Universidade Nova de Lisboa. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Departamento de História

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Nova de Lisboa. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Departamento de História"

Transcrição

1 Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de História D. Francisco de Sousa Coutinho em Angola: Reinterpretação de um Governo Dissertação de Ana Madalena Rosa Barros Trigo de Sousa para obtenção do Grau de Mestre em História dos Descobrimentos e da Expansão Portuguesa sob orientação da Professora Doutora Jill Dias Funchal / Lisboa 1996

2 1 Introdução 2 Objecto do Trabalho 2 Informação Sobre Bibliografia e Fontes 4 PARTE I - ANGOLA EM MEADOS DO SÉCULO XVIII: 9 A Situação do Território e a Dificuldade da Implantação Portuguesa 9 Capítulo I- Enquadramento Geral: O Espaço e os Homens 10 Capítulo II- O Reino de Angola em Meados do Século XVIII 15 A) A Administração do Espaço Sob Domínio Português 17 B) A Conjuntura Económica: O Tráfico de Escravos 26 C) A Sociedade 31 D) O Reino de Angola e o Mundo Africano: Uma Relação Precária? 35 PARTE II - D. FRANCISCO DE SOUSA COUTINHO EM ANGOLA: 38 Uma Acção Governativa Condenada ao Fracasso? 38 Capítulo I- D.Francisco de Sousa Coutinho: Notícia Biográfica 39 Capítulo II- Sousa Coutinho e a Região Luso-Africana 41 A) Acção Governativa em Luanda 41 B) Relacionamento Com o Mundo Africano 56 Capítulo III- Sousa Coutinho e a tentativa de "fomento industrial": A "Fábrica do Ferro" de Nova Oeiras 78 A) Estabelecimento e Funcionamento da " Fábrica do Ferro " de Nova Oeiras B) A problemática do trabalho indígena em Nova Oeiras 104 Capítulo IV- Sousa Coutinho e a Colonização do Planalto de Benguela 116 A) Um projecto de colonização? A " Angola Portuguesa " segundo o governador Sousa Coutinho 116 B) A fundação de povoações no planalto de Benguela 120 Conclusão: O Balanço do Governo de Sousa Coutinho em Angola 127 ANEXOS 130 Anexo I: Glossário - Expressões de Origem KiMbundu 131 Anexo II: Funcionalismo em Luanda no Tempo do Governador Sousa Coutinho 134 Anexo III: Capitães-Mores no Tempo do Governador Sousa Coutinho 138 Anexo IV: Sobados Identificados no Tempo do Governador Sousa Coutinho 140 Anexo V: Dembos, Potentados e Reinos no Tempo do Governador Sousa Coutinho 142 Bibliografia 143 I- Fontes Primárias Manuscritas 143 II- Fontes Primárias Impressas 143 III- Fontes Secundárias 144 IV- Estudos e Obras Críticas 145

3 2 Introdução Objecto do Trabalho É propósito deste trabalho contribuir para o desenvolvimento e aprofundamento da investigação no domínio da história de Angola numa perspectiva que pretende ressaltar o relacionamento entre os portugueses e as sociedades africanas durante o período que compreendeu o governo de D.Francisco Inocêncio de Sousa Coutinho em Luanda de 1764 a Tem sido aceite de forma passiva considerar o governo de D.Francisco de Sousa Coutinho como um período crucial na história das relações entre Portugal e o território que então constituía a colónia de Angola. Em plena época pombalina e num contexto político-económico em que a coroa portuguesa pretendia reforçar os seus interesses em Luanda, o governador Sousa Coutinho, em sintonia com os pressupostos do governo de Lisboa, teria empreendido uma vasta acção quer no plano político e administrativo, quer no plano económico e social, numa tentativa de pôr termo à situação de abandono e desorganização interna que afectava o território angolano. Ao questionarmo-nos sobre os problemas que se ofereciam à presença portuguesa no espaço angolano naquela época, ficou-nos a dúvida acerca da real dimensão e alcançe da actuação de Sousa Coutinho. Essa dúvida foi o ponto de partida para o trabalho que nos propusémos efectuar. Em torno deste estudo foram várias as interrogações que se ofereceram à nossa análise. Procurámos saber em que medida é que o governo de Sousa Coutinho teria sido um período de progresso e avanço; qual ou quais as iniciativas introduzidas por este governador, o seu grau de originalidade e real impacto; como se organizava e se tentou implementar o poder português; como se organizava a vida económica; como se estruturava a sociedade colonial; qual o relacionamento entre o governo de Luanda e as

4 3 sociedades africanas. Este conjunto de problemas determinou a elaboração do presente estudo. Tendo D.Francisco de Sousa Coutinho ocupado o cargo de governador e capitão-general de Angola de 1764 a 1772, tomámos estes anos como limite cronológico. No entanto, gostaríamos de referir que o período que corresponde à governação em Angola do antecessor de Sousa Coutinho, D.António de Vasconcelos ( ), será também merecedor da nossa atenção, tendo em conta que importa compreender em que medida é que alguma ou algumas das acções de Sousa Coutinho foram ou não oriundas da actuação do seu antecessor. Da mesma forma, tornou-se para nós fundamental perceber qual a linha governativa do seu sucessor, D.António de Lencastre ( ), se de continuidade ou ruptura. Com a nossa investigação sobre o governo de Sousa Coutinho em Angola pretendemos responder ao conjunto de questões acima enunciadas, numa tentativa de compreender o que foi a presença portuguesa naquele território, tendo em consideração, de um lado, as questões de política, administração e economia coloniais; do outro, as transformações ocorridas entre os poderes e as sociedades africanas, procurando corrigir a perspectiva fortemente eurocêntrica que tem caracterizado em Portugal e até data recente, os estudos relacionados com a história da presença portuguesa em Angola. Informação Sobre Bibliografia e Fontes É extremamente escassa a bibliografia respeitante ao governo de Sousa Coutinho em Angola.

5 4 Da década de trinta até ao início da de setenta deste século, alguns autores portugueses publicaram estudos referentes ao governo de D.Francisco de Sousa Coutinho em Angola. No seu conjunto, esta produção historiográfica, surgida no contexto do Estado Novo visava o enaltecimento da presença portuguesa em Angola e a sua legitimação junto das outras nações europeias. Assim, o governo de Sousa Coutinho em Angola, enquanto objecto de análise, servia os propósitos do poder político de então dado que era tido como uma época gloriosa do passado imperial, contribuindo para justificar a actuação portuguesa da altura. O resultado imediato desta visão da história aplicada ao governo de Sousa Coutinho foi a adopção de uma perspectiva eurocêntrica em que a exaltação dos feitos portugueses constituía o único objecto digno de estudo. A bibliografia sobre o governo de D.Francisco Inocêncio de Sousa Coutinho teve como autores Gastão de Sousa Dias 1, Maria Teresa Amado Neves 2, Jofre Amaral Nogueira 3, Ralph Delgado 4 e António da Silva Rego 5. Em todos os autores encontramos um discurso estruturado em torno da apologia da figura e do governo de Sousa Coutinho. Escrevendo sobre os vários aspectos da actuação do governador D.Francisco de Sousa Coutinho e sem aferir de uma forma exaustiva ou sistemática a sua originalidade ou real dimensão, Gastão de Sousa Dias, Maria Teresa Amado Neves, Jofre Amaral Nogueira e Ralph Delgado, procuraram dar uma imagem idealizada da presença deste governador em Angola 6. 1 Gastão de Sousa Dias, D.Francisco Inocêncio de Sousa Coutinho. Administração Pombalina em Angola, Lisboa, Editorial Cosmos- Cadernos Coloniais, nº 27, Maria Teresa Amado Neves, " D.Francisco Inocêncio de Sousa Coutinho: Aspecto moral da sua acção em Angola " in I Congresso de História da Expansão Portuguesa no Mundo 4ª Secção- Africa, Lisboa, Sociedade Nacional de Tipografia, 1938, p.p Jofre Amaral Nogueira, Angola na época pombalina. O governo de Sousa Coutinho, Lisboa, Ralph Delgado, " O governo de Sousa Coutinho em Angola " in Stvdia, VI, Julho 1960, p.p.19-56; VII, Janeiro 1961, p.p.49-86; X, Julho 1962, p.p António da Silva Rego, " A Academia Portuguesa da História e o II Centenário da Fábrica do Ferro de Nova Oeiras, Angola " in Colectânea de Estudos em Honra do Prof.Doutor Damião Peres, Lisboa, Academia Portuguesa da História, 1974, p.p Excepção no caso de António da Silva Rego, Ob.Cit., p.p Este autor refere com clareza o problema do fracasso do empreendimento da fábrica do ferro de Nova Oeiras e com base em

6 5 Partindo do pressuposto de que o século XVIII teria sido um período de decadência na história de Angola, pressuposto nunca confirmado, viram em Sousa Coutinho alguém que conseguira, nas palavras de Ralph Delgado " sanear o ambiente de maneira a moralizá-lo à europeia " 7. A apologia de Sousa Coutinho é algo que perpassa ao longo do discurso daqueles autores, havendo momentos em que se revela particularmente eloquente. Para Ralph Delgado, D.Francisco de Sousa Coutinho foi " o homem que melhor compreendeu o admirável futuro reservado a Angola e quem mais trabalhou a seu favor " 8. Segundo Gastão de Sousa Dias, o governador Sousa Coutinho " imaginava soldar as pedras de um grandioso império (...) que desde o princípio do estabelecimento dos portugueses em Angola constituía uma aspiração instintiva da raça (...) o ideal secular de um povo por índole criador de nações 9. Jofre Amaral Nogueira refere Sousa Coutinho como um " homem íntegro e esclarecido (...) incansavelmente devotado ao progresso da província " 10. Toda a política de Sousa Coutinho foi para Amaral Nogueira " uma genial antecipação (...) tendo contribuído para a grandiosidade da obra nacional em Africa " 11 Tal situação no tocante à bibliografia obrigou-nos a uma renovada atenção relativamente às fontes primárias com vista a preencher lacunas, a pesquisar aspectos não tratados; em suma, empreender uma reinterpretação do governo de Sousa Coutinho em Angola à luz de uma nova perspectiva. Para a concretização do nosso objectivo, pesquisámos nos principais arquivos portugueses. O principal núcleo arquivístico consultado foi o Arquivo Histórico Ultramarino, repositório de grande parte da documentação relativa à expansão ultramarina portuguesa onde abundam manuscritos referentes à documentação. Nos restantes autores, as referências bibliográficas ou documentais, quando existem, são muito escassas. 7 Ralph Delgado, Ob.Cit., ( X ) p.p Ralph Delgado, Ob.Cit., ( X ) p.46 9 Gastão de Sousa Dias, Ob.Cit., p.p Jofre Amaral Nogueira, Ob.Cit., p.p Jofre Amaral Nogueira, Ob.Cit., p.p

7 6 história administrativa, económica, militar, política e social das colónias portuguesas 12. A documentação por nós consultada, documentos avulsos nas caixas de Angola e códices do Conselho Ultramarino, é constituída, no caso dos códices, quase exclusivamente por correspondência procedente da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e Domínios Ultramarinos e dirigida aos governadores e outros altos funcionários coloniais em Luanda. Os códices oferecem uma fonte extremamente útil no seguimento do processo legislativo colonial aplicado em Angola e das motivações que guiavam os legisladores em Lisboa. As caixas de Angola contêm, na sua maioria, correspondência procedente de Angola e dirigida à Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e Domínios Ultramarinos, designadamente cartas e ofícios do governador contendo importante e abundante informação acerca da história social, económica, política e militar de Angola. Representando apenas a versão oficial dos acontecimentos e reflectindo os problemas relacionados com o poder colonial, a documentação consultada poderá apresentar um outro tipo de limitação dado que se dedica exclusivamente a assuntos e a acontecimentos que se reportam a Luanda e ao seu hinterland. Contudo, é preciso não esquecer que Luanda era capital e sede de governo e o seu hinterland, principal núcleo económico da colónia, a área que mais preocupava os funcionários coloniais. Informação sobre outras regiões tais como o planalto de Benguela, a costa norte ou o Kongo, são muito escassas e espaçadas. Devemos ainda salientar que, pelo facto de a documentação existente ser quase maioritáriamente constituída por correspondência dirigida de Luanda para Lisboa, a informação trocada entre funcionários do governo de 12 José Curto, " A colecção de manuscritos angolanos do Arquivo Histórico Ultramarino de Lisboa " in Revista Internacional de Estudos Africanos, 6-7, Janeiro-Dezembro 1987, p.p Este trabalho de José Curto revelou-se um bom instrumento de trabalho para o início da nossa pesquisa no Arquivo Histórico Ultramarino.

8 7 Luanda e os funcionários dos presídios do interior é em muito menor número. O mesmo se passa em relação à documentação que circulava entre o governo de Luanda e os chefes africanos. Além do importante volume de informação contido nos ofícios de Sousa Coutinho para a Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e Domínios Ultramarinos, conseguimos localizar e analisar, na secção de Reservados e Manuscritos da Biblioteca Nacional, 3 códices contendo na sua totalidade correspondência entre o governador e os funcionários dos presídios do interior, assim como alguma correspondência com os régulos africanos 13. Ainda dentro das fontes primárias manuscritas, temos de mencionar a pesquisa no Arquivo Nacional da Torre do Tombo onde encontrámos alguns elementos relevantes e complementares dos dados recolhidos no Arquivo Histórico Ultramarino e no Arquivo Histórico Militar, onde a documentação consultada relativa ao século XVIII revelou-se escassa mas bastante significativa 14. No âmbito das fontes primárias impressas, a consulta da obra Arquivos de Angola 15 revelou-se de extrema importância dado que contém alguma documentação do Arquivo Histórico de Angola e do Arquivo Histórico da Câmara Municipal de Luanda, arquivos que, infelizmente, não pudémos consultar. Encontrámos ainda documentação com interesse editada por Alfredo de Albuquerque Felner na obra Angola. Apontamentos sobre a colonização dos planaltos e litoral do sul de Angola, datada de José Curto, Ob.Cit., p.290. Não podemos deixar de mencionar a utilidade deste trabalho de José Curto dado que foi através dele que conseguimos localizar estes 3 códices na secção de Reservados e Manuscritos da Biblioteca Nacional. Sem ele teria sido, certamente, muito mais difícil, senão mesmo impossível. 14 Boletim do Arquivo Histórico Militar, 47, 1977, p.p Este número contém um catálogo exaustivo de toda a documentação relativa a Angola que está neste arquivo, do século XVIII ao século XX. 15 Arquivos de Angola, Luanda, Publicação Oficial Editada pela Repartição Central de Estatística Geral de 1933 a I Série nº 1 a 54, II Série nº 1 a Alfredo de Albuquerque Felner, Angola. Apontamentos sobre a colonização do sul de Angola, Lisboa, Agência Geral do Ultramar, 1940

9 8 Não podemos terminar esta introdução sem referir que nos faltaram as fontes para a elaboração da história do governo de Sousa Coutinho em Angola não baseada exclusivamente na versão oficial e eurocêntrica dos acontecimentos. Os documentos que analisámos são, na sua esmagadora maioria, correspondência dos representantes do poder colonial, poder que se assumia como superior e estando em competição com os poderes locais, e raramente reflectem, pelo menos de forma explícita a versão africana dos acontecimentos 17. Apesar das limitações apontadas, a documentação reunida no decurso da nossa pesquisa nos arquivos de Lisboa permitiu-nos, no seu conjunto, tentar caracterizar e compreender a governação de Sousa Coutinho em Angola, tarefa que dada a sua complexidade, não se esgota nesta dissertação. Esperamos num futuro próximo poder continuar o estudo da presença portuguesa em Angola e juntar aos elementos recolhidos em Lisboa, elementos dos núcleos arquivísticos de Angola, cuja consulta se impõe para a elaboração de estudos mais completos sobre a história da presença portuguesa naquele território assim como das sociedades angolanas. 17 Jan Vansina, Kingdoms of the Savanna, Madison, University of Wiscousin Press, 1966, p.p.3-6 e Beatrix Heintze, " Written sources, oral traditions and oral traditions as written sources- The steep and thorny way to early angolan history " in Paideuma, 33, 1987, p.p Estes autores colocam o problema da diversidade das fontes no domínio da história de Africa e da limitação da documentação escrita, bem como da análise crítica que deve existir aquando da sua leitura.

10 9 PARTE I - ANGOLA EM MEADOS DO SÉCULO XVIII: A Situação do Território e a Dificuldade da Implantação Portuguesa

11 10 Capítulo I- Enquadramento Geral: O Espaço e os Homens Situado no Africa Ocidental, a sul do Equador, o território angolano tem um contorno geográfico característico daquela vasta região do continente africano. Uma estreita planície costeira eleva-se, suavemente, a partir do litoral Atlântico, no norte, e mais abruptamente nos seus segmentos central e meridional até atingir o planalto de Benguela-Bié ( m ) 18 ; inúmeros rios correndo, geralmente, de leste para oeste, por entre as vertentes escarpadas dos planaltos do interior, circunstância que só permite a sua navegação práticamente junto ao litoral Atlântico. Mesmo os rios de maior dimensão como o Zaire ou o Kwanza só são navegáveis perto da costa 19. O deserto é a paisagem que marca a região sul-sudoeste, havendo uma transição gradual para norte, passando por savana seca com eufórbias, acácias e baobás até savana arborizada. A zona de Cabinda, ao norte do rio Zaire, é coberta por selva tropical 20. A precipitação vai diminuindo de norte para sul. Das chuvas periódicas na região do Kongo, chega-se a um clima quase desértico junto ao baixo Kunene 21. A planície costeira e nomeadamente a região de Luanda é bastante árida comparada com os planaltos do interior. Ao longo do litoral, as temperaturas são relativamente moderadas devido à fria corrente marítima de Benguela 22. O clima no interior, designadamente no planalto Benguela-Bié é ameno contrastando com o do litoral cujo Inverno, estação quente, húmida e sem precipitação se revela insalubre, dificultando a fixação humana Grande Enciclopédia Geográfica, Volume I, Lisboa, Verbo, 1985, p Joseph Miller, Kings and Kinsmen. Early Mbundu States in Angola, Oxford, The Clarendon Press, 1976, p Grande Enciclopédia Geográfica, Volume I, Lisboa, Verbo, 1985, p Joseph Miller, Kings and Kinsmen. Early Mbundu States in Angola, Oxford, The Clarendon Press, 1976, p Idem, Ibidem, p Idem, Ibidem, p.32

12 11 Os habitantes do espaço angolano concentram-se nas terras mais propícias à agricultura, não muito numerosas, situadas geralmente junto aos rios. Os grupos Mbundu, população cuja língua é o kimbundu, ocupam as regiões banhadas pelo rio Kwanza 24. A sua agricultura baseava-se numa variedade de safras, principalmente milho-miúdo, arroz, sorgo, inhames e óleo de palma, plantas cultivadas desde tempos antigos 25. Essa agricultura foi-se diversificando com a introdução e gradual adopção das plantas do Novo Mundo, tais como o milho-graúdo e a mandioca, proporcionando maiores e melhores rendimentos 26. Nos sistemas agrícolas dos Mbundu temos também de contar com a presença de algum gado, sobretudo nas zonas onde não havia mosca tsé-tsé 27. Actividades de recolecção como a caça no interior e a pesca no litoral devem, certamente, ter desempenhado um papel importante 28. Paralelamente, há a considerar a circulação de um conjunto de bens essenciais na vida económica destas populações como o sal, o ferro e o cobre, base de um comércio indígena de longa distância, desenvolvido muito antes do advento da presença portuguesa em Angola 29. Além do sal e dos metais, outros bens como os panos de ráfia e palma e, devido à presença portuguesa nesta época, os panos de origem europeia e asiática, além do álcool, e das armas de fogo e pólvora; conchas e missangas, eram os principais produtos usados pelos Mbundu para transacções comerciais, como adornos pessoais, marcas de estatuto social 24 David Birmingham, Central Africa to 1870, Cambridge, Cambridge University Press, 1981, p Jill Dias, Africa. Nas Vésperas do Mundo Moderno, Edição da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1992, p Idem, Ibidem, p Beatrix Heintze, " Angola nas garras do tráfico de escravos: As guerras do Ndongo ( ) " in Revista Internacional de Estudos Africanos, I, Janeiro-Junho 1984, p.p Beatrix Heintze, Ob.cit., p David Birmingham, " Early African Trade in Angola and its hinterland " in Pre-Colonial African Trade, ed. D.Birmingham e R.Gray, 1970, p.p

13 12 ou emblemas de poder, desempenhando um papel preponderante na sua vida económica e social 30. A maior parte dos Mbundu estava integrada em grupos corporativos parentais ou linhagens cujo chefe exercia um controlo sobre a terra onde habitavam e sobre os seus filhos 31. Este tipo de controle era justificado e legitimado pela terminologia do parentesco, expressão de laços sociais e políticos, tanto no interior dos grupos ou linhagens, como entre si, mesmo quando não exista uma relação de consanguinidade 32. Tal como em outras sociedades do continente africano, entre os Mbundu, as pessoas eram consideradas um recurso de grande valor 33 e o poder do chefe de uma linhagem traduzia-se no número de dependentes que conseguisse agregar à sua volta. Quanto maior o seu séquito, maior a sua força política e também o seu poder económico dado que era a " transacção " dos direitos que exercia sobre os seus filhos e dependentes 34 que lhe proporcionava o acesso aos bens introduzidos pelos europeus, podendo com esses bens adquirir mais dependentes junto de outras linhagens 35. Os Mbundu encontram-se no espaço que constituía, em meados do século XVIII, a área de influência portuguesa situada entre os rios Dande, a norte, e Kwanza, a sul, conhecida e encarada pela corte de Lisboa como " o reino de Angola e suas conquistas " 36. Ocupava as regiões do extinto reino do Ndongo, um estado independente e relativamente poderoso até meados do século XVII, altura em que fora derrotado pelos portugueses com o 30 Jill Dias, Africa. Nas Vésperas do Mundo Moderno, Edição da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1992, p Idem, Ibidem, p Idem, Ibidem, p Joseph Miller, Way of Death. Merchant Capitalism and the Angolan Slave Trade , Madison, Wisconsin University Press, Em especial ver capítulo 2 The Value of Material Goods and People in African Political Economies p.p Acerca da questão dos direitos sobre as pessoas nas sociedades africanas ver de Igor Kopytoff e Suzanne Miers " African Slavery as an Institution of Marginality " in Slavery in Africa. Historical and Anthropological Perspectives, Madison, University of Wisconsin Press, 1977, p.p A expressão " dependentes " engloba um conjunto de indivíduos que podiam ser parentes, clientela ou escravos do chefe de linhagem. Ver Joseph Miller, Way of Death. Merchant Capitalism and the Angolan Slave Trade , Madison, Wisconsin University Press, 1988, p.42 e ss 36 Idem, Ibidem, p.34

14 13 auxílio dos povos Imbangala 37, encontrando-se dividido em sobados ( ou comunidades rurais ) cujos chefes ou sobas descendiam da aristocracia do extinto reino do Ndongo 38. Em toda a área de influência portuguesa, que também incluía a sul do Kwanza o presídio de Benguela e seus arredores, a presença das comunidades Luso-Africanas, comunidades nascidas da união entre portugueses e africanas ao longo do século XVII, era uma realidade. Em meados do século XVIII, os Luso-Africanos desempenhavam um importante papel no tráfico atlântico de escravos como agentes dos mercadores de Luanda junto dos potentados africanos do interior fornecedores dos escravos, mercadoria que alimentava o principal negócio do Atlântico Sul 39. Na área exterior à influência portuguesa há a considerar o Império Lunda, situado a leste do rio Kwango; a oeste deste rio, os potentados de Kasanje, do Holo e de Nzinga-Matamba, todos ligados ao mundo português dado que são os seus fornecedores de escravos 40. O reino do Kongo e os potentados Musulu, a norte do Dande; Sonyo, junto ao rio Mbrije e os povos Mubire ou Vili na região do Loango fornecem escravos aos ingleses, franceses e holandeses, concorrentes dos portugueses e daí a difícil relação que têm com a administração de Luanda Jill Dias, Africa. Nas Vésperas do Mundo Moderno, Edição da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1992, p.121 e também Joseph Miller, " The Imbangala and the Chronology of Early Central African History " in The Journal of African History, Volume 13, nº4, 1972, p.p Joseph Miller, Way of Death. Merchant Capitalism and the Angolan Slave Trade , Madison, Wisconsin University Press, 1988, p Idem, Ibidem, p.245 e ss. Sobre o tema dos Luso-Africanos ver ainda de Jill Dias " Uma Questão de Identidade: Respostas Intelectuais às Transformações Económicas no Seio da Élite Crioula da Angola Portuguesa entre 1870 e 1930 " in Revista Internacional de Estudos Africanos, I, Janeiro-Junho 1984, p.p Joseph Miller, Way of Death. Merchant Capitalism and the Angolan Slave Trade , Madison, Wisconsin University Press, 1988, p.p Idem, Ibidem, p.p.35-37

15 14 Por último, é ainda de referir a Kisama, região de importantes salinas e refúgio de escravos em fuga 42 e, ao sul, os potentados Ovimbundu no planalto de Benguela-Bié 43. A implantação e dimensão da administração portuguesa na zona entre Dande e Kwanza e a forma como procurou sobreviver face a este complexo mapa étnico-político são as questões que nos propomos abordar no próximo capítulo da Parte I da nossa dissertação. 42 Idem, Ibidem, p Idem, Ibidem, p.28

16 Capítulo II- O Reino de Angola em Meados do Século XVIII 15 Na sequência dos contactos estabelecidos com o reino do Kongo em finais do século XV 44, os portugueses, mais concretamente os habitantes de São Tomé e Príncipe, começaram a frequentar a costa de Angola à procura de fornecimentos de escravos 45. Nesta época, o principal poder da região era um estado Mbundu conhecido na documentação portuguesa como o reino do Ndongo cujo rei se intitulava Ngola, encontrando-se situado no interior, no planalto de Luanda 46. As origens do reino do Ndongo são pouco conhecidas, embora investigação recente indique que o poder político e espiritual do Ngola residia no seu controlo de dois bens essenciais ao funcionamento da economia das populações da região- os depósitos de ferro junto ao rio Lukala e as rotas do sal da Kisama 47. Os primeiros contactos formais entre Ndongo e Portugal ocorreram em 1520, em resposta a um apelo do Ngola Inene Kiluanji, feito através do rei do Kongo, solicitando o envio de missionários cristãos 48. Com o propósito de divulgar o cristianismo junto do Ngola e seu povo, foram enviados os emissários Manuel Pacheco e Baltasar de Castro. Contudo, pouco se sabe do resultado desta primeira missão oficial portuguesa no Ndongo As caravelas portuguesas chegaram ao estuário do rio Zaire por volta de Maio de 1483, Jill Dias, " As primeiras penetrações portuguesas em Africa " in Portugal no Mundo, Volume I, Lisboa, Alfa, 1989, p.p Jean-Luc Vellut, Questions Speciales d Histoire de L Afrique, Université Nationale du Zaire- Campus de Lubumbashi, Faculté des Lettres- Département d Histoire, , p.p David Birmingham, Central Africa to 1870, Cambridge, Cambridge University Press, 1981, p.p Jill Dias, " As primeiras penetrações portuguesas em Africa " in Portugal no Mundo, Volume I, Lisboa, Alfa, 1989, p.p Idem, Ibidem, p.p Monumenta Missionária Africana, I Série- Africa Ocidental ( ), Volume I, Regimento de Manuel Pacheco e Baltasar de Castro, 16 de Fevereiro de 1520, p.p

17 16 Entretanto, os habitantes de São Tomé e Príncipe tinham intensificado os seus contactos com o Ngola, desenvolvendo-se o tráfico de escravos para aquele arquipélago, à revelia do coroa 50. Em 1559 parte de Lisboa uma nova expedição comandada por Paulo Dias de Novais, talvez com a finalidade de negociar com o Ngola uma maior participação da metrópole neste tráfico com o Ndongo. Esta segunda missão acabou por falhar devido à hostilidade do novo Ngola, Ndambi, que entretanto tinha ascendido ao poder, terminando uma fase, relativamente pacífica, de actividade portuguesa em território angolano 51. Quando Paulo Dias de Novais regressou ao Kwanza em 1575 foi como donatário de uma faixa de território junto ao litoral, dando início a uma política completamente nova em relação à Africa Ocidental a sul do Equador. Ao contrário da presença pacífica no Kongo, voltada para a missionação e para os contactos diplomáticos, em Angola assistiu-se a uma política de conquista militar e a uma tentativa de colonização do território 52. A forte oposição do Ngola à presença dos portugueses teve por consequência quase um século de conflitos, acabando o reino do Ndongo por ser derrotado na década de Os portugueses preservaram o nome " Ngola " para designar a região conquistada que passou a ser conhecida por " reino de Angola " ( uma corruptela de Ngola ) ou ainda por " colónia de Angola " Jill Dias, " As primeiras penetrações portuguesas em Africa " in Portugal no Mundo, Volume I, Lisboa, Alfa, 1989, p.p Idem, Ibidem, p.p A carta de doação outorgada a Paulo Dias de Novais pelo rei D.Sebastião em 1571 é clara quanto ao seu principal objectivo: " D.Sebastião etc Aos que esta minha carta virem faço saber que vedo e conssiderando em quanto couem a seruiço de Noso Senhor e tão bem ao meu mandar sogeitar e conquistar o Reyno d Angola " in Monumenta Missionária Africana, I Série- Africa Ocidental ( ), Volume III, p.36. É feita a Paulo Dias de Novais uma doação irrevogável de 35 léguas de terra " na costa do dito Reyno de Angola que começará no rio Quanza e agoas vertentes a elle pera o sul e etrara pella terra dentro quanto poderem entrar e for de minha conquista, da qual terra pella dita demarcação lhe asj faço doação e merce de juro e d erdade pera todo o sempre como dito he ", Idem, Ibidem, p Jill Dias, Africa. Nas vésperas do mundo moderno, Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1992, p.121. Os portugueses só conseguiram derrotar o reino do Ndongo devido à aliança estabelecida com os povos Imbangala; sobre este assunto ver Joseph Miller, " The Imbangala and the chronology of early Central African history " in The Journal of African History, Volume 13, nº4, 1972, p.p José Carlos Venâncio, A economia de Luanda e hinterland no século XVIII- Um estudo de etnologia histórica, Lisboa, 1985, p.p.21-22

18 17 A) A Administração do Espaço Sob Domínio Português Em meados do século XVIII, o território angolano que estava sob administração portuguesa compreendia duas zonas. A primeira estava delimitada a norte pelo rio Dande, a sul pelo Kwanza, a leste pelo Lukala e a oeste pelo oceano Atlântico. A segunda era a zona de Benguela. Nesta extensão territorial a afirmação do poder político português era extremamente precária permitindo que até ao século XIX coexistissem várias soberanias. A portuguesa, confinada ao litoral e a alguns presídios no interior, a de diversos potentados localizados fora do reino de Angola e, por vezes, hostis ao governo de Luanda e a dos sobados, que reconhecendo o governador português, não permitiam que a sua autoridade se exercesse nos seus domínios 55. Em suma, apenas uma diminuta parcela do território se podia considerar sob jurisdição portuguesa visto que às portas de Luanda e junto aos presídios que circundavam o Kwanza, o domínio era já precário. Apesar desta difícil situação, a manutenção de Angola justificou-se no facto de o tráfico de escravos ter constituído, desde o início da presença portuguesa no território, o fulcro da sua vida económica em estreita ligação com a economia do Brasil. Enquanto fornecedor de mão-de-obre escrava, sustentáculo da economia brasileira dos séculos XVII e XVIII, Angola, assim como outros domínios da costa ocidental africana, foi considerado, na perspectiva da coroa portuguesa, um espaço vital orientado para o desenvolvimento de uma política colonial atlântica protagonizada pelo Brasil Carlos Couto, Os capitães-mores em Angola no século XVIII. Subsídio para o estudo da sua actuação, Luanda, Instituto de Investigação Científica de Angola, 1972, p Maria Luísa Esteves, " Para o estudo do tráfico de escravos de Angola ( ) " in Stvdia, nº50, 1991, p.p.79-95

19 18 Data de finais do século XVII o início da definição do contorno administrativo do território angolano que, com ligeiras alterações no século seguinte, chegou, quase incólume, ao século XIX 57. Após a fundação da vila de São Paulo de Assumpção de Luanda em 1576, elevada a cidade em , seguiu-se a conquista e tentativa de ocupação do interior orientada por três objectivos: procura de metais preciosos, nomeadamente prata que se supunha existir no sertão; difusão do cristianismo, componente essencial em toda a expansão portuguesa; e o comércio de resgate e tráfico de escravos que depressa assumiu uma importância primordial 59. Na convicção de que hipotéticas minas de prata se encontravam na região de Cambambe, a linha natural da penetração portuguesa no sertão foi o curso do rio Kwanza 60. Perante a constatação da inexistência das minas de prata de Cambambe foi para o tráfico de escravos que se voltaram as atenções. A ocupação militar do território e o alargamento do tráfico de escravos levaram ao aparecimento de povoações e à construção de fortalezas. Além de Luanda, no litoral, foram surgindo no interior, desde finais do século XVI até meados do século XVIII alguns presídios que funcionavam como postos avançados na defesa de Luanda e seu hinterland 61. Se a doação a Paulo Dias de Novais, feita nos termos das cartas de doação das capitanias brasileiras, representou uma primeira tentativa de delimitação do território, do seu reconhecimento e da exploração dos seus recursos naturais, foi a chegada, em 1592, do primeiro governador-geral que marcou, de facto, o início de uma política colonizadora assumindo-se a metrópole como orientadora exclusiva e única entidade financeira do 57 Carlos Couto, Ob.Cit., p José Carlos Venâncio, Ob.Cit., p.p Carlos Couto, Ob.Cit., p Carlos Couto, Ob.Cit., p Carlos Couto, Ob.Cit., p.104

20 19 processo de conquista militar, processo que se prolongou até finais do século XVII 62. A mesma situação observava-se no século XVIII. O governo e administração do reino de Angola estavam integralmente nas mãos da coroa, representada no terreno pelo governador e capitão-general, nomeado pelo rei por um período de 3 anos 63. Ao embarcarem para Angola, os governadores levavam o seu " regimento ", documento onde constavam os pontos fundamentais a ter em conta no exercício das suas funções 64. O regimento do governo-geral de Angola passado em 26 de Março de 1607 ao governador então nomeado, Manuel Pereira Forjaz, teria sido, porventura, o primeiro organizado em moldes gerais dele constando instruções esclarecedoras da administração pública e da evolução territorial de Angola no início do século XVII 65. No regimento do governo de Angola outorgado a Aires de Saldanha de Meneses em 1676 encontra-se definida a jurisdição atribuída ao governador enquanto primeiro magistrado do território que se apresenta válida para o século XVIII. No capítulo 43º, ao determinar-se a sua alçada no foro civil e judicial, são-lhe concedidos amplos poderes: " Hey por bem que em quanto servirdes o dito governo tenhães jurisdição no civel e no crime em toda a gente moradora e estante nese reyno e em toda a mais que a elle for (...) e nos cazos crimes vos e o dito ouvidor geral tereis jurisdição ate morte natural incluzive asim nos portugueses como christãos da terra, escravos e gentios em todos os cazos, asim para absolver como para condenar sem apelação e agravo (...) " 66. Era-lhes confiado o governo civil e militar do território assim como a presidência da Junta da Fazenda e da Junta Criminal, instituições criadas 62 Ralph Delgado, História de Angola, s.l., Edição do Banco de Angola, s.d., Volume I, p.p Marcelo Caetano, " As reformas pombalinas e post-pombalinas respeitantes ao Ultramar. O novo espírito em que são concebidas " in História da Expansão Portuguesa no Mundo, Volume III, Lisboa, Ática, 1940, p.p Carlos Couto, Ob.Cit., p.p Ralph Delgado, Ob.Cit., Volume II, p A.H.U., Angola, Códice 544, fl.1-28 v- Regimento do governo de Angola dado a Aires de Saldanha de Meneses de 12 de Fevereiro de 1676, capítulo 43º

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 2ª DIVISÃO, 8ª SECÇÃO

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 2ª DIVISÃO, 8ª SECÇÃO DIRECÇÃO DE CULTURA E HISTÓRIA MILITAR ARQUIVO HISTÓRICO MILITAR SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 2ª DIVISÃO, 8ª SECÇÃO INVENTÁRIO DE DOCUMENTOS Lisboa 2007 FICHA TÉCNICA: Direcção de Cultura e História Militar Arquivo

Leia mais

CURRICULUM VITAE DE ANA MADALENA TRIGO DE SOUSA INVESTIGADORA-AUXILIAR DO CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA DO ATLÂNTICO (CEHA) FUNCHAL, 2015

CURRICULUM VITAE DE ANA MADALENA TRIGO DE SOUSA INVESTIGADORA-AUXILIAR DO CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA DO ATLÂNTICO (CEHA) FUNCHAL, 2015 CURRICULUM VITAE DE ANA MADALENA TRIGO DE SOUSA INVESTIGADORA-AUXILIAR DO CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA DO ATLÂNTICO (CEHA) FUNCHAL, 2015 1 IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Nome Ana Madalena Rosa Barros Trigo de

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 Unidade 7 Nome: Data: 1. Leia o trecho a seguir e faça o que se pede. Depois de estabelecer colônias na África e chegar à Índia e à América, os navegadores

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. Sobre as formas de conquista e exploração do governo português, associe corretamente as colunas. a) Relações diplomáticas.

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

de escravos a sul do Equador. A França iniciou o processo de libertação dos escravos no ano de 1818.

de escravos a sul do Equador. A França iniciou o processo de libertação dos escravos no ano de 1818. COMÉRCIO EXTERNO A análise do comércio externo da Guiné esbarra na realidade nua e crua do carácter agrícola e comercial como base da sua economia. Desde os primórdios dos Descobrimentos a Guiné contribuiu

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Notas sobre administração e a questão jurisdicional em Minas (1710 1750). Thiago Rodrigues da Silva*

Notas sobre administração e a questão jurisdicional em Minas (1710 1750). Thiago Rodrigues da Silva* Notas sobre administração e a questão jurisdicional em Minas (1710 1750). Thiago Rodrigues da Silva* Pretendo, de forma sucinta, apontar práticas administrativas e especificidades regionais. O Antigo Regime

Leia mais

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa.

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. Vera, Use a seguinte legenda: Amarelo: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.info.lncc.br/wrmkkk/tratados.html Rosa: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.webhistoria.com.br

Leia mais

TIMOR 2ª DIVISÃO, 9ª SECÇÃO

TIMOR 2ª DIVISÃO, 9ª SECÇÃO ESTADO MAIOR DO EXÉRCITO ARQUIVO HISTÓRICO MILITAR TIMOR 2ª DIVISÃO, 9ª SECÇÃO INVENTÁRIO DE DOCUMENTOS Lisboa 2002, Maio FICHA TÉCNICA: Estado Maior do Exército Arquivo Histórico Militar Timor, 1936 1998.

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

A ÁFRICA NOS TEMPOS DO TRÁFICO ATLÂNTICO

A ÁFRICA NOS TEMPOS DO TRÁFICO ATLÂNTICO A ÁFRICA NOS TEMPOS DO TRÁFICO ATLÂNTICO O ISLÃ CHEGA À ÁFRICA A partir do séc. VII, os árabes muçulmanos construíram um grande império na África: Oriente Médio, norte da África até grande parte da Península

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral

APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral O convite que me foi feito por João Lopes Filho para apresentar o livro Cabo Verde abolição da escravatura subsídios

Leia mais

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal.

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal. «BANCO DE BARCELOS» O ano de 1919, foi um ano caraterizado por um grande alargamento da rede de agências do Banco Nacional Ultramarino. O aumento de redes operou-se por todo o continente português, incluindo

Leia mais

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação A defesa militar da Amazônia Celso Castro e Adriana Barreto de Souza Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação independente? A pergunta, contraditória em seus próprios termos,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006 PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Observe os

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA A nível mundial, o primeiro papel moeda surgiu na China, no séc. VII, na dinastia Tang, para facilitar aos comerciantes o transporte de grandes quantidades de moeda de metal,

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A INFLUÊNCIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA NA COLONIZAÇÃO DO IMPÉRIO PORTUGUÊS

REFLEXÕES SOBRE A INFLUÊNCIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA NA COLONIZAÇÃO DO IMPÉRIO PORTUGUÊS REFLEXÕES SOBRE A INFLUÊNCIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA NA COLONIZAÇÃO DO IMPÉRIO PORTUGUÊS ROSOLEN, Solange Montanher 1 COSTA, Célio Juvenal 2 1. INTRODUÇÃO O Império Português formou progressivamente

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS INSTITUIÇÕES SUPERIORES DE CONTROLO FINANCEIRO EM PORTUGAL

BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS INSTITUIÇÕES SUPERIORES DE CONTROLO FINANCEIRO EM PORTUGAL BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS INSTITUIÇÕES SUPERIORES DE CONTROLO FINANCEIRO EM PORTUGAL Desde a Casa aos Contos, cuja existência remonta ao reinado de D. Dinis e cuja formalização ocorre no reinado de

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS?

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS? EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 7670 Diário da República, 1.ª série N.º 202 19 de Outubro de 2007 h) Garantir a gestão de serviços comuns no âmbito das aplicações cuja concretização esteja a cargo do II e promover a sua partilha e reutilização;

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 01. (Fatec-SP) Não

Leia mais

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo I - Introdução Consideram-se como Norte os países ricos ou industrializados: o primeiro Mundo ou países capitalistas desenvolvidos, em primeiro lugar e também os países mais industrializados do antigo

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

Intervenção do Subsecretário Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa do Governo dos Açores. Cimeira da Macaronésia

Intervenção do Subsecretário Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa do Governo dos Açores. Cimeira da Macaronésia Intervenção do Subsecretário Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa do Governo dos Açores Cimeira da Macaronésia 12 de Dezembro de 2010, Mindelo, Cabo Verde - Senhor Primeiro-Ministro do Governo

Leia mais

As descobertas do século XV

As descobertas do século XV As descobertas do século XV Expansãomarítima: Alargamento do espaço português procurando terras noutros continentes através do mar; O acontecimento que marca o início da expansão portuguesaéaconquistadeceutaem1415;

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Através do Decreto -Lei n.º 212/2006, de 27 de Outubro (Lei Orgânica do Ministério da Saúde), e do Decreto -Lei n.º 221/2007, de 29 de Maio,

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI 1. Expansionismo Europeu 1.1. Rumos da expansão 1.1.1. Os avanços da expansão e as rivalidades luso-castelhanas 1.1.2. A chegada à Índia e ao Brasil 1.2.

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1 Documento 34 Requerimento do Padre António Correia Pais, sacerdote do habito de São Pedro e morador do termo da vila de Alagoas, ao ouvidor e auditor-geral

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução:

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA 2007 HISTÓRIA - 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL Nº: NOME: TURMA: A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: Durante o século XVI, as povoações geralmente

Leia mais

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão:

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: 1 O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: O CNC CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES é um Instituto Público que tem por Missão, a coordenação e o controlo das operações de comércio e transporte

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA código 171608 Escola Básica D. Domingos Jardo MANUAL ADOPTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - HGP AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE/ MARÍLIA GAGO

Leia mais

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 Jessica Aparecida Correa 1,orientador- Paulo Roberto

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 2014/ GEOGRAFIA/ PROF.IRINO /7º ANO

EXERCÍCIOS ON LINE 2014/ GEOGRAFIA/ PROF.IRINO /7º ANO EXERCÍCIOS ON LINE 2014/ GEOGRAFIA/ PROF.IRINO /7º ANO 1- Assinale a alternativa correta. A linha imaginária considerada o marco 0 dos fusos horários é: a) Linha do Equador b) Trópico de Capricórnio c)

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo

MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas.

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO Ano letivo 2013/2014 Manual de História e Geografia de Portugal do 5º Ano : «Saber

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere.

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. Revisão Específicas 1. (FUVEST) Observe esta charge: a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. b) Explique quais são os principais elementos do desenho que permitem identificar

Leia mais

VERSÃO CONSOLIDADA DA CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO HIDROGRÁFICA INTERNACIONAL CONFORME PROTOCOLO DE EMENDAS À CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO

VERSÃO CONSOLIDADA DA CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO HIDROGRÁFICA INTERNACIONAL CONFORME PROTOCOLO DE EMENDAS À CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO VERSÃO CONSOLIDADA DA CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO HIDROGRÁFICA INTERNACIONAL CONFORME PROTOCOLO DE EMENDAS À CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO HIDROGRÁFICA INTERNACIONAL CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO

Leia mais

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS 3.1- A AGROMANUFATURA AÇUCAREIRA O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) - Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-deobra,mercado externo ) - Participação

Leia mais

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007 XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007 Projecto Carta da Terra. Instrumento de Sustentabilidade. Balanço e Perspectivas Manuel

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência 7 de maio de 2014 Senhores Coordenadores do Curso de Formação para

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil BRASIL COLÔNIA Independência do Brasil Enquanto o governo absolutista português reprimia com vigor os movimentos republicanos no Brasil, o absolutismo na Europa era contestado pela Revolução Francesa,

Leia mais

«PRESENÇA DO BNU NA GUINÉ»

«PRESENÇA DO BNU NA GUINÉ» «PRESENÇA DO BNU NA GUINÉ» Abertura da primeira Agência em 1902, em Bolama. A história do Banco Nacional Ultramarino, fundado em 1864, está também indiscutivelmente ligada ao último século da presença

Leia mais

OS DESCOBRIMENTOS E A COLONIZAÇÃO DA GUINÉ

OS DESCOBRIMENTOS E A COLONIZAÇÃO DA GUINÉ OS DESCOBRIMENTOS E A COLONIZAÇÃO DA GUINÉ A Guiné-Bissau de hoje fez parte das terras africanas com uma fundamental importância na empresa dos Descobrimentos que Portugal empreendeu, a partir do Século

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Colonização Portuguesa da Amazônia: séculos XVII e XVIII

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Colonização Portuguesa da Amazônia: séculos XVII e XVIII Conteúdo: Colonização Portuguesa da Amazônia: séculos XVII e XVIII Habilidades: Classificar as medidas do governo de Pombal para a região amazônica e suas repercussões no cotidiano dos povos indígenas.

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE O Brasil é considerado um país de dimensões CONTINENTAIS, pois sua área de 8.514.876 Km² é quase igual a do Continente Oceânico. Ele é o 5º país em extensão territorial

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL de 1803 a 1822: Um Olhar sobre a Vila de São José do Parayba.

ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL de 1803 a 1822: Um Olhar sobre a Vila de São José do Parayba. ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL de 1803 a 1822: Um Olhar sobre a Vila de São José do Parayba. Maria Aparecida Papali, Maria José Acedo del Olmo e Valéria Zanetti 1 É nas Vilas, sedes dos termos e das comarcas,

Leia mais

Duarte Ribeiro de Macedo

Duarte Ribeiro de Macedo BIBLIOTECA DIPLOMÁTICA - Série Ana Maria Homem Leal de Faria A 398608 Duarte Ribeiro de Macedo Um diplomata moderno 1618-1680 Ministério dos Negócios Estrangeiros ÍNDICE Siglas e Abreviaturas 15 Preâmbulo

Leia mais

A visão geopolítica luso-brasileira: Colônia Império

A visão geopolítica luso-brasileira: Colônia Império A visão geopolítica luso-brasileira: Colônia Império ECEME IMM / CEE 12/JUN/2013 Marcos Henrique Camillo Côrtes Embaixador À guisa de introdução Fundamentos do Relacionamento Internacional 1. Espaço Geopolítico

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S HISTÓRIA 2 a 1 - Este Caderno de Prova contém cinco questões, que ocupam um total de nove páginas, numeradas de 3 a 11.. Caso haja algum

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas.

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. 2 Habilidades: Observar as limitações das Guianas e suas ligações com o Brasil. 3 Colômbia 4 Maior população da América Andina. Possui duas saídas marítimas: Para o Atlântico

Leia mais