Sistemas de Informação Geográfica Dicionário Ilustrado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Informação Geográfica Dicionário Ilustrado"

Transcrição

1 "Sistemas de Informação Geográfica Dicionário Ilustrado", Professores Doutores Amandio Luiz de Almeida Teixeira e Antonio Christofoletti (Editora Hucitec, 1997). Adaptado pelo Prof. Ardemírio de Barros Silva ARMAZENAMENTO AUXILIAR (AUXILIARY STORAGE) Dispositivo periférico para armazenamento de grandes volumes de dados. Por exemplo, fita magnética, disco magnético e disco óptico. ARMAZENAMENTO INTERMEDIÁRIO DE ENTRADA (INPUT BUFFER) Área da memória principal usada para armazenar, temporariamente, dados recebidos de um dispositivo de entrada, para processamento. ARMAZENAMENTO VIRTUAL (VIRTUAL STORAGE) Quantidade de memória imaginária, simulada por meio de paginação de dados ou instruções armazenadas em disco, que são trazidas para a memória real quando necessárias, num processo chamado de SWAPPING. ARP Ver ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL. ARQUITETURA ABERTA (OPEN ARCHITECTURE) Um projeto de computador independente do fornecedor, disponível publicamente e conhecido na indústria. A arquitetura aberta permite ao usuário configurar o computador facilmente com a inclusão de placas de expansão. ARQUITETURA AMPLIADA DE PADRÕES DE INDÚSTRIA (EXTENDED INDUSTRY STANDARD ARCHITECTURE - EISA) Extensão para 32 bits do barramento do computador IBM AT, desenvolvida por fabricantes de computadores para o microprocessador INTEL 386, concorrendo com a arquitetura de micro-canal (MCA) da IBM. ARQUITETURA DE APLICAÇÃO DE SISTEMAS (SYSTEMS APPLICATION ARCHITECTURE) Conjunto de diretrizes desenvolvidas pela IBM para padronizar a maneira como os computadores funcionam.

2 ARQUITETURA DE CLIENTE/SERVIDOR (CLIENT/SERVER ARCHITECTURE) Uma arquitetura de computadores em que se distribui o processamento entre clientes e servidores da rede. Os clientes solicitam informações dos servidores, os quais armazenam dados e programas e fornecem serviços da rede aos clientes. ARQUITETURA DE MICRO CANAL (MICRO CHANNEL ARCHITECTURE - MCA) Tecnologia de barramento utilizada pela IBM nos seus modelos de microcomputadores PS/2. A transferência de dados em MCA é assíncrona com relação ao funcionamento da CPU. ARQUITETURA DE PROCESSADORES ESCALÁVEIS (SCALABLE PROCESSOR ARCHITECTURE - SPARC) Microprocessador de 32 bits, da Sun Mycrosystems, baseado em tecnologia RISC. ARQUITETURA DE REDE (NETWORK ARCHITECTURE) Projeto global de uma rede de computadores, em termos de hardware e software. ARQUITETURA DE REDES DE SISTEMAS (SYSTEMS NETWORK ARCHITECTURE - SNA) Arquitetura de rede utilizada pela IBM em seus equipamentos de grande porte. ARQUITETURA DO SISTEMA (SYSTEM ARCHITECTURE) Layout global dos componentes de hardware e software de um determinado sistema de computação. ARQUITETURA FECHADA (CLOSED ARCHITECTURE) Um projeto de sistemas, hardware ou software que não permite que inclusões ou modificações sejam feitas de maneira simples. ARQUITETURA PADRÃO DA INDÚSTRIA (INDUSTRY STANDARD ARCHITECTURE - ISA) Tipo de barramento de 16 bits, originalmente usado no computador PC/AT da IBM. A maioria dos computadores compatíveis com o IBM usa barramento ISA, VESA, EISA ou MCA.

3 ARQUIVO (a) (FILE) Um conjunto de informações ou texto registrado no armazenamento ou processado como unidade. Ver DATA FILE. ARQUIVO (b) (ARCHIVE) Arquivamento de dados por um longo período. Não comporta sentido mais amplo, como o que se dá ao sinônimo file. ARQUIVO AAT (AAT FILE) Arquivo que o software ARC/INFO identifica com a extensão.aat (ARC ATTRIBUTE TABLE), utilizado para armazenar a tabela de atributos de arcos. ARQUIVO ARC (ARC FILE) Aquivo que o software ARC/INFO identifica com a extensão.arc para armazenar os dados de localização e de topologia de elementos lineares. ARQUIVO ARJ (ARJ FILE) Arquivo gerado por um programa de compactação de dados (ARJ), contendo os dados resultantes dessa compactação. ARQUIVO ASCII (ASCII FILE) Um arquivo que consiste de letras, dígitos, caracteres especiais e símbolos conforme definidos pelos 127 primeiros caracteres do conjunto de caracteres ASCII. ARQUIVO ASSOCIADO (ASSOCIATED FILE) Um arquivo de dados vinculado a um programa. Ver ASSOCIATE. ARQUIVO BAK (BAK FILE) Arquivo denominado com a extensão.bak, criado geralmente como cópia de segurança do arquivo de dados que está sendo processado. ARQUIVO BMP (BMP FILE) BIT MAP FILE - Arquivo que contém um conjunto de bits em

4 forma de matriz, usado para gerar uma imagem raster. ARQUIVO BND (BND FILE) BOUNDARY FILE - Arquivo usado pelo software ARC/INFO para armazenar as coordenadas que limitam a área de uma coverage (Xmin, Ymin, Xmax, Ymax). ARQUIVO COM (COM FILE) COMMAND FILE - Tipo de arquivo identificado pela extensão COM, que contém o código executável de certos tipos de programas em ambiente de sistemas operacionais MS-DOS e OS/2 ARQUIVO COMPACTADO (COMPRESSED FILE) Qualquer arquivo processado por um programa utilitário especial de forma a ocupar o menor espaço possível em disco. Para que possa ser lido ou processado pelo computador, o mesmo programa deve ser utilizado para que o arquivo volte à sua forma original. ARQUIVO CRONOLÓGICO (LOG FILE) Arquivo que registra cronologicamente as mensagens trocadas entre o operador e o computador e os passos executados por este. Ver JOURNAL FILE. ARQUIVO DE ACESSO SEQÜENCIAL (SEQUENTIAL ACCESS FILE) Arquivo em que o acesso a um determinado registro obriga à leitura de todos os registros precedentes. ARQUIVO DE BANCO DE DADOS EXTERNO (EXTERNAL DATABASE FILE) Arquivo de um banco de dados criado e mantido separadamente mas que pode ser usado e acessado num projeto de SIG. ARQUIVO DE DADOS (DATA FILE) Uma coleção de registros do mesmo tipo, contendo dados interrelacionados, de tal forma que podem ser identificados e acessados por um único nome. Esses arquivos usam, em geral, a extensão.dat em seus nomes.

5 ARQUIVO DE ENDEREÇOS POSTAIS (POSTCODE ADDRESS FILE) Indicador de todos os endereços postais no Reino Unido, fornecendo as correspondentes unidades dos códigos postais. ARQUIVO DE OVERLAY (OVERLAY FILE) Um arquivo que contém parte do código executável de um programa carregado na memória somente quando necessário. ARQUIVO DE PERMUTAÇÃO (SWAP FILE) Arquivo utilizado em disco para armazenar partes de programas em execução, que tenham sido temporariamente retiradas da memória, com a finalidade de dar espaço a outros programas. ARQUIVO DE TROCA PERMANENTE (PERMANENT SWAP FILE) Um arquivo de troca que, depois de criado, é usado diversa vezes. Esse arquivo é usado em operações de memória virtual, nas quais o espaço no disco rígido é usado em lugar da memória de acesso aleatório (RAM). ARQUIVO DELIMITADO POR VÍRGULAS (COMMA-DELIMITED FILE) Um formato de arquivo (geralmente ASCII) no qual os campos dos itens de dados são separados por vírgulas (,) e onde se posicionam aspas duplas em torno de quaisquer dados de caracteres. ARQUIVO DGN (DGN FILE) DRAWING FILE - Tipo de arquivo usado pelo software MicroStation, da Intergraph, para armazenamento de desenhos produzidos com esse software. ARQUIVO DIÁRIO (JOURNAL FILE) Arquivo que registra a interação do usuário com o sistema computacional, utilizado para fins de auditoria ou de recuperação em caso de falha. Ver LOG FILE. ARQUIVO DLG (DLG FILE) DIGITAL LINE GRAPH FILE - Tipo de arquivo utilizado pelo US Geological Survey, que inclui diversos tipos de informação temática sobre o mapeamento básico que mantém.

6 ARQUIVO DOC (DOC FILE) DOCUMENT FILE - Tipo de arquivo texto gerado por alguns processadores de texto como, por exemplo, o MS-WORD. ARQUIVO DWG (DWG FILE) DRAWING FILE - Tipo de arquivo usado pelo software AutoCAD (Autodesk) para armazenamento de desenhos em CAD. ARQUIVO DXB (DXB FILE) DRAWING EXCHANGE BINARY FILE - Tipo de arquivo para transferência gráfica, que armazena informações em um formato binário compactado, similar ao formato DWG. É usado pelo software AutoCAD (AutoDesk). ARQUIVO DXF (DXF FILE) DRAWING EXCHANGE FORMAT FILE - Tipo de arquivo utilizado para o intercâmbio de dados gráficos em formato vetorial. Padrão popular, bastante difundido mundialmente, sendo adotado pela grande maioria dos sistemas CAD. ARQUIVO EM LOTE (BATCH FILE) Arquivo na forma de texto, contendo uma seqüência de comandos que o computador deve executar de forma automática, para levar a cabo uma determinada tarefa. Em ambiente MS-DOS, esse tipo de arquivo é identificado pela extensão.bat no seu nome. ARQUIVO EPS (EPS FILE) ENCAPSULATED POST SCRIPT FILE - Arquivo baseado na linguagem de descrição de páginas Post Script (Adobe Systems Inc.), contendo informações que definem parâmetros tais como cor, hachura e fonte de textos de dados vetoriais, juntamente com um formato adicional para visualização da imagem. O padrão EPS é independente de dispositivos. Assim, o conteúdo dum arquivo nesse formato pode ser dimensionado e enviado para diversas impressoras sem que haja qualquer distorção ou perda de qualidade. ARQUIVO EXE (EXE FILE) EXECUTABLE FILE - Tipo de arquivo utilizado por alguns sistemas

7 operacionais, que contém código executável. ARQUIVO GIF (GIF FILE) GRAPHIC IMAGE FORMAT FILE - Formato desenvolvido pela CompuServe Inc. para intercâmbio de imagens, independentemente da aplicação. ARQUIVO IMG (IMG FILE) IMAGE FILE - Tipo de arquivo raster utilizado por vários programas para armazenamento e intercâmbio de dados no formato raster, como é o caso software IDRISI usado para a interpretação de imagens orbitais. ARQUIVO INDEXADO (INDEXED FILE) Em banco de dados, é normalmente um arquivo separado que contém informações sobre a posição física dos registros armazenados nos arquivos de dados. ARQUIVO MESTRE DE ÁREA (AREA MASTER FILE - AMF) Em sistemas AM/FM, é o arquivo digital que contém a rede completa de ruas e os elementos físicos e culturais de uma determinada área. Armazena informação sobre endereços, face do lote que dá para a rua e número de identificação (centróide). ARQUIVO OCULTO (HIDDEN FILE) No DOS e no OS/2, um arquivo cujas informações não devem aparecer nas listagens de diretórios comuns. Existem outras restrições referentes aos arquivos ocultos: não é possível deletar, copiar nem exibir seu conteúdo. ARQUIVO PAL (PAL FILE) PALLETE FILE - Arquivo utilizado por alguns programas gráficos para armazenar a tabela de cores utilizada. ARQUIVO PAT (PAT FILE) POLYGON ATTRIBUTE TABLE FILE - Arquivo utilizado pelo software ARC/INFO (ESRI) para armazenar a topologia e os atributos de polígonos.

8 ARQUIVO PCX (PCX FILE) Padrão de arquivo utilizado para armazenamento e intercâmbio de imagens em forma binária, utilizado por diversos programas. ARQUIVO PIF (PIF FILE) PROGRAM INFORMATION FILE - Arquivo de informação sobre programas do DOS que rodam em ambiente Windows. ARQUIVO PLT (PLT FILE) PLOT FILE - Tipo de arquivo que contém informações gráficas especificamente preparadas para serem plotadas em diversas plotadoras. ARQUIVO RLE (RLE FILE) RUN LENGTH ENCODE FILE - Arquivo utilizado pelos programas da família MGE (Intergraph), para armazenar dados em formato raster utilizados em processamento de documentos. ARQUIVO SIF (SIF FILE) STANDARD INTERCHANGE FORMAT FILE - Um arquivo de intercambio padronizado para permitir a leitura e o uso de dados por diferentes sistemas. ARQUIVO SIMPLES (FLAT FILE) Um arquivo no qual os registros possuem a mesma estrutura (o mesmo número de campos, etc.) e não estão relacionados com os registros de outros arquivos. ARQUIVO SYS (SYS FILE) SYSTEM FILE - Arquivo reservado, de uso particular em alguns sistemas operacionais. ARQUIVO TEMPORÁRIO (SCRATCH FILE) Arquivo descartado depois de terminada a operação em que é utilizado. ARQUIVO TIC (TIC FILE) Arquivo utilizado pelo software ARC/INFO para armazenar as

9 coordenadas de controle de uma coverage. ARQUIVO TIFF (TIFF FILE) TAGGED IMAGE FILE FORMAT - Grupo de formatos de arquivos para armazenamento e intercâmbio de imagens raster, utilizado por diversos programas. ARQUIVO TOL (TOL FILE) TOLERANCE FILE - Arquivo utilizado pelo software ARC/INFO (ESRI) para armazenar as tolerâncias referentes aos diversos processamentos de uma coverage (fuzzy, dangle, etc.) ARQUIVO TXT (TXT FILE) TEXT FILE - Arquivo de texto gerado por alguns processadores de texto. ARQUIVO WMF (WMF FILE) WINDOWS META FILE - Arquivo desenvolvido pela Microsoft Corp. para aplicações em ambiente Windows e como meio de transferência de imagens entre essas aplicações e outras compatíveis. ARQUIVO ZIP (ZIP FILE) Tipo de arquivo gerado por alguns programas compactadores de dados. ARQUIVOS ENTRELAÇADOS (CROSS-LINKED FILES) No DOS, um erro na tabela de alocação de arquivos que ocorre quando dois arquivos solicitam o mesmo cluster em um disco. Como os clusters perdidos, os arquivos entrelaçados podem aparecer se uma aplicação for interrompida por uma pane no programa ou por falta de energia antes do encerramento da gravação do arquivo no disco. ARRANJO (ARRAY) Estrutura ordenada de elementos do mesmo tipo, na qual a cada elemento é atribuído um índice único. Os elementos de um arranjo podem ser tratados individualmente ou em conjunto. Conjunto de valores das informações arranjadas em forma de linha de rede.

10 ARRANJO GRÁFICO DE VIDEO (VIDEO GRAPHICS ARRAY - VGA) Padrão de vídeo capaz de exibir até 256 cores ou tons de cinza, com uma resolução de 640x480 pontos. ARRANJO LINEAR (LINEAR ARRAY) Arranjo cujos elementos estão dispostos numa linha. ARRASTAR (DRAG) Pressionar e segurar o botão do mouse enquanto o movimenta, arrastando com ele um objeto pela tela, de um documento para outro ou de um aplicativo para outro. ARRASTAR E SOLTAR (DRAG-AND-DROP) Ver DRAG. ARREDONDAR (ROUND) Aproximar a representação de um número em função de um determinado nível de precisão. ARTEFATOS DE ERRO (ARTIFACTS OF ERROR) Efeitos não desejados, ligados a erros de posicionamento, que resultam do uso de um SIG no processamento de dados de baixa qualidade. ARTICULAÇÃO (ARTICULATION) Esquema que representa a posição de um mapa em relação aos mapas que lhe são adjacentes. ÁRVORE (TREE) Estrutura hierárquica de representação de dados, na qual cada elemento é relacionado a outros por meio de uma série de ligações, implementadas usualmente na forma de ponteiros. Em ambiente de rede, refere-se a uma rede em que as estações ficam vinculadas a um mesmo ramo ou barramento. ARVORE BINÁRIA (BINARY TREE) Estrutura em que cada elemento hierarquicamente superior (pai) não pode ter mais do que dois elementos hierarquicamente

11 inferiores (filhos). É amplamente utilizada em indexação de registros de banco de dados. ÁRVORE DE DECISÃO (DECISION TREE) Um mapa de linhas conectadas, usadas para definir um polígono. Normalmente é produzida pelo uso do comando TAG que gera uma lista de todas as entidades e pontos de interseção. ÁRVORE OCTAL (OCTREE) Extensão da estrutura quadtree para três dimensões. Ver QUADTREE. ARVORE QUATERNÁRIA (QUADTREE) Método de compactação de dados em formato raster, pela subdivisão consecutiva do espaço em quadrantes. ASCII Ver AMERICAN STANDARD CODE FOR INFORMATION INTERCHANGE. ASCII ESTENDIDO (EXTENDED ASCII) Código ASCII que utiliza 8 bits (o ASCII normal utiliza 7 bits), com capacidade de prover 256 diferentes combinações, inclusive aquelas especiais necessárias para gráficos. Ver ASCII. ASSINATURA ESPECTRAL (SPECTRAL SIGNATURE) Diz-se da capacidade de reflectância de energia eletromagnética, apresentada por um elemento qualquer e que lhe é característica. ASSISTENTE (ASSISTANT) Uma espécie de ajuda interativa, disponível em alguns aplicativos modernos. ASSOCIAÇÃO AUSTRALASIANA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO URBANA E REGIONAL (AUSTRALASIAN URBAN AND REGIONAL INFORMATION SYSTEMS ASSOCIATION) Organização multidisciplinar cuja finalidade é promover o

12 desenvolvimento de sistemas de informação urbano e regional, direcionados para as questões de política pública, e oferece fórum regional para debates e permuta de informações. ASSOCIAÇÃO DAS INDÚSTRIAS ELETRÔNICAS (ELECTRONIC INDUSTRIES ASSOCIATION - EIA) Associação que congrega os fabricantes de produtos eletrônicos dos Estados Unidos, atuando na definição de padrões para a inter-conexão de equipamentos de processamento de dados e de comunicações. ASSOCIAÇÃO DE PADRÕES ELETRÔNICOS DE VÍDEO (VIDEO ELETRONICS STANDARDS ASSOCIATION - VESA) Instituição responsável pelo estabelecimento de padrões nas áreas da tecnologia de gráficos e vídeo. Padrão de barramento local. ASSOCIAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (GEOGRAPHIC INFORMATION SYSTEMS ASSOCIATION) Entidade acadêmica, sediada no Japão, que possui como finalidade a promoção e o desenvolvimento teórico e aplicativo de SIG S. ASSOCIAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO URBANO E REGIONAL (URBBAN AND REGIONAL INFORMATION SYSTEM ASSOCIATION) Organização profissional e educacional com base nos Estados Unidos e Canadá com o objetivo de promover o uso dos sistemas de informação pelo órgãos governamentais locais, regionais e estaduais (nos Estados Unidos) ou províncias (no Canadá). ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS CHINESES EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (ASSOCIATION OF CHINESE PROFESSIONAL GEOGRAPHIC INFORMATION SYSTEMS) Organização sem fins lucrativos, cujos membros englobam estudantes e profissionais ligados aos SIG s, sensoriamento remoto, GPS e setores correlatos. Seus objetivos visam aprimoramento dos profissionais e o intercâmbio de idéias e conhecimentos entre seus membros e com associações congêneres.

13 ASSOCIAÇÃO EUROPÉIA DE FABRICANTES DE COMPUTADORES (EUROPEAN COMPUTER MANUFACTURERS ASSOCIATION ECMA) A ECMA é uma organização trabalhando na produção de vários padrões ergonométricos para equipamentos e programas. ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA PLACAS DE MEMÓRIA DE COMPUTADORES PESSOAIS (PERSONAL COMPUTER MEMORY CARD INTERNATIONAL ASSOCIATION - PCMCIA) Associação comercial de fornecedores de hardware e software criada para definir padrões de placas controladoras de acessórios de computadores pessoais. Há no mercado placas PCMCIA para as mais diversas funções. ASSOCIAÇÃO PARA A INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (ASSOCIATION FOR GEOGRAPHICAL INFORMATION - AGI) Uma associação instalada no Reino Unido para coordenar as atividades da indústria de SIG. Desde a sua fundação, em 1989, a AGI tem tido uma missão claramente direcionada para a difusão dos benefícios da informação geográfica e do uso de SIG s. ASSOCIAÇÃO PARA MAQUINÁRIA DE COMPUTAÇÃO (ASSOCIATION FOR COMPUTING MACHINERY - ACM) Uma sociedade fundada em 1947, dedicada ao avanço da informática, através do treinamento técnico de profissionais e da produção de publicações técnicas. ASSOCIAR (ASSOCIATE) Vincular um arquivo de dados a um programa. Em SIG refere-se ao processo de relacionar atributos a entidades. ASSOCIATIVO (ASSOCIATIVE) Propriedade dos atributos de medida, que são ditos associativos porque o seu valor e tamanho mudam quando a entidade é modificada. Em outras palavras, se a entidade tem sua escala alterada ou sofre uma rotação, o valor de medida a ela associado também muda AT Ver ADVANCED TECHNOLOGY.

14 ATALHO (SHORTCUT) Combinação de teclas para executar comandos de maneira mais rápida. ATENUAÇÃO (ATTENUATION) Ver SMOOTHING. ATENUAÇÃO DA LINHA (LINE THINNING) Processo pelo qual o número de pontos definindo uma linha é reduzido, embora se preserve ainda a sua forma geral. Ver WEEDING. ATIVO (ACTIVE) Termo utilizado, normalmente em ambiente multiusuário, para indicar que um registro de um arquivo está sendo usado. ÁTLAS DIGITAL (DIGITAL ATLAS) Conjunto de dados geográficas em formato digital, organizadas de forma a retratarem determinada região, usando para isso recursos de multimídia. ATRIBUIR (ASSIGN) Declarar o valor de uma variável. Designar unidades de processamento ou periféricos que deverão operar durante a execução de uma determinada tarefa. Comando utilizado pelo DOS para mudar solicitações de um drive de disco para outro. ATRIBUTO (ATTRIBUTE) Em geoprocessamento, descreve uma propriedade ou uma característica de um determinado elemento, por meio de caracteres alfanuméricos, normalmente armazenados em forma tabular e relacionados ao elemento por uma chave (link) definida pelo usuário. Exemplo, o tipo de solo. Os atributos também podem ser de natureza gráfica: cores, símbolos, etc. ATRIBUTO CORRENTE (CURRENT ATTRIBUTE) Refere-se àquele atributo que está ativo para definir ou criar a próxima entidade. Pode ser de natureza alfanumérica, ou gráfica. Nesse último caso pode-se considerar como exemplo a seleção de pena, cor, nível, etc.

15 ATRIBUTO REPRESENTÁVEL (DISPLAYABLE ATTRIBUTE) Informação descritiva que pode ser representada no monitor ou posicionada no mapa, junto com o elemento ao qual está associada. ATRIBUTOS CADASTRAIS (CADASTRAL ATTRIBUTES) Atributos de um mapa cadastral criados a partir das descrições oficiais dos limites de uma propriedade e dos direitos sobre ela. ATRIBUTOS NÃO ESPACIAIS (NON-SPATIAL ATTRIBUTES) Ver ATTRIBUTE DATA. ATUALIDADE (CURRENCY) Qualidade temporal da informação espacial, que indica a concordância entre o dado armazenado e o fenômeno estudado, levando-se em conta as modificações ocorridas ao longo do tempo. ATUALIZAR (UPDATE) Modificar informações de um arquivo, introduzindo novas informações, alterando as já existentes ou subtraindo outras, de acordo com regras e procedimentos pré-estabelecidos. AUTO-CARREGADOR (BOOT-STRAP) Conjunto de instruções para executar o boot. AUTO-CORRELAÇÃO (AUTO-CORRELATION) Conceito estatístico que expressa o grau em que um atributo de elementos espacialmente próximos varia em relação à distância que os separa. AUTO-SIMILARIDADE (SELF-SIMILARITY) Mostra a repetitividade dos padrões geométricos em diferentes escalas. Quando representações geométricas são examinadas em níveis de resolução mais altos, uma quantidade de detalhes vai sendo resolvida que são versões escalonadas das variações observadas nos níveis mais baixos de resolução.

16 AUTOCAD Software para desenho assistido por computador (CAD), desenvolvido pela AUTODESK INC. para PC e compatíveis. É o mais popular do mercado e roda sob ambiente DOS e WINDOWS. É o programa mais usado na digitalização dos dados cartográficos. AUTOMAÇÃO (AUTOMATION) Pesquisa, projeto, desenvolvimento e aplicação de métodos de execução visando a transformar um processo manual em automático. AUTOMATA CELULAR (CELLULAR AUTOMATA) Forma de modelagem computacional que resulta em estruturas holísticas simples, construídas com base em regras simples de transformação aplicadas interativamente aos dados das células da rede. AUXILIAR (ANCILLARY) Diz-se do equipamento que é usado como auxiliar mas que não é imprescindível. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (PERFORMANCE EVALUATION) Um teste quantitativo que executa procedimentos e resolve problemas cujas soluções são conhecidas. A análise desses resultados permite estabelecer equações que posteriormente serão utilizadas para prever a performance em outros problemas. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (BENCHMARK) Conjunto de atividades preparadas para medir a performance de um determinado sistema, tanto para hardware como para software, numa configuração pré-determinada, definida como padrão de referência. AVHRR Ver ADVANCED VERY HIGH RESOLUTION RADIOMETER. AVIRIS Ver AIRBORNE VISIBLE INFRARED IMAGING SPECTROMETER. AZIMUTE (AZIMUTH) Direção horizontal de uma linha medida no sentido dos ponteiros

17 do relógio a partir de um plano de referência, em geral um meridiano. B No ambiente DOS e no OS/2 é o identificador usado para a segunda unidade de disco flexível; a primeira unidade é denominada unidade A, enquanto o primeiro disco rígido é conhecido como unidade C. B-REPS REPRESENTAÇÃO POR LIMITES - Forma de representação em que os objetos são representados como um poliedro composto de faces ou planos e representados como um conjunto de faces ou vértices de cada face. B-SPLINES Funções que utilizam polinômios que, quando aplicados, resultam numa área de superfície contínua para as derivadas de primeira e segunda ordem. São usadas conjuntamente, ajustadas e sequencialmente, para aproximar e suavisar uma linha unindo um conjunto de pontos, tais como as demarcações nos mapas geomorfológicos e ecológicos. BALANÇO DE COR (COLOR BALANCE) Ajuste da composição das cores azul, vermelho e verde, para criar uma imagem a ser plotada ou apresentada no monitor. BALUN Contração de BALanced/UNbalanced. Em redes, um pequeno dispositivo de impedância usado para conectar uma linha balanceada (cabo de pares trançados) a uma linha que não seja balanceada (cabo coaxial). BANCO DE DADOS (DATABASE) Coleção integrada de dados interrelacionados, organizados em meios de armazenamento de tal forma que podem ser tratados simultaneamente por diversos usuários, com diversas finalidades. BANCO DE DADOS ATEMPORAL (ATEMPORAL DATABASE) Banco de dados em que os elementos armazenados não estão indexados cronologicamente. No caso das SIG s, é a base de dados que não contempla a análise das modificações que ocorrem nos elementos geográficos ao longo do tempo.

18 Ver TEMPORAL DATABASE. BANCO DE DADOS DE ARQUIVOS (ARCHIVE DATABASE) Base de dados espaciais desenvolvidas como armazenadoras de informação de uso geral. Provê cobertura espacial a nível de divisões administrativas. Não tem objetivos claramente articulados e apresenta funcionalidade limitada com respeito à recuperação de dados. BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDO (DISTRIBUTED DATABASE) Banco de dados armazenado em vários computadores conectados em rede. O sistema gerenciador de banco de dados, que neste caso é chamado de sistema gerenciador de banco de dados distribuído, encarrega-se de fazer com que, para o usuário, os dados pareçam residir num mesmo lugar. BANCO DE DADOS ESPACIAIS (SPATIAL DATABASE) Ver GEOGRAPHIC DATABASE. BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS (GEOGRAPHIC DATABASE) É o conjunto de dados espaciais e seus atributos, organizados de forma adequada para operações de inserção, busca, edição e análise espacial. BANCO DE DADOS RELACIONAL (RELATIONAL DATABASE - RDB) Banco de dados cuja estrutura é caracterizada por uma coleção de tabelas, que se relacionam entre si com base no conteúdo de campos compartilhados. BANCO DE DADOS TEMPORAIS (TEMPORAL DATABASE) Banco de dados geográficos no qual uma mesma área e seus atributos são enfocados em momentos distintos. BANDA (BAND) Espectro de freqüências entre dois limites definidos. BANDA BASE (BASE BAND) Faixa de freqüência de um sinal antes de ser combinado com uma portadora na modulação.

19 BANDA DE ERRO (ERROR BAND) Uma área em torno de um ponto ou de uma linha, tendo largura ou raio igual a duas vezes o erro épsilon (desvio médio quadrático). BANDA ESTREITA (NARROW BAND) Nas comunicações, um canal de transmissão de voz de bits por segundo ou menos. BANDA LARGA (WIDE BAND) Canal de comunicações capaz de manipular mais freqüências do que um canal de voz padrão. BANDA LARGA (BROAD BAND) Canal de transmissão capaz de lidar com um espectro de freqüências maior do que o disponível num canal de voz, resultando numa transmissão de dados mais rápida. BARRA (BAR) Interface com o usuário tal como uma barra de status. Normalmente é um retângulo cinza com efeito em 3D que apresenta ou solicita uma informação ao usuário. BARRA DE FERRAMENTAS (TOOL BAR) Barra gráfica presente em aplicativos que rodam sob ambiente Windows, que contém os comandos mais comuns utilizados, em forma de ícones ou de botões. BARRA DE STATUS (STATUS BAR) Linha que aparece na parte inferior de uma janela, exibindo informações sobre um comando, função ou operação em curso. BARRAMENTO (BUS) Conjunto de vias, geralmente em circuito impresso, através das quais a CPU se comunica com os demais módulos de hardware.

20 . BARRAMENTO DE CONTROLE (CONTROL BUS) Conjunto de conexões em um computador que conduz os sinais de controle entre CPU, memória e dispositivos de entrada e saída BARRAMENTO DE DADOS (DATA BUS) Conjunto de circuitos por onde trafegam dados entre a CPU, a memória e os dispositivos periféricos. BARRAMENTO DE ENDEREÇOS (ADDRESS BUS) Canal eletrônico, geralmente com largura de 20 a 32 linhas, usado para transmitir sinais que especificam posições da memória. O número de linhas do bus de endereços determina o número de posições da memória que o processador pode acessar, já que cada linha contém um bit do endereço. Um bus de endereços com 20 linhas (usado nos primeiros processadores da INTEL, 8086/8088) pode acessar 1MB de memória, enquanto um bus de 32 linhas (como os usados pelo INTEL 80486) pode acessar mais de 4GB. BARREIRA (BARRIER) Em análise de redes geográficas, corresponde a um nó no qual, por algum motivo, o fluxo é interrompido. BASE (a) (RADIX) Valor da base do sistema numérico utilizado. BASE (b) O número de dígitos usados em um sistema de numeração. BASE CARTOGRÁFICA (CARTOGRAPHIC BASE) É um mapa que contém os elementos planialtimétricos fundamentais necessários à representação de um determinado espaço geográfico. Um conjunto de dados cartográficos arranjados em forma de mapa, propiciando referências para os dados do usuário. BASE DE CONHECIMENTOS (KNOWLEDGE BASE) Em sistemas especialistas, a base de conhecimentos armazena informações sobre um domínio específico. Essas informações não

21 se apresentam como nos bancos de dados comuns, como um conjunto de campos e registros, mas contêm representações simbólicas do conhecimento em uma forma que o computador pode processar. BASE DE DADOS CONTÍNUA (SEAMLESS DATABASE) Ver CONTINUOUS DATABASE.

Introdução ao ArcGIS

Introdução ao ArcGIS Introdução ao ArcGIS Maria Cecilia Brandalize Novembro, 2011 Tópicos O que é um SIG? A estrutura do ArcGIS Dados utilizados no ArcGIS Operações básicas com o ArcGIS Edição de dados Combinação de dados

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática 04 Organização de Computadores nov/2011 Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento Processador (ou microprocessador) responsável pelo tratamento

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Entrada e Saída. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores Entrada e Saída. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Entrada e Saída Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

MINI DICIONÁRIO TÉCNICO DE INFORMÁTICA. São apresentados aqui alguns conceitos básicos relativos à Informática.

MINI DICIONÁRIO TÉCNICO DE INFORMÁTICA. São apresentados aqui alguns conceitos básicos relativos à Informática. Tecnologias da Informação e Comunicação MINI DICIONÁRIO TÉCNICO DE INFORMÁTICA São apresentados aqui alguns conceitos básicos relativos à Informática. Informática: Tratamento da informação por meios automáticos.

Leia mais

Guia do Usuário da Matriz Virtual do Avigilon Control Center. Versão 5.6

Guia do Usuário da Matriz Virtual do Avigilon Control Center. Versão 5.6 Guia do Usuário da Matriz Virtual do Avigilon Control Center Versão 5.6 2006-2015 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. A menos que seja expressamente concedida por escrito, nenhuma licença

Leia mais

Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos

Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 1. ARQUITETURA DO COMPUTADOR- HARDWARE Todos os componentes físicos constituídos de circuitos eletrônicos interligados são chamados

Leia mais

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma Aula 04 A Barramentos Prof. Ricardo Palma Definição Em ciência da computação barramento é um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos, como o CPU, a memória e outros

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais são programas que como o próprio nome diz tem a função de colocar o computador em operação. O sistema Operacional

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios.

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Aplicativos Informatizados da Administração Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Habilidades, Competências e Bases Tecnológicas Bases tecnológicas: Fundamentos de equipamentos

Leia mais

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES Escola Europeia de t Ensino Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES TRABALHO REALIZADO: ANDRÉ RIOS DA CRUZ ANO LETIVO: 2012/ 2013 TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS 2012 / 2013 3902 Escola

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Aula de hoje: Periférico de entrada/saída, memória, vírus, Windows, barra tarefas. Prof: Lucas Aureo Guidastre Memória A memória RAM é um componente essencial

Leia mais

Barramentos - BUS. Professor Especialista: Airton Ribeiro de Sousa

Barramentos - BUS. Professor Especialista: Airton Ribeiro de Sousa Professor Especialista: Airton Ribeiro de Sousa É o percurso principal dos dados entre dois ou mais componentes de um sistema de computação, neste caso são os caminhos arquitetados na PLACA MÃE até o ponto

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Informática Aplicada DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador. O

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

4.4 - Barramentos. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva. robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.

4.4 - Barramentos. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva. robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche. CEFET-RS Curso de Eletrônica 4.4 - Barramentos robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 04.4.1 Barramentos São elementos de hardware que permitem a interconexão entre os componentes do

Leia mais

O sucesso alcançado pelos computadores pessoais fica a dever-se aos seguintes factos:

O sucesso alcançado pelos computadores pessoais fica a dever-se aos seguintes factos: O processador 8080 da intel é tido como o precursor dos microprocessadores, uma vez que o primeiro computador pessoal foi baseado neste tipo de processador Mas o que significa família x86? O termo família

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Dispositivos de Entrada e Saída Aula 9 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira ENTRADA e SAÍDA (E/S) (I/O - Input/Output) n Inserção dos dados (programa)

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador 1 Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Curso: Sistemas de Informação Introdução 2 O Computador é uma ferramenta que

Leia mais

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários 2 Partes do Sistema Computacional HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS Software Dados Usuários Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística

Leia mais

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Elaboração: Prof. Éverton Loreto everton@uffs.edu.br 2010 Objetivo Conhecer as características e recursos do Sistema Operacional

Leia mais

Conceitos básicos sobre TIC

Conceitos básicos sobre TIC Conceitos básicos sobre TIC Origem da palavra Informática Informação + Automática Informática Significado: Tratamento ou processamento da informação utilizando meios automáticos, nomeadamente o computador.

Leia mais

TI Aplicada. Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Principais Componentes Barramentos Placa Mãe Processadores Armazenamento

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Sistema computacional Sistemas feitos para resolver problemas Problema: como obter determinado resultado, com base em dados

Leia mais

Visão Computacional. Alessandro L. Koerich. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Visão Computacional. Alessandro L. Koerich. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR) Visão Computacional Alessandro L. Koerich Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR) Interfaces Câmera PC Analógica, Firewire, GigE, Camera Link, USB Introdução

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Informática Aplicada O Que éinformação? Dados

Leia mais

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Arquitetura de Entrada e Saída Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Barramento Meio de transmissão de dados entre a CPU, a memória principal e os dispositivos de entrada e saída.

Leia mais

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br Computação I Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br MÓDULO I- Introdução à Informática Hardware Hardware? HARDWARE é a parte física do computador. É o conjunto de componentes mecânicos, elétricos

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Componentes Sistema Informação Hardware - Computadores - Periféricos Software - Sistemas Operacionais - Aplicativos - Suítes Peopleware - Analistas - Programadores - Digitadores

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com Fonte: Material do Prof. Robson Pequeno de Sousa e do Prof. Robson Lins Dispositivos de Entrada Teclado, Mouse, Trackball,

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. André Dutton EMENTA: Conceitos fundamentais e histórico da ciência da computação; Histórico dos computadores, evolução e tendências; Modalidades de computadores

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 2. Hardware: Componentes Básicos e Funcionamento Prof. Ronaldo Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Gerência de Memória RAM em Computadores com Mais de 4GB O sistema Windows x86 (32bits) não tem capacidade de reconhecer, fisicamente, mais que 3,X GB de RAM, a não ser que seja ativado, manualmente, o

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Definir os conceitos de Hardware e Software Identificar os elementos que compõem um computador

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Barramento Também conhecido como BUS É um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos,

Leia mais

MANUTENÇÃO DE MICRO. Mário Gomes de Oliveira

MANUTENÇÃO DE MICRO. Mário Gomes de Oliveira MANUTENÇÃO DE MICRO Mário Gomes de Oliveira 1 IRQ Pedido de atenção e de serviço feito à CPU, para notificar a CPU sobre a necessidade de tempo de processamento. 2 IRQ (Interrupt Request line ou Linha

Leia mais

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Conhecer os dispositivos de armazenamento por meio do conceito e dos tipos de memórias utilizadas no computador. Subsistemas de memória Memória

Leia mais

ferramentas da imagem digital

ferramentas da imagem digital ferramentas da imagem digital illustrator X photoshop aplicativo ilustração vetorial aplicativo imagem digital 02. 16 imagem vetorial X imagem de rastreio imagem vetorial traduz a imagem recorrendo a instrumentos

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Softwares O que é Software? Conjunto de instruções/funções/tarefas que definem o que o computador deve executar para chegar

Leia mais

PROCESSAMENTO DE DADOS

PROCESSAMENTO DE DADOS PROCESSAMENTO DE DADOS Aula 1 - Hardware Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari 2 3 HARDWARE Todos os dispositivos físicos que constituem

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 INTRODUÇÃO REDES EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 Computadores eram máquinas grandes e complexas, operadas por pessoas altamente especializadas; Não havia interação direta entre usuários

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Como è feito computador

Como è feito computador Como è feito computador O computador contém uma parte elétrica e uma parte eletrónica. Parte elétrica é usada para transformar e dinstribuir a eletricidade que vem para os vários componentes. Parte eletrónica

Leia mais

IT 190 PRINCÍPIOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO INTRODUÇÃO AO USO DO ARCVIEW

IT 190 PRINCÍPIOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO INTRODUÇÃO AO USO DO ARCVIEW IT 190 PRINCÍPIOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO INTRODUÇÃO AO USO DO ARCVIEW Carlos Alberto Alves Varella 1. O ArcView foi desenvolvido pela Environmental Systems Research Institute (ESRI), com o objetivo

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 2.1 CONCEITO DE BIT O computador só pode identificar a informação através de sua elementar e restrita capacidade de distinguir entre dois estados: 0

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 2. Hardware: Componentes Básicos e Funcionamento Prof. Ronaldo Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade

Leia mais

Windows. Introdução. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional

Windows. Introdução. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional Windows Prof. Leandro Tonietto Cursos de Informática Unisinos Março-2008 O que é Sistema operacional? O que é Windows? Interface gráfica: Comunicação entre usuário e computador de forma mais eficiente

Leia mais

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series. Bem-vindo

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series. Bem-vindo Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series Bem-vindo 2013 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto.

Leia mais

Manual de referência do Device Storage Manager

Manual de referência do Device Storage Manager Manual de referência do Device Storage Manager Avisos sobre direitos autorais e marcas comerciais Copyright 2003 Hewlett-Packard Development Company, L.P. É proibida a reprodução, adaptação ou tradução

Leia mais

01/04/2012. Voltar. Voltar

01/04/2012. Voltar. Voltar Introdução à Informática Capítulo 3 Sistemas Operacionais: Software em Segundo Plano Objetivos Descrever as funções de um sistema operacional. Explicar os fundamentos do sistema operacional de um computador.

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática. Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador)

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática. Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador) Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática,1752'8d 2,1)250É7,&$ Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador) PROJETO UNESC@LA Junho de 2000 Conteúdo 1. CONCEITOS

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS Software Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS ESQUEMA DE UM SISTEMA DE COMPUTADOR Unidades de Entrada - Teclado - Scanner - Caneta Ótica - Leitora

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Tema Objetivos Conteúdos

Tema Objetivos Conteúdos Nº módulo CURSO VOCACIONAL - ELETRICIDADE, INFORMÁTICA E NOÇÕES BÁSICAS DE FINANÇAS 3.º Ciclo 2 anos. DISCIPLINA: Área Vocacional de Informática Distribuição Modular Tema Objetivos Conteúdos Aulas 45 1

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Hardware HARDWARE Sistema Computacional = conjunto de circuitos eletrônicos interligados formado por processador, memória, registradores,

Leia mais

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados TerraView O TerraView é um aplicativo desenvolvido pelo DPI/INPE e construído sobre a biblioteca de geoprocessamento TerraLib, tendo como principais objetivos: - Apresentar à comunidade um fácil visualizador

Leia mais