EVOLUÇÃO MORFOLÓGICA DE FILMES FINOS DE ZnO CRESCIDOS POR RF MAGNETRONS SPUTTERING

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EVOLUÇÃO MORFOLÓGICA DE FILMES FINOS DE ZnO CRESCIDOS POR RF MAGNETRONS SPUTTERING"

Transcrição

1 EVOLUÇÃO MORFOLÓGICA DE FILMES FINOS DE ZnO CRESCIDOS POR RF MAGNETRONS SPUTTERING MORPHOLOGICAL EVOLUTION OF ZnO THIN FILMS GROWN BY RF MAGNETRON SPUTTERING Michel Chaves, Andressa M. Rosa, Érica P. da Silva, Ellen Amorim, José Roberto R. Bortoleto Campus Experimental de Sorocaba FAPESP. Palavras-chave: microscopia de força atômica; rf magnetron sputtering; morfologia superficial de filmes finos de ZnO. Keywords: atomic force microscopy; rf magnetron sputtering; surface morphology of the thin films ZnO. RESUMO Este trabalho apresenta o estudo da evolução morfológica da superfície no crescimento de filmes de ZnO pela técnica de RF magnetron sputtering. As medidas no microscópio de força atômica mostram a existência de dois regimes de crescimento. Inicialmente, a morfologia superficial é principalmente formada por uma estrutura granular. Conforme, o aumento da espessura dos filmes há o aparecimento e a evolução de estruturas com formato piramidal. 1. INTRODUÇÃO O óxido de zinco (ZnO) tem-se destacado devido sua natureza versátil. Na realidade, o ZnO é um semicondutor de bandgap largo que pode ser usado em inúmeras aplicações tais como: células solares, TFTs, janelas refletoras de calor, janelas inteligentes e sensores químicos. Em particular, ZnO é uma alternativa promissora para substituir o óxido de índio dopado com estanho (ITO) em aplicações de óxido condutivo transparente (TCO), devido seu baixo custo, baixa toxicidade e a estabilidade em plasma de hidrogênio. Os filmes finos de ZnO tem sido depositados em uma grande variedade de técnicas incluindo rotas químicas e físicas, tais como deposição a laser pulsado, evaporação térmica, deposição de vapor químico, evaporação por feixe de elétron, spray pirólise, método sol-gel e RF magnetron sputtering em diferentes substratos. Entre estes métodos, o RF magnetron sputtering tem recebido bastante atenção, pois permite a síntese de filmes finos de ZnO com alta qualidade cristalina a baixas temperaturas. Muitas das propriedades de filmes finos, que são à base de suas aplicações em dispositivos tecnológicos, dependem de suas propriedades superficiais, particularmente a rugosidade. Assim, o conhecimento do mecanismo que determina a estrutura do filme tem motivado uma grande quantidade de pesquisas nos últimos anos. Em particular, uma ênfase tem sido dada aos estudos teóricos e experimentais da evolução de crescimento de filmes finos. Duas medidas de comprimento características são normalmente empregadas para estudar a dinâmica de crescimento de diferentes sistemas: a largura da rugosidade superficial σ e o comprimento de correlação lateral ξ. Assumindo-se que σ e ξ alteram com tempo de deposição t, assim σ ~ t β e ξ ~ t p, respectivamente. O expoente β e p dependem do mecanismo de crescimento que está operando durante a deposição, isto determina a evolução morfológica do filme. Logo, a determinação experimental desses expoentes e sua comparação com os modelos de crescimentos existentes permitem identificar os principais mecanismos de crescimento envolvidos na deposição do filme. 2. OBJETIVOS (1) Estudar a morfologia da superfície dos filmes finos de ZnO; (2) De forma experimental, apresentar diferentes mecanismos no crescimento dos filmes finos de ZnO; (3) Apresentar as

2 estruturas formadas segundo a dinâmica do mecanismo dominante sobre a superfície dos filmes finos. 3. MATERIAIS E MÉTODOS Os materiais utilizados neste projeto foram: (1) óxido de zinco ZnO; (2) software XEI; (3) software OriginPro8; (4) AFM XE-100 Park System. A morfologia dos filmes foi caracterizada por microscopia de força atômica (AFM) usando o equipamento XE-100 operando no modo de não-contato. A alavanca de silício foi empregada com raio nominal de 10 nm. Para cada amostra investigada, diferentes ciclos de AFM foram utilizados, com tamanho lateral de 2µm. A morfologia da superfície foi medida com AFM operando em atmosfera ambiente. As imagens de AFM 2µm x 2µm foram adquiridas, a rugosidade foi caracterizada em termos da rugosidade quadrática média (RMS-σ) e o comprimento de correlação lateral (ξ). Os parâmetros σ e ξ foram obtidos a partir da morfologia de superfície h (r, t) medido pelo AFM. A rugosidade σ é matematicamente definida como σ = onde é a media espacial sobre a área medida. O valor de σ foi obtido diretamente das imagens de AFM 2µm x 2µm em diferentes locais de cada amostra. O comprimento de correlação é relacionado ao tamanho lateral das estruturas na superfície. O valor médio ξ foi derivado pela curva de Lorentz na densidade espectral de potência (PSD) calculado a partir das imagens de AFM. A curva PSD é obtida pelo software XEI. 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES A figura 1 mostra as imagens de AFM da superfície do substrato de vidro e dos filmes de ZnO com cinco diferentes espessuras. Inicialmente, a morfologia é principalmente formada por uma estrutura granular. Nota-se um crescimento contínuo em tamanho e altura das estruturas superficiais com o aumento da espessura do filme. Conforme ilustra as imagens da figura 1, a distribuição espacial dos grãos é muito homogênea para todos os filmes. Um comportamento semelhante tem sido relatado por Vasco et al. para crescimento de filmes ZnO/InP (100) pela técnica PLD. A figura 2 mostra a evolução de ξ em função das espessuras dos filmes. Na figura 2(a), duas regiões podem ser distinguidas separadas por uma linha vertical que encontra- se em 50 nm de espessura. Na primeira região abaixo de 50 nm, é encontrado o coeficiente angular ac 1 = - 0,0153. Na segunda com espessura 50 nm, é observado um coeficiente angular ac 2 = (5,27 ± 0,15) A figura 2(b) mostra o gráfico log-log da região 2 (espessura 50 nm). Nesta região é encontrado um expoente p 1 = 0,6 ± 0,5 enquanto que Vasco et al. encontra p 1 = 0,3 ± 0,05 para uma região similar em espessura. Assim, a descontinuidade entre estas duas regiões correspondem a formação rápida e inicial de uma estrutura piramidal como pode ser observado na figura 1. A figura 3 ilustra a alteração na rugosidade da superfície σ em relação às espessuras dos filmes (tempo de deposição). Uma análise detalhada da figura 3(a) mostra que as duas regiões com descontinuidade em 50 nm são também observadas para a evolução da rugosidade superficial. É possível notar que esta descontinuidade é mais evidente do que no caso da figura 2(a). Contudo, a existência de duas regiões morfológicas diferentes com a mesma espessura na descontinuidade (50 nm) suporta a existência dessas duas regiões também para a evolução da rugosidade. Logo, a primeira região, espessura 50 nm, mostra um coeficiente linear ar 1 = 1,75 ± 0,08 enquanto que para a segunda região, ar 2 = 0,95 ± 0,76. A figura 3(b) apresenta um expoente β 1 = 0,93 ± 0,06 enquanto Vasco et al. mostra β 1 = 1,0 ± 0,1 para uma região similar em espessura. Em síntese, os resultados experimentais indicam que a dinâmica de crescimento de filmes de ZnO crescidos por magnetron sputtering no substrato de vidro apresentam dois regimes de crescimento. No segundo regime, para a espessura 50 nm, é caracterizado pelos expoentes p 1 =

3 0,6 e β 1 = 1,0. Conforme afirma Vasco et al., a região 2 apresenta expoente de crescimento que é característico do processo de crescimento instável (ou seja, β 0,5). A figura 2 (a) mostra a diminuição da correlação até o filme com espessura de 25 nm na região 1. A partir de 50 nm que caracteriza o segundo regime, há um aumento linear progressivo da correlação. A primeira região é caracterizada pela existência de uma estrutura granular sem nenhuma orientação superficial, ou seja, uma estrutura amorfa. Já a segunda região é caracterizada pelo desenvolvimento, tanto no tamanho lateral quanto na altura, de uma estrutura piramidal cujas facetas exibem uma morfologia em degraus. Neste último estágio, há um crescimento colunar das estruturas formando policristais com orientação ao longo da direção (002). Analisando a rugosidade σ, a região 1 é caracterizada por uma pequena variação na σ entre os filmes com espessuras de 0 a 50 nm. Conforme ilustra a figura 3 (a), estes filmes possuem baixa rugosidade em torno de 2 nm indicando que estes são amorfos. Na região 2, há uma descontinuidade na rugosidade superficial em torno de 50 nm de espessura. A partir disso, ocorre um crescimento linear e progressivo da rugosidade caracterizando a formação de uma estrutura policristalina. Fig. 1: Imagens de AFM 2μm x 2μm do substrato de vidro e dos filmes de ZnO com diferentes espessuras. (a) substrato de vidro, (b) 25 nm, (c) 50 nm, (d) 100 nm, (e) 185 nm, (f) 250 nm e (g) 465 nm. 5. CONCLUSÃO

4 Muitas das propriedades dos filmes finos, que definem as suas aplicações tecnológicas, dependem de suas propriedades superficiais, principalmente a rugosidade. Assim, é importante conhecer o mecanismo de evolução do crescimento desses filmes. Neste trabalho foi analisado os filmes de ZnO crescido por magnetron sputtering em substrato de vidro. Conforme análise foi possível observar um comportamento dinâmico no crescimento dos filmes caracterizado por dois diferentes regimes separados por uma descontinuidade. No primeiro regime, a morfologia superficial é caracterizada por uma estrutura granular sem orientação, ou seja, são filmes amorfos. Segundo o aumento da espessura, há uma evolução na morfologia superficial. Neste caso, ocorre o desenvolvimento de uma estrutura piramidal nas superfícies dos filmes e uma melhoria na cristalinidade, tornando-se um policristal.. Fig. 2: A evolução do comprimento de correlação calculado pelo ajuste Lorentziano do espectro de potencia 2D das imagens de AFM 2μm x 2μm. Na figura 2(a), dois regimes podem ser distinguidos por uma descontinuidade em 50 nm. A figura 2(b) mostra o gráfico log-log da região 2. Fig 3: Evolução da rugosidade superficial em função da espessuras do filme de ZnO. A figura 3(a) mostra dois regimes separados pela mesma descontinuidade mostrada na figura 2. Na figura 3(b), é mostrado o gráfico log-log da rugosidade superficial na região AGRADECIMENTOS Os autores agradecem ao CNPq e FAPESP pelo apoio financeiro. Em particular, o autor Michel Chaves agradece a FAPESP pela bolsa de Iniciação Científica (Proc. 2010/ ). 7. REFERÊNCIAS

5 DAMIANI, L.R. Filmes de oxido de índio dopado com estanho depositados por magnetron sputtering. Dissertação (Mestrado em Engenharia em Sistema Eletrônicos). São Paulo, p. VASCO, E; ZALDO, C; VÁZQUEZ, L. Growth evolution of ZnO films deposited by pulsed laser ablation. Journal of Physics: Condensed Matter 13, L663-L672, 2001.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais Andressa Macedo Rosa ANÁLISE MORFOLÓGICA DE FILMES FINOS DE ÓXIDO DE ZINCO Sorocaba

Leia mais

FABRICAÇÃO DE TFTS EM BAIXA TEMPERATURA UTILIZANDO SILÍCIO E CARBONO AMORFOS DEPOSITADO POR RF MAGNETRON SPUTTERING

FABRICAÇÃO DE TFTS EM BAIXA TEMPERATURA UTILIZANDO SILÍCIO E CARBONO AMORFOS DEPOSITADO POR RF MAGNETRON SPUTTERING FABRICAÇÃO DE TFTS EM BAIXA TEMPERATURA UTILIZANDO SILÍCIO E CARBONO AMORFOS DEPOSITADO POR RF MAGNETRON SPUTTERING Marciel Guerino*, Ronaldo D. Mansano*, Luís da lva Zambom * Introdução Nos últimos anos

Leia mais

Capítulo 1 - Cristais

Capítulo 1 - Cristais 1. Cristais 1.1. Introdução O materiais no estado sólido podem apresentar estruturas cristalinas ou amorfas. Na estrutura cristalina os átomo (moléculas) apresentam um ordenamento periódico nas posições

Leia mais

Ciência e Tecnologia de Materiais ENG1015

Ciência e Tecnologia de Materiais ENG1015 1 Ciência e Tecnologia de Materiais ENG1015 http://www.dema.puc-rio.br/moodle DEMa - Depto. de Engenharia de Materiais última atualização em 10/02/2014 por sidnei@puc-rio.br Estrutura do Curso 2 Introdução:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFWARE PARA PROJETO DE ELEMENTOS SENSORES PIEZORESISTIVOS 1

DESENVOLVIMENTO DE SOFWARE PARA PROJETO DE ELEMENTOS SENSORES PIEZORESISTIVOS 1 DESENVOLVIMENTO DE SOFWARE PARA PROJETO DE ELEMENTOS SENSORES PIEZORESISTIVOS 1 André Luciano Rakowski 2, Luiz Antônio Rasia 3, Carlos Augusto Valdiero 4, Antônio Carlos Valdiero 5. 1 Projeto de pesquisa

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas aboratório de Física Roteiro Física Geral e Experimental III 1/1 Experimento: Dilatação érmica de Sólidos 1. Dilatação érmica de um Sólido Nesta tarefa serão abordados os seguintes

Leia mais

Rodrigo Valentim Diretor APRESENTAÇÃO

Rodrigo Valentim Diretor APRESENTAÇÃO www.avaco.com.br inovar constantemente, oferecer um excelente serviço de pós-venda e atender a clientes da indústria e pesquisa com produtos e serviços apoiados no comprometimento com a qualidade e uso

Leia mais

Bombas de vácuo mecânicas, turbomoleculares e roots. Sensores, conexões, câmaras de vácuo e acessórios

Bombas de vácuo mecânicas, turbomoleculares e roots. Sensores, conexões, câmaras de vácuo e acessórios inovar constantemente, oferecer um excelente serviço de pós-venda e atender a clientes da indústria e pesquisa com produtos e serviços apoiados no comprometimento com a qualidade e uso de tecnologia de

Leia mais

PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE GEO2 PBO COM NANOESTRUTURAS METÁLICAS

PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE GEO2 PBO COM NANOESTRUTURAS METÁLICAS PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE GEO2 PBO COM NANOESTRUTURAS METÁLICAS Windson Gomes Hora 1, Luciana Reyes Pires Kassab 2 1 Aluno de Mestrado do Departamento de Sistemas Eletrônicos, LSI/EPUSP

Leia mais

PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE ÓXIDO DE ZINCO INTRÍNSECOS E DOPADOS COM ALUMÍNO E BORO. Claudio André Chagas Martins Dias

PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE ÓXIDO DE ZINCO INTRÍNSECOS E DOPADOS COM ALUMÍNO E BORO. Claudio André Chagas Martins Dias PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE ÓXIDO DE ZINCO INTRÍNSECOS E DOPADOS COM ALUMÍNO E BORO Claudio André Chagas Martins Dias UNIVERSIDADE ESTADUAL NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO - UENF CAMPOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais Ellen Amorim ESTUDO DOS SISTEMAS INTEGRADOS DE FILMES FINOS ÓXIDOS EM SUBSTRATOS POLIMÉRICOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA FONTES DE ENERGIA NÃO CONVENCIONAIS: ENERGIA SOLAR SÉRGIO VIDAL GARCIA OLIVEIRA DANIEL GUSTAVO

Leia mais

CAPÍTULO 3 IMAGEM DE SUPERFÍCIE E DE SECÇÃO DE CORTE

CAPÍTULO 3 IMAGEM DE SUPERFÍCIE E DE SECÇÃO DE CORTE CAPÍTULO 3 IMAGEM DE SUPERFÍCIE E DE SECÇÃO DE CORTE 3.1 MICROSCOPIA DE FORÇA ATÓMICA 3.1.1 Introdução O primeiro microscópio de efeito de túnel a ser construído foi o desenvolvido por Binning e Roher

Leia mais

Deposição Física de Vapores Physical Vapour Deposition (PVD)

Deposição Física de Vapores Physical Vapour Deposition (PVD) Deposição Física de Vapores Physical Vapour Deposition (PVD) Microelectrónica III Mestrado em Eng.ª Microelectrónica e Nanotecnologia 1 Sumário Tecnologia de Vácuo para Microfabricação Revisões de Física

Leia mais

4 A física da nanolitografia em semicondutores cúbicos

4 A física da nanolitografia em semicondutores cúbicos A física da nanolitografia em semicondutores cúbicos 40 4 A física da nanolitografia em semicondutores cúbicos O mecanismo de deformação em cristais de InP após riscarmos a superfície, com o uso do AFM,

Leia mais

MÉTODO MATEMÁTICO PARA CALIBRAÇÃO DE SENSOR DO MEDIDOR DE PRESSÃO TIPO PIRANI MATHEMATICAL METHOD FOR SENSOR CALIBRATION OF PIRANI PRESSURE GAUGE

MÉTODO MATEMÁTICO PARA CALIBRAÇÃO DE SENSOR DO MEDIDOR DE PRESSÃO TIPO PIRANI MATHEMATICAL METHOD FOR SENSOR CALIBRATION OF PIRANI PRESSURE GAUGE MÉTODO MATEMÁTICO PARA CALIBRAÇÃO DE SENSOR DO MEDIDOR DE PRESSÃO TIPO PIRANI MATHEMATICAL METHOD FOR SENSOR CALIBRATION OF PIRANI PRESSURE GAUGE Rafael Bueno de Moraes, Everson Martins, Caio Simon de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SENSORES PIEZORESISTIVOS

DESENVOLVIMENTO DE SENSORES PIEZORESISTIVOS Dias de la Ciencia Aplicada Septiembre, 2011 Medellin - Colombia DESENVOLVIMENTO DE SENSORES PIEZORESISTIVOS Prof. Dr. Marcos Massi Laboratório de Plasmas e Processos Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

DISPOSITIVOS ELETROLUMIINESCENTES ORGÂNICOS: PROTÓTIPO DE CONTADOR DIGITAL

DISPOSITIVOS ELETROLUMIINESCENTES ORGÂNICOS: PROTÓTIPO DE CONTADOR DIGITAL DISPOSITIVOS ELETROLUMIINESCENTES ORGÂNICOS: PROTÓTIPO DE CONTADOR DIGITAL Aluno: Rafael José Pacca Brazil Sadok de Sá Orientador: Marco Cremona Introdução O surgimento dos dispositivos optoeletrônicos

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Aços para concreto armado

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Aços para concreto armado Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Aços para concreto armado Notas de aula da disciplina AU414 - Estruturas IV Concreto armado Prof. Msc. Luiz Carlos

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais 2º semestre de Informações e instruções para a resolução da prova

Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais 2º semestre de Informações e instruções para a resolução da prova Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais 2º semestre de 2015 Informações e instruções para a resolução da prova 1. A prova deve ser realizada sem consulta; 2. A duração da prova é

Leia mais

Fabricação e Caracterização de Termopares Cu/CuNi x P y Obtidos por Deposição Eletroquímica

Fabricação e Caracterização de Termopares Cu/CuNi x P y Obtidos por Deposição Eletroquímica FERNANDO TREVISAN SAEZ PARRA Fabricação e Caracterização de Termopares Cu/CuNi x P y Obtidos por Deposição Eletroquímica São Paulo 2008 FERNANDO TREVISAN SAEZ PARRA Fabricação e Caracterização de Termopares

Leia mais

A variação de qualquer dimensão linear de um corpo com a temperatura se chama dilatação térmica.

A variação de qualquer dimensão linear de um corpo com a temperatura se chama dilatação térmica. Dilatação Térmica de Sólidos Quando a temperatura de um corpo varia, ocorrem variações de comprimento em cada uma de suas dimensões, variações estas que dependem da forma do corpo e da substância de que

Leia mais

Desenvolvimento de superfícies opticamente seletivas e suas aplicações em painéis solares térmicos

Desenvolvimento de superfícies opticamente seletivas e suas aplicações em painéis solares térmicos REMAN Desenvolvimento de superfícies opticamente seletivas e suas aplicações em painéis solares térmicos Denis G. F. David, LaPO IF/UFBA 1 Objetivos Desenvolver tecnologias para aumentar o desempenho dos

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE DEPOSIÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DOS FILMES DE Ga (1-x) Mn (x) As:H CRESCIDOS POR SPUTTERING.

INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE DEPOSIÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DOS FILMES DE Ga (1-x) Mn (x) As:H CRESCIDOS POR SPUTTERING. INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE DEPOSIÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DOS FILMES DE Ga (1-x) Mn (x) As:H CRESCIDOS POR SPUTTERING. L. F. da Silva, D. M. G. Leite, A. L. J. Pereira, J. H. Dias da Silva lfsilva@fc.unesp.br

Leia mais

Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia

Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia Por propriedade ótica subentende-se a reposta do material à exposição à radiação eletromagnética e, em particular, à luz visível.

Leia mais

NANOTUBOS DE CARBONO

NANOTUBOS DE CARBONO NANOTUBOS DE CARBONO Aluno: Fernando Henrique do Rêgo Monteiro. Orientador: Fernando Lázaro Freire Jr. Introdução As atividades de pesquisa em nanotubos de carbono, têm tido um crescimento exponencial

Leia mais

Espectroscopia Atómica com uma Rede de Transmissão

Espectroscopia Atómica com uma Rede de Transmissão LABORATÓRIO DE FÍSICA ATÓMICA, ÓPTICA E FÍSICA DAS RADIAÇÕES Mestrado Integrado em Engenharia Física Tecnológica Espectroscopia Atómica com uma Rede de Transmissão 1. Objectivos O estudo de diversos espectros

Leia mais

REDEMAT REDE TEMÁTICA EM ENGENHARIA DE MATERIAIS

REDEMAT REDE TEMÁTICA EM ENGENHARIA DE MATERIAIS REDEMAT REDE TEMÁTICA EM ENGENHARIA DE MATERIAIS UFOP CETEC UEMG UFOP - CETEC - UEMG Dissertação para Mestrado Desenvolvimento de filmes finos de óxidos condutores e transparentes de ZnO para aplicação

Leia mais

ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS CAP. 03 Parte II

ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS CAP. 03 Parte II UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM ESTRUTURA DOS SÓLIDOS

Leia mais

T v. T f. Temperatura. Figura Variação da viscosidade com a temperatura para materiais vítreos e cristalinos (CARAM, 2000).

T v. T f. Temperatura. Figura Variação da viscosidade com a temperatura para materiais vítreos e cristalinos (CARAM, 2000). 7 ESTRUTURAS AMORFAS 7.1 Introdução Também chamadas de estruturas vítreas, as estruturas amorfas são formadas por arranjos atômicos aleatórios e sem simetria ou ordenação de longo alcance. Esse tipo de

Leia mais

3 Estruturas planares de microondas com múltiplas camadas dielétricas 3.1 Introdução

3 Estruturas planares de microondas com múltiplas camadas dielétricas 3.1 Introdução 3 Estruturas planares de microondas com múltiplas camadas dielétricas 3.1 Introdução Filmes dielétricos de elevada constante dielétrica vêm sendo amplamente estudados, pois encontram aplicação na realização

Leia mais

Lista de Problemas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE III Interferência

Lista de Problemas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE III Interferência Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE III Interferência Lista de Problemas Problemas extraídos de HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos

Leia mais

A Radiação do Corpo Negro e sua Influência sobre os Estados dos Átomos

A Radiação do Corpo Negro e sua Influência sobre os Estados dos Átomos Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos A Radiação do Corpo Negro e sua Influência sobre os Estados dos Átomos Nome: Mirian Denise Stringasci Disciplina: Mecânica Quântica Aplicada

Leia mais

OTI Ótica QUÍMICA

OTI Ótica QUÍMICA OTI-0002 - Ótica QUÍMICA Estágio em Docência Marsal Eduardo Bento Professor da Disciplina: Holokx Abreu Albuquerque Abril/2014 1 Sumário Instrumentos Ópticos Lente de aumento simples Microscópio composto

Leia mais

Diagramas de Fases. Universidade de São Paulo. Escola de Engenharia de São Carlos. Departamento de Engenharia de Materiais

Diagramas de Fases. Universidade de São Paulo. Escola de Engenharia de São Carlos. Departamento de Engenharia de Materiais Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia de Materiais Diagramas de Fases Engenharia e Ciência dos Materiais I Prof. Dr. Cassius O.F.T. Ruchert Revisão: Prof.

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos - LAMATE

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos - LAMATE Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos - LAMATE Experiência 1 Chip 1 - Resistores e Propriedades dos Semicondutores Este roteiro destina-se

Leia mais

ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL

ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL H. A. R. GOMES 1, A. B. N. BRITO 1 1 Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Universitário Norte do Espírito Santo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO 2 1. INTRODUÇÃO Algumas das

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AO MUNDO DAS CÉLULAS FOTOELÉTRICAS E PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA FOTOVOLTAICA.

BREVE INTRODUÇÃO AO MUNDO DAS CÉLULAS FOTOELÉTRICAS E PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA FOTOVOLTAICA. BREVE INTRODUÇÃO AO MUNDO DAS CÉLULAS FOTOELÉTRICAS E PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA FOTOVOLTAICA. Ulderico José de Freitas Melo Filho iaruru@gmail.com IFG/Campus Jataí Victor Racy Abdalla vra2027@gmail.com

Leia mais

DEPOSIÇÃO E CORROSÃO DE FILMES DE DLC POR TÉCNICAS ASSISTIDAS A PLASMA

DEPOSIÇÃO E CORROSÃO DE FILMES DE DLC POR TÉCNICAS ASSISTIDAS A PLASMA DEPOSIÇÃO E CORROSÃO DE FILMES DE DLC POR TÉCNICAS ASSISTIDAS A PLASMA Marco Antônio de Souza, *,Marcos Massi 1, Homero Santiago Maciel 1, Rodrigo Sávio Pessoa 1 e Jossano Marcuzzo 1 1 Centro Técnico Aeroespacial,

Leia mais

Polímeros no Estado Sólido

Polímeros no Estado Sólido Química de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmolin carla.dalmolin@udesc.br Polímeros no Estado Sólido O Estado Sólido Sólidos Cristalinos: Possuem um arranjo ordenado de átomos/moléculas, formando um retículo

Leia mais

Termodinâmica. Lucy V. C. Assali

Termodinâmica. Lucy V. C. Assali Termodinâmica Temperatura Lucy V. C. Assali Física II 2016 - IO Temperatura Não confiável Por exemplo: metal e papel tirados do congelador, sentimos o metal mais frio, mas é só porque ele é um melhor condutor

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Figura 22 - Shimadzu SPM9700 (a) partes do equipamento, (b) foto no LFFPP. (a) Fonte: catalogo do equipamento (b) Fonte: elaborada pelo autor

Figura 22 - Shimadzu SPM9700 (a) partes do equipamento, (b) foto no LFFPP. (a) Fonte: catalogo do equipamento (b) Fonte: elaborada pelo autor 51 O equipamento utilizado foi o microscópio de força atômica (AFM) Shimadzu SPM9700 no modo contato instalado no LFFPP do ICTE da UFTM e a rugosidade calculada, a partir das imagens, com o software Shimadzu

Leia mais

EXPERIMENTO 8 DIFRAÇÃO EM FENDA ÚNICA E EM FENDAS MÚLTIPLAS

EXPERIMENTO 8 DIFRAÇÃO EM FENDA ÚNICA E EM FENDAS MÚLTIPLAS EXPERIMENTO 8 DIFRAÇÃO EM FENDA ÚNICA E EM FENDAS MÚLTIPLAS Nesta atividade de laboratório você irá observar e analisar os efeitos provocados quando luz incide em uma fenda simples ou num sistema de muitas

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA INTERFACE PARA SENSOR DE GASES TÓXICOS. RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. (PIBIC/CNPq/INPE)

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA INTERFACE PARA SENSOR DE GASES TÓXICOS. RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. (PIBIC/CNPq/INPE) IMPLEMENTAÇÃO DE UMA INTERFACE PARA SENSOR DE GASES TÓXICOS. RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) Natan Figueiredo (ETEP, Bolsista PIBIC/CNPq) E-mail: natan_figueiredo@hotmail.com

Leia mais

Capítulo 3 Imagem de Superfície e de Secção de Corte: TEM

Capítulo 3 Imagem de Superfície e de Secção de Corte: TEM Figura 3.3.14 Micrografia de HRTEM da secção de corte de uma amostra em multicamadas de Ti 0,4 Al 0,6 N/Mo crescida com Λ=6,0 nm e uma tensão de polarização de 40 V. No interior desta imagem encontra-se

Leia mais

PROPRIEDADES TÉRMICAS E ÓPTICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES TÉRMICAS E ÓPTICAS DOS MATERIAIS ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais PROPRIEDADES TÉRMICAS E ÓPTICAS DOS MATERIAIS PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia

Leia mais

Lista de Exercícios para P2

Lista de Exercícios para P2 ENG 1012 Fenômenos de Transporte II Lista de Exercícios para P2 1. Estime o comprimento de onda que corresponde à máxima emissão de cada de cada um dos seguintes casos: luz natural (devido ao sol a 5800

Leia mais

FILMES DE GRAFENO PARA APLICAÇÃO COMO ÓXIDO CONDUTOR TRANSPARENTE

FILMES DE GRAFENO PARA APLICAÇÃO COMO ÓXIDO CONDUTOR TRANSPARENTE FILMES DE GRAFENO PARA APLICAÇÃO COMO ÓXIDO CONDUTOR TRANSPARENTE Elisângela P. da Silva 1* (D), Herval R. P. Junior 1 e Clascídia A. Furtado 2 1 Laboratório de Materiais Avançados/CCT Universidade Estadual

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE MATERIAIS TRANSPARENTES DE MESMA COLORAÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE MATERIAIS TRANSPARENTES DE MESMA COLORAÇÃO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 24, São Paulo. ISBN 85-89478-8-4. ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE

Leia mais

RELATÓRIO N DE ANÁLISE POR MICROSCOPIA. Foram recebidos 02 (dois) recipientes de material particulado, ambos identificados

RELATÓRIO N DE ANÁLISE POR MICROSCOPIA. Foram recebidos 02 (dois) recipientes de material particulado, ambos identificados Porto Alegre, 10 de Junho de 2011 RELATÓRIO N 01.06.11 DE ANÁLISE POR MICROSCOPIA 1 Dados Cadastrais 1.1 Solicitante Grimaldo Costa Furtado Sobrinho T.M.F Indústria e Comércio Ltda 1.2 Material Recebido

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 03 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Dilatação Térmica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

Cinética Química. Cinética Química: Velocidade média, instantânea e inicial. Lei cinética. Fatores que influenciam a velocidade.

Cinética Química. Cinética Química: Velocidade média, instantânea e inicial. Lei cinética. Fatores que influenciam a velocidade. Cinética Química IV Cinética Química: Velocidade média, instantânea e inicial. Lei cinética. Fatores que influenciam a velocidade. Mecanismos reacionais. Catálise. Cinética Química Cinética Química é a

Leia mais

Microscopia e o Espectro Eletromagnético

Microscopia e o Espectro Eletromagnético Microscopia e o Espectro Eletromagnético O limite de resolução inferior de um microscópio é determinado pelo fato de que, nestes instrumentos, se utiliza ondas eletromagnéticas para a visualização Não

Leia mais

Fabricação de Elementos Ópticos Difrativos Empregando Processos de Microusinagem. Giuseppe Antonio Cirino

Fabricação de Elementos Ópticos Difrativos Empregando Processos de Microusinagem. Giuseppe Antonio Cirino Fabricação de Elementos Ópticos Difrativos Empregando Processos de Microusinagem Giuseppe Antonio Cirino Conteúdo Introdução Importância & Objetivos Revisão Bibliográfica Óptica Difrativa: Aspectos Gerais

Leia mais

Convecção Forçada Externa

Convecção Forçada Externa Convecção Forçada Externa Força de arrasto e sustentação Arrasto: força que o escoamento exerce na sua própria direção. Corpos submetidos a escoamento de fluidos são classificados: Região separada: Uma

Leia mais

DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS DE GEOTECNIA TEXTOS DE APOIO ÁS AULAS PRÁTICAS

DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS DE GEOTECNIA TEXTOS DE APOIO ÁS AULAS PRÁTICAS Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS DE GEOTECNIA TEXTOS DE APOIO ÁS AULAS PRÁTICAS (Apontamentos elaborados pelo Eng. Marco Marques) 2006/2007

Leia mais

Filtros, Multiplexadores, Demutiplexadores Compensadores de Dispersão

Filtros, Multiplexadores, Demutiplexadores Compensadores de Dispersão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações Filtros, Multiplexadores,

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA 1 PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Curso: CST em Sistemas de Telecomunicações, Tecnologia Nome da disciplina: Comunicações Ópticas Código: TEL037 Carga horária: 67 horas Semestre previsto: 5º

Leia mais

PROPRIEDADES ESPECTRAIS DOS SOLOS

PROPRIEDADES ESPECTRAIS DOS SOLOS PROPRIEDADES ESPECTRAIS DOS SOLOS Espectroscopia de Reflectância e Caracterização dos Solos; Reflectância e Mineralogia dos Solos; Reflectância e Matéria Orgânica; Reflectância e Óxidos de Ferro; Reflectância

Leia mais

ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE A PROFUNDIDADE DE PENETRAÇÃO E A ESPESSURA TOTAL DE REVESTIMENTOS EM TESTES INSTRUMENTADOS DE DUREZA

ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE A PROFUNDIDADE DE PENETRAÇÃO E A ESPESSURA TOTAL DE REVESTIMENTOS EM TESTES INSTRUMENTADOS DE DUREZA Revista Brasileira de Aplicações de Vácuo, v. 25, n. 2, 99-103, 2006. 2006 ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE A PROFUNDIDADE DE PENETRAÇÃO E A ESPESSURA TOTAL DE REVESTIMENTOS EM TESTES INSTRUMENTADOS DE DUREZA A.

Leia mais

Terra um planeta com Vida

Terra um planeta com Vida Condições que permitiram o aparecimento da Vida na Terra O aparecimento da Vida resultou das características particulares da Terra. Formação da Terra há cerca de 4600 M.a. Formação de uma atmosfera primitiva.

Leia mais

Convecção (natural e forçada) Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros

Convecção (natural e forçada) Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Convecção (natural e forçada) Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Convecção natural Convecção forçada Convecção natural A transmissão de calor por convecção natural ocorre sempre quando um corpo é

Leia mais

Campo Elétrico 2 Objetivos:

Campo Elétrico 2 Objetivos: Campo Elétrico 2 Objetivos: Apresentar a discretização do espaço para a resolução de problemas em coordenadas: Cartesianas; Polar; Aplicar a discretização do espaço para resolução de problemas de campo

Leia mais

Na natureza, esses vidros são encontráveis em forma de silicatos ou em compostos de silício e oxigênio, mas não são vistos na forma

Na natureza, esses vidros são encontráveis em forma de silicatos ou em compostos de silício e oxigênio, mas não são vistos na forma VIDROS METÁLICOS Tarciso Antônio Grandi Depto de Física UFSC Florianópolis SC Introdução Quando um metal líquido é resfriado abaixo da sua temperatura de fusão, inicia-se um processo de nucleação dos átomos,

Leia mais

5 Discussão de resultados 5.1. Variação dos parâmetros de rede com a composição (x)

5 Discussão de resultados 5.1. Variação dos parâmetros de rede com a composição (x) 5 Discussão de resultados 5.1. Variação dos parâmetros de rede com a composição (x) As análises de difração de raios-x, a temperatura ambiente, para as soluções sólidas: Cr 2x Fe 2-2x Mo 3 O 12, Al 2x

Leia mais

FILMES DE ÓXIDO DE ÍNDIO DOPADO COM ESTANHO DEPOSITADOS POR MAGNETRON SPUTTERING

FILMES DE ÓXIDO DE ÍNDIO DOPADO COM ESTANHO DEPOSITADOS POR MAGNETRON SPUTTERING LARISSA RODRIGUES DAMIANI FILMES DE ÓXIDO DE ÍNDIO DOPADO COM ESTANHO DEPOSITADOS POR MAGNETRON SPUTTERING Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para a obtenção do título

Leia mais

A energia de formação para o B em um sítio de Si ou C no bulk é dada pelas seguintes

A energia de formação para o B em um sítio de Si ou C no bulk é dada pelas seguintes 63 Figura 22: Estrutura de bandas. Em (a) o 3C-SiC bulk puro, (b) com um átomo de B substituindo um átomo de Si e em (c) B ocupando a posição de um átomo de C. O topo da banda de valência foi tomado como

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ESTELAR:

CLASSIFICAÇÃO ESTELAR: CLASSIFICAÇÃO ESTELAR: TÓPICO 2 AS ESTRELAS NÃO SÃO IGUAIS Jane C. Gregório Hetem 2.1 Espectros Estelares 2.2 A ordem dos tipos espectrais 2.3 Comparando as diversas categorias de estrelas 2.4 O tamanho

Leia mais

Introdução à Nanotecnologia

Introdução à Nanotecnologia Introdução à Nanotecnologia Ele 1060 Aula 7 2010-01 Microscopia de Ponta de Prova Microscopia de Força Atômica AFM História Inventado em 1986. Primeiro AFM AFM Comercial Informações Gerais Mede propriedades

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2014/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2014/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 02 Física Geral e Experimental III 2014/1 Dilatação Térmica Volumétrica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

2 Tomografia Computadorizada de Raios X

2 Tomografia Computadorizada de Raios X 2 Tomografia Computadorizada de Raios X 2.1 Fundamentos Teóricos de Tomografia Computadorizada de Raios X A Tomografia Computadorizada de Raios X é uma técnica que permite a avaliação de modo não destrutivo

Leia mais

ESTUDO DA TRANSIÇÃO ENTRE ESCOAMENTO LAMINAR E TURBULENTO EM TUBO CAPILAR

ESTUDO DA TRANSIÇÃO ENTRE ESCOAMENTO LAMINAR E TURBULENTO EM TUBO CAPILAR ESTUDO DA TRANSIÇÃO ENTRE ESCOAMENTO LAMINAR E TURBULENTO EM TUBO CAPILAR M. H. MARTINS 1, A. KNESEBECK 1 1 Universidade Federal do Paraná, Departamento de Engenharia Química E-mail para contato: marcellohmartins@gmail.com

Leia mais

2 Fundamentos para avaliação e monitoramento de placas.

2 Fundamentos para avaliação e monitoramento de placas. 26 2 Fundamentos para avaliação e monitoramento de placas. As placas são elementos estruturais limitados por duas superfícies planas distanciadas entre si por uma espessura. No caso da dimensão da espessura

Leia mais

2.1 Princípios gerais da ligação química. Ligações químicas

2.1 Princípios gerais da ligação química. Ligações químicas 2.1 Princípios gerais da ligação química Ligações químicas A associação de átomos formando moléculas, ou em agregados de maiores dimensões como, por exemplo, nos metais, é possível pelo estabelecimento

Leia mais

PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL

PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL Certificado Número: 065479G Data de Emissão: 21/08/2015 Número do Conjunto: F3 581H Número de Catálogo: UVABS107 Marca:

Leia mais

21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 09 a 13 de Novembro de 2014, Cuiabá, MT, Brasil

21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 09 a 13 de Novembro de 2014, Cuiabá, MT, Brasil CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE TiO 2 CRESCIDOS SOBRE BOROSSILICATO Marcello, B.A. (1)* ; Geríbola, G.A. (1) ; Pillis, M.F. (1). Av. Lineu Prestes, 2.242. Cidade Universitária - CEP: 05508-000 - São

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS Fundamentos da cor A visão da cor É a capacidade de um organismo ou máquina de distinguir objetos baseando-se nos comprimentos de onda (ou freqüências) da luz sendo refletida,

Leia mais

AGRADECIMENTOS Leica

AGRADECIMENTOS Leica AGRADECIMENTOS Ao meu orientador cientifico Professor Doutor Vasco M. P. Teixeira, pelas portas do conhecimento que foram abertas. À Fundação Portuguesa para a Ciência e Tecnologia, por me ter financiado

Leia mais

Fotografia de vários cristais de fluorita CaF 2 3-0

Fotografia de vários cristais de fluorita CaF 2 3-0 Arranjos Atômicos Fotografia de vários cristais de fluorita CaF 2 3-0 Conceito de Cristalinidade Cristalinidade corresponde a forma de organização da estrutura em um modelo ordenado e repetitivo de longo

Leia mais

PROJECTO PULSAR EFEITOS DA RADIAÇÃO CÓSMICA EM PELÍCULA HOLOGRÁFICA

PROJECTO PULSAR EFEITOS DA RADIAÇÃO CÓSMICA EM PELÍCULA HOLOGRÁFICA 1 of 6 PROJECTO PULSAR - Efeitos da radiação cósmica em película holográfica Alexandre Cabral (INETI), Paulo Pires (INCM), José Manuel Rebordão (INETI) LISBOA, 24 DE JUNHO DE 2002 ACTIVIDADE Efeitos da

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES

DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES MARCUS V.S. DA SILVA, DENIS. F.G. DAVID, I. M. PEPE, Laboratório de Propriedades Ópticas-

Leia mais

Teoria - Difração e Interferência

Teoria - Difração e Interferência Objetivos Teoria - Difração e Interferência Observar os fenômenos de difração e interferência da luz; Medir o diâmetro de um fio de cabelo. Introdução Um feixe de luz coerente, ao atravessar uma fenda

Leia mais

Disciplina: Sistemas Fluidomecânicos. Cavitação e Altura de Carga de Sucção Positiva Disponível 1ª Parte

Disciplina: Sistemas Fluidomecânicos. Cavitação e Altura de Carga de Sucção Positiva Disponível 1ª Parte Disciplina: Sistemas Fluidomecânicos Cavitação e Altura de Carga de Sucção Positiva Disponível 1ª Parte Cavitação e Altura de Carga A cavitação ocorre quando a pressão estática de um líquido decair para

Leia mais

Ruído. Aula 11 Prof. Nobuo Oki

Ruído. Aula 11 Prof. Nobuo Oki Ruído Aula 11 Prof. Nobuo Oki Considerações Gerais Ruído O ruído limita o nível mínimo do sinal que um circuito pode processar com uma qualidade aceitável. O problema do ruído relaciona-se com a potência

Leia mais

ESTUDO DAS ALTERAÇÕES SUPERFICIAIS DE FILMES DE DLC PROMOVIDAS PELO PROCESSO DE CORROSÃO POR PLASMA

ESTUDO DAS ALTERAÇÕES SUPERFICIAIS DE FILMES DE DLC PROMOVIDAS PELO PROCESSO DE CORROSÃO POR PLASMA Anais do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XII ENCITA / 2006 Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos, SP, Brasil, Outubro, 16 a 19, 2006 ESTUDO DAS ALTERAÇÕES

Leia mais

Conteúdo. Resistência dos Materiais. Prof. Peterson Jaeger. 3. Concentração de tensões de tração. APOSTILA Versão 2013

Conteúdo. Resistência dos Materiais. Prof. Peterson Jaeger. 3. Concentração de tensões de tração. APOSTILA Versão 2013 Resistência dos Materiais APOSTILA Versão 2013 Prof. Peterson Jaeger Conteúdo 1. Propriedades mecânicas dos materiais 2. Deformação 3. Concentração de tensões de tração 4. Torção 1 A resistência de um

Leia mais

4 Otimização de Parâmetros de Dispositivos Moleculares

4 Otimização de Parâmetros de Dispositivos Moleculares 4 Otimização de Parâmetros de Dispositivos Moleculares O fenômeno da eletroluminescência (EL) tem atraído a atenção de cientistas por causa da conversão direta da eletricidade em luz em sólidos não incandescentes

Leia mais

Introdução a Engenharia e Ciência dos Materiais

Introdução a Engenharia e Ciência dos Materiais Introdução a Engenharia e Ciência dos Materiais Estrutura Cristalina Prof. Vera L Arantes 2014 25/3/2014 ESTRUTURA CRISTALINA 2 ARRANJO ATÔMICO Por que estudar? As propriedades de alguns materiais estão

Leia mais

Semicondutores são materiais cuja condutividade elétrica se situa entre os metais e os isolantes

Semicondutores são materiais cuja condutividade elétrica se situa entre os metais e os isolantes Semicondutores Semicondutores são materiais cuja condutividade elétrica se situa entre os metais e os isolantes Semicondutor intrínseco é um semicondutor no estado puro. À temperatura de zero graus absolutos

Leia mais

Capítulo 6 Estrutura dos materiais

Capítulo 6 Estrutura dos materiais Capítulo Estrutura dos materiais. O Molibdénio (Mo) apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC) sendo o seu raio atómico 0, nm. O peso atómico do Mo é 95,94 g/mol e a sua densidade é

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório EXPERIÊNCIA 05 DIODOS DE JUNÇÃO PN E FOTODIODOS 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta aula,

Leia mais

Dependendo da habilidade do material em deformar plasticamente antes da fratura, dois tipos de fratura pode ocorrer: Dúctil Frágil.

Dependendo da habilidade do material em deformar plasticamente antes da fratura, dois tipos de fratura pode ocorrer: Dúctil Frágil. Fratura Separação do material devido a tensão aplicada, numa temperatura abaixo do ponto de fusão. Passos da fratura: Formação da trinca Propagação da trinca Dependendo da habilidade do material em deformar

Leia mais

Professora: Daniela Becker Mestranda: Jéssica de Aguiar

Professora: Daniela Becker Mestranda: Jéssica de Aguiar Professora: Daniela Becker Mestranda: Jéssica de Aguiar JOINVILLE SC BRASIL 2016 Estruturas Cerâmicas São compostas por pelo menos dois elementos; Em geral são mais complexas do que a dos metais; Ex.:

Leia mais

unidades das medidas para as seguintes unidades: km 2, hm 2, dam 2, m 2, dm 2,

unidades das medidas para as seguintes unidades: km 2, hm 2, dam 2, m 2, dm 2, Estudo Dirigido de Física Experimental 1 1ª FASE 1. A notação científica facilita a transformação de unidades. Faça as transformações lembrando de manter o mesmo número de algarismos significativos. a)

Leia mais

6 Projeto e caracterização experimental de transformadores de impedância em linha de transmissão (TLTs)

6 Projeto e caracterização experimental de transformadores de impedância em linha de transmissão (TLTs) 6 Projeto e caracterização experimental de transformadores de impedância em linha de transmissão (TLTs) 6.1 Introdução Os resultados obtidos no capítulo 5 para as propriedades dielétricas dos diferentes

Leia mais

Introdução aos Materiais A Estrutura em Sólidos Cristalinos Metais DEMEC TM229 Prof. Adriano Scheid

Introdução aos Materiais A Estrutura em Sólidos Cristalinos Metais DEMEC TM229 Prof. Adriano Scheid Introdução aos Materiais A Estrutura em Sólidos Cristalinos Metais DEMEC TM229 Prof. Adriano Scheid Introdução: Diversas propriedades dos sólidos estão relacionadas à Estrutura Cristalina. Não somente

Leia mais

"UM MÉTODO DE MEDIDA DA EXPANSÃO TÉRMICA VOLUMÉTRICA DIFERENCIAL PARA AMOSTRAS CRISTALINAS DE DIMENSÕES REDUZIDAS*"

UM MÉTODO DE MEDIDA DA EXPANSÃO TÉRMICA VOLUMÉTRICA DIFERENCIAL PARA AMOSTRAS CRISTALINAS DE DIMENSÕES REDUZIDAS* "UM MÉTODO DE MEDIDA DA EXPANSÃO TÉRMICA VOLUMÉTRICA DIFERENCIAL PARA AMOSTRAS CRISTALINAS DE DIMENSÕES REDUZIDAS*" KLEMENSAS RIMGAUDAS JURAiTIS a WALTER SANO b JOÃO BAPTISTA DOMICIANO a CLEMÊNCIO TEODORO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais