CAPÍTULO 6 A CAMADA DE TRANSPORTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 6 A CAMADA DE TRANSPORTE"

Transcrição

1 CAPÍTULO 6 A CAMADA DE TRANSPORTE 6.1 OS SERVIÇOS DE TRANSPORTE: SERVIÇOS OFERECIDOS ÀS CAMADAS SUPERIORES: Tem como objetivo de oferecer um serviço confiável, eficiente e econômico a seus usuários. Para tal ela utiliza vários serviços oferecidos pela camada de rede. O hardware/software que executa tal tarefa é chamado de entidade de transporte e pode estar em: - No kernel do sistema operacional. - Em um outro processo de usuário. - Em um pacote de biblioteca vinculado a aplicações de rede, ou - Na placa de interface de rede. Figura 6.1 As camadas de rede, de transporte e de aplicação.

2 A mesma oferece serviços orientados e não orientados à conexão, tal como a camada de rede oferece. A razão para tais serviços é a de se ter um maior controle sobre as conexões de rede QUALIDADE DE SERVIÇO: No melhor caso a QdS da camada de transporte vem a ampliar a QdS oferecida pela camada de rede. Retardo no estabelecimento da conexão. Probabilidade de falha no estabelecimento da conexão. Throughput. Retardo de trânsito. Taxa de erros residuais. Proteção. Prioridade Resilência Figura 6.2 Parâmetros típicos para a qualidade de serviço da camada de transporte PRIMITIVAS DE SERVIÇO DE TRANSPORTE: Permite que os usuários de transporte tenham acesso ao serviço de transporte.

3 Primitiva TPDU enviada Significado LISTEN (nenhuma) Bloquear até que algum processo tente se conectar. CONNECT CONNECTION REQ. Tentar ativamente estabelecer uma conexão. SEND DATA Enviar informações. RECEIVE (nenhuma) Bloquear até uma TPDU DATA chegar. DISCONNECT DISCONNECTION REQ. Este lado quer encerrar a conexão. Figura 6.3 As primitivas para um serviço de transporte simples. Figura 6.4 Aninhamento de TPDUs, pacotes e quadros. O encerramento de uma conexão de transporte tem duas variantes a saber: ASSIMÉTRICA: Qualquer dos usuários de transporte pode encerrar uma conexão de transporte. SIMÉTRICA: Ambas as partes devem executar a primitiva DISCONNECT.

4 Connection request TPDU received Connection request TPDU received TPDU received Disconnection request Disconnection request TPDU received Figura 6.5 Diagrama de estados para um mecanismo de gerenciamento de conexão simples. As transições em itálico são acionadas pela chegada de um pacote. As linhas contínuas mostram a seqüência de estados do cliente. As linhas pontilhadas mostram a seqüência de estados do servidor. Berkeley Sockets: São primitivas SOCKET usadas no Berkeley UNIX para o TCP. Primitiva SOCKET BIND LISTEN ACCEPT CONNECT SEND RECEIVE CLOSE Significado Cria um novo ponto final de comunicação. Anexa um endereço local a um socket. Anuncia a disposição para aceitar conexões; mostra o tamanho da fila. Bloquear o responsável pela chamada até uma tentativa de conexão ser recebida. Tenta estabelecer uma conexão ativamente. Envia alguns dados através da conexão. Recebe alguns dados através da conexão. Encerra a conexão.

5 6.2 ELEMENTOS DOS PROTOCOLOS DE TRANSPORTE: Os protocolos de transporte, em alguns aspectos lembram os protocolos de enlace de dados, pois ambos tem de lidar com o controle de erros, com a definição de seqüências e com o controle de fluxo, entre outras coisas. Figura 6.7 (a) Ambiente da camada de enlace de dados. (b) Ambiente da camada de transporte. - Na camada de enlace de dados em conexões ponto a ponto não é necessário explicitar o destino. Na camada de transporte o mesmo é imperativo. - O estabelecimento da conexão inicial é simples na camada de enlace de dados e complexo na camada de transporte. - Na camada de transporte há decorrente da camada de rede a possibilidade dos pacotes chegarem fora de ordem. - Os controles de buffers e de fluxos são necessários em ambas as camadas, porém devem ser tratados de forma diferente na camada de transporte devido ao número elevado de conexões ENDEREÇAMENTO: Tanto no transporte com conexão quanto no sem conexão os endereços dos pontos de acesso aos serviços devem ser explicitados.

6 - Na camada de transporte TSAP. - Na camada de rede NSAP. Figura 6.8 TSAPs, NSAPs e conexões. Figura 6.9 Como um processo do usuário no host 1 estabelece uma conexão com o servidor de hora do dia no host 2.

7 Outra modalidade de servidor é o servidor de nomes ou também servidor de diretórios ESTABELECIMENTO DE UMA CONEXÃO: Parece simples, porém com os problemas que uma sub-rede congestionada pode causar, o mesmo torna-se complexo. O ponto crucial do problema é a existência de duplicações atrasadas. - Usar endereços de transporte descartáveis. - Atribuir a cada conexão um identificador, escolhido pelo cliente, e colocado em uma TPDU. - Para evitar que os pacotes permaneçam na sub-rede eternamente, pode-se restringir o tempo de vida dos pacotes usando-se uma das seguintes técnicas: - Restringindo-se o projeto de sub-rede. - Usando-se um contador de hops em cada pacote. - Usando-se um timestamp em cada pacote. Tomlinson (1975) propôs o uso de um relógio (contador) tal como ilustrado na Figura 6.10.!"" # $ % ( &' " Figura 6.10 (a) As TPDUs não podem entrar na área proibida. (b) O problema da resincronização.

8 Dois problemas ocorrem e são os seguintes: - Seqüenciamento após uma falha (Figura 6.10 (a)). - Taxa de envio menor que a do relógio (Figura 6.10 (b)). Para evitar o problema causado pela duplicação de requisições de conexão, Tomlinson (1975) criou o HANDSHAKE DE TRÊS VIAS. Figura 6.11 Três cenários de protocolos para o estabelecimento de uma conexão usando o handshake de três vias. CR e ACK correspondem a CONNECTION REQUEST e CONNECTION ACCEPTED respectivamente. (a) Operação normal. (b) Antiga CR duplicada que surge repentinamente. (c) CONNECTION REQUEST e ACK duplicadas..

9 6.2.3 ENCERRAMENTO DE UMA CONEXÃO: - Simétrico. - Assimétrico. Figura 6.12 Desconexão abrupta com perda de dados. B B W Figura 6.13 O problema dos dois exércitos.

10 Figura 6.14 Quatro situações de protocolo de estabelecimento de conexões. (a) Caso normal de handshake trilateral. (b) ACK final perdido. (c) Resposta perdida. (d) Resposta perdida e DRs subseqüentes perdidas CONTROLE DE FLUXO E USO DE BUFFERS: Comparação com a camada de enlace de dados: - Semelhança: Janela deslizante. - Diferença: Os roteadores tem poucas linhas e os hosts podem ter inúmeras conexões.

11 Figura 6.15 (a) Cadeia de buffers de tamanho fixo. (b) Cadeia de buffers de tamanho variável. (c) Um grande buffer circular por conexão. '! -#!!"#$% &$# &$# '!$#&((&$ #$!)(" &$ &$#) (#( *+%&(!#$!($$$# %# ##& &$ (#$#!( (($$$#,#($$# Figura 6.16 Alocação dinâmica de buffers. As setas mostram a direção da transmissão. As reticências (...) indicam a perda de uma TPDU.

12 Quando o espaço em buffer deixar de limitar o fluxo máximo, surgirá outro gargalo: a capacidade de transporte da sub-rede. Belsnes (1975) propôs o uso de um esquema de controle de fluxo com uma janela deslizante, no qual o tamanho da janela é ajustado de acordo com a capacidade de transporte da sub-rede MULTIPLEXAÇÃO: Figura 6.17 (a) Multiplexação ascendente. (b) Multiplexação descendente RECUPERAÇÃO DE FALHAS: Se a camada de rede oferece serviços de datagramas, a camada de transporte estará sempre esperando por TPDUs em atraso. Se a camada de rede oferece serviço de circuito virtual, somente um novo estabelecimento de circuito seguido de uma indagação por TPDUs recebidas trará bons resultados. Um problema mais grave é quando a falha ocorre:

13 !" ( #$ %&# % &#!"!#$ '$$($) ($($ ( '$$($! *( '$$($$ Figura 6.18 Diferentes combinações das estratégias do cliente e do servidor. 6.3 UM PROTOCOLO DE TRANSPORTE SIMPLES: As primitivas de serviço são as seguintes: Primitiva TPDU enviada Significado LISTEN (nenhuma) Bloquear até que algum processo tente se conectar. CONNECT CONNECTION REQ. Tentar ativamente estabelecer uma conexão. SEND DATA Enviar informações. RECEIVE (nenhuma) Bloquear até uma TPDU DATA chegar. DISCONNECT DISCONNECTION REQ. Este lado quer encerrar a conexão. Figura 6.3 As primitivas para um serviço de transporte simples.

14 6.3.1 EXEMPLO DE PRIMITIVAS DE SERVIÇO: Os parâmetros das primitivas de serviço e dos procedimentos de biblioteca são os seguintes: numcom = LISTEN(local) numcom = CONNECT(local, remoto) status = SEND(numcom, buffer, bytes) status = RECEIVE(numcom, buffer, bytes) status = DISCONNECT(numcom) EXEMPLO ENTIDADE DE TRANSPORTE: A camada de transporte utiliza as primitivas do serviço de rede para enviar e receber TPDUs. As primitivas do serviço de rede são diferentes do serviço ser: Não orientado à conexão. Orientado à conexão. A interface da camada de rede é estabelecida através dos procedimentos to_net e from_net, cujos parâmetros são: - Identificador de conexão, que mapea os circuitos virtuais da rede um a um. - Os bits Q e M que quando setados em 1 indicam uma mensagem de controle e que mais dados seguem na próxima mensagem. - Tipo de pacote.

15 Pacote de rede Significado CALL REQUEST Enviado para estabelecer uma conexão. CALL ACCEPTED Resposta a CALL REQUEST. CLEAR REQUEST Enviado para encerrar uma conexão. CLEAR CONFIRMATION Resposta a CLEAR REQUEST. DATA Usado para transportar dados. CREDIT Controla o pacote de gerenciamento de janelas. Figura 6.19 Os pacotes da camada de rede usados no nosso exemplo. - Um ponteiro para os dados. - Indica o volume de bytes de dados. A camada de rede pode controlar o fluxo de mensagens da camada de transporte, pelo uso dos comandos enable_transport_layer e disable_transport_layer. Outros procedimentos de suspensão são sleep e wakeup. Cada conexão sempre está em um dos seguintes estados: 1. IDLE A conexão ainda não foi estabelecida. 2. WAITING A primitiva CONNECT foi executada e um pacote CALL REQUEST foi enviado. 3. QUEUED Um pacote CALL REQUEST chegou, mas a primitiva LISTEN ainda não foi executada. 4. ESTABLISHED A conexão foi estabelecida. 5. SENDING O usuário está aguardando permissão para enviar um pacote. 6. RECEIVING Foi executada uma primitiva RECEIVE. 7. DISCONNECTING Foi executada uma primitiva DISCONNECT localmente.

16

17

18

19

20 6.3.3 EXEMPLO DE MÁQUINA DE ESTADOS FINITA: - 7 estados por conexão eventos para mudança de estados. - 5 são as primitivas de serviço. - 6 pacotes válidos por chegar. - 1 expiração do temporizador.!! " "##$! % % % #$ % # #&' " #('!) #*') #+'!) #,' - -&' -/' % -('"! -0'" -*'! -1' -+' % -&2'! " -,' " -&&' -.'! -&('- )% Figura 6.21 O exemplo de protocolo como uma máquina de estados finita. Cada entrada tem um predicado opcional, uma ação opcional e um novo estado. O til indica que nenhuma ação mais importante foi executada. Um traço sobre um predicado indica a negação do predicado. As entradas em branco correspondem a eventos impossíveis ou inválidos.

21 As vantagens de representar o protocolo com uma matriz são: - Facilidade para o programador verificar periodicamente cada combinação de estado e evento, e constatar se alguma intervenção é necessária. - Está na própria implementação, no qual os elementos em a ij são vistos como um ponteiro ou índice para o procedimento que trataria da ocorrência do evento i no estado j. - Os protocolos sempre são apresentados tal como na Figura Como desvantagem tem-se que a mesma pode ser mais difícil de compreender que o código resultante. Como solução para o problema do entendimento tem-se: Figura 6.22 O exemplo de protocolo na forma de um grafo. Para tornar o processo mais simples, foram omitidas as transições que não alteram o estado da conexão.

22 6.4 OS PROTOCOLOS DE TRANSPORTE NA INTERNET (TCP e UDP): TCP Transmission Control Protocol. UDP User Datagram Protocol O MODELO DE SERVIÇO TCP:!"!!! #!! Primitiva SOCKET BIND LISTEN ACCEPT CONNECT SEND RECEIVE CLOSE Significado Cria um novo ponto final de comunicação. Anexa um endereço local a um socket. Anuncia a disposição para aceitar conexões; mostra o tamanho da fila. Bloquear o responsável pela chamada até uma tentativa de conexão ser recebida. Tenta estabelecer uma conexão ativamente. Envia alguns dados através da conexão. Recebe alguns dados através da conexão. Encerra a conexão.

23 As conexões TCP são identificadas nas duas extremidades pelos identificadores de socket, ou seja (socket1,socket2). Portas de número abaixo de 256 são conhecidas e são rservadas para serviços padrão: - TFP usa porta TELNET usa porta 23. Todas as conexões TCP são full-duplex e ponto a ponto. Uma conexão TCP é um fluxo de dados e não um fluxo de mensagens. %! $! $ # $ # &' Figura 6.23 (a) Quatro segmentos de 512 bytes enviados como datagramas IP separados. (b) Os bytes de dados entregues às aplicações em uma única chamada READ. &(' Quando uma aplicação passa dados para a entidade TCP, ela pode dependendo da necessidade, envia-los imediatamente (PUSH) ou armazenalos em buffer O PROTOCOLO TCP: A TPDU do TCP é denominada segmento e consiste de um cabeçalho fixo de 20 bytes (mais uma parte opcional), seguido de zero ou mais bytes de dados. O tamanho do segmento está restrito a dois fatores: - Deve ter o tamanho da carga útil do IP que é de bytes; ou - Deve estar contido na MTU (Maximum Transfer Unit) da rede.

24 Um roteador pode chegar a dividir um segmento em vários outros segmentos, dependendo da rede na qual o mesmo se destina. Tem como protocolo básico de controle de transporte o protocolo de janela deslizante, combinado com um temporizador O CABEÇALHO DE SEGMENTO TCP: ) # ( *( $! * +, - $.!, / 0 % 1 $ +* 2&3)4( ' #&' Figura 6.24 O cabeçalho TCP. Os seis flags de bits indicam: URG Indica um deslocamento de bit no número de seqüência no qual os dados urgentes deverão estar. ACK Indica que acknowledgement number é válido. PSH Força a entrega imediata dos dados à camada de aplicação. RST Usado para reinicializar uma conexãoperdida. SYN Usado para estabelecer uma conexão. SYN=1 e ACK=0 => Requisição. SYN=1 e ACK=1 => Aceitação. FIN Encerra uma conexão.

25 Figura 6.25 O pseudocabeçalho incluído na soma de verificação TCP GERENCIAMENTO DE CONEXÃO TCP: Utiliza o handshake de três vias. Figura 6.26 (a) Estabelecimento de uma conexão TCP em condições normais. (b) Colisão de chamada. O servidor aguarda possivelmente por uma conexão ao executar as primitiva LISTEN e ACCEPT. O cliente executa uma primitiva CONNECT, especificando: porta e IP do destinatário, tamanho máximo do segmento TCP que está disposto a aceitar e alguns dados opcionais do usuário. Ao chegar no destino, a entidade TCP verifica se a porta indicada está sendo executada.

26 - Se algum processo estiver na escuta da porta, a ele será entregue o segmento TCP. - Se não, um segmento TCP com RST = 1 será enviado indicando a rejeição da conexão. A desconexão é independente em cada direção, necessitando apenas do envio do quadro TCP com o bit FIN=1 e de uma confirmação. O número de seqüência é controlado por um relógio que pulsa a cada 4 µs. Após uma falha, o host só poderá ser reiniciado após esgotado o tempo de vida máximo de um pacote. O problema dos dois exércitos é contornado com temporizadores POLÍTICA DE TRANSMISSÃO TCP:! Figura 6.29 O gerenciamento de janelas no TCP.

27 Quando a janela for 0 duas excessões podem ocorrer: - Dados urgentes podem ser enviados para, por exemplo, permitir que o usuário elimine o processo executado na máquina remota. - O transmissor envia um segmento de 1 byte para fazer com que o receptor reanuncie o próximo byte aguardado e o tamanho da janela. Nagle (1984) propôs o seguinte algoritmo como forma de reduzir o desperdício de banda passante: - Trasmita somente um byte e armazene os demais, em caso de os dados chegarem em um byte por vez. - Em seguida envie todos os caracteres armazenados em um segmento. - Reinicie o processo de armazenamento. O algoritmo de Nagle não se aplica por exemplo para o controle do movimento do mouse. Figura 6.30 A síndrome da janela bora.

28 Clark (1982) providenciou a seguinte solução: - Força o transmissor a ter uma quantidade considerável de bytes a enviar. - O receptor deve enviar uma janela de atualização somente quando o mesmo tiver o tamanho máximo do segmento negociado em buffer, ou o buffer estiver parcialmente cheio. As soluções de Nagle e de Clark são complementares e devem operar em conjunto CONTROLE DE CONGESTIONAMENTO TCP: Para se controlar o congestionamento e mesmo tem que ser detectado. A tarefa da detecção já foi um problema. 5 % * 4 6*4 &' Figura 6.31 (a) Uma rede rápida alimentando um receptor de pequena capacidade. (b) Uma rede lenta alimentando um receptor de grande capacidade. &('

29 Sendo assim dois problemas potenciais existem: - A capacidade da rede, e - A capacidade do receptor. E conseqüentemente duas janelas deslizantes existem: - A adquirida inicialmente, e - A janela de congestionamento. Figura 6.32 Um exemplo do algoritmo de congestionamento da Internet GERÊNCIA DO TIMER TCP: - O TCP usa temporizadores múltiplos para conduzir seu trabalho. - O mais importante deles é o temporizador de retransmissão. - Uma questão importante é: Quanto deve durar o intervalo de timeout?

30 !! " " "! % & "! % & #$ #$ #$ #$ Figura (a) Densidade de probabilidade dos tempos de chagada na camada de enlace de dados. (b) Densidade de probabilidade dos tempos de chegada para o serviço TCP. Jacobson (1988) propôs que para cada conexão TCP, a variável RTT (Round Trip Time) deva ser atualizada periodicamente de acordo com a seguinte fórmula: RTT = αrtt + ( α )1 M onde: M É o tempo decorrido desde o envio dos dados até o recebimento do ACK. α - É um fator de suavização que determina o peso dado à estimativa anterior ( 7/8). Dentre os parâmetros avaliados, a escolha do timeout de retransmissão é o mais dofícil de avaliar. Sendo assim, Jacobson (1988) propôs a seguinte equação alternativa: D α D +=)1 ( α RTT M

31 onde: D É o desvio padrão da FDP do tempo de chagada das confirmações. Logo, o intervalo de timeout é definido como: Timeout = RTT + 4D Um problema: Como comportar perante retransmissões? Solução: Segundo Karm, uma nova estimativa do RTT deverá ocorrer somente sob condições normais. Caso contrário a estimativa consistirá em se dobrar o valor do RTT. Outros temporizadores: Temporizador de persistência: Serve para evitar impasses, em que a perda subseqüente de dados enviados para uma janela de recepção zero. Temporizador mantenha-vivo: (Keepalive timer). Usado para lembrar aos parceiros de se comunicarem um com o outro em caso de um período de inatividade muito longo. Timed Wait: Quando uma conexão é desfeita o mesmo é executado por duas vezes o tempo de vida máximo de um pacote para confirmar que quando a conexão for encerrada, todos os pacotes tenham sido entregues UDP (User Datagram Protocol): Consiste em uma forma de as aplicações enviarem datagramas IP brutos sem a necessidade de se estabelecer uma conexão.

32 Figura 6.34 O cabeçalho UDP UDP E TCP SEM FIO: TCP Indireto Bakne e Badrinath (1995) $! $!, 7( Figura A divisão de uma conexão TCP em duas conexões.

Transporte. Sua função é: Promover uma transferência de dados confiável e econômica entre máquina de origem e máquina de destino.

Transporte. Sua função é: Promover uma transferência de dados confiável e econômica entre máquina de origem e máquina de destino. Redes de Computadores Transporte Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Camada de transporte Sua função é: Promover uma transferência de dados confiável e econômica

Leia mais

Endereços de transporte TPDU. Nível de Rede Endereço de rede. Figura 1. Entidade de transporte

Endereços de transporte TPDU. Nível de Rede Endereço de rede. Figura 1. Entidade de transporte 24 A CAMADA DE TRANSPORTE O nível de transporte é o coração da pilha de protocolos Sua tarefa é prover transporte confiável e eficiente de dados de uma máquina origem para uma máquina destino, independente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 6. Camada de Transporte DIN/CTC/UEM 2008 Principais Funções Oferece conexão lógica entre duas extremidades da rede Oferece controle fim-a-fim de fluxo e confiabilidade Independente da tecnologia utilizada

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento Professor Rene - UNIP 1 Revisão... Segmento A unidade de dados trocada entre as entidades de transporte é denominada

Leia mais

ELEMENTOS DE PROTOCOLOS DE TRANSPORTE. Fabricio Sousa

ELEMENTOS DE PROTOCOLOS DE TRANSPORTE. Fabricio Sousa ELEMENTOS DE PROTOCOLOS DE TRANSPORTE Fabricio Sousa Elementos de protocolos de transporte 2 Serviço de transporte implementado por um protocolo de transporte usado entre duas entidades de transporte Em

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte

Redes de Computadores. Camada de Transporte Redes de Computadores Camada de Transporte Objetivo! Apresentar as características da camada de transporte da arquitetura TCP/IP! Apresentar os serviços fornecidos pela camada de transporte! Estudar os

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores 2 1 Responsável pela movimentação dos dados, de maneira eficiente e confiável, entre processos (usuários) em execução nos equipamentos

Leia mais

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Conhecer o conceito da camada de transporte e seus principais protocolos: TCP e UDP. O principal objetivo da camada de transporte é oferecer um serviço confiável,

Leia mais

Computadores Digitais 2. Prof. Rodrigo de Souza Couto

Computadores Digitais 2. Prof. Rodrigo de Souza Couto Computadores Digitais 2 Linguagens de Programação DEL-Poli/UFRJ Prof. Miguel Campista ATENÇÃO Esta apresentação foi retirada e adaptada dos seguintes trabalhos: Notas de aula do Prof. Miguel Campista da

Leia mais

A CAMADA DE TRANSPORTE

A CAMADA DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Tecnologia Departamento de Informática Redes de Computadores A CAMADA DE TRANSPORTE Prof.: Mauro Henrique Mulati A CAMADA DE TRANSPORTE Roteiro Introdução O serviço

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Camada de Transporte. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação

Camada de Transporte. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2012/01 Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte

Leia mais

Camada de Transporte. Agenda. Tópicos. Serviços oferecidos... O serviço de transporte

Camada de Transporte. Agenda. Tópicos. Serviços oferecidos... O serviço de transporte BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2012/01 Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II UDP Prof: Ricardo Luís R. Peres Tem como objetivo prover uma comunicação entre dois processos de uma mesma sessão que estejam rodando em computadores dentro da mesma rede ou não.

Leia mais

Redes de Computadores_Marcelo Furtado Pratica 2- Qualidade de serviços

Redes de Computadores_Marcelo Furtado Pratica 2- Qualidade de serviços Redes de Computadores_Marcelo Furtado Pratica 2- Qualidade de serviços Tarefas: 1) Explicar os seguintes mecanismos e conceitos do protocolo TCP: 1. Slow Start Slow start é um mecanismo do TCP desenvolvido

Leia mais

Camada de rede. Camada de enlace. Meio Físico

Camada de rede. Camada de enlace. Meio Físico Instituto Federal do Pará - IFPA Ricardo José Cabeça de Souza ricardo.souza@ifpa.edu.br 2010 Redes Básicas S-12 Modelo OSI Camada de Transporte Responsável pela transferência eficiente, confiável e econômica

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 07. Prof. Moises P. Renjiffo

Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 07. Prof. Moises P. Renjiffo Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 07 DETALHAMENTO DA CAMADA DE REDE: 1- Endereçamento Físico. MAC Da camada de Enlace. 2- Endereçamento Logico. IP Endereço

Leia mais

Camada de Transporte. Protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte. Protocolos TCP e UDP Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Protocolo UDP Protocolo de transporte da Internet sem gorduras Serviço best effort, segmentos UDP podem ser: perdidos entregues fora de ordem para a aplicação

Leia mais

Camada de Transporte. Bruno Silvério Costa

Camada de Transporte. Bruno Silvério Costa Camada de Transporte Bruno Silvério Costa Serviços Oferecidos à camada superior Camadas de rede, transporte e aplicação. Primitivas do Serviço de Transporte As primitivas para um serviço de transporte

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte XI Transporte orientado a conexão (TCP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte XI Transporte orientado a conexão (TCP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte XI Transporte orientado a conexão (TCP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Características do TCP Como o TCP fornece confiabilidade Janela deslizante Estabelecimento e

Leia mais

A CAMADA DE TRANSPORTE

A CAMADA DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Tecnologia Departamento de Informática Redes de Computadores A CAMADA DE TRANSPORTE Prof.: Mauro Henrique Mulati A CAMADA DE TRANSPORTE Roteiro TCP 2 A CAMADA

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 3-1. A CAMADA DE REDE (Parte 1) A camada de Rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. No entanto, chegar ao destino pode envolver vários saltos em roteadores intermediários.

Leia mais

No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano.

No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano. No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano. Essa estratégia foi deixada para trás. Atualmente, o software de rede é altamente

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Internet G G G Introdução Protocolo: Conjunto de regras que determinam como o hardware e o software de uma rede devem interagir para

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores

Tecnologia de Redes de Computadores Tecnologia de Redes de Computadores Prof. Sidney Nicolau Venturi Filho 31. CAMADA DE TRANSPORTE Camada de Transporte Camada de Transporte Funções da camada controle de fluxo fim-a-fim sequênciação detecção

Leia mais

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Camada Transporte Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Algoritmo de Janela Deslizante em TCP O TCP clássico emprega um protocolo de janela deslizante com confirmação positiva e sem repetição seletiva. O TCP

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE INTRODUÇÃO (KUROSE) A Camada de Rede é uma peça central da arquitetura de rede em camadas A sua função é a de fornecer serviços de comunicação diretamente aos processos

Leia mais

Sockets. Bruno Guimarães Lucas Rossini

Sockets. Bruno Guimarães Lucas Rossini Sockets Bruno Guimarães Lucas Rossini Introdução Comunicação entre processos: Memória compartilhada Memória distribuída - Mensagens pela rede Um sistema distribuído é ausente de memória compartilhada,

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação entre Processos em Sistemas Distribuídos: Middleware de comunicação Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Comunicação em sistemas distribuídos é um ponto fundamental

Leia mais

TCP - multiplexação/demultiplexação

TCP - multiplexação/demultiplexação TCP Protocolo de controle de transmissão (Transmission Control Protocol) Definido em diversas RFCs (793, 1122, 1323, 2018 e 2581) Diversos flavors (tipos) Serviços Multiplexação/demultiplexação Detecção

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 5: Comutação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Engenharia Elétrica Eletrônica Slides 20: TCP/IP em Winsocks 2. API do Windows para programar utilizando o protocolo TCP/IP Prof. Jean Marcelo SIMÃO

Engenharia Elétrica Eletrônica Slides 20: TCP/IP em Winsocks 2. API do Windows para programar utilizando o protocolo TCP/IP Prof. Jean Marcelo SIMÃO Engenharia Elétrica Eletrônica Slides 20: TCP/IP em Winsocks 2. API do Windows para programar utilizando o protocolo TCP/IP Prof. Jean Marcelo SIMÃO Engenharia Elétrica Eletrônica Tutorial: Programação

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor

Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor Disciplina: Sistemas Distribuídos Prof.: Edmar Roberto Santana de Rezende Faculdade de Engenharia de Computação Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015 TE090 - Prof. Pedroso 17 de junho de 2015 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Suponha que um roteador foi configurado para descobrir rotas utilizando o protocolo RIP (Routing Information Protocol),

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte?

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte? Lista de Exercícios Camada de Transporte GBC-056 Arquitetura de Redes de Computadores Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia 6 de Julho de 2015 Exercício 1 Para que serve

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

Cliente-servidor com Sockets TCP

Cliente-servidor com Sockets TCP Cliente-servidor com Sockets TCP Paulo Sérgio Almeida Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho 2006/2007 c 2000 2006 Paulo Sérgio Almeida Cliente-servidor com Sockets

Leia mais

PEL/FEN Redes de Computadores 2015/1 Primeira Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein

PEL/FEN Redes de Computadores 2015/1 Primeira Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein PEL/FEN Redes de Computadores 2015/1 Primeira Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein 1) Descreva os tipos de topologias utilizadas em redes de computadores, destacando suas principais vantagens

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Camada de Enlace de Dados Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Introdução A função desta camada parece trivial, pois a máquina A coloca os bits no meio e a máquina B tem que retirar de lá, porem

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

Regras de funcionamento (Unreliable Delivery, etc.) Método de roteamento (Sem conexão) Formato dos dados em um datagrama

Regras de funcionamento (Unreliable Delivery, etc.) Método de roteamento (Sem conexão) Formato dos dados em um datagrama IP - Internet Protocol Histórico O protocolo internet (IP), definido e aprovado pelo DoD (Departamento de Defesa Americano), foi concebido para uso em sistemas de computação interconectados através de

Leia mais

Programação de Sockets em C/C++

Programação de Sockets em C/C++ Programação de Sockets em C/C++ Redes de Comunicação 2011/2012 1 Programação de Sockets em C/C++ 2 TCP 3 UDP Introdução Os sockets são um método de criar conexão entre processos, independente do protocolo.

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

Redes de Computadores. Arquitetura de Protocolos Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Arquitetura de Protocolos Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Arquitetura de Protocolos Profa. Priscila Solís Barreto REDE... Um sistema de comunicações para conectar sistemas finais Sistemas finais? =hosts PCs, estações de trabalho componentes

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes FIREWALLS Firewalls Definição: Termo genérico utilizado para designar um tipo de proteção de rede que restringe o acesso a certos serviços de um computador ou rede de computadores pela filtragem dos pacotes

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Segundo Bimestre Exercicio 1: Considere a seguinte configuração de rede estruturada em VLANs 220.0.0.2/24 C VLAN 2 B VLAN 1 A VLAN 1 VLAN 1,2,3

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Implementação de um Transporte Confiável Slide 1 Transferência Confiável de Dados sobre um Canal Confiável rdt1.0 Uma vez que o canal é confiável, não existe

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Gerenciamento de memória

Gerenciamento de memória Na memória principal ficam todos os programas e os dados que serão executados pelo processador. Possui menor capacidade e custo maior. S.O buscam minimizar a ocupação da memória e otimizar sua utilização.

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte de Dados: protocolos TCP e UDP Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Redes de Computadores. Camada de Transporte de Dados: protocolos TCP e UDP Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Redes de Computadores Camada de Transporte de Dados: protocolos TCP e UDP Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer

Leia mais

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona.

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona. Aula 14 Redes de Computadores 24/10/07 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ROTEAMENTO EM UMA REDE DE COMPUTADORES A máscara de sub-rede é utilizada para determinar

Leia mais

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Interconexão de Redes Aula 03 - Roteamento IP Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Repetidor Transceiver Hub Bridge Switch Roteador Domínio de Colisão Domínio de Broadcast

Leia mais

Aulas 17 & 18. Comutação Rápida a Pacote. Eytan Modiano MIT

Aulas 17 & 18. Comutação Rápida a Pacote. Eytan Modiano MIT Aulas 17 & 18 Comutação Rápida a Pacote Eytan Modiano MIT 1 Comutador a Pacote Etiqueta Um comutador a pacote consiste de uma máquina de roteamento (table lookup), um escalonador e uma máquina de comutação.

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais

Transporte. Transporte. Nível de Transporte Portas, Protocolos UDP e TCP. Transporte. Transporte. Nível de Transporte

Transporte. Transporte. Nível de Transporte Portas, Protocolos UDP e TCP. Transporte. Transporte. Nível de Transporte Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Disciplina: Nível de Transporte Portas, Protocolos UDP e TCP Nível de Transporte Profa. Débora Christina Muchaluat Saade deborams@telecom.uff.br br

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Desenvolvimento de aplicações de rede UDP e TCP 1 Protocolo UDP ( User Datagram Protocol ) Tal como o nome indica, trata-se de um serviço de datagramas, ou seja

Leia mais

Lab 4 Análise de Pacotes utilizando o TCPDUMP

Lab 4 Análise de Pacotes utilizando o TCPDUMP Objetivo: Lab 4 Análise de Pacotes utilizando o TCPDUMP i) Utilizar aplicativo de análise de pacotes TCPDUMP. TCPDUMP: O tcpdump é um programa cuja utilidade principal é visualizar e analisar o tráfego

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Comunicação- Protocolos, Tipos, RPC Capítulo 4 Agenda Protocolos em Camadas Pilhas de Protocolos em Sistemas Distribuídos Tipos de Comunicação

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 19: 29 de junho de 2010 1 camada de transporte camada de rede 2 Questão 1 (Kurose/Ross) camada de transporte camada de rede Um processo em um host C tem um socket UDP com

Leia mais

Grupos de Processos (Comunicação Grupal)

Grupos de Processos (Comunicação Grupal) Grupos de Processos (Comunicação Grupal) Roteiro Definição de Grupos Tipos (organização) de grupos Atomicidade Ordenação de mensagens 2 RPC Comunicação entre Pares (duas partes) Cliente - Servidor Comunicação

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: comunicação orientada por mensagem e comunicação orientada por fluxo Prof. MSc. Hugo Souza Continuando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte V: Camada de Transporte 3.1 Serviços da camada de transporte 3.2 Multiplexação e demultiplexação 3.3 Transporte não orientado à conexão: UDP 3.4 Princípios de transferência

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 12

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 12 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 12 Índice 1. Serviços Orientados à Conexão...3 1.1 O protocolo IP... 3 2. Serviços não Orientados à Conexão...4 2.1 Tecnologias de redes token ring... 4

Leia mais

Qualidade em Servicos de Rede Prof. Eduardo Maronas Monks Roteiro de Laboratorio Camada de Transporte Parte II

Qualidade em Servicos de Rede Prof. Eduardo Maronas Monks Roteiro de Laboratorio Camada de Transporte Parte II Qualidade em Servicos de Rede Prof. Eduardo Maronas Monks Roteiro de Laboratorio Camada de Transporte Parte II 1) Explicar os seguintes mecanismos e conceitos do protocolo TCP: 1. Slow Start O algoritmo

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 O Sistema HCS 2000 é composto por: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO SISTEMA HCS 2000 v6.x Receptores: dispositivos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Voltando ao exemplo da calculadora... Rede local

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA Conectividade (Modelo de Camadas) Autor: Patrick Freitas Fures Relatório Técnico apresentado ao Profº. Nataniel Vieira como requisito final

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há um estabelecimento de um caminho dedicado Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há reserva de recursos Não guarda informação de estado Informações a serem enviadas são quebradas em

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 90 minutos * 24.05.2013 =VERSÃO A= 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São 70 perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva

Leia mais

Capítulo 6. A camada de transporte. slide 1 1 reservados.

Capítulo 6. A camada de transporte. slide 1 1 reservados. Capítulo 6 A camada de transporte slide 1 1 2011 Pearson 2011 Pearson Prentice Hall. Prentice Todos Hall. os direitos Todos reservados. direitos reservados. Serviço de transporte Serviços das camadas superiores

Leia mais

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Controle de Congestionamento em TCP Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Controle de Congestionamento em TCP Princípios de controle de congestionamento Saber que congestionamento está ocorrendo Adaptar para

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Spanning Tree Protocol O STP é executado em bridges e switches compatíveis com 802.1D. O STP foi projetado para contornar os problemas de bridging em redes redundantes. O objetivo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

Aulas 22 & 23. Controle de Fluxo e de Congestionamento. Eytan Modiano MIT

Aulas 22 & 23. Controle de Fluxo e de Congestionamento. Eytan Modiano MIT Aulas 22 & 23 Controle de Fluxo e de Congestionamento Eytan Modiano MIT 1 Controle de Fluxo Controle de fluxo: mecanismo fim a fim para controlar o tráfego entre fonte e destinatário. Controle de congestionamento:

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 10 - TCP/IP Intermediário 1 Objetivos do Capítulo Descrever o TCP e sua função; Descrever a sincronização e o controle de fluxo do TCP; Descrever

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ REDES DE COMPUTADORES Laboratório 2 Wireshark

Leia mais

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Obs: Não há necessidade de entregar a lista Questões do livro base (Kurose) Questões Problemas

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Frame Relay DÉCADA DE 80 Uso do protocolo X.25 (RENPAC) Linhas Analógicas Velocidade baixa Altas taxas de erros Computadores lentos e caros Circuitos

Leia mais