CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO"

Transcrição

1 CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO Existem várias maneiras com as quais dados geográficos podem ser distribuídos pela Internet, todas fundamentadas no modelo cliente-servidor (Plewe,1997). A Figura 2.1 apresenta a arquitetura básica de um sistema cliente-servidor. Esta arquitetura é constituída de programa cliente, denominado navegador, que se comunica com o servidor através de um protocolo HTTP ( Hyper Text Transfer Protocol ) e faz uma requisição. O servidor processa a requisição e retorna o endereço de uma página HTML ( Hyper Text Markup Language ) através de uma URL ( Universal Resource Locator ) que é então enviada ao cliente. Cliente Requisições de URL Servidor Navegador Páginas HTML, imagens Servidor HTTP Arquivos Figura 2.1 Arquitetura de um projeto cliente-servidor clássico. FONTE: Modificada de Plewe (1997). O modelo utilizado para disseminação de dados geográficos é normalmente uma extensão do conceito cliente-servidor conhecido como servidor multi camada ( multi-tiered ). Nesta 6

2 arquitetura, o cliente pode ser um navegador da Internet (com programas acoplados) ou um SIG. O servidor multi camada consiste de um programa servidor de HTTP e um programa servidor de dados geográficos. Quando é feita uma requisição ao servidor, a mensagem é enviada pela Internet ao programa servidor de HTTP. O servidor de HTTP reconhece esta mensagem e passa os parâmetros para execução para o servidor de dados geográficos. O servidor de dados geográficos, executa os processamentos e retorna os resultados ao servidor HTTP, que por sua vez os envia ao cliente. Os dados que o servidor HTTP envia ao cliente devem estar num formato que possa ser entendido pelo navegador, por um programa acoplado a este, ou um applet JAVA, conforme a arquitetura do sistema utilizado. A Figura 2.2 apresenta os componentes típicos de uma arquitetura multicamada. Cliente Navegador SIG Disco Local Requisições de URL Páginas HTML, imagens, dados geográficos. Servidor Servidor HTTP Servidor de Dados Repositório de Dados Figura 2.2 O Modelo cliente-servidor multi camada. FONTE: Modificada de Plewe (1997). As estratégias de implementação podem estar concentradas no lado do servidor, onde é feito o processamento das requisições e o retorno dos dados ao cliente, concentrados no lado cliente, onde os usuários são capazes de realizar alguma manipulação local, ou distribuída em sistemas híbridos em que os processos podem ser combinados para satisfazer necessidades específicas (Foote,1997). 7

3 2.1 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DADOS GEOGRÁFICOS DISPONÍVEIS NA INTERNET Nos últimos anos vem crescendo o número de iniciativas para publicação de dados geográficos na Internet. Estas iniciativas implementam serviços que variam desde simples servidores de arquivos com dados geográficos que podem ser transferidos pelos usuários, a sistemas sofisticados que permitem seleções utilizando linguagens de consulta espaciais e buscas por metadados. Em sua maioria estes serviços estão baseados nas arquiteturas de Servidores de Mapas, Clientes de Apresentação, Cliente-Servidor de Dados Geográficos, ou variações sobre elas. Neste tópico vamos discutir estas 3 arquiteturas SERVIDORES REMOTOS DE MAPAS Neste tipo de arquitetura os mapas podem ser estáticos, ou seja, gerados previamente por sistemas de informação geográfica e inseridos em páginas HTML para consultas, ou dinâmicos, onde o usuário pode estabelecer alguns parâmetros para sua visualização tais como região geográfica, planos de interesse e simbologia a ser utilizada. Usualmente os mapas estáticos são convertidos por sistemas de informações geográficas para um formato de imagem padrão tal como GIF ou JPEG e posteriormente inseridos em páginas HTML que poderão ser acessadas pelos usuários. Pode se utilizar também o formato vetorial, porém estes formatos exigem que seja instalado um programa acoplado ao navegador para sua visualização. Esta operação de instalação necessita ser efetuada somente uma vez e a partir daí serão habilitadas as interações com dados em formatos tais como CGM e DXF que são bastante difundidos para intercâmbio de dados. Para os casos onde são transferidos arquivos de imagem entre o servidor e o cliente de dados geográficos a alternativa mais utilizada para diminuir o volume de dados é a compactação para formatos de arquivos tais como GIF ou JPEG. Outra alternativa que pode ser utilizada em conjunto com a compactação é o pré-processamento de arquivos de 8

4 imagem para serem transferidos conforme a escala de apresentação no cliente. O trabalho de Evans (1996) apresenta um esquema em que imagens de ortofotos de tamanho original de 8.000x8.000 pixels são recortados em 16 partes de 2.000x2.000 pixels, que são posteriormente recortadas em 16 partes de 500x500 pixels. As imagens originais de 8.000x8.000 pixels são reamostradas em 16 vezes, e as intermediárias de 2.000x2.000 pixels são reamostradas em 4 vezes gerando imagens resultantes de 500x500 pixels. As imagens armazenadas no servidor que serão transferidas ao cliente tem tamanho fixo de 500x500 pixels e representam 3 níveis para visualização. O primeiro nível apresenta a imagem original reamostrada em 16 vezes e uma grade que permite ao usuário selecionar qual das 16 partes dela deseja visualizar no próximo nível de apresentação. Este esquema se repete para o segundo nível e para cada seleção do usuário é transferido um arquivo de 500x500 pixels entre o servidor e o cliente. A quantidade de níveis utilizada para uma aplicação vai determinar o número de arquivos que deverão ser armazenadas no servidor para representar uma unidade de região definida. No caso das ortofotos para representação de cada imagem original de 8.000x8.000 pixels são necessários 273 ( ) arquivos de 500x500 pixels. Este número muito grande de arquivos pode trazer problemas para organização e manutenção dos dados no servidor. A Figura 2.3 apresenta o esquema de divisão de uma ortofoto original em partes pixels 500 pixels pixels Figura 2.3 Esquema de divisão de uma ortofoto de 8.000x8.000 pixels. FONTE: Evans (1996). 9

5 Para os casos onde se utilizam arquivos vetoriais para representação de dados geográficos existem também propostas de formatos compactados para seu armazenamento tal como o TWF (TECGRAF Web Format) (Ferreira,1998). Segundo Ferreira, A comparação com arquivos GIF indica que a técnica proposta é boa para resoluções de apresentação por volta de 4.096x4.096 pixels. Isto é, se a resolução é pequena, por exemplo 512x512, o arquivo GIF é definitivamente menor. Por outro lado, para resoluções muito grandes (32.768x32.768), quase nenhum segmento de poligonal pode ser codificado como uma cadeia de bits e a estratégia proposta perderá sua principal vantagem. No caso de mapas dinâmicos existe um pouco mais de flexibilidade, onde o usuário pode definir certos parâmetros para sua apresentação tais como: os temas que serão incluídos, a escala, a localização e em alguns serviços até mesmo a simbologia a ser adotada. Os mapas podem ser gerados diretamente pelo SIG ou por um outro programa escrito especificamente para este propósito, denominado gerador de mapas. Esta arquitetura é mais adequada para usuários pouco capacitados e que queiram obter informações simples, tais como localizar um ponto em um mapa de ruas da cidade ou saber a distância aproximada entre dois locais para programar uma viagem. Um dos primeiros serviços a utilizar esta arquitetura foi disponibilizado em 1991 pelo U.S. Census Bureau denominado TIGER (TIGER,2000). Ele gera mapas temáticos de dados estatísticos do censo dos Estados Unidos. Outro pioneiro também nesta área foi o Map Server desenvolvido pelo Xerox PARC ( Palo Alto Research Center ) e disponibilizado em 1993 (Xerox,2000). O Socioeconomic Data and Application Center dos Estados Unidos possui também uma aplicação em HTML que tem como objetivo auxiliar os usuários a sintetizar e aplicar ciências naturais e dados socioeconômicos em suas pesquisas, atividades educacionais, análises e tomadas de decisão (SEDAC,2000). Esta aplicação utiliza um conjunto de formulários em HTML onde o usuário é capaz de selecionar parâmetros a respeito de seus dados de interesse. Ao receber os parâmetros 10

6 submetidos pelo usuário o servidor utiliza-os para gerar uma mapa em formato GIF que será enviado como resposta para ser visualizado pelo usuário. São enviados também arquivos de descrições e estatísticas, em formato previamente escolhido pelo usuário, para complementar o entendimento do mapa gerado. As Figuras 2.4 e 2.5 mostram respectivamente um formulário para seleção de alguns parâmetros do mapa e o resultado obtido. Figura 2.4 Formulário do SEDAC para visualização de mapas. 11

7 Figura 2.5 Mapa resultante no SEDAC. Nesta categoria de servidores remotos existem diversos outros serviços disponíveis na Internet. Uma das aplicações mais comuns é de localização de endereços já implantada em vários aglomerados metropolitanos espalhados pelo mundo. Como por exemplo o Street Finder para a área da Baía de São Francisco nos Estados Unidos (SF,2000). Seguindo a mesma linha existe também o MapQuest (MapQuest,2000) que é um guia de ruas dentro dos Estados Unidos que dentre seus serviços permite ao usuário localizar um determinado endereço e até mesmo calcular a distância entre dois endereços fornecidos. Este serviço também possui uma versão do tipo clientes de apresentação em JAVA que será abordada adiante. Outra aplicação também interessante é o How Far is It (HF,2000) que permite calcular a distância em linha reta entre duas localidades usando dados do US Census Bureau, e uma lista suplementar de cidades ao redor do mundo, encontrando então as coordenadas dos dois lugares, a distância entre eles e fornecendo uma mapa mostrando os 12

8 locais usando o Map Server da Xerox. A Figura 2.6 apresenta o resultado de uma pesquisa da distância entre São Paulo e Rio de Janeiro. Figura 2.6 Resultado da pesquisa de distâncias entre São Paulo e Rio de Janeiro no How Far is It. A Figura 2.7 apresenta um mapa mostrando as duas localidades em destaque com a cor vermelha para as localidades selecionadas. Este serviço é bastante interessante pelo fato de se utilizar de outros serviços já disponíveis para gerar os resultados solicitados pelo usuário. 13

9 Figura 2.7 Mapa Gerado pelo Map Server como resultado de uma pesquisa no How Far is It CLIENTES DE APRESENTAÇÃO Neste tipo de arquitetura todos os dados são transmitidos do servidor para o cliente. Esta transferência pode ser de forma imediata, ou seja, não é fornecida nenhuma opção ao cliente e os dados são transferidos assim que se estabelece a conexão cliente-servidor, ou opcional, onde o cliente tem a possibilidade de escolher o conjunto de dados com os quais deseja trabalhar. Com os dados já transferidos para o ambiente do cliente, podem ser disponibilizadas as operações sobre eles tais como busca por atributos, buscas espaciais, definição de zonas, classificação, mostrar mapas e até mesmo efetuar edição dos dados. 14

10 Nesta arquitetura para que o cliente tenha a capacidade de interação com os dados geográficos é necessária a utilização de um programa acoplado ao navegador ou um applet JAVA que efetue estas funções. O servidor, em grande parte dos casos, não necessita de funções especializadas ficando somente responsável pelo armazenamento e transmissões dos dados aos clientes. A Figura 2.8 apresenta os componentes básicos de uma arquitetura cliente de apresentação. CLIENTE Navegador + Applet ou+ Programa Acoplado Dados Geográficos Solicitação de Dados SERVIDOR Servidor HTTP Arquivos Figura 2.8 Componentes básicos de uma arquitetura de cliente de apresentação. Uma aplicação do tipo cliente de apresentação desenvolvida no INPE é o SpringWeb (Freitas,1997). No SpringWeb os dados são todos transferidos inicialmente para a máquina do cliente utilizando um arquivo no formato texto. Este arquivo especifica os elementos de apresentação do mapa tais como linhas, polígonos, imagens e seu conjunto de atributos. Ao 15

11 usuário é fornecida uma interface que possibilita a seleção dos elementos que ele deseja visualizar. Esta interface possui funções de zoom, vôo e seleção de dados para visualização de seus atributos. A Figura 2.9 apresenta a interface do SpringWeb para dados do projeto ProArco (INPE/DPI,2000 C ) que tem como objetivo apresentar focos de queimada na região amazônica. Figura 2.9 Interface do SpringWeb. O SpringWeb utiliza um formato próprio para armazenamento de seus dados. Isto exige que dados produzidos em SIGs comerciais necessitem de um processo de conversão antes que possam ser utilizados. 16

12 Um outro tipo de cliente de apresentação pode acessar diretamente dados em formatos já existentes produzidos por SIGs comerciais tais como o Java Spatial Data Viewer (SDV,2000) e o JAVA shpclient (shpclient,2000) que são capazes de visualizar arquivos do tipo Shapefiles da ESRI. O clientes de apresentação são muito utilizados em mapas turísticos interativos. Um exemplo deste tipo de aplicação é o Virtual NYC (2000) que permite navegar sobre um mapa da cidade de Nova York e realizar uma série de interações sobre ele. A Figura 2.10 apresenta uma das interfaces do Virtual NYC. Figura 2.10 Interface do Virtual NYC. 17

13 2.1.3 CLIENTE-SERVIDOR DE DADOS GEOGRÁFICOS Nesta arquitetura, tanto o cliente como o servidor possuem programas especializados que se comunicam trocando mensagens e dados geográficos. Esta arquitetura é mais versátil que os Servidores Remotos de Mapas e Clientes de Apresentação podendo incorporar funções realizadas por ambos, distribuindo de forma mais adequada à aplicação quais funções ficam no cliente e quais funções ficam no servidor. Este balanceamento de funções é a principal vantagem desta arquitetura em relação as outras. Um outra vantagem é a capacidade de estabelecer um protocolo entre o cliente e o servidor que minimize a transmissão desnecessária de dados geográficos entre ambos. Para algumas implementações, há necessidade de instalação prévia de um programa acoplado ao navegador. A transferência deste programa pela Internet pode ser demorada e sua instalação pode ser complexa para usuários menos especializados. Um exemplo desta arquitetura pode ser encontrado em Vianna (2000), que descreve uma implementação utilizando as tecnologias JAVA ( Applet/Servlet ) e COM para a visualização de dados geográficos. Muitos fornecedores de SIG tem trabalhado em versões de partes de seus sistemas para JAVA. As principais razões são o fato de JAVA ser uma linguagem independente de plataforma e poder se combinar facilmente com as tecnologias de Internet. Os aplicativos em JAVA podem ser desenvolvidos com a capacidade de interagir tanto com dados matriciais como vetoriais. Alguns fornecedores oferecem soluções completas e configuráveis para o cliente e servidor, como o caso da PGS (2000) ( Profissional Geo Systems ) que tem um visualizador de dados geográficos denominado Lava GIS Browser desenvolvido totalmente em JAVA. No lado do servidor a PGS oferece o Magma Geodata Publisher que é capaz de conectar um servidor de HTTP com vários repositórios de dados geográficos. 18

14 2.2 RESUMO Neste capítulo foram apresentadas as principais arquiteturas para disseminação de dados geográficos. Estas arquiteturas podem estar concentradas no lado cliente, no lado servidor, ou ser um híbrido entre ambas distribuindo as funções entre o cliente e o servidor. As arquiteturas Cliente-Servidor de Dados Geográficos possuem uma maior versatilidade e podem trazer vantagens nas suas implementações tais como permitir maior interatividade e capacidade de processamento utilizando os dados transferidos ao cliente. A Tabela 2.1 apresenta uma comparação entre as principais vantagens e desvantagens das arquiteturas apresentadas. Tabela Comparativo entre as características entre configurações do tipo Servidores Remotos de Mapas e Clientes de Apresentação. Tipos de Sistema Vantagens Desvantagens Servidor Remoto de Mapas Cliente de Apresentação Cliente- Servidor de Dados Geográficos Concentração de softwares e dados em uma única máquina. Mais fácil de controlar o acesso à informação. Mais fácil de manter a integridade e atualização dos dados. Os usuários podem ter acesso a bancos de dados complexos que seriam difíceis de manter em suas máquinas. Reduz a Quantidade de dados que devem ser transmitidos pela Internet. Melhor Distribuição das atividades que devem ser realizadas no cliente e no servidor. Melhor comunicação entre cliente e servidor. Maior interatividade por parte do usuário. 19 A cada atividade do cliente é necessário um tráfego pela rede. O servidor pode ficar sobrecarregado por muitas requisições simultâneas. As aplicações não se aproveitam da capacidade de processamento do cliente. A instalação inicial do software no a cliente pode levar muito tempo devido ao tamanho do programa. O lado cliente deve ter boa capacidade de processamento. As vezes é necessário a instalação prévia de um programa no cliente para possibilitar a conexão com o servidor.

15 Ao optar-se por um cliente-servidor com mais ou menos funcionalidade algumas funções vão migrando de um lado para outro do sistema. A Figura 2.11 mostra esta migração conforme se caminha no sentido de uma estratégia a outra. De maneira geral as funções de apresentação devem estar associadas ao cliente, utilizando um navegador de mercado, com ou sem um programa acoplado, ou um aplicativo dedicado a esta tarefa. A geração dos elementos para apresentação devem ficar no lado que tenha maior capacidade de armazenamento e processamento, que normalmente é o servidor. Menos Funcionalidade Cliente Mais Funcionalidade CLIENTE CLIENTE CLIENTE Visualização Visualização Visualização Interpretação Interpretação Interpretação Geração de Elementos para Visualização Geração de Elementos para Visualização Geração de Elementos para Visualização SERVIDOR SERVIDOR SERVIDOR Mais Funcionalidade Servidor Menos Funcionalidade Figura 2.11 Migração de funções para a arquitetura cliente-servidor. FONTE: Modificada de OpenGis Map Server Interface (OpenGis,2000 B ). No próximo capítulo será apresentada a arquitetura proposta por este trabalho. 20

Dissertação de Mestrado do Curso de Computação Aplicada. Orientadores: Dr. Gilberto Câmara. Dr. João Paiva. INPE São José dos Campos 2000

Dissertação de Mestrado do Curso de Computação Aplicada. Orientadores: Dr. Gilberto Câmara. Dr. João Paiva. INPE São José dos Campos 2000 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO

Leia mais

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS 5.1 - GEOPROCESSAMENTO E INTERNET...2 5.2 - BIBLIOTECAS DIGITAIS...4 5.2.1 - Introdução...4 5.2.2 - Natureza dos Dados Geográficos...4 5.2.3 - Apresentação dos Dados...5

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos Bruno Perboni Qualityware Conselheiro Laurindo 825 cj. 412 centro Curitiba PR fone: 3232-1126 bruno@qualityware.com.br Maysa Portugal de Oliveira Furquim

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView Essa aula apresenta o software TerraView apresentando sua interface e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados neste documento bem como o executável

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com III Jornada Latinoamericana e do Caribe do gvsig Artigo: Integração do software i3geo com o gvsig Autor: Edmar Moretti Resumo: O i3geo é um software para a criação de mapas interativos para internet qu

Leia mais

Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I

Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I Helio Larri Vist Geógrafo Mestre em Sensoriamento Remoto Ayr Müller Gonçalves Educador Físico e Graduando em Segurança da Informação Rai Nunes dos Santos

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o uso do TerraView Essa aula apresenta a interface principal do TerraView e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados nesse documento são disponibilizados junto

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Pág. 1/8 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO SMS Pág. 2/8 Equipe Responsável Elaboração Assinatura Data Divisão de Padrões de Tecnologia DIPT Aprovação Assinatura Data Departamento de Arquitetura Técnica DEAT Pág.

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com OFICINA USO DO I3GEO Levindo Cardoso Medeiros levindocm@gmail.com ESTRUTURA INTRODUÇÃO UTILIZANDO O I3GEO Aprendendo a navegar pelo I3Geo Propriedades do mapa ADICIONANDO E MANIPULANDO CAMADAS Adicionando

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição 2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição Alguns dos aspectos mais importantes na arquitetura proposta nesta dissertação são: a geração dinâmica de conteúdo e a utilização de templates de

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD)

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD) ******* O que é Internet? Apesar de muitas vezes ser definida como a "grande rede mundial de computadores, na verdade compreende o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam e que permitem

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

OpenJUMP. Pontos fracos do OpenJUMP

OpenJUMP. Pontos fracos do OpenJUMP OpenJUMP No início foi chamado apenas de JUMP (JAVA Unified Mapping Platform), e se tornou popular no mundo livre de SIG(Sistema de informação Geográfica), desenhado por Vivid Solutions. Atualmente é desenvolvido

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Sistemas Cliente-Servidor

Sistemas Cliente-Servidor Sistemas Cliente-Servidor Disciplina Bancos de Dados II (INE 5616 2006-1) Curso de Sistemas de Informação Prof. Renato Fileto INE/CTC/UFSC 1 1 Cliente - Servidor Arquitetura cliente/servidor: Os servidores

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I Prof. MSc. Hugo Souza Como já vimos, os sistemas distribuídos são apresentados considerando um planejamento bem mais complexo relacionado aos

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Sistema de Informação Integrado

Sistema de Informação Integrado Sistema de Informação Integrado Relatório de Atividades Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA Novembro, 2005 Trabalho Realizado As atividades básicas previstas para o primeiro trimestre do

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

EXPLORANDO O HTML5 PARA VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS. PALAVRAS-CHAVE: SIG, HTML5, Servidor de Mapas, Dados Geográficos

EXPLORANDO O HTML5 PARA VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS. PALAVRAS-CHAVE: SIG, HTML5, Servidor de Mapas, Dados Geográficos EXPLORANDO O HTML5 PARA VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS Marcel Mendonça Grilo 1, Jéferson José Ribeiro 2,, Sérgio Souza Costa 3 1 Cientista da Computação, UNIFEI, Itajubá-MG, marcelgrilo86@gmail.com

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS AUTOR(ES):

Leia mais

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais.

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais. Edital MCT/FINEP/MC/FUNTTEL Plataformas para Conteúdos Digitais 01/2007 Projeto OBAA Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN)

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Objetivos da Apresentação Apresentar as arquiteturas de Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) com a ilustração de aplicações em ambientes corporativos e residenciais.

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero Servidor, Proxy e Firewall Professor Victor Sotero 1 Servidor: Conceito Um servidor é um sistema de computação centralizada que fornece serviços a uma rede de computadores; Os computadores que acessam

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 4 Aplicações em camadas

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

SPRING 3.6.03 - Apresentação

SPRING 3.6.03 - Apresentação SPRING 3.6.03 - Apresentação GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informações espaciais, geração de saídas na forma de mapas, relatórios, arquivos digitais, etc;

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais