AÇÕES DE PEQUENO MONTANTE E PROCEDIMENTO EUROPEU DE INJUNÇÃO DE PAGAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AÇÕES DE PEQUENO MONTANTE E PROCEDIMENTO EUROPEU DE INJUNÇÃO DE PAGAMENTO"

Transcrição

1 CORREIO JURÍDICO - n.º 48 - quarta-feira (27 novembro 2013) Versão integral Da semana Livros e revistas Leis e tratados Tribunais, processos e magistrados Soft law Na «Base de Legislação e Jurisprudência» da ÁREA RESERVADA do nosso Portal estão disponíveis versões PDF (atualizadas e consolidadas) da legislação portuguesa https://www.oa.pt/areareservada/login.aspx?idc=31629 DA SEMANA AÇÕES DE PEQUENO MONTANTE E PROCEDIMENTO EUROPEU DE INJUNÇÃO DE PAGAMENTO «Comprar em linha e recuperar o dinheiro pago? Proposta da Comissão sobre ações de pequeno montante ajuda os consumidores e as PME Comissão Europeia - IP/13/ /11/2013 Comunicado de imprensa, Bruxelas, 19 de novembro de 2013

2 Comprar em linha e recuperar o dinheiro pago? Proposta da Comissão sobre ações de pequeno montante ajuda os consumidores e as PME Comprar uma nova televisão 3D de ecrã plano que nunca lhe é entregue? Ou ter pago previamente a um fornecedor no estrangeiro que lhe entrega um produto defeituoso? Não se preocupe, existe uma forma pouco dispendiosa de reclamar o seu dinheiro. A Comissão Europeia propôs hoje reforçar a posição dos consumidores e das empresas no âmbito dos litígios transnacionais de pequeno montante. Desde 2007 que a União Europeia está dotada de um procedimento simples de resolução de litígios de pequeno montante em matéria civil e comercial: o processo europeu para as ações de pequeno montante [European small claims procedure Seis anos mais tarde, a Comissão baseia-se na experiência adquirida para tornar este procedimento ainda mais simples, menos dispendioso e mais útil para os consumidores e as empresas. A principal alteração hoje proposta prevê o aumento para EUR do limite máximo para a apresentação de um pedido no âmbito deste processo, comparativamente com o montante atual de EUR. As pequenas empresas são as que mais beneficiam com tal alteração, uma vez que atualmente só 20 % dos pedidos de empresas são inferiores a EUR. «Nenhum pedido dos consumidores ou das empresas pode ser considerado de valor demasiado pequeno para não ser invocado perante a justiça», declarou a Vice-Presidente Viviane Reding, Comissária da Justiça da UE. «Depois de ter ouvido os consumidores e as empresas, a Comissão propõe agora novas regras que o tornarão um processo verdadeiramente europeu, mais eficaz e útil na vida quotidiana. Num momento em que a União Europeia enfrenta grandes desafios económicos, melhorar a eficiência da justiça na UE é essencial para retomar o crescimento e estimular as trocas comerciais. A nossa ação visa simplificar o processo de resolução de litígios de pequeno montante no mercado único. Os consumidores e as PME devem sentir-se como no seu próprio país quando fazem compras no estrangeiro.» O processo europeu para ações de pequeno montante, que foi adotado em 2007 e tem vindo a ser aplicado desde 2009, constitui um instrumento útil que tem demonstrado a sua mais-valia. Reduziu as custas judiciais das ações transnacionais até 40 % e a duração dos litígios passou de 2 anos e 5 meses para em média, 5 meses. No entanto, a situação pode ainda ser melhorada: um relatório da Comissão sobre o processo europeu relativo às ações de pequeno montante hoje publicado, conclui que o valor máximo de EUR para apresentar um pedido exclui um número excessivo de situações, em especial os litígios que envolvem pequenas e médias empresas. Um grande número de litígios é igualmente excluído devido à definição restritiva da noção de litígio «transfronteiriço», por exemplo, um acidente rodoviário numa região fronteiriça de outro Estado-Membro ou um contrato de arrendamento de uma propriedade de férias situada noutro Estado-Membro não são atualmente abrangidos por este procedimento. Por conseguinte, a Comissão decidiu tomar medidas para reforçar a utilidade do processo mediante a introdução de um conjunto específico de alterações concretas ao seu funcionamento. A proposta da Comissão de revisão do regulamento relativo às ações de pequeno montante, em especial: Aumentará o limite máximo para a apresentação de uma «ação de pequeno montante» de EUR para EUR. Esta alteração beneficiará designadamente as PME, tornando o processo aplicável a 50 % dos pedidos (contra 20 % atualmente). Os consumidores também beneficiarão, uma vez que cerca de um quinto dos seus pedidos ultrapassa EUR. Alargará a definição de litígio «transnacional», a fim de ajudar mais consumidores e empresas a resolverem os seus diferendos transnacionais. Reduzirá as custas judiciais: no âmbito do atual processo para ações de pequeno montante, as custas judiciais podem ser desproporcionadas e, em alguns casos, são mesmo superiores ao valor do pedido propriamente dito. A proposta assegurará que as custas judiciais não excedam 10 % do valor do pedido, enquanto a taxa mínima não pode ser superior a 35 EUR. Além disso, as custas judiciais poderão ser pagas em linha através de um cartão de crédito. Reduzirá a burocracia e as despesas de deslocação: as novas regras permitirão aos queixosos iniciar, em linha, o processo: o correio eletrónico será um meio de comunicação juridicamente válido entre as partes envolvidas, e a teleconferência ou a videoconferência serão ferramentas naturais nas audiências, sempre que necessário. Graças à proposta hoje apresentada, a Comissão facilita o acesso efetivo à justiça para os consumidores e as empresas, de modo a

3 ganharem a confiança necessária para aproveitar melhor as vantagens do mercado único. Com efeito, esta proposta concretiza uma das 12 ações concretas delineadas no início deste ano no segundo Relatório sobre a Cidadania visando ajudar os cidadãos a exercerem da melhor forma os seus direitos quando, por exemplo, fazem compras no estrangeiro. A necessidade de intervir neste domínio foi igualmente assinalada na Agenda do Consumidor Europeu (IP/12/491)http://europa.eu/rapid/press-release_IP _pt.htm O processo europeu revisto para ações de pequeno montante responde às preocupações reais dos cidadãos: num recente Eurobarómetrohttp://ec.europa.eu/public_opinion/archives/ebs/ebs_395_sum_en.pdf por exemplo, um terço dos inquiridos indicou que se sentiria mais inclinado a instaurar uma ação se o processo decorresse apenas por escrito, sem ser necessário comparecer fisicamente no tribunal. O processo revisto também trata das preocupações das empresas: no âmbito de uma consulta pública «Domínio de intervenção: Justiça Civil Quem pode participar nesta consulta? Todos os cidadãos, organizações e autoridades públicas Período da consulta: De 18 de março a 10 de junho de 2013 Finalidade da consulta: A Comissão está a proceder à avaliação da aplicação prática do Regulamento (CE) n.º 861/2007, que estabelece um processo europeu para ações de pequeno montante, e a estudar quais as melhorias necessárias para o tornar mais atrativo enquanto meio de resolução de litígios transfronteiriços. A presente consulta oferece às partes interessadas a oportunidade de apresentarem os seus pontos de vista sobre o funcionamento prático do processo europeu para ações de pequeno montante e sobre o futuro do mesmo. As respostas à presente consulta ajudarão a Comissão a determinar se e como deve ser melhorado, simplificado e modernizado o instrumento jurídico existente e do inquérito Eurobarómetro, 45% das empresas inquiridas declararam que não recorriam aos tribunais porque as custas judiciais seriam desproporcionadas em relação ao valor do pedido. Por último, a proposta responde igualmente aos pedidos do Parlamento Europeu no sentido da adoção de medidas para assegurar que os consumidores e as empresas aproveitam ao máximo o processo relativo às ações de pequeno montante. «Resolução do Parlamento Europeu, de 25 de Outubro de 2011, sobre modos alternativos de resolução de litígios em matéria civil, comercial e de família P7_TA (2011) 0449 A7-0343/2011 Contexto O processo europeu para ações de pequeno montante (Regulamento (CE) n.º 861/2007) visa melhorar o acesso à justiça através da simplificação das ações judiciais em matéria civil ou comercial em situações transnacionais, bem como da redução de custos. Foi especialmente concebido para ajudar os consumidores a exercerem os seus direitos e garantir o acesso à justiça em litígios transnacionais. O mecanismo começou a funcionar em 1 de janeiro de Em conformidade com o atual procedimento, as «ações de pequeno montante» dizem respeito a processos de valor igual ou inferior a EUR, excluindo juros, despesas e custas (no momento da receção do formulário de pedido pelo órgão jurisdicional competente). A decisão é proferida no país de residência do consumidor ou, se o consumidor preferir, no país da empresa demandada. Os direitos processuais de ambas as partes estão protegidos e, uma vez proferida a decisão, esta torna-se diretamente executória no Estado da parte vencida e em qualquer outro Estado-Membro da UE. A tramitação do processo faz-se principalmente por escrito, sendo utilizados formulários previamente estabelecidos. Não é exigida representação por advogado. Foi realizada uma consulta pública sobre o processo europeu para ações de pequeno montante desde março até junho do corrente ano (IP/13/240). Casos de sucesso do processo europeu para ações de pequeno montante Exemplo de um consumidor: um consumidor austríaco encomendou vestuário de surf num sítio web alemão. Pagou EUR antecipadamente, mediante transferência bancária. O comerciante nunca entregou o vestuário nem reembolsou o preço da compra. O consumidor instaurou, portanto, um processo europeu para ações de pequeno montante. O tribunal austríaco competente em Linz decidiu de forma favorável ao consumidor, tendo a decisão sido executada pelas autoridades alemãs de Charlottenburg. O consumidor foi reembolsado do preço da compra. Exemplo de uma PME: um retalhista de produtos cosméticos em Portugal decidiu renovar a sua loja e encomendou ladrilhos no montante de EUR a um fabricante espanhol. Após a entrega da mercadoria, a PME portuguesa pagou a fatura, mas quando a renovação teve início apercebeu-se que cerca de metade dos ladrilhos entregues estavam tortos e, portanto, não podiam ser utilizados. O retalhista português exigiu a troca dos ladrilhos, mas a empresa espanhola recusou, tal como se recusou a reembolsar o montante pago. O retalhista português deu início a um processo para uma ação de pequeno montante, juntando a fatura ao pedido que apresentou ao tribunal local (dado que o local de execução do contrato era em Portugal), e solicitando EUR de indemnização. O Tribunal notificou o pedido à empresa espanhola, que contestou o pedido alegando que os ladrilhos eram de boa qualidade. O tribunal solicitou o parecer de um perito que confirmou que os ladrilhos não apresentavam a qualidade exigida. O Tribunal decidiu que esta prova era adequada e suficiente, ordenando à empresa espanhola o pagamento de uma indemnização no valor de EUR, acrescida de custas.

4 EUROPEAN COMMISSION Brussels, , COM (2013) 794 final /0403 (COD) Proposal for a REGULATION OF THE EUROPEAN PARLIAMENT AND OF THE COUNCIL amending Regulation (EC) No 861/2007 of the European Parliament and the Council of 11 July 2007 establishing a European Small Claims Procedure and Regulation (EC) No 1896/2006 of the European Parliament and of the Council of 12 December 2006 creating a European order for payment procedure {SWD (2013) 459 final} {SWD (2013) 460 final}. EUR-LEX (COM Documents), p Para mais informações: Ver MEMO/13/1007 PRESS PACK «Shopped online and want your money back? Commission Proposal on Small Claims helps consumers and SMEs Date: 19/11/2013 The European Commission has today proposed to strengthen the position of consumers and businesses in low-value cross-border disputes. Since 2007, the EU has a procedure to resolve small civil and commercial disputes in a hassle-free way: the European Small Claims Procedure. The new proposal aims to change the ceiling for filing a claim under the procedure to 10,000, up from 2,000. (...). European Commission Justice Newsroom Civil Justice News Comissão Europeia - Processo europeu para ações de pequeno montante Portal e-justice Ações de pequeno montante formulários https://e-justice.europa.eu/content_small_claims_forms-177-pt.do PORTUGAL https://e-justice.europa.eu/dynform_intro_member_state_action.do?startform=&mscodeselection=22&idtaxonomy=177 Relatório sobre o Centro Europeu do Consumidor Inquérito Eurobarómetro sobre o processo para ações de pequeno montante: Página da Vice-Presidente Viviane Reding, Comissária da Justiça da UE: Anexo: Infografias: Como funciona o processo europeu para ações de pequeno montante. EUROPA COMMUNIQUÉS DE PRESSE Deloitte, Assessment of the socio-economic impacts of the policy options for the future of the European Small Claims Regulation, julho de 2013 («estudo Deloitte»); disponível em: Com base em queixas individuais e nos seguintes relatórios: Centre Européen de la consommation/europäischen Verbraucherschutz e.v, Procédure de règlement des petits litiges et injunction de payer européenne: des procedures simplifiées pas si simple dans la pratique, julho de 2011, disponível em: («CCE, Procédure de règlement des petits litiges»); Rede dos CEC, European Small Claims Procedure Report, setembro de 2012, disponível em: (relatório da Rede dos CEC). Além disso, foi tido em conta o estudo Implementation of optional instruments within European civil law, efetuado para o PE por B. Fauvarque-Cosson e M. Behar-Touchais em 2011 (disponível em:

5 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, , COM (2013) 795 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU sobre a aplicação do Regulamento (CE) n.º 861/2007 do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece um processo europeu para ações de pequeno montante. EUR-LEX (COM Documents), p EUROPEAN COMMISSION Brussels, , SWD (2013) 459 final COMMISSION STAFF WORKING DOCUMENT - IMPACT ASSESSMENT Accompanying the document - Proposal for a Regulation of the European Parliament and of the Council amending Regulation (EC) No 861/2007 of the European Parliament and of the Council establishing a European Small Claims Procedure and Regulation (EC) No 1896/2006 of the European Parliament and of the Council of 12 December 2006 creating a European order for payment procedure {COM (2013) 794 final} {SWD (2013) 460 final}. EUR-LEX (COM Documets), p COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, , SWD (2013) 460 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO - RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha a Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que altera o Regulamento (CE) n.º 861/2007 do Parlamento Europeu e do Conselho, que estabelece um processo europeu para ações de pequeno montante, e o Regulamento (CE) n.º 1896/2006 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de dezembro de 2006, que cria um procedimento europeu de injunção de pagamento {COM (2013) 794 final} {SWD (2013) 459 final}. EUR-LEX (DOCUMENTOS COM), 8 p. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO - RELATÓRIO (1) «INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO - RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO INTERMINISTERIAL às 18:15 Apresentação O presente documento constitui o relatório do Grupo de Trabalho Interministerial constituído para realizar os estudos de suporte à criação da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), cujas atividades foram concretizadas com mandato e orientação regular dos Secretários de Estado das Finanças, do Desenvolvimento Regional e Adjunto e da Economia (1). Este Grupo de Trabalho desenvolveu a sua atividade na sequência da assunção, pelo Governo, no quadro da preparação do Acordo de Parceria , da criação da IFD, enquanto entidade responsável pela gestão, designadamente grossista, de instrumentos financeiros de apoio à economia.

6 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 98/2012, de 26 de novembro, que especifica as orientações políticas essenciais à programação do Quadro Estratégico Comum da União Europeia para o período , determina que a aplicação dos princípios que estabelece deve refletir-se, designadamente: na prioridade a atribuir aos apoios reembolsáveis a entidades da esfera privada, nomeadamente atribuindo a gestão da parte reembolsável dos fundos europeus a uma nova instituição financeira pública e reservando a utilização de subsídios a fundo perdido a situações excecionais ou com baixas taxas de apoio. A Resolução do Conselho de Ministros n.º 39/2013, de 14 de junho, consagra nos números 13 e 14, respetivamente: determinar que sejam concluídos no prazo de 120 dias os estudos técnicos de suporte à criação da Instituição Financeira de Desenvolvimento que assegura a gestão de instrumentos financeiros com recurso a financiamento do Banco Europeu de Investimento e de outras instituições financeiras e ainda a gestão dos reembolsos associados aos diferentes períodos de programação, no âmbito dos fundos da política de coesão e atribuir a responsabilidade pela orientação global dos estudos técnicos referidos no número anterior e pela apresentação de uma proposta de diploma legal aos Secretários de Estado das Finanças, do Desenvolvimento Regional, do Empreendedorismo, da Competitividade e da Inovação, podendo ser convidados a participar nos trabalhos, em função das matérias em análise, outros membros do Governo. (1) Que substituiu o Secretário de Estado do Empreendedorismo, Competitividade e Inovação, na sequência do novo elenco governamental, resultante do Decreto-Lei n.º 119/2013, de 21 de agosto. RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO INTERMINISTERIAL Instituição Financeira de Desenvolvimento Fundamentação e Modelos de Criação Lisboa: Outubro de 2013, 96 p. Tipo: PDF, Peso: 1,76 Mb Tags: desenvolvimento, investimento GOVERNO DE PORTUGAL MINISTÉRIO DA ECONOMIA (2) Resolução do Conselho de Ministros n.º 73/2013 (Série I), de / Presidência do Conselho de Ministros. - Nos termos do artigo 28.º da Lei n.º 4/2004, de 15 de janeiro, determina o processo de criação de uma instituição de crédito a denominar Instituição Financeira de Desenvolvimento. Diário da República. Série I n.º 224 (19 novembro 2013), p Determinar o processo de criação de uma instituição de crédito a denominar Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD). 2 - Determinar que a IFD é uma instituição de capitais exclusivamente públicos. 3 - Estabelecer que a IFD tem sede no Porto. 4 - Estabelecer que a constituição da IFD tem como objetivos: a) Contribuir para a concretização das políticas públicas de promoção do crescimento e emprego, visando o desenvolvimento inteligente, sustentável e inclusivo; b) Desempenhar as funções de gestão «grossista» de instrumentos financeiros públicos de estímulo, incentivo e orientação do investimento empresarial em bens e serviços transacionáveis; c) Melhorar as condições de financiamento da economia, através: i) Da redução dos custos e do aumento das maturidades de financiamento das empresas; ii) Do aumento da liquidez disponível na economia, nomeadamente numa perspetiva anticíclica; iii) Da criação de novos instrumentos de financiamento e de capitalização; d) Aperfeiçoar a arquitetura institucional dos instrumentos financeiros, através do aumento da eficácia dos instrumentos de financiamento da economia e da realização plena dos princípios da boa governação; e) Exercer, complementarmente, as funções de apoio técnico sobre modelos de financiamento público na promoção da competitividade e da internacionalização. 5 - Estabelecer que compete especialmente à IFD assegurar: a) A gestão de instrumentos financeiros com recurso a financiamento de fundos europeus estruturais e de investimento; b) A gestão de instrumentos financeiros com recurso a financiamento do Banco Europeu de Investimento e de instituições financeiras estrangeiras congéneres; c) A gestão dos reembolsos associados aos diferentes períodos de programação no âmbito dos fundos europeus. 8 - Estabelecer que a comissão instaladora tem como objetivo a realização de todos os atos e operações necessários à criação da IFD, por forma a que esta se encontre constituída até ao final do 1.º semestre de Determinar que a presente resolução produz efeitos a partir da data da sua publicação.

7 MEDIAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DA LEI N.º 29/2013, DE DGPJ DGPJ LISTA DE MEDIADORES DE CONFLITOS REQUISITOS DE INSCRIÇÃO FISCALIZAÇÃO EXCLUSÃO DA LISTA (1) Portaria n.º 344/2013 (Série I), de / Ministério da Justiça. - Ao abrigo do n.º 3 do artigo 9.º da Lei n.º 29/2013, define o serviço competente para organizar a lista de mediadores de conflitos, bem como os requisitos de inscrição, a forma de acesso e divulgação da mesma. Diário da República. Série I n.º 230 (27 novembro 2013), p https://dre.pt/pdf1sdip/2013/11/23000/ pdf Tendo por objetivo a consolidação da mediação de conflitos no ordenamento jurídico português, a Lei n.º 29/2013, de 19 de abril, veio consagrar, pela primeira vez, os princípios gerais que regem a mediação realizada em Portugal, assim como a previsão do regime jurídico da mediação civil e comercial e do regime dos mediadores em Portugal. De acordo com a alínea e) do n.º 1 do artigo 9.º da referida Lei tem força executiva, sem necessidade de homologação judicial, o acordo de mediação em que tenha participado mediador de conflitos inscrito na lista organizada pelo Ministério da Justiça e que preencha os demais requisitos previstos no n.º 1 do referido artigo. Neste contexto, a presente portaria vem definir os requisitos de inscrição na referida lista, incluindo dos mediadores que sejam nacionais de outros Estados membros da União Europeia ou do espaço económico Europeu, definindo ainda o serviço do Ministério da Justiça competente para a organização da lista e a forma de acesso e divulgação da mesma. Artigo 5.º (Lista de mediadores de conflitos). - A DGPJ disponibiliza no seu sítio eletrónico a lista de mediadores de conflitos que contém o nome profissional do mediador de conflitos, o domicílio, o endereço de correio eletrónico e contacto telefónico profissionais, bem como a data da inclusão na lista e a data da eventual exclusão da mesma. Artigo 8.º (Entrada em vigor). - A presente portaria entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. DGPJ CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS DE CURSOS DE MEDIAÇÃO DE CONFLITOS TAXAS (2) Portaria n.º 345/2013 (Série I), de / Ministério da Justiça. - Ao abrigo do artigo 24.º da Lei n.º 29/2013, de 19 de abril, e dos n.ºs 3 e 4 do artigo 32.º da Lei n.º 78/2001, de 13 de julho, alterada pela Lei n.º 54/2013, de 31 de julho, regula o regime aplicável à certificação de entidades formadoras de cursos de mediação de conflitos e revoga a Portaria n.º 237/2010, de 29 de abril. Diário da República. Série I n.º 230 (27 novembro 2013), p https://dre.pt/pdf1sdip/2013/11/23000/ pdf A Lei n.º 29/2013, de 19 de abril, visa consolidar a mediação no ordenamento jurídico português, nomeadamente através da consagração, pela primeira vez, dos princípios gerais que regem a mediação realizada em Portugal (seja por entidades públicas ou privadas), da previsão do regime jurídico da mediação civil e comercial e do regime dos mediadores em Portugal. De acordo com os artigos 8.º e 24.º da referida Lei, o mediador de conflitos, a fim de adquirir as competências adequadas ao exercício da sua atividade, pode frequentar ações de formação especificamente orientadas para o exercício da atividade de mediador que lhe confiram aptidões, teóricas e práticas, nomeadamente cursos de formação de mediadores de conflitos realizados por entidades formadoras certificadas pelo Ministério da Justiça. Assim, passa-se a proceder à certificação das entidades formadoras, ao invés de se efetuar o reconhecimento de cursos, sendo tal certificação levada a cabo pelo serviço competente do Ministério da Justiça - Direção-Geral da Política de Justiça, o que se faz com a finalidade de simplificar procedimentos e permitir às entidades formadoras um planeamento mais adequado e flexível dos cursos que pretendam ministrar, desde que sejam salvaguardados critérios mínimos de adequação da formação ao exercício da atividade de mediador. Por fim, resta sublinhar que, para salvaguarda dos direitos de quantos frequentaram os cursos até agora

8 reconhecidos pelo Ministério da Justiça, prevê-se que estes não perdem a sua validade por via da revogação da regulamentação que justificou o seu reconhecimento. Finalmente, a presente portaria vem definir a Direção-Geral da Política de Justiça como sendo a autoridade competente para a aplicação da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, alterada pela Lei n.º 41/2012, de 28 de agosto, em matéria de reconhecimento de qualificações dos mediadores no âmbito da mediação de conflitos. Artigo 14.º (Autoridade competente para a aplicação da Lei n.º 9/2009, de 4 de março) A Direção-Geral da Política de Justiça (DGPJ) é a autoridade competente para o reconhecimento das qualificações dos mediadores, nos termos da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, alterada pela Lei n.º 41/2012, de 28 de agosto. 2 - As medidas de compensação admissíveis nos termos do artigo 11.º da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, alterada pela Lei n.º 41/2012, de 28 de agosto, são fixadas por despacho do diretor-geral da DGPJ. Artigo 16.º (Revogação). - Sem prejuízo do disposto no artigo anterior, é revogada a Portaria n.º 237/2010, de 29 de abril. Artigo 17.º (Entrada em vigor). - A presente portaria entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. ANEXO I - Referencial de qualidade da certificação de entidade formadora (artigo 6.º da portaria) I - Requisitos de estrutura e organização interna II - Requisitos de processos de planeamento e desenvolvimento da formação. (3) Lei n.º 29/2013, de / Assembleia da República. - Estabelece os princípios gerais aplicáveis à mediação realizada em Portugal, bem como os regimes jurídicos da mediação civil e comercial, dos mediadores e da mediação pública. Diário da República. - S. 1 N. 77 (19 abril 2013), p ARTIGO 1.º (OBJETO). - A presente lei estabelece: a) Os princípios gerais aplicáveis à mediação realizada em Portugal; b) O regime jurídico da mediação civil e comercial; c) O regime jurídico dos mediadores; d) O regime jurídico dos sistemas públicos de mediação. ARTIGO 2.º (DEFINIÇÕES). - Para efeitos do disposto na presente lei, entende-se por: a) «Mediação» a forma de resolução alternativa de litígios, realizada por entidades públicas ou privadas, através do qual duas ou mais partes em litígio procuram voluntariamente alcançar um acordo com assistência de um mediador de conflitos; b) «Mediador de conflitos» um terceiro, imparcial e independente, desprovido de poderes de imposição aos mediados, que os auxilia na tentativa de construção de um acordo final sobre o objeto do litígio. ARTIGO 45.º (HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO DE MEDIAÇÃO CELEBRADO NA PENDÊNCIA DE PROCESSO JUDICIAL). - O acordo de mediação celebrado em processo remetido para mediação nos termos do artigo 279.º-A do Código de Processo Civil é homologado nos termos previstos no artigo 14.º ARTIGO 46.º (MEDIAÇÃO DE CONFLITOS COLETIVOS DE TRABALHO). - O disposto na presente lei aplica-se à mediação de conflitos coletivos de trabalho apenas na medida em que não seja incompatível com o disposto nos artigos 526.º a 528.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro. ARTIGO 47.º (DIREITO SUBSIDIÁRIO). - Em tudo aquilo que não for regulado pela presente lei, aplica-se aos sistemas públicos de mediação o disposto nos respetivos atos constitutivos ou regulatórios. ARTIGO 48.º (REGIME JURÍDICO COMPLEMENTAR). - No prazo de três meses, o Governo regulamenta um mecanismo legal de fiscalização do exercício da atividade da mediação privada. ARTIGO 49.º (NORMA REVOGATÓRIA). - São revogados: a) Os artigos 249.º-A a 249.º-C do Código de Processo Civil; b) O n.º 6 do artigo 10.º da Lei n.º 21/2007, de 12 de junho; c) O artigo 85.º da Lei n.º 29/2009, de 29 de junho, alterada pelas Leis n.ºs 1/2010, de 15 de janeiro, e 44/2010, de 3 de setembro; d) A alínea c) do n.º 3 do artigo 4.º da Portaria n.º 68-C/2008, de 22 de janeiro, alterada pela Portaria n.º 732/2009, de 8 de julho; e) A Portaria n.º 203/2011, de 20 de maio. ARTIGO 50.º (ENTRADA EM VIGOR). - A presente lei entra em vigor 30 dias após a sua publicação.

9 LIVROS E REVISTAS ADVOCATUS ANO IV N.º 44 (Novembro 2013), 46 p. Diretor: João Teives Editora: Enzima Amarela Edições, Lda. PREÇO: 15 euros PUBLICAÇÃO RECEBIDA EM BIBLIOTECA PP A-9 DIREITO DAS SOCIEDADES EM REVISTA Semestral - ANO 5 Vol. 10 (outubro 2013), 203 p. Direção: Pedro Pais de Vasconcelos; J. Coutinho de Abreu e R. Pinto e Duarte Coimbra: Edições Almedina Preço avulso: 20,00 PUBLICAÇÃO RECEBIDA EM BIBLIOTECA PP DSR-1062 L'ENFANT ET SA PAROLE EN JUSTICE - RAPPORT 2013: consacré aux droits de l'enfant Auteur(s): BAUDIS Dominique, DERAIN Marie FRANCE. Défenseur des droits; FRANCE. Défenseur des enfants Editeur: Défenseur des droits Date de remise: Novembre 2013, 114 pages RÉPUBLIQUE FRANÇAISE. LE DÉFENSEUR DES DROITS: Présentation. - A l'occasion de la journée internationale des droits de l'enfant, chaque 20 novembre, le Défenseur des droits et la Défenseure des enfants remettent un rapport thématique consacré aux droits de l'enfant au Président de la République et aux Présidents de l'assemblée nationale et du Sénat. Consacré cette année au thème de la parole de l'enfant en justice. Au travers de l'enfant témoin, l'enfant auteur et l'enfant victime dans le cadre de procédure civile ou pénale, le Défenseur des droits a voulu s'assurer de la prise en compte, par les acteurs de la justice, des droits spécifiques des enfants et de leur effectivité. la documentation française: EUROPEAN ECONOMY Occasional Papers 164 (November 2013) The Economic Adjustment Programme for Portugal: Eighth and Ninth Review. Brussels (Belgium): European Commission - Directorate-General for Economic and Financial Affairs, November 2013 (PDF 2 MB. 128 p. Tab. Graph. Bibliogr. Free.) ISSN KC-AH EN-N ISBN doi: /28357 This paper exists in English only and can be downloaded from More information on the European Union is available on Reproduction is authorised provided the source is acknowledged. GUIA SOBRE VIDEOCONFERÊNCIA EM AÇÕES JUDICIAIS TRANSFRONTEIRIÇAS Secretariado-Geral do Conselho Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia p. 14,8 21,0 cm ISBN doi: /86378 Número de catálogo QC PT-C Preço: Gratuito Público-alvo: Especializado/Técnico Palavras-chave: telecomunicação, telemática, teleconferência, processo judicial, audiência, fluxo de dados transfronteiriço, transmissão de dados, guia de informação EU BOOKshop

10 REVISTA PORTUGUESA DE CIÊNCIA CRIMINAL Trimestral. - Ano 22 n.º 4 (outubro - dezembro 2012), p Diretor: Jorge de Figueiredo Dias Propriedade: Instituto de Direito Penal Económico e Europeu da FDUC Edição: Coimbra Editora, 2013 ISSN Número avulso: 14,00 PUBLICAÇÃO RECEBIDA EM BIBLIOTECA PP RPCC-22 REVISTA PORTUGUESA DO DANO CORPORAL ANO XXI N.º 23 (dezembro 2012), p Diretor. Duarte Nuno Vieira APADAC ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL - Delegação do Centro do Instituto de Medicina Legal e Ciências Forenses, IP, Coimbra Edição: Imprensa da Universidade de Coimbra (IUC) ISSN PVP 7 PUBLICAÇÃO RECEBIDA EM BIBLIOTECA PP RPDC-329 LEIS E TRATADOS ACIDENTES DE TRABALHO ATUALIZAÇÃO ANUAL DAS PENSÕES (aumento de 2,9 %) (1) Portaria n.º 338/2013 (Série I), de / Ministérios das Finanças e da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. - Nos termos do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 142/99, de 30 de abril, na redação que lhe foi dada pelo Decreto-Lei n.º 185/2007, de 10 de maio, procede à atualização anual das pensões de acidentes de trabalho. Diário da República. Série I n.º 226 (21 novembro 2013), p https://dre.pt/pdf1sdip/2013/11/22600/ pdf O artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 142/99, de 30 de abril, na redação dada pelo Decreto-Lei n.º 185/2007, de 10 de maio, prevê um regime de atualização anual do valor das pensões de acidente de trabalho, que considera como referenciais de atualização o crescimento real do produto interno bruto (PIB) e a variação média do índice de preços no consumidor (IPC), sem habitação. Desta forma, considerando que a média da taxa do crescimento médio anual do PIB dos últimos dois anos, apurado a partir das contas nacionais trimestrais do Instituto Nacional de Estatística (INE) relativas ao 3.º trimestre de 2012, é inferior a 2 %, e a variação média dos últimos 12 meses do IPC, sem habitação, disponível em 30 de novembro de 2012, foi de 2,9 %, a atualização das pensões de acidente de trabalho para 2013 corresponderá ao IPC, sem habitação. Artigo 2.º (Atualização das pensões de acidentes de trabalho). - As pensões de acidentes de trabalho são atualizadas para o valor resultante da aplicação da percentagem de aumento de 2,9 %. Artigo 3.º (Produção de efeitos). - O presente diploma produz efeitos a partir de 1 de janeiro de Artigo 4.º (Norma revogatória). - É revogada a Portaria n.º 122/2012, de 3 de maio. ADSE - DIREÇÃO-GERAL DE PROTEÇÃO SOCIAL AOS TRABALHADORES EM FUNÇÕES PÚBLICAS PROGRAMA DE RESCISÕES POR MÚTUO ACORDO CONTRIBUIÇÃO PARA A ADSE EM CASO DE CESSAÇÃO DA RELAÇÃO JURÍDICA DE EMPREGO PÚBLICO

11 https://dre.pt/pdf1sdip/1983/02/04600/ pdf (1) Decreto-Lei n.º 161/2013, de / Ministério das Finanças. - Procede à 10.ª alteração ao Decreto-Lei n.º 118/83, de 25 de fevereiro, que regulamenta o funcionamento e o esquema de benefícios da Direção-Geral de Proteção Social aos Trabalhadores em Funções Públicas. Diário da República. Série I n.º 227 (22 novembro 2013), p https://dre.pt/pdf1sdip/2013/11/22700/ pdf Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 32.º da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de fevereiro, e da alínea a) do artigo 248.º do Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas, aprovado pela Lei n.º 59/2008, de 11 de setembro (RCTFP), a nomeação definitiva e o contrato de trabalho podem cessar por mútuo acordo entre a entidade empregadora pública e o trabalhador. Com a cessação do vínculo contratual, os trabalhadores beneficiários titulares da ADSE perdem esta qualidade, nos termos do disposto na alínea a) do n.º 1 do artigo 18.º do Decreto-Lei n.º 118/83, de 25 de fevereiro. Encontrando-se em curso o Programa de Rescisões por Mútuo Acordo, criado pela Portaria n.º 221-A/2013, de 8 de julho, e considerando que as rescisões por mútuo acordo, mesmo fora daquele Programa, contribuem para ajustar a despesa pública às receitas do Estado, tendo em conta o Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, o Governo entende dever consignar a possibilidade de manutenção do benefício social da ADSE para os trabalhadores que acordem a cessação da respetiva relação jurídica de emprego público, apesar da sua extinção. Com o presente diploma pretende-se motivar a utilização da figura da revogação por acordo, prevista na Lei n.º 12-A/2008, de 27 de fevereiro, e no RCTFP, atento o cumprimento dos compromissos do Estado Português firmados no Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, estabelecendo a possibilidade de manutenção de um benefício de relevância fundamental, como é o da proteção no âmbito dos cuidados de saúde, mediante a alteração do Decreto-Lei n.º 118/83, de 25 de fevereiro. Artigo 2.º (Alteração ao Decreto-Lei n.º 118/83, de 25 de fevereiro). - Os artigos 3.º, 6.º e 18.º do Decreto-Lei n.º 118/83, de 25 de fevereiro, passam a ter a seguinte redação: «Artigo 3.º [...] [...]: a) [...]; b) [...]; c) [...]; d) Os trabalhadores que cessem, por mútuo acordo, a relação jurídica de emprego público na modalidade de nomeação definitiva ou de contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado, caso optem pela manutenção dessa qualidade, nos termos do disposto nos n.os 5 e 6 do artigo 6.º Artigo 6.º [...] 1 - [...]. 2 - [...]. 3 - [...]. 4 - [...]. 5 - Os trabalhadores referidos na alínea d) do artigo 3.º mantêm a qualidade de beneficiário titular se exercerem essa opção. 6 - A opção pela manutenção da qualidade de beneficiário titular deve constar do acordo de cessação, do ato de exoneração ou do ato de demissão, consoante o caso. 7 - [Anterior n.º 5]. Artigo 18.º [...] 1 - [...]: a) Exoneração, demissão e cessação do contrato de trabalho em funções públicas, exceto nos casos em que opte pela manutenção da qualidade de beneficiário, nos termos do disposto nos n.os 5 e 6 do artigo 6.º; b) [...]; c) [...]; d) [...]. 2 - [...]. 3 - [...].» Artigo 3.º (Aditamento ao Decreto-Lei n.º 118/83, de 25 de fevereiro). - É aditado ao Decreto-Lei n.º 118/83, de 25 de fevereiro, o artigo 46.º-A com a seguinte redação: «Artigo 46.º-A (Contribuição para a ADSE em caso de cessação da relação jurídica de emprego público) Os beneficiários titulares a que se refere a alínea d) do artigo 3.º ficam sujeitos a uma contribuição mensal determinada pela aplicação da taxa prevista no artigo anterior ao montante correspondente à remuneração base auferida à data da cessação da nomeação ou do contrato. 2 - A remuneração base considerada para efeitos do número anterior está sujeita às ulteriores alterações nos termos em que o seja a remuneração dos trabalhadores em exercício de funções.» Artigo 4.º (Tramitação). - Os procedimentos que forem necessários à operacionalização do regime decorrente das alterações aprovadas pelo presente decreto-lei podem ser definidos por despacho do membro do Governo de que depende a ADSE. Artigo 5.º (Entrada em vigor). - O presente decreto-lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. (2) Decreto-Lei n.º 118/83, de / Ministérios das Finanças e do Plano e da Reforma Administrativa. - Estabelece o funcionamento e o esquema de benefícios da Direcção-Geral de Protecção Social aos Funcionários e Agentes da Administração Pública (ADSE). Diário da República. Série I n.º 46 (25 fevereiro 1983), p O presente diploma destina-se a regulamentar o funcionamento e o esquema de benefícios da Direcção- Geral de Protecção Social aos Funcionários e Agentes da Administração Pública (ADSE) dentro dos princípios consignados no Decreto-Lei n.º 476/80, de 15 de Outubro. (...). Artigo 1.º (Natureza, âmbito e fins) A Direcção-Geral de Protecção Social aos Funcionários e Agentes da Administração Pública (ADSE) é um órgão da estrutura central do Ministério das Finanças e do Plano dotado de

12 autonomia administrativa que tem por objectivo a protecção social nos seguintes domínios: a) Cuidados de saúde; b) Encargos familiares; c) Outras prestações de segurança social. 2 - No âmbito dos cuidados de saúde, a sua acção exerce-se relativamente a: a) Promoção e vigilância da saúde; b) Prevenção, tratamento e recuperação da doença. 3 - No domínio dos encargos familiares, enquanto não for redefinido o regime de segurança social para a função pública, o regime do abono de família obedecerá aos seguintes princípios: a) Pagamento do abono de família e prestações complementares através dos organismos processadores dos vencimentos, para os funcionários no activo, e da Caixa Geral de Aposentações, para os reformados e aposentados; b) Unidade do regime mediante a articulação dos serviços referidos na alínea anterior com a ADSE, através do exercício por esta do apoio técnico e coordenação das operações inerentes à atribuição do abono. 4 - No tocante a outras prestações de segurança social, a actividade da ADSE deverá desenvolver-se segundo parâmetros que a levem a intervir a favor dos respectivos beneficiários sempre que se registe uma alteração desfavorável do equilíbrio entre as suas necessidades e os meios de que dispõem para as satisfazer. Artigo 66.º (Revogação de legislação). - É revogado o Decreto-Lei n.º 45688, de 27 de Abril de Artigo 67.º (Entrada em vigor). - Este diploma entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. ANO ECONÓMICO DE 2013 CONTA PROVISÓRIA DE JANEIRO A SETEMBRO DE Declaração n.º 252/2013 (Série II), de / Ministério das Finanças. Direção-Geral do Orçamento. - Conta provisória de janeiro a setembro de 2013 (artigo 81.º da Lei n.º 91/2001, de 20 de agosto, com as alterações posteriores e republicação feita pela Lei n.º 37/2013, de 14 de junho). Diário da República. Série II - C n.º 228 (25 novembro 2013), p ÁREAS URBANAS DE GÉNESE ILEGAL (AUGI) Processo de reconversão Comissão de administração validamente constituída até 31 de dezembro de 2014 Título de reconversão até 30 de junho de 2015 Poderes da Câmara Municipal (1) Lei n.º 79/2013, de / Assembleia da República. - Quarta alteração à Lei n.º 91/95, de 2 de setembro, sobre o processo de reconversão das áreas urbanas de génese ilegal. Diário da República. Série I n.º 229 (26 novembro 2013), p Artigo 1.º (Alteração à Lei n.º 91/95, de 2 de setembro). - O artigo 57.º da Lei n.º 91/95, de 2 de setembro, alterada pelas Leis n.os 165/99, de 14 de setembro, 64/2003, de 23 de agosto, e 10/2008, de 20 de fevereiro, passa a ter a seguinte redação: «Artigo 57.º (Prazos) Para efeitos de aplicação da presente lei, devem as AUGI dispor de comissão de administração validamente constituída até 31 de dezembro de 2014 e de título de reconversão até 30 de junho de A câmara municipal pode delimitar as AUGI, fixando como respetiva modalidade de reconversão a iniciativa municipal sem o apoio da administração conjunta até 31 de dezembro de » Artigo 2.º (Revisão) A Lei n.º 91/95, de 2 de setembro, deve ser revista até 31 de dezembro de A revisão prevista no número anterior deve ser precedida da identificação dos condicionalismos legais existentes relativamente ao processo de reconversão das áreas urbanas de génese ilegal. Artigo 3.º (Entrada em vigor). - A presente lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. (2) Lei n.º 91/95, de / Assembleia da República. - Processo de reconversão das áreas urbanas de génese ilegal. Diário da República. Série I-A n.º 203 (02 setembro 1995), p

13 CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS REPRIVATIZAÇÃO DAS EMPRESAS SEGURADORAS DO GRUPO Prorrogação do prazo para apresentação de propostas vinculativas de aquisição de ações objeto da venda direta de referência até 16 de dezembro de Despacho n.º 15378/2013 (Série II), de / Ministério das Finanças. Gabinete da Ministra. - Ao abrigo do disposto no n.º 3 do artigo 2.º do caderno de encargos da venda direta de referência anexo à Resolução do Conselho de Ministros n.º 57-A/2013, de 30 de agosto, prorroga o prazo para as entidades a que se refere o n.º 1 do artigo do artigo 2.º do caderno de encargos do processo de reprivatização das empresas seguradoras do grupo Caixa Geral de Depósitos que integra o anexo I à Resolução do Conselho de Ministros n.º 57-A/2013, de 30 de agosto, procederem à apresentação de propostas vinculativas de aquisição de ações objeto de venda direta. Diário da República, 2.ª série N.º de novembro de 2013), p Diário da República. Série II - C n.º 229 (26 novembro 2013), p O prazo para as entidades a que se refere o n.º 1 do artigo 2.º do caderno de encargos que integra o anexo I à Resolução do Conselho de Ministros n.º 57-A/2013, de 30 de agosto, procederem à apresentação de propostas vinculativas de aquisição de ações objeto da venda direta de referência, em conformidade com as regras estabelecidas no aludido caderno de encargos, é prorrogado até às 17 horas do dia 16 de dezembro de O presente despacho produz efeitos no dia da sua assinatura [24 de outubro de 2013]. COMISSÃO PARA O ACOMPANHAMENTO DOS AUXILIARES DA JUSTIÇA (CAAJ) A CAAJ sucede nas competências da Comissão para a Eficácia das Execuções, da Câmara dos Solicitadores e da Comissão de Apreciação e Controlo da Atividade dos Administradores da Lei n.º 77/2013, de / Assembleia da República. - Cria a Comissão para o Acompanhamento dos Auxiliares da Justiça. Diário da República. Série I n.º 226 (21 novembro 2013), p https://dre.pt/pdf1sdip/2013/11/22600/ pdf Artigo 1.º (Regime e órgãos) É criada a Comissão para o Acompanhamento dos Auxiliares da Justiça, abreviadamente designada por CAAJ, a qual é responsável pelo acompanhamento, fiscalização e disciplina dos auxiliares da justiça, em conformidade com a presente lei e com os estatutos dos profissionais que prevejam a sua intervenção. 2 - Estão sujeitos ao acompanhamento, fiscalização e disciplina da CAAJ os auxiliares da justiça cujos estatutos prevejam a sua intervenção, nomeadamente os agentes de execução e os administradores judiciais, bem como outros auxiliares da justiça nos termos que a lei determine. 3 - A CAAJ é uma entidade administrativa independente, sendo dotada de personalidade jurídica, autonomia administrativa e financeira e património próprio. 4 - São órgãos da CAAJ o órgão de gestão, o fiscal único, o conselho consultivo, a comissão de fiscalização dos auxiliares da justiça e a comissão de disciplina dos auxiliares da justiça. Artigo 2.º (Sede e representação) A CAAJ tem sede em Lisboa. 2 - A CAAJ é representada pelo presidente do órgão de gestão ou, na sua falta ou impedimento, por um dos vogais do mesmo órgão, podendo a prática de atos determinados ser objeto de delegação de competência em representante ou representantes, designados de entre os colaboradores da CAAJ, pelo presidente ou pelos dois vogais do órgão de gestão. Artigo 3.º (Atribuições) São atribuições da CAAJ: a) Supervisionar, de forma contínua, a atividade dos auxiliares da justiça, designadamente o registo e a forma de gestão dos valores que lhes são confiados por força das competências que o Estado lhes atribui; b) Prestar apoio técnico e consulta ao membro do Governo responsável pela área da justiça, a pedido deste ou por iniciativa própria, na definição das políticas relativas aos auxiliares da justiça; c) Regulamentar a sua atividade; d) Pronunciar-se sobre os atos normativos relacionados com a atividade dos auxiliares da justiça, em todos os aspetos que estejam no âmbito das suas atribuições; e) Apreciar quaisquer reclamações, queixas ou participações relativas à atividade dos auxiliares da justiça; f) Aplicar medidas cautelares aos auxiliares da justiça, exceto quando o exercício do poder disciplinar esteja concretamente cometido à associação pública profissional em que se integrem; g) Instruir os processos disciplinares e os processos de contraordenação relativos aos auxiliares da justiça, exceto quando o exercício do poder disciplinar esteja concretamente cometido à associação pública profissional em que se integrem; h) Aplicar sanções disciplinares e contraordenacionais aos auxiliares da justiça, exceto quando o exercício do poder disciplinar esteja concretamente cometido à associação pública profissional em que se integrem; i) Destituir os agentes de execução nos processos para os quais tenham sido designados; j) Regulamentar e gerir o fundo de garantia das execuções e outros fundos de garantia criados no âmbito da

14 atividade dos auxiliares da justiça; k) Aprovar o plano anual de atividades, o respetivo orçamento, bem como o relatório anual de atividades, o balanço e a conta anual de gerência; l) Arrecadar as receitas e efetuar as despesas nos termos da lei; m) Emitir recomendações e pareceres genéricos sobre a atividade e formação dos auxiliares da justiça; n) Desempenhar as demais funções que lhe sejam atribuídas por lei. 2 - São atribuições da CAAJ relativamente aos auxiliares da justiça cuja atividade não esteja enquadrada por associação pública profissional: a) Regulamentar a atividade dos auxiliares da justiça; b) Gerir o acesso à atividade, designadamente no que concerne à definição dos processos de admissão de novos profissionais e à escolha e designação da entidade responsável pela elaboração, pela definição dos critérios de avaliação e pela avaliação dos estágios, quando exigidos pelos respetivos estatutos; c) Orientar e definir os termos em que decorre a formação inicial e contínua, emitindo a regulamentação adequada; d) Elaborar e manter permanentemente atualizadas as listas previstas na lei ou em regulamento da CAAJ; e) Verificar a existência de incompatibilidades, impedimentos ou suspeições, bem como a sua idoneidade, nos termos previstos na lei; f) Aprovar códigos de conduta; g) Organizar o processo de substituição em caso de suspensão, ou de encerramento da atividade, assegurando a transmissão eficaz e célere de valores e bens de que sejam depositários para os substitutos, salvo quando a lei disponha de modo diverso. 3 - Nos casos em que a atividade dos auxiliares da justiça esteja enquadrada por associação pública profissional, compete a esta exercer, nos termos dos respetivos estatutos, as competências previstas no número anterior. Artigo 35.º (Imperatividade) O disposto na presente lei relativamente à disciplina dos auxiliares da justiça prevalece sobre quaisquer outras disposições legais que disponham de modo diverso, designadamente as que regulam as associações públicas profissionais. 2 - À regulação, supervisão e poder disciplinar previstos na presente lei não é aplicável o regime das entidades administrativas independentes de regulação económica. Artigo 36.º (Regime transitório) A CAAJ sucede nas competências da Comissão para a Eficácia das Execuções, da Câmara dos Solicitadores e da Comissão de Apreciação e Controlo da Atividade dos Administradores da Insolvência previstas, respetivamente, no Decreto-Lei n.º 88/2003, de 26 de abril, alterado pelas Leis n.ºs 49/2004, de 24 de agosto, e 14/2006, de 26 de abril, e pelo Decreto-Lei n.º 226/2008, de 20 de novembro, e na Lei n.º 32/2004, de 22 de julho, alterada pela Lei n.º 34/2009, de 14 de julho, pelo Decreto- Lei n.º 282/2007, de 7 de agosto, e pela Lei n.º 22/2013, de 26 de fevereiro. 2 - Transitam para a CAAJ os colaboradores que se encontrem em funções na Comissão para a Eficácia das Execuções e na Comissão de Apreciação e Controlo da Atividade dos Administradores da Insolvência, sem acréscimo das remunerações aí auferidas. 3 - É extinta a Comissão para a Eficácia das Execuções, permanecendo esta em funções até à data de tomada de posse dos membros do órgão de gestão da CAAJ. 4 - Até à tomada de posse dos membros do órgão de gestão da CAAJ, a Comissão para a Eficácia das Execuções assegura a marcha dos processos instaurados ou a instaurar contra os agentes de execução, podendo praticar os atos de gestão corrente que se mostrem necessários. 5 - Os membros da Comissão para a Eficácia das Execuções devem prestar toda a colaboração aos órgãos da CAAJ. 6 - Todos os processos de natureza disciplinar ou contraordenacional instaurados contra os auxiliares da justiça que sejam agentes de execução ou administradores judiciais que se encontrem pendentes à data de entrada em vigor da presente lei passam a ser tramitados pela CAAJ, a quem compete dar continuidade aos mesmos, independentemente do momento em que os mesmos tenham sido instaurados e do regime legal que lhes seja aplicável. 7 - Para efeitos de aplicação do disposto no número anterior, as entidades com competência disciplinar ou contraordenacional sobre os agentes de execução e sobre os administradores judiciais devem prestar toda a colaboração necessária à CAAJ, designadamente no que respeita à transferência dos processos disciplinares ou contraordenacionais em causa. 8 - A CAAJ é ainda competente para instaurar e instruir processos disciplinares e contraordenacionais aos auxiliares da justiça sujeitos ao seu acompanhamento, fiscalização e disciplina, bem como aplicar as respetivas sanções disciplinares, coimas e sanções acessórias, por factos praticados por ação ou omissão, ainda que anteriores à data de entrada em vigor da presente lei. 9 - Transitam para a CAAJ: a) Os saldos do Fundo de Garantia dos Agentes de Execução; b) Em regime duodecimal, o montante previsto no orçamento da Câmara dos Solicitadores como orçamento da Comissão para a Eficácia das Execuções, até ao início do pagamento, pelos agentes de execução, da taxa de acompanhamento, fiscalização e disciplina prevista no artigo 30.º por estes devida Com a criação da CAAJ, o organismo responsável pela gestão financeira do Ministério da Justiça assegura a transferência das receitas a que se refere a alínea h) do n.º 1 do artigo 29.º para o ano de A CAAJ afeta a verba necessária para operacionalizar o procedimento de recrutamento de administradores judiciais logo que inicie a sua atividade. Artigo 37.º (Norma revogatória) É revogado o Decreto-Lei n.º 165/2009, de 22 de julho. 2 - O disposto no número anterior produz efeitos na data de tomada de posse dos membros do grupo de gestão da CAAJ. Artigo 38.º (Entrada em vigor). - A presente lei entra em vigor 30 dias após a data da sua publicação.

15 CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS REVISÃO DE PREÇOS ÍNDICES PONDERADOS DE CUSTOS DE MÃO-DE-OBRA, MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE APOIO REFERENTES AOS MESES DE ABRIL, MAIO E JUNHO DE 2013 (1) Aviso n.º 14384/2013 (Série II), de / Ministério da Economia - Instituto da Construção e do Imobiliário, IP. - Fixa os índices ponderados de custos de mão-de-obra, materiais e equipamentos de apoio referentes aos meses de abril, maio e junho de 2013, para efeito de aplicação das fórmulas de revisão de preços a que se refere o artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 6/2004, de 6 de janeiro. Diário da República. Série II - C n.º 227 (22 novembro 2013), p https://dre.pt/pdf2sdip/2013/11/ / pdf QUADRO I - Índices de custos de mão de obra (Continente); QUADRO II - Índices de custos de materiais; QUADRO III - Índices de custos de equipamentos de apoio. (2) Decreto-Lei n.º 6/2004, de / Ministério das Obras Públicas, Transportes e Habitação. - Estabelece o regime de revisão de preços das empreitadas de obras públicas e de obras particulares e de aquisição de bens e serviços. Diário da República. Série I-A n.º 4 (6 janeiro 2004), p ELETRICIDADE TARIFA SOCIAL DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA A APLICAR A CLIENTES FINAIS ECONOMICAMENTE VULNERÁVEIS LIMITE MÁXIMO DA Despacho n.º 15260/2013 (Série II), de / Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia - Gabinete do Secretário de Estado da Energia. - Determina o limite máximo da variação da tarifa social de venda a clientes finais dos comercializadores de último recurso de 2013 para 2014, para efeitos de cálculo das tarifas de eletricidade de 2014, referido no artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 138-A/2010, de 28 de Dezembro, é de 1,0%. Diário da República. Série II - C n.º 227 (22 novembro 2013), p https://dre.pt/pdf2sdip/2013/11/ / pdf O Decreto-Lei n.º 138-A/2010, de 28 de dezembro, veio criar a tarifa social de fornecimento de energia elétrica a aplicar a clientes finais economicamente vulneráveis. O n.º 3 do artigo 3.º do citado diploma estabelece que o valor do desconto é calculado anualmente tendo em conta o limite máximo da variação da tarifa social de venda a clientes finais dos comercializadores de último recurso fixado anualmente através de despacho do membro do Governo responsável pela área da energia tendo em conta a evolução dos custos prevista para o setor elétrico. Dada a evolução dos custos prevista para o setor elétrico e as condições socioeconómicas para o ano de 2014, o limite máximo da variação da tarifa social de venda a clientes finais é de 1,0%, resultando numa previsível variação real nula da energia elétrica a suportar pelos clientes finais elegíveis para aplicação desta tarifa. ÚNICO - O limite máximo da variação da tarifa social de venda a clientes finais dos comercializadores de último recurso de 2013 para 2014, para efeitos de cálculo das tarifas de eletricidade de 2014, referido no artigo 3º do Decreto-Lei n.º 138-A/2010, de 28 de dezembro, é de 1,0%. ENSINO SUPERIOR EUROPEU PROGRAMA DE AÇÃO ERASMUS MUNDUS PARA O PERÍODO IMPLEMENTAÇÃO EM 2014

16 Implementação em 2014 (2013/C 342/05). Jornal Oficial da União Europeia. C 342 (22 novembro 2013), p Convite à apresentação de propostas EACEA/18/13 Programa de ação Erasmus Mundus OBJETIVOS DO PROGRAMA. - Através da Decisão n.º 1298/2008/CE (JO L 340 de , p. 83) de 16 de dezembro de 2008, o Parlamento Europeu e o Conselho estabeleceram o Programa de ação Erasmus Mundus para o período O objetivo global do Programa Erasmus Mundus consiste em promover o ensino superior europeu, ajudar a melhorar e reforçar as perspetivas dos estudantes em termos de carreira, bem como promover a compreensão intercultural, através da cooperação com países terceiros, em conformidade com os objetivos da política externa da UE, de forma a contribuir para o desenvolvimento sustentável de países terceiros no domínio do ensino superior. (...) O Guia do Programa Erasmus Mundus e os formulários de candidatura para as três ações encontram-se disponíveis no seguinte endereço Internet: (...). A.4. ORÇAMENTO. - O montante total disponível no âmbito do presente convite à apresentação de propostas é de aproximadamente EUR e visa um fluxo mínimo de mobilidade de indivíduos. (...). A.5. PRAZO PARA APRESENTAÇÃO DAS CANDIDATURAS. - O prazo para apresentação de candidaturas para a Ação 2 do Erasmus Mundus Parcerias é 3 de março de 2014 até às 12h00 (hora da Europa Central). A Agência criou um sistema para a apresentação eletrónica de todas as candidaturas. No que se refere ao presente convite à apresentação de propostas, os candidatos devem enviar a sua candidatura utilizando o formulário eletrónico que estará disponível a partir de fevereiro de Complementarmente, tem de ser enviado, por correio registado, até ao prazo limite de apresentação, um exemplar em papel igual à candidatura apresentada por via eletrónica (incluindo anexos), a título de cópia de salvaguarda, para o seguinte endereço: Education, Audiovisual and Culture Executive Agency Call for proposals EACEA/18/13 Action 2 BOU 02/029 Avenue du Bourget/Bourgetlaan Bruxelles/Brussel BELGIQUE/BELGIË ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS (ERSE) (1) Diretiva n.º 20/2013 (Série II), de / Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. - Ao abrigo do n.º 1 do artigo 31.º dos Estatutos da ERSE, anexos ao Decreto-Lei n.º 97/2002, de 12 de abril, alterados pelo Decreto-Lei n.º 212/2012, de 25 de setembro, aprova os parâmetros de regulação da qualidade de serviço do setor elétrico. Diário da República. Série II - E n.º 227 (22 novembro 2013), p O Regulamento da Qualidade de Serviço do setor elétrico (RQS) prevê que a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) proceda à publicação dos Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico. (2) Diretiva n.º 21/2013 (Série II), de / Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. - Ao abrigo do n.º 1 do artigo 31.º dos Estatutos da ERSE, anexos ao Decreto-Lei n.º 97/2002, de 12 de abril, alterados pelo Decreto-Lei n.º 212/2012, de 25 de setembro, aprova os prazos para a classificação de eventos excecionais e para o envio de informação à ERSE no âmbito do Regulamento da Qualidade de Serviço do setor elétrico. Diário da

17 República. Série II - E n.º 227 (22 novembro 2013), p O Regulamento da Qualidade de Serviço do setor elétrico (RQS) e o Manual de Procedimentos da Qualidade de Serviço do setor elétrico (MPQS) preveem que a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) proceda à publicação dos prazos para o envio à ERSE da informação trimestral e anual relativa à continuidade de serviço e à qualidade da energia elétrica, por parte dos operadores das redes, e à publicação dos prazos para a tomada de decisão da ERSE sobre a classificação de eventos excecionais, bem como dos prazos para o envio à ERSE dos pareceres das diversas entidades consultadas. Aprovar os prazos para o envio de informação à ERSE: a. A informação trimestral definida no n.º 2 do Procedimento n.º 12 do MPQS deverá ser enviada até 70 dias após o final do trimestre em causa. b. A informação anual definida no nº 3 do Procedimento n.º 12 do MPQS deverá ser enviada até 70 dias após o final do ano em causa. c. A informação definida no Procedimento n.º 12 do MPQS, n.º 3, alíneas c) a f), referente aos anos de 2009, 2010, 2011 e 2012, deverá ser enviada até ao dia 30 de março de (...). (3) Diretiva n.º 22/2013 (Série II), de / Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. - Ao abrigo do artigo do artigo 190.º e 191.º, alínea q) do Regulamento de Relações Comerciais, aprovado pelo Regulamento n.º 468/2012, de 12 de novembro e do artigo 31.º, n.º 2, alínea c) do Estatutos da ERSE, aprovados em anexo ao Decreto-Lei n.º 97/2002, de 12 de abril, na redação do Decreto-Lei n.º 84/2013, de 25 de junho, considerando o disposto no artigo 77.º, n.º 2, al. c) do Decreto-Lei n.º 215-A/2012, de 8 de outubro, que procede à alteração do Decreto-Lei n.º 29/2006, de 15 de fevereiro que estabelece regras comuns para o mercado interno de eletricidade, aprova a alteração ao guia de medição, leitura e disponibilização de dados de energia elétrica em Portugal continental. Diário da República. Série II - E n.º 227 (22 novembro 2013), p Nos termos do Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados de Energia Elétrica em Portugal Continental, aprovado pela Diretiva n.º 2/2012, de 6 de janeiro, cabe ao operador da rede de distribuição em MT e AT a responsabilidade pela disponibilização de dados de consumo aos agentes de mercado, designadamente dos consumos agregados das carteiras de clientes dos comercializadores. No que diz respeito à informação referente aos consumos de Baixa Tensão Normal (BTN), o operador da rede de distribuição calcula o valor das carteiras dos comercializadores com base num valor de consumo médio anual (CMA), associado a cada perfil de consumo e no número de clientes existentes na carteira de cada comercializador. Neste momento o CMA é determinado com periodicidade anual, através da energia ativa consumida no mais recente período de 12 meses com dados definitivos, para cada um dos perfis (A, B; C e iluminação pública) da BTN. Da análise da informação reportada pelo operador da rede de distribuição em AT e MT observou-se que os valores disponíveis do consumo agregado definitivo do comercializador de último recurso (CUR), entre fevereiro e setembro de 2012, são sistematicamente inferiores aos valores do consumo estimado. Por seu turno, no que respeita aos comercializadores de mercado livre (ML) o efeito é inverso. A explicação destas diferenças pode atribuir-se à passagem de clientes (nomeadamente de consumos mais elevados) do CUR para os comercializadores em regime de mercado, a qual provocou diferenças significativas nas estruturas das diversas carteiras de comercializadores. Dadas as consequências económicas e financeiras dos desvios verificados, a ERSE, na sequência da proposta do operador da rede de distribuição em AT e MT, aprova a presente alteração ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados, a qual consiste na criação de um novo CMA (correspondendo a um valor por perfil), sendo um dos CMA a aplicar ao comercializador de último recurso, CMA CUR, e outro a aplicar aos comercializadores de mercado livre, CMA ML. Adicionalmente, esclarece-se que o CMA, calculado com base nos últimos doze meses de dados definitivos (ano t-1), é ajustado à taxa de variação anual de consumo prevista. Esta solução, que contribuirá para a redução dos desvios, não assume ainda um caráter definitivo face à dinâmica intensa do mercado de eletricidade, sendo necessário encontrar soluções de longo prazo, as quais garantam melhores resultados no cálculo das estimativas de consumo agregado. Por essa razão, a ERSE decide requerer a apresentação de um estudo, pelo operador da rede de distribuição em AT e MT, concedendo-se um prazo de seis meses, para o efeito. 1.º Aprovar a alteração ao ponto , do Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados de Energia Elétrica, em Portugal Continental, aprovado pela Diretiva n.º 2/2012, de 6 de janeiro, publicado em II.ª série do Diário da República, que se publica em anexo e desta diretiva faz parte integrante. 2.º Requerer, ao operador da rede de distribuição em AT e MT, a apresentação de um estudo de cálculo do CMA, que melhor se adapte ao cálculo do consumo agregado da carteira de clientes em BTN dos comercializadores, a apresentar no prazo máximo de 6 meses. 3.º A presente diretiva produz efeitos no dia seguinte ao da sua publicação. Anexo Consumo discriminado agregado estimado

18 CLIENTES FINAIS EM BTN SEM MEDIÇÃO DISCRIMINADA EM PERÍODOS DE 15 MINUTOS (INCLUINDO CIRCUITOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA). (4) Diretiva n.º 23/2013 (Série II), de / Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. - Em cumprimento do disposto no artigo 52.º, n.º 4 e no artigo 72.º, n.º 9 do RRC, bem como do artigo 31.º, n.º 2, alínea c) dos Estatutos da ERSE, anexos ao Decreto-Lei n.º 97/2002, de 12 de abril, com as últimas alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 84/2013, de 25 de junho, que procedeu à sua republicação, aprova as medidas que visam concretizar a diferenciação de imagem da EDP Distribuição e da EDP Serviço Universal. Diário da República. Série II - E n.º 227 (22 novembro 2013), p https://dre.pt/pdf2sdip/2013/11/ / pdf Ao abrigo do disposto nos artigos 36.º, n.º 2, alínea e) e 47.º, n.º 2 do Decreto-Lei n.º 29/2006, de 15 de fevereiro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 78/2011, de 20 de junho e mais recentemente pelo Decreto-Lei n.º 215-A/2012, de 8 de outubro, o Regulamento de Relações Comerciais (RRC), aprovado pelo Regulamento n.º 496/2011, de 19 de agosto e revisto pelo Regulamento n.º 468/2012, de 12 de novembro, veio estabelecer que os operadores das redes de distribuição (artigo 52.º, n.º 4) e os comercializadores de último recurso (artigo 72.º, n.º 9), que sirvam um número de clientes superior a , devem submeter à aprovação da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) propostas que diferenciem a sua imagem das restantes entidades que atuam no Sistema Elétrico Nacional (SEN). 1. Aprovar as medidas que visam concretizar a diferenciação de imagem da EDP Distribuição, na qualidade de operador da rede de distribuição de eletricidade, que constam do Anexo I a esta deliberação e dela ficam a fazer parte integrante. 2. Aprovar as medidas que visam concretizar a diferenciação de imagem da EDP Serviço Universal, na qualidade de comercializador de último recurso de eletricidade, que constam do Anexo II a esta deliberação e dela ficam a fazer parte integrante. 3. Os custos associados às medidas já implementadas, no âmbito do processo de diferenciação de imagem da EDP Distribuição e da EDP Serviço Universal, anteriores à data de entrada em vigor desta deliberação, não são considerados no processo de cálculo das tarifas e preços a fixar pela ERSE. 4. A presente deliberação entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. ANEXO - MEDIDAS PARA A DIFERENCIAÇÃO DE IMAGEM DA EDP DISTRIBUIÇÃO. ANEXO - MEDIDAS PARA A DIFERENCIAÇÃO DE IMAGEM DA EDP SERVIÇO UNIVERSAL. FACTURAÇÃO CERTIFICAÇÃO PRÉVIA DOS PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FACTURAÇÃO CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS (1) Portaria n.º 340/2013 (Série I), de / Ministério das Finanças. - Ao abrigo do disposto no n.º 9 do artigo 123.º do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 442- B/88, de 30 de novembro, fixa a quarta alteração à Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho que regulamenta a certificação prévia dos programas informáticos de faturação do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas. Diário da República. Série I n.º 227 (22 novembro 2013), p https://dre.pt/pdf1sdip/2013/11/22700/ pdf A Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, regulamentou pela primeira vez e de forma inovadora o processo de certificação dos programas informáticos de faturação, definindo um conjunto de regras técnicas a observar pelas empresas produtoras de software. No âmbito deste regime tem-se constatado a utilização crescente de programas informáticos não certificados com base na dispensa prevista na alínea a) do n.º 2 do artigo 2.º da Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho. No entanto, essa dispensa tem sido comprovadamente utilizada de forma abusiva, porquanto os pressupostos essenciais que presidiram à sua atribuição não têm sido respeitados. Por outro lado, importa proceder a algumas correções e ajustamentos nos normativos da referida Portaria, visando a sua clarificação e explicitação. Artigo 1.º (Alterações à Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho). - Os artigos 2.º, 6.º, 8.º e 9.º da Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, passam a ter a seguinte redação: (...). Artigo 2.º (Norma revogatória). - São revogadas as alíneas a) e c) do n.º 2 do artigo 2.º da Portaria n.º

19 363/2010, de 23 de junho. Artigo 3.º (Republicação). - A Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, na sua redação atual, é republicada em anexo à presente portaria, da qual faz parte integrante. Artigo 4.º (Entrada em vigor). - A presente portaria entra em vigor no dia 1 de janeiro de Anexo a que se refere o artigo 3.º (2) Portaria n.º 363/2010 (Série I), de / Ministério das Finanças e da Administração Pública. - Ao abrigo do disposto no n.º 8 do artigo 123.º do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 442-B/88, de 30 de Novembro, regulamenta a certificação prévia dos programas informáticos de facturação. Diário da República, 1.ª série N.º de Junho de 2010), p https://dre.pt/pdf1sdip/2010/06/12000/ pdf FUNDAÇÃO LUSO-AMERICANA PARA O DESENVOLVIMENTO (FLAD) CONSELHO DE Despacho n.º A/2013 (Série II), de , Suplemento de / Presidência do Conselho de Ministros. Gabinete do Primeiro-Ministro. - Nos termos dos n.os 1 a 4 do artigo 12.º dos estatutos da FLAD publicados em anexo ao Decreto-Lei n.º 168/85, de 20 de maio, na redação em vigor aprovada pelo Decreto-Lei n.º 107/2013, de 31 de julho, designa vários membros para o Conselho de Curadores da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. Diário da República. Série II C n.º 224 (19 novembro 2013), p (2). https://dre.pt/pdf2sdip/2013/11/ / pdf O Decreto-Lei n.º 107/2013, de 31 de julho, procedeu à alteração dos estatutos da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) no sentido de os adequar à Lei-Quadro das Fundações. Foi assim criado o conselho de curadores da FLAD, onde participam individualidades de mérito reconhecido e a quem competirá garantir a manutenção dos princípios orientadores da Fundação e apreciar as linhas gerais do seu funcionamento e da sua política de investimentos. De acordo com os estatutos da FLAD, o conselho de curadores é constituído por cinco a sete membros, designados por despacho do Primeiro-Ministro de entre individualidades de mérito reconhecido e com competência em domínios adequados aos fins da Fundação, sendo dois dos membros indicados pelo Embaixador dos Estados Unidos da América acreditado em Lisboa. Compete ainda ao conselho de curadores escolher os membros do conselho de administração da FLAD, com exceção do seu presidente, o qual é escolhido pelo Primeiro-Ministro nos termos estatutários. Na primeira designação para o conselho de curadores - a que ora se procede - três dos seus membros são designados para um mandato de quatro anos e os restantes para um mandato de sete anos. 2 - O presente despacho produz efeitos a partir da data da sua publicação. FUNDAÇÃO PARA AS COMUNICAÇÕES MÓVEIS NOMEAÇÃO DOS REPRESENTANTES DO ESTADO NO CONSELHO Despacho n.º 15380/2013 (Série II), de / Ministérios das Finanças e da Economia. Gabinetes da Ministra de Estado e das Finanças e do Secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações. - Nomeação dos representantes do Estado no conselho geral da Fundação para as Comunicações Móveis. Diário da República. Série II - C n.º 229 (26 novembro 2013), p O presente despacho produz efeitos a partir de 15 de novembro de MEDICAMENTOS PARA USO HUMANO BOAS PRÁTICAS DE DISTRIBUIÇÃO (BPD)

20 Abastecimento Armazenamento Fornecimento Procedimento de exportação Medicamento falsificado Sistema de qualidade Transporte Zonas francas e entrepostos francos (1) Diretrizes, de 5 de novembro de 2013, relativas às boas práticas de distribuição de medicamentos para uso humano (Texto relevante para efeitos do EEE) (2013/C 343/01). Jornal Oficial da União Europeia. C 343 (23 novembro 2013), p INTRODUÇÃO As presentes diretrizes têm por base o artigo 84.º e o artigo 85.º-B, n.º 3, da Diretiva 2001/83/CE. A Comissão publicou diretrizes da UE relativas às boas práticas de distribuição (BPD) em 1994 Em março de 2013, foram publicadas diretrizes revistas refletindo a evolução recente nas práticas de armazenamento e distribuição adequadas de medicamentos na União Europeia, bem como os novos requisitos introduzidos pela Diretiva 2011/62/UE. A presente versão corrige erros factuais identificados nos subcapítulos 5.5 e 6.3 das diretrizes revistas. Também explica melhor as razões para a revisão e indica a data de início de aplicação. Substitui as diretrizes relativas às BPD publicadas em março de (...) CAPÍTULO 1 GESTÃO DA QUALIDADE CAPÍTULO 2 PESSOAL CAPÍTULO 3 INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTO CAPÍTULO 4 DOCUMENTAÇÃO CAPÍTULO 5 OPERAÇÕES CAPÍTULO 6 RECLAMAÇÕES, DEVOLUÇÕES, SUSPEITAS DE MEDICAMENTOS FALSIFICADOS E RETIRADAS DE MEDICAMENTOS CAPÍTULO 7 ATIVIDADES SUBCONTRATADAS CAPÍTULO 8 AUTOINSPEÇÕES CAPÍTULO 9 TRANSPORTE CAPÍTULO 10 DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS APLICÁVEIS AOS INTERMEDIÁRIOS CAPÍTULO 11 DISPOSIÇÕES FINAIS As presentes diretrizes substituem as diretrizes relativas à boa prática de distribuição, publicadas em 1 de março de 1994 (JO C 63 de , p. 4), e as diretrizes de 7 de março de 2013 relativas às boas práticas de distribuição de medicamentos para uso humano (JO C 68 de , p. 1). As presentes diretrizes são aplicáveis a partir do dia seguinte ao da sua publicação no Jornal Oficial da União Europeia. ANEXO - Glossário de termos Termos Definição (2) Regulamento (CEE) n.º 2913/92 do Conselho, de 12 de outubro de 1992, que estabelece o Código Aduaneiro Comunitário (JO L 302 de , p. 1): Artigos 166.º a 181.º do Regulamento (CEE) n.º 2913/92 do Conselho, de 12 de outubro de 1992, que estabelece o Código Aduaneiro Comunitário (JO L 302 de , p. 1). (3) Diretiva 2001/83/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 6 de novembro de 2001, que estabelece um código comunitário relativo aos medicamentos para uso humano; JO L 311 de , p. 67. (4) Diretrizes relativas à boa prática de distribuição (JO C 63 de , p. 4). (5) Diretiva 2011/62/UE do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Diretiva 2001/83/CE que estabelece um código comunitário relativo aos medicamentos para uso humano, para impedir a introdução na cadeia de abastecimento legal, de medicamentos falsificados (JO L 174 de , p. 74). (6) Diretrizes, de 7 de março de 2013, relativas às boas práticas de distribuição de medicamentos para uso humano (JO C 68 de , p. 1).

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários INFORMAÇÕES JURÍDICAS 1.Serviços mínimos bancários Desde o passado dia 23 de Maio que qualquer consumidor pode ter acesso aos serviços mínimos bancários, com custos reduzidos, e não somente aqueles que

Leia mais

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), 167.º, alínea g), e 169.º, n.º 2, da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5910 Diário da República, 1.ª série N.º 201 17 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 225/2012 de 17 de outubro O Decreto -Lei n.º 27 -C/2000, de 10 de março, que cria o

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 287/XII Regula o regime de acesso e exercício da atividade profissional de cadastro predial, em conformidade com a disciplina da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, e do Decreto-Lei n.º 92/2010,

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015. Série. Número 33

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015. Série. Número 33 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 Série 2.º Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 1/2015/M Aprova o Regulamento

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015

Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015 Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015 Republicação Artigo 1.º Objeto 1 - O presente regulamento define a natureza dos apoios a nível nacional do Programa de Financiamento

Leia mais

Estatuto do Bolseiro de Investigação

Estatuto do Bolseiro de Investigação Estatuto do Bolseiro de Investigação O Estatuto do Bolseiro de Investigação foi aprovado pela Lei nº 40/2004, de 18 de agosto, alterada e republicada pelo Decreto- Lei n.º 202/2012, de 27 de agosto. O

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/9 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213932-2013:text:pt:html B-Bruxelas: Serviços de especialização de médico-assistente e de dentista-assistente junto dos

Leia mais

5fe0d90107e74964b15fe89af08c53e4

5fe0d90107e74964b15fe89af08c53e4 DL 35/2014 2014.01.23 A Lei 64-B/2011, de 30 de dezembro, que aprovou o orçamento do Estado para o ano de 2012, promoveu a criação de novas medidas de combate à fraude e evasão fiscais. Neste contexto

Leia mais

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Lei n.º 74/98, de 11 de novembro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 2/2005, de 24 de janeiro 1 2, Lei n.º 26/2006, de 30 de junho, Lei n.º 42/2007,

Leia mais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Responsabilidade Civil 1 SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL 2 Quais são os seguros de responsabilidade civil

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 n.º 4 do artigo 98.º ou de o respetivo montante ser levado em conta na liquidação final do imposto, os prazos de reclamação e de

Leia mais

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Lei n.º 53/2011, de 14 de outubro, que procede à segunda alteração ao Código do Trabalho, aprovado em anexo à Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, estabelecendo

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 14/91 de 11 de Maio A criação das condições materiais e técnicas para a edificação em Angola de um Estado democrático de direito é um dos objectivos a atingir, na actual fase

Leia mais

DESTAQUE. I Introdução

DESTAQUE. I Introdução DESTAQUE Abril de 2011 BREVES NOTAS SOBRE AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO REGIME DOS DIREITOS REAIS DE HABITAÇÃO PERIÓDICA I Introdução O regime dos Direitos Reais de Habitação Periódica ( DRHP ), regulado

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Legislação Diploma Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Estado: vigente Resumo: Despacho Normativo que altera o Despacho Normativo nº 18-A/2010, de 1 de julho. Publicação: Diário da República

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º. Exposição de Motivos PL 40/2013 2013.02.22 Exposição de Motivos A presente proposta de lei visa habilitar o Governo a regular o acesso e o exercício da atividade de intermediação de crédito, uma atividade económica que consiste

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 1772 Diário da República, 1.ª série N.º 101 25 de Maio de 2010 Norma transitória As comissões de serviço em curso mantêm -se, nos seus precisos termos, até ao final do respectivo prazo. Norma revogatória

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) SQ.E.O.01 - Dezembro 2008 Índice Página 1. Objectivo 2 2. Campo de aplicação 2 3. Documentos de referência

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS PARECER Assunto: Projecto de Portaria que aprova o Regulamento do Procedimento de Seleção de Mediadores para prestar serviços nos Julgados de Paz e nos Sistemas de Mediação Familiar, Laboral e Penal. 1.

Leia mais

Anexo à deliberação do conselho geral de 10 de maio de 2014 Normas do recrutamento, seleção e contratação dos formadores

Anexo à deliberação do conselho geral de 10 de maio de 2014 Normas do recrutamento, seleção e contratação dos formadores Anexo à deliberação do conselho geral de 10 de maio de 2014 Normas do recrutamento, seleção e contratação dos formadores Artigo 1.º Objeto e âmbito 1 O presente regulamento estabelece o regime de recrutamento,

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL CADERNO DE ENCARGOS PROCESSO Nº 3 RH-2015 Apoio Técnico na área de Gestão de Recursos Humanos - Prestação de Serviços Ajuste Direto 1 de 10 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Cláusula 1.ª - Objecto...

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1 ÂMBITO 1. O presente Regulamento, submetido à aprovação da Fundação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 127/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 127/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 127/XII Exposição de Motivos A Lei n.º 63-A/2008, de 24 de novembro, que estabelece medidas de reforço da solidez financeira das instituições de crédito no âmbito da iniciativa para

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro Decreto-Lei n.º 140-B/2010 de 30 de Dezembro O presente decreto-lei é mais um passo no objectivo do Governo de reafirmar os princípios de convergência e universalização dos regimes de protecção social

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 132 11 de julho de 2014 3805

Diário da República, 1.ª série N.º 132 11 de julho de 2014 3805 Diário da República, 1.ª série N.º 132 11 de julho de 2014 3805 suspende o prazo de propositura de ações nos tribunais administrativos na pendência da impugnação administrativa, bem como de requerer a

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Diário da República, 1.ª série N.º 9 14 de janeiro de 2014 155 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Decreto-Lei n.º 5/2014 de 14 de janeiro A Lei n.º 47/2006, de 28 de agosto, que define o regime de avaliação,

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Decreto-Lei n.º 177/2014, de 15 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Decreto-Lei n.º 177/2014, de 15 de dezembro Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 177/2014, de 15 de dezembro Estado: vigente Resumo: Cria o procedimento especial para o registo de propriedade de veículos adquirida por contrato verbal de compra e venda,

Leia mais

de Ofertas de Emprego REGULAMENTO ESPECÍFICO

de Ofertas de Emprego REGULAMENTO ESPECÍFICO Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego REGULAMENTO ESPECÍFICO Incentivo à aceitação de Ofertas de Emprego Regulamento Específico Página 1 de 20 Incentivo à aceitação de Ofertas de Emprego Regulamento

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 65 2 de abril de 2015 1739

Diário da República, 1.ª série N.º 65 2 de abril de 2015 1739 Diário da República, 1.ª série N.º 65 2 de abril de 2015 1739 selecionadas em conformidade com as regras e critérios aplicáveis ao Mar 2020; b) Assegurar que os processos relativos a cada projeto são organizados

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 529/XII/3.ª

PROJETO DE LEI N.º 529/XII/3.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 529/XII/3.ª ASSEGURA O ACESSO DOS CIDADÃOS AOS SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS GRATUITOS E LIMITA A COBRANÇA DE DESPESAS DE MANUTENÇÃO DE CONTA POR PARTE DAS INSTITUIÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO. Deliberações CMC POVT: 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013

PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO. Deliberações CMC POVT: 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013 PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Deliberações CMC POVT: 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013 PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS ENTRADA EM VIGOR EM 3/10/2013 NA REDAÇÃO DADA

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

Lei n.º 11/2014, de 6 de março. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 11/2014, de 6 de março. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 11/2014, de 6 de março A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1. A presente lei estabelece mecanismos de convergência

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 Através da Resolução do Conselho de Governo n.º 97/2013, de 3 de outubro, foi criada a Linha de Apoio à Reabilitação

Leia mais

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro A concessão responsável de crédito constitui um dos importantes princípios de conduta para a atuação das instituições de crédito. A crise económica e financeira

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril A Lei n.º 100/97, de 13 de Setembro, estabelece a criação de um fundo, dotado de autonomia financeira e administrativa, no âmbito dos acidentes de trabalho. O presente

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

1/7. Link para o texto original no Jornal Oficial. JusNet 2293/2012

1/7. Link para o texto original no Jornal Oficial. JusNet 2293/2012 1/7 Decreto-Lei n.º 266-B/2012, de 31 de dezembro, Estabelece o regime de determinação do nível de conservação dos prédios urbanos ou frações autónomas, arrendados ou não, para os efeitos previstos em

Leia mais

Anexo I ACORDO DE ESTÁGIO PROGRAMA INOV CONTACTO ESTÁGIOS INTERNACIONAIS DE JOVENS QUADROS

Anexo I ACORDO DE ESTÁGIO PROGRAMA INOV CONTACTO ESTÁGIOS INTERNACIONAIS DE JOVENS QUADROS Anexo I ACORDO DE ESTÁGIO PROGRAMA INOV CONTACTO ESTÁGIOS INTERNACIONAIS DE JOVENS QUADROS Entre: Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E., Pessoa Coletiva de Direito Público

Leia mais

Deliberação do Conselho Geral da Câmara dos Solicitadores de 07/01/2011

Deliberação do Conselho Geral da Câmara dos Solicitadores de 07/01/2011 Deliberação do Conselho Geral da Câmara dos Solicitadores de 07/01/2011 Considerando que: a) Quando um agente de execução cessa funções é essencial transferir os bens de que seja fiel depositário e apurar

Leia mais

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO EMPREGO E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO EMPREGO E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 3666 Diário da República, 1.ª série N.º 121 26 de junho de 2013 MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO EMPREGO E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º 208/2013 de 26 de junho O Decreto -Lei n.º 92/2010, de 26 de julho,

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 88/2013 de 29 de Julho de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 88/2013 de 29 de Julho de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 88/2013 de 29 de Julho de 2013 O Governo dos Açores pretende implementar uma nova estratégia de desenvolvimento, tendo em vista a dinamização

Leia mais

Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio

Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio No quadro das orientações definidas pelo Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado (PRACE) e dos objectivos do Programa do Governo no tocante à

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

Comunicações e Informações

Comunicações e Informações Jornal Oficial da União Europeia C 224 A Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 58. o ano 9 de julho de 2015 Índice V Avisos PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS Serviço Europeu de Seleção do

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 15/07/2008, 30/01/2012 e 8/08/2012 SAÚDE (LISBOA) ENTRADA EM VIGOR DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015 Considerando os objetivos do Governo dos Açores em promover, na Região, um conhecimento especializado de temáticas

Leia mais

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) 1 A existência do Fundo de Pensões dos Administradores e/ou Directores da Robbialac

Leia mais

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EACEA 32/2014 : Projetos de cooperação europeia Execução das ações do subprograma «Cultura»: projetos de cooperação

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I MANUAL I LOCAÇÃO OU AQUISIÇÃO DE BENS MÓVEIS E AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS ATRAVÉS DE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO 1. INTRODUÇÃO O presente documento pretende disponibilizar informação básica para que as unidades

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I. Disposições Gerais

REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I. Disposições Gerais REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei n.º 40/2004, de 18 de Agosto,

Leia mais

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Considerando: A importância do voluntariado no exercício ativo de cidadania, traduzido na relação solidária com o próximo; A sua relevância cultural

Leia mais

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 1 CENTRO DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM 2 PONTOS DA INTERVENÇÃO: SOBRE O CENTRO DE ARBITRAGEM PROPRIAMENTE DITO: GÉNESE LEGAL DESTE CENTRO ESTRUTURA ORGÂNICA ÂMBITO

Leia mais

Registo da prestação de contas

Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas têm simplesmente de entregar a

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março No âmbito do Compromisso Eficiência, o XIX Governo Constitucional determinou as linhas gerais do Plano de Redução e Melhoria da

Leia mais

DIREITOS DOS CONSUMIDORES. de energia europeus. O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia. Energia

DIREITOS DOS CONSUMIDORES. de energia europeus. O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia. Energia DIREITOS DOS CONSUMIDORES de energia europeus O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia Energia Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia Linha

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.12)

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre 2015 I Regime Jurídico das Sociedades Financeiras de Crédito 2 II Legislação A. Direito

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014 Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027 Portaria n.º 151/2014 de 30 de julho O Governo tem vindo a desenvolver uma estratégia nacional de combate ao desemprego jovem assente numa

Leia mais

CAPÍTULO III Estrutura orgânica SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 7.º Órgãos do ISP São órgãos do ISP o conselho directivo, o conselho consultivo e

CAPÍTULO III Estrutura orgânica SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 7.º Órgãos do ISP São órgãos do ISP o conselho directivo, o conselho consultivo e CAPÍTULO III Estrutura orgânica SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 7.º Órgãos do ISP São órgãos do ISP o conselho directivo, o conselho consultivo e a comissão de fiscalização. Artigo 8.º Quórum e regras

Leia mais

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Conforme aprovado em Assembleia Geral de 22 de julho de 2011 e posterior alteração pela Deliberação Unânime por Escrito de 27 de junho de 2012. CAPÍTULO I Natureza,

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º /2015. Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República

RESOLUÇÃO N.º /2015. Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República RESOLUÇÃO N.º /2015 Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5 do artigo 166. da Constituição, de acordo com as alíneas

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 06

Leia mais

Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República (LOFAR) 1

Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República (LOFAR) 1 Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República (LOFAR) 1 Lei n.º 77/88, de 1 de Julho, (Declaração de Rectificação de 16 de Agosto de 1988) com as alterações introduzidas pela

Leia mais

GANDARELA, FERRAZ, COSTA & ASSOCIADOS SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO

GANDARELA, FERRAZ, COSTA & ASSOCIADOS SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO Decreto-Lei n.º 210/2015 de 25 de Setembro - Regimes Jurídicos do fundo de Compensação do Trabalho e do Fundo de Garantia de Compensação do Trabalho

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza, âmbito, objecto e sede 1. O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem da Ordem dos Notários (adiante designado por Centro), é a instituição de arbitragem,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Decreto-Lei n.º 229/2005, de 29 de dezembro No quadro das iniciativas destinadas a reforçar a convergência e a equidade entre os subscritores da Caixa Geral de Aposentações e os contribuintes da segurança

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 13/93, de 15 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC Artigo 1º Âmbito do regulamento 1. O presente regulamento define o regime do pagamento da propina pelos estudantes do IPVC inscritos a tempo integral,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 Considerando a necessidade do Governo dos Açores continuar a potenciar a competitividade e crescimento sustentado

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação CAAD Centro de Arbitragem Administrativa. 2. A associação tem a sua sede na Avenida Duque de Loulé, n.º 72 A, freguesia de Santo

Leia mais

Aprovam-se os Princípios Gerais do Voluntariado do IPC que a seguir se articulam.

Aprovam-se os Princípios Gerais do Voluntariado do IPC que a seguir se articulam. PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Considerando: A importância formativa, social e cultural do voluntariado e o papel importante que o Instituto Politécnico

Leia mais

ANÚNCIO. 2 - O prazo para apresentação de candidaturas ao procedimento concursal inicia-se no dia 02.01.2014 e termina no dia 16.01.2014.

ANÚNCIO. 2 - O prazo para apresentação de candidaturas ao procedimento concursal inicia-se no dia 02.01.2014 e termina no dia 16.01.2014. ANÚNCIO Por Despacho do Diretor do Centro de Estudos Judiciários, Professor Doutor António Pedro Barbas Homem, de 13 de dezembro de 2013, é aberto o procedimento concursal extraordinário e urgente de formação

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Ministério d DL 489/2012 2012.10.09

Ministério d DL 489/2012 2012.10.09 DL 489/2012 2012.10.09 O regime jurídico do acesso e do exercício da atividade de agente de navegação foi consagrado no -Lei 76/89, de 3 de março, alterado pelo -Lei 148/91, de 12 de abril. A experiência

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) -

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - PREÂMBULO A definição e implementação de uma política local promotora da dinamização da atividade

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA

PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Considerando: A importância formativa, social e cultural do voluntariado e o papel importante que o Instituto Politécnico

Leia mais

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES?

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais