Ferramentas. ACV ( Avaliação do Ciclo de Vida) DfE ( design for environment ) projeto para o ambiente. Indicadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ferramentas. ACV ( Avaliação do Ciclo de Vida) DfE ( design for environment ) projeto para o ambiente. Indicadores"

Transcrição

1 Ferramentas

2 Ferramentas Métodos e ferramentas da Ecologia Industrial Prevenção à poluição, Sistemas de gerenciamento (SGA) Eco-eficiência Produção mais Limpa Desmaterialização Metabolismo industrial input/output ACV ( Avaliação do Ciclo de Vida) DfE ( design for environment ) projeto para o ambiente Indicadores

3 Avaliação do ciclo de vida (ACV) Avaliação do Ciclo de Vida (Life Cycle Assessment - LCA) é um método utilizado para avaliar o impacto ambiental de bens e serviços. A ACV de um produto, processo ou atividade é uma avaliação sistemática que quantifica os fluxos de energia e de materiais no ciclo de vida do produto. A avaliação inclui o ciclo de vida completo do produto, processo ou atividade, ou seja, a extração e o processamento de matérias-primas, a fabricação, o transporte e a distribuição; o uso, o reemprego, a manutenção; a reciclagem, a reutilização e a disposição final". (SETAC). A EPA define a ACV como uma ferramenta para avaliar, de forma holística, um produto ou uma atividade durante todo seu ciclo de vida.

4 O ciclo nada mais é que a história do produto, desde a fase de extração das matérias primas, passando pela fase de produção, distribuição, consumo, uso e até sua transformação em lixo ou resíduo. Quando se avalia o impacto ambiental de um carro deve-se considerar não só a poluição causada pelo funcionamento do veículo, mas, também, os possíveis danos causados pelo processo de fabricação, pela energia que utiliza, pela produção de seus diversos componentes, seu destino final, etc. do berço à cova ou do berço ao berço.

5 Na ISO (1997) a ACV é definida como a compilação e avaliação das entradas, saídas e do impacto ambiental potencial de um produto através de seu ciclo de vida. O dano ambiental é considerado qualquer tipo de impacto causado no ambiente pela existência do produto. Inclui a extração de diferentes matérias primas, emissão de substâncias tóxicas, utilização da terra, geração de energia para fabricação e utilização do produto, etc. O termo produto é utilizado para bens e serviços. O foco da ACV é produto

6 Exemplo LCA for Product Improvement Polyester blouse life-cycle energy requirements: Production: 18% Use: 82% Disposal: <1% Energy requirements of use stage could be reduced by more than 90% by switching to cold water wash and line dry instead of warm water wash and drying in dryer. (See Franklin Associates, Ltd., Resource and Environmental Profile Analysis of a Manufactured Apparel Product, Prairie Village, KS, June 1993 for more details.) Um exemplo clássico da ACV para melhorar um produto é estudo do uso de energia durante o ciclo de vida da blusa de poliéster O LCI (ICV) da blusa de poliéster mostra que o maior consumo de energia ocorre durante o uso do produto nas operações de lavagem e secagem o desenvolvimento de um produto que exija o uso de água fria para lavagem,

7 A aquisição de matéria prima, que pode incluir, por exemplo, o plantio de árvores ou a extração de petróleo, dependendo do produto estudado. No estágio seguinte a matéria prima é processada para obtenção dos produtos, como papel ou plástico

8 materiais já processados são então transformados em produtos como copos descartáveis no estágio de manufatura do produto. Depois destas etapas, ocorre o uso, o descarte ou a reciclagem. Um produto pode ser reutilizado reuso - lavagem dos copos plásticos remanufatura - material é utilizado na manufatura de outro produto Reciclagem - material é utilizado como matéria prima no processamento de outro copo

9 Transporte Todos estes estágios em conjunto com o transporte requerido para deslocar materiais e produtos consomem matéria prima e energia e contribuem para o impacto ambiental causado pelo produto.

10 LCA for Product Improvement Transportation vs. Manufacturing Energy Consumption for a Garment % of Life-Cycle Energy Requirements for a Garment Delivery Mode Transport Manufacture Overnight Air 28% 72% Truck Truck + Rail 5% 1% From Hopkins, Allen, and Brown, Pollution Prevention Review, 4(4), % 99% Resultados de um ACV da energia requerida para fabricar e entregar roupas (melhoria do processo): Quando a roupa é enviada por avião, a energia requerida na fase de entrega representa 28% da energia do ciclo de vida total da roupa Em geral, o transporte não é considerado como parte do processo, mas este estudo mostra que, dependendo da forma utilizada, esta etapa pode contribuir significativamente, para a energia gasta durante o ciclo de vida de um produto

11 A ACV propõe uma análise bastante complexa, com muitas variáveis. há uma estrutura formal, dividida em etapas, para a realização de uma ACV de um produto

12 As etapas para a realização de uma ACV podem ser classificadas em (ISO 14040): A. Definição dos objetivos e limites do estudo, escolha da unidade funcional. B. Realização do inventário de entradas e saídas de energia e materiais relevantes para o sistema em estudo C. Avaliação do impacto ambiental associado às entradas e saídas de energia e materiais ou avaliação comparativa de produtos ou processos: avalia quais os impactos devidos às emissões identificadas e ao uso das matérias primas e interpreta os resultados da avaliação de impacto com a finalidade de implantar melhorias no produto ou no processo Quando a ACV é utilizada para comparar produtos, esta etapa é a que recomenda qual produto seria ambientalmente preferível

13 A. Definição dos objetivos e limites do estudo Os sistemas avaliados pela ACV são sistemas abertos estabelecer um plano para o procedimento. Durante a elaboração do plano, as razões pelas quais a ACV será efetuada devem ser estabelecidas. Nesta fase, as fronteiras do sistema são estabelecidas definindo o escopo da avaliação e uma estratégia para coleta de dados e os métodos utilizados para a coleta

14 Definidos os limites do sistema e o escopo da avaliação uma unidade funcional deve ser escolhida para o cálculo das entradas e saídas do sistema. Unidade funcional é a referência à qual são relacionadas às quantidades do inventário. A escolha da unidade funcional deve ser cuidadosa, já que pode levar a resultados ambíguos, especialmente quando se pretende comparar produtos

15 unidade funcional É uma unidade de medida da função realizada pelo sistema (um sistema pode produzir 1 kg de polímero, um saco de papel, um veículo...) Refere-se a uma unidade de produto e a uma unidade de função: a função de um processo está associada à produção que pode gerar produtos e subprodutos. mesmo que a saída do subproduto seja involuntária, o processo apresenta duas funções (a funçã ção o que gera o produto e a que gera o subproduto)

16 ACV para comparar dois processos para obtenção de um produto em que um deles gera um subproduto deve considerar o impacto causado por este subproduto. A unidade funcional escolhida não será simplesmente 1kg de produto, pois o impacto associado ao processo será influenciado pela quantidade de subproduto proveniente do segundo processo para a seleção de uma unidade funcional deve-se considerar as possíveis funções do sistema a unidade funcional deve ser ajustada para que se possa comparar os processos.

17 A escolha da unidade funcional deve ser representativa do impacto causado pelo produto de interesse. No caso de comparação de processos, esta unidade funcional deve ser padronizada para os dois processos Por exemplo, no caso de subtrair-se o impacto atribuído ao processo 3 do processo 1: pode-se obter valor negativo de impacto para a unidade funcional principal (processo 1), o processo 3 pode também ser dividido em sub funções, o que dificulta a atribuição de fatores de impacto a ele

18 Para comparar produtos: Saco de papel X sacola plástica Um saco de papel não suporta necessariamente o mesmo volume de compras que uma sacola plástica A unidade funcional determina a equivalência entre os sistemas Função: carregar compras Unidade funcional = volume de compras

19 Functional Unit Ambiguity Soft Drink Delivery Systems Unidade funcional: 12 oz de refrigerante ou 1 embalagem Functional Unit 12-oz. of soft drink one container number of functional units 12-oz. aluminum cans 16-oz. glass bottles 2-liter PET bottle oz e 16 oz = 1 porção a garrafa de 2L 5 porções Se escolhermos a unidade funcional como 1 embalagem os valores obtidos para o ACV do PET serão 5x maiores que os obtidos para as outras duas embalagens

20 As decisões sobre a alocação da unidade funcional serão determinadas pela natureza da fronteira estabelecida que determina a influência dos fluxos de entrada e saída sobre a unidade funcional. A maioria dos processos é multifuncional e as saídas destes processos geralmente incluem subprodutos, intermediários e resíduos. Desta forma, procura-se escolher uma unidade funcional associada à função ou ao fluxo econômico do sistema, que represente todos os passos do sistema.

21 B. Realização do inventário O inventário determina as emissões, a quantidade de energia e de matérias primas utilizadas. Consiste de um balanço de massa e energia em que todos os fluxos de entrada devem corresponder a um fluxo de saída quantificada como produto, resíduo ou emissão. pode-se identificar pontos de produção e destinação de resíduos as quantidades de material que circulam e que deixam o sistema a poluição associada a uma unidade do sistema pontos críticos de desperdício de matéria prima ou de produção de resíduos

22 PRODUTO + S + R = (MP1- S1- R1) + (MP2 - S2 - R2) O balanço de massa pode ser efetuado em qualquer parte do sistema. a matéria prima que entra no sistema deve ser igual a que deixa o sistema O diagrama pode identificar os fluxos de cada material e as perdas O próximo passo, é acompanhar o material dentro de cada ciclo, determinando qual a fração que permanece no produto, quanto deste material é reciclado, por exemplo, na manufatura, e qual a fração que é perdida ou descartada.

23 Cada estágio da manufatura pode ser inspecionado para determinar qual o mais importante para a redução de resíduos estágio 1: M + RC2 = R1 + P1 a eficiência = a razão entre os fluxos de saída de produto e total: Eficiência = P1 / (P1 + R1) Se R1 = 10% do material de entrada M e que RC2 = 10%: P1 = M + 0,1 M 0,1 M = M e pode-se calcular a eficiência deste estágio como: Eficiência = M / M + 0,1M 90% O mesmo procedimento pode ser aplicado a todo processo, o que facilita a identificação de fluxos que podem ser alterados e de estágios de baixa eficiência que podem ser melhorados quanto ao aproveitamento de materiais e a minimização de resíduos.

24 Streamlined LCA - Matriz (simplificada) Estágio do ciclo de vida Escolha do Material Uso de energia Resíduos sólidos Resíduos líquidos Resíduos gasosos Pré-manufatura Manufatura Transporte/entrega Uso Reciclagem/descarte A ACV simplificada não permite avaliar o impacto ambiental da existência do produto, mas pode ser usada para: Avaliar o impacto ambiental das atividades de fabricação Avaliar a eficiência do processo Determinar pontos críticos para melhorias

25 Streamlined LCA - simplificada A sofisticação da ACV varia / todas são simplificadas de uma forma ou de outra. Algumas são mais completas em dados, outras em estágios considerados ou na avaliação do impacto. As abordagens para simplificar a ACV incluem: Omitir um ou mais estágios do ciclo de vida Enfatizar aspectos ambientais específicos Limitar as categorias do inventário Omitir a avaliação de impacto Utilizar dados de estudos anteriores ACV simplificada = perfil ecológico ou inventário de processo (Toronto, 2002) ACV completo ACV simplificada auditoria ambiental

26 ACV completo = do berço à cova Outras formas de informação que não podem ser quantificadas, como considerações sobre a qualidade dos dados, devem ser mantidas para auxiliar na fase de interpretação. Ciclos vida de Escolha material do Uso energia de Uso água de Resíduos sólidos Resíduos líquidos Resíduos gasosos Extração Produção Embalagem Transporte Uso Reciclagem Descarte R NR CF EE Rc NRc SS MP óleo P CO 2 SO 2 R (renovável), NR (não renovável), CF (combustível fóssil), EE (energia elétrica), Rc (recicláveis), NRc (não recicláveis), SS (sólidos em suspensão), MP (metais pesados), P (particulados). Os resultados da fase de inventário são apresentados em tabelas para realização da próxima fase, a avaliação do impacto

27 C. Avaliação do impacto ambiental Uma vez que as emissões para o ambiente foram identificadas e apresentadas na tabela de resultados do inventário, os impactos de cada emissão devem ser caracterizados e avaliados. A avaliação procura determinar a severidade dos impactos. são definidas três etapas: classificação, caracterização e valoração ISO14040

28 classificação Na primeira etapa classificam-se os impactos de acordo com o meio receptor ou com os efeitos ambientais. O meio receptor (meio físico) é aquele em que o resíduo é descartado (água, ar, solo). As categorias gerais são o esgotamento de recursos, a saúde humana e os impactos ecológicos. Os efeitos ambientais considerados são as conseqüências do descarte: - esgotamento de matérias primas, - potencial de aquecimento global, - potencial de redução da camada de ozônio, - potencial de acidificação. Se classifica os resultados do inventário com base no impacto ambiental que podem causar são definidas categorias de impacto, que são tabeladas e permitem a comparação com os dados obtidos durante o inventário A norma ISO regulamenta esta fase e categorias de impacto têm sido definidas por várias instituições

29 Definidas as categorias: categoria Fator de caracterização Substância de referência Aquecimento global CO 2 Diminuição da camada de ozônio Acidificação Criação fotoquímica de ozônio Toxicidade Ecotoxicidade Eutroficação GWP Global warming potential ODP Ozone depletion potential AP Acidification potential POCP Photochemical ozone creation potential HTP Human toxicity potential ETP Eco toxicity potential EP Eutrophication potential CFC-11 SO 2 etileno diclorobenzeno diclorobenzeno fosfato Emissões na atmosfera na atmosfera na atmosfera na atmosfera na atmosfera na água na água Dependendo da sofisticação e detalhamento da avaliação, há ainda a definição de subcategorias: a categoria ecotoxicidade ecotoxicidade em água doce, ecotoxicidade em água do mar, ecotoxicidade em sedimentos de água doce, ecotoxicidade em sedimentos de água do mar ecotoxicidade terrestre

30 caracterização os itens do inventário com emissões acima das permitidas pela legislação local são selecionados e modelos de conversão são utilizados para quantificar os danos ao ambiente. Cada emissão individual de um componente químico específico, kg/ano, é multiplicada por um fator peso que a relaciona com a categoria de impacto. Uma substância pode estar associada a mais de uma categoria de impacto, com diferentes efeitos sobre cada categoria. O fator peso reflete o impacto ambiental de 1 kg deste componente químico em relação ao impacto de 1kg da substância de referência de cada categoria.

31 Se uma substância A é 20 vezes mais persistente e 5 vezes mais tóxica que a substância B em relação ao GWP. considera-se que o descarte de 1 kg da substância A causará o mesmo dano ao ambiente que o descarte de 100 kg da substância B. Caracterização Componente químico Emissão (kg/ano) Fator peso Contribuição p/ impacto GWP A B (referência CO 2 ) ODP CFC AP NH ,3 13 POCP butadieno 2 8,5 17 HTP butadieno ETP EP

32 c. avaliação de impacto A terceira etapa da destina-se a interpretar os valores obtidos na etapa anterior. Esta etapa é utilizada no desenvolvimento, melhoria e comparação entre produtos e processos. a utilização da ACV para melhorar produtos é a mais importante, pois pode identificar processos, componentes e sistemas para a minimização de impactos ambientais A comparação de produtos PODE SER patrocinada pela empresas e pode refletir interesses de determinado setor nos resultados.

33 Pode-se utilizar a avaliação quantitativa ou qualitativa Caracterização Componente químico Emissão (kg/ano) Fator peso Contribuição para o impacto Produto X Produto Y X Y GWP A 1 0, B (referência) ODP CFC AP NH ,3 2,6 2,6 POCP butadieno 2 2 8, HTP butadieno Caracterização Componente químico Emissão (kg/ano) Fator peso Contribuição para o impacto Produto X Produto Y X Y GWP A 1 0, B (referência) ODP CFC AP NH ,3 + + POCP butadieno 2 2 8,5 + + HTP butadieno

34 Aplicações da ACV As principais aplicações da ACV são: a análise da origem de problemas de um produto particular, a comparação entre possíveis melhorias de um dado produto, a identificação de pontos fortes e fracos de uma dada opção, um guia para o projeto de um novo produto a escolha entre dois produtos similares em função de seus balanços ecológicos. O desenvolvimento e a utilização de tecnologias mais limpas, a maximização da reciclagem de materiais e resíduos e a decisão sobre a aplicação do método mais apropriado para prevenção e controle da poluição podem ser baseados, também, em uma avaliação de ciclo de vida.

35 Vantagens identificar os processos, materiais e sistemas que mais contribuem para o impacto ambiental, Para fabricantes comparar as diversas opções para minimizar o impacto ambiental fornecer um guia para estratégias de longo prazo que levem em conta o projeto e a utilização de materiais Para o setor público desenvolver políticas de longo prazo para regulamentação do uso de materiais, para conservação de reservas, redução de impactos ambientais causados por materiais e processos durante o ciclo de vida de um produto avaliar a redução de reservas e implementar tecnologias alternativas para utilização de resíduos fornecer informações ao público sobre as características de produtos e processos.

36 Exemplo LCA for Product Improvement ACV para melhoria de produto formado vários componentes : Quais componentes são responsáveis pelo uso de matéria prima, pela produção de resíduos, pelas emissões, pelo consumo de energia??? Energia: durante a operação monitor semiconductors, semiconductor packaging, printed wiring boards computer assemblies display monitors Substâncias tóxicas: na fabricação dos semicondutores Uso de matéria prima: ciclo de vida do semicondutor ( apesar de no produto final representar uma pequena fração do total de material)

37 Limitações da ACV A característica abrangente da ACV, que se propõe a analisar todos os fluxos de material e energia que participam do ciclo de vida de um produto, é também sua maior limitação. Sempre será necessário simplificar alguns aspectos A ACV é uma representação de um determinado momento, A ACV limita-se à descrição física do sistema, não podendo incluir processos como demanda do mercado ou a situação econômica e social em que o sistema está inserido. a descrição física do sistema inclui considerações e escolhas em que a arbitrariedade deve ser evitada seguimento estrito das normas internacionais (ISO), que fornecem uma referência internacional com respeito a definições, procedimentos e terminologia.

38 Limitações da ACV A escolha de uma unidade funcional pode levar a ambigüidades. A exclusão de uma etapa considerada incorretamente como de pouca influência nos resultados finais pode também conduzir ao erro. Os dados disponíveis sobre o processo podem ser pobres ou inexistentes. Para contornar estas limitações, alguns procedimentos de controle devem ser observados: Controle de sensibilidade: Um dado particular do inventário pode ser objeto de incerteza variar o valor Controle de abrangência: Para comparar dois processos ou duas etapas de um ciclo de vida, é necessário ter uma mesma base de informações. Se um dos processos não possibilita a coleta dos dados, a comparação não será possível. Deve-se verificar a abrangência das informações disponíveis para a interpretação desejada.

39 Limitações da ACV Controle de Coerência: deve-se determinar a coerência de dados, das hipóteses e dos métodos considerados. dois inventários, utilizados para comparar produtos ou processos, foram realizados com dados recentes (< 5 anos). A idade dos dados é, portanto coerente. Dados retirados da literatura podem corresponder a uma tecnologia com melhor rendimento do que aquela avaliada. Todos estes fatores afetam a qualidade dos dados e os resultados finais não serão precisos ou confiáveis. Apesar destas limitações, a ACV é uma ferramenta única para identificar impactos e implementar estratégias para reduzir o impacto ambiental de produtos específicos, para comparar os méritos relativos de produtos e opções de processos.

40 Eco indicador99 Objetivo Unidade funcional fronteiras MATERIAIS PROCESSOS INVENTÁRIO ENERGIA EMISSÕES COMPETÊNCIAS: ENGENHARIA, FISICA, BIOLOGIA, QUÍMICA, MEDICINA, ECONOMIA CLASSIFICAÇÃO CARACTERIZAÇÃO NORMALIZAÇÃO VALORAÇÃO PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DO DANO AMBIENTAL

41 Eco indicador99 Fase de caracterização SAÚDE HUMANA: (DALY: Disability Adjusted Life Years) Substãncias cancerígenas Doenças respiratórias (Orgânicas) Doenças respiratórias (Inorgânicas) Mudanças climáticas Diminuição da camada de ozônio radiação ionizante QUALIDADE DO ECOSSISTEMA: (PDF m 2 anno: Potentially Disappeared Fraction) Acidificação/Eutroficação Ecotoxicidade Uso do território EMPOBRECIMENTO DAS RESERVAS (MJ Surplus) Minerais Combustíveis fósseis

42 Eco indicador99 As perspectivas Perspectiva Saúde Humana Hierárquica 40% Igualitária 30% Individualista 55% Qualidade do ecossistema 40% 50% 25% Reservas 20% 20% 20% Hierárquica: os desejos/necessidades não podem ser controlados, mas as reservas sim Igualitária: as reservas não podem ser controladas, mas os desejos sim (substituição das reservas e dos combustíveis fósseis por outras alternativas) Individualista: não considera o fim dos combustíveis fósseis como um problema real, despreza perpectivas de longo pazo, entretanto aceita como real a constante diminuição das reservas minerais

43 Eco indicador99 A contibuição à categorias de impacto segundo a perspectiva igualitária: Efeitos cancerígenos Efeitos respiratórios - inogânicos Efeitos respiratórios - orgânicos Mudanças climáticas Radiação Camada de ozônio Ecotoxicidade Acidificação/eutroficação Uso da terra Minerais Combustíveis fósseis 1% 9% 0% 20% 0% 0% 8% 4% 38% 1% 19% A normalização Inverso do dano sofrido por um cidadão europeu em um ano

44 Projeto para o ambiente - DfE Vimos que os problemas ambientais atuais resultam não somente das etapas de produção, mas também do uso do produto e de seu descarte final. Muitos desses problemas ambientais poderiam ser evitados ou minimizados se fossem adotadas as estratégias adequadas para a redução de impactos ambientais ainda no projeto do produto. O Projeto para o Ambiente (Design for the Environment - DfE) deve examinar todo o ciclo de vida do produto e propor alterações no projeto de forma a minimizar o impacto ambiental do produto desde sua fabricação até seu descarte.

45 DfE A incorporação do desenvolvimento do produto em seu ciclo de vida pode reduzir os impactos gerados durante este ciclo. os projetistas, para contribuir com o surgimento de produtos ambientalmente amigáveis, devem conhecer: o fluxo total dos materiais, desde a extração até a disposição final; desenvolver métodos e ferramentas para o projeto para o meio ambiente; pesquisar materiais que facilitem a reciclagem; desenvolver novas tecnologias e sistemas de produção.

46 DfE O projeto tradicional de um produto visa satisfazer às necessidades de utilização do produto pelo consumidor e não leva em conta seu destino após o uso ou os impactos decorrentes de seu ciclo de vida. Critérios: desempenho da sua função, fabricação eficiente uso de técnicas e materiais apropriados, facilidade de uso e segurança, qualidades estéticas e visuais boa relação custo/benefício. A importância relativa desses critérios varia dependendo do tipo de produto e do consumidor.

47 DfE Com base na ACV, pode-se iniciar o projeto de um produto com conhecimento do fluxo total dos materiais: considerar ambientalmente todo o ciclo de vida do produto escolher os materiais mais adequados, naturais ou não, considerar o consumo de energia, maximizando o uso de fontes renováveis de energia aumentar a vida do produto usar o mínimo de material e evitar a utilização de materiais escassos usar produtos recicláveis ou reutilizáveis, reduzindo ou eliminando o uso de materiais virgens reduzir ou eliminar o uso de materiais tóxicos, inflamáveis e explosivos reduzir ou eliminar o armazenamento e emissão de materiais perigosos alcançar ou exceder as metas da regulamentação reduzir ou eliminar o uso de materiais ligados à degradação da camada de ozônio e às mudanças climáticas melhorar a logística de distribuição minimizando a necessidade de transporte

48 DfX DfX (Design for X), onde X é uma característica de um produto que deve ser maximizada X Assembly (montagem) Compliance (conformidade) Environment (ambiente) Manufacturability (processabilidade) Orderability (ordenamento) Reliability (resistência) Safety and Liability Prevention (segurança e prevenção de falhas) Serviceability (utilização) Testability (testabilidade) Dirigido a: facilitar a montagem, evitar erros, projetar peças multifuncionais, etc cumprir as normas para manufatura e uso (ex. quantidade de substâncias tóxicas ou biodegradabilidade) diminuir as emissões e os resíduos do produto desde sua fabricação até seu descarte integrar o design com os processos de fabricação (processamento e montagem) integrar o design na manufatura e distribuição de forma a satisfazer às expectativas do consumidor atender condições de operação em ambiente agressivo (meios corrosivos) atender aos padrões de segurança, evitar usos equivocados, prevenção de falhas e de ações legais delas decorrentes facilitar a instalação inicial, o reparo e a modificação em campo ou em uso facilitar testes tanto no processo de fabricação como em campo

49 DfE A redução do uso de material é uma das principais estratégias do DfE extensão da vida útil do produto, de seus componentes e materiais redução do consumo de materiais e energia. produtos duráveis não são necessariamente de baixo impacto ambiental (automóvel). uma avaliação do ciclo de vida é sempre necessária para avaliar quais os pontos de maior impacto ambiental para estabelecer as prioridades do projeto. muitas partes dos veículos podem ser reutilizadas na fabricação de novos veículos ou recicladas para aproveitamento do material. estratégias de redução = minimizar o consumo de recursos naturais (MP ou energia) ao longo do ciclo de vida do produto = reduzir emissões do produto danosas para o meio ambiente.

50 ações para redução do uso de materiais e prolongamento da vida útil do produto ou dos materiais nele incorporados Objetivo Redução do uso de recursos naturais Mudança no projeto Desmaterialização Ação Simplificar a forma Preferir produtos multifuncionais (computador) Evitar superdimensionamentos Diminuir volume e/ou massa (fibra ótica) Diminuir uso de água Modificar processo de fabricação Modificar condições de uso Projetar para o reuso Na mesma função (garrafas) ou em outras funções (copos) Projetar para a remanufatura Projetar para a desmontagem Prever atualizações tecnológicas Projetar intercâmbio das peças Projetar para a reciclagem Projetar para a desmontagem Usar materiais recicláveis Identificar diferentes materiais Agregar valor estético aos materiais reciclados

51 ações para redução do uso de materiais e prolongamento da vida útil do produto ou dos materiais nele incorporados Aumentar a durabilidade Incentivar mudanças culturais Incentivar o uso de produtos duráveis Incentivar o uso de produtos multifuncionais Adiar o descarte do produto Facilitar substituição de peças Facilitar a manutenção

52 DfE Grandes empresas têm utilizado programas de DfE para projetar produtos e processos que facilitem e retorno do produto para a empresa, sua desmontagem para posterior remanufatura e reciclagem Estes programas de DfE têm como objetivo um produto totalmente reutilizável e/ou reciclável: Uso - não produzir resíduos / evitar o uso de insumos (trocas de óleo ou menor consumo de combustível) Adesão a programas, como o Energy Star ou o Procel - diminuição do consumo de energia Manufatura - resíduos sólidos descartados em aterros reduzidos» o uso de substâncias tóxicas evitado.

53 DfE

54 DfE Os programas de retorno (takeback) é ambientalmente preferível reutilizar praticamente todo o equipamento ou convertê-lo em novo equipamento com o mínimo possível de intervenções e substituições de partes. Posteriormente, se considera a reutilização de peças para a fabricação de novos equipamentos e como última opção a reciclagem de materiais para fabricação de novas peças.

55 DfE produtos formados por muitos componentes a separação dos materiais é importante para permitir o reuso e para evitar a mistura de materiais incompatíveis. aplicação de símbolos e códigos para identificar cada material. O projetista pode contribuir inserindo informações claras sobre cada categoria de material utilizado. O projeto para a desmontagem vinculado à facilidade de manutenção do produto durante o uso, o que contribui para sua durabilidade. Os componentes devem ser facilmente acessíveis, rapidamente retirados para substituição, evitando-se a utilização de componente fixados com cola ou solda, que dificultam sua reparação (Apple).

56 DfE BENEFÍCIOS ESPERADOS PRINCÍPIOS DE PROJETO Fácil desmontagem Limitar a variação de materiais Agrupar materiais perigosos em sub-montagens Proporcionar fácil acesso a materiais perigosos, valiosos e reutilizáveis Usar fixadores fáceis de remover ou destruir Diminuir o número e o tipo de fixadores Usar o mesmo fixador para muitas partes Evitar metais inseridos em partes plásticas Configuração do produto Evitar combinações de materiais corrosivos Proteger as sub-montagens de sujeiras e corrosão Usar materiais compatíveis Fácil Manuseio Evitar partes não rígidas. Envolver substâncias tóxicas em unidades seladas Evitar movimentos complexos para desmontagem Fácil Separação Evitar acabamentos secundários Proporcionar marcas ou diferenças de cores para a separação do material Usar sub-montagens e partes padrão

Avaliação do Ciclo de Vida ACV

Avaliação do Ciclo de Vida ACV Avaliação do Ciclo de Vida ACV Eloísa Garcia Sustentabilidade BFT 2020 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades e aspirações da geração atual, sem comprometer

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida

Avaliação de Ciclo de Vida A metodologia de (ACV) aplicada como ferramenta de gestão Prof. Dr. Bruno Fernando Gianelli 1 As respostas a estas dúvidas não estão fundamentadas em estudos técnicos profundos, que cubram todo o ciclo

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida. Ministrante: Claudio Marcondes

Avaliação do Ciclo de Vida. Ministrante: Claudio Marcondes Avaliação do Ciclo de Vida Ministrante: Claudio Marcondes Agenda Mudanças Climáticas Desenvolvimento Sustentável Série ISO 14040 - ACV Avaliando os Impactos Mudanças Climáticas CO 2 um dos grandes vilões

Leia mais

Avaliação comparativa do ciclo de vida das telhas de cerâmica versus telhas de concreto

Avaliação comparativa do ciclo de vida das telhas de cerâmica versus telhas de concreto Avaliação comparativa do ciclo de vida das telhas de cerâmica versus telhas de concreto Um estudo realizado pela Quantis para: Nome e data da palestra + apresentador 1 Objetivos do estudo Metodologia da

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 Avaliação de Desempenho Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 A série de normas NBR ISO 14000 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DESEMPENHO AMBIENTAL 14001:2004 e 14004:2005 14031:2004 (Versão corrigida

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

Introdução àpegada de carbono

Introdução àpegada de carbono Introdução àpegada de carbono Judith Sykes Gases de Efeito Estufa 1 Gases de Efeito Estufa Gas Concentration in 1988 (ppmv) GWP** Dióxido de carbono (CO 2 ) 365 1 Metano (CH 4 ) 1,75 23 Óxido nitroso (N

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

Portaria n.º 317, de 19 de junho de 2012.

Portaria n.º 317, de 19 de junho de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria n.º 317, de 19 de junho de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

SolidWorks Sustainability

SolidWorks Sustainability SolidWorks Sustainability A solução para um projeto sustentável no desenvolvimento de produtos 1. Torne a sustentabilidade parte integrante do seu processo de projeto O SolidWorks Sustainability fornece

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente do ISO/TC 207 Presidente, Conselho Técnico T da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

O ECODESIGN e o Desenvolvimento Sustentável

O ECODESIGN e o Desenvolvimento Sustentável O ECODESIGN e o Desenvolvimento Sustentável Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente, Comitê Técnico 207 da ISO (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente,

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

GP2. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil. GIL ANDERI DA SILVA Outubro - 2007

GP2. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil. GIL ANDERI DA SILVA Outubro - 2007 Meio Ambiente em Debate Ciclo de Debates sobre Construção Civil Sustentável Insumos e Resíduos AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil GIL ANDERI DA SILVA

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

estufa para setores agropecuários

estufa para setores agropecuários Simpósio de Mercado de Carbono pós COP15 e Código Florestal para o Sistema Cooperativista Inventário de gases de efeito fi estufa para setores agropecuários Inventário de gases de efeito estufa para setores

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade

ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade FÓRUM MINEIRO DE PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEL Avaliação do Ciclo de Vida: Tendências, Aplicabilidade Oportunidades e Perspectivas ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade GP2 Grupo de

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Premissas e Etapas do Ciclo de Vida Resultados Pegada de Carbono Características: Sacola plástica descartável de PEAD (Polietileno de Alta Densidade),

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

Revista de Graduação da Engenharia Química

Revista de Graduação da Engenharia Química Revista de Graduação da Engenharia Química ISSN 1516-5469 ANO VI No. 12 Jul-Dez 2003 Ecologia Industrial: Projeto para Meio Ambiente Milton Francisco Junior, Biagio F. Giannetti e Cecilia M. V. B. Almeida

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC Este documento é um dos volumes das Diretrizes Revisadas do IPCC de 1996 para Inventários Nacionais de Gases de Efeito Estufa. A série é composta por três livros:

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa

A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa Título 10 / 11 A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa A análise do IFEU compara os impactos ambientais das embalagens cartonadas, as garrafas PEAD e PET: as embalagens

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL BRITCHAM SP 18/08/06 São Paulo samuel barbosa 3 DET NORSKE VERITAS Introdução FUNDAÇÃO - Fundação independente estabelecida na Noruega em 1864. OBJETIVO

Leia mais

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL Classificação Rótulos de Risco e Painéis de Segurança Interface com o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Substâncias

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais

Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais Vanessa Montoro Taborianski, Racine T. A. Prado Laboratório de Sistemas Prediais da Escola Politécnica da

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

CORTICEIRA AMORIM Análise de Ciclo de Vida dos vedantes de Cortiça, Alumínio e Plástico Novembro 2008. PwC ECOBILAN

CORTICEIRA AMORIM Análise de Ciclo de Vida dos vedantes de Cortiça, Alumínio e Plástico Novembro 2008. PwC ECOBILAN CORTICEIRA AMORIM Análise de Ciclo de Vida dos vedantes de Cortiça, Alumínio e Plástico PwC ECOBILAN Agenda Introdução Descrição geral do estudo ACV Resultados Conclusões Agenda Introdução Descrição geral

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS Juliana da Cruz Ferreira 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 UEMS Caixa Postal 351, 79804-970 Dourados MS, E-mail: julianacruz_gnr@hotmail.com

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

O presente documento é uma contribuição do Japão sobre o tema Avaliação de desempenho ambiental com vistas à ecoeficiência

O presente documento é uma contribuição do Japão sobre o tema Avaliação de desempenho ambiental com vistas à ecoeficiência Tradução coordenada por Elie Politi Senai SP 8/1 O presente documento é uma contribuição do Japão sobre o tema Avaliação de desempenho ambiental com vistas à ecoeficiência Este documento destina-se à divulgação

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO Agenda Introdução Definição dos limites de um inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa Limites Operacionais Identificando e Calculando emissões

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF. Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos

Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF. Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos Uso irresponsável dos recursos naturais: Erosão do solo Contaminação de lençóis de água Extinção de espécies

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida. Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR

Avaliação do Ciclo de Vida. Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR Avaliação do Ciclo de Vida Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR Ciclo de Vida de Produto Avaliação do Ciclo de Vida ACV Evitar transferência de poluição Extração de petróleo Indústria petroquímica Geração

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015 Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

PJ 4/11. 10 janeiro 2011 Original: inglês. Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido

PJ 4/11. 10 janeiro 2011 Original: inglês. Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido PJ 4/11 10 janeiro 2011 Original: inglês P Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido Estudo da sustentabilidade da cadeia da oferta de café versus adaptação às mudanças climáticas

Leia mais

A abordagem do ciclo de vida nas contratações públicas sustentáveis

A abordagem do ciclo de vida nas contratações públicas sustentáveis INOVA Sustentável: compras sustentáveis pela inovação e por uma economia verde e inclusiva A abordagem do ciclo de vida nas contratações públicas sustentáveis 2o Seminário Internacional sobre Contratações

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

A Integração do Método LCA na Avaliação e Certificação da Construção Sustentável

A Integração do Método LCA na Avaliação e Certificação da Construção Sustentável Agir Verificar Definir prioridades ambientais Planear Executar Integração de preocupações ambientais na concepção e desenvolvimento Comunicação do desempenho ambiental Monitorização do desempenho ambiental

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Introdução a Mercados de Carbono Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Resumo da apresentação 1. Comércio de emissões - conhecimento básico 2. Tipos de crédito de carbono 3. Conectando compradores e vendedores

Leia mais