AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas"

Transcrição

1 QUAL O SIGNIFICADO DO TERMO UNIFILAR? AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas UNIFILAR SIGNIFICA DIZER QUE, EMBORA O SISTEMA ELÉTRICO POSSA INCORPORAR CIRCUITOS A DOIS OU MAIS CONDUTORES, O DIAGRAMA DEVE REPRESENTÁ-LO SEMPRE EM APENAS UMA LINHA. EXEMPLO A QUE FINALIDADES SE PRESTAM O NA ENGENHARIA ELÉTRICA? DIAGRAMA TRIFILAR

2 REPRESENTAR, DE FORMA ESQUEMÁTICA, TODAS AS CONEXÕES (LINHAS, BARRAMENTOS, CABOS ETC...) REPRESENTAR, COM FIDELIDADE, TODAS FUNÇÕES OPERACIONAIS DO SISTEMA ELÉTRICO (MANOBRAS, INTERLIGAÇÕES, INTERTRAVAMENTOS ETC...) REPRESENTAR TODOS OS EQUIPAMENTOS PRINCIPAIS DO CIRCUITO, DISPOSITIVOS DE MEDIÇÃO, PROTEÇÃO, COMANDO E ALARME. INDICAR AS LINHAS DE ATUAÇÃO DOS DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO, COMANDO E ALARME. APRESENTAR OS PARÂMETROS ELÉTRICOS BÁSICOS DOS DISPOSITIVOS (RELAÇÃO DE TRANSFORMAÇÃO, EXATIDÃO, CORRENTE NOMINAL, CAPACIDADE DE RUPTURA DOS DISJUNTORES, ETC...) INDICAR AS BITOLAS E CLASSES DE TENSÃO NOMINAL DOS CONDUTORES ELÉTRICOS DOS CIRCUITOS PRINCIPAIS. INDICAR, EM FORMA DE NOTAS, TODAS AS PARTICULARIDADES QUE MELHOR IDENTIFIQUEM O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. LINHAS GRÁFICAS INSERIDAS EM UM Circuitos Principais de Força e Barramentos Secundário de Transformadores para Instrumentos (TP s e TC s) PRINCIPAIS ETAPAS NA ELABORAÇÃO DO Linhas de Atuação da Proteção, comando ou Alarme

3 NA ELABORAÇÃO DE UM DIAGRAMA UNIFILAR, PODEMOS CONSIDERAR AS SEGUINTES ETAPAS: a) DEFINIR A SIMBOLOGIA A SER UTILIZADA NA REPRESENTAÇÃO DOS COMPONENTES, O QUE DEVE SEGUIR UMA DETERMINADA NORMA. EXEMPLOS: b) DEFINIR A FILOSOFIA BÁSICA DE OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO QUE SE QUER REPRESENTAR. EXEMPLO 1: QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇOS AUXILIARES Vca, COM UM CIRCUITO GERAL DE ENTRADA E 5 CIRCUITOS DE SAÍDA. EXEMPLO 2: QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO DE FORÇA ALIMENTANDO TRÊS CCM`s.

4 Obs.: O exemplo 3 a seguir tem por finalidade apenas a interpretação do diagrama unifilar, não se presumindo, portanto, qualquer exatidão operacional e dimensional do circuito apresentado EXEMPLO 3: bay DE TRANSFORMAÇÃO EM UMA SUBESTAÇÃO, REPRESENTANDO O CIRCUITO PRIMÁRIO, O TRANSFORMADOR ABAIXADOR E O CIRCUITO DE SAÍDA NO SECUNDÁRIO. INCLUSÃO DOS CIRCUITOS DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E ALARME, ONDE NECESSÁRIO, INDICANDO O QUANTITATIVO DE CADA UM DELES, QUANDO FOR DIFERENTE DE UMA UNIDADE. INCLUSÃO DAS LINHAS DE ATUAÇÃO DA PROTEÇÃO, BEM COMO DAQUELAS RELATIVAS À SINALIZAÇÃO DE ALARME. REGISTRO DOS PRINCIPAIS DADOS TÉCNICOS NOMINAIS DOS COMPONENTES.

5 CONCLUÍDO! OUTRAS FORMAS DE SE ELABORAR UM NA DISTRIBUIÇÃO DE FORÇA, É COMUM APRESENTAR PARTE DO EM FORMA DE SAÍDAS TÍPICAS. EXEMPLO: NOS PAINÉIS DE SERVIÇOS AUXILIRES Vca, É COMUM APRESENTAR PARTE DO DIAGRAMA EM FORMA DE LISTA DE CARGAS. P. EX.:

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS UM DEVE ESPELHAR SEMPRE A SITUAÇÃO ATUALIZADA DO SISTEMA ELÉTRICO QUE ELE REPRESENTA. DESTA FORMA, TODAS AMPLIAÇÕES, REVISÕES ETC... QUE OCORREREM NO SISTEMA ELÉTRICO DEVERÃO SER INCORPORADAS DE IMEDIATO AO RESPECTIVO (AS BUILT).

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Indicações para os traçados e a utilização de diagramas Para se saber como os elementos são interligados e também para um perfeito entendimento dos comandos elétricos é necessária a correta interpretação

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE Junho/2016 1 Objetivo Este documento tem por objetivo estabelecer os procedimentos técnicos relativos à adequação

Leia mais

SANTA MARIA Empresa Luz e Força Santa Maria S.A. PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF)

SANTA MARIA Empresa Luz e Força Santa Maria S.A. PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF) PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF) JUNHO/2016 SUMÁRIO 1- OBJETIVO 2- REFERÊNCIAS 3- PROCESSO DE MIGRAÇÃO 4- RESPONSABILIDADES DO CONSUMIDOR 5- RESPONSABILIDADES DA

Leia mais

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Outros tópicos transformadores Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Placa de identificação Transformadores para Instrumentos São dispositivos utilizados de modo a tornar compatível

Leia mais

Transdutor Digital MKM-01

Transdutor Digital MKM-01 [1] Introdução O Transdutor é um instrumento digital microprocessado, para instalação em fundo de painel, que permite a medição de até 33 parâmetros elétricos em sistema de corrente alternada (CA). Para

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO A : Engenheiros

Leia mais

ATENGE. Mais confiabilidade para o seu Sistema Elétrico. Serviços em Cabines Elétricas e Subestações de Alta, Média e Baixa Tensão ATENGE

ATENGE. Mais confiabilidade para o seu Sistema Elétrico. Serviços em Cabines Elétricas e Subestações de Alta, Média e Baixa Tensão ATENGE www.atenge.com Serviços em Cabines Elétricas e Subestações de Alta, Média e Baixa Tensão ATENGE Serviço Especializado de Manutenção Elétrica SOROCABA SÃO PAULO - BRASIL ATENGE Mais confiabilidade para

Leia mais

Aula 9 Desenho de instalações elétricas: simbologias e convenções

Aula 9 Desenho de instalações elétricas: simbologias e convenções Aula 9 Desenho de instalações elétricas: simbologias e convenções 1. INTRODUÇÃO Quando vamos executar uma instalação elétrica qualquer, necessitamos de vários dados como: localização dos elementos, percursos

Leia mais

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é modificar os níveis

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 52

COMUNICADO TÉCNICO Nº 52 Página 1 de 8 COMUNICADO TÉCNICO Nº 52 INSTALAÇÃO DE TRANSFORMADOR EM SEE SIMPLIFICADA QUE UTILIZA CONJUNTO BLINDADO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição ELABORADO

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Eletrotécnica

Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Eletrotécnica Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Eletrotécnica 2010.2 01 Prática 01 Introdução ao uso do Laboratório Objetivo - Conhecer as bancadas,

Leia mais

Aula 2 por fase e Sistema pu

Aula 2 por fase e Sistema pu Proteção de istemas Elétricos (PE) Proteção de istemas Elétricos Aula Análise por fase e istema pu Proteção de istemas Elétricos (PE) Análise por fase e diagrama unifilar No estudo do RP do EE, utiliza-se

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE SEGURANÇA : SERVIÇOS COM ELETRICIDADE

LAUDO TÉCNICO DE SEGURANÇA : SERVIÇOS COM ELETRICIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA ELÉTRICA (SISTEMAS ELETRÔNICOS EMBARCADOS) LAUDO TÉCNICO DE SEGURANÇA : SERVIÇOS COM ELETRICIDADE ADRIANO LEAL CARLOS

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 4: Transformadores de potência Exercícios 4.1 Um transformador monofásico de dois enrolamentos apresenta os seguintes valores nominais: 20 kva, 480/120 V,

Leia mais

Gerência de Planejamento do Sistema e Atendimento Técnico

Gerência de Planejamento do Sistema e Atendimento Técnico Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.009 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de

Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de proteção que alimentam os circuitos terminais, pode-se dizer

Leia mais

2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede

2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede 2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede 1 De modo geral para a especificação de materiais e equipamentos, é necessário conhecer: Tensão nominal; Corrente Nominal; Frequência nominal; Potência

Leia mais

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 Página 1 de 12 NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE INSTALAÇÃO DE GRUPOS GERADORES PARTICULARES Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Planejamento do Sistema Gerência da

Leia mais

MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO

MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO Chave de transferência automatizada - série MQ5 Um Tipo e significado MQ5 o tipo de controle (I; 0; II) o número de

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

Indicador Analógico EW96 / EW144 EV96 / EV144

Indicador Analógico EW96 / EW144 EV96 / EV144 [1] Introdução Os indicadores analógicos de potência modelo EW (potência ativa - watts) ou EV (potência reativa vars) tem por finalidade a medição da potência de um determinado circuito com forma de onda

Leia mais

lectra Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional

lectra Material Didático  INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional lectra Centro de Formação Profissional Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS WWW.ESCOLAELECTRA.COM.BR ÍNDICE 1 Introdução - 5 Definição de eletricidade. Causas e efeitos da eletricidade. Geração, transmissão

Leia mais

Projetos Elétricos Especiais

Projetos Elétricos Especiais Projetos Elétricos Especiais Prof. Laís Hauck de Oliveira Disciplina de Projetos Elétricos Especiais - PEE Departamento de Engenharia Elétrica - DEE Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Universidade do

Leia mais

Motores Automação Energia Tintas. Automação Conjunto de Manobra e Controle de Média Tensão

Motores Automação Energia Tintas. Automação Conjunto de Manobra e Controle de Média Tensão Motores Automação Energia Tintas Automação Conjunto de Manobra e Controle de Média Tensão Os CMC s (Conjuntos de Manobra e Controle em M.T.) da WEG, são montados e testados em fábrica para tensões de 2,3

Leia mais

EEL 305 MÁQUINAS ELÉTRICAS (Parte 3: Desenhos Elétricos)

EEL 305 MÁQUINAS ELÉTRICAS (Parte 3: Desenhos Elétricos) ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EEL 305 MÁQUINAS ELÉTRICAS (Parte 3: Desenhos Elétricos) Antonio Tadeu Lyrio de Almeida - 2010 - ÍNDICE CAPÍTULO 1: SIMBOLOGIA PARA DESENHOS DE SISTEMAS ELÉTRICOS 1 CAPÍTULO

Leia mais

Transdutores de Potência Ativa Monofásicos ou Trifásicos com Carga Equilibrada

Transdutores de Potência Ativa Monofásicos ou Trifásicos com Carga Equilibrada 1/5 Os Transdutores Monofásicos de Potência Ativa da Secon se caracterizam por realizarem, com isolamento galvânico, medidas de potência ativa (1 elementos, 2 fios) em sistemas F-N (fase-neutro), F-F (fase-fase;

Leia mais

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL Código e Designação da Qualificação 522309 - Técnico/a de Redes Elétricas Nível de qualificação do QNQ: 4 Nível de qualificação do QEQ: 4 Unidades de Competencia (UC) Designação

Leia mais

/sonarengenharia

/sonarengenharia A Sonar Engenharia, empresa atuante nos setores de ELÉTRICA e GÁS, possui em seu quadro profissionais graduados em Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Eletrotécnica e Engenharia de Segurança no Trabalho.

Leia mais

Electrónica Fundamental 11º ano

Electrónica Fundamental 11º ano Planificação Anual 2016/2017 Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Electrónica Fundamental 11º ano 1 MÓDULO 5: Transístores Bipolares em Regime Estático 21 aulas de 45 =

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1 CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1 Fernando Moreno Suarte Júnior Engenheiro Civil, Arquiteto e Urbanista Pós Graduação - MBA em Gestão Eficaz de Obras e Projetos Palmas

Leia mais

Linha Geral de instrumentos

Linha Geral de instrumentos Linha Geral de instrumentos digitais e analógicos Instrumentos digitais e analógicos Transformadores Transdutores analógicos Shunts MEDIDORES Instrumentos ANAlógicos Sistema Ferro Móvel para medição de

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS PARA IDENTIFICAÇÃO E SIMBOLOGIA OPERACIONAL DE UNIDADES E EQUIPAMENTOS DO SISTEMA ELÉTRICO DA CEB-D 1ª EDIÇÃO JANEIRO - 2014 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE

COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE 1 COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE 2 1. OBJETIVO Comunicar os procedimentos que devem ser adotados para homologação de conjuntos blindados

Leia mais

Postos de transformação

Postos de transformação Postos de transformação PFU e PF Edifícios tipo Cabina para Postos de Transformação Até 36 kv PFU EDIFÍCIO MONOBLOCO TIPO CABINA PARA POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTAÇÃO O edifício PFU de fabrico Ormazabal

Leia mais

GE Industrial Solutions. Disjuntores Industriais Norma NEMA. Disjuntores (10 a 1200A)

GE Industrial Solutions. Disjuntores Industriais Norma NEMA. Disjuntores (10 a 1200A) GE Industrial Solutions Disjuntores Industriais Norma NEMA Disjuntores ( a 1200A) 2 TED, THED Corrente Nominal (A) Tensão Máxima (Vca) Capacidade de Interrupção Simétrica (ka) Dimensões (mm) Peso (Kg)

Leia mais

Curto-Circuito. cap. 5

Curto-Circuito. cap. 5 Curto-Circuito cap. 5 1 Curto-Circuito Fundamental no dimensionamento da proteção; Baseada no conhecimento do valor das impedâncias; Provocadas por perdas na isolação; Atinge valores de 10 a 100 vezes

Leia mais

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF BRAZIL WINDPOWER O&M 2015 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015 Dalmir Capetta Agenda Quadro Institucional Sistema de Medição para Faturamento

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 57

COMUNICADO TÉCNICO Nº 57 Página 1 de 14 COMUNICADO TÉCNICO Nº 57 ALTERAÇÃO DO PADRÃO DE CONJUNTOS BLINDADOS PARA LIGAÇÃO DE CLIENTES ATENDIDOS EM MT Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição ELABORADO

Leia mais

Capítulo 2 - Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais 2.1. Simbologia Padronizada

Capítulo 2 - Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais 2.1. Simbologia Padronizada Capítulo 1 - Conceitos Básicos de Eletricidade para Aplicação em Instalações Elétricas 1.1. Tipos e Formas de Distribuição de Energia 1.1.1. Energia 1.2. Geração de Energia Elétrica 1.2.1. Barragem 1.2.2.

Leia mais

Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6. Power Quality

Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6. Power Quality Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6 Power Quality Introdução As chaves de abertura sob carga isoladas em SF6, modelo JK-Arteche foram projetadas para atender as crescente exigências do

Leia mais

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00)

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) 2 Objetivo O painel para análise de circuitos resistivos CC tem por objetivo auxiliar os estudantes do Ensino Médio e do Ensino Superior que

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA

AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA 1 Introdução/recordação Sistemas de Potência Os sistemas de potência são divididos em três zonas funcionais para fins de planejamento, operação e análise: geração,

Leia mais

ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA

ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA INSTRUÇÕES DE MONTAGEM ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA CHAVE SECCIONADORA LLSB 3 00/185-160 A PÁG. 1 / 6 Edição: OUT 09 As chaves seccionadoras porta fusível verticais LLSB 160A com abertura

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO INDICADOR DE FALHAS COM SINALIZADOR EXTERNO MODELO IDBR-02

MANUAL DO USUÁRIO INDICADOR DE FALHAS COM SINALIZADOR EXTERNO MODELO IDBR-02 MANUAL DO USUÁRIO INDICADOR DE FALHAS COM SINALIZADOR EXTERNO MODELO IDBR-02 JANEIRO DE 2016 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 3 3. DEFINIÇÃO... 3 4. ESTRUTURA DO PRODUTO... 3 5. INTERLIGAÇÃO

Leia mais

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente.

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. 4.4. Chave de Partida Série-Paralelo As chaves de partida série-paralelo são utilizadas

Leia mais

Disjuntores Industriais em Caixa Moldada

Disjuntores Industriais em Caixa Moldada Disjuntores Industriais em Caixa Moldada LINHA DS Os Disjuntores em Caixa Moldada tem a função de proteger circuitos elétricos, geralmente em instalações industriais. A faixa de correntes nominais disponíveis

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m Proprietário: Secretaria de Estado de Goiás Autora: LUCIANA DUTRA MARTINS - Engenheira Eletricista - CREA_8646/D Sumário:

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.021 PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

aracterísticas Comuns

aracterísticas Comuns Aspectos con nstrutivos e características DOS TRANSFORMADORES UTILIZADOS EM SUBESTAÇÕES DE ENERGIA aracterísticas Comuns Isolar eletricamente dois circuitos; Ajustar a tensão de saída de um estágio do

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

Para isolação e conversão de tensões e correntes alternadas senoidais em sinais padronizados.

Para isolação e conversão de tensões e correntes alternadas senoidais em sinais padronizados. Transmissores CA/CC Para isolação e conversão de tensões e correntes alternadas senoidais em sinais padronizados. As Vantagens A classe de precisão é de 0,5 não há necessidade de reajustar as faixas comutáveis.

Leia mais

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 031

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 031 1/ 12 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Diretoria de Negócios Vicente D arco Gestão de Contratos

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Prof. Marcos Fergütz fev/2014 - O Surto - Geração da Sobretensão(Surto): Descarga Atmosférica (raio) Direta; Indução por descarga

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO A norma brasileira para instalações elétricas de baixa tensão é a NBR 5410 Fixa as condições que as instalações de baixa tensão devem atender; Primeira edição de 1941;

Leia mais

CATALOGO TÉCNICO DE PAINÉIS ELÉTRICOS

CATALOGO TÉCNICO DE PAINÉIS ELÉTRICOS CATALOGO TÉCNICO DE PAINÉIS ELÉTRICOS Painéis Elétricos: São conjuntos construídos de acordo com um projeto elétrico e mecânico padrões, onde a performance do mesmo é assegurada por ensaios de tipo realizados

Leia mais

CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETO PARA OS SISTEMAS DE SERVIÇOS AUXILIARES EM CORRENTE ALTERNADA E CORRENTE CONTÍNUA

CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETO PARA OS SISTEMAS DE SERVIÇOS AUXILIARES EM CORRENTE ALTERNADA E CORRENTE CONTÍNUA Nº Data Natureza da Revisão Elaborado Verificado Aprovado MARTE Aprovado CLIENTE LEILÃO ANEEL 007/2012 LOTE A SUBESTAÇÕES PROJETO BÁSICO ELAB. VERIF. APROV. RESP. TÉCNICO CREA/RJ DATA TÍTULO ZT LAX ZT

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ENCARGOS DE SERVIÇOS CONTRATADOS EM SUBESTAÇÕES E TABELA DE MÃO DE OBRA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ENCARGOS DE SERVIÇOS CONTRATADOS EM SUBESTAÇÕES E TABELA DE MÃO DE OBRA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ENCARGOS DE SERVIÇOS CONTRATADOS EM SUBESTAÇÕES E TABELA DE MÃO DE OBRA Código NTD-00.086 Data da emissão 30.11.2011 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

A Figura VIII.7 representa, esquematicamente, o transformador de potencial. Figura VIII.7 - Transformador de Potencial

A Figura VIII.7 representa, esquematicamente, o transformador de potencial. Figura VIII.7 - Transformador de Potencial VIII.3 - TRANFORMADOR DE OTENCIAL (T) VIII.3.1 - GENERALIDADE A Figura VIII.7 representa, esquematicamente, o transformador de potencial. - ITEMA + ITEMA I + - RT + - I Z Figura VIII.7 - Transformador

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN GERAÇÃO INCENTIVADA 01 MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE)

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN GERAÇÃO INCENTIVADA 01 MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE) SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.025 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO... 3

Leia mais

Notas de Aplicação. Recomendações Técnicas para instalação de CLP s. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Recomendações Técnicas para instalação de CLP s. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Recomendações Técnicas para instalação de CLP s HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.0021 Versão 1.01 novembro-2013 HI Tecnologia Recomendações Técnicas para instalação de CLP

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27 Fundamentos Prof. Dr. Gustavo Della Colletta Universidade federal de Itajubá-UNIFEI 1 / 27 Agenda 1 Introdução Definições 2 Legislação NBR 5410 Normas específicas 3 Componentes das instalações Componente

Leia mais

CARTILHA DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO

CARTILHA DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO CARTILHA DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 - Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3444-9400 Fax (+21) 3444-9444 2015/ONS

Leia mais

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação.

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. O que é Avaliação? Conceito de Avaliação AVALIAR É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. Quebra de paradigmas Tipos

Leia mais

MANUAL DE SERVIÇO. Condicionadores de Ar Split High-Wall. Modelos LX-HX

MANUAL DE SERVIÇO. Condicionadores de Ar Split High-Wall. Modelos LX-HX Condicionadores de Ar Split High-Wall Modelos LX-HX Prezado Assistente Técnico, Este documento foi desenvolvido com o objetivo de proporcionar a você, o maior número de informações possíveis, buscando

Leia mais

Experiência 02 Ensaio do Disjuntor de Baixa Tensão

Experiência 02 Ensaio do Disjuntor de Baixa Tensão Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 02 Ensaio do Disjuntor de Baixa Tensão

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

RETROFIT RECEBIMENTO E ENTREGA DE PRODUTOS CONTROLE DE REVISÃO

RETROFIT RECEBIMENTO E ENTREGA DE PRODUTOS CONTROLE DE REVISÃO Elaborado por José Carlos de Andrade Visto Aprovado por José Francisco Campos Moreira Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 09/04/2005 - Emissão inicial 1 21/09/2005 2 24/06/2006

Leia mais

Principais características DADOS TÉCNICOS Características elétricos Características mecânicas

Principais características DADOS TÉCNICOS Características elétricos Características mecânicas Botões de Comando e Sinalização Ø 22mm HB2-E (Plastico) A linha de Botões de comando e Sinalizações HB2-E com seu design moderno, alta confiabilidade e baixo custo, com grandes variedades de configurações,

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores MT 36 kv Características Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1987 Emissão: EDP

Leia mais

Introdução 5. Diodo emissor de luz 6. Princípio de funcionamento 7

Introdução 5. Diodo emissor de luz 6. Princípio de funcionamento 7 Sumário Introdução 5 Diodo emissor de luz 6 Princípio de funcionamento 7 Parâmetros característicos do LED 8 Corrente direta nominal 8 Corrente direta máxima 9 Tensão direta nominal 9 Tensão inversa máxima

Leia mais

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 CT-63 NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 Norma Técnica da AES Eletropaulo Diretoria de Planejamento, Engenharia

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS CÓD. 09

PROVA DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS CÓD. 09 8 PROVA DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS CÓD. 09 QUESTÃO 21: Você vai fazer uma medida de tensão continua de 250V no painel de máquina, usando um multímetro. Qual é a escala correta a ser selecionada? a) 200

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores MT 17,5 kv Características Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1987 Emissão: EDP

Leia mais

FONTE ESTABILIZADA SIMÉTRICA 5,12 E -12V

FONTE ESTABILIZADA SIMÉTRICA 5,12 E -12V CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLOGICA DE SANTA CATARINA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ELETRÔNICA BÁSICA FONTE ESTABILIZADA SIMÉTRICA 5,12 E -12V Equipe: João Heracto de Matos Valdo Rickes Paixão INDICE

Leia mais

Módulo 16 SD Relé NA Contato Seco

Módulo 16 SD Relé NA Contato Seco Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, possui 16 pontos de saída digital com contatos secos. Ideal para acionamento de cargas em corrente contínua ou alternada e para inserção no intertravamento

Leia mais

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos Prof.: Hélio Henrique PARTIDA DIRETA O motor

Leia mais

CPM800S. Manual do Usuário

CPM800S. Manual do Usuário CPM800S Manual do Usuário R Descrição Geral O CPM800S é um contador e totalizador microprocessado especialmente desenvolvido para máquinas de corte e solda. Possui algumas funções especiais como trabalho,

Leia mais

Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 -

Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para

Leia mais

Medidor TKE-120. [1] Introdução. [2] Princípio de funcionamento. [5] Precisão. [6] Características Elétricas. [3] Aplicações. [4] Grandeza medida

Medidor TKE-120. [1] Introdução. [2] Princípio de funcionamento. [5] Precisão. [6] Características Elétricas. [3] Aplicações. [4] Grandeza medida [1] Introdução O Medidor TKE-120 é um instrumento para instalação em fundo de painel, que permite a medição do consumo de energia ativa (Wh) ou reativa (VArh) em sistemas de corrente alternada (CA). Possui

Leia mais

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 02 - PARTIDA DIRETA E REVERSORA 1 REVISÃO BIBLIOGRAFICA

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 02 - PARTIDA DIRETA E REVERSORA 1 REVISÃO BIBLIOGRAFICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Campus Araranguá Curso: Eletromecânica Disciplina: Instalações Elétricas Local: Laboratório de Eletrotécnica Professor: Giovani Batista

Leia mais

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA FINALIDADE Este memorial refere-se ao projeto(de acordo com a NT-002/2011 R03 da COELCE) de implantação de uma subestação aérea de 225kVA, atendendo à BM Pré-Moldados LTDA. Localidade:, Rodovia BR 222,

Leia mais

GE Energy Management Industrial Solutions. Dilos/Fulos/Fulos Plus. Chaves Seccionadoras sob Carga Chaves Seccionadoras sob Carga com Base Fusível

GE Energy Management Industrial Solutions. Dilos/Fulos/Fulos Plus. Chaves Seccionadoras sob Carga Chaves Seccionadoras sob Carga com Base Fusível GE Energy Management Industrial Solutions Dilos/Fulos/Fulos Plus Chaves Seccionadoras sob Carga Chaves Seccionadoras sob Carga com Base Fusível 2 Dilos/Fulos Chaves rotativas sob carga Dilos, Fulos e Fulos

Leia mais

ANEXO XII - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO XII - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO XII - TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVO: ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ILUMINAÇÃO E ELÉTRICO PARA IMÓVEIS, MONUMENTOS E CONJUNTOS TOMBADOS LOCALIZADOS EM PORTO ALEGRE GRUPO 2. Grupo 2 - Mercado Público, Ponte

Leia mais

OHMÍMETRO DIGITAL. 1 O Projeto. 1.1 Sensor. 1.2 Conversor A/D

OHMÍMETRO DIGITAL. 1 O Projeto. 1.1 Sensor. 1.2 Conversor A/D Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Fontes Cavalcanti Aluno: Raphael Dantas Ciríaco OHMÍMETRO DIGITAL

Leia mais

ACW Disjuntor em Caixa Moldada ACW. Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas

ACW Disjuntor em Caixa Moldada ACW. Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas ACW Disjuntor em Caixa Moldada ACW Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Disjuntor em Caixa Moldada ACW Com design moderno, compacto e disponíveis em 4 frames e correntes

Leia mais

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Solução Integrada para Instalações em Alvenaria O kit de entrada em média tensão VBWK

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Multimedidor de Energia MTE-92

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Multimedidor de Energia MTE-92 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 3 1.1 Aplicação 2.0 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 2.1 Mecânicas 2.2 Elétricas 2.3 Grandezas Elétricas medidas e/ou calculadas 3.0 FUNCIONAMENTO 3.1 Painel

Leia mais

CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12

CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12 CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12 1. Funções e Características - Interface totalmente em português. - Possui um eficaz sistema de medição de fator de potência da onda fundamental, o que

Leia mais

Diego Amaral, 16 de Outubro de 2015 PPHV Para raios Workshop

Diego Amaral, 16 de Outubro de 2015 PPHV Para raios Workshop Diego Amaral, 16 de Outubro de 2015 PPHV Para raios Workshop Conteúdo Treinamento Para raios de Alta Tensão. Overview - O que é? - Para que serve?. Portfólio ABB - Para raios de baixa tensão - Para raios

Leia mais

Dispositivos de proteção

Dispositivos de proteção Dispositivos de proteção Conceitos básicos e aplicações Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica da USP 14 de março de 2013 EPUSP Giovanni Manassero

Leia mais

6661 CIRCUITOS MAGNÉTICOS ENSAIOS. Rubens Zenko Sakiyama Departamento de Engenharia Química Universidade Estadual de Maringá

6661 CIRCUITOS MAGNÉTICOS ENSAIOS. Rubens Zenko Sakiyama Departamento de Engenharia Química Universidade Estadual de Maringá 6661 CIRCUITOS MAGNÉTICOS ENSAIOS Rubens enko Sakiyama rubens@deq.uem.br Departamento de Engenharia Química Universidade Estadual de Maringá INTRODUÇÃO Dois ensaios são utilizados para determinar os parâmetros

Leia mais

UnB/FGA Eletricidade Aplicada

UnB/FGA Eletricidade Aplicada UnB/FGA 201634 Eletricidade Aplicada Laboratório # 1 Bancada Principal / Análise de circuitos elétricos 1 1º semestre de 2015 Objetivos Explicação sobre a bancada didática. Medidas elétricas: voltímetro

Leia mais

Inversor Trifásico 1CV e 2CV

Inversor Trifásico 1CV e 2CV Inversor Trifásico 1CV e 2CV Página 1 de 10 Esta linha de inversores de frequência da Neotec tende a unir a versatilidade do seu firmware com o desempenho a um baixo custo. Com isso pode ser inserido em

Leia mais

UFCD N.º 6028 Tecnologia dos Componentes Eletrónicos (25 horas de referência 30 AULAS) ESTRATÉGIAS/ ATIVIDADES. 1. Exposição oral.

UFCD N.º 6028 Tecnologia dos Componentes Eletrónicos (25 horas de referência 30 AULAS) ESTRATÉGIAS/ ATIVIDADES. 1. Exposição oral. Curso Profissional de Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Nº Projeto: POCH-0-557-FSE-005 Nº Curso: Escola Secundária Dr. Bernardino Machado PLANIFICAÇÃO ANUAL DE Tecnologias Aplicadas Ano: º Turma:

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12 SINAIS DE ATENÇÃO! Atenção! Alta Voltagem 230/240V Atenção! Superfície quente! Vapor quente ou líquido. Atenção!

Leia mais

Especificações de Transdutores Analógicos HB/ABB

Especificações de Transdutores Analógicos HB/ABB Especificações de Transdutores Analógicos HB/ABB Transdutor Analógico para Potência Ativa ou Reativa Principal função: Conversão da potência ativa ou reativa de uma rede, monofásica ou trifásica, em um

Leia mais