FESP - FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA CURSO DE DIREITO CHRISTIANNE MARIA WANDERLEY LEITE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FESP - FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA CURSO DE DIREITO CHRISTIANNE MARIA WANDERLEY LEITE"

Transcrição

1 FESP - FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA CURSO DE DIREITO CHRISTIANNE MARIA WANDERLEY LEITE DA TUTELA DOS INTERESSES DOS IDOSOS PELO MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL NOS CASOS DE VIOLÊNCIA: A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA EM XEQUE JOÃO PESSOA 2010

2 CHRISTIANNE MARIA WANDERLEY LEITE DA TUTELA DOS INTERESSES DOS IDOSOS PELO MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL NOS CASOS DE VIOLÊNCIA: A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA EM XEQUE Monografia apresentada ao Curso de Direito da Faculdade de Ensino Superior da Paraíba - FESP, como requisito parcial à obtenção do título de bacharel em Direito. Orientadora: Profª. Ms. Sheyla Barreto Braga de Queiroz Área de Concentração: Direitos Humanos João Pessoa 2010

3 L533t Leite, Christianne Maria Wanderley Da tutela dos interesses dos idosos pelo Ministério Público nos Estadual nos casos de violência: a dignidade da pessoa humana em xeque / Christianne Maria Wanderley Leite - João Pessoa, f. Orientadora: Profª. Ms. Sheyla Barreto Braga de Queiroz Monografia (Graduação em Direito) FESP Faculdades de Ensino Superior da Paraíba Idoso 2. Violência 3. Direitos humanos e fundamentais 4. Ministério Público Estadual Brasil I. Título. BC/FESP CDU (81)

4 CHRISTIANNE MARIA WANDERLEY LEITE DA TUTELA DOS INTERESSES DOS IDOSOS PELO MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL NOS CASOS DE VIOLÊNCIA: A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA EM XEQUE Aprovada em: / / 2010 BANCA EXAMINADORA Prof.ª Ms. Sheyla Barreto Braga de Queiroz Orientadora Prof. Ms. Arnaldo Sobrinho de Morais Neto Membro da Banca Examinadora Profª. Esp. Ana Carolina Gondim de A. Oliveira Membro da Banca Examinadora

5 A Deus, a Jesus, a Nossa Senhora e a minha mãe Leninha por terem possibilitado a concretização de todos os meus sonhos.

6 AGRADECIMENTOS A Deus, em primeiro lugar, pelo seu amor, pela sua compreensão, pela sua dedicação, pelo seu apoio e proteção em todos os momentos da minha vida. A Jesus Misericordioso, pelas bênçãos derramadas em minha vida. A minha mãe, Maria Santíssima, pelo seu aconchego e amparo. Aos meus pais Austrilene e Amauri (in memoriam) pelo amor incondicional devotado a mim. Aos meus avós Austriclinio (in memoriam) e Eunice (in memoriam), por sua dedicação e amor. A minha irmã Andréa, e a minhas sobrinhas, Andressa e Amanda, por caminharem sempre ao meu lado. A minha orientadora Sheyla, por suas preciosas orientações, e por sua atenção, confiando sempre no meu potencial.

7 A idade não é decisiva; o que é decisivo é a inflexibilidade em ver as realidades da vida, e a capacidade de enfrentar essas realidades e corresponder a elas interiormente. Max Weber

8 RESUMO A violência praticada contra os idosos, objeto desta monografia, enfoca situações, de maus tratos contra essas pessoas. Apresenta os direitos inerentes à pessoa idosa e os instrumentos e meios jurídicos que garantirão essa defesa, bem como, da atuação do Ministério Público Estadual na tutela dos interesses da pessoa idosa nos casos de violência. A violência, de um modo geral, representa afronta aos direitos humanos e fundamentais, à dignidade da pessoa humana, além de serem empregadas em pessoas indefesas, são cometidas majoritariamente por familiares e/ou pessoas bem próximas que gozam de total confiança desse idoso. A violência institucional, por sua vez, é caracterizada, sobretudo, pela omissão do Poder Público, nos seus deveres para com os idosos. Em contrapartida sabe-se da atuação do Poder Judiciário e do Ministério Público no combate aos agressores, bem como a reparação ao agredido, em relação aos danos material e psicológico, sempre que possível. Como metodologia de trabalho, tomou-se como base pesquisas em livros jurídicos, artigos de periódicos especializados, na legislação que disciplina a temática, dicionários especializados, códigos e sites jurídicos, tendo sido escolhida a vertente qualitativa e o método dedutivo, para viabilizar o estudo e a compreensão das causas da violência contra essa população, que via de regra, deveria estar protegida de seus agressores, sendo resguardada pela família e por organismos instituídos para esse fim. Palavras-chave: Idoso. Violência. Direitos humanos e fundamentais. Ministério Público.

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...8 CAPÍTULO 1 - DOS DIREITOS HUMANOS E FUNDAMENTAIS DOS IDOSOS Os idosos como sujeitos de direitos humanos Proteção legal dos idosos no ordenamento jurídico brasileiro Os idosos e os direitos fundamentais Conceito de Idosos Tratamento destinado as pessoa idosas nas sociedades...21 CAPIÍTULO 2 - CONCEITO DE VIOLÊNCIA Dos tipos de violências contra o idoso Violência Psicológica Violência física Violência institucional...29 CAPITULO 3 - DO MINISTÉRIO PÚBLICO O Ministério público no Brasil O Ministério público: e a defesa dos interesses individuais e sociais indisponíveis dos idosos Espécies de Direitos amparados pela a tutela individual Espécies de Direitos amparados pela a tutela coletiva Instrumentos de proteção ao idoso Medidas de proteção...44 CONSIDERAÇÕES FINAIS...47 REFERÊNCIAS...49

10 INTRODUÇÃO A velhice está chegando mais cedo, por força das políticas públicas nas áreas da saúde, previdência e saneamento básico, que impactam no aumento da expectativa de vida e na diminuição da taxa de fecundidade. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o processo de envelhecimento tem início aos cinquenta e cinco anos, sendo concluído aos sessenta e cinco anos. À luz da Política Nacional do Idoso, cuja viga-mestra se encontra na Lei n.º 8.842/1994, é considerada idosa a pessoa maior de sessenta anos, idade-limite para ter seus interesses tutelados pelo Estatuto do Idoso, a famosa Lei n.º , de 1.º de outubro de No Brasil, aumenta cada vez mais a população idosa que, de acordo com dados do IBGE, no ano de 2002, era de milhões de pessoas com 60 anos ou mais. Em 2020, existe a previsão de que a população idosa chegará ao assombroso percentual de 25 milhões de pessoas, o que, seguramente, passará a pressionar cada vez mais as políticas de governo (IBGE, 2010). Esse fato de per se torna necessária a investigação dos problemas enfrentados por esse segmento da sociedade, sobretudo em um país onde impera a supervalorização do jovem e a rápida mutação de conceitos e valores que tornam tudo e todos obsoletos a um piscar de olhos. Buscando mais meios de defesa da ordem jurídica, do regime democrático de direito e dos interesses fundamentais, a Carta Magna, em seu artigo 127, dotou a instituição do Ministério Público de autonomia para atuar de forma legal e legítima na defesa dos direitos fundamentais, transindividuais e coletivos, estando, por conseguinte, incluídos os direitos dos idosos. Cabe ao Ministério Público a tutela jurídica ampla, sem nenhuma restrição na defesa desses direitos, com a função essencial, atribuída pela Lei Maior, de ser uma instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis.

11 9 É assente a defesa dos interesses dos idosos pelos membros do Parquet, sobremodo porque são pessoas, as mais das vezes, desprovidas de um conhecimento mínimo sobre seus direitos, alijadas do poder de decisão e até mesmo da convivência regular com seus familiares e amigos. O tema deste trabalho repousa, portanto, em matéria que, diretamente /ou indiretamente, toca a todos e tem nos Ministérios Públicos Estaduais seu guardião e defensor-mor: a tutela dos interesses dos idosos nos casos de violência física ou moral. Apresenta os direitos inerentes à pessoa idosa e os instrumentos e meios jurídicos que garantirão essa defesa. Como metodologia de trabalho, tomou-se como base pesquisas em livros jurídicos, artigos de periódicos especializados, na legislação que disciplina a temática, dicionários especializados, códigos e sites jurídicos, tendo sido escolhida a vertente qualitativa e o método dedutivo, para viabilizar o estudo e a compreensão das causas da violência contra essa população, que via de regra, deveria estar protegida de seus agressores, sendo resguardada pela família e por organismos instituídos para esse fim. Discorre sobre a atuação do Ministério Público na tutela dos interesses da pessoa idosa nos casos de violência. No decorrer desta escrita, serão apresentados os direitos inerentes à pessoa idosa e os instrumentos e meios jurídicos que garantirão essa defesa, inclusive por meio de pesquisa da legislação e por último a atuação do Ministério Público na tutela dos interesses da pessoa idosa nos casos de violência. Assim no primeiro Capítulo serão abordados os direitos humanos, como uma garantia contra a discriminação e maus tratos contra os idosos. Os Direitos Humanos constituem uma fonte primária de onde derivam as demais leis, a saber, sobretudo a Constituição e o Estatuto do Idoso e sua Política Nacional. Já no segundo capítulo, dentre os inúmeros tipos de violência iremos discorrer sobre a violência psicológica, física e institucional. São tipos de violência que muitos pensam não ser, a psicológica, por exemplo, não é por acaso que é mais comum, porque se caracteriza pelas atitudes verbais e a forma de colocação que seria simples diante de um jovem, adolescente, diante de uma pessoa idosa não é, seja por suas tradições, seja pelo atual estágio. A violência física, por sua vez, é aquele em que o agressor provoca marcas, escoriações pelo corpo da pessoa. É de fácil diagnóstico haja vista, a visibilidades das marcas e finalmente a violência

12 10 institucional, que é marcada pela falta de políticas públicas voltadas para a população idosa. No terceiro e último capítulo, foi correlacionado o papel do Ministério Público, instituição essa que participa e se destaca por ser o fiscal da lei. Desse modo, como forma de propagar a Política Nacional dos Idosos, se vale das audiências públicas em que os debates contribuem para o avanço de implementação das técnicas que os idosos necessitam para viver mais saudavelmente e, sobremodo, com respeito.

13 11 CAPÍTULO 1 - DOS DIREITOS HUMANOS E FUNDAMENTAIS DOS IDOSOS 1.1 Os idosos como sujeitos de direitos humanos A noção de que todos os homens apresentam uma mesma identidade humana e por isso devem ser tratados de maneira igual no decurso da história da humanidade não é uma constante, tendo em vista que, nas diversas culturas, inclusive na nossa, a desigualdade entre os homens parece apresentar um caráter necessário (RABENHORST, 2001, p. 9) Em sede de Direitos humanos a distinção entre desigualdades e diferenças é de vital importância, tendo em vista que quando se fala em desigualdades, um indivíduo ou mesmo um grupo apresentam-se juridicamente em condições de superioridade, constituindo uma afronta à igualdade fundamental de valor ético que deve existir entre todos que ostentem a condição humana. No tocante às diferenças, são expressas na complexidade do ser humano, nas suas diferenças biológicas, culturais ou patrimoniais, sendo a partir delas que vão surgindo as desigualdades nas sociedades (COMPARATO, 2003, p. 287). Foi a partir do estoicismo e do cristianismo que foram estabelecidas as bases do jusnaturalismo moderno, assim denominado pelos juristas, que consiste na ideia da existência de um direito natural que assegura a igualdade e a liberdade a todos, unificando a ordem jurídico-moral como o próprio desígnio do cosmo ou da natureza humana. Sendo esse Direito superior ao Direito elaborado pelos legisladores humanos, tendo sua verdade atestada tanto pela própria ordem das coisas, o estoicismo quanto pelo Divino (RABENHOST, 2001, p. 27). Passando a existir a partir desse momento a consciência de que todos são iguais e, portanto, merecem um tratamento digno. Foi a partir da concepção jusnaturalista que os direitos fundamentais contidos nas primeiras constituições escritas surgem como direitos inerentes a cada indivíduo face ao Poder do Estado, que tem sua atuação limitada, devendo abster-se de interferir na vida privada das pessoas, sendo esse momento considerado como

14 12 precursor dos chamados direitos fundamentais de primeira dimensão, os direitos civis e políticos (BARLETTA, 2010, p. 128). Quanto ao cristianismo, seguindo os ensinamentos de Ritt (apud MORAES, 2008, p. 72): Foi o cristianismo que, pela primeira vez, concebeu a ideia de uma dignidade pessoal, atribuída a cada indivíduo. O desenvolvimento cristão sobre a dignidade humana deu-se sob um duplo fundamento: o homem é um ser originado por Deus para ser o centro da criação; como ser amado por Deus, foi salvo de sua natureza originária através da noção de liberdade de escolha, que o torna capaz de tomar decisões contra o seu desejo natural. Atribui-se a Boécio, em texto que data do séc. VI, o registro que propiciou, através da matriz teológica, a transmissão da cultura greco-latina aos filósofos medievais. Foi o propósito do ministério da Trindade que Boécio ofereceu a definição de pessoa, que viria a ser adotada por São Tomás: substância individual de natureza racional. O primeiro registro escrito do nascimento dos Direitos Humanos encontra-se no artigo I da Declaração que o bom povo da Virgínia tornou pública no ano de 1776, reconhecendo que todos os homens são destinados de forma igualitária a um constante aperfeiçoamento (COMPARATTO, 2003, p. 50). De acordo com Rabenhorst (2001, p. 14): O termo dignidade, do latim dignitas, designa tudo aquilo que merece respeito, consideração, mérito ou estima. Apesar de a língua portuguesa permitir o uso tanto do substantivo dignidade como do adjetivo digno para falar das coisas (quando dizemos, por exemplo, que uma moradia é digna), a dignidade é acima de tudo uma categoria moral que se relaciona com a própria representação que fazemos da condição humana, ou seja, ela é a qualidade ou valor particular que atribuímos aos seres humanos em função da posição que eles ocupam na escala dos seres. A Organização das Nações Unidas aprovou por meio de sua Assembléia Geral um documento de sumo relevo para a defesa dos direitos humanos no mundo, que é a Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada por quarenta e oito países em 10 de dezembro de Nela, elencam-se direitos destinados à proteção dos seres humanos de forma igualitária aí incluídos os idosos, sem quaisquer distinções de cor, credo, raça, nível econômico ou origem cultural, com recomendações para que os Estados criem meios de defesa que assegurem a todos o direito à vida, à liberdade, à segurança, à saúde e ao bem-estar e o direito a uma ação efetiva por parte do Judiciário para evitar atos que violem tais direitos.

15 13 Foi a partir dessa Declaração que se iniciou o desenvolvimento do Direito Internacional dos Direitos Humanos, com a adoção de vários instrumentos protetivos na seara internacional. A Declaração conferiu lastro axiológico e também uma unidade valorativa a esse ramo do Direito, enfatizando a universalidade, a indivisibilidade e a interdependência dos direitos humanos. A partir da universalização dos Direitos Humanos surgiu a possibilidade de formação de um sistema internacional de proteção desses direitos, sistema integrado por tratados internacionais de proteção fundados numa consciência ética contemporânea compartilhada pelos Estados, buscando um consenso internacional de proteção ao mínimo ético irredutível. (PIOVESAN, 2009, p. 40) Contudo, são poucos os países que garantem a proteção ao idoso, como informa Rodrigues (2009, p. 435): Apesar dessa Declaração de Direitos ser aprovada em Assembléia Geral da ONU, em 10 de dezembro de 1948, verifica-se que poucos são os países que em suas cartas estatuem garantias e proteções às pessoas idosas, uma vez que, na atualidade, 12 (doze) constituições modernas trazem em seus textos normas de proteção à velhice, ou seja, além a brasileira, as da China, Cuba, Espanha, Guiné-Bissau, Itália, México, Peru, Portugal, Suíça, Uruguai e Venezuela. Em consonância com as diretrizes aprovadas pela Declaração Universal dos Direitos Humanos a Constituição da República em seu primeiro artigo elenca os fundamentos da República Federativa do Brasil que são o direito: a soberania; a cidadania; a dignidade da pessoa humana; os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo econômico. Não permitindo nenhuma forma de discriminação, conforme assentado no artigo 3, inciso IV, em relação a origem, a raça, a sexo, a cor, a idade e quaisquer outras formas de discriminação. Sendo todos iguais na legislação pátria, cada ser humano deve ser tratado com isonomia, sem nenhuma espécie de discriminação negativa, forma de discriminação que desrespeita o próximo, sem motivos, sendo admitida, porém, no ordenamento jurídico brasileiro, apenas, a forma de discriminação positiva que considera que as diferenças entre os seres humanos devem ser respeitadas, buscando-se a adoção de medidas para ajudar as pessoas hipossuficientes, através de um olhar dotado de profundo respeito à dignidade da pessoa humana

16 Proteção legal dos idosos no ordenamento jurídico brasileiro O Valor da dignidade humana constitui-se no principio basilar da Constituição Federal da Republica Federativa do Brasil, sendo elevado a principio fundamental que irá nortear todo o ordenamento jurídico brasileiro, servindo como orientação para a interpretação e compreensão de todo texto constitucional de A Dignidade da pessoa humana e os Direitos fundamentais constituem-se, portanto, em princípios que agregam exigências de justiça e dos valores éticos, conferindo suporte axiológico para todo o ordenamento jurídico brasileiro, e, portanto, passam a ser dotados como critérios de interpretação de todas as normas do ordenamento jurídico nacional. (PIOVESAN, 2009, p.14) A Constituição Federal de 1988, já em seu Preâmbulo, assegura a todos, sem qualquer tipo de distinção, o pleno exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça para que seja garantida uma sociedade fraterna, pluralista e sem qualquer tipo de preconceito. Nesse sentido, em seu artigo 5.º, a Constituição Federal positivou os direitos e garantias fundamentais, ainda que no campo formal, assegurando, a todos, igualdade perante e na lei, não sendo admitida qualquer forma de discriminação para os brasileiros e também para os estrangeiros residentes no país. O amparo legal aos idosos está intrinsecamente vinculado ao contexto social de cada fase histórica das sociedades. No Brasil, o primeiro texto legal que demonstrou preocupação com esta camada da população foi a Lei Saraiva-Cotegipe que ficou conhecida como a Lei dos Sexagenários, nº 3.270, promulgada no dia 28 de setembro de 1885 garantindo liberdade aos escravos com mais de sessenta anos. Resultante de intensas lutas sociais preconizada por alguns jovens intelectuais, contando com apoio de alguns políticos simpatizantes da causa, a referida Lei veio com o intuito de conceder a essa parcela da população escrava a tão sonhada liberdade. Destarte, observa-se que esta liberdade estava condicionada a prestação de serviços por um período de três anos, após completarem sessenta anos, a fim de obterem a sua liberdade, conforme assenta o texto da referida Lei 10. São libertos os escravos de 60 anos de idade, completos antes e depois da data em que entrar em execução esta lei, ficando, porém,

17 15 obrigados a título de indenização pela sua alforria, a prestar serviços a seus exsenhores pelo espaço de três anos. Registre-se, por oportuno, que a tão sonhada liberdade não vinha acompanhada de garantias, tendo em vista que os idosos eram libertos sem nenhuma condição de subsistência futura, sendo, portanto, condenados a viver a margem da sociedade que ajudaram a construir através do trabalho de suas mãos. A referida Lei serviu como uma maneira de segregação de um grupo que, em virtude do avanço da idade, deixam de ter um valor econômico, o que se configura como uma realidade nas sociedades, tendo em vista, segundo Minayo (2005, p. 784), que a maioria das culturas tende a separar esses indivíduos, segregá-los e, real ou simbolicamente, a desejar a sua morte. Somente com a Constituição de 1934 passou a existir uma preocupação de preencher essas lacunas existentes, passando, efetivamente, a surgir no texto legal meios de proteção aos idosos, garantindo-lhes certas prerrogativas. Segundo Tavares, na História do Direito Constitucional brasileiro, a proteção à velhice teve início com essa Constituição. Com o advento da Constituição de 1988 os idosos passaram a gozar de um efetivo amparo legal garantido em seu texto: Art. 3º - constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária; IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. A partir da Lei n /94, foi instituída a Política Nacional do Idoso que estabeleceu as diretrizes de atuação do Poder Público no atendimento dos direitos sociais da pessoa idosa. Todavia, a sua regulamentação ocorreu com o Estatuto do Idoso, que assegurou todos os direitos e garantias intrínsecos à pessoa humana, e oportunidades para um envelhecimento saudável, com qualidade e respeito. No Brasil, a Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, atenta à relevância da questão, lançou o Plano de Ação para o Enfrentamento da Violência contra a Pessoa Idosa, revisado em 2007, ao sabor das deliberações e conclusões da 1.ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa, realizada em Esse conclave resultou na criação da Rede Nacional de Proteção e Defesa da Pessoa Idosa (RENADI).

18 16 O plano parte da ideia de como deve ser tratado o idoso e do papel que cada membro da sociedade tem. É de suma importância porque nem sempre o idoso foi prioridade, tanto em termos legais, como em políticas públicas. Conforme Rodrigues e colaboradores (2007), os idosos, até pouco tempo, só foram mencionados em alguns artigos, decretos-leis, leis e portarias. Como no Código Civil, no Código Penal, no Código Eleitoral e na Lei de Foi, contudo no ano de 1982 quando a ONU realizou a Assembléia Mundial sobre o Envelhecimento que tal realidade começou a mudar, pois a assembléia pode ser considerada o marco mundial que iniciou as discussões voltadas para os idosos e contou com a participação de 124 países, incluindo o Brasil. Durante os trabalhos foi estabelecido um Plano de Ação para o Envelhecimento, o qual foi posteriormente publicado em (RODRIGUES et al., 2007). O Plano foi criado com o intuito de sensibilizar a sociedade e o poder Públicos para a urgente necessidade de criação de políticas públicas voltadas para a população idosa. Foi a partir daí o surgimento concepção de que cabe às políticas sociais prepararem as populações para os estágios mais tardios da vida, assegurando assistência integral de ordem física, psicológica, cultural, religiosa, econômica, de saúde, entre outros aspectos (RODRIGUES, 2009). Além disso, concordou-se que, os órgãos governamentais, não governamentais e todos que têm responsabilidades para com os idosos devem dispensar atenção especial aos grupos vulneráveis, particularmente os mais pobres, mulheres e residentes em áreas rurais (RODRIGUES, 2009). Logo, o Plano Nacional representa um ponto de partida, uma cartilha para que os governantes implementem as garantias de políticas públicas e nesse aspecto o Poder Judiciário tem sido bastante atuante, sobretudo por tratar-se de um direito consagrado na Constituição Federal. 1.3 Os idosos e os direitos fundamentais Os Direitos fundamentais são valores intrinsecamente ligados à dignidade da pessoa humana e à limitação do Poder, que se encontram positivados na Constituição Federal do Brasil através de suas normas constitucionais. Direitos

19 17 fundamentais são os direitos internos de cada país e devidamente positivados pelo seu ordenamento jurídico. (MARMELSTEIN, 2008, p. 27). De acordo com a Constituição Federal de 1988 no caput do seu artigo 5 o respeito a vida é o princípio fundamental que irá nortear todo o nosso ordenamento jurídico que como um Direito fundamental é um Direito inviolável. Em consonância com o supracitado artigo, o ordenamento jurídico difunde que todos são iguais perante a Lei, sem distinção de qualquer natureza, sendo homens e mulheres iguais em direitos e obrigações nos termos da constituição Federal, sendo garantidos a todos que se encontram no Brasil a inviolabilidade do Direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade. Sendo essa igualdade assegurada à garantia de todos os direitos fundamentais também das pessoas idosas, não sendo admitida nenhuma forma de preconceito e discriminação (RODRIGUES, 2009, p. 441). Foi, contudo, com o advento do Estatuto do Idoso, o processo natural de envelhecimento passou a ser considerado como um acontecimento jurídico, erigindo-se em Direito personalíssimo, onde sua proteção passa a constituir-se em um Direito Social. A partir dessa condição é considerado como um Direito social, tornando-se a proteção ao envelhecimento um Direito indisponível, de responsabilidade do Estado que garante, por meio de políticas públicas sociais, medidas que preservem a plenitude da saúde e da própria vida do idoso (FREITAS JÚNIOR, 2008, p. 56). Continua o autor acima referido que, ao se falar em vida, não se trata apenas de vida biológica e espiritual, mas de uma vida usufruída dignamente, respeitando-se o princípio da dignidade da pessoa humana, respeitando-se a dignidade do idoso, sendo de responsabilidade do Poder Público evitar qualquer tipo de violação a esse direito. Conforme Barletta (2010, p. 95): As oportunidades atribuídas à pessoa idosa constam do seu Estatuto como Direitos fundamentais; portanto, como alicerces em que se edifica sua proteção integral. São eles: o direito à vida, à liberdade, ao respeito e à dignidade, o direito aos alimentos, à saúde, à educação, à cultura, ao esporte e ao lazer, o direito à profissionalização e ao trabalho, à previdência ou à assistência social, à habitação e ao transporte. No tocante a liberdade é uma conseqüência lógica dos princípios da dignidade da pessoa humana e do direito à vida e encontra-se assegurada na

20 18 Constituição Federal em vários artigos esparsos. O direito à liberdade significa deixar os idosos livres para alcançarem suas realizações pessoais da maneira que lhes aprouver, respeitando o seu livre-arbítrio. O artigo 10, da Lei /2003 elenca três direitos fundamentais do idoso, dentre eles, o direito à liberdade e que compreende a faculdade de ir, vir e estar nos logradouros públicos e espaços comunitário, ressalvadas as restrições legais; o direito de opinião e expressão; bem como o direito a liberdade de crença e de culto religioso; a prática de esportes e diversões; a participação na vida familiar e comunitária; participação na vida política; a faculdade de buscar refúgio, auxílio e orientação (FREITAS JÚNIOR, 2008, p. 57). Sendo todos iguais na legislação pátria, cada ser humano deve ser tratado com isonomia sem nenhuma espécie de discriminação negativa, forma de discriminação que desrespeita o próximo, sem nenhum motivo, sendo admitida, no ordenamento jurídico brasileiro, apenas, a forma de discriminação positiva que considera que as diferenças entre os seres humanos devem ser respeitadas, buscando-se a adoção de medidas para ajudar as pessoas hipossuficientes, através de um olhar dotado de um profundo respeito à dignidade da pessoa humana. A cidadania é um direito fundamental inerente a toda pessoa humana, é fundamento republicano brasileiro, garantido a todos e também aos estrangeiros residentes no Brasil, incluindo-se os idosos. 1.4 Conceito de Idosos No Brasil para o reconhecimento dos direitos da pessoa idosa adota-se o critério cronológico ou etário, o mesmo critério adotado pela Organização Mundial de Saúde, porém a organização distingue a idade mínina para que uma pessoa seja considerada idosa, de acordo com o grau de avanço social de cada país. Nos países desenvolvidos em decorrência de uma maior expectativa de vida considera-se idoso a pessoa com idade igual ou superior a 65 anos, enquanto que nos países em desenvolvimento a partir de 60 anos a pessoa já é considerada idosa (CAMARANO, apud GODINHO, 2010, p. 09).

21 19 De acordo com Balletta (2010, p. 33): Ao determinar que idoso é pessoa com idade igual ou maior que sessenta anos, a legislação em comento buscou um critério uniforme, proveniente de investigações da Organização Mundial da Saúde (OMS), que considera idosas pessoas de sessenta e cinco anos ou mais nas nações desenvolvidas e de sessenta anos ou mais nas nações em desenvolvimento. A Política do Idoso e o Estatuto pátrio seguiram tais diretrizes, já que o Brasil é considerado país em desenvolvimento. A primeira menção constitucional ao idoso refere-se aos Direitos políticos, onde faculta aos maiores de setenta anos o alistamento eleitoral e o voto. No capitulo referente à Administração Pública a Carta Magna apresenta a presunção de incapacidade da pessoa idosa, a partir do momento em que determina em seu artigo 40, 1, inciso II que, ao atingir a idade de setenta anos, o servidor público deverá ser aposentado compulsoriamente (FREITAS JÚNIOR, 2008, p. 6). Na legislação criminal brasileira, é considerado idoso a pessoa com idade igual ou superior a sessenta anos. Conforme se convencionou nas seguintes hipóteses legais (JESUS, 2010): 61, II, "h" (circunstância agravante genérica); 121, 4.º, parte final (causa de aumento de pena no homicídio doloso); 133, 3.º, III (causa de aumento de pena no abandono de incapaz); 141, IV (causa de aumento de pena na calúnia e difamação); 148, 1.º, I (qualificadora do crime de seqüestro ou cárcere privado); 159, 1.º (qualificadora do crime de extorsão mediante seqüestro); 244 (elementar do crime de abandono material). A Constituição Federal de 1988, porém, não fixou a idade ou condições para que a pessoa fosse considerada idosa, sendo feita em seu artigo 230, 2, uma concessão à gratuidade do transporte público à pessoa maior de sessenta e cinco anos (RODRIGUES, 2009, p. 438).

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ O que é Violência contra idosos? É um ato (único ou repetido) ou omissão que lhe cause dano ou aflição e que se produz em qualquer relação

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa O dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. A data foi instituída em 2006,

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo

Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo Marco Referencial Considero o tema Violência Contra Idosos como o avesso dos direitos consagrados do Estatuto da Pessoa

Leia mais

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE Maíra Sgobbi de FARIA 1 Resumo: O respeito e a proteção que devem ser concedidos aos idosos sempre foram um dever da sociedade, uma vez que as

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

SEMANA DO IDOSO 2013

SEMANA DO IDOSO 2013 SEMANA DO IDOSO 2013 Itens para reflexão Experiências anteriores A mobilização em 2013 O envelhecimento nos tempos atuais Idoso sem autonomia Excluído do mercado de trabalho Gera dependência Exclusão das

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta: 1 Projeto de Lei do Senado nº., de 2007 Dispõe sobre a obrigatoriedade de patrocínio, pela União, de traslado de corpo de brasileiro de família hipossuficiente falecido no exterior. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga CONTRA MULHERES, CRIANÇAS E IDOSOS CONCEITO DE VIOLÊNCIA A violência é um fenômeno polissêmico e complexo que

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA A Recomendação ora apresentada se faz necessária para que o Ministério

Leia mais

Fundamentos Socioculturais e Diversidades

Fundamentos Socioculturais e Diversidades NATURALIZAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Fundamentos Socioculturais e Diversidades MÓDULO III Prof.: MSc. Getulio Ribeiro Histórias da Infância e do Mundo Adulto Da Infância à Melhor Idade

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA

CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA Escola Superior Dom Helder Câmara CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA Introdução A Constituição da República Federativa

Leia mais

desafia, não te transforma Semestre 2015.2

desafia, não te transforma Semestre 2015.2 O que não te 1 desafia, não te transforma Semestre 2015.2 1 Nossos encontros www.admvital.com 2 2 Nossos encontros www.admvital.com 3 AULÃO 3 4 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 5 Critérios AV

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA IDOSA E A SUA DIVULGAÇÃO

DIREITOS DA PESSOA IDOSA E A SUA DIVULGAÇÃO DIREITOS DA PESSOA IDOSA E A SUA DIVULGAÇÃO Maria Luiza Deschamps (UEPG) E-mail: maludeschamps12@hotmail.com Nathalia Luiza Schedler Calza (UEPG) nathaliacalza@hotmail.com Elisa Stroberg Schultz (UEPG)

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO LESSA CURSOS PREPARATÓRIOS CAPÍTULO 1 O ESTATUTO DO IDOSO O Estatuto do Idoso - Lei 10.741/2003, é o diploma legal que tutela e protege, através de um conjunto

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA COMITÊ DEFICIÊNCIA E ACESSIBILIDADE. Relatório de atividades

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA COMITÊ DEFICIÊNCIA E ACESSIBILIDADE. Relatório de atividades ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA COMITÊ DEFICIÊNCIA E ACESSIBILIDADE Relatório de atividades Criado em março de 2012, o Comitê participou da Organização da 28ª RBA, tornando o evento acessível por

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA

REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA FORTALEZA, 17 de junho de 2011. VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO PESQUISA: Violência

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

convicções religiosas...

convicções religiosas... apresenta Cartilha O termo DISCRIMINAR significa separar; diferenciar; estabelecer diferença; distinguir; não se misturar; formar grupo à parte por alguma característica étnica, cultural, religiosa etc;

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E OUVIDORIAS Prof. Carlos Guimarães Professor da Universidade Estadual da Paraíba Doutorando e Mestre em Ética e Filosofia Política Ex-Ouvidor Público da Assembléia Legislativa -PB O que

Leia mais

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013.

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento ao Idoso do Município de São Gonçalo do Rio Abaixo, Cria o Conselho Municipal do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO 1. Até a década de 70 não eram reconhecidos os crimes contra o patrimônio como risco a ser efetivamente protegido no transporte rodoviário de cargas,

Leia mais

Violência Intrafamiliar e Maus Tratos contra a pessoa idosa. Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes

Violência Intrafamiliar e Maus Tratos contra a pessoa idosa. Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes Violência Intrafamiliar e Maus Tratos contra a pessoa idosa Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes A Organização das Nações Unidas instituiu 15 de junho como o Dia Mundial de Conscientização da Violência

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA Adoptada pela Resolução No. 44/25 da Assembleia Geral das Nações Unidas em 20 de Novembro de 1989 PREÂMBULO Os Estados Partes da presente Convenção, Considerando

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Violencia contra a pessoa idosa: uma violaçao de direitos

Violencia contra a pessoa idosa: uma violaçao de direitos 20 Violencia contra a pessoa idosa: uma violaçao de direitos Texto Jurilza Maria Barros de Mendoça Fotos Mª Angeles Tirado A proteção aos idosos por parte do Estado, da sociedade e da família, deve ser

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1

A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1 A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1 MACHADO, Adiles Dias 2 ; KAEFER, Carin Otilia 3 ; SILVA, Flademir da Costa 4 ; 1 Resultado de discussões realizadas no Projeto

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. Cria a Central de Atendimento Telefônico ao Idoso e Portador de Necessidades Especiais, no âmbito do Estado de Goiás. A Assembléia Legislativa do Estado de Goiás, nos

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

*Acadêmica do 1 ano A do curso de Direito pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais Vianna Júnior.

*Acadêmica do 1 ano A do curso de Direito pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais Vianna Júnior. 1 ESTATUTO DO IDOSO: REALIDADE OU IDEAL? Cláudia Pereira Vaz de Magalhães* De acordo com o Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa de 1951, idoso é uma pessoa Que tem bastante idade; velho.

Leia mais

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos*

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* Resumo: Este presente artigo tem por finalidade demonstrar de forma sucinta no cenário

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares CADERNO DE PROVA 2.ª FASE Nome do candidato Nome do curso / Turno Local de oferta do curso N.º de inscrição Assinatura do candidato Coordenação de Exames Vestibulares I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM ATENÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

A CULTURA DA VIOLENCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO ESPAÇO DOMÉSTICO

A CULTURA DA VIOLENCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO ESPAÇO DOMÉSTICO UNIFLU FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS PROGRAMA DE MESTRADO A CULTURA DA VIOLENCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO ESPAÇO DOMÉSTICO LUZINARA SCARPE MORGAN CAMPOS DOS GOYTACAZES - RIO DE JANEIRO 2006/2007

Leia mais

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida As ações afirmativas na construção de um horizonte ético Democracia, Republicanismo e Cidadania - Questão racial:

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais Um projeto de vida começa com um sonho, grande ou pequeno, não importa! Na vida temos que ter a capacidade de sonhar, sonhar sempre, sonhar para viver! Meu nome

Leia mais

A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1. Keith Diana da Silva

A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1. Keith Diana da Silva A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1 Keith Diana da Silva keith.diana@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Introdução É dever dos pais, no exercício

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014)

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) Referência: Expediente n.º 3896/2014 Origem: Câmaras Técnicas EMENTA: RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 460/13. EXAME TOXICOLÓGICO DE

Leia mais

Política de Proteção Infantil

Política de Proteção Infantil Política de Proteção Infantil Diga SIM à Proteção Infantil! Como uma organização internacional de desenvolvimento comunitário centrado na criança e no adolescente, cujo trabalho se fundamenta na Convenção

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Gênero e Desigualdades

Gênero e Desigualdades 1 Gênero e Desigualdades Leila Linhares Barsted * Analisar as desigualdades de gênero importa em compreender como se constituem as relações entre homens e mulheres face à distribuição de poder. Em grande

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CENTRO DE VALORIZAÇÃO

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CENTRO DE VALORIZAÇÃO PROJETO DE LEI Nº DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CENTRO DE VALORIZAÇÃO DO IDOSO (CEVI), EM ATENÇÃO ESPECIAL DO ESTADO AO IDOSO COM SESSENTA ANOS OU MAIS, EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE OU RISCO SOCIAL, OBJETIVANDO

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

A Defensoria Pública é a instituição com previsão constitucional para prestar assistência jurídica integral às pessoas que não têm condições

A Defensoria Pública é a instituição com previsão constitucional para prestar assistência jurídica integral às pessoas que não têm condições A Defensoria Pública é a instituição com previsão constitucional para prestar assistência jurídica integral às pessoas que não têm condições financeiras para pagar por um advogado. (Art. 134 da Constituição)

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais