4// Demonstrações Financeiras e Notas às Contas 4.1 Demonstrações Financeiras Consolidadas 4.2 Demonstrações Financeiras Individuais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4// Demonstrações Financeiras e Notas às Contas 4.1 Demonstrações Financeiras Consolidadas 4.2 Demonstrações Financeiras Individuais"

Transcrição

1

2 Mensagem do Presidente Mensagem da Comissão Executiva 1// O Grupo Glintt 1.1 Missão, Visão, Valores, Estratégia e Compromisso Inovação e Empreendedorismo Responsabilidade Social e Corporativa 1.2 Empresas do Grupo 1.3 Principais Indicadores 1.4 Órgãos Sociais 2// Relatório Consolidado de Gestão 2.1 Enquadramento Macro Económico 2.2 Performance da Glintt em Perspectivas para Modelo de Governação 2.5 Informação Privilegiada Sumário 2.6 Proposta de Aplicação dos Resultados 2.7 Declaração dos Responsáveis Sobre a Conformidade da Informação Financeira Apresentada 2.8 Agradecimentos Anexos ao Relatório Consolidado de Gestão 3// Governo da Sociedade 4// Demonstrações Financeiras e Notas às Contas 4.1 Demonstrações Financeiras Consolidadas 4.2 Demonstrações Financeiras Individuais 5// Certificação Legal e Relatório de Auditoria 6// Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 7// Declaração dos Responsáveis Sobre a Conformidade da

3 Mensagem do Presidente O ano de 213 foi difícil para a economia portuguesa, talvez o mais difícil desde que o País iniciou em 211 um período de assistência internacional. As empresas continuaram a experimentar elevadas dificuldades de financiamento, altas taxas de juro e quebra na procura interna. Os sinais positivos que surgiram no último trimestre do ano não alteraram o panorama de acentuada crise económica e social. O sector das Tecnologias de Informação acompanhou a tendência geral. Sofreu as consequências da quebra do investimento, da contracção de custos por parte dos seus clientes e de alguma tendência para redução da actividade de outsourcing. Neste quadro geral negativo a Glintt teve em 213 um desempenho globalmente positivo evidenciando capacidade de resistência à crise. A sua actividade, em volume, proveitos e resultados, foi similar à de 212. Confrontada com as dificuldades do mercado interno, a empresa intensificou o seu processo de e 26% dos seus proveitos têm origem já hoje do mercado externo. A Glintt é uma marca forte no mercado das Tecnologias de Informação. Adoptou com sucesso um plano para resistir às dificuldades do País vividas nos últimos anos. Acreditamos nos sinais positivos dos novos tempos que aí vêm. A empresa tem um plano de desenvolvimento sólido e coerente, que continuará a pôr em prática em 214. Somos optimistas quanto ao futuro da Glintt. Com o apoio dos accionistas, a qualidade da gestão, o empenho dos colaboradores e o reconhecimento dos nossos clientes, acredito que os próximos anos serão de afirmação deste projecto empresarial, a nível interno e a nível internacional. Luís Matias Presidente do Conselho de Administração A crise, entretanto, tem imposto pesados sacrifícios às empresas e aos cidadãos. A Glintt não é exceção à regra. E é justo salientar o sentido da responsabilidade de todos os colaboradores que suportaram a austeridade e mantiveram o seu empenhamento na actividade e no futuro da empresa. É de crer que o pior já passou e que no ano de 214 se multiplicarão os sinais de uma mudança positiva na economia nacional e internacional.

4 Mensagem da Comissão Executiva Muito embora o contexto económico global não tenha evoluído de forma favorável, a Glintt concluiu o exercício de 213 com uma performance positiva quer ao nível dos resultados líquidos, quer ao nível dos resultados operacionais brutos (EBITDA). Foi possível prosseguir com o processo de reestruturação, com o investimento na estratégia de internacionalização e com a continuidade dos projetos de inovação, investigação e desenvolvimento de novas soluções e produtos. Continuámos a investir no desenho de novos modelos de negócio, procurando antecipar tendências e respondendo às principais preocupações dos nossos clientes e parceiros. Levámos a nossa marca e o nosso Knowhow até novas geografias. As nossas receitas fora de Portugal representam já cerca de 26% das receitas globais. Somos conscientes que apesar do longo caminho percorrido e dos resultados obtidos, continua a ser essencial continuar a investir na implementação e consolidação dos objetivos estratégicos definidos, para garantir uma transformação e evolução sustentada de toda a organização. No final destes três anos de mandato da atual Comissão Executiva, estamos profundamente gratos e orgulhosos de todos os que têm caminhado connosco, e não nos restam quaisquer dúvidas que o esforço e empenho investido farão a diferença. Juntos estamos a construir uma Glintt mais sólida. A Comissão Executiva Investimos no desenho de processos e no aumento da eficiência das nossas áreas de apoio. Continuámos a investir na seleção, captação e criação de oportunidades de desenvolvimento para os melhores profissionais, fomentando acima de tudo uma cultura empresarial empreendedora, que premeie e estimule o mérito, atenta e consciente às principais questões sociais.

5

6 1.1 Missão, Visão, Valores, Estratégia e Compromisso A Glintt Global Intelligent Technologies, S.A. (doravante Glintt, ou Grupo Glintt) é uma empresa portuguesa, cotada na NYSE Euronext Lisbon, que atua no mercado das Tecnologias da Informação, nomeadamente nas áreas da Consultoria e Outsourcing. O Grupo encontrase presente na Europa, África e América, estando representado por um coletivo de mais de 13 profissionais, especializados e capazes de oferecer aos seus Clientes soluções com valor acrescentado para o negócio. Missão Construir com os Clientes e Parceiros, soluções tecnológicas, inovadoras e úteis que contribuam para o progresso sustentado das organizações. Visão Ser um fornecedor de soluções de IT s GLOBAIS, permitindo aos seus Clientes focarse no desenvolvimento do seu negócio. Valores Para cumprir a sua missão, a Glintt definiu sete valores base, os quais serão o enfoque nos anos vindouros, a saber: Credibilidade Qualidade Rigor Excelência Ambição Competência Socialmente Responsáveis Estratégia As principais linhas de orientação estratégica do Grupo centramse em torno de quatro objetivos fundamentais: A Solidez do balanço A Solidez do balanço Solidez financeira e económica dos diversos negócios Adequação da estrutura e recursos às necessidades do cliente D Valores Fundamentais de conduta D A C C Inovação e empreendedorismo B B Crescimento Sustentável B Crescimento Sustentável C Inovação e empreendedorismo D Valores Fundamentais de conduta Crescimento nos negócios atuais Desenvolvimento de novos negócios Modelos de negócio sustentáveis para maximizar retorno Inovação e empreendedorismo como alavancas de crescimento Relação sustentável e relação justa e ética com todos os colaboradores, parceiros e clientes Garantir oportunidades de desenvolvimento, avaliações regulares e um sistema de meritocracia RELATÓRIO E CONTAS 213 6

7 1// O GRUPO GLINTT Estes quatro objetivos fundamentais encontramse na génese dos seguintes objetivos estratégicos: Oferta Reorganizar a Glintt e a sua oferta para abordar o mercado (Figura 1). Competitividade Aumentar a competitividade. Near Shore Apostar no Near Shore como um factor diferenciador. Internacionalização Definir e implementar modelos de internacionalização por geografia e negócio. Novos Modelos de Negócio Definir novos modelos de negócio, cruzando competências de várias áreas de negócio. Estrutura Interna Ajustar a estrutura interna da Glintt para suportar a estratégia e aumentar o enfoque no cliente. (Figura 1) Organização do Negócio e Abordagem de Mercado. Compromisso Oferecer soluções integradas e com capacidade para responder a todas as fases da cadeia de valor do processo tecnológico, acrescentando valor ao negócio dos nossos clientes. Avaliação Concepção Implementação & Prestação de Serviços Manutenção & Suporte Consultoria Desenvolvimento A oferta do Grupo assenta em quatro pilares verticais, organizados por competências técnicas e experiências. ENERGY ENGINEERING CONSULTING FARMA Inovação e Empreendedorismo O Grupo promove uma cultura de inovação e empreendedorismo, a qual se traduz em dois compromissos essenciais: Incentivar a procura ativa e a partilha do conhecimento; Criar de um ambiente de valorização e desenvolvimento profissional, onde a cada colaborador lhe seja dada oportunidade de explorar a sua criatividade e experiencia pessoal em prol de iniciativas que criem valor nas mais diversas atividades do diaadia, contribuindo desta forma ativamente na melhoria contínua e nos processos de inovação do Grupo. Neste contexto, o Grupo desenvolveu em 213, um conjunto de iniciativas, de entre as quais destacamos as seguintes: RELATÓRIO E CONTAS 213 7

8 1// O GRUPO GLINTT WIN Ideas Esta iniciativa é dirigida ao universo de 13 colaboradores da Glintt e visa captar as suas ideias de melhorias internas ou de desenvolvimento de novos negócios. Durante o ano de 213 foram registadas 152 ideias, tendo sido aprovados para implementação 12 projetos de melhoria interna e identificadas 3 novas oportunidades de inovação. (figura 2) GBIP (Figura 2) Iniciativa Code Jam: uma Win Idea powered by Glintt. O Glintt Business Ideas & Projects (GBIP) é uma iniciativa Glintt que visa promover o empreendedorismo e facilitar o lançamento de novas ideias e projetos de negócio, com ênfase nos aspetos da inovação, potencial financeiro e benefícios para a sociedade. O GBIP tem por Missão apoiar os Empreendedores na concretização da sua ideia/projeto de negócio, disponibilizando a Glintt instalações físicas e equipamentos, bem como recursos humanos com as competências técnicas, operacionais e de gestão, e o conhecimento de mercado, de forma a permitir a validação e o desenvolvimento do conceito quer para o mercado nacional quer para o internacional. Esta iniciativa destinase a todos os Empreendedores estudantes, empresários, inovadores & engenhosos com uma ideia diferenciadora que necessite ser testada e validada. Ainda sobre nós... Durante o ano de 213, foi atribuído à Glintt Inov o Estatuto de Idoneidade, capacitando e reconhecendo as boas práticas desta entidade, para levar a cabo atividades de investigação, desenvolvimento e inovação Responsabilidade Social e Corporativa Na prossecução de um dos seus objetivos fundamentais Valores Fundamentais de Conduta a Glintt publicou recentemente a Politica Glintt Responsável, a qual incorpora os 8 compromissos assumidos pelo Grupo para dar resposta às suas preocupações de cariz responsável em matéria social, económica e ambiental, os quais se resumem na figura ao lado. Durante o ano 213, foi também constituído o primeiro Comité de Solidariedade Glintt, o qual tem como objetivo principal selecionar, promover e implementar as iniciativas que se considerem adequadas à prossecução dos objetivos definidos. Do conjunto de iniciativas levadas a cabo em 213 pelo coletivo de colaboradores da Glintt, destacamos: ações de recolha de sangue; ações de recolha de roupa e alimentos para comunidades desfavorecidas; construção de infraestrutura educacional em Cabo Verde e realização de diversas iniciativas de promoção cultural. RELATÓRIO E CONTAS 213 8

9 1// O GRUPO GLINTT 1.2 Empresas do Grupo O Grupo Glintt engloba dentro da sua estrutura, um conjunto de 17 empresas. i. Glintt Technology Enabled Services, S.A. (TES) ii. Glintt Business Solutions, Lda. (BS) iii. Glintt Business Process Outsourcing, S.A. (BPO) iv. Glintt Healthcare Solutions, S.A. (HS) v. NetPeople Tecnologias de Informação, S.A. (Netpeople) vi. RHM Management de Recurso Humanos, Sociedade Unipessoal, Lda. (RHM) vii. SOLS e Solsuni Tecnologias de Informação, S.A. viii. Glintt Energy, S.A. ix. Glintt Inov, S.A. x. Pulso Informática, S.L., Unipersonal (sediada em Espanha) xi. Consoft, S.A.U (sediada em Espanha) xii. Farmasoft Informatica y Servicios, S.L. (sediada em Espanha) xiii. Glintt España, Sociedade Limitada (Unipersonal) (sediada em Espanha) xiv. GLINTT POLSKA Sp. Z o.o (abreviado Glintt Polska Sp. Z.o.o) (sediada na Polónia) xv. SolServices Angola, Lda. (sediada em Angola) xvi. Glintt Angola, Lda. (sediada em Angola) xvii. Glintt Brasil Ltda. (sediada no Brasil) 1.3 Principais Indicadores VOLUME VENDAS / EBITDA / EBIT em milhões VENDAS VERSUS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS em milhões VENDAS POR MERCADO em milhões 94 7,9% 91 9, % 86 9,6 % 94 79% 74 8% 91 76% 69 3% 86 78% ,1 +11% 91 15,6 6% +41% 15% 86 22,1 5,6% 6,3 % 6,9 % +12% 14% 8,3 75,5 63, Volume de Negócios Margem EBITDA Margem EBIT Prestação de Serviços Vendas Contrib. % Prest. Serv Nacional Internacional EVOLUÇÃO DO RESULTADO LÍQUIDO em milhares GASTOS COM PESSOAL E FSE s em milhares EQUIPA DE PROFISSIONAIS +5% 2% +18% % % % +3% Gastos com Pessoal FSE s Reestruturação RELATÓRIO E CONTAS 213 9

10 1// O GRUPO GLINTT 1.4 Órgãos Sociais Conselho de Administração Presidente Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Dr. Luis Carlos Alves Rodrigues Matias Dr. Joaquim Anibal Brito Freixial de Goes Dr. Vitor Manuel Lopes Segurado Eng. Manuel Francisco Costa Mira Godinho Dr. Luis Paulo Reis Cocco Dr. Alexandre Miguel da Cruz Machado Pereira Gomes Eng. Luis Manuel Gameiro da Silva Dr. Abel Bernardino Teixeira Mesquita Eng. Pedro Manuel de Barros Inácio Dr. José Luis Bonifácio Lopes Comissão Executiva Presidente Executivo Administrador Executivo Administrador Executivo Administrador Executivo Eng. Manuel Francisco Costa Mira Godinho Dr. Luis Paulo Reis Cocco Dr. Alexandre Miguel da Cruz Machado Pereira Gomes Eng. Luis Manuel Gameiro da Silva Conselho Fiscal Presidente Vogal Vogal Dr. Luis Manuel Pereira da Silva Dr. Carlos Manuel Charneca Moleirinho Grenha Dr. João Gaspar Lopes Ribeiro Revisor Oficial de Contas Efetivo Suplente BDO & Associados, SROC, Lda Representada pelo Dr. João Paulo Torres Cunha Ferreira(ROC nº 956) Dr. Gonçalo Raposo da Cruz(ROC nº 1189) Mesa da Assembleia Geral Presidente Secretário Dr. José Alberto Vasconcelos Tavares Moreira Dr. José António da Ponte Zeferino Secretário da Sociedade Efetivo Suplente Dr. Raul Miguel Lampreia Corrêa Teles Lufinha Dra. Joana Helena Leitão do Valle Wemans Gonçalves Comissão de Vencimentos Presidente Vogal Vogal Dr. Luis Miguel Cortes Martins Dr. Jorge de Brito Pereira Dr. Luis Pereira da Silva Representante para as Relações com o Mercado Dr. Raul Miguel Lampreia Corrêa Teles Lufinha RELATÓRIO E CONTAS 213 1

11

12 2.1 Enquandramento Macro Económico A evolução da economia mundial em 213 verificouse semelhante à de 212, conquanto ligeiramente mais lenta (3% e 3,2%, respetivamente). Contudo, e pese embora a taxa de crescimento real tenha sido inferior à dos anos anteriores, começam a existir sinais de relativa evolução. Os principais condicionalismos à retração da evolução económica mundial, como sejam as apertadas políticas orçamentais, o aumento da tributação, a existência de alguma instabilidade politica, a incerteza sobre o projeto da moeda única europeia, os processos de correção do mercado imobiliário nos EUA, começaram já a ter desenvolvimentos positivos, que sugerem que a atividade económica mundial poderá estar a iniciar uma nova fase de recuperação a partir de 214. Com efeito, as projeções apontam para crescimento da atividade económica mundial de 3,7% em 214 e 3,9% em 215. Não obstante, existem riscos, como sejam a incerteza do ritmo de consolidação orçamental nos Estados Unidos e nas demais economias avançadas, com impacto eventual na respetiva política monetária, e o abrandamento da economia chinesa, com impacto na procura global. Na zona euro, a atividade económica verificou uma retração de,4%, consequência dos processos de ajustamento estrutural em curso em vários países. A necessidade de redução dos níveis de endividamento, a aplicação de planos claros de austeridade na tentativa de controlo do défice orçamental, o elevado nível de desemprego, foram fatores que continuaram a produzir efeito negativo na confiança dos principais agentes económicos, refletindose na redução do consumo e do investimento. Para 214 as projeções apontam para inversão da tendência recessiva e início da recuperação na zona euro, com a atividade económica a evoluir cerca de 1,% em 214 e 1,4% em 215, contudo, de forma mais moderada nos países que tenham ainda em curso programas de assistência económica e financeira. Em Portugal, a evolução da economia mantevese condicionada pelo processo de correção dos desequilíbrios macroeconómicos, que motivou a adoção de um conjunto de medidas de consolidação orçamental nomeadamente as que decorreram do Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF). O Produto Interno Bruto diminuiu 1,4%, o que representa uma evolução favorável quando comparada com a redução de 3,2 % registada em 212. Esta evolução resultou não só da redução da procura interna como externa, no primeiro caso, devido sobretudo à redução do consumo privado, em resultado da diminuição do rendimento disponível, e à redução do investimento. Ainda assim verificouse uma evolução favorável no processo de consolidação estrutural das contas públicas, bem como a melhoria do saldo das contas externas, que se traduziu num aumento da capacidade líquida de financiamento da economia portuguesa. Contudo, os riscos e incertezas mantêmse, uma vez que a conclusão e consolidação do processo de ajustamento dos desequilíbrios estruturais poderá ainda implicar adoção de medidas adicionais, cuja origem e impacto no crescimento económico não é ainda conhecido. Para o período de , as projeções apontam para uma recuperação moderada da economia portuguesa, em resultado da evolução projetada para o setor privado, uma vez que deverá continuar a verificarse contração no sector publico, embora progressivamente menor. No que diz respeito ao mercado das tecnologias da informação, e de acordo com as previsões avançadas pela IDC, em Fevereiro último, apontam uma evolução favorável do sector em 214, em resultado do contínuo alinhamento das prioridades de negócio das organizações nacionais, com as necessidades de investimento em tecnologia. Soluções de redução de custos, projetos de inovação quer de produtos quer de serviços, atração e retenção de clientes, e a expansão para novas geografias, serão exemplos das principais prioridades que motivarão decisões de investimento no sector das TI. RELATÓRIO E CONTAS

13 2// RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO 2.2 Performance da Glintt em 213 Breve Resumo Em 213, não obstante a ligeira queda no Volume de Negócios, a Glintt alcançou um Resultado Operacional Bruto (EBITDA) de 8,2 Milhões de Euros, ligeiramente superior ao verificado em 212. A margem operacional bruta (Margem EBITDA) subiu de 9,% para 9,6%, e os Resultados Líquidos Consolidados cresceram 5,4%, situandose nos Mil Euros. A economia portuguesa apresentou vários sinais de recuperação, os quais se espera mostrem consistência ao longo de 214, no entanto, se bem que estes sinais permitam alguma sustentação do volume de negócio doméstico, em especial na área da prestação de serviços, a Comissão Executiva da Glintt tem claro que o enfoque do crescimento da empresa tem que continuar a ser a vertente internacional. Com efeito, o enfoque estratégico do Grupo no mercado internacional que tem sido uma constante desde 211, tem permitido compensar em grande medida a performance do mercado doméstico. Reflexo disso é a crescente evolução do peso das receitas internacionais no volume de negócios total, o qual evoluiu de 15% em 211, para 21% em 212 e alcançou já os 26% em 213. Principais Projetos ENERGY Objetivo Estratégico Novos Modelos de Negócio A Glintt iniciou em 213 a construção do seu primeiro parque solar fotovoltaico de concentração (CPV). Este projeto representou um investimento de mais de quatro milhões de euros e permitirá gerar cerca de um megawatt de energia, a qual será posteriormente vendida. Situado na periferia da cidade de Évora, num antigo terreno que já serviu de aterro sanitário, este investimento contribuirá igualmente para a reabilitação daquele espaço. ENGINEERING Objetivo Estratégico Competitividade Foi concluído em 213 um dos principais projetos de investimento levados a cabo pela área da Engenharia POS Vega. Este projeto contou com um apoio por parte do IAPMEI através da conceção de incentivo à investigação e desenvolvimento tecnológico, do quadro de referência nacional (QREN). A sua conclusão permitirá à Glintt lançar em 214 três novos produtos, os quais farão parte da futura plataforma de pagamentos eletrónicos seguros da Glintt. Objetivo Estratégico NearShore Objetivo Estratégico Internacionalização Objetivo Estratégico Internacionalização Objetivo Estratégico Reorganização da oferta / mercado CONSULTING Glintt leva tecnologia Outsystems até ao mercado espanhol, pela mão de um dos seus clientes de referência, um importante grupo internacional. Este projeto consistiu na construção de um portal interno, destinado a melhorar os níveis de serviço prestados ao cliente final. A sua realização a partir de território nacional foi possível graças à relação de confiança estabelecida com o nosso cliente, e ao sucesso dos anteriores projetos, representando um marco importante na prossecução da estratégia de Nearshore. Glintt vende solução integrada de gestão de processos que prevê entre outras funcionalidades, a agregação do volume diário de trabalho filtrado por prioridades / estado, a integração dessa informação com bases de dados centrais, a distribuição de tarefas em paralelo para várias equipas e a criação de matriz geral para análise e acompanhamento diário de toda a informação de uma prestigiada instituição financeira, na Bélgica. Este projeto representou igualmente um marco importante na estratégia de internacionalização do área e do grupo. FARMA Glintt faz remodelação total de espaços, na farmácia do aeroporto de Lisboa. Partindo de um espaço muito complexo, resultado da união de vários espaços distintos existentes, o desafio foi construir um layout que compatibilizasse as áreas de farmácia e parafarmácia, de forma a tornálo dinâmico, harmonioso e ao mesmo tempo inovador. Materializouse a implementação de um conceito inovador, ao nível do contacto do utilizador com os produtos de dermocosmética, o qual estimula as sensações do utente através da experimentação dos produtos. Criouse uma zona de público, atrativa, com uma sequência de contacto e sugestão que potencia a venda livre dos produtos expostos, apostando igualmente nos serviços, com a introdução do atendimento personalizado e de um balcão exclusivo de apoio à secção de dermocosmética. Este projeto está em linha com a aposta da Glintt na apresentação de soluções para conceção de imagem e comunicação para farmácias, desenho e fornecimento de mobiliário e equipamentos e material de robótica. Glintt leva as suas solução de conceção de imagem, desenho e fornecimento de mobiliário e equipamentos, a mais de cerca de 3 novas farmácias fora de Portugal, nomeadamente em Espanha, França, Polónia, Angola e Qatar. Principais Indicadores Do ponto de vista comercial a Glintt apresentou a seguinte evolução ao nível da distribuição do seu volume de negócios: Pilar de Oferta Segmento Operacional Engenharia Managed Services Consultoria Consultoria e Integração Farma Outsourcing Energia RELATÓRIO E CONTAS

14 2// RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO 2.3 Perspetivas para 214 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual ao longo de 214, prevendose um crescimento do PIB na ordem de 1,2%. Nesta medida é expectável que esta melhoria das condições da atividade económica produza efeitos nas prioridades de negócio das organizações nacionais, influenciando assim, um aumento no investimento em tecnologias da informação. Contudo, a comissão executiva da Glintt tem claro que o enfoque do crescimento da empresa, e a garantia de sustentabilidade no médio longo prazo, passa pelo reforço da aposta estratégica na vertente internacional. De facto, o potencial de negócio que se tem confirmado nas várias geografias e mercados onde a Glintt tem reforçado a sua atuação nos últimos 3 anos, conjugado com o facto de, em algumas áreas relevantes, a empresa deter já quotas de mercado elevadas em Portugal, como por exemplo na área da Saúde, reforça a convicção que o crescimento passará sempre pela vertente internacional. Assim, o ano de 214 continuará a ser assim um ano de investimento no desenvolvimento do processo de internacionalização, o qual tem vindo a ser dinamizado desde 211, reforçando e renovando a aposta nas seguintes frentes: Crescimento e consolidação do processo de internacionalização na área da Farmácia, com um enfoque na venda de projetos em Espanha, França, Itália e Angola, os quais compreendem essencialmente o fornecimento de mobiliário e equipamentos; a conceção, desenho da imagem e organização dos espaços de Farmácias; Crescimento e consolidação da estratégia de NearShore, sobretudo para os países do centro da Europa, Bélgica, França, Alemanha, Suíça e Reino Unido, aumentando e potenciando o crescimento internacional da área de Consultoria; Consolidação do processo de venda de Robots para a área da Saúde, nomeadamente junto dos mercados Polaco e Brasileiro; Reforço da atividade operacional dos escritórios abertos no final de 211 e 212, Glintt Espanha, Glintt Polónia e Glintt Brasil respetivamente, em especial na área Hospitalar; Crescimento e consolidação da atividade de Consultoria e da Saúde em Angola, a par da atividade de infraestruturas; Promoção internacional de soluções ligadas a operadores de telecomunicações. A par com as demais linhas de orientação estratégica a Glintt continuará focada em desenvolver uma cultura empresarial em linha com os seus objetivos fundamentais, continuando desta forma a investir em iniciativas que estimulem a inovação e o empreendedorismo; e também iniciativas e políticas de gestão que garantam transparência e igualdade nas oportunidades de desenvolvimento do seu principal ativo o capital humano. O volume de negócios deverá estar em linha com o de 213, mas com um maior contributo da componente internacional, devendo a margem EBITDA situarse entre 8% e 1%. 2.4 Modelo de Governação A Glintt é uma holding cotada na NYSE Euronext Lisbon e o Conselho de Administração desempenha um papel ativo no acompanhamento da gestão operacional de cada uma das sociedades participadas. O modelo de governação da sociedade é detalhadamente descrito no Relatório de Governo da Sociedade, o qual é parte integrante do presente relatório (vide por favor, capítulo 3). RELATÓRIO E CONTAS

15 2// RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO 2.5 Informação Privilegiada Sumário Durante o exercício de 213, foi divulgada pela Sociedade a seguinte informação privilegiada: 8 Janeiro 213 Registo da Glintt Brasil LTDA 12 Março 213 Cooptação do Dr. Luis Matias para Vogal do Conselho de Administração 26 Março 213 Resultados Consolidados do Exercício de Abril 213 Cessação de funções do Presidente do Conselho de Administração 23 Maio 213 Apresentação relativa aos resultados consolidados de 212, a efetuar na Assembleia Geral Anual de 23 de Maio de Maio 213 Deliberações da Assembleia Geral Anual de 23 de Maio de Maio 213 Resultados Consolidados do 1º Trimestre de Julho 213 Resultados Consolidados do 1º Semestre de Setembro 213 Cooptação do Dr. José Luis Bonifácio Lopes para Vogal do Conselho de Administração 12 Novembro 213 Resultados Consolidados do 3º Trimestre de Dezembro 213 Calendário Financeiro Proposta de Aplicação dos Resultados O Conselho de Administração da Glintt Global Intelligent Technologies, S.A., nos termos e para os efeitos do disposto na alínea b) do nº 1 do artigo 376º do Código das Sociedades Comerciais e de acordo com o Relatório de Gestão propõe que o resultado líquido negativo da Sociedade no exercício de 213, no montante de ,7 Euros (contas individuais), seja transferido para a conta de Resultados Retidos de Exercícios Anteriores. 2.7 Declaração dos Responsáveis sobre a conformidade da Informação Financeira Apresentada De acordo com o disposto na alínea c) do nº 1 do artigo 245º do Código dos Valores Mobiliários, os membros do Conselho de Administração da Glintt Global Intelligent Technologies, S.A. declaram que, tanto quanto é do seu conhecimento, a informação constante do relatório de gestão, as contas anuais, a certificação legal de contas e os demais documentos de prestação de contas exigidos por lei ou regulamento, foi elaborada em conformidade com as normas contabilísticas aplicáveis, dando uma imagem verdadeira e apropriada do ativo e do passivo, da situação financeira e dos resultados da emitente Glintt e das empresas incluídas no perímetro da consolidação, e que o relatório de gestão expõe fielmente a evolução dos negócios, do desempenho e da posição da emitente Glintt e das empresas incluídas no perímetro da consolidação, contendo uma descrição dos principais riscos e incertezas com que se defrontam. Beloura, 1 de Abril de 214. Luis Carlos Alves Rodrigues Matias (Presidente do Conselho de Administração) Manuel Mira Godinho (Presidente da Comissão Executiva) Abel Mesquita (Administrador) Joaquim Aníbal Brito Freixial de Goes (Administrador) Luís Paulo Reis Cocco (Administrador Executivo) Pedro Inácio (Administrador) Vítor Manuel Lopes Segurado (Administrador) Alexandre Gomes (Administrador Executivo) José Bonifácio Lopes (Administrador) Luís Gameiro da Silva (Administrador Executivo) RELATÓRIO E CONTAS

16 2// RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO 2.8 Agradecimentos A Glintt agradece aos seus Acionistas e Clientes, a confiança demonstrada durante o ano de 213. Agradece também aos seus Parceiros estratégicos a colaboração ativa em projetos comuns, bem como a capacidade de criação de novos negócios. Agrademos igualmente a todos os Colaboradores pelo desempenho conseguido em 213, e pelo apoio na prossecução das medidas estratégicas implementadas, permitindo à Glintt continuar a afirmarse como empresa de referência no mercado das TI. Beloura, 1 de Abril de 214 O Conselho de Administração RELATÓRIO E CONTAS

17 2// RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO Anexos ao Relatório Consolidado de Gestão Ações detidas pelos membros dos órgãos sociais Participação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização na Sociedade e em Sociedades em relação de domínio ou de grupo (Artigo 447º do Código das Sociedades Comerciais) e Transações de Dirigentes (nº 7 do Artigo 14º do Regulamento da CMVM). Conselho de Administração Luis Carlos Alves Rodrigues Matias João Carlos Lombo da Silva Cordeiro Joaquim Anibal Brito Freixial de Goes Vítor Manuel Lopes Segurado Manuel Mira Godinho Luís Paulo Reis Cocco Alexandre Gomes Luis Gameiro da Silva Abel Bernardino Teixeira Mesquita Pedro Manuel de Barros Inácio José Luis Bonifácio Lopes Nº Títulos 31/dez/12 (a) Nº Títulos 31/dez/ (b) Aquisições Alienações Preço Unit. Data (c) (c) Conselho Fiscal Luís Manuel Pereira da Silva Carlos Manuel Charneca Moleirinho Grenha João Gaspar Lopes Ribeiro Nº Títulos 31/dez/12 Nº Títulos 31/dez/13 Aquisições Alienações Preço Unit. Data Quadros Dirigentes Nº Títulos 31/dez/12 Nº Títulos 31/dez/13 Aquisições Alienações Preço Unit. Data Jorge Manuel Vicente Rodrigues Fróis 5 5 (a) À data de inicio de funções 12 de março de 213 (b) À data de cessação de funções 24 de maio de 213 (c) Aquisições de ações: Manuel Mira Godinho Alexandre Gomes Aquisições Preço Unit. Data Aquisições Preço Unit. Data 1,16 16/5/213 58,14 13/8/ ,16 2/6/ ,16 16/8/213 3,16 2/6/ ,16 16/8/213 1,16 2/6/ ,16 16/9/213 1,16 2/6/213 24,16 16/9/ ,16 2/6/ ,16 16/9/213 41,16 2/6/213 18,16 16/9/213 1,16 2/6/ ,16 24/6/213 29,16 24/6/213 2,15 28/6/ ,14 22/7/ ,14 22/7/213 2,14 31/7/213 5,14 31/7/ ,16 16/9/ ,16 16/9/213 6,18 3/9/213 19,18 3/9/ ,18 7/1/213 1,18 7/1/213 9,18 7/1/ RELATÓRIO E CONTAS

18 2// RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO Participações Qualificadas Para efeitos da alínea c) do nº 1 do artigo 9º do Regulamento 5/28 da CMVM, apresentase a lista de titulares de participações qualificadas comunicadas à Sociedade até 31 de Dezembro de 211 e calculadas nos termos do artigo 2º do Código dos Valores Mobiliários. Acionistas Nº. de Ações % do Capital % dos Direitos de voto Farminveste 3 Gestão de Participações SGPS, Lda (a) José Ribeiro Gomes ,73% 2,98% 49,73% 2,98% (a) De acordo com o comunicado à Glintt no dia 3 de Setembro de 213: «Para efeitos de atualização da informação prestada sobre a participação qualificada detida pela Farminveste 3 Gestão de Participações, SGPS, Lda., ( Farminveste ), sociedade com sede na Travessa de Santa Catarina, n.º 8, 1243, Lisboa, na GLINTT GLOBAL INTELLIGENT TECHNOLOGIES, S.A. ( Glintt ), desde o dia 24 de Julho de 28 e, bem assim, para os demais efeitos que a Glintt venha a considerar pertinentes no âmbito de informação que divulgue ao mercado, a Farminveste informa que, na presente data, detém diretamente 49,73% do capital social e dos direitos de voto da Glintt. Em acréscimo, o Dr. António Nuno de Jesus Ribeiro de Barros, membro do Conselho de Administração da Farminveste SGPS, S.A. sociedade dominante da Farminveste detém,11% do capital social e dos direitos de voto.» Assim, nos termos e para os efeitos das alíneas b), d) e i) do n.º 1 do Artigo 2.º do Código de Valores Mobiliários, são imputáveis à Farminveste, à Farminveste, S.A. e à Associação Nacional das Farmácias, na qualidade de entidade dominante das referidas sociedades, 49,73% dos direitos de voto na Glintt. Transações de ações próprias No exercício de 213, não se realizaram transações de ações próprias. RELATÓRIO E CONTAS

19

20 Advertências: Salvo indicação em contrário ou quando do contexto resulte diferentemente, as informações são prestadas por referência ao último dia do exercício económico a que o relatório diz respeito, ou seja, a 31 de dezembro de 213; Consideramse feitas para o código dos valores mobiliários todas as referências a artigos sem indicação do respetivo diploma legal. PARTE I INFORMAÇÃO OBRIGATÓRIA SOBRE ESTRUTURA ACIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE A. ESTRUTURA ACIONISTA 1. Estrutura de capital (capital social, número de ações, distribuição do capital pelos acionistas, etc), incluindo indicação das ações não admitidas à negociação, diferentes categorias de ações, direitos e deveres inerentes às mesmas e percentagem de capital que cada categoria representa (Art. 245.ºA, n.º 1, al. a)). O capital social da Glintt é de , sendo composto por ações, todas da mesma categoria, com o valor nominal de 1, e encontrandose totalmente disperso em bolsa, na NYSE Euronext Lisbon. 2. Restrições à transmissibilidade das ações, tais como cláusulas de consentimento para a alienação ou limitações à titularidade de ações (Art. 245.ºA, n.º 1, al. b)). Não existem restrições à transmissibilidade das ações. 3. Número de ações próprias, percentagem de capital social correspondente e percentagem de direitos de voto a que corresponderiam as ações próprias (Art. 245.ºA, n.º 1, al. a)). A Glintt tem zero ações próprias. 4. Acordos significativos de que a sociedade seja parte e que entrem em vigor, sejam alterados ou cessem em caso de mudança de controlo da sociedade na sequência de uma oferta pública de aquisição, bem como os efeitos respetivos, salvo se, pela sua natureza, a divulgação dos mesmos for seriamente prejudicial para a sociedade, exceto se a sociedade for especificamente obrigada a divulgar essas informações por força de outros imperativos legais (art. 245.ºA, n.º 1, al. j). A Glintt não é parte em acordos com esse conteúdo. 5. Regime a que se encontre sujeita a renovação ou revogação de medidas defensivas, em particular aquelas que prevejam a limitação do número de votos suscetíveis de detenção ou de exercício por um único acionista, de forma individual ou em concertação com outros acionistas. Na Glintt não existem medidas defensivas, bem como não existe qualquer regime para a sua renovação ou revogação, caso existissem. RELATÓRIO E CONTAS 213 2

MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano ####

MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano #### Anexo I MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano #### Identificação da sociedade Advertências: - Salvo indicação em contrário ou quando do contexto resulte diferentemente, as informações solicitadas

Leia mais

Índice. 1// Enquadramento 1.1. Mensagem do Presidente 1.2. A Glintt 1.3. Principais Indicadores 1.4. Empresas do grupo 1.5.

Índice. 1// Enquadramento 1.1. Mensagem do Presidente 1.2. A Glintt 1.3. Principais Indicadores 1.4. Empresas do grupo 1.5. RELATÓRIO E CONTAS 214 Índice 3 4 5 9 1 1 1// Enquadramento 1.1. Mensagem do Presidente 1.2. A Glintt 1.3. Principais Indicadores 1.4. Empresas do grupo 1.5. Órgãos Sociais 11 12 13 14 14 15 15 16 17 19

Leia mais

Índice. 1// Enquadramento 1.1. Mensagem do Presidente 1.2. A Glintt 1.3. Principais Indicadores 1.4. Empresas do grupo 1.5.

Índice. 1// Enquadramento 1.1. Mensagem do Presidente 1.2. A Glintt 1.3. Principais Indicadores 1.4. Empresas do grupo 1.5. RELATÓRIO E CONTAS 214 Índice 3 4 5 9 1 1 1// Enquadramento 1.1. Mensagem do Presidente 1.2. A Glintt 1.3. Principais Indicadores 1.4. Empresas do grupo 1.5. Órgãos Sociais 11 12 13 14 14 15 15 16 17 19

Leia mais

PARTE I INFORMAÇÃO OBRIGATÓRIA SOBRE ESTRUTURA ACIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE

PARTE I INFORMAÇÃO OBRIGATÓRIA SOBRE ESTRUTURA ACIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE Advertências: Salvo indicação em contrário ou quando do conteto resulte diferentemente, as informações são prestadas por referência ao último dia do eercício económico a que o relatório diz respeito, ou

Leia mais

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES)

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) I. VOTAÇÃO E CONTROLO DA SOCIEDADE I.1. As sociedades devem incentivar os seus acionistas a participar e a votar nas assembleias gerais, designadamente

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

2012 RELATÓRIO E CONTAS

2012 RELATÓRIO E CONTAS 2012 RELATÓRIO E CONTAS ÍNDICE Mensagem do Presidente Mensagem da Comissão Executiva 1// O Grupo Glintt 1.1 Missão, Visão e Estratégia 1.2 Responsabilidade social e corporativa 1.3 Empresas do grupo 1.4

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL ADITAMENTO

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL ADITAMENTO ADITAMENTO 27 de abril de 2015 GLINTT GLOBAL INTELLIGENT TECHNOLOGIES, S.A. Sociedade Aberta Sede Social: Beloura Office Park, Edifício 10, Quinta da Beloura, 2710-693 Sintra Capital Social: 86.962.868,00

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

SEMAPA - SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público

SEMAPA - SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público SEMAPA - SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público Sede Social: Av. Fontes Pereira de Melo, 14-10º, 1050-121 Lisboa N.º Pessoa Coletiva e

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA

COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA Exmo. Senhor Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Sonae Indústria, SGPS, S.A., Lugar do Espido, Via Norte 4470-177 Maia Ponto nº 6 PROPOSTA A Comissão

Leia mais

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma A nossa competência e experiência e a qualidade dos nossos serviços ao seu serviço A Grant Thornton assenta a sua estratégia no desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas As alterações normativas recentes, quer a nível interno, quer a nível

Leia mais

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E.

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. DIPLOMA / ATO : Decreto-Lei n.º 229/2012 NÚMERO : 208 SÉRIE I EMISSOR: Ministério dos Negócios Estrangeiros SUMÁRIO: Aprova

Leia mais

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 3/05/2012 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004)

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) Regulamento da CMVM n.º 2/2014 Papel comercial (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) As alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 52/2006, de 15 de março, e pelo Decreto-Lei n.º 29/2014, de

Leia mais

PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROJETO SIMPLIFICADO VALE

PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROJETO SIMPLIFICADO VALE PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROJETO SIMPLIFICADO VALE [As alterações agora introduzidas a este Processo de Acreditação aplicam-se aos pedidos de registo (ou de alteração)

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11. Sistema de Incentivos Qualificação de PME

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11. Sistema de Incentivos Qualificação de PME AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11 Sistema de Incentivos Qualificação de PME CONTRATAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ALTAMENTE QUALIFICADOS DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 12.00 HORAS

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 12.00 HORAS ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PONTO SEGUN DA ORDEM S TRABALHOS O Conselho de Administração da COFINA, SGPS, S.A. propõe à Assembleia Geral que os resultados

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I.

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. Âmbito e Objetivo A Comissão de Auditoria ( CAUD ) no exercício das

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que

Leia mais

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010 Apresentação de Resultados 2009 10 Março 2010 Principais acontecimentos de 2009 Conclusão da integração das empresas adquiridas no final de 2008, Tecnidata e Roff Abertura de Centros de Serviços dedicados

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO 21-4-2015 UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Índice A. Madeira 14-20 Instrumentos de Apoio ao tecido empresarial.

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 3/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Alternativo Especializado

Regulamento da CMVM n.º 3/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Alternativo Especializado Regulamento da CMVM n.º 3/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Alternativo Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) A revisão do regime legal do capital de risco,

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012

Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012 Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012 Assembleia Geral de Accionistas da Sonae Capital, SGPS, S.A., reuniu no dia 30 de Março de 2012, pelas 11:00, no Lugar do Espido, Via Norte, na Maia,

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Inovação Empresarial e Empreendedorismo Inovação Empresarial e Empreendedorismo Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na

Leia mais

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA VALORIZAR 2020 Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 Objetivos Promover a produção de novos ou significativamente melhorados processos

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 10.45 HORAS

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 10.45 HORAS ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATIVA AO PONTO SEGUNDO DA ORDEM DOS TRABALHOS O Conselho de Administração da ALTRI, SGPS, S.A. propõe à Assembleia Geral

Leia mais

Consolidação de Contas

Consolidação de Contas A Valorgest soluções de gestão Consolidação de Contas especialização Serviços / Produtos produtividade Quem somos Missão Valores Abordagem DADIT-M Objetivos da consolidação Consolidação de Grupos Municipais

Leia mais

SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL)

SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL) SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL) Condições de Acesso (Lei n.º 55-A/2010 de 31 de Dezembro) 0 SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E

Leia mais

INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE REGISTO DA ATIVIDADE DE GESTÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO EM ATIVOS NÃO FINANCEIROS

INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE REGISTO DA ATIVIDADE DE GESTÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO EM ATIVOS NÃO FINANCEIROS INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE REGISTO DA ATIVIDADE DE GESTÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO EM ATIVOS NÃO FINANCEIROS Legenda: CVM = Código dos Valores Mobiliários EG = entidade gestora de organismos de investimento

Leia mais

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber?

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber? Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização Retalho Entidade

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

MGI Internacional. Presença em mais de 80 países

MGI Internacional. Presença em mais de 80 países MGI Internacional Presença em mais de 80 países Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores associações internacionais de empresas independentes

Leia mais

PROPOSTA. Ponto 5 da ordem de trabalhos da assembleia geral de acionistas da Galp Energia, SGPS, S.A., Sociedade Aberta, de 7 de maio de 2012

PROPOSTA. Ponto 5 da ordem de trabalhos da assembleia geral de acionistas da Galp Energia, SGPS, S.A., Sociedade Aberta, de 7 de maio de 2012 PROPOSTA Ponto 5 da ordem de trabalhos da assembleia geral de acionistas da Galp Energia, SGPS, S.A., Sociedade Aberta, de 7 de maio de 2012 POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES 2012 Introdução A Comissão de Remunerações

Leia mais

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Guia das Funções Mais Procuradas Page Personnel 2015 Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Lisboa, 16 de Junho de 2015 - A Page Personnel, empresa de recrutamento de quadros intermédios

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

Proposta / Ponto 4. DOCUMENTOS PREPARATÓRIOS ASSEMBLEIA GERAL Porto 8 maio 2013. Exmo. Senhor. Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Proposta / Ponto 4. DOCUMENTOS PREPARATÓRIOS ASSEMBLEIA GERAL Porto 8 maio 2013. Exmo. Senhor. Presidente da Mesa da Assembleia Geral DOCUMENTOS PREPARATÓRIOS ASSEMBLEIA GERAL Porto 8 maio 2013 Proposta / Ponto 4 Exmo. Senhor Presidente da Mesa da Assembleia Geral Grupo Soares da Costa, SGPS,S.A. Exmo. Senhor Presidente, Relativamente

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de março de 2013. Série. Número 32

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de março de 2013. Série. Número 32 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 8 de março de 2013 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 19/2013 Aprova o Programa Juventude Ativa. 2 8 de

Leia mais

PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROJETO SIMPLIFICADO VALE

PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROJETO SIMPLIFICADO VALE PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROJETO SIMPLIFICADO VALE 07 DE MAIO DE 2015 Página 1 de 6 Índice Preâmbulo... 3 1. Objetivos... 3 2. Natureza das entidades... 3 3. Processo

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I VALE PROJETO SIMPLIFICADO

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Relatório e Contas. 1º Semestre. Relatório e Contas 1º Semestre 2013 Informação Privilegiada ///////////////////////////// 1

Relatório e Contas. 1º Semestre. Relatório e Contas 1º Semestre 2013 Informação Privilegiada ///////////////////////////// 1 Relatório e Contas 1º Semestre Relatório e Contas 1º Semestre 2013 Informação Privilegiada ///////////////////////////// 1 Índice Relatório de Gestão.3 Declaração dos Responsáveis sobre a conformidade

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2011

RESULTADOS ANUAIS 2011 RESULTADOS ANUAIS 2011 15 de Fevereiro de 2011 VAA - Vista Alegre Atlantis, SGPS, SA sociedade aberta com sede no Lugar da Vista Alegre em Ílhavo, com o número de contribuinte 500 978 654, matriculada

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas)

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas) CURSO DE GESTÃO DE VENDAS Inedem- Apotec Outono 2007 25 e 26 de Setembro 9h00 às 18h30 Dirigido a gestores da área financeira com necessidade de ferramentas informáticas de elevada eficácia na avaliação

Leia mais

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO PELA TEIXEIRA DUARTE, S.A. DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES DA TEIXEIRA DUARTE ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A.

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO PELA TEIXEIRA DUARTE, S.A. DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES DA TEIXEIRA DUARTE ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A. TEIXEIRA DUARTE, S.A. Sede: Lagoas Park, Edifício 2, Porto Salvo, Oeiras Capital social: 287.880.799,00 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Cascais sob o n.º único de matrícula e pessoa

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

1. Resultados do Exercício

1. Resultados do Exercício PARAREDE, SGPS, SA Sociedade Aberta Sede Social: Av. José Malhoa nº 21, 1070157 Lisboa Pessoa Colectiva nº 503.541.320 Capital Social de 125.087.500 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015 Apoios às empresas no Norte 2020 Eunice Silva Valença 30.06.2015 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME I&D Produção de

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição www.pwc.pt/academia Controlo de Gestão 2ª Edição Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013 Academia da PwC 2ª edição Este curso permite-lhe compreender melhor os princípios do controlo de gestão, com especial enfoque

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2012 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO NO 7.º PROGRAMA-QUADRO DE I&DT (UNIÃO EUROPEIA)

Leia mais

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES 2014 1 RELATÓRIO FINAL 1. Objectivos do Grupo de Trabalho 1.1. Caracterizar as Empresas Familiares, em termos da sua definição, especificidades

Leia mais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S C T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS GESTÃO COMERCIAL E DE MARKETING ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DE 17 DE ABRIL DE 2012

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DE 17 DE ABRIL DE 2012 PONTO UM DA ORDEM DE TRABALHOS: O Conselho de Administração propõe aos Senhores Accionistas: Apreciar, discutir e votar o Relatório de Gestão, o Balanço, as Demonstrações de Resultados, a Demonstração

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

REGULAMENTO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA AO PRÉMIO IDEIAS EM GRANDE

REGULAMENTO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA AO PRÉMIO IDEIAS EM GRANDE REGULAMENTO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA AO PRÉMIO IDEIAS EM GRANDE ARTIGO I - INTRODUÇÃO O projeto Sem Fronteiras: formar, agir e empreender ( Behind the threshold. Improving migrants integration through

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03 Os Business Angels são, geralmente, os primeiros investidores que o empreendedor conhece e, por isso, o seu papel é crucial nas primeiras etapas da empresa. Este é um negócio de alto risco, já que muitas

Leia mais

Sistema de Incentivos Internacionalização das PME

Sistema de Incentivos Internacionalização das PME Sistema de Incentivos Internacionalização das PME Objetivos e prioridades: Conceder apoios financeiros a projetos que reforcem a capacitação empresarial das PME para a internacionalização, com vista a

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA

Leia mais

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Programa Avançado de Gestão para o Setor do Pós Venda Automóvel

Programa Avançado de Gestão para o Setor do Pós Venda Automóvel Programa Avançado de Gestão para o Setor do Pós Venda Automóvel ACAP de Portas Abertas para a Universidade RAZÃO DE SER Antes da Agenda O que sabe hoje chega para garantir a SUSTENTABILIDADE e o SUCESSO

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Objetivos Promover o empreendedorismo qualificado e criativo Tipologias de Projetos 1. São suscetíveis de financiamento os projetos das PME, com menos de

Leia mais