Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS"

Transcrição

1 Neste veiculo podem ser lidos todos os atos oficiais do Prefeitura de Campo Alegre de Lourdes-BA 27 de dezembro de 2013 ano vii edição 97 Documento assinado digitalmente conforme MP no de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. publicar assessoria e publicações legais ltda. tel > Caderno 01: Atos Oficiais > Caderno 02: Contas Públicas > Caderno 03: Licitaões e Contratações > Caderno 04: Instr. de Gestão Fiscal Legislação Municipal. Lei 9.755/98 Lei 8.666/93 e lei /02 Lei 101/00 Imprensa Eletrônica Veículo de transparência da administração pública Caro usuário, no intuito de facilitar a informação e transparência do município, este diário oficial esta disponibilizando cadernos em formato digital, onde estão contidos todos os atos da administração pública do Poder Executivo. Abaixo, apresentamos um sumário analítico para facilitar a localização das publicações de cada ato de interesse a consulta. Caderno 01: ATOS OFICIAIS Atos de Pessoal: Lei do estatuto dos servidores municipais e do regime jurídico único, Lei que estabelece os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público, Outras disposições legais instituídas pelo município, Ato que criou os cargos ou empregos e sua vacância no quadro de pessoal,. Edital de concurso público, Homologação das inscrições, Resultado dos aprovados e sua classificação, Homologação do concurso após julgamento do último recurso, Outros atos de concurso, 0. Edital dirigido aos aprovados em concurso público convocando para passe, Nomeação de servidor efetivo, celetista, temporário ou comissionado, Promoção, Transferência, Reintegração, Aproveitamento, Reversão, Readaptação, Recondução, Exoneração, Demissão, Aposentadoria, Falecimento, Outros atos de pessoal, Ato de nomeação da comissão de sindicância. Atos Normativos: Circulares, Decretos,. Despachos, Leis, Portarias, Resoluções, Outros Atos Normativo. Atos Financeiros:: A Programação Financeira,. O Cronograma da Execução Orçamentária, O Quadro Trimestral das Despesas,. Prestação das Contas,. Créditos Adicionais,. Outros Atos Financeiros. Outros Atos Administrativos: Atas e Deliberações dos conselhos municipais,. Alvarás e demais atos administrativos, Outros atos administrativos. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS Lei 9.755/98: Balanço orçamentário,. Compras, Contratos e seus aditivos,. Demonstrativo de receitas e despesas, Execução dos orçamentos, Orçamentos anuais, Tributos arrecadados. Caderno 03: LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES Lei 8.666/93: Aviso da Adjudicação, Aviso da Anulação, Aviso da Cessão de uso, Aviso da Constituição de comissão de licitação, Aviso da Convocação para sorteio, Aviso da Dispensa, Aviso da Homologação, Aviso da Impugnação de edital /convite, Aviso da Inexigibilidade, Aviso da Notificação de penalidades a licitantes, Aviso da Permissão de uso, Aviso da Rescisão de contrato, Aviso da Revogação, Aviso de abertura de concorrência, tomada de preço, concurso e leilão, Aviso de Julgamento de Habilitação de licitantes, Aviso de modificação de edital de concorrência, tomada de preço, Concurso e Leilão, Aviso do Adiamento de licitação, Aviso do Contrato, Aviso do Julgamento e classificação de propostas, Aviso do Parecer e deliberações da comissão julgadora, Aviso do Recurso, Aviso do Registro de preço, Aviso do Termo Aditivo, Outros tipos de avisos de licitação, Portaria de nomeação de compradores e comissões de licitações, Relação de todas as compras feitas pela administração direta ou indireta, de maneira a clarificar a identificação do bem comprado, seu preço unitário, a quantidade adquirida, o nome do vendedor e o valor total da operação, podendo ser aglutinadas por itens as compras feitas com dispensa e inexigibilidade de licitação. Lei /02: Aviso Adjudicação, Aviso de Anulação,. Aviso de Homologação, Aviso de Impugnação de Edital, Aviso de Nomeação do Pregoeiro e sua Equipe de Apoio.. Aviso da Revogação, Aviso de Convocação dos Interessados,. Aviso de Julgamento e Habilitação dos Licitantes,. Aviso de Modificação do Edital do Pregão, Aviso do Cancelamento, Aviso do Extrato do Contrato, Aviso do Julgamento e Classificação de Propostas, Aviso do Parece de Deliberação do Pregoeiro,. Aviso do Recurso,. Edital do Pregão, Outros Tipos de Aviso de Licitação. Caderno 04: INSTRUMENTO DE GESTÃO FISCAL Lei 101/00: Leis de diretrizes orçamentárias, Orçamentos, Parecer prévio, Planos, Prestação de contas, Relatórios de gestão fiscal, Relatórios resumidos da execução orçamentária, Versões simplificadas desses documentos.

2 2 27 de dezembro de 2013 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba Atos Normativos

3 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba 27 de dezembro de PREFEITURAMUNICIPALECAMPOALEREE LOURESESTAO ABAHIA ABINETEAPREFEITA LEI N312E1EEEMBROE2013. Institui o noo Cdigo Tributrio e de Rendas do Municio de Cao AlegredeLourdes. A PREFEITA MUNICIPAL E CAMPO ALERE E LOURES ESTAO A BAHIA ao saber ue acara deereadores aroar eeusancionarei aseguinte Lei: ASISPOSIESPRELIMINARES Art. 1 Esta Lei institui o Cdigo Tributrio e de Rendas do Municio de Cao AlegredeLourdesnoEstadodaBaiaueregulaediscilinacoundaento na Constituio Federal Cdigo Tributrio Nacional Leis Coleentares Lei Orgnica domunicio eplanoiretordeesenoliento UrbanoPUosistea tributriounicialeasnorasaliceisnomunicioincluindoosdireitosgarantiase obrigaesdoscontribuintes. Art. 2 Alicaseas disosiesdeste Cdigoaossueitosassiosde obrigaes tributrias e a uaisuer essoas sicas ou urdicas riadas ou blicas ue eso nosendosueitos assiosrelacionase coaadinistrao Pblicaesua atiidadedetributaoiscaliaoearrecadaodetributoserendas. LIROI OESTATUTOOCONTRIBUINTE TTULOI ASISPOSIESPRELIMINARES Art.3Osdireitos garantiaseobrigaes doscontribuintes estabelecidos nestecdigo toobetiode: Irooeroborelacionaentoentreoiscoeocontribuintebaseadonacooerao noreseito tuo enaarceriaisando caacitar omunicio dosrecursos necessrios aocurientodesuasatribuiesconstitucionaiselegais; II reenirerotegerocontribuinteouresonselcontraoeerccioabusiodooder deiscaliardelanaredecobrartributoinstitudoelei; IIIassegurar a ala deesa dos direitos dosueito assio deobrigao tributria no bitodorocessoadinistratioiscaleuetierlegtiointeresse;

4 4 27 de dezembro de 2013 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba I assegurar a adeuada e eficaz prestaçãode serviçosgratuitos de orientaçãoaos contribuintes; assegurarumaformalícitadeapuraçãodeclaraçãoerecolimentodetributos previstosemleis. Iasseguraroregulareercíciodafiscalizaçãotributária. TTUOII OIREITORNTIEOBRIEOCONTRIBUINTE rt.ãodireitosdocontribuinte: I o adeuado e eficaz atendimento pelos rgãos e unidades da refeitura Municipal; II aigualdade detratamentocomrespeitoecivilidadeemualuerrepartição pblica domunicípio; III aidentificaçãodoservidornasrepartiçespblicasenasaçesfiscais; I oacessoadadoseinformaçes pessoaiseeconmicasueaseurespeitoconstem em ualuer ficário ou registro informatizadoou não dos rgãos da dministração Tributárianaformadoregulamento; aeliminaçãocompletadosregistrosdedadosfalsosouobtidospormeiosilícitos; I a retificação complementação esclarecimento ou atualização de dados incorretos incompletosdbiosoudesatualizados; II a obtenção de certidão sobre atos contratos decises ou pareceres constantes de registrosouautosdeprocedimentosdeseuinteresseempoderdadministração blica salvo se a informação solicitada estiver protegida por sigilo observada a legislação pertinente; III aefetivaeducaçãotributáriaeaorientaçãosobreprocedimentosadministrativos; Iorecebimentodecomprovantedescritivodosbensmercadoriaslivrosdocumentos impressos papis programas de computador ou aruivos eletrnicos entregues fiscalizaçãoouporelaapreendidos; a recusa a prestarinformaçespor reuisiçãoverbalse preferirnotificaçãopor escrito; Iainformaçãosobreosprazosdepagamentoereduçesdemultasuandoautuado; II a nãoobrigatoriedade de pagamento imediato de ualuer autuação e o eercício dodireitodedefesaseassimodesejar; III acinciaformaldatramitaçãodeprocessoadministrativofiscal deuesejaparte a vista do mesmo na repartição fiscal e a obtenção de cpias dos autos mediante ressarcimentodoscustosdareprodução; I a preservação pela administração tributária do sigilo de seus negcios documentoseoperaçesecetonasiptesesprevistasnalei; 1 o encaminamento sem ualuer nus de petição contra ilegalidade ou abuso de poderouparadefesadeseusdireitos; I o direito indenização naforma doregulamento seumaisenção concedida por prazo certo detempo for etinta ourevogada antes dodecurso doprazo previsto na ei ueaconcedeu; II aprioridade natramitação deuaisuer processos administrativofiscais uando

5 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba 27 de dezembro de reuererecomprovarasseguintescondições: apossuiridadeigualousuperiorasessentaanos; bserportadordedeficinciafsicaoumental; c ser portador de tuberculose ativa esclerose mltipla neoplasia maligna hansenase paralisia irreversvel e incapacitante cardiopatia grave doença de arinsonespondilite anuilosante nefropatia grave hepatopatia grave estados avançados da doença de aget ostetedeformantecontaminaçãoporradiaçãosndromedeimunodeficinciaaduirida ououtradoença gravecombaseemconclusãodamedicinaespecializada mesmouea doençatenhasidocontradaapsoinciodoprocesso. rt.ãogarantiasdocontribuinte: aeclusãodaresponsabilidadepelopagamentodetributoedemultanãoprevistosem lei; afaculdade decorrigirobrigação tributária antesdeiniciado oprocedimento fiscal mediante prvia autorização do fisco e observada a legislação aplicável em prazo compatvelerazoável; apresunção relativadaverdadenoslançamentos contidos emseuslivrose documentoscontábeisoufiscaisuandofundamentadosemdocumentaçãohábil; a obedincia aos princpios do contraditrio da ampla defesa e do duplo grau de recurso no contencioso administrativotributário ressalvado os casos de instncia nica previstosemlei; aineigibilidade devistoemdocumento dearrecadação utilizado paraopagamento detributoforadoprazo. anãoimputaçãodemultaseurospelosrgãosulgadoresuandoficar comprovadoueosueitopassivonãodeucausaaofato; a não imputaçãode penalidades aos ue enuanto prevalecer o entendimento tiveremrecolhidootributonosprazosfiadosnalegislaçãoouadotaremprocedimentos: adeacordocominterpretaçãofiscalconstantededecisãoirrecorrveldeltimainstncia administrativaproferidaemprocessofiscalseparteinteressada; b deacordo cominterpretação fiscal constante deatosnormativos epareceres emitidos pelasautoridadesfazendáriascompetentes. rt.ãoobrigaçõesdocontribuinte: otratamentocomrespeitoecivilidadeaosservidoresmunicipais; asua identificação dosciodiretoradministrador ourepresentante nas repartições administrativasefazendáriasenasaçõesfiscais; ofornecimentodecondiçõesdesegurançaelocaladeuadoemseuestabelecimento paraaeecuçãodosprocedimentosdefiscalização; aapuraçãodeclaraçãoerecolhimento dotributodevidonaformaeprazoprevistos nalegislação; aapresentaçãoemordemuandosolicitadosnoprazoestabelecidonalegislaçãode bens mercadoriasinformaçõeslivrosdocumentosimpressospapisprogramasde computadorouaruivoseletrônicos; a manutenção em ordem pelo prazo previsto na legislação delivros documentos impressoseregistroseletrônicosrelativosaostributos;

6 6 27 de dezembro de 2013 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba II amanutenção untorepartição fiscaldesuasinformaçescadastrais atualizadas taiscomoasrelativasaoimvelaoestabelecimento aossciosdiretores administradoreseprocuradores; Art.sdireitosasarantiaseasobriaçesprevistasnesteivronãoecluemoutros decorrentesdetratadosouconvençesdaleislaçãoordináriadereulamentosou outrosatosnormativosepedidospelasautoridadescompetentesbemcomoosque derivemdaanaloiaedosprincpioseraisdodireito. TTUIII DSDEERESDAADINISTRAFAZENDÁRIA CATUI DAADINISTRATRIBUTÁRIA Art. A Administração Tributária atuará em obedincia aos princpios da lealidade impessoalidade moralidade publicidade razoabilidade finalidade interesse pblico eficinciaemotivaçãodosatosadministrativos. Art.CabeaindaAdministraçãoTributária: I implantar umserviço ratuito epermanente deorientação einformação ao contribuinte; II realizar campana educativa com o obetivo de orientar o contribuinte sobre seus direitosedeveres; III implantar prorama permanente de educação tributária bem como prorama permanentede treinamentopara os servidoresdas áreas de tributaçãoarrecadaçãoe fiscalização. CATUII DAS AES FISCAIS Art..Aeecuçãodetrabalosdeauditoriafiscalseráprecedidadeemissãodeordem deserviçoououtroatoadministrativoautorizandoaeecuçãodequaisquer procedimentos fiscais eceto nos casos de etrema urncia ou em se tratando de atos realizados diretamente pela autoridade fazendária bem como flarante infracional continuidade de ação fiscal iniciada em outro contribuinte ou apuração de 3 denncianosquaisadotarseãodeimediatoasprovidnciasarantidorasdaação fiscaldevendoserleitimadooatonoprazomáimode3trsdias.. arárafonico.aordemdeserviçoouoatoadministrativoreferidonocaput conteráaidentificaçãodosaentesfiscaisencarreadosdesuaeecuçãoa autoridaderesponsável por sua emissão o contribuinte ou local onde será eecutadae aatividadequeserádesenvolvida. Art..A Fazenda unicipalnãoemitiráordemdeserviçoououtroatoadministrativo autorizando procedimentos fiscais fundamentado eclusivamente em denncia annima quando: I nãoforpossvelidentificarcomabsolutaseurançaocontribuintesupostamente infrator; II forenricaouvaaemrelaçãoinfraçãosupostamentecometida; III não estiver acompanada de indcios de autoria e de comprovação da prática da infração;

7 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba 27 de dezembro de deie transparecer obetivo diverso do enunciado tal como vingança pessoal do denuncianteoutentativadepreudicarconcorrentecomercial; Art.. Anotificação doiníciodaaçãofiscalserfeitamedianteaentrega deumadas viasdotermodeníciodeaçãofiscaltaf. Arecusaemassinarocomprovantedorecebimentodanotificaçãoouaausnciano estabelecimento decontribuintedepessoacompoderesparafazlosercertificadapela autoridadefiscalnãoobstaroiníciodosprocedimentosdefiscalização. Nahiptese derecusaoudeausnciadocontribuinte deseurepresentante legal ou de preposto com poderes de gestão a notificação ser lavrada eenviada por via postal facsímileou atravsdeavisoderecebimentoparaoendereçodocontribuinte ou deuaisuerdeseussciosdirigentesouadministradores acritriodafazenda Municipal; Naimpossibilidadedeaplicaçãododispostonoitemanteriorouseocorrera devoluçãoporuaisuermotivosaintimaçãosefarporedital. Art.. Os livros documentos impressos papis aruivos eletrnicos programas de computadorou bens e mercadoriasapreendidosou entreguespelo contribuinte ecetuados aueles ue constituam prova de infração legislação tributria serão devolvidos noprazo mimodenoventadiascontados doiníciodosprocedimentos defiscalização. Odispostonocaputaplicasesomenteaoscasosemueaconclusãodostrabalhos fiscais dependa eclusivamente das informações constantes nos elementos apreendidos ouentreguestornandodesnecessriasoutrasverificações. 4 Oprazo fiado nocaput poderserprorrogado pelaautoridade uedeterminou a sua realização mediante reuisição fundamentada do Agente Fiscal responsvel pelos trabalhos. Mediantereuisiçãoserãofornecidasaoscontribuintescpiasdelivros documentos impressos papis aruivos eletrnicos ou programas de computador apreendidosouentregues. CATULO ASCONSULTAS Art. 4. A resposta consulta escrita relativa a tributo ue contenha dados eatos e verdadeiros ue não sea meramente protelatria e ue não tenha sido formulada aps início de ação fiscal ser dada no prazo mimo de trinta dias aps a entrega do pedidodevidamenteinstruído. Oprazofiadonocaputpoderserprorrogadomediantereuisiçãofundamentada aosecretriodefazenda; As diligncias ou os pedidos de informação solicitados pelo rgão fazendrio responsvel pelarespostasuspenderãoatorespectivoatendimentooprazodeuetrata esteartigo. Aapresentação deconsultapelocontribuinte impedeatotrminodoprazofiado na resposta o início de ualuer procedimento fiscal destinado apuração de infração relacionadacomamatriaconsultada. 4 A consulta ue tratar de eigncia de tributo se este for considerado devido não afastaaincidnciadeatualizaçãomonetriaedosdemaisacrscimosprevistosemlei;

8 8 27 de dezembro de 2013 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba 5 No produzir nenum eeito a consulta ormulada uando o ato ouer sido obetodedecisoanteriorproeridaemconsultaoulitíioaindanomodiicadaemue tenasidoparteoconsulente. CAPTUIV DASCERTIDÕES Art. 5.Ascertidesseroornecidasnoprazodeatdezdiasteisapsa ormalizao dopedidodeidamenteinstruídoedadaemualuercasoaeiênciade reuisitosnopreistosouamparadosemlei. Art. 6. A certido erbo ad erbum positia com eeitos de neatia ser ornecida pela Fazenda Municipal edelaconstar aeistência decrditos no encidos em curso decobranaeecutiaemuetenasidoeetiadaapenoraoucuaeiibilidadeestea suspensa. CAPTUV DASDISPSIÕESFINAIS Art.. A autoridade iscal tomando conecimento de atos diersos dos consinados nos reistros sobre o contribuinte poder eetuar de oício a alterao da inormao incorretaincompletadbiaoudesatualizada. 5 Art.. A constatao de prtica de ato ileal por parte dos ros azendrios no aastar a responsabilidade uncional da autoridade ue o tena dado causa ainda ue aindopordeleaodecompetência. Art.. No ulamento do contencioso administratiotributrio a deciso ser undamentada em seus aspectos de ato e de direito sob pena de nulidade absoluta da decisodesaorelaocontribuinte. 6 IVRII DSISTEMATRIUTRIMUNICIPA TTUI DASDISPSIÕESGERAIS Art..SistemaTributrioMunicipalcompreendeasnormaseprincípios estabelecidos na Constituio Federal nos Tratados Internacionais recepcionados pelo Estado rasileiro na ConstituioEstadual e na ei rnica do Município; as eis ComplementaresFederaisue ersemsobre tributose relaesurídicasa eles pertinentes especialmente o Cdio Tributrio Nacional; as leis municipais sobretudo este Cdio Tributrio os decretos e demais atos complementares emanados das autoridadescompetentes. Parraonico. Soatoscomplementares: IosconêniosueoMunicípiocelebrecomaUniooEstadoeoutrosMunicípios; II asportariasepedidaspelosecretriomunicipaldafazenda;

9 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba 27 de dezembro de III asinstruçes normativaseasordensdeserviçoseedidaseloscoordenadores de rgosadministrativosvinculadosadministraçotributária; I as decises de autoridade administrativa ulgadora ue a lei atribua eficácia normativa. TTULOII DAIMUNIDADE Art.. O reconecimento do direito ao goo da imunidade será verificado ela fiscaliaçomunicialatravs de aço fiscal uando reencido os reuisitos legais revistos na Constituiço ederal no Cdigo Tributário Nacional na Lei Orgnica da Assistncia Social e demais normas ue regem as entidades constitucionalmente referenciadas. oderáointeressadoterainiciativadoedidodereconecimentododireitoaogoo da imunidade em rocesso administrativo rrio onde declarará e comrovará o reencimentodosreuisitoslegais. O reconecimentoda imunidade se dará na forma do regulamentoor ato do Secretário Municial da aenda ublicado no Diário Oficial do Municíio com base em arecer da unta de ulgamentoe relatrio circunstanciadoelaborado elo agente fiscal. Casonoseamreencidososreuisitosaraaimunidadeoagentefiscal rocederáaolançamentodoimostodevido. uandoafiscaliaçoverificarodescumrimentodosreuisitosemrelaço entidadeáreconecidaelomunicíiooreconecimento dodireitoaogooda imunidade será susenso elo Secretário Municial da aenda enseando o rosseguimentodaaçofiscal. 7 Art.. Cessa o direito ao goo da imunidade ara as essoas de direito blico ou rivadouantoaosimveisrometidosvendadesdeomomentoemueseconstituira assinatura do contrato e a transferncia da osse indeendentemente do registro do instrumentoemcartrio. arágrafonico. Noscasosdetransfernciadedomíniooudeossedeimvel ertencente aentidades referidasnesteartigoaimosiçofiscalrecairásobreo romitente comrador enfiteuta fiduciário usuário usufrutuário comodatário concessionárioermissionáriosuerficiárioouoossuidoraualuertítulo. TTULOIII DOCRDITOTRIBUTÁRIO CATULOI DACONSTITUIÇÃO Art..CometerivativamenteaAdministraçoTributáriaMunicialconstituire revisarocrditotributárioelolançamento. arágrafonico. Noslançamentosdecorrentesdeaçofiscalacometnciaeclusiva doagentefiscal. CATULOII DASUSENSÃO DAEXIGIBILIDADE

10 10 27 de dezembro de 2013 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba eoi DaMoratória rt..suspenso daeigibilidade docréditotributáriopelamoratória somente pode ser concedida por lei em caráter geral podendo circunscrever a sua aplicabilidade determinadaregiodomunicípioouadeterminadaclasseoucategoriadesujeitos passivos. eoii DoParcelamento rt.. concesso de parcelamento suspende a eigibilidadedo crédito tributário desdeuenoajainadimplementodetrês)parcelasconsecutivasoualternadas. O inadimplemento de três) parcelas consecutivas ou alternadas anula o parcelamentoconsiderandosevencidastodasasdemaisinscrevendoocréditoemdívida ativa. PoderáocontribuintereuereroreparcelamentoapósadevidainscrioemDívida tivadosaldoremanescentedoparcelamentoanuladoporinadimplência. rt..permitidooparcelamentodocréditotributáriorelativoaeercíciosanteriores ematétrintaeseis)prestaesmensaiseconsecutivas. ica a critério da dministrao ributária oparcelamento de crédito do eercício emcurso. primeiraparcelanopoderáserinferioradeporcento)dovalordocrédito tributário. 8 vedadaaconcessodeparcelamentodecréditorelativoatributoretidonafonte. todopoderecutivodisciplinaráoparcelamentoinclusiveestabelecendoovalor mínimo de cada prestao ue poderá ser diferenciada em funo do tributo e de ser pessoafísicaoujurídica. erocobrados jurosdefinanciamento amortiadoanualmente cujopercentual será definidopelopoderpblicomunicipal. rt..ocréditotributáriopoderáserparceladopeloprópriocontribuinteoupor terceiro interessado através de instrumento de confisso de dívida ou de assuno de débitorespectivamente. Parágrafonico. icaoterceirointeressado responsável solidário pelodébitoparcelado uevieraassumiremnomedocontribuinteoriginário. rt. 8. ica o ecretário Municipal da aenda autoriado a promover parcelamento especial em até sessenta) prestaes mensais econsecutivas observado os seguintes critérios: IasregrasdoparcelamentoespecialseropublicadasnoDOM; II oprao para solicitao doparcelamento especial serádeaté8centoeoitenta) diascontadosdapublicaodesuasregras; III ocréditoaserparceladodeveser: a)superiora.milreais)uandosetratardepessoafísica; b)superiora.cincomilreais)uandosetratardepessoajurídica;

11 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba 27 de dezembro de Iovalormínimodecadaparceladeveserde: a)rcemreais)uandosetratardepessoafísica; b)rduentosreais)uandosetratardepessoajurídica; poderáserdispensadaaexigênciaprevistanodoart.destalei. rt.9.ualuer crditojáajuiadosomentepoderáserparceladoseoreuerente fier provadauitaçãodascustasjudiciaisedoshonoráriosadvocatíciossehouver. eçãoiii asimpugnaçeserecursos rt..simpugnaçeseosrecursostempestivossuspendemaexigibilidadedocrdito tributárionaformadoart.eseguintesdestalei. PTLIII EXTINÇÃ eçãoi opagamento 9 rt.. pagamentodos tributose rendasmunicipaisterásua formae calendário disciplinadosematodopoderexecutivo. Parágrafo único.uando não houver prao fixado na legislação tributária municipal parapagamentoovencimentoocorrerá: I para os tributos trinta) dias aps a data ue se considera notificado o sujeito passivo; II para as rendas antecipadamente prestação doserviço utiliação ou exploração deserviçopúblicoeaousodebenspúblicos. rt..sujeitopassivouedeixardeadimplirtributono praoestabelecidona legislação tributária municipal ficará sujeito atualiaçãomonetária do dbito e aos seguintesacrscimoslegais: Ijurosdemora; II multademora; III multadeinfração. atualiação monetária será calculada com base no IPE ndice de Preço ao onsumidormploespecialdaundaçãoibge; s juros de mora serão contados a partir do mês seguinte ao do vencimento do tributoraãodeumporcento)aomês. multademoraserádetrintaetrêscentsimosporcento)pordiadeatraso limitadoaomáximodedeporcento). multa de infração será aplicada uando for apurada em ação fiscal ação ou omissãodosujeitopassivo. sujeito passivo optante do imples Nacional ue durante o período de opção deixardeadimpliroinopraoestabelecidonalegislaçãoestarásujeitoaopagamento de juros e multas da mesma forma utiliada pela Receita ederal do Brasil nos tributos federais..

12 1227 de dezembro de 2013 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba rt.. edado receber crdito de qualquernaturea com disensade atualiação monetária. rt.. recolimento esontâneo de obrigação rincial imlicará na não imosição damultadeinfração. Parágrafonico. ãoseconsideraesontâneoorecolimento efetuadoasoinciode qualquerrocedimentoadministratiofiscal. rt..ossueitosassiosautuadosordescumrimentodeobrigaçãorincialserão concedidososseguintesdescontosnaresectiamultadeinfração: I100cemorcentoseoagamentoforefetuadoousolicitado arcelamentocomagamentodarimeiraat0trintadiasacontarda intimação; 10 II 0 setenta or cento se o agamento for efetuado ou solicitado arcelamento com agamento da rimeira arcela entre 0 trinta e 0 sessenta dias a contar da intimação; III 0cinquentaorcentoseoagamentoforefetuadoousolicitadoarcelamento com agamento da rimeira arcela as 0 sessenta dias a contar da intimação e antesdoulgamentoadministratioem1instância; I 0 trinta or cento se o agamento for efetuado ou solicitado arcelamento comagamentodarimeiraarcelaat0trintadiasasoulgamentoadministratio emrimeirainstânciacontadosdacinciadadecisão; 0inteorcentoseoagamentoforefetuadoousolicitadoarcelamento com agamento darimeira arcelaat0trintadiasasoulgamento administratio em segundainstânciacontadosdacinciadadecisão; 1 s descontos serão concedidos sem reuo do agamento dos demais acrscimos legais. ão se alicam os descontos a que se refere este artigo aos crditos tributários retidosnafonte. rt.. contribuinteque reconecer arcialmente o dbito fiscal oderá efetuar o agamentodaartenãoimugnadasemdisensadequalquerdosacrscimoslegais. rt..descumrimentodeobrigaçãoacessriaimlicaránoagamentodaresectia enalidadeindeendentementedaeistnciadeaçãofiscal. eçãoii atransação rt.. ica o efe do Poder ecutio autoriado acelebrar com o sueito assio transaçãoque imorte em terminaçãode litgio em rocesso fiscal administratioou udicialquando: Iomontantedotributotenasidofiadoorarbitramento. II ocorrererroouignorânciaescusáeldosueitoassioquantoamatriadefato;iii ocorrerconflitodecometnciacomoutrasessoasdedireitoblicointerno; Parágrafonico. transação a que se refere o cautserá roosta ao Prefeito elo

13 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba 27 de dezembro de ecretário unicipal da aenda ou pelo Procurador eral do unicípio em parecer fundamentado. eçãoiii acompensação rt..icaocefedopoderecutioautoriadoacompensar crditostributários do Impostoobreeriços deualqueratureaiencidosouincendosedoimposto sobreapropriedadepredialeerritorialrbanaipencidoscomcrditoslíquidos ecertosnascondiçesegarantiasqueestipularemcadacasocom: Iempresapblicaesociedadedeeconomiamistafederalestadualoumunicipal; II estabelecimento de ensino para prestação de seriços de ensino prescolar fundamental emdio eclusiamente aagentes pblicos municipais atioseinatios e seusdependentespormeiodebolsasdeestudoeeducaçãosuperioratodososcidadãos dounicípiopormeiodeprogramaespecífico; III estabelecimento de sade para prestação de seriços das suas especialidades aos agentespblicosmunicipaisatioseinatioseseusdependentesnaformadeconnio celebradoparaestefim. 1compensaçãoaqueserefereoincisoIserápropostapeloecretáriounicipalda aendaoupeloprocuradoreraldounicípioemparecerfundamentado compensaçãoaqueserefereoincisoiieiiiseránaformadispostaem Regulamento. rt..edadaacompensação decrditotributáriocontestadojudicialmente antesdo transitoemjulgadodalidesaloseoouerpedidodedesistnciadoprocessojudicial. rt. 1. uando o crdito a compensar resultar de pagamento a maior de tributo com modalidade de lançamento por omologação o sujeito passio poderá efetuar a compensaçãonorecolimentodomesmotributoemperíodossubseqüentes. Parágrafo nico. facultado ao sujeito passio optar pelo pedido de restituição que seráatualiado monetariamente peloíndiceconstantedoart.1desta eientreo msdopagamentoamaioreomsdarestituição. eçãoiv aação empagamento rt.. crdito tributário poderá ser etinto mediante dação em pagamento de bem imel situado neste unicípio mediante requerimento do sujeito passio e aproação doprefeitounicipalconformedispostoemregulamento. Parágrafonico. requerimento dedaçãoempagamento nãosuspende aeigibilidade docrditotributário. rt.. imel objeto da dação empagamento poderá ser depropriedade do sujeito passiooudeterceiro desdequeesteinterena norequerimento naescriturapblicae apresenteadocumentaçãodefinidaemregulamento. rt.. alor do imel objeto da dação em pagamentoserá apurado atras de aaliação administratia facultado ao contribuinte apresentar aaliação contraditria subscritaporaaliadoroficial. 1aaliaçãoadministratianãopoderáserinferioraoalorenaldebasedecálculo 11

14 14 27 de dezembro de 2013 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba doimpostosobreatransmissãointervivosdebensimóveisitbi. 12 2facultadoaoPoderPblicoaceitarounãoaavaliaçãocontraditória. rt.. Se o imóvel não for suficiente para a uitação integral do crdito tributário o sujeito passivo deverá liuidar o saldo remanescente at adata da entrega da escritura mediante pagamento em dineiro de uma só vez ou parceladamente na forma do Regulamentosobpenade: Iprosseguimentodaexecuçãodessesaldoremanescenteseajuizada; II adoção dosprocedimentos legaiscomvistassuaexecução casonãoseencontre a dívidaexecutada. rt..uandoovalordoimóvelforsuperioraodocrditotributárioaserextintoserá emitidoumcertificadodecrditoemfavordoproprietáriodoimóveldadoem pagamento at o limite de3 trinta por cento do valor da avaliação ue poderá ser utilizadoparauitaçãodetributosdevidosaomunicípio. SeçãoV aremissão rt.. ica o Cefe do Poder Executivo autorizado a conceder por despaco fundamentado remissão totalouparcial decrdito tributário emobservncia auma das seguintessituações: Isituaçãoeconmicadosujeitopassivo; II diminutaimportnciadocrditotributário; III acondiçõespeculiaresadeterminadaregião; IVreconecimentodainexistnciadaobrigaçãoueledeuorigem; Vdeclaração deincompetncia dosujeitoativoparaexigirocumprimento da obrigação; VIaplicaçãodeeidadeemrelaçãoscaracterísticaspessoaisoumateriaisdocaso. 1despacoreferidonesteartigonãogeradireitoaduiridoeserárevogadodeofício sempreueseapureueobeneficiadonãosatisfaziaoudeixoudesatisfazerascondições ounãocumpriraoudeixoudecumprirosreuisitosparaaconcessãodofavorcobrando seocrditoatualizadomonetariamenteeosdevidosacrscimoslegais. 2remissãoserápropostapeloSecretárioMunicipaldaazendaoupeloProcurador GeraldoMunicípioemparecerfundamentado. CPTULIV EXCLUSÃ SeçãoI asisposiçõesgerais rt.. Compete ao Poder Executivo a iniciativa de leis para concessão de isenção anistiaincentivo ououtroebenefíciofiscaldeuaisuerdostributosdecompetncia do Município. 13

15 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba 27 de dezembro de Art.4.Aexclusão docrdito tributrio pelaisenção eanistianãodispensa o cumprimento de obrigaçes acessórias dependentes ou vinculadas a obrigação principal isentadaouanistiadaressalvadadeterminaçãoexpressaematodooderexecutivo. SeçãoII DaIsenção Art..AlmdasisençesprevistasnesteCódigosomenteprevalecerãoasconcedidas emleiespecíficasueitassnormasdestaseção. Art.1.Aisenção concedidaemleiespecíficapodeserrestritaadeterminadaregiãodo Município eou grupos de sueitos passivos em função de condiçes e peculiaridades a elesinerentes. Art..Aisençãoconcedidaemleiespecialpodersercondicionada arequerimento do interessadoconformedispuseroregulamento. 1 O ato concessivo da isenção de competncia do Secretrio da aenda e ser publicadonodiriooficialdomunicípio. Obeneficiodaisençãocomeçaavigorarapartirdadatadorequerimentoexcetono casodeisençãorelativaaoituquetervignciaapartirde1deaneirodoexercício seguinteaodorequerimento.. AisençãoconcedidasercassadadeofíciopeloSecretriodaaendaquando: Iobtidamediantefraudeousimulaçãodobeneficiriooudeterceiro; II ouverdescumprimentodasexignciaslegaisestabelecidasparaogoodaisenção. 4 uando a apuração dos fatos que ustifiquem a cassação se der em ação fiscal a isenção ser cassada pelosecretrio Municipal daaenda enseando o prosseguimento daaçãofiscal. Art..ãoserconcedidoisençãoincentivosououtrosbenefíciosfiscaisemqualquer ipóteseforadoscasosprevistosnestecódigo: Iporpraosuperiora1deanos; II emcarterpessoal. SeçãoIII DaAnistia Art.4.Aanistiaconcedida pelomunicípio abrangeexclusivamente asinfraçes cometidasanteriormentevignciadaleiqueaconcederpodendoser: Iemcartergeral; II limitadamente: aadeterminadotributo; bsinfraçesdecorrentesdedescumprimentodeobrigaçesacessórias; cadeterminadaregiãodomunicípioemfunçãodecondiçesaelapeculiares; 14 CATUO DARESTITUIÇÃO Art.. O sueito passivo tem direito restituição total ouparcial do tributo pago nos seguintescasos:

16 1627 de dezembro de 2013 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba Ipagamentoespontneodetributoindevidooumaiorueodevidoemfaceda legislação tributriaaplicveloudanaturezaoucircunstncias materiaisdofatogerador efetivamenteocorrido; II erro na identificação do sueito passivo na determinação da alíuota aplicvel no clculo do montante do débito ou naelaboração ou conferncia de ualuer documento relativoaopagamento; III reformaanulaçãorevogaçãoourescisãodedecisãocondenatória; IV uando for reconecida aimunidade ou concedida aisenção eobeneficiado fizer prova de ue ao tempo do fato gerador ela preencia os pressupostos para gozar do benefício. Pargrafonico. Arestituiçãoalcançarotributooriginal aatualização monetriaeos acréscimosmoratóriosuecompõeopagamentoindevido. Art. 5. A restituição total ou parcial do pagamento indevido ser atualizada monetariamente pelos mesmos índices de atualização dos tributos municipais não comportandooutrosacréscimos. Art.5.uando forcomprovado emprocesso administrativo ueopagamento foipor ualuer razãoimputadoa contribuinteinscrição ou a tributo diverso dauele pretendidopoderosecretriounicipaldaazendaautorizaratransfernciadocrédito paraocontribuinteainscriçãooutributodevidoobservadoodispostoemregulamento. APLVI DASINRAESEPENALIDADES Art.5.onstituiinfraçãotodaaçãoouomissãovoluntriaouinvoluntriaueimporte em inobservncia de preceitos estabelecidos ou disciplinados por lei ou pelos atos administrativosdecarternormativodestinadosacomplementla. Art. 5.Nenumaaçãoouomissãopoderserpunidacomoinfraçãodalegislação tributria semueesteadefinidacomotalporleivigentedatadesuaprticanemle podersercominadapenalidadenãoprevistaemleinasmesmascondições. Art..Ser consideradoinfratortodo aueleue cometermandarconstrangerou auxiliaralguémnaprticadainfraçãoeaindaosservidoresmunicipaisencarregados da execução das leis ue tendo conecimento da infração deixarem de denunciar ou no exercíciodaatividadefiscalizadoradeixaremdenotificaroinfratorressalvadaa cobrança de crédito tributrio considerado antieconmicodefinido em Ato do Poder Executivo. Pargrafo nico. Se ainfração resultar de cumprimento deordem recebida de superior ierruicoficarestesolidariamenteresponsvelcomoinfrator. 15 Art. 1. As infrações serão punidas com as seguintes penas aplicveis separadas ou cumulativamente: Imultas; II perdadedescontoabatimentooudedução; III cassaçãodosbenefíciosdeisençãoouincentivosfiscais; IVrevogaçãodosbenefíciosdeanistiaoumoratória; Vsueiçãoaregimeespecialdefiscalização;

17 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba 27 de dezembro de cassação de regimes ou controles especiais estabelecidos em benefício de contribuintesoudeoutraspessoas. cassaçãodepermissesouconcessesobtidas. argrafonico. oservidormunicipalqueconcorrerdiretaouindiretamenteparauma infraçãoserãoaplicadasaspuniçesprevistasemlegislaçãoespecífica. rt.6.penademultabsicaestabelecidaparaainfraçãosermaoradaemraãodas seguintescircunstnciasagravantes: areincidência; oindíciodesonegação; afraudeasimulaçãoeoconluio. argrafonico. maoraçãodapenaobedeceraosseguintescritérios: ocorrendoreincidênciaapenabsicaseraumentadaemvinteporcento); noscasosprevistosnosincisosedesteartigoapenabsicaseraumentadaem 1cemporcento). rt. 6. aracteriase como reincidência a prtica repetida da infração a um mesmo dispositivo ou de disposição idêntica da legislação tributria municipal por um mesmo sueitopassivodentrodedois)anoscontadodadataemqueouverreconecimento dainfraçãocometidaoupassadoemulgadoadministrativamente adecisão condenatriareferenteinfraçãoanterior. rt.6.aracteriaseoindiciodesonegação: aprestação dedeclaração falsaouaomissão totalouparcialdeinformação coma intençãodeeimirsetotalouparcialmentedepagamentodetributos; ainserção de informação oudados ineatos ou aomissão dereceitas faturamentos ou rendimentos e de operaçes de qualquer naturea em documentos ou livros fiscais comaintençãodeeimirsetotalouparcialmentedepagamentodetributos; alterarfaturasequaisquerdocumentosrelativosaoperaçesmercantiscomo propsitodefraudaraaendamunicipal; fornecer ou emitir documentos graciosos ou alterar despesas com o obetivo de obterdeduçãoindevidadetributos; 16 1maoraçãodapenaporindiciodesonegaçãonãopreudicaaaplicaçãodesançes administrativascabíveis. aracteriado e provado o indício de sonegação a ecretaria da aenda aps o ulgamento administrativo remeter os documentos rocuradoria eral do Município paraapromoçãodarepresentaçãocriminalcontraosueitopassivo. rt. 6. aplicação da pena e o seu cumprimento não dispensam em caso algum o pagamento do tributo devido nem preudicam a aplicação das penas cominadas para o mesmofatopelalegislaçãocriminal. rt.66. s normas tributrias que definem as infraçes oules cominem penalidades aplicamseafatosanterioressuavigênciaquando: ecluaadefiniçãodedeterminadofatocomoinfraçãocessandodatadasuaentrada em vigor a punibilidade dos fatos ainda não definitivamente ulgados e os efeitos das penalidadesimpostaspordecisãodefinitiva;

18 1827 de dezembro de 2013 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba II comine penalidade menos seera que a anteriormente preista para fato ainda não definitiamentejulgado. Art. 7. As normas tributrias que definem as infraçes ou le cominam penalidades interpretamsedemaneiramaisfaorelaocontribuinteemcasodedidaquanto: Icapitulaçãolegaldofato; II naturea ou s circunstncias materiais do fato ou naturea eetensão de seus efeitos; III autoriaimputabilidadeoupunibilidade; Inatureadapenalidadeaplicelousuagraduação. ATII DADIDA ATIA eçãoi DaonstituiçãoedaInscrição Art..onstituidíidaatiadounicípioaproenientedetributosmultasde qualquer naturea foros laudmios aluguéis alcances dos responseis reposiçes oriundas de contratos administratios consistentes em quantia fia e determinada não pagas nos respectios praos ou aps decisão dos processos fiscais administratios ou judiciais. 1 Integram adíidaatiadounicípio osjurosaatualiação monetria ouqualquer encargo aplicado sobre os alores inscritos emcrédito a receber enão recebidos dentro dopraodeterminadopelalei. Adíidaregularmenteinscritagoadapresunçãodecerteaeliquideetemefeito deproapréconstituída. Art..Ainscriçãodadíidaatiadequalquernatureaserfeitadeofícioemliros especiaisnarepartiçãocompetente. 17 1termodeinscriçãodadíidaatiaearespectiacertidãodeemindicar obrigatoriamente: Iaorigemeanatureadocrédito; II aquantiadeidaedemaisacréscimoslegais; III onomedo: adeedoreouresponseleoseudomicílioouresidncianoscasosdepessoafísica; bdeedorseusscioseouresponseiseosseusdomicílioseouresidnciasnoscasos depessoajurídica. Iolirofolaedataemquefoiinscrita; onmerodoprocessoadministratiooufiscalemqueseoriginarocrédito. A omissão de qualquer dos requisitos enumerados ou o erro a eles relatios são causasdenulidade dainscrição podendoaautoridadeadministratia saneardeofícioa irregularidademedianteasubstituiçãodacertidãoirregularmenteemitida. Art. 7. A díida ser inscrita aps o encimento do prao de pagamento do crédito

19 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba 27 de dezembro de tributárionaformaestabelecidaematoadministrativo. rt.1. Inscrita adívidaeetraídasasrespectivas certides dedébitos uando necessáriasserãorelacionadaseremetidasaorgãojurídicoparacobrança. eçãoii acobrança rt..cobrançadedívidaativaseráfeita: I por via amigável pela Coordenadoria da ívida tiva da ecretaria Municipal da Fazenda. II ou judicialmenteatravés de ação eecutiva fiscal proposta pela Procuradoria do Município. 1cobrançaamigávelseráfeitanoprazodetrintadiasacontardorecebimento das certides podendo ser concedida prorrogação de igual prazo pela autoridade ue dirigeorgãojurídico. contribuinte teráoprazo 1dez diasparauitarodébito acontardadata do recebimentodaintimaçãodacobrançaamigável. ecorrido o prazo de cobrança amigável sem a uitação do débito será imediatamenteprocedidaacobrançajudicialnaformadalegislaçãofederalemvigor. Iniciadaacobrançaeecutivanãoserápermitidaacobrançaamigável. empreueointeressepblicoeigirocefedopoderecutivopoderácontratar serviçoespecializadoparaaeecuçãodadívidaativa. PoderáoCefedoPoderecutivoestabelecervalormínimodecréditotributárioa sercobradojudicialmente. eçãoiii 18 opagamento rt.. pagamento da dívida ativa será feito na repartição municipal competente ou emestabelecimentobancárioindicadopelaecretariamunicipaldafazenda. 1 pagamento da dívida poderá ser efetuado antes de iniciada a ação eecutiva mediantedocumentodearrecadação. Iniciadaaaçãoeecutivaopagamentodadívidasefaráatravésepediçãodeguias emitidaspelaautoridadecompetente. sguiasterãovalidadedentrodomsdesuaemissãoedeverãoconter: Inomeeendereçododevedoreouresponsável; II nmerodeinscriçãoeercícioeperíodoaueserefere; III naturezaemontantedodébito; Iacréscimoslegais; autenticação. rt.. vedado o recebimento decrédito inscrito emdívida ativa sem as respectivas guiasdecobrança. Parágrafonico. inobservncia desteartigo acarretará aresponsabilidade doservidor uediretaouindiretamente concorrer paraorecebimento dadívidarespondendo ainda pelosprejuízosueadvieremfazendamunicipal.

20 2027 de dezembro de 2013 PREFEITURA DE Campo alegre de lourdes/ba Art.. Transitada em ulado sentença considerando improcedente o dbito ue está sendoeecutadoo Procuradorresponsávelpela eecuçãoprovidenciaráa respectiva baianocadastro. TTULOIV OSTRIBUTOSMUNICIPAIS CAPTULOI OIMPOSTOSOBRE APROPRIEAEPREIALETERRITORIALURBANAIPTU SeçãoI oato eradoreaincidência Art.. O Imposto sobre a Propriedade Predial eterritorial Urbana IPTU tem como atoeradorapropriedadeodomíniotilouapossedebemimóvelpornaturezaoupor acessãoísicacomodeinidonaleicivillocalizadonazonaurbanadomunicípio. Paráraonico.Considerase zona urbana auela deinida no Plano iretor de esenvolvimentourbanodomunicípiodecampoalere. Art..OatoeradordoIPTUconsideraseocorridoem1deaneirodecadaeercício civilressalvadooscasosprevistosnestalei. 19 1Paraaunidadeimobiliáriaconstituídaoualteradanocursodoeercícioo lançamento ouarevisão dovalordoimpostoseráproporcional aonmerodemeses ue altarparacompletálo. Tratandosedeunidadeimobiliáriaconstruídaoualteradasemadevidacomunicação Administração Tributáriaolançamento ouarevisãodovalordoimpostoretroairá ao mêseanoda: Iconclusãodaobra; II daalteraçãodeáreaconstruídapadrãoconstrutivooucateoriadeusodoimóvel; III daeetivaocupaçãomesmoueparcialdaunidadeimobiliária. Art.. A incidência doimposto alcança uaisuer imóveis localizados nazona urbana do Município independentemente de sua orma estrutura superície destinação ou utilização. Art.9.Aincidênciadoimpostoindepende: I do cumprimento de uaisuer eiências leais reulamentaresou administrativas

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS Neste veiculo podem ser lidos todos os atos oficiais do Prefeitura de Conceição do Almeida-BA ano vi edição extraordinária Documento assinado digitalmente conforme MP no- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui

Leia mais

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS NESTE CADERNO PODEM SER LIDOS TODOS OS ATOS OFICIAIS DA SUPERINTENDENTE MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SMTT Alagoinhas-BA ANO VII EDIÇÃO 127 DOCUMENTO ASSINADO DIGITALMENTE CONFORME MP NO- 2.200-2

Leia mais

Como prefeituras e câmaras podem criar e gerenciar os seus Diários Oficiais Eletrônicos próprios

Como prefeituras e câmaras podem criar e gerenciar os seus Diários Oficiais Eletrônicos próprios Como prefeituras e câmaras podem criar e gerenciar os seus Diários Oficiais Eletrônicos próprios 1 A maioria dos Prefeitos e Presidentes de Câmaras de Vereadores não sabe que podem criar o Diário Oficial

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS NESTE CADERNO PODEM SER LIDOS TODOS OS ATOS OFICIAIS DO MUNICÍPIO DE Stª Mª da Vitória-BA STª Mª DA VITÓRIA, ANO V EDIÇÃO 28 DOCUMENTO ASSINADO DIGITALMENTE CONFORME MP NO- 2.200-2 DE 24/08/2001, QUE INSTITUI

Leia mais

5º REVOGADO. 6º REVOGADO. 7º REVOGADO. 8º REVOGADO. 9º REVOGADO.

5º REVOGADO. 6º REVOGADO. 7º REVOGADO. 8º REVOGADO. 9º REVOGADO. CAPÍTULO II DO PARCELAMENTO DE DÉBITO Art. 163. O débito decorrente da falta de recolhimento de tributos municipais poderá ser pago em até 96 (noventa e seis) parcelas mensais e sucessivas, observado o

Leia mais

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) Regulamenta os arts. 5º a 9º e 23, da Lei nº 5.546, de 27 de dezembro de 2012, que instituem remissão, anistia e parcelamento estendido,

Leia mais

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais, o valor da Unidade Financeira Municipal (UFM) e os preços do metro quadrado de terrenos

Leia mais

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS NESTE VEICULO PODEM SER LIDOS TODOS OS ATOS OFICIAIS DO PREFEITURA DE Jacobina-BA ANO V EDIÇÃO 473 DOCUMENTO ASSINADO DIGITALMENTE CONFORME MP NO- 2.200-2 DE 24/08/2001, QUE INSTITUI A INFRAESTRUTURA DE

Leia mais

DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais para o exercício de 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso das atribuições

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. EMENTA: Concede parcelamento de débitos fiscais com anistia

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE 1 A - PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS MUNICIPAIS 1 Em regra, os créditos tributários junto à Fazenda Municipal de Porto Alegre podem ser pagos em até 24 (vinte e

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014.

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. DECRETO Nº 39680 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

Lauro de Freitas DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Lauro de Freitas DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Quarta-feira 2 - Ano III - Nº 445 Lauro de Freitas Leis LEI MUNICIPAL Nº 1.572 DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Institui o novo Código Tributário e de Rendas do Município de Lauro de Freitas, na forma que indica

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 3.256, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui o programa de recuperação de créditos tributários da fazenda pública municipal REFIM e dá outras providências. Piauí Lei: O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA,

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PORTARIA N.º 3 DE 22 /11 /2005 Dispõe sobre a prova de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR - BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR - BAHIA oi PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR - BAHIA Decreto Nº.!.~.:.~.~~. de....1.!?... de.... JªIJ.\Ü.V:.Q.... de 199 ~.. Estabelece o Calendário Fiscal de Tributos do Município do Salvador e dá outras providências.

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015. Capítulo I Disposições Gerais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015. Capítulo I Disposições Gerais PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015 Institui o Programa de Recuperação Fiscal REFIS do Município de Jaboticabal, e dá outras providências. Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Fica instituído, nos

Leia mais

Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto

Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias

Leia mais

PREFEITURAMUNICIPALDE MONTEALEGREDE MINAS

PREFEITURAMUNICIPALDE MONTEALEGREDE MINAS PREFEITURAMUNICIPALDE MONTEALEGREDE MINAS ADM.2001 I 2004 LEI COMPLEMENTAR N 044~DE 29 DE JUNHO DE 2004. DISPÕE SOBRE O PARCELAMENTO, A COMPENSAÇÃO, A DAÇÃO EM PAGAMENTO, REMISSÃO E REDUÇÃO DE MULTAS E

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 Define as regras e os prestadores de serviços e substitutos tributários do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza obrigados a efetuar a Declaração Eletrônica Mensal

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 60/60 A - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ DECRETO N. 4.489

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ DECRETO N. 4.489 Publicado no Diário Oficial Nº 8708 de 08/05/2012 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, e considerando o disposto na Lei

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010

DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010 GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010 Introduz alterações no RICMS/ES, aprovado pelo Decreto n.º 1.090- R, de 25 de outubro de 2002. O GOVERNADOR

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC CONDIÇÕES GERAIS DO PIC I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO CNPJ: 23.025.711/0001-16 PIC - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005217/2012-63 WEB-SITE:

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC Lançamento 1-(FCC - 2012 - Prefeitura de São Paulo - SP - Auditor Fiscal do Município) Um contribuinte do Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU possuía

Leia mais

1.3. Em quais casos é possível solicitar o parcelamento? 1.4. Como saberei se minha empresa possui débitos junto à Anvisa?

1.3. Em quais casos é possível solicitar o parcelamento? 1.4. Como saberei se minha empresa possui débitos junto à Anvisa? Atualizado: 07 / 10 / 2011 - FAQ AI 1. Parcelamento de débitos em cobrança administrativa não inscritos em dívida ativa 1.1. Tipos de parcelamento de débito 1.2. Parcelamento de débito de AFE / AE 1.3.

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*)

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) DOU de 24.5.2005 Dispõe sobre o Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais (Dacon) relativo a fatos geradores ocorridos no ano-calendário

Leia mais

DECRETO Nº 10.254, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005.

DECRETO Nº 10.254, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. DECRETO Nº 10.254, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta o Imposto Sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana no âmbito do Município de Porto Velho e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA:

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA: Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 Av. Presidente Vargas, 3.215 Vila Maria INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHIMENTO POR MEIOS

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA DECRETO Nº 13.346, DE 24 DE JUNHO DE 2013. Regulamenta a Lei Complementar nº 4.403, de 5 de junho de 2013, que Estabelece obrigação de uso do sistema ITBI

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PREMIUM CASH PLANO PM 60/60 N - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS Prefeitura Municipal de Pirenópolis DECRETO N 2.492714. Gabinete DE 31 DE 01 DE 2014.

ESTADO DE GOIÁS Prefeitura Municipal de Pirenópolis DECRETO N 2.492714. Gabinete DE 31 DE 01 DE 2014. DECRETO N 2.492714. DE 31 DE 01 DE 2014. "INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHI MENTO POR MEIOS ELETRÔNICOS, RELATI VÁS AO ISSQN

Leia mais

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009.

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. Regulamenta o Capítulo VII da Lei nº 4.257, de 02 de dezembro de 2008 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP MULTISORTE PM24P - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36

CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36 Página 1 de 7 CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: HSBC Empresa de Capitalização (Brasil) S.A. CNPJ: 33.425.075/0001-73 TC CASH 36 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAUCAIA

MUNICÍPIO DE CAUCAIA LEI N 1765, DE 25 DE AGOSTO 2006. Institui o Programa de Recuperação Fiscal - REFIS no Município de Caucaia, e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE CAUCAIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título.

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título. IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO IPTU FATO GERADOR E INCIDÊNCIA O Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou posse de todo e qualquer bem imóvel

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 6140, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011. ALTERA OS ARTS. 54, 59, 62 E 69 DA LEI Nº 2657, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1996, QUE DISPÕE SOBRE O IMPOSTO SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E SERVIÇOS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO ASSESSORIA TÉCNICO-LEGISLATIVA DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO ASSESSORIA TÉCNICO-LEGISLATIVA DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 PUBLICADO EM PLACAR Em / / Dispõe sobre a regulamentação da Lei Complementar nº 187, de 12 de agosto de 2009, que autoriza a transação tributária para fins de

Leia mais

I quando o prestador de serviços estabelecido no Município do Rio de Janeiro executar serviço;

I quando o prestador de serviços estabelecido no Município do Rio de Janeiro executar serviço; DECRETO N.º 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. [Publicado no D.O. Rio de 12.05.2010.] [Alterado pelo Decreto nº 32.549, de 20.07.2010, publicado no D.O. Rio de 21.07.2010.] [Alterado pelo Decreto nº 32.601,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON

Leia mais

Sumário. Prefácio. Capítulo 1 Aspectos constitucionais dos tributos municipais 1

Sumário. Prefácio. Capítulo 1 Aspectos constitucionais dos tributos municipais 1 Prefácio XV Capítulo 1 Aspectos constitucionais dos tributos municipais 1 1 Princípios gerais constitucionais 1 2 Limitações constitucionais ao poder de tributar dos Municípios 12 3 Substituição tributária

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ibirataia Estado da Bahia

Prefeitura Municipal de Ibirataia Estado da Bahia DECRETO Nº 3857, de 29 de setembro de 2015. "Institui e Regulamenta a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS e) no Município de Ibirataia e dá outras providências." O Prefeito do Município de Ibirataia,,

Leia mais

PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1088 DE 17 DE SETEMBRO DE 2012.

PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1088 DE 17 DE SETEMBRO DE 2012. PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1088 DE 17 DE SETEMBRO DE 2012. Dispõe sobre os procedimentos a serem observados e aplicados no parcelamento/reparcelamento de débitos referente a multas e taxa de vistoria e fiscalização

Leia mais

REFIS OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS

REFIS OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS REFIS OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS PROGRAMA DE PARCELAMENTO INCENTIVADO DE DÉBITOS FISCAIS Abrangência do Programa APRESENTAÇÃO Prezados (as) Industriais Desenvolvemos uma cartilha contendo uma síntese

Leia mais

EXIGÊNCIA DE INSCRIÇÃO DE EMPRESA ESTRANGEIRA NO CADASTRO NACIONAL DE PESSOA JURÍDICA (CNPJ), SEGUNDO A INSTRUÇÃO NORMATIVA (SRF) N 200 DE 2002.

EXIGÊNCIA DE INSCRIÇÃO DE EMPRESA ESTRANGEIRA NO CADASTRO NACIONAL DE PESSOA JURÍDICA (CNPJ), SEGUNDO A INSTRUÇÃO NORMATIVA (SRF) N 200 DE 2002. EXIGÊNCIA DE INSCRIÇÃO DE EMPRESA ESTRANGEIRA NO CADASTRO NACIONAL DE PESSOA JURÍDICA (CNPJ), SEGUNDO A INSTRUÇÃO NORMATIVA (SRF) N 200 DE 2002. Em 13 de setembro de 2002, a Secretaria da Receita Federal

Leia mais

LEI Nº 02/89. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, decretou e

LEI Nº 02/89. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, decretou e LEI Nº 02/89 Institui o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis e dá outras providências. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, decretou e eu, Prefeito Municipal sanciono a

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1426/2012 Regulamenta a entrega da Declaração Mensal de Serviços Eletrônica por prestadores e tomadores de serviços e dá outras

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 Publicada no DOE(Pa) de 29.11.05. Alterada pela IN 05/13. Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Informações Econômico-Fiscais - DIEF relativa

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013.

DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013. DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013. Institui o Projeto Piloto da Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final (NFC-e), que possibilita a emissão da Nota

Leia mais

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013.

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. Publicado no DOM n 1.528, de 14.06.2013 Dispõe sobre procedimentos para solicitações referentes ao Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP EMPRESA FLEX - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 INFORMATIVO Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 Este informativo tem o propósito de orientar as associadas sobre as principais questões atinentes aos procedimentos

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009.

ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009. ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o procedimento a ser adotado para a formalização e controle dos processos de parcelamentos de arrematação ocorrida nas hastas

Leia mais

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: INVEST CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 93.202.448/0001-79 (NOME FANTASIA DO PRODUTO): INVESTCAP TRAD-PU 03 (12M) MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900283/2013-20

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Contrato nº 081/2007 Fls.

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Contrato nº 081/2007 Fls. Contrato nº 081/2007 Fls. 1 MINUTA TERMO DE CONTRATO Convite de Preços n.º 081/07 Processo n.º 11784/05 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESCUPINIZAÇÃO DO PREDIO E ACERVO DO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE PLANO PM

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PM102T7 TRADICIONAL CNPJ: 74.267.170/0001-73 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº:

CONDIÇÕES GERAIS DO PM102T7 TRADICIONAL CNPJ: 74.267.170/0001-73 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: CONDIÇÕES GERAIS DO PM102T7 TRADICIONAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A CNPJ: 74.267.170/0001-73 PM102T7 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: II GLOSSÁRIO

Leia mais

DECRETO Nº 5 DE 2 DE JANEIRO DE 2013

DECRETO Nº 5 DE 2 DE JANEIRO DE 2013 DECRETO Nº 5 DE 2 DE JANEIRO DE 2013 SÚMULA: Estabelece a Programação Financeira, em Metas Bimestrais de Arrecadação, das Receitas previstas para o exercício financeiro de 2013, do Município de Londrina,

Leia mais

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br TRIBUTO - CONCEITO 1. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Na atividade de cobrança do tributo a autoridade administrativa pode, em determinadas circunstâncias, deixar de aplicar a lei. 2. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Segundo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Programa de Parcelamento de Débitos Fiscais no âmbito do Sistema CFMV/ CRMVs, destinado à regularização de débitos de anuidades, multas, taxas, emolumentos

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

LEI Nº 5.196. Disciplina a cobrança do IPTU, estimula a criação de loteamentos, e dá outras providências.

LEI Nº 5.196. Disciplina a cobrança do IPTU, estimula a criação de loteamentos, e dá outras providências. LEI Nº 5.196 Disciplina a cobrança do IPTU, estimula a criação de loteamentos, e dá outras providências. O POVO DE PELOTAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, POR SEU PREFEITO, FAZ SABER QUE SUA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA PLANO

Leia mais

PROJETO DE LEI N 017/2014, de 11 de Abril de 2014.

PROJETO DE LEI N 017/2014, de 11 de Abril de 2014. 1 PROJETO DE LEI N 017/2014, de 11 de Abril de 2014. Institui o programa de recuperação de créditos municipais, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Piratuba, Estado de Santa Catarina, no

Leia mais

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP)

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Conceitos gerais de gestão pública: princípios e regras da administração pública, processos de licitação, contratos

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUMADO ESTADO DA BAHIA CNPJ/MF Nº 14.105.704/0001-33 Praça Cel. Zeca Leite, nº 415 Centro CEP: 46100-000 Brumado-BA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUMADO ESTADO DA BAHIA CNPJ/MF Nº 14.105.704/0001-33 Praça Cel. Zeca Leite, nº 415 Centro CEP: 46100-000 Brumado-BA DECRETO Nº 4.496, DE 22 DE JULHO DE 2011 Regulamenta os procedimentos para Escrituração Fiscal e Recolhimento de Tributos Municipais de forma Eletrônica no Município de Brumado, e dá outras providências.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PLANO PM 48/48 P - MODALIDADE:

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 88.076.302/0001-94

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA PUBLICADO NO DOU DE 06/02 SEÇÃO 1, PÁG. 53 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 Disciplina o parcelamento do valor correspondente à

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS II - GLOSSÁRIO PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU HARTFORD CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO:

CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.001039/2009-04

Leia mais

Dívidas não parceladas anteriormente

Dívidas não parceladas anteriormente Débitos abrangidos Dívidas não parceladas anteriormente Artigo 1º da Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 6, de 2009 Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições dos arts.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 48/48 D - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

Como Prefeituras e Câmaras podem criar e gerenciar seus Diários Oficiais Eletrônicos

Como Prefeituras e Câmaras podem criar e gerenciar seus Diários Oficiais Eletrônicos Como Prefeituras e Câmaras podem criar e gerenciar seus Diários Oficiais Eletrônicos Publicação Técnica, nº 4, 1ª edição, 2.000 exemplares, fevereiro de 2009. Direitos reservados à ASSOCIAÇÃO TRANSPARÊNCIA

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA... 1 3. PROCEDIMENTOS E CONTABILIZAÇÃO NO FIPLAN... 3 3.1 REGISTROS CONTÁBEIS DA DÍVIDA ATIVA... 5 3.1.1 REGISTRO DA INSCRIÇÃO DO CRÉDITO EM DÍVIDA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO 1 LEI Nº. 949/2010 INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS E DISPÕE SOBRE A DECLARAÇÃO MENSAL DO IMPOSTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISSQN. O Prefeito Municipal de São Mateus,

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA PLANO PU

Leia mais

MINUTA LEI ANISTIA / LEI Nº 16.943

MINUTA LEI ANISTIA / LEI Nº 16.943 MINUTA LEI ANISTIA / LEI Nº 16.943 Dispõe sobre a concessão de redução na multa e no juros de mora no pagamento de crédito tributário do ICMS nas situações que especifica. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm Page 1 of 9 Espólio - Contribuinte Falecido CONCEITO 085 O que é espólio? Espólio é o conjunto de bens, direitos e obrigações da pessoa falecida. É contribuinte distinto do meeiro, herdeiros e legatários.

Leia mais

LEILÃO. atualizado em 10/11/2015 alterados os itens 1 a 7

LEILÃO. atualizado em 10/11/2015 alterados os itens 1 a 7 atualizado em 10/11/2015 alterados os itens 1 a 7 2 ÍNDICE 1. CONCEITOS INICIAIS...5 2. FATO GERADOR DO ICMS...5 3. LOCAL DA OPERAÇÃO...5 4. CONTRIBUINTE E RESPONSÁVEL TRIBUTÁRIO...6 4.1. Contribuinte...6

Leia mais

SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade?

SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade? SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade? I. MULTAS (Legislação do SPED) - I por apresentação extemporânea: a) R$ 500,00 (quinhentos reais) por mês-calendário ou fração, relativamente

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal,

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal, DECRETO N.º 060 /2013. REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE ARACATI E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MODALIDADE: Tradicional PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005233/2011-75

Leia mais

A lei de incentivos fiscais de Campinas

A lei de incentivos fiscais de Campinas A lei de incentivos fiscais de Campinas Lei 12.802/06 com as alterações formuladas na Lei 12.653/06: A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Leia mais

Vamos lá... *** a) Artigo 168: No caso de interrupção de pagamento de débito parcelado, o saldo proporcional

Vamos lá... *** a) Artigo 168: No caso de interrupção de pagamento de débito parcelado, o saldo proporcional Olá pessoal, tudo bem? Muitos estudos? Espero que sim. Vou começar a trabalhar com vocês alguns aspectos importantes da Legislação do ICMS RJ que podem ser cobrados no próximo concurso para Auditor Fiscal

Leia mais

DECRETO Nº 29.080, DE 09 DE SETEMBRO DE 2009

DECRETO Nº 29.080, DE 09 DE SETEMBRO DE 2009 DECRETO Nº 29.080, DE 09 DE SETEMBRO DE 2009 Regulamenta os artigos 94, 116, 118, 120 e 122 além de outros dispositivos correlacionados da Lei Complementar n.º 136, de 29 de dezembro de 2006, disciplinando

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93 . DECRETO Nº 1.763 DE 18 DE MARÇO DE 2014. PREFEITO MUNICIPAL DE BAMBUÍ, em vigor, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔNICO DE GESTÃO DO ISSQN

Leia mais