Rodrigo Legrazie de Faria - A GERAÇÃO DE ENERGIA PELA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rodrigo Legrazie de Faria - A GERAÇÃO DE ENERGIA PELA"

Transcrição

1 Ano 02 Rodrigo Legrazie de FARIA n. 03 A GERAÇÃO DE ENERGIA PELA BIODIGESTÃO ANAERÓBICA DE EFLUENTES: O CASO DA SUINOCULTURA p Instituto de Engenharia Arquitetura e Design INSEAD Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio CEUNSP Salto-SP 1

2 Prof Eng Agr Msc Rodrigo Legrazie de Faria - Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio. Professor e Coordenador de Engenharia Ambiental. RESUMO O presente artigo esboça uma preocupação de mitigar os impactos ambientais, externalidades, gerados pela suinocultura brasileira, além de gerar uma importante solução estratégica e sustentável para a cogeração de energia, às pequenas e médias propriedades rurais, por meio da digestão anaeróbica (biodigestores) dos efluentes de suínos, criados em sistema intensivo de produção. O presente artigo utilizar-se-á de um estudo bibliográfico exploratório bibliográfico. Palavras-chave: Suinocultura. Biodigestão. Energia e Sustentabilidade. 1- Introdução O espaço rural brasileiro vem sendo profundamente transformado, a partir da Revolução Verde, momento esse responsável pela modernização no modelo de gestão e produção das empresas rurais, voltadas à criação e cultivo de vegetais. Isso se deve aos avanços na área da química, genética, nutrição, manejo, biotecnologia, máquinas agrícolas e o desenvolvimento de pesquisas criando o que chamamos de Complexo Agroindustrial composto por três atores sociais: a jusante, unidade de produção agropecuária e a montante. Dentre as atividades econômicas que mais se modernizaram está a cadeia da carne suína, que por sua vez é a fonte de proteína animal mais importante no mundo, onde o Brasil se configura como um grande produtor e exportador. Diante desse novo cenário, a suinocultura brasileira atravessa uma fase de expansão e também de grandes desafios, o de conciliar produtividade, qualidade, responsabilidade socioambiental, 28

3 além de assumir uma nova vocação: a produção de energia, a partir do emprego de recursos naturais como água, terra, sol e vento, ou utilizando-se da biomassa oriunda dos efluentes gerados pela própria atividade. Mediante a essa transformações e grandes impactos socioambientais gerados por essa atividade, o presente artigo tem como objeto de estudo, retratar a biodigestão anaeróbica dos efluentes suínos, como um processo capaz de garantir a autosustentabilidade energética (cogeração), diminuir a poluição nos biomas, melhorar a questão sanitária das instalações e propiciar vantagens econômicas com práticas sustentáveis (ativo ambiental). Utilizar-se-á para tal de uma metodologia de exploração bibliográfica associada com a experiência de campo do autor do tema em questão O governo brasileiro vem criando nos últimos anos alguns programas de fomento, incentivo não só ao uso mais eficiente da energia de vários setores econômicos, mas principalmente na criação de uma diversidade de fontes energéticas renováveis, capaz de propiciar um desenvolvimento mais sustentável no espaço rural, visto que nossa matriz energética é altamente dependente do comportamento dos recursos hídricos. Esse esforço iniciou-se com o Plano Nacional de Agroenergia (2006/2011), apresentando como objetivos: o desenvolvimento e transferência de conhecimentos para a produção agropecuária mais sustentável, aumentar a produtividade animal e vegetal, fomentar a utilização da energia renovável, expandir a agricultura voltada à produção energética (biomassa e biocombustíveis), agregação de valor, geração de empregos no campo, reduzir as emissões de gases do efeito estufa e por fim diminuir a dependência dos combustíveis fósseis. Para Bermann (2001) o Brasil destaca-se, em quinto lugar, na produção de energia renovável por apresentar uma matriz energética mais limpa, com alta participação de fontes renováveis, que representaram cerca de 43,3% em 1999 e hoje representam cerca de 45,4% da oferta interna de energia1, todavia 74% dessa matriz está baseada essencialmente na geração hidrelétrica. Para o autor, o Brasil é um dos poucos países do mundo que conta com condições privilegiadas para o cultivo de biomassa, visando a geração de energia. Em que o biogás, a partir dos dejetos rurais, se apresenta como uma importante alternativa energética e de 1 Dados obtidos da Revista Análise Energia; 3º ed, 2010 p

4 minimização dos impactos ambientais, que certamente deverá crescer na matriz energética renovável. Segundo Lopez (2010), o Brasil vem se configurando como uma potência na produção de energia limpa, pois vem se modernizando e investindo em pesquisas e tecnologias, avanços das políticas públicas no sentido de: diversificação de fontes energéticas, atração investidores, fabricantes de equipamentos e projetistas de tecnologias visando à maximização da eficiência energética no espaço rural e urbano. De acordo com Gliessman (2001), a modernização das atividades rurais das últimas décadas tem se fundamentado em um processo de colocação de quantidades cada vez maiores de energia na agricultura e pecuária, para aumentar o rendimento. Grande parte desse aporte energético empregado em toda a cadeia vem, diretamente ou indiretamente, de combustíveis fósseis não renováveis além do fato de que investimos muito mais energia e recursos naturais do que conseguimos de volta com esse alimento. Uma vez que boa parte dos alimentos consumidos pelos países desenvolvidos é oriunda de biomassa animal, a partir de uma gama de vegetais, o que equivale a uma ínfima eficiência energética de 0,085 até 5%, nos modelos de produções mais eficientes e sustentáveis. A suinocultura brasileira vem sofrendo mudanças significativas, por todo seu complexo industrial, tanto do ponto de vista qualitativo como de produtividade, visando principalmente o abastecimento do mercado externo com uma carne de qualidade, preço competitivo, socialmente justa e ecologicamente correta. Todavia a presente atividade zootécnica apresenta um grande potencial de externalidades aos ecossistemas e à saúde pública, principalmente no que tange a questão dos efluentes e o alto consumo energético na produção de carne, proveniente de fontes não renováveis, gerando a necessidade por parte dos produtores rurais em atuarem conforme as legislações ambientais e normas vigentes das grandes organizações do complexo agroindustrial da carne suína, no que tange à busca de soluções estratégicas para a mitigação dos impactos negativos, diminuição dos custos de produção e a cogeração energética no espaço rural. 30

5 2- A produção de Biogás e suas características O biogás pode ser definido como um hidrocarboneto, inodor e altamente combustível, resultado do processo microbiológico de digestão anaeróbica de dejetos vegetais, animais, lixo e resíduos industriais. Todavia o presente artigo debruçar-se-á na produção de metano a partir de dejetos suínos. O teor de gases gerados pelos biodigestores podem variar, mediante vários fatores, no entanto estima-se que 55% a 65% do biogás é formado pelo metano. Segundo Teixeira (2001) 0,70 m3 de biogás é equivalente a 1 KWh de energia elétrica e apresenta um poder calorífico entre 5000 a 6000 Kcal/m3, porém pode ultrapassar o patamar dos Kcal por metro cúbico uma vez eliminado todo o gás carbônico da mistura. A equivalência energética do biogás em relação a outros energéticos é determinada levando em conta o poder calorífico e a eficiência média de combustão. A tabela 1, abaixo, mostra a relação entre biogás e outros energéticos, em termos de equivalência energética, segundo três fontes pesquisadas e citadas por Coldebell (2008). 31

6 Tabela1- Equivalência Energética Equivalência energética FERRAZ SGANZERL NOGUEIR SANTO do biogás comparado a & A (1983) A (1986) S (2000) outras fontes de energia ENERGÉTICO MARIEL (1980) Gasolina (L) 0,61 0,613 0,61 0,6 Querosene(L) 0,58 0,579 0,62 - Diesel (L) 0,55 0,553 0,55 0,6 GLP (kg) 0,45 0,454 1,43 - Álcool (L) - 0,79 0,80 - Carvão M. (kg) - 0,735 0,74 - Lenha (kg) - 1,538 3,5 1,6 Eletricidade (kwh) 1,43 1,428-6,5 Fonte: Coldebell; et al (2008). Todo esse processo de digestão anaeróbica desencadeia em três fases, de acordo com o fluxograma abaixo, ocasionando deslocamento físico e transformações biológicas e químicas. A primeira fase é marcada pelas transformações de substâncias complexas em simples (hidrólise) pela atuação das bactérias aeróbicas e microaeróbica que irão decompor carbohidratos, gorduras e proteínas em matéria orgânica solúvel. Na segunda fase, boa parte dessa matéria orgânica servirá como meio de cultura às bactérias saprófitas (facultativas), que liberaram vários ácidos e produtos de degradação intermediária (CO 2 e água), chamada de fase acidogênica. Por último a fase metanogênica, que transformará esses ácidos, principalmente o ácido acético em: H 2 S, H 2 O, NH 3 e CH 4. Por sua vez, essa fase exige intenso cuidado, pois as bactérias metanogênicas podem ser afetadas por inúmeros fatores, diminuindo sensivelmente a produção de gás e a diminuição de DQO e DBO. 32

7 POLÍMEROS ORGÂNICOS (Amido, Celulose, Proteína, Gordura) FASE DE HIDRÓLISE (EXTRACELULAR) COMPOSTOS DE CADEIA CURTA E POLÍMEROS SOLÚVEIS (Açucares, Aminoácidos, Ácido graxos) FASE DE ACIDIFICAÇÃO H 2 CO 2 ÁC ACÉTICO ÁCIDOS ORGÂNICOS ÁLCOOIS FASE ACETOGÊNICA H 2 CO 2 ÁC ACÉTICO FASE METANOGÊNICA METANO Figura 1: Processo de digestão anaeróbica 33

8 Dentre os fatores estão: Tipos de Resíduos: Quanto maior a porção de sólidos voláteis dos efluentes, maior será a produção de biogás. Os dejetos de animais monogástricos (suínos e aves) produzem mais gases quando comparados com os ruminantes, já que esses apresentam no rumem um processo primário, natural de metanogênese. Relação carbono/nitrogênio: De acordo com os estudos de Prakasan (1989), a relação de carbono para nitrogênio ideal para a maior produção de gás metano está na faixa de 20 a 30 partes de carbono para uma de nitrogênio. Os efluentes suínos, segundo o autor, apresentam em média 20 C/N, 3,8% do peso seco em nitrogênio, 18% de média de sólidos totais (ST) e 94% de sólidos voláteis em relação aos sólidos totais. Temperatura: Cada fase do processo de digestão anaeróbica se desenvolve melhor em uma determinada faixa de temperatura. Estudos mostram que a faixa mesofílica (30º a 35º) vem se mostrando ideal para a maior produção de biogás e na diminuição do tempo de retenção nos biodigestores de fluxo contínuo (geralmente de 20 a 30 dias). Grande parte dos biodigestores são planejados de maneira subterrânea a fim de evitar as drásticas diferenças de temperaturas durante o ano. Existem estudos mostrando que o aquecimento dos efluentes e a agitação mecânica pode também contribuir para a eficiência energética, todavia ainda se tem poucos estudos sobre o rendimento e viabilidade econômica, principalmente quando se volta aos pequenos e médios criadores de suínos. ph: O ideal é a faixa entre 6,0 e 8,0, todavia no início do processo de digestão anaeróbica é comum que a solução fique ácida em virtude da presença das bactérias acidogênicas, onde há a produção de dióxido de carbono e alguns ácidos. Com a fase metanogênica esse hidrogênio se converterá em gás metano e outros compostos, tornando o meio neutro. Materiais tóxicos: A presença de algumas substâncias orgânicas, químicas e/ou físicas pode comprometer o potencial biótico das bactérias responsáveis na produção do metano. Dentre eles estão algumas substâncias e seus limites máximos, com base nos estudos experimentais de Teixeira (2001): cloreto de sódio (4000 ppm), detergente (20 a 40 ppm), potássio (2.500 a 34

9 4.500 ppm), cálcio(2.500 a ppm) e magnésio (1000 a 1500 ppm), além dos antibióticos, desinfetantes e pesticidas. Segundo Oliveira (1993), a produção média de dejetos suínos por animal adulto, em especial matrizes, é da ordem de 27 l por dia e para cada leitão de 1,4 l/animal dia. Quanto à composição química, o presente autor estima uma média de importantes elementos presentes nos efluentes oriundos da suinocultura, em porcentagem: N2-1,8 a 2,5, P2O5-1,2 a 2,1 e K2O de 0,8 a 1,5. Conforme o estudo acima, a produção de biogás, a partir de 1 m3 de efluente suíno gera em média 0,64 m3 de biogás dia com um tempo de retenção de 20 a 30 dias, o que garante a obtenção energética da ordem de Kcal/m3 de biogás (65-70% de metano). 3- Benefícios da biodigestão anaeróbica Os biodigestores quando planejados e implantados de maneira eficiente geram inúmeros benefícios aos suinocultores, vantagens que se tornam mais ou menos interessantes, com base nas características da unidade de produção, necessidade energética, volume de produção de dejetos e o grau de eficiências das tecnologias voltadas à produção energética. Em termos gerais pode-se utilizar o metano para: - Gás combustível: pouco utilizado no Brasil, devido sua inviabilidade econômica. - Controle de poluição: A resolução nº 20 de 1986, do CONAMA, estabelece os valores máximos para DBO de 60 mg/l e de Oxigênio disperso de maior ou igual a 5 mg/l para os efluentes serem lançados em corpos de água. De acordo com Nogueira (1986) a biodigestão anaeróbica é muito eficiente na redução de DBO e DQO, por meio da redução dos sólidos orgânicos, além de remover patógenos em uma ordem de 90%. - Biossólido: após o processo de estabilização biológica dos efluentes o material sólido, chamado de biossólido apresenta teores consideráveis de macronutrientes na forma de matéria orgânica. Segundo o mesmo autor, no esterco suíno fresco apresenta em média: 0,55 de nitrogênio, 0,35% de P2O5, 1% de K2O e 68% de água. Esse biossólido não só contribui para 35

10 a redução do uso de fertilizantes químicos como também pode ser utilizado na fabricação de tijolos, matéria prima na fabricação de ração e ainda na conversão em óleo combustível. - Águas residuárias: A parte líquida resultante do processo de tratamento anaeróbico é também rica em nutrientes e pode ser usada na fertirrigação de forrageiras e outros vegetais importantes na alimentação dos suínos ou em atividades agrícolas complementares. Sua implantação na piscicultura vem sendo estudado, mostrando resultados satisfatórios na produção de carne com baixo custo. O aproveitamento do gás metano na própria suinocultura é vasto, entre elas estão: a) a iluminação nas granjas, tanto na criação de suínos como na avicultura, sendo uma importante estratégia de manejo a fim de estimular o apetite dos animais no período noturno; b) os leitões recém-nascidos são extremamente sensíveis às temperaturas baixas, portanto o aquecimento da maternidade reduz a mortalidade e garante o ganho de peso; c) as reprodutoras em regiões quentes e em estágio avançado de gestação apresentam um stress térmico necessitando de ventiladores nas horas mais quentes do dia; d) na suinocultura de corte os galpões são esterilizados com lança-chamas, com gás GLP, que poderia ser substituído pelo metano; e) atualmente a automatização do manejo de suínos demanda uma quantidade significativa de energia tanto no fornecimento de ração como água (cochos inteligentes ) e f) para as condições brasileiras, em que as médias anuais de temperatura estão acima de 25 C, considera-se a nebulização, mecanismo imprescindível dentro de galpões de produção, principalmente nas fases de terminação. Segundo estudos desenvolvidos por Silva (1999), o uso de nebulizadores por aspersão apresenta grandes vantagens, promovendo ganhos de peso significativos nos animais nas fases de crescimento e de terminação. 4- Biodigestores no espaço rural Na prática a produção de biogás é possível com a utilização de um equipamento denominado de biodigestor. O biodigestor constitui-se de uma câmara fechada onde é colocado o material 36

11 orgânico, em solução aquosa, onde sofre decomposição, gerando o biogás que irá se acumular na parte superior da referida câmara. Quanto ao seu funcionamento os biodigestores podem ser classificados em contínuos, quando a carga de matéria orgânica for diária, como é nos casos da suinocultura. Já os descontínuos (batelada) são utilizados quando não há a constância de geração de resíduos ou baixo consumo de gás, sendo muito aplicado para a avicultura. Para Teixeira (2001), um biodigestor é considerado rural quando possuem uma câmara de fermentação com volume inferior a 100 m3 e processam as matérias-primas (vegetais e dejetos animais) líquidas com elevado teor de sólidos. Existem diversos tipos de biodigestores contínuos utilizados (indiano, chinês, paquistanês, tailandês, coreano, filipino e mais recentemente a utilização de tanques revestidos e cobertos com manta impermeável de PVC, além dos biodigestores que apresentam uma miscigenação de características (híbridos) e incrementos por parte do produtor rural, adaptando-se às diversas necessidades e características das empresas agropecuárias e da biomassa em questão. No entanto o tipo ideal de biodigestor rural depende de vários fatores: qualidade e quantidade de resíduos gerados pelos animais; condições ambientais do local; mão-de-obra qualificada para a construção, manutenção e operações dos biodigestores; distância da fonte de biomassa e o consumo de gás; dimensionamento dos equipamentos, filtros do gás sulfídrico, gasômetro e geradores necessários para suprir as necessidades da suinocultura. Os mais utilizados na suinocultura, principalmente nas pequenas e médias empresas rurais, são os modelos indianos e chineses O modelo de biodigestão indiano caracteriza-se por possuir uma campânula como gasômetro, a qual pode estar mergulhada sobre a biomassa em fermentação, ou em um selo d água externo, e uma parede central que divide o tanque de fermentação em duas câmaras. A função da parede divisória faz com que o material circule por todo o interior da câmara de fermentação. O modelo indiano possui pressão de operação constante, ou seja, à medida que o volume de gás produzido não é consumido de imediato, o gasômetro tende a deslocar-se verticalmente, aumentando o volume deste, portanto, mantendo a pressão no interior deste constante. 37

12 O fato de o gasômetro estar disposto ou sobre o substrato ou sobre o selo d água reduz as perdas durante o processo de produção do gás. O resíduo a ser utilizado para alimentar o biodigestor indiano, deverá apresentar uma concentração de sólidos totais (ST) não superior a 8%, para facilitar a circulação do resíduo pelo interior da câmara de fermentação e evitar entupimentos dos canos de entrada e saída do material. Figura 2: Modelo de biodigestor indiano Já o modelo chinês é formado por uma câmara cilíndrica de pouca altura, ligadas a duas abóbodas. A grande ideia desse modelo está em evitar o uso do gasômetro, atuando de maneira similar ao princípio da prensa hidráulica, porém o problema está na oscilação da pressão interna, maior probabilidade de vazão de gases, sua construção requer cuidados no aspecto de impermeabilização, seu custo geralmente é menor já que o gasômetro onera o custo do biodigestor e tem mostrado eficiente em instalações de pequeno porte, como a suinocultura familiar. 38

13 Figura 3: Modelo de biodigestor chinês 5- Geração de energia A produção de energia elétrica a partir da biomassa, atualmente, é muito defendida como uma alternativa importante para países em desenvolvimento e também outros países, em várias cadeias do agronegócio. Embora o Brasil nos últimos anos venha desenvolvendo uma série de pesquisas e inovações tecnológicas, a fim de transformas a biomassa em uma viável e importante fonte de cogeração energética, tendo como foco: a avicultura, bovinocultura e principalmente a suinocultura almejando a sustentabilidade desses empreendimentos rurais Segundo Florentino (2003), os biodigestores tem sido alvo de grande destaque tendo em vista a crise de energia no espaço rural e conseqüente busca por fontes alternativas, ressaltando que os biodigestores são importantes no intenso processo de modernização das empresas rurais, que demanda energia e geram inúmeros resíduos provenientes da criação de animais e de culturas que pode ocasionar sérios problemas ambientais e de ordem sanitária, que por sua vez vem se colocando como a maior barreira as exportações de carne suína ao grande mercado dos países desenvolvidos. Para se transformar o biogás em energia elétrica é necessária a utilização de motores de combustão a gás e posteriormente um gerador de energia elétrica. Em alguns casos pode-se utilizar um cilindro de compressão, para garantir a constante vazão e pressão dos gases para o motor. Cabe salientar que para utilização em motores a gasolina é necessário que se faça a conversão para biogás, a mesma deve ser feita por um mecânico experiente e não exige grandes alterações, porém, modelos específicos apresentam melhores rendimentos. Deve-se 39

14 uma maior atenção na instalação de filtros para o biogás, visto que o mesmo apresenta teores consideráveis de gás sulfídrico e dióxido de carbono que comprometem significativamente a vida útil dos motores, comprometendo a eficiência na cogeração. 6. Considerações Finais O emprego energético do biogás, a partir dos dejetos suínos apresenta inúmeros benefícios (ecológicos, sociais e econômicos) e aplicabilidades, quando bem planejado e executado dentro dos parâmetros técnicos e econômicos, conforme as características peculiares de cada unidade de produção e o devido controle dos fatores ambientais. Os custos de produção de biogás e geração de energia à atividade rural em questão esta diretamente relacionados à quantidade de biogás que se produz e ao investimento destinado à construção do biodigestor, motores e geradores (planta energética). Quanto ao tempo de retorno do investimento, torna-se atrativo com a intensificação do uso do sistema, porém seria interessante também que o excesso de energia gerado nas propriedades pudesse ser comercializado com as concessionárias e lançado na rede elétrica. No entanto essa prática ainda é pouco praticada no Brasil, por problemas de eficiência técnica da cogeração e questões políticas. É de suma importante computar os benefícios ocultos no processo de obtenção energética pelo biogás, pois o tempo de retorno do investimento pode se tornar ainda menor se a economia proporcionada pelo uso do biofertilizante como fonte de nutrientes para adubação de pastagens ou lavouras, também for considerada. A partir da intensa pesquisa bibliográfica acerca do objeto de estudo, pode-se dizer que a implantação do biodigestor é a opção que mais trará resultados positivos, dando tratamento correto aos efluentes e gerando energia limpa para a própria unidade de produção suína. O modelo chinês de biodigestão,vem sendo o mais empregado, principalmente nas pequenas e médias empresas, pois tem custo operacional baixo, exige uma pequena demanda de área de instalação, trabalha com fluxo contínuo, apresenta alta eficiência para efluentes com baixo teor de sólidos, é capaz de apresenta eficiência maior que a de outros tipos de biodigestores em termos de COV (carga orgânica volumétrica), produz volumes significativos e com maior qualidade de biogás e vem sofrendo forte expansão no tratamento dos dejetos rurais. 40

15 O cenário da cogeração de energia na cadeia da suinocultura ainda apresenta uma diversidade de desafios para sua ampliação e melhoria, via biogás, tais como: maior investimentos em pesquisas envolvidas com efluentes rurais, difusão de tecnologias de biodigestão anaeróbica mais eficientes e com preço acessível, apoio aos produtores em assistência técnica por parte dos órgãos de extensão rural, criação de políticas de financiamento nas construções de plantas energéticas de biomassa, facilidade maior na entrada do mercado de crédito de carbonos (Mecanismo de Desenvolvimento Limpo), buscar novas parcerias com atores sociais da cadeia de carne suína (alianças estratégicas), criar associações entre suinocultores da mesma região e por fim a questão ética. Bibliografia BERMANN, Célio. Energia no Brasil: para quê? Para quem? Crise e alternativas para um país sustentável. São Paulo: Editora Livraria da Física, FAESE, BRANCO, Samuel. Energia e Meio Ambiente. São Paulo: Moderna, CAMPOS, Alessandro. Análise energética de biodigestores tubulares usando dejetos de suínos. Grupo de Pesquisas em Ambiência do Oeste do Paraná. UNIOESTE, COLDEBELL, Anderson; et al. Viabilidade da geração de energia elétrica através de um motor gerador utilizando biogás da suinocultura. Informe Gepec.Vol. 12, nº2, jul./dez FLORENTINO, H. O. Mathematical tool to size rural digesters. Ciência Agrícola, Piracicaba - SP, v. 60, n. 1, jan./mar GLIESSMAN, Stephen. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre:Ed. Universidade UFRGS, GOLDEMBERG, Jose; LUCON, Oswaldo. Energia, Meio Ambiente & Desenvolvimento. São Paulo: editora da Universidade de São Paulo, 3 ed,

16 KONZEN, E.A. Avaliação quantitativa e qualitativa dos dejetos de suínos em crescimento e terminação, manejados em forma líquida. Belo Horizonte Tese (Mestrado em Zootecnia) Escola de Veterinária. Universidade Federal de Minas Gerais. LOPEZ, Arthur; ATTUY, Gabriel; PALUDETTO, Henrique. Energia Renovável Avança na Matriz. Revista Análise Energia. São Paulo: Editora Análise Editorial, 3º edição p LUCAS JUNIOR, J. Algumas considerações sobre o uso do estrume de suínos omo substrato para três sistemas de biodigestores anaeróbios f.Tese (Livre Docência), UNESP, Jaboticabal. LUCAS JUNIOR, J. Estudo comparativo de biodigestores modelo indiano e chinês. Botucatu, 1987, 114p. (Tese de Doutorado), Universidade Estadual Paulista. NOGUEIRA, L.A. Biodigestão: a alternativa energética. São Paulo: Nobel, p. OLIVEIRA, P.A. et al. Manual de manejo e utilização dos dejetos de suínos. Concórdia: EMBRAPA/CNPSA, 1993, 188p. OLIVEIRA, P.A.V. de, OTSUBO, C.S. Sistema simples para produção de biogás com uso de resíduos de suínos e aves. Gerenciamento Ambiental, v.4, n.19,p.12-15, OLIVEIRA, P.A.V.,HIGARASHI, M.M., Matei, R.M.; Mendes, G.L. Uso dos resíduos de sistema de crescimento e terminação de suínos para a produção de biogás.in: CONGRESSO BRASILEIRO DE VETERINARIOS SPECIALISTAS EM SUINOS, ABRAVES, 12., 2005, Fortaleza, CE. Anais. p OLIVEIRA, P. A. V. de; HIGARASHI, M. M.; NUNES, M. L. A. Efeito estufa: emissão de gases, na suinocultura, que provocam o efeito estufa. Suinocultura Industrial, São Paulo, v. 25, n. 7, p.16-20, OLIVEIRA, P.A, Programas eficientes de controle de dejetos na suinocultura, In: I CONGRESSO LATINO AMERICANO DE SUINOCULTURA. Foz do Iguaçu: Anais...Concórdia: EMBRAPA Suínos e aves, p

17 Plano Nacional de Agroenergia Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Secretaria de Produção e Agroenergia. 2. ed. rev. - Brasília, DF : Embrapa Informação:Tecnológica, 2006 (110 p). POMPERMAYER, Raquel de Souza ; PAULA JUNIOR, Durval Rodrigues de. Estimativa do potencial brasileiro de produção de biogás através da biodigestão da vinhaça e comparação com outros energéticos. In: ENCONTRO DE ENERGIA NO MEIO RURAL, 3, 2000, Campinas. Proceedings online.available from: <http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=msc &lng=en&nrm=abn>. Acesso em 21 Mar PRAKASAN, K; CARVALHO, R; FILHO, J.V; PERAZZO NETO, A. Tecnologia do biogás. Areia:UFPB, P. SANTOS, T. M. B. dos. Balanço energético e adequação do uso de biodigestores em galpões de frangos de corte f. Tese (Doutorado) - Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da UNESP, Jaboticabal. SCHERER, E. E.; AITA, C.; BALDISSERA, I. T. Avaliação da qualidade do esterco líquido de suínos da região Oeste Catarinense para fins de utilização como fertilizante. Florianópolis: EPAGRI, 1996, 46 p. (EPAGRI. Boletim Técnico, 79). SILVA, I.J.O. Qualidade do ambiente e instalações na produção industrial de suínos. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE SUINOCULTURA, 4., 1999, São Paulo. Anais... Piracicaba: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, p SOUZA C. F. Biodigestão anaeróbia de dejetos de suínos: obtenção de dados e aplicação no desenvolvimento de um modelo dinâmico de simulação da produção de biogás f. Tese (Doutorado em Zootecnia - Produção Animal) - Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal. TEIXEIRA, Vitor. Biogás. Universidade Federal de Lavras: UFLA/FAEPE,

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS

PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS Paulo Armando V. de Oliveira, Engº Agrícola, PhD Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Área de construções rurais/engenharia

Leia mais

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Congresso Internacional sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Priscila Alves Carneiro Heleno Quevedo de Lima Universidade Federal

Leia mais

Congresso Internacional de Gestão de Inovação da Educação do Setor Público CIGISP 2015. Workshop CIGISP 2015

Congresso Internacional de Gestão de Inovação da Educação do Setor Público CIGISP 2015. Workshop CIGISP 2015 Estudo da viabilidade de implantação de biodigestor para a produção de energia elétrica a partir dos resíduos orgânicos dos Restaurantes Universitários da UFPI Congresso Internacional de Gestão de Inovação

Leia mais

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha o hectare Publicação do Ecocentro IPEC Ano 1, nº 3 Pirenópolis GO Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também vai conhecer um pouco mais sobre a suinocultura. Na

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt Biogás Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt O que é o Biogás? É um gás produzido através de resíduos orgânicos que estão em

Leia mais

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Todo dia é Dia da Terra. 04 05 Sem energia não há vida... mas, o crescente uso da energia atual representa a maior ameaça à vida. Na

Leia mais

Formas alternativas de geração de energia elétrica a partir do biogás: uma abordagem do custo de geração da energia

Formas alternativas de geração de energia elétrica a partir do biogás: uma abordagem do custo de geração da energia 25 Formas alternativas de geração de energia elétrica a partir do biogás: uma abordagem Recebimento dos originais: 30/06/2011 Aceitação para publicação: 25/08/2011 Resumo Anderson Catapan Mestrando em

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Através deste anexo, a Brascarbon Consultoria Projetos e Representação Ltda. descreve como o projeto - Brascarbon Projeto

Leia mais

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário 1º ENCONTRO LUSO-ANGOLANO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário BIAVANGA GUEVARA ZIONE 16 a 18 de Outubro de 2008, Universidade

Leia mais

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Pirólise Convencional (400 C x 60 minutos x pressão atmosférica) Quantidade ano 2011 (1.000 t) Motivação (exemplo)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS DIGESTÃO ANAERÓBIA E POTENCIALIDADE NA GERAÇÃO DE BIOGÁS

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS DIGESTÃO ANAERÓBIA E POTENCIALIDADE NA GERAÇÃO DE BIOGÁS DIGESTÃO ANAERÓBIA E POTENCIALIDADE NA GERAÇÃO DE BIOGÁS LADEMIR LUIZ BEAL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA PERCENTUAL DE ENERGIA RENOVÁVEL DIGESTÃO ANAERÓBIA PROCESSO MICROBIOLÓGICO

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO BIOGÁS A NÍVEL DE PROPRIEDADE

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO BIOGÁS A NÍVEL DE PROPRIEDADE VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO BIOGÁS A NÍVEL DE PROPRIEDADE Zemiro Massotti Eng. Agr., - Epagri - Concórdia, SC. APRESENTAÇÃO "Os dejetos da produção intensiva de suínos quando armazenados não adequadamente,

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Kuttner do Brasil Patrick Pottie 10-08-2009 Produção de Energia Ecologicamente Limpa pela Biometanização Anaeróbica do Lixo Orgânico e Poda Verde... pela...

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

USO DE DEJETOS DE OVINOS PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS

USO DE DEJETOS DE OVINOS PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS USO DE DEJETOS DE OVINOS PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS O. KONRAD ¹*, C. E. CASARIL ², T. COSTA ², N. A. D. VIEIRA ², M. LUMI ², C. HASAN ² e J.F. TONETTO ¹, ¹ UNIVATES, Curso de Engenharia Ambiental e Programa

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt)

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) Digestão anaeróbia Santino Di Berardino em Porto santo Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) 1 1 Introdução O desenvolvimento

Leia mais

"Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira -

Economia Verde: Serviços Ambientais - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - "Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - Maurício Antônio Lopes Diretor Executivo de Pesquisa e Desenvolvimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2013

PROJETO DE LEI Nº DE 2013 PROJETO DE LEI Nº DE 2013 Dispõe sobre as atividades relativas a geração, transporte, filtragem, estocagem e geração de energia elétrica térmica e automotiva com biogás, e dá outras providências. Art.

Leia mais

CONDOMINIO DE AGROENERGIA PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira

CONDOMINIO DE AGROENERGIA PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira CONDOMINIO DE AGROENERGIA PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira Resumo do Projeto Por iniciativa conjunta, a ITAIPU Binacional, a SEAB, a EMATER e o Município de Mal.

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA AMAZÔNIA Como Conciliar Desenvolvimento e Sustentabilidade

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA AMAZÔNIA Como Conciliar Desenvolvimento e Sustentabilidade ENERGIAS RENOVÁVEIS NA AMAZÔNIA Como Conciliar Desenvolvimento e Sustentabilidade Paulo Felipe de Oliveira Lima Graduando de Geografia na UFPA paulo.felipelima@gmail.com 1. Introdução Energia é algo primordial

Leia mais

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR PLANO MINEIRO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO 2007-2023

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR PLANO MINEIRO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO 2007-2023 PLANO MINEIRO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO 2007-2023 VISÃO DE FUTURO A visão de longo prazo que nos inspira é tornar Minas Gerais o melhor Estado para se viver. Este será o objetivo final de todo o esforço

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

Coordenadoria de Energias Renováveis CER.GB Cicero Bley Jr Superintendente

Coordenadoria de Energias Renováveis CER.GB Cicero Bley Jr Superintendente Reciclagem agrícola de dejetos de suínos e de outros resíduos com vistas à obtenção de créditos de carbono: oportunidades na despoluição da Bacia do Rio Paraná 3 Coordenadoria de Energias Renováveis CER.GB

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP Plano de Formação 1. Enquadramento A produção animal encontra-se perante um aumento das pressões a partir da sociedade para cumprir a legislação ambiental, para que os sistemas de produção sejam explorados

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Princípios e Critérios para Biocombustíveis Sustentáveis. Eduardo Trevisan Gonçalves Imaflora

Princípios e Critérios para Biocombustíveis Sustentáveis. Eduardo Trevisan Gonçalves Imaflora Princípios e Critérios para Biocombustíveis Sustentáveis Eduardo Trevisan Gonçalves Imaflora IMAFLORA O IMAFLORA - Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola, é uma entidade não governamental,

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

Princípios de Termoelétricas em Pequenas Propriedades Rurais

Princípios de Termoelétricas em Pequenas Propriedades Rurais Princípios de Termoelétricas em Pequenas Propriedades Rurais L. L. Silva a, M. S. Alves b, V. C. Silva c, A. L. Rocha d a. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas, Alagoas, lucivaniahta@gmail.com

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE Ricardo Blandy Vice - Presidente Nexsteppe Sementes do Brasil Novembro 2015 Nexsteppe Sede mundial em São Franscisco, CA Empresa de comercialização de SEMENTES DE

Leia mais

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso Leitõezinhos se alimentam na mãe até os 22 dias de idade, quando seguem para engorda Diversificação, sustentabilidade e dinheiro no bolso Cooperativa em São Gabriel do Oeste, MS, tem faturamento quatro

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA REVISÃO QUÍMICA Profº JURANDIR QUÍMICA DADOS 01. (ENEM 2004) Em setembro de 1998, cerca de 10.000 toneladas de ácido sulfúrico (H 2 SO 4 ) foram derramadas pelo navio Bahamas no litoral do Rio Grande

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS PARANÁ

CUSTOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS PARANÁ CUSTOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS PARANÁ Curitiba, 2007 ÍNDICE CUSTO DE PRODUÇÃO DE FRANGO DE CORTE... 1 I CARACTERÍSTICAS DA PROPRIEDADE... 1 II CARACTERÍSTICAS DA EXPLORAÇÃO... 1 III CONSTRUÇÕES...

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica).

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). 1 Biomassa é uma substância orgânica, produzida pelo processo de acumulação de energia solar. O seu maior potencial

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales - SP EE: Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação

Leia mais

O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade

O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade Profa. Dra. Anelise Leal Vieira Cubas Unisul Universidade do Sul de Santa Catarina Unisul Virtual RESÍDUOS Resíduo: Qualquer material ou substância

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica Temporada 2014 Tecnologia & Engenharia Desafio Prático Tecnologia & Engenharia Desafio Prático 7 3 1 4 5 6 2 1. Agroenergia: Descrição: trata-se da fabricação e uso dos diversos tipos de biocombustíveis

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Ferramentas para a Gestão do Espaço Rural Gestão Agronómica e Energética em duas espécies distintas Capítulo 1 Introdução

Ferramentas para a Gestão do Espaço Rural Gestão Agronómica e Energética em duas espécies distintas Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 1.1. Introdução Para além de uma agricultura não competitiva, os espaços rurais em Portugal confrontam-se hoje com problemas de despovoamento, processos de desertificação e fogos florestais

Leia mais

Maria Paula Martins Diretora Geral

Maria Paula Martins Diretora Geral Maria Paula Martins Diretora Geral Evolução da Matriz Energética Brasileira 1970 2010 2030 38% 48% 14% 18% 7% 29% 35% Petróleo Carvão Hidráulica Cana Gás Urânio Lenha Outras renováveis 6% 12% 46% 2000

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS.

BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS. BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS. Dágon Manoel Ribeiro¹, Hânia Cardamoni Godoy 3, Gustavo

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA

TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica, Depto. de Recursos Hídricos e Meio Ambiente TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA Eduardo Pacheco Jordão, Dr. Eng. GMI, florianópolis 2014

Leia mais

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Paola Ribas Gonçalves dos SANTOS, Maria Caroliny Camargo FLORENTINO, Jhennyfer Lopes Cerqueira BASTOS, Giselle Vanessa TREVISAN.

Leia mais

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrossilvopastoris 1.Estabelecimento de linhas de financiamento em condições específicas

Leia mais

O Prêmio ECO foi instituído pela Amcham em 1982. Foi pioneiro no reconhecimento de empresas que adotam práticas socialmente responsáveis e gerou uma

O Prêmio ECO foi instituído pela Amcham em 1982. Foi pioneiro no reconhecimento de empresas que adotam práticas socialmente responsáveis e gerou uma O Prêmio ECO foi instituído pela Amcham em 1982. Foi pioneiro no reconhecimento de empresas que adotam práticas socialmente responsáveis e gerou uma rica reflexão sobre o desenvolvimento empresarial sustentável

Leia mais

Princípios de Termoelétricas em Pequenas Propriedades Rurais

Princípios de Termoelétricas em Pequenas Propriedades Rurais Princípios de Termoelétricas em Pequenas Propriedades Rurais Orientandas: Viviane Costa da Silva Lucivania i Lima da Silva Maria Silvânia Alvas da Silva Orientador: André Leite Rocha Objetivos Geral: Possibilitar

Leia mais

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS Portfólio Formal Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS APRESENTAÇÃO Uma Empresa Júnior é uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída e

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA DO BRASIL BIOGÁS

POLÍTICA ENERGÉTICA DO BRASIL BIOGÁS MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA POLÍTICA ENERGÉTICA DO BRASIL BIOGÁS Roberto Meira Junior Diretor-Substituto Coordenador-Geral de Fontes Alternativas outubro de 2012 Princípios do Modelo Energético 2 Princípios

Leia mais

INSTALAÇÃO DE BIODIGESTORES EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS: ANÁLISE DE VANTAGENS SOCIOAMBIENTAIS. GUILHERME DE LUCA BONTURI *& MICHEL VAN DIJK *

INSTALAÇÃO DE BIODIGESTORES EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS: ANÁLISE DE VANTAGENS SOCIOAMBIENTAIS. GUILHERME DE LUCA BONTURI *& MICHEL VAN DIJK * BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE - UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 INSTALAÇÃO DE BIODIGESTORES EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS: ANÁLISE DE VANTAGENS

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

BIODIGESTOR: FONTE ALTERNATIVA DE GÁS LIMPO E ADUBO ORGANICO QUE CONTRIBUEM PARA REDUÇÃO DO EFEITO ESTUFA

BIODIGESTOR: FONTE ALTERNATIVA DE GÁS LIMPO E ADUBO ORGANICO QUE CONTRIBUEM PARA REDUÇÃO DO EFEITO ESTUFA BIODIGESTOR: FONTE ALTERNATIVA DE GÁS LIMPO E ADUBO ORGANICO QUE CONTRIBUEM PARA REDUÇÃO DO EFEITO ESTUFA Vanderli Luciano da Silva Universidade Federal de Goiás Técnico em Agropecuária, graduando em Tecnologia

Leia mais

Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!!

Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!! Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!! Universidade Federal de Lavras Núcleo de Estudos em Agroecologia e Permacultura-NEAP/DEG Eco Fossa, é uma

Leia mais

Geração de energia elétrica a partir do tratamento anaeróbico da vinhaça.

Geração de energia elétrica a partir do tratamento anaeróbico da vinhaça. Geração de energia elétrica a partir do tratamento anaeróbico da vinhaça. Suelem Correia GARCIA¹; Rutiele Tamara Januário RODRIGUES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA². ¹Estudante de Engenharia de Produção

Leia mais

d) Faz parte de Grupo empresarial:

d) Faz parte de Grupo empresarial: IDÉIA DE PROJETO PROGRAMA IBEROEKA Projetos em colaboração com empresas dos seguintes países: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, Espanha, Guatemala, Honduras,

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

De onde vêm as lágrimas?

De onde vêm as lágrimas? De onde vêm as lágrimas? É toda substância que, em solução aquosa, sofre dissociação, liberado pelo menos um cátion diferente de H + e um ânion diferente de OH -. a) Presença de oxigênio b) Sal não oxigenado

Leia mais

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR A piscicultura em sistema integrado. HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR Quando o esterco como qualquer outra matéria orgânica é adicionada a água de viveiros de peixes, parte

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Programa ABC Linha de Crédito para Agricultura de Baixa Emissão de Carbono Sidney

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO Resumo Até alguns anos atrás, os sistemas anaeróbicos de tratamento de efluentes eram considerados como "caixas pretas", cheios de segredos e truques,

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

GRADE CURRICULAR. 2.2. Das linhas de pesquisa: 2.2.1. Linha de Pesquisa 1 (Geração e Caracterização de Matéria-Prima):

GRADE CURRICULAR. 2.2. Das linhas de pesquisa: 2.2.1. Linha de Pesquisa 1 (Geração e Caracterização de Matéria-Prima): 1. DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS GRADE CURRICULAR Energia e Bioenergia Combustíveis e Biocombustíveis Seminários I 2 30 Seminários II 2 30 Estágio em Docência 2 30 Total de créditos obrigatórios: 14 créditos,

Leia mais

Brasil: Cenário Atual

Brasil: Cenário Atual Encontro ILSI Brasil São Paulo, 10 de Dezembro de 2012 Brasil: Cenário Atual 8 milhões de quilômetros quadrados 194 milhões de habitantes 84% em cidades com crescimento desordenado 6ª maior economia mundial,

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

PECUÁRIA DE CORTE BRASILEIRA: IMPACTOS AMBIENTAIS E EMISSÕES DE GASES EFEITO ESTUFA (GEE)

PECUÁRIA DE CORTE BRASILEIRA: IMPACTOS AMBIENTAIS E EMISSÕES DE GASES EFEITO ESTUFA (GEE) PECUÁRIA DE CORTE BRASILEIRA: IMPACTOS AMBIENTAIS E EMISSÕES DE GASES EFEITO ESTUFA (GEE) I EQUIPE DE TRABALHO Prof. Dr. Sergio De Zen Professor Doutor do Departamento de Economia, Administração e Sociologia

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

ZOOTECNIA - SEQUÊNCIA IDEAL DO CURSO E PRÉ-REQUISITOS

ZOOTECNIA - SEQUÊNCIA IDEAL DO CURSO E PRÉ-REQUISITOS ZOOTECNIA - SEQUÊNCIA IDEAL DO CURSO E PRÉ-REQUISITOS 1º PERÍODO Obrigatória ou Carga Horária Anatomia dos Animais Domésticos Obrigatória 60 - Biologia geral animal Obrigatória 60 - Biologia geral vegetal

Leia mais