EVOLUÇÃO MORFOLÓGICA DE FILMES FINOS DE ZnO CRESCIDOS POR RF MAGNETRONS SPUTTERING

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EVOLUÇÃO MORFOLÓGICA DE FILMES FINOS DE ZnO CRESCIDOS POR RF MAGNETRONS SPUTTERING"

Transcrição

1 EVOLUÇÃO MORFOLÓGICA DE FILMES FINOS DE ZnO CRESCIDOS POR RF MAGNETRONS SPUTTERING MORPHOLOGICAL EVOLUTION OF ZnO THIN FILMS GROWN BY RF MAGNETRON SPUTTERING Michel Chaves, Andressa M. Rosa, Érica P. da Silva, Ellen Amorim, José Roberto R. Bortoleto Campus Experimental de Sorocaba FAPESP. Palavras-chave: microscopia de força atômica; rf magnetron sputtering; morfologia superficial de filmes finos de ZnO. Keywords: atomic force microscopy; rf magnetron sputtering; surface morphology of the thin films ZnO. RESUMO Este trabalho apresenta o estudo da evolução morfológica da superfície no crescimento de filmes de ZnO pela técnica de RF magnetron sputtering. As medidas no microscópio de força atômica mostram a existência de dois regimes de crescimento. Inicialmente, a morfologia superficial é principalmente formada por uma estrutura granular. Conforme, o aumento da espessura dos filmes há o aparecimento e a evolução de estruturas com formato piramidal. 1. INTRODUÇÃO O óxido de zinco (ZnO) tem-se destacado devido sua natureza versátil. Na realidade, o ZnO é um semicondutor de bandgap largo que pode ser usado em inúmeras aplicações tais como: células solares, TFTs, janelas refletoras de calor, janelas inteligentes e sensores químicos. Em particular, ZnO é uma alternativa promissora para substituir o óxido de índio dopado com estanho (ITO) em aplicações de óxido condutivo transparente (TCO), devido seu baixo custo, baixa toxicidade e a estabilidade em plasma de hidrogênio. Os filmes finos de ZnO tem sido depositados em uma grande variedade de técnicas incluindo rotas químicas e físicas, tais como deposição a laser pulsado, evaporação térmica, deposição de vapor químico, evaporação por feixe de elétron, spray pirólise, método sol-gel e RF magnetron sputtering em diferentes substratos. Entre estes métodos, o RF magnetron sputtering tem recebido bastante atenção, pois permite a síntese de filmes finos de ZnO com alta qualidade cristalina a baixas temperaturas. Muitas das propriedades de filmes finos, que são à base de suas aplicações em dispositivos tecnológicos, dependem de suas propriedades superficiais, particularmente a rugosidade. Assim, o conhecimento do mecanismo que determina a estrutura do filme tem motivado uma grande quantidade de pesquisas nos últimos anos. Em particular, uma ênfase tem sido dada aos estudos teóricos e experimentais da evolução de crescimento de filmes finos. Duas medidas de comprimento características são normalmente empregadas para estudar a dinâmica de crescimento de diferentes sistemas: a largura da rugosidade superficial σ e o comprimento de correlação lateral ξ. Assumindo-se que σ e ξ alteram com tempo de deposição t, assim σ ~ t β e ξ ~ t p, respectivamente. O expoente β e p dependem do mecanismo de crescimento que está operando durante a deposição, isto determina a evolução morfológica do filme. Logo, a determinação experimental desses expoentes e sua comparação com os modelos de crescimentos existentes permitem identificar os principais mecanismos de crescimento envolvidos na deposição do filme. 2. OBJETIVOS (1) Estudar a morfologia da superfície dos filmes finos de ZnO; (2) De forma experimental, apresentar diferentes mecanismos no crescimento dos filmes finos de ZnO; (3) Apresentar as

2 estruturas formadas segundo a dinâmica do mecanismo dominante sobre a superfície dos filmes finos. 3. MATERIAIS E MÉTODOS Os materiais utilizados neste projeto foram: (1) óxido de zinco ZnO; (2) software XEI; (3) software OriginPro8; (4) AFM XE-100 Park System. A morfologia dos filmes foi caracterizada por microscopia de força atômica (AFM) usando o equipamento XE-100 operando no modo de não-contato. A alavanca de silício foi empregada com raio nominal de 10 nm. Para cada amostra investigada, diferentes ciclos de AFM foram utilizados, com tamanho lateral de 2µm. A morfologia da superfície foi medida com AFM operando em atmosfera ambiente. As imagens de AFM 2µm x 2µm foram adquiridas, a rugosidade foi caracterizada em termos da rugosidade quadrática média (RMS-σ) e o comprimento de correlação lateral (ξ). Os parâmetros σ e ξ foram obtidos a partir da morfologia de superfície h (r, t) medido pelo AFM. A rugosidade σ é matematicamente definida como σ = onde é a media espacial sobre a área medida. O valor de σ foi obtido diretamente das imagens de AFM 2µm x 2µm em diferentes locais de cada amostra. O comprimento de correlação é relacionado ao tamanho lateral das estruturas na superfície. O valor médio ξ foi derivado pela curva de Lorentz na densidade espectral de potência (PSD) calculado a partir das imagens de AFM. A curva PSD é obtida pelo software XEI. 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES A figura 1 mostra as imagens de AFM da superfície do substrato de vidro e dos filmes de ZnO com cinco diferentes espessuras. Inicialmente, a morfologia é principalmente formada por uma estrutura granular. Nota-se um crescimento contínuo em tamanho e altura das estruturas superficiais com o aumento da espessura do filme. Conforme ilustra as imagens da figura 1, a distribuição espacial dos grãos é muito homogênea para todos os filmes. Um comportamento semelhante tem sido relatado por Vasco et al. para crescimento de filmes ZnO/InP (100) pela técnica PLD. A figura 2 mostra a evolução de ξ em função das espessuras dos filmes. Na figura 2(a), duas regiões podem ser distinguidas separadas por uma linha vertical que encontra- se em 50 nm de espessura. Na primeira região abaixo de 50 nm, é encontrado o coeficiente angular ac 1 = - 0,0153. Na segunda com espessura 50 nm, é observado um coeficiente angular ac 2 = (5,27 ± 0,15) A figura 2(b) mostra o gráfico log-log da região 2 (espessura 50 nm). Nesta região é encontrado um expoente p 1 = 0,6 ± 0,5 enquanto que Vasco et al. encontra p 1 = 0,3 ± 0,05 para uma região similar em espessura. Assim, a descontinuidade entre estas duas regiões correspondem a formação rápida e inicial de uma estrutura piramidal como pode ser observado na figura 1. A figura 3 ilustra a alteração na rugosidade da superfície σ em relação às espessuras dos filmes (tempo de deposição). Uma análise detalhada da figura 3(a) mostra que as duas regiões com descontinuidade em 50 nm são também observadas para a evolução da rugosidade superficial. É possível notar que esta descontinuidade é mais evidente do que no caso da figura 2(a). Contudo, a existência de duas regiões morfológicas diferentes com a mesma espessura na descontinuidade (50 nm) suporta a existência dessas duas regiões também para a evolução da rugosidade. Logo, a primeira região, espessura 50 nm, mostra um coeficiente linear ar 1 = 1,75 ± 0,08 enquanto que para a segunda região, ar 2 = 0,95 ± 0,76. A figura 3(b) apresenta um expoente β 1 = 0,93 ± 0,06 enquanto Vasco et al. mostra β 1 = 1,0 ± 0,1 para uma região similar em espessura. Em síntese, os resultados experimentais indicam que a dinâmica de crescimento de filmes de ZnO crescidos por magnetron sputtering no substrato de vidro apresentam dois regimes de crescimento. No segundo regime, para a espessura 50 nm, é caracterizado pelos expoentes p 1 =

3 0,6 e β 1 = 1,0. Conforme afirma Vasco et al., a região 2 apresenta expoente de crescimento que é característico do processo de crescimento instável (ou seja, β 0,5). A figura 2 (a) mostra a diminuição da correlação até o filme com espessura de 25 nm na região 1. A partir de 50 nm que caracteriza o segundo regime, há um aumento linear progressivo da correlação. A primeira região é caracterizada pela existência de uma estrutura granular sem nenhuma orientação superficial, ou seja, uma estrutura amorfa. Já a segunda região é caracterizada pelo desenvolvimento, tanto no tamanho lateral quanto na altura, de uma estrutura piramidal cujas facetas exibem uma morfologia em degraus. Neste último estágio, há um crescimento colunar das estruturas formando policristais com orientação ao longo da direção (002). Analisando a rugosidade σ, a região 1 é caracterizada por uma pequena variação na σ entre os filmes com espessuras de 0 a 50 nm. Conforme ilustra a figura 3 (a), estes filmes possuem baixa rugosidade em torno de 2 nm indicando que estes são amorfos. Na região 2, há uma descontinuidade na rugosidade superficial em torno de 50 nm de espessura. A partir disso, ocorre um crescimento linear e progressivo da rugosidade caracterizando a formação de uma estrutura policristalina. Fig. 1: Imagens de AFM 2μm x 2μm do substrato de vidro e dos filmes de ZnO com diferentes espessuras. (a) substrato de vidro, (b) 25 nm, (c) 50 nm, (d) 100 nm, (e) 185 nm, (f) 250 nm e (g) 465 nm. 5. CONCLUSÃO

4 Muitas das propriedades dos filmes finos, que definem as suas aplicações tecnológicas, dependem de suas propriedades superficiais, principalmente a rugosidade. Assim, é importante conhecer o mecanismo de evolução do crescimento desses filmes. Neste trabalho foi analisado os filmes de ZnO crescido por magnetron sputtering em substrato de vidro. Conforme análise foi possível observar um comportamento dinâmico no crescimento dos filmes caracterizado por dois diferentes regimes separados por uma descontinuidade. No primeiro regime, a morfologia superficial é caracterizada por uma estrutura granular sem orientação, ou seja, são filmes amorfos. Segundo o aumento da espessura, há uma evolução na morfologia superficial. Neste caso, ocorre o desenvolvimento de uma estrutura piramidal nas superfícies dos filmes e uma melhoria na cristalinidade, tornando-se um policristal.. Fig. 2: A evolução do comprimento de correlação calculado pelo ajuste Lorentziano do espectro de potencia 2D das imagens de AFM 2μm x 2μm. Na figura 2(a), dois regimes podem ser distinguidos por uma descontinuidade em 50 nm. A figura 2(b) mostra o gráfico log-log da região 2. Fig 3: Evolução da rugosidade superficial em função da espessuras do filme de ZnO. A figura 3(a) mostra dois regimes separados pela mesma descontinuidade mostrada na figura 2. Na figura 3(b), é mostrado o gráfico log-log da rugosidade superficial na região AGRADECIMENTOS Os autores agradecem ao CNPq e FAPESP pelo apoio financeiro. Em particular, o autor Michel Chaves agradece a FAPESP pela bolsa de Iniciação Científica (Proc. 2010/ ). 7. REFERÊNCIAS

5 DAMIANI, L.R. Filmes de oxido de índio dopado com estanho depositados por magnetron sputtering. Dissertação (Mestrado em Engenharia em Sistema Eletrônicos). São Paulo, p. VASCO, E; ZALDO, C; VÁZQUEZ, L. Growth evolution of ZnO films deposited by pulsed laser ablation. Journal of Physics: Condensed Matter 13, L663-L672, 2001.

Propriedades estruturais, mecânicas e tribológicas de filmes de TiB 2 e Ti-B-N depositados por erosão catódica

Propriedades estruturais, mecânicas e tribológicas de filmes de TiB 2 e Ti-B-N depositados por erosão catódica Carlos Manuel Sánchez Tasayco Propriedades estruturais, mecânicas e tribológicas de filmes de TiB 2 e Ti-B-N depositados por erosão catódica Tese de Doutorado Tese apresentada como requisito parcial para

Leia mais

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão 2 Deposição por PVD 2.1. Introdução Pretendemos fazer uma pequena revisão da física da erosão induzida por íons energéticos (sputtering), os processos físicos que acontecem nas interações na superfície

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas UNICAMP. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC. Pós-Graduação. Tópicos em Engenharia de Computação I

Universidade Estadual de Campinas UNICAMP. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC. Pós-Graduação. Tópicos em Engenharia de Computação I Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC Pós-Graduação Tópicos em Engenharia de Computação I Métodos de Pesquisa em Engenharia de Computação (IA364-M)

Leia mais

CAPÍTULO 4 PREPARAÇÃO E ANÁLISES DAS AMOSTRAS DE FEN

CAPÍTULO 4 PREPARAÇÃO E ANÁLISES DAS AMOSTRAS DE FEN CAPÍTULO 4 PREPARAÇÃO E ANÁLISES DAS AMOSTRAS DE FEN Os filmes de Nitreto de Ferro investigados foram crescido por sputtering DC reativo e em baixa potência no que difere bastante dos trabalhos encontrados

Leia mais

Válvulas gaveta e borboleta Válvulas de controle e transferência Válvulas angular e in-line Acessórios

Válvulas gaveta e borboleta Válvulas de controle e transferência Válvulas angular e in-line Acessórios inovar constantemente, oferecer um excelente serviço de pós-venda e atender a clientes da indústria e pesquisa com produtos e serviços apoiados no comprometimento com a qualidade e uso de tecnologia de

Leia mais

Pedro Barquinha. e-mail: pmcb@fct.unl.pt

Pedro Barquinha. e-mail: pmcb@fct.unl.pt Óxidos(semi) (semi)condutores: uma(r) (r)evoluçãonaelectrónica Pedro Barquinha Departamentode Ciênciados Materiais, CENIMAT/I3N, Faculdadede Ciênciase TecnologiadaUniversidadeNova de Lisboa, Campus de

Leia mais

Capítulo 4. Resultados e Discussão

Capítulo 4. Resultados e Discussão Capítulo 4 Resultados e Discussão Os filmes poliméricos foram estudados por diferentes técnicas experimentais capazes de determinar a concentração de PHAmcl na superfície, sua influência na morfologia

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE DEPOSIÇÃO NA PROTEÇÃO CONTRA COR- ROSÃO DE TiN DEPOSITADOS POR BIASED MAGNETRON SPUTTERING

INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE DEPOSIÇÃO NA PROTEÇÃO CONTRA COR- ROSÃO DE TiN DEPOSITADOS POR BIASED MAGNETRON SPUTTERING Revista Brasileira de Aplicações de Vácuo, v. 25, n. 3, 135-14, 26. 26 INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE DEPOSIÇÃO NA PROTEÇÃO CONTRA COR- ROSÃO DE TiN DEPOSITADOS POR BIASED MAGNETRON SPUTTERING A.F. Feil;

Leia mais

ANÁLISE DE FILMES DE SILÍCIO POLICRISTALINO SEMI-ISOLANTE APÓS TRATAMENTOS TÉRMICOS

ANÁLISE DE FILMES DE SILÍCIO POLICRISTALINO SEMI-ISOLANTE APÓS TRATAMENTOS TÉRMICOS ANÁLISE DE FILMES DE SILÍCIO POLICRISTALINO SEMI-ISOLANTE APÓS TRATAMENTOS TÉRMICOS Tatiana Rehem Matos*, Leandro Barbosa de Toledo*, Nilton Itiro Morimoto**, Luís da Silva Zambom* * Faculdade de Tecnologia

Leia mais

TUTORIAL DE CÉLULA SOLAR. Programa de Educação Tutorial Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense

TUTORIAL DE CÉLULA SOLAR. Programa de Educação Tutorial Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense TUTORIAL DE CÉLULA SOLAR Programa de Educação Tutorial Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense Niterói-RJ Março / 2008 UFF/CTC/TCE/TET 2 PETTele))) Sumário Prefácio iii 1 Histórico

Leia mais

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO Capítulo 2 do livro Manual de Conforto Térmico NESTA AULA: Trocas de calor através de paredes opacas Trocas de calor através de paredes translúcidas Elementos de proteção

Leia mais

Projetos de Circuitos Integrados. Tecnologia I

Projetos de Circuitos Integrados. Tecnologia I Projetos de Circuitos Integrados. Tecnologia I Processo de Fabricação Introdução O conhecimento do processo de fabricação permite ao projetista: otimizar o projeto; propor idéias inovadoras usando as características

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Energia Solar)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Energia Solar) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Energia Solar) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Energia

Leia mais

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga solenerg@solenerg.com.br www.solenerg.com.

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga solenerg@solenerg.com.br www.solenerg.com. 1 O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga solenerg@solenerg.com.br www.solenerg.com.br 1. O MÓDULO FOTOVOLTAICO A célula fotovoltaica é o elemento

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

CAPÍTULO 5 APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DE RESULTADOS. 5.1.1 Parâmetros de deposição e técnicas de caracterização de revestimentos utilizadas

CAPÍTULO 5 APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DE RESULTADOS. 5.1.1 Parâmetros de deposição e técnicas de caracterização de revestimentos utilizadas CAPÍTULO 5 APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DE RESULTADOS 5.1 Revestimentos de tungsténio 5.1.1 Parâmetros de deposição e técnicas de caracterização de revestimentos utilizadas Os filmes finos de tungsténio foram

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas CEFET-RS. Aula 02. Processo de Fabricação. Prof. Sandro Vilela da Silva. sandro@cefetrs.tche.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas CEFET-RS. Aula 02. Processo de Fabricação. Prof. Sandro Vilela da Silva. sandro@cefetrs.tche. Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas CEFET-RS Projeto Físico F Digital Aula 02 Processo de Fabricação Prof. Sandro Vilela da Silva sandro@cefetrs.tche.br Copyright Diversas transparências

Leia mais

SUPERFÍCIE E INTERFACE EM FILMES MICRO E NANOESTRUTURADOS DE SILÍCIO DEPOSITADAS POR PVD EM SUBSTRATOS DE AÇO FERRAMENTA D6

SUPERFÍCIE E INTERFACE EM FILMES MICRO E NANOESTRUTURADOS DE SILÍCIO DEPOSITADAS POR PVD EM SUBSTRATOS DE AÇO FERRAMENTA D6 INPE-15155-TDI/1287 SUPERFÍCIE E INTERFACE EM FILMES MICRO E NANOESTRUTURADOS DE SILÍCIO DEPOSITADAS POR PVD EM SUBSTRATOS DE AÇO FERRAMENTA D6 Nívea Maria de Deus Furtado Dissertação de Mestrado do Curso

Leia mais

Processo de Fabricação de Circuitos Integrados. Principais Etapas de Processo:

Processo de Fabricação de Circuitos Integrados. Principais Etapas de Processo: Processo de Fabricação de Circuitos Integrados Principais Etapas de Processo: Oxidação Térmica Deposição de óxido de silício Fotogravação Corrosào Química Difusão de Impurezas Implantação Iônica Sala Limpa

Leia mais

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar Prof. Dr. Luiz Gonsaga de Carvalho Núcleo Agrometeorologia e Climatologia DEG/UFLA Absorção seletiva de radiação Absorção seletiva

Leia mais

Laboratório de Física - 2011/2012. Propriedades físicas de um filme fino magnético. Centro de Física da Matéria Condensada da UL

Laboratório de Física - 2011/2012. Propriedades físicas de um filme fino magnético. Centro de Física da Matéria Condensada da UL T1 Propriedades físicas de um filme fino magnético Difracção raios X, Microscopia Força Atómica, Magnetometria SQUID Rui Borges Centro de da UL Estudo de um filme fino de óxido magnético depositado por

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

FABRICAÇÃO DE CÉLULAS SOLARES DE CdS/CdTe

FABRICAÇÃO DE CÉLULAS SOLARES DE CdS/CdTe INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA VIVIENNE DENISE FALCÃO FABRICAÇÃO DE CÉLULAS SOLARES DE CdS/CdTe Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Mestrado em Ciência dos Materiais do Instituto Militar de

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

2.1. Efeito de Doppler e efeito de pressão 2.2. Efeito da temperatura 2.3. Instrumentação 2.4. Tipos de interferências

2.1. Efeito de Doppler e efeito de pressão 2.2. Efeito da temperatura 2.3. Instrumentação 2.4. Tipos de interferências ANÁLISE INSTRUMENTAL MESTRADO BIOQUÍMICA 1.ºANO Capítulo 2 2. Espectroscopia de emissão e absorção atómica 2.1. Efeito de Doppler e efeito de pressão 2.2. Efeito da temperatura 2.3. Instrumentação 2.4.

Leia mais

Propriedades requeridas importantes

Propriedades requeridas importantes 3 Materiais e propriedades Propriedades requeridas importantes Propriedades elétricas : condutividade, gap de energia, piezorresistividade, piezoeletricidade... Propriedades Mecânicas : Módulo de Elasticidade,

Leia mais

Desenvolvimento de Processos para Fabricação de Células Fotovoltaicas de Baixo Custo

Desenvolvimento de Processos para Fabricação de Células Fotovoltaicas de Baixo Custo Desenvolvimento de Processos para Fabricação de Células Fotovoltaicas de Baixo Custo J.R.T. Branco, C.P. Guerra, F.P. Ramanery, A.C.B. da Silva, S.Araújo, F.J. da Silva, A.S.A.C. Diniz Fundação Centro

Leia mais

SOUZA, C.S. a*, ANTUNES, M.L.P. a, DALLA VALENTINA, L.V.O. b, RANGEL, E.C. a, CRUZ, N.C. a. a. UNESP, Sorocaba, São Paulo

SOUZA, C.S. a*, ANTUNES, M.L.P. a, DALLA VALENTINA, L.V.O. b, RANGEL, E.C. a, CRUZ, N.C. a. a. UNESP, Sorocaba, São Paulo Avaliação da viabilidade de produção de revestimentos cerâmicos a partir de resíduo gerado no processo de fundição, utilizando plasma eletrolítico de oxidação em liga de alumínio. SOUZA, C.S. a*, ANTUNES,

Leia mais

PESQUISA E ANÁLISE DA MODELAGEM MATEMÁTICA DE PIEZORESISTORES DE POLISILÍCIO

PESQUISA E ANÁLISE DA MODELAGEM MATEMÁTICA DE PIEZORESISTORES DE POLISILÍCIO PESQUISA E ANÁLISE DA MODELAGEM MATEMÁTICA DE PIEZORESISTORES DE POLISILÍCIO Rodrigo Couto Moreira jpceditors@msn.com Marina Geremia marina.geremia@unoesc.edu.br Alberto Moi betomoiii@gmail.com Luiz Antônio

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS POR ESPECTROSCOPIA DE FOTOELÉTRONS

CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS POR ESPECTROSCOPIA DE FOTOELÉTRONS CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS POR ESPECTROSCOPIA DE FOTOELÉTRONS Pedro A. P. Nascente DEMa/UFSCar, Via Washington Luis, km 235, CEP 13565-970 São Carlos SP E-mail: nascente@ufscar.br RESUMO Os elétrons de

Leia mais

Pablo Diniz Batista 29 de julho de 2013 batista@cbpf.br www.batistapd.com

Pablo Diniz Batista 29 de julho de 2013 batista@cbpf.br www.batistapd.com Instrumentação para a pesquisa e o desenvolvimento de sensores de ph (EGFET) com aplicação em Medicina e Biologia Pablo Diniz Batista 29 de julho de 2013 batista@cbpf.br www.batistapd.com Sumário 1. PARTE

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

Introdução 5. Noções básicas 6. Processo de fabricação 7. Exemplo de fabricação de um FET 12

Introdução 5. Noções básicas 6. Processo de fabricação 7. Exemplo de fabricação de um FET 12 Sumário Introdução 5 Noções básicas 6 Processo de fabricação 7 Exemplo de fabricação de um FET 12 Encapsulamento 15 Confiabilidade de circuitos integrados 17 Cuidados de montagem 17 Apêndice 18 Questionário

Leia mais

Prof. Dr. Jair Urbanetz Junior

Prof. Dr. Jair Urbanetz Junior ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E O DESEMPENHO DO SFVCR DO ESCRITÓRIO VERDE DA UTFPR Prof. Dr. Jair Urbanetz Junior Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Instituto de Engenharia do Paraná - IEP Curitiba

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E O SFVCR DO ESCRITÓRIO VERDE DA UTFPR

INTRODUÇÃO A ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E O SFVCR DO ESCRITÓRIO VERDE DA UTFPR INTRODUÇÃO A ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E O SFVCR DO ESCRITÓRIO VERDE DA UTFPR Prof. Jair Urbanetz Junior, Dr. Eng. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Instituto de Engenharia do Paraná -

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Painel Solar Compacto FCC-2S. www.vulcano.pt. Janeiro 2013

FICHA TÉCNICA. Painel Solar Compacto FCC-2S. www.vulcano.pt. Janeiro 2013 Departamento Comercial e Assistência Técnica: Av. Infante D. Henrique, lotes 2E-3E - 1800-220 LISBOA * Tel.: +351. 218 500 300 Janeiro 2013 FICHA TÉCNICA Painel Solar Compacto FCC-2S www.vulcano.pt FICHA

Leia mais

4. RESULTADOS & DISCUSSÃO

4. RESULTADOS & DISCUSSÃO 6 4. RESULTADOS & DISCUSSÃO 4. Estudo do comportamento da decomposição total para o precursor na fase (Bi, Pb)- Obs. As amostras desta seção foram as resultantes de tratamento feito por DTA/TGA, e foram

Leia mais

SISTEMA PARA MEDIÇÃO DE FLUORESCÊNCIA DE FIBRAS EXCITADAS NO INFRAVERMELHO

SISTEMA PARA MEDIÇÃO DE FLUORESCÊNCIA DE FIBRAS EXCITADAS NO INFRAVERMELHO SISTEMA PARA MEDIÇÃO DE FLUORESCÊNCIA DE FIBRAS EXCITADAS NO INFRAVERMELHO a J. Jakutis, b L.R.P. Kassab, b W.G. Hora, c J.R. Martinelli, c F.F. Sene, a N.U. Wetter a Centro de Lasers e Aplicações IPEN-SP

Leia mais

SISTEMAS ÓPTICOS. Fabricação de Fibras Ópticas

SISTEMAS ÓPTICOS. Fabricação de Fibras Ópticas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações Curso Superior Tecnológico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES SnO 2 DEPOSITADOS EM VIDRO BOROSILICATO POR SILK-SCREEN MODIFICADO: SnCl

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Dedico este trabalho à minha mãe, aos meus amigos e familiares por sempre me incentivarem e me mostrarem que não estou sozinho.

Dedico este trabalho à minha mãe, aos meus amigos e familiares por sempre me incentivarem e me mostrarem que não estou sozinho. Dedico este trabalho à minha mãe, aos meus amigos e familiares por sempre me incentivarem e me mostrarem que não estou sozinho. AGRADECIMENTOS À profa. Dra. Marina F. Pillis pela orientação e amizade durante

Leia mais

Monografia realizada para obtenção do Título de Tecnólogo em Materiais, Processos e Componentes Eletrônicos pela Faculdade de Tecnologia de São

Monografia realizada para obtenção do Título de Tecnólogo em Materiais, Processos e Componentes Eletrônicos pela Faculdade de Tecnologia de São CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DAS PROPRIEDADES DE FILMES DE SILÍCIO POLICRISTALINO OBTIDOS POR LPCVD E DOPADOS POR DIFUSÃO DE P E DE B Monografia realizada para obtenção do Título de Tecnólogo em Materiais,

Leia mais

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga alvarenga@solenerg.com.br www.solenerg.com.

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga alvarenga@solenerg.com.br www.solenerg.com. 1 O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga alvarenga@solenerg.com.br www.solenerg.com.br Outubro/2014 1. O MÓDULO FOTOVOLTAICO A célula fotovoltaica

Leia mais

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos F.02 Espelhos Planos e Esféricos 2º Série do Ensino Médio Turma: Turno: Vespertino Lista 03 Lista 04 Questão 01) Obedecendo às condições de Gauss, um espelho esférico fornece, de um objeto retilíneo de

Leia mais

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Leia mais

5ª Experiência : Dilatação Térmica

5ª Experiência : Dilatação Térmica 5ª Experiência : Dilatação Térmica Objetivo Determinar o coeficiente de dilatação linear para três materiais: cobre, latão e alumínio. Introdução As conseqüências habituais de variações na temperatura

Leia mais

2 Materiais dielétricos para microondas e técnicas de fabricação

2 Materiais dielétricos para microondas e técnicas de fabricação 2 Materiais dielétricos para microondas e técnicas de fabricação 2.1 Introdução A demanda por bens e serviços na área da eletrônica e das telecomunicações muda rapidamente com os contínuos requisitos por

Leia mais

Mini Termômetro Infravermelho de Ampla Faixa com Apontador Laser

Mini Termômetro Infravermelho de Ampla Faixa com Apontador Laser Manual do Usuário Mini Termômetro Infravermelho de Ampla Faixa com Apontador Laser MODELO 42510A Introdução Parabéns pela sua compra do Termômetro Infravermelho Modelo 42510A. Esse termômetro Infravermelho

Leia mais

AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO

AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO Silvio Romero de Melo Manoel Leonel de Oliveira Neto George Santos Marinho Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica CT

Leia mais

Prof. João Maria Soares UERN/DF/Mossoró E-mail: joaomsoares@gmail.com

Prof. João Maria Soares UERN/DF/Mossoró E-mail: joaomsoares@gmail.com Prof. João Maria Soares UERN/DF/Mossoró E-mail: joaomsoares@gmail.com 1. Estrutura cristalina redes de Bravais 2. Principais estruturas cristalinas 3. Sistemas cristalinos 4. Simetria e grupos de simetria

Leia mais

0HGLGDVGH3UHVVmR. De uma maneira geral, pode-se dizer: Pressão absoluta = Pressão manométrica + Pressão atmosférica. Instrumentação Industrial - 39

0HGLGDVGH3UHVVmR. De uma maneira geral, pode-se dizer: Pressão absoluta = Pressão manométrica + Pressão atmosférica. Instrumentação Industrial - 39 Instrumentação Industrial - 39 0HGLGDVGH3UHVVmR A pressão é, por definição, a relação entre a força normal exercida em uma superfície e a área desta superfície, por isso, muitas vezes, os métodos de medida

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

TEORIA INFRAVERMELHO

TEORIA INFRAVERMELHO TEORIA INFRAVERMELHO Irradiação ou radiação térmica é a propagação de ondas eletromagnética emitida por um corpo em equilíbrio térmico causada pela temperatura do mesmo. A irradiação térmica é uma forma

Leia mais

Protótipos: Conversão Fotovoltaica de Energia Solar

Protótipos: Conversão Fotovoltaica de Energia Solar Protótipos: Conversão Fotovoltaica de Energia Solar Susana Viana LNEG Laboratório Nacional de Energia e Geologia Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL susana.viana@lneg.pt 1 O Recurso Solar

Leia mais

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Materiais e Métodos 97 CAPÍTULO 5 Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Toda a empresa precisa ter gente que erra, que não tem medo de errar

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro Escola de Ciências RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DE CHAPAS REVESTIDAS Cliente AMT COATINGS Engenharia e Tratamento de Superfícies, Lda. CACE-Ruas das Novas Empresas, Fontiscos PT-4780-511 Santo Tirso PORTUGAL

Leia mais

Resistividade de Materiais Condutores

Resistividade de Materiais Condutores Roteiro Experimental n 2 da disciplina de Materiais Elétricos vidade de Materiais Condutores COMPONENTES DA EQUIPE: NOTA: Data: / / 1. OBJETIVOS: Estimar a resistividade do material a partir das suas dimensões;

Leia mais

ELETRICIDADE SOLAR APOIO INSTITUCIONAL SOBRE O INSTITUTO IDEAL CARTILHA EDUCATIVA

ELETRICIDADE SOLAR APOIO INSTITUCIONAL SOBRE O INSTITUTO IDEAL CARTILHA EDUCATIVA APOIO INSTITUCIONAL ELETRICIDADE SOLAR ISES International Solar Energy Society SOBRE O INSTITUTO IDEAL Criado em 2007, o Instituto Ideal tem o propósito de incentivar junto a governantes, parlamentares,

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO PREPARAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE SnO2 M. A. Dal Santos, A. C. Antunes, C. P. F. Borges, S. A. Pianaro, A. J. Zara, S. R. M. Antunes Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) DEQUIM / DEMA

Leia mais

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE ÍNDICE balanço de energia -2 ganho térmico - perdas térmicas -4 aplicações -7 para saber mais... -8-1 balanço de energia A consiste na absorção de radiação numa superfície absorsora e na transferência

Leia mais

Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1

Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1 Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1 26/3/2006 CM I 2 Arranjo Periódico de Átomos Sólido: constituído por átomos (ou grupo de átomos) que se distribuem de acordo com um ordenamento bem definido; Esta regularidade:»

Leia mais

1.3.1 Interferometria Laser em Óptica Volumétrica

1.3.1 Interferometria Laser em Óptica Volumétrica Em 1880, Maxwell previu que se houvesse movimento da terra através do éter, deveria resultar uma variação da velocidade da luz proporcional ao quadrado da razão entre a velocidade da terra e a velocidade

Leia mais

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Tópicos relacionados Bremsstrahlung, radiação característica, espalhamento de Bragg, lei de absorção,

Leia mais

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução Apostila da Disciplina Meteorologia Física II ACA 0326, p. 40 4. Medição de Irradiância 4.1 Introdução Das grandezas radiométricas definidas no capítulo 1, os instrumentos convencionais utilizados em estudos

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA LPCVD VERTICAL PARA OBTENÇÃO DE FILMES FINOS DE SILÍCIO POLICRISTALINO

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA LPCVD VERTICAL PARA OBTENÇÃO DE FILMES FINOS DE SILÍCIO POLICRISTALINO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS, COMPONENTES E SISTEMAS INTELIGENTES IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA LPCVD VERTICAL PARA OBTENÇÃO

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

AR 200. Aplicações AR 200

AR 200. Aplicações AR 200 Sensores Laser AR 200 O sensor laser AR200 tem como princípio de medição o método de triangularização laser e utiliza a tecnologia CMOS para proporcionar alta velocidade com alta precisão em um modelo

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para determinado iluminamento: Pela carga mínima exigida por normas (aproximação de referência); Método dos Lúmens; Método

Leia mais

O raio crítico. Problema motivador 01: Problema motivador 02: Problema motivador 03: Portfolio de:

O raio crítico. Problema motivador 01: Problema motivador 02: Problema motivador 03: Portfolio de: Problema motivador 01: qual a função da camada de material polimérico colocada sobre fios elétricos de cobre ou de alumínio? Problema motivador 02: qual a espessura da camada de tijolos de uma parede de

Leia mais

Estudo da fotoluminescência em filmes de oxinitreto de silício ricos em silício depositados pela técnica de PECVD

Estudo da fotoluminescência em filmes de oxinitreto de silício ricos em silício depositados pela técnica de PECVD MARCIA RIBEIRO Estudo da fotoluminescência em filmes de oxinitreto de silício ricos em silício depositados pela técnica de PECVD Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Leia mais

Programa. Conceitos e Tecnologia. Casos de Aplicação. Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465

Programa. Conceitos e Tecnologia. Casos de Aplicação. Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465 Apresentação Programa Conceitos e Tecnologia Casos de Aplicação Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465 Ciência das Superfícies Problemas Corrosão Fadiga Propriedades físicas

Leia mais

ESTUDO DAS TRANSFORMAÇÕES DE FASE EM COBERTURAS CERÂMICAS DEPOSITADAS ATRAVÉS DE PLASMA-SPRAY

ESTUDO DAS TRANSFORMAÇÕES DE FASE EM COBERTURAS CERÂMICAS DEPOSITADAS ATRAVÉS DE PLASMA-SPRAY ESTUDO DAS TRANSFORMAÇÕES DE FASE EM COBERTURAS CERÂMICAS DEPOSITADAS ATRAVÉS DE PLASMA-SPRAY (1) Carmo Roberto Pelliciari de Lima, (2) Cecília Amélia de Carvalho Zavaglia Departamento de Engenharia de

Leia mais

Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica

Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica Sumário Vidros Planos e Vidros Low-E Entendendo o Espectro Solar Formas de Propagação de Calor Conceitos Teóricos Luz Visível (Transmitida, Refletida Interior

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$ ANEXO 2 Planilha Orçamentária Estimativa de Quantitativos e Preços Máximos Global e Unitários LOTE ÚNICO ESPECIFICAÇÃO DO ITEM Qtde. Unitário R$ Total R$ 01 02 03 04 05 CHAVE NIVEL TIPO BOIA,ATUACAO: ALARME

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG

Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG Síntese e Preparação de Material Cerâmico Visando Aplicações Termoelétricas Walter Pinto Junior BOLSISTA PIBIC/CNPq-UEPG Curso de Engenharia de Materiais 4º

Leia mais

(Texto de apoio às aulas teóricas e manual de consulta nas aulas práticas)

(Texto de apoio às aulas teóricas e manual de consulta nas aulas práticas) Manual de Tecnologia CMOS (Texto de apoio às aulas teóricas e manual de consulta nas aulas práticas) Características e descrição do processo A tecnologia usada é CMOS 2.0 µm n-well, 1 camada de Poly, 2

Leia mais

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker Estrutura de Sólidos Cristalinos Profa. Dra Daniela Becker Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 3, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais,

Leia mais

3.3 MICROSCOPIA ELECTRÓNICA DE TRANSMISSÃO. 3.3.1 Introdução

3.3 MICROSCOPIA ELECTRÓNICA DE TRANSMISSÃO. 3.3.1 Introdução 3.3 MICROSCOPIA ELECTRÓNICA DE TRANSMISSÃO 3.3.1 Introdução O factor dominante que motivou os primeiros investigadores na área da microscopia electrónica de transmissão (TEM) residiu no facto que teoricamente

Leia mais

PLATAFORMAS DE COMBATE AÉREO A INCÊNDIOS

PLATAFORMAS DE COMBATE AÉREO A INCÊNDIOS PLATAFORMAS DE COMBATE PLATAFORMAS DE COMBATE A cada volta da chave de ignição, a cada rotação e extensão da escada e cada degrau que você sobe, o desempenho é exigido. Nós não nos acomodamos e você também

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S D E S E N S O R I A M E N T O R E M O T O E l i s a b e t e C a r i a d e M o r a e s 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS-INPE 1 e.mail : bete@ltid.inpe.br

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar Energia Fotovoltaica parte 1 José R. Simões-Moreira Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar Energia Fotovoltaica parte 1 José R. Simões-Moreira Racine T. A. Prado Energia Fotovoltaica parte 1 José R. Simões-Moreira Racine T. A. Prado CEPEL-CRESESB Fundamentos de Engenharia Solar Células fotovoltaicas Células fotovoltaicas Módulo de filme fino Módulo cristalino Schottsolar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA IRAMILSON MAIA DA SILVA FILHO PRODUÇÃO DE FILMES FINOS DE SnO 2 PELO

Leia mais

Bobinas Móveis e as suas principais características:

Bobinas Móveis e as suas principais características: Bobinas Móveis e as suas principais características: Iniciarei aqui um breve estudo dos alto-falantes, e dos seus principais componentes. Irei escrever alguns textos relacionados ao assunto, tentando detalhar

Leia mais

RESISTORES ELÉTRICOS

RESISTORES ELÉTRICOS RESISTORES ELÉTRICOS São dispositivos utilizados para limitar a passagem da corrente elétrica nos circuitos São feitos com material condutor de alta resistividade elétrica Transformam a energia elétrica

Leia mais

ASPECTOS TECNOLÓGICOS E OPERACIONAIS DA GERAÇÃO FOTOVOLTAICA

ASPECTOS TECNOLÓGICOS E OPERACIONAIS DA GERAÇÃO FOTOVOLTAICA ASPECTOS TECNOLÓGICOS E OPERACIONAIS DA GERAÇÃO FOTOVOLTAICA Prof. Jair Urbanetz Junior, Dr. Eng. Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Conferência Internacional Smart Energy Paraná Aspectos

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

Controle Primário rio do tempo e do clima

Controle Primário rio do tempo e do clima Controle Primário rio do tempo e do clima Condução entre corpos em contato físico direto. Transferência de energia entre as moléculas Convecção Somente ocorre em líquidos e gases. Transferência de calor

Leia mais

MÓDULOS FOTOVOLTAICOS

MÓDULOS FOTOVOLTAICOS Escola de Ciências Departamento de Física Campus de Azurém 4800-058 Guimarães ELECTROMAGNETISMO B MÓDULOS FOTOVOLTAICOS CARACTERÍSTICAS E ASSOCIAÇÕES 2º Ano do Mestrado Integrado em Engenharia Civil 1º

Leia mais

Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica

Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica Freddy Baruch 16 Setembro 2015 Page 1 SAUDAÇÃO BOM DIA! Page 2 APRESENTAÇÃO Page 3 APRESENTAÇÃO Quem somos - Apresentação Pessoal Freddy

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin CRESCIMENTO E CARACTERIZAÇÃ O DE FILMES FINOS DE ÓXIDO DE SI Camila de Oliveira Campos Camargo Sanches RA 001417 Orientador: Prof. Dr.

Leia mais

ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO À TEMPERATURA, UTILIZANDO-SE UM VISCOSÍMETRO CAPILAR

ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO À TEMPERATURA, UTILIZANDO-SE UM VISCOSÍMETRO CAPILAR I CIMMEC 1º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 8 A 10 DE OUTUBRO DE 008 Rio de janeiro, Brasil ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO

Leia mais

Universidade de Coimbra. Biosensores e Sinais Biomédicos (2007-2008)

Universidade de Coimbra. Biosensores e Sinais Biomédicos (2007-2008) Universidade de Coimbra Biosensores e Sinais Biomédicos (2007-2008) Trabalho Prático N 1 ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE SENSORES DE TEMPERATURA: Objectivo TERMOPARES E TERMÍSTORES Determinação da resposta

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS Curso de Pós Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática ALBERTO MOI VALIDAÇÃO DE MODELOS

Leia mais

FÍSICA Questões de 1 a 20

FÍSICA Questões de 1 a 20 2ªSérieLISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA FÍSICA Questões de 1 a 20 1) (UFRN) Os carros modernos usam diferentes tipos de espelhos retrovisores, de modo que o motorista possa melhor observar os veículos que

Leia mais

Energia solar Origens & conversões Prof. Dr. André Sarto Polo

Energia solar Origens & conversões Prof. Dr. André Sarto Polo Energia solar Origens & conversões Prof. Dr. André Sarto Polo Centro de Ciências aturais e Humanas UFABC Fontes Alternativas Espectro solar 1,8 1,6 Irradiância espectral / W.m -2 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6

Leia mais

REDEMAT REDE TEMÁTICA EM ENGENHARIA DE MATERIAIS

REDEMAT REDE TEMÁTICA EM ENGENHARIA DE MATERIAIS REDEMAT REDE TEMÁTICA EM ENGENHARIA DE MATERIAIS UFOP CETEC UEMG UFOP - CETEC - UEMG Dissertação de Mestrado "Preparo e Caracterização de Óxido de Zinco Dopado com Alumínio e Hidrogênio para Aplicações

Leia mais