ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA)"

Transcrição

1 ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ASPECTOS FÍSICOS, METEOROLÓGICOS. & OCEANOGRÁFICOS CLIENTE: COMPANHIA DOCAS DO PARÁ - CDP EXECUTORES: Cartografia, Hidrografia e Digitalização de Mapas - CHD & Grupo de Estudos Marinhos e Costeiros GEMC Maio/2004

2 ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ASPECTOS FÍSICOS, METEOROLÓGICOS. & OCEANOGRÁFICOS Relatório Final Cartografia, Hidrografia e Digitalização - CHD & Grupo de Estudos Marinhos e Costeiros GEMC Gilberto Mácola Maâmar El-Robrini Agente Financiador: COMPANHIA DOCAS DO PARÁ - CDP Maio / 2004

3 SUMÁRIO EXECUTIVO Este relatório apresenta o estado da arte do conhecimento dos aspectos físicos (Geomorfologia, Geologia, Geologia Estrutural, Condições Sísmicas, Estratigrafia do Subsolo Raso e Dinâmica Costeira), ambientais (Área Prioritária para a Conservação, RESEX), meteorológicos (precipitação, temperatura, vento, Brisas marítimas e terrestres, Linhas de Instabilidade, ZCIT, El Niño/La Niña) e oceanográficos (marés amplitude e correntes associados, ondas oceânicas, NBCC) da Ilha dos Guarás (Mariteua), sendo esta área sujeita a receber o futuro empreendimento conhecido como Terminal Offshore do Espadarte. Área Prioritária para a Conservação - a região sujeita a receber o futuro Terminal Offshore do Espadarte enquadra-se em Área Prioritária para: Botânica, Invertebrados, Biota Aquática, Répteis, Anfíbios, Aves, Populações Tradicionais e Povos Indígenas, Novas Oportunidades Econômicas. Esta área é responsável pela ampla gama de funções ecológicas (prevenção de inundações, intrusão salina e da erosão costeira, proteção contra tempestades, reciclagem de nutrientes e de substâncias poluidoras, e provisão de habitats e recursos para uma variedade de espécies explotadas, direta ou indiretamente). Esta área é considerada ainda como uma Área Prioritária para conservação de estuários, manguezais, lagoas de praias, dunas de banhados, áreas úmidas costeiras de restingas, quelônios marinhos, mamíferos marinhos, aves costeiras e marinhas, teleósteos demersais e pequenos elasmobrânquios, bentos, plâncton e plantas marinhas (MMA, 2002). RESEX Mãe Grande de Curuçá - a Ilha dos Guarás (Mariteua) enquadra-se na RESEX Mãe Grande de Curuçá apresentada no decreto do dia 13 de dezembro de 2002 (D.O.U. de 16/12/2002) que criou esta RESEX, no Município de Curuçá, no Estado do Pará. Toponomia - os documentos cartográficos oficiais apontam o nome dos Guarás (Mariteua) para a ilha. As pontas são conhecidas como: Tijoca (00º 33 44S e 47º 53 30W) e Romana (00º 34,5S e 47º 54,0W). Aspectos Físicos - Geomorfologia a Ilha dos Guarás (Mariteua) e as ilhas Ipomonga e Mutocal situadas ao Sul desta são sustentadas pelos sedimentos da formação do Grupo Barreiras e vários ambientes sedimentares ali ocorrem: (A) Planalto Costeiro apresenta um relevo colinoso de formas irregulares com pequenas amplitudes, ocorrente sobretudo na Ilha do Mutucal (maior parte, sendo a borda norte alagada), na Ilha do Ipomanga (apenas a parte situada ao sudeste desta ilha) e na Ilha dos Guarás (este está soterrado) e (B) Planície Flúvio-Marinha ocorrem os sistemas de Planície Costeira - com terrenos relativamente planos e descontínuos na orla litorânea. Esta unidade regional é compartimentada em três unidades geomorfológicas: (i) planície aluvial, com canal fluvial, diques marginais e planície de inundação; (ii) planície estuarina, com canal estuarino, subdividido em curso superior, segmento reto, segmento meandrante e funil estuarino e (iii) planície costeira, com ambientes de pântano salino (interno e externo), planície de maré (manguezais de supramaré, intermaré e inframaré, planície arenosa (praias-barreira ( barrier-beach

4 ridge )(pontas da Romana e Tijoca), dunas costeiras ativas e inativas, barras emersas e bancos pré-litorais, com baixios de maré) e cheniers. O Sistema de terraço marinho constitue superfícies aplainadas por agradação. Litoestratigrafia - os sedimentos principais reconhecidos nesta região são representados pela formação do Grupo Barreiras (Terciário Inferior), Pós-Barreiras e recentes (Quaternário). Estratigrafia do Subsolo Raso - na há informações disponíveis sobre a profundidade do substrato na Planície Costeira de Curuçá. Porém, em áreas próximas e em condições geológicas e ambientais similares (Ilhas de Itarana e Atalaia), trabalhos apontam que o embasamento sólido ocorre em profundidades variadas entre 3 e 13m. Condições sísmicas - a Ilha dos Guarás enquadra-se numa margem estável, porém pequenos eventos sísmicos superiores a 3 de magnitude foram registrados em regiões vizinhas. Dinâmica Costeira - a planície costeira e a zona praial representam ambientes transicionais altamente dinâmicos, em funções das condições meteorológicas e oceanográficas. Informações nesta ilha são escassos, porém em regiões vizinhas (Marajó, Bragança e Salinópolis) mostram que estes trechos sofrem processos de erosão e sedimentação. Plataforma Continental Interna do Pará apresenta um relevo suave com gradiente de 3.5. Os fundos marinhos são ocupados por numerosos bancos arenosos (Coroa Grande, da Muriçoca, Banco São João, Espadarte, Coroa das Gaivotas, entre outros) orientados no sentido das correntes de maré (NE-SW). O canal do Espadarte é considerado um espaço inter-banco. Aspectos Climatológicos/Meteorológicos - o principal sistema de grande escala que regula o regime de precipitação (2909,8 mm/ano) no litoral do estado do Pará é a ZCIT. O período chuvoso concentra-se durante os meses de fevereiro a abril, embora a distribuição de chuvas seja satisfatoriamente regular o ano todo, com uma variação na taxa de insolação entre 216 e 200 dias de sol ao ano. A nebulosidade é freqüente no litoral e a marcha de temperatura é relativamente estável. A característica predominante do vento é de fluxo zonal de leste em quase todo o litoral. A velocidade observada à superfície em média no ano fica em torno de 7 km/h. Os sistemas atmosféricos atuantes são (Brisas Marítima e Terrestre, Linhas de Instabilidade (LIs), Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), El Niño e La Nina). Aspectos Oceanográficos - Amplitude a maré é semi-diurna, com amplitudes máximas de 5,4m As MHWS e MHWN são respectivamente de 3,65m e 3,14m. As MLWS e MLWN são respectivamente de 0.52m e 1.03m. Corrente de maré as correntes de maré agem perpendicularmente a costa, com velocidades máximas, superiores em média, de 1,5 nós na plataforma continental. As fortes correntes de maré atingem velocidades da ordem de 2,1 nós (6 horas antes da preamar, nas

5 marés de sizígia) e 1,9 nós (4 horas após a preamar, nas marés de quadratura). As correntes de marés são, também, as principais responsáveis pela presença dos inúmeros bancos de areias, que se dispõem perpendicularmente à costa, na foz do rio Pará e offshore da Ilha dos Guarás (Mariteua). Ondas o litoral norte sofre influência das ondas formadas a partir dos alísios, que apresentam alturas abaixo de 1-1,5m em mar aberto. Porém, trabalhos técnicos mostram a ocorrência episódica de ondas oceânicas geradas por Ciclones Tropicais do Atlântico Norte, que alcançam períodos de 20s e altura de 3m no litoral norte. CCNB a plataforma continental interna do Pará sofre a influência da CCNB, com uma velocidade de 1,2 m.s -1 (plataforma continental externa) e direção NW, e uma velocidade em superfície maior que 75cm.s -1. Considerações sobre o Estado da Arte do Conhecimento da Ilha dos Guarás e Necessidade de Novos Estudos a pesquisa sobre informações e dados versando sobre a Ilha dos Guarás (Mariteua) mostrou que esta carece de um maior detalhadamente sobre: (i) a profundidade exata sobre o embasamento rochoso e sua distribuição espacial; (ii) avaliação da variabilidade temporal e espacial de toda faixa costeira da Ilha do Guarás, incluindo as Pontas da Romana e da Tijoca, sendo estas intimamente conectadas e representam verdadeiras praias barreiras, alimentadas por cordões arenosos altamente dinâmicos no tempo. Ocorre ainda um by-passing entre as duas pontas; (iii) montagem de um background (momento 0 esta ilha situada na do rio Pará representa uma área fértil do ponto de vista de produtividade, tendo em vista a sua posição geográfica; as áreas portuárias, em regra geral, são as portas abertas para introdução de espécies alóchtonas, sendo estas se desenvolvem rapidamente em regiões tropicais e poderão trazer impactos ambientais para a região amazônica), antes da instalação do Terminal Offshore do Espadarte ; (iv) montagem do quadro hidrodinâmica da área; (v) montagem de um plande monitoramento dos principais processos atuantes neste trecho do litoral paraense. Estas medidas trarão um conjunto de dados e informações fundamentais para operacionalização de áreas portuárias, uma vez que o empreendimento terá lugar numa área oceânica aberta aos processos meterológicos, oceanográficos e hidrológicos (a Ilha dos Guarás situa-se na foz do rio Pará e há uma conexão hidrodinâmica muito forte); (v) avaliação multi-temporal da área do canal do Espadarte, para acompanhar a sua evolução no tempo e no espaço, para um melhor entendimento, uma vez que faz parte do edifício arenoso posicionado na foz do rio Pará.

6 I. APRESENTAÇÃO O Projeto ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) OCEANOGRÁFICOS - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO ESTADO DO PARÁ): ASPECTOS FÍSICOS, METEOROLÓGICOS & OCEANOGRÁFICOS foi concebido e desenvolvido pela Cartografia, Hidrografia e Digitalização - CHD e o Grupo de Estudos Marinhos e Costeiros GEMC, em maio de Este relatório apresenta um conjunto de capítulos, retratando a qualidade ambiental da área de abrangência do estudo, indicando as principais características dos diversos fatores e parâmetros que compõem os ecossistemas marinhos e costeiros adjacentes, de forma a permitir o entendimento da dinâmica e das interações existentes na área direta, sujeita a receber o futuro empreendimento Terminal Offshore do Espadarte. Os capítulos apresentam os seguintes temas: (i) Área de Proteção Ambiental; (ii) Toponomia da área; (iii) Caracterização climatológica/meterológica; (iv) Aspectos Físicos: Geomorfologia, Geologia, Estratigrafia rasa, condições sísmicas e dinâmica costeira; (v) Fisiografia da Plataforma Continental Interna do Pará; (vi) Caracterização Oceanográfica Costeira (marés e correntes associadas, ondas) e (vii) Corrente Costeira Norte Brasileira (CCNB). A Ilha dos Guarás (Mariteua) enquadra-se na Costa Atlântica do Salgado Paraense, de acordo com a classificação do MMA (1996), sendo este trecho bastante recortado e constituído por um conjunto de reentrâncias ativas e dinâmicas. Nas proximidades da foz do rio Pará constitui um ambiente oceanográfico altamente energético, onde a hidrodinâmica é originada pela ação conjunta de diversos fatores: a maré semidiurna é a principal forçante na plataforma continental e caracteriza-se por amplitudes 1 de ~0,8m nas proximidades do talude continental, alcançando valores de 4.4m (DHN, 2004) na Ilha dos Guarás (Mariteua) e correntes de maré de ~2m/s (BEARDSLEY et al., 1995). A vazão fluvial do rio Pará que ingressa na plataforma continental forma uma pluma de baixa salinidade, que não permite a entrada do mar no rio. Uma cunha salina se forma sobre a plataforma continental, e os gradientes de salinidade gerados no encontro das águas doce e do mar, originam uma circulação baroclínica. O campo de ventos atuando durante o ano todo e a Corrente Costeira Norte Brasileira circulando na plataforma continental são fatores que incrementam a complexidade da hidrodinâmica local. O presente relatório objetiva apresentar e fornecer o estado da arte do conhecimento científico adquirido até hoje na Ilha dos Guarás (Mariteua) (áreas emersa e submersa)(figura 01) para a COMPANHIA DE DOCAS DO PARÁ CDP, com finalidade a implantação do futuro Terminal Offshore do Espadarte. Estes dados são de grande avalia para o conhecimento e decisões a cerca da implantação deste empreendimento. I.1. Objetivos do Projeto O objetivo central do projeto é de organizar uma compilação de dados ambientais costeiros e oceânicos na área de influência do futuro empreendimento Terminal Offshore do Espadarte sob a forma de um relatório técnico, envolvendo os aspectos ambientais, físicos, meteorológicos e oceanográficos.

7 I.2. Fonte de Dados Os dados multi-disciplinares utilizados no relatório técnico ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - Município de Curuça: Aspectos Físicos, Meteorológicos e Oceanográficos provêm de: (i) bancos de dados, como os do Grupo de Estudos Marinhos e Costeiros (GEMC/UFPA), que reúne entre outras, informações e dados do Programa REVIZEE (em operação desde março de 1995 na ZEE/NO), do Nacional Oceanographic Data Center (NODC, 1998), World Ocean Experiment (WOCE GLOBAL DATA, 2000), British Oceanographic Data Center (BODC, 1997); (ii) internet, IBGE, IBAMA, Governo do Estado do Pará; (iii) publicações periódicas, artigos científicos, monografias, dissertações e teses de mestrado e de doutorado). I.3. Materiais e Métodos de Investigação Os mapas foram gerados em ambiente AutoCAD Map 2000, ArcView 8.0 e SPRING. Os dados de temperatura, precipitação, nebulosidade, umidade relativa, insolação e vento foram obtidos através das normais climatológicas da estação meteorológica de superfície, do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), para o período de 1962 a Foram também utilizados dados diários das estações pluviométricas da SUDENE, INMET e DNAEE, localizadas na região costeira do Norte. A climatologia da TSM foi obtida de valores climatológicos de uma série de dez anos (1982 a 1991), do National Center for Atmospheric Research NCEP/NCAR. I.4. localização e Acesso O município de Curuçá está localizado na região nordeste do estado do Pará, estando limitada pelas coordenadas geográficas S, S e W, W, e pertence à Folha SA.23-V-A-IV (Marapanim) (Figura 01). O acesso é feito através da Rodovia BR-316, a partir do município de Castanhal, de onde se prossegue, pela rodovia estadual PA-136, até chegar ao município de Curuçá. Para alcançar a Ilha dos Guarás (Mariteua) é necessário utilizar uma embarcação motorizada. II. ÁREAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA S E OUTRAS) Estudos com base nas leis ambientais em vigor hoje indicam para a Ilha dos Guarás (Mariteua) as seguintes observações: II.1. Área Prioritária para a Conservação A análise da Biodiversidade Brasileira (MMA, 2002), versando sobre a Avaliação e Identificação de Áreas e Ações Prioritárias para Conservação, Utilização e Repartição de

8 Benefícios da Biodiversidade Brasileira permitiu de anotar que a área sujeita a receber o futuro Terminal Offshore do Espadarte enquadra-se em Área Prioritária (pontuação: 1 baixa a 5 = alta prioridade de recomendação) mostrada a seguir: (i) Área Prioritária para a Botânica: BT 053 Ecorregião Tocantins Araguaia Maranhão Ação recomendada: recuperação (pontuação 5); (ii) Área Prioritária para Invertebrados: IV 011 Costa Nordeste do Pará e Maranhão Ações recomendadas: recuperação (pontuação 4); (iii) Área Prioritária para Biota Aquática: BA007 Mangue do Pará e do Maranhão - Ações recomendadas: Inventário Biológico (pontuação 3) Criação de Unidade de Conservação (pontuação 3) Manejo (pontuação 5); (iv) Área Prioritária para Répteis e Anfíbios RA 024 Região Bragantina - Ações recomendadas: Recuperação (pontuação 5), Inventário Biológico (pontuação 5) Criação de Unidade de Conservação (pontuação 5) Manejo (pontuação 5); (v) Área Prioritária para Aves: Mangues do Pará - Ação recomendada: Manejo (pontuação 5); (vi) Área Prioritária para Populações Tradicionais e Povos Indígenas PP003 Estuário e Costa Litorânea do Pará - Ações Recomendadas: Manejo, proteção e fiscalização da área e de seu entorno (pontuação 5), pesquisa (pontuação 5); (vii) Área Prioritária para Novas Oportunidades Econômicas, OE 076, Costa Paraense - Ações Recomendadas: Implantação de Infraestrutura (pontuação 4) Capacitação/Treinamento (pontuação 5) Definição e Implementação de Instrumentos financeiros (pontuação 4) Definição e Implementação de estratégias de marketing (ampliação de mercados, certificação, valorização de produtos)(pontuação 2) pesquisa/desenvolvimento de produtos (pontuação 4); (viii) Área Prioritária para Pressões Antrópicas, PA028 Belém-Bragantina - Ações recomendadas: Conservação (pontuação 4) Uso Sustentável dos recursos naturais (pontuação 5), Produção sustentável (pontuação 5); (ix) Área Prioritária sobre Unidades de Conservação UC0043 Ecorregião Tocantins Araguaia Maranhão - Ação recomendada criação de Unidade de Conservação (pontuação 5). A Avaliação de grau de instabilidade das Áreas Prioritárias na Amazônia, com relação à pressão antrópica, programas de desenvolvimento e implantação de obras de infra-estrutura planejadas pelo governo federal e pelos governos estaduais mostram que as áreas de extrema importância biológica (A) que estão ameaçadas são Araguaia/Tocantins/Maranhão, com 84% sobre pressão alta e máxima, justamente onde está incluída a Ilha dos Guarás (Mariteua)(MMA, 2002). Ainda, o Mapa Síntese das Áreas Prioritárias para a Biodiversidade (Figura 02) mostra que a Ilha dos Guarás (Mariteua) enquadra-se na Área de extrema importância (VZ043 Salgado. O Panorama da Zona Costeira e da Zona Marítima (MMA, 2002) mostra que a zona costeira, como região de interface entre os ecossistemas terrestres e marinhos, é responsável por ampla gama de funções ecológicas : a prevenção de inundações, da intrusão salina e da erosão costeira; a proteção contra tempestades; a reciclagem de nutrientes e de substâncias poluidoras; e a provisão de habitats e recursos para uma variedade de espéçies explotadas, direta ou indiretamente. Assim, a área alvo deste estudo é considerada também:

9 (i) Área Prioritária para a Conservação de Estuários, Manguezais e Lagoas Costeiras - importância biológica Extrema (A); (ii) Área Prioritária para Conservação de Praias e Dunas - importância biológica Muito Alta (B); (iii) Área Prioritária para Conservação de Banhados e Áreas Úmidas Costeiras - importância biológica Muito Alta (B); (iv) Área Prioritária para Conservação de Restingas - importância biológica Extrema (A); (v) Área Prioritária para Conservação de Quelônios Marinhos trata-se de uma área Insuficientemente Conhecida (D); (vi) Área Prioritária para a Conservação de Mamíferos Marinhos - importância biológica Extrema (A); (vii) Área Prioritária para a Conservação de Aves Costeiras e Marinhas - importância biológica Extrema (A); (viii) Área Prioritária para a Conservação de Teleósteos Demersais e Pequenos Pelágicos - importância biológica Extrema (A); (ix) Área Prioritária para Conservação de Elasmobrânquios trata-se de uma área Insuficientemente Conhecida (D); (x) Área Prioritária para Conservação de Bentos da Plataforma Continental trata-se de uma área Insuficientemente Conhecida (D); (xi) Área Prioritária para Conservação de Plâncton trata-se de uma área Insuficientemente Conhecida (D); (xii) Área Prioritária para a Conservação de Plantas Marinhas - importância biológica Alta (C). Assim, vários trechos do litoral do Nordeste do estado do Pará são demarcados por áreas de proteção e/ou outros tipos de reservas ambientais. Na Ilha dos Guarás (Mariteua), informações recentes mostram que existe um projeto de instalação de uma Reserva Extrativista Marinha (RESEX). II.2. Unidades de Conservação na Área de Influência As Unidades de Conservação são áreas delimitadas do território nacional, especialmente protegidas por lei, pois contém elementos naturais de importância ecológica ou ambiental. Em geral, ao se definir uma área a ser protegida, são observadas suas características naturais e estabelecidos os principais objetivos de conservação e o grau de restrição à intervenção antrópica. Esta área será, então, denominada segundo uma das categorias de Unidade de Conservação previstas por lei, das quais as principais são: Parque Nacional, Estação Ecológica, Reserva Biológica, Reserva Ecológica, Área de Proteção Ambiental, Reserva Extrativista e Área de Relevante Interesse Ecológico. II.2.1. As Reservas Extrativistas (RESEX s) As Reservas Extrativistas (RESEX s) criadas no início dos anos 90 apresentam-se hoje como alternativas ao sistema de assentamento na Amazônia. Sua criação representou um

10 passo audacioso de modelo de conservação do meio ambiente, propondo unidades de gestão com a presença da população local. No entanto, é preciso dotar as reservas de acesso à saúde, educação, transportes e atividades geradoras de renda, criando condições para a fixação da população no local. Para isso, foi implantado o Projeto RESEX, visando testar e provar a viabilidade do modelo de reserva extrativista como unidade de conservação dos recursos naturais. As RESEX s possuem as seguintes componentes: (i) Efetivação das reservas extrativistas; (ii) Organização comunitária; (iii) Melhoria de atividades produtivas; (iv) Gerenciamento ambiental; e (v) Gerenciamento e avaliação do projeto. O Projeto é executado pelo Centro Nacional de Desenvolvimento Sustentado das Populações Tradicionais (CNPT) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Para promover a gestão participativa, parte dos recursos são repassados para administração direta das associações de moradores das reservas, mediante convênios assinados com o IBAMA. Na segunda fase do Projeto, serão financiados projetos produtivos, encaminhados ao CNPT. Após parecer inicial, os projetos serão enviados a um comitê independente formado pelo chefe do CNPT, um assessor econômico, um representante do Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Extrativismo (PRODEX) e um dos Projetos Demonstrativos Tipo A (PD/A). A Reserva Extrativista é uma Unidade de Conservação destinada à exploração auto-sustentável e conservação dos recursos naturais renováveis por populações nativas e extrativistas. Tem como propósito garantir a terra às famílias nativas e extrativistas, conservar os recursos naturais por meio de sua exploração sustentável, organizar, capacitar ou fortalecer o processo de organização dos moradores para a co-gestão com o IBAMA dos espaços e recursos naturais, e implementar alternativas de renda que propiciem a melhoria da qualidade de vida das famílias que habitam na área. Dentre estas alternativas, vislumbra-se o turismo sustentado e/ou turismo ecológico como forma de diversificar as atividades da comunidade. A viabilização da Reserva Extrativista é de grande importância para a sustentabilidade dos ecossistemas existentes e da população que compõem a paisagem do Batoque. Como afirma Diegues (1995), "a reserva extrativista é um instrumento de ressurgimento do "comum" e seu reconhecimento social mostra a importância de se repensar e se reconstruir as formas tradicionais de apropriação de espaços e recursos naturais renováveis na gestão ambiental, na proteção da biodiversidade e da diversidade sócio-cultural". As RESEX s são espaços territoriais destinados à exploração auto-sustentável e conservação dos recursos naturais renováveis, por populações tradicionais. Em tais áreas, é possível materializar o desenvolvimento sustentável, equilibrando interesses ecológicos de conservação ambiental, com interesses sociais de melhoria de vida das populações que ali habitam. Existem duas modalidades de RESEX s: da Amazônia e Marinhas. II.2.2. RESEX Marinha de Curuçá A seguir é apresentado o decreto do dia 13 de dezembro de 2002 (D.O.U. de 16/12/2002) que criou a RESEX Mãe Grande de Curuçá, no Município de Curuçá, no Estado do Pará, e dá outras providências.

11 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 18 da Lei n o 9.985, de 18 de julho de 2000, e no Decreto n o 4.340, de 22 de agosto de 2002, decreta: Art. 1 o Fica criada a Reserva Extrativista Mãe Grande de Curuçá, no Município de Curuçá, no Estado do Pará, com os objetivos de assegurar o uso sustentável e a conservação dos recursos naturais renováveis, protegendo os meios de vida e a cultura da população extrativista local. Art. 2 o A Reserva Extrativista Mãe Grande de Curuçá abrange uma área de aproximadamente trinta e sete mil e sessenta e dois hectares e nove centiares, com base na Carta Topográfica MI-337, em escala de 1: , publicada pela Diretoria do Serviço Geográfico-DSG do Exército Brasileiro, com o seguinte memorial descritivo: partindo do Ponto 01, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado na margem direita do Rio Mocajuba, sobre o limite da zona terrestre do mangue, segue no sentido jusante pela margem direita do Rio Mocajuba, acompanhando sempre o limite da zona terrestre do mangue, passando pela confluência com o Rio Tijuoca, seguindo pela margem esquerda do Rio Tijuoca, no sentido montante, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, sobre a linha de preamar máxima, passa pela confluência deste último com o Igarapé São Macário; daí, segue pela margem esquerda deste igarapé, no sentido montante, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, por uma distância de ,12 metros, até o Ponto 02, de coordenadas geográfica aproximadas " WGr e " S, localizado no limite da zona terrestre do mangue, nas cabeceiras do Rio Macário; daí, segue pela margem direita do Rio Macário, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, no sentido jusante, passando pela confluência deste com o Igarapé Iririteua e seguindo pela margem esquerda do citado Igarapé, no sentido montante, por uma distância aproximada de 3.754,16 metros, acompanhando sempre o limite da zona terrestre do mangue, até o Ponto 03, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado no limite da zona terrestre do mangue nas cabeceiras do Igarapé Iririteua; daí, segue pela margem direita do citado Igarapé, no sentido jusante, acompanhando sempre o limite da zona terrestre do mangue, passando pela confluência deste último igarapé, com o Rio Tijuoca, seguindo pela margem esquerda deste, no sentido montante, percorrendo uma distância de 3.923,02 metros, até o Ponto 04, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado nas cabeceiras do Rio Tijuoca; daí, segue, pela margem direita do Rio Tijuoca, no sentido jusante, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, passando pela confluência com o Rio Mocajuba, encontrando a foz do Igarapé Igaçaba, seguindo pela margem esquerda deste igarapé, no sentido montante, percorrendo assim uma distância de 9.061,86 metros, até o Ponto 05, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado nas nascentes do Igarapé Igaçaba; daí, segue acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, na margem direita e sentido jusante do Igarapé Igaçaba, alcançando a margem direita do Rio Mocajuba, acompanhando sempre o limite da zona terrestre do mangue, seguindo pela margem direita do Rio Mocajuba, no sentido jusante, penetrando pela margem esquerda do Rio Candeua, acompanhando sempre o limite da zona terrestre do mangue, percorrendo uma distância de 7.184,11 metros, até o Ponto 06, de coordenadas

12 aproximadas " WGr e " S, localizado no limite máximo da zona terrestre do mangue, nas cabeceiras do Rio Candeua; deste, segue pela margem direita do Rio Candeua, no sentido jusante, acompanhando sempre o limite da zona terrestre do mangue, penetrando pela margem direita do Rio Mocajuba, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, no sentido jusante do Rio Mocajuba, até alcançar o Furo Maripanema, por onde continua sua trajetória na margem direita deste Furo, no sentido jusante, alcançando o limite da zona terrestre do mangue de todos os pequenos tributários desta margem, penetrando na margem esquerda, no sentido montante, do Igarapé Patrícia, percorrendo assim uma distância de ,53 metros, até o Ponto 07, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado nas cabeceiras do Igarapé Patrícia; deste, segue pela margem direita do Igarapé Patrícia, no sentido jusante, acompanhando sempre o limite da zona terrestre do mangue, alcançando novamente a margem direita do Furo Maripanema, por onde segue no sentido jusante, passando pela linha de preamar máxima, na linha de costa que margeia a área urbana de São João do Abade, Distrito de Curuçá, onde penetra na margem esquerda do Rio Grande, no sentido montante, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, corta a Rodovia Estadual PA-136, percorrendo assim uma distância de ,29 metros, até o Ponto 08, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado no limite da zona terrestre do mangue nas cabeceiras do citado Rio Grande; deste, segue pela margem direita do Rio Grande, no sentido jusante, corta novamente a Rodovia Estadual PA-136, acompanhando sempre o limite da zona terrestre do mangue, volta à margem direita do Furo Maripanema, onde segue sua margem direita no sentido montante, alcança a Baía do Curuçá, acompanhando sempre o limite da zona terrestre do mangue, penetra na margem esquerda do Rio Curuçá, e segue nesta margem no sentido montante, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue de todos os pequenos tributários desta margem, percorrendo uma distância de ,94 metros, até o Ponto 09, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado nos limites da zona terrestre do mangue, de um pequeno tributário formador do Rio Curuçá, denominado Riozinho, próximo à área urbana de Boa Vista do Iririteua, Distrito de Curuçá; deste ponto, segue pela margem direita do Rio Riozinho, no sentido jusante, alcançando a margem esquerda do Rio Curuçá, acompanhando sempre o limite da zona terrestre do mangue, segue pela margem esquerda do Rio Curuçá, no sentido montante, percorrendo assim uma distância de 2.214,86 metros, até sua confluência com o Igarapé Itororom, onde se localiza o Ponto 10, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, nas proximidades do Distrito de Boa Vista do Iririteua; deste, segue pela margem direita do Rio Curuçá, no sentido jusante, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, alcançando a desembocadura do Igarapé Itajuba, onde segue pela margem esquerda deste Igarapé, no sentido montante, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, percorrendo uma distância de 5.466,52 metros, até o Ponto 11, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado nas cabeceiras do Igarapé Itajuba, no limite da zona terrestre do mangue, próximo à Rodovia Estadual PA-316; deste, segue pela margem direita do Igarapé Itajubá, no sentido jusante, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, atingindo novamente a margem direita do Rio Curuçá, segue nesta citada margem, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, no sentido jusante, até atingir a foz do Igarapé Itarumã, onde pela margem esquerda deste, segue no

13 sentido montante, acompanhando sempre o limite da zona terrestre do mangue, por uma distância de 6.323,20 metros, até o Ponto 12, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado nas cabeceiras do Igarapé Itarumã, nas proximidades da Rodovia Estadual PA-316, na localidade chamada Laranjal; deste, segue pela margem direita do Igarapé Itarumã, no sentido jusante, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, até atingir a margem direita do Rio Curuçá, por onde segue, nesta margem, no sentido jusante, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, penetrando na margem esquerda do Igarapé Prauajó, segue, no sentido montante pelo citado Igarapé, percorrendo uma distância de ,85 metros, até o Ponto 13, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado no limite da zona terrestre do mangue nas cabeceiras do Igarapé Prauajó; deste, segue acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, pela margem esquerda do Igarapé Araquaim, no sentido montante, e passando pela margem esquerda do Igarapé Cacheira, no sentido montante, percorre uma distância de 4.787,70 metros, até o Ponto 14, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado no limite da zona terrestre do mangue, nas cabeceiras do Igarapé Cacheira; deste, segue pela margem direita do Igarapé Cacheira, no sentido jusante, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, até alcançar a margem esquerda do Igarapé Araquaim, por onde segue, no sentido montante, acompanhando sempre o limite da zona terrestre do mangue, por uma distância de 6.892,42 metros, até o Ponto 15, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado nas cabeceiras do Igarapé Araquaim, nas proximidades da Vila de Araquaim; deste, segue pela margem direita do Igarapé Araquaim, no sentido jusante, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue, alcançando a Ilha Redenção e todos os seus terrenos de marinha, até o limite da preamar máxima; segue pela margem direita do Furo do Pacamurema, no sentido jusante, acompanhando o limite da zona terrestre do mangue e todos os terrenos de marinha, até o limite da preamar máxima, alcançando a margem esquerda do Igarapé Simoa, segue por esta margem, no sentido montante, passando pela linha de preamar máxima na área urbana do Distrito de Caratateua e da Vila Simoa, percorrendo assim uma distância de ,37 metros, até o Ponto 16, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado no limite da zona terrestre do mangue, nas cabeceiras do Igarapé Simoa; deste, segue, acompanhando a linha divisória dos Municípios de Curuçá e Marapanim, acompanhando o leito do Igarapé Simoa, no sentido jusante deste, alcançando a Baía de Cajuteua, segue pelo citado limite municipal, que divide a Baía de Cajuteua, percorrendo uma distância de ,42 metros, até o Ponto 17, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado na Baía de Cajuteua, a uma distância de uma milha náutica da Ilha de Cipoteua; daí, segue por uma linha eqüidistante de um milha náutica da linha de costa da Ilha de Cipoteua, percorrendo uma distância de 5.389,36 metros, até o Ponto 18, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado em águas territoriais brasileiras, eqüidistante em uma milha náutica da linha de costa da Ilha de Cipoteua; deste, segue por uma reta de azimute " e uma distância de 7.481,44 metros, até o Ponto 19, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado em águas territoriais brasileiras, eqüidistante em uma milha náutica da linha de costa da Ilha Mariteua; deste, segue por uma linha eqüidistante em uma milha náutica do perfil da costa das Ilhas de Mariteua, Ipomonga e Mutucal, e por

14 uma distância de ,24 metros, até o Ponto 20, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado sobre a linha divisória dos Municípios de São Caetano de Odivelas e Curuçá, na foz do Rio Mocajuba, quando este deságua no Oceano Atlântico; deste, segue acompanhando a citada linha divisória municipal no leito do Rio Mocajuba, no sentido montante, por uma distância de ,44 metros, até o Ponto 21, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado sobre o ponto de intersecção entre as linhas divisórias dos Municípios de São João da Ponta, Curuçá e São Caetano de Odivelas, sobre o leito do Rio Mocajuba; deste, segue acompanhando a linha divisória dos Municípios de São João da Ponta e Curuçá, sobre o leito do Rio Mocajuba, por uma distância de ,66 metros, até o Ponto 22, de coordenadas geográficas aproximadas " WGr e " S, localizado sobre a linha divisória dos Municípios de São João da Ponta e Curuçá, no leito do alto Rio Mocajuba; deste, segue por uma reta de azimute " e uma distância de 86,37 metros, atravessando o Rio Mocajuba, até o Ponto 01, início desta descritiva, perfazendo assim um perímetro aproximado de quatrocentos e trinta e oito mil, seiscentos e doze metros e quarenta e um centímetros. Parágrafo único. Ficam excluídos dos limites descritos no caput deste artigo todos os terrenos localizados fora da influência da preamar máxima nas Ilhas de Cipoteua, Pacamurema, Mariteua, Ipomonga e Mutucal. Art. 3 o Caberá ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis-IBAMA administrar a Reserva Extrativista Mãe Grande de Curuçá, adotando as medidas necessárias à sua efetiva implantação, formalizando o contrato de cessão de uso gratuito com a população tradicional extrativista, para efeito de sua celebração com a Secretaria do Patrimônio da União do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, e acompanhar o cumprimento das condições nele estipuladas, na forma da lei. Art. 4 o Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 13 de dezembro de 2002; 181 o da Independência e 114 o da República. FERNANDO HENRIQUE CARDOSO José Carlos Carvalho III. TOPONOMIA A toponímia foi verificada junto aos órgãos oficiais (IBGE, SECTAM, DHN/MB, etc...) para a compatibilização das várias nomenclaturas adotadas na região. A pesquisa nestes órgãos oficiais permitiu verificar que a área de trabalho é conhecida como: Ilha dos Guarás e/ou Ilha Mariteua (Figuras 03, 04 e 05). Os nomes de Tijoca e Romana são utilizados para indicação das pontas. Assim: (i) a Ponta de Tijoca fica localizada em 00º 33 44S e 47º 53 30W e (ii) a Ponta da Romana em 00º 34,5S e 47º

15 54,0W, na Barra do rio Pará (www/dhn.mar.mil.br). Ainda, no Parágrafo único da RESEX Marinha de Curuçá (II.2.2.), utiliza-se o termo de Mariteua para a ilha-alvo desta pesquisa. IV. ASPECTOS FÍSICOS - GEOMORFOLOGIA E GEOLOGIA São apresentados os seguintes aspectos: (i) geomorfologia costeira da Ilha dos Guarás (Mariteua) e da região adjacente, e os ambientes associados, (ii) condições geológicas á nível regional e local, estratigrafia do Subsolo Raso e condições sísmicas. IV.1. Geomorfologia (Figura 06) Segundo Barbosa & Pinto (1973), o relevo litorâneo do município de Curuça sugere que a costa apresenta-se em submersão, semelhante ao quadro regional de rias do NE do Pará, representados por vales afogados, obliterada pela sedimentação pelítica flúvio-marinha. IV.1.1. Planalto Rebaixado da Amazônia Grande parte das formas de relevo da área fazem parte do Planalto Rebaixado da Amazônia, que estão esculpidos nas formações do Grupo Barreiras e nos depósitos pleistocênicos do Pós-Barreiras, onde a cobertura vegetal é do tipo floresta secundária (capoeira). Assim, destaca-se o sistema de relevo colinoso, no qual tratam-se de colinas extensas de topo plano, localmente arredondado, com formas irregulares. São de pequena amplitude, com cotas que não ultrapassam os 60 m e declividades com valores menores que 5%. Esta unidade ocorre principalmente na Ilha do Mutucal, sendo a sua margem norte, ocupada por terrenos baixos, sendo inundados pelas marés (manguezal). Ocorre ainda na parte sudeste da Ilha de Ipomanga e na ilha dos Guarás, está é soterrado. IV.1.2. Planície Flúvio-Marinha Esta unidade regional ocorre a norte do município de Curuçá, e desenvolve-se com certa orientação (NE-SW), adentrando o relevo continental nas direções NW-SE e N-S. Ocorrem os sistemas de Planície Costeira, Terraços Marinhos e Mangues. O sistema de Planície Costeira são terrenos relativamente planos, ocorrendo descontinuidade na orla litorânea. Este sistema é representado pela seguintes formas: cordões litorâneos, praias, dunas, barras emersas e bancos pré-litorais. O Sistema de Terraço Marinho constitue superfícies aplainadas por agradação, no entanto, atualmente sofre, em parte, efeitos erosivos em função das marés. Este sistema de relevo é excelentemente representado pelos terraços da Ilha de Ipomonga. Esta unidade regional é compartimentada em três unidades geomorfológicas: (1) planície aluvial, com canal fluvial, diques marginais e planície de inundação; (2) planície estuarina, com canal estuarino, subdividido em curso superior, segmento reto, segmento meandrante e funil estuarino e (3) planície costeira, com ambientes de pântano salino (interno e externo),

16 planície de maré (manguezais de supramaré, intermaré e inframaré), planície arenosa com baixios de maré, dunas costeiras ativas e inativas, deltas de maré enchente e vazante e praias-barreira - barrier-beach ridge ) e cheniers. IV Manguezais São caracterizados por terrenos baixos quase horizontais, constituídos por sedimentos lamosos ricos em matéria orgânica com intensa bioturbação e fitoturbação, sob influência das marés (SILVA JR. E EL-ROBRINI, 2000). São desenvolvidas nas baías estuarinas e recortadas por córregos e canais de maré. Os manguezais são bordejados por praias e estão presentes também na porção interna, junto aos cheniers e os depósitos arenosos das praiasbarreira ( barrier-beach ridge ). Esta unidade ocorre na margem norte da Ilha do Mutucal, na Ilha do Ipomanga (quase totalidade) e na Ilha dos Guarás numa maneira isolada na parte meridional. IV Chenier São paleo-cordões praias (na ultrapassando a altura de 2m) e duna-praia repousando sobre depósitos lamosos de manguezais, isolados dos processos costeiros por uma planície lamosa subseqüente, implicando geneticamente que a progradação da planície lamosa foi interrompida pela formação do chenier. São colonizados por vegetação do tipo arbustivo (SILVA JR. E EL-ROBRINI, 2001). Esta unidade é basicamente representada isolodamente no meio do Manguezal nas Ilhas do Ipomanga e Guarás. IV Dunas Costeiras As dunas tem forma linear, às vezes piramidal, e são transversais à direção principal do vento. Estas dunas estão recobertas total ou parcialmente por vegetação. Estão distribuídas na Ilha dos Guarás, e separam as praias dos manguezais. São constituídas por areias finas a muito finas, localizados principalmente na parte inferior. IV Deltas de Maré São barras arenosas coalescentes, normais à costa, expostas durante a maré baixa, e recortadas por canais de maré rasos. Este sistema contém uma variedade de formas de leito, entre elas, marcas onduladas em várias escalas e sand waves. São constituídas por areias finas a muito finas, bem selecionadas, contendo fragmentos de conchas. Ocorrem nos limites dos canais de maré, e configuram deltas de maré vazante, com suas barras e canais associados. São observados na Ilha dos Guarás.

17 IV Praia-Barreira ( Barrier-Beach Ridge ) São as áreas mais dinâmicas da planície costeira, e configuram elevações arenosas, que se estendem desde o cordão de dunas vegetadas até a linha média de maré baixa de sizígia. Margeiam as áreas de manguezais interiores, e são dominadas pelos processos de macromaré semidiurna. As praias-barreira são constituídas essencialmente por cordões arenosos lineares, constituídos, principalmente, de areias quartzosas unimodais finas, de coloração cinza clara a esbranquiçada, bem selecionadas, com fragmentos de conchas, plantas e outros organismos. As Pontas da Romana e de Tijoca são praias-barreiras, formadas por um conjunto de barras coalescentes, podendo indicar um processo de progradação. IV.2. Litoestratigrafia Os sedimentos principais reconhecidos nesta região são representados pela formação do Grupo Barreiras (Terciário Inferior), Pós-Barreiras e recentes (Quaternário). As unidades litoestratigráficas aflorantes na região da Ilha dos Guarás (Mariteua) inclui exclusivamente sedimentos cenozóicos. A estruturação fisiográfica da região é sustentada pela formação do Grupo Barreiras. Segundo ROSSETTI et al. (1989), o Grupo Barreiras possui litofácies siliciclásticas. GOÉS & TRUCKENBRODT (1980) dividem o Grupo Barreiras em três litofácies: argilo-arenosa, arenosa e conglomerática. ROSSETTI et al. (op cit.) conseguiram identificar treze litofácies para os sedimentos Barreiras e Pós-Barreiras do NE do Pará. Os depósitos sedimentares da formação Pós-Barreiras repousam sobre os sedimentos do Grupo Barreiras, e destes separam-se por uma discordância erosiva (Sá, 1969). Constituem-se de sedimentos areno-argilosos, mal selecionados, depositados a partir da atuação de movimentos gravitacionais (ROSSETTI, op cit.). COSTA et al. (1991) incluem esses depósitos como pleistocênicos juntamente com o arenito pilões, cujas estruturas sugerem a presença de um paleolitoral com barras arenosas, planícies de maré e pântanos de supramaré. O Quaternário é representado por sedimentos areno-argilosos pleistocênicos do Pós-Barreiras e pelos depósitos da planície aluvionar, estuarina e costeira da cobertura sedimentar recente. Em cima dos sedimentos do Grupo Barreiras, ocorrem os sedimentos Pós-Barreiras, sendo estes amarelados sobrepostos ao Grupo Barreiras (SILVA & LOEWENSTEIN, 1968). Estes sedimentos são areno-argilosos, de granulometria grossa, amarelados e inconsolidados, que recobrem discordantemente o Grupo Barreiras. ROSSETTI et al., (1989) denominaram fácies areno-argilosa geralmente maciça, para a unidade Pós-Barreiras, no qual a deposição está relacionada à atuação de movimentos gravitacionais, associados à dissipação de dunas na faixa litorânea. IV.3. Estratigrafia do Subsolo Raso Na Planície Costeira de Curuçá, em particular na planície arenosa (praias) ao norte, trabalhos versando sobre as condições estratigráficas do subsolo são escassos, porém a título de exemplo, levantamentos em áreas geológicas similares na Planície Costeira da Ilha de Itarana (SILVA JUNIOR e EL-ROBRINI, 1999, SILVA Jr. e EL-ROBRINI, 2001) e Planície Arenosa de Atalaia - Salinópolis)(ROSSETI et al., 2002), dão noções da

18 profundidade do embasamento rochoso: (i) Ilha de Itarana - na planície arenosa, sobretudo na Ponta da Baixinha, testemunhos foram feitos no subsolo arenoso e o embasamento constituído pela formação do Grupo Barreiras deve ocorrer a uma profundidade de no mínimo de 10m. Observações de campo indicam ainda afloramentos rochosos na franja submersa rasa. Em regra geral, os depósitos são formados por camadas de areias e lamas; (ii) Praia de Atalaia - o mapa de isópacas mostra o topo do embasamento miocênico (representado pela formação Pirabas) ocorre na faixa de profundidade de 3m a 13m. IV.5. Condições Sísmicas Neste capítulo, procurou-se conhecer a ocorrência de sismos (MOLINA, 1995) na região da Ilha dos Guarás (Mariteua). Esta ilha faz parte integrante do litoral do NE do Pará, instalado numa margem continental, considerada como relativamente estável (Figura 07). Porém, a ideia propagada por muito tempo de um Brasil essencialmente estável, livre da ocorrência de terremotos é errônea. A sismicidade brasileira é modesta se comparada a da região andina, mas é significativa porque aqui já ocorreram vários tremores com magnitude acima de 5,0 indicando que o risco sísmico no Brasil não pode ser simplesmente ignorado. A título de exemplo, dezenas de relatos históricos sobre abalos de terra sentidos em diferentes pontos do país e eventos como o do Ceará (1980/mb=5.2) e a atividade de João Câmara, RN (1986/mb=5.1) mostram que os sismos podem trazer danos materiais, ocasionar transtornos à população e chegar, em alguns casos, a levar pânico incontrolável às pessoas. Afortunadamente, tremores maiores como o de Mato Grosso (1955/mb=6.6), litoral do Espirito Santo (1955/mb=6.3) e Amazonas (1983/mb=5.5) ocorreram em áreas desabitadas. Na área de influência da Ilha dos Guarás (Mariteua), não observou-se ocorrência de sismos, uma vez que as figuras 07 e 08 relatam apenas os sismos com 3 ou mais de magnitude. No entanto, ocorrências de tais eventos foram constatados na Baía de Marajó (Figura 08). Nota-se que a ocorrência de sismos com menos de 3 de magnitude, em regra geral, não são perceptíveis pelo homen e poderiam e/ou não ocorrer na região da Ilha dos Guarás. IV.6. Dinâmica Costeira A erosão praial é um dos fenômenos mais impressionantes entre os processos costeiros, que acabou transformando-se em um problema emergencial, na maioria das áreas costeiras do mundo. A erosão costeira é o resultado de uma complexa interação entres os processos físicos, movimentos combinados de águas induzidos pelas ondas incidentes e de tempestades, marés e correntes litorâneas, interagindo com a costa. Trabalhos sobre o transporte de sedimentos na zona costeira norte (onshore/offshore, crosshore, onshore, offshore e offshore/onshore) são escassos. No entanto, observações feitas na praia de Ajuruteua, mostram a ocorrência de mudanças na deriva litorânea de um setor a outro, onde existem duas direções preferenciais, devido principalmente, às variações na orientação da linha de costa e nas condições oceanográficas. Durante o período seco, ocorre transporte "onshore", e durante o período chuvoso, o transporte é "offshore". Nesta praia, o recuo máximo de linha de costa foi de até 25m ( ), apresentando um

19 balanço positivo para um setor, em sua variação de volume (50,14m 3 /m) e para outro, um severo processo de erosão, indica um balanço negativo (47,65m 3 /m). FRANÇA (2003) mostra que toda a margem leste da ilha de Marajó (Soure e Salvaterra) sofreu o predomínio da erosão nos últimos 15 anos, sendo um total de 2.02km2 de áreas erodidas e 0.61km2 de áreas progradadas. Os balanços negativos (perdas sedimentares) estão relacionados, principalmente, às zonas de intermaré superior, quando ocorre erosão das dunas frontais. Os balanços positivos (ganhos sedimentares) são justificados pela migração de bancos arenosos e retrabalhamento dos sedimentos pelas marés de sizígia que retiram sedimentos da zona de intermaré superior, transportando-os para as zonas de intermaré média e inferior. V. PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA DO PARÁ A plataforma continental interna, limitada offshore pela isóbata de 20 m (Figura 09) possui um relevo suave, ocorrendo pequenas irregularidades, devido à presença de canais e ondulações. A Plataforma Continental Interna do Pará é desenvolvida na faixa de 0 a 30m e apresenta um gradiente bastante suave de 3.5, com uma largura máxima de 90km. Os fundos marinhos são em regra geral, na maioria arenosos e ocupados por várias estruturas arenosas, Na foz do rio Pará, as estruturas arenosas apresentam-se alongadas e orientadas segundo a direção NE-SW, a mesma das correntes de maré: Coroa Grande, da Muriçoca, Banco São João, Espadarte, Coroa das Gaivotas e na plataforma continental interna, Bancos Hylas, Beckle, Marapanim, Maracanã, Bragança, Salinópolis, entre outros (Figura 03). No entanto, ocorrem afloramentos rochosos (Lateritas da Formação Barreiras) em determinados pontos, por exemplo: pedra da Cerveja, da Corvina, Manuel Luís na frente de Salinópolis. A figura 10 mostra os fundos arenosos adjacentes a Ilha dos Guarás. Entretanto, pode-se observar também o canal do Espadarte, numa posição de inter-bancos. No fundo deste canal, jaz uma crista arenosa submarina alongada. Todas as estruturas arenosas apresentam uma direção preferencial, que é das correntes de marés. Lembra-se que os dispositivos arenosos submarinos (são chamados ainda de dunas hidráulicas) apresentam-se em regra geral, dinâmicos. Não se tem trabalhos versando estes processos, porém, trabalhos realizados na Baía de São Marcos (El-Robrini, 1990, 1992), particularmente no setor de Itaqui mostraram uma evolução rápida dos fundos estuarinos, caracterizada por migrações de bancos arenosos, cuja velocidade alcançou 100m/ano. VI. ASPECTOS CLIMATOLÓGICOS & METEOROLÓGICOS Neste bloco, é apresentado o cenário climatológico e meteorológico (brisas marítimas e terrestres, Linhas de Instabilidade, ZCIT, Ondas de Leste, além, do conhecimento meteorológico (precipitação, ventos, temperatura de superfície do mar) na área de estudo. A homogeneidade térmica apresenta um contraste com a variabilidade espacial e temporal das chuvas, cuja precipitação anual supera mm no litoral. Inúmerous fenômenos atuam na região, isolados ou combinados entre si: circulações de Hadley-Walker, Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), elevado albedo da superfície, penetração de Sistemas

20 Frontais, anomalias de temperaturas das águas oceânicas do Atlântico e do Pacífico, mecanismos de brisas marítimas e terrestres, linhas de instabilidade, mecanismos atmosféricos de grande escala, etc. A própria topografia da região parece ser determinante em escala local - as chuvas de barlavento são destacavelmente mais abundantes que as de sotavento; em alguns locais, a circulação de vale e de montanha parece importante. VI.1. CLIMA NA FAIXA LITORÂNEA DO ESTADO DO PARÁ O regime meteorológico do litoral norte (N) e região oceânica contígua é regido e influenciado por sistemas de várias escalas, que interagem entre si, sendo eles sistemas de grande escala: zonas de convergências ligadas a circulações térmicas diretas que migram sazonalmente aproximadamente de noroeste para sudeste, provocando por exemplo, o aquecimento diabático no verão do HS responsável pela formação da Alta da Bolívia (AB) e o vórtice ciclônico do NEB; sistemas de escala sinótica (cerca de 1000 km): formação de aglomerados convectivos associados à ZCAS, no oeste do nordeste; sistemas sub-sinóticos (menores que 500 km): aglomerados de cumulonimbus (Cb) associados às linhas de instabilidade (LI), tipicamente surgindo na Costa Atlântica, forçadas pela circulação da brisa marítima e propagando-se para sudoeste (COHEN, 1989 e COHEN et al., 1995); sistemas de meso-escala e pequena escala: aglomerados de Cb (aproximadamente 100 km) e célula isolada de Cb (de 10 a 20 km). A região litorânea situa-se na região equatorial e possui um clima quente e úmido. A precipitação na região resulta, portanto, destes sistemas dinâmicos que a afetam sazonalmente, sendo mais intensa no verão e outono do HS. A precipitação neste período apresenta um padrão característico da circulação, principalmente durante o verão da América do Sul (SATYAMURTY et al., 1998). A presença da ZCIT na região propicia a formação de linhas de instabilidade convectiva (LI), que se propagam do litoral para o interior do continente, conforme mostra COHEN (1989) e COHEN et al. (1995). A ZCIT é caracterizada nos oceanos pela confluência dos alísios e máximas temperaturas de superfície do mar (TSM). O movimento sazonal norte-sul da ZCIT está associado ao deslocamento sazonal da região de máxima TSM sobre os oceanos tropicais, atingindo a posição mais ao norte em torno de 12 o N e mais ao sul em torno do Equador e cuja posição média anual é aproximadamente 5 o N (HASTENRATH e HELLER, 1977; CITEAU et al., 1988a e 1988b; WAGNER, 1996; UVO et al., 1998). Na faixa costeira, tem como principais características climáticas, temperaturas oscilando entre a máxima de 30 o C e mínima de 22 o C. A temperatura da água do mar varia de 27 o C no verão a 24 o C no inverno. A época de chuvas concentra-se entre fevereiro e abril, com um máximo de 216 dias de Sol ao ano e mínimo de 200 dias de insolação. Os totais pluviométricos variam de 1750 mm a 3250 mm (MARTORANI et al., 1993). As variações da precipitação, temperatura do ar (médias, máximas e mínimas), da TSM, o período mais e menos chuvoso, o número aproximado de dias de Sol durante o ano e o gradiente de precipitação no litoral do Pará são representadas a seguir.

ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ):

ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ASPECTOS FÍSICOS, METEOROLÓGICOS. & OCEANOGRÁFICOS (Figuras) CLIENTE: COMPANHIA DOCAS DO PARÁ - CDP EXECUTORES: Cartografia, Hidrografia e

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2003 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A primavera começa neste ano às 07:47h do dia 23 de setembro e vai até 05:04h (horário de Verão) de Brasília, do dia

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

DECRETO DE 13 DE DEZEMBRO DE 2002. Cria a Reserva Extrativista Maracanã, no Município de Maracanã, no Estado do Pará, e dá outras providências.

DECRETO DE 13 DE DEZEMBRO DE 2002. Cria a Reserva Extrativista Maracanã, no Município de Maracanã, no Estado do Pará, e dá outras providências. DECRETO DE 13 DE DEZEMBRO DE 2002 Cria a Reserva Extrativista Maracanã, no Município de Maracanã, no Estado do Pará, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006.

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006. CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLOGICA E PA COSTEIRA DE PANAQUATIRA, MUNICIPIO DE SÃO JOSÉ DE RIBAMAR-MA SOUZA, U.D.V¹ ¹NEPA/UFMA, e-mail: ulissesdenache@hotmail.com PEREIRA, M. R. O² ²UFMA, e-mail: mayrajany21@yahoo.com.br

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos É na faixa litorânea em que se encontra situada uma parcela significativa dos bens públicos, uma vez que, por disposição contida na Constituição Federal de 1988,

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL 3.1 CONSIRAÇÕES INICIAIS O meio natural representa um dos grandes bens da humanidade, pois sobre ele o homem desencadeia suas ações e se apropria de acordo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente.

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002 (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento,

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES DINÂMICA COSTEIRA DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES A costa é onde a terra, a água e o ar se encontram. As águas desta junção tríplice podem ser doces o salgadas. A costa é melhor observada como zona de mistura ou

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900 MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP Maurício César Sinício Abib 1 ; Kátia Cristina Cruz Capel 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 1 abib.mauricio@hotmail.com 1 - Laboratório de Estratigrafia

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro.

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A Primavera começa este ano às 22h04min (hora de Brasília), no dia 22 de setembro e termina às 17h20min (horário de

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Mudanças. climáticas. globais CAÇANDO INDICADORES NO NORDESTE BRASILEIRO. Litoral cearense, junto à foz do rio Jaguaribe

Mudanças. climáticas. globais CAÇANDO INDICADORES NO NORDESTE BRASILEIRO. Litoral cearense, junto à foz do rio Jaguaribe Mudanças climáticas globais CAÇANDO INDICADORES NO NORDESTE BRASILEIRO Litoral cearense, junto à foz do rio Jaguaribe 32 CiênCia Hoje vol. 46 nº 272 As mudanças climáticas globais atraem hoje a atenção

Leia mais

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley)

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley) CAPÍTULO 8 CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA 1 CLIMA I 8.1 CIRCULAÇÃO GLOBAL IDEALIZADA Nosso conhecimento dos ventos globais provém dos regimes observados de pressão e vento e de estudos teóricos de movimento dos

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL QUESTÃO 01 - A Terra é, dentro do sistema solar, o único astro que tem uma temperatura de superfície que permite à água existir em seus três estados: líquido, sólido e gasoso.

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL Essa aula vai permitir que você conheça elementos e fatores do clima, as relações entre eles, os tipos de climas do Brasil e as características dos domínios morfoclimáticos

Leia mais

Exercícios - Fatores Exógenos

Exercícios - Fatores Exógenos Exercícios - Fatores Exógenos 1. A figura abaixo retrata a barreira que o relevo representa para os ventos e as massas de ar. Com base nesta figura são feitas as seguintes afirmativas: ( F ) As letras

Leia mais

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 11 de novembro de 2004 Número 11 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 CARACTERIZADO O INÍCIO DO FENÔMENO

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET

Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET I N F O C L I M A BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 14 de fevereiro de 2004 Número 2 Divisão de Operações Chefia: Dr. Marcelo Seluchi Editor: Dr. Marcelo Seluchi Elaboração: Operação Meteorológica

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

Efeitos das Mudanças Globais Sobre os Estuários.

Efeitos das Mudanças Globais Sobre os Estuários. SBPC - 2010 UFRN - Natal, julho de 2010 Efeitos das Mudanças Globais Sobre os Estuários. Carlos A.F. Schettini Laboratório de Oceanografía Física Instituto de Ciências do Mar Universidade Federal do Ceará

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 INMET e CPTEC/INPE PREVISÃO DE NORMALIDADE DAS CHUVAS E DAS TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS Sumário

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

PROGNÓSTICO DE VERÃO

PROGNÓSTICO DE VERÃO 1 PROGNÓSTICO DE VERÃO (Janeiro, Fevereiro e Março de 2002). O Verão terá início oficial às 17h21min (horário de verão) do dia 21 de dezembro de 2001 e estender-se-á até às 16h15min do dia 20 de março

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR Celia Regina de Gouveia Souza Pesquisadora Científica - Instituto Geológico-SMA/SP Profa. Colaboradora

Leia mais

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS Aracy Losano Fontes¹; Aracy Losano Fontes Correia²; Neise Mare de Souza Alves³; Débora Barbosa da Silva 4 aracyfontes@yahoo.com.br

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012 PROF. FERNANDO NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 O mês de julho foi caracterizado pela presença de sete sistemas frontais,

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO DE 21 DE JUNHO DE 2006. Vide Medida Provisória nº 542, de 2011 Vide Medida Provisória nº 558, de 2012 Cria o Parque Nacional

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS. Profº. Neto

RECURSOS HÍDRICOS. Profº. Neto RECURSOS HÍDRICOS Profº. Neto A DINÂMICA DA HIDROSFERA Distribuição global de água DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DAS ÁGUAS DOCES Disponibilidade de água (2000 e 2050) UTILIZAÇÃO DA ÁGUA O sistema hidrológico

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 16 Ação Geológica do Vento Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Stanley Breeden/DRK Ação Geológica do vento

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DOS MUNICÍPIOS COSTEIROS DE COLARES E SANTO ANTÔNIO DO TAUÁ, PARÁ BARBOSA, E. J. S. 1 FRANÇA. C. F. 2

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DOS MUNICÍPIOS COSTEIROS DE COLARES E SANTO ANTÔNIO DO TAUÁ, PARÁ BARBOSA, E. J. S. 1 FRANÇA. C. F. 2 COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DOS MUNICÍPIOS COSTEIROS DE COLARES E SANTO ANTÔNIO DO TAUÁ, PARÁ BARBOSA, E. J. S. 1 1 Universidade Federal do Pará, Mestrado em Geografia Rua Augusto Corrêa, n.º 1, Guamá,

Leia mais

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo O Clima do Brasil É a sucessão habitual de estados do tempo A atuação dos principais fatores climáticos no Brasil 1. Altitude Quanto maior altitude, mais frio será. Não esqueça, somente a altitude, isolada,

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 18 Praias e Ambiente Marinho Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Praias Definição de praia zona de material

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM Manaus 21 de Novembro de 2012 LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM 1. INTRODUÇÃO Por solicitação da Câmara dos Vereadores da cidade de Manaus,

Leia mais

3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO

3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO 16 3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO De acordo com a o Anuário Estatístico do Município de Belém (2006), o município de Belém, no Estado do Pará, limita-se ao norte com a Baía do Marajó, a sul com o

Leia mais

Adversidades Climáticas Geradoras de Eventos de Inundação. Camila Cossetin Ferreira camila.ferreira@crs.inpe.br

Adversidades Climáticas Geradoras de Eventos de Inundação. Camila Cossetin Ferreira camila.ferreira@crs.inpe.br Adversidades Climáticas Geradoras de Eventos de Inundação Camila Cossetin Ferreira camila.ferreira@crs.inpe.br Introdução Circulação Geral da Atmosfera Massas de Ar que Afetam a América do Sul Sistemas

Leia mais

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972). Figura 2.2: Contexto geológico-estrutural da costa amazônica. Compilado a partir de Bizzi et al., 2001; Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008

DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008 DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008 Declara como Área de Proteção Ambiental APA a região que compreende os Municípios de Itamaracá e Itapissuma e parte do Município de Goiana, e dá outras providências.

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO 1.0. O que é o El Nino? É o aquecimento anômalo das águas superficiais na porção leste e central do oceano Pacífico equatorial, ou seja, desde a costa da América do Sul até

Leia mais

Relatório Parcial III

Relatório Parcial III Fundo Para o Meio Ambiente Mundial Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS, CONSIDERANDO

Leia mais

Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum

Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum Restinga é um termo bastante discutido, tanto por sua origem, se portuguesa, espanhola ou inglesa, quanto por seus conceitos. Várias definições

Leia mais

GEOGRAFIA. c) quanto menores os valores de temperatura e pluviosidade, maior é a

GEOGRAFIA. c) quanto menores os valores de temperatura e pluviosidade, maior é a GEOGRAFIA QUESTÃO 17 A imagem abaixo retrata um dos agentes modeladores da supefície terrestre. Sobre a ação destes agentes externos sobre as rochas todas as afirmações são verdadeiras, EXCETO: a) a profundidade

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

Fundação Universitária para o Vestibular (FUVEST USP) FUVEST 2013

Fundação Universitária para o Vestibular (FUVEST USP) FUVEST 2013 Fundação Universitária para o Vestibular (FUVEST USP) FUVEST 2013 01 (FUVEST 2013) - Entre as características que distinguem a água do mar das águas dos rios continentais, destaca-se a alta concentração

Leia mais

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 1. Introdução O inverno de 2011 foi marcado por excessos de chuva na Região Sul do país que, por sua

Leia mais

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO Ministério do Meio Ambiente EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO 1 organização Dieter Muehe 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministra do Meio Ambiente Marina Silva Secretário

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

Aspectos Territoriais: Relevo

Aspectos Territoriais: Relevo América Latina: Aspectos Geográficos Aspectos Territoriais: Relevo América do Sul: diversidade do relevo: O relevo sul americano está distribuído em três grandes porções: Porção leste: formado por um relevo

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO

SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO DEMARCAÇÃO LPM 1831 Departamento de Caracterização do Patrimônio/SPU 1 DEMARCAÇÃO DA LPM 1831 Manual de Regularização Fundiária. Instituto Pólis, Brasília. MPOG, 2007. 2 Demarcação: LPM de1831 TERRENOS

Leia mais

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI v.6, n. 01, jan. 2011 Bol. Mon. Bacia do Alto Paraguai, Brasília, v. 6, n. 01, p. 1-21, jan. 2011 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

EIA - Porto Pontal Paraná

EIA - Porto Pontal Paraná EIA - Porto Pontal Paraná 4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO O conceito de área de influência é de difícil operacionalização prática, particularmente quando se trata da abordagem de processos e estruturas

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

Massas de Ar e Frentes

Massas de Ar e Frentes Massas de Ar e Frentes Propriedades das Massas de Ar Massas de Ar adquirem as propriedades da superfície subjacente As massas de ar são classificadas de acordo com seu local de origem Características

Leia mais

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ;

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ; Estudo da Dinâmica Costeira da Praia de Piratininga em Niterói (RJ), analisando a relação homem-natureza através da intervenção da sociedade em um ambiente praial. SILVA, Mariana da Costa 1 ; COSTA, Bruno

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 PERMANECE A TENDÊNCIA DE CHUVAS ABAIXO DA MÉDIA NA REGIÃO SUL SUMÁRIO EXECUTIVO A primeira semana da estação de inverno,

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais