UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. TUNELAMENTO IPv6 / IPv4 GLAUCIMAR FALEIRO DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. TUNELAMENTO IPv6 / IPv4 GLAUCIMAR FALEIRO DA SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TUNELAMENTO IPv6 / IPv4 GLAUCIMAR FALEIRO DA SILVA NOVEMBRO 2007

2 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TUNELAMENTO IPv6 / IPv4 Trabalho de Projeto Final de Curso apresentado por Glaucimar Faleiro da Silva à Universidade Católica de Goiás como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação, apresentado à Banca examinadora da Universidade sob orientação do professor Wilmar Oliveira de Queiroz. 2

3 TUNELAMENTO IPv6 / IPv4 GLAUCIMAR FALEIRO DA SILVA Trabalho de Projeto Final de Curso II apresentado por Glaucimar Faleiro da Silva à Universidade Católica de Goiás como parte dos requisitos para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação, sob orientação do professor Wilmar Oliveira de Queiroz. Professor Wilmar Oliveira de Queiroz Orientador Professor José Luiz de Ferreira Júnior, Dr. Coordenador de Projeto Final de Curso 3

4 DEDICATÓRIA A DEUS, pelo dom da vida. Aos meus pais e familiares que estiveram sempre comigo nessa jornada. Aos professores pelo apoio despendido para a realização deste e de outros trabalhos. 4

5 AGRADECIMENTOS Agradeço ao professor Wilmar Oliveira de Queiroz pela confiança em mim depositada para a conclusão deste trabalho. Aos professores desta universidade, especialmente do Departamento de Computação que, ao longo do curso, se dedicaram em ensinar, contribuindo para minha formação e conclusão deste curso com sabedoria. 5

6 RESUMO Apresenta-se um estudo sobre os mecanismos da transição do protocolo IPv4, versão esta que é usada atualmente na internet, para a sua nova versão, o IPv6. A mudança para a nova versão é de suma importância para o crescimento da Internet, novas tecnologias de processamento e redes, qualidade de serviço e segurança. Porém, esta mudança deve acontecer gradativamente. Será mostrado neste trabalho quais são os métodos de transição das duas versões do protocolo que atendem a este requisito afim de não causar um colapso na Internet. Palavras-chave: IPv6, Internet, Qos, Tunelamento 6

7 ABSTRACT This work presents a study of the transition mechanisms from the protocol IPv4, which is currently being used in the internet, to its latest version, the IPv6 protocol. The transition to a newer version of the protocol is of great importance towards the growth of Internet usage, new processing and network technologies and service and safety quality. On the other hand, this change may take place gradually. This work will show the transition methods for the two protocol versions which meet all requirements in order to avoid a total breakdown of the Internet. Key-words: IPv6, Internet, Qos, Tunneling 7

8 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... x LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS... xi 1. INTRODUÇÃO A ORIGEM DAS REDES E DA INTERNET IPv A INTERNET E SEU CRESCIMENTO IPv ARQUITETURA INTERNET A PILHA TCP/IP O PROTOCOLO IPv Cabeçalho IPv Endereçamento Roteamento MEDIDAS PARA EVITAR O FIM DOS ENDEREÇOS Máscara de sub-rede VLSM (Variable-Length Subnet Mask) CIDR (Classless Inter-Domain Routing) NAT (Network Address Translation) MOTIVAÇÕES PARA A MUDANÇA DE IPv4 PARA IPv O PROTOCOLO IPv HISTÓRICO MOBILIDADE IP (MIP) E O IPv IPv6 E SUAS CARACTERÍSTICAS Endereçamento composto por 128 Bits Auto-Configuração Novo formato de endereço no IPv Simplificação no cabeçalho IPv Cabeçalho para Hosts e para Roteadores

9 Múltiplos endereços por interface de rede Conectividade fim-a-fim Extensibilidade Segurança incorporada Qualidade de serviço eficiente Suporte a multiprotocolos e mobilidade CABEÇALHO IPv ENDEREÇAMENTO IPv Endereço unicast Endereço anycast Endereço multicast ROTEAMENTO IPv ICMPv SEGURANÇA NO IPv COMPARAÇÃO ENTRE IPv4 E IPv MIGRAÇÃO IPv4 PARA IPv PILHA DUPLA TRADUÇÃO DE ENDEREÇOS (NAT-PT) TUNELAMENTO Tunelamento configurado Tunelamento automático to ISATAP Teredo IMPLEMENTAÇÃO DE TUNELAMENTO CONFIGURADO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

10 LISTA DE FIGURAS Figura 2.1 O modelo TCP/IP Figura 2.2 Encapsulamento de protocolos Figura 2.3 Cabeçalho IPv Figura 2.4 Diagrama das classes IP Figura 2.5 Classes de endereço IP Figura 2.6 Diagrama de roteamento IPv Figura 2.7 Rede classe C dividida em 16 sub-redes Figura 3.1 Diagrama de comunicação MIP IPv Figura 3.2 Cabeçalho IPv Figura 3.3 Alocação do espaço de endereçamento IPv Figura 3.4 Divisão de Aggregatable Global Unicast Addresses Figura 3.5 Divisão do endereço anycast Figura 3.6 Formato do endereço multicast Figura 3.7 Cabeçalho ICMPv Figura 3.8 Mensagens ICMPv Figura 3.9 Comparação entre IPv4 e IPv Figura 4.1 Interoperabilidade entre IPv6 e IPv Figura 4.2 Diagrama de funcionamento da Pilha Dupla Figura 4.3 Diagrama de tunelamento IPv6-in-IPv Figura 4.4 Formato de um endereço do tipo 6to Figura 5.1 Topologia de um tunelamento configurado Figura 5.2 ICMPv6 (echo request) dentro de um túnel IPv6-in-Pv Figura 5.3 ICMPv6 (echo reply) dentro de um túnel IPv6-in-Pv

11 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS CIDR Classless Inter Domain Routing DES Data Encryption Standard DNS Domain Name System FTP File Transfer Protocol HTTP Hyper-text Transfer Protocol ICMP Internet Control Message Protocol IGMP Internet Group Management Protocol IPNG Internet Protocol Next Generation IPv4 Internet Protocol version 4 IPv6 Internet Protocol version 6 IPX Internetwork Packet Exchange ISATAP Intra-Site Automatic Tunnel Addressing Protocol MIP Mobilidade IP MN Mobile Node MTU Maximum Transmission Unit NAT Network Address Translation NLA Next-Level Aggregation NSAP Network Service Access Point PPP Peer-to-Peer Protocol SLA Site-Level Aggregation TCP Transmission Control Protocol TLA Top-Level Aggregation UDP User Datagram Protocol VLSM Variable Length Subnet Mask 11

12 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1.1 A ORIGEM DAS REDES E DA INTERNET Uma rede de computadores consiste de dois ou mais computadores e outros dispositivos ligados entre si e compartilhando informações, impressoras, trocando mensagens ( s), etc. Antes do advento das redes de computadores baseadas em algum tipo de sistema de telecomunicação, a comunicação entre máquinas calculadoras e computadores antigos era realizada por usuários através do carregamento de instruções entre eles. Em setembro de 1940, George Stibitz usou uma máquina de teletipo para enviar instruções para um conjunto de problemas a partir de seu Model K na Faculdade de Dartmouth em New Hampshire para a sua Calculadora de Números Complexos em Nova Iorque e recebeu os resultados de volta pelo mesmo meio. Conectar sistemas de saída como teletipos a computadores era um interesse na Advanced Research Projects Agency (ARPA) quando, em 1962, J. C. R. Licklider foi contratado e desenvolveu um grupo de trabalho o qual ele chamou de a Rede Intergaláctica, uma precursora da ARPANet. Em 1964, pesquisadores de Dartmouth desenvolveram o Sistema de Compartilhamento de Tempo de Dartmouth para usuários distribuídos de grandes sistemas de computadores. No mesmo ano, no MIT (Massachusetts Institute of Technology), um grupo de pesquisa apoiado pela General Electric e Bell Labs usou um computador (DEC s PDP-8) para rotear e gerenciar conexões telefônicas. Durante a década de 1960, Leonard Kleinrock, Paul Baran e Donald Davies, de maneira independente, conceituaram e desenvolveram sistemas de redes os quais usavam datagramas ou pacotes, que podiam ser usados em uma rede de comutação de pacotes entre sistemas de computadores. Em 1969, a Universidade da Califórnia em Los Angeles, SRI (em Stanford), a Universidade da Califórnia em Santa Bárbara e a Universidade de Utah foram conectadas com o início da rede ARPANet usando circuitos de 50 kbits/s. [6] 12

13 A origem da Internet vem dos tempos da guerra fria, quando então as duas potências, Estados Unidos e a antiga União Soviética, disputavam uma corrida tecnológica. O governo estadunidense queria desenvolver um sistema que possibilitasse a comunicação entre bases militares. Foi então que o Departamento de Defesa dos Estados Unidos iniciou um projeto chamado ARPANET que realizou a interconexão de computadores, através de um sistema chamado de chaveamento de pacotes no qual as informações a serem transmitidas na rede de computadores são divididas em pequenos pacotes, que contém um trecho de dados, o endereço do destinatário (que será descrito mais adiante) e informações que permitiam a remontagem da mensagem inicial no seu destinatário. O sucesso do sistema criado pela ARPANET foi tamanho que as redes agora eram voltadas para áreas de pesquisa científicas das universidades. Com isso, a ARPANET começou a ter dificuldades de administrar todo esse sistema devido ao número crescente de localidades universitárias contidas nela. O acesso, então, à ARPANET foi permitido aos cientistas, que, mais tarde, cederam o acesso a universidades de outros países e a pesquisadores domésticos, disseminando essa tecnologia. Em síntese, a Internet é um conjunto de computadores interconectados, os quais possuem um conjunto de protocolos e serviços, de modo a proporcionar aos usuários, acesso a informações e comunicação em âmbito mundial. Para que diferentes computadores possam usufruir desses serviços de informação e comunicação, são necessárias regras para prover todo o transporte e serviços de encaminhamento de informações. Essas regras são chamadas de protocolos e o modelo de referência que predomina em toda a rede atualmente é a pilha TCP/IP. Esse modelo de referência utiliza dois protocolos, que são os mais importantes: o TCP (Transmission Control Protocol) e o IP (Internet Protocol). O TCP/IP proporciona ao usuário uma visão de que a Internet é uma única rede que interconecta todos os computadores. Cada um desses computadores interconectados possui um endereço único, chamado endereço IP, que os identifica. Esse endereço IP possibilita que as informações circulem pela rede e sejam encaminhados corretamente aos seus destinatários. 13

14 1.2 IPv4 Se todos os computadores e dispositivos disponíveis com acesso à Internet fossem conectados simultaneamente com endereços válidos, a Internet sofreria um colapso. Isso por que cada máquina que entra na rede precisa de um endereço para ser reconhecida e o número de endereços (endereços IP) está cada vez mais reduzido. O protocolo IP está em sua versão 4 (IPv4). Essa versão oferece um endereço de tamanho 32 bits, o que dá um total de 2 32 (cerca de 4,3x10 9 ) combinações possíveis de endereços. O IPv4 data de setembro de 1981, quando sua RFC foi publicada. Desde então, o crescimento da Internet tem sido o maior consumidor de endereços IP, o que é um problema, já que o IPv4 não foi projetado para tamanho crescimento. [2] 1.3 A INTERNET E SEU CRESCIMENTO Com o desenvolvimento do sistema de Hiper Texto, criado no final da década de 80, aliado à criação da WWW (World Wide Web) na década de 90, a Internet sofre um grande impulso no número de usuários. Até então, essas idéias apareceram apenas para o compartilhamento de informações e pesquisas entre os cientistas. Em 1992, surge o primeiro navegador para a Internet, o Mosaic, capaz de interpretar gráficos e realizar navegações entre links, como é visto atualmente na Web. A possibilidade de se trafegar imagens, sons era muito atraente. Nesse momento todo mundo começou a prestar mais atenção na Internet e na Web. Logo surgiu um grande interesse comercial pela Rede. Além disso, a disponibilidade de novos serviços de diretório, indexação e pesquisa que ajudam os usuários a descobrir as informações de que precisam na imensa Internet foram fatores primordiais para o seu crescimento. A maioria desses serviços surgiu em função dos esforços de pesquisas das universidades e evoluíram para serviços comerciais. E-commerce é um tema moderno e ao mesmo tempo tradicional envolvendo televendas e tele atendimento. A principal questão está centralizada na nova filosofia de percepção de compra eletrônica, na definição de um internauta e sua percepção de realização da compra através de um novo canal de comunicação, a Internet. Para compreender a filosofia do comércio eletrônico é necessário entender o mecanismo de tele vendas e tele atendimento como sendo a primeira tentativa de venda "virtual" que surgiu no início da década de 80 e procura incorporar os seguintes conceitos: 14

15 Desmaterialização: substituição gradativa do movimento e contato físico por informação telefônica ou via catálogos e um contato virtual; Desintermediação: substituição de um ou mais intermediários na cadeia de venda do produto; Grupo de afinidades: são produtos e serviços que possuem similaridades (em termo de divulgação e consumo) e que oferecem ao consumidor soluções apenas visuais, cujas características são inquestionáveis em termo de qualidade, preços e garantias. Algumas empresas implementam o conceito e a infra-estrutura necessária para operar um centro de atendimento ao cliente, os chamados call-centers. Surgiram os sistemas de informação, os banco de dados, sistemas de telefonia com unidade de respostas audíveis, profissionais de tele atendimento e a interação entre comandos, dados e voz, que representa o ponto máximo de evolução do atendimento virtual. Os recursos de telefonia integrados com sistemas de banco de dados aliados a uma filosofia de televendas proporcionam o início do comércio eletrônico que "acoplou" os recursos de Internet, home page, browser, servidor Web e provedor de acesso. Esse novo jeito de vender foi um grande impulso para o crescimento da Internet. O site Netcraft, especializado em auditoria de Internet, divulgou em julho de 2005 uma pesquisa que o mês de junho desse mesmo ano representou um dos maiores aumentos mensais de sites na grande rede. Segundo a pesquisa o aumento em junho daquele ano foi de cerca de 2,76 milhões de hostnames (perdendo apenas para os 3,3 milhões de março de 2003). Já são, por resultados destas pesquisas mensais do Netcraft, 30 meses seguidos de crescimento. Dentre os fatores preponderantes para o crescimento, destacam-se, de acordo com a equipe do Netcraft, o aumento do uso da Internet por parte de pequenas empresas, por conta dos menores custos na adoção de um site, os weblogs, especulação no mercado em relação a nomes de domínios, vendas on-line e propaganda. Estima-se que a Internet cresce, no mundo todo, cerca de 10% ao mês. Ainda este ano, a rede atingirá um bilhão de internautas, 10 bilhões de aparelhos eletrônicos vão estar conectados entre si. O comércio eletrônico, no Brasil, vai movimentar aproximadamente R$ 4,5 bilhões. As estimativas dizem ainda que 66% dos usuários residenciais têm banda larga, 98% das Empresas usam Internet e procuram fornecedores através dela, cinco 15

16 milhões de usuários compram via Internet, treze milhões usam a Internet para acessarem sites de bancos. [4] [6] [13] [14] Nenhum outro meio na história cresceu tanto como a Internet. O rádio precisou de 38 anos para alcançar 50 milhões de ouvintes. Treze anos foram necessários para que a televisão alcançasse 50 milhões de espectadores, enquanto que a Internet alcançou 50 milhões de usuários em apenas quatro anos. Infelizmente a Internet não foi projetada para suportar tal crescimento. [13] Desde 1999 o IANA (Internet Assigned Numbers Authority) instituição que controla os endereços IP no mundo, vem alertando os especialistas e usuários de Internet sobre o esgotamento iminente do número de endereços IP. Desde então, novas idéias foram sendo abordadas e implementadas. Idéias estas que vão desde o racionamento de endereços, soluções estas de caráter emergencial que não acompanham o crescimento da Internet, até a adoção de uma nova versão do protocolo, o IPv6. [4] [6] 1.4 IPv6 Muito foi discutido sobre esse problema que a cada dia agrava-se mais, até que em julho de 1999 foi discutido e aprovado pelo IANA o novo modelo de endereçamento que seria adotado como padrão do novo protocolo: o IPv6 Com uma capacidade de endereçamento na escala de 3,4x10 38 (o novo padrão de endereçamento possui 128 bits), o IPv6 vem se mostrando a melhor solução para resolver o problema do número escasso de endereços IP existentes. Além disso, o IPv6 é muito mais que aumento da capacidade de endereçamento. Melhorias como melhores tempos de resposta, maior segurança, maior mobilidade, endereçamento automático, foram incorporadas ao novo padrão. Estima-se que os Estados Unidos vão gastar cerca de 30 bilhões de dólares para a transição da sua estrutura de redes para o protocolo IPv6. Estima-se também que em 2008, toda a rede estadunidense terá migrado para o novo protocolo. No Japão, há incentivos por parte do governo no sentido de produzir equipamentos preparados para o novo protocolo em escala comercial, enquanto no Brasil, ainda é preciso fazer um trabalho de conscientização quanto à importância dessa evolução. [6] [13] Como visto na seção 1.3, a Internet tomou proporções astronômicas. Não é possível simplesmente substituir todos os roteadores e dispositivos que fazem parte da infra- 16

17 estrutura da Internet ou seus firmwares, haja vista que a Internet sofreria um colapso. É humanamente impossível que a Internet durma IPv4 e acorde IPv6. Um processo de transição com uma rede híbrida se faz necessário. Com base nestes fatos, esse trabalho objetiva mostrar as formas de transição do protocolo IPv4 para a nova versão do protocolo, o IPv6, detalhando uma das propostas para se trabalhar com o IPv4 e IPv6 na estrutura existente até a migração total para o novo protocolo. [6] [7] [8] No capítulo 2, serão abordadas definições relativas à arquitetura Internet, seu modelo de camadas e o protocolo IPv4. Também será exposto as medidas tomadas para evitar o fim dos endereços bem como as motivações para a migração para uma nova versão do protocolo IP. No capítulo 3, serão apresentadas as definições do protocolo IPv6, mostrando suas principais características, mudanças e implicações em relação à versão atualmente utilizada. Também serão descritos aspectos de roteamento e a interação com outros protocolos. No capítulo 4, serão discutidas as técnicas de migração do IPv4 para o IPv6, as vantagens e desvantagens de cada uma dessas técnicas e os pré-requisitos de cada uma. No capítulo 5, será apresentada uma implementação de um túnel configurado em um ambiente de rede local. Será comentada, também, a utilização dessa técnica na Internet. No capítulo 6, serão apresentadas as conclusões deste trabalho. 17

18 CAPÍTULO II ARQUITETURA INTERNET 2.1 A PILHA TCP/IP Na pilha TCP/IP, o modelo que é dividido em camadas e uma destas camadas é o próprio protocolo IP. Na figura 2.1 está a descrição destas camadas: MODELO TCP/IP Aplicação Transporte Inter-redes (Internet) Física Figura 2.1 O modelo TCP/IP [1] Aplicação faz a comunicação entre os aplicativos e a camada de transporte. Corresponde ao nível mais alto, onde os usuários executam aplicações que utilizam recursos disponíveis em uma rede TCP/IP e é onde são tratadas as compatibilidades entre os vários protocolos. As aplicações são responsáveis por funções como transferência de arquivos, acesso a terminais remotos, execução de tarefas remotas, correio eletrônico, visualização de páginas, etc. Transporte - é responsável por receber os dados enviados pela camada de aplicação e transformá-los em segmentos, a serem repassados para a camada de Inter-redes. É responsável também pelo controle de envio e recepção (erros, bufferização, seqüência, reconhecimento, etc.). Esta camada provê a comunicação entre as duas camadas de transporte, a de origem e a destino, chamadas de fim a fim, isto é, uma entidade desta camada só se comunica com a sua entidade-par do host destinatário. O serviço é ou não 18

19 confiável, tendo controle de erro e seqüência com mecanismos de identificação dos processos de origem e de destino recebendo dados da camada de aplicação e os dividindo em unidades menores, com o endereço de destino para a camada de rede. Pode ser um serviço orientado a conexão (ponto a ponto), e pode controlar o fluxo de informações. Camada Inter-redes - A camada Inter-redes trata da comunicação entre máquinas. Fornece funções necessárias para interconectar redes e gateways formando um sistema coerente. É responsável pela entrega de dados desde a origem até o destino final. Esta camada aceita uma requisição de envio de pacote, vinda da camada de transporte, com a identificação da máquina para onde o pacote deve ser transmitido, encapsula o pacote em um datagrama IP, preenche o cabeçalho do datagrama, usa um algoritmo de roteamento para determinar se o datagrama deve ser entregue diretamente, ou enviado para um gateway e, finalmente, o datagrama é passado para a interface de rede apropriada, para que este possa ser transmitido. A camada Inter-rede é uma camada não orientada à conexão, portanto se comunica através de datagramas. Camada Física - também chamada camada de abstração de hardware, tem como função principal a interface do modelo TCP/IP com os diversos tipos de redes (X.25, ATM, FDDI, Ethernet, Token Ring, Frame Relay, sistema de conexão ponto-a-ponto, etc.). Como há uma grande variedade de tecnologias de rede, que utilizam diferentes velocidades, protocolos, meios transmissão, etc. esta camada não é normatizada pelo modelo, o que provê uma das grandes virtudes do modelo TCP/IP: a possibilidade de interconexão e inter-operação de redes heterogêneas. Esta camada corresponde ao nível de hardware, ou meio físico juntamente com o software que controla os sinais elétricos. Os protocolos da camada física enviam e recebem dados em forma de pacotes, que contém um endereço de origem, um endereço de destino e os dados propriamente ditos. Na figura 2.2, é possível observar o encapsulamento do datagrama e as suas respectivas camadas. [2] 19

20 Figura 2.2 Encapsulamento de Protocolos [2] 2.2 O PROTOCOLO IPv4 Definido pela RFC 791, o IP é um acrônimo para a expressão Internet Protocol (protocolo de Internet), protocolo este mais importante atualmente na transmissão de dados entre computadores, ou seja, o protocolo do qual depende toda a Internet. [1] Como visto anteriormente, o protocolo IP é parte essencial na pilha TCP/IP. Os dados numa rede IP são enviados em blocos conhecidos como pacotes ou datagramas. Em particular, no IP, nenhuma definição é necessária antes do host tentar enviar pacotes para um host com o qual não comunicou previamente. O IP oferece um serviço de datagramas não confiável (também chamado de melhor esforço), ou seja, o pacote é entregue sem garantias. O pacote pode chegar fora de seqüência (comparado com outros pacotes enviados entre os mesmos hosts), também podem chegar duplicados, ou podem ser 20

21 perdidos por inteiro. Se a aplicação precisa de confiabilidade, esta é adicionada na camada de transporte Cabeçalho IPv Versão (4 bits) Tempo de Vida (8 bits) Comp. do Cabeçalho (4 bits) Identificação (16 bits) Tipo de Serviço (8 bits) Flags (3 bits) Protocolo da Camada Superior (8 bits) Endereço de Origem (32 bits) Endereço de Destino (32 bits) Opções IP (se houver) - Enchimento (de 0 a 320 bits) Dados 32 bits Figura 2.3 Cabeçalho IPv4 [1] Comprimento do datagrama (16 bits) Deslocamento de Fragmentação (13 bits) Soma de Verificação (16 bits) Segundo o RFC 791, o cabeçalho IPv4 é definido da seguinte forma: Versão: O primeiro campo do cabeçalho de um datagrama IPv4 é o campo de versão do protocolo. Possui 4 bits; Comprimento do Cabeçalho: Esse campo tem o tamanho de 4 bits e contém o número de palavras de 32 bits no cabeçalho IPv4. Como o cabeçalho IPv4 pode conter um número variável de opções, este campo essencialmente especifica o começo da porção de dados de um datagrama IPv4, que é utilizado na fragmentação do pacote. Um cabeçalho mínimo tem 20 bytes de comprimento, logo o valor mínimo, em decimal, no campo cabeçalho é 5; Tipo de Serviço ToS: Com um tamanho de 8 bits, a intenção original desse campo era para um host especificar uma preferência para como os datagramas poderiam ser manuseados assim que circulassem pela rede. Por exemplo, um host pode definir o campo de valores do seu ToS dos datagramas IPv4 para preferir pequeno atraso (delay), enquanto que outros podem preferir alta prioridade. Na prática, o campo ToS não foi largamente implementado. Contudo, trabalho 21

22 experimental, de pesquisa e desenvolvimento se focou em como fazer uso destes oito bits; Comprimento do Datagrama: Esse campo de 16 bits define o tamanho do datagrama, em bytes, incluindo cabeçalho e dados. O datagrama de tamanho mínimo é de 20 bytes e o máximo é (64 Kbytes). O tamanho máximo do datagrama que qualquer host requer para estar apto para manusear são 576 bytes, mas os hosts mais modernos manuseiam pacotes bem maiores. Por vezes, as subredes impõem restrições no tamanho, em cada caso os datagramas têm que ser fragmentados. A fragmentação é manuseada quer no host quer no roteador de pacotes no IPv4; Identificação: O campo identificação tem o tamanho de 16 bits e é usado principalmente para identificar fragmentos do datagrama IP original; Flags: O campo de 3 bits é usado para controlar ou identificar fragmentos, além de informar se o datagrama pode ou não ser fragmentado; Deslocamento de Fragmentação: Este campo possui 13 bits e permite que um receptor determine o posicionamento de um fragmento em particular no datagrama IP original em relação aos demais fragmentos em unidades de 8 bytes. O primeiro fragmento é igual à zero; Tempo de Vida - TTL: É um campo de 8 bits que ajuda a prevenir que os datagramas entrem em loop numa rede. Historicamente, o campo TTL limita a vida de um datagrama em segundos, mas tornou-se num campo de contagem de hops (saltos). Cada roteador que um datagrama atravessa decrementa o campo TTL em um valor. Quando o campo TTL chega a zero, o pacote não é seguido por um switch de pacotes e é descartado; Protocolo da Camada Superior: Campo de 8 bits. Este campo define o protocolo seguinte usado numa porção de dados de um datagrama IP. A Internet Assigned Numbers Authority (IANA) mantém uma lista de números de protocolos. Os protocolos comuns e os seus valores decimais incluem o Protocolo ICMP (Internet control message protocol), o Protocolo TCP (Transmission Control Protocol); Soma de Verificação: Com 16 bits, esse é o campo de verificação (checksum) para o cabeçalho do datagrama IPv4. Um pacote em trânsito é alterado por cada roteador 22

23 que atravessa. A transmissão pode comprometer o pacote, e a soma de verificação é uma simples forma de detectar a consistência do cabeçalho. Este valor é verificado a cada novo roteador. Envolve apenas verificação do cabeçalho (não dos dados); Endereço de origem: Campo com 32 bits que identifica quem é o remetente do pacote e, por conseqüência, indica a quem deverá ser enviado a resposta; Endereço de destino: Esse campo possui 32 bits e possui o endereço do destino do pacote; [2] [7] [8] Opções: Com uma variação de tamanho que vai de 0 a 320 bits, é um campo opcional. Se existir conterá informações adicionais que podem ser de roteamento, horário ou segurança. Consiste de um byte com a identificação da opção e uma quantidade variável com as informações específicas. Um datagrama IP pode transportar várias opções simultaneamente. As opções são usadas basicamente como forma de verificação e monitoração de uma rede IP, mas são raros os programas que as implementam Endereçamento Quando se diz que a Internet não foi projetada para o crescimento descrito na seção 1.3, significa, na verdade, que o protocolo IPv4 não foi projetado para acompanhar o crescimento da Internet. Isso se dá devido à limitação do protocolo em endereçar os hosts conectados à rede. O endereçamento IPv4 é dividido em classes. A definição de classes de endereços deve-se ao fato do tamanho das redes que compõem a inter-rede variarem muito, indo desde redes locais de pequeno porte, até redes públicas interligando milhares de hosts. A identificação das classes do IPv4 pode ser feita seguindo o diagrama representado pela figura 2.4: 23

24 Início 1.o bit o bit 3.o bit 4.o bit Classe E Classe A Classe B Classe C Classe D Figura 2.4 Diagrama das classes IP Se o endereço em questão começar com o primeiro bit igual a 0, então trata-se de um endereço classe A. Se o endereço começar com o primeiro bit igual a 1 e o bit seguinte for igual a 0, então este endereço é de classe B. Se começar com os dois primeiros bits iguais a 1 e o próximo bit for igual a 0 o endereço é de classe C. Se os 3 primeiro bits do endereços forem iguais a 1 e o bit seguinte for igual a 0, trata-se de um endereço classe D. E finalmente, quando os 4 primeiros bits do endereço em questão forem iguais a 1, então o endereço é de classe E. Esse endereçamento em classes faz com que haja uma diferença gigantesca entre os números de hosts que cada classe suporta. Por exemplo, uma rede classe B com máscara padrão tem hosts, enquanto uma rede classe C com máscara padrão tenha apenas 254 hosts. Isso fez com que várias empresas acabassem optando pela classe B. O endereço IP, na versão 4 (IPv4), é um número de 32 bits escrito com quatro octetos e no formato decimal (exemplo: ). A primeira parte do endereço identifica uma rede específica na inter-rede, a segunda parte identifica um host dentro dessa rede. Nota-se que um endereço IP não identifica uma máquina individual, mas uma conexão à inter-rede. Assim, um gateway conectado à n redes tem 'n' endereços IP diferentes, um para cada conexão. Os endereços IP podem ser usados tanto para se referir às redes quanto a um host individual. Por convenção, um endereço de rede tem o campo identificador de host com todos os bits iguais a 0 ( ). É possível também se referir a todos os hosts de uma rede através de um endereço por difusão, quando, por convenção, o campo identificador de host deve ter todos os bits iguais a 1 ( ). Um endereço com todos os 32 bits 24

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço Endereçamento Endereçamento IP Para que dois sistemas quaisquer comuniquem-se, eles precisam ser capazes de se identificar e localizar um ao outro. Um computador pode estar conectado a mais de uma rede.

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte III Endereçamento IP e roteamento Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Formato do endereço Classes de endereços Endereços especiais Sub-rede e máscara VLSM (Variable Length

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Conceitos Pacote (ou datagrama) IP Formato Campos do cabeçalho Encapsulamento Fragmentação e

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Todo o material aqui disponível pode, posteriormente,

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de e-systems: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global: Comunicações

Leia mais

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 Endereçamento IP S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 2.1 Endereçamento IP...04 2.2 Conversão decimal/binário...05 2.3 Endereçamento IPv4...06 2.4 Endereços

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

IPv6 A nova versão do Protocolo IP

IPv6 A nova versão do Protocolo IP IPv6 A nova versão do Protocolo IP A internet precisa continuar crescendo... Agenda A Internet e o TCP/IP Entendendo o esgotamento do IPv4 Por que IPv6? O que melhorou? Nova estrutura do IPv6 Técnicas

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Ipv6. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília. Campus Taguatinga. PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M.

Ipv6. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília. Campus Taguatinga. PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília Campus Taguatinga Matéria: REDES Professor: Frederico PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M. da Silva Ipv6 Taguatinga-DF 2012 INTRODUÇÃO

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 2. ENDEREÇOS IP... 3 3. ANALISANDO ENDEREÇOS IPV4... 4 4. MÁSCARA DE SUB-REDE... 5 5. IP ESTÁTICO E

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet Arquitetura TCP/IP Filosofia da Internet foi projetada p/: ser aberta o bastante p/ permitir a execução em uma grande variedade de equipamentos de resistir a possíveis danos que prejudicassem seu funcionamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores TCP/IP Fabricio Breve Fundamentos Atualmente é o protocolo mais usado em redes locais Principal responsável: Popularização da Internet Mesmo SOs que antigamente só suportavam seu

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Endereçamento e Roteamento IP

Endereçamento e Roteamento IP Endereçamento e Roteamento IP Redes TCP/IP O objetivo deste módulo é explicar como funciona a atribuição de endereços IP com classe e sem classe e como configurar logicamente tabelas de roteamento. Obs.

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - A CAMADA DE REDE (Parte 2) 1. Flooding (Inundação) Outro algoritmo estático é o algoritmo de inundação, no qual cada pacote de entrada é enviado para todas as linhas de saída, exceto para aquela

Leia mais

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados Introdução Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados 1 Objetivo Apresentar os conceitos básicos do: Modelo de referência OSI. Modelo de referência TCP/IP.

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Apresentar os conceitos da camada de rede e seus principais protocolos. Camada de

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 1. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 1. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 1 Prof. Dr. S. Motoyama 1 O Problema de Interconexão de redes Problema: Como interconectar efetivamente redes heterogêneas? Três problemas com interconexão a nível de enlace

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

O QUE É O ENDEREÇO IP

O QUE É O ENDEREÇO IP O QUE É O ENDEREÇO IP O uso de computadores em rede, tal como a internet, requer que cada máquina possua um identificador que a diferencie das demais. É necessário que cada computador tenha um endereço,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Conteúdo. Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing

Conteúdo. Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing EndereçamentoIP Conteúdo Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing Endereçamento IP Serviço de Comunicação Universal Um sistema de comunicação

Leia mais

ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS

ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS REDES PARA TODOS ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS rffelix70@yahoo.com.br Endereço IP classful Quando a ARPANET foi autorizada em 1969, ninguém pensou que a Internet nasceria desse humilde projeto inicial

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 TCP-IP - Introdução Aula 02 Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 História 1969 - Advanced Research Project Agency (ARPA) financia a pesquisa e o

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

PROTOCOLO IP O esgotamento dos endereços IP.

PROTOCOLO IP O esgotamento dos endereços IP. 1 PROTOCOLO IP O IP é o protocolo mais importante na Internet. Ele é quem define as regras através das quais as informações fluem na rede mundial. Uma das principais regras diz que: Cada computador deve

Leia mais

Aula 06 Revisão Endereçamento IP Subnetting / VLSM / CIDR

Aula 06 Revisão Endereçamento IP Subnetting / VLSM / CIDR Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 06 Revisão Endereçamento IP Subnetting / VLSM / CIDR 2014/1 Roteiro de Aula Endereçamento IP Segundo Filippetti

Leia mais

3. Arquitetura TCP/IP

3. Arquitetura TCP/IP 3. Arquitetura TCP/IP A arquitetura internet foi criada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, com o objetivo de se ter uma rede interligando várias universidades e órgãos do governo de maneira

Leia mais

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Leonardo Jalkauskas IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Agosto 2010 Redes de Computadores e Telecomunicações 2 IPv6 Internet Protocol versão 6 Características e Limitações do IPv4 Objetivos e

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP

Introdução ao Protocolo TCP/IP Introdução ao Protocolo TCP/IP Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento na Rede

Leia mais

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP Modelos OSI e TCP/IP Modelo em camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Comparação dos modelos Endereçamento de rede Modelo de camadas Encapsulamento Desencapsulamento Modelo OSI Sistema

Leia mais

Aula 5 Cálculo de máscara e de subredes

Aula 5 Cálculo de máscara e de subredes 1 Aula 5 Cálculo de máscara e de subredes 5.1 Conceitos Quando um host se comunica com outro usa o endereço de enlace dele. Os endereços de hardware das placas de rede, ou MAC Address, são constituídos

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Aula 3. Objetivos. A internet.

Aula 3. Objetivos. A internet. Aula 3 Objetivos A internet. Uma rede é... usando Um ambiente onde pessoas se comunicam e trocam idéias que requerem Um conjunto de aplicações e serviços distribuídos criando realizada através de Uma disciplina

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Slide 1 Endereçamento IPv4 Tem comprimento de 32bits (4 bytes); São escritos em notação decimal separados por ponto; Cada interface de um sistema conectado a internet

Leia mais

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Características Baseado em tabelas de encaminhamento (routing) Efectuado pelos routers e pelas máquinas

Leia mais

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 Disciplina Fundamentos de Redes Introdução ao Endereço IP 1 Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 PROTOCOLO TCP - ARQUITETURA Inicialmente para abordamos o tema Endereço IP, é necessário abordar

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável

Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável Por Carlos E. Morimoto em 26 de setembro de 2007 às 09h16 Introdução O endereçamento IP é sempre um tema importante, já que é ele que permite

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP. Unidade I:

Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP. Unidade I: Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP Unidade I: 0 Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP CIDR Classless Inter-Domain Routing Em 1992, os membros do IETF começaram a ficar preocupados com o

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Lembrar a estrutura organizacional do cliente ajuda a planejar a atribuição de endereços e nomes O mapa topológico também ajuda, pois indica onde há hierarquia

Leia mais

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP Camadas do Modelo TCP TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES Pilha de Protocolos TCP/IP 1 A estrutura da Internet foi desenvolvida sobre a arquitetura Camadas do Modelo TCP Pilha de Protocolos TCP/IP TCP/IP

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais