! " # $! %&%'(" ) *+!, '-%%&

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "! " # $! %&%'(" ) *+!, '-%%&"

Transcrição

1 ! " # $! %&%'(" ) *+!,'-%%&

2 ./!01" $,23", PETCON Planejamento em Transporte e Consultoria Ltda SBS Qd. 02 Ed. Empire Center, Sala (Cobertura) Brasília-DF Fone: (61) / Fax: (61)

3 1. INTRODUÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Identificação do Empreendedor Localização do Empreendimento Histórico do Empreendimento Objetivos e Justificativas DIAGNÓSTICO AMBIENTAL Áreas de Influência Meio Físico Meio Biótico Meio Socioeconômico PROGNÓSTICO DOS IMPACTOS E MEDIDAS MITIGADORAS Avaliação dos Principais Impactos e Recomendações DIRETRIZES AMBIENTAIS Diretrizes de Caráter Administrativo Diretrizes para Projeto Diretrizes para Construção Diretrizes para Monitoramento e Proteção Ambiental ALTERNATIVA DE NÃO IMPLANTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO PLANO BÁSICO AMBIENTAL Programa de Controle de Erosão Programa de Recuperação de Áreas Degradadas / paisagismo Programa de Monitoramento e Fiscalização Programa de Conservação da Biodiversidade Programa de Compensação para Unidades de Conservação Programa de Educação Ambiental para o Trânsito Programa de Articulação Interinstitucional Programa de Prospecção Arqueológica

4 7.9 Programa de Ordenamento Territorial Programa de Transporte de Cargas Perigosas Programa de Recuperação de Passivos Ambientais Programa de Melhoria das Travessias Urbanas Programa de Controle de Gases, Ruídos e Material Particulado Programa de Redução do Desconforto e de Acidentes Programa de Segurança e Saúde da Mão-de-Obra Programa de Comunicação Social Programa de Gestão e Supervisão Ambiental CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA...135

5 !" A PETCON - Planejamento em Transporte e Consultoria Ltda. foi contratada pelo Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes-DNIT, em 11/10/05, para elaborar o Estudo de Impacto Ambiental EIA, o respectivo Relatório de Impacto Ambiental RIMA e o Plano Básico Ambiental PBA, além do fornecimento de Assessoria Técnica para a obtenção das Licenças Prévia (LP) e de Instalação (LI) das obras de adequação (duplicação e ruas laterais) da BR-070, Perímetro Urbano de Águas Lindas - GO, Trecho Divisa DF/GO Divisa GO/MT, sub-trecho Perímetro Urbano de Águas Lindas, segmento compreendido entre o km 0,0 e o km 16,2, perfazendo uma extensão total de 16,2 km. Este Relatório de Impacto Ambiental RIMA reflete de forma objetiva e adequada à compreensão das pessoas interessadas, as informações mais relevantes e as principais conclusões do Estudo de Impacto Ambiental EIA, destacando-se: A caracterização do empreendedor e do empreendimento; A síntese dos resultados dos estudos referentes ao diagnóstico ambiental das áreas de influência direta e indireta deste trecho da rodovia BR-070; A identificação dos impactos positivos e negativos possíveis de ocorrerem, principalmente em relação às populações envolvidas e às unidades de proteção ambiental situadas dentro das áreas de influência direta e indireta do empreendimento; A relação de medidas propostas para a mitigação dos impactos negativos; As conseqüências advindas na hipótese do empreendimento não ser realização; O Plano de Controle Ambiental objetivando a estabilização da área, durante e após o término das obras; O Plano Básico Ambiental pormenorizando os diversos Programas Ambientais que deverão ser implementados; 5

6 As principais conclusões baseadas no EIA e. finalmente; A relação das obras e fontes de informações consultadas, com a indicação das suas autorias. De início, faz-se necessário informar que o licenciamento ambiental das obras de adequação da BR-070 refere-se ao processo n o / , protocolado no IBAMA. #$% & '! ' Razão Social: PETCON Planejamento em Transporte e Consultoria Ltda. CNPJ: / Endereço: Setor Bancário Sul SBS, Quadra 02, Bloco S, Edifício Empire Center, salas 705/ Brasília DF Telefone: (61) fax: (61) Cadastro Técnico Federal: Representante Legal: Juliana Doyle Lontra Sócia-gerente CPF: Cadastro Técnico Federal: Contato: Leonam Furtado Pereira de Souza Gerente de Meio Ambiente CPF: Cadastro Técnico Federal: Juliana Doyle Lontra Sócia-gerente Leonam Furtado Pereira de Souza Gerente de Meio Ambiente 6

7 ($% ) '*'+ Coordenação Geral: Geólogo Antonio Valério CREA-SP 20288/D / CTF Econ. Gustavo Henrique Lontra Neto CORECON 882/DF / CTF Eng o Agrônomo Leonam F.P.de Souza CREA-PA 1792/D / CTF Meio Físico Coordenação: Geólogo Antonio Valério CREA-SP 20288/D / CTF Equipe: Eng o Civil Petrônio Sá Benevides Magalhães CREA-CE 748/D / CTF Geólogo Raimundo Marcondes de Carvalho CREA-SP 41220/D / CTF Eng o Civil Luis Cláudio Batista Valério CREA-DF 8917/D / CTF Eng o Ambietal José Quadrelli Neto CREA-DF 14628/D / CTF Eng o Ambiental José Augusto de A. Lopes CREA-DF 14627/D / CTF Meio Biótico Coordenação: Eng o Agrônomo Túlio Leão Alvarenga CREA 9.736/D / CTF

8 Equipe: Bióloga Cleidemar Batista Valério CFB 04576/87 / CTF Bióloga Raquel Ribeiro da Silva CRBIO 44079/04D / CTF Biólogo José Braz Damas Padilha CRBIO 25508/04D / CTF Eng o Amb. Rodrigo Mello de Vasconcelos CREA-DF 13008/D / CTF Oceanóloga Juliana Doyle Lontra CTF Oceanólogo Luciano de Siqueira Freitas CTF Meio Socioeconômico Coordenação: Econ. Gustavo Henrique Lontra Neto CORECON 882-DF / CTF Equipe: Econ. Roberta Zanenga de Godoy Marchesi CORECON / CTF Eng o Agrônomo Túlio Leão Alvarenga CREA 9.736/D / CTF Gestor Ambiental Antonio João de Oliveira CREA 9.736/D / CTF Socióloga e antropóloga Heloisa Prates Doyle CTF Arqueólogo Leandro Augusto Franco Xavier CTF

9 !" ( (!!&, &*&&& (#$% & Razão Social: Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes - DNIT. CGC: / Endereço: Setor de Autarquias Norte SAN, Quadra 03, Lote A, Edifício Núcleo dos Transportes Brasília DF Telefone: (61) Responsável: Mauro Barbosa da Silva; Diretor Geral CPF: ((-.$% & A rodovia BR-070 tem origem na DF-095 (EPCL - Estrada Parque Ceilândia ou Via Estrutural), com função de via arterial, que liga Brasília Plano Piloto a Taguatinga Norte e Ceilândia e, através da DF-180, à cidade de Brazlândia. (/0' & A implantação da BR-070 no trecho Águas Lindas coincide com surgimento de uma nova fronteira agrícola nos estados de Goiás e Mato Grosso na década de 70, caracterizada pela migração de agricultores, provenientes em sua maioria da região Sul, em busca de terras para cultivo, principalmente da soja. Com a sua pavimentação entre as décadas de 70 e 80, a rodovia se consolidou como rota de integração entre as regiões Sudeste e Centro-Oeste, apesar da progressiva deterioração do seu pavimento verificada ao longo das ultimas décadas, situação comum à maior parte das rodovias brasileiras. 9

10 Dentro deste contexto, ressalta-se a criação da Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno RIDE, composta por vinte e duas cidades de Goiás e de Minas Gerais, entre as quais se encontra Águas Lindas de Goiás, ligada ao DF justamente pela BR A rodovia BR- 070, no trecho a ser duplicado, constitui parte de uma importante via de ligação entre o Distrito Federal e as regiões Centro-Oeste e Norte do país. Ela se enquadra no Grupo 1, de acordo com o Decreto n o /93, possuindo faixa de domínio com largura de 130 (cento e trinta) metros, divididos simetricamente em relação ao eixo do canteiro central. Deve-se ressaltar, no entanto, que esta rodovia é federal que normalmente possuem faixa de domínio de 80 (oitenta) metros. O projeto de duplicação, tanto no nível federal como distrital foi concebido para oferecer melhores condições de tráfego e segurança, tendo em vista o alto índice de acidentes no trecho não duplicado, decorrente, na maioria das vezes, por ultrapassagens indevidas. Além disso, atualmente esta rodovia apresenta um fluxo de veículos instável e com volume além de sua capacidade, considerando o seu limite superior, o que induz à diminuição da velocidade de projeto e ao retardamento no tráfego de veículos. Devido ao crescimento da ocupação urbana às margens da rodovia BR-070, torna-se necessário o tratamento das interações junto às vias de acesso existentes, que deverão ser obrigatoriamente contempladas no projeto, bem como a recuperação dos pavimentos das vias existentes e dos seus acostamentos. O projeto em questão foi elaborado de acordo com as diretrizes estabelecidas pelo DNIT, a fim de assegurar elevados níveis de mobilidade aos fluxos de longo curso e de garantir níveis de acessibilidade satisfatórios no atendimento às comunidades servidas ao longo do trecho duplicado. Sua aprovação se deu em agosto de (123 '4'#3' O objetivo básico da duplicação da BR-070 é melhorar o nível de mobilidade de trafego de longa e curta distância, na ligação entre as regiões Sul e Centro-Oeste ao Norte do país, e garantir níveis de acessibilidade satisfatórios no atendimento do trafego regional da área de 10

11 influência de Brasília. Busca, também, aumentar a capacidade de trafego e aumentar a segurança do transito. Em uma análise prospectiva da evolução do uso e ocupação do solo na região, a duplicação se mostra interessante, pois a região oeste do DF dispõe de terras muito adequadas para agricultura e ocupação demográfica de média densidade, como é o caso dos núcleos rurais existentes na região administrativa de Brazlândia, que encontra na BR-070 um importante eixo de ligação. 11

12 !" / /56! 7&- O s estudos realizados procuraram identificar, delimitar e caracterizar os parâmetros das áreas de influência direta e indireta do empreendimento e suas interações, de modo a determinar a situação atual da área. Foram levantados dados atualizados sobre os meios físico, biótico e sócio-econômico, privilegiando a participação e a diversidade dos atores envolvidos. /8'#9 A Área de Influência Direta AID definida para a caracterização do meio físico, ou seja, com relação aos aspectos geológicos/geotécnicos, pedológicos, geomorfológicos e para os recursos hídricos, foi estabelecida como sendo a faixa de domínio da rodovia que será afetada diretamente pelos serviços de desmatamento, abertura de caixas de empréstimo, terraplenagem, pavimentação e instalação do sistema de drenagem, enquanto que a Área de Influência Indireta - AII foi considerada como a área de contribuição de drenagem para o trecho em estudo. Em termos sócioeconômicos, as áreas de influência da pavimentação da rodovia BR-070 foram definidas segundo os critérios de População Indiretamente Atingida (PIA) para caracterizar os limites da área de influência indireta e, de População Diretamente Atingida (PDA), para caracterizar os limites da área de influência direta. Como PIA considerou-se a Região Administrativa de Ceilândia e Taguatinga e como PDA considerou-se os bairros da cidade de Águas Lindas e as ocupações rurais que margeiam a rodovia. 12

13 Para a determinação das áreas de influência da BR-070, sob o enfoque do sistema de transporte e tráfego, foi considerado o contexto da rodovia tanto no Sistema Rodoviário do Distrito Federal, como no Sistema Nacional, uma vez que esta rodovia interliga o Distrito Federal às regiões Centro-Oeste e Norte do país. Considerou-se como área de influência direta, a cidade de Águas Lindas, tendo-se em vista que a pavimentação da BR-070 contemplará, também, a pavimentação dos acessos viários ao longo de suas vias marginais, influindo no comportamento dos deslocamentos da população ali residente. Foi considerada como área de influência indireta do empreendimento a região oeste do Distrito Federal que envolve as Regiões Administrativas de Ceilândia, Taguatinga e Brazlândia, tendo em vista que a pavimentação da rodovia influirá indiretamente na articulação do tráfego local destas regiões. Para os estudos de fauna e flora foi estabelecida como área de influência indireta, uma faixa correspondente a extensão total do trecho do projeto (16,2 km), abrangendo 400 m para cada lado da estrada, resultando em uma área de 13,96 km 2. Já a área de influência direta está compreendida numa largura de 65 m para cada lado do leito da estrada, incluindo a faixa de domínio da rodovia onde ocorrerá o desmatamento necessário às obras de duplicação e de onde, eventualmente, será retirado material para aterro (caixas de empréstimo) e instaladas as obras de contenção de erosão, canteiros, etc. Uma síntese dos resultados dos estudos de diagnóstico ambiental das áreas de influência direta e indireta desta rodovia é apresentada a seguir. /( :"' Aspectos Climatológicos Segundo a classificação de Köppen, o clima do Distrito Federal é tropical, concentrando precipitações no verão. O período mais chuvoso corresponde aos meses de novembro a janeiro, e o período seco ocorre no inverno, especialmente nos meses de junho a agosto. No Distrito Federal, pela classificação de Köppen ocorrem os seguintes tipos climáticos: 13

14 Tropical (Aw) - Temperatura, para o mês mais frio, superior a 18ºC. Situa-se, aproximadamente, nas áreas com cotas altimétricas abaixo de metros (bacias hidrográficas dos rios São Bartolomeu, Preto, Descoberto/Corumbá, São Marcos e Maranhão). Apresenta verão quente e úmido e inverno seco. Chuvas ocorrem com maiores intensidades nos meses de dezembro a março, sendo os meses de julho a agosto os meses mais secos do ano. Tropical de Altitude (Cwa) - Temperatura, para o mês mais frio, inferior a 18ºC, com média superior a 22º no mês mais quente. Abrangem, aproximadamente, as áreas com cotas altimétricas entre e metros (unidade geomorfológica - Pediplano de Brasília). Tropical de Altitude (Cwb) - Temperatura, para o mês mais frio, inferior a 18ºC, com média inferior a 22º no mês mais quente. Correspondem às áreas com cotas altimétricas superiores a metros (unidade geomorfológica - Pediplano Contagem/Rodeador). A região de Águas Lindas GO insere-se no tipo AW Qualidade do Ar / Poluição Atmosférica A Qualidade do Ar no Distrito Federal Atualmente, a Gerência de Monitoramento Ambiental (GEMOA), que pertencia a extinta Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos SEMARH, conta com uma rede de Monitoramento da Qualidade do Ar, composta de cinco estações fixas. Cada estação é dotada de dois equipamentos: Amostrador de Grandes Volumes (HI-VOL), utilizado na coleta de PTS; Amostrador de Pequenos Volumes (OPS/OMS) usado na coleta de fumaça e SO 2 As estações estão localizadas em pontos considerados críticos no que tange à questão da poluição do ar no DF, tais como terminais rodoviários, vias de tráfego intenso e áreas industriais. A existência desse tipo de rede possibilita auxilio ao processo de planejamento urbano e de implantação de indústrias e outros tipos de serviços tomando como base os dados obtidos das análises laboratoriais. Fornece dados para ativar ações de emergência durante períodos de estagnação atmosférica, além de acompanhar as tendências e mudanças na qualidade do ar, devidas a alterações nas emissões dos poluentes. 14

15 No DF, são monitorados os poluentes: ióxido de enxofre (SO 2 ); partículas totais em suspensão (PTS) e fumaça. As análises da amostras coletadas são realizadas no laboratório de monitoramento da qualidade do ar, sediado no Centro Universitário de Brasília UniCEUB: Principais Resultados Os dados da SEMARH, referentes às medições feitas no período do ano de 2000, nos meses de julho a dezembro, mostram para a Estação Rodoviária do Plano Piloto e de julho a outubro, no Setor Comercial Sul e região da FERCAL (Engenho Velho), em Sobradinho, os seguintes resultados: Tabela 1 Resultados da Qualidade do Ar Local Poluente Qualidade do Ar Rodoviária do Plano Piloto Setor Comercial Sul Fercal Engenho Velho Fonte: SEMARH SO2 Fumaça PTS SO2 Fumaça PTS SO2 Fumaça PTS Boa Má Inadequada Boa Má Inadequada Boa Inadequada Crítica A Qualidade do Ar na região de Águas Lindas - GO Não existem indústrias ou fábricas com emissão de poluentes atmosféricos no entorno e nas proximidades do local designado para a pavimentação da segunda pista da BR-070, na região de Águas Lindas. A poluição do ar na região praticamente se restringe às emanações de gases provenientes da queima de combustíveis dos veículos que trafegam na rodovia e pela poeira gerada pelo tráfego local, em vias não pavimentadas, principalmente em épocas secas do ano (abril a setembro) Poluição Sonora Na área de Águas Lindas não existe registro de monitoramento de poluição sonora realizado por entidade oficial. 15

16 Para a obtenção de dados referentes ao assunto, foram efetuadas medições de ruído utilizando-se um decibilímetro de precisão, Modelo DEC 430, devidamente calibrado. Foi caracterizados 28 pontos ao longo da BR-070, com aproximadamente 500 metros de distância entre eles. A aferição iniciou-se às 7:00 horas no sentido rio Descoberto rio do Macaco. As medições foram repetidas no sentido inverso, com início às 9:00 horas. Os resultados podem ser visualisados na Tabela 2, a seguir: Ponto de Medição Horário da 1ª medição Tabela 2 Níveis de Ruídos Máxima em decibéis (db) (Sentido rio Descoberto rio do Macaco) Horário da 2ª medição Máxima em decibéis (db) (Sentido rio do Macaco rio Descoberto) 1 7:03 82,1 10:00 73,6 2 7:05 84,7 9:56 72,0 3 7:08 89,3 9:54 84,0 4 7:10 86,2 9:52 75,0 5 7:12 87,3 9:50 80,7 6 7:15 82,9 9:44 72,0 7 7:17 86,2 9:42 80,7 8 7:19 87,1 9:39 76,3 9 7:20 83,2 9:37 84,7 10 7:22 89,7 9: :25 81,3 9:33 83,1 12 7:26 68,8 9:31 77,0 13 7:28 79,1 9:29 73,7 14 7:30 88,0 9:27 79,2 15 7:32 88,9 9:25 81,1 16 7:34 88,6 9:23 44,9 17 7:36 70,1 9:21 78,1 18 7:38 86,4 9:20 56,0 19 7:40 80,2 9:17 74,0 20 7:42 76,8 9:16 63,0 21 7:44 73,2 9:13 82,0 22 7:46 74,6 9:12 58,4 23 7:48 70,3 9:10 42,6 24 7:50 80,1 9:08 60,0 25 7:54 60,0 9:06 82,3 26 7:57 45,0 9:04 84,2 27 7:59 43,8 9:03 84,2 28 8:06 40,0 9:00 83,2 Fonte: PETCON

17 Constatou-se que, na rodovia BR-070, não existem grandes fontes estacionárias de produção de ruídos, sendo o tráfego de veículos a sua maior fonte devido a grande quantidade de caminhões, carretas e ônibus, quase sempre com motores desrregulados. As medições realizadas ao longo da BR-070, no entorno de Águas Lindas, mostraram ocorrência de ruídos de fundo em torno de db, devido principalmente ao tráfego intenso no sentido rio do Macaco rio Descoberto, ou seja, de Águas Lindas (GO) para o Distrito Federal. Conclui-se que os ruídos emitidos durante a construção da segunda pista não trarão sérios incômodos à população local, pois o tráfego local já vêm produzindo ruídos há algum tempo, sem originar maiores reclamações por parte da vizinhança. 17

18 Croqui - Amostragem de Ruído 18

19 3.2.4 Aspectos Geológico-Geotécnicos A síntese da geologia da região onde se insere o trecho de duplicação da BR-070, está fundamentada nos trabalhos de mapeamento regional de Faria (1984 e 1995), Campos e Freitas-Silva (1988) e no mapeamento semi-regional de Silva (2003), e que serviram de base para a elaboração do Mapa Geológico. (Figura 1) Aspectos Regionais A região do Distrito Federal e entorno situa-se geotectonicamente no interior da Faixa de Dobramentos Brasília, entre a posição oriental do Maciço Mediano de Goiás e o Craton do São Francisco (Almeida, 1976 e 1986), onde são individualizadas quatro seqüências de sedimentação, representadas pelos grupos Canastra, Paranoá, Araxá e Bambuí e que foram dobradas e metamorfisadas no Proterozóico, com evolução entre e 650 Ma, no Ciclo Geotectônico Brasiliano. As seqüências deposicionais Canastra e Araxá são representadas por conjuntos litológicos com maior grau metamórfico, da fácies xisto verde. O Grupo Bambuí é representado por um pacote de metassiltitos argilosos de muito baixo grau metamórfico, e o Grupo Paranoá é caracterizando por uma seqüência de sedimentos detríticos constituídos de metassiltitos, quartzitos, ardósias e metarritmitos, sobrepostos por uma fácies carbonatada, que inclui metassiltitos argilosos e lentes de calcários. Aspectos locais A área diretamente afetada pela duplicação da BR-070 está quase inteiramente inserida no domínio do Grupo Paranoá, constituído por metarritmitos arenosos ou argilosos e quartzitos. Na porção oeste do empreendimento, aproximadamente entre o km 13,5 e o rio do Macaco (km17), afloram os metapelitos do Grupo Araxá, que se sobrepõem ao Grupo Paranoá por meio de uma falha de empurrão de direção NW/SE. Nos vales dos rios Descoberto e dos Macacos completam a estratigrafia da região do empreendimento, os depósitos cenozóicos, representados pela Cobertura Detrito-laterítica e por aluviões de pouca expressão. 19

20 Inserir Figura 1 - Mapa Geológico 20

21 Ao longo da BR-070, as rochas encontram-se capeadas por Latossolo Vermelho e Vermelho- Amarelo, de textura arenosa a areno-argilosa, espessos e de natureza residual, localmente com grande quantidade de fragmentos de quartzo. No km 12,4 o quartzito apresenta-se totalmente decomposto formando solo de constituição arenosa e coloração vermelha, com perfil de 5m a 6m, como evidencia a voçoroca instalada em uma das cabeceiras do córrego Piador, tributário do rio Camargo, que corre para sudoeste em direção ao rio do Macaco. Em uma área restrita, aproximadamente entre os km 10 e 11,5, ocorrem solos arenosos residuais derivados de quartzito, apresentando camada orgânica superficial. Ao longo da BR-070, na vertente direita do rio do Macaco, os xistos do Grupo Araxá afloram em cortes, apresentando-se muito alterados, na cor cinza, amarelo e rosa-esbranquiçado, com lentes de quartzo. Nos cortes existentes na vertente esquerda do rio do Macaco, entre os km 14 e 17, predominam solos saprolíticos cinza avermelhados, siltosos, freqüentemente capeados por cascalho. Cobertura Detrito-laterítica Capeando as unidades proterozóicas, a Cobertura Detrito-laterítica local está representada por Latossolos, que recobrem a superfície da chapada de Águas Lindas, sustentada pelos quartzitos e metarritmitos arenosos. São solos arenosos com elevado teor de areia quartzosa, ou areno-argilosos com pouca plasticidade, apresentando, em geral, espessuras da ordem de 4m a 6m, podendo ser residuais das rochas subjacentes ou transportados (coluvionares). A principal característica do ponto de vista geotécnico é sua alta condutividade hidráulica e, também, quando saturado, a elevada colapsividade. As principais ocorrências de cascalho ao longo da BR-070 localizam-se entre os km 11,5 e 13, na borda da chapada de Águas Lindas e sobre os tabuleiros modelados nos xistos do Grupo Araxá, onde vários desses locais já são explorados como fonte de cascalho laterítico 21

22 empregado em obras de infra-estrutura e, em parte, para a própria pavimentação da pista existente da BR-070. Essas áreas decapeadas, atualmente com exposição de camadas saprolíticas siltosas bastante suscetíveis à erosão, constituem passivos ambientais das obras de infra-estrutura empreendidas na região de Águas Lindas Aspectos Geomorfológicos Com relação ao relevo, a região onde ocorrerá a duplicação da BR-070 pode ser dividida em duas porções distintas: Chapada de Águas Lindas e Região Dissecada dos Altos Cursos dos rios Descoberto e do Macaco. A Chapada de Águas Lindas é caracterizada por uma topografia plana a ligeiramente ondulada, com inclinação suave para os bordos, não ultrapassando a declividade de 8%, estando balizada, de uma forma geral, acima da cota de 1120m, que marca o limite com a região de dissecamento. É constituída por quartzitos e metarritmitos arenosos do Grupo Paranoá, capeados pelos solos porosos e permeáveis da Cobertura Detrítica, com as bordas revestidas por crostas lateríticas, que contribuem para a resistência desse relevo aos processos erosivos de dissecação atuantes. A paisagem desta unidade é a mais estável da região, onde o escoamento das águas pluviais induz à erosão laminar lenta, tendo em vista a fácil infiltração das águas precipitadas nos Latossolos porosos e a suavidade topográfica, que conferem à Cobertura Detrito-laterítica boas características como reservatórios de águas subsuperficiais. A Região Dissecada dos Altos Cursos dos rios Descoberto e do Macaco é caracterizada por um relevo de colinas, morros e feições residuais de topo aplainado, com grau de dissecação variado e modelado segundo um marcante controle litológico e estrutural. Abrange colinas e morros de formas convexo-côncavas e topos arredondados ou alinhados, com encostas de declividade média a suave e desníveis inferiores a 50m, que se intercalam a fragmentos de superfícies tabulares residuais de aplainamento, de rebordos dissecados, capeadas por crostas detrito-lateríticas e niveladas em torno das cotas 1040 e 1080m, com amplitudes de relevo de até 80m. 22

23 3.2.6 Aspectos Hidrogeológicos Os aqüíferos subterrâneos existentes na área em estudo são de dois tipos: o das águas subsuperficiais rasas, contidas na cobertura cenozóica que funciona como meio poroso, e o das águas subterrâneas armazenadas nas descontinuidades do maciço rochoso, em profundidade, denominado de aqüífero de domínio fissural. Este aqüífero engloba os Latossolos da Cobertura Detrítica, solos residuais das litologias subjacentes e solos hidromórficos, funcionando como extensos reservatórios superficiais de água, cuja recarga depende diretamente da precipitação pluviométrica. Quanto à redução da área de recarga do aqüífero pela impermeabilização do solo, esta é igualmente insignificante, dada à dimensão linear da rodovia, havendo ainda algum benefício à alimentação do aqüífero poroso, pelo incremento da infiltração através de caixas de empréstimo e bacias de retenção que deverão necessariamente ser previstas ao longo do trecho. Os aqüíferos do Domínio Fissural ou das Águas Subterrâneas são constituídos pelos sistemas de descontinuidades do maciço rochoso, representados por fraturas, juntas de acamamento abertas e falhas. São aqüíferos locais, livres, recarregados através do meio poroso saturado da cobertura, ou por meio da própria rocha aflorante nas drenagens, limitando-se a uma profundidade da ordem de 150 m, pois a partir daí a ocorrência de fraturas abertas no maciço rochoso é bastante reduzida. Salenta-se que o trecho em estudo tem interferência apenas com os solos superficiais, não exercendo qualquer influência no aqüífero das águas subterrâneas, restrito ao maciço rochoso Aspectos Pedológicos Na denominação e sistematização das diversas classes diagnosticadas na área foi utilizado o novo Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (EMBRAPA, 1999), conforme pode ser observado no Mapa Pedológico (Figura 2). Na região da duplicação da BR-070 foram encontrados: Latossolo Vermelho, Latossolo Vermelho-Amarelo, Cambissolo, Gleissolo, Neossolo Quartzarênicos e Plintossolo. 23

24 Inserir Figura 2 - Mapa Pedológico 24

25 Latossolo Vermelho Os Latossolos localizam-se em áreas de relevo plano a suave ondulado, ocupando uma grande extensão (38,67% da área estudada). São solos minerais, não hidromórficos, com horizonte B latossólico, com eventual quantidade de laterita. Latossolos Vermelho-Amarelo Os Latossolos Vermelho-Amarelos ocupam 16,88% da área estudada. São solos minerais, com horizonte A moderado e horizonte B latossólico, possuindo textura arenosa ou média. São bastante porosos e muito bem drenados, com baixos valores de argila dispersa em água. Os Latossolos possuem pouca suscetibilidade à erosão. Entretanto, foram constatadas erosões de grandes extensões próximas à rodovia, resultante do acúmulo de drenagem da água de chuva incidida no asfalto. Ocupam áreas bastante extensas de relevo plano e suave ondulado. Cambissolos Os Cambissolos são solos pouco desenvolvidos que ainda apresentam minerais primários facilmente intemperizáveis. Geralmente estão associados aos relevos mais movimentados (ondulados e forte-ondulados). Ocupam 39,24% da área de estudo, constituindo a classe predominante no projeto. Quando derivados das litologias do grupo Paranoá, são de textura de arenosa a média,geralmente apresentando calhaus, cascalhos, concreções e fragmentos de rochas ao longo do perfil, com concentração na superfície do solo ou em camadas entre os horizontes. Neossolos Quartzênicos (Areias Quartzosas) São solos minerais, pouco desenvolvidos, profundos, podendo apresentar camadas de laterita em mistura com calhaus de quartzo a partir de 1,5 m. A textura é predominantemente arenosa e, por isso, são excessivamente drenados, porosos e muito suscetíveis à erosão. Ocupam inexpressiva extensão (1,0% da área estudada) e localizam-se em terrenos de relevo plano e suave ondulado com declives que variam de 0 a 8%, predominando declives de 4%. 25

26 Solos Hidromórficos São solos pouco desenvolvidos que geralmente ocupam as depressões da paisagem sujeitas a inundação. Correspondem a cerca de 0,58% da área de estudo. São mal ou muito mal drenados e, com freqüência, ocorre uma espessa camada escura de matéria orgânica mal decomposta sobre uma camada acinzentada de gleização. Formaram-se a partir de sedimentos aluviais, com presença de lençol freático próximo à superfície na maior parte do ano, caracterizando um ambiente de acúmulos orgânicos. Plintossolos São solos minerais hidromórficos, anteriormente conhecidos como Laterita Hidromórfica, que apresentam séria restrição à percolação da água e, por conseqüência, situam-se em áreas de alagamento temporário. Representam quase 1,0% da área total do estudo, localizados em relevos planos e em áreas deprimidas, no terço inferior de encostas onde há importante movimentação lateral de água. Apresentam horizonte A pouco desenvolvido ou ausente, cobertos por vegetação de campos limpos. Possuem coloração de fundo amarelada e mosqueamentos que variam do marrom ao vermelho Aspectos Geotécnicos Com o objetivo de subsidiar tomada de decisão por parte dos projetistas e do DNIT quanto à utilização dos solos durante a execução das obras de pavimentação da BR-070, indica-se, a seguir, alguns resultados de análise geotécnica. Os ensaios geotécnicos realizados revelam a presença de argila siltosa e/ou arenosa com valores de SPT variável entre 0 e 3 golpes, isto é, de consistência muito mole a mole. Os ensaios de caracterização determinaram para esses solos fração de argila (Ø < 2) variável, em média, entre 70% e 90%, limite de liquidez (WL) de 41% a 62%, índice de plasticidade (IP) de 8,5% a 19,7%, umidade natural (W nat) de 28,4% a 46% e densidade natural (s) baixa, variável entre 8,3 kn/m 3 e 10,3 kn/m 3, sendo a densidade real dos grãos (G) de 2,69 a 2,86. Os índices de vazios (e) apresentam altos valores, variando de 1,87 a 2,32, enquanto o grau de saturação (S) varia entre 45% e 48%, bem inferior ao necessário para a completa saturação do 26

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

ESTRUTURA E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO ARBÓREA- ARBUSTIVA EM CERRADO SENSU STRICTO SUBMETIDO A DISTÚRBIOS ANTRÓPICOS

ESTRUTURA E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO ARBÓREA- ARBUSTIVA EM CERRADO SENSU STRICTO SUBMETIDO A DISTÚRBIOS ANTRÓPICOS Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG / Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal FAEF Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal Re.C.E.F. ISSN: 1678-3867 Ano IX - Volume 18 Número

Leia mais

O município de Bela Vista de Goiás está situado na Bacia Hidrográfica do Rio Paranaiba, e seus principais cursos d água são:

O município de Bela Vista de Goiás está situado na Bacia Hidrográfica do Rio Paranaiba, e seus principais cursos d água são: 43 7 ASPECTOS AMBIENTAIS 7.1. Hidrografia Genericamente, as características fluviais do município podem ser definidas de forma simplificada: a drenagem apresenta-se com vales encaixados a montante, que

Leia mais

6.3.5 Avaliação da Permeabilidade

6.3.5 Avaliação da Permeabilidade 6.3.5 Avaliação da Permeabilidade Infiltração é o fenômeno de penetração da água nas camadas do solo próximas à superfície do terreno. A capacidade de infiltração é a quantidade máxima de água que um solo,

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Fabiana Y. Kobayashi 3695130 Flávio H. M. Faggion 4912391 Lara M. Del Bosco 4913019 Maria Letícia B. Chirinéa 4912241 Marília Fernandes 4912683 DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL escola politécnica - USP Novembro

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Relação solo vegetação em áreas de vegetação nativa de cerrado. Cristiano dos Santos Ferreira 1 ferreiracs@hotmail.it

Relação solo vegetação em áreas de vegetação nativa de cerrado. Cristiano dos Santos Ferreira 1 ferreiracs@hotmail.it Relação solo vegetação em áreas de vegetação nativa de cerrado Cristiano dos Santos Ferreira 1 ferreiracs@hotmail.it Maria Inês Cruzeiro Moreno 2 inmoreno_@hotmail.com Campus Catalão Palavras-chave: Cerrado,

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental

Laudo Técnico Ambiental E-MAIL: tnm_1984@hotmail.com Laudo Técnico Ambiental Atendimento a Notificação Nº 104/2013 Laudo Anual para Atender as exigências da Lei nº 4.123 de 04 de maio de 2007. Ano de referência: 2012 Valinhos

Leia mais

Proteção e recomposição de nascentes

Proteção e recomposição de nascentes Proteção e recomposição de nascentes PROTEÇÃO E RECOMPOSIÇÃO DE NASCENTES Em diversas propriedades rurais, as nascentes vêm diminuindo suas vazões ou, em muitos casos, até secando. Os córregos, rios e

Leia mais

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Thiago Morato de Carvalho * Introdução O rio Tocantins é bastante peculiar desde o ponto de vista

Leia mais

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade.

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade. CARACTERIZACÃO AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SANGUE, JAURU - MT, VISANDO O LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Aldo Max Custódio (1) ; Ms. Juberto Babilônia de

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

5.4 Passivos Ambientais

5.4 Passivos Ambientais 5.4 Passivos Ambientais 5.4.1 Considerações Gerais Considerase Passivo Ambiental como toda a ocorrência decorrente de: Falha na construção, restauração ou manutenção de rodovia, capaz de atuar como fator

Leia mais

GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS

GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS Ciência: Geologia Estrutural Objetivo: determinar a distribuição das massas rochosas e das feições que as secionam Deformação de uma estrutura rochosa Mudança

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO Régia Estevam ALVES (UFG/Campus Jataí - E-mail: regiaestevam@gmail.com). Raquel Maria de OLIVEIRA (Profa.

Leia mais

Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral

Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral Perfis representativos das unidades taxonômicas de solos, com sua classificação taxonômica (Sistema Brasileiro de Classificação de Solos), descrições morfológicas internas e externas e dados das análises

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP.

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. 213 PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. Bruno Magro Rodrigues 1, Ana Paula de Lima Costa 1, Marcos Norberto Boin 2. 1 Discente do curso de

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

PORQUE CAEM AS BARREIRAS

PORQUE CAEM AS BARREIRAS PARTE B PORQUE CAEM AS BARREIRAS CAPÍTULO 3 Risco Geológico CAPÍTULO 4 Processos que Causam Acidentes CAPÍTULO 3 Risco Geológico Conceitos 3. 1 Elementos de risco 3. 2 Classes de risco 3. 3 Fatores de

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA DENOMINAÇÃO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE

Leia mais

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Domínio do Cerrado em Minas Gerais José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Cerrado Brasileiro INTRODUÇÃO - Extensão de 204,7 milhões de ha, - Flora com mais de 10.000 espécies de plantas,

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

RELATÓRIO DE VISTORIA

RELATÓRIO DE VISTORIA RELATÓRIO DE VISTORIA RELATÓRIO N.º 036/2009 Origem: ATEC PRM/Criciúma Destino: Darlan Airton Dias Procurador da República Ref.: ACP 2008.72.04.002971-7 No dia 17 de agosto do corrente ano, foi realizado

Leia mais

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prof. Dr. Paulo S. Hemsi Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Ponta Grossa, 24 de Agosto de 2011 Aterro de Resíduos Sistema de engenharia projetado, construído,

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: IMOBILIÁRIA PARQUE BRASIL LTDA DENOMINAÇÃO: LOTEAMENTO RESIDENCIAL VILA REAL FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE 04/05/2007

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 Eixo Temático: Cidades e Regiões Metropolitanas: a Geografia frente aos problemas

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão 3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão R egião localizada à NE do Estado, com características muito próprias, devido à sua estreita ligação e proximidade

Leia mais

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO 4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO Conceitualmente, Área de Influência abrange todo o espaço suscetível às ações diretas e indiretas do empreendimento, tanto na fase de implantação como na de operação,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

RELATÓRIO TECNICO DE IMPACTO AMBIENTAL GERADO PELO LIXÃO DA CIDADE DE ALEGRE

RELATÓRIO TECNICO DE IMPACTO AMBIENTAL GERADO PELO LIXÃO DA CIDADE DE ALEGRE EEEFM PROFESSOR PEDRO SIMÃO ALEGRE-ES RELATÓRIO TECNICO DE IMPACTO AMBIENTAL GERADO PELO LIXÃO DA CIDADE DE ALEGRE CURSO: TECNICO EM MEIO AMBIENTE 3 MODULO ALUNOS João Batista de Souza Graciliano Lordeiro

Leia mais

Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ-002-01-14. Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Novembro/2013 e Janeiro/2014

Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ-002-01-14. Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Novembro/2013 e Janeiro/2014 Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ-002-01-14 Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Novembro/2013 e Janeiro/2014 At: Gerência de Sustentabilidade FCTY Janeiro de 2014 1 INTRODUÇÃO... 1 2 LOCALIZAÇÃO...

Leia mais

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS 1. Conceituação de passivo ambiental Na conceituação ambiental

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO. Participaram da vistoria os seguintes representantes: BOA VISTA

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO. Participaram da vistoria os seguintes representantes: BOA VISTA PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO RELATÓRIO N.º 023/2012 Origem: ATEC PRM/Criciúma Destino: Darlan Airton Dias Procurador da República Ref.: Processo Judicial 2008.72.04.002971-7

Leia mais

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento 11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO 11.1 Zona de Amortecimento Vilhena (2002) menciona que o conceito de zona de amortecimento surgiu pela primeira vez em 1979, com o programa Man and Biosfere,

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ. TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com.

MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ. TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com. MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com.br ROBAINA, L. E. S. 2 ³ Universidade Federal de Santa Maria / lesro@hanoi.base.ufsm.br

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA O presente capítulo foi elaborado em atenção ao determinado pelo Ibama em seu Termo de Referência visando a formulação de um quadro referencial das condições ambientais da

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O

A P R E S E N T A Ç Ã O A P R E S E N T A Ç Ã O O presente documento técnico integra o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) referente à Extração de Minério de Ferro, na Fazenda Trindade, no Município de São Mamede no estado da Paraíba,

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Desoneração de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

ESTRADAS RURAIS E O PROBLEMA AMBIENTAL DA EROSÃO HÍDRICA: UM ESTUDO EM NOVORIZONTE - MINAS GERAIS 1

ESTRADAS RURAIS E O PROBLEMA AMBIENTAL DA EROSÃO HÍDRICA: UM ESTUDO EM NOVORIZONTE - MINAS GERAIS 1 ESTRADAS RURAIS E O PROBLEMA AMBIENTAL DA EROSÃO HÍDRICA: UM ESTUDO EM NOVORIZONTE - MINAS GERAIS 1 OLIVEIRA, KECIRLEY JORGIANE DE, Universidade Federal de Minas Gerais UFMG kecirley@yahoo.com.br SOARES,

Leia mais

Geomecânica dos resíduos sólidos

Geomecânica dos resíduos sólidos III Conferência Internacional de Gestão de Resíduos da América Latina Geomecânica dos resíduos sólidos urbanos: uma introdução Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM APP URBANA: ESTUDO DE CASO NO SETOR SANTA GENOVEVA NO MUNICIPIO DE GOIÂNIA GO

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM APP URBANA: ESTUDO DE CASO NO SETOR SANTA GENOVEVA NO MUNICIPIO DE GOIÂNIA GO Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM APP URBANA: ESTUDO DE CASO NO SETOR SANTA GENOVEVA NO MUNICIPIO DE GOIÂNIA GO Ulysses Cardoso Remy Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Graduando do Curso

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais