COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016"

Transcrição

1 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções. Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem ser tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação são assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso.

2 PRODUTOS

3 O COMÉRCIO RESPONDE POR 12% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 43% DO COMÉRCIO GERAL

4 PARTICIPAÇÃO NO PIB 2015 Administração, saúde e educação públicas 17.7% Outros Serviços 37.8% Comércio 12.3% Produção e Distribuição de Eletricidade, gás e água 2.8% Extrativa Mineral 2.2% Transportes, armazenagem e correio 4.2% Agropecuária Total 5.2% Indústria de Transformação 11.4% Construção Civil 6.4% FONTE: IBGE

5 SEGMENTAÇÃO DO COMÉRCIO POR RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 2013 Veículos, peças e motocicletas 13.0% Atacado 44.1% Varejo 42.9% FONTE: IBGE - PAC

6 O COMÉRCIO VAREJISTA PODE SER DIVIDIDO EM: (1) Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo a demanda desse segmento é sensível ao nível de preços, de renda e emprego; Veículos o nível de demanda desse segmento depende do nível de renda, taxa de juros e condições e prazos dos financiamentos; Combustíveis e lubrificantes a demanda desse segmento é derivada do nível de atividade econômica, renda, emprego e nível de preços.

7 O COMÉRCIO VAREJISTA PODE SER DIVIDIDO EM: (2) Construção a demanda dependente de variação de preços, nível de renda, taxa de juros e condições e prazos dos financiamentos; Eletroeletrônicos e móveis o nível de demanda desse segmento é sensível à variação de preços, nível de renda, taxa de juros e condições e prazos dos financiamentos; Tecidos, vestuário e calçados o nível de demanda desse segmento também é sensível ao nível de preços e nível de renda da população; Livros, jornais, revistas e papelaria esse segmento é dependente de renda e emprego e do nível de preços;

8 O COMÉRCIO VAREJISTA PODE SER DIVIDIDO EM: (3) Artigos farmacêuticos, médicos e de perfumaria e cosméticos segmento sensível a renda e emprego e nível de preços; Equipamentos para escritório e informática o nível de demanda desse segmento é sensível à variação de preços, nível de renda, taxa de juros e condições e prazos dos financiamentos; Outros artigos de uso pessoal e doméstico considera vendas de GLP (gás liquefeito de petróleo) e o comércio realizado em lojas não especializadas que não tenham predominância de alimentos.

9 CERCA DE 26% DO COMÉRCIO VAREJISTA É DE PRODUTOS NÃO DURÁVEIS, REPRESENTADOS PELO COMÉRCIO EM HIPER E SUPERMERCADOS E EM LOJAS ESPECIALIZADAS DE ALIMENTOS, BEBIDAS E FUMO.

10 COMPOSIÇÃO DA RECEITA BRUTA DE REVENDA DO COMÉRCIO VAREJISTA POR TIPO DE PRODUTO COMERCIALIZADO COMPATÍVEL COM A PMC PARTICIPAÇÃO DA RECEITA BRUTA DE REVENDA NO COMÉRCIO VAREJISTA (AMPLIADO) POR AMPLIADA 2013 TIPO DE PRODUTO COMERCIALIZADO (FONTE: IBGE - PAC) (R$ MILHÕES) Hiper, super, alimentos, bebidas e fumo 25,6% Veículos, motocicletas, partes e peças 22,7% Hiper e supermercados 18,5% Combustíveis e lubrificantes Atacado e varejo de material de construção 11,2% 10,5% Tecidos, vestuário e calçados Móveis e eletroeletrônicos Outros artigos de uso pessoal e doméstico Farmacêuticos, perfumaria e cosméticos 8,0% 6,5% 6,3% 6,1% Livros, jornais, revistas e papelaria Equip e material para escritório, info e comum 1,9% 1,2% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% FONTE: IBGE - PAC

11 COMPOSIÇÃO DA RECEITA BRUTA DE REVENDA DO COMÉRCIO VAREJISTA POR TIPO DE PRODUTO COMERCIALIZADO COMPATÍVEL COM A PMC 2013 Hiper, super, alimentos, bebidas e fumo 38,3% Hiper e supermercados 27,7% Combustíveis e lubrificantes 16,8% Tecidos, vestuário e calçados 11,9% Móveis e eletroeletrônicos Outros artigos de uso pessoal e doméstico Farmacêuticos, perfumaria e cosméticos 9,8% 9,4% 9,1% Livros, jornais, revistas e papelaria Equip e material para escritório, info e comum 2,8% 1,9% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% 30,0% 35,0% 40,0% 45,0% FONTE: IBGE - PAC

12 SAZONALIDADE

13 A MAIOR DEMANDA NO COMÉRCIO OCORRE NAS DATAS COMEMORATIVAS: MAIO DIA DAS MÃES JUNHO DIA DOS NAMORADOS AGOSTO DIA DOS PAIS OUTUBRO DIA DAS CRIANÇAS NOVEMBRO BLACK FRIDAY DEZEMBRO NATAL E ANO NOVO

14 Normalmente, nos meses de férias (janeiro e julho), há menor nível de atividade do comércio nas regiões metropolitanas e maior atividade nas regiões turísticas; Geralmente, durante o 1º trimestre do ano, o nível de atividade no comércio é baixo, pois nesse período há concentração de pagamentos como IPTU e IPVA, o que comprime a renda da população. Nesse período, as lojas costumam fazer a reposição dos estoques.

15 SAZONALIDADE DAS VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA ,0% 11,3% 10,0% 8,0% 8,1% 8,0% 7,8% 8,3% 7,9% 8,1% 8,3% 8,0% 8,4% 8,4% 7,3% 6,0% jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez FONTE: IBGE - PMC EM %

16 REGIONALIZAÇÃO

17 A REGIÃO SUDESTE CONCENTRA 52% DA RECEITA BRUTA DO COMÉRCIO. SÃO PAULO É O MAIOR RESPONSÁVEL INDIVIDUAL, COM 30% DE PARTICIPAÇÃO.

18 RECEITA BRUTA DO COMÉRCIO POR REGIÃO 2013 FONTE: IBGE PARTICIPAÇÃO NA RECEITA BRUTA DO COMÉRCIO VAREJISTA POR ESTADO EM % Sudeste 50,5% Sul 19,7% Nordeste 17,4% Centro-Oeste 9,2% Norte 3,2% 0,0% 10,0% 20,0% 30,0% 40,0% 50,0% 60,0% FONTE: IBGE - PAC

19 RECEITA BRUTA DO COMÉRCIO POR ESTADO EM PARTICIPAÇÃO % FONTE: IBGE PARTICIPAÇÃO NA RECEITA BRUTA DO COMÉRCIO VAREJISTA POR ESTADO EM % São Paulo Rio de Janeiro Minas Gerais Rio Grande do Sul Paraná Santa Catarina Bahia Pernambuco Goiás Ceará Espírito Santo Distrito Federal Mato Grosso Maranhão Mato Grosso do Sul Rio Grande do Norte Paraíba Pará Piauí Alagoas Amazonas Sergipe Rondônia Tocantins Amapá Acre Roraima 4,68% 4,39% 3,57% 3,46% 2,76% 2,24% 2,09% 2,07% 1,47% 1,46% 1,29% 1,23% 1,18% 1,01% 0,98% 0,89% 0,76% 0,32% 0,22% 0,21% 0,20% 0,14% 9,73% 9,72% 7,84% 7,16% EM % 28,95% 0,00% 5,00% 10,00% 15,00% 20,00% 25,00% 30,00% 35,00% FONTE: IBGE - PAC

20 NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS DO COMÉRCIO VAREJISTA POR REGIÃO 2013 Norte 2,0% Centro-Oeste 7,4% Nordeste 19,6% Sudeste 49,1% Sul 22,0% FONTE: IBGE - PAC

21 NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS POR ESTADO 2013 São Paulo Minas Gerais Rio Grande do Sul Paraná Rio de Janeiro Bahia Santa Catarina Ceará Pernambuco Goiás Espírito Santo Maranhão Mato Grosso Distrito Federal Piauí Mato Grosso do Sul Paraíba Rio Grande do Alagoas Pará Sergipe Amazonas Rondônia Amapá Tocantins Acre Roraima FONTE: IBGE - PAC

22 FATORES DE RISCO

23 O comércio varejista é um dos primeiros a sentir os impactos causados por mudanças na conjuntura econômica. As vendas do setor são dependentes de variáveis como: nível de renda do consumidor, nível de emprego, juros, condições e prazos de financiamento ao consumidor; Concorrência acirrada e, com exceção das grandes redes, os varejistas possuem baixo poder de negociação com fornecedores; Inadimplência do consumidor.

24 Informalidade do setor: os altos impostos e encargos trabalhistas induzem empresas a sonegarem impostos e utilizarem trabalhadores informais. De acordo com o Instituto de Desenvolvimento do Varejo (IDV), os custos para as empresas informais chegam a ser 40% inferiores aos das empresas formais; O IDV também afirma que cerca de 50% dos varejistas trabalham de maneira informal e que o segmento de vestuário é o que apresenta maior informalidade (pode chegar a 60%). Esse aspecto também torna difícil a precisão de dados.

25 CENÁRIO ATUAL E TENDÊNCIAS

26 Título PIB DO COMÉRCIO - VARIAÇÃO ANUAL EM % POR ANO FONTE: IBGE

27 Fonte: IBGE/PMC VARIAÇÃO Elaboração: Bradesco DO COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO (*) POR SUBSETOR ACUMULADA EM 12 MESES (SET/16) VOLUME DE VENDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA - CRESCIMENTO EM 12 MESES, EM % Veículos, motos, partes e peças -17,0 Livros, jornais, revistas e papelaria -16,2 Equip. e mat. para escritório, informática e comunicação -15,0 Móveis e Eletrodomésticos -14,6 Material de Construção Tecidos, vestuário e calçados Outros artigos de uso pessoal e doméstico Combustíveis e lubrificantes Comércio Varejista Ampliado PMC restrita Supermercados e Hipermercados Hipermercados, supermercados, prods. alimentícios, bebidas e Artigos farmacêuticos, med, ortop. e perfumaria -12,6-11,4-10,4-10,1-10,0-6,6-3,0-3,0-0,4-18,0-16,0-14,0-12,0-10,0-8,0-6,0-4,0-2,0 0,0 (*) O comércio varejista ampliado difere do comércio varejista pela inclusão dos segmentos de material de construção e veículos e motos, partes e peças. FONTE: IBGE

28 PMC RESTRITA VARIAÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES (%) mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 12,0 10,0 8,07,3 6,0 4,0 2,0 9,1 10,3 7,1 5,0 10,9 6,6 7,5 8,6 5,0 4,3 1,0 0,0-2,0-4,0-6,0-8,0-6,6 FONTE: IBGE

29 PMC VARIAÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES (%) COMBUSTÍVEIS E LUBRIFICANTES mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 12,0 10,0 9,4 8,0 7,0 7,7 7,3 6,0 5,1 4,0 4,8 4,1 2,0 0,0 0,9 0,7-2,0-2,2-4,0-6,0-8,0-10,0-10,1-12,0 FONTE: IBGE

30 PMC VARIAÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES (%) HIPER/SUPERMERCADOS, PRODUTOS ALIMENTÍCIOS, BEBIDAS, FUMO mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 12,5 10,4 10,0 8,4 8,0 7,5 6,8 7,0 6,1 5,6 5,0 4,5 4,0 3,4 2,5 1,9 0,4 0,0-2,5-3,0-5,0 FONTE: IBGE

31 PMC VARIAÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES (%) PRODUTOS FARMACÊUTICOS mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 15,0 13,3 13,2 13,0 12,0 12,1 11,4 11,0 10,6 9,0 7,0 7,9 9,3 9,0 7,5 5,0 3,0 1,0-1,0-0,4 FONTE: IBGE

32 PMC VARIAÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES (%) TECIDOS, VESTUÁRIO E CALÇADOS mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 13,0 11,0 9,0 7,0 5,0 3,0 1,0-1,0-3,0-5,0-7,0-9,0-11,0-13,0 8,8 13,0 3,5-6,0 4,4 11,3 9,5 0,7 4,9 3,7 1,7-1,7-2,2-11,4 FONTE: IBGE

33 PMC VARIAÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES (%) MÓVEIS E ELETRODOMÉSTICOS mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 17,1 18,5 18,0 15,6 16,3 14,0 13,4 12,7 10,0 12,7 8,6 8,3 6,1 6,0 5,0 2,0-0,2-2,0 0,3-6,0-7,1-10,0-14,0-14,6-18,0 FONTE: IBGE

34 PMC VARIAÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES (%) LIVROS, JORNAIS, REVISTAS E PAPELARIA mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 12,9 13,1 12,0 9,0 7,0 5,1 7,7 3,5 6,6 2,0-3,0 4,2-2,1-8,0-8,8-13,0-9,5-18,0-16,2 FONTE: IBGE

35 PMC VARIAÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES (%) ESCRITÓRIO E INFORMÁTICA mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 50,0 40,0 35,3 30,0 24,4 24,3 27,0 20,0 10,0 11,8 16,6 17,1 6,9 4,3 0,0-1,1-1,7-10,0-15,0-20,0 FONTE: IBGE

36 PMC VARIAÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES (%) OUTROS ARTIGOS DE USO PESSOAL mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 28,0 23,0 22,6 24,1 20,8 18,0 13,0 8,0 3,0 11,3 8,0 7,0 9,7 3,8 11,0 8,0 6,5-2,0-7,0-12,0-10,4 FONTE: IBGE

37 PMC AMPLIADA VARIAÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES (%) mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 16,0 14,4 13,8 12,3 12,0 10,9 9,2 10,6 8,0 8,0 4,9 5,4 3,9 4,0 3,3 0,0-3,4-4,0-3,8-8,0-10,0-12,0 FONTE: IBGE

38 PMC VARIAÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES (%) VEÍCULOS, MOTOS E PEÇAS mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 32,0 26,0 23,9 20,0 17,4 17,3 15,3 14,0 8,0 2,0-4,0-10,0 8,4 1,8 10,6 6,1 1,3 10,6 1,1-5,5-11,9-16,0-22,0-17,0 FONTE: IBGE

39 PMC VARIAÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES (%) MATERIAL DE CONSTRUÇÃO mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 20,0 16,5 15,0 12,5 10,0 9,7 9,4 7,7 7,4 5,0 6,1 0,0-5,0-2,8-10,0-8,3-12,6-15,0 FONTE: IBGE

40 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 EVOLUÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES DO COMÉRCIO Região Fonte: IBGE Elaboração: Bradesco VAREJISTA RESTRITA POR REGIÃO Evolução Acumulada em 12 meses do Comércio Varejista (PMC restrita) por 18,0% 14,0% Brasil Centro-oeste Sul Sudeste Nordeste Norte 10,0% 6,0% 2,0% -2,0% -6,0% -10,0% -14,0% -4,99% -6,75% -9,16% -10,01% -11,6% -18,0% FONTE: IBGE

41 EVOLUÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES DO COMÉRCIO VAREJISTA RESTRITA POR REGIÃO SETEMBRO/2016 Sudeste -5,0% Brasil -6,6% Sul -6,8% Centro-oeste -9,2% Nordeste -10,0% Norte -11,6% -14,0% -12,0% -10,0% -8,0% -6,0% -4,0% -2,0% 0,0% FONTE: IBGE

42 VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO Bradesco VAREJISTA RESTRITO - CRESCIMENTO ANUAL Volume de vendas do Comércio Varejista Restrito Fonte: IBGE Elaboração e Projeção: 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 9,2 4,8 6,2 9,7 9,1 5,9 10,9 6,7 8,4 4,3 2,2 1,0 3,5 0,0-2,0-1,6-0,7-4,0-6,0-8,0-3,7-4,3-6,5 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO (*) Projeção

43 VENDAS NO VAREJO AMPLIADO VENDAS NO VAREJO AMPLIADO (INCLUINDO VEÍCULOS E MATERIAL DE CONSTRUÇÃO) ,0 13,6 12,2 11,0 9,9 8,0 6,4 6,8 6,6 8,0 5,0 2,0 3,1 3,6 2,0 4,0-1,0-4,0-1,7-7,0-10,0-8,6-8,5 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

44 VENDAS NO VAREJO EM 2016 Elaboração: Badesco Farmácia, perfumaria e cosméticos Hipermercados e Supermercados Comércio Varejista Restrito Comércio Varejista Ampliado -8,5% Combustíveis -9,0% Outros artigos pessoais e domésticos -10,0% Material de Construção -10,5% Tecidos, Vestuário e Calçados -11,0% Móveis e Eletrodomésticos -12,0% Livros, jornais, revistas e papelaria -13,0% Informática e Comunicações -13,0% Veículos e Motos -14,0% -6,5% -2,5% -1,3% -15,0% -13,0% -11,0% -9,0% -7,0% -5,0% -3,0% -1,0% 1,0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

45 Variação das vendas setoriais no comércio varejista Fonte: IBGE Elaboração: Badesco VENDAS NO VAREJO EM 2017 Móveis e Eletrodomésticos Veículos e Motos Informática e Comunicações 3,0% 3,5% 4,0% Comércio Varejista Ampliado Combustíveis Farmácia, perfumaria e cosméticos Hipermercados e Supermercados Comércio Varejista Restrito Material de Construção Tecidos, Vestuário e Calçados 2,0% 1,8% 1,5% 1,2% 1,0% 0,5% 0,0% Outros artigos pessoais e domésticos -1,0% Livros, jornais, revistas e papelaria -3,0% -4,0% -3,0% -2,0% -1,0% 0,0% 1,0% 2,0% 3,0% 4,0% 5,0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

46 BLACK FRIDAY (VIA E-COMMERCE) BLACK FRIDAY BRASILEIRA MOVIMENTA R$ 1,9 BILHÃO BLACK FRIDAY NORTE-AMERICANA MOVIMENTO US$ 2,7 BILHÕES, O EQUIVALENTE A R$ 10,8 BILHÕES

47 PRINCIPAIS PRODUTOS COMERCIALIZADOS NA BLACK FRIDAY 2015 Celulares 22,3% Eletrodomésticos 22,0% Eletrônicos 20,8% Informática 13,3% Casa e decoração 5,5% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% FONTE: E-BIT

48 SAZONALIDADE DO COMÉRCIO ,00 7,40 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,51 1,43 1,51 1,47 1,64 1,00 0,00 Dia das Mães Dia dos Namorados Dia dos Pais Dia das Crianças Black Friday Natal FONTE: E-BIT

49 SAZONALIDADE DO COMÉRCIO 2015 TIQUETE MÉDIO EM R$ Dia das Mães Dia dos Namorados Dia dos Pais Dia das Crianças Black Friday Natal FONTE: E-BIT

50 EVOLUÇÃO DO FATURAMENTO BLACK FRIDAY EM R$ MILHÕES % +38% % % FONTE: E-BIT

51 EVOLUÇÃO DO TIQUETE MÉDIO BLACK FRIDAY EM R$ MILHÕES FONTE: E-BIT

52 E-COMMERCE

53 FATURAMENTO NOMINAL DO E-COMMERCE EM R$ BILHÕES * FONTE E PROJEÇÃO: E-BIT

54 VARIAÇÃO % DO FATURAMENTO NOMINAL DO E-COMMERCE 80% 76% 70% 60% 57% 50% 48% 40% 39% 43% 43% 40% 30% 20% 30% 29% 26% 20% 24% 28% 15% 10% 00% * FONTE E PROJEÇÃO: E-BIT

55 NÚMERO DE CONSUMIDORES NO E-COMMERCE EM MILHÕES DE PESSOAS 70,0 60,0 61,6 50,0 51,3 42,2 40,0 30,0 32,0 23,0 20,0 10,0 0,0 17,6 13,2 9,5 7,0 4,8 1,1 2,0 2,6 3, FONTE: E-BIT

56 VARIAÇÃO DO NÚMERO DE CONSUMIDORES NO E-COMMERCE 90,0% 80,0% 81,8% 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 30,0% 30,8% 41,2% 45,8% 35,7% 38,9% 33,3% 30,7% 39,1% 31,9% 20,0% 21,6% 20,1% 10,0% 0,0% FONTE: E-BIT

57 PRODUTOS MAIS VENDIDOS NO E-COMMERCE 2014 Moda e Acessórios 17% Cosméticos, Cuidados Pessoais, Saúde 15% Eletrodomésticos 12% Telefonia/Celulares 8% Livros e Revistas 8% Infomática 7% Casa e Decoração 7% Eletrônicos 6% Esporte e Lazer 4% Brinquedos e Games 3% 0% 2% 4% 6% 8% 10% 12% 14% 16% 18% FONTE: E-BIT

58 DEPEC-BRADESCO

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Nosso negócio é fazer negócios! MERCADO BRASILEIRO SHOPPING CENTERS

Nosso negócio é fazer negócios! MERCADO BRASILEIRO SHOPPING CENTERS MERCADO BRASILEIRO SHOPPING CENTERS O comércio responde por 13% do PIB brasileiro O comércio varejista é responsável por 42% do comércio geral Os Shopping Centers representam 19% do comércio varejista

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007 Ceará: Resultados do PIB Trimestral 2003-2007 eloisa@ipece.ce.gov.br rogerio.soares@ipece.ce.gov.br Fortaleza 2009 CEARÁ: COMPOSIÇÃO Ceará: DO Resultados PRODUTO INTERNO do PIB BRUTO Trimestral A PREÇOS

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

Pesquisa mensal de comércio Junho de 2012 IBGE

Pesquisa mensal de comércio Junho de 2012 IBGE Pesquisa mensal de comércio Junho de 212 IBGE PMC Varejo restrito e ampliado Sumário Varejo Restrito - Receita nominal - Volume de vendas (Deflação da receita bruta com o IPCA e SINAPI) Varejo Ampliado

Leia mais

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO 2014-2015: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ABRIL, 2014 Fabiana D Atri Economista Sênior do Departamento de Pesquisas 1 e Estudos Econômicos - DEPEC 17/04/11 17/05/11 17/06/11

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

Alexsandre Lira Cavalcante *

Alexsandre Lira Cavalcante * 1. Volume de vendas do comércio varejista Alexsandre Lira Cavalcante * De acordo com dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), realizada pelo IBGE, o volume de vendas do comércio varejista comum cearense

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

TELEFONIA FIXA E MÓVEL

TELEFONIA FIXA E MÓVEL DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TELEFONIA FIXA E MÓVEL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - JULHO/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - JULHO/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - JULHO/2015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL CONTINUA EM QUEDA A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Janeiro de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Mercado de Cartões Faturamento anual: R$ bilhões

Leia mais

9, R$ , , R$ ,

9, R$ , , R$ , Rondônia 2005 R$ 601.575,17 2005 10.154 2004 1.027.983 2004 108.139 2004 10,52 2006 R$ 609.834,21 2006 10.757 2005 1.025.249 2005 101.539 2005 9,90 2007 R$ 1.229.490,00 2007 9.100 2006 1.047.004 2006 111.068

Leia mais

A Pesquisa Mensal do Comércio, realizada pelo IBGE, apresenta dois blocos de atividades relacionadas ao comércio.

A Pesquisa Mensal do Comércio, realizada pelo IBGE, apresenta dois blocos de atividades relacionadas ao comércio. Comércio Varejista Características A Pesquisa Mensal do Comércio, realizada pelo IBGE, apresenta dois blocos de atividades relacionadas ao comércio. O primeiro bloco é chamado, simplesmente, de Comércio

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

COMENTÁRIOS comércio varejista comércio varejista ampliado

COMENTÁRIOS comércio varejista comércio varejista ampliado COMENTÁRIOS Em junho de 2015, o comércio varejista nacional registrou variação de -0,4% no volume de vendas frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, quinta taxa negativa

Leia mais

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Panorama Econômico do Rio Grande do Sul 2008 Unidade de Estudos Econômicos COMPOSIÇÃO DO PIB PIB DO RIO GRANDE DO SUL 62% 9% 29% Estamos mais sujeitos a refletir crises agrícolas que a média da economia

Leia mais

Indicadores selecionados do RS*

Indicadores selecionados do RS* 67 Indicadores selecionados do RS* Tabela 1 Taxas de crescimento da produção, da área colhida e da produtividade dos principais produtos da lavoura no Rio Grande do Sul /06 PRODUTOS / 2006/ (1) Produção

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

Análise Mensal - PMC

Análise Mensal - PMC Análise Mensal - PMC Julho / 2016 Varejo tem pior julho da série histórica Segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do IBGE, o volume das vendas do Varejo brasileiro voltou a ficar no negativo no mês

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

Resultado Agregado. ASSESSORIA ECONÔMICA DO SISTEMA FECOMÉRCIO-RS - Fone: (51) de Junho de 2015

Resultado Agregado. ASSESSORIA ECONÔMICA DO SISTEMA FECOMÉRCIO-RS - Fone: (51) de Junho de 2015 01 de Junho de 2015 Resultado Agregado Índice de Vendas do Comércio Abril 2015 IVC IVA IVV Real Nominal Real Nominal Real Nominal Mensal -7,2-3,0-7,4-5,0-7,0-0,8 Acumulado no Ano -5,8-0,8-5,3-1,7-6,3 0,1

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 O objetivo do transporte aéreo é fornecer o serviço de transporte de cargas e passageiros.

Leia mais

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%)

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%) 1 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 CRESCIMENTO DO PIB

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO DE 2016 FABIANA D ATRI Departamento

Leia mais

Econômico Contabilidade Nacional

Econômico Contabilidade Nacional Tabela 3.7.1 - Produto Interno Bruto a preço de mercado corrente (milhões de R$), do e Estados da região Norte - 2008-2011 Acre Roraima 3.032.205 3.239.404 3.770.085 4.143.013 154.251 163.207 201.511 230.011

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos).

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos). JAN/2016 Sumário Executivo No mês de janeiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a dezembro (7.211 postos e variação de 0,4%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Alexsandre Lira Cavalcante *

Alexsandre Lira Cavalcante * 1. Volume de vendas do comércio varejista Alexsandre Lira Cavalcante * Segundo dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Comércio

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos).

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos). EMPREGO INDUSTRIAL JULHO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE APRESENTOU DIMINUIÇÃO DO EMPREGO EM JULHO. O número de demissões foi maior que o de admissões resultando em um

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas - ano 2015 Pernambuco 5,20% Ceará 5,44% Maranhão 5,14% Pará 4,89% Paraná 4,43% Rio Grande do Sul 4,37% Santa Catarina 2,54% Rio Grande do Norte 2,48% Espírito Santo 2,14% Amazonas 2,06% Sergipe 1,87% Alagoas

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 20 de março de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social

Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social 2º Semestre/2011 1 Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social Informações Trabalhistas e Previdenciárias de acordo

Leia mais

CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016

CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 V2 1 1. SETOR 2 UNIVERSO DISTRIBUIÇÃO MACRO REGIÕES SHOPPINGS EM OPERAÇÃO - UNIDADES 26 NORTE 80 NORDESTE 50 CENTRO OESTE 292 SUDESTE 520 +3,5% 538 SHOPPINGS

Leia mais

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Fonte: IBGE/Pnad. Elaboração própria. Nota: a PNAD até o ano de 2003 não abrangia a área rural da região Norte (exceto o Tocantins). Nos anos de 1994, 2000

Leia mais

Emprego Industrial Junho de 2015

Emprego Industrial Junho de 2015 Emprego Industrial Junho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de junho de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de maio (-7.922 postos e variação de -0,4%). A indústria

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Emprego Industrial Janeiro de 2015

Emprego Industrial Janeiro de 2015 Emprego Industrial Janeiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de janeiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação a dezembro (14.637 postos e variação de 0,7%). A indústria de transformação

Leia mais

Cenário macroeconômico

Cenário macroeconômico Cenário macroeconômico 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* 2017* TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB DO MUNDO (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) 1980 - Título 2011 FONTE: FMI. ELABORAÇÃO E

Leia mais

Maio/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Maio/2014

Maio/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Maio/2014 Maio/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Maio/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no

Leia mais

Março/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Março/2014

Março/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Março/2014 Março/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Março/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS NOVEMBRO DE 2016

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE JANEIRO DE 2013 PONTA GROSSA Este relatório, referente ao mês de JANEIRO de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

Emprego Industrial Outubro de 2015

Emprego Industrial Outubro de 2015 Emprego Industrial Outubro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de ubro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de setembro (-4.475 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2014

Emprego Industrial Setembro de 2014 Emprego Industrial Setembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2014, o saldo do emprego voltou a crescer em Santa Catarina (7.033 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de agosto).

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2014

Emprego Industrial Dezembro de 2014 Emprego Industrial Dezembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de dezembro de 2014, o saldo de empregos em Santa Catarina recuou em relação ao estoque de novembro (-36.691 postos e variação de -1,8%). A

Leia mais

Emprego Industrial Agosto de 2014

Emprego Industrial Agosto de 2014 Emprego Industrial Agosto de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de agosto de 2014, o saldo de emprego em Santa Catarina voltou a crescer (6.599 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de julho). A indústria

Leia mais

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6.

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6. Produção Brasileira de Abacaxi por Estado 2007 Pará 15.462 701.948 125.596 Paraíba 11.600 625.527 150.054 Minas Gerais 7.593 596.668 127.597 Bahia 6.430 282.634 63.185 São Paulo 3.620 271.380 76.161 Rio

Leia mais

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - JULHO

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - JULHO PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - JULHO 2014 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico Coordenação de Campo: Roberto Guerra SUMÁRIO

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA GEAC MARÇO DE 2016

CONJUNTURA ECONÔMICA GEAC MARÇO DE 2016 CONJUNTURA ECONÔMICA GEAC MARÇO DE 2016 Geovana Pires Diretora da DIEPSAC/FAPESPA Belém, 25 de abril de 2016. Informe Comércio Exterior Mar/2016 Saldo Comercial Mar/2016 - Ranking Nacional - Milhões (US$)

Leia mais

Visão do Varejo Conhecimento do Universo

Visão do Varejo Conhecimento do Universo Marketing, Retail and Distribution Visão do Varejo Conhecimento do Universo Novembro, 2011 Visão do cenário O mercado brasileiro 100% PIB: R$ 3.674 bi (7 ª maioreconomia) 60,6% Consumo das Famílias R$

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A ACRE B1 Repouso Semanal Remunerado 18,06 0,00 18,06 0,00 B2 Feriados 4,77 0,00 4,77 0,00 B3 Auxílio - Enfermidade 0,91 0,69 0,91 0,69 B4 13º Salário 10,97 8,33 10,97 8,33 B7 Dias de Chuvas 1,68 0,00 1,68

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA LB% ATIVIDADE ECONÔMICA Comércio a varejo de automóveis, camionetas e utilitários novos

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA LB% ATIVIDADE ECONÔMICA Comércio a varejo de automóveis, camionetas e utilitários novos GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA ANEXO ÚNICO À PORTARIA SEFAZ N o 1799, de 30 de dezembro de 2002. (Redação dada pela Portaria nº 011 de 11.01.07). CÓDIGO CÓDIGO 1.0 2.0 LB% ATIVIDADE

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

Expectativa de Vendas 2 Sem/2016

Expectativa de Vendas 2 Sem/2016 Observar e entender como foram as vendas no início do ano são fundamentais para auxiliar no planejamento para o 2 semestre, que terá três datas comemorativas importantes, o Dia dos Pais, o Dia das Crianças

Leia mais

Expectativa de Vendas 1 Sem/2016

Expectativa de Vendas 1 Sem/2016 Observar e entender como foram às vendas no segundo semestre do ano são fundamentais para auxiliar no planejamento o próximo semestre, que contempla uma das mais importantes datas comemorativas para o

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA JUNHO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA JUNHO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA JUNHO DE 2016 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS 2011 Vendas Internas US$ 25.733 milhões US$ 1.453 milhões 5,6% exportação 13,5% Argentina

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL AGOSTO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL AGOSTO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL AGOSTO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

ANEXO VI SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA EM OPERAÇÕES OU PRESTAÇÕES INTERESTADUAIS - ESTADOS SIGNATÁRIOS DE ACORDOS TABELA I CIMENTO DE QUALQUER ESPÉCIE

ANEXO VI SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA EM OPERAÇÕES OU PRESTAÇÕES INTERESTADUAIS - ESTADOS SIGNATÁRIOS DE ACORDOS TABELA I CIMENTO DE QUALQUER ESPÉCIE ANEXO VI SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA EM OPERAÇÕES OU PRESTAÇÕES INTERESTADUAIS - ESTADOS SIGNATÁRIOS DE ACORDOS TABELA I CIMENTO DE QUALQUER ESPÉCIE PROTOCOLO ICM 11/85 Adesão Rondônia - Protocolo ICM 11/87,

Leia mais

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio Tiragem Limitada República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Ministério da Educação e do Desporto - MEC Paulo Renato Souza Secretaria

Leia mais

Geração de Empregos Celetistas no Ceará - 1º Semestre de 2014

Geração de Empregos Celetistas no Ceará - 1º Semestre de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA PESQUISA FOCUS RELATÓRIO DE MERCADO

ACOMPANHAMENTO DA PESQUISA FOCUS RELATÓRIO DE MERCADO Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ACOMPANHAMENTO DA PESQUISA FOCUS RELATÓRIO DE MERCADO 16 de dezembro de 2016 Equipe Técnica Fernando Honorato Barbosa Economista Chefe Economistas: Ana Maria

Leia mais

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 1 Rio de Janeiro, 22/11/2016 Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção

Leia mais

Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 CIDE - - PIS/COFINS 2,18 2,18 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57

Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 CIDE - - PIS/COFINS 2,18 2,18 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57 jan/16 fev/16 Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57 6,57 Margem Bruta de Distribuição 15,73 16,14 Preço de Distribuição 37,57

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

PIB PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DE RONDÔNIA 2014

PIB PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DE RONDÔNIA 2014 PIB PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DE RONDÔNIA 2014 A Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão SEPOG/RO, através da Gerência do Observatório em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER ABRIL DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER ABRIL DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER ABRIL DE 2016 1 PRODUTOS 2 O COMÉRCIO RESPONDE POR 13% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO GERAL

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JANEIRO DE 214 BRASIL O saldo líquido de empregos formais no primeiro mês de 214 foi de 29.595 empregos em todo o país, segundo o Cadastro Geral

Leia mais

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA AGOSTO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA AGOSTO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA AGOSTO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

Projeto desenvolvido por:

Projeto desenvolvido por: Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. 1 DESAFIOS E INCERTEZAS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO E GLOBAL 2 2 Fabiana

Leia mais

Participação dos Pequenos Negócios no Emprego

Participação dos Pequenos Negócios no Emprego Participação dos Pequenos Negócios no Emprego CAGED fevereiro/2013 2013. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 FLUXO - OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2011

Contas Regionais do Brasil 2011 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2011 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 22/11/2013 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014)

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) 8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) Elaboração: Contraf-CUT, CNTV e Federação dos Vigilantes do Paraná Fonte: Notícias da imprensa, SSP e sindicatos Apoio: Sindicato dos Vigilantes de Curitiba

Leia mais

BNB Conjuntura Econômica Nº40

BNB Conjuntura Econômica Nº40 BNB Conjuntura Econômica Nº40 Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE 4. Mercado de Trabalho O cenário atual da economia brasileira, que experimentou queda sucessiva do PIB nos dois

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA ECONÔMICA FLUMINENSE. Mês de referência: Abril de 2011

BOLETIM DE CONJUNTURA ECONÔMICA FLUMINENSE. Mês de referência: Abril de 2011 Ano III - número 04 BOLETIM DE CONJUNTURA ECONÔMICA FLUMINENSE Mês de referência: Abril de 2011 Tel.: 2334 7320. Junho de 2011 Apresentação Este Boletim de Conjuntura Econômica Fluminense, elaborado pelo

Leia mais

ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS

ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS MONTANTE DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS (em R$ milhões) Receita Estadual () BNDES Estatais Agências Financeiras União Royalties e Participações

Leia mais

FECHAMENTO DE ESTABELECIMENTOS DO VAREJO DE ALIMENTOS SE ACENTUA EM 2016

FECHAMENTO DE ESTABELECIMENTOS DO VAREJO DE ALIMENTOS SE ACENTUA EM 2016 FECHAMENTO DE ESTABELECIMENTOS DO VAREJO DE ALIMENTOS SE ACENTUA EM 2016 Redução no número de lojas no maior empregador do varejo ganhou força com a crise. De janeiro a abril, foram fechados 14,3 mil estabelecimentos

Leia mais

Pressão sobre os salários continua em queda, apesar da taxa de desemprego estável

Pressão sobre os salários continua em queda, apesar da taxa de desemprego estável Pressão sobre os salários continua em queda, apesar da taxa de desemprego estável Estimativa da Fipe e da Catho para a taxa de desemprego do décimo mês do ano é de 5,0%, 0,1 ponto percentual maior do que

Leia mais

LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2016

LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2016

CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista Ampliado

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista Ampliado COMENTÁRIOS Em fevereiro de 2015, o Comércio Varejista do País registrou variação de -0,1%, para o volume de vendas e de 0,7% para a receita nominal, ambas as variações com relação ao mês anterior, ajustadas

Leia mais

INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016

INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

AUTOPEÇAS NOVEMBRO DE 2016

AUTOPEÇAS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AUTOPEÇAS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais