Índice. 1// Enquadramento 1.1. Mensagem do Presidente 1.2. A Glintt 1.3. Principais Indicadores 1.4. Empresas do grupo 1.5.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice. 1// Enquadramento 1.1. Mensagem do Presidente 1.2. A Glintt 1.3. Principais Indicadores 1.4. Empresas do grupo 1.5."

Transcrição

1 RELATÓRIO E CONTAS 214

2 Índice // Enquadramento 1.1. Mensagem do Presidente 1.2. A Glintt 1.3. Principais Indicadores 1.4. Empresas do grupo 1.5. Órgãos Sociais // Relatório Consolidado de Gestão 2.1. Contexto Macro Económico 2.2. Desempenho em 214 e Perspetivas para Modelo de Governação 2.4. Informação Privilegiada Sumário 2.5. Proposta de Aplicação dos Resultados 2.6. Declaração dos Responsáveis sobre a conformidade da Informação Financeira Apresentada 2.7. Agradecimentos Anexos ao Relatório Consolidado de Gestão 3// Governo da Sociedade 4// Demonstrações Financeiras e Notas às Contas 4.1 Demonstrações Financeiras Consolidadas 4.2 Demonstrações Financeiras Individuais 5// Anexos 5.1. Certificação Legal e Relatório de Auditoria 5.2. Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 5.3. Declaração dos Responsáveis sobre a conformidade da Informação Financeira apresentada

3 1// Enquadramento

4 1// ENQUADRAMENTO Mensagem do Presidente Como sabemos, os últimos anos trouxeram desafios relevantes para o País, para as empresas e para a grande maioria dos cidadãos. A conjuntura não era favorável, mas importava acima de tudo encontrar estratégias claras que permitissem invertela. Nesse aspeto, 214 terá sido um ano de viragem, com a generalidade dos indicadores a apresentarem sinais positivos. A economia Portuguesa cresceu,9%, o emprego também melhorou cerca de 2%. No sector das tecnologias de informação, os resultados não foram diferentes, tendo o ano de 214 sido igualmente marcado por um crescimento positivo (1,3%) que evidenciou também uma inversão na trajetória de crescimento do sector. Se atentarmos nas projeções para 215 e 216, pese embora perspetivem ritmos de crescimento moderados e ainda condicionados pelo elevado nível de endividamento do setor privado, e pelos processos de consolidação orçamental, acreditamos que há matéria para estarmos igualmente otimistas. Neste contexto, a Glintt continua a afirmarse como uma marca forte no mercado das Tecnologias de Informação, em especial na área estratégica da Saúde. Somos otimistas quanto ao futuro da Glintt. Somos otimistas na capacidade de continuar a gerar emprego e valor acrescentado para clientes e acionistas. Com o apoio dos accionistas, a qualidade da gestão, o empenhamento dos colaboradores e o reconhecimento dos nossos clientes, acredito que os próximos anos serão de afirmação deste projecto empresarial, a nível interno e a nível internacional. Luís Matias Presidente do Conselho de Administração O desempenho da Glintt em 214 foi globalmente positivo, evidenciando crescimento dos resultados líquidos e operacionais. A defesa e a manutenção de níveis de rentabilidade sólidos ao longo dos últimos anos para a confiança dos nossos parceiros, clientes, acionistas e colaboradores, tem sido um denominador constante na estratégia de gestão da atual equipa. RELATÓRIO E CONTAS 214 4

5 1// ENQUADRAMENTO 1.2. A Glintt A Glintt Global Intelligent Technologies é uma das maiores empresas tecnológicas Portuguesas, cotada na Euronext Lisbon, a operar na Europa, África e América Latina e conta com um coletivo de cerca de 19 profissionais, especializados e capazes de oferecer aos seus Clientes soluções com valor acrescentado para o negócio. Com filiais em 5 países, encontrase também presente em França, Holanda, Reino Unido, República Checa, Suíça, Alemanha e Moçambique. PORTUGAL ESPANHA POLÓNIA ANGOLA BRASIL ONDE estamos REINO UNIDO FRANÇA BENELUX ALEMANHA MOÇAMBIQUE RELATÓRIO E CONTAS 214 5

6 1// ENQUADRAMENTO Missão CONSTRUIR com os Clientes e Parceiros, soluções tecnológicas inovadoras e úteis, que contribuam para o progresso sustentado dos mesmos. Num mercado cada vez mais complexo e desafiante, onde a mudança é uma constante, a capacidade das empresas sistematicamente apresentarem soluções inovadores e de valor acrescentado para os clientes, requer um maior enfoque em torno das áreas do seu Core Business. Visão CAMINHAR para ser uma empresa de Matriz Tecnológica, Especializada e Referente no seu principal sector de atividade o Sector da Saúde. Pilares ALAVANCAR a oferta em áreas de valor acrescentado que permitam cumprir com os cincos objetivos fundamentais: i) Liderança e notoriedade; ii) Solidez de Balanço; iii) Crescimento Sustentável; iv) Inovação e empreendedorismo; v) Valores fundamentais de conduta. Estratégia SER reconhecida como empresa líder junto dos seus clientes de referência, inovadora, sustentável e socialmente responsável, mediante cumprimento e prossecução dos seguintes objetivos estratégicos: Crescimento Sustentável Definição de modelos de negócio sustentáveis e aumento do foco de investimento junto dos principais clientes de referência. Previsibilidade e Controlo de Risco Introdução de ferramentas e medidas claras para efetuar adequada gestão e controlo de risco operacional, diminuindo o grau de incerteza e aumentando níveis de previsibilidade dos resultados. Aumento da Eficiência Adequação de estrutura e recursos, capex e opex, com vista ao aumento da eficiência do resultado operacional. Inovação e Empreendedorismo O Grupo promove uma cultura de inovação e empreendedorismo, a qual se traduz em três compromissos essenciais: Incentivar a procura ativa e a partilha do conhecimento com vista ao desenvolvimento de soluções que incorporem experiência e resultados de uma vigilância de mercado, tecnológica e organizacionalmente eficiente; Criar um ambiente de valorização e desenvolvimento profissional, onde a cada colaborador lhe seja dada oportunidade de explorar a sua criatividade e experiencia pessoal em prol de iniciativas que criem valor nas mais diversas atividades do diaadia, contribuindo desta forma na melhoria contínua e nos processos de inovação do Grupo. Participar ativamente em projetos de investigação e desenvolvimento aplicáveis às Tecnologias de Informação, quer ao abrigo de iniciativas nacionais, quer internacionais. RELATÓRIO E CONTAS 214 6

7 1// ENQUADRAMENTO Responsabilidade Social e Corporativa A Glintt possui e incentiva uma cultura de responsabilidade social e corporativa, tendo publicado na sua Politica Glintt Responsável, um conjunto de oito compromissos assumidos pelo Grupo para dar resposta às suas preocupações de cariz responsável em matéria social, económica e ambiental, os quais se resumem na presente figura. Glintt Responsável Somos Economicamente Responsáveis OS 3 PILARES Somos Socialmente Responsáveis OS 8 COMPROMISSOS Somos Ambientalmente Responsáveis 1. Garantir transparência e rigor nos negócios e na informação prestada. 2. Promover as ações possíveis e necessárias para mitigar atos de suborno, extorsão e/ou corrupção. 3. Promover a participação das partes interessadas, considerando as suas expectativas e valores na tomada de decisões. 4. Apoiar e respeitar os direitos humanos, proteger o direito ao trabalho e promover o equilíbrio entre a 5. Promover e incentivar a participação em ações de voluntariado empresarial. 6. Promover o desenvolvimento das Comunidades onde exerce a sua atividade, através de ações de investimento social e de cariz 7. Preservar o ambiente e promover a adoção de procedimentos ambientalmente responsáveis junto da cadeia de valor. 8. Garantir o encaminhamento adequado de resíduos gerados pela atividade e promover a reciclagem e/ou reutilização dos mesmos. Do conjunto de iniciativas levadas a cabo em 214 pelo coletivo de colaboradores da Glintt destacamos: ações de recolha de sangue; ações de recolha de roupa e alimentos para comunidades desfavorecidas; participação em iniciativas de ensino juvenil enquadradas em programas internacionais; colaboração e recolha de meios monetários para apoio de organizações de caracter social. RELATÓRIO E CONTAS 214 7

8 1// ENQUADRAMENTO As Nossas Pessoas A Glintt promove uma relação sustentável, justa e ética com todos os seus colaboradores, conferindo oportunidades de desenvolvimento e crescimento pessoal e profissional, as quais têm por base modelos de carreira e sistemas de avaliação imbuídos de um espirito de meritocracia. O que é ser Glintter? Luís Andrade Silva (...) é ação! Joana Gomes (...) é ser entusiasta! Sérgio Cruz (...) é ser trabalhador. Rita Russo É vencer novos desafios a cada dia. Porquê a Glintt? Joana Vasconcelos Cargo Vasconcelos Porque tem imenso espaço para crescer( ) André Ferreirinha Pelas referências no mercado( ) Cláudia Sá Pela inovação ( ) Gabriela Varandas Pelo entusiasmo e motivação, ( ) RELATÓRIO E CONTAS 214 8

9 1// ENQUADRAMENTO 1.3. Principais Indicadores VOLUME VENDAS / EBITDA / EBIT em milhões VENDAS VERSUS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS em milhões 91 9,% 6,3% 86 9,6% 6,9% 1,6% ,2% 76% 3% % 3% % 22 14% 19 18% Volume de Negócios Margem EBITDA Margem EBIT Prestação de serviços Vendas Contrib. % Prest. Serv. EVOLUÇÃO DO RESULTADO LÍQUIDO em milhares VENDAS POR MERCADO em milhões % % ,6 +39% 15% 86 21,7 2% 8% 8 21,3 75,5 64,3 58, Volume de Negócios Nacional Internacional GASTOS COM PESSOAL E FSE s em milhares EQUIPA DE PROFISSIONAIS ,% 7,8% 1,5% % % Gastos com Pessoal Subcontratados FSE s RELATÓRIO E CONTAS 214 9

10 1// ENQUADRAMENTO 1.4. Empresas do Grupo O Grupo Glintt é composto por um conjunto de 18 empresas. i) Glintt Global Intelligent Technologies, S.A. (empresa mãe) ii) Glintt Technology Enabled Services, S.A. (TES) iii) Glintt Business Solutions, Lda. (BS) iv) Glintt Business Process Outsourcing, S.A. (BPO) v) Glintt Healthcare Solutions, S.A. (HS) vi) NetPeople Tecnologias de Informação, S.A. (Netpeople) vii) RHM Management de Recurso Humanos, Sociedade Unipessoal, Lda. (RHM) viii) SOLS e Solsuni Tecnologias de Informação, S.A. ix) Glintt Energy, S.A. x) Glintt Inov, S.A. xi) Pulso Informática, S.L., Unipersonal (sediada em Espanha) xii) Consoft, S.A.U (sediada em Espanha) xiii) Farmasoft Informatica y Servicios, S.L. (sediada em Espanha) xiv) Glintt España, Sociedade Limitada (Unipersonal) (sediada em Espanha) xv) GLINTT POLSKA Sp. Z o.o (abreviado Glintt Polska Sp. Z.o.o) (sediada na Polónia) xvi) SolService Angola, Lda. (sediada em Angola) xvii) Glintt Angola, Lda. (sediada em Angola) xviii) Glintt Brasil Ltda. (sediada no Brasil) 1.5 Órgãos Sociais Conselho de Administração Presidente Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Dr. Luis Carlos Alves Rodrigues Matias Dr. Nuno Vasco Rodrigues Viegas Vieira Lopes Dr. Vitor Manuel Lopes Segurado Eng. Manuel Francisco Costa Mira Godinho Dr. Luis Paulo Reis Cocco Dr. Alexandre Miguel da Cruz Machado Pereira Gomes Sr. Henrique Augusto Pereira Moreira Eng. Pedro Manuel de Barros Inácio Dr. José Luis Bonifácio Lopes Comissão Executiva Presidente Executivo Administrador Executivo Administrador Executivo Eng. Manuel Francisco Costa Mira Godinho Dr. Luis Paulo Reis Cocco Dr. Alexandre Miguel da Cruz Machado Pereira Gomes Conselho Fiscal Presidente Vogal Vogal Dr. Luis Manuel Pereira da Silva Dr. Carlos Manuel Charneca Moleirinho Grenha Dr. João Gaspar Lopes Ribeiro Revisor Oficial de Contas Efetivo Suplente Mesa da Assembleia Geral Presidente Secretário BDO & Associados, SROC, Lda Representada pelo Dr. João Paulo Torres Cunha Ferreira (ROC nº 956) Dr. Gonçalo Raposo da Cruz (ROC nº 1189) Dr. José Alberto Vasconcelos Tavares Moreira Dr. José António da Ponte Zeferino Secretário da Sociedade Efetivo Suplente Dr. Raul Miguel Lampreia Corrêa Teles Lufinha Dra. Raquel Rocha e Silva Comissão de Vencimentos Presidente Vogal Vogal Dr. Rui Manuel Assoreira Raposo Dr. Jorge de Brito Pereira Dr. Victor Réfega Fernandes Representante para as Relações com o Mercado Dr. Raul Miguel Lampreia Corrêa Teles Lufinha RELATÓRIO E CONTAS 214 1

11 2// Relatório Consolidado de Gestão

12 2.1 Enquadramento Macro Económico A economia mundial cresceu cerca de 3,3% em 214, ligeiramente abaixo do crescimento inicialmente projetado. Para 215 e 216 perspetivamse taxas de crescimento do PIB mundial entre 3,5%3,6% e 3,7%4,%, respetivamente. O efeito positivo da descida do preço do petróleo que vem sendo uma realidade desde meados de 214, e resulta de fatores relacionados com a lei da oferta e da procura, prevêse que continue a estimular o crescimento da economia mundial, aproximadamente durante os próximos dois anos, uma vez que aumenta o poder aquisitivo e de procura privada dos importadores de petróleo, com especial relevância para as economias avançadas, onde o posterior reflexo dessa redução de preços, nos preços a fornecer ao consumidor final será mais expressivo do que nas economias emergentes e em desenvolvimento. Em paralelo e àcontrário, o efeito positivo da descida do preço do petróleo, deverá contrapor com o sentimento de incerteza e instabilidade que é gerado nos mercados financeiros internacionais, sobretudo nas economias dos mercados emergentes, bem como com os efeitos que resultam da estagnação e das reduzidas taxas de inflação da zona euro e do japão. O crescimento verificado em 214 na zona euro foi igualmente mais lento do que o inicialmente projetado, com uma taxa de,8%, que compara com as projeções de 1% registadas no início do ano. Esta evolução resultou sobretudo do fraco nível de investimento dos países da zona euro e do baixo nível de inflação, os quais, como é sabido resultam da necessidade dos países reduzirem os seus níveis de endividamento e darem continuidade à implementação de planos claros de austeridade, como medida de ajuste orçamental. Para 215 e 216 projetamse crescimentos de 1,2% e 1,4% respetivamente, suportados sobretudo pelos efeitos da descida dos preços do petróleo, por uma política monetária mais alargada, por orientações mais neutrais relativamente à política fiscal, e pela recente depreciação da moeda euro. Em Portugal, a evolução da economia mantevese condicionada pelo processo de correção dos desequilíbrios macroeconómicos, que havia anteriormente motivado a adoção de um conjunto de medidas de consolidação orçamental nomeadamente as que decorreram do Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF), e que se prolongaram durante o ano que findou. O Produto Interno Bruto cresceu,9% em 214, valor este que compara com a redução de 1,4% verificada em 213 e a de 3,2% verificada em 212. Para 215 e 216, as projeções apontam para uma contínua e gradual recuperação da atividade económica, a qual deverá apresentar taxas de crescimento anual de 1,7% e 1,9%, respetivamente. Estas projeções contemplam contudo, diferentes ritmos de crescimento em resultado da evolução da procura externa e interna, durante os três anos da projeção. Por um lado, são perspetivados os efeitos positivos do crescimento projetado para as exportações, em linha com as hipóteses para a procura externa dirigida à economia portuguesa, por outro, a procura interna deverá apresentar um crescimento mais moderado, refletindo um crescimento sustentado do consumo privado, consistente com a evolução do rendimento disponível real, e uma aceleração da formação bruta de capital fixo, nomeadamente da componente empresarial. Esta evolução da procura interna mantemse também condicionada pela necessidade de dar continuidade ao processo de consolidação orçamental e pelos elevados níveis de endividamento do setor privado. Relativamente ao mercado das TI, e conforme dados avançados pela IDC em Fevereiro último, estimase que, em 214, o mercado nacional tenha invertido a tendência de quebra que se vinha a verificar nos últimos 5 anos, apresentando um crescimento de 1,3%. Igual tendência positiva de crescimento é perspetivada para 215, 216, 217 e 218, anos, onde o novo contexto económico e o rápido desenvolvimento da 3ª Plataforma de TIC deverão contribuir para crescimentos de,9%, 1,7%, 1,9% e 2,2%, respetivamente. A 3ª Plataforma Tecnológica que assenta em 4 pilares fundamentais Mobilidade, Serviços Cloud, Tecnologias Sociais e Big Data, e preconiza a possibilidade das organizações obterem ganhos de competitividade elevados, visíveis no aumento da eficiência operacional, na inovação aleada à oferta de produtos e serviços e no suporte a processos estratégicos, incluindo internacionalização, virá apresentar desafios relevantes para a generalidade das organizações e representará igualmente um conjunto alargado de oportunidades para as organizações do mercado das TI. RELATÓRIO E CONTAS

13 2// RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO 2.2. Desempenho em 214 e Perspetivas Futuras Desempenho em 214 O volume de negócios consolidado da Glintt em 214 ascendeu a 8,2 Milhões de euros, o que representa uma redução de 6,8% face a 213. Este decréscimo resultou da queda das receitas no mercado doméstico, o qual, continua a refletir um ambiente de retração na compra por parte dos clientes de produtos e serviços de IT. Não obstante, o Resultado Operacional Bruto (EBITDA) subiu cerca de 3% face a 213, cifrandose nos 8,5 Milhões de Euros, tendo a margem operacional bruta (Margem EBITDA) subido de 9,6% para 1,6% e o Resultado Líquido crescido cerca de 2%, para mil euros. Esta evolução resulta uma vez mais das medidas implementadas, quer ao nível da reorientação da oferta, quer ao nível do controlo de custos, medidas estas que visam acima de tudo garantir a obtenção de níveis de rentabilidade considerados sustentáveis, quer a curto quer a longo prazo. O que dizem os nossos clientes Dr.ª Olga Baptista Farmacêutica Diretora Técnica da Farmácia Cumieira As principais vantagens foram a criação de um espaço agradável, comercialmente atraente, a motivação extra dos colaboradores ao fazerem parte de um novo projeto e uma resposta extremamente favorável dos utentes, que sentem que a sua farmácia, mesmo em tempos adversos, arriscou e investiu melhorando a resposta dada. Os anos de existência da Glintt, a sua experiência e capacidade de cumprir prazos. O orçamento apresentado era consentâneo com os da concorrência. Manuel Fernandes Responsável pela Área de Manutenção Sotavento da Águas do Algarve A avaliação contínua da atividade de manutenção, centrada na Ferramenta MAC, tem permitido um esforço de melhoria contínua, com base em objetivos previamente definidos e, em conjunto com os prestadores de serviços de manutenção, tomar as medidas necessárias em termos de organização e qualidade de trabalho, de forma a garantir a disponibilidade das instalações para operação, com o mínimo de anomalias possível, garantindo o estado de conservação dos equipamentos e infraestruturas. O projeto permite à área da manutenção da José de Mello gerir de forma integrada toda a sua atividade, facilitando a comunicação com os serviços e aumentando a sua produtividade. Nuno Cadavez Peres Gestor de Infraestruturas e Manutenção da José de Mello Saúde Esta solução traz vantagens para os colaboradores, graças à uniformização dos processos, e também para os utentes que passam a ter menor tempo de espera porque o acesso a toda a informação clínica e processual passa a ser muito mais rápido. Miguel Barradas Diretor de Sistemas de Informação do HVFX Miguel Machado Project Manager Group Information Services, Information Systems Iberia Merck Em conjunto com a Glintt criámos uma solução em QlikView que nos permite analisar, de forma mais intuitiva e simples, mas com maior rigor e precisão a performance dos nossos produtos e vendedores, tendo em conta a evolução mercado e dos nossos principais concorrentes. Conseguimos agora, com menos trabalho e mais fiabilidade, encontrar, de forma muito rápida, respostas agregadas ou com elevado nível de detalhe às perguntas concretas sobre o nosso negócio, nomeadamente ao nível operacional e de desenvolvimento de negócio. Cristina Pinho Diretora de Operações da AdvanceCare Sérgio Melro Diretor Executivo, pelouro de Tecnologias de Informação da AdvanceCare Este salto tecnológico vem congregar toda a informação e o desenvolvimento do processo, num único sistema capaz de lidar com a informação do presente e deixarnos tranquilos em relação ao aumento de volumetrias que tenhamos no futuro. O objetivo primário desta solução é a otimização alargada de um conjunto de processos com vista ao progressivo aumento da produtividade dos nossos recursos humanos. RELATÓRIO E CONTAS

14 2// RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO Perspetivas Futuras De acordo com o comunicado publicado em março pelo Banco de Portugal, as projeções para a economia portuguesa no horizonte apontam para uma recuperação gradual da atividade, com um ritmo de crescimento próximo do projetado para a área do Euro. Estas projeções consideram contudo ritmos de evolução diferentes no que se refere aos mercados externo e interno, onde para o mercado externo e atendendo às hipóteses consideradas para a procura dirigida à economia portuguesa é possível perspetivar um crescimento mais acentuado das exportações, àcontrário, as projeções consideradas relativamente à procura interna contemplam ainda diversas de condicionantes que no final poderão fazer prever um ritmo de crescimento mais lento no mercado doméstico. Neste contexto, a comissão executiva da Glintt entende como positiva esta melhoria das condições da atividade económica e acredita que gradualmente ela produzirá efeitos nas prioridades de negócio das organizações nacionais, influenciando positivamente as decisões de investimento dos principais agentes económicos, contudo sendo expectável que o ritmo de crescimento do mercado doméstico será mais lento, do que o mercado internacional, vem reforçar uma vez mais a sua convicção de que o enfoque do crescimento da empresa, bem como o seu garante de sustentabilidade no médio longo prazo, continuará nos próximos anos a ser o mercado internacional. Em paralelo, e de acordo com o comunicado divulgado ao mercado em 3 de Fevereiro último, a Glintt deverá avançar com a implementação de medidas estratégicas adicionais, as quais seguirão em paralelo com as principais linhas de orientação estratégica que vinham a ser seguidas desde 211: 1) Investimento seletivo junto de novos clientes no mercado internacional; 2) Manutenção e reforço da rentabilidade e solidez do balanço, dando continuidade às medidas de controlo e excelência da performance operacional; 3) Promoção de iniciativas de investigação e desenvolvimento, orientadas para um crescimento sustentado a médio e longo prazo; 4) Estabelecer o objetivo de acrescida especialização da atividade, dos recursos e dos investimentos, no sector da saúde e nas áreas de maior valor acrescentado; 5) Iniciar a restruturação da Organização Corporativa da sociedade e das Áreas de Negócio, com vista a atingir uma maior eficiência da estrutura existente, nas vertentes societária, dirigente e operacional, com simultânea redução dos custos de funcionamento e acréscimo de competitividade no mercado; 6) Identificar possíveis interessados na aquisição de Áreas de Negócio nãocore, ou outro tipo de operação que tenha por efeito a saída dessas áreas da exclusiva esfera de interesse económico da Glintt. A Glintt estima que o Volume de Negócios para 215 deverá ser ligeiramente superior ao de 214, com um maior contributo da componente internacional, devendo a margem EBITDA situarse entre os 9% 1% Modelo de Governação A Glintt é uma holding cotada na Euronext Lisbon e adotou um modelo de governação onde o Conselho de Administração desempenha um papel ativo no acompanhamento da gestão operacional de cada uma das sociedades participadas. O modelo de governação da sociedade é detalhadamente descrito no Relatório de Governo da Sociedade, o qual é parte integrante do presente relatório (vide por favor, capítulo 3) Informação Privilegiada Sumário Durante o exercício de 214, foi divulgada pela Sociedade a seguinte informação privilegiada: 27 Março 214 Resultados Consolidados Maio 214 Deliberações da Assembleia Geral Anual de 22 de Maio de Maio 214 Constituição da Comissão Executiva e designação do Secretário da Sociedade, para o triénio Maio 214 Resultados Consolidados do 1º Trimestre de 214 RELATÓRIO E CONTAS

15 2// RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO 1 Agosto 214 Resultados Consolidados do 1º Semestre de Setembro 214 Renúncia e cooptação de Vogal do Conselho de Administração 2 Novembro 214 Resultados Consolidados do 3º Trimestre de Dezembro 214 Calendário Financeiro para Proposta de Aplicação dos Resultados O Conselho de Administração da Glintt Global Intelligent Technologies, S.A., nos termos e para os efeitos do disposto na alínea b) do nº 1 do artigo 376º do Código das Sociedades Comerciais e de acordo com o Relatório de Gestão propõe que o resultado líquido positivo individual da Sociedade no exercício de 214, no montante de ,1 Euros (contas separadas), seja dada a seguinte aplicação: ,66 Euros Reservas Legais ,44 Euros Resultados Retidos de Exercícios Anteriores 2.6. Declaração dos Responsáveis sobre a conformidade da Informação Financeira Apresentada De acordo com o disposto na alínea c) do nº 1 do artigo 245º do Código dos Valores Mobiliários, os membros do Conselho de Administração da Glintt Global Intelligent Technologies, S.A. declaram que, tanto quanto é do seu conhecimento, a informação constante do relatório de gestão, as contas anuais, a certificação legal de contas e os demais documentos de prestação de contas exigidos por lei ou regulamento, foi elaborada em conformidade com as normas contabilísticas aplicáveis, dando uma imagem verdadeira e apropriada do ativo e do passivo, da situação financeira e dos resultados da emitente Glintt e das empresas incluídas no perímetro da consolidação, e que o relatório de gestão expõe fielmente a evolução dos negócios, do desempenho e da posição da emitente Glintt e das empresas incluídas no perímetro da consolidação, contendo uma descrição dos principais riscos e incertezas com que se defrontam. Beloura, 1 de Abril de 215. Luis Carlos Alves Rodrigues Matias (Presidente do Conselho de Administração) Nuno Vasco Rodrigues Viegas Vieira Lopes (Administrador) Vítor Manuel Lopes Segurado (Administrador) Manuel Mira Godinho (Presidente da Comissão Executiva) Luís Paulo Reis Cocco (Administrador Executivo) Alexandre Gomes (Administrador Executivo) Henrique Moreira (Administrador) Pedro Inácio (Administrador) José Bonifácio Lopes (Administrador) RELATÓRIO E CONTAS

16 2// RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO 2.7. Agradecimentos A Glintt agradece aos seus Acionistas e Clientes a confiança demonstrada durante o ano de 214. Agradece também aos seus Parceiros estratégicos a colaboração ativa em projetos comuns, bem como a capacidade de criação de novos negócios. Agradecemos igualmente a todos os Colaboradores pelo desempenho conseguido em 214 e pelo apoio na prossecução das medidas estratégicas implementadas, permitindo à Glintt continuar a afirmarse como empresa de referência no mercado das TI. Beloura, 21 de Abril de 215 O Conselho de Administração RELATÓRIO E CONTAS

17 2// RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO Anexos ao Relatório Consolidado de Gestão Ações detidas pelos membros dos órgãos sociais Participação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização na Sociedade e em Sociedades em relação de domínio ou de grupo (Artigo 447º do Código das Sociedades Comerciais) e Transações de Dirigentes (nº 7 do Artigo 14º do Regulamento da CMVM). Conselho de Administração Luis Carlos Alves Rodrigues Matias Vítor Manuel Lopes Segurado Manuel Mira Godinho Luís Paulo Reis Cocco Alexandre Gomes Luis Gameiro da Silva (b) Abel Bernardino Teixeira Mesquita Henrique Augusto Pereira Moreira Pedro Manuel de Barros Inácio José Luis Bonifácio Lopes Joaquim Anibal Goes (d) Nº Títulos 31/dez/ (a) 15 Nº Títulos 31/dez/ (c) 15 Aquisições Alienações Preço Unit. Data 25,22 25/11/14 Conselho Fiscal Luís Manuel Pereira da Silva Carlos Manuel Charneca Moleirinho Grenha João Gaspar Lopes Ribeiro Nº Títulos 31/dez/13 Nº Títulos 31/dez/14 Aquisições Alienações Preço Unit. Data Quadros Dirigentes Nº Títulos 31/dez/13 Nº Títulos 31/dez/14 Aquisições Alienações Preço Unit. Data Jorge Manuel Vicente Rodrigues Fróis 5 5 (a) À data de início de funções 16 de setembro de 214 (b) Cessou funções em 11 de março de 215 (c) À data de cessação de funções 16 de setembro de 214 (d) Cessou funções em 22 de maio de 214 Participações Qualificadas Para efeitos da alínea c) do nº 1 do artigo 9º do Regulamento 5/28 da CMVM, apresentase a lista de titulares de participações qualificadas comunicadas à Sociedade até 31 de Dezembro de 214 e calculadas nos termos do artigo 2º do Código dos Valores Mobiliários. Associação Nacional de Farmácias Diretamente Através da Farminveste 3 Gestão de Participações, SGPS, Lda., sociedade dominada pela Associação Nacional de Farmácias (a) Ações Capital Votos ,73% 49,73% Através do Dr. António Nuno de Jesus Ribeiro de Barros, membro do Conselho de Administração da Farminveste SGPS, S.A., sociedade dominante da Farminveste 3 Gestão de Participações, SGPS, Lda. e dominada pela Associação Nacional de Farmácias 1.,11%,11% Total Imputável ,73% 49,73% José Ribeiro Gomes Diretamente 2.6. Ações 2,98% Capital Votos 2,98% Total Imputável ,98% 2,98% (a) De acordo com o comunicado à Glintt no dia 3 de Setembro de 213: «Para efeitos de atualização da informação prestada sobre a participação qualificada detida pela Farminveste 3 Gestão de Participações, SGPS, Lda., ( Farminveste ), sociedade com sede na Travessa de Santa Catarina, n.º 8, 1243, Lisboa, na GLINTT GLOBAL INTELLIGENT TECHNOLOGIES, S.A. ( Glintt ), desde o dia 24 de Julho de 28 e, bem assim, para os demais efeitos que a Glintt venha a considerar pertinentes no âmbito de informação que divulgue ao mercado, a Farminveste informa que, na presente data, detém diretamente 49,73% do capital social e dos direitos de voto da Glintt. Em acréscimo, o Dr. António Nuno de Jesus Ribeiro de Barros, membro do Conselho de Administração da Farminveste SGPS, S.A. sociedade dominante da Farminveste detém,11% do capital social e dos direitos de voto.» Assim, nos termos e para os efeitos das alíneas b), d) e i) do n.º 1 do Artigo 2.º do Código de Valores Mobiliários, são imputáveis à Farminveste, à Farminveste, S.A. e à Associação Nacional das Farmácias, na qualidade de entidade dominante das referidas sociedades, 49,73% dos direitos de voto na Glintt. RELATÓRIO E CONTAS

18 2// RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO Transações de ações próprias No exercício de 214, não se realizaram transações de ações próprias. RELATÓRIO E CONTAS

19 3// Governo da Sociedade

20 RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO 214 Glintt Global Intelligent Technologies, S.A. Sociedade Aberta Advertências: Salvo indicação em contrário ou quando do contexto resulte diferentemente, as informações são prestadas por referência ao último dia do exercício económico a que o relatório diz respeito, ou seja, a 31 de Dezembro de 214; Consideramse feitas para o Código dos Valores Mobiliários todas as referências a artigos sem indicação do respetivo diploma legal. Parte I Informação Obrigatória sobre Estrutura Acionista, Organização e Governo da Sociedade A. Estrutura Acionista I. ESTRUTURA DE CAPITAL 1. Estrutura de capital (capital social, número de ações, distribuição do capital pelos acionistas, etc), incluindo indicação das ações não admitidas à negociação, diferentes categorias de ações, direitos e deveres inerentes às mesmas e percentagem de capital que cada categoria representa (Art. 245.ºA, n.º 1, al. a)). O capital social da Glintt é de , sendo composto por ações, todas da mesma categoria, com o valor nominal de 1, e encontrandose totalmente disperso em bolsa, na Euronext Lisbon. 2. Restrições à transmissibilidade das ações, tais como cláusulas de consentimento para a alienação ou limitações à titularidade de ações (Art. 245.ºA, n.º 1, al. b)). Não existem restrições à transmissibilidade das ações. 3. Número de ações próprias, percentagem de capital social correspondente e percentagem de direitos de voto a que corresponderiam as ações próprias (Art. 245.ºA, n.º 1, al. a)). A Glintt tem zero ações próprias. 4. Acordos significativos de que a sociedade seja parte e que entrem em vigor, sejam alterados ou cessem em caso de mudança de controlo da sociedade na sequência de uma oferta pública de aquisição, bem como os efeitos respetivos, salvo se, pela sua natureza, a divulgação dos mesmos for seriamente prejudicial para a sociedade, exceto se a sociedade for especificamente obrigada a divulgar essas informações por força de outros imperativos legais (art. 245.ºA, n.º 1, al. j). A Glintt não é parte em acordos que refiram a mudança de controlo na sequência de uma oferta pública de aquisição. Adicionalmente, mais se informa existir um contrato de financiamento, materialmente relevante, junto do então Banco Espírito Santo, S.A. no montante de 19.5.,, nos termos do qual sem ser mencionada essa referida mudança de controlo na sequência de uma oferta pública de aquisição é passível de ser considerada como fundamento de vencimento das obrigações do Cliente, qualquer transmissão de participações representativas, direta ou indiretamente, do capital social do Cliente, sem prévia autorização do BES e desde que tais transmissões se traduzam em alterações na gestão da Sociedade, designadamente na eleição dos membros dos órgãos sociais. 5. Regime a que se encontre sujeita a renovação ou revogação de medidas defensivas, em particular aquelas que prevejam a limitação do número de votos suscetíveis de detenção ou de exercício por um único acionista, de forma individual ou em concertação com outros acionistas. Na Glintt não existem medidas defensivas, bem como não existe qualquer regime para a sua renovação ou revogação, caso existissem. RELATÓRIO E CONTAS 214 2

Índice. 1// Enquadramento 1.1. Mensagem do Presidente 1.2. A Glintt 1.3. Principais Indicadores 1.4. Empresas do grupo 1.5.

Índice. 1// Enquadramento 1.1. Mensagem do Presidente 1.2. A Glintt 1.3. Principais Indicadores 1.4. Empresas do grupo 1.5. RELATÓRIO E CONTAS 214 Índice 3 4 5 9 1 1 1// Enquadramento 1.1. Mensagem do Presidente 1.2. A Glintt 1.3. Principais Indicadores 1.4. Empresas do grupo 1.5. Órgãos Sociais 11 12 13 14 14 15 15 16 17 19

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano ####

MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano #### Anexo I MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano #### Identificação da sociedade Advertências: - Salvo indicação em contrário ou quando do contexto resulte diferentemente, as informações solicitadas

Leia mais

4// Demonstrações Financeiras e Notas às Contas 4.1 Demonstrações Financeiras Consolidadas 4.2 Demonstrações Financeiras Individuais

4// Demonstrações Financeiras e Notas às Contas 4.1 Demonstrações Financeiras Consolidadas 4.2 Demonstrações Financeiras Individuais 3 4 5 6 7 8 9 9 1 11 12 13 14 14 15 15 15 16 17 19 6 61 112 138 143 146 Mensagem do Presidente Mensagem da Comissão Executiva 1// O Grupo Glintt 1.1 Missão, Visão, Valores, Estratégia e Compromisso 1.1.1

Leia mais

PARTE I INFORMAÇÃO OBRIGATÓRIA SOBRE ESTRUTURA ACIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE

PARTE I INFORMAÇÃO OBRIGATÓRIA SOBRE ESTRUTURA ACIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE Advertências: Salvo indicação em contrário ou quando do conteto resulte diferentemente, as informações são prestadas por referência ao último dia do eercício económico a que o relatório diz respeito, ou

Leia mais

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES)

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) I. VOTAÇÃO E CONTROLO DA SOCIEDADE I.1. As sociedades devem incentivar os seus acionistas a participar e a votar nas assembleias gerais, designadamente

Leia mais

2012 RELATÓRIO E CONTAS

2012 RELATÓRIO E CONTAS 2012 RELATÓRIO E CONTAS ÍNDICE Mensagem do Presidente Mensagem da Comissão Executiva 1// O Grupo Glintt 1.1 Missão, Visão e Estratégia 1.2 Responsabilidade social e corporativa 1.3 Empresas do grupo 1.4

Leia mais

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL ADITAMENTO

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL ADITAMENTO ADITAMENTO 27 de abril de 2015 GLINTT GLOBAL INTELLIGENT TECHNOLOGIES, S.A. Sociedade Aberta Sede Social: Beloura Office Park, Edifício 10, Quinta da Beloura, 2710-693 Sintra Capital Social: 86.962.868,00

Leia mais

Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012

Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012 Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012 Assembleia Geral de Accionistas da Sonae Capital, SGPS, S.A., reuniu no dia 30 de Março de 2012, pelas 11:00, no Lugar do Espido, Via Norte, na Maia,

Leia mais

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de

Leia mais

Relatório e Contas. 1º Semestre. Relatório e Contas 1º Semestre 2013 Informação Privilegiada ///////////////////////////// 1

Relatório e Contas. 1º Semestre. Relatório e Contas 1º Semestre 2013 Informação Privilegiada ///////////////////////////// 1 Relatório e Contas 1º Semestre Relatório e Contas 1º Semestre 2013 Informação Privilegiada ///////////////////////////// 1 Índice Relatório de Gestão.3 Declaração dos Responsáveis sobre a conformidade

Leia mais

CONTEÚDOS PARTE II AVALIAÇÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO

CONTEÚDOS PARTE II AVALIAÇÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO CONTEÚDOS PARTE I INFORMAÇÃO SOBRE ESTRUTURA ACIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE A. Estrutura Acionista B. Órgãos Sociais e Comissões C. Organização Interna D. Remunerações E. Transações com

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E.

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. DIPLOMA / ATO : Decreto-Lei n.º 229/2012 NÚMERO : 208 SÉRIE I EMISSOR: Ministério dos Negócios Estrangeiros SUMÁRIO: Aprova

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio a 30 de Junho de 2009: ( 11.790.198) Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa e Benfica 1500-313 Lisboa Matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD Na sequência da divulgação do anúncio preliminar em 2 de Outubro

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DE 17 DE ABRIL DE 2012

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DE 17 DE ABRIL DE 2012 PONTO UM DA ORDEM DE TRABALHOS: O Conselho de Administração propõe aos Senhores Accionistas: Apreciar, discutir e votar o Relatório de Gestão, o Balanço, as Demonstrações de Resultados, a Demonstração

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR G1 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR 2 Destaques > Volume de negócios cresce cerca de 4%, ultrapassando 1.012 milhões de euros > Atividade internacional do Grupo representa aproximadamente 60%

Leia mais

SEMAPA - SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público

SEMAPA - SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público SEMAPA - SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público Sede Social: Av. Fontes Pereira de Melo, 14-10º, 1050-121 Lisboa N.º Pessoa Coletiva e

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 12.00 HORAS

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 12.00 HORAS ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PONTO SEGUN DA ORDEM S TRABALHOS O Conselho de Administração da COFINA, SGPS, S.A. propõe à Assembleia Geral que os resultados

Leia mais

Recomendações. www.bportugal.pt

Recomendações. www.bportugal.pt Comunicado do Banco de Portugal: Recomendações do Grupo de Trabalho sobre os Modelos e as Práticas de Governo, de Controlo e de Auditoria das Instituições Financeiras Na sequência do processo que conduziu

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004)

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) Regulamento da CMVM n.º 2/2014 Papel comercial (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) As alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 52/2006, de 15 de março, e pelo Decreto-Lei n.º 29/2014, de

Leia mais

ACTA Nº 14 MARTIFER SGPS, S.A., Sociedade Aberta

ACTA Nº 14 MARTIFER SGPS, S.A., Sociedade Aberta ACTA Nº 14 Aos dez dias do mês de Abril do ano de dois mil e treze, pelas quinze horas, reuniu na sede social, sita na Zona Industrial de Oliveira de Frades, em Oliveira de Frades, a Assembleia Geral Anual

Leia mais

Estatutos como Hospital E.P.E.

Estatutos como Hospital E.P.E. Estatutos como Hospital E.P.E. Anexo II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro (alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 244/2012, de 9 de novembro) ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas As alterações normativas recentes, quer a nível interno, quer a nível

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Assembleia Geral de Accionistas de 17 de Março de 2014

Assembleia Geral de Accionistas de 17 de Março de 2014 Assembleia Geral de Accionistas de 17 de Março de 2014 A Assembleia Geral de Accionistas da Sonae Capital, SGPS, SA, reuniu no dia 17 de Março de 2014, pelas 11:00, no Lugar do Espido, Via Norte, Na Maia,

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 10.45 HORAS

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 10.45 HORAS ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATIVA AO PONTO SEGUNDO DA ORDEM DOS TRABALHOS O Conselho de Administração da ALTRI, SGPS, S.A. propõe à Assembleia Geral

Leia mais

COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA

COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA Exmo. Senhor Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Sonae Indústria, SGPS, S.A., Lugar do Espido, Via Norte 4470-177 Maia Ponto nº 6 PROPOSTA A Comissão

Leia mais

António Luís Guerra Nunes Mexia

António Luís Guerra Nunes Mexia António Luís Guerra Nunes Mexia É licenciado em Economia pela Universidade de Genebra, na Suíça (1980), onde exerceu o cargo de docente convidado no Departamento de Economia. Foi, igualmente, docente no

Leia mais

Estatutos - Hospitais E.P.E.

Estatutos - Hospitais E.P.E. Estatutos - Hospitais E.P.E. ANEXO II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Natureza e duração 1 - O hospital E. P. E. é uma pessoa colectiva de

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010

RELATÓRIO E CONTAS 2010 1 Glintt Relatório e Contas 2010 RELATÓRIO E CONTAS 2010 PARTE 1 RELÁTORIO DE GESTÃO 1. Mensagem do Presidente O ano de 2010, tal como o ano anterior, foi fortemente influenciado por uma crise sem precedentes

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 %

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 % DESTAQUES página 3 O total de Proveitos Operacionais foi de 592,9 M, a registar uma subida de 15 % quando comparado com o ano anterior, a refletir um crescimento significativo no volume de negócio das

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

SEMAPA - SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público

SEMAPA - SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público SEMAPA - SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público Sede Social: Av. Fontes Pereira de Melo, 14-10º, 1050-121 Lisboa N.º Pessoa Coletiva e

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL

PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL O Plano de Atividades do Conselho Económico e Social para o ano de 2015 foi preparado para cumprimento do que se encontra determinado pela Lei

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA Emitente: Colep Portugal, S.A. Modalidade: Emissão de obrigações a taxa variável por oferta particular e direta. Moeda: Euro ( ). Montante

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 3/05/2012 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado.

Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado. 1 Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado. Artigo 25.º, n.ºs 3 e 4 da Lei n.º 50/2012, de 31 de agosto O valor da remuneração do(s)

Leia mais

Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012

Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012 Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012 Finantia S.G.F.T.C., S.A. Rua General Firmino Miguel, nº 5 1º 1600-100 Lisboa Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e Pessoa Colectiva nº

Leia mais

Estatutos - Hospitais e Centros Hospitalares, E.P.E.

Estatutos - Hospitais e Centros Hospitalares, E.P.E. Estatutos - Hospitais e Centros Hospitalares, E.P.E. Anexo II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro (alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 12/2015, de 26 de janeiro e alterado pelo Decreto-Lei

Leia mais

ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I

ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação personalidade e capacidade jurídica 1 - A empresa adopta a denominação

Leia mais

PROPOSTA. Ponto 5 da ordem de trabalhos da assembleia geral de acionistas da Galp Energia, SGPS, S.A., Sociedade Aberta, de 7 de maio de 2012

PROPOSTA. Ponto 5 da ordem de trabalhos da assembleia geral de acionistas da Galp Energia, SGPS, S.A., Sociedade Aberta, de 7 de maio de 2012 PROPOSTA Ponto 5 da ordem de trabalhos da assembleia geral de acionistas da Galp Energia, SGPS, S.A., Sociedade Aberta, de 7 de maio de 2012 POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES 2012 Introdução A Comissão de Remunerações

Leia mais

ESTATUTOS COLISEU MICAELENSE SOCIEDADE DE PROMOÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS, SOCIAIS E RECREATIVOS, E.M., S.A.

ESTATUTOS COLISEU MICAELENSE SOCIEDADE DE PROMOÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS, SOCIAIS E RECREATIVOS, E.M., S.A. ESTATUTOS COLISEU MICAELENSE SOCIEDADE DE PROMOÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS, SOCIAIS E RECREATIVOS, E.M., S.A. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Denominação, sede, objeto e duração Artigo 1.º Tipo,

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A.

ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A. ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objecto Artigo 1.º A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação de Companhia das Lezírias, S.A., abreviadamente

Leia mais

PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH

PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH 2014 4 de dezembro - Aprovação, por maioria absoluta, em sede de Assembleia Geral, do novo Regime de Quotização e Benefícios dos Associados e do Plano de Ação e Orçamento para

Leia mais

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Introdução O desenvolvimento dos mercados de valores mobiliários tem conduzido a uma intensa reflexão sobre a estrutura e o controlo das sociedades

Leia mais

ESTATUTOS. GESLOURES, Gestão de Equipamentos Sociais, E.M., Unipessoal, Lda.

ESTATUTOS. GESLOURES, Gestão de Equipamentos Sociais, E.M., Unipessoal, Lda. GESLOURES, Gestão de Equipamentos Sociais, E.M., Unipessoal, Lda. Capital Social 3.562.000,00 NIF. 502 814 063 Registada na Conservatória do Registo Comercial de Loures sob o nº 0001/920522 1 CAPÍTULO

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma A nossa competência e experiência e a qualidade dos nossos serviços ao seu serviço A Grant Thornton assenta a sua estratégia no desenvolvimento

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS FUNDOS ESPECIAIS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Leia mais

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia Geral. Francisco Torres Sampaio Inês Alexandra Gomes da Costa. Conselho de Administração

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia Geral. Francisco Torres Sampaio Inês Alexandra Gomes da Costa. Conselho de Administração Modelo de Governo O modelo de governo adoptado pela Polis Litoral Norte é o modelo clássico, composto pelo Conselho de Administração, Assembleia Geral e Fiscal Único, constituindo estes os seus órgão sociais

Leia mais

Regulamento da CMVM n. º 5/2008 Deveres de Informação

Regulamento da CMVM n. º 5/2008 Deveres de Informação Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n. º 5/2008 Deveres de Informação (Revoga o Regulamento da CMVM nº 4/2004 e altera os Regulamentos da CMVM nºs 7/2001

Leia mais

COMPANHIA PORTUGUESA DE AMIDOS, S.A., SOCIEDADE ABERTA RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES EXERCÍCIO DE 2003

COMPANHIA PORTUGUESA DE AMIDOS, S.A., SOCIEDADE ABERTA RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES EXERCÍCIO DE 2003 COMPANHIA PORTUGUESA DE AMIDOS, S.A., SOCIEDADE ABERTA RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES EXERCÍCIO DE 2003 Sede: Estrada Nacional 10, 2695-718 S. João da Talha Capital Social: 5.000.000,00 Euros

Leia mais

IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, SA. Sociedade Aberta. Sede: Edifício Espaço Chiado, Rua da Misericórdia, 12 a 20º, 5º andar, Escritório n.

IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, SA. Sociedade Aberta. Sede: Edifício Espaço Chiado, Rua da Misericórdia, 12 a 20º, 5º andar, Escritório n. IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, SA Sociedade Aberta Sede: Edifício Espaço Chiado, Rua da Misericórdia, 12 a 20º, 5º andar, Escritório n.º 19 1200-273 Lisboa Capital social: Euro 12.500.000 Matriculada

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração A Associação adota a denominação INOVA-RIA: Associação de Empresas para uma Rede de Inovação em Aveiro e

Leia mais

PACTO SOCIAL (Março 2009)

PACTO SOCIAL (Março 2009) NORMA-AÇORES, SOCIEDADE DE ESTUDOS E APOIO AO DESENVOLVIMENTO REGIONAL, S. A. E S T A T U T O S CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO Artigo 1.º (Firma) 1. Nos termos da lei e dos presentes estatutos,

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 10 de Abril de 2013 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 7 DA ORDEM DE TRABALHOS

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 10 de Abril de 2013 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 7 DA ORDEM DE TRABALHOS ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 10 de Abril de 2013 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 7 DA ORDEM DE TRABALHOS (Apreciar sobre a renúncia do Revisor Oficial de Contas e deliberar sobre a eleição do Revisor

Leia mais

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Conforme aprovado em Assembleia Geral de 22 de julho de 2011 e posterior alteração pela Deliberação Unânime por Escrito de 27 de junho de 2012. CAPÍTULO I Natureza,

Leia mais

SONAECOM - S.G.P.S., S.A

SONAECOM - S.G.P.S., S.A SONAECOM - S.G.P.S., S.A Sociedade Aberta Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia Matrícula: Conservatória do Registo Comercial da Maia Número único de matrícula e de pessoa coletiva 502 028 351 Capital

Leia mais

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D Condições de Enquadramento Portaria nº 57-A/2015 de 27 de Fevereiro de 2015 0 VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO,

Leia mais

O DIREITO DAS SOCIEDADES

O DIREITO DAS SOCIEDADES O DIREITO DAS SOCIEDADES Apesar de não existir um Direito das sociedades elaborado como tal, normas mínimas impostas pela legislação europeia são aplicáveis às empresas em toda a União Europeia. Dois importantes

Leia mais

MASTER INNOVATION MANAGEMENT SYSTEMS SGS. Duração 112 Horas / 3 meses. Edição 1ª Edição. Calendário outubro dezembro 2015

MASTER INNOVATION MANAGEMENT SYSTEMS SGS. Duração 112 Horas / 3 meses. Edição 1ª Edição. Calendário outubro dezembro 2015 Edição 1ª Edição Calendário outubro dezembro 2015 Duração 112 Horas / 3 meses Regime Pós-laboral e ao sábado MASTER INNOVATION MANAGEMENT SYSTEMS Em parceria com: SGS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS COORDENAÇÃO

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 14 de Maio de 2015

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 14 de Maio de 2015 ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 14 de Maio de 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 8 DA ORDEM DE TRABALHOS (Deliberar sobre a eleição dos membros do Conselho Fiscal para exercerem funções durante

Leia mais

MESTRADO EM DIREIO EMPRESARIAL CONSTITUIÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE SOCIEDADES 2012/13 I PROGRAMA. INTRODUÇÃO Os diversos tipos de sociedades comerciais

MESTRADO EM DIREIO EMPRESARIAL CONSTITUIÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE SOCIEDADES 2012/13 I PROGRAMA. INTRODUÇÃO Os diversos tipos de sociedades comerciais Set. 2012 (1ª Versão) MESTRADO EM DIREIO EMPRESARIAL CONSTITUIÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE SOCIEDADES 2012/13 I PROGRAMA INTRODUÇÃO Os diversos tipos de sociedades comerciais 1. Empresa comercial e sociedade

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 31 de Dezembro de 2013 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINIST RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 ENQUADRAMENTO ECONÓMICO... 5 EVOLUÇÃO

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I.

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. Âmbito e Objetivo A Comissão de Auditoria ( CAUD ) no exercício das

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

NEXPONOR. 30/06/2014 Relatório de gestão 1º semestre 2014

NEXPONOR. 30/06/2014 Relatório de gestão 1º semestre 2014 NEXPONOR 30/06/2014 Relatório de gestão 1º semestre 2014 A NEXPONOR Sociedade Especial de Investimento Imobiliário de Capital Fixo SICAFI, S.A. foi constituída em Maio de 2013 centrando-se a sua atividade

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 2702 Diário da República, 1.ª série N.º 100 23 de maio de 2012

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 2702 Diário da República, 1.ª série N.º 100 23 de maio de 2012 2702 Diário da República, 1.ª série N.º 100 23 de maio de 2012 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Secretaria-Geral Declaração de Retificação n.º 25/2012 Nos termos das disposições conjugadas na alínea

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março No âmbito do Compromisso Eficiência, o XIX Governo Constitucional determinou as linhas gerais do Plano de Redução e Melhoria da

Leia mais

Geral. A cada acção corresponde um voto.

Geral. A cada acção corresponde um voto. ACTA NÚMERO 38 Aos vinte e oito de Maio de dois mil e oito, pelas dez horas, na sua sede social, à Rua General Norton de Matos, 68, R/C., no Porto, reuniu a Assembleia Geral Anual da COFINA, S.G.P.S, S.A.,

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

DIREITO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

DIREITO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS DIREITO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS 6 de outubro de 2015 a 18 fevereiro de 2016 DIREITO DAS SOCIEDADES ABERTAS E DO MERCADO 26 janeiro a 26 de maio de 2016 12015-2016 DIREITO COMERCIAL PÓS-GRADUAÇÕES 4ª

Leia mais