CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA SELEÇÃO DE TUBOS DE CONCRETO PARA REDES COLETORAS DE ESGOTO E DE DRENAGEM URBANA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA SELEÇÃO DE TUBOS DE CONCRETO PARA REDES COLETORAS DE ESGOTO E DE DRENAGEM URBANA."

Transcrição

1 DOUGLAS BARRETO CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA SELEÇÃO DE TUBOS DE CONCRETO PARA REDES COLETORAS DE ESGOTO E DE DRENAGEM URBANA. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil com ênfase Ambiental. SÃO PAULO 2003

2 DOUGLAS BARRETO CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA SELEÇÃO DE TUBOS DE CONCRETO PARA REDES COLETORAS DE ESGOTO E DE DRENAGEM URBANA. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil com ênfase Ambiental. Orientador: Prof. Dr. Antônio Rubens Portugal Mazzilli SÃO PAULO 2003

3 AGRADECIMENTOS Uma série de agradecimentos se faz necessária, pois muitos foram aqueles que direta ou indiretamente contribuíram para o desenvolvimento deste trabalho de conclusão de curso. Inicio meus agradecimentos a todos os colegas de classe e em particular ao Walter Rigolino, ao Luiz Augusto e ao Valdir Felipe que compartilharam a mesma jornada sempre um amparando ao outro nos diversos momentos de dificuldades que vivenciamos. À coordenação e ao corpo docente da UAM que proporcionaram o apoio e o embasamento do conhecimento necessário e suficiente para poder desenvolver o assunto nos seus mais amplos aspectos. Ao Prof. Dr. Rodolfo, que com sua sistemática de cobrança e de orientação nos conduziu num ritmo firme e adequado, sendo em diversas oportunidades um crítico tolerante e compreensivo, tornando-se nosso verdadeiro apoio para alcançarmos os objetivos propostos. Gostaria de externar um agradecimento especial ao meu orientador, o Prof. Dr. Mazzili, pois foi uma honra ter sido orientado por ele, que com seu conhecimento acumulado ao longo dos anos de cátedra pode conduzir o trabalho por um caminho tranqüilo sem sobressaltos. Por fim, não poderia deixar de agradecer à milha família que soube compreender este momento especial da conquista de mais uma etapa em minha formação acadêmica.

4 SUMÁRIO RESUMO...IV ABSTRACT...V LISTA DE FIGURAS...VI LISTA DE FOTOGRAFIAS...VII LISTA DE TABELAS...IX 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico METODOLOGIA DO TRABALHO JUSTIFICATIVA TUBOS DE CONCRETO Histórico Principais Aplicações Normalização aplicável Normalização aplicável até maio de Normalização aplicável a partir de maio de Ensaios aplicáveis para o recebimento de tubos i

5 5.4 Processos de Fabricação Estocagem Transporte Selo da qualidade para tubos de concreto PROJETO DE REDES COM TUBOS DE CONCRETO Projeto hidráulico dos tubos de concreto Projeto estrutural dos tubos de concreto Instalação em obra Instalação em valas Acoplamento Reaterro da vala Pipejacking CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DOS TUBOS DE CONCRETO Dimensionamento Hidráulico Perfil do subsolo Modo de assentamento Cargas atuantes Fator de equivalência de Marston Carga total atuante no tubo Definição da classe do tubo ESTUDO DE CASO Dimensionamento Hidráulico Perfil do subsolo ii

6 8.3 Modo de assentamento Cargas atuantes Fator de equivalência de Marston Carga total atuante no tubo Definição da classe do tubo CONCLUSÕES...98 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO 1 TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL DOS TUBOS iii

7 RESUMO Este trabalho tem por objetivo apresentar uma contribuição prática sobre a utilização de tubos de concreto na construção civil. Este tipo de tubulação é empregado em larga escala nas diversas intervenções da engenharia civil no meio ambiente, especialmente para a condução adequada de águas residuárias ou de chuva. A literatura referencia o emprego de tubulações de coleta de esgoto desde 3750 AC, tendo-se como referencia aquelas que conduziam o esgoto de Roma para a Cloaca Máxima, construída aproximadamente no ano 800. A bibliografia permite identificar pelo menos três principais áreas de expansão que fizeram com que a indústria de tubos de concreto viesse a surgir e que foram: abastecimento de água; coleta e tratamento dos esgotos; e finalmente irrigação e drenagem. A metodologia adotada para o desenvolvimento do presente trabalho consiste da realização de uma pesquisa bibliográfica nos acervos técnicos das entidades relacionadas à fabricação de tubos de concreto, bem como nos acervos de instituições que promovem a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico dos tubos de concreto. Os principais critérios de dimensionamento, tanto no campo da condução de águas residuárias como na drenagem urbana, são analisados e enfocados como elemento constituinte do processo de seleção, bem como as características estruturais e suas interações geo-mecânicas. Como resultado da metodologia puderam ser levantados e compilados os requisitos técnicos aplicáveis à seleção adequada dos tubos em função de sua utilização em projetos de esgotamento sanitário e de drenagem urbana. Estes requisitos foram aplicados em um estudo de caso de uma rede de drenagem urbana, onde se pode avaliar a importância da seleção adequada e tubos de concreto por meio da definição das classes de resistência dos tubos em função das características de implantação da rede de drenagem. iv

8 ABSTRACT This report has the objective of presenting a practical contribution about the use of concrete pipes in the civil construction field. This type of pipe has been used in a wide scale by the civil engineering in the environment, especially for conducting rain water or residuary water. The literature refers the use of sewer pipes since 3750 AC, having itself as most famous reference the Maximum Cloaca, built in Rome approximately in year 800. The bibliography allows to identify at least three main areas of expansion that the industry of concrete pipes became to increase, which are: water supply; sewers, and finally irrigation and drainage. The methodology adopted for the development of the present work was the accomplishment of a bibliographical research in the files of the entities related to the manufacture of concrete pipes, as well as in the files of institutions that promote the research and the technological development of the concrete pipes. The main criteria of sizing pipes in the field of the residuary water conduction as well as urban draining are analyzed and focused as the element of the selection process, as well as the structural characteristics and its geo-mechanical interactions. The result of the methodology was a list of compiled and technical applicable requirements for adequate selection of the pipes considering its use in projects of sewer and urban drainage. These requirements were applied in a study of case of urban drainage network, where could be evaluated the importance of the adequate selection of concrete pipes by means of the definition of the resistance class of the pipes in function of the characteristics of the drainage network design. v

9 LISTA DE FIGURAS Figura 5.1: Situação das cidades no século XIX (Fonte:Chama,2002)...8 Figura 5.2: Equipamentos recomendados para movimentação de tubos de concreto (Fonte:ABTC,2002)...41 Figura 6.1: Gráfico da participação percentual dos custos envolvidos em uma obra de rede coletora de esgoto...47 Figura 6.2: Gráfico da variação da declividade em função do coeficiente de Manning Figura 6.3: Condições tipicamente aplicadas para as canalizações enterradas (Fonte ABTC, 2002) Figura 6.4:Situação de instalação de tubos de concreto(fonte ABTC, 2002)...68 Figura 6.5:Inspeção das condições do tubo de concreto(fonte ABTC, 2002)...71 Figura 6.6:Acoplamento de tubos de concreto(fonte ABTC, 2002)...72 Figura 6.7:Reaterro de tubos de concreto(fonte ABTC, 2002)...74 Figura 6.8:Situação pós-compactação de tubos de concreto(fonte ABTC, 2002)...75 Figura 8.1: Planta de implantação do empreendimento...85 Figura 8.2: Desenvolvimento das galerias das ruas A e B até a Escada Figura 8.3: Desenvolvimento das galerias das ruas C e D até a Escada vi

10 LISTA DE FOTOGRAFIAS Foto 5.1: Cloaca Máxima em Roma (Fonte:ABTC,2002)...7 Foto 5.2: Vista do canteiro de fabricação de tubos do Emissário Submarino, no Aterro do Flamengo (Fonte: Emílio Ibrahim,2003) Foto 5.3: A foto reproduz a saída do canteiro de fabricação, no Aterro do Flamengo, de um tubo de concreto protendido, de 50 m, por meio de balsas, para ser implantado no Emissário Submarino de Ipanema (Fonte: Emílio Ibrahim,2003)...14 Foto 5.4: Plataforma destinada aos trabalhos de assentamento dos tubos do Emissário Submarino de Ipanema, vindo do exterior especialmente para a execução do emissário(fonte: Emílio Ibrahim,2003) Foto 5.5: Tubo de concreto na prensa hidráulica para a realização do ensaio de compressão diametral (Fonte: ABTC, 2002)...31 Foto 5.6: Verificação da ocorrência de trincas no tubo durante o ensaio de compressão diametral (Fonte: ABTC, 2002) Foto 5.7: Tubos de concreto acoplados para a realização do ensaio de permeabilidade e estanqueidade (Fonte: ABTC, 2002) Foto 5.8: Lançamento da forma na máquina de vibro-prensagem (Fonte: ABTC, 2002)...33 Foto 5.9: Lançamento do concreto na forma (Fonte: ABTC, 2002 e Chama,2002)...33 Foto 5.10: Retirada do tubo da máquina de vibro-prensagem (Fonte: ABTC, 2002 e Chama, 2002)...34 Foto 5.11: Vista geral da máquina para fabricação de tubos por compressão radial (Fonte: ABTC, 2002)...34 Foto 5.12: Processo de rotação do concreto na máquina de fabricação de tubos por compressão radial (Fonte: ABTC, 2002) Foto 5.13: Tubos e aduelas fabricados por moldagem in loco (Fonte: Besser, 2003)...36 Foto 5.14: Tubos estocados na fábrica pós processo de moldagem (Fonte: ABTC, 2002)...37 vii

11 Foto 5.15: Tubos estocados de pé no pátio da fábrica (Fonte: ABTC, 2002) Foto 5.16: Tubos estocados deitados no pátio da fábrica (Fonte: ABTC, 2002)...38 Foto 5.17: Tubos estocados deitados no pátio da obra (Fonte: ABTC, 2002) Foto 5.18: Tubos estocados de pé no pátio da obra (Fonte: ABTC, 2002). 39 Foto 5.19: Tubos transportados de pé no caminhão (Fonte: ABTC, 2002). 41 Foto 5.20: Tubos transportados deitados no caminhão (Fonte: ABTC, 2002) Foto 6.1:Base de apoio granular(fonte Debs, 2003)...69 Foto 6.2: Base de apoio granular (Fonte Debs, 2003)...69 Foto 6.3:Base de apoio em concreto(fonte ABTC, 2002)...69 Foto 6.4:Base de apoio em concreto(fonte ABTC, 2002)...70 Foto 6.5: Base de apoio em concreto(fonte ABTC, 2002)...70 Foto 6.6: Montagem dos anéis de borracha no tubo de concreto(fonte ABTC, 2002)...71 Foto 6.7:Acoplamento de tubos de concreto(fonte ABTC, 2002)...72 Foto 6.8:Acoplamento de tubos de concreto(fonte ABTC, 2002)...73 Foto 6.9:Equipamento de pipejacking (Fonte SAMEC, 2003)...75 Foto 6.10:Vagoneta para retirada do material do tunel (Fonte SAMEC, 2003)...76 Foto 6.11: Cravação do tubo no tunel (Fonte SAMEC, 2003)...76 viii

12 LISTA DE TABELAS Tabela 6.1: Participação percentual dos custos envolvidos em uma obra de rede coletora de esgoto (Tsutya,2000.p.66) 46 Tabela 6.2: Coeficientes de run off C CETESB,1986 (p.140,141) 51 Tabela 6.3: Relação entre o coeficiente de Manning e a declividade mínima (Tsutya,2000 p.93). 55 Tabela 6.4: Valores de Rsd em função do tipo de solo ABTC, Tabela 6.5: Coeficiente de Marston ABTC, Tabela 6.6: Cargas rodoviárias para um trem tipo 45 ton. (Fonte ABTC,2002) (*). 62 Tabela 6.7: Fatores de equivalência de Marston (Fonte: ABTC,2002 e 2003). 64 Tabela 6.8: Taxas de projeção p (Fonte: ABTC,2002 e 2003). 65 Tabela 7.1: Tipos de base e fatores de equivalência de Marston 80 Tabela 7.2: Cargas de compressão diametral para tubos de concreto simples ( Fonte NBR 8890/20003). 82 Tabela 7.3: Cargas de compressão diametral para tubos de concreto armado ( Fonte NBR 8890/20003). 83 Tabela 8.1: Resultados do dimensionamento das vazões contribuintes. 86 Tabela 8.2: Verificação da necessidade de execução de galerias de águas pluviais. 87 Tabela 8.3: Cálculo das galerias de águas pluviais (BL,PV e Escada) das ruas A e B. 90 Tabela 8.4: Cálculo das galerias de águas pluviais (BL,PV e Escada) das ruas C e D. 91 Tabela 8.5: Cálculo das cargas de terra e móveis atuantes sobre os tubos. 93 Tabela 8.6: Carga total atuante sobre os tubos de concreto. 94 Tabela 8.7: Seleção dos tubos de concreto a serem utilizados na rede de drenagem. 95 Tabela 8.8: Quantidades de tubos, em metros, a serem empregadas na rede de drenagem. 96 ix

13 1 INTRODUÇÃO Este trabalho de conclusão de curso de engenharia civil se dedica ao estudo dos tubos de concreto, pois são componentes empregados em larga escala nas diversas intervenções da engenharia civil no meio ambiente para a condução adequada de águas residuárias ou de chuva. As intervenções aplicadas ao saneamento do meio ambiente estão circunscritas à utilização dos tubos na condução dos esgotos domésticos das áreas urbanizadas das cidades brasileiras. Estas localidades ainda carecem de serviços de saneamento, visto que apenas de 50% dos esgotos domésticos são coletados na maioria das cidades brasileiras. A implantação de sistemas de coleta de esgoto e de drenagem e suas respectivas redes coletoras fazem com que seja necessária a utilização de tubos de concreto, principalmente nos coletores troncos e emissários como forma de preservar o meio ambiente garantindo um saneamento adequado às cidades e a população. Ao se expandir o tecido urbano nestas regiões, há a necessidade de se conduzir adequadamente as águas das chuvas. Por isso é importante a implantação de redes de drenagem urbana como meio de preservar o caminho das águas de uma maneira que provoque o menor impacto ambiental e, também, sem expor as populações às mazelas das enchentes. Os problemas urbanos relacionados às enchentes provocam muitos prejuízos, principalmente quando os equipamentos de drenagem se mostram insuficientes ou quando apresentam falhas em seu funcionamento devido, por exemplo, à ruptura das tubulações da rede ou mesmo por insuficiência na capacidade de escoamento. 1

14 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral O objetivo geral deste trabalho de conclusão de curso é a realização de uma revisão bibliográfica sobre tubos de concreto de forma abrangente. Como indexação desta revisão elegeram-se os aspectos relevantes acerca da técnica envolvida nas fases de fabricação, projeto e aplicação. Para a fase de fabricação levantaram-se os aspectos que garantam um tubo de boa qualidade. Na fase de projeto hidráulico e estrutural os aspectos que se relacionem com a definição de diâmetros adequados de condução de esgoto e tubos estruturalmente capazes de resistir aos esforços inerentes conforme a situação de instalação. Para a de aplicação de tubos de concreto, os aspectos referentes às redes coletoras de esgoto e de drenagem urbana. 2.2 Objetivo Específico Como objetivo específico, este trabalho, se dedica à realização do estudo na literatura disponível, abrangendo fontes acadêmicas e técnicas de maneira que possam identificar os critérios que influenciam na a seleção dos tubos de concreto no projeto de redes de coleta de esgoto e drenagem de águas pluviais. Estende-se que estes critérios devem balizar o projeto de forma que haja uma completa aderência entre as especificações necessárias dos tubos e as das redes de tubulações de forma que o desempenho das redes se mantenha adequado por um longo tempo sem que apresentem falhas precoces devido à má seleção dos tubos de concreto. 2

15 3 METODOLOGIA DO TRABALHO A metodologia adotada para o desenvolvimento do presente trabalho consiste da realização de uma pesquisa bibliográfica nos acervos técnicos das entidades relacionadas à fabricação de tubos de concreto, bem como nos acervos de instituições que promovem a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico dos tubos de concreto. Como fontes de pesquisas citam-se os livros técnicos especializados; anais dos congressos do IBRACON 1 ; as normas técnicas da ABNT 2 ; dissertações e teses acadêmicas; e os sites da Internet que mantêm páginas específicas sobre o assunto. Da bibliografia selecionada se procede a uma análise crítica da documentação de maneira a apresentar os parâmetros de interesse relacionados com a aplicação dos tubos de concreto. Também se destacam os detalhes que permitam um maior esclarecimento sobre as técnicas de projeto e execução. Como resultado da aplicação da metodologia são levantados e compilados os requisitos técnicos aplicáveis à seleção adequada dos tubos, em função de sua utilização em projetos de esgotamento sanitário e de drenagem urbana. Um estudo de caso é utilizado para aplicar os requisitos técnicos compilados e serve como base para a avaliação crítica do trabalho realizado. 1 IBRACON: Instituto Brasileiro do Concreto. 2 ABNT: Associação Brasileira de Normas Técnicas. 3

16 4 JUSTIFICATIVA A correta aplicação dos tubos de concreto propicia as situações adequadas para os sistemas de drenagem urbana e condução de esgoto sanitário garantindo que haja o afastamento rápido e seguro dos efluentes no meio urbano. Desta forma o trabalho desenvolvido justifica-se pela necessidade de se levantar os critérios técnicos para seleção de tubos de concreto para redes de esgoto e drenagem urbana, uma vez que os tubos são largamente utilizados em obras de saneamento ambiental e toda e qualquer falha na especificação destes pode acarretar sérios danos ao meio ambiente. Portanto, o conhecimento e o entendimento dos critérios técnicos e a sua compilação torna-se um instrumento para auxiliar o profissional de engenharia na seleção adequada dos tubos de concreto, em função de sua aplicação, evitando acidentes que possam afetar o desempenho do sistema e comprometer negativamente o meio urbano e, conseqüentemente o meio ambiente. 4

17 5 TUBOS DE CONCRETO Este capítulo e o próximo constituem-se da revisão bibliográfica na literatura encontrada sobre o assunto. A essência desta revisão foi o levantamento dos diversos aspectos relevantes sobre os tubos de concreto e sua organização para que sirvam de base para consulta dos técnicos que venham a trabalhar em projetos de rede coletora de esgoto e drenagem urbana. Na própria literatura consultada foi constatada a carência de publicações sobre o assunto 3. Desta forma o critério para selecionar as referências se limitou, basicamente, à própria disponibilidade destas referências nos locais onde se realizou a pesquisa bibliográfica. Assim, neste trabalho, foi realizada uma pesquisa bibliográfica nos acervos técnicos das entidades a seguir relacionadas e que, de uma certa maneira se relacionam com os diversos aspectos relativos aos tubos de concreto. ABCP Associação Brasileira de Cimento Portland; ABTC Associação Brasileira de Tubos de Concreto; IBTS Instituto Brasileiro de Telas Soldadas; IBRACON Instituto Brasileiro do Concreto; IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas; EPUSP Escola Politécnica da Usp; Catálogos de fabricantes de tubos 4. Na revisão bibliográfica efetuada verificou-se que um mesmo assunto está presente em mais de uma referência. Assim, neste e no próximo capítulo 3 Zaidler,1983 e Chama, Informações contidas em diversos sites em pesquisa via Internet 5

18 procurou-se identificar a fonte que continha a informação mais recente para a devida citação no texto. 5.1 Histórico Em Chama, 2002; ABTC, 2002; e Engetubos, , verificou-se a existência de um levantamento histórico sobre a utilização dos tubos de concreto na coleta de esgoto e drenagem das cidades. Estas referências abordam o histórico dos tubos de concreto, iniciando-se com os relatos datados de 3750 AC até os dias de hoje. Assim, a seguir, apresenta-se um resumo cronológico deste histórico com base na bibliografia já citada, bem como se incluem mais informações advindas de outras fontes citadas ao longo do texto. As explorações arqueológicas realizadas em algumas construções da Antiguidade permitiram a identificação de várias obras relacionadas com a coleta de esgoto ou drenagem. Dentre algumas se pode citar: Canalização de esgotos e drenagem construída em forma de arco aproximadamente no ano 3750 AC, em Nippur, Índia; Canalização de esgotos e drenagem construída aproximadamente no ano 2600 AC, em Tell Asmar, próximo a Bagdá, no Iraque; e A mais famosa das construções antigas, denominada de Cloaca Máxima, foi construída em Roma aproximadamente no ano 800 AC, em serviço até o inicio do século passado (ver foto 5.1). 5 Informações contidas no site da empresa no dia da consulta (ver Referências Bibliográficas) 6

19 Foto 5.1: Cloaca Máxima em Roma (Fonte:ABTC,2002) Até 1800 as cidades ainda conservavam uma escala urbana de baixa densidade de edificações. Mas já existiam cidades que apresentavam grandes concentrações, como Londres, Paris, Nova York, cujos despejos de esgotos eram lançados nas calçadas e conduzidos para as galerias através das águas da chuva (Chama, 2002). Embora já existissem obras de galerias de drenagem de água, essas canalizações não foram construídas para receber diretamente os esgotos domésticos e águas servidas. Assim, os despejos eram depositados nas ruas, ficando acumulados nas calçadas até que fossem conduzidos para as canalizações através da água das chuvas. O resultado dessa situação é que após as chuvas, as ruas se tornavam verdadeiros pântanos, compostos por esgoto e lixo, comprometendo a saúde pública. A figura 5.1, a seguir, ilustra a situação vivida nas cidades naquele século. 7

20 Figura 5.1: Situação das cidades no século XIX (Fonte:Chama,2002) No século XIX foi verificado um período de consolidação política e de expansão industrial acelerada na Europa, provocando o crescimento das cidades e a ocupação de novas áreas. Do ponto de vista sanitário, os métodos de coleta e transporte de esgoto nas cidades permaneceram inalterados até 1840, quando a preocupação com a saúde pública, devido às grandes epidemias ocorridas naquele século, motivou várias pesquisas e mesmo investimentos no saneamento das cidades. Dada esta situação, podem-se identificar pelo menos três principais áreas de expansão que fizeram com que a indústria de tubos de concreto viesse a surgir: Abastecimento de água potável Coleta de esgoto, por exigência de saúde pública; Irrigação e drenagem. 8

21 Assim, pode-se citar que na Europa foi construído o primeiro coletor de esgotos em 1840, em Hamburgo, Alemanha. A casas eram conectadas ao coletor e o sistema adotado era o separador, ou seja, o esgoto era conduzido, por meio de tubos de concreto, separadamente da água das chuvas (Chama, 2002). Nos Estados da América os primeiros coletores foram construídos nas pequenas cidades, com fundos locais. Os detalhes dessas obras são desconhecidos (ABTC,2002). As primeiras obras com informações conhecidas em grandes cidades norteamericanas foram: Coletor de esgoto construído em 1842 em Mohawk, New York; Primeiro Interceptor construído em 1876 em Boston, Massachusetts; Primeira galeria de águas pluviais Construída em ferrovia próxima a Salem, Illinois em Esteve em serviço por mais de um século; Drenagens em fazendas e irrigação de terras Constituída por tubos de pequenos diâmetros. Segundo consta em ABTC,2002, os primeiros tubos foram desenvolvidos na Holanda na década de 1830 e introduzidos nos EUA na década de Podem-se associar alguns fatos marcantes que motivaram a aceleração nas construções de redes de esgoto em algumas cidades dos Estados Unidos e Europa: Estados Unidos: Epidemia de Febre Amarela Iniciou em 1873 em Memphis, Tennessee; Incentivou a construção de sistemas de esgotos até 1880 nas 20 maiores cidades americanas. 9

22 Europa: Cólera Asiática Epidemia se iniciou na Inglaterra em 1854 e posteriormente assolou Paris; Acelerou as construções de redes de esgotos na segunda parte do século XIX. Devido às construções de redes de esgoto e drenagem nas cidades, o período entre 1880 a 1930 pode ser considerado como o de crescimento e desenvolvimento de mercado e de tecnologia para os tubos de concreto. Neste período aconteceram grandes avanços, com a modernização dos projetos e técnicas de construções de redes de esgotos e galerias de águas pluviais, bem como no projeto e produção de tubos de concreto pela indústria, incluindo o desenvolvimento de teorias hidráulicas e conceitos sobre cargas atuantes nos tubos, normas para materiais e testes. Dentre os vários avanços notados podemos citar algumas das teorias hidráulicas e de projeto desenvolvidos entre (ABTC,2002): Osbourne e Reynolds 1883; Robert Maning 1890; Bazin 1897; Hazen and Willians 1902; Scoby 1920; Yornell, Nagher e Woodward 1926; Conceito original publicado por Marston e Anderson, em 1913; 1930 Marston se uniu a Spangler e Schlick e publicou o primeiro trabalho sobre cálculo de cargas em tubos The Teory of External Loads on Closed Conduits in the Light of the Latest experiments. 10

23 Também se pode destacar que neste período em relação à qualidade, os tubos de concreto receberam uma grande atenção nos últimos anos do século XIX, com a fundação, em 1898, da ASTM - American Society for Testing and Materials. Após a fundação da ASTM, foi criado o comitê C4, que foi o primeiro comitê a tratar sobre tubos em geral; e que foi o precursor do comitê C13, que trata atualmente sobre tubos de concreto. Devido à reconhecida necessidade de melhoria de qualidade e capacidade de produção da indústria, em 1907 foi formada nos EUA a ICTMA Interstate Cement Tile Manufactures Association, que em 1914 passou a ser denominada ACPA American Concrete Pipe Association (ACPA, 2003). O primeiro teste de compressão diametral em um tubo de concreto de diâmetro 700 mm por 1,50 m de comprimento, foi executado em setembro de 1924 na Companhia Americana de Produtos de Concreto, situada em Neville Island. A partir de 1930 pode-se caracterizar como o período de avanço e progresso na indústria de tubos de concreto, apresentando o crescimento da produção para atender à necessidade crescente de saneamento nas cidades no início do século XX. Nos anos seguintes à grande depressão e 2ª Guerra Mundial, a produção de tubos de concreto dobrou para 4 milhões de toneladas/ano até 1950, alcançando um nível de produção de mais de 10 milhões de toneladas/ano até 1970 (ACPA, 1980 apud Chama,2002, p.6-9). O conceito de inspeção e análise de desempenho de tubos de concreto foi introduzido no cenário industrial e teve início em 1929, abrangendo 43 cidades americanas e 191 sistemas de esgoto, avaliando-se um total de 24 milhões de tubos de concreto instalados desde

24 Estas inspeções indicaram o estado de conservação dos tubos de concreto instalados quando comparados aos tubos novos. Este fato, segundo a ABTC,2002, foi determinante para uma maior aceitação de tubos de concreto pelo mercado. A partir da década de 40, em termos gerais, houve um avanço tecnológico continuado na área de concreto e que se refletiu também nos tubos de concreto. Na década de 50 houve a introdução da junta com anéis de borracha em substituição às juntas executadas com argamassa. Já nos anos 60, ocorreu a introdução de novos equipamentos de manuseio e produção, melhorando a qualidade dos tubos. Também se pode ressaltar uma melhoria de qualidade na produção dos tubos, resultando em tubos mais duráveis, resistentes, uniformes, e com baixas tolerâncias nas dimensões, visando garantir o alinhamento no assentamento e juntas estanques (ABTC,2002). Ainda segundo a ABTC, 2002 a aceitação de tubos de concreto pelo mercado americano a partir de 1930 foi extremamente significativa, a ponto de serem produzidos mais de 20 milhões de toneladas de tubos até Considerando-se agora o cenário no Brasil, sabe-se que desde o tempo do Império a questão sanitária das cidades e principalmente, no Rio de Janeiro, então a capital do país, demandou ações que resultaram na implantação de sistemas de coleta de esgoto e drenagem. Deve-se destacar o trabalho inestimável do sanitarista Saturnino de Brito que elaborou e implantou diversos sistemas de coleta de esgoto e de drenagem em várias cidades brasileiras cujo caso mais conhecido é o sistema de canais da cidade de Santos implantado em Uma obra emblemática no Brasil, no final da década de 30,foi o sistema de abastecimento de água do Rio de Janeiro, com a execução da adutora do Ribeirão das Lages ( ), com aproximadamente 70 km de extensão. 12

25 O projeto surgiu da necessidade de um reforço no abastecimento de água para a cidade, que naquela época enfrentava períodos de estiagem com quedas da capacidade de abastecimento nos meses de seca. O aumento da capacidade de abastecimento da cidade foi da ordem de m 3 /dia. Esta obra encontra-se em uso até os dias atuais (ABTC,2002). Uma obra 6 mais recente também no Rio de Janeiro, foi a de esgotamento sanitário da zona sul da cidade que proporciona o destino final adequado aos esgotos de toda a região. Foi concluído em 1975, em um período executivo de 22 meses. O seu projeto atende não somente à contribuição atual de cerca de 8 m³/s, como também à descarga de saturação urbanística futura com a vazão de até 12 m³/s. Partindo de uma caixa de confluência na Praia de Ipanema, em frente à Rua Teixeira de Mello, o emissário submarino de Ipanema, foi construído com uma canalização de concreto protendido de 2,40 metros de diâmetro. Os esgotos são lançados ao mar, a metros, através de seus 178 difusores de 0,17 m de diâmetro, localizados nos últimos 400 metros da tubulação, a uma profundidade média de 28 metros. A sua extremidade é fechada por duas comportas de concreto armado e revestidas com teflon que são operadas por pórtico submarino, especialmente projetadas e construído para as suas necessidades de manutenção. A realização da obra exigiu a instalação de dois canteiros de serviços: o de Ipanema e outro de fabricação industrial de tubos no Aterro do Flamengo. As fotos 5.2 a 5.4 apresentam alguns detalhes da obra executada. 6 Emílio Ibrahim,2003 site pessoal na internet 13

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 240-8249/532-2143

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Tubos de Concreto. Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto. Antonio D. de Figueiredo

Tubos de Concreto. Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto. Antonio D. de Figueiredo ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto Antonio D. de Figueiredo Tubos de Concreto 1 Principais

Leia mais

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS"

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS" PALESTRANTE: Eng o Civil Antonio Livio Abraços Jorge 28 de Março de 2008 Marcos na História do Saneamento Tubos cerâmicos são

Leia mais

ABNT NBR 8890 NORMA BRASILEIRA. Tubo de concreto de seção circular para águas pluviais e esgotos sanitários Requisitos e métodos de ensaios

ABNT NBR 8890 NORMA BRASILEIRA. Tubo de concreto de seção circular para águas pluviais e esgotos sanitários Requisitos e métodos de ensaios NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 8890 Segunda edição 22.10.2007 Válida a partir de 22.11.2007 Versão Corrigida 24.03.2008 Tubo de concreto de seção circular para águas pluviais e esgotos sanitários Requisitos

Leia mais

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Tubo de Concreto Armado para Esgoto Sanitário Especificação São Paulo Maio - 1999 NTS 045 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE DESEMPENHO ENTRE TUBOS RIGÍDOS E FLEXÍVEIS RELVAS, Fernando José e CHAMA NETO, Pedro Jorge

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE DESEMPENHO ENTRE TUBOS RIGÍDOS E FLEXÍVEIS RELVAS, Fernando José e CHAMA NETO, Pedro Jorge AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE DESEMPENHO ENTRE TUBOS RIGÍDOS E FLEXÍVEIS RELVAS, Fernando José e CHAMA NETO, Pedro Jorge 1 - INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo apresentar, de forma resumida, os princípios

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Aurélio Nilsson

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Aurélio Nilsson 0 CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aurélio Nilsson COMPARAÇÃO ENTRE TUBOS DE CONCRETO ARMADO E TUBOS DE CONCRETO COM FIBRAS DE AÇO COM RELAÇÃO AO PROCESSO DE FABRICAÇÃO E AO CUSTO DO PRODUTO FINAL Santa Cruz

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort s o l u ç õ e s a m a n c o i n f r a e s t r u t u r a Linha Amanco Novafort para Redes Coletoras de Esgotos e Águas Pluviais para Infraestrutura A linha Amanco

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

Drenagem - bueiros tubulares de concreto

Drenagem - bueiros tubulares de concreto MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Giovana Martinelli da Silva Ricardo Franci Gonçalves Universidade Federal do Espírito Santo Índice Evolução Histórica Definição Objetivos Tipos de Sistemas Componentes

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

ANEXO I PROJETO BÁSICO

ANEXO I PROJETO BÁSICO ANEXO I PROJETO BÁSICO 1. OBJETO Constitui o objeto do presente Termo de Referência para a contratação de Fornecimento e Instalação de Unidade Sanitária Individual (USI), para tratamento de esgoto unifamiliar

Leia mais

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL Profa. Eliana Barreto Monteiro Você sabia? Que na maioria das vezes a aplicação da argamassa de reparo deve ser manual? A diferença entre reparo superficial e profundo? Procedimentos

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Drenagem - dispositivos de drenagem pluvial urbana

Drenagem - dispositivos de drenagem pluvial urbana MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert

Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert Aços Longos Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert Produtos Drawings, photo s: copyright N.V. Bekaert Dramix As fibras de aço Dramix são produzidas a partir de fios de aço trefilados tendo como

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

Paredes Diafragma moldadas in loco

Paredes Diafragma moldadas in loco Paredes Diafragma moldadas in loco Breve descrição das etapas executivas Introdução A parede diafragma moldada in loco é um elemento de fundação e/ou contenção moldada no solo, realizando no subsolo um

Leia mais

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa de soluções para armazenamento de água no Brasil. Campeã de vendas no seu segmento, garante a liderança no mercado

Leia mais

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias?

Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias? Seminário: Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias? EngºArcindo A. Vaquero y Mayor Wish List Veloz Durável Prático (com racionalização) Econômico Baixo Desperdicio Confortável (Desempenho Termico

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75.

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75. Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Saneamento ecológico a/c Renato Cortez 1. caixa de gordura De acordo com a NBR 8160, para a coleta de apenas uma cozinha, pode-ser uma caixa

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

1 BATALHÃO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO

1 BATALHÃO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO 02 CORREÇÃO DE CARIMBO E REVISÃO ORTOGRÁFICA NOV/2010 01 CORREÇÃO NO PLANO DE EXECUÇÃO MAR / 2007 NSAS IMG REV. MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO 1 BATALHÃO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO GERENTE

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort Amanco PBAfort Os tubos Amanco PBAfort constituem a linha em PVC rígido utilizada na construção de redes enterradas para condução de água. São resistentes à corrosão tanto em relação à água transportada

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS Prof. Vinícius C. Patrizzi 2 DRENAGEM PROFUNDA 3 DRENAGEM PROFUNDA 4 DRENAGEM PROFUNDA DRENAGEM PROFUNDA OBJETIVOS INTERCEPTAR AS ÁGUAS QUE POSSAM ATINGIR O SUBLEITO;

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é fornecer os subsídios de projeto para pavimentos com peças pré-moldadas de concreto no Município de São Paulo, orientando e padronizando os procedimentos de caráter

Leia mais

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT AULA 5 NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT março 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Relação

Leia mais

Obras-de-arte especiais - escoramentos

Obras-de-arte especiais - escoramentos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

15 EncontroTécnicoDER/PR. Eng. Luiz Antonio Maranhão Pereira Gerente de produtos

15 EncontroTécnicoDER/PR. Eng. Luiz Antonio Maranhão Pereira Gerente de produtos 15 EncontroTécnicoDER/PR Eng. Luiz Antonio Maranhão Pereira Gerente de produtos Agenda Sucesso em obras de engenharia com ARMCO STACO Estruturas de aço corrugado na forma de arco Teste de cargas Filme

Leia mais

História da Pesquisa dos Valores do

História da Pesquisa dos Valores do História da Pesquisa dos Valores do Tradução de trabalho publicado pela ACPA - American Concrete Pipe Assocition O presente trabalho é uma tradução da equipe de técnicos da ABTC - Associação Brasileira

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Execução e Manutenção de MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Norma de Execução e Manutenção NBR 15953 com peças de concreto - Execução NBR 15953 Escopo Se aplica à pavimentação intertravada com peças de concreto

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO VANTAGENS E DESVANTAGENS DO CONCRETO ARMADO: Apenas

Leia mais

CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC

CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC Tubos e Conexões de PVC, para Água Fria, com Junta Soldável Norma Regulamentadora: ABNT NBR 5648 / jan 1999. Campo de Aplicação: Sistemas Prediais, condominiais e pequenas

Leia mais

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 1 Libânio M. Pinheiro; Cassiane D. Muzardo; Sandro P. Santos Março de 2004 INTRODUÇÃO Este é o capítulo inicial de um curso cujos objetivos são: os fundamentos do concreto;

Leia mais

Galeria Multidimensional Rodoviária

Galeria Multidimensional Rodoviária TECNOLOGIA e INOVAÇÃO: MESO - MACRODRENAGEM Galeria Multidimensional Rodoviária I 1 - GALERIA MULTIDIMENSIONAL RODOVIÁRIA Autor da Tecnologia e responsável técnico: Eng.º Civil: Mauricio Santiago dos Santos;

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PREPARO, RECEBIMENTO, LANÇAMENTO E CURA DO CONCRETO

Leia mais

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário e) Órgãos acessórios: Dispositivos fixos e não mecanizados destinados a facilitar a inspeção e limpeza dos coletores, construídos em pontos

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

COLETORES DE ESGOTOS DE TUBO PVC REVESTIDO COM FERROCIMENTO

COLETORES DE ESGOTOS DE TUBO PVC REVESTIDO COM FERROCIMENTO COLETORES DE ESGOTOS DE TUBO PVC REVESTIDO COM FERROCIMENTO AILTON DONIZETI DA SILVA Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia de Poços de Caldas,1994, Especialização em Saneamento Ambiental PUC-Minas,

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM POLIETILENO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras;

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Vinilfort Localização no Website Tigre: Obra Infra-estrutura Saneamento Esgoto VINILFORT Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Aplicações: Ligações prediais, redes coletoras, interceptores

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ductilfort são uma linha em PVC dúctil utilizada na construção de redes para condução de água. Perfeitamente intercambiáveis às tubulações de ferro

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DEDISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: REVISÃO: PAGINA: 1/33 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma fixa as características básicas de poste de concreto

Leia mais

Drenagem - meios-fios e guias

Drenagem - meios-fios e guias MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS A PLASTUBOS é uma empresa do Grupo Empresarial DVG, especializada na produção de tubos rígidos e conexões de PVC para água e esgoto predial, infra-estrutura, irrigação e eletricidade.

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 031

Norma Técnica Sabesp NTS 031 Norma Técnica Sabesp NTS 031 Revestimento interno com resina epoxídica, para reabilitação de tubulações de ferro fundido destinados a condução de água potável. Especificação São Paulo Março: 2014 Rev.

Leia mais

Memorial de Especificações de Materiais e Execução

Memorial de Especificações de Materiais e Execução Pág. 1 Memorial de Especificações de Materiais e Execução Pág. 2 Índice 1 Estrutura... 3 Tabela 01 Tolerâncias dimensionais para seções transversais de elementos lineares e para espessura de elementos

Leia mais

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Materiais das Tubulações Profª Gersina Nobre Materiais das tubulações Fatores que devem ser observados na escolha: Resistência a cargas externas; Resistência a abrasão e a ataque químico;

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-17/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais