CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA CORTE PERMANENTE DE ARBITRAGEM TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL PARA A EX-IUGOSLÁVIA

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA CORTE PERMANENTE DE ARBITRAGEM TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL PARA A EX-IUGOSLÁVIA"

Transcrição

1 FASES DO PROCESSO PENAL DIANTE DOS TRIBUNAIS INTERNACIONAIS VISITA AOS TRIBUNAIS INTERNACIONAIS DA HAIA CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA CORTE PERMANENTE DE ARBITRAGEM TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL PARA A EX-IUGOSLÁVIA TRIBUNAL ESPECIAL PARA O LÍBANO TRIBUNAL ESPECIAL PARA A SERRA LEOA Coordenação: Profa. Paula Wojcikiewicz Almeida Comissão organizadora: Anna Clara Monjardim Andrea Lavourinha Rafaela Montenegro Rio de Janeiro, 20 de junho de 2011.

2 Fases Do Processo Penal diante dos Tribunais Internacionais 1 Por Anna Clara Monjardim 2 Este estudo é um resumo do capítulo 19 do livro International Criminal Law escrito por Antonio Cassese 3, que aborda aos procedimentos padrões perante tribunais penais internacionais. 1) Investigações pela Promotoria, Submissão e Confirmação da Acusação 1.1) Investigações Cabe ao Promotor a decisão de iniciar as investigações de ofício ou com base em informações obtidas de quaisquer fontes, como: governos, órgãos da ONU, organizações intergovernamentais ou não- governamentais. Cabe ressaltar nestes tribunais o poder discricionário do promotor ao fazer as investigações. Seus atos só passam por um controle judicial quando o promotor submete a acusação a um juiz, que pode decidir por sua admissão ou pode recusá-la. Um fato limitador dessa ampla liberdade está no fato político de 1 Aqui considerados: Tribunal Penal Internacional para a ex-iugoslávia, Tribunal Penal Internacional, Corte Especial. 2 Aluna de graduação da FGV Direito Rio. 3 CASSESE (A.), International Criminal Law, ed. Oxford University Press, 2ª edição, Estados Unidos, 2008, capítulo 19, pp

3 que Tribunais Internacionais são altamente custosos, e devem ter como objetivo julgar os responsáveis hierarquicamente superiores. O estatuto do Tribunal Penal Internacional dispõe que as investigações podem ser iniciadas: a) por requerimento de um Estado Parte; b) pelo promotor proprio motu; ou c) pelo endereçamento do Conselho de Segurança da ONU, com base no capítulo VII da Carta da organização, diante de uma ameaça à paz mundial. As supostas vítimas dos crimes, organizações intergovernamentais ou não- governamentais em defesa das vítimas, não podem endereçar o caso ao Tribunal; mas o promotor pode fazer uso das informações obtidas por estas. O Estatuto do TPI limita a discricionariedade do promotor ao dispor que a Corte só deve ter jurisdição sobre os crimes internacionais mais gravosos ( art.5º parágrafos 4 e 9). Na condução das investigações, diante do pedido de um Estado Parte ou por iniciativa própria, proprio motu, ele deve primeiro ponderar se é razoável iniciar a investigação [arts. 18 (1) e 53(1)]. Em caso positivo, deve notificar todos os Estados Partes e os Estados que teriam jurisdição sobre os crimes envolvidos no caso (art.18). Somente se nenhum Estado estiver julgando o suposto crime, ou se o Estado estiver conduzindo as investigações ou estiver julgando o acusado, mas estiver claramente postergando ou demonstrando não levar o processo à frente, o Promotor pode iniciar as investigações. É o que dispõe o princípio da complementaridade. Se o caso for levado ao promotor pelo Conselho de Segurança, ele não precisa pedir autorização para a Corte que julga os procedimentos preliminares

4 (Pre-Trial Chamber) para iniciar as investigações. Se o promotor proprio motu iniciar as investigações, é necessária essa autorização. Cabe ressaltar que os Tribunais dependem da cooperação dos Estados na condução das investigações. Essa cooperação pode acontecer através do pedido do promotor ou os Estados podem autorizar por conta própria a realização das investigações em território nacional por parte do promotor internacional. 1.2) Submissão e Confirmação da Acusação O promotor pode desistir ou emendar a acusação antes da confirmação da acusação pelos juízes. Após a confirmação, o promotor deve pedir autorização para fazê-lo. Uma vez submetida a acusação, juntamente com o material probatório, o juiz designado pelo presidente do tribunal pode a) confirmar a acusação; b) recusá-la; c) requerer ao promotor que apresente material probatório adicional; d) adiar a revisão para conferir tempo ao promotor para alterar a acusação. Com a confirmação da acusação, o suspeito atinge o status de acusado, e pode-se emitir a ordem de prisão. O promotor não tem discricionariedade para concluir que os fatos sejam insuficientes para levar à frente a acusação, ele deve demonstrar suas conclusões à Corte (Pre-Trial Chamber). Se foi um Estado Parte ou o Conselho

5 de Segurança que reportou o caso, o promotor deve informá-los de suas conclusões [art. 53 (1 e 2) do Estatuto]. A Corte (Pre-Trial Chamber) pode por sua própria iniciativa ou a requerimento do Estado Parte, que reportou o caso, ou ainda a pedido do Conselho de Segurança, requisitar ao Promotor que reconsidere sua decisão. Isso significa que a discricionariedade do Promotor é limitada, de certa forma, pelo controle judicial. No caso do TPI, o Promotor submete as acusações à Corte (Pre Trial Chamber), a qual procede com uma audiência pública na presença do suspeito, ou seu advogado. O objetivo desta audiência é determinar se existem provas suficientes para confirmar a acusação do suspeito [ art. 61 (7)]. A Corte que julga os procedimentos preliminares (Pre Trial Chamber) pode: a) confirmar as acusações, ou algumas delas, encaminhando à Corte de primeira instância (Trial Chamber) para o julgamento; b) declinar a confirmação das acusações; c) adiar a audiência para conferir tempo ao promotor para alterar, submeter mais provas ou emendar as acusações [art.61 (7)]. A partir da confirmação a Pre-Trial Chamber, ou Corte que conduz os procedimentos preliminares, pode emitir ordens de prisão ou mandar que o acusado se apresente (art.58). Sob o mesmo fundamento pode emitir ordem de prisão antes mesmo de o suspeito ser confirmado como acusado, se a investigação tiver se iniciado e houver um razoável entendimento pelos juízes de que tal indivíduo cometeu os crimes alegados. 2) Procedimentos Preliminares (Pre-Trial Proceedings)

6 Eles têm início com a aparição do acusado e a declaração deste, se culpado ou inocente. Se o acusado se declarar inocente, a Corte determina que o promotor forneça à defesa (30 dias da aparição do acusado) o material probatório que acompanha a acusação; e aponta um juiz de pre-trial ou de procedimentos preliminares encarregado de coordenar a comunicação entre as partes durante essa fase. No período anterior ao início do julgamento propriamente dito, as partes podem submeter moções que desafiem a jurisdição da Corte, que indiquem vícios no ato de acusação, que se oponham à indicação do advogado de defesa designado, e etc. Assim que o material probatório for inteiramente fornecido à defesa pela promotoria, o promotor deve encaminhar o chamado pre-trial brief endereçando as alegações de fato e de direito; os fatos que não estão sendo questionados; uma lista de testemunhas que a promotoria deseja chamar e uma lista de evidências que a promotoria deseja submeter à apreciação dos juízes. A Corte que trata dos procedimentos preliminares pode marcar audiências administrativas. Uma vez terminados esse procedimentos, a Corte que trata dos procedimentos preliminares encaminha o caso à Corte de primeira instância (Trial Chamber). Os procedimentos se assemelham aos dos outros tribunais. Porém, é comum afirmar-se que no TPI a comunicação de provas é mais eficiente em comparação aos outros tribunais, já que o Registro deve manter um dossiê completo dos documentos e procedimentos diante da Corte, podendo as vítimas, o suspeito, seus advogados de defesa e a Promotoria terem acesso a tais informações.

7 3) Procedimentos em Primeira Instância ( Trial Proceedings) 3.1) Apresentação do caso Normalmente começa com um pronunciamento inicial da promotoria. A defesa pode da mesma forma, se desejar, fazer um pronunciamento inicial; porém, é mais comum ela fazê-lo quando o chamado caso da promotoria termina, e começa o caso da defesa. O acusado tem direito de fazer um pronunciamento inicial, sem fazer o juramento. É uma oportunidade de expor suas convicções sobre o caso, livremente e sem ser interrogado. A promotoria apresenta o seu caso, chama testemunhas e apresenta as provas. As testemunhas são primeiro interrogadas pela promotoria (examined in chief) e em seguida interrogadas pela defesa (cross-examined), sendo subseqüentemente re-examinadas pela promotoria. Após o término do caso da promotoria, o juiz (pre-trial judge) demanda à defesa que submeta uma lista das testemunhas que pretende chamar, com um resumo dos fatos sobre os quais cada uma irá testemunhar e o tempo estimado individualmente considerado, além de uma lista de provas que devem ser apresentadas (regra 65 ter TPII). No final do caso da defesa a promotoria pode apresentar evidência em réplica (evidence in rebbutal) e a defesa em tréplica (evidence in rejoinder). A Corte também pode apresentar evidências próprias, trazer suas próprias testemunhas, que devem ser questionadas primeiramente pelos juízes. Uma vez

8 apresentada toda a evidência, a promotoria faz as alegações finais, seguida das alegações finais da defesa. O Estatuto do Tribunal Especial para o Líbano se difere um pouco quanto aos procedimentos apresentados, pois as testemunhas são primeiro questionadas pelo juiz presidente da Corte (art 20 do Estatuto). O Estatuto confere maior flexibilidade ao método de apresentação do caso, deixando a cargo da Corte decidir como conduzi-la. Contudo, a defesa deve ter sempre a oportunidade de fazer o último pronunciamento. 3.2) Regras Probatórias Qualquer instrumento probatório só se torna oficial ao processo se admitido pela Corte, após ser apresentado pela parte interessada, e a parte contrária tem sempre a oportunidade de contestá-la. Um princípio que não está presente na common law, sendo característico somente dos tribunais internacionais, é que as cortes não são submetidas a regras estritas, e engessadas, existindo uma grande flexibilidade que se baseia em princípios de justiça. Provas que foram recebidas em desrespeito aos princípios do direito, como violação dos direitos humanos, ou fraude, podem ser excluídas do rol de provas.

9 Procedimentos podem ser utilizados com o objetivo de evitar que o processo dure mais tempo do que o esperado, por isso, os tribunais internacionais podem reconhecer de ofício fatos notórios ou documentos públicos (ex: relatórios da ONU, documentos de outros processos da mesma Corte, etc). Nesses casos, o testemunho do perito pode ser aceito sem a presença deste em audiência, se a parte interessada não contestar o testemunho e não desejar interrogá-lo (ver regra 92 bis das regras de procedimentos e provas do TPII). Depoimentos, ou seja, declarações formais assinadas por uma testemunha em frente a um oficial, podem ser admitidos como prova (i) para corroborar a declaração (em audiência) de outra testemunha; (ii) se o depoimento escrito foi apresentado antes do depoimento oral desta testemunha; e (iii) se a parte contrária não se opõe à apresentação do referido depoimento. Provas em relação a crimes sexuais possuem um tratamento diferente. Isso porque (i) não é necessária a corroboração da vítima e (ii) o consentimento da vítima não pode ser alegado como defesa se a mesma sofreu ameaça de violência, privação de liberdade, ou opressão psicológica (ver regra 96 das regras de procedimentos e provas do TPII). O artigo 69 do estatuto do TPI reafirma em grande parte a prática dos outros tribunais penais internacionais. 3.3) Controle dos Procedimentos

10 A Corte pode decidir de ofício ou a requerimento das partes quando os procedimentos são transmitidos publicamente e quando a sessão é privada, restrita ao público, com o objetivo de proteger testemunhas, as vítimas, a ordem pública e a moralidade, a segurança, e os interesses da Corte. As audiências ainda podem ocorrer em sessão privada no todo ou em parte (regra 79 das regras de procedimentos e provas do TPII). A Corte também pode, com o objetivo de proteger as testemunhas, decidir por procedimentos que alterem a imagem e a voz das testemunhas [regra 75(B) das regras de procedimentos e provas do TPII]. Nesta mesma linha de raciocínio, os juízes podem iniciar processos por desacato à Corte (afronta à administração da justiça contempt ) [regra 77 (A) das regras de procedimentos e provas do TPII]. O sistema do TPI é similar, encontrando-se no artigo 64 do seu Estatuto. O artigo 70 trata do tema das ofensas à administração da justiça. 3.4) Deliberações Momento que se inicia quando ambas as partes completam as suas respectivas apresentações do caso. A Corte, então, declara a audiência como terminada e se reúne para deliberar. As decisões dos tribunais internacionais devem sempre prover os fatos analisados pela Corte e as razões de direito. Caso algum juiz não concorde com a maioria, pode emitir uma opinião dissidente, separada da decisão oficial.

11 3.5) Sentenças A pena de morte não é cabível como sentença nos tribunais internacionais. O Estatuto do TPII dispõe que ao determinar os termos da pena de reclusão, a Corte deve se reportar às práticas gerais nas cortes nacionais dos Estados da ex- Iugoslávia [artigo 24 (1)]. Esse mesmo entendimento é compartilhado pela Corte para Serra Leoa, no artigo 19 (1) de seu estatuto, que se refere às práticas do tribunal ad hoc para Ruanda e às cortes nacionais de Serra Leoa. O artigo 24(1) do estatuto do Tribunal Especial para o Líbano tabém se refere às práticas quanto à pena de reclusão das cortes nacionais do Líbano. Os artigos 77 e 78 do Estatuto não dispõem à Corte regras definidas quanto à especificação da sentença. Todavia, o Estatuto apresenta um maior avanço em relação às penalidades que podem ser impostas. O artigo 79 dispõe que a Corte pode determinar que bens sejam transferidos a uma conta vinculada estabelecida pela decisão da Assembléia dos Estados Partes em benefício das vítimas e suas famílias. 3.6) Reparação e Compensação às Vítimas

12 A) Tribunal Penal Internacional para a ex-iugoslávia, Corte Especial O Estatuto do TPII só menciona o direito das vítimas de restituição de seus bens. O artigo 24(3) do Estatuto do TPII estipula que, além da pena de reclusão, a Corte pode determinar o retorno dos bens às vítimas, se adquiridos de maneira criminosa, incluindo aqueles adquiridos por meio de coação. Porém, as regras de procedimento e provas permitem a indenização, que deve ser concedida pela corte nacional competente. O Estatuto do TPI é mais favorável às vítimas. O artigo 75 dispõe diversas formas de reparação, incluindo a restituição dos bens, a compensação ou indenização; além disso, o mesmo artigo dispõe que a Assembléia dos Estados Partes pode estabelecer um fundo em benefício das vítimas e suas famílias. 4) Recursos As regras dos Tribunais prevêem a possibilidade de interpor recursos contra decisões interlocutórias no curso do processo e contra sentenças. Anexo I: Quadro exemplificativo do Tribunal Especial para o Líbano:

13

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução 3 Introdução Este livreto explica em linguagem clara o que o (DPP) faz. O livreto tenta responder às perguntas que as pessoas nos fazem mais frequentemente. Ele não lida com cada situação possível e não

Leia mais

Instituto de Direito Americano PROJETO TRANSNACIONAL DE INSOLVÊNCIA

Instituto de Direito Americano PROJETO TRANSNACIONAL DE INSOLVÊNCIA Instituto de Direito Americano PROJETO TRANSNACIONAL DE INSOLVÊNCIA PRINCÍPIOS DE COOPERAÇÃO TRANSNACIONAL PARA CASOS DE INSOLVÊNCIA ENTRE OS MEMBROS DO ACORDO DE LIVRE COMÉRCIO DA AMÉRICA DO NORTE (NAFTA)

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito de aplicação

Artigo 1.º Âmbito de aplicação Resolução da Assembleia da República n.º 54/2004 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, da República Popular da China, Relativo ao Auxílio

Leia mais

CONTRATO DE TERMOS E CONDIÇÕES DAS CONVOCAÇÕES MODALIDADE B DA INICIATIVA REGIONAL DE PATENTES PARA O DESENVOLVIMENTO CAF

CONTRATO DE TERMOS E CONDIÇÕES DAS CONVOCAÇÕES MODALIDADE B DA INICIATIVA REGIONAL DE PATENTES PARA O DESENVOLVIMENTO CAF CONTRATO DE TERMOS E CONDIÇÕES DAS CONVOCAÇÕES MODALIDADE B DA INICIATIVA REGIONAL DE PATENTES PARA O DESENVOLVIMENTO CAF O conteúdo do presente contrato (adiante o Contrato ) constitui os termos e condições

Leia mais

PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Artigo 1

PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Artigo 1 PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Os Estados Partes do presente Protocolo acordaram o seguinte: Artigo 1 1. Qualquer Estado Parte do presente Protocolo ( Estado

Leia mais

Direito Processual Penal - Inquérito Policial

Direito Processual Penal - Inquérito Policial Direito Processual Penal - Inquérito Policial O inquérito policial é um procedimento administrativo préprocessual, de caráter facultativo, destinado a apurar infrações penais e sua respectiva autoria.

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

Política de Assédio Sexual das Escolas Públicas de Martha s Vineyard

Política de Assédio Sexual das Escolas Públicas de Martha s Vineyard Política de Assédio Sexual das Escolas Públicas de Martha s Vineyard I. Introdução Este documento tem como finalidade estabelecer uma política comum no sistema educacional das escolas públicas de Martha

Leia mais

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 155. No juízo penal, somente quanto ao estado das pessoas, serão observadas as restrições à prova estabelecidas na lei civil. Art. 156. A prova da

Leia mais

ENCONTRO DE PESQUISA EM HISTÓRIA DA UFMG REGIMENTO INTERNO-EPHIS

ENCONTRO DE PESQUISA EM HISTÓRIA DA UFMG REGIMENTO INTERNO-EPHIS CAPÍTULO I- DEFINIÇÃO ENCONTRO DE PESQUISA EM HISTÓRIA DA UFMG REGIMENTO INTERNO-EPHIS Art. 1º - O Encontro de Pesquisa em História da UFMG, designado também por sua sigla EPHIS-UFMG, é um evento discente

Leia mais

TENDO DECIDIDO concluir a Convenção para este propósito e ter pela circunstância o combinado como segue: Capítulo 1 O direito de limitação

TENDO DECIDIDO concluir a Convenção para este propósito e ter pela circunstância o combinado como segue: Capítulo 1 O direito de limitação Texto consolidado da Convenção Internacional sobre a Limitação de Responsabilidade Relativa às Reclamações Marítimas, 1976, como emendada pela Resolução LEG.5(99), adotada em 19 Abril 2012 OS ESTADOS PARTE

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS NA PESQUISA CIENTÍFICA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS NA PESQUISA CIENTÍFICA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS NA PESQUISA CIENTÍFICA BASEADO NO CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS CIENTÍFICAS FAPESP 2012 1. Diretrizes para as atividades científicas Estas diretrizes repousam sobre o princípio geral

Leia mais

PROJETO DE LEI N 4.596/09

PROJETO DE LEI N 4.596/09 1 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI N 4.596/09 (Do Sr. Capitão Assumção) Altera os artigos 3 e 41 da Lei n 9.474, de 22 de julho de 1997, que "Define mecanismos para a

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

CT.DSL-DR- /00 Rio de Janeiro, 10 de abril de 2000..

CT.DSL-DR- /00 Rio de Janeiro, 10 de abril de 2000.. CT.DSL-DR- /00 Rio de Janeiro, 10 de abril de 2000.. À Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL SAS, Quadra 06, Bloco H Edifício Ministro Sérgio Motta, 2º andar Biblioteca Brasília - DF CEP 70.313-900

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES.

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES. Resolução da Assembleia da República n.º 32/97 Tratado de Budapeste sobre o Reconhecimento Internacional do Depósito de Microrganismos para Efeitos do Procedimento em Matéria de Patentes, adoptado em Budapeste

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DO CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DO CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DO CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I Do Conceito, dos Princípios, das Finalidades e dos Objetivos Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso TCC, define-se

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões Nº 5/92, 14/96, 5/97 e 12/97 do Conselho do Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões Nº 5/92, 14/96, 5/97 e 12/97 do Conselho do Mercado Comum. MERCOSUL/CMC/DEC. N 08/02 ACORDO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E A REPÚBLICA DA BOLÍVIA E A REPÚBLICA

Leia mais

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17 Direito Processual Penal Militar - 4ª Edição SUMÁRIO CAPÍTULO I Princípios... 13 1 Princípios aplicados no processo penal militar... 13 2 Lei do processo penal militar e sua aplicação... 15 3 Aplicação

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES Os Governos dos Estados Membros da Organização dos Estados Americanos, desejosos de concluir uma convenção sobre cumprimento de medidas

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

2.1.4. Os preços constantes da Ordem de Compra não poderão ser reajustados, salvo mediante expresso consentimento por escrito do PNUD.

2.1.4. Os preços constantes da Ordem de Compra não poderão ser reajustados, salvo mediante expresso consentimento por escrito do PNUD. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE ORDEM DE COMPRA 1. ACEITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA Esta Ordem de Compra somente será aceita pelo PNUD mediante a assinatura por ambas as partes e fornecimento de acordo com as

Leia mais

CONTRATO DE SUB-LICENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO

CONTRATO DE SUB-LICENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO Documento EUREPGAP Contrato de Sub-licenciamento e Certificação (V2.3) Pag. 1 de 6 CONTRATO DE SUB-LICENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO para a participação como Parte Interessada de Mercado na estrutura do Sistema

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades Art. 1º A Associação dos ex alunos do Centro Universitário do Distrito Federal doravante

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Aprovado pela Resolução Consuni nº 28/06 de 12/07/06. Art. 1º O presente regulamento disciplina as atividades do Núcleo de Prática

Leia mais

INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Jefferson Aparecido Dias *

INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Jefferson Aparecido Dias * INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Jefferson Aparecido Dias * Introdução Um dos temas mais polêmicos da atualidade no Brasil é a possibilidade de internação compulsória de crianças e adolescentes

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

ANEXO VII TERMO DE CONFIDENCIALIDADE

ANEXO VII TERMO DE CONFIDENCIALIDADE TERMO DE CONFIDENCIALIDADE TERMO DE CONFIDENCIALIDADE QUE ENTRE SI CELEBRAM O BANCO DE BRASÍLIA S/A E [EMPRESA CONTRATADA] VINCULADO AO [CONTRATO PRINCIPAL1] CELEBRADO ENTRE AS PARTES Processo nº 041.000.371/2009.

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS. Decreto n.º 25/95 Acordo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América Relativo à Assistência Mútua entre os Respectivos Serviços Aduaneiros Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º

Leia mais

M. DIAS BRANCO S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS Companhia Aberta Capital Autorizado CNPJ nº 07.206.816/0001-15 NIRE 2330000812-0

M. DIAS BRANCO S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS Companhia Aberta Capital Autorizado CNPJ nº 07.206.816/0001-15 NIRE 2330000812-0 1 M. DIAS BRANCO S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS Companhia Aberta Capital Autorizado CNPJ nº 07.206.816/0001-15 NIRE 2330000812-0 POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO COM PARTES RELACIONADAS 1. OBJETIVO 1.1

Leia mais

Material de apoio. Aula 05 Normas brasileiras de contabilidade Normas técnicas de auditoria independente

Material de apoio. Aula 05 Normas brasileiras de contabilidade Normas técnicas de auditoria independente Material de apoio Aula 05 Normas brasileiras de contabilidade Normas técnicas de auditoria independente Normas de auditoria que entraram em vigor no Brasil, em 2010 O CFC emitiu novas normas de auditoria

Leia mais

CÓPIA. Coordenação-Geral de Tributação. Relatório. Solução de Consulta Interna nº 16 - Cosit Data 30 de julho de 2014 Origem.

CÓPIA. Coordenação-Geral de Tributação. Relatório. Solução de Consulta Interna nº 16 - Cosit Data 30 de julho de 2014 Origem. Fl. 27 Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 16 - Data 30 de julho de 2014 Origem DRF/Goiânia ASSUNTO: Processo Administrativo Fiscal EMENTA: IMPUGNAÇÃO INTEMPESTIVA. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Termos e Condições de Fornecimento e Pagamento

Termos e Condições de Fornecimento e Pagamento Termos e Condições de Fornecimento e Pagamento Última Revisão: Janeiro de 2010 1. Pontos gerais e escopo de validade 1.1. Nossos Termos e Condições de Fornecimento e Pagamento deverão ser aplicados de

Leia mais

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo Índice 1. Definições... 2 2. Objetivos e Princípios... 3 3. Definição de Ato ou Fato Relevante... 4 4. Deveres e Responsabilidade... 5 5. Exceção à Imediata Divulgação... 7 6. Dever de Guardar Sigilo...

Leia mais

TERMOS DE USO Versão de 15-01-2011 eadvantage

TERMOS DE USO Versão de 15-01-2011 eadvantage TERMOS DE USO Versão de 15-01-2011 eadvantage Acessando e utilizando o eadvantage, ou qualquer informação e/ou conteúdo presente em qualquer área do eadvantage, você estará reconhecendo que leu e concorda

Leia mais

IAS 38 Ativos Intangíveis

IAS 38 Ativos Intangíveis 2011 Sumário Técnico IAS 38 Ativos Intangíveis emitido até 1 Janeiro 2011. Inclui os IFRSs com data de vigência a paritr de 1º de janeiro de 2011, porém não inclui os IFRSs que serão substituídos. Este

Leia mais

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA * Luis Fernando da Silva Arbêlaez Júnior ** Professora Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A Constituição Federal

Leia mais

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Direito Processual Penal 2ª Fase OAB/FGV Professora Beatriz Abraão MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da... Vara Criminal da Comarca... (especificar

Leia mais

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Estas Normas estão em vigor para todos os processos de URS. Os procedimentos de URS devem ser regidos por estas

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02 TEMAS TRATADOS EM SALA ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PARTE CIVIL 1) Objeto art. 2º do ECA: a) Criança = 12 anos incompletos. b) Adolescente = 12 e 18 anos. Atenção: Pode o ECA ser aplicado à

Leia mais

COAF - RESOLUÇÃO Nº 20, DE 29 DE AGOSTO DE 2012

COAF - RESOLUÇÃO Nº 20, DE 29 DE AGOSTO DE 2012 COAF - RESOLUÇÃO Nº 20, DE 29 DE AGOSTO DE 2012 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas pessoas reguladas pelo COAF, na forma do 1º do art. 14 da Lei nº 9.613, de 3.3.1998. RESOLUÇÃO Nº

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Gilmar Mendes Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para as eleições de 2016. O Tribunal

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE ESCOLA SUPERIOR DE AVIAÇÃO CIVIL COORDENAÇÃO DE TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Quanto ao órgão controlador

Quanto ao órgão controlador Prof. Ms. Cristian Wittmann Aborda os instrumentos jurídicos de fiscalização sobre a atuação dos Agentes públicos; Órgãos públicos; Entidades integradas na Administração Pública; Tem como objetivos fundamentais

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

1. o termo Agente significa a pessoa designada por um Estado para representá-lo perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos;

1. o termo Agente significa a pessoa designada por um Estado para representá-lo perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos; REGULAMENTO DA CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS Aprovado 1 pela Corte no seu LXXXV Período Ordinário de Sessões celebrado de 16 a 28 de novembro de 2009 2. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1. Objetivo

Leia mais

ILUSTRÍSSIMA SENHORA AMANDA WANDERLEY, SECRETÁRIA-ADJUNTA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA (SEJUS) DO GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL

ILUSTRÍSSIMA SENHORA AMANDA WANDERLEY, SECRETÁRIA-ADJUNTA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA (SEJUS) DO GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL ILUSTRÍSSIMA SENHORA AMANDA WANDERLEY, SECRETÁRIA-ADJUNTA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA (SEJUS) DO GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Requerimento Administrativo Objeto: Acesso às informações do trâmite

Leia mais

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE Capítulo I - Enquadramento Artigo 1º - Objeto do presente documento Artigo 2º - Direito de apresentação de reclamações ao provedor Artigo 3º - Funções e autonomia do provedor Capítulo

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

Questão 1. Sobre os diversos âmbitos do Direito Internacional, assinale a alternativa verdadeira:

Questão 1. Sobre os diversos âmbitos do Direito Internacional, assinale a alternativa verdadeira: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre os diversos âmbitos do Direito Internacional, assinale a alternativa verdadeira: a) O Direito Internacional Público

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA Os Termos e Condições Gerais de Venda definidos abaixo e a Confirmação de Pedido enviada por SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA., sociedade

Leia mais

Faz os seguintes questionamentos:

Faz os seguintes questionamentos: PARECER CFM nº 9/16 INTERESSADO: 1ª Vara da Fazenda da Comarca de Joinville/SC ASSUNTO: Dúvidas quanto à necessidade de especialidade médica para realização de exame pericial e determinação de capacidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO RESOLUÇÃO N o. 01, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Institui o Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Direito da Universidade Federal de Lavras O Colegiado do Curso de Direito da Universidade Federal

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho.

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista: 1.1. Quais os princípios que regem

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FLUXO DO TCC 6o SEM 7o SEM 8o SEM PESQUISA EM INFORMÁTICA Além da ementa da disciplina, o aluno desenvolverá uma proposta de pesquisa, que poderá ou não continuar a ser trabalhada nas disciplinas de TCC1,

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA EMPRESA AO ESPORTE AMADOR E /OU PROFISSIONAL DO ESTADO DE GOIÁS

INTEGRAÇÃO DA EMPRESA AO ESPORTE AMADOR E /OU PROFISSIONAL DO ESTADO DE GOIÁS ESTADO DE GOIÁS AGÊNCIA GOIANA DE ESPORTE E LAZER INTEGRAÇÃO DA EMPRESA AO ESPORTE AMADOR E /OU PROFISSIONAL DO ESTADO DE GOIÁS PROGRAMA-FOMENTAR/ESPORTE REGULAMENTO (2011) 1 ESTADO DE GOIÁS AGÊNCIA GOIANA

Leia mais

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO Referência: Licitação Concorrência Técnica e Preço Processo Administrativo n : 21221.001621/2012-28 1. Cuida-se de reposta ao Pedido de Impugnação ao Edital interposto pela Sociedade

Leia mais

Capítulo I das Atividades do Conselho

Capítulo I das Atividades do Conselho REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ITARANTIM BA, DE ACORDO COM A LEI Nº 11.947/2009 E RESOLUÇÃO/CD/FNDE Nº 038/2009. Capítulo I das Atividades do Conselho

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE É sabido - e isso está a dispensar considerações complementares - que a pessoa jurídica tem vida distinta da dos seus sócios e administradores.

Leia mais

Sobre o Sistema FiliaWEB

Sobre o Sistema FiliaWEB Setembro/2009 SUMÁRIO SOBRE O SISTEMA FILIAWEB... 3 I - PAPÉIS E RESPONSABILIDADES NA NOVA SISTEMÁTICA DAS LISTAS DE FILIAÇÃO PARTIDÁRIA... 4 II CADASTRAMENTO DE USUÁRIO... 5 III REGISTRO DE FILIADOS...

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SEGURANÇA DE BARRAGENS DE REJEITOS RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SIMEXMIN OURO PRETO 18.05.2016 SERGIO JACQUES DE MORAES ADVOGADO DAS PESSOAS DAS PESSOAS NATURAIS A vida é vivida por

Leia mais

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL:

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: Nos termos do art. 20 do Regulamento do Concurso para Ingresso na Carreira do Ministério Público, na correção da prova escrita levar-se-á em conta o saber

Leia mais

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ O Tribunal Penal Internacional Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ Conceitos Básicos É o primeiro tribunal penal internacional permanente Os tribunais internacionais criados até então

Leia mais

Aplicar-se-á expressamente a Ordem de Compra acordada pelas partes contratantes.

Aplicar-se-á expressamente a Ordem de Compra acordada pelas partes contratantes. Página 1 de 7 Condições Gerais de Compra 1. Partes contratantes Este contrato (daqui em diante designado por Ordem de Compra) é acordado entre o fornecedor (denominado doravante como "FORNECEDOR") e a

Leia mais

14/06/2013. Andréa Baêta Santos

14/06/2013. Andréa Baêta Santos Tema: DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO Questões de Registro de Imóveis 14/06/2013 1. Na certidão em relatório Oficial deve sempre se ater ao quesito requerente? formulado o pelo Não, pois sempre que houver

Leia mais

Correção da Prova Bacharel Questões: 29 e 30 Perícia Contábil 35 e 37 Princípios Contábeis 41, 42 e 43 Legislação e Ética Profissional

Correção da Prova Bacharel Questões: 29 e 30 Perícia Contábil 35 e 37 Princípios Contábeis 41, 42 e 43 Legislação e Ética Profissional Correção da Prova Bacharel Questões: 29 e 30 Perícia Contábil 35 e 37 Princípios Contábeis 41, 42 e 43 Legislação e Ética Profissional Questão 29 De acordo com a NBC TP 01 Perícia Contábil, os procedimentos

Leia mais

PROTOCOLO SOBRE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO DE INVESTIMENTOS PROVENIENTES DE ESTADOS NÃO PARTES DO MERCOSUL

PROTOCOLO SOBRE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO DE INVESTIMENTOS PROVENIENTES DE ESTADOS NÃO PARTES DO MERCOSUL MERCOSUL\CMC\DEC Nº 11/94 PROTOCOLO SOBRE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO DE INVESTIMENTOS PROVENIENTES DE ESTADOS NÃO PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Art.10 do Tratado de Assunção, a Resolução Nº 39/94 do Grupo

Leia mais

CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA

CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O presente Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para as Atividades Conveniadas ( Código ) estabelece normas relativas à atuação da ANBIMA Associação

Leia mais

[Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição da sociedade na OAB/ES]

[Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição da sociedade na OAB/ES] ... ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS...(nome da Sociedade)... [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2006. (Do Sr. Ivo José) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N O, DE 2006. (Do Sr. Ivo José) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N O, DE 2006 (Do Sr. Ivo José) Regulamenta o inciso LI do Art. 5º da Constituição Federal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 o Esta lei regulamenta o inciso LI do Art. 5º da Constituição

Leia mais

TRATADO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA DO PANAMÁ SOBRE AUXÍLIO JURÍDICO MÚTUO EM MATÉRIA PENAL

TRATADO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA DO PANAMÁ SOBRE AUXÍLIO JURÍDICO MÚTUO EM MATÉRIA PENAL TRATADO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA DO PANAMÁ SOBRE AUXÍLIO JURÍDICO MÚTUO EM MATÉRIA PENAL A República Federativa do Brasil e A República do Panamá (doravante denominados "Partes"),

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei no 5.869,

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

NORMAS DO PROJETO DE CONCLUSÃO DE CURSO TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS DO PROJETO DE CONCLUSÃO DE CURSO TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE CARUARU - FACITEC BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: CINF0016 - TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS DO PROJETO DE CONCLUSÃO DE

Leia mais

ABERTURA DE PROJETOS PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE PROJETO. Normas e Procedimentos NP04

ABERTURA DE PROJETOS PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE PROJETO. Normas e Procedimentos NP04 PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE PROJETO Normas e Procedimentos NP04 I - INSTRODUÇÃO A FUSP na qualidade de Entidade de Apoio quanto à gestão administrativa-financeira dos recursos destinados aos projetos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 14.330, de 28 de outubro de 2003. Regulamenta o inc. VIII do art. 17, os arts. 107, 108, 109 e 110, da Lei Complementar nº 478, de 26 de setembro de 2002,

Leia mais

PLANO DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO - OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A.

PLANO DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO - OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. PLANO DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO - OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. aprovado pela Assembleia Geral Extraordinária realizada em 19 de outubro de 2012 1 PLANO DE INCENTIVOS

Leia mais

DIREITO PENAL. Exame de Ordem 2009.2 Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL

DIREITO PENAL. Exame de Ordem 2009.2 Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL DIREITO PENAL PEÇA PROFISSIONAL José de Tal, brasileiro, divorciado, primário e portador de bons antecedentes, ajudante de pedreiro, nascido em Juazeiro BA, em 7/9/1938, residente e domiciliado em Planaltina

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO MEMORIAIS (OAB/SP 133 - ADAPTADO) Pedro foi acusado de roubo qualificado por denúncia do Promotor de Justiça da comarca, o dia 1 de julho de 2006. Dela constou que

Leia mais

2006-02-17 - PGT-CCR-67-2006

2006-02-17 - PGT-CCR-67-2006 Processo-PGT-CCR - 67/2006 Interessado 1: Ofícios de Uberlândia e Juiz de Fora(PRT 3ª Região) Interessado 2: PRT 3ª Região Assunto: Conflitos de atribuições entre Ofício e Sede (3ª Região) VOTO I - RELATÓRIO

Leia mais

CÓDIGO ÉTICA E CONDUTA FRANCO ADVOGADOS

CÓDIGO ÉTICA E CONDUTA FRANCO ADVOGADOS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DE FRANCO ADVOGADOS ÍNDICE CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES 1 CAPÍTULO II OBJETIVO 2 CAPÍTULO III AMBIENTE DE TRABALHO 2 CAPÍTULO IV - REGRAS E PROCEDIMENTOS 2 CAPÍTULO V - VANTAGEM INDEVIDA

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA (FAMES)

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA (FAMES) REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA (FAMES) SANTA MARIA RS 2014 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO

Leia mais

TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF)

TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF) UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MATRICULA:12/0138573 ALUNO:WILSON COELHO MENDES PROFESSOR:VALLISNEY OLIVEIRA TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF) Teoria geral do Processo II Princípio:Juiz natural, com observações

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 6 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO N 24, DE 6 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO N 24, DE 6 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre o acervo técnico do arquiteto e urbanista e a emissão de Certidão de Acervo Técnico (CAT), sobre o registro de atestado emitido por pessoa jurídica de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1 o Este Regimento Interno do Conselho Fiscal CONFI estabelece as normas que complementam

Leia mais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais Fl. 2 MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais PORTARIA CARF Nº 64, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Recursos

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 18/96 e 2/97 do Conselho do Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 18/96 e 2/97 do Conselho do Mercado Comum. MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 15/06 ENTENDIMENTO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE AS AUTORIDADES DE DEFESA DE CONCORRÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL PARA O CONTROLE DE CONCENTRAÇÕES ECONÔMICAS DE ÂMBITO REGIONAL TENDO

Leia mais

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES PARTE II INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS: ART. 112 CPP- DUAS HIPÓTESES: ABSTENÇÃO: ARGUIÇÃO PELA PARTE: PROCESSO ESTABELECIDO PARA EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO. ART. 252 E 253

Leia mais

PRINCIPAIS JULGAMENTOS DE 2015 STF E STJ DIREITO PENAL E PROCESSO PENAL

PRINCIPAIS JULGAMENTOS DE 2015 STF E STJ DIREITO PENAL E PROCESSO PENAL PRINCIPAIS JULGAMENTOS DE 2015 STF E STJ DIREITO PENAL E PROCESSO PENAL Olá amigos do Sabermaisdireito.com, Segue os principais julgamentos sobre Direito Penal e Processo Penal dos Tribunais Superiores

Leia mais

PLANO DE INCENTIVOS DE LONGO PRAZO - OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

PLANO DE INCENTIVOS DE LONGO PRAZO - OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES PLANO DE INCENTIVOS DE LONGO PRAZO - OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Incentivos de Longo Prazo - Opção de Compra de Ações é regido pelas disposições abaixo e pela legislação aplicável. 1.

Leia mais

Mercosul Protocolo de Ouro Preto

Mercosul Protocolo de Ouro Preto PROTOCOLO DE OURO PRETO PROTOCOLO ADICIONAL AO TRATADO DE ASSUNÇÃO SOBRE A ESTRUTURA INSTITUCIONAL DO MERCOSUL (Ouro Preto, 17/12/1994) A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República

Leia mais