Em tempos de praticar o mutualismo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Em tempos de praticar o mutualismo"

Transcrição

1 Reflexões Em tempos de praticar o mutualismo Montepios, Tontinas e ROSCA s Montepios Consta que foi Francisco de Assis 1 quem fundou, em 1674, a primeira casa que concedia empréstimos a pobres com garantia de roupas, móveis e outros objectos de casa. Em italiano chamavam-se Monte di Pietá. De Itália a ideia passou para França onde se chamavam Mont-de-Pieté. Para Espanha com o nome de Monte Pio ou Montepio. E para Portugal com o nome de Montepio. Tontinas É outra espécie de associação mútua a que estão associados os Montepios. Foram concebidas inicialmente pelo banqueiro napolitano Lorenzo de Tonti (daí o nome de Tontinas) para angariar fundos para um Cardeal. Funcionavam inicialmente assim: cada membro depositava certa ou certas quantias em dinheiro para constituir uma renda vitalícia que, em data determinada, era repartida pelos membros ou atribuído o saldo da tontina aos sobreviventes. Mais tarde algumas previam o pagamento periódico de rendimentos. Vieram a ser proibidas (na acepção de seguro e levantamento de capital) porque os membros vivos eliminavam-se uns aos outros para diminuírem o leque de pessoas que recebiam o capital investido no fim do prazo 2. ROSCA s Rotating Savings and Credit Associations (associações mútuas de poupança e crédito) Encontram-se um pouco por todo o mundo e com diferentes nomes em diferentes regiões e países. 1 Sendo o Presidente da Assembleia-Geral do Montepio Geral, o Sr. Pe. e Dr. Vítor Melícias, o leader dos franciscanos portugueses, quem melhor para interpretar o pensamento de São Francisco de Assis? Portanto para nos ensinar como deve ser o mutualismo temos seguramente o melhor interlocutor do mundo nas nossas fileiras. 2 Veja-se o filme The Wrong Box com base no romance policial com o mesmo título que retrata essa realidade. 1

2 Estas instituições serão as herdeiras e sucessoras das Tontinas. Consistem num grupo de pessoas, por exemplo 10, que se juntam e associam e contribuem, por mês, com, por exemplo, 20 euros para um fundo durante 1 ano. O elemento mais rico ou o mais capaz é quem fica com o dinheiro. O capital acumulado é emprestado a um dos membros, que paga juros aos membros do grupo e amortiza a dívida ao fim do prazo fixado. O total da ROSCA é devolvido no final aos participantes, conforme ficou inicialmente estipulado, ou aos sobreviventes, ou ao último sobrevivente, ou ao que for escolhido à sorte. São intermediários financeiros do sector financeiro informal com grande impacto nos países em vias de desenvolvimento, no âmbito das políticas de desenvolvimento e alívio da pobreza (microcrédito). Corporate Governance O que quer significar Corporate Governance? É o conjunto de boas práticas a adoptar por uma entidade com vista a um modelo estrutural eficiente quanto: À gestão; Ao relacionamento com os associados; Ao relacionamento com os trabalhadores; Ao relacionamento com os clientes e outras entidades em geral. Trata-se, pois, dos mecanismos que asseguram aos associados uma gestão transparente e o retorno do seu investimento, o que na prática se traduz: Em primeiro lugar, nos modos de eleição dos corpos sociais, no sentido de que quanto maior for a influência dos associados e transparência neste processo, melhor o nível de governance. Em segundo lugar, na separação de funções entre os administradores, na especialização da supervisão (o Conselho Fiscal) de forma a permitir mais transparência e um controlo independente das contas e actos de gestão, além 2

3 da fixação de matérias que constituem conflitos de interesses dos membros dos corpos sociais. Em terceiro lugar, no modelo de relacionamento com os trabalhadores. Um modelo que induz a falta de diálogo ou qualquer forma de retracção da criatividade dos trabalhadores não pode gerar eficiência nos resultados. Em quarto lugar, o relacionamento com os associados e clientes e outras entidades em geral. Quanto aos clientes, pontos como a estratégia do negócio e o controlo de risco, para além das formas de medir a sua satisfação, são critérios para se avaliar da bondade do modelo de governação. Já quanto aos associados, o princípio uma pessoa um voto é sinónimo do melhor que há em matéria de modelo de governação. A ligação Associado Associação (ou seja, participação nas AG segundo o princípio uma pessoa um voto e a maior proactividade nas relações dos órgãos de gestão versus Associado no ínterim entre Assembleias-Gerais) é que é o objectivo máximo, o objectivo essencial das boas práticas a que se reconduz a essência da corporate governance, posto que, como se disse atrás: quanto maior for a influência dos associados, melhor o nível de governance. Sector social da economia Resulta dos artigos 80.º e 82.º da Constituição a existência de três sectores de propriedade dos meios de produção, cuja coexistência o Estado tem que garantir, a saber: Público; Privado; Cooperativo e social. 3

4 O sector cooperativo e social que não é residual compreende especificamente (além de outros casos): os meios de produção possuídos e geridos por pessoas colectivas, sem carácter lucrativo, que tenham como principal objectivo a solidariedade social, designadamente entidades de natureza mutualista. O Montepio Geral Associação Mutualista é uma Instituição Particular de Solidariedade Social. A Caixa Económica Montepio Geral anexa é um estabelecimento dependente do Montepio Geral, não tem fins lucrativos e tem a natureza de uma Pessoa Colectiva de Utilidade Pública. São uma e a mesma unidade económica, com os mesmos fins (não se confundam os fins com o objecto ): os do Montepio Geral. Um dos detalhes que se nota por vezes nas instituições do sector social (no caso as instituições mutualistas) é a tendência para comparar a sua actividade (sector social) com a indústria seguradora (sector privado) em vez de a comparar primeiro com as demais mutualidades e de a inserir no âmbito das demais entidades do sector social: mutualidades, misericórdias e demais entidades de acção social representadas pelo CNIS. E, depois, compará-la com os outros sectores de economia concorrente (pública e privada) e com os demais parceiros da economia social, pelo menos ao nível comunitário. Diz-se, v.g., que o Montepio Geral e a sua Caixa Económica Montepio Geral, apenas divergem das entidades do sector privado porque os resultados não os lucros são para o Montepio e não para os associados, ou seja, são para fins de solidariedade social e não para accionistas ou quotistas. Uma visão redutora, simplista e, por isso, perigosa. Ser uma entidade do sector social consistiria apenas numa questão do destino dos resultados. Ao nível comportamental, ao nível da actuação, seria tudo igual ao sector privado. Há que ter em conta todos os aspectos que terão que diferenciar as entidades dos diversos sectores da economia. 4

5 Não é possível, é certo, definir, pela afirmativa, o conjunto de boas práticas que devem nortear a atitude comportamental de uma entidade do sector social, mas é possível, com bom senso e razoabilidade, definir situações que não se adequam a uma entidade do sector social. O certo parece ser que, as boas práticas, o CÓDIGO DE ÉTICA MUTUALISTA, deve assentar no respeito pelos princípios mutualistas, numa interpretação actualizada mas razoável, sendo seguramente estes o cerne da natureza jurídica das entidades mutualistas, o elemento diferenciador para com as demais entidades do sector privado e do sector público da economia. Seria oportuno pensar se não seria útil criar um Centro de Estudos Mutualistas, v.g. ao nível da União das Mutualidades Portuguesas, cuja competência, além do mais, seria dar parecer sobre as práticas que não se coadunam com a natureza jurídicoconstitucional das instituições. Talvez fosse oportuno, também, criar uma estrutura especializada, autónoma ou não, que saísse da União das Mutualidades Portuguesas, União das Misericórdias Portuguesas e Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Social, que servisse de apoio à coordenação, desenvolvimento, promoção e modernização dos estabelecimentos dependentes das Misericórdias, Mutualidades e demais IPSS (falamos de farmácias sociais, caixas económicas e outros estabelecimentos dependentes ou valências, geradores de receitas para a promoção do sector social). E avançando em parceria ou em união com o sector cooperativo, aproveitando a externalização do Instituto António Sérgio. Augusto Vieira 5

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA Banco de Portugal, 11 de Julho de 2013 Solange Lisboa Ramos Gabinete de Apoio ao Consumidor do Banco

Leia mais

IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, SA. Sociedade Aberta. Sede: Edifício Espaço Chiado, Rua da Misericórdia, 12 a 20º, 5º andar, Escritório n.

IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, SA. Sociedade Aberta. Sede: Edifício Espaço Chiado, Rua da Misericórdia, 12 a 20º, 5º andar, Escritório n. IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, SA Sociedade Aberta Sede: Edifício Espaço Chiado, Rua da Misericórdia, 12 a 20º, 5º andar, Escritório n.º 19 1200-273 Lisboa Capital social: Euro 12.500.000 Matriculada

Leia mais

A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA SOCIAL EM PORTUGAL

A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA SOCIAL EM PORTUGAL A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA SOCIAL EM PORTUGAL Eduardo Graça * Em Portugal, país integrado, de pleno direito, na União Europeia a melhor aproximação

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal por Hossein Samiei Conselheiro, Departamento Europeu do FMI Conferência Sobre Reformas Estruturais no Contexto do Programa de

Leia mais

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009)

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Assunto: s às Perguntas Mais Frequentes sobre a Instrução da CMVM n.º 3/2008 - Informação sobre Concessão de Crédito para a

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE Fundamentação Originalmente, as micro-finanças (MF) surgiram como uma forma alternativa de finanças para os pobres que eram antes

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação 1/7 Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação JusNet 259/2001 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 29, Série I-A, 3 Fevereiro 2001; Data

Leia mais

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA O presente Regulamento Interno destina-se a explicitar os princípios de funcionamento da Associação WWOOF. CAPITULO

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE GOVERNO Orçamento Cidadão 2015 Os recursos públicos do Estado são recursos públicos do povo e para o povo, condição que dá ao cidadão o direito de saber como

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 452/X RECOMENDA AO GOVERNO A REORIENTAÇÃO DO INVESTIMENTO PÚBLICO

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 452/X RECOMENDA AO GOVERNO A REORIENTAÇÃO DO INVESTIMENTO PÚBLICO Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 452/X RECOMENDA AO GOVERNO A REORIENTAÇÃO DO INVESTIMENTO PÚBLICO A crise económica e social, quer a nível internacional quer a nível nacional,

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 28/02/2011

Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 28/02/2011 Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 28/02/2011 SUMÁRIO Economia Social: conceito e fundamentação teórica. A distinção

Leia mais

MECENATO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X BENEFÍCIOS RELATIVOS AO MECENATO. Artigo 56.º-C Noção de donativo

MECENATO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X BENEFÍCIOS RELATIVOS AO MECENATO. Artigo 56.º-C Noção de donativo MECENATO (O artigo 87.º, n.º 3, alínea f), da Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro (Lei do Orçamento do Estado para 2007), revogou o Estatuto do Mecenato aprovado pelo Decreto-Lei n.º 74/99, de 16 de Março.

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros nº 16/2010,de 4 de março aprova o Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Economia Social (PADES)

Resolução do Conselho de Ministros nº 16/2010,de 4 de março aprova o Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Economia Social (PADES) 2013 Índice O enquadramento O que é Para que serve Para quem Que tipologias específicas existem O que é comum O que é diferente Quanto custa Circuito de candidatura e decisão Entidades responsáveis O

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Conferência - Investidor Privado 2012 Soluções de Poupança e Protecção Mutualistas

Conferência - Investidor Privado 2012 Soluções de Poupança e Protecção Mutualistas MUTUALISMO MARCAR A DIFERENÇA Conferência - Investidor Privado 2012 Soluções de Poupança e Protecção Mutualistas Quem somos O Montepio Geral Associação Mutualista (Montepio) foi criado em 1840 e começou

Leia mais

A BOLSA DE VALORES SOCIAIS ENQUANTO PROMOTORA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA. ALGUMAS QUESTÕES. Deolinda Aparício Meira

A BOLSA DE VALORES SOCIAIS ENQUANTO PROMOTORA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA. ALGUMAS QUESTÕES. Deolinda Aparício Meira A BOLSA DE VALORES SOCIAIS ENQUANTO PROMOTORA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA. ALGUMAS QUESTÕES Deolinda Aparício Meira BREVE APRESENTAÇÃO DA BOLSA DE VALORES SOCIAIS A Bolsa de Valores Sociais (BVS),

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril A Lei n.º 100/97, de 13 de Setembro, estabelece a criação de um fundo, dotado de autonomia financeira e administrativa, no âmbito dos acidentes de trabalho. O presente

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO Instituição e Denominação É instituída uma fundação denominada Fundação Champagnat que se regerá pelos presentes estatutos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Lisboa, 30 de Dezembro Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação

Leia mais

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Aprova o estatuto das organizações não governamentais de cooperação para o desenvolvimento A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º,

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade»

QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade» QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade» SISTEMA DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO DAS EMPRESAS 1 Os sistemas de incentivos ao investimento das empresas são um dos instrumentos

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

O Mês do Terceiro Sector. A Qualidade e a Qualificação no Terceiro Sector. Faculdade de Letras da Universidade do Porto 20 de Maio 2008

O Mês do Terceiro Sector. A Qualidade e a Qualificação no Terceiro Sector. Faculdade de Letras da Universidade do Porto 20 de Maio 2008 O Mês do Terceiro Sector A Qualidade e a Qualificação no Terceiro Sector Faculdade de Letras da Universidade do Porto 20 de Maio 2008 REDE EUROPEIA ANTI-POBREZA / PORTUGAL A Rede Portuguesa foi constituída

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A.

Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A. Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1.º Denominação A sociedade adopta a denominação de AICEP Global

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário 1- Opções de associação de empresas a cooperativas de crédito As pessoas

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio, E. P. E. rege-se pela legislação e demais normativos aplicáveis às Entidades

Leia mais

Módulo Introdutório Economia Social

Módulo Introdutório Economia Social PLANO CURRICULAR CONTEUDOS PROGRAMÁTICOS Módulo Introdutório Economia Social. As Organizações Sem Fins Lucrativos. demonstrações. definições. classificações. Um Sector com uma força económica significativa.

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

Texto Final. Projeto de Lei n.º 68/XII (1.ª) (PSD e CDS-PP) Lei de Bases da Economia Social

Texto Final. Projeto de Lei n.º 68/XII (1.ª) (PSD e CDS-PP) Lei de Bases da Economia Social Texto Final Projeto de Lei n.º 68/XII (1.ª) (PSD e CDS-PP) Lei de Bases da Economia Social Artigo 1.º Objeto A presente lei estabelece, no desenvolvimento do disposto na Constituição da República Portuguesa

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO ABEL E JOÃO DE LACERDA CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO - ARTIGO 1º - Natureza Jurídica A FUNDAÇÃO ABEL E JOÃO DE LACERDA é uma instituição particular de utilidade pública geral dotada de personalidade

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

O compromisso da Abreu Advogados

O compromisso da Abreu Advogados 2 0 0 15 0 10 0 5 0 0 4 7 65 17 3 7 199 3 19 98 200 3 2011 A n os 16 5 7 5 2 6 Staff Admin istrativo Advogados ( in cluin do só cios) Só cios O compromisso da Abreu Advogados Quem Somos Somos uma Sociedade

Leia mais

Programa de Apoio ao Autoemprego

Programa de Apoio ao Autoemprego Programa de Apoio ao Autoemprego Relatório do Programa Operacional Agosto 2013 Promotor: Coordenação da Execução: Introdução Objectivo e enquadramento Este relatório foi redigido com base no estudo As

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Concurso de Ideias Jovem Empreendedor Estarreja 2013

Concurso de Ideias Jovem Empreendedor Estarreja 2013 Concurso de Ideias Jovem Empreendedor Estarreja 2013 Preâmbulo O Concurso de Ideias é uma iniciativa promovida pela DESTAC em parceria com a DOW Portugal, a Câmara Municipal de Estarreja e a Escola Secundária

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO REGIME DO SECTOR PÚBLICO EMPRESARIAL

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO REGIME DO SECTOR PÚBLICO EMPRESARIAL DESTAQUE Novembro 2013 PÚBLICO NOVO REGIME DO SECTOR PÚBLICO EMPRESARIAL Foi publicado no passado dia 3 de Outubro o Decreto-Lei n.º 133/2013 que procede à alteração do regime aplicável ao sector público

Leia mais

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Case study 2009 II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Microsoft Corporation fundada em 1975, líder mundial em software, serviços e soluções, que apoiam as

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões

Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões Jorge Miguel Bravo Universidade Évora Economia & Universidade Nova Lisboa - ISEGI jbravo@uevora.pt / jbravo@isegi.unl.pt Fundação Calouste Gulbenkian, 7 de Outubro

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola Diploma Legal O texto que se segue é um documento não oficial, preparado pelo ICEP Portugal,

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Discurso do Sr. Governador do BCV, Dr. Carlos Burgo, no acto de abertura do Seminário sobre Bureau de Informação de Crédito

Discurso do Sr. Governador do BCV, Dr. Carlos Burgo, no acto de abertura do Seminário sobre Bureau de Informação de Crédito Discurso do Sr. Governador do BCV, Dr. Carlos Burgo, no acto de abertura do Seminário sobre Bureau de Informação de Crédito Câmara do Comércio, Industria e Serviços de Sotavento Praia, 16 de Julho de 2009

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO Preâmbulo O mercado financeiro, e em especial o mercado especializado no crédito ao consumo, exige por parte

Leia mais

Plano de atividades de 2012

Plano de atividades de 2012 Plano de atividades de 2012 Introdução A Confederação Portuguesa do Voluntariado (CPV) congrega, à data de votação do presente Plano de actividades, 18 associações, federações e confederações, de diferentes

Leia mais

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada I. Porquê um código de conduta e de ética no sector? O sector da segurança privada representa na União Europeia quase 10.000 empresas que

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA EXARADA EM VINTE E DOIS DE SETEMBRO DE DOIS MIL E QUATRO,

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008,

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DE 29 DE MAIO E PELO DECRETO-LEI N.º 192/2009, DE 17 DE AGOSTO Regula as práticas comerciais das instituições de crédito no

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio O QUE SÃO E PORQUE SURGEM NOS BALANÇOS DOS BANCOS? Os impostos diferidos têm origem, fundamentalmente, nas diferenças existentes entre o resultado contabilístico e o resultado apurado de acordo com as

Leia mais

PROPOSTAS. (Ponto 2 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral Anual de 27 de março de 2014)

PROPOSTAS. (Ponto 2 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral Anual de 27 de março de 2014) PROPOSTAS (Ponto 2 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral Anual de 27 de março de 2014) Proposta de Recurso aos Excedentes Técnicos e ao Fundo de Reserva Geral para Cobertura dos Saldos Negativos dos

Leia mais

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PÁGINA: 1 BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO - 2005 ANEXO 14 ATIVO ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL 450.323.096,72 CAIXA 47.294,31 BANCOS CONTA MOVIMENTO 210.194.091,20

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

CONSEST, promoção imobiliária, S.A.

CONSEST, promoção imobiliária, S.A. CONSEST, promoção imobiliária, S.A. CAPITULO I Denominação, objecto e sede social Artigo 1º Denominação e sede 1. A Sociedade adopta a firma CONSEST Promoção Imobiliária, S.A., e tem sede na Av. Defensores

Leia mais

ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I

ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação personalidade e capacidade jurídica 1 - A empresa adopta a denominação

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Fernando Teixeira dos Santos Presidente da CMVM 1 - Os recentes escândalos financeiros e falências de importantes empresas cotadas chocaram os

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS EM MOÇAMBIQUE

SISTEMA NACIONAL DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS EM MOÇAMBIQUE 2014 FIDIC GAMA ANNUAL CONFERENCE LOCAL INVOLVEMENT IN MAJOR PROJECTS FOR SUSTAINABILITY MAPUTO: 23 TO 26 TH MARCH 2014 Group of African Member Associations International Federation of Consulting Engineers

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono

I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono I Jornadas Financeiras Capital de Risco Local: Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Data: 07 de Maio de 2015 Fundos de Investimento no Espaço Lusófono António Raposo Subtil (Coordenador RSA-LP)

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais