A CAMADA DE TRANSPORTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CAMADA DE TRANSPORTE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Tecnologia Departamento de Informática Redes de Computadores A CAMADA DE TRANSPORTE Prof.: Mauro Henrique Mulati

2 A CAMADA DE TRANSPORTE Roteiro TCP 2

3 A CAMADA DE TRANSPORTE Introdução ao TCP TCP (Transmission Control Protocol) Fornece um fluxo de bytes fim a fim confiável em um inter-rede não confiável Orientado a conexão (fornece um circuito virtual entre aplicações do usuário final) TCP deve retransmitir os segmentos sempre que necessário TCP deve reorganizar as mensagens na seqüência correta Entidade de transporte TCP Procedimento de biblioteca Processo do usuário Parte do núcleo do SO Gerencia fluxos e interfaces TCP para a camada IP Aceita fluxos de dados do usuário, divide-os em partes e envia cada parte em um datagrama IP distinto 3

4 A CAMADA DE TRANSPORTE O modelo de serviço do TCP Portas, conexões e extremidades O TCP usa a conexão, e não a porta do protocolo, como sua abstração fundamental; as conexões são identificadas por um par de extremidades Extremidade: (host, porta) Host: Endereço IP Porta: Porta TCP nesse host ( , 25): porta TCP 25 na máquina com endereço IP Conexão: definida por suas duas extremidades ( , 1069) e ( , 25) ( , 1184) e ( , 53) ( , 1184) e ( , 53) N.º de porta TCP pode ser compartilhado por várias conexões 4

5 A CAMADA DE TRANSPORTE O modelo de serviço do TCP Portas, conexões e extremidades Soquete mecanismo que oferece uma extremidade para comunicação API para programação de aplicações sobre Internet Conjunto de primitivas de transporte Primitivas de soquetes usadas no UNIX de Berkeley para o TCP As primitivas de socket para o TCP. 5

6 O modelo de serviço do TCP Portas, conexões e extremidades Port Protocol Use 21 FTP File transfer 23 Telnet Remote login 25 SMTP 69 TFTP Trivial File Transfer Protocol 79 Finger Lookup info about a user 80 HTTP World Wide Web 110 POP-3 Remote access 119 NNTP USENET news Abaixo de 1024: portas bem conhecidas, serviços padrão Inetd (Internet daemon) Algumas portas atribuídas 6

7 O modelo de serviço do TCP TCP não admite os processos de multidifusão e difusão Conexão TCP é um fluxo de bytes e não um fluxo de mensagens (fronteiras não são preservadas) No UNIX, os arquivos também têm essa propriedade Aplicação repassa dados para entidade TCP Pode enviá-los imediatamente ou armazená-los em um buffer PUSH Dados urgentes (Ctrl-C p/ interromper processo remoto) (a) Quatro segmentos de 512 bytes enviados como datagramas IP separados (b) Os bytes de dados entregues à aplicação em uma única chamada READ 7

8 O protocolo TCP Cada byte em uma conexão TCP tem seu próprio n.º de seqüência de 32 bits Segmento TCP: Cabeçalho fixo de 20 bytes (além da parte opcional) Carga útil IP: bytes MTU: Maximum transfer unit (taxa máxima de transferência) 1500 bytes (carga útil Ethernet) TCP usa protocolo de janela deslizante Envia segmento, dispara um timer Chega ao destino, entidade TCP receptora retorna um segmento (com ou sem dados) com um n.º de confirmação igual ao próximo n.º de seqüência que espera receber Se o timer expirar antes, o segmento será restransmitido 8

9 O protocolo TCP Segmentos podem chegar fora de ordem 3072 a 4095 podem chegar, mas não serão confirmados porque os bytes 2048 a 3071 ainda não chegaram 9

10 O cabeçalho do segmento TCP O cabeçalho TCP 10

11 O cabeçalho do segmento TCP Source port e destination port (16 bits cada) Sequence number (32 bits) Acknowledgement number (32 bits): próximo byte esperado e não o último byte recebido corretamente TCP header length (4 bits): Quantas palavras de 32 bits existem no cabeçalho URG: Campo de ponteiro de urgente é valido ACK: Campo de confirmação é válido PSH: Este segmento requer um PSH RST: Reinicia a conexão SYN: Sincroniza n.º s de seqüência FIN: Emissor alcançou final do seu fluxo de bytes 11

12 O cabeçalho do segmento TCP Window size (16 bits): indica quantos bytes podem ser enviados a partir do byte confirmado No TCP, as confirmações e a permissão para enviar dados adicionais são isoladas Recebi os bytes até k, mas não quero mais agora. Esse desacoplamento (na verdade, uma janela de tamanho variável) proporciona flexibilidade adicional 12

13 O cabeçalho do segmento TCP Checksum: para aumentar confiabilidade Total de verificação do cabeçalho, dos dados e do pseudocabeçalho O pseudocabeçalho incluído no total de verificação do TCP Ajuda a detectar pacotes extraviados Viola a hierarquia do protocolo UDP também utiliza 13

14 O cabeçalho do segmento TCP Options: Recursos extras Opção que permite a cada host estipular o máximo de carga útil do TCP que está disposto a receber Durante a configuração da conexão Pode anunciar sua capacidade máxima e avaliar a capacidade de seu parceiro Padrão: 536 bytes Nos dois sentidos não precisa ser o mesmo Window scale: fator de escala para a janela Permite deslocar o campo window size até 14 bits para a esquerda, janelas de até 2 30 bytes Retransmissão seletiva em vez do go back n NACK para permitir que o receptor solicite segmento(s) espe.(s) 14

15 O estabelecimento de conexões TCP CONNECT: endereço IP, porta, tamanho máximo, e opcionalmente alguns dados do usuário. SYN ativado e ACK desativado (...) (a) Estabelecimento de uma conexão TCP em condições normais. (b) Colisão entre chamadas N.º de seq. inicial é baseado no uso do clock Quando um host sofrer uma pane, ele não poderá reinicializar por um período equivalente a duração máxima de pacotes 15

16 Encerramento de conexões TCP São full-duplex Vamos considerar como sendo um par de conexões simplex Cada conexão simplex é encerrada de modo independente de sua parceira Bit FIN ativado: não há mais dados a serem transmitidos FIN é confirmado, esse sentido é destivado Dados podem fluir indefinidamente no outro sentido Dois sentidos desativados, conexão encerrada Quatro segmentos: um FIN e um ACK em cada sentido Primeiro ACK e segundo FIN podem ocupar o mesmo segmento Evitar problemas dos dois exércitos: timers Se uma resposta FIN não chegar em 2T, transmissor encerra Outro lado perceberá, e sofrerá um timeout 16

17 Modelagem do gerenciamento de conexões do TCP - Em cada estado, determinados eventos são válidos - Quando ocorre um evento válido, é possível executar uma ação - Outro evento, será reportado um erro Os estados usados na máquina de estados finitos para o gerenciamento de uma conexão TCP 17

18 Modelagem do gerenciamento de conexões do TCP Máquinas de estados finitos usada no gerenciamento de uma conexão TCP. A linha contínua mais escura representa o caminho normal de um cliente. A linha tracejada mais escura representa o caminho normal de um servidor. As linhas mais finas representam eventos incomuns. Cada transição é identificada pelo evento que a provoca e pela ação resultante dela, separados por uma barra 18

19 Política de transmissão do TCP Gerenciamento de janelas no TCP não está diretamente relacionado às confirmações Transmissores não são obrigados a enviar os dados assim que os receberem da aplicação. Nem os receptores tem a obrigação de enviar as confirmações imediatamente Gerenciamento de janelas no TCP 19

20 Política de transmissão do TCP Exceções Dados urgentes: por ex., para eliminar o processo na máquina remota Transmissor pode enviar um segmento de 1 byte para fazer com que o receptor anuncie novamente o próximo byte esperado e o tamanho da janela Para evitar impasse Exemplo Telnet, ssh Abordagem: retardar as confirmações e atualizações de janela durante 500 ms Algoritmo de Nagle Quando os dados chegarem ao transmissor um byte por vez, basta enviar o primeiro byte e armazenar no buffer todos os outros até que o byte pendente tenha sido confirmado, depois enviar o buffer em um único segmento 20

21 Política de transmissão do TCP Dados são repassados p/ a entidade TCP transmissora em grandes blocos, mas uma aplicação interativa no lado receptor lê os dados um byte por vez Forçar aguardar até que haja espaço considerável na janela para então anunciar o fato Tamanho máximo anunciado ou Metade de sua capacidade livre (o que for menor) Emissor pode ajudar não enviando segmentos pequenos Síndrome da janela boba 21

22 Controle de congestionamento do TCP Quando a carga oferecida a qualquer rede é maior que sua capacidade, acontece um congestionamento A Internet não é exceção a essa regra O controle é feito pelo TCP (trabalho mais pesado) Verdadeira solução é diminuir a taxa de transmissão de dados Idéia é não injetar um novo pacote na rede até que um pacote antigo saia da rede O TCP tenta alcançar esse objetivo manipulando dinamicamente o tamanho da janela Primeiro passo: Detectar congestionamento. timeout pode ser causado por: Ruído Pacote descartado em um roteador por congestionamento 22

23 Controle de congestionamento do TCP A maioria dos timeouts de transmissão se deve a congestionamentos Estabelecimento: Tamanho de janela adequado Para evitar congestionamento: Receptor pode especificar uma janela a partir do tamanho de seu buffer Se transmissor se mantiver dentro do tamanho da janela, não haverá problemas causados pela sobrecarga dos buffers na extremidade receptora, mas eles ainda poderão ocorrer devido a congestionamentos internos na rede 23

24 Controle de congestionamento do TCP (a) Uma rede rápida alimentando um receptor de pequena capacidade. (b) Uma rede lenta alimentando um receptor de grande capacidade 24

25 Controle de congestionamento do TCP Problemas em potencial: Capacidade da rede Capacidade do receptor Lidar com cada um em separado Cada transmissor mantém duas janelas Janela fornecida pelo receptor Janela de congestionamento O n.º de bytes que pode ser transmitido é o valor mínimo entre as duas janelas 25

26 Controle de congestionamento do TCP Ex.: Se o receptor pedir: Envie 8 KB Mas o transmissor souber que qualquer rajada com mais de 4 KB irá congestionar a rede, ele enviará apenas 4 KB Se o receptor pedir: Envie 8 KB Transmissor souber que rajadas de até 32 KB passam pela rede sem problemas Enviará os 8 KB solicitados 26

27 Controle de congestionamento do TCP Conexão estabelecida: Transmissor ajusta a janela de congestionamento ao tamanho do segmento máximo em uso na conexão Envia um segmento máximo Se confirmado antes do timeout Transmissor dobra o tamanho do segmento A medida que cada um desses segmentos for confirmado, a janela de congestionamento será aumentada em um tamanho de segmento máximo da janela de congestionamento (dobrada) Janela de congestionamento mantém crescimento exponencial até que ocorra um timeout (ou que a janela do receptor seja alcançada) Se janelas de 1024, 2048 e 4096 bytes funcinarem bem, mas uma rajada de 8192 bytes causar um timeout Janela de congestionamento deverá ser mantida em 4096 bytes Não importando quanto espaço de janela o receptor ofereça Algoritmo de inicialização lenta (Jacobson, 1988) 27

28 Controle de congestionamento do TCP Na Internet: Terceiro parâmetro: limiar (inicialmente 64 KB) Além das janelas: Do receptor De congestionamento Quando há timeout: O limiar é definido como a metade da janela de congestionamento atual E a janela de congestionamento é redefinida como um segmento máximo Em seguida, a inicialização lenta é usada para determinar o que a rede é capaz de gerenciar, exceto pelo fato de o crescimento exponencial ser interrompido quando o limiar é alcançado A partir daí, as transmissões bem-sucedidas proporcionam um crescimento linear à janela de congestionamento 28

29 Controle de congestionamento do TCP Tamanho da janela de congestionamento (kilobytes) Tamanho máximo do segmento: 1024 bytes ou 1 KB Em principio, a janela de congestionamento tinha 64 KB, mas houve timeout limiar foi definido com 32 KB e janela de congestionamento 1 KB p/ transmissão 0 Exponencialmente até chegar a 32 KB a partir daí, crescimento linear Um exemplo de algoritmo de congestionamento da Internet 29

30 Controle de congestionamento do TCP Se não ocorrerem outros timeouts A janela de congestionamento continuará a crescer até atingir o tamanho da janela do receptor Nesse ponto ele pára de crescer e permanece constante desde que: Não ocorra outro timeout A janela do receptor não mude de tamanho Se chegar um pacote SOURCE QUENCH do ICMP e for repassado ao TCP, esse evento será tratado como se tivesse ocorrido um timeout (existe abordagem mais recente: RFC 3168) 30

31 Gerenciamento de timers do TCP TCP utiliza vários timers Timer de retransmissão Quando um segmento é enviado, um timer de retransmissão é ativado Se o segmento for confirmado antes de o timer expirar, ele será interrompido Se o timer expirar antes de a confirmação chegar, o segmento será retransmitido (e o timer será disparado novamente) Qual deve ser o intervalo de timeout? Camada de enlace: retardo esperado é bastante previsível (pequena variância) -> timer pode ser programada para expirar logo após o momento em que a confirmação é esperada Camada de transporte: ambiente radicalmente distinto 31

32 Gerenciamento de timers do TCP (a) Densidade de probabilidades de tempos de chegada de confirmações na camada de enlace de dados (b) Densidade de probabilidades de tempos de chegada de confirmações para o TCP 32

33 Gerenciamento de timers do TCP Determinar tempo de ida e volta para o destino não é uma tarefa fácil Mesmo quando o tempo é conhecido, também é difícil decidir sobre o intervalo de timeout Se o timeout for curto demais, T1, ocorrerão retransmissões desnecessárias, sobrecarregando a Internet com pacotes inúteis Por outro lado, se for longo demais, T2, o desempenho será prejudicado devido ao longo retardo de retransmissão sempre que um pacote se perder Média e variância na distribuição da chegada das confirmações podem mudar com muita rapidez em um intervalo de poucos segundos, devido à ocorrência ou à resolução de um congestionamento 33

34 Gerenciamento de timers do TCP Solução: utilizar algoritmo altamente dinâmico que ajuste constantemente os intervalos de timeout Com base na contínua avaliação do desempenho da rede No TCP (criado por Jacobson (1988) ) Para cada conexão, RTT Melhor estimativa no momento para o tempo de percurso de ida e volta até o destino em questão Segmento enviado, timer disparado Não só para verificar quanto tempo a confirmação leva para chegar Também para acionar uma retransmissão, caso a confirmação demore demais para chegar Se confirmação votar antes de o timer expirar, TCP medirá o tempo necessário, que será M 34

35 Gerenciamento de timers do TCP Em seguida, TCP atualiza RTT: RTT = RTT 1 M = 7 8 =0,875 RTT =0,875 RTT 0,125 M 35

36 Gerenciamento de timers do TCP Mesmo que RTT seja adequado, não é trivial escolher timeout para retransmissão Em geral, TCP utiliza: Valor para Implementações iniciais: RTT =2 Experiência mostrou que um valor constante era inflexível, não atendia casos com variância maior Em 1988 Jacobson propôs: tornar aproximadamente proporcional ao desvio-padrão da função de densidade de probabilidades de tempos de chegada de confirmações Grande variância, alto valor de Pequena variância, baixo valor de 36

37 Gerenciamento de timers do TCP Foi sugerido o desvio-médio, uma forma econômica do desvio padrão Algoritmo de Jacobson exige o controle de outra variável de suavização, D, o desvio Sempre que uma confirmação chega, é calculada a diferença entre os valores esperados e os valores observados RTT-M Valor suavizado dessa expressão é mantido em D pela fórmula: D= D 1 RTT M Onde pode ou não ter o mesmo valor para usado para suavizar RTT Mesmo que D não seja exatamente igual ao desvio-padrão, ela atende às necessidade da rede Pode ser realizada usando-se apenas somas, subtrações e deslocamentos de inteiros 37

38 Gerenciamento de timers do TCP Por fim, intervalo de timeout: Timeout=RTT 4 D Fator 4: escolha é arbitrária Multiplicação realizada com um único deslocamento Minimiza o n.º de timeouts e retransmissões desnecessárias Menos de 1% de todos os pacotes chegam com um atraso de mais de 4 vezes o desvio padrão Problema: quando um segmento é retransmitido e a confirmação chega: se refere à primeira ou a uma transmissão posterior? Não atualizar RTT em qualquer segmento que tenha sido retransmitido Em vez disso, intervalo de timeout seria duplicado a cada falha, até os segmentos chegarem ao destino da primeira vez Algoritmo de Karn 38

39 Gerenciamento de timers do TCP Timer de retransmissão não é o único que o TCP utiliza Timer de persistência, para evitar impasse a seguir Receptor envia confirmação com um tamanho de janela 0 Mais tarde, receptor atualiza a janela, mas pacote com atualização se perde Agora, tanto o transmissor quanto o receptor estão esperando que o outro faça algo Quando o timer de persistência expirar, o transmissor enviará um teste ao receptor A resposta ao teste fornece o tamanho da janela Se ela ainda for zero, o timer de persistência será ativado novamente Se for diferente de zero, os dados poderão ser transmitidos 39

40 Gerenciamento de timers do TCP Timer keepalive (mater vivo) Quando conexão permanece inativa por muito tempo O timer keepalive pode expirar, fazendo um lado verificar se o outro lado ainda está ativo Se o outro lado não responder, a conexão será encerrada Recurso polêmico: Além de aumentar o overhead Pode encerrar uma boa conexão devido a uma partição transitória da rede Timer empregado no estado TIMED WAIT durante o encerramento É executado por um tempo igual a 2 vezes a duração máxima dos pacotes Para garantir que, quando uma conexão for fechada, todos os pacote criados por ela também serão extintos 40

41 UDP: User Datagram Protocol UDP: Transmite dados entre hosts sem confiabilidade Transmite segmentos (chamadas de datagramas do usuário) Sem conexão Não confiável Não realiza controle de erros nem retransmite após a recepção de um segmento incorreto Não usa confirmações (não é confiável) Não realiza controle de fluxo Não realiza controle de congestionamento Não reagrupa os segmentos de entrada Cabe ao processo do usuário 41

42 OS PROTOCOLOS DA INTERNET: UDP Introdução ao UDP Principal motivo de se ter o UDP em relação ao uso do IP bruto é a adição das portas de origem e destino Sem os campos de portas, a camada de transporte não saberia o que fazer com o pacote O cabeçalho do UDP Quando um pacote UDP chega, sua carga útil é entregue ao processo associado à porta de destino Associação ocorre quando a primitiva BIND ou algo semelhante é usado Fornece uma interface para o protocolo IP com o recurso adicional de demultiplexação de vários processos que utilizam as portas 42

43 OS PROTOCOLOS DA INTERNET: UDP Introdução ao UDP UDP é especialmente útil: Aplicações cliente/servidor DNS (Domain Name System) Não é necessário nenhuma configuração antecipada e também nenhum encerramento posterior Basta enviar duas mensagens pela rede 43

44 OS PROTOCOLOS DA INTERNET: UDP Remote Procedure Call Etapas na criação de uma chamada de procedimento remoto. Os stubs estão sombreados 44

45 OS PROTOCOLOS DA INTERNET: UDP Remote Procedure Call Idéia: tornar uma chamada de procedimento remoto o mais semelhante possível a uma chamada local Stub do cliente Stub do servidor Esses procedimento ocultam o fato de que a chamada de procedimento do cliente até o servidor não é local Reunião dos parâmetros é chamada de empacotamento (marshaling) 45

46 OS PROTOCOLOS DA INTERNET: UDP Remote Procedure Call Problemas Passagem de parâmetros por ponteiros Linguagem com tipificação fraca, como C Ex.: Procedimento que calcula o produto interno de dois vetores sem especificar o tamanho de cada vetor. Poderia terminar com um valor especial Não tem como determinar o tamanho do vetor a ser passado Nem sempre é possível deduzir os tipos dos parâmetros Não é possível usar variáveis globais E ainda... RPC não precisa usar pacotes UDP, mas RPC e UDP se adaptam muito bem Mas pode ser necessário instalar uma conexão TCP (T/TCP) Parâmetros ou resultados maiores que o pacote UDP máximo Operações não são idempotentes 46

47 OS PROTOCOLOS DA INTERNET: UDP O RTP (Real-time Transport Protocol) Aplicações multimídia em tempo real (a) A posição do RTP na pilha de protocolos (b) O aninhamento de pacotes 47

48 OS PROTOCOLOS DA INTERNET: UDP O RTP (Real-time Transport Protocol) O cabeçalho do RTP 48

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Transporte Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Março de 2011 1 / 59 Camada de Transporte Os protocolos dessa camada supervisionam o fluxo de

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte

Redes de Computadores. Camada de Transporte Redes de Computadores Camada de Transporte Objetivo! Apresentar as características da camada de transporte da arquitetura TCP/IP! Apresentar os serviços fornecidos pela camada de transporte! Estudar os

Leia mais

Transporte. Sua função é: Promover uma transferência de dados confiável e econômica entre máquina de origem e máquina de destino.

Transporte. Sua função é: Promover uma transferência de dados confiável e econômica entre máquina de origem e máquina de destino. Redes de Computadores Transporte Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Camada de transporte Sua função é: Promover uma transferência de dados confiável e econômica

Leia mais

Camada de Transporte. Redes de Computadores I Prof. Mateus Raeder. Camada de Transporte. Camada de Transporte. Camada de Transporte

Camada de Transporte. Redes de Computadores I Prof. Mateus Raeder. Camada de Transporte. Camada de Transporte. Camada de Transporte Camada de Transporte Redes de Computadores I Prof. Mateus Raeder É responsável pela transmissão lógica dos dados A camada de enlace é responsável pela transmissão física Dois tipos de transmissão: Orientado

Leia mais

Camada de Transporte. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação

Camada de Transporte. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2012/01 Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte

Leia mais

Camada de Transporte. Agenda. Tópicos. Serviços oferecidos... O serviço de transporte

Camada de Transporte. Agenda. Tópicos. Serviços oferecidos... O serviço de transporte BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2012/01 Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 6. Camada de Transporte DIN/CTC/UEM 2008 Principais Funções Oferece conexão lógica entre duas extremidades da rede Oferece controle fim-a-fim de fluxo e confiabilidade Independente da tecnologia utilizada

Leia mais

Redes de Computadores Preparatório para Concursos de TI

Redes de Computadores Preparatório para Concursos de TI Redes de Computadores Preparatório para Concursos de TI Prof. Bruno Guilhen Protocolos da Camada de Transporte TCP protocolo de Controle de Transmissão Confiável; Orientado à conexão com Controle de Fluxo;

Leia mais

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Conhecer o conceito da camada de transporte e seus principais protocolos: TCP e UDP. O principal objetivo da camada de transporte é oferecer um serviço confiável,

Leia mais

CAPÍTULO 6 A CAMADA DE TRANSPORTE

CAPÍTULO 6 A CAMADA DE TRANSPORTE CAPÍTULO 6 A CAMADA DE TRANSPORTE 6.1 OS SERVIÇOS DE TRANSPORTE: 6.1.1 SERVIÇOS OFERECIDOS ÀS CAMADAS SUPERIORES: Tem como objetivo de oferecer um serviço confiável, eficiente e econômico a seus usuários.

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento Professor Rene - UNIP 1 Revisão... Segmento A unidade de dados trocada entre as entidades de transporte é denominada

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores 2 1 Multiplexação e Desmultiplexação Acontece entre vários módulos na estrutura de SW de comunicação A nível de interface de rede: IP Interface

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio VI PROTOCOLOS

Leia mais

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP Programação TCP/IP Protocolos TCP e UDP Tecnologia em Redes de Computadores Unicesp Campus I Prof. Roberto Leal Visão Geral da Camada de Transporte 2 1 Protocolo TCP Transmission Control Protocol Protocolo

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores

Tecnologia de Redes de Computadores Tecnologia de Redes de Computadores Prof. Sidney Nicolau Venturi Filho 31. CAMADA DE TRANSPORTE Camada de Transporte Camada de Transporte Funções da camada controle de fluxo fim-a-fim sequênciação detecção

Leia mais

TCP - multiplexação/demultiplexação

TCP - multiplexação/demultiplexação TCP Protocolo de controle de transmissão (Transmission Control Protocol) Definido em diversas RFCs (793, 1122, 1323, 2018 e 2581) Diversos flavors (tipos) Serviços Multiplexação/demultiplexação Detecção

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte V: Camada de Transporte 3.1 Serviços da camada de transporte 3.2 Multiplexação e demultiplexação 3.3 Transporte não orientado à conexão: UDP 3.4 Princípios de transferência

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte TCP/IP 2 Introdução à Camada de Transporte As responsabilidades principais da camada de

Leia mais

Fundamentos de Redes. Protocolos de Transporte. Djamel Sadok Dênio Mariz. {jamel,dmts}@cin.ufpe.br

Fundamentos de Redes. Protocolos de Transporte. Djamel Sadok Dênio Mariz. {jamel,dmts}@cin.ufpe.br Fundamentos de Redes Protocolos de Transporte Djamel Sadok Dênio Mariz {jamel,dmts}@cin.ufpe.br Cin/UFPE, JUN/2003 1 Internet e TCP/IP Internet Agrupamento de grande quantidade de redes ao redor do mundo,

Leia mais

Computadores Digitais 2. Prof. Rodrigo de Souza Couto

Computadores Digitais 2. Prof. Rodrigo de Souza Couto Computadores Digitais 2 Linguagens de Programação DEL-Poli/UFRJ Prof. Miguel Campista ATENÇÃO Esta apresentação foi retirada e adaptada dos seguintes trabalhos: Notas de aula do Prof. Miguel Campista da

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Camada de Transporte. Protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte. Protocolos TCP e UDP Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Protocolo UDP Protocolo de transporte da Internet sem gorduras Serviço best effort, segmentos UDP podem ser: perdidos entregues fora de ordem para a aplicação

Leia mais

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte?

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte? Lista de Exercícios Camada de Transporte GBC-056 Arquitetura de Redes de Computadores Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia 6 de Julho de 2015 Exercício 1 Para que serve

Leia mais

Camada de Transporte. Prof. Leonardo Barreto Campos

Camada de Transporte. Prof. Leonardo Barreto Campos Camada de Transporte 1 Sumário Introdução; Serviços oferecidos à camada superior; Multiplexação e Demultiplexação; UDP; TCP; Controle de Congestionamento; Controle de Congestionamento do TCP; 2/62 Introdução

Leia mais

Camada de rede. Camada de enlace. Meio Físico

Camada de rede. Camada de enlace. Meio Físico Instituto Federal do Pará - IFPA Ricardo José Cabeça de Souza ricardo.souza@ifpa.edu.br 2010 Redes Básicas S-12 Modelo OSI Camada de Transporte Responsável pela transferência eficiente, confiável e econômica

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II UDP Prof: Ricardo Luís R. Peres Tem como objetivo prover uma comunicação entre dois processos de uma mesma sessão que estejam rodando em computadores dentro da mesma rede ou não.

Leia mais

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Controle de Congestionamento em TCP Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Controle de Congestionamento em TCP Princípios de controle de congestionamento Saber que congestionamento está ocorrendo Adaptar para

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Camada Transporte Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Algoritmo de Janela Deslizante em TCP O TCP clássico emprega um protocolo de janela deslizante com confirmação positiva e sem repetição seletiva. O TCP

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte XI Transporte orientado a conexão (TCP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte XI Transporte orientado a conexão (TCP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte XI Transporte orientado a conexão (TCP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Características do TCP Como o TCP fornece confiabilidade Janela deslizante Estabelecimento e

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 3. Camada de transporte

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 3. Camada de transporte Redes de computadores e a Internet Capítulo 3 Camada de transporte Camada de transporte Objetivos do capítulo: Entender os princípios por trás dos serviços da camada de transporte: Multiplexação/demultiplexação

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

Camada de transporte. TCP Transmission Control Protocol

Camada de transporte. TCP Transmission Control Protocol Camada de transporte TCP Transmission Control Protocol TCP A confiabilidade dos processos de comunicação foi deixada a cargo do TCP O TCP é um protocolo: Orientado à conexão Confiável Número de portas

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Comunicação- Protocolos, Tipos, RPC Capítulo 4 Agenda Protocolos em Camadas Pilhas de Protocolos em Sistemas Distribuídos Tipos de Comunicação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS. Especialização em Redes de Computadores e Internet

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS. Especialização em Redes de Computadores e Internet UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Especialização em Redes de Computadores e Internet TRANSMISSION CONTROL PROTOCOL MARINA SIMON BECKER Orientador:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO (UFRPE) UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E TECNOLOGIA Redes de Computadores Juliano Bandeira Lima Obionor Nóbrega Volume 2 Recife, 2011 Universidade Federal

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Qualidade em Servicos de Rede Prof. Eduardo Maronas Monks Roteiro de Laboratorio Camada de Transporte Parte II

Qualidade em Servicos de Rede Prof. Eduardo Maronas Monks Roteiro de Laboratorio Camada de Transporte Parte II Qualidade em Servicos de Rede Prof. Eduardo Maronas Monks Roteiro de Laboratorio Camada de Transporte Parte II 1) Explicar os seguintes mecanismos e conceitos do protocolo TCP: 1. Slow Start O algoritmo

Leia mais

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores.

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores. HISTÓRICO! 1969, Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) cria um projeto de pesquisa para criar uma experimental de comutação de pacotes ARPANET que deveria prover: robustez; confiabilidade;

Leia mais

Transporte. Transporte. Nível de Transporte Portas, Protocolos UDP e TCP. Transporte. Transporte. Nível de Transporte

Transporte. Transporte. Nível de Transporte Portas, Protocolos UDP e TCP. Transporte. Transporte. Nível de Transporte Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Disciplina: Nível de Transporte Portas, Protocolos UDP e TCP Nível de Transporte Profa. Débora Christina Muchaluat Saade deborams@telecom.uff.br br

Leia mais

Capítulo 3: Camada de Transporte. Multiplexação/desmultiplexação. Serviços e protocolos de transporte. Antônio Abelém abelem@ufpa.

Capítulo 3: Camada de Transporte. Multiplexação/desmultiplexação. Serviços e protocolos de transporte. Antônio Abelém abelem@ufpa. Serviços e protocolos de Capítulo 3: Camada de Transporte Antônio Abelém abelem@ufpa.br provê comunicação lógica entre processos de executando em hospedeiros diferentes protocolos de executam em sistemas

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE INTRODUÇÃO (KUROSE) A Camada de Rede é uma peça central da arquitetura de rede em camadas A sua função é a de fornecer serviços de comunicação diretamente aos processos

Leia mais

Introdução à Redes de Computadores

Introdução à Redes de Computadores Introdução à Redes de Computadores 1 Agenda Camada 4 do modelo OSI 2 1 Camada 4 do modelo OSI 3 Camada 4 - Transporte O termo "qualidade de serviço" é freqüentemente usado para descrever a finalidade da

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 19: 29 de junho de 2010 1 camada de transporte camada de rede 2 Questão 1 (Kurose/Ross) camada de transporte camada de rede Um processo em um host C tem um socket UDP com

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Camada de Redes Parte II. Fabrício

Camada de Redes Parte II. Fabrício Camada de Redes Parte II Fabrício Algoritmos de controle de congestionamento Quando há pacotes demais presente (em parte) de uma sub-rede, o desempenho diminui. Dentro da capacidade de tranporte Eles serão

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte UDP Slide 1 Camada de Transporte Fornece uma comunicação lógica entre processos de aplicações em diferentes hosts através da camada de rede; São implementados

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 10 - TCP/IP Intermediário 1 Objetivos do Capítulo Descrever o TCP e sua função; Descrever a sincronização e o controle de fluxo do TCP; Descrever

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capítulo3. Camada de transporte

Redes de computadores e a Internet. Capítulo3. Camada de transporte Redes de computadores e a Internet Capítulo Camada de transporte Pilha de protocolos da Internet M Aplicação Ht M Transporte Hr Ht M Rede Hr Ht M Enlace Mensagem Segmento Datagrama Quadro He Física -2

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Camada de transporte. Camada de transporte

Camada de transporte. Camada de transporte Camada de transporte Camada de transporte Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de transporte: Multiplexação/demultiplexação Transferência de dados confiável Controle de

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte de Dados: protocolos TCP e UDP Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Redes de Computadores. Camada de Transporte de Dados: protocolos TCP e UDP Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Redes de Computadores Camada de Transporte de Dados: protocolos TCP e UDP Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Camada de Transporte. Alexandre Augusto Giron

REDES DE COMPUTADORES Camada de Transporte. Alexandre Augusto Giron REDES DE COMPUTADORES Camada de Transporte Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Visão geral da camada de transporte Protocolos UDP TCP Princípios do controle de congestionamento A camada de transporte: visão

Leia mais

3. Arquitetura TCP/IP

3. Arquitetura TCP/IP 3. Arquitetura TCP/IP A arquitetura internet foi criada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, com o objetivo de se ter uma rede interligando várias universidades e órgãos do governo de maneira

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Número: Nome: Duração: 1 hora O teste é sem consulta O teste deve ser resolvido

Leia mais

A CAMADA DE TRANSPORTE

A CAMADA DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Tecnologia Departamento de Informática Redes de Computadores A CAMADA DE TRANSPORTE Prof.: Mauro Henrique Mulati A CAMADA DE TRANSPORTE Roteiro Introdução O serviço

Leia mais

P L A N O D E D I S C I P L I N A

P L A N O D E D I S C I P L I N A INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ SC CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES / REDES DE COMPUTADORES P L A N O D E D I S C I P L I N A DISCIPLINA: Redes de Computadores Carga Horária: 95 HA

Leia mais

Protocolos de Comunicação

Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Faculdades Santa Cruz TRC4SA Professor Guerra 2 2o Bimestre 3 Aplicações e Transporte TCP/IP O TCP/IP é uma combinação de dois protocolos individuais. O IP opera na camada 3 e

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores.

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores. HISTÓRICO 1969, Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) cria um projeto de pesquisa para criar uma rede experimental de comutação de pacotes ARPANET que deveria prover: robustez; confiabilidade;

Leia mais

TCP: Overview RFCs: 793, 1122, 1323, 2018, 2581

TCP: Overview RFCs: 793, 1122, 1323, 2018, 2581 TCP: Overview RFCs: 793, 1122, 1323, 2018, 2581 ponto-a-ponto: dados full-duplex: um transmissor, um receptor confiável, seqüêncial -> byte stream: mensagens não são delimitadas pipelined: transmissão

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

Redes de Computadores (PPGI/UFRJ)

Redes de Computadores (PPGI/UFRJ) Redes de Computadores (PPGI/UFRJ) Aula 1: Apresentação do curso e revisão de interface de sockets 03 de março de 2010 1 2 O que é a Internet 3 4 Objetivos e página do curso Objetivos Apresentar a motivação,

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Protocolos da camada de transporte da Internet edes de Computadores Março, 2012 Parte III: Camada de Transporte Professor: einaldo Gomes reinaldo@dsc.ufcg.edu.br TCP: Confiável garante ordem de entrega

Leia mais

Redes de Computadores I Internet - Conceitos

Redes de Computadores I Internet - Conceitos Redes de Computadores I Internet - Conceitos Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2012/1 v1-2012.03.29 O que é a Internet Milhões de elementos de computação interligados: Hosts,

Leia mais

TCP/IP Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele.

TCP/IP Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele. TCP/IP Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele. UTP - UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Arquitetura de Redes de Computadores II Prof. André Luiz PROGRAMA 1. Conceitos Básicos de Rede 2. Camada de

Leia mais

Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação

Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação Universidade do Sul de Santa Catarina Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação 1 Camada de Transporte Os serviços de transporte incluem os seguintes serviços básicos: Segmentação de dados de aplicações

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Segundo Bimestre Exercicio 1: Considere a seguinte configuração de rede estruturada em VLANs 220.0.0.2/24 C VLAN 2 B VLAN 1 A VLAN 1 VLAN 1,2,3

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP

Introdução ao Protocolo TCP/IP Introdução ao Protocolo TCP/IP Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento na Rede

Leia mais

TCP: Visão geral RFCs: 793, 1122, 1323, 2018, 2581. TCP: nos. de seq. e ACKs. TCP: estrutura do segmento. TCP: Tempo de Resposta (RTT) e Temporização

TCP: Visão geral RFCs: 793, 1122, 1323, 2018, 2581. TCP: nos. de seq. e ACKs. TCP: estrutura do segmento. TCP: Tempo de Resposta (RTT) e Temporização socket door : Visão geral FCs: 793, 1122, 1323, 2018, 2581 ponto a ponto: 1 remetente, 1 receptor fluxo de bytes, ordenados, confiável: não estruturado em msgs dutado: tam. da janela ajustado por controle

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Internet G G G Introdução Protocolo: Conjunto de regras que determinam como o hardware e o software de uma rede devem interagir para

Leia mais

Lista de Exercícios 03 - Camadas de Transporte e de Aplicação e Segurança de Redes

Lista de Exercícios 03 - Camadas de Transporte e de Aplicação e Segurança de Redes BCC361 Redes de Computadores (2012-02) Departamento de Computação - Universidade Federal de Ouro Preto - MG Professor Reinaldo Silva Fortes (www.decom.ufop.br/reinaldo) Lista de Exercícios 03 - Camadas

Leia mais

7 Introdução ao TCP/IP

7 Introdução ao TCP/IP APÊNDICE 7 7 Introdução ao TCP/IP 7.1 Histórico A arquitetura TCP/IP (ou Internet) teve seu início quando a Agência de Projetos Avançados de Pesquisa em Defesa (Defense Advanced Research Projects Agency

Leia mais