Artigo 19. Formulação de Reservas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Artigo 19. Formulação de Reservas"

Transcrição

1 Artigo 19 Formulação de Reservas Um Estado pode, ao assinar, ratificar, aceitar ou aprovar um tratado, ou a ele aderir, formular uma reserva, a não ser que: a) a reserva seja proibida pelo tratado; b) o tratado disponha que só possam ser formuladas determinadas reservas, entre as quais não figure a reserva em questão; ou c) nos casos não previstos nas alíneas a e b, a reserva seja incompatível com o objeto e a finalidade do tratado. Comentários ao Artigo 19 Aziz Tuffi Saliba 1. Introdução Inúmeras obras de Direito Internacional, ao tratarem das reservas, consignam uma observação que soa como uma advertência: a complexidade do tema 1. Numa matéria marcada por controvérsias, o reconhecimento da sua dificuldade talvez seja o principal consenso; e na medida em que os tratados multilaterais se tornaram cada vez mais comuns, a formulação de reservas ganhou relevo, na práxis e na doutrina. 2 1 Nesse sentido, Ian Sinclair ressalta: "The topic of reservations to multilateral conventions is inevitably complex." SINCLAIR, Ian. The Vienna Convention on the Law of Treaties. 2 nd edition. Manchester: Manchester University Press, 1984, p. 51; José Maria Ruda, ex-juiz da Corte Internacional de Justiça, iniciou seu curso em Haia sobre reservas, ponderando que : "The question of reservations has been one of the most controversial subjects in contemporary international law". RUDA, p 101. Para Hersh Lauterpacht, The subject of reservations to multilateral treaties is one of unusual in fact baffling complexity. LAUTERPACHT, Hersh. Law of treaties. Yearbook of the International Law Commission. Vol. II, Nova Iorque: Nações Unidas, p document A/CN.4/63. 2 Nesse sentido, ver a manifestação do delegado da União Soviética, Sr. Khlestov, na Conferência sobre Direito dos Tratados: "Mr. KHLESTOV (Union of Soviet Socialist Republics), (...) said that the situation with regard to reservations had changed considerably in the past thirty years. In current practice, multilateral conventions were often concluded by over a hundred States with widely differing social and political structures and legal systems, so that, although the object and purpose of the treaty might be common to all States, considerable differences might arise in respect of secondary provisions. The formulation of reservations was a satisfactory method of eliminating those difficulties and enabling large numbers of States to participate in international multilateral treaties, thus promoting widespread international co-operation." In: ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. United Nations Conference on the Law of Treaties. First session. March 24 - May 26, 1968, Nova Iorque: Nações Unidas, p Disponível em < >. Acesso em 5 de janeiro de 2010.

2 Há de se observar que a concepção que embasa o instituto das reservas é singela: em regra, ao se tornar parte num tratado, os Estados 3 podem rejeitar as cláusulas pelas quais não desejam se obrigar. Tal procedimento possibilita a um maior número de Estados integrar um instrumento convencional. O Estado não tem como opção apenas se sujeitar a todo o tratado ou não se sujeitar: poderá "excluir ou modificar" algumas cláusulas específicas e, ainda assim, participar da convenção. Tradicionalmente, uma reserva só era válida se aceita por todas as partes contratantes. 4 Na hipótese de ser recusada por qualquer parte, o Estado formulador da reserva tinha de desistir de efetuar a reserva ou de participar do tratado. 5 Tal práxis, que ficou conhecida como regra da unanimidade, predominou até a década de Outra prática, todavia, se desenvolveu nas Américas (mais especificamente, na União Pan-americana): a recusa da reserva formulada por outro Estado criava uma relação bilateral. O tratado não vigoraria entre o Estado formulador da reserva e o Estado que a recusava, mas operaria efeitos com relação a todos os demais Estados que aceitassem a reserva. 7 Um ponto decisivo para que a prática das Américas se consolidasse foi o parecer prolatado pela Corte Internacional de Justiça na década de 50, em caso conhecido como Reservas à Convenção sobre Prevenção e Repressão ao Crime de Genocídio. 8 Alguns Estados tinham formulado reservas à Convenção para a Prevenção e Repressão do Crime de Genocídio 9. Como houve objeção às reservas, em conformidade com a prática prevalecente, o Secretário-Geral da ONU informou aos Estados que formularam reservas que eles não poderiam se tornar parte da mencionada convenção. 10 Diante da controvérsia suscitada pela atitude do Secretário-Geral, a Assembleia Geral solicitou à Corte Internacional de Justiça parecer sobre a questão das reservas Poderíamos acrescer: Estados e organizações internacionais. 4 BISHOP JR., William W. Reservations to treaties. Recueil des cours de l Académie de droit international de La Haye, 1961 II. Leyden, Sijthoff, Vol. 103, pp , pp ; RUDA, op. cit., p. 5 VILLIGER, Mark E. Commentary on the 1969 Vienna Convention on the Law of Treaties, Leiden/Boston: Martinus Nijhoff Publishers, 2009, p SINCLAIR, Ian. Vienna Conference on the Law of Treaties. International and Comparative Law Quarterly. V. 19, pp , 1970, p VILLIGER, op. cit., p CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA. Reservations to the Convention on the Prevention and Punishment of the Crime of Genocide. Disponível em < >. Acesso em 5 de janeiro de A Convenção para a Prevenção e Repressão do Crime de Genocídio foi aprovada e proposta para assinatura e ratificação ou adesão pela resolução 260 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de dezembro de VILLIGER, op. cit., p ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Resolution adopted by the General Assembly at its 305 th plenary meeting on November 16 th, Disponível em < >. Acesso em 5 de janeiro de 2010.

3 As respostas da Corte - proferidas por apertadas maiorias 12 - rejeitavam a regra da unanimidade em prol de um posicionamento "flexível". A Corte manifestou a compreensão de que um Estado que formulou e manteve uma reserva repudiada por um ou mais Estados parte da Convenção (mas, obviamente, não por todos), poderia ser considerado parte da Convenção, desde que a reserva fosse compatível com o objeto e finalidade do tratado. Contudo, o Direito dos Tratados, desde o início dos trabalhos da Comissão de Direito Internacional das Nações Unidas, em 1949, figurou como tema a ser discutido, e os três primeiros relatores (J. L. Brierly, Hersch Lauterpacht e Gerald Fitzmaurice) não incorporaram o posicionamento da Corte aos seus respectivos relatórios. Foi apenas o quarto (e último) relator, Humphrey Waldock, que adotou em sua proposta os postulados enunciados pela Corte 13 no supramencionado caso das Reservas à Convenção sobre Prevenção e Repressão ao Crime de Genocídio. Analisaremos cada uma das hipóteses previstas no artigo Reserva proibida pelo tratado Alguns tratados expressamente proíbem reservas. Esse é o caso, exemplificativamente, do artigo 120 do Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional que estabelece: "Não são admitidas reservas a este Estatuto". 14 Tal solução, que na prática é pouco frequente 15, tem também suas desvantagens. Uma delas é que a impossibilidade de realizar reservas pode diminuir a participação de Estados na convenção. Em pronunciamento no qual justificou a razão de o Paquistão não participar, o Embaixador do Paquistão na ONU lamentou que a convenção não possibilitasse reservas e afirmou que a possibilidade de fazer reservas poderia ter assegurado maior aderência Tratado traz um rol de possíveis reservas, no qual não figura a reserva em questão 12 Foram sete votos favoráveis e cinco contrários. 13 COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Fifty-fourth session. Seventh report on reservations to treaties: by Mr. Alan Pellet, special rappoteur. Disponível em < >. Acesso em 02 de janeiro de SALIBA, Aziz Tuffi. Legislação de Direito Internacional. 5ª ed. São Paulo: Rideel, 2010, p Sobre o caráter excepcional da proibição de reservas, ver Villiger, op. cit., p. 269, que afirma: "In practice, such clauses remain exceptional." 16 Na versão em língua inglesa, o teor da declaração foi o seguinte: "However, it is unfortunate that the Rome Statute did not provide for reservations by countries. This may have ensured wider adherence to the Statute. There are several provisions in the ICC Statute with respect to which Pakistan has certain concerns." Disponível em < >. Acesso em 5 de janeiro de 2010.

4 Outra limitação ao poder de formular reservas está contida na alínea b do artigo 19, no qual se alude a determinadas reservas (ou, numa tradução mais aproximada do texto em inglês, reservas "especificadas"). 17 Nos termos de diretriz sugerida pelo relator especial da Comissão de Direito Internacional das Nações Unidas, trata-se de "reservas que são expressamente autorizadas pelo tratado para determinadas cláusulas e que atendem a condições especificadas pelo tratado". 18 Um exemplo de especificação de hipótese na qual o Estado pode efetuar reservas aparece no Acordo Constitutivo do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola 19 : "Artigo 13, seção 4. Reservas. Só podem ser formuladas reservas à seção 2ª do artigo 11 do presente Acordo". 3. Reserva incompatível com o objeto e a finalidade do tratado Como afirmou Pellet, a gestação dos artigos sobre reservas foi "laboriosa e difícil" 20. Houve inúmeras divergências, tanto no âmbito da CDI quanto entre representantes de Estados e, para se solucionar alguns impasses, foi necessário recorrer a uma redação ambígua. Pellet assevera que "a mais notável dessas ambiguidades diz respeito à função exata do 'critério' de compatibilidade da reserva com o objeto e finalidade do tratado, o qual a Convenção 'doutrinariamente' homenageia, mas do qual não se infere qualquer consequência clara". 21 O critério de compatibilidade da reserva com o objeto e finalidade do tratado, como se explanou acima, constava do parecer proferido pela Corte Internacional de Justiça no Caso 17 O texto original do art. 19 (b), em inglês, é "the treaty provides that only specified reservations, which do not include the reservation in question, may be made". Todavia, a tradução oficial para a língua portuguesa está mais próxima do texto (também original) em francês, que dispõe: "Que le traité ne dispose que seules des réserves déterminées, parmi lesquelles ne figure pas la réserve en question, peuvent être faites". 18 COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Fifty-eighth session. Eleventh report on reservations to treaties: by Mr. Alan Pellet, special rappoteur. Disponível em < >. Acesso em 02 de janeiro de O texto em inglês é " (...) the expression specified reservations means reservations that are expressly authorized by the treaty to specific provisions and which meet conditions specified by the treaty." 19 BRASIL. Decreto nº 83926, de 31/08/1979. Disponível em < >. Acesso em 2 de janeiro de COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL. Le droit et la pratique concernant les réserves aux traités. Premier rapport sur le droit et la pratique concernant les réserves aux traités, par M. Alain Pellet, rapporteur spécial. Disponível em < >. Acesso em 2 de janeiro de COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL. Le droit et la pratique concernant les réserves aux traités. Premier rapport sur le droit et la pratique concernant les réserves aux traités, par M. Alain Pellet, rapporteur spécial. Disponível em < >. Acesso em 2 de janeiro de O texto original em francês é "La plus remarquable de ces ambiguïtés tient au rôle exact du critère de la compatibilité de la réserve avec le but et l objet du traité, auquel la Convention paie doctrinalement tribut, mais dont elle ne tire aucune conséquence claire". No mesmo sentido, SCHABAS, William. Reservations to human rights treaties: time for innovation and reform. Canadian Yearbook of International Law, V. 32, 1994, pp , p

5 das Reservas à Convenção sobre Prevenção e Repressão ao Crime de Genocídio. Entretanto, o relatório da CDI de 1951 classificava o critério da compatibilidade como "muito subjetivo para ser aplicado de forma geral a convenções multilaterais". 22 A inclusão do critério da compatibilidade foi efetuada por Humphrey Waldock. Contudo, mesmo Waldock reconheceu que tal critério era "em alguma medida uma questão de apreciação subjetiva" 23 e que "pode haver interpretações divergentes sobre a compatibilidade de uma determinada reserva com o objeto e finalidade de um dado tratado" 24. De fato, é uma tarefa menos complexa determinar se uma reserva é expressa ou implicitamente proibida pelo tratado (ou seja, averiguar seu enquadramento nas alíneas a e b do artigo 19) do que verificar se é compatível com o objeto e finalidade. 25 Um mesmo tratado pode ter diversos "objetos e finalidades". 26 Mormente, quando nos deparamos com tratados longos e complexos, pode haver desacordo com relação aos propósitos e escopo do instrumento convencional. 27 Há, também, persistente debate sobre a (in)aplicabilidade das regras atinentes a reservas aos tratados de Direitos Humanos. 28 Em uma versão mais extremada, nenhuma reserva a cláusula "material" de tratado de direitos humanos seria aceitável. Uma justificativa é que as cláusulas materiais seriam fundamentais para a realização dos objetivos e finalidades do tratado. 29 Assim, reservas em tratados de Direitos Humanos só seriam compatíveis com os propósitos e escopo do instrumento convencional se fossem pertinentes a aspectos 22 COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL. Report of the Commission to the General Assembly. Yearbook of the International Law Commission, VII, 1962, p COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL. Report of the Commission to the General Assembly. Yearbook of the International Law Commission, VII, 1962, p "The criterion of compatibility with the object and purpose of the treaty... is to some extent a matter of subjective appreciation". 24 COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL. Report of the Commission to the General Assembly. Yearbook of the International Law Commission, VII, 1962, p "This necessarily means that there may be divergent interpretations of the compatibility of a particular reservation with the object and purpose of a given treaty". 25 AUST, Anthony. Modern treaty law and practice. Cambridge: CUP, 2000, p VILLIGER, op. cit., AUST, Anthony. Modern treaty law and practice. Cambridge: CUP, 2000, p Um exemplo fornecido por AUST é a Convenção das Nações Unidas sobre Direito do Mar (Convenção de Montego Bay), que, em 320 artigos, lida com inúmeros temas, como alto-mar, estreitos, plataforma continental, mar territorial etc. 28 Nesse sentido, ver COSSIA, Maximo. Reservations to multilateral treaties on human rights. California Western International Law Journal. Vol. 15, pp. 1-51, p. 16, Para COSSIA, "The basic question concerning treaties on human rights is whether or not they are considered as a category separate from other multilateral treaties, and, in particular, whether the rules on reservations (...) apply to them with equal force". 29 Embora não adote tal linha, SCHABAS, comentando o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, bem sintetiza a questão: "An argument can be that all of the Convenant s substantial provisions are essential to its object and purpose, and that, as a consequence, reservation to any such provision is illegal". In SCHABAS, William. Invalid reservations to the international covenant on civil and political rights: is the US still a party? Brooklin Journal of International Law, vol. 21, 1996, pp , p. 291.

6 "procedimentais". Aliás, no caso das Reservas à Convenção sobre Prevenção e Repressão ao Crime de Genocídio, as reservas que deram causa à solicitação do parecer pela Assembleia Geral eram atinentes à cláusula que estabelecia a competência da Corte para dirimir divergências resultantes da mencionada convenção. 30 Em outras palavras, a reserva considerada pela CIJ compatível com o objeto e finalidade do tratado concernia a uma cláusula procedimental. Pode-se especular que talvez houvesse diferente desfecho se a reserva fosse atinente a cláusula substantiva. Outra justificativa aparece em opinião apartada do juiz De Meyer no caso Belilos v. Suíça, julgado pela Corte Europeia de Direitos Humanos. De Meyer argumentou que a Convenção Europeia de Direitos Humanos não tinha por objeto e finalidade criar, mas sim reconhecer "direitos a serem respeitados e protegidos mesmo na ausência de um instrumento de direito positivo". De Meyer não apenas ressaltou a dificuldade de se aceitar reservas "a cláusulas reconhecendo tais direitos", mas cogitou, ainda, que tais reservas e até eventuais cláusulas que as permitissem seriam incompatíveis com jus cogens e, portanto, nulas. 31 Observa-se que não obstante ter se referido à Convenção Europeia de Direitos Humanos, o argumento aduzido por De Meyer poderia ser estendido a outros instrumentos de Direitos Humanos. Todavia, a compreensão que nenhuma reserva a cláusula material de tratado de direitos humanos é possível, não se subsume à prática dos Estados e cortes internacionais. Há inúmeros exemplos de reservas a provisões substantivas de tratados de direitos humanos que não sofreram oposição de outros Estados. Além disso, na opinião consultiva OC-3/83 (Restrições a pena de morte), a Corte Interamericana de Direitos Humanos admitiu que, observados certos parâmetros, o Estado pode opor reserva à cláusula substancial que seja compatível com o objeto e finalidade de um tratado Cf. SCHABAS, op. cit., p O artigo do Pacto sobre Direitos Civis e Políticos a que nos referimos acima é o nono, que dispõe: "As controvérsias entre as Partes Contratantes relativas à interpretação, aplicação ou execução da presente Convenção, incluindo as controvérsias relativas à responsabilidade de um Estado em matéria de genocídio ou de qualquer dos atos enumerados no artigo 3º, serão submetidas à Corte Internacional de Justiça, a pedido de uma das partes da controvérsia". 31 Transcrevemos o trecho pertinente do voto do juiz De Meyer: "The object and purpose of the European Convention on Human Rights is not to create, but to recognize rights which must be respected and protected even in the absence of any instrument of positive law. It is difficult to see how reservations can be accepted in respect of provisions recognizing rights of this kind. It may even be thought that such reservations, and the provisions permitting them, are incompatible with the ius cogens and therefore null and void, unless they relate only to arrangements for implementation, without impairing the actual substance of the rights in question". In Corte Européia de Direitos Humanos. Belilos v. Switzerland, Application No /83. Judgement of 29 April Disponível em < >. Acesso em 2 de janeiro de CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Opinião consultiva OC-3/83: Restrições a pena de morte (Artigos 4.2 e 4.4 da Convenção Americana Sobre Direitos Humanos). Disponível em <

7 4. Declarações Interpretativas Embora a Convenção de Viena não disponha sobre as "declarações interpretativas", elas têm considerável relevo na prática, dada a frequência com que são utilizadas e as dúvidas que suscitam. Ressalta-se que, mesmo em tratados que inadmitem reservas, é possível fazer declarações interpretativas. Na declaração interpretativa, o Estado não intenciona "modificar ou excluir" qualquer cláusula, e sim "esclarecer as demais partes sobre o entendimento que extrai da norma" 33. Em documento da Comissão de Direito Internacional das Nações Unidas, as declarações interpretativas foram conceituadas como "declaração unilateral, qualquer que seja a sua redação ou denominação, feita por um Estado ou Organização Internacional, pela qual o Estado ou Organização Internacional visa a especificar ou a esclarecer o significado ou escopo que o declarante atribui a um tratado ou a algumas de suas disposições". 34 Diante de uma "declaração interpretativa", há quatro possibilidades para cada um dos demais Estados. A primeira é a de manifestar "aprovação", ou seja,"expressar concordância com a interpretação formulada na declaração" 35. A segunda possibilidade é que o Estado se > Acesso em 02 de janeiro de Nos termos da opinião citada, "(...) la primera cuestión que se plantea al interpretar una reserva determinada es si ella es compatible con el objeto y fin del tratado". A corte, então, distingue o que seria uma reserva compatível ou incompatível: " En esa perspectiva, toda reserva destinada a permitir al Estado la suspensión de uno de esos derechos fundamentales, cuya derogación está en toda hipótesis prohibida, debe ser considerada como incompatible con el objeto y fin de la Convención y, en consecuencia, no autorizada por ésta. Otra sería la situación, en cambio, si la reserva persiguiera simplemente restringir algunos aspectos de un derecho no derogable sin privar al derecho en conjunto de su propósito básico. Como el género de reserva referido en las preguntas planteadas por la Comisión no aparece dirigido a negar el derecho a la vida como tal, la Corte concluye que, en este aspecto, debe considerarse en principio no incompatible con el objeto y fin de la Convención". 33 REZEK, Francisco. Direito dos Tratados. Rio de Janeiro: Forense, 1984, p COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Sixty-first session. Reservations to treaties. Titles and texts of the draft guidelines adopted by the Drafting Committee, 1999, V. I. Disponível em < >. Acesso em 02 de janeiro de O texto original em inglês é: " Interpretative declaration means a unilateral statement, however phrased or named, made by a State or by an international organization whereby that State or that organization purports to specify or clarify the meaning or scope attributed by the declarant to a treaty or to certain of its provisions". O texto em francês é: "L expression déclaration interprétative s entend d une déclaration unilatérale, quel que soit son libellé ou sa désignation, faite par un État ou par une organisation internationale, par laquelle cet État ou cette organisation vise à préciser ou à clarifier le sens ou la portée que le déclarant attribue à un traité ou à certaines de ses dispositions". 35 COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Reservations to treaties: text and title of the draft guidelines provisionally adopted by the Drafting Committee on 5, 6, 18, 19, 27, 28 and 29 May 2009, p. 2. Disponível em < >. Acesso em 02 de janeiro de O texto original e completo é: " Approval of an interpretative declaration means a unilateral statement made by a State or an international organization in reaction to an interpretative declaration in respect of a treaty formulated by another State or another international organization, whereby the former State or organization expresses agreement with the interpretation formulated in that declaration".

8 quede silente. Diferentemente do que ocorre com as reservas, nessa hipótese, o silêncio não se traduz em aprovação. 36 Como se afirmou em documento da CDI/ONU, o silêncio pode expressar tanto concordância como discordância de uma interpretação proposta. Estados podem considerar que não é necessário responder à declaração interpretativa porque ela reflete adequadamente sua própria posição, ou podem entender que a interpretação é errônea mas que não há sentido em fazer tal proclamação, pois, na visão deles, a interpretação não seria mantida por um terceiro imparcial na hipótese de um litígio. É impossível decidir qual destas duas hipóteses é a correta. 37 Outra atitude que pode adotar o Estado diante de uma declaração interpretativa é a "oposição", ou seja, a rejeição da interpretação formulada. O Estado que se opõe à declaração pode, inclusive, apresentar uma interpretação alternativa. 38 Uma última possibilidade é a "reclassificação". Na reclassificação, o Estado rejeita a declaração interpretativa de outrem por entender que se trata, na verdade, de uma "reserva". 39 Um exemplo concreto ocorreu com declaração interpretativa do Uruguai relativa ao Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional. Por ocasião da ratificação, o Uruguai apôs uma "declaração interpretativa", com o seguinte teor: "a aplicação do Estatuto de Roma se sujeita 36 COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Reservations to treaties, op. cit., p. 2. O texto provisório da CDI sobre reservas traz a seguinte informação: "An approval of an interpretative declaration shall not be inferred from the mere silence of a State or an international organization. Ressalta-se, no entanto: "In exceptional cases, the silence of a State or an international organization may be relevant to determining whether, through its conduct and taking account of the circumstances, it has approved an interpretative declaration". 37 COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Sixtieth session. Geneva, 5 May-6 June and 7 July-8 August Thirteenth report on reservations to treaties: By Mr. Alain Pellet, Special Rapporteur, p. 16. Disponível em < >. Acesso em 02 de janeiro de O texto original é: "Silence can express either agreement or disagreement with the proposed interpretation. States may consider it unnecessary to respond to an interpretative declaration because it accurately reflects their own position, or they may feel that the interpretation is erroneous but that there is no point in proclaiming as much because, in any event, the interpretation would not, in their view, be upheld by an impartial third party in case of a dispute. It is impossible to decide which of these two hypotheses is correct". 38 COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Reservations to treaties, op. cit., p. 2. O texto provisório da CDI sobre reservas traz a seguinte informação: Opposition to an interpretative declaration means a unilateral statement made by a State or an international organization in reaction to an interpretative declaration in respect of a treaty formulated by another State or another international organization, whereby the former State or organization rejects the interpretation formulated in the interpretative declaration, including by formulating an alternative interpretation. 39 COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Reservations to treaties, op. cit., p. 2. O texto provisório da CDI sobre reservas traz a seguinte informação: Recharacterization of an interpretative declaration means a unilateral statement made by a State or an international organization in reaction to an interpretative declaration in respect of a treaty formulated by another State or another international organization, whereby the former State or organization treats the declaration as a reservation.

9 às provisões da constituição uruguaia" 40. Alemanha, Dinamarca, Finlândia, Holanda, Irlanda, Noruega, Reino Unido e Suécia se opuseram à declaração uruguaia, alegando que se tratava de uma reserva, o que colidiria com o artigo 120 do Estatuto de Roma. Por fim, o Uruguai optou por retirar a mencionada declaração Declarações Interpretativas Condicionantes Há, ainda, uma outra modalidade de declarações interpretativas que merece alguns comentários adicionais. São as "declarações interpretativas condicionantes", assim denominadas por condicionarem a manifestação de consentimento em se obrigar o autor da declaração à aceitação, pelos partícipes do tratado, da interpretação proposta. Se os Estados e Organizações parte do tratado não aceitam a interpretação proposta, o autor da declaração não estará obrigado pelo texto convencional (ao menos em relação aos Estados que rejeitaram a interpretação proposta). 42 Um exemplo concreto pode ser útil para a melhor compreensão das "declarações interpretativas condicionantes". Ao assinar o Protocolo Adicional II do Tratado para a Proscrição das Armas Nucleares na América Latina e no Caribe (Tratado de Tlatelolco), a França fez a seguinte declaração: "Na hipótese da declaração interpretativa ser impugnada no todo ou em parte por uma ou várias Partes Contratantes do Tratado ou do Protocolo II, estes instrumentos ficarão sem efeito nas relações entre a República Francesa e o Estado ou os Estados impugnadores" Reservas e tratados bilaterais Um tema de maior relevância teórica do que prática é a possibilidade de reservas a tratados bilaterais. Há alguns (poucos) autores que defendem tal posição. Observa-se que o 40 Na versão em língua inglesa, o teor da declaração era "The application of the Rome Statute by the Eastern Republic of Uruguay shall be subject to the provisions of the Constitution of Uruguay". Disponível em < >. Acesso em 5 de janeiro de ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Multilateral Treaties Deposited with the Secretary-General. Disponível em < >. Acesso em 5 de janeiro de COMISSÃO DE DIREITO INTERNACIONAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Sixtieth session. Geneva, 5 May-6 June and 7 July-8 August Thirteenth report on reservations to treaties: By Mr. Alain Pellet, Special Rapporteur, p. 21. Disponível em < >. Acesso em 02 de janeiro de O texto original em francês é: "Dans le cas où la déclaration interprétative ainsi faite par le Gouvernement français serait en tout ou en partie contestée par une ou plusieurs Parties contractantes au Traité ou au Protocole no II, ces instruments seraient sans effet dans les relations entre la République française et le ou les États contestataires". Disponível em < >. Acesso em 02 de janeiro de 2010.

10 conceito de reserva contido no art. 2(1)(d) da Convenção de Viena não exclui tal possibilidade. Ademais, tal dúvida foi favorecida pela mudança do título dessa seção na Conferência das Nações Unidas sobre Direito dos Tratados, na qual convenção foi adotada. O título original (reservas a tratados multilaterais) foi substituído por "reservas". Todavia, como afirmou Rezek, em um tratado bilateral, "cada tópico reclama o perfeito consenso de ambas as partes, sem o que a negociação não vai a termo". Assim, uma "pretensa reserva a tratado bilateral não é reserva, mas recusa de confirmar o texto avençado e convite à renegociação" REZEK, op. cit., p. 337.

Fundamentos de Direito Internacional. Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD. Programa de Pós-Graduação em Direito Internacional

Fundamentos de Direito Internacional. Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD. Programa de Pós-Graduação em Direito Internacional São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD Fundamentos de Direito Internacional

Leia mais

INTERNATIONAL CRIMINAL COURT. Article 98 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119

INTERNATIONAL CRIMINAL COURT. Article 98 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119 INTERNATIONAL CRIMINAL COURT Article 98 Agreement between the UNITED STATES OF AMERICA and CAPE VERDE Signed at Washington April 16, 2004 NOTE BY THE

Leia mais

ANTECEDENTES DA RIO + 10

ANTECEDENTES DA RIO + 10 ANTECEDENTES DA RIO + 10 RIO + 5 - evento organizado pela ONG Conselho da Terra, foi realizado no Rio de Janeiro de 13 e 19/3/1997 e teve forte participação empresarial e a presença de apenas 50 ONGs.Como

Leia mais

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito dos Tratados Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Conclusão e assinatura: Viena Áustria, 23 de agosto de 1978

Leia mais

O Brasil e os Tribunais Internacionais: entre o direito interno e o direito internacional

O Brasil e os Tribunais Internacionais: entre o direito interno e o direito internacional Minicurso de extensão O Brasil e os Tribunais Internacionais: entre o direito interno e o direito internacional Realização: Grupo de pesquisa Crítica & Direito Internacional O Brasil e a Corte Internacional

Leia mais

ACESSO AOS MECANISMOS CONVENCIONAIS DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS

ACESSO AOS MECANISMOS CONVENCIONAIS DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS ACESSO AOS MECANISMOS CONVENCIONAIS DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS DOCUMENTO PREPARADO PARA O MÊS DA ONU PETIÇÕES INDIVIDUAIS DANIELA IKAWA QUAIS SÃO OS MECANISMOS DE PROTEÇÃO EXISTENTES? O QUE SÃO MECANISMOS

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Concurso Delegado de Polícia Federal 2012 Prof. Leopoldo Canal Leopoldo Canal, advogado, assessor e procurador do consulado da República da Guiné no Rio de Janeiro, diretor

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

CASO DA PLATAFORMA CONTINENTAL DO MAR EGEU (GRÉCIA v. TURQUIA) (1976-1978) (MEDIDAS CAUTELARES) Decisão de 11 de setembro de 1976

CASO DA PLATAFORMA CONTINENTAL DO MAR EGEU (GRÉCIA v. TURQUIA) (1976-1978) (MEDIDAS CAUTELARES) Decisão de 11 de setembro de 1976 CASO DA PLATAFORMA CONTINENTAL DO MAR EGEU (GRÉCIA v. TURQUIA) (1976-1978) (MEDIDAS CAUTELARES) Decisão de 11 de setembro de 1976 Em sua decisão no Caso da Plataforma Continental do Mar Egeu a Corte concluiu,

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

Interface between IP limitations and contracts

Interface between IP limitations and contracts Interface between IP limitations and contracts Global Congress on Intellectual Property and the Public Interest Copyright Exceptions Workshop December 16, 9-12:30 Denis Borges Barbosa The issue Clause

Leia mais

ALGUNS FUNDAMENTOS DE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO E PRIVADO

ALGUNS FUNDAMENTOS DE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO E PRIVADO São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Recife Belo Horizonte Campo Grande Londres Lisboa Xangai Beijing Nova Delhi Miami Buenos Aires Johannesburgo ALGUNS FUNDAMENTOS DE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

Leia mais

PROTOCOLO DE 1967 RELATIVO AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1

PROTOCOLO DE 1967 RELATIVO AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1 PROTOCOLO DE 1967 RELATIVO AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1 Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que a Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados assinada em Genebra, em 28 de julho de

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Resolução da Assembleia da República n.º 1/2001 Aprova, para ratificação, a Convenção para a Protecção dos Direitos do Homem e da Dignidade do Ser Humano face às Aplicações da Biologia e da Medicina: Convenção

Leia mais

Os Estados Partes no presente Protocolo:

Os Estados Partes no presente Protocolo: Resolução da Assembleia da República n.º 32/98 Protocolo de 1988 para a Repressão de Actos Ilícitos de Violência nos Aeroportos ao Serviço da Aviação Civil Internacional, complementar à Convenção para

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças

21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças 21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns a fim de facilitar a administração internacional de

Leia mais

1 - Aprovar, para ratificação, a Convenção sobre Assistência em Caso de Acidente Nuclear ou de Emergência Radiológica, adoptada pela

1 - Aprovar, para ratificação, a Convenção sobre Assistência em Caso de Acidente Nuclear ou de Emergência Radiológica, adoptada pela Resolução da Assembleia da República n.º 72/2003 Convenção sobre Assistência em Caso de Acidente Nuclear ou Emergência Radiológica, adoptada pela Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atómica,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

Consultoria em Direito do Trabalho

Consultoria em Direito do Trabalho Consultoria em Direito do Trabalho A Consultoria em Direito do Trabalho desenvolvida pelo Escritório Vernalha Guimarães & Pereira Advogados compreende dois serviços distintos: consultoria preventiva (o

Leia mais

Council of the European Union Brussels, 30 September 2014

Council of the European Union Brussels, 30 September 2014 039790/EU XXV. GP Eingelangt am 30/09/14 Council of the European Union Brussels, 30 September 2014 Interinstitutional File: 2013/0053 (NLE) 12494/14 JUR 524 ACP 134 WTO 226 COAFR 226 LEGISLATIVE ACTS AND

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A REDUÇÃO DOS CASOS DE APATRIDIA

CONVENÇÃO PARA A REDUÇÃO DOS CASOS DE APATRIDIA CONVENÇÃO PARA A REDUÇÃO DOS CASOS DE APATRIDIA Feita em Nova York, em 30 de agosto de 1961 Entrada em vigor: 13 de dezembro de 1975, em conformidade com o Artigo 18 Texto: Documento das Nações Unidas

Leia mais

An á l i s e d a Co n c e i t ua ç ã o Le g a l d e

An á l i s e d a Co n c e i t ua ç ã o Le g a l d e 9 An á l i s e d a Co n c e i t ua ç ã o Le g a l d e Tr ata d o In t e r n a c i o n a l 1 Oc t á v i o Ca r l o s Peso Go i o 2 SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Definição de Tratados Internacionais. 3. Denominação

Leia mais

CASO SOBRE LEGALIDADE DA UTILIZAÇÃO DA FORÇA (Sérvia e Montenegro contra Alemanha)

CASO SOBRE LEGALIDADE DA UTILIZAÇÃO DA FORÇA (Sérvia e Montenegro contra Alemanha) CASO SOBRE LEGALIDADE DA UTILIZAÇÃO DA FORÇA (Sérvia e Montenegro contra Alemanha) (EXCEÇÕES PRELIMINARES) Sumário do julgamento de 15 de dezembro de 2004 História dos procedimentos e conclusões das Partes

Leia mais

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico da Guarda R E L AT Ó R I O D E AT I V I D A D E P R O F I S S I O N A L N A J. V A R G A S - G A B I N E T E T É C N I C O D E G E S T Ã O E

Leia mais

CASO RELATIVO À CONVENÇÃO DE VIENA SOBRE AS RELAÇÕES CONSULARES (Paraguai v. Estados Unidos da América)

CASO RELATIVO À CONVENÇÃO DE VIENA SOBRE AS RELAÇÕES CONSULARES (Paraguai v. Estados Unidos da América) CASO RELATIVO À CONVENÇÃO DE VIENA SOBRE AS RELAÇÕES CONSULARES (Paraguai v. Estados Unidos da América) (MEDIDAS CAUTELARES) Decisão de 9 de abril de 1998 Histórico do caso e exposição das demandas (parágrafo

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO TRABALHOS DA COMISSÃO A Subcomissão da Comissão Permanente de Economia reuniu no dia 06 de Janeiro de 2014, na Delegação da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, na cidade de Ponta Delgada,

Leia mais

O trabalho da Organização das Nações Unidas

O trabalho da Organização das Nações Unidas O trabalho da Organização das Nações Unidas Report A Inclusion Europe e os seus 49 membros de 36 países lutam contra a Inclusion Europe and its 47 members in these 34 countries are fighting exclusão social

Leia mais

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito Internacional Penal Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Conclusão e assinatura: Nova Iorque EUA, 09 de dezembro de

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 67/2003 Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados, assinada em 23 de Maio de 1969

Resolução da Assembleia da República n.º 67/2003 Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados, assinada em 23 de Maio de 1969 Resolução da Assembleia da República n.º 67/2003 Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados, assinada em 23 de Maio de 1969 Aprova, para adesão, a Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados,

Leia mais

Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados

Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito dos Tratados Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados Conclusão e assinatura: São Viena Áustria, a 23 de maio de 1969 Entrada em vigor:

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO *

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * Aprovada e proposta para assinatura e ratificação ou adesão pela resolução 260 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de Dezembro

Leia mais

Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados entre Estados e Organizações Internacionais ou entre Organizações Internacionais

Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados entre Estados e Organizações Internacionais ou entre Organizações Internacionais Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito dos Tratados Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados entre Estados e Organizações Internacionais ou entre Organizações Internacionais

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO Os Estados Partes nesta Convenção, Tendo presente os propósitos e princípios da Carta da Organização dos Estados Americanos e da Carta das Nações Unidas; Considerando

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

Como o Direito Internacional Humanitário define conflitos armados?

Como o Direito Internacional Humanitário define conflitos armados? Como o Direito Internacional Humanitário define conflitos armados? Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) Artigo de opinião, março de 2008 Os Estados-Partes das Convenções de Genebra de 1949 confiaram

Leia mais

Ora, na verdade, nenhum destes objectivos é minimamente servido:

Ora, na verdade, nenhum destes objectivos é minimamente servido: Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 309/XI/2ª Recomenda ao Governo a suspensão imediata da adesão ao denominado Acordo de Londres, no âmbito da Convenção sobre a Concessão de Patentes Europeias,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII CONSIDERA O TEMPO DE SERVIÇO PRESTADO NA CATEGORIA DE AUXILIAR DE EDUCAÇÃO PELOS EDUCADORES DE INFÂNCIA HABILITADOS COM CURSOS DE FORMAÇÃO A EDUCADORES DE INFÂNCIA PARA EFEITOS

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE TRÁFICO INTERNACIONAL DE MENORES

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE TRÁFICO INTERNACIONAL DE MENORES CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE TRÁFICO INTERNACIONAL DE MENORES Os Estados Partes nesta Convenção, CONSIDERANDO a importância de assegurar proteção integral e efetiva ao menor, mediante a implementação

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

Novas Súmulas do TST e os Reflexos para o SFN. Estêvão Mallet

Novas Súmulas do TST e os Reflexos para o SFN. Estêvão Mallet Novas Súmulas do TST e os Reflexos para o SFN Estêvão Mallet CLT: 922 artigos. Súmulas TST: 444 OJs SDI I: 420 OJs SDI II: 158 OJs SDC: 38 (OJs TP/OE e OJs SDI Transitórias) Total: 1060 Texto atual I O

Leia mais

SEGURO PARA FUSÕES E AQUISIÇÕES. M&A (Mergers & Acquisitions)

SEGURO PARA FUSÕES E AQUISIÇÕES. M&A (Mergers & Acquisitions) SEGURO PARA FUSÕES E AQUISIÇÕES M&A (Mergers & Acquisitions) AIG M&A Maior e mais experiente seguradora de Seguro de M&A Mais de 1200 apólices emitidas em 23 diferentes jurisdições; 250 apólices apenas

Leia mais

II. PROTEÇÃO DE VÍTIMAS DE TRÁFICO DE PESSOAS

II. PROTEÇÃO DE VÍTIMAS DE TRÁFICO DE PESSOAS a) a expressão tráfico de pessoas significa o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou uso da força ou a outras formas de coação, ao

Leia mais

Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington

Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington Usando da faculdade conferida pelo artigo 3.º, n.º 1, alínea 3), da Lei Constitucional n.º

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

As Normas Internacionais de Direitos Humanos e o Papel dos Operadores Judiciários: Introdução Geral

As Normas Internacionais de Direitos Humanos e o Papel dos Operadores Judiciários: Introdução Geral capítulo * 01 As Normas Internacionais de Direitos Humanos e o Papel dos Operadores Judiciários: Introdução Geral OBJECTIVOS DA APRENDIZAGEM Assegurar a aquisição, pelos participantes, de conhecimentos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre a mediação extrajudicial. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Esta lei dispõe sobre mediação extrajudicial. Parágrafo único.

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

N. o 66 19-3-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

N. o 66 19-3-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 1195 esta não poderá ser interpretada como isentando os funcionários de nacionalidade portuguesa da prestação de serviço militar obrigatório ou do serviço cívico que o pode substituir. Artigo 8. o 1 Os

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 Regulamenta o inciso IX do art. 114 da Constituição Federal, para dispor sobre competências da Justiça do Trabalho referentes

Leia mais

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC?

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? Alessandra Fernandes Hendler 1 1 INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento da economia e o aumento das relações negociais, os contratos securitários tomaram grande

Leia mais

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA Em nome de seus Povos, os Governos representados naconferência Interamericana para a Manutenção da Paz e da Segurança no Continente, animados pelo desejo

Leia mais

UNIVERSITY OF CAMBRIDGE INTERNATIONAL EXAMINATIONS International General Certificate of Secondary Education PORTUGUESE 0540/03

UNIVERSITY OF CAMBRIDGE INTERNATIONAL EXAMINATIONS International General Certificate of Secondary Education PORTUGUESE 0540/03 UNIVERSITY OF CAMBRIDGE INTERNATIONAL EXAMINATIONS International General Certificate of Secondary Education PORTUGUESE 0540/03 Paper 3 Speaking/Listening Role Play Card One No Additional Materials are

Leia mais

PATENTES MERECEM SER QUEBRADAS?

PATENTES MERECEM SER QUEBRADAS? www.brasil-economia-governo.org.br PATENTES MERECEM SER QUEBRADAS? FERNANDO B. MENEGUIN 1 Vimos no texto Por que proteger a propriedade intelectual? a importância de se garantir direito de propriedade

Leia mais

Workshop. Internacionais

Workshop. Internacionais Workshop Tradução de Instrumentos Internacionais 1 Sumário Dificuldades de tradução e / ou de adequação de terminologia no tratamento de textos de cariz internacional Acordos Internacionais vs. Instrumentos

Leia mais

As negociações comerciais multilaterais na OMC

As negociações comerciais multilaterais na OMC As negociações comerciais multilaterais na OMC O Programa de Doha para o Desenvolvimento (PDD) Tabela de matéria Programa de Doha para o Desenvolvimento Elementos do Cíclo de Doha Negociações sobre o comércio

Leia mais

UNIVERSITY OF CAMBRIDGE INTERNATIONAL EXAMINATIONS International General Certificate of Secondary Education

UNIVERSITY OF CAMBRIDGE INTERNATIONAL EXAMINATIONS International General Certificate of Secondary Education UNIVERSITY OF CAMBRIDGE INTERNATIONAL EXAMINATIONS International General Certificate of Secondary Education *5148359301* PORTUGUESE 0540/03 Paper 3 Speaking Role Play Card One 1 March 30 April 2013 No

Leia mais

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário IP/97/133 Bruxelas, 26 de Novembro de 1997 Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário A Comissão Europeia adoptou o seu relatório anual sobre

Leia mais

USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 WORK PLAN FOR IMPLEMENTATION OF THE UNITED STATES PATENT AND

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2009 COM(2009) 411 final Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura do Acordo sobre certos aspectos dos serviços aéreos entre a Comunidade

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013. Carlos Souza & Cristina Silva

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013. Carlos Souza & Cristina Silva ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013 Carlos Souza & Cristina Silva Population: 10,6 million. According to INE (National Institute of Statistics) it is estimated that more than 2 million

Leia mais

CASO AVENA E OUTROS NACIONAIS MEXICANOS (MEXICO v. UNITED STATES OF AMERICA) Professor Fabrício Pasquot Polido

CASO AVENA E OUTROS NACIONAIS MEXICANOS (MEXICO v. UNITED STATES OF AMERICA) Professor Fabrício Pasquot Polido CASO AVENA E OUTROS NACIONAIS MEXICANOS (MEXICO v. UNITED STATES OF AMERICA) Professor Fabrício Pasquot Polido Fatos do caso 1. Em 09 de janeiro de 2003 o Governo do México iniciou procedimento contencioso

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

Em face do acórdão (fls. 1685/1710), a CNTU opõe embargos de declaração (fls. 1719/1746). Vistos, em mesa. É o relatório.

Em face do acórdão (fls. 1685/1710), a CNTU opõe embargos de declaração (fls. 1719/1746). Vistos, em mesa. É o relatório. A C Ó R D Ã O 7ª Turma CMB/fsp EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM RECURSO DE REVISTA. Embargos acolhidos apenas para prestar esclarecimentos, sem efeito modificativo. Vistos, relatados e discutidos estes autos

Leia mais

As objeções relativas à competência da Corte para tratar da questão (parágrafo 19 ao 41 do parecer consultivo)

As objeções relativas à competência da Corte para tratar da questão (parágrafo 19 ao 41 do parecer consultivo) 1970 CONSEQÜÊNCIAS JURÍDICAS PARA OS ESTADOS DA PRESENÇA CONTÍNUA DA ÁFRICA DO SUL NA NAMÍBIA (SUDOESTE AFRICANO) NÃO OBSTANTE A RESOLUÇÃO 276 (1970) DO CONSELHO DE SEGURANÇA (1970-1971) 14. Parecer Consultivo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PARA ESTUDANTE DE INTERCÂMBIO EXCHANGE STUDENT APPLICATION FORM Semestre

Leia mais

Doing Business in Brazil : Pathways to success, Innovation and Access under the Legal Framework

Doing Business in Brazil : Pathways to success, Innovation and Access under the Legal Framework Doing Business in Brazil : Pathways to success, Innovation and Access under the Legal Framework BY FABIANO ANDREATTA L E G A L A F F A I R S M A N A G E R E L I L I L L Y D O B R A S I L L T D A. * A s

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Resolução da Assembleia da República n.º 21/99 Acordo de Cooperação entre o Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Baixos,

Leia mais

Troca de Experiência com os Formandos do Curso ODC (Angola Noruega) Angola na Avaliação Periódica Universal (UPR)

Troca de Experiência com os Formandos do Curso ODC (Angola Noruega) Angola na Avaliação Periódica Universal (UPR) Comissão Intersectorial de Elaboração de Relatórios Nacionais de Direitos Humanos Troca de Experiência com os Formandos do Curso ODC (Angola Noruega) Angola na Avaliação Periódica Universal (UPR) Por:

Leia mais

LICITUDE DA AMEAÇA OU USO DE ARMAS NUCLEARES (1994-1996)

LICITUDE DA AMEAÇA OU USO DE ARMAS NUCLEARES (1994-1996) 1994 LICITUDE DA AMEAÇA OU USO DE ARMAS NUCLEARES (1994-1996) 23. Parecer Consultivo de 8 de julho de 1996 A Corte emitiu seu parecer consultivo sobre a demanda apresentada pela Assembléia Geral das Nações

Leia mais

CURSO ON LINE CURSO DE INGLÊS - AFT TEORIA E EXERCÍCIOS AULA DEMONSTRATIVA PROFESSORA: ALINE ANDRADE

CURSO ON LINE CURSO DE INGLÊS - AFT TEORIA E EXERCÍCIOS AULA DEMONSTRATIVA PROFESSORA: ALINE ANDRADE Prezados(as) alunos(as), Para vocês que ainda não me conhecem, meu nome é Aline Andrade, graduada em Relações Internacionais e integrante da carreira de Analista de Finanças e Controle da Controladoria-Geral

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.218.980 - RS (2009/0152036-0) RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA EMENTA PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. AGRAVO REGIMENTAL. VIOLAÇÃO DO ART. 535, INCISO

Leia mais

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY The Competent Authorities of the Portuguese Republic and the Government of Jersey in

Leia mais

MENSAGEM Nº 636, DE 2010

MENSAGEM Nº 636, DE 2010 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 636, DE 2010 Submete à consideração do Congresso Nacional, o texto da Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional

Leia mais

Hipótese das Palavras-Marca

Hipótese das Palavras-Marca Extracção de Recursos de Tradução com base na Alberto Manuel Brandão Simões ambs@di.uminho.pt Orientação José João Almeida Simpósio Doutoral da Linguateca 2007b definição Em (Green, 1979) é definida a

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

PERDA E SUSPENSÃO DE DIREITOS POLÍTICOS. Atualizado em 31/03/2008

PERDA E SUSPENSÃO DE DIREITOS POLÍTICOS. Atualizado em 31/03/2008 PERDA E SUSPENSÃO DE DIREITOS POLÍTICOS. Atualizado em 31/03/2008 Otávio Piva Nos termos do art. 15, a Constituição da República veda a cassação de direitos políticos, expondo em seus incisos as formas

Leia mais

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Gilsomar Silva Barbalho Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor,

Leia mais

SEGURO PARA FUSÕES E AQUISIÇÕES

SEGURO PARA FUSÕES E AQUISIÇÕES SEGURO PARA FUSÕES E AQUISIÇÕES M&A (Mergers & Acquisitions) AIG Presença Mundial 90 anos de história 66 mil empregados Líder mundial em seguros com 88 milhões de clientes em mais de 90 países Mais de

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Código: Série: 4º Obrigatória (X) Optativa ( ) CH Teórica:68 CH Prática: CH Total: 68 Obs: Objetivos GERAL - Enfocar o conjunto de normas jurídicas que regulam

Leia mais

DEMURRAGE OBJETIVO DA INFORMAÇÃO

DEMURRAGE OBJETIVO DA INFORMAÇÃO Página1de6 DEMURRAGE OBJETIVO DA INFORMAÇÃO O tema demurrage, embora não seja novo, é o de maior contencioso do Direito Marítimo. Assim, e sabendo-se que a quase totalidade das mercadorias importadas ou

Leia mais

Los casquillos guía broca son componentes para la protección de los utillajes y para facilitar el guiado de las brocas.

Los casquillos guía broca son componentes para la protección de los utillajes y para facilitar el guiado de las brocas. Los casquillos guía broca son componentes para la protección de los utillajes y para facilitar el guiado de las brocas. Tienen la finalidad de mantener siempre el útil en perfectas condiciones dentro de

Leia mais

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores)

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) 53 Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) Camila Novaes Lopes Juíza de Direito do II Juizado Especial Cível - Capital Durante o curso de Controle de Constitucionalidade ministrado pela

Leia mais

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16 Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito Unidade curricular História do Direito Português I (1º sem). Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

INTERNATIONAL COFFEE AGREEMENT 2007 CONCLUDED IN LONDON, 28 SEPTEMBER 2007 ADJUSTMENTS TO THE PORTUGUESE TEXT OF THE AGREEMENT

INTERNATIONAL COFFEE AGREEMENT 2007 CONCLUDED IN LONDON, 28 SEPTEMBER 2007 ADJUSTMENTS TO THE PORTUGUESE TEXT OF THE AGREEMENT DN 14/08/ICA 2007 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 29 May 2008 Depositary Notification E INTERNATIONAL

Leia mais

CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL

CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL Luca G. Castellani é Consultor Jurídico do Secretariado da Comissão das Nações Unidas para o Direito Mercantil

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

Estatuto da corte internacional de justiça (Nações Unidas)

Estatuto da corte internacional de justiça (Nações Unidas) Estatuto da corte internacional de justiça (Nações Unidas) Artigo 1 Capítulo I: Organização da Corte (artigos 2-32) Capítulo II: Competência da Corte (artigos 34-38) Capítulo III: Procedimento (artigos

Leia mais

RESENHA PALESTRA CISG

RESENHA PALESTRA CISG RESENHA PALESTRA CISG 1. Parâmetros para interpretação da CISG Caráter internacional A Convenção deve ser interpretada autonomamente. Isso significa que as palavras e frases da CISG não devem simplesmente

Leia mais