculos, não significa, necessariamente, que obteremos resultados incríveis. Contudo, a paciência aumenta as chances de concretizarmos nossos sonhos sonhos como o de ser aprovado para um bom cargo público. A paciência nos ajuda a enfrentar os obstáculos do caminho e a reagir aos desafios com força, coragem e otimismo. É essa virtude que nos permite compreender que temos limitações típicas do ser humano. É ela que nos dá fôlego para perseverar apesar dessas limitações. Enfim, quando somos pacientes, aumentamos as chances de conquistar aquilo que almejamos. Extraio daí este conselho: quando passar por frustração ou for submetido à derrota seja na vida, seja nos negócios, seja humilde e se pergunte o que você pode aprender com essa experiência. Certamente a paciência será a principal lição. A genialidade dos grandes mestres aqueles a quem se atribui a responsabilidade por grandes feitos e que são fonte de inspiração está na capacidade de exercer a paciência. De fato, as pessoas cuja serenidade admiro parecem saber qual é o momento ideal para a escolha que precisam fazer. Elas sabem que há o tempo de esperar e o tempo de agir. Acima de tudo, confiam na própria intuição e sabedoria para identificar um ou outro momento. Felizmente, uma característica que por certo herdei dos meus pais foi a paciência para esperar e discernir entre a hora de parar, a hora de recuar e a hora de avançar. E minha experiência de vida me ensinou que todos nós somos capazes, talentosos e competentes para perceber cada um desses momentos. Aprendi, ainda, que cada um de nós tem atitude e disposição quando a vida nos desafia. Toda vez que vencemos um obstáculo, vivenciamos a sensação de dever 176

176 J.W.Granjeiro cumprido. Ora, em cada uma dessas superações, agimos da mesma forma: não nos esquivamos do problema, mas usamos a paciência para resolvê-lo. Vencida a batalha, crescemos um pouco mais. Por isso, um dos principais conselhos que posso dar para meus alunos concurseiros é este: quando um novo desafio surgir para testar a sua paciência, repita para si mesmo: eis mais um estímulo para o meu crescimento e sucesso. No momento, desenvolvo inúmeros projetos, todos ao mesmo tempo. Naturalmente, desespero-me por não vê-los concluídos. Fico apavorado quando lembro o muito que ainda tenho de fazer. Nessas ocasiões, procuro não pensar sobre quanto tempo vai se passar até o fim do trabalho. Em vez disso, avalio o tanto que já fiz. É o bastante para me sentir revigorado. Mas também sou humano. Vez ou outra fico ansioso de verdade. Nessas horas, quando me falta paciência além de contar até vinte ou fazer uma corridinha de 20 quilômetros ou mais, leio a Bíblia, em especial uma passagem de que gosto muito: Senhor, dê-me serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar, coragem para mudar as coisas que posso mudar e sabedoria para distinguir umas das outras. Uma última mensagem: FAÇA o que num primeiro momento você acha que é incapaz de fazer. BONS ESTUDOS E TENHA PACIÊNCIA! 177

177 A Disciplina de um maratonista 178

178 J.W.Granjeiro Preparação não é Tudo, mas é 100% Dando continuidade à mensagem sobre a importância da preparação para o sucesso nos concursos públicos, gostaria de insistir em um ponto: a disposição que o concurseiro tem para estudar e se preparar para um concurso precisa ser maior do que a vontade de passar e de se classificar dentro do número de vagas previsto no edital. Só assim os resultados esperados tornar-se-ão realidade. Um plano meticuloso, bem orientado e, principalmente, bem executado é o método mais certeiro para garantir o sucesso. Não existem atalhos milagrosos para uma aprovação rápida. Somente com preparação intensa se descobre o caminho mais curto para os resultados práticos, ou seja, a vaga na carreira pública. Eu, por exemplo, fui aprovado em oito concursos públicos tendo conquistado inclusive um primeiro lugar. Preparava-me tanto e tão bem quanto podia. O resultado era a convicção de que ninguém fizera mais do que eu. Então, ia para a prova com aquele senso de dever cumprido. Sentia que merecia a vaga. Estava tão seguro disso que acabei por conquistá-la mesmo. Exerci a carreira pública com dignidade e paixão. Venci candidatos muito mais talentosos e inteligentes, mas que haviam estudado com menos intensidade e vontade que eu. Tanto que os superei com folga, graças à minha habitual e treinada disciplina. Sempre conheci muito bem minhas limitações que eram muitas e concretas. Quanto ao grau de conhecimento, eu estava muito aquém dos outros concurseiros. Estudara a vida toda em escolas públicas, notoriamente mais fracas. Os recursos materiais eram escassos. Contava apenas com livros e apostilas emprestados, estudava em locais 179

179 A Disciplina de um maratonista improvisados, desprovidos de qualquer conforto. As finanças não ajudavam. Pagara com dificuldade o curso preparatório e, para frequentar as aulas, fui obrigado a escolher entre lanchar ou comprar a passagem de volta para casa. As limitações estavam lá para serem superadas. Superei graças a muita disciplina, ponte que me levaria à realização do sonho de ter o governo como patrão. Estava certo disso. Acredito que as pessoas com menos talento devem trabalhar mais a perseverança e a obstinação para não recuarem diante de obstáculos e derrotas como a reprovação em um ou outro concurso. Saiba, concurseiro, que a maior decepção que você pode enfrentar não é a reprovação, mas a falta de motivação, a falta de obstinação necessária para reconhecer suas falhas e recuperar o fôlego para novas tentativas. Esse fôlego deve se renovar constantemente até a aprovação. Lembre-se: o objetivo final é alcançado quando se estabelecem metas intermediárias sem perder o foco no objetivo maior que é a aprovação no almejado concurso. Superação é aprender com o passado, não se conformar com o presente e desafiar constantemente o futuro. Tentar entender os porquês de uma reprovação, assumir a responsabilidade por ela e seguir em frente sem nunca desistir. Essa é a melhor maneira de lidar com possíveis, indesejadas e praticamente inevitáveis derrotas. O importante na vida não é apenas iniciar um projeto, mas persistir nele até a vitória final. 180

180 J.W.Granjeiro É hora de estudar Para a maioria das pessoas, o ano só começa de vez depois do carnaval, depois daquele período de certa lassidão que se segue às festas de fim de ano e às férias escolares, quando, ao contrário do conhecido ditado popular, deixamos para amanhã tudo o que podemos fazer hoje. Exemplo disso é o estudo para o concurso público dos sonhos, com inscrições a serem abertas a qualquer momento, mas que, como ainda não teve o edital publicado, acaba ficando para depois. É claro que estou falando em tese, pois essa postura já não predomina em grande parcela dos candidatos, que já começou a estudar para vários concursos programados para este ano. Há, ainda, aqueles que já vêm nessa balada desde o ano passado. Existem vários concursos previstos para este ano, em carreiras no Executivo, Legislativo e Judiciário. Portanto, mais do que nunca, o candidato deve ter discernimento para avaliar a carreira que mais lhe convém e investir no concurso para o cargo com que tem realmente afinidade. Se fizer isso, já terá 50% de chances de conseguir a aprovação. Não adianta escolher um concurso apenas por causa do alto salário, se a área de formação do candidato, seu interesse profissional e sua vocação são outros. Se as ciências humanas são o seu forte, ficará mais difícil ter sucesso num concurso em que predominem ciências exatas, e vice-versa. Se quiser trabalhar nos tribunais, por que se inscrever para a Polícia Civil? O importante é que, feita a escolha vocacional, o candidato organize também a vida pessoal e familiar, para dedicar o máximo de tempo possível aos estudos. Além 181

181 A Disciplina de um maratonista disso, é preciso escolher criteriosamente a escola em que fará a preparação e a melhor forma de abordagem do programa contido no edital: grade fechada, para estudar todas as matérias concentradas num único curso; ou curso por matéria, a fim de suprir aquelas em que tem mais deficiência ou, no caso de já ter boa base, para aprimorála, com o objetivo de gabaritar a prova. Creio que, seguindo esses princípios, as chances de aprovação serão as melhores. E, como as opções são muitas, conforme vimos no início deste artigo, fica aqui um último conselho: é hora de estudar. Em 23 anos acompanhando candidatos na preparação para o ingresso no serviço público, constatei que a maior característica dos aprovados e classificados é que resistiram e venceram a tentação de um dia desistir do sonho de ter o governo como patrão. 182

182 J.W.Granjeiro Majestosa Capital Federal Cheguei a Brasília em 1970, vindo do interior do Rio Grande do Norte. Essa viagem ao encontro do futuro foi uma experiência extraordinária, da qual eu tiraria as primeiras lições de vida. A jornada durou nada menos do que sete intermináveis e sofridos dias pelas estradas difíceis do interior nordestino, dentro de um ônibus que abusava do direito de quebrar e de retardar a chegada. Não é exagero dizer que foi uma verdadeira odisseia para aquela família que deixara a pobreza do sertão com a esperança de encontrar aqui nova perspectiva de vida. Esperança, sim, era a palavra certa para definir nosso sentimento naqueles dias. Esperança que se renovava a cada parada, a cada minuto de atraso. Esperança e fé em nosso futuro e no futuro da nova sede administrativa do país, tão apropriadamente chamada por seu criador, o inesquecível Presidente Juscelino Kubitschek, de Capital da Esperança, que nasceu, segundo registra a história, da cobrança de um humilde morador do interior de Goiás, conhecido apenas como Toniquinho. Sei que muitos já leram ou ouviram esse relato, mas vale a pena relembrar o episódio, neste momento em que me sinto mais envolvido do que nunca pela forte magia brasiliense, essa Majestosa Capital. Durante comício na cidade goiana de Jataí, caiu um temporal e todos tiveram de se abrigar em um galpão. JK subiu em um caminhão para discursar (aqui se faz presente a força do destino) e, mal começara a falar, foi interrompido por Toniquinho, que perguntou: 183

183 A Disciplina de um maratonista - Se for eleito Presidente, o Senhor mudará a capital para o Planalto Central como está previsto nas disposições transitórias da Constituição de 1891? Pego de surpresa, JK respondeu que sim, faria valer a Constituição. A partir daquele momento, sentiu-se na obrigação de cumprir a promessa. O resto da história todos nós conhecemos, e graças a ela estamos aqui, no Distrito Federal, em pleno Planalto Central, como queria Toniquinho. Terra generosa, que premia o talento, o trabalho e a conduta ética, abrigaria a família Granjeiro com a generosidade que também é característica dos brasilienses ao receberem aqueles que vêm de longe para aqui construir o novo lar. Ainda guardo vivas na mente as imagens daquele tempo, quando esta Brasília grandiosa ainda era uma urbe em construção, e não a fantástica e complexa metrópole de hoje. Era uma cidade-criança, com apenas nove anos de idade em 1970, somente dois a mais que eu. Por isso posso dizer, com muito orgulho, que crescemos juntos, a cidade e eu, tendo passado pela infância e pela adolescência e atingido a idade adulta, fase a que chegamos fortes, confiantes e prontos para enfrentar quaisquer desafios. Naquele já distante ano de 1970, éramos apenas 538 mil habitantes, igualmente divididos entre homens e mulheres e espalhados por oito cidades-satélites, que correspondem hoje às regiões administrativas. Carro, televisão e outros eletrodomésticos, banais nos dias de hoje, não estavam ao alcance de famílias pobres como a minha. Era preciso suar muito a camisa para adquirir esses bens, a que agora quase toda a população tem acesso. Sem falar em telefone, ainda um luxo muito caro naquela época. E me refiro ao telefone fixo, pois ninguém sequer imaginava o que viria a ser telefone celular ou internet. 184

184 J.W.Granjeiro Brasília, em 1970, era muito diferente da cidade que vemos hoje: o barro vermelho predominava na paisagem da Nova Capital, onde até mesmo o Plano Piloto ainda estava em construção. Passados 42 anos, o crescimento urbano fez explodir os índices populacionais, e hoje a cidade conta com 2 milhões e 456 mil moradores, cinco vezes mais do que no ano de minha chegada. Somos atualmente uma comunidade em que a ascensão feminina é uma realidade: 60% da população é formada por mulheres, contra 40% de homens. Para administrar essa coletividade, o número de regiões administrativas aumentou, de 8, existentes em 1970, para 29, em Brasília oferece a melhor qualidade de vida entre os mais de cinco mil municípios do país. Em minha humilde avaliação, esta ainda é a melhor cidade do mundo para se viver. Uma capital majestosa em sua arquitetura deslumbrante, de tão singular formosura, em pleno coração tupiniquim. O centro político de onde emanam as decisões que controlam toda a nação. Uma jovem histórica com singelos cinquenta e dois anos de existência. A cidade modelo dos olhos de JK é hoje um prodígio encantador. Minha esposa nasceu em Brasília; meus filhos nasceram em Brasília; eu estou em Brasília há 42 anos e aqui espero ficar até meus últimos dias de vida. Aqui exerço minhas atividades e meu principal hobby: correr pelo Parque da Cidade e pelas ruas e pistas brasilienses, treinando para maratonas. Aqui pretendo continuar a exercer meu talento de empreendedor, gerando empregos, ganhando prêmios como maior contribuinte e ajudando milhares de pessoas a ocupar cargos públicos e a iniciar carreiras de sucesso. A essa Amada e Majestosa Capital Federal, os meus parabéns e muito obrigado! 185

185 A Disciplina de um maratonista 186

186 J.W.Granjeiro Desafios do concurso público Enfrentar a maratona do concurso público é um grande desafio e, ainda assim, uma opção muito atraente. Para se dedicar aos estudos, os candidatos que tomam essa decisão são obrigados a abrir mão de aspectos importantes da vida, como o trabalho, o lazer, o convívio com os amigos e até mesmo com a família. O preço que se paga é alto, mas a recompensa de ingressar no serviço público faz todo o esforço valer a pena. Depois do primeiro concurso, o candidato não vai querer parar. Ser aprovado no primeiro certame é quase um milagre, fato de que o candidato só toma consciência ao decidir encarar o desafio. Quando ele começa a se preparar, a sede de aprender o motiva a não desistir. Vem mais um concurso, mais um curso preparatório, mais livros e apostilas, e o candidato já se vê imerso num mundo cada vez mais sedutor: tornou-se um concurseiro. Ter uma carreira bem-sucedida é o sonho de muitas pessoas, mas o que no fundo todos querem é estabilidade, ótima remuneração e boas condições de trabalho. Esses três elementos são o que tornam o serviço público uma das carreiras mais visadas. A conquista de um cargo público representa a possibilidade de construir uma vida tranquila e continuar a sonhar. Concurso público é uma fila. Muito mais do que sortudo, o candidato aprovado para um cargo público é também o mais bem preparado, motivado, organizado, disciplinado, perseverante. É alguém que estabelece para si um objetivo e orienta a sua vida de olho no dia dessa conquista. É isso que o diferencia dos demais candidatos. 187

187 A Disciplina de um maratonista Uma vez inserido no mundo dos concursos, o candidato respira concurso. Frequenta bibliotecas, investe na compra de livros e apostilas e se matricula em escolas preparatórias. Lê jornais e revistas especializadas. Acompanha a publicação de editais. Até em conversas informais com amigos, seu assunto predileto é concurso. Mas o que mais caracteriza um concurseiro é sua capacidade de abdicar dos prazeres da vida, ao menos por um tempo, e se dedicar exclusivamente ao seu sonho. Ele age assim porque tem certeza de que desfrutará de muitos outros prazeres quando se tornar servidor público. As oportunidades existem. Mas, antes de ingressar nesse universo, o candidato precisa analisar as carreiras, suas limitações e potencialidades, e traçar objetivos de curto, médio e longo prazo. Acima de tudo, nunca deve deixar de acreditar que, um dia, a tão esperada recompensa virá. Repito: TODOS PASSAM EM CONCURSO PÚBLICO. 188

188 J.W.Granjeiro Educação como Garantia de Futuro A educação é um dos bens mais nobres que alguém pode adquirir. É algo que se torna parte do indivíduo, que passa a constituí-lo, promovendo nele transformação e emancipação ideológica. E a nobreza que lhe é característica não se restringe apenas ao sujeito; estende-se à sociedade em que ele vive. Não é à toa que as nações mais desenvolvidas são aquelas que também apresentam os maiores índices de educação, reflexo dos altos investimentos na área. É uma pena que países como o nosso Brasil, na maioria emergentes ou subdesenvolvidos, deixem de seguir esse exemplo e, sobretudo, não reconheçam a importância de garantir esse direito básico de todo ser humano. Quando de qualidade, a educação de fato promove um futuro próspero e brilhante. Soa clichê, mas, convenhamos, não é. Eu mesmo sou um exemplo vivo disso. Quem já leu ou ouviu o relato da minha vida tem noção do meu passado de luta e de dificuldades no Nordeste. Tudo levava a crer que eu seguiria trajetória similar à de tantas gerações na família. Mas minha força de vontade e minha determinação me levaram a reinventar minha história e batalhar por uma boa formação educacional. Deu certo. Aos poucos, a cada degrau de formação que eu escalava, novas oportunidades surgiam. Assim fui crescendo, até tornar-me o empresário que sou hoje. Não foi nada fácil. Os entraves se multiplicaram em meu caminho. Todos sabem que as políticas de incentivo à educação no Brasil são escassas. Aliás, na teoria nem tanto, mas na prática essa realidade chega a ser desestimulante, tanto para os estudantes como para os empresários do ramo. Eu vivi e ainda vivo, em parte essas duas faces 189

189 A Disciplina de um maratonista do problema. Para o estudante, ter acesso a uma educação de qualidade custa caro, muito caro. Que o digam os pais! A escola pública decepciona e deixa muito a desejar. E o pensamento de que mais importa a quantidade que a qualidade em nada favorece o desenvolvimento do ensino: não adianta oferecer muitas escolas se é baixo o nível de aprendizado dos alunos. Já o empresário do ramo de educação tem de ser muito engajado e preocupado com os índices sociais do país para não desistir de vez. Afinal, o ônus desse setor entre tributos e impostos é dos mais altos. A área é realmente desvalorizada, e fatores como esses só tendem a desmotivar o empresário do ramo que pretenda investir maciçamente em educação, oferecendo profissionais especializados e material didático adequado. Como garantir, então, acesso democrático à educação? Certamente não com a política que o Brasil adota há anos. Há de se prezar, sobretudo, por uma educação eficaz. Vemos que, em países como os Estados Unidos, diversos são os benefícios fiscais em prol das instituições de ensino. No Brasil, a situação é bem diversa. Mas o que será do nosso futuro se é precisamente a educação, escassa na terra tupiniquim, que deveria garanti-lo? Talvez pelo fato de a educação despertar o senso crítico e a reflexão em cada um de nós, seja tão negligenciada. Mas vamos perseverar. Aliemo-nos à educação para escaparmos da alienação política deste país. 190

190 J.W.Granjeiro Direito à Educação O direito à educação está diretamente ligado ao princípio constitucional da dignidade da pessoa humana, mas, infelizmente, ainda é desrespeitado. Para assegurar esse direito de todos, são necessários mais investimentos públicos em educação. Também é preciso haver mais valorização do trabalho docente e maior participação dos pais dos estudantes, além de garantia de melhores condições de vida para as famílias. Todos esses elementos contribuem para a democratização do ensino e evitam a evasão escolar, problema que grita por solução. Um relatório do Unicef revela que, infelizmente, mais de 680 mil crianças brasileiras com idade entre 7 e 14 anos estão fora da escola. É mais que a população do Suriname. Não se pode esquecer que a preocupação com o futuro de um país começa pelo investimento em educação. Segundo o relatório do Unicef, há relação direta entre a quantidade de anos de estudo e o acesso a melhores oportunidades de renda e de vida. Outro estudo, de 2006, realizado pelo Instituto Futuro Brasil, ratifica: quem estuda mais ganha mais. Um trabalhador com ensino fundamental completo recebe salário em média três vezes maior do que o de um analfabeto. O salário de quem tem ensino médio completo é seis vezes maior do que o de quem não frequentou a escola. Os graduados ganham quase doze vezes mais. E quem tem mestrado, dezesseis vezes mais. Ampliar a escolaridade média no país é uma das soluções para a educação e, consequentemente, para tantos problemas sociais. Segundo dados do Banco Mundial, nos países desenvolvidos a escolaridade obrigatória varia de 191

191 A Disciplina de um maratonista dez a doze anos e deve ser completada no ensino médio. Em alguns países, como Alemanha e Holanda, chega a treze anos. No Brasil, recentemente a média foi ampliada de oito para nove anos. Mas ainda não é o suficiente. A economia brasileira vai crescer a partir do momento em que o país começar a investir em educação e qualificação profissional. Essa é a preocupação que norteia o trabalho que nós, educadores, realizamos diariamente em busca de um ensino de qualidade. As escolas preparatórias formam muito mais do que pessoas aptas a concursos públicos. Elas formam cidadãos, que saem da sala de aula com valores éticos e morais. É assim que queremos inseri-los no serviço público. Porque é isso que nossa sociedade merece. 192

192 J.W.Granjeiro Autorização Vale um Edital Muitos candidatos aguardam ansiosos a publicação do edital, para só então começarem a estudar. Eles esquecem que a autorização publicada no Diário Oficial já vale um edital e, portanto, não é preciso esperar a divulgação deste para arregaçar as mangas e ir à luta. A autorização do concurso é um compromisso expresso do Estado com o concursando, que deve entender esse ato administrativo como a oportunidade de se disciplinar para os estudos. Está mais do que comprovado que quem começa a estudar antes sai na frente dos outros candidatos e possui melhores chances que os outros, que terão de correr contra o tempo. Quando um edital é publicado, o tempo de estudo que resta não passa de contagem regressiva para a prova. Além do mais, a tendência é que o prazo entre a autorização para publicação do edital e a data da efetiva divulgação no Diário Oficial seja reduzido, dos atuais seis meses para até quarenta dias. Por exemplo, se o Banco Central tiver o concurso autorizado em julho, pode levar até seis meses para publicar o edital. Contudo, a entidade tem pressa na nomeação, por isso é provável que o lance muito antes de esse prazo expirar. O concurso para agente e escrivão da Polícia Federal, por exemplo, teve um intervalo de apenas um mês entre autorização e publicação do edital. Ou seja, até mesmo aguardar a autorização para iniciar os estudos é um risco para a boa preparação. Quanto mais cedo os concursandos traçam suas metas e iniciam os estudos, melhor é o resultado. E certamente aqueles que se preparam desde o ano anterior, 193

193 A Disciplina de um maratonista acompanhando as notícias sobre os concursos e se informando nas escolas preparatórias também estão à frente na corrida por uma vaga no serviço público. Quem espera o edital tem de se esforçar bem mais na difícil luta contra o tempo. Portanto, todo concurseiro que se preza precisa ter em mente que a autorização, na prática, representa o edital. Deve-se depreender do texto da autorização do concurso a informação de que o edital está a caminho, que se trata de determinação do Estado. Não se deixe surpreender pelo edital. Antecipe-se a ele e largue na frente. 194

194 J.W.Granjeiro Propostas para uma Educação de Verdade O Brasil tenta há décadas desenvolver um modelo de educação de qualidade. Resolvi fazer minha parte e, com base em minha experiência de educador, sugerir algumas ações para que esse modelo saia do rascunho e se transforme em realidade. Antes de tudo, é preciso resolver o antigo embate qualidade versus quantidade. Pensamos, com frequência, em um ou em outro, isoladamente, quando deveríamos pensar e debater um e outro. Os dois fatores devem andar juntos, em parceria. Talvez a solução para a educação em nosso país passe por aí. Como bem sabemos, o território brasileiro é extenso. Por consequência, a tarefa de estender a educação por toda a Nação é árdua, mas está longe de ser uma missão impossível. Em primeiro lugar, são necessários investimentos. Mas investimentos de verdade. A quantidade, resultado do amplo alcance da educação, daria base para a qualidade, que avançaria progressivamente. Seria essa base, portanto, que propiciaria o desenvolvimento do ensino. O segundo passo em busca de uma educação simultaneamente democrática e de qualidade é garantir que nossos professores estejam bem preparados. Novamente, investimentos são imprescindíveis. A formação e a qualificação dos docentes devem ser acompanhadas e financiadas de perto. Afinal, constituem requisito para o ensino de boa qualidade. Avaliações de desempenho periódicas podem ser úteis, na medida em que servem de instrumento de análise. 195

195 A Disciplina de um maratonista Acima de tudo, os profissionais da educação precisam ser devidamente valorizados. Os educadores são essenciais para a formação de todos os cidadãos brasileiros. Deveriam, portanto, receber as melhores remunerações do serviço público e contar com planos de carreira dignos. Além disso, é imprescindível que lhes seja oferecido tempo suficiente para o planejamento das aulas e amparo para o desenvolvimento de pesquisas. A educação só teria a ganhar se fossem aplicados investimentos a fim de que os professores se dedicassem exclusivamente ao mister que é sua profissão. Contudo, não basta capacitar e estimular o profissional que trabalha a educação em sala de aula. Outros fatores, também relevantes, têm de ser considerados. O ambiente de ensino é um deles. Tudo deve colaborar para o desenvolvimento intelectual dos estudantes. Nesse sentido, o Governo deveria prover boa infraestrutura, recursos materiais e tecnológicos, alimentação e, obviamente, segurança patrimonial e física. Também é de importância inestimável a participação ativa dos pais na educação dos filhos. Não me refiro, aqui, à educação em sentido amplo, que os pais evidentemente ajudam a moldar. Refiro-me à educação formal, oferecida pela escola. Dessa, nem todos os pais participam. Alegam falta de tempo, no mais das vezes. Isso não pode continuar a ocorrer. Nesse sentido, seriam úteis políticas públicas de incentivo e de orientação às famílias de nossos estudantes. As soluções viáveis não param por aí. Seria interessante, por exemplo, que a metodologia de ensino fosse adaptada à realidade dos alunos, em consonância com a cultura local. Tal como propôs o famoso psicólogo Jean Piaget, a forma como o aluno pensa deveria ser levada em conta e é necessário que seu desenvolvimento seja acompanhado passo a passo. Em outras palavras, a escola precisaria identificar o que o educando sabe e o que ele ainda precisa saber. 196

196 J.W.Granjeiro A escola em tempo integral, desde que baseada em bons projetos de educação e não vista como apenas um local para o aluno passar o dia, certamente contribuiria para a formação completa de nossas crianças. Com carga horária maior, além de cursar as disciplinas tradicionais, os alunos seriam beneficiados com tarefas que desenvolvessem seu espírito artístico e criativo. Também haveria tempo de sobra para a prática de esportes e de atividades de recreação que estimulassem a interação das crianças, promovendo nelas a socialização. Assim, nessa troca entre sujeitos, os futuros cidadãos brasileiros internalizariam conhecimentos, papéis e funções sociais, o que permitiria a constituição de conhecimentos e da própria consciência. Por fim, não se pode ignorar o importante papel da comunidade na melhoria das escolas. O voluntariado é capaz de fazer toda a diferença. Na luta em prol da educação democrática e de qualidade, todos nós estamos envolvidos. Não servimos apenas para criticar e condenar, mas também podemos e devemos sugerir soluções, criar, ajudar. Enfim, colocar a mão na massa. No mais, temos de pensar e agir unindo quantidade e qualidade. Essas duas faces compõem, sim, uma única moeda. 197

197 A Disciplina de um maratonista 198

198 J.W.Granjeiro A Importância da Automotivação Ser concurseiro é um estilo de vida que começa com o crescente e estimulante desejo de aprender e declina depois de desencantos, frustrações e desânimo. Um olhar crítico permite sugerir algumas atitudes para que os movimentos decrescentes sejam eliminados, em busca de constante automotivação. Diante de pressões internas e externas, que sempre aumentam, torna-se mais e mais difícil manter o foco no objetivo. O olhar de leigos sobre concurseiros por vezes é bastante cruel. Criam-se estereótipos de jovens preguiçosos ou meramente desocupados. Lidar com essa imagem não é tarefa fácil. Fica o conselho: tente enxergar nas dificuldades oportunidades para o crescimento. É nas quedas que o rio produz energia. A natureza nos ensina que o processo de aprendizado é composto de etapas, os atalhos não são benéficos e as dificuldades devem servir para alavancar a luta pelo crescimento. 199

199 A Disciplina de um maratonista Estabeleça pequenas metas, metas que realmente possam ser cumpridas, e persiga seu objetivo. Identifique uma técnica de estudos que se adapte à sua realidade e seja efetiva. Teste constantemente seus conhecimentos, até mesmo para verificar se a técnica escolhida de fato funciona. A melhor maneira de fazer isso é gabaritar questões de provas anteriores. Identifique os erros e aprenda com eles. Os erros são lições de sabedoria que o conduzirão ao acerto. Esteja disposto a dar o melhor de si. Lembre-se de que o preguiçoso tende a trabalhar mais. Repare que o aluno relapso passa as férias de recuperação, ou, nos piores casos, repete o ano. Enquanto isso, o dedicado passa de ano confiante e estimulado a repetir o êxito. Nos concursos também é assim. Consideradas as dificuldades e capacidades de cada um, pode-se observar que quem se dedica integralmente logra resultados em menos tempo. Estude. A aprovação é consequência dos seus esforços. Seja grato à família, aos que lhe asseguraram os estudos e aos que de alguma maneira contribuem para a sua formação. A gratidão proporciona uma convivência pacífica, requisito para construir uma mente equilibrada, atenta e receptiva ao aprendizado. Já os conflitos aumentam o nível de estresse e diminuem o rendimento intelectual. Procure conviver com pessoas estimulantes, que o ensinem ou possam ser ensinadas por você. Estudos em grupo são uma boa opção para relaxar e aprender ao mesmo tempo. Além disso, nas reuniões compartilham-se valores e angústias comuns entre os que se preparam para concursos públicos. Estabeleça boa relação com os professores. Os vínculos podem proporcionar excelentes benefícios e abrir canais para o aprimoramento e a ampliação dos conhecimentos. Não tenha medo de perguntar. Use os mestres como fontes interativas de conhecimento. 200

200 J.W.Granjeiro Por fim, mantenha a calma e a serenidade. Tudo na vida é um processo. Como ocorre com a lagarta, que no tempo certo completa seu ciclo e transforma-se em borboleta, também a sua hora há de chegar. Complete seu ciclo para que possa voar alto e com destinos certos. Tenha coragem e disposição para traçar seu futuro. 201

201 A Disciplina de um maratonista 202

202 J.W.Granjeiro Os Aperreados II O poder da paciência Como eu disse em outro artigo, minha experiência de vida me ensinou muito. Hoje sei, por exemplo, que paciência não é uma virtude inata. Ela resulta de uma decisão que em algum momento tomamos. Mais do que isso: é uma escolha que temos de renovar continuamente. Optamos pela paciência quando, por exemplo, decidimos estudar para passar em concurso público. Faça o teste: encare a paciência dessa forma, como uma decisão. Você compreenderá que terá de fazer e refazer essa escolha muitas e muitas vezes. Mas a decisão é eminentemente sua, concurseiro. Também comentei em nossa última conversa sobre os relatos que costumo ouvir de alunos que se dizem tão ansiosos e cansados que não conseguem mais esperar pela aprovação. Devo lembrar, a esses e a outros candidatos cujo estado de espírito seja similar, que vale a pena esperar por algumas coisas. A expectativa paciente nos ajuda a perceber quais são nossas verdadeiras prioridades, quais são nossos mais profundos anseios. Acima de tudo, ela nos leva a dar o devido valor à vitória quando a conquistamos. Viver é um eterno esperar. E, quando essa espera rende frutos, temos a oportunidade única e privilegiada de descobrir nosso potencial, antes ignorado. De fato, a serenidade pode fazer a diferença em nossa longa caminhada rumo ao sucesso. Mas não se culpe se, apesar de todo o esforço para manter a paciência, você a perder. Toda virtude demanda prática e tempo para ser desenvolvida. No caso da paciência, ocorre algo curioso: para desenvolvê-la, é necessário praticá-la. Saiba que nem tudo na vida pode ser obtido ou conquistado apenas por 203

203 A Disciplina de um maratonista meio da força de vontade, às vezes o que mais precisamos é de um pouco do poder da paciência. Dizem que ela é a arte da esperança, e sem esperança nunca teremos nada. As coisas só podem acontecer através do tempo. Elas apenas acontecem. Quanto mais nos convencemos de que a vida se move em ritmo próprio, mais serenidade desenvolvemos. Quando um concurseiro é reprovado em um concurso público, naturalmente passa pelo sentimento de fracasso. Mas há um enorme abismo entre apenas sentir-se fracassado e perceber que há algo a aprender da derrota. O puro sentimento de fracasso leva ao desespero e a mais reprovações; a noção de aprendizagem com a falha conduz ao crescimento e ao sucesso. Também costumo ouvir os candidatos reclamarem que não há tempo suficiente para estudar todo o conteúdo cobrado nos concursos. Meu conselho para eles é simples: sugiro que repitam para si próprios que têm todo tempo de que precisam. O hábito de nos acovardarmos com a ideia de que não dispomos de tempo diminui a capacidade de ação. Por outro lado, quanto mais conseguimos nos manter tranquilos, mesmo quando submetidos a forte pressão, maior é nossa capacidade de agir. Outra forma de nos tornarmos pacientes é delimitar bem nossos objetivos e manter o foco em direção ao sucesso. A determinação nos fornece a paciência de que precisamos para enfrentar os obstáculos e seguir em frente até o resultado que buscamos. Somos empurrados para o futuro pela força da nossa vontade e pelo poder da nossa paciência. Uma atitude positiva em face de um obstáculo interposto em nosso caminho reforça o nosso desejo e aumenta as possibilidades de nossos sonhos se tornarem realidade. Para aqueles que acompanham meus resultados nas corridas, ofereço a minha última classificação em uma minimaratona: 39º colocado no geral e 5º na minha categoria. Com essa exposição quero demonstrar que o 204

204 J.W.Granjeiro poder da preparação, da disciplina, da concentração, dos estudos tornou-me um atleta de elite. Tenha certeza de que na vida, como nas maratonas, a paixão e a criatividade somadas à paciência e fé na persecução daquilo que seu coração deseja fortemente, levará você aos resultados que tanto almeja: uma carreira pública com os benefícios do governo como patrão. Acredite, prepare-se, concentre-se e tenha disciplina. Os resultados virão. 205

205 A Disciplina de um maratonista 206

206 J.W.Granjeiro Atributos dos Vencedores Nas palestras, nas aulas e nas conversas de corredor, alguém sempre me pergunta quais são os traços característicos dos concurseiros aprovados e classificados nos concursos públicos, especialmente naqueles mais concorridos. Já respondi essa pergunta em outro artigo, baseado em uma pesquisa desenvolvida com os dez primeiros colocados em alguns dos principais concursos. Gostaria, porém, de atualizar meus leitores com as observações que andei registrando nos últimos tempos e com os dados que coletei mais recentemente. O primeiro atributo que identifico nos concurseiros de sucesso é a inteligência. Não me refiro à inteligência entendida como genialidade, mas, sim, àquela boa dose de curiosidade intelectual. Falo da vontade de aprender, da disposição em ouvir a voz da experiência, do saber estudar em grupo. Refiro-me à inteligência característica de quem adota procedimentos organizados, lógicos e sistemáticos de estudo, os quais reduzem a perda de tempo, facilitam a identificação de falhas e ajudam na avaliação da eficácia das técnicas adotadas. O candidato que tem esse tipo de inteligência consegue rever procedimentos, corrigir erros e criar novas táticas para alcançar os resultados preestabelecidos. 207

207 A Disciplina de um maratonista O segundo atributo comum entre os melhores candidatos é a maturidade. Trata-se da capacidade de enfrentar situações de estresse com sentimento igual ao dos momentos de vitória e conquista. Os concurseiros assim são confiantes e sem arrogância. Nutrem respeito por si mesmos e pelos outros. A maturidade lhes confere uma virtude que talvez seja a mais importante de todas: humildade para reconhecer acertos e erros. A humildade nos permite ter consciência de nossas limitações, de nossas fraquezas e de nosso potencial. O autoconhecimento é determinante quando se trata da provação que é o concurso público. O terceiro atributo é o pensamento positivo. Esse atributo pode fazer toda a diferença, posto que é a energia dele resultante que renova a capacidade de agir depois de uma derrota, depois de uma reprovação. Os concurseiros com essa característica gostam de mudanças. São extrovertidos e otimistas. Não se queixam do excesso de estudo e raramente se rendem ao cansaço durante a jornada. Na verdade, amam estudar e aprender. O prazer que sentem durante a preparação chega a ser maior do que o prazer que vem com a aprovação. Trata-se de pessoas apaixonadas pelo estudo, pelo convívio com os colegas, pela aprendizagem, pela descoberta, pelos desafios. Gozam de um quase fanatismo pelas conquistas e pela superação. O quarto atributo é a resistência. Mais especificamente, resistência similar à do maratonista. Os concurseiros que contam com esse atributo encaram a preparação e a rotina de estudos como um maratonista treina: com base em planilhas rígidas no intuito de superar os adversários e alcançar o resultado. Esses candidatos têm consciência de que, para alcançar resultados, é preciso estar bem preparado física e mentalmente. Como os bons maratonistas, não desistem nunca e enfrentam toda e qualquer situação adversa. Transpõem uma barreira de cada vez, até vencerem. São, enfim, extremamente disciplinados e focados. 208

208 J.W.Granjeiro A vida de concurseiros é mesmo muito difícil. Muitas vezes, enfrentam a pressão da família, desenvolvem problemas de saúde e passam por dificuldades financeiras. É comum ficarem ansiosos e depararem-se com a falta de apoio de pessoas que deveriam estar ao lado deles incondicionalmente. Estão sujeitos à depressão quando passam por derrotas, mas nem assim podem desistir. Ao menos, sabem que o jogo só termina com a vitória. Logo, se ainda não conquistaram a sonhada vaga, é porque o jogo ainda não acabou e a luta continua. 209

209 A Disciplina de um maratonista 210

210 J.W.Granjeiro Receitas de Sucesso Esta semana recebi em minha sala dois alunos, futuros servidores públicos que aguardam apenas a nomeação para tomarem posse no cargo para o qual foram aprovados. Eles vieram agradecer aos professores do Gran Cursos, e particularmente a este professor-empreendedor, pelas aulas e toda a estrutura oferecida, que consideram ter contribuído para a aprovação e classificação nos concursos do TCU e da PF carreiras que, diga-se de passagem, conferem a seus titulares, além de boa remuneração e muitos benefícios, status e poder. Os dois externaram sua alegria por estarem prestes a realizar o sonho do ingresso nas carreiras que por anos almejaram e para cuja conquista destinaram toda a energia de que dispunham. A felicidade deles era contagiante, e confesso que também fiquei muito orgulhoso por ter 211

211 A Disciplina de um maratonista colaborado para a realização de mais esse sonho. Ouvi planos para o futuro na carreira pública e aproveitei para perguntar qual havia sido a tática de cada um para obter a aprovação nos primeiros lugares de concursos tão disputados e tão difíceis. O aluno aprovado para a PF relatou que há um ano e meio estudava para o concurso público de Agente só se interessava por essa carreira. Sua estratégia foi matricularse em um curso preparatório regular, onde buscava dicas dos experientes professores e uma visão interdisciplinar das matérias. Paralelamente, adquiriu cadernos de provas da banca examinadora responsável pelo concurso e passou a dedicar de duas a três horas por dia à resolução das questões. Segundo seus cálculos, ao longo da preparação resolveu mais de cinco mil exercícios relativos às disciplinas do concurso e no estilo da banca. O futuro policial federal me confessou, contudo, que demorou muito tempo para descobrir que não tinha um método de estudo muito eficaz, que não era dos concurseiros mais organizados. Quando se deu conta disso, decidiu tentar o estudo em grupo, estratégia que considerou muito importante para a cobiçada aprovação entre os primeiros lugares. Nosso talentoso aluno também inovou na estratégia para a aprovação quando criou um ciclo de estudos de cem dias, distribuídos conforme o peso da matéria. Por exemplo, se a pontuação em uma disciplina correspondia a 15% da nota final do concurso, o candidato dedicava a ela quinze dias de intenso estudo. Além disso, depois de ler sobre o assunto e de elaborar resumos, resolvia exercícios de provas anteriores para fixar o conteúdo das matérias e com isso ganhar segurança e autoconfiança. De quebra, nesse processo, revia as metas predefinidas e avaliava a eficiência do método adotado. Por fim, treinou muito a fim de administrar bem o tempo da prova. 212

212 J.W.Granjeiro Por sua vez, a aluna aprovada para o TCU, formada em Psicologia, precisou estabelecer rotina mais dura com metas de médio prazo, pois brigaria por uma vaga no mais disputado dos concursos estudando conteúdo que nunca imaginara existir. Iniciara a vida de concurseira se preparando para as seleções exclusivamente em sua área de formação. Foi perda de tempo, pois não havia material, não existia curso preparatório específico, tampouco concursos regulares para psicólogos. Foi, então, apresentada ao TCU. Apaixonou-se e começou o namoro. Criou uma rotina rígida de estudo que a obrigou a largar o consultório, a se dedicar menos à família, aos amigos e ao namorado, e a esquecer os fins de semana e os feriados. Matriculou-se em um curso específico e comprou livros recomendados por colegas. Também frequentou aulas de português e redação, pois precisava aprender a forma de um parecer e de uma dissertação afinal, a prova discursiva era fase importante do certame. Comprometeu-se a escrever uma redação por semana, ao mesmo tempo em que lia diversos textos técnicos a respeito do TCU. Estudou toda a teoria com base no edital anterior e, uma vez por semana, dedicava-se ao estudo em grupo. Os colegas, todos focados no TCU, selecionavam questões de cada uma das disciplinas cobradas e as repassavam aos demais membros do grupo. Assim, montavam um simulado semanal. Perguntei qual fora seu maior erro. Sem pensar muito, ela me respondeu que haviam sido as inúmeras desistências os tais começar e parar, retomar e parar novamente. Acrescentou que a estratégia de priorizar algumas matérias e negligenciar outras menos importantes foi mais uma falha. Hoje ela tem certeza de que, para ser aprovado em concurso público, deve-se dar igual atenção a todas as disciplinas e vencer todo o conteúdo do edital. 213

213 A Disciplina de um maratonista Enfim, não importa o concurso; nas receitas de sucesso sempre entram os seguintes ingredientes: determinação, conhecimento da banca, orientação dos mestres, seleção de material adequado, opção pelos cursos certos, resolução de muitas provas anteriores, estudo individual e em grupo com organização, compromisso e assiduidade confiança em si mesmo e fé em DEUS. 214

214 J.W.Granjeiro No Ano-Novo Faça a Coisa Certa! Não conheço nenhum concurseiro que tenha sido aprovado e classificado em concurso público sem antes ter sacrificado lazer, convívio social, família, feriados e domingos, pelo menos uma centena de vezes. Há quem diga que a perfeição consequente ao êxito e ao sucesso só vêm depois de trinta mil horas de treino no caso do candidato a uma vaga no serviço público, depois de trinta mil horas de estudo e resolução de questões de certames anteriores. Da mesma forma, sou incapaz de vislumbrar o sucesso de um profissional que não seja muito persistente; de um estudante que não dedique todo o tempo disponível e mesmo o não disponível ao cumprimento de um plano de estudos; de uma pessoa que não deixe de lado a preguiça, o orgulho, a arrogância e o comodismo. Se o objetivo da vida de alguém é uma carreira pública de sucesso, há que investir em cursos, material de apoio e tudo mais que for necessário: apostilas e livros específicos, aulas de reforço, taxas de inscrição. Há que encontrar tempo, canalizar a energia e nutrir paixão e sentimentos positivos pela missão. Do contrário, a reprovação é certa, assim como um lugar na fila de perdedores. Lembre-se: o sucesso é construído durante a noite! Durante o dia você faz o que todos fazem. Portanto, para garantir um dos primeiros lugares da lista de classificados, tem de agir de forma incomum e elaborar estratégias diferentes. Deve, por exemplo, acordar às cinco horas da manhã e estudar até as sete. Ou ficar acordado até de madrugada, estudando com os pés em uma bacia de água fria para manter-se desperto. Se fizer o mesmo que todos 215

215 A Disciplina de um maratonista os candidatos, conseguirá apenas a mesma classificação que eles obviamente, fora do número de vagas. Não se iguale à maioria, pois, infelizmente, ela não é modelo de inspiração ou de sucesso. Se quiser ser aprovado e classificado, terá de estudar no horário em que os outros estão tomando chope e comendo batatas fritas. Terá de se planejar, de se organizar, de se automotivar e de controlar periodicamente seus resultados, enquanto os concorrentes os incautos permanecem na frente da tevê. Terá de estudar enquanto os outros tomam sol à beira da piscina embora tal extravagância seja até viável, desde que durante a leitura de um livro ou de uma apostila com conteúdos voltados para o concurso. A realização de um sonho depende de dedicação, persistência, método, organização e disciplina de maratonista. Há muita gente que espera que o ideal de ter o governo como patrão se concretize por mágica, sorte ou intervenção divina. Certamente esses fatores podem ajudar, desde que você faça a sua parte. Trabalhe e estude muito, com orientação adequada e com os meios adequados. Quem quer fazer alguma coisa, encontra um meio. Quem não quer fazer nada, encontra uma desculpa. Se você acredita que pode, poderá, porque vontade gera energia. E a disposição de fazer é o começo do sucesso. Lembre-se: mais faz quem quer do que quem pode. 216

216 J.W.Granjeiro A Importância do Curso Presencial Sou testemunha de inúmeras histórias de aprovação e de reprovação em concurso público. Em meus textos, já sugeri maneiras de manter a motivação, já ensinei como estabelecer metas, já expliquei como se preparar bem para a prova. Também já enfatizei a importância da preparação com antecedência, da busca pela orientação de grandes mestres, da preferência por bom material didático. São elementos que fazem a diferença quando somados ao enorme desejo de aprovação e à rotina diária de estudo. Desta vez, quero falar sobre a importância do curso presencial. É bem nítida a diferença entre o concurseiro que frequenta e o que não frequenta uma escola preparatória. O concurseiro que vai às aulas diariamente adapta-se com mais facilidade à rotina de estudos o que, para 217

217 A Disciplina de um maratonista muitos, representa um desafio. Já entre os autodidatas é difícil encontrar disciplina e constância. Pequenos empecilhos surgem e se transformam em um dia, uma semana ou um mês a menos de estudo. Vêm os problemas de relacionamento, as noites mal dormidas, as dores de cabeça, as festas não previstas e inadiáveis, outros eventos inesperados... tudo que prejudica a rotina de estudos. A importância do curso preparatório vai além do que se imagina. A primeira vantagem dele é que os professores, experientes em sua área de atuação, orientam os alunos com ênfase nos conteúdos mais abordados nas provas, poupando tempo e direcionando o estudo ao que de fato interessa. A segunda é o uso de recursos audiovisuais, muito mais agradáveis do que a leitura solitária do concurseiro que estuda em casa. Além disso, nos cursos, a aprendizagem é consolidada graças à resolução de exercícios em sala de aula, reconhecidamente a melhor maneira de fixar e maximizar o aprendizado. E não se pode deixar de mencionar o aspecto lúdico do estudo nas escolas preparatórias: alguns professores dão aulas comparadas a verdadeiras interpretações cênicas. Criam processos mnemônicos que facilitam a memorização e fazem ligações lógicas e divertidas que tornam o aprendizado mais fluido e prazeroso. São muitos os relatos que ouço de concurseiros desanimados, que estudaram para uma prova e fizeram curso preparatório, mas veio a reprovação, a desmotivação, a depressão, o desânimo para dar continuidade aos estudos. Acredito que o papel da escola preparatória torna-se ainda mais crucial em momentos como esse, na medida em que ela disciplina os encontros e pauta os estudos diários. Os cursos motivam os alunos com aulas dinâmicas, com exemplos de ex-alunos bem-sucedidos, com palavras reconfortantes de professores que já estiveram na posição de concurseiros e, persistentes, alcançaram o posto de servidor público. Compartilhar vivências e sentir-se compreendido é 218

218 J.W.Granjeiro fundamental para o concurseiro. Assim, o ritual que é a vida do concurseiro completa-se na convivência com os colegas de turma. Eles trocam ideias, dividem angústias, compartilham pensamentos. Apoiam-se mutuamente, criam grupos de estudo e cobram a frequência uns dos outros, de maneira recíproca e natural. Criam vínculos, laços de afeto, necessários para quem, em geral, está com a autoestima em baixa em decorrência do desemprego, da pressão familiar ou da insatisfação com o salário. O ambiente da escola preparatória ainda promove a interação entre os concurseiros e os professores. Na escola, os alunos perdem menos tempo com cochilos, lanches, televisão, internet e outras tantas atividades que seduzem no ambiente doméstico. As instalações dos cursos preparatórias são planejadas para estimular a concentração e o estudo. A construção do espaço físico já é arquitetada com base nas necessidades dos concurseiros. No ambiente escolar, cria-se um espírito competitivo e saudável entre os estudantes, que os insere no clima da maratona que é a realidade dos concursos. Os bons índices de aprovação entre egressos de escolas preparatórias são a prova de que é mesmo vantajoso se preparar em cursos presenciais. No Gran Cursos, os índices de aprovação oscilam entre 50% e 100%. No último concurso da Polícia Rodoviária Federal (PRF), 50% das vagas ofertadas foram preenchidas pelos alunos que estudaram em nossa escola. No concurso do Superior Tribunal de Justiça (STJ), os aprovados somaram 60% dos alunos da nossa escola. Nas seleções para o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), para os Tribunais Regionais Federais (TRFs) e para o cargo de auditor fiscal da Receita Federal e na prova para a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), as estatísticas foram ainda melhores: respectivamente, 70%, 80%, 90% e 100% de aprovados entre ex-alunos. Estamos diante de números reais e esclarecedores. 219

219 A Disciplina de um maratonista Para ser aprovado em concurso público, é preciso viver a preparação intensamente. É preciso respirar concurso, estar inserido no contexto de concurseiro, programar o cérebro para a realização do grande sonho de ter o governo como patrão. Os cursos presenciais são mais um facilitador das rotinas de estudo e da inclusão do nome do concurseiro na lista de aprovados. 220

220 J.W.Granjeiro Ai que Medo! Você está prestes a responder uma prova é a primeira vez que enfrenta um concurso público em uma situação real. Sua respiração está acelerada. O coração palpita a mil batidas por segundo. As palmas das mãos estão úmidas e frias. Os braços e as pernas tremem. Você está quase perdido e sem controle ou sob o controle do medo. O que fazer? Pretendo neste artigo oferecer algumas dicas e alguns truques para enfrentar e debelar o medo. Primeiro, explico que o medo é um sentimento de insegurança a respeito de uma situação, de um objeto, de uma emoção. É sensação pessoal que surge com a preocupação a respeito do que pode acontecer em consequência do evento, e não com 221

221 A Disciplina de um maratonista o evento em si. Os pensamentos recorrentes, no caso do concurseiro, são: E se der branco? E se eu for reprovado? O que as pessoas vão pensar do meu fracasso? O que vão dizer sobre a minha reprovação? Vão me taxar de idiota? Se você tem medo de fracassar, fica tão convencido do fracasso que o pensamento se torna profecia. Você interioriza a derrota e certamente encontrará uma maneira de fazer tudo dar errado. Para evitar que isso ocorra, reformule a perspectiva que você tem da vida e enxergue os fracassos como de fato eles são: momentos de aprendizagem e de revisão de táticas e metas. Quanto à preocupação com os outros, importese apenas com as pessoas que lhe agreguem valor, que torçam por seu sucesso e que façam diferença em sua vida. Na Bíblia há uma passagem muito bonita que diz: Os humilhados serão exaltados. Acredite: seu sucesso virá independentemente das pessoas que tentam parecer superiores e torná-lo inferior. Quem escreve a sua história é você, e não elas. Entenda que nada pode lhe trazer mais segurança do que a preparação. Seus esforços devem ser reunidos em prol do objetivo único que é a aprovação, com nomeação e posse. Em busca disso, um caminho deve ser traçado e percorrido com constância, organização e fé. A persecução do objetivo, e a superação das etapas, traduzida em sucesso na solução de exercícios, trarão a certeza de que você está pronto. Vários candidatos já me disseram que dá para sentir quando se está pronto para a aprovação. À medida que se resolvem exercícios, consegue-se medir a quantidade de acertos e erros. Por consequência, é possível identificar o que já se sabe e onde residem as dúvidas. Assim, o candidato passa a ter consciência de quais disciplinas precisam ser mais bem trabalhadas, de que parte da teoria ainda está falha. 222

222 J.W.Granjeiro Outra dica que sempre dou aos meus alunos é: inscreva-se em várias seleções, pois vários candidatos são eliminados por razões de cunho emocional. Eles têm domínio do conteúdo da prova, mas, na hora H, são vítimas do branco. Não conseguem se concentrar. Às vezes nem dormiram no dia anterior à prova por causa da ansiedade. A consequência é previsível: a reprovação. Fazer várias provas in loco, em condições reais, enfrentar aquela emoção várias vezes, vai ajudar você a se livrar do medo, da angústia que o momento da prova representa. Esse processo fará com que você se adapte a uma situação que deve ser entendida como normal no dia da grande prova, aquela que será a porta de entrada para o seu cargo público. Mas não se esqueça de que o medo está relacionado ao que você não domina. Tenha consciência do que você é, das suas reais capacidades e dos seus verdadeiros desejos, e persiga os seus sonhos. Não tema! Faça a sua parte, prepare-se e, assim, a segurança será conquistada, dia após dia. Quando o medo passar, você também vai passar. Vai passar no concurso que tiver escolhido. Você pode tudo naquilo que o fortalece! Lembre-se sempre disso. A insegurança é o medo do desconhecido. Tome conhecimento, tenha sabedoria. Assim, o medo se vai e as conquistas começam a aparecer! 223

223 A Disciplina de um maratonista 224

224 J.W.Granjeiro Os Concurseiros e a Síndrome do Urso Polar Nas habituais visitas de alunos que recebo em minha sala, ouço relatos dos mais variados tipos e me sinto obrigado a ajudar e a confortar esses concurseiros com uma palavra de motivação da experiência de um ex-concurseiro. Há pouco tempo atendi uma estudante muito dedicada. Atleta e professora, ela visava à aprovação em concurso extremamente difícil o do Senado Federal. A aluna veio compartilhar a preocupação em, por falta de tempo, ter de abdicar da estética e com isso, comprometer seu relacionamento afetivo e a autoestima. 225

225 A Disciplina de um maratonista Fiquei com esse relato em mente, perguntando-me quantas concurseiras deviam estar em situação idêntica à daquela jovem. Como é difícil, para a mulher, abdicar dos cabelos com a raiz sempre retocada, das visitas semanais à manicure, do bronzeado perfeito, de toda a estética que a sociedade lhe impõe. Outro dia, ouvi de uma aluna a expressão síndrome do urso polar, que, segundo ela, acomete as concurseiras. Por causa dessa síndrome, as mulheres perdem o tom dourado da pele, engordam e ficam peludas, tão logo começam a estudar para concurso. Certamente é difícil ser concurseiro, não importa o sexo, mas acredito que as cobranças envolvidas repercutem de forma diversa em homens e em mulheres. Em geral, as moças parecem reagir à pressão dos estudos com mais ansiedade, compensando na comida, especialmente nos doces. Mas, a despeito do resultado estético insatisfatório, não há anormalidade nenhuma no fato de ter uns quilinhos a mais. Se o tempo para os estudos é curto, a prioridade deve ser passar. Apesar de a boa forma não ser o foco de quem se prepara para concurso público, considero muito importante que qualquer concurseiro reserve pelo menos trinta minutos do cronograma de estudos para a prática de alguma atividade física, de preferência caminhada ou corrida. A motivação principal para isso não deve ser estética, mas o condicionamento do corpo, a fim de que ele suporte bem muitas horas de estudo. Exercícios físicos também garantem melhor oxigenação do cérebro e a adequada liberação dos hormônios responsáveis pela sensação de bem-estar. É importante compreender que o período de rigor nos estudos é uma fase por que passam todos aqueles que pretendam ter o governo como patrão. Como ocorre com tudo que se deseja muito na vida, a aprovação também requer renúncias. Não quero, com isso, dizer que se deve abdicar da beleza e da sensação de estar bonito, de 226

226 J.W.Granjeiro bem com o próprio corpo. Entretanto, considerando que o objetivo é a aprovação no concurso, a beleza torna-se secundária. A nossa existência é feita de escolhas, de prioridades, de metas. Conheço inúmeros ex-alunos homens e mulheres que engordaram durante o período de estudos, mas que hoje estão mais bonitos, felizes e realizados no cargo público. Afinal, como não se tornar muito mais bonito, quando se é concursado e bem remunerado, quando se tem estabilidade no emprego e se desfruta de férias e de recessos fartos? Gozando de tantos direitos e vantagens, é mais fácil cuidar da beleza exterior. Por isso, tente enxergar o momento como uma fase. Modifique suas referências, pense na família, na segurança que você conquistará. Inverta os valores, reavalie o que realmente importa e valorize o que de fato tem valor. Foque nos resultados. Crie uma rotina de estudos e respeite-a. Quando você vir seu nome na lista dos nomeados, certamente não vai se lembrar de quantos quilos pesa, das pernas brancas, dos pelos, se está bonito ou feio. Só vai festejar a imensa alegria de ser um servidor público uma autoridade. 227

227 A Disciplina de um maratonista 228

228 J.W.Granjeiro Maravilhosas Mulheres Comemoramos, no dia 8 de março, o Dia Internacional da Mulher. A data foi instituída em 1910 em homenagem às 129 operárias de uma fábrica de tecidos de Nova Iorque, que morreram queimadas durante brutal repressão policial à greve em que elas exigiam condições dignas de trabalho, com diminuição da jornada e salários iguais aos dos homens elas ganhavam um terço do que era pago a eles pela execução de mesma tarefa. O trágico episódio que deu origem ao Dia Internacional da Mulher aconteceu em 1857, mas só 53 anos depois foi criada pela comunidade internacional, a data comemorativa oficializada em 1975 pela ONU. 229

229 A Disciplina de um maratonista Fiz questão de lembrar as origens da data porque passado mais de um século e meio a situação mudou muito, e para melhor, em grande parte dos países. Especialmente no Brasil, houve grandes avanços, embora muito ainda possa ser melhorado. Apenas recentemente, depois de 120 anos de República, tivemos uma mulher na Presidência do país, cargo que parecia reservado aos homens. A presença de mulheres nos Ministérios, no Parlamento (Senado, Câmara, Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores) e no Judiciário já se tornou comum. Aliás, a Presidência da mais alta Corte de Justiça brasileira, o Supremo Tribunal Federal, foi ocupada por uma mulher, a Ministra Ellen Gracie Northfleet. Devo confessar que considero a ascensão feminina maravilhosa e procuro, dentro de minhas possibilidades, estimular esta ascensão o máximo possível. No Gran Cursos, por exemplo, 70% dos colaboradores são mulheres, o que inclui a maioria absoluta dos cargos de coordenação da empresa. Atribuo ao trabalho delas a crescente melhora do padrão de serviços que oferecemos e penso que isso se deve aos atributos notoriamente femininos, como a capacidade de organização, a perseverança e o alto grau de exigência, além de uma faculdade que ainda não consegui desenvolver: a capacidade de fazer várias atividades ao mesmo tempo e com perfeição. São essas qualidades que levam a mulher a optar pelo serviço público e a enfrentar a maratona dos concursos em número cada vez maior. A quantidade de concurseiras já superou a de candidatos homens na maioria das seleções para o Executivo, o Legislativo e o Judiciário dos últimos anos. Outro dado ilustrativo: hoje, 60% dos alunos do Gran Cursos são do sexo feminino. Creio que isso se deva, em grande parte, à percepção de que o concurso público é o processo mais isonômico, pois não faz discriminação de sexo, idade, aparência etc. As mulheres já notaram que, ao ingressar em um cargo público, superam a discriminação 230

230 J.W.Granjeiro de gênero que ainda existe na maioria dos empregos da iniciativa privada e que se reflete, por exemplo, nos salários. De acordo com as estatísticas de que dispomos, são os cargos do Judiciário os que mais atraem o interesse feminino, seguidos das vagas no Legislativo. A razão está nas muitas vantagens que os órgãos desses Poderes oferecem a quem busca um emprego tranquilo, seguro, com grandes possibilidades de ascensão funcional e, muitas vezes, perto de casa o que facilita a manutenção da vida familiar, principalmente o convívio com os filhos. Acho que, por admirar e compreender bem os sentimentos e os dons femininos, sempre tive bom relacionamento com as mulheres, tanto no plano pessoal como no profissional. Neste dia, com tanta justiça, dedicado a elas, não poderia deixar de mencionar as duas mulheres mais importantes de minha vida: minha mãe, Maria Raimunda, que me deu a vida e o exemplo de seu amor ao próximo, de sua paciência, de sua liderança, de sua honestidade e de sua fé em DEUS; e minha esposa Ivonete, meu amor, minha parceira, minha companheira e corresponsável por tudo de bom que tem acontecido comigo desde o dia em que nos conhecemos. A essas maravilhosas mulheres que preenchem minha existência e me tornam um homem mais feliz, e a todas as outras mães, esposas, filhas e namoradas, envio meus parabéns pelo seu Dia, data especial que elas tanto fazem por merecer. 231

231 A Disciplina de um maratonista 232

232 J.W.Granjeiro Filmes para Concurseiros Alunos, leitores dos meus livros e artigos e internautas em geral sempre me pedem uma lista de filmes que os motive para a difícil missão que é a conquista de uma carreira pública, tendo os benefícios e as vantagens do Governo como patrão. Vi-me, então, obrigado a assistir dezenas de filmes para fazer a seleção e confesso que foi difícil escolher apenas as quatorze obras que listo a seguir, com breve sinopse. BEN-HUR O filme se passa na época de Jesus Cristo. Conta a vida de um príncipe judeu que, traído pelo amigo romano, é escravizado. Depois de lutar muito pela liberdade, ele retorna para se vingar do traidor. Na Jerusalém do início do século I, vive Judah Ben-Hur, rico mercador judeu. Sua vida sofre uma reviravolta com o retorno de Messala, um amigo da juventude que agora é o chefe das legiões romanas na cidade. Um desentendimento por causa de divergências políticas leva Messala, mesmo ciente da inocência de Ben-Hur, a condenar o ex-amigo a viver como escravo em uma galera romana. Mas Ben-Hur terá a oportunidade de se vingar. DUELO DE TITÃS Nos anos setenta, numa cidade da Virgínia, a justiça determina que as escolas promovam a integração entre brancos e negros. Em cumprimento à norma, a escola T.C. Williams substitui o treinador de futebol americano Bill 233

233 A Disciplina de um maratonista Yoast, branco, por Herman Boone, negro. Além de não ser bem recebido, o novo treinador tem de lidar com jovens que estão juntos pela primeira vez e, por preconceito racial, não se dão nada bem. O racismo torna-se, então, o maior desafio que Boone enfrenta para levar o time adiante. A VIRADA Jay Austin quer vender automóveis usados da pior forma, e é exatamente assim que ele fecha negócios em sua concessionária. Prometendo muito mais do que pode cumprir, ele faz o necessário para vender um carro. O caráter manipulador do empresário influi em tudo a sua volta, inclusive em seus relacionamentos, de modo que nem mesmo a esposa e o filho confiam nele. Contudo, enquanto restaura um clássico conversível, Jay percebe que Deus também está trabalhando na sua restauração. Enfrentando a realidade de como verdadeiramente conduz a si próprio, Austin começa a virada em sua vida quando aprende a honrar a Deus em seus negócios, em suas relações em sua vida. O FAZENDEIRO E DEUS Um fazendeiro muda-se para a África do Sul com a família e sofre uma série de perdas que julga ser incapaz de superar. Com amizades insólitas e graças à providencia divina, ele descobre o verdadeiro propósito de sua vida e desenvolve uma crença inabalável no poder da fé. Trata-se da história comovente de um homem que cultiva as raízes da fé, as quais, assim como ocorre com as batatas que ele planta na fazenda, só se tornam visíveis quando chega a hora da colheita. 234

234 J.W.Granjeiro TEMPO DE RECOMEÇAR Fala de um arquiteto que, na juventude, sonhava em construir a própria casa, um refúgio no penhasco à beira-mar. Mas George deixou que o trabalho, o tempo e as circunstâncias o distanciassem de seu sonho. Quando se deu conta, tinha envelhecido, estava desempregado, divorciado e afastado da família e dos amigos. Agora, o arquiteto está determinado a construir a casa, nem que seja a última coisa que faça! A princípio, ele inicia o projeto sozinho, pois o filho adolescente não se interessa por nada que diga respeito ao pai. A ex-esposa e os vizinhos não acreditam que ele vá levar a ideia adiante. Contudo, aos poucos a força e a determinação do arquiteto contagiam as pessoas à sua volta. À medida que George vai realizando seu sonho, as relações com as pessoas importantes de sua vida também se solidificam. O que começa como o resgate de um desejo pessoal torna-se algo maior e mais forte do que a própria casa. À PROCURA DA FELICIDADE O filme relata a luta de um homem de família pela sobrevivência. Apesar de todas as tentativas de manter a família unida, Chris Gardner vê a mulher, mãe de seu filho de cinco anos, deixá-los, por não suportar mais as dificuldades financeiras. Chris, agora um pai solteiro, continua a perseguir desesperadamente um emprego com melhor remuneração, usando toda a habilidade de vendedor que tem. Surge a oportunidade de ingressar como estagiário numa grande e importante corretora de ações. Apesar de não haver salário, ele, na esperança de no final do programa conseguir um emprego e um futuro promissor, aceita o trabalho. 235

235 A Disciplina de um maratonista Sem apoio financeiro, Chris e o filho são despejados. Logo são forçados a dormir em abrigos, estações de ônibus, banheiros e onde quer que possam encontrar refúgio durante a noite. Apesar dos problemas, Chris continua a honrar o compromisso de pai amoroso e afetuoso, usando a afeição e a confiança que o filho depositou nele para superar um a um os obstáculos que se interpõem no caminho em busca de condições melhores de vida. JOGADA DE GÊNIO O personagem principal é um professor universitário que tem uma miraculosa ideia, capaz de chamar a atenção da indústria automotiva. Sempre cultivando a esperança de um dia alcançar o Sonho Americano, Kearns, engenheiro, inventor nas horas vagas e morador da Detroit dos anos sessenta, cria uma engenhoca que seria utilizada em todos os carros do mundo sem exceção. Para a família, integrada pela esposa e pelos seis filhos, era como se ele tivesse encontrado ouro. Porém, a fascinante invenção acaba se tornando um tormento para Kearns. Os gigantes da indústria automotiva se aproveitam da ideia e, sem o menor pudor, ignoram o verdadeiro autor do invento. O SOM DO CORAÇÃO August Rush é filho de um guitarrista irlandês e de uma violoncelista americana. Os pais, ainda jovens, se conheceram de forma mágica na Washington Square, em Nova York. Diante das circunstâncias, August foi deixado em um orfanato. Protegido por uma pessoa misteriosa e se apresentando nas ruas da cidade, agora August utiliza seu extremo talento musical para tentar reencontrar os pais, de quem foi separado logo depois de nascer. 236

236 J.W.Granjeiro QUEM QUER SER MILIONÁRIO Jamal Malik tem 18 anos, vem de uma família das favelas de Mumbai, Índia, e está prestes a experimentar um dos dias mais importantes de sua vida. Visto pela tevê por toda a população, Jamal está a apenas uma pergunta de conquistar um prêmio de 20 milhões de rúpias. No entanto, no auge do programa, a polícia prende o jovem Jamal por suspeita de trapaça. A questão que paira no ar é: como um rapaz das ruas pode ter tantos conhecimentos? Desesperado para provar sua inocência, Jamal conta a história da sua vida na favela onde ele e o irmão cresceram, as aventuras dos dois juntos, os enfrentamentos com gangues e traficantes de drogas e o amor por uma garota. O DIABO VESTE PRADA Com estilo interiorano e inocente, Andy Sachs parece ter caído de paraquedas na cosmopolita e intensa Nova York. Recém-formada na faculdade de jornalismo, ela se muda para a Big Apple ao lado do namorado, Nate, e sai em busca de emprego. Consegue uma entrevista na badalada revista de moda comandada pela impetuosa e obcecada editora Miranda Priestly, considerada a Dama de Titânio da moda mundial, ao lado de Ellen. Mesmo sem nunca ter ouvido falar da revista ou da famosa editora, Andy consegue a vaga, em razão de seu excelente currículo e de seu discurso sobre a ética de trabalho, nas palavras da própria Miranda Priestly. Seu estilo, entretanto, é motivo de piada entre os novos colegas, plenamente inseridos no mundo da moda. Determinada a seguir em frente com o desafio, Andy muda o visual e se torna uma workaholic nas mãos da abominável chefe. Ao mesmo tempo, começa a perceber o quanto está deixando de lado as coisas simples da vida e se tornando uma Clacker, apelido que a própria Andy dá às colegas de trabalho que cultuam a beleza e a forma física. 237

237 A Disciplina de um maratonista DESAFIANDO GIGANTES Nunca desista, nunca volte atrás, nunca perca a fé. O poder que vem da crença provê a habilidade de vencer. Nos seus seis anos como técnico de futebol americano de uma escola, Grant Taylor nunca conseguiu levar o time Shiloh Eagles a uma temporada vitoriosa. Ao enfrentar crises profissionais e pessoais aparentemente insuperáveis, a ideia de desistir nunca lhe pareceu tão atraente. Mas, quando um visitante inesperado o desafia a acreditar no poder da fé, ele descobre a força da perseverança para vencer. INVICTUS O filme acompanha a história de Nelson Mandela, no período que vai de sua saída da prisão, em 1990, passando por sua eleição para a presidência, em 1994, e os anos subsequentes. Na tentativa de diminuir a segregação racial na África do Sul, o rugby tornase instrumento para amenizar o fosso entre negros e brancos, fomentado por quase quarenta anos. O jogador François Pienaar é capitão do time e será o principal parceiro de Mandela na empreitada. HOMENS DE HONRA Carl Brashear não permite nenhum obstáculo em seu caminho para realizar seus sonhos. Filho de um meeiro do Kentucky, ele sai de casa em busca de uma vida melhor. Nunca desista... seja o melhor, disse-lhe seu pai e Carl transforma essas palavras em lema. Depois de entrar para a Marinha, passa dois anos escrevendo uma centena de cartas antes que o serviço aceite sua inscrição para o programa na Escola de Mergulho. Sunday, um reconhecido comandante de mergulhadores da Marinha 238

238 J.W.Granjeiro norte-americana desafia e insulta o novato para que ele desista. Mas Carl tem outras ideias. Seu objetivo é claro; sua determinação, rigorosa. Nenhum obstáculo impedirá que se torne um mergulhador da Marinha. Anos mais tarde, depois que Carl sofre um acidente que o deixa aleijado, ele e Sunday, inesperadamente, juntam suas forças. Homem de não deixar escapar uma oportunidade para zombar do sistema, o rebelde oficial ajuda Carl a enfrentar a burocracia da Marinha, a superar a perda de uma perna e a se tornar parte da história militar dos Estados Unidos. Quando se aposenta, Carl ganha os títulos de Master Diver e Master Chief, a patente mais alta para um homem nesta área da Marinha norte-americana O LADO CEGO Um adolescente é encontrado na rua e convidado a passar a noite na casa da família de um colega da escola. À medida que a família ajuda o jovem a desenvolver todo o seu potencial no esporte e na escola, todos são conduzidos a uma jornada de autodescoberta. Caro leitor, os filmes aqui recomendados abordam, em sua essência, o poder da disciplina, da perseverança, da persistência, da preparação, da garra, de um pouco de sorte e da fé na conquista de algo importante. No nosso caso, esse algo é o cargo público. DIVIRTA-SE! E BOM APRENDIZADO! 239

239 A Disciplina de um maratonista 240

240 J.W.Granjeiro Feliz Aniversário, Amada Ceilândia! Tenho fortes laços afetivos com Ceilândia. Por isso, não posso deixar de manifestar minha satisfação pelas últimas notícias sobre a cidade. Andando pelas ruas de Ceilândia nos últimos dias, verifiquei pessoalmente como a cidade está mais bonita, sobretudo em seu centro nervoso, onde se concentra grande parte do movimento comercial de dezenas de lojas, que se sucedem em extensão de pouco mais de 1 km, na Avenida Hélio Prates. Até há pouco tempo, grande parte do espaço era ocupado pela conhecida Feira do Rolo, que se espalhava pelo centro da Avenida. Com a retirada das barracas que lá funcionavam, recuperou-se uma visão da cidade que havia muito tínhamos perdido. Esse resgate nos dá grande prazer. A 241

241 A Disciplina de um maratonista nova paisagem é uma área revitalizada. Ali, as pessoas podem caminhar livremente e os veículos dispõem de mais espaço para circulação. Visitar essa Ceilândia mais bonita e mais limpa trouxe-me recordações da infância e da juventude que passei na cidade com minha família. Éramos migrantes pobres vindos do Rio Grande do Norte em busca de uma vida melhor, tal como milhares de outras pessoas que, naquela época, em 1970, chegavam ao Distrito Federal, procedentes principalmente de Minas Gerais e de estados do Nordeste. Eu contava apenas sete anos de idade quando chegamos ao Distrito Federal. Fomos morar inicialmente na Vila Esperança, em um barraco tão pequeno que quem estava dentro via quem estava fora, e vice-versa o cantinho da família Granjeiro, melhor lugar do mundo. Um ano mais tarde, nos erradicaram para Ceilândia. Assim como a cidade, nós estávamos começando a vida e tínhamos sonhos de crescer, de prosperar e de encontrar nosso rumo. Felizmente deu certo, tanto para nós, como para a cidade. Morávamos na QNN 21. Ajudei a construir a casa onde morávamos, trabalhando como ajudante de pedreiro de meu querido pai, o seu Zuza. Estudei nos Centros Educacionais 02 e 07 escolas aonde retornei alguns anos mais tarde como professor, por opção e ideologia. Da mesma forma que todos os meus coleguinhas de turma, fazia a pé, dia após dia, o longo caminho que separava minha casa do colégio. Na seca, tínhamos de enfrentar o poeirão ao longo de todo o percurso. Na época da chuva, eram as torrentes de água e lama que precisávamos vencer para chegar à escola e voltar para casa. Mas nenhuma dessas dificuldades jamais me desanimou. Posso dizer que tive uma infância feliz, e consegui superar todas as dificuldades para chegar à universidade e me formar em Administração de Empresas. 242

242 J.W.Granjeiro Aprovado em oito concursos, trabalhei por 17 anos como servidor público federal e do GDF. Abracei o magistério e, por fim, tornei-me empresário do setor de educação, voltado para a preparação de candidatos a concursos públicos, assunto que conheço profundamente graças à vivência na área e à minha própria experiência como concurseiro. Ao mesmo tempo, encaro esse trabalho como uma missão pessoal, de proporcionar felicidade àqueles que desejam melhorar de vida entrando para o serviço público e conquistando uma carreira estável, com bom salário, prosperidade e segurança. Posso dizer que ajudo milhares de pessoas, entre as quais muitos ceilandenses, a realizar seu sonho profissional: a aprovação em concurso público do Executivo, do Legislativo ou do Judiciário. Por tudo isso, nossa empresa não poderia deixar de estar presente em Ceilândia. Há algum tempo, abrimos ali uma unidade do Gran Cursos. Fico feliz em dizer que já podemos considerá-la plenamente vitoriosa em todos os seus propósitos: preparar candidatos para concursos públicos oferecendo um ensino diferenciado e de alta qualidade, gerar empregos e oferecer à população uma opção de estudo mais próxima de casa. Hoje, podemos afirmar que o alto investimento que fizemos na cidade foi completamente recompensado. Estamos, pois, de braços dados com aquela comunidade e apoiamos plenamente as iniciativas, os projetos e as propostas que têm sido desenvolvidos por lá. Nós do Gran Cursos estamos certos de que a população ceilandense, ordeira e trabalhadora, é merecedora de tudo o que de melhor puder fazer o governo para assegurar o progresso dessa cidade, motivo de orgulho para o Distrito Federal. Ceilândia está de parabéns, também por isso. 243

243 A Disciplina de um maratonista 244

244 J.W.Granjeiro A Força do Trabalho Ético O início de minha relação com o mundo dos concursos públicos começou quando dei baixa do Exército Brasileiro, em uma sexta-feira, e, na segunda-feira, com o caderno de classificados debaixo do braço, já procurava emprego. O primeiro concurso ainda não público consistia em fazer uma prova de Língua Portuguesa, Matemática e Conhecimentos Gerais, para trabalhar em uma instituição financeira, misto de banco e seguradora. Disputávamos quatro vagas, e fui um dos aprovados no exame e na entrevista que compunha o certame. Nesta, a fim de manter a boa nota da prova objetiva, demonstrei que precisava do cargo mais que os concorrentes. Eu conhecia bem a técnica de entrevista

245 A Disciplina de um maratonista Enquanto trabalhava na financeira, fazia um curso preparatório para o concurso agora público do Banco do Brasil. O sonho de meus pais era ver-me trabalhando no Banco oficial, sinônimo de status e de estabilidade. Estudei muito! Mas, diante da obrigação de passar para não desapontar meus pais, acabei reprovado. Fui vencido pelos principais inimigos dos candidatos a uma vaga no serviço público: fadiga, ansiedade e falta de estratégia para enfrentar a prova e administrar o pouco tempo disponível para responder as questões. Contudo, a preparação ajudou-me a passar em alguns dos concursos públicos que vieram logo em seguida, em especial o do DASP (federal) e o do IDR (aqui do DF). Passei em 13º e 9º lugar, respectivamente, para o cargo de Agente Administrativo. Terminei o curso superior e fiz outros concursos públicos, com aprovação em 1º lugar no concurso da FPS (Sarah), onde permaneci até a redistribuição para o MJ de lá, parti para o primeiro PDV do Governo Federal. Paralelamente a todas essas atividades, escrevi duas dezenas de obras voltadas para concursos há obras que já estão na 30ª edição! Sempre atuei no meio público, como servidor, professor ou instrutor. Entretanto, para mim, o fato que mais se destaca em minha vida profissional sem dúvida é ter sido pioneiro em diversos produtos para o seguimento dos concursos públicos. Ajudei a criar a maior e melhor escola preparatória, a primeira editora especializada em apostilas e livros voltados para concursos e uma rede de livrarias multimarca com todo tipo de material direcionado aos certames. Posso afirmar que são poucos os profissionais que ingressam nesse mercado e nele permanecem depois de duas décadas de trabalho. Felizmente, sou um deles. Outro dado que consagra minha trajetória é ter trabalhado em diferentes setores na preparação dos concurseiros, atuando ora como professor, ora como 246

246 J.W.Granjeiro palestrante, ora como autor, ora como diretor de editora, ora como dirigente de escola preparatória. Inegavelmente, isso faz de mim um profundo conhecedor da área, um especialista no assunto concurso público. Não é à toa que fui um dos poucos professores de cursos preparatórios do país a ser entrevistado pelo apresentador Jô Soares, reconhecimento mais do que justo por minha história de sucesso e de colaboração para com aqueles que se preparam para se tornar servidores públicos. De forma direta ou indireta, ajudei mais de 150 mil pessoas a ingressar no serviço público. No início de minha carreira, ainda como professor concursado de Direito e Legislação da extinta FEDF, consegui destacar-me dentre os colegas. Isso me rendeu o convite em 1989 para ministrar as disciplinas Direito Administrativo, Administração e Direito Comercial no incipiente curso preparatório. A formação didáticopedagógica Esquema I habilitou-me a sempre conquistar excelentes notas nas avaliações dos professores realizadas pela Coordenação do curso. Quebrei todos os recordes de aulas já ministradas por um professor 105 horas-aula por semana em duas oportunidades. Tanto empenho, dedicação, energia e profissionalismo renderam-me outros convites, até, finalmente, assumir a presidência do grupo GRAN CURSOS, a primeira escola preparatória do país e que conta com escolas próprias, franquias, editora, livrarias e gráfica. E o GRAN CURSOS continua crescendo. Pretendo implementar cursos telepresenciais, via satélite, e o ensino a distância, via internet. Mas meu maior sonho, mesmo, é inaugurar o shopping dos concursos. Será um espaço onde o candidato encontrará tudo de que precisa para se preparar bem para o ingresso no serviço público. Outro grande sonho é fundar uma faculdade diferente, voltada para esse mundo dos concursos públicos. Ainda chego lá. 247

247 A Disciplina de um maratonista Deus foi generoso comigo e permitiu que eu atuasse em seguimentos nos quais este país mais tem carências: educação, qualificação profissional, livrarias e editora. Que eu tenha êxito e possa realizar o sonho de milhares de pessoas que confiam em meu trabalho e no dos profissionais que me cercam como colaboradores. 248

248 J.W.Granjeiro A Força do Destino O nome dele era Davi. Pura coincidência: mesmo nome do Pequeno que venceu o Gigante, conforme revela a Bíblia. Vinha de família pobre, filho de sertanejos que lidavam com a terra e criavam umas vaquinhas na zona rural de uma pequena cidade do interior do Maranhão. Tinha três irmãos. Era a década de noventa, e, como em qualquer outro lugar, as pessoas mais humildes batalhavam muito para vencer na vida. Muitas morriam sem realizar o sonho da casa própria ou sem lograr aprovação em algum concurso público. Outras desistiam dos estudos e iam mexer como se diz lá na região com comércio, abrindo lojas de autopeças, confecções, farmácias, bares ou restaurantes. O importante era ter o próprio negócio, casar, ter filhos e viver aquela vidinha feliz para sempre. Quem não conseguia passar no vestibular de uma universidade pública do Maranhão mesmo, ou do Piauí, Tocantins ou Pará, estados mais próximos nem pensava em enfrentar uma faculdade particular porque a mensalidade era (e continua sendo) alta. Com os baixos salários da região, seria impossível sobreviver e ainda pagar os estudos. O jovem e pujante Davi era diferente. Ele era determinado. Tinha um norte na vida. Queria ser juiz. Não juiz de futebol, com todo o respeito a esses profissionais, mas Juiz Federal, do Poder Judiciário. Assim, o rapaz estabeleceu metas, organizou-se e foi à luta. Durante o dia, trabalhava no escritório de uma grande serraria e fábrica de carrocerias de caminhão da cidade. Mas aproveitava regradamente os fins de semanas e os 249

249 A Disciplina de um maratonista momentos de lazer. O tempo que tinha usava para se preparar para o vestibular da Universidade Federal do Maranhão. Sabia que a vida de auxiliar de contabilidade não o levaria muito longe. O máximo que conseguiria seria o cargo de chefe do escritório da fábrica. Isso era pouco para ele. Dedicou-se de corpo e alma ao seu objetivo. Estudou, fez o vestibular e foi aprovado com ótima classificação na UFMA. O curso? Direito, claro. Era com isso que ele sempre sonhara. Mas Davi não parou por aí. Na verdade, estava só na metade de sua longa jornada. De dia continuava trabalhando no escritório da serraria e de noite se preparava para ser advogado. Já quase no fim do curso, os três irmãos, que mal haviam concluído o antigo segundo grau, se uniram para ajudá-lo, ou melhor, para bancar o esforçado estudante, a mulher e os dois filhos dele. Tudo para permitir que o único universitário da família se dedicasse somente aos estudos. Com a ajuda dos irmãos, o jovem concluiu o curso de Direto e obteve, sem dificuldade, a famosa e temerosa carteira da Ordem dos Advogados do Brasil, Secção do Maranhão. Davi exerceu a profissão por alguns meses, mas, como ainda não era possível montar um belo escritório e ganhar grandes causas, dedicava-se cada vez mais aos estudos. Ele não queria ser advogado do dia a dia, do tipo que só faz petições, embargos, recursos e defende alguém. Queria ser Juiz. Com o apoio da família e dedicação exclusiva aos estudos e ao cursinho preparatório, o incansável bacharel fez concurso para o Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão. Aprovado e bem classificado, em pouco tempo estava com a vida estabilizada, morando bem, e o melhor: retribuindo a ajuda dos irmãos, dentro das possibilidades. Mas estes não estavam preocupados em recuperar o dinheiro investido no estudioso membro da 250

250 J.W.Granjeiro família. Estavam felizes, contentes por ter um irmão Juiz o Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz Eleitoral da Primeira Zona Eleitoral Davi Costa, que venceu na vida com muita dedicação e PERSISTÊNCIA. Inspire-se na história de Davi e atinja o apogeu de sua própria história. 251

251 A Disciplina de um maratonista 252

252 J.W.Granjeiro Conselhos que os Concurseiros Nunca Devem Esquecer Outro dia, aqui da minha sala no Gran Cursos, passei algum tempo observando o movimento dos alunos pelos jardins da nossa unidade-sede, no Setor de Indústrias Gráficas, durante o intervalo entre as aulas. Fui, então, levado a refletir sobre a beleza do trabalho que desenvolvemos e cujo resultado está consagrado em mais de 165 mil aprovações ao longo de 23 anos de existência. Quem estuda no Gran Cursos sabe que desfruta do que há de melhor em matéria de instalações, material didático, corpo docente e metodologia para preparação adequada e consequente aprovação com classificação nos mais diferentes concursos públicos. Posso afirmar, com absoluta convicção, que nenhuma outra escola sequer chega perto da posição que ocupamos no mercado de preparação para concursos públicos. Posso também assegurar que nosso êxito se deve a um comprometimento duplo da instituição e dos alunos com o objetivo final, a conquista do cargo público. Ao observar os alunos espalhados pelas mesas do pátio contíguo à praça de alimentação, à sombra de belas e frondosas árvores que contribuem ainda mais para tornar o ambiente aconchegante e convidativo ao estudo, dei-me conta de que essas pessoas estão no caminho certo. Em breve, elas atingirão o alvo para onde apontaram o arco de suas vidas. Vejo nelas a autoconfiança característica dos vencedores. Fica claro que não poderão ser derrotadas no desafio que se impuseram. Estudar é a regra número 1 de todo candidato a concurso público. Não existe um mínimo ideal de horas que devem ser destinadas a esse projeto, afinal, cada um 253

253 A Disciplina de um maratonista tem seu próprio ritmo e capacidade de aprender. Mas é fundamental aproveitar momentos como o dos alunos que eu observava naquele dia, entre o almoço ou o lanche e o início das aulas, ou qualquer outra hora disponível, para mergulhar nos livros e apostilas, rever cada aula, cada anotação, cada dica de professor em sala de aula. Rememorar e repassar tudo o que foi ensinado no dia anterior é um dos segredos para fixar todo o conteúdo na memória. É fundamental também e sempre noto isso na grande maioria dos alunos Gran Cursos atitude otimista e proativa diante dos desafios do concurso escolhido. O concurseiro nunca deve deixar que o baixo astral se instale. Para combater qualquer crise de pessimismo, vale tudo: das leituras de autoajuda ao estudo em grupo para receber boas doses de injeção de ânimo de outros candidatos. Você conhece a célebre frase proferida por Winston Churchill no momento da II Guerra Mundial de maior dificuldade para a Inglaterra, que então combatia quase sozinha contra a Alemanha? A frase diz mais ou menos o seguinte: Lutaremos no céu, na terra, nos mares. Defenderemos nossa ilha. Nunca nos renderemos. Eu comparo o concurso público à guerra, em que só os mais capazes, os mais bem treinados e com maior disposição de luta têm condições de vencer. Estes nunca se renderão a eventual insucesso. Ao contrário, continuarão buscando a vitória, dia após dia, assim como o líder britânico fez com o seu povo. Eu poderia mencionar vários exemplos de vida inspiradores para aqueles que querem vencer não apenas uma batalha, mas a verdadeira guerra pela conquista do território inimigo, que em nosso contexto é o cargo público disputado por milhares de candidatos. A minha própria história de vida pode servir de exemplo. Fui menino pobre. Estudei com muito sacrifício: precisava pegar livros emprestados e estudava de noite, com os pés mergulhados em uma bacia de água fria para não adormecer. 254

254 J.W.Granjeiro Apesar de todo o meu esforço, fui reprovado no primeiro concurso que prestei, para o Banco do Brasil. Nem por isso desanimei. Pelo contrário, usei essa experiência para me fortalecer. Aquele tinha de ser o primeiro e último fracasso. Eu precisava superar as dificuldades dos concursos seguintes. Foi assim que cheguei a ser aprovado em oito deles. Fiz carreira, progredi e cheguei aonde estou hoje graças, acima de tudo, à minha determinação, à minha disciplina e ao meu otimismo permanentes. Se me inscrevia num concurso, meu pensamento era um só: Uma dessas vagas vai ser minha. Deu certo. Diante disso, encerro este artigo citando mais uma vez Winston Churchill e seu sábio conselho de vida, que vale para todos nós: Nunca desista. Nunca. Nunca. Nunca. Nunca. 255

255 A Disciplina de um maratonista 256

256 J.W.Granjeiro Correr Aumenta a Inteligência Todo mundo sabe que correr é uma das atividades mais importantes da minha vida, uma de minhas maiores paixões. Em uma boa corrida no Parque da Cidade ou pelas ruas de Brasília de preferência cumprindo percurso de 15 ou 18 km, sou brindado com as melhores ideias para desenvolver o meu trabalho. Não por coincidência, minha empresa cresceu tão depressa quanto meu desempenho nas pistas nos últimos anos. Agora acabo de confirmar um dado do qual já suspeitava, mas que carecia de comprovação científica: correr não só faz bem à saúde como também aumenta a inteligência. Isso tem tudo a ver com a minha atividade e com os princípios que devem nortear quem se prepara para concurso público. A comprovação da tese veio em artigo assinado por Márcio Dederich e publicado na revista Contra-Relógio, especializada no assunto. Pesquisas citadas pelo articulista revelam que a corrida aumenta o tamanho do cérebro e, consequentemente, contribui para o desenvolvimento da inteligência. Eu já desconfiava disso, pois já percebera em mim mesmo mais esse efeito do esporte. Segundo as pesquisas, o exercício pode ter pouco impacto na cognição quando realizado de forma aguda, mas sem continuidade, ao contrário do que ocorre com a prática regular. Esta, sim, é capaz de produzir benefícios, ainda que o treinamento tenha sido iniciado tardiamente. Meu caso ilustra essa situação: comecei a correr regularmente somente na idade madura, mas os meus treinos têm sido cada vez mais intensos. 257

257 A Disciplina de um maratonista Várias hipóteses, segundo o artigo, tentam explicar os mecanismos pelos quais o exercício atua positivamente sobre as funções cognitivas. Uma delas considera que a atividade física aumenta o fluxo sanguíneo cerebral e, consequentemente, de oxigênio e outros substratos energéticos. Outra diz respeito aos efeitos do estresse oxidativo sobre o sistema nervoso central, com aumento da atividade de enzimas antioxidantes e, por consequência, ampliação da defesa contra danos provocados por espécies reativas de oxigênio. Além das já citadas, outras hipóteses se referem às alterações neuroendócrinas e humorais promovidas pelo exercício, como o aumento de adrenalina, de noradrenalina, de vasopressina e, principalmente, de beta-endorfina, considerada modulador fisiológico da memória. Eu sinto esses mecanismos atuando em meu organismo depois de correr 10, 21 a minha prova favorita e especialidade, 42 km (distância da maratona olímpica). Meu desempenho vem melhorando dia após dia. Além disso, à medida que vou vencendo a distância, sinto-me melhor e o ciclo recomeça meu desempenho melhora mais um pouco. Não é à toa que, além de praticar a corrida como um prazer pessoal, estimulo pessoas de todas as idades a praticar esse esporte e mantenho uma equipe de corrida que vem conquistando todos os títulos que disputa. E eu, na minha faixa etária (45 a 49 anos), tenho progredido a cada prova: nas três últimas que disputei, fui, sucessivamente, o sétimo, o sexto e o quinto colocado correndo a média de 13 km/h. Na classificação geral, já estou me aproximando dos atletas de elite. No início deste artigo, mencionei a relação que observo entre corrida e concurso público. Mesmo que o candidato a concurso não tenha disposição para se tornar um corredor, existem muitas semelhanças entre a sua preparação e a do atleta. A luta por uma vaga no serviço público exige tanto sacrifício e dedicação quanto exige a decisão de 258

258 J.W.Granjeiro investir toda a energia numa corrida de longa distância. O corredor, seja ele um fundista (atleta especialista em 5 mil ou 10 mil metros) ou maratonista (prova que tem metros), só pode obter sucesso com disciplina, perseverança, orientação adequada, vontade de vencer e método de trabalho, entre outros atributos. O mesmo se aplica aos concurseiros que me leem. Na corrida pelo almejado cargo público, é preciso manter o foco no objetivo, sem deixar que as energias se dispersem, como faz o corredor na busca pela linha de chegada. Agindo assim, o concurseiro, tal como o atleta que se prepara corretamente, se sagrará, sem dúvida alguma, vencedor. Se resolver tornar-se também um corredor, aí, então, a vaga já será sua, mesmo. GRAN corrida e GRAN aprovações! 259

259 A Disciplina de um maratonista 260

260 J.W.Granjeiro Como a Música Pode Ajudar nos Estudos Você já ouviu falar em Sugestopedia? Não? Então empatou com muita gente boa, que talvez pratique a técnica sem nem ter consciência disso. Será o seu caso? Quer mesmo saber? Então responda: como você gosta de estudar: 1. em silêncio profundo e sepulcral; 2. com a televisão ligada, mas sem prestar atenção à programação; 3. com música de fundo, para relaxar; 4. nenhuma das três opções: só estuda com um aparelho de mp3 nos ouvidos. 261

261 A Disciplina de um maratonista Se você tiver marcado a opção 3 ou a 4, é um típico praticante do método sugestopédico. A sugestopedia considera que o estado obtido mediante o relaxamento bioenergético associado a música adequada é ótimo para a aprendizagem. É o que afirmam cientistas que endossam as técnicas desenvolvidas na década de sessenta por um certo Georgi Lozanov. Segundo o psiquiatra e educador búlgaro, as informações percebidas pelos sentidos, quando a mente se encontra em estado de vigília relaxada (ondas cerebrais alfa), são registradas na memória profunda de longo prazo. Bonito, não? Mas como foi que o bravo Lozanov chegou a tão brilhante conclusão? Elementar, como diria ao nosso caro Watson o seu velho amigo Sherlock Holmes: botando os alunos para ouvir música e avaliando os resultados da experiência. Assim, é? Basicamente, sim, com a diferença de que, depois de muito pensar, o pesquisador teve a ideia de separar as cobaias, digo, os colaboradores na pesquisa, em dois grupos. O primeiro simplesmente recebeu o material do teste e respondeu as questões. Obteve 25% de aproveitamento. Já os felizardos do segundo grupo se embriagaram com as obras de Bach, Vivaldi e Mozart, o crème dela crème da música de câmara, enquanto resolviam as mesmas questões. O resultado foi de 95% de acerto nas respostas. Lozanov concluiu que algumas músicas têm a propriedade de facilitar a memorização de informações a longo prazo. É como se o cérebro abrisse seus filtros com mais facilidade para a música do que para qualquer outro tipo de informação. Segundo o cientista, a música barroca é a mais indicada para essa finalidade, por causa de suas sessenta ou setenta batidas por minuto. Lozanov usava a música em três momentos. Primeiro promovia, com ela, o relaxamento do aluno, conduzindo-o 262

262 J.W.Granjeiro a um estado de vigília relaxada (diferente do sono). Depois, de forma dinâmica, tocava músicas bem expressivas enquanto transmitia as informações. Finalmente, para fixar a informação, recorria à música barroca. Concluídos os experimentos, Lozanov chegou às seguintes conclusões: 1. O aproveitamento escolar dos alunos submetidos somente a sessões de relaxamento antes das aulas pode melhorar em até 70%. 2. Uma mente tensa é sempre dispersiva. Livre das tensões, os alunos conseguem desenvolver maior concentração. 3. A primeira hora que se segue após uma sessão de relaxamento é altamente favorável a toda e qualquer atividade que dependa de imaginação e criatividade. 4. Nos exercícios de relaxamento, os canais que unem consciente e inconsciente se tornam intransitáveis. Isso possibilita envolvimento mais completo da mente no processo intelectual. 5. Com o relaxamento, nota-se sensível melhora em casos de gagueira e outros problemas fonoaudiológicos. A prática sistemática de relaxamento pode corrigir problemas que vão desde a timidez até crises de euforia. 6. Os alunos submetidos a sessão de relaxamento antes da aula apresentam expressão facial suave, tornamse mais receptivos e se envolvem mais facilmente com o assunto em pauta. 7. O excesso de tensão faz com que o cérebro opere em alta frequência, com até trinta ciclos por segundo, ritmo impróprio para qualquer atividade que envolva introspecção e aprendizagem. Fui buscar em Lozanov a inspiração para este artigo porque vejo, no resultado das pesquisas por ele desenvolvidas, aplicação prática à vida dos concurseiros, que precisam ter atenção a cada detalhe de uma prova 263

263 A Disciplina de um maratonista e manter-se permanentemente focados no objetivo de ser aprovado no concurso escolhido. Vejo também grande afinidade entre a técnica sugerida pelo cientista búlgaro e o que é necessário no treino de um maratonista, atividade que, todos sabem, pratico como esporte e como preparação para minhas atividades diárias no Gran Cursos. Assim como convém ao concurseiro relaxar para preparar melhor o cérebro para o estudo, o maratonista não deve de forma alguma iniciar a corrida sem uma boa sessão de alongamento e aquecimento. Esses momentos são fundamentais para preparar o cérebro para o comando que vai receber em seguida: Vamos correr. É assim que saímos do estado beta, de repouso, para o estado alfa, de ação. Isso vale tanto para o atleta de maratona olímpica, como eu, quanto para o aluno que se prepara para concurso público. É preciso saber dosar as energias e relaxar quando preciso, seja com música, como os alunos de Lozanov, seja por qualquer outro meio que ajude a alcançar com sucesso o resultado esperado. 264

264 J.W.Granjeiro Bibliografia Básica para o Sucesso É comum nossos alunos pedirem sugestões de leituras que aumentem as chances de aprovação nos mais diversos concursos públicos. Resolvi, então, dedicar o espaço deste artigo a atender esses pedidos. Indicarei livros que considero fundamentais para qualquer concurseiro de sucesso, obras que são verdadeiros e preciosos manuais dirigidos a quem quer o Governo como patrão. Todos os livros sugeridos são de fácil aquisição, pois estão disponíveis no mercado a preços bastante acessíveis. Não deixe para depois. Comece a ler agora mesmo os livros, todos escritos por concurseiros, estrategistas, servidores, enfim, vencedores que adotaram a organização, a disciplina, o método, a persistência, o planejamento e a perseverança para alcançar seus objetivos e metas. 265

265 A Disciplina de um maratonista 1. Tudo o que você precisa saber sobre concursos jurídicos (Edílson Mugenot Bonfim/Saraiva) A percepção brilhante do autor sobre o universo do candidato e dos concursos, traduzida em uma prosa espirituosa, faz do livro uma daquelas obras cuja leitura não se consegue abandonar. Leve e ao mesmo tempo profunda, e científica, didática e clara a um só tempo, a palavra flui com a autoridade de um consagrado vencedor, que auxilia os mais jovens na realização do sonho do concurso. 2. Concursos públicos e exames oficiais (Rogério Neiva Pinheiro/Atlas) A implementação de esforço é e sempre será necessária na busca pela aprovação. No entanto, esse empreendimento pode ser realizado de maneira mais ou menos eficiente. A principal contribuição do livro é a proposta de um caminho que maximize o esforço, a sugestão de uma estratégia de preparação pautada na lógica da busca de eficiência e de racionalidade. Ou seja, uma preparação que trilha o caminho da vitória, no caso, a aprovação. 3. O monge e o executivo/uma história sobre a essência da liderança (James C. Hunter/Sextante) Com narrativa envolvente, O monge e o executivo conta a história de John Daily, homem de negócios bem-sucedido que percebe, de repente, que está fracassando como chefe, marido e pai. Numa tentativa desesperada de retomar o controle, ele decide participar de um retiro sobre liderança num mosteiro beneditino. O local é comandado pelo frade Leonard Hoffman, influente empresário americano que abandonou tudo em busca de um novo sentido para a vida. 266

266 J.W.Granjeiro 4. Concurso público/estratégias e atitudes (Valdir Santos/Concurseiros Edições) A experiência aqui condensada retrata a vida de milhares de concurseiros que dirigiram dúvidas ao autor e dividiram com ele as angústias por que passavam. As perguntas e manifestações serviram para confirmar e aperfeiçoar as impressões que o autor tinha quando ele próprio levava a vida de concurseiro. A fim de compartilhar o que aprendeu, Santos sugere algumas atitudes que ajudam na conquista de uma vaga no serviço público. O autor não imaginava que um dia pudesse ensinar algo sobre como obter melhores resultados nos concursos. Entretanto, o caminho que ele trilhou terminou por lhe permitir isso, graças à ajuda de alunos que, desde 1998, tornavam as conversas após as aulas de Direito Administrativo e Constitucional mais longas e proveitosas do que as próprias aulas. 5. Nunca deixe de tentar (Michael Jordan/Sextante) O técnico Bernardinho descobriu o livro de Michael Jordan em 1994, ano em que estreou como treinador da seleção brasileira feminina de voleibol. Impressionado com os princípios apresentados pelo ícone do basquete americano, decidiu traduzir o texto, para que as jogadoras que treinava tivessem acesso às ideias do campeão. Quase quinze anos mais tarde, convidado pela Editora Sextante a organizar uma série que reunisse o pensamento de grandes personalidades do esporte, Bernardinho apostou no exemplo e nas lições de Jordan para abrir a coleção Na vida como no esporte. 267

267 Exato) A Disciplina de um maratonista 6. Os sete hábitos do concurseiro (Elyesley Silva/ Você é escravo dos seus hábitos. Essa é uma Lei irrevogável da natureza. Quer você queira, quer não, seus hábitos o governam. Se você está lendo esse livro, é porque decidiu ser uma pessoa vencedora, sobretudo no que se refere a concursos públicos. Assim, precisa adotar hábitos que o conduzam à tão almejada aprovação. E é exatamente isto que o autor propõe: indicar que hábitos são esses. O que atrai no livro não é a novidade do tema, e sim o despertar do leitor para princípios que sempre estiveram diante de seus olhos, apenas aguardando que alguém o fizesse enxergá-los. 7. A maratona da vida/um manual de superação pessoal (William Douglas/Ediouro) Esse é um livro para quem quer deixar de correr atrás. Quem corre atrás perde a corrida. O livro foi idealizado para ajudar o leitor a vencer as batalhas que enfrenta e tornar possível o impossível. Ali, temos o relato de um juiz federal obeso, hipertenso e sedentário. De um lado, a vida profissional resolvida; de outro, a saúde de mal a pior. Quando resolve correr uma maratona, o autor, primeiro colocado em vários concursos públicos, precisa passar por um processo de mudança. Com base em sua experiência pessoal, o autor ensina a lidar com sentimentos, dúvidas e problemas que acometem qualquer pessoa que deseje realizar algo. A obra é uma grande lição de como vencer os inevitáveis obstáculos. 268

268 J.W.Granjeiro 8. Os 10 hábitos da memorização/desenvolva uma memória de elefante (Renato Alves/Gente) Ao concluir a leitura deste livro, você riscará definitivamente o verbo esquecer do seu vocabulário. O hábito de reclamar da memória será substituído pela pergunta: O que posso fazer para lembrar? E mais: as providências para que isso aconteça serão embasadas em técnicas simples, poderosas e de reconhecida eficácia. Sofrer com problemas e falhas de memória será coisa do passado, e o fim dos esquecimentos garantirá melhor gerenciamento das informações que é preciso memorizar. A consequência será o aumento da satisfação pessoal e da produtividade profissional e acadêmica. 9. Transformando suor em ouro (Bernardinho/ Sextante) Dono de uma carreira brilhante como jogador e como técnico da seleção masculina brasileira de voleibol, Bernardo Rocha de Rezende, 47 anos, carioca de Copacabana, economista formado pela PUC, mantém, paralelamente à conhecida carreira, intensa atividade como palestrante e empresário (é sócio da das redes de academias A! Bodytech e do restaurante Delírio Tropical). Como fundador da ONG Instituto Compartilhar, ele apoia inúmeros projetos na área de educação pelo esporte, às vezes participando diretamente deles. Sua proposta é criar oportunidades para jovens carentes e, por meio da prática esportiva, contribuir para a formação de cada um deles. 269

269 A Disciplina de um maratonista 10. Como vencer a maratona dos concursos públicos (Lia Salgado/Editora Ferreira) Esta é uma história real sobre como superar momentos muito difíceis. Lia de Alencar Barreira e Salgado é divorciada, mãe de quatro filhos, formada em direito pela Universidade Federal Fluminense. Foi Fiscal de Posturas em Niterói (RJ) aos 18 anos. Mais tarde, trabalhou no Banco do Brasil, de onde saiu, em 1996, no Plano de Demissão Voluntária. Em seguida, abriu, com dois sócios, um ateliê de pintura em tecidos, onde produzia trabalhos para moda e televisão. Cansada da insegurança inerente à iniciativa privada, retornou aos concursos públicos. Nomeada em março de 2003 para Fiscal de Tributos de Niterói, pediu exoneração para assumir, em julho do mesmo ano, o cargo de Fiscal de Rendas do município do Rio de Janeiro. 11. Leitura Dinâmica/Como multiplicar a velocidade, a compreensão e a retenção da leitura (Ricardo Soares e William Douglas/Impetus) O livro ensina a desenvolver tanto a velocidade de leitura quanto a compreensão e a retenção das informações contidas nos textos. Mas não se trata de fórmula mágica. Há técnicas de construção, reconstrução e aperfeiçoamento da leitura, exercícios práticos e várias propostas de leitura eficiente. O livro dá dicas para retenção superior da leitura e técnicas para síntese de textos. 12. Concursos públicos/20 passos para ser aprovado/vários autores/folha DIRIGIDA A ideia é inédita. A obra reúne dicas e técnicas elaboradas por reconhecidos mestres e direcionadas a quem está se preparando para concurso público. O objetivo da obra é ampliar a visão dos candidatos e convidá-los 270

270 J.W.Granjeiro a refletir sobre o que é certo e o que é errado quando começam a se preparar para um processo seletivo. Tratase de verdadeiro passo a passo para garantir uma vaga no serviço público. Nas páginas do livro estão descritas todas as etapas pelas quais o concurseiro precisa passar, desde a análise minuciosa do edital até a resolução das provas. Boa leitura e muitas aprovações! 271

271 A Disciplina de um maratonista 272

272 J.W.Granjeiro Quem Tudo Quer Tudo Perde Ter ambição é ser capaz de focar um objetivo, planejar meios de concretizá-lo e persistir na empreitada até o fim. A ambição é, portanto, uma das molas propulsoras para o sucesso. Contudo, quando é desmedida, transforma-se em algo negativo: ganância. O curta-metragem The black hole (O buraco negro) ilustra bem como a ganância afeta a vida das pessoas. As conquistas sempre parecem pequenas para os gananciosos. Tanto é assim que eles nem sequer chegam a desfrutar a vitória. Logo já estão envolvidos com outra meta, já estão preocupados em conseguir mais. E o pior é que esse mais nunca é o bastante. A ambição do concurseiro Passar em concurso público requer planejamento. Inscrever-se em toda seleção que surge ou levar em conta apenas o número de vagas e o valor da remuneração do cargo na hora de escolher a carreira pública não é uma boa estratégia. Quem faz isso acaba por estudar disciplinas muito diferentes, e sempre de forma superficial. Mas as bancas têm cobrado conhecimentos muito específicos e profundos dos candidatos, de modo que o concurseiro sem foco tem poucas chances de sucesso. Por isso, meu conselho é: seja objetivo e firme em sua escolha. Aptidões, vocação, experiência e interesses são aspectos prioritários que devem ser levados em consideração quando você tiver de decidir por uma carreira pública. As características individuais podem fazer grande diferença, seja na preparação para o concurso, seja na 273

273 A Disciplina de um maratonista adaptação ao cargo, seja no resultado do estágio probatório e, por consequência, na promoção e progressão na carreira abraçada. Trace metas razoáveis e que possam ser atingidas no curto, no médio e no longo prazo. Classificar-se dentro do número de vagas só depende de você e de sua capacidade de se planejar. Tenha certeza: a oportunidade surgirá para quem estiver preparado e realmente merecer o cargo. Afinal, pessoas assim nunca desistem, pois sabem que, para chegar ao topo de uma escada é preciso subir um degrau de cada vez. Diversos provérbios ecoam essas minhas palavras. Eis alguns deles: São assim as veredas de todo aquele que usa de cobiça: ela põe a perder a alma dos que a possuem. (Provérbio 1:19) O preguiçoso cobiça, mas nada obtém. É o desejo dos homens diligentes que é satisfeito. (Provérbio 13:4) A herança que no princípio é adquirida às pressas, no fim não será abençoada. (Provérbio 20:21). Insisto: a aprovação em concurso depende basicamente de adequada preparação, que envolve planejamento, organização e disciplina. Mas decorre sobretudo do esforço e empenho pessoal. 274

274 J.W.Granjeiro Aos Mestres, com Carinho Não se é professor por acaso Sou professor e quero dedicar este artigo aos meus colegas que, nesta sexta-feira, 15 de outubro, comemoraram o seu Dia. Essa é uma das datas mais justas do nosso calendário, entre tantas que celebramos ao longo do ano. Vale a pena lembrar como ela foi criada. Em 15 de outubro de 1827 (dia consagrado à educadora Santa Tereza D Ávila), o Imperador D. Pedro I baixou decreto que criou o Ensino Elementar no Brasil. Além de determinar que todas as cidades, vilas e lugarejos tivessem suas escolas de primeiras letras, o decreto dispunha sobre descentralização do ensino, matérias básicas que todos os alunos deveriam aprender e contratação e salários dos professores. 275

275 A Disciplina de um maratonista Mas foi somente em 1947, 120 anos depois da edição do decreto, que ocorreu a primeira comemoração de um dia dedicado ao professor. Foi em São Paulo, em uma pequena escola localizada no número da Rua Augusta, o Ginásio Caetano de Campos, conhecido como Caetaninho. Quatro professores tiveram a ideia de organizar um dia reservado para o descanso, o congraçamento e a análise de rumos para o restante do ano. A data escolhida foi 15 de outubro. A celebração espalhou-se pela cidade e pelo país nos anos seguintes, até ser oficializada nacionalmente como feriado escolar pelo Decreto Federal n , de 14 de outubro de A data traz-me à memória um dos filmes mais famosos de todos os tempos: Ao mestre, com carinho (Londres, 1967). A história, que inspirou o título deste artigo, retrata com fidelidade a luta de um professor na verdade, engenheiro desempregado que se viu obrigado a lecionar para jovens problemáticos. Com habilidade, força de vontade, garra e determinação, o mestre conseguiu conquistar a admiração de todos os alunos e despertar em cada um deles o interesse pelo estudo. Ele foi tão bem-sucedido como professor que, mais tarde, embora recebesse o convite para retomar a carreira de engenheiro, optou por continuar no magistério, que descobriu ser sua verdadeira vocação. Trata-se de um filme belíssimo, cujo protagonista, Mark Thackeray (Sidney Poitier), despertou a admiração de milhões de pessoas em todo o mundo e até hoje serve de referência para a missão do educador. É claro que, na vida real, aqui, no Brasil, temos muitos outros modelos em que os professores de hoje podem inspirar-se, exemplos de mestres como Anísio Teixeira, Paulo Freire, Darci Ribeiro, Abgar Renault e Monteiro Lobato, que deram uma grande contribuição para o progresso da educação brasileira. No dia a dia do nosso Gran Cursos, eu poderia citar centenas de pessoas que fazem da educação não um 276

276 J.W.Granjeiro mero ganha-pão, mas, sim, sem exagero, um verdadeiro sacerdócio. Essas pessoas são motivo de orgulho para mim, que, há mais de 26 anos, abracei a mesma profissão e comando esta maravilhosa equipe. O magistério é, mesmo, mais do que vocação é uma missão. E, para cumpri-la, é preciso ter qualidades muito especiais, como desprendimento, energia, humildade, tolerância e o mais importante amor ao próximo. A educação brasileira enfrenta, ainda hoje, problemas equivalentes aos da época da instituição do Dia do Professor, por D. Pedro I, há quase duzentos anos. A eles, somam-se muitos outros, típicos dos tempos modernos. São muitos os desafios que a era da tecnologia que vivemos hoje apresenta para quem deseja transmitir conhecimentos em sala de aula. O educador precisa dominar, por exemplo, ciências que não existiam alguns anos atrás, como a informática, fundamental como ferramenta do ensino no século XXI. Contudo, há algo que não mudou e aí se insere o papel do professor na sociedade atual. Trata-se de algo que foi magistralmente definido pelo educador e escritor Monteiro Lobato: Assim como é de cedo que se torce o pepino, também é trabalhando a criança que se consegue boa safra de adultos. De todos os professores que devem ser lembrados no dia 15 de outubro, quero homenagear, em especial, os colegas que se dedicam, como é o meu caso, a preparar candidatos para concursos públicos. Se o professor em geral precisa ser dotado de qualidades muitíssimo especiais, aquele que ensina para concursos públicos precisa ainda mais. Esse professor enfrenta desafios que outros que lecionam nos cursos regulares e/ou tradicionais não encontram, como, por exemplo, resumir todo o conteúdo programático de um curso para um público heterogêneo em horas/aula, e não em dias e meses, como ocorre nos cursos regulares. 277

277 A Disciplina de um maratonista Um professor de escola preparatória, por isso mesmo, precisa ter extraordinária sensibilidade e capacidade de síntese. Ao mesmo tempo, ele deve perceber que seu público é constituído não por jovens indecisos sobre o futuro, mas por pessoas adultas, muitas delas já vitoriosas em suas atividades, donas de empregos/cargos públicos, mas em busca de novas oportunidades que lhes assegurem melhores condições de vida. Portanto, a clientela é muito seleta e exigente. Em outras palavras, esse professor trabalha com sonhos e expectativas das mais importantes, o que aumenta bastante a responsabilidade que ele tem. Diante da necessidade de tamanho comprometimento, esse professor precisa ser dotado também de energia fora do comum, para se atualizar diariamente em relação aos temas, aos editais e aos conteúdos; para conhecer profundamente as bancas; para estar atento a tudo e elaborar dicas e truques úteis para o sucesso nas provas. É como disputar uma olimpíada do conhecimento, na qual o professor exerce o papel de treinador de um maratonista olímpico, que, por sua vez, corre metros para cruzar a linha de chegada, não importa a colocação na prova. Além de tudo isso, os nossos mestres precisam ter o domínio absoluto da matéria que lecionam, da didática e da dinâmica de aula, bem como dos dons da oratória. Só assim conseguem manter a atenção de, às vezes, mais de cem alunos. Precisam, ainda, ter bom preparo físico, para permanecer em sala de aula por até quatro horas seguidas; para enfrentar os aulões especiais e as luaulas, que duram uma madrugada inteira; para encarar as dificuldades do pós-prova, elaborando gabaritos extraoficiais logo depois do concurso e preparando recursos contra questões duvidosas. Mas não é só isso: o nosso professor deve entender que assiduidade é ingrediente fundamental no trabalho que desenvolvemos. Não se trata apenas de ganhar dinheiro como em outra atividade qualquer; é preciso ter consciência 278

278 J.W.Granjeiro do compromisso com o sucesso do aluno e com a missão da empresa onde trabalha. Os professores que preenchem todos esses requisitos são os melhores de sua área. No Gran Cursos, muitos desses mestres são ex-alunos que passaram antes pelos bancos de nossas salas de aula e foram aprovados, muitos deles nos primeiros lugares dos concursos que escolheram. Outros são graduados funcionários de órgãos e entidades públicas como Senado Federal, Câmara dos Deputados, Supremo Tribunal Federal e diferentes instituições do Executivo, Legislativo e Judiciário, onde atuam como juízes, promotores, advogados, consultores, auditores, analistas ou técnicos e desenvolvem atividades como regimentalistas, constitucionalistas, fiscais ou especialistas em legislação diversa. Quero fazer um agradecimento a todos esses colegas de induvidosa competência. Quero deixar, aqui, de público, o reconhecimento de que, sem eles, teria sido impossível alcançar o sucesso que o nosso curso alcançou. Sem eles, certamente não teríamos o status de maior curso do país em nossa especialidade, com mais de 200 mil alunos aprovados em concursos públicos nos últimos 23 anos. A todos vocês, Mestres do Gran Cursos, os meus parabéns pelo nosso Dia; a minha gratidão por vocês fazerem parte de nossa equipe. Desejo, de coração, que no dia 15 de outubro de 2012 estejamos juntos para comemorar mais um Dia do Professor. Ao encerrar, permito-me citar uma frase da escritora goiana Cora Coralina. O pensamento da poetisa exprime grande sabedoria sobre a função de educar: Todos estamos matriculados na escola da vida, onde o mestre é o tempo. 279

279 A Disciplina de um maratonista 280

280 J.W.Granjeiro É Tempo de Agradecer Mal tivemos tempo de piscar os olhos e o Natal chegou. Essa época mágica e lúdica, que nos enche o coração de alegria, fraternidade e solidariedade, que nos renova os sonhos. Época em que a mente tem plena liberdade. Não uma liberdade assistida, mas uma que permite sonhar com o Papai Noel, com um mundo melhor, com as conquistas e as realizações planejadas para o ano vindouro. Até os menos religiosos embebedam a alma com o clima natalino. As músicas, a esperança, a simbologia, os adornos, a crença, tudo inebria a todos. É como se lançássemos ao léu, em forma de brilho e energia, tudo aquilo que desejamos para nós e para os outros. Não há como deixar de se envolver. As casas e ruas ornamentadas são inspiradoras. As lojas, embora visem apenas ao lado comercial da data, logram atrair o olhar saudosista e meditativo do consumidor ávido por agradar aos seus. 281

281 A Disciplina de um maratonista E é assim. A cada Natal, a cada fim de ano, novas perspectivas, novas esperanças. Seria inevitável não olhar para trás. Em um ano como este, cheio de acontecimentos e de realizações, seria difícil não fazer uma retrospectiva. E eu, em nada diferente da maioria da população, o fiz. Virei-me para trás, com o pouco tempo que me resta até a chegada do próximo ano, e reconheci as realizações e as vitórias. Não minhas, mas nossas, as minhas e as suas, leitor. Tivemos um ano excepcional. Nossa! Quantos alunos conquistaram um cargo novo e com certeza terão um farto banquete na ceia natalina! Mas, antes de tudo, antes de comemorar a posse, antes de festejar este ano que finaliza com louvor, que tal agradecer? Foram muitas as vitórias, as superações e as aprovações. Certa vez, um mestre disse-me: Sempre que obtiver êxito, que conquistar uma vitória, comemore! Nem que seja algo singelo, mas comemore. Comemore com os amigos, com a família, com os colaboradores. O reconhecimento é a melhor forma de agradecer a DEUS, aos amigos, à família, àqueles que acreditaram em seu potencial e talento, que o apoiaram. Comemore seu ano, seu sucesso, sua vida. Brinde ao encerramento de mais uma etapa de sua vida. Permita que o fruto da manjedoura nasça e cresça em seu coração. Deixe-se ter a alma embriagada pelo espírito divino. Sorva o amor, a paz e o sucesso que ele lhe oferece. E a alegria, que contamina a todos e leva prosperidade aos que o cercam. Seja como o pinheiro, símbolo viril, que mantém suas folhas sempre verdes, independentemente do tempo frio ou da neve. Mesmo ao enfrentar a seca ou o inverno, o arbusto permanece verde, cheio de esperança. Assim, quando você deparar com as dificuldades, com os obstáculos e com as temidas reprovações em concursos públicos, encha-se de ar puro, de boas energias e mantenha-se cheio de vida e de disposição, sem perder o foco. 282

282 J.W.Granjeiro As estrelas que apontam para o local de nascimento do menino Jesus indicam um ano promissor. Olhemos para o alto sempre! Não fiquemos cabisbaixos, e não nos deixemos vencer pelas angústias diárias. Conservemos o clima de companheirismo e de colaboração. E façamos de 2013 um ano repleto de conquistas, realizações e aprovações com classificação. Em nome da família Gran Cursos, desejo aos leitores, aos alunos, aos colaboradores e a todos aqueles que acreditam no sonho da aprovação e na preparação com qualidade um Feliz Natal! Que nossos caminhos sejam norteados pelo brilho da estrela divina. E que o próximo ano seja um ano tão promissor quanto foi este. 283

283 A Disciplina de um maratonista 284

284 J.W.Granjeiro Os Jovens Preferem o Governo como Patrão Já comentei em muitos dos meus artigos a preferência cada vez maior que os jovens têm demonstrado pelo ingresso em uma carreira no serviço público. Como se sabe, a carreira pública assegura direitos, vantagens e benefícios exclusivos por toda a vida. Trata-se de opção das mais vantajosas, tanto para o profissional, como para a família dele. Discordo, portanto, de quem defende o empreendedorismo como a melhor escolha possível e de quem estimula a construção da carreira na iniciativa privada. As vantagens do serviço público atraem hoje, no Brasil, universo estimado em doze milhões de pessoas, que estudam regularmente para concursos. Outros milhares de profissionais trabalham na área, seja como professores, seja como funcionários de escolas especializadas. A atividade tem grande importância para a economia brasileira. Representa um mercado significativo que movimenta, anualmente, bilhões de dólares, gera milhares de empregos e contribui para os cofres públicos com milhões de reais em pagamento de tributos. São inúmeras as razões que explicam esse fenômeno. Para começar, a busca pela estabilidade econômica é o fator primordial para quem opta por se tornar empregado do governo. Isso no empreendedorismo não existe, já que o risco faz parte do negócio. E as dificuldades para abrir uma empresa em nosso país complicam ainda mais as coisas, como mostrarei a seguir. É claro que a crise financeira mundial tem levado as pessoas, em especial os jovens, a buscar a estabilidade econômico-financeira por meio do ingresso no serviço 285

285 A Disciplina de um maratonista público. Pelo fato de o governo não exigir experiência e não discriminar nem pela aparência nem pelo gênero, três em cada cinco jovens almejam tê-lo como patrão. É bem verdade, também, que 10% das pessoas que ingressam na carreira pública buscam criar uma reserva financeira para exercer o lado empreendedor, montando o próprio negócio: escritório, consultório, empresa de consultoria etc. Contudo, sem querer desanimar essas pessoas, sou obrigado a alertá-las para as dificuldades que enfrentarão para obter sucesso na iniciativa privada. Segundo estudo desenvolvido pela U.S. Small Business Administration, agência do governo americano especializada no assunto, o Brasil está em 54º lugar no ranking de países mais favoráveis para abrir um negócio, posição muito atrás do Chile, o sul-americano mais bem colocado, que está em 26º lugar. A Dinamarca ocupa a primeira posição, o Canadá a segunda e os Estados Unidos a terceira. O estudo revela ainda que o Brasil não está muito longe do último colocado na pesquisa, Uganda, que ficou em 71º lugar. E mais: no nosso país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza, são necessários, em média, 120 dias para abrir uma empresa. Nos Estados Unidos, bastam seis dias; na Bélgica, quatro; em Cingapura, três; na Austrália, dois; e na campeã, Nova Zelândia, apenas um dia para um novo negócio começar a funcionar. Apenas a título de curiosidade, pelo menos neste aspecto é bem melhor abrir um negócio no Brasil do que no Suriname, onde um empreendimento demora 694 dias para funcionar. Mas abrir uma empresa não envolve apenas burocracia. A legislação tributária brasileira impõe, ainda, violenta carga de tributos sobre os empresários, que também têm altos custos para manter a contabilidade em dia, arcar com os encargos sociais e juros extorsivos dos empréstimos bancários e sobre os tributos devidos. Tudo isso desencoraja muitos talentos desejosos de ter o próprio negócio. 286

286 J.W.Granjeiro A carga tributária do Brasil é maior do que a de países como Japão, Estados Unidos, Suíça e Canadá. Segundo estudo da Receita Federal, com dados de países-membros da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico OCDE, enquanto o peso dos impostos no bolso do cidadão chegou, em 2008, a 34,41% em terras tupiniquins nível recorde, no Japão ficou em 17,6%. A carga também foi menor, por exemplo, no México (20,4%), na Turquia (23,5%), nos Estados Unidos (26,9%), na Irlanda (28,3%), na Suíça (29,4%), no Canadá (32,2%) e na Espanha (33%). Acima do Brasil, ainda na comparação entre os países da OCDE, ficam Reino Unido (35,7%), Alemanha (36,4%), Portugal (36,5%), Luxemburgo (38,3%), Hungria (40,1%), Noruega (42,1%), França (43,1%), Itália (43,2%), Bélgica (44,3%), Suécia (47,1%) e Dinamarca (48,3%), que tem o nível mais alto entre os países do grupo. Diante de tudo isso, não há como negar que o serviço público, pela via do concurso seja no Executivo, seja no Legislativo, seja no Judiciário, é a melhor opção para o jovem que está entrando agora no mercado de trabalho ou que deseja transferir-se da iniciativa privada para o serviço do Estado. Além da já referida estabilidade, o servidor assegura por toda a vida um salário digno e pago em dia, sem redução nem mesmo na aposentadoria. Terá também uma carreira com possibilidades de ascensão funcional regulamentadas por lei, assistência à saúde permanente e extensível à família e outras vantagens que virão com o tempo de serviço. Além do mais, o salário estará sempre garantido, independentemente de eventuais crises econômicas mundiais, como a que vivemos recentemente. Aos jovens que fizerem a opção pelo serviço público, desejo todo o sucesso. E feliz cargo novo! 287

287 A Disciplina de um maratonista 288

288 J.W.Granjeiro Pesquisa Atesta Importância dos Testes para os Estudos Acabo de ler, em uma das mais respeitadas publicações científicas do mundo, a revista Science, artigo sobre uma pesquisa que investigou a importância da realização de testes para o aprendizado dos alunos. As conclusões do estudo reforçaram minhas convicções a respeito da relevância dos testes na preparação de candidatos para concursos públicos, nossa área de atuação. Diante disso, faço questão de dedicar o texto desta semana ao trabalho publicado pela Science e de partilhar com vocês as conclusões a que chegaram os seus autores. No decorrer do estudo, verificou-se que as pessoas que liam um texto e, em seguida, respondiam a um teste sobre o que haviam acabado de ler, retinham, ao cabo de uma semana, cerca de 50% mais informação do que quem utilizava outros dois métodos de fixação do conteúdo. Os cientistas constataram, então, o que eu já havia notado: os testes não constituem apenas mecanismos passivos que se prestam a avaliar o quanto as pessoas sabem. Eles realmente ajudam a aprender. Aliás, funcionam melhor do que muitas outras técnicas de estudo. Por essa razão, aqui, no Gran Cursos, os testes são aplicados em todas as etapas dos cursos, e com bastante frequência. Particularmente, acredito que os testes têm, de fato, papel relevante no aprendizado. Mas também tenho convicção de que o melhor método é aquele que deixa o estudante mais à vontade para aprender. Ainda que esse método seja, na verdade, uma mistura de vários outros. Nos experimentos da pesquisa publicada na Science, os alunos foram convidados a prever o quanto eles se 289

289 A Disciplina de um maratonista lembrariam do conteúdo uma semana depois de aplicar um dos métodos para aprender a matéria. Aqueles que responderam a testes depois de ler o texto supunham que se lembrariam menos do que os estudantes que aplicaram outros métodos. Todavia, o resultado foi exatamente o inverso. Para o autor do estudo, Jeffrey Karpicke, professor assistente de psicologia na Universidade de Purdue e concordo inteiramente com ele, a aprendizagem tem tudo a ver com a recuperação (acesso) daquilo que aprendemos e com a reconstrução do nosso conhecimento. A pesquisa avaliou duzentos estudantes universitários, divididos entre os dois experimentos que o trabalho envolveu. Todos os alunos foram instruídos a ler alguns parágrafos sobre um assunto de caráter científico como funciona o sistema digestivo, por exemplo, ou os diferentes tipos de tecido muscular dos vertebrados. No primeiro experimento, os estudantes foram subdivididos em quatro grupos. Os integrantes de um deles apenas leram o texto por cinco minutos. Os membros de outro grupo estudaram o texto em quatro sessões consecutivas de cinco minutos. Os integrantes do terceiro grupo elaboraram mapas conceituais, nos quais, com o texto à frente, organizaram a informação nele contida em uma espécie de diagrama, anotando detalhes e ideias em balões feitos a mão e ligados de forma organizada. O último grupo fez um teste de recuperação de conhecimento. Sem o texto à frente, os alunos escreveram o que lembravam, em um ensaio livre, por dez minutos. Depois releram a passagem e fizeram mais um teste de prática de recuperação de informação. Uma semana mais tarde, todos os quatro grupos fizeram um teste que exigia respostas curtas. O objetivo era avaliar a habilidade de recordar fatos e de tirar conclusões lógicas baseadas neles. No segundo experimento, focado apenas em mapas conceituais e testes de prática de recuperação de 290

290 J.W.Granjeiro informação, os estudantes fizeram um exercício, cada um aplicando um método diferente. A princípio, os alunos que optaram pelos diagramas, quando voltaram a consultar o texto, resgataram mais detalhes do que os estudantes convidados a recordar na forma de ensaio o que haviam acabado de ler. Contudo, uma semana mais tarde, os participantes dos dois experimentos passaram por nova avaliação. E foi então que veio a surpresa que ratificou o que minha intuição já dizia. Nessa segunda avaliação, os alunos do grupo que respondeu aos testes tiveram desempenho muito melhor do que os integrantes do grupo de mapeadores. O resultado deles foi ainda melhor quando a avaliação consistiu não em um teste de respostas curtas, mas em um que exigiu o desenho de um mapa conceitual, com base apenas na memória. Obviamente, o estudo não pode ser considerado definitivo. Ele é apenas uma indicação sobre um método de estudo cuja eficiência está há muito tempo comprovada. Por que e como os testes de recuperação de informação funcionam, ainda não se sabe com certeza. Talvez, no processo de resgatar as informações que estão em processo de organização na mente, criemos pistas e conexões que o cérebro, depois, reconhece. Muitos cientistas opinaram sobre o tema da pesquisa. As opiniões variaram tanto que não me darei ao trabalho de reproduzi-las no curto espaço deste artigo. Na verdade, deixo a você, caro concurseiro, a palavra final: qual é o melhor método de estudo para passar em concurso público? Espero, de verdade, que você esteja certo e lhe desejo, assim como a todos os seus colegas, célere aprovação e... Feliz cargo novo! 291

291 A Disciplina de um maratonista 292

292 J.W.Granjeiro Oração de Amor às Mães Dedico este artigo a todas as mães, em singela homenagem pelo dia delas. Dedico-o em especial às mães concurseiras, às mães de concurseiros, às mães professoras, alunas ou funcionárias de escola preparatória como a nossa. Mas dedico-o, sobretudo é claro, a duas mães muito especiais para mim: Raimunda, que me trouxe ao mundo, e Ivonete, minha esposa, companheira de trabalho e mães de meus dois filhos, Gabriel e Matheus. Para as duas últimas, o meu beijo de filho, de marido e de companheiro de trabalho. A todas as outras, meu reconhecimento por tudo de bom que elas significam para os filhos, o marido e a família, com quem hoje estarão reunidas para festejar data tão linda. A sabedoria popular diz que todo dia é dia das mães, e não apenas aquele criado no calendário para homenageá-las. É verdade. Mas também acho bom destinar um dia para expressarmos esse amor que dedicamos a quem nos deu o maior bem de todos: a vida. 293

293 A Disciplina de um maratonista Nesta data tão especial, saio do tema habitual dos meus artigos para presentear as mães com o mais lindo texto dedicado a elas que conheço, fruto de maravilhosa inspiração de um religioso católico, o bispo de La Serena, no Chile, Dom Ramon Angel Jara: Retrato de mãe Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus.Pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo. Que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude.quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida.quando sábia, assume a simplicidade das crianças.pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama.rica, sabe empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos.forte, estremece ao choro de uma criancinha.fraca, se revela com a bravura dos leões.viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam.morta, tudo o que somos e tudo o que temos daríamos para vêla de novo e dela receber um aperto de seus braços, uma palavra de seus lábios.não exijam de mim que diga o nome dessa mulher, se não quiserem que ensope de lágrimas este álbum.porque eu a vi passar no meu caminho.quando crescerem seus filhos, leiam para eles esta página.eles lhes cobrirão de beijos a fronte. Digam-lhes que um pobre viandante, em troca da suntuosa hospedagem recebida, aqui deixou para todos o retrato de sua própria mãe. 294

294 J.W.Granjeiro Aos Pais, Todo o Amor que Eles Merecem O que o filho pensa do pai: 5 anos O meu pai é o melhor do mundo. 10 anos O meu pai sabe tudo. 15 anos O meu pai não é assim tão inteligente. Às vezes se engana. 20 anos O meu pai está desatualizado. Ô velho chato! 30 anos O meu pai, em algumas coisas, até tem razão. 40 anos O meu pai saberia como resolver isso, com seu bom senso e sua experiência! 50 anos Que falta me faz o papai! Eu daria tudo para que ele estivesse aqui agora. Teria aprendido muito com ele. 295

295 A Disciplina de um maratonista O bem-humorado e, ao mesmo tempo, emotivo texto sobre os pensamentos que um filho tem sobre o pai ao longo da vida vem da sabedoria popular e sintetiza com perfeição os sentimentos que costumamos nutrir sobre a figura paterna. Achei oportuno resgatá-lo para este artigo sobre o Dia dos Pais, que no Brasil comemoramos no segundo domingo de agosto. A data varia pelo mundo afora, mas aqui seguimos tradição iniciada em Na verdade, a comemoração teve origem em tempos bem mais remotos. De acordo com pesquisas históricas, remonta a mais de 4 mil anos atrás, quando, na antiga Babilônia (atual Iraque), um jovem de nome Elmesu moldou em argila o primeiro cartão para desejar sorte, saúde e longa vida ao pai. Não sei se a história é lenda ou se ocorreu de fato, mas tanto faz. O que importa é homenagear o homem a quem devemos nossa passagem pelo mundo, com todo o carinho que ele merece. Por isso, começo lembrando o meu pai, que já nos deixou há muitos anos e cujo principal legado foi o caráter e a dedicação à família. Ele construiu um lar e deu aos filhos a possibilidade de vencer os desafios por meio da educação e do trabalho honesto. Seu Zuza, meu pai, foi um modesto comerciante do interior do Rio Grande do Norte. Um dia, ele teve a visão de um futuro melhor em Brasília. Decidiu, então, migrar para a nova Capital, plano que concretizou no fim dos anos sessenta. Aqui, trabalhou na construção civil. Pai de sete filhos, somente em 1970 pôde trazer a família para junto de si e dar sequência à saga de tantos humildes pioneiros que vieram para cá e aqui ficaram para sempre. Ao meu pai, dedico, nesta data, meus pensamentos repletos de saudades. Agradeço imensamente por ter sido seu filho. Quanto aos meus próprios filhos, desejo que tomem o avô como exemplo para a jornada que têm pela frente nos próximos anos. Que guardem o seguinte pensamento de William Shakespeare como um proveitoso ensinamento de vida: 296

296 J.W.Granjeiro Sábio é o pai que conhece o seu próprio filho. Mas este artigo não se destina apenas a falar de mim e de minha experiência como pai e como filho. Ao pesquisar dobre o Dia dos Pais, encontrei maravilhosas histórias de pais e filhos concurseiros, que dão exemplos belíssimos para todos os que pretendem passar em concurso público. Em artigo publicado no Portal G1, sob o título Pai e filho que brigam por vaga no mesmo concurso se dizem aliados, a repórter Marta Cavallini conta a história de Wagner e Rodrigo Braga, em Brasília, e a de Valter Ferreira Filho, no Rio de Janeiro. O autônomo Wagner Barbosa Braga, de 46 anos, e seu filho, o estudante de física Rodrigo de Jesus Braga, de 20, são nossos alunos e disputam uma vaga de escriturário no Banco de Brasília. Para eles, a concorrência dentro de casa é uma aliada, e não um obstáculo na conquista do emprego público. Segundo Rodrigo, eles não estão brigando pelo mesmo espaço: Eu concorro para uma vaga e o meu pai, para outra. Wagner, por sua vez, afirma: Vamos conquistar as duas vagas juntos. Não vejo meu filho como concorrente, mas como aliado. Já no Rio, um pai e três filhos fizeram concurso da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), empresa pública federal vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Valter Ferreira Filho, de 47 anos, servidor público desde 1985, disputou o cargo de analista em contabilidade. Os filhos, o de técnico, que oferece vinte vagas. Valter e o filho mais velho, Bruno Carvalho Ferreira, de 21 anos, trabalham no mesmo prédio na Cidade Maravilhosa. O pai é analista da Receita Federal desde 1998, e o filho é assistente-técnico do Ministério da Fazenda desde 2009, além de estudante de matemática. Eu e minha esposa somos servidores e meus filhos ainda não têm formação de nível superior. A gente incentivou os três a fazerem concurso quando ainda estavam no nível 297

297 A Disciplina de um maratonista médio, para que já tivessem um salário e uma carreira até decidirem o que fazer após a faculdade, relata Valter. Rodrigo, de 19 anos, estudante de contabilidade, e Aline, de 18, aluna de letras, se preparam para a carreira pública desde os 17 e já prestaram três concursos. Pela primeira vez, eles concorrem para o mesmo cargo. Se a gente conseguir as três vagas, ainda sobram dezessete. Tem que pensar na vaga e não em quem está concorrendo, diz Bruno. Confesso que me emocionei ao tomar conhecimento desses exemplos de união entre pais e filhos nos estudos, em busca da sonhada carreira pública. São histórias como essas que renovam meu entusiasmo pelo trabalho e minha disposição de oferecer o melhor ensino àqueles que desejam se preparar com alta qualidade para concursos públicos. Agora mesmo, milhares de vagas estão sendo colocadas à disposição dos candidatos, em concursos públicos já com inscrições abertas ou por abrir nos próximos meses. Encerro a nossa conversa enviando a todos os pais, concurseiros ou não, um carinhoso abraço pelo seu dia. Desejo que eles alcancem sua meta nos próximos concursos, conquistando, o mais breve possível, o seu Feliz cargo novo! 298

298 J.W.Granjeiro 28 de Outubro: Parabéns, Servidor Público! Este artigo é dedicado aos servidores públicos de todo o país, que em 28 de outubro comemoram o seu Dia. A data, instituída em 1937, com a criação do Conselho Federal do Serviço Público Civil, pelo então presidente Getúlio Vargas, sempre foi mantida, no calendário nacional, como ponto facultativo na administração pública federal. A criação do Dia do Servidor Público foi uma das iniciativas que marcaram o início de uma nova forma de gestão do Estado na administração pública brasileira. Pelo novo modelo, a valorização do trabalho e do profissional que se dedica ao serviço do governo se tornou uma política de Estado. No ano seguinte ao da instituição da data, foi fundado o Departamento Administrativo do Serviço 299

299 A Disciplina de um maratonista Público, que se tornou conhecido pela sigla DASP. Foi ele que conduziu durante muitos anos esse processo de modernização gerencial. A maioria das normas que ainda hoje regem os direitos e deveres dos funcionários que prestam serviços públicos estão dispostas no Decreto-Lei n , de 28 de outubro de 1939 motivo por que é esse o dia dedicado a esse profissional. O documento instituiu o Estatuto dos Funcionários Públicos Civis da União e, logo em suas Disposições Preliminares, art. 1º, regula as condições de provimento dos cargos públicos, os direitos e vantagens, os deveres e responsabilidades dos funcionários civis da União, dos Territórios e, no que couber, dos da Prefeitura do Distrito Federal, dos Estados e dos Municípios. No parágrafo único desse mesmo artigo, o decreto-lei determina que as suas disposições se aplicam ao Ministério Público, ao magistério e aos funcionários das secretarias do Poder Legislativo e do Poder Judiciário no que não colidirem com os dispositivos constitucionais. O art. 2º, por sua vez, traz o conceito de funcionário público no Brasil: é a pessoa legalmente investida em cargo público. E o art. 3º define cargo público: são os criados por lei, em número certo, com denominação própria e pagos pelos cofres da União. O decreto-lei serviu de base para a Lei n , que, em 11 de dezembro de 1990, introduziu na administração pública brasileira o novo Estatuto dos Servidores Públicos Civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. A norma alterou várias disposições da antiga lei, aperfeiçoando muitos dos seus dispositivos e introduzindo outros, conforme os princípios estabelecidos na nova Constituição da República, promulgada em 1988 pela Assembleia Nacional Constituinte. A principal medida do novo estatuto foi a transformação da obrigatoriedade do concurso público para provimento dos cargos públicos em norma de caráter constitucional, 300

300 J.W.Granjeiro e sua consequente transposição para o Estatuto dos Servidores Públicos. Isso resultou em inegáveis melhorias na prestação de serviços públicos, na medida em que daí decorreu crescente qualificação profissional dos concursados. Afinal, eles têm de se submeter a dura preparação se quiserem alcançar a almejada aprovação em concursos de níveis superior e médio. Hoje, os concursos públicos são a principal forma de provimento de cargos de carreira na magistratura, no ministério público, na Advocacia-Geral da União, nos tribunais superiores, na fiscalização tributária e nas auditorias fiscais da União, nas autarquias e nas fundações. Quem deseja alcançar um desses cargos não pode deixar de se submeter ao concurso de provas ou de provas e títulos. Para isso, é imprescindível preparação prévia que qualifique o futuro servidor público para a função.em geral, apenas as vantagens que a função pública oferece ao servidor são lembradas. Contudo, as responsabilidades também são enormes. O servidor público está sujeito a regras rígidas em seu trabalho e pode até perder o cargo, caso seja considerado responsável por infrações apuradas em procedimento administrativo definido em lei. Quanto à tão estimada estabilidade, ela só é alcançada depois de três anos de efetivo exercício no cargo, e desde que o profissional obtenha avaliação positiva da chefia. Infelizmente, as condições de trabalho em muitas áreas do serviço público brasileiro ainda são precárias, em todos os níveis da administração. E a grande injustiça é que a crônica falta de investimentos em áreas fundamentais para o bem-estar da população, como saúde, educação e transportes, gera reclamações contra os servidores, muitas vezes apontados como responsáveis por esse e outros problemas. Entretanto, na verdade, a responsabilidade é dos escalões superiores, ou seja, dos governos federal, estadual e municipal. 301

301 A Disciplina de um maratonista Mesmo assim, o serviço público se mantém como uma boa opção de trabalho e de vida para milhões de pessoas. Só na esfera federal, são mais de 600 mil trabalhadores. Se na conta entrarem estados e municípios, o número alcança mais de dez milhões de servidores públicos em todo o país. Trata-se de categoria que presta inestimáveis serviços ao Brasil. Deve, pois, ser tratada com respeito e dignidade pelo governo e pela população, com a garantia de boas condições de trabalho e, sobretudo, de remuneração digna. Hoje, os concursos públicos, no Brasil, movimentam o impressionante universo de 11 milhões de concurseiros e bilhões de reais, entre investimentos dos candidatos e dos empreendedores que atuam na área. Eu sou um destes e muito me orgulho de ter trazido para as salas de aula a experiência de concursando vitorioso, aprovado oito vezes para diversos cargos, e de ex-servidor do Distrito Federal e da União. Tenho a satisfação de contabilizar mais de 250 mil aprovações de alunos ao longo de 22 anos de atuação como professor e dirigente de escola especializada na preparação de candidatos. Por tudo isso, sinto-me muito à vontade para dirigir aos servidores públicos brasileiros, ao comemorarem seu Dia neste 28 de outubro, minha mensagem de confiança e os parabéns pela data. Embora hoje exerça atividades apenas na iniciativa privada, foi no serviço público que moldei minha formação de professor e administrador de sucesso. Não à toa, hoje me sinto um servidor como tantos que ajudei a ingressar num cargo público. Um abraço a todos, e salve 28 de outubro! FELIZ DIA DO SERVIDOR PÚBLICO! 302

302 J.W.Granjeiro Saiba o que as Principais Bancas de Concursos Públicos Pedem nas Provas Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece, mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas... Sun Tzu O inimigo do candidato é a banca examinadora. Para vencê-la, será necessário conhecê-la profundamente, traçando minucioso estudo de suas características, 303

303 A Disciplina de um maratonista pensamentos, peculiaridades, preferências. Pensando nisso e tendo como o objetivo de reconhecer o inimigo para vencer a batalha para conquistar o tão desejado cargo público, elaborei este guia com as principais características das bancas examinadoras. A preparação de um candidato para concurso público exige não apenas conhecimento das matérias de prova, determinação férrea para estudar até o último momento e foco absoluto na meta final da aprovação. É preciso que ele conheça também a banca que vai aplicar a prova e como ela costuma abordar cada uma das disciplinas que farão parte do concurso, a fim de responder o que foi perguntado pelo examinador e não desperdiçar preciosos pontos com respostas divergentes do pensamento da banca. Conhecer a banca é tão importante quanto conhecer o edital, que estabelece os parâmetros do concurso e delineia o campo de estudos onde será travada a batalha pela aprovação. Por isso, o artigo desta semana trata exatamente deste assunto: um estudo comparativo entre as principais bancas de concursos públicos do país, que mostra o comportamento de cada uma em quatro áreas fundamentais de praticamente todas as seleções que vêm por aí: Língua Portuguesa, Direito Administrativo, Direito Constitucional e Informática. A metodologia é a primeira grande diferença que se verifica na correção das provas entre o Cespe a principal banca de concursos públicos do país e as demais bancas examinadoras. O Cespe utiliza, basicamente, o sistema de Certo ou Errado, o que significa que o candidato tem 50% de chance de acertar cada resposta. A banca adota o sistema de correção em que cada resposta errada anula uma certa o que leva o candidato a pensar duas vezes antes de chutar. O teste também pode ser de múltipla escolha, privilegiando o raciocínio interdisciplinar, o que exige uma um amplo conhecimento das matérias do concurso. 304

304 J.W.Granjeiro Outra forte banca examinadora de concursos públicos é a Esaf. Ela trabalha com nota mínima na prova e nota mínima no grupo de provas. Suas provas são de múltipla escolha, com cinco alternativas de resposta, o que dá ao candidato 20% de chances em cada questão. E, nesse sistema, em que a resposta errada não anula a certa, ele pode até arriscar o chute, quando não souber a resposta, pois se não acertar perderá apenas o ponto da resposta errada. Vamos, então, seguir com o estudo comparativo entre as bancas pela matéria que está presente em todos os concursos e, em geral, é a de maior peso na nota final: Língua Portuguesa. Na questão da abordagem do assunto, por exemplo, o Cespe tem um pensamento mais moderno em termos de visão linguística. A Esaf, por sua vez, é mais estruturalista; e a FCC (Fundação Carlos Chagas) valoriza a gramática normativa, a regra. Já a FGV privilegia estudos sintáticos ligados ao texto; a Iades dá ênfase à gramática normativa e à linguística textual. A Consulplan também prefere a gramática normativa, além de selecionar textos mais curtos. 305

305 A Disciplina de um maratonista Veja abaixo o quadro comparativo entre bancas no tratamento de Língua Portuguesa. Agora, vamos ao Direito Administrativo. Qual é o doutrinador mais citado pelas bancas na área que é minha especialidade e que leciono para concursos públicos há mais de 23 anos? Se você respondeu Maria Sylvia Zanella DI PIETRO, acertou a questão. Confira outras informações no quadro abaixo. O Direito Constitucional é outra disciplina de grande peso em inúmeros concursos públicos. A comparação entre as principais bancas de provas para concursos mostra que, nesta matéria, o autor mais citado é Alexandre de Moraes. Saiba também, no quadro a seguir, como os examinadores se comportam quanto aos conteúdos de doutrina e jurisprudência. Por fim, vamos analisar uma disciplina que pode ser o diferencial para a aprovação num concurso público: Informática hoje um conhecimento essencial no cotidiano 306

306 J.W.Granjeiro da grande maioria das pessoas, sendo cobrado cada vez com maior rigor por todas as bancas examinadoras. Portanto, preste bem atenção no que vou mostrar. Por exemplo: o conteúdo mais cobrado pelo Cespe é o MsOffice (Word, Excel). Já a Esaf tem predileção por Hardware, Redes e Internet, Linux e Segurança da Informação. Veja no quadro abaixo os principais conteúdos cobrados nas provas de informática dos concursos públicos pelas diversas bancas examinadoras. Aí estão, caros concurseiros, estas preciosas dicas para vocês que colocaram a aprovação em concurso público como o seu principal objetivo de vida atualmente. Creio que será de grande valia ler tudo com calma e procurar assimilar esses quadros para fazer uso no momento certo a hora da prova, obviamente. Estou certo que, utilizando com inteligência essas informações, você vai garantir sua aprovação. 307

307 A Disciplina de um maratonista 308

308 J.W.Granjeiro As lições da Casa dos Mil Espelhos Esta é uma fábula que a princípio parece simples e ingênua. Porém, ressalta uma realidade que às vezes custamos a compreender: vemos as coisas ao nosso redor como um reflexo do nosso estado interior. Portanto, crer que as coisas em nossa vida vão bem ou mal depende sobretudo, de nós mesmos. Tempos atrás, em um distante e pequeno vilarejo, havia um lugar conhecido como A Casa dos Mil Espelhos. Um pequeno e feliz cãozinho soube do lugar e decidiu visitálo. Lá chegando, saltitou feliz escada acima, até a entrada da casa. Olhou da porta de entrada, com suas orelhinhas bem levantadas e a cauda balançando tão rapidamente quanto podia. Para sua grande surpresa, deparou-se com outros mil pequenos e felizes cãezinhos, todos com a cauda 309

309 A Disciplina de um maratonista balançando tão rápido quanto a dele. O cachorrinho abriu um enorme sorriso e foi correspondido com outros mil sorrisos tão grandes quanto o dele. Quando saiu da casa, pensou: Que lugar maravilhoso! Voltarei sempre, um montão de vezes. No mesmo vilarejo, outro pequeno cãozinho, que não era tão feliz quanto o primeiro, também decidiu visitar a casa. Escalou lentamente as escadas e olhou da porta. Quando avistou os mil olhares hostis de cães que o fitavam, rosnou e mostrou os dentes. Ficou horrorizado quando os cães também rosnaram e mostraram os dentes para ele. Quando saiu, pensou: Que lugar horrível, nunca mais volto aqui. Na nossa vida, podemos agir como o primeiro cãozinho ou como o segundo. Essa verdade se aplica como uma luva ao mundo dos concursos, onde o pessimismo e o mau humor são caminho certo para a reprovação. Por outro lado, o otimismo e o bom humor são característicos dos vitoriosos, daqueles que terminarão aprovados e aptos a exercer seu feliz cargo novo e desfrutar de todas as vantagens que a carreira pública pode oferecer, entre elas, um belo salário. É de forma positiva que vejo a vida. Tenho obtido sucesso graças a esse traço da minha personalidade. Para liderar uma grande equipe de professores e funcionários como é o meu caso, é essencial trabalhar com entusiasmo e, mais do que isso, com paixão. Ao acordar, todos os dias, devemos pensar nas coisas boas que podem nos acontecer durante o expediente. O trabalho deve ser um local onde temos prazer de passar algumas horas, e não um lugar onde impera a insatisfação e que só nos causa aborrecimento. Nos meus mais de 23 anos de atividade no magistério, aprendi que um professor só consegue fazer bem o seu mister em sala de aula se estiver feliz consigo mesmo e 310

310 J.W.Granjeiro com a profissão que tomou para si. É claro que há dias em que qualquer pessoa fica com o astral em baixa, mas é preciso vencer esse estado para seguir em frente. Para isso, nada melhor do que seguir o conselho de Norman Vincent Peale, guru de motivação norte-americano: Mude seus pensamentos e estará mudando seu mundo. Ou o ensinamento de Albert Einstein: No meio de toda dificuldade reside uma oportunidade. É simples assim: onde o pessimista vê negatividade, o otimista vê possibilidades. É nessa linha de comportamento que espero ver meus professores e alunos pautar sua convivência em nossa escola. Em minha atuação como educador, constatei que o rendimento das aulas dependia muito do meu estado de espírito, e essa é uma lição que alguém que acumulou vasta experiência pode passar aos colegas. Cada aula é um momento novo na vida de um professor, e não a repetição monótona de um monte de assuntos decorados. Sem motivação, é impossível entrar em sintonia com os alunos. Por consequência, o rendimento de um, de outro ou de todos vai por água abaixo. Os alunos também precisam estar motivados para alcançar o melhor rendimento em sala de aula. Eles só conseguem isso se encararem o curso que estão fazendo não como uma pesada obrigação e um sacrifício, mas como um importante investimento para o seu futuro pessoal e profissional. A escola procura lhes dar o melhor que pode. Eventuais falhas podem ser superadas com entendimento mútuo e cooperação. É assim que encaro os desafios do nosso trabalho e conduzo este maravilhoso projeto que está sempre em construção chamado Gran Cursos. Ao longo de mais de duas décadas, centenas de milhares de pessoas que confiaram em nós estão hoje ocupando cargos ou empregos públicos e desfrutando de tudo de bom que a carreira pública oferece. Dentro de algum tempo, atingiremos o fantástico 311

311 A Disciplina de um maratonista e extraordinário número de 1 milhão de ex-alunos no serviço público brasileiro, numa demonstração de sucesso sem precedentes em nossa área de atuação. Trata-se de um dado digno de ingressar no Guinness World Records. Essa conquista só é possível porque, para nós, o melhor exemplo é o do primeiro cãozinho da Casa dos Mil Espelhos, aquele que vê sua felicidade multiplicada mil vezes e deseja voltar sempre àquele local maravilhoso. Espero poder contar sempre com uma equipe dedicada, leal, grata e motivada para atingir mais essa meta. Seguimos em frente em nosso propósito de oferecer aos que nos confiam seu futuro a melhor preparação possível, colaborando para que todos eles realizem seu sonho de ocupar um cargo público. 312

312 J.W.Granjeiro Ai se eu me emprego (no BB) Eu tinha pouco mais de 19 anos de idade e havia acabado de servir o Exército quando fiz o primeiro concurso de minha vida. Foi para o Banco do Brasil, e não fui aprovado. Fico pensando: se tivesse passado, seria hoje o professor Granjeiro ou um bancário de carreira? Talvez fosse diretor ou vice-presidente; quem sabe até presidente, por que não? Afinal, o atual presidente, Aldemir Bendine, é funcionário de carreira do Banco. É impossível, claro, saber se minha vida teria tomado um rumo diferente, mas o fato é que esse tropeço foi de grande valia para o meu futuro. Nunca mais fiz concurso para o Banco, porém a lição desse inesperado fracasso me valeu a aprovação em outros oito concursos públicos e uma carreira como servidor que durou 17 anos, até eu me tornar um empreendedor especializado no ensino para concursos, minha paixão profissional e meu sustento nos dias de hoje. 313

313 A Disciplina de um maratonista Conto esse episódio pessoal relacionado ao BB ao me sentar para escrever este artigo sobre o próximo concurso para o Banco, que, sem dúvida, será um dos maiores da sua história, tal o interesse que vem despertando entre os concurseiros de todo o país. O movimento de inscrição nas turmas que abrimos no Gran Cursos é prova disso, e a tendência é o interesse aumentar ainda mais nos próximos dias. A história e as dimensões do Banco do Brasil são fascinantes. Isso, por si só, já é um estímulo para quem deseja seguir carreira na instituição. O Banco foi fundado em 12 de outubro de 1808 pelo Rei D. João VI, com um capital de 1,2 mil contos que só seria integralizado três anos mais tarde, pois a procura pelas ações ficou inicialmente abaixo do esperado pelo rei. Passados mais de 200 anos, hoje o BB é o primeiro do país em ativos financeiros (R$ 982 bilhões), em volume de depósitos totais (R$ 472 bilhões), em carteira de crédito (R$ 450 bilhões), em base de clientes pessoas físicas (53,7 milhões), em câmbio exportação (28,1% do mercado), em administração de recursos de terceiros (R$ 593 bilhões, o maior da América Latina) e em faturamento de cartão de crédito (19,8% do mercado). A natureza jurídica do Banco é de Sociedade de Economia Mista, personalidade de direito privado, fruto de descentralização administrativa, vinculada ao Ministério da Fazenda, com capital dividido entre União (68,7%), Previ (11,4%), capital estrangeiro (6,9%), BNDESpar (5%), pessoas físicas (4%) e pessoas jurídicas (3,9%). O agronegócio, o financiamento das exportações e as linhas de crédito para capital de giro são pontos fortes de sua atuação no mercado, além, é claro, da movimentação de conta-correntes por seus milhões de clientes em todo o Brasil. 314

314 J.W.Granjeiro A missão do Banco do Brasil, nos dizeres de sua filosofia corporativa, é: Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública com eficiência. Naturalmente, trabalhar numa instituição desse porte, que conta com mais de 5 mil agências e mais de 15 mil postos de atendimento espalhados pelo Brasil, proporciona muitas vantagens. A começar pela possibilidade de fazer carreira até os mais altos postos de direção a exemplo do atual presidente, que um dia também foi escriturário, como serão os concursados que ingressarem na casa nos próximos meses. Os novos empregados do Banco vão iniciar a carreira com salário de R$ 1.408, mais uma gratificação semestral, paga mensalmente, de 25% (R$ 352), para a jornada de 30 horas semanais de trabalho, ou seja, seis horas por dia, de segunda a sexta-feira. Esses valores, somados a outros benefícios, como auxílio-alimentação (R$ 399,30) e cesta-alimentação (R$ 311,08), elevam a remuneração inicial dos novos bancários para R$ 2.470,08. Conversei com um amigo que trabalha no BB há muitos anos. Ele me explicou que a evolução na carreira obedece a uma série de normas internas, padronizadas para todo o Brasil. Essas normas regulam a ascensão profissional dos funcionários durante toda a carreira na instituição. Um programa intitulado TAO Talentos e Oportunidades armazena os dados e as qualificações dos empregados e é capaz de identificar e recrutar um deles em qualquer parte do país para preencher, por exemplo, um cargo em diretoria ou em agência de Brasília. Esse amigo me relatou que existe um princípio não escrito na instituição segundo o qual quem faz a carreira é o funcionário. A ascensão, segundo o servidor, começa geralmente seis meses depois do ingresso no Banco, com a promoção ao cargo de Assistente de gerência em uma das agências ou de Assessor em alguma diretoria. Tudo 315

315 A Disciplina de um maratonista vai depender da capacidade, do interesse e do talento do funcionário: se suas qualidades forem para os negócios bancários, ele alcançará a gerência de uma agência, depois de se tornar Assistente de contas ou de relacionamento, em dois ou três anos. Mas há outro caminho profissional que também premia aqueles que demonstram capacidade e interesse pelo trabalho. Esse caminho é traçado nos órgãos de direção e começa com a promoção a Assessor (Júnior, Pleno e Sênior), depois a Gerente de Divisão, a Gerente Executivo e, finalmente, a Diretor de área. Aliás, para quem não sabe, no Banco do Brasil só funcionários de carreira podem se tornar diretores. Apenas os cargos de presidente e de vice-presidente (nove, no total) são de livre nomeação pelo Presidente da República. Segundo o meu amigo do BB, obviamente a ascensão depende de avaliações funcionais periódicas (semestrais) e de pontuações que levam em conta inclusive a produtividade do empregado. Para estimular ainda mais o bom desempenho de seus servidores, o Banco oferece participação nos lucros para todos os funcionários de carreira, semestralmente, de acordo com a função. Por exemplo, um escriturário pode receber R$ 2 mil e um gerente de agência até R$ 15 mil. Além disso, aqueles que estudam podem ter até 80% do valor de cursos de graduação e de pósgraduação pagos pela instituição. E todos gozam de plano de saúde considerado um dos melhores do país: Cassis. Os funcionários do Banco do Brasil contam também com um plano de previdência privada para complementar a aposentadoria. A título de contribuição, são descontados mensalmente 3% do salário. Há outras vantagens, como férias de 35 dias a partir do vigésimo ano de trabalho (para quem ingressou no banco antes de 1998); abono de faltas de até 5 dias por ano por motivo de doença na família, nascimento de filho ou falecimento de familiar; e licençaprêmio de 18 dias por ano trabalhado. 316

316 J.W.Granjeiro A estabilidade no emprego é mais um fator de interesse pelo concurso. Diz o meu amigo do BB que, hoje, o funcionário só vai pra rua se aprontar. A despeito disso, o servidor precisa lembrar que estará sendo permanentemente observado. Naturalmente, será recompensado se corresponder às expectativas do Banco, que saiu de sua tradicional posição de conforto para disputar o mercado e hoje tem de gerar lucro para seus acionistas, entre os quais o governo federal, o maior deles. O Banco do Brasil conta hoje com 115 mil funcionários. Dezessete mil deles estão em condições de se aposentar a qualquer momento, daí a grande necessidade de contratar quem for aprovado no concurso deste ano, que vai formar cadastro de reserva. O atual quadro de empregados é consequência da grande expansão do Banco na última década, quando o BB adquiriu uma série de instituições financeiras no país e no exterior: Nossa Caixa, Banco do Estado do Piauí, Banco Votorantin e Banco Patagonia, na Argentina. O quadro chegou a ser reduzido de 120 mil (em 1995) para 80 mil funcionários durante o governo Fernando Henrique, quando foram disseminados os planos de demissão voluntária. Mas voltou a crescer na era Lula. Para quem vai fazer concurso do Banco do Brasil, atenção para esta dica do meu amigo bancário: uma das especialidades mais valorizadas atualmente no quadro do BB é a de estatístico, com poucos profissionais disponíveis no mercado de trabalho. Outra área em que a carreira interna pode decolar com mais facilidade é a tecnológica, uma grande vantagem para quem tem o domínio dos segredos da informática. 317

317 A Disciplina de um maratonista 318

318 J.W.Granjeiro Se você quer passar, saiba o que ler Uma das perguntas que com mais frequência os alunos me fazem diz respeito ao material de estudo que devem adotar. Mais especificamente, os estudantes querem saber que livros devem consultar e quais apostilas devem ler para ampliar e sedimentar, nos estudos fora da sala de aula, os conhecimentos transmitidos pelo professor. Essa é realmente uma questão cuja resposta é fundamental para o candidato obter o melhor rendimento possível e realizar o sonho da aprovação no concurso que escolheu. Minha experiência de 23 anos como professor e diretor de escola especializada na preparação para concursos públicos me levam a afirmar, com toda a segurança, que as melhores fontes de leitura são aquelas 319

319 A Disciplina de um maratonista produzidas por profissionais que ao mesmo tempo sejam especialistas do ramo, servidores de carreira nos mais diversos setores da Administração Pública do país e professores com ampla experiência no magistério. Atrevo-me até a afirmar que, tal como os alunos, esses professores também são concurseiros, pois se dedicam de corpo e alma a oferecer o melhor do ensino preparatório. Eles acumulam muitos anos de experiência em sala de aula, além de extraírem embasamento teórico e prático do trabalho diário na Administração. O mais importante é que mestres como os que a nossa escola reúne em seu quadro não se limitam às aulas presenciais para transmitir conhecimentos aos alunos. Profissionais de seu tempo, eles utilizam os recursos da internet para enviar aos pupilos mais material de estudo, como textos teóricos e exercícios que elaboram de acordo com o concurso em tela e questões das bancas examinadoras. Para que todo esse esforço dê resultados ainda melhores, nós do Gran Cursos desenvolvemos outras ferramentas para ajudar o concurseiro a estudar. Por exemplo, criamos, em nosso portal, o espaço do aluno. Ali está disponível, de forma totalmente gratuita, material postado pelos professores. Os arquivos podem ser livremente baixados e copiados para utilização nos estudos. Além disso, os alunos também podem receber o que quiserem por ; basta pedir. Com esse material em mãos, fica muito mais fácil estudar. Outra grande vantagem de estudar para concurso com uma equipe como a nossa é o amplo conhecimento dos professores sobre os macetes das bancas. Esses macetes são popularmente conhecidos, no mundo dos concursos, como pegadinhas. Nas salas de aula do Gran Cursos, as possíveis pegadinhas de cada prova são resolvidas com talento e bom humor, tudo para que, na hora da prova, ninguém esqueça a resposta. 320

320 J.W.Granjeiro É certo que cada aluno tem a sua maneira particular de estudar. Há os que gostam mais de baixar matérias no computador, há os que se sentem mais à vontade com as apostilas, há os que preferem focar o estudo nas aulas e na resolução de questões de prova, e há aqueles que gostam dos bons e tradicionais livros que consolidam o programa das provas com teoria, exemplos e dicas. Para todos temos a melhor solução, em diversos formatos. As apostilas, por exemplo, são distribuídas às turmas depois de passar por rigorosa atualização, de acordo com as exigências das bancas, e servem de indispensável complemento às lições das aulas. Dia desses, chegaram-me às mãos duas apostilas do curso de inglês ministrado pelo professor Ulisses. Uma delas é exclusivamente de gramática e a outra de textos, ambas elaboradas para o concurso do Senado Federal e com conteúdo o mais completo possível. Trata-se de trabalho de alto nível, conduzido por quem é doutor e pós-doutor em língua inglesa e sabe transmitir seus conhecimentos com elegância, levando detalhes preciosos às turmas para as quais leciona. Existem dois tipos de material de estudo para concursos públicos: aqueles que não se tem vontade de largar nunca e aqueles que não se tem vontade de pegar nunca. Fuja de livros e apostilas complexos. O complicado tem de ser explicado de maneira simples. O Direito, por exemplo, deve ser aprendido de forma simples, senão não é Direito. Concurseiro, o seu tempo é de ouro; sua escolha, de diamante. 321

321 A Disciplina de um maratonista 322

322 J.W.Granjeiro Uma história que serve de lição para toda a vida Esta é uma história real. Acredito que ela transmite importantes lições de vida, como a importância do trabalho, da determinação pessoal, do pensamento positivo, da crença em valores familiares, religiosos e morais, que constituem a base para a formação da personalidade. Sobretudo, ela mostra que o sucesso não se conquista com a simples espera de intervenção divina ou com mera ajuda da sorte. Muito pelo contrário, ele depende de muita obstinação e resulta de muito sacrifício e até mesmo de muito choro e muita dor. 323

323 A Disciplina de um maratonista O que vou contar neste artigo é a minha experiência pessoal, que espero contribuir, de alguma forma, para o sucesso de quem luta para conquistar seu lugar ao sol, tal como aqueles que estão trilhando na árdua caminhada do concurso público. Eu sou o protagonista dessa história, que vou partilhar com alguém pela primeira vez, passados mais de 30 anos. Com 12 anos de idade, comecei a trabalhar com meu pai, como servente de pedreiro, ajudando a levantar casas em Ceilândia, na construção do Setor O. Portanto, os fatos aqui narrados ocorreram há exatos 37 anos, quando José Wilson Granjeiro era um adolescente pobre, filho de migrantes do Rio Grande do Norte que deixaram a vida no sertão nordestino para tentar a sorte na capital do país. A família era grande: pai, mãe e sete irmãos. Qualquer ajuda na renda familiar era muito importante para a nossa sobrevivência. Por isso, lá fui eu ajudar o pedreiro Zuza em sua lida diária com cimento e tijolo. Aos poucos, ajudamos a erguer a cidade satélite onde fomos morar depois de desalojados da favela da Vila Esperança/Núcleo Bandeirante e despejados no mato que mais tarde viria a constituir a promissora Ceilândia. Era um trabalho duro para um garoto, mas eu não reclamava. Minha tarefa era virar a massa de cimento que meu pai usaria para assentar os tijolos, e eu me empenhava não apenas para ajudálo, mas para fazer o melhor possível. Sem falsa modéstia, esse é um traço de minha personalidade que tenho desde o berço. O esforço era grande e exigia muito de mim, fisicamente. Afinal, meu corpo de homem nem sequer estava formado! Na verdade, meu físico foi moldado nessa rotina pesada, que começava bem cedo, antes das sete horas, e durava a manhã inteira. Por volta do meio-dia, eu trocava os trajes simples de pedreiro pelo uniforme da escola e iniciava outra jornada. Essa, sim, me levaria ao encontro dos meus sonhos, que, eu tinha certeza, um dia se tornariam realidade. 324

324 J.W.Granjeiro O trabalho com meu pai era importante para mim. Eu ganhava alguns trocados, que ajudavam nas despesas da família e ainda compravam material escolar para mim e meus irmãos. Depois da labuta, eu tinha de sair às pressas, ainda todo sujo de massa, passar em casa, tomar um banho e correr de novo para a aula, que começava às duas da tarde, a três quilômetros de distância. Era tudo muito corrido, e acho que é por isso que hoje tenho esse dom de correr longas distâncias, como a maratona, que tem metros. A vida, como vocês devem ter percebido, era difícil, mas eu jamais desanimei. Ao contrário, quanto mais dificuldades eu enfrentava, mais me empenhava para vencê-las. Com 14 anos de idade consegui meu primeiro emprego com carteira assinada, com a ajuda de um primo, como auxiliar de escritório de uma empresa no setor de oficinas de Taguatinga. Passei a estudar de noite, no Centro Educacional 2, que ficava muito longe da minha casa. Saía tarde da escola e precisava caminhar quilômetros para voltar para casa, entre dez e meia e onze horas da noite. Em pouco tempo, ainda menor de idade, eu já era chefe do escritório. Mas seguia a mesma rotina de trabalho e estudo, sempre correndo de um lugar para outro, numa permanente luta contra o relógio. Só quem passa por esse sacrifício pode avaliar o quanto é dura essa vida de trabalho e estudo em plena adolescência. A situação me obrigava a levar marmita para o trabalho, pois não tinha tempo de voltar em casa para almoçar. Eu saía cedo e precisava pegar ônibus para o escritório, já naquela época sempre muito cheio, tal como acontece hoje nos horários em que todos estão indo trabalhar ou estudar. Meu trabalho era numa oficina de manutenção de caminhões da Mercedes-Benz. Eu elaborava as folhas de pagamento, controle de pessoal, pagamento de faturas, registro de pessoas, emissão de nota fiscal, e por aí afora. Na hora do almoço, meu apetite, logicamente, era de leão, 325

325 A Disciplina de um maratonista pois eu já era um homenzinho bem formado nessa época, graças ao trabalho como auxiliar de pedreiro do meu pai. A marmita, preparada por minha mãe, era um verdadeiro presente para o meu estômago nessa hora. Numa dessas manhãs de ônibus lotado, minha marmita só tinha arroz e ovo. O motorista era o Zezão, conhecido por todos que viajavam naquele horário. A viagem estava normal, até o momento em que o Zezão, para não bater no veículo que ia à frente, deu uma freada brusca e a marmita caiu no chão e esparramou arroz e ovo por todo lado. Foi um espanto geral dentro do ônibus. As moças e os rapazes que iam para o colégio ficaram olhando para mim, incrédulos. E eu fiquei vermelhinho, morto de vergonha, sem saber o que fazer para amenizar aquele vexame. Tive vontade de chorar, confesso, mas não chorei. Não ali, no ônibus, diante daquelas pessoas que estavam com pena de mim. Chorei depois, sozinho, pensando por que aquilo tinha de acontecer comigo. Eu lutava tanto para vencer na vida, trabalhando, estudando, ajudando minha família a sobreviver, passando por tanta dificuldade que eu não tinha nada para comer senão arroz e ovo naquele dia fatídico. Mas, como quase tudo que nos acontece de ruim pode ter um lado positivo, em seguida veio a lição. Aquelas moças do ônibus ficaram minhas amigas e começaram a trazer roupas e tênis pra mim, pois deduziram que eu precisava de ajuda, conforme minha marmita havia mostrado. Depois desse episódio, fiz comigo mesmo um compromisso: nunca, jamais deixaria meus filhos passarem fome nem qualquer tipo de necessidade. Dediquei-me a trabalhar e a estudar como um doido, mais ainda do que já fazia, para que, no futuro, pudesse cumprir essa promessa, nascida de um momento de profunda vergonha, de desespero, mesmo. 326

326 J.W.Granjeiro Num dado momento, comecei a achar que estava pecando, pois meus pensamentos eram voltados apenas para ganhar dinheiro, para ter as coisas, como se costuma dizer, para conquistar todos os bens que pudesse. Resolvi, então, me confessar com o padre Antônio, um holandês que tinha voz de tenor italiano e era muito sábio e que mais tarde celebrou meu casamento, numa cerimônia belíssima, toda cantada por ele. O padre Antônio me tranquilizou. Disse que eu não estava cometendo nenhum pecado, desde que conquistasse tudo honestamente, com meu próprio esforço, sem humilhar ninguém. Conquiste o seu espaço, o que é seu, ele me dizia. Com carta branca para buscar os meus sonhos, senti-me aliviado. Cumpri a penitência que ele mandou e segui estudando e trabalhando. O resto da história é consequência de tudo que vivi nesses períodos de privação e de esforço para melhorar as coisas. Mais tarde, fui servir o Exército. Me alistei no famoso BGP, o Batalhão da Guarda Presidencial, onde fiquei por dois anos. Persisti nos estudos, pois lá havia um curso supletivo para os soldados, e eu não podia desperdiçar a oportunidade. Quando saí de lá, não quis voltar ao escritório da oficina na Ceilândia, embora a vaga estivesse esperando por mim. Foi quando fiz concurso para o Banco do Brasil e não passei. Naquele fatídico dia, tive o famoso branco e fui reprovado. Hoje reconheço que me sentia na obrigação de ser aprovado, porque esse concurso envolvia os conhecimentos que eu mais dominava. Mais uma vez, consegui dar a volta por cima. Logo fui aprovado num concurso para uma instituição financeira privada. Eram apenas cinco vagas, e eu conquistei uma delas, embora fosse o único candidato com apenas o ensino médio, graças àquele supletivo do BGP. Depois, vieram novos concursos públicos. Passei em todos os oito que fiz e comecei minha carreira de servidor, trabalhando na Fundação de Serviço Social do GDF como agente administrativo. 327

327 A Disciplina de um maratonista Eu havia sido aprovado num concurso federal, organizado pelo extinto DASP, mas optei pelo GDF, que oferecia mais vantagens. Fui trabalhar num almoxarifado, onde pude mostrar meu senso de organização o lugar estava uma bagunça. Em pouco tempo, eu já era o chefe, comandando quase cem funcionários, muitos deles motoristas já idosos, mas que respeitavam minha liderança e capacidade de trabalho. Ao longo do tempo, fui passando em outros concursos, como o do Hospital Sarah Kubitschek, onde fui chefe de Divisão, chefe de Departamento e diretor. Segui carreira por 17 anos, sempre galgando postos de direção no serviço público, até que entrei num PDV Plano de Demissão Voluntária do governo federal e, depois, pedi exoneração como professor do GDF. No período em que fiquei no serviço público, tirei o máximo proveito do que aprendi. Sempre achei que precisava experimentar de tudo um pouco na vida profissional. Com isso em mente, trabalhei em setores diversos, como de pessoal, de orçamento, de finanças, de material, de licitações, de contratos e jurídico. Eu não pedia para isso acontecer, mas o fato é que iam me colocando nos cargos como se estivessem me treinando para que eu pudesse exercer cargos de direção. Hoje, percebo claramente como o fato de ter passado por tantos setores me ajuda muito a dar minhas palestras e aulas e a escrever meus livros. Domino tanto a teoria como a prática para transmitir aos alunos meus trabalhos. A história termina aqui. Com ela, quero demonstrar aos concurseiros que me acompanham que não existe êxito, não existe sucesso, não existe vitória sem muito sacrifício, sem muito sofrimento e muito choro, como disse antes. Às vezes é necessário até mesmo passar por humilhações, como aconteceu comigo. Prova disso está no livro de Eike Batista O X da questão, cuja leitura recomendo a todos que me acompanham. Hoje, o empresário é o homem mais rico do Brasil e daqui 328

328 J.W.Granjeiro a pouco será o mais rico do mundo, mas diz que ninguém sabe dos anos em que morou na Amazônia, sob todos os riscos, para chegar aonde chegou. Ele não nasceu bilionário, nem ficou bilionário de um dia pra o outro. Foram décadas de muito trabalho e estudo, aplicando os ensinamentos adquiridos e desenvolvendo sua capacidade de negócios, sempre com visão estratégica, visão que ele chama de 360 graus, do todo, que observa todos os detalhes. É isso que quero passar para as novas gerações de candidatos a concurso público. Não pensem que vão ser aprovados sem estudar, ou só assistindo a aulas, ou apenas quando sai o edital. Não funciona assim. Trata-se de um processo de amadurecimento, de ganho de força e substância, comparável ao que ocorre com o bambu chinês: lança-se a semente e nada acontece durante anos. De repente, em questão de dias, surge um arbusto, que cresce dezenas de metros e fica tão forte que verga, porém não quebra com o vendaval. Por quê? Porque tem toda uma base para sustentá-lo. Essa mesma base vocês têm de construir, e de forma consciente. Se não cresceram o suficiente, é porque ainda não têm essa base. Insistam. Insistam, que em pouco tempo se tornarão gigantes, e ninguém conseguirá mais tirar isso de vocês. 329

329 A Disciplina de um maratonista 330

330 J.W.Granjeiro O poder do pensamento positivo na vida de um concurseiro O feriado da última quinta-feira deu-me a oportunidade de ler e refletir sobre um tema que é sempre importante para mim, tanto na vida pessoal quanto na atividade profissional: os caminhos que trilhamos para alcançarmos os nossos objetivos, ainda que sejam mais longos e tortuosos, nos conduzem à inigualável sensação de vitória quando o objetivo é conquistado. É o que muitos dos nossos alunos devem aprender para combater o desânimo que, às vezes, invade a mente, especialmente depois de eventual insucesso num concurso para o qual se prepararam com afinco e em que esperavam ser aprovados, quase com certeza. Se isso está acontecendo 331

331 A Disciplina de um maratonista com você que lê agora este artigo, trate de dar a volta por cima e voltar aos estudos com ainda mais disposição. É a única maneira de superar maus momentos como esse e alcançar aquele objetivo de que falei há pouco: a vitória completa e definitiva com a aprovação em concurso púbico. Sempre que trato desse tema, gosto de recordar minha experiência pessoal. A reprovação no primeiro concurso que prestei, para o Banco do Brasil, foi fundamental para que, um pouco mais tarde, fosse aprovado em outros oito concursos e construísse uma carreira de dezessete anos no serviço público, antes de me tornar empreendedor do ramo, como sou hoje. Por que digo que essa reprovação foi fundamental para meu futuro? Porque eu soube extrair da minha experiência aspectos positivos. Aprendi o que tinha de aprender para não voltar a cometer os mesmos erros nos concursos seguintes. Aliás, esta é uma característica da minha personalidade que acredito ser uma das razões do meu sucesso profissional: em qualquer situação, mesmo a mais negativa, enquanto até meus colaboradores mais próximos parecem ver uma derrota, eu extraio uma lição que acabará tornando aquele episódio positivo para nós. Assim, tudo acaba dando certo. É uma maneira de encarar a vida que trago, tenho certeza, no meu gene, uma herança de meu pai, que saiu do interior do Nordeste para tentar a sorte em Brasília nos anos sessenta e jamais desistiu desse objetivo, mesmo quando tudo parecia dar errado. Essa atitude positiva frente a tudo que acontece na vida é fundamental para quem está estudando para concurso público. Hoje em dia, damos a ela o nome de motivação, palavra moderna para ajudar na solução de situações do dia a dia que precisamos enfrentar a cada momento. Grandes homens já falaram e escreveram sobre isso, e acho que vale a pena expor alguns desses conceitos. Benjamin Franklin, por exemplo, disse: Viver é enfrentar um problema atrás do outro. O modo como você o encara é que faz a diferença. 332

332 J.W.Granjeiro Para quem não sabe, Franklin foi um dos homens mais importantes de seu tempo. O norte-americano viveu de 1706 a 1790 e, além de diplomata, filósofo e escritor, foi um dos líderes da independência do seu país e cientista que inventou o para-raios. Portanto, sabia muito bem o que estava dizendo. Também se atribui a ele sem comprovação o dito popular: Não deixe para amanhã o que se pode fazer hoje. Sejam ou não palavras de sua autoria, esse provavelmente é o melhor conselho que se pode dar a quem deseja alcançar o sucesso em qualquer empreitada. De qualquer modo, Franklin afirmou, mesmo, que o caminho dos preguiçosos é cheio de obstáculos, ao passo que o do diligente não tem quaisquer embaraços. Com frequência, e sem razão evidente, as pessoas adiam decisões importantes, como a de começar um curso de preparação para concurso público. Elas querem estudar, querem se preparar, querem prestar o concurso, querem ser aprovadas, mas, inexplicavelmente, ficam adiando a decisão e acabam perdendo a oportunidade. Como se diz no Rio Grande do Sul, deixam o cavalo passar encilhado, aparentemente ignorando que ele nunca mais voltará para ser montado. Mas o motivo dessa falta de ação é simples: medo. Medo do fracasso. Medo da dor. Medo da rejeição. Às vezes, temos medo de atitudes simples, como pegar um avião, ou de ações grandes, como tomar uma decisão. Afinal, e se tomarmos a decisão errada? E se cometermos um erro impossível de desfazer? Não importa do que temos medo, uma coisa é sempre verdade: com o tempo, a dor de não ter tomado uma atitude se torna pior do que o medo de agir. Parece que estamos carregando um tumor gigante. Em resumo, é melhor pagar para ver do que ficar à toa na vida, esperando a banda passar sob a nossa janela. Temos de cometer nossos próprios erros para aprender nossas próprias lições, conscientes de que o saber é melhor do que o ponderar, que o despertar é melhor do 333

333 A Disciplina de um maratonista que o sonhar. E que mesmo a maior falha, mesmo o pior erro possível, é melhor do que nunca tentar nada. Se você, caro leitor e concurseiro, levar em consideração os conselhos destas poucas linhas, começará a trilhar o caminho certo, o caminho da Vitória e da Aprovação no seu próximo concurso público, que lhe dará o direito e a felicidade de ocupar, o mais breve possível, o seu FELIZ CARGO NOVO! 334

334 J.W.Granjeiro Pense positivo e veja o resultado Não é porque as coisas são difíceis que não ousamos, é porque não ousamos que elas são difíceis. Esse pensamento me veio à mente ao escrever este artigo pelo fato de ele resumir com perfeição filosófica o que é a atitude positiva, que todos nós precisamos ter, sobretudo aqueles que ainda procuram o rumo certo na vida. Acredito sinceramente na verdade desse princípio, lapidado na Roma antiga por um dos maiores pensadores da humanidade, que, embora tenha vivido no alvorecer da cristandade, não foi um pensador cristão. Sêneca 335

335 A Disciplina de um maratonista (Lucius Annaeus Sêneca), conhecido como O Moço, O Filósofo ou O Jovem, viveu entre os anos 4 a.c. e 65 d.c., quando, obrigado a se suicidar pelo imperador Nero, de quem fora conselheiro fiel até cair em desgraça, acusado de conspiração para assassiná-lo, tornou-se vítima da loucura que acabaria por levar Nero a incendiar a cidade. Quando deparamos com alguma dificuldade que parece intransponível, devemos tomar as palavras de Sêneca como um sábio conselho para não desistirmos do nosso objetivo. Digo isso principalmente para as pessoas com quem convivo diariamente no trabalho e, em especial, para aqueles que resolveram enfrentar o desafio de um concurso público e se dedicam aos estudos sob a orientação dos nossos professores. Não é a primeira vez que escrevo sobre o tema, mas volto a ele por considerar muito importante que os candidatos a concurso público desenvolvam atitude positiva para que o resultado nas provas seja igualmente positivo, com a aprovação no certame escolhido. Pensar é um dom que o homem recebeu. É esse dom que nos distingue dos outros animais. Já a capacidade de pensar positivamente é uma qualidade que alguns de nós trazem de berço. Mas ela pode ser desenvolvida por qualquer um, desde que o queira. São os nossos pensamentos que determinam a nossa maneira de viver. Todavia, de nada adianta saber que a mente tem poder, se você não souber fazer uso dela. Às vezes, para dar uma guinada na vida, é preciso, primeiro, mudar a maneira de pensar, ou mesmo repensar a vida por inteiro. Isso significa que a mente precisa estar aberta para compreender o mundo à nossa volta. Do contrário, não conseguiremos ser bem-sucedidos em nossas iniciativas. A energia acompanha o pensamento. Cada pensamento, cada palavra, cada sentimento, cada cor, cada som, cada tipo de música, cada maneira de falar, tudo em nós e ao redor de nós tem certa vibração, segundo afirmam os estudiosos do assunto. Acredito neles. Eles dizem que o 336

MULTIPLICANDO BEM-ESTAR

MULTIPLICANDO BEM-ESTAR Sergio Buaiz MULTIPLICANDO BEM-ESTAR Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária Com prefácio de Seu nome Chance! Network MULTIPLICANDO BEM-ESTAR Considerando que

Leia mais

Orelhas do Livro Orelha esquerda: "T. Harv Eker desmistifica o motivo pelo qual algumas pessoas estão destinadas à riqueza e outras a uma vida de

Orelhas do Livro Orelha esquerda: T. Harv Eker desmistifica o motivo pelo qual algumas pessoas estão destinadas à riqueza e outras a uma vida de Contra-capa Se as suas finanças andam na corda bamba, talvez esteja na hora de você refletir sobre o que T. Harv Eker chama de "o seu modelo de dinheiro" - um conjunto de crenças que cada um de nós alimenta

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Angélica Ilacqua CRB-8/7057

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Angélica Ilacqua CRB-8/7057 Copyright 2014 Bel Pesce Revisão: Thiago Brigada Ilustração: Fátima Ventapane Design de capa: Marcelo Martinez Laboratório Secreto Projeto gráfico: Ideias com Peso Dados Internacionais de Catalogação na

Leia mais

DADOS DE COPYRIGHT. É expressamente proibida e totalmente repudíavel a venda, aluguel, ou quaisquer uso comercial do presente conteúdo

DADOS DE COPYRIGHT. É expressamente proibida e totalmente repudíavel a venda, aluguel, ou quaisquer uso comercial do presente conteúdo DADOS DE COPYRIGHT Sobre a obra: A presente obra é disponibilizada pela equipe Le Livros e seus diversos parceiros, com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos acadêmicos,

Leia mais

Introdução. João Carlos Cruz

Introdução. João Carlos Cruz Introdução Caro Profissional, quando eu tive a iniciativa de criar o site www.novosplanos.com imaginei que pudesse ajudar de alguma forma as pessoas que perdem seus empregos, estão à procura da primeira

Leia mais

Viagem ao Mundo do Empreendedorismo

Viagem ao Mundo do Empreendedorismo Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 2 Rita de Cássia da Costa Malheiros Luiz Alberto Ferla Cristiano J.C. de Almeida Cunha Viagem ao Mundo do Empreendedorismo FLORIANÓPOLIS - BRASIL - 2005 3 REDAÇÃO Rita

Leia mais

Para otimizarmos o tempo e conseguirmos falar com o maior número de pessoas obtendo melhores resultados, seguem algumas dicas:

Para otimizarmos o tempo e conseguirmos falar com o maior número de pessoas obtendo melhores resultados, seguem algumas dicas: O que é melhor: prospectar por telefone ou visitar pessoalmente? por André Santos A resposta para essa pergunta dependerá muito do tipo de produto ou serviço que você comercializa e do ramo de atividade

Leia mais

EXCELÊNCIA COM EQUIDADE. As lições das escolas brasileiras que oferecem educação de qualidade a alunos de baixo nível socioeconômico

EXCELÊNCIA COM EQUIDADE. As lições das escolas brasileiras que oferecem educação de qualidade a alunos de baixo nível socioeconômico EXCELÊNCIA COM EQUIDADE As lições das escolas brasileiras que oferecem educação de qualidade a alunos de baixo nível socioeconômico REALIZAÇÃO Fundação Lemann e Itaú BBA PESQUISA E COORDENAÇÃO TÉCNICA

Leia mais

Capítulo 3 A Tríade do Tempo

Capítulo 3 A Tríade do Tempo Capítulo 3 A Tríade do Tempo www.triadps.com www.neotriad.com 002575_Gestao_Conhecimento_ID/tRIADE/W www.neotriad.com Capítulo 3 A Tríade do Tempo A vida é curta, por isso não faça dela um rascunho, pois

Leia mais

NApresentação. Como Vender a Imagem da sua Escola

NApresentação. Como Vender a Imagem da sua Escola NApresentação Nesta época de grande concorrência, exposição de marca, novas diretrizes e outras confusões, fica apenas uma certeza: não se tem certeza de nada. Afinal, como fazer uma escola destacarse

Leia mais

Uma Vida com Propósitos

Uma Vida com Propósitos Uma Vida com Propósitos Você não está aqui por acaso Rick Warren Título original: The purpose-driven life Tradução: James Monteiro dos Reis 2003 - Editora Vida Idioma: português-br Digitalizado, revisado

Leia mais

VIVÊNCIAS DE UM APRENDIZ

VIVÊNCIAS DE UM APRENDIZ VIVÊNCIAS DE UM APRENDIZ A história completa Francisco Ferreira (Mr. Smith) Nova Edição Abril de 2006 Ilustrações: Alex G. S. VIVÊNCIAS DE UM APRENDIZ O livro conta a história completa da saga de um jovem

Leia mais

As 25 leis bíblicas do sucesso

As 25 leis bíblicas do sucesso William Douglas & Rubens Teixeira As 25 leis bíblicas do sucesso As 25 leis bíblicas do sucesso, Este livro se mostra precioso como norma de existir, renovando cânones esquecidos e reparando erros e enganos.

Leia mais

http://groups.google.com/group/digitalsource

http://groups.google.com/group/digitalsource http://groups.google.com/group/digitalsource 1 A MÁGICA DE PENSAR GRANDE David J. Scwartz Este livro foi digitalizado por Raimundo do Vale Lucas, com a intenção de dar aos cegos a oportunidade de apreciarem

Leia mais

JOHN C. MAXWELL AS 2 1 INDISPENSÁVEIS QUALIDADES DE UM LÍDER. S i g a - a s. Traduzido por. Editora Mundo Cristão São Paulo

JOHN C. MAXWELL AS 2 1 INDISPENSÁVEIS QUALIDADES DE UM LÍDER. S i g a - a s. Traduzido por. Editora Mundo Cristão São Paulo JOHN C. MAXWELL AS 2 1 INDISPENSÁVEIS QUALIDADES DE UM LÍDER S i g a - a s e as P e s s o a s o S e g u i r ã o JOSUÉ Traduzido por RIBEIRO Editora Mundo Cristão São Paulo Dados Internacionais de Catalogação

Leia mais

Copyright 2008??? Capa Retina 78 e ECD. Projeto gráfico Retina 78. Imagem de capa Peter Dozendey / Getty Images

Copyright 2008??? Capa Retina 78 e ECD. Projeto gráfico Retina 78. Imagem de capa Peter Dozendey / Getty Images o vencedor está só o vencedor está só Copyright 2008??? p. 9 - Seja você quem for, Walt Whitman. Tradução de Geir Campos publicada em Folhas das folhas de relva, Ediouro, 1983. p. 121 - A estrada não

Leia mais

OS SETE HÁBITOS DAS PESSOAS MUITO EFICAZES Stephen R. Covey

OS SETE HÁBITOS DAS PESSOAS MUITO EFICAZES Stephen R. Covey OS SETE HÁBITOS DAS PESSOAS MUITO EFICAZES Stephen R. Covey 1 2 Vencer é um hábito. Assim como fracassar. Isso explica a obsessão de Stephen R. Covey, consultor empresarial e escritor de sucesso, com os

Leia mais

AUTO-ESTIMA: Como aprender a gostar de si mesmo Nathaniel Branden

AUTO-ESTIMA: Como aprender a gostar de si mesmo Nathaniel Branden AUTO-ESTIMA: Como aprender a gostar de si mesmo Nathaniel Branden Capítulo 1 A importância da auto-estima A forma como nos sentimos acerca de nós mesmos é algo que afeta crucialmente todos os aspectos

Leia mais

A ARTE DE FAZER UM JORNAL DIÁRIO

A ARTE DE FAZER UM JORNAL DIÁRIO A ARTE DE FAZER UM JORNAL DIÁRIO Ricardo Noblat http://groups.google.com.br/group/digitalsource Esta obra foi digitalizada pelo grupo Digital Source para proporcionar, de maneira totalmente gratuita, o

Leia mais

Riscos e Oportunidades para Crianças e Adolescentes no Futebol

Riscos e Oportunidades para Crianças e Adolescentes no Futebol A INFÂNCIA ENTRA EM CAMPO Riscos e Oportunidades para Crianças e Adolescentes no Futebol Salvador, 2014 APOIO REALIZAÇÃO REALIZAÇÃO CEDECA Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Yves de Roussan Coordenador

Leia mais

Minha Busca por Emprego

Minha Busca por Emprego Minha Busca por Emprego AUTOSSUFICIÊNCIA INTRODUÇÃO SERÁ QUE ESTE GRUPO VAI ME AJUDAR A ENCONTRAR UM EMPREGO? Nem sempre é fácil encontrar emprego, mas este grupo de autossuficiência vai ajudá- lo a aprender

Leia mais

Mensagem. Escotistas em ação - Ramo Sênior

Mensagem. Escotistas em ação - Ramo Sênior Escotistas em ação - Ramo Sênior Este é um documento oficial da UEB União dos Escoteiros do Brasil para escotistas do Ramo Sênior, conforme sistema aprovado pelo CAN Conselho de Administração Nacional,

Leia mais

As Cinco Linguagens do Amor

As Cinco Linguagens do Amor As Cinco Linguagens do Amor Gary Chapman Como expressar um compromisso de amor a seu cônjuge Com Guia de Estudos Título original: The five love languages Tradução: Iara Vasconcelos Editora Mundo Cristão

Leia mais

Poder Sem Limites Anthony Robbins 1

Poder Sem Limites Anthony Robbins 1 1 PODER SEM LIMITES ANTHONY ROBBINS Tradução de MURIEL ALVES BRAZIL EDITORA BEST SELLER Título original: Unlimited Power 2 Agradecimentos Quando começo a pensar em todas as pessoas às quais gostaria de

Leia mais

NUNO FERREIRA COM BRUNO CALDEIRA FAZ O CURSO NA MAIOR. ESTUDA O MÍNINO, GOZA AO MÁXIMO: Os conselhos de um Professor Universitário

NUNO FERREIRA COM BRUNO CALDEIRA FAZ O CURSO NA MAIOR. ESTUDA O MÍNINO, GOZA AO MÁXIMO: Os conselhos de um Professor Universitário NUNO FERREIRA COM BRUNO CALDEIRA FAZ O CURSO NA MAIOR ESTUDA O MÍNINO, GOZA AO MÁXIMO: Os conselhos de um Professor Universitário Índice PARTE INTRODUÇÃO 7 PORQUÊ ESTE LIVRO 9 A QUEM SE DESTINA ESTE LIVRO

Leia mais

VIABILIDADE DE ABERTURA DE UMA EMPRESA NO RAMO DE BELEZA E ESTÉTICA

VIABILIDADE DE ABERTURA DE UMA EMPRESA NO RAMO DE BELEZA E ESTÉTICA Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis VIABILIDADE DE ABERTURA DE UMA EMPRESA NO RAMO DE BELEZA E ESTÉTICA Andréa Gomes de Oliveira Belo Horizonte 2011 Andréa Gomes de

Leia mais

Educação para um Emprego Melhor AUTOSSUFICIÊNCIA

Educação para um Emprego Melhor AUTOSSUFICIÊNCIA Educação para um Emprego Melhor AUTOSSUFICIÊNCIA INTRODUÇÃO SERÁ QUE ESTE GRUPO VAI ME AJUDAR A COMPLETAR MEUS ESTUDOS? Nem sempre é fácil conseguir estudar, mas este grupo de autossuficiência vai ajudá-

Leia mais

(Rich Dad, Poor Dad)

(Rich Dad, Poor Dad) ROBERTT. KIYOSAKI SHARON L. LECHTER (Rich Dad, Poor Dad) O que os ricos ensinam a seus filhos sobre dinheiro Consultor Editorial: Moisés Swirski PhD em Finanças/New York University Professor e Diretor

Leia mais

Copyright Editora Academia de Inteligência 2001

Copyright Editora Academia de Inteligência 2001 Copyright Editora Academia de Inteligência 2001 Produtora Executiva Suleima Cabrera Farhate Cury Capa e projeto gráfico Lau Baptista Revisão Cláudia J. Alves Caetano Editoração eletrônica imagecom - fazedores

Leia mais

Pai Rico, Pai Pobre (Rich Dad, Poor Dad)

Pai Rico, Pai Pobre (Rich Dad, Poor Dad) ROBERTT. KIYOSAKI SHARON L. LECHTER Pai Rico, Pai Pobre (Rich Dad, Poor Dad) O que os ricos ensinam a seus filhos sobre dinheiro Consultor Editorial: Moisés Swirski PhD em Finanças/New York University

Leia mais