PROGRAMA DE HISTÓRIA ORAL CENTRO DE ESTUDOS MINEIROS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE HISTÓRIA ORAL CENTRO DE ESTUDOS MINEIROS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 Capa e logotipo do programa: Rômulo Garcias PROGRAMA DE HISTÓRIA ORAL CENTRO DE ESTUDOS MINEIROS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Avenida Antônio Carlos Pampulha Sala: 1035 do Prédio FAFICH Telefone: Caixa Postal 253 CEP Belo Horizonte Minas Gerais Apoio: 1

2 APOLINÁRIO, Célio Célio Apolinário (Entrevista Temática) 2008 Belo Horizonte Programa de História Oral Centro de Estudos Mineiros Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas Universidade Federal de Minas Gerais 2008 HA 0 APOLINÁRIO, Célio (Entrevista Temática) Belo Horizonte Programa de História Oral Centro de Estudos Mineiros - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas Universidade Federal de Minas Gerais Área Temática: Profissionais da Imagem e Imagens de profissionais: Fotografia e cultura urbana em Belo Horizonte ( ) PROIBIDA A PUBLICAÇÃO NO TODO OU NA PARTE, PERMITIDA A CITAÇÃO PERMITIDA A CÓPIA XEROX A CITAÇÃO DEVE SER TEXTUAL, COM INDICAÇÃO DA FONTE 2

3 FICHA TÉCNICA ÁREA TEMÁTICA: HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA TIPO DE ENTREVISTA: TEMÁTICA ENTREVISTADO: CÉLIO APOLINÁRIO ENTREVISTADORES: CARLA CORRADI RODRIGUES LUCAS MENDES MENEZES LUÍSA PARREIRA KATTAOUI LOCAL DE REALIZAÇÃO DA ENTREVISTA: BELO HORIZONTE DATA: 15 de outubro de 2008 FONTES DE ÁUDIO: TRANSCRIÇÃO: CARLA CORRADI RODRIGUES 3

4 FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FAFICH CENTRO DE ESTUDOS MINEIROS PROGRAMA DE HISTÓRIA ORAL PROJETO: PROFISSIONAIS DA IMAGEM E IMAGEM DE PROFISSIONAIS: FOTÓGRAFOS E CULTURA URBANA EM BELO HORIZONTE, ENTREVISTADORES: CARLA CORRADI RODRIGUES, LUCAS MENDES, LUÍSA PARREIRA KATTAOUI ENTREVISTADO: CÉLIO APOLINÁRIO LOCAL: BELO HORIZONTE DATA: 15 de outubro de 2008 FONTES DE ÁUDIO: TRANSCRIÇÃO: CARLA CORRADI RODRIGUES REVISÃO: 4

5 ENTREVISTA LK: Hoje é dia 15 de outubro, estamos aqui com Célio Apolinário, Lucas Mendes, a Carla Corradi e Luísa Kattaoui. Célio, a gente queria que você começasse falando seu nome completo, quando você nasceu, aonde... CAO: Meu nome é Célio Apolinário de Oliveira. Eu nasci em Bambuí, aqui em Minas, no oeste de Minas, mas eu não tenho culpa nenhuma disso e... LK: Quando? CAO: Dia 12 de maio de LK: 42. E como que foi a sua infância? Quantos irmãos? CAO: Nós éramos 8 irmãos. Quatro casais. Eu comecei desde muito pequeno a trabalhar. Eu plantava, eu... é... ajudava a minha mãe em casa. Montei um boteco, montei uma bicicletaria, eu alugava bicicletas. CR: Em Bambuí? CAO: É. E tocava bateria no clube. [risos] LM: Você era o irmão mais velho? CAO: Não. Eu sou o quinto. E até que um dia o fotógrafo da cidade lá precisou de um ajudante e perguntou para a minha irmã, eles eram muito amigos, se lá em casa não tinha alguém que tivesse queda para desenho. Falou: - Olha, o Célio tem. Ah, então manda ele vir aqui. Aí eu fui e [comecei com esse] o Virgílio [Marques], que hoje mora em Araxá. Ele começou a me ensinar a fotografia, eu me entusiasmei. Mas muito antes 5

6 disso, eu devia ter de seis para sete anos de idade, eu fui à matinê, o cinema lá da cidade, e estava passando um filme que chamava... Olha eu não sei o nome do filme mais. Não lembro mais. Mas o filme era a história do New York Times. //LK: Uhum.// Aí eu saí do cinema alucinado. Falei: eu vou ser jornalista. E, mas o pessoal... A minha família não tinha condições, eu não estudei. Eu fiz o curso primário, parei e, mas isso nunca mais saiu da minha cabeça. //LK: Uhum.// E como fotógrafo, antes do Virgílio me chamar, tudo o que eu via eu imaginava aquilo em papel, aquela paisagem em papel. Ou o acontecimento em papel. LK: Você desenhava. CAO: Não. Não desenhava, ficava na minha cabeça. Porque a gente fotografa com o olho, não é? Com o olho e com a mente. Aí foi a chance que eu encontrei de vir para o jornalismo, foi através da fotografia, já que eu não estudava, não... LM: Na sua casa não tinha câmera? Você tinha câmera em casa? CAO: Não. Tinha não. É... como eu não gostava de estudar, não é porque meu pessoal não tivesse condições de pagar estudo e tal, é porque eu não gostava. LK: Seus irmãos estudaram? CAO: Meus irmãos estudaram. Todos eles. LK: Uhum. CAO: Aí é... Foi a minha chance não é? Então eu levei a sério o aprendizado com o Virgílio e resolvi vir embora para Belo Horizonte. Aqui, chegando aqui, eu fui trabalhar como garçom em um hotel em troca de cama e comida. E no intervalo do almoço e do jantar eu saía procurando emprego. E consegui no Foto Elias 1. E no Foto Elias... Lá no hotel eu conheci um hóspede que era muito amigo do Célio [Zaulicos], um dos melhores jornalistas que Minas já teve. 1 A Foto Elias era uma empresa de revelação e venda de equipamentos fotográficos fundada em 1935 por Elias Aun em Belo Horizonte. 6

7 LK//LM//CR: Célio como? CAO: Célio [Zaulicos]. Célio [Zaulicos] era chamado também de general da banda. Ele tinha esse pseudônimo. Ele fazia humor. LK: Ah tá. CAO: Grande jornalista. E esse hóspede era muito amigo dele e me apresentou para ele. Me apresentou não. Mandou que eu o procurasse. Aí eu procurei o Célio [zaulico], que na época estava sendo criado um jornal aqui em Belo Horizonte, chamava Correio de Minas. Aí eu fui... Enquanto isso não acontecia, eu trabalhei no Foto Elias até que surgiu esse jornal e eu fiquei, o Célio [zaulico] me apresentou para o Zé Inácio Ferreira Filho que era o chefe da fotografia no jornal. //LK: Uhum.// Aí eu cheguei lá todo humilde e tal, ele resolveu me dar o emprego como laboratorista do jornal. LK: Você era laboratorista no Foto Elias? CAO: Era. Lá no Foto Elias eu fazia foto três por quatro. CR: E você trabalhou quanto tempo no Foto Elias? CAO: Um ano. Eu era... CR: Você tinha quantos anos? CAO: Eu tinha dezesseis, dezesseis para dezessete. Aí lá no Correio de Minas trabalhei no laboratório durante algum tempo e até que um dia estava programado ter uma corrida de lambreta na Praça da Liberdade. E eu percebi que não tinha, não estava pautada a cobertura desse evento lá, dessa corrida. Eu não sei porque, mas não estava pautada. Aí eu pedi ao Zé Inácio uma ponta de filme. Filme naquela época era de doze poses. E ele me deu a ponta de quatro, quatro negativos. Aí eu fui lá para a Praça da Liberdade de manhã cedinho e comecei... fiz a minha primeira foto publicada. E isso na época não era normal porque é... normalmente o pessoal fazia foto estática sabe? //LM: Uhum.// De 7

8 corrida. Então você via a moto ou o carro parado. //LM: Parado// E tudo parado. O fundo e primeiro plano tudo parado. Eu resolvi fazer assim: diminuí a velocidade da máquina, fechei o diafragma e fiz foto de arrastão. Aí na... Isso foi no domingo. Á tarde eu fiz o texto e na segunda-feira, a segunda-feira não chegava de jeito nenhum, estava ansioso para chegar no jornal. Cheguei, mostrei para o Gabeira. Fernando Gabeira 2. Falei: - oh Gabeira, eu fiz isso aqui. O que você acha? Ele falou: - Oh, genial! E tal. Chamou os outros fotógrafos todos lá, sabe? Olha isso aqui é que é trabalho jornalístico. E tal. E eu nãos sabia onde é que eu punha a cara. //LM: Aham.// E fui publicado na primeira página e tal. Que deu muito destaque. E o tempo foi passando, eu continuei no laboratório até que eu fui chamado para ir para o Binômio 3. No Binômio eu fiquei algum tempo, não me lembro mais quanto tempo foi, até que veio a Revolução 4, não é? //LK: Uhum// Aí com a Revolução eu fiquei três anos sem conseguir emprego em Belo Horizonte. LK: O Binômio fechou em 64? CAO: 64. O Zé Maria Rabelo foi exilado, não é? //LK: Uhum.// E aí nesse intervalo a gente fez algumas coisas, uma revista que chamava Foto Esporte e eu gostava muito de esporte. E... LM: Mas e no Binômio, como é que foi a experiência lá? CAO: Foi ótima. LM: É?! CAO: Mas sensacional! Foi a minha, umas das minhas melhores épocas. LM: Você trabalhava com quem? 2 O mineiro Fernando Gabeira nasceu em 1941 em Juiz de Fora. É jornalista, escritor e deputado federal no Rio de Janeiro. 3 O jornal Binômio foi fundado em 1952 e circulou até 1964 quando foi fechado pelos militares por seu caráter humorístico e oposicionista. 4 Golpe civil-militar que depôs o presidente João Goulart em abril de

9 CAO: Era o [inaudível], [Jacoca Jaíba], Carlos Filipe, [inaudível] Barbosa, Mario Rola, é... LM: Você era o único fotógrafo? CAO: Eu era o único, não tinha, é... Fixo eu era o único. Mas tinha outros lá. LK: E você entrou na criação do Binômio? CAO: Não. O Binômio já era bem antigo. //LK: Era antigo.// É que o fotógrafo que trabalhava lá chamava, chama-se Antônio [Posenso], ele não estava querendo continuar mais no jornal porque ele estava acumulando empregos e o jornal estava atrapalhando a vida dele. Então ele me chamou para ficar no lugar dele. Me apresentou para o Zé Maria Rabelo. Eu era menino ainda. O José falou: - Esse menino não dá, não vai dar futuro não. Aí eu comecei a fazer o meu trabalho, fui muito elogiado. O jornal era muito comentado nas redações de Rio e São Paulo. Até que o Ziraldo, uma vez nós fizemos uma matéria com o filho de um jogador que chamava Didi que foi da seleção brasileira, o folha seca, e o Ziraldo 5 viu essa foto e ficou encantado e veio a Belo Horizonte para buscar essa foto. //LK: Um.// No Jornal do Brasil tinha um caderno que chamava Caderno B que era um caderno espetacular sabe? Mas uma maravilha. Ele publicou a foto em mais de meia página. Então eu acabei fazendo um certo, tendo um certo prestígio nas redações de Rio de São Paulo. Bom, depois disso eu, o Binômio acabou... LK: Mas a fotografia no Binômio era tratada de alguma forma diferente? CAO: Era muito humor. //LK: Umhum// Até hoje ainda tem, eu coloco muito humor no que eu faço. Humor, denúncia, crítica. Na época da censura eu consegui publicar muita foto que só depois é que eles viram que aquilo era uma denúncia sabe? //LK: umhum.// De certa forma eu estava denunciando alguma coisa. LK: Você lembra de algum exemplo? Tem algum exemplo aí? 6 5 Ziraldo Alves Pinto, mineiro de Caratinga, nasceu em É cartazista, jornalista, teatrólogo, charchista e escritor. 6 A entrevistadora se refere às fotografias expostas por Célio Apolinário aos pesquisadores durante a entrevista. 9

10 CAO: Aqui não. Está tudo em São Paulo, não é? LK: É? CAO: Mas, tem essas coisas aqui, está vendo? Ás vezes eu [procurava] ridicularizar as pessoas. Vocês já fizeram a filmagem, deixa eu pegar um [bocado] interessante aqui. Isso aqui não deixa de ser uma expressão, não é? CR: Essa é de quando, mais ou menos? CAO: Essa aqui foi, é um negócio escabroso. //CR: 75?// Um negócio escabroso isso aí. Tinha um fazendeirão aí, não me lembro mais a época, a região que era. Ele matava, ou mandava matar as pessoas e jogava dentro de uma cisterna. Então foram encontradas lá sessenta e quatro ossadas. Isso aqui é, o tiro era dado na nuca e saía no crânio assim ó, está vendo? E os ossos da mão, vários deles lá amarrados com cordas de nylon. Onde é que eu parei? LK: Que você ridicularizava pessoas... //CAO: É, mas...// Usava humor... CR: E você chegou a sofrer algum tipo de retaliação na época da censura por causa disso? //CAO: Não. Não. Nenhuma.// Não? CAO: Não. Aquela foto da fome no mundo... LK: Mas além do José Maria Rabelo, outros jornalistas do Binômio foram... //CAO: Ah, sim.// [exilados]? CAO: É, daí veio a Revolução, não é? Veio a Revolução e eu fiquei desempregado durante os três anos e o pessoal daqui foi indo embora. Foram para Rio, São Paulo. Essa mineirada que chegou em São Paulo revolucionou a imprensa paulista. No Jornal da Tarde, mas foi assim uma ascensão violenta. //LM: Jornalistas mineiros.// É. CR: O Gabeira foi nessa época? 10

11 CAO: O Gabeira ele foi para o Rio. //CR: Rio, não é?// É. Jornal do Brasil. Aí é foi criado a Veja, e bom, nesse meio tempo que eu fiquei desempregado, ficava fazendo free lancer, fiz para a revista Manchete, Fatos e Fotos, Jornal do Brasil, Última Hora. LK: Tudo aqui em Belo Horizonte. CAO: É. eu nunca saí daqui de Minas. Então... LK: E nem fazia trabalho para fora? CAO: Não. Esporadicamente aparecia, eles aproveitavam alguma coisa sabe? //LK: umhum// Mas eu não estou lembrando não. Aí foi criado a Veja 7 e o Alberico Souza Cruz foi convidado para ser o, para dirigir a sucursal aqui. Ele já me conhecia desde o Correio de Minas então ele me chamou. Eu comecei a revista Veja estava no número, se não me engano, número 11 ou 12.Fiquei lá até o número 800 e tantos. LK: Na sucursal. CAO: Na sucursal. Mas aí no princípio a, como eu estava na Editora Abril, fazia todas as revistas, não é? Veja, Placar, Quatro Rodas, Cláudia, Playboy, Exame. Fiquei lá até 82. Aí, não vou entrar em detalhes, mas eu saí em 82 da Veja. Ah não, pela revista Placar eu fiz algumas viagens. A minha primeira viagem internacional foi pela revista Placar. Eu acompanhei o Cruzeiro na Libertadores, quando o Cruzeiro foi campeão e... LK: E na Veja, a sucursal aqui de Belo Horizonte tinha outros fotógrafos com você? CAO: Só free lancer, não é? LK: Você era o único contratado. Você era contratado. CAO: É, mas mesmo assim até ser contratado eu trabalhei lá durante dois anos. 7 O primeiro exemplar da revista Veja foi publicado em 11 de setembro de 1968 sob a direção do editor Victor Civita. 11

12 LK: Aí não tinha nenhum contratado. CAO: Não. Aí até que o Henrique Caban que era o diretor da revista desconfiou e mandou me contratar. Aí fiquei lá até 82 e quando eu saí eu fui chamado para trabalhar na campanha do Eliseu Resende 8. Ele estava disputando o governo do estado com o Tancredo Neves. Bom, aí depois disso a vida continuou. CR: Para alguma revista mineira mesmo você chegou a trabalhar? CAO: Trabalhei. Tinha assim uma revista que chamava Municípios Mineiros, isso antes de eu ir para a Abril. CR: Foi muito tempo? CAO: Não me lembro mais quanto tempo eu fiquei lá, mas a revista também acabou logo. E esses free lancer eu fiz para vários. Fiz publicidade. Eu só nunca consegui fazer foi moda. LK: E a Veja, a fotografia que você fazia para o jornal, para o Binômio era muito diferente da Veja? Como que era? CAO: É mais ou menos a mesma coisa sabe? Porque a Veja quando eu trabalhava lá, tinha uma outra orientação. Porque antes da Veja surgir tinha a revista Manchete que era só coisa bonita, paisagem. E então eles recebiam um material muito grande é, jornalístico, aí eles sentiram a necessidade de criar uma revista para aproveitar esse material. Aí fizeram que a revista que chamava Fatos e Fotos. Mas aí a Manchete continuou do mesmo jeito sabe? //LK: umhum// É, deixa eu fazer um parêntese aqui. LK//CR: Umhum. 9 CAO: Quando for fotografar essa foto você mostra aqui que a foto foi vetada. 8 Mineiro de Oliveira, Eliseu Resende já atuou como professor da UFMG, deputado federal, ministro de Estado dos Transportes entre 1979 e 1982 e senador, entre outros cargos. 9 O gravador é desligado por alguns minutos a pedido do entrevistado. 12

13 LK: [Inaudível] para filmar. CAO: A foto foi vetada e tem a assinatura do censor. LK: Pode falar. CAO: Era uma matéria que ia chamar a fome no mundo. E aí como é que ia ilustrar isso não é? Essa foto eu fiz por acaso. Para mostrar a fome tinha que mostrar, eu tinha que ir lá no deposito de lixo, não é? Chego lá, a primeira coisa que eu vejo foi essa cena aí. A revista ia publicar essa foto na capa ou então na abertura da matéria. Ia ser página inteira está vendo? CR: E aí foi vetada. CAO: Foi vetada pelo censor e no lugar da foto que a Veja ia usar na matéria, tipo essa aí, eles puseram foto de bolo, foto de paisagem. //LK: Sobre fome, não é?// Foto daqueles pratos da cozinha de Cláudia. //LM: anham, pra...// Revista Cláudia. LK: Mas só a foto foi censurada, a matéria não foi não. CAO: Foi. Foi censurada. Tinha espaços, não é? Mas aí eles tiveram que modificar a matéria quase toda. LM: Umhum. CAO: Mas essa foi a única foto que foi vetada. Quer dizer, que eu tenho conhecimento. //LM: Que chegou até...// Porque foto de político também tinha muita coisa engraçada lá sabe? Que naturalmente o censor proibiu não é? Mas aí eles nunca me falaram não, mas essa aqui eles mandaram para mim como prêmio, não é? Dia 13 de novembro de 74. CR: E a própria revista às vezes, como eles sabiam que poderia ser censurada, eles mesmo já faziam uma... 13

14 CAO: Uma pré-censura não. CR: Não, não é? CAO: Não. Quer dizer, naquela época não era só a Veja, não é? //CR: Era geral.// Toda a imprensa, não é? O Estadão de São Paulo publicava foto de receita. LK: Mas existia uma autocensura? Eu não posso fotografar isso. CAO: Não. Não. Uma única vez eu tive autocensura sabe? Mas eu não sei se eu devo falar não. LM: Fica a vontade. LK: Se não quiser não precisa. CAO: Não vem ao caso não. Mas isso foi uma única vez. Falei: - Não. Essa foto eu não vou fazer não. LK: E a Veja, por ser da Editora Abril, como foi a criação da Veja? Ela veio com uma proposta muito diferente? CAO: Foi completamente diferente. Quer dizer, como eu estava dizendo, existia a Manchete, não é? O Cruzeiro. //LK:Umhum.// E então a Veja chegou em preto e branco sem nenhuma preocupação com mostrar beleza, não é? Aquelas fotos grandiosas, trabalhadas e tal que a gente chama de fotoclubismo. Fotoclubismo é isso. Coisa que não quer dizer nada. É bonito mas não quer dizer nada. Então a Veja veio com essa orientação nova. Graças ao Mino Carta que foi o cara que criou a revista. A história que eu conheço é mais ou menos o seguinte. Estava lá o Victor Civita em Roma num daqueles cafés, não é? E se encontrou com o Mino Carta e começaram a conversar e tal e surgiu a idéia de começar uma revista de informação do Brasil. Foi assim que começou a Veja. E antes da primeira edição eles fizeram acho que cinco ou seis edições número zero. Que é o laboratório, não é? Até que saiu a edição número um. 14

15 LK: Então tinha menos preocupação com a aparência da revista. //CAO:É... Não totalmente, sabe? // Ou queria criar uma aparência diferente? CAO: É. Mostrar a realidade. //LK: Umhum// Tanto que a Editora Abril tinha uma outra revista que chamava Realidade, não é? //LK: Anham.// Foi a melhor publicação que já se fez no Brasil até hoje. Era só reportagem sabe? E então... Não que a revista fosse mal feita ou feia, nem nada não, mas era uma revista de informação. CR: Era uma proposta diferente. CAO: É. Completamente diferente da Manchete, não é? E desde a primeira edição pegou assim de uma vez, não é? Então era isso. Material fotográfico você tinha que estar mostrando, tinha que estar presente, não é? Então não importava, você tinha que mostrar momento, não é?quanto mais você mostrasse o momento certo melhor. Então para mim fotojornalismo é isso sabe? [inaudível] Você não pode, como essa fotografia da publicidade aí é, não importa se a foto está tremida, se está fora de foco, nem nada. Ela, desde que ela mostre o momento... Uma situação dessa por exemplo você vai parar, não, vou pôr tal velocidade, com tal diafragma, o menino já morreu há muito tempo. Então você tem que fotografar do jeito que dá. Umas das melhores fotos jornalísticas que eu conheço foi uma foto de um japonês, tinha um ministro lá qualquer fazendo uma conferência e da platéia surgiu um cara com uma, parecia ser até uma baioneta, então o cara invadiu o auditório e enfiou a baioneta na barriga do cara sabe? O óculos dele fazendo assim. Então ele pegou a faca entrando e o óculos subindo. LK: O japonês? CAO: É. LK: Como que ele chama? CAO: Ah, não sei não.tem muito tempo. Mas para mim fotojornalismo é isso sabe? Você tem que mostrar alguma coisa e não só... Isso evidentemente, se você está fazendo uma matéria que exige que o material seja bonito para chamar a atenção aí você vai 15

16 fazer. Mas quando é reportagem, quando é denúncia, essas coisas todas, não é? Aí não importa a técnica da fotografia. Importa o que ela mostra e diz, não é? LK: Importa o fotógrafo. CAO: Não. Importa... //CR: A informação é superior à estética [nesse caso].//a informação. Exatamente.Você matou. LK: E durante esse tempo todo que você ficou na Veja como que ela foi evoluindo? Ela mudou muito? CAO: Foi. Veio mudando. Aí começou a [inaudível], começaram a exigir mais capricho nas fotos e... //LK: Ficou colorida...// Mas não perdeu o sentido dela não sabe? O sentido da revista, que é uma revista informativa. Ela chama Veja por causa da Look. Look, não é? Uma revista americana que chamava Look. No interior de Minas ela é chamada de Óia, não é? [risos] LK: E quando que ela ficou colorida? CAO: Não. Naquela época já tinha coisa em colorido sabe? Mas o, praticamente o miolo da revista era preto e branco. Dificilmente [eu] fazia foto colorida. É claro que eu fiz muita coisa colorida e tal. Lá eu ganhei dois troféus e duas menções de destaque. Tem aqui... Quando foi criado esse Prêmio Abril de Jornalismo, para mim tem um valor muito maior porque foi a primeira e durante todo o tempo da revista que já tinha, já existia eu acho que a sete,oito anos. Então imagina o grau de material que eles estavam divulgando, não é? E eu ganhei o primeiro com a melhor foto em preto e branco. Ah, foi do Newton Cardoso. Ela não está aqui não. 10 //CR: Não está aí não.// LK: Teve uma dele... Mas careta dele? Não? 10 O entrevistado refere-se às fotografias que estavam sobre a mesa durante a entrevista. 16

17 CAO: Não. Foi o seguinte, ele era prefeito de Contagem e resolveu acabar com a fábrica de cimento Itaú. Então, e ele conseguiu, não é? Hoje tem aquele shopping lá. Mas as chaminés ficaram lá, não é? Então foi uma polêmica, sabe? Uma coragem [danada] por parte dele acabar com uma indústria daquele tamanho. Mas o fato é que a Itaú estava poluindo demais aquela região toda, sabe? O bairro Eldorado, JK. Era incrível o mau que aquilo causava não é? Então eu fui num matagal lá, bem afastado da indústria, que eu queria mostrar a fumaceira saindo das chaminés. Aí fiz uma foto, ficou até bonita sabe? Aquela fumaceira incrível. E fomos entrevistar o Newton Cardoso, prefeito. Aí eu fiz as fotos de praxe e quando me ocorreu eu fui até a cantina, eu pedi licença do gabinete dele e fui até a cantina e falei: -Olha... Com o garçom. -O prefeito está pedindo café lá. Aí, -Ah, pois não. Pois não. Aí eu voltei para a sala, deixei a máquina preparada e fiquei aguardando. Ele tomou o café, aí pegou o cigarro, mas puxou aquela primeira tragada. Mas puxou fumaça feito um doido! E fez: pó 11 [risos] CAO: Aí eles publicaram a foto da chaminé e ele soltando aquela fumaceira. E com essa foto que eu ganhei o prêmio. [risos] LK: Foi o primeiro prêmio? CAO: É. LK: Você lembra quando foi? Tem aí? CAO: Deixa eu ver se tem atrás aí. Tem não. Não tem a data não LK: Mas foi você que enviou a fotografia ou eles selecionaram? CAO: Eu mandei, aí o editor lá percebeu logo, não é? //LK: Umhum.// Percebeu e publicou uma ao lado da outra. Tinha muito isso sabe? O pessoal percebia a intenção da 11 Referindo-se ao fato do prefeito Newton Cardoso soltar a fumaça tragada do cigarro. 12 O entrevistado levanta-se e procura a informação nos troféus dispostos em sua sala. 17

18 gente, sabe? Já que a gente não estava lá para fazer lobby. Aí eles percebiam logo a intenção. LK: Então depois da Veja você ficou como freelancer? CAO: Fiquei como freelancer. Fui fazer... Trabalhar na campanha do Eliseu Resende. LK: Mas você também trabalhou no Hoje em Dia? CAO: Aí é... Trabalhei primeiro no Diário de Minas. Aqui em Minas eu só não trabalhei no Estado de Minas. //LK: Anham.// O resto eu trabalhei em tudo. Diário de Minas, Hoje em Dia, o que mais? Os jornais que não eram daqui eram sucursal. LM: E no Diário de Minas você trabalhou antes da Veja? CAO: Não. Depois. LM: Foi no Correio de Minas que você trabalhou antes. CAO: É. Antes da Veja foi no Correio de Minas. O Diário de Minas foi uma segunda existência não é? Ele tinha acabado e voltou. Aí nessa segunda tentativa eu trabalhei. Também foi feito um belo jornalismo lá, sabe? LK: E o Hoje em Dia foi quando? Você lembra? Mais na década de noventa? CAO: Até 89. [A entrevista é interrompida durante alguns instantes para a troca de pilhas do gravador digital.] CAO:... Você não veste a camisa da empresa, você veste a sua camisa. Porque você como profissional, não é? Você nunca perde o pique, não é? Mas a empresa não. E se tivesse trabalho assim constante a gente ganharia muito mais até. //LK: Não tinha...// Vou tomar um pouquinho de água. Aceita água gente? 18

19 LK//LM//CR: Não. Obrigado. CAO: Acho que é a única coisa que eu posso oferecer. [risos] A não ser que vocês queiram tomar whisky aí. LM: Só um parêntese então. O Correio de Minas você trabalhou antes da Veja? CAO: Foi. LM: Quanto tempo você trabalhou lá? CAO: Correio de Minas? LM: É. CAO: O Correio de Minas durou um ano e meio. Eu fiquei um ano. LM: E era diferente? Da experiência do Binômio? CAO: Ah, foi. Porque lá no Correio de Minas eu era laboratorista, não é? Mas foi a minha grande chance de mostrar o meu trabalho com esse material da corrida de lambreta. Aqui olha. A poluição da Itaú. Foi em 77. Essa exposição das caretas foi aqui em Belo Horizonte, Ouro Preto, foi parar lá em Teresina no Piauí. [risos] CAO: Secretaria de cultura de lá. LK: Foi 79, não é? CAO: É. 79. Maio de 79. Na abertura da exposição foi uma loucura lá. A avenida Afonso Pena foi fechada. [risos] 19

20 LK: Sério? CAO: Foi! Você precisava ver! Eu não estava acreditando no que eu estava vendo. Foi todo mundo que eu fotografei estava lá. [risos] LK: Como a gente não gravou aquela hora que você estava falando, fala um pouco da exposição, como que foi a idéia. [a entrevista é interrompida durante alguns instantes para a troca de fitas do gravador analógico] CR: E aí, os primeiros jornais que o senhor trabalhou, a máquina já era do senhor ou era do jornal? CAO: Eu trabalhava com... Na Veja eu comecei a trabalhar com o meu equipamento. //CR: Com seu equipamento. // É. Horrível.Hoje eu fico pensando como é que eu conseguia fazer alguma coisa porque era muito ruim. [risos] LM: Era qual material? CAO: Era uma Pentax. LM: Pentax. CAO: É. CR: E aí nos anteriores era do, o equipamento era da empresa? 20

21 CAO: Depois que a Editora Abril me mandou um equipamento mais decente. Aí eu fiquei entusiasmado e tal. De careta é só essa aqui? 13 LK: Mas como freelancer era seu equipamento. CAO: É. Eles não forneciam equipamento para freelancer não. Eu não consigo ver essas fotos sem dar risada. LK: Quanto tempo durou a exposição? CAO:Ficou quinze dias lá.//lk: Quinze dias?// Segundo o presidente do Palácio das Artes foram lá nove mil pessoas. LK//LM//CR: Nossa! LK: Costumava ter muita exposição de fotografia? CAO: Não. Eu me lembro deles terem feito uma exposição de fotografia lá na época da Copa do Mundo. Não me lembro mais... LK: Sobre futebol. CAO: É. Eu participei. Jorge Carone. 14 [risos] Ai meu Deus do céu! Todo, praticamente todos os fotógrafos têm um tema onde ele investe, não é? E eu comecei a investir nesse [tipo] material que a Veja mandava para a gente avaliar, eles mandavam uma folha de contato. Aí eles publicaram as fotos que não eram de careta, não é? E eu comecei a perceber que tinha muita careta para mostrar. E comecei a mostrar para as pessoas e as pessoas sempre riam muito. Falei: -Ah, você quer saber, eu vou fazer uma exposição desse material. E fui selecionando. Está mostrando? 15 //LM: Unhum.// Fui selecionando e toda vez que eu vejo essas fotos eu dou risada porque não dá para acreditar. E para conseguir isso eu fazia o seguinte: durante a entrevista eu já ficava com 13 O entrevistado indica uma fotografia entre as que estavam na mesa. 14 Referindo-se a uma fotografia entre outras que mostrava aos pesquisadores. 15 Dirige-se ao pesquisador que estava filmando e fotografando o material que ele estava mostrando. 21

22 a máquina no olho. Porque é invariável. Toda vez que você está falando alguma coisa, às vezes você está entusiasmado ou com raiva, triste ou qualquer tipo de sentimento, você acaba, dependendo da pergunta do repórter não é? Você acaba fazendo a expressão. Então era justamente nesse momento é que dava para fazer o, mostrar as fotos. E isso mostra um pouco também da personalidade da pessoa. Faz careta por nervosia, por tique,por entusiasmo. LK: Mas aí você começou a fotografar para a exposição ou [você pegou do seu próprio arquivo]? CAO: Não. Não. Depois... Quando eu comecei a juntar o material já tinha muita coisa. Por isso é que é, eu percebi que já tinha material suficiente para montar uma exposição. LK: Unhum. CR: E aí você completou com alguma coisa? CAO: É. Aí é que eu caprichava mais um pouco, não é? CR: Tem muito político aí. CAO: Tancredo Neves. A maioria aqui é político, não é? Esse cara, esse padre aqui foi, como é que fala? Quando o padre forma. Como é que fala? Me fugiu a palavra.// LM: Quando ele vira padre.// É. Eu falei. Naquela hora eu falei. Ordenado.//LM: Ordenado//Esse padre foi ordenado pelo papa João Paulo I, italiano. CR: Essa do Magalhães Pinto [é ótima]. CAO: O senhor reitor.[inaudível] Nelson Monteiro de Lima. Esse cara aqui foi técnico do Cruzeiro. É... Sobral Pinto. LK: Essa é a do prêmio//cr: Que ganhou o prêmio. CAO: Essa é do prêmio. De um dos dois não é? [inaudível]. 22

23 CR: Aureliano. [risos] CAO: Aqui. LM: E o contato no Palácio das Artes foi com quem? Você lembra onde... CAO: É. Foi, acho que se não me engano foi o Mauro[inaudível]. Eu não me lembro mais o nome do encarregado lá da época, mas eu cheguei e mostrei para ele, ou alguém falou para ele da existência disso e ele mandou me chamar. Aí ele falou: -Olha, vamos colocar, fazer uma exposição dele, mas no fundo do foyer.então a idéia dele era colocar no [princípio] uma exposição que, de gravura, que eu não me lembro mais que tipo de gravura era aquela. Aí quando ele percebeu o quê que estava virando. A notícia era só isso, porque os jornais começaram a noticiar muito antes de abrir a exposição. Por isso que ficou lotado lá na época sabe? Aí o cara teve que mudar os planos todos. Passou aquela exposição de gravura lá para o fundo e a minha no princípio.foi governador, vice presidente da República, um monte de deputados, jogadores, gente de todo jeito sabe? Por isso que virou aquela confusão lá. LK: E o Palácio das Artes era o principal lugar de exposições em Belo Horizonte? CAO: Ah era. Ainda é, não é? [inaudível] Esse cara tem uma história de vida incrível. Ele é praticamente cego não é? Ele estava preparando... CR: Quem é esse? CAO: É o Aires da Mata Machado. Ele estava preparando um dicionário. Gente, mas se vocês vissem o trabalho que ele estava tendo para fazer esse dicionário. Ele fazia ficha, umas fichas desse tamanho assim, de cada palavra, de cada termo e tal. E ele tinha uma lupa,uma lupa grande iluminada por baixo, então ele punha, lia letra por letra que tinha que... Dava dó de ver o trabalho que ele estava fazendo. [inaudível]. 23

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio Chapecó-SC, 23 de junho de 2006 Presidente: É um programa, talvez

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

- Sinal de transito agora só em Angra comentou Sandrinha, minha esposa.

- Sinal de transito agora só em Angra comentou Sandrinha, minha esposa. Angra dos Reis Agosto 2013 Depois da viagem a Londres, Lisboa, Praga e Genebra, esta seria a primeira travessia marítima que eu iria participar. Como o pessoal do grupo Maratonas Aquáticas tinha conseguido

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias Ima Sempre em Frente Eric Peleias Baseado em uma história real CAPÍTULO 1 LETÔNIA, DÉCADA DE 1940. 8 PODEM PARAR DE CAVAR! QUERO TODOS ENFILEIRADOS! O QUE ESTÃO ESPERANDO? ENFILEIRADOS, ANDEM LOGO! MUITO

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

Revista OBSERVATORIUM (R.O): Conte-nos um pouco sobre sua formação acadêmica até sua chegada à Universidade Federal de Uberlândia.

Revista OBSERVATORIUM (R.O): Conte-nos um pouco sobre sua formação acadêmica até sua chegada à Universidade Federal de Uberlândia. Experiências de uma vida dedicada à Geografia e ao meio ambiente - Marlene Teresinha de Muno Colesanti Instituto de Geografia da Revista OBSERVATORIUM (R.O): Conte-nos um pouco sobre sua formação acadêmica

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel Elaboração Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude e Coordenadoria de Comunicação Social do Ministério Público do Estado de Santa Catarina. Contato Rua Bocaiúva, 1.750, 4º andar - Centro -

Leia mais

ENTRE FRALDAS E CADERNOS

ENTRE FRALDAS E CADERNOS ENTRE FRALDAS E CADERNOS Entre Fraldas e Cadernos Proposta metodológica: Bem TV Educação e Comunicação Coordenação do projeto: Márcia Correa e Castro Consultoria Técnica: Cláudia Regina Ribeiro Assistente

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar.

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. 16 Entrevista Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. Fotos e texto: Alessandra Anselmi Fotos:

Leia mais

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados POR ENTRETEMPOS, JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, 04.10.2015 Tião, como é chamado pelos amigos, não toma café. Ainda assim, motivado

Leia mais

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro!

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro! Capítulo 3 N o meio do caminho tinha uma casa. A casa da Laila, uma menina danada de esperta. Se bem que, de vez em quando, Fredo e Dinho achavam que ela era bastante metida. Essas coisas que acontecem

Leia mais

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA Entrevista realizada em: 5.6.2013 Hora: 16h30min. Local: Sala do prof. Almir Bueno CERES Caicó/RN

Leia mais

09/09/2004. Discurso do Presidente da República

09/09/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na solenidade de recepção da delegação brasileira que participou das Olimpíadas de Atenas Palácio do Planalto, 09 de setembro de 2004 Meu caro Grael, Meu querido René Simões,

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Quais eram os seus brinquedos? Ah... quando eu era bem pequeninim, sempre gostava de jogá bola, carrinho. Né?

Quais eram os seus brinquedos? Ah... quando eu era bem pequeninim, sempre gostava de jogá bola, carrinho. Né? Você vive há muito tempo aqui? Eu vivo aqui há quinze anos. Desde que você nasceu. Né? Isso. Como foi a sua infância? Ah... minha infância foi boa, foi muito divertida. Eu fiz de tudo. Sempre tive liberdade

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS SAMARA DA SILVA VIEIRA (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto:

Leia mais

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS COPYRIGHT MIKAEL SANTIAGO mikael@mvirtual.com.br RUA ITUVERAVA, 651/305 JACAREPAGUÁ RIO DE JANEIRO - RJ (21)9879-4890 (21)3186-5801

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

!!!!! Castelo neuschwanstein/neuschwanenstein em Fussen. host family que recebeu minha irmã em 2010/2011 em Augsburg

!!!!! Castelo neuschwanstein/neuschwanenstein em Fussen. host family que recebeu minha irmã em 2010/2011 em Augsburg Alemanha Eu cheguei na Alemanha no dia 14 de Agosto de 2014, e desde então moro em Potsdam, a capital de Brandeburgo e 30 minutos de Berlim A minha host family me buscou no aeroporto e desde o primeiro

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO SUMÁRIO INTRODUÇÃO 15 Para que serve este Livro 17 Como usar este livro 1. PARA ENTENDER A PROFISSÃO 23 O que é preciso para ter sucesso na profissão 23 TALENTO - Como saber se você tem 24 CONHECIMENTO-Como

Leia mais

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

Reunião de junho na Sede da Associação

Reunião de junho na Sede da Associação Ano 1 Lagedo, Domingo, 03 de agosto de 2014 N o 3 Reunião de junho na Sede da Associação Reunião na Sede da Associação. foto: Mirene Moraes, 29/06/2014. A reunião estava marcada para ter início as 13:00h.

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. Trabalho Avaliativo Valor: 30 % Nota: Minhas Férias Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

A BOLINHA. por RODRIGO FERRARI. Versão finalíssima

A BOLINHA. por RODRIGO FERRARI. Versão finalíssima A BOLINHA por RODRIGO FERRARI Versão finalíssima rodrigoferrari@gmail.com (21) 9697.0419 Do lado direito do palco, CLÁUDIA está sentada numa cadeira. Ela segura um teste de gravidez. Ela abre a caixa e

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com a presidente do Chile, Michelle Bachelet, após encerramento do seminário empresarial Brasil-Chile

Leia mais

No dia 21 de setembro as aulas iniciaram e eu estava super emocionada!

No dia 21 de setembro as aulas iniciaram e eu estava super emocionada! No dia 21 de setembro as aulas iniciaram e eu estava super emocionada! Hoje já não me dou conta mas foi assim era uma nova escola, novos colegas, novos desafios e, para desafio, tinha de estar cheia de

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

[Pequenas interrompem, imperceptível]

[Pequenas interrompem, imperceptível] E- A ideia é: vou-vos fazer algumas perguntas e vocês respondem consoante aquilo que quiserem dizer. E a ideia do grupo de discussão não é vocês desatarem todos à porrada mas é se vocês ah sei lá por exemplo

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica?

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? Categories : Copa Pública Date : 18 de setembro de 2012 Maria Aparecida Menezes Vieira, a Cida, de 46 anos, há mais de 20 anos faz ponto na rua Afonso

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais