MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Ações da Secretaria Nacional de

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Ações da Secretaria Nacional de"

Transcrição

1 Ações da Secretaria Nacional de Assistência Social - MDS

2 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 Art. 194 A Seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade, destinada a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social MARCO LEGAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 Art. 203 A assistência social será prestada a quem dela necessitar, independentemente de contribuição à seguridade social, e tem por objetivos: I. A proteção à família, à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice; II. O amparo às crianças e adolescentes carentes; III. A promoção da integração ao mercado de trabalho; IV. A habilitação e reabilitação das pessoas portadoras de deficiência e a promoção de sua integração à vida comunitária; V. A garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, conforme dispuser a lei.

3 LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL LOAS - LEI Nº DE 07/12/93 MARCO LEGAL A assistência social, direito do cidadão e dever do Estado, é Política de Seguridade Social não contributiva, que provê os mínimos sociais, realizada através de um conjunto integrado de ações de iniciativa pública e da sociedade, para garantir o atendimento às necessidades básicas. ART.1º reconhece o direito à população a um conjunto de benefícios, serviços, programas e projetosque representam muito no contexto do enfrentamento do quadro de barbárie social, e seus insuportáveis índices de miséria e de exclusão.

4 MARCO LEGAL POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL A Política Nacional de Assistência Social PNAS foi aprovada em 22 de setembro de 2004, pelo Conselho Nacional de Assistência Social e busca incorporar as demandas presentes na sociedade brasileira no que tange à responsabilidade política da efetivação da assistência social como direito de cidadania e dever do Estado. atendidas A Política Pública de Assistência Social realiza-se de forma integrada às políticas setoriais, considerando as desigualdades socioterritoriais, visando seu enfrentamento, à garantia dos mínimos sociais, ao provimento de condições para atender contingências sociais e à universalização dos direitos sociais. Sob essa perspectiva, objetiva: I. Prover serviços, programas, projetos e benefícios de proteção social básica e, ou, especial para famílias, indivíduos e grupos que deles necessitarem; II. Contribuir com a inclusão e a eqüidade dos usuários e grupos específicos, ampliando o acesso aos bens e serviços socioassistenciais básicos e especiais, em áreas urbana e rural; III. Assegurar que as ações no âmbito da assistência social tenham centralidade na família, e que garantam a convivência familiar e comunitária;

5 ORGANOGRAMA MDS Parlamentar Jurídico Comunicação Político Orçamentário Planejamento Estratégico Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Gabinete da Secretaria Executiva Assessoria Secretaria Nacional de Assistência Social Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Assessores Especiais Assessor Especial de Controle Interno Assessoria de Planejamento Estratégico Assessoria Assessoria Internacional Secretaria Executiva Secretaria Executiva Adjunta Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração Adjunto CGPA CGRH CGLA CGORF CGI CGFNAS Secretaria de Segurança Alimentar e Nutricional Gabinete do Ministro Assessoria de Comunicação Assessoria Parlamentar Consultoria Jurídica Órgãos Colegiados Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Secretaria de Articulação Institucional Dep. de Operação Dep. de Gestão do SUAS Dep. de Gestão Integrada Dep. de Avaliação e Monitoramento Dep. de Articulação Governamental Dep. de Gestão dos Prog. de Transferência de Renda Dep. de Benefícios Assistenciais Dep. de Promoção de Sist. Descentralizados Dep de Gestão da Informa ção e Rec. Tecnológicos Dep. de Articulação e Mobilização Social Dep. do Cadastro Único Dep. de Serviços e Prog de Atenção Básica Departamento de Apoio à Projetos Especiais Dep de Formação de agentes públicos e sociais Dep. de Serviços e Prog de Atenção Especial

6 Secretaria Nacional de Assistência Social ORGANOGRAMA SNAS Dep. De Gestão do Sistema Único da Assistência Social CG de Regulação Público Privado CG de de Regulação da da Gestão Gestão Intergovernamental CG de Apoio às Instâncias do SUAS Assessorias Dep. De de Benefícios Assistenciais CG de Regulação e Ações Inter Setoriais CG da Gestão dos Benefícios Dep. De de Proteção Social Básica CG de Regulação das Ações de Proteção Social Básica CG de Acompanhamento das Ações Dep. De de Proteção Social Especial CG de Regulação das Ações de Proteção Social Especial CG de Acompanhamento das Ações

7 ESTRUTURA DA POLÍTICA Órgãos Gestores Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretarias Estaduais Secretarias Municipais Instâncias de Negociação e Pactuação Comissão Intergestora Tripartide Comissão Intergestora Bipartide Instâncias de Deliberação e Controle Social Conselho Nacional Conselhos Estaduais Conselhos Municipais Rede de Entidades e Organizações de Assistência Social Instâncias de Financiamento Fundo Nacional Fundos Estaduais Fundos Municipais Destinatários / Usuários

8 SUAS Sistema Único da Assistência Social. O SUAS,, constitui-se se na regulaçã ção o e organizaçã ção, em todo o território rio nacional, das açõa ções socioassistenciais;. Os serviços, programas, projetos e benefícios terão o como foco prioritário a atençã ção às famílias, seus membros e indivíduos duos e o território rio como base de organizaçã ção;. Pressupõe, e, ainda, gestão o compartilhada, co-financiamento da política pelas três s esferas de governo e definiçã ção o clara das competências técnicot cnico-políticas da União, Estados e Municípios;. O SUAS define e organiza os elementos essenciais e imprescindíveis à execuçã ção o da política de assistência social com a normatizaçã ção dos padrões nos serviços, qualidade no atendimento, indicadores de avaliaçã ção o e resultado, nomenclatura dos serviços e da rede socioassistencial. EIXOS ESTRUTURANTES: Matricialidade sóciofamiliar; ; Descentralização políticoadministrativa e Territorialização; ; Novas bases para relação entre Estado e Sociedade Civil; Financiamento; Controle Social; A Política de Recursos R Humanos; A Informação, o Monitoramento e a Avaliação

9 O desenho do SUAS foi possível pela existência de vários agentes processos e lutas: desde 1988 até as lutas pela construção da LOAS; fóruns de debates nos estados, municípios e entidades na resiginificação da Assistência Social; estudos e pesquisas nas universidades, trabalhos, dissertações e teses; fóruns municipais, estaduais e nacional articulando a sociedade civil; a construção do sistema descentralizado e participativo com Secretarias de A.S nos quase municípios brasileiros e Conselhos Municipais de A.S (ainda que em estágios diferentes); as experiências das Secretarias Municipais e algumas estaduais no esforço de operacionalização dos novos conceitos; atores anônimos e militantes na área; conferências nacionais, estaduais e municipais.

10 O QUE É O SUAS? Deliberação da IV Conferência Nacional Sistema articulador e provedor de ações de Proteção Social Básica Proteção Social Especial Proteção Social Especial junto a municípios e estados

11 Proteçã ção o Social Básica: B Objetivo: prevenir situações de risco por meio do desenvolvimento de potencialidades e aquisições, e o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. População alvo: famílias e indivíduos que vivem em situação de vulnerabilidade social decorrente da pobreza, privação (ausência de renda, precário ou nulo acesso aos serviços públicos, dentre outros) e, ou, fragilização de vínculos afetivos - relacionais e de pertencimento social (discriminações etárias, étnicas, de gênero ou por deficiências, dentre outras). Ações: Os serviços de proteção social básica serão executados de forma direta nos Centros de Referência da Assistência Social - CRAS e em outras unidades básicas e públicas de assistência social, bem como de forma indireta nas entidades e organizações de assistência social da área de abrangência dos CRAS.

12 Proteçã ção o Social Especial Objetivo: Destina-se a proteger situações de risco às famílias e indivíduos cujos direitos tenham sido violados e, ou, que já tenha ocorrido rompimento dos laços familiares e comunitários. A ética da atenção da proteção especial pressupõe o respeito à cidadania, o reconhecimento do grupo familiar como referência afetiva e moral e a reestruturação das redes de reciprocidade social. de média m complexidade: Destina-se às famílias e indivíduos com seus direitos violados, mas cujos vínculos familiar e comunitário não foram rompidos. de alta complexidade: de alta complexidade: Destina-se às famílias e indivíduos que se encontram sem referência e, ou, em situação de ameaça, necessitando ser retirados de seu núcleo familiar e, ou, comunitário.

13 ALTA COMPLEXIDADE MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME abrigos albergues CENTRAIS DE ACOLHIMENTO Inst. Longa permanência Casas de Passagem MÉDIA COMPLEXIDADE Cuidado no domicílio Liberdade assistida Orientação e apoio Sócio-familiar CENTROS ESPECIALIZADOS DE REFERÊNCIA DA FAMÍLIA Plantão Social BÁSICO Ações de socialização Território 1 Unidades de Geração C.R.A.S de $ Atende a Família;Articula a rede; Desenvolve ações comunitárias Ações de Transf. renda C.R.A.S Território 2 Território 3 C.R.A.S

14 O SUAS é o Sistema Único de Assistência Social SUAS - é a regulação, em todo o território nacional,. da hierarquia,. dos vínculos e. das responsabilidades do sistema cidadão de serviços, benefícios e ações de assistência social, de caráter permanente ou eventual, executados e providos por pessoas jurídicas de direito público sob critério universal e lógica de ação em rede hierarquizada e em articulação com iniciativas da sociedade civil

15 O SUAS prevê A garantia da unidade da política visando alterar a história de fragmentação. programática. entre as esferas do governo. das ações por categorias e segmentos sociais A implantação do SUAS compromete-se com a cobertura dos serviços de Assistência Social na perspectiva da universalidade e qualidade dos resultados

16 O SUAS garante e afiança as seguranças sociais próprias da política:. acolhida. convívio. autonomia. rendimento. garantias de direitos, de medidas, de equidade e de proteção social

17 Programas, Projetos e Benefícios atualmente coordenados pelo MDS na política de Assistência Social ERRADICAÇÃ ÇÃO O DO TRABALHO INFANTIL ATENÇÃ ÇÃO O INTEGRAL À FAMÍLIAS [PAIF] COMBATE AO ABUSO E EXPLORAÇÃ ÇÃO O SEXUAL POLÍTICAS DE JUVENTUDE : AGENTE JOVEM E CENTROS DA JUVENTUDE BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃ ÇÃO O CONTINUADA [BPC] PROTEÇÃ ÇÃO O E ATENÇÃ ÇÃO À CRIANÇA\REDE ABRIGO PROTEÇÃ ÇÃO À PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA APOIO E PROTEÇÃO AO IDOSO

18 Ações atualmente realizadas pelo MDS na política de Assistência Social ERRADICAÇÃ ÇÃO O DO TRABALHO INFANTIL destinado à Crianças e adolescentes de 7 a 16 em situação de trabalho com concessão de Bolsa, financiamento da jornada ampliada e geração de renda para as famílias; [PETI] É um programa de transferência direta de renda do governo federal para famílias de crianças e adolescentes envolvidos no trabalho precoce. ATENÇÃ ÇÃO O INTEGRAL À FAMÍLIAS [PAIF]: Atendimento socioassistencial às famílias em situação de vulnerabilidade social através dos Centros de Referência da Assistência Social. Inclui o atendimento às comunidades quilombolas e indígenas. COMBATE AO ABUSO E EXPLORAÇÃ ÇÃO O SEXUAL : conjunto de açõa ções sociais especializadas e multiprofissionais dirigidas a crianças, as, adolescentes e famílias envolvidas com a violência sexual. [SENTINELA]: programa foi criado para atender à determinaçã ção o da Constituiçã ção o Federal, do Estatuto da Criança a e do Adolescente, da Lei Orgânica de Assistência Social e faz parte do Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Contra Crianças as e Adolescentes.

19 POLÍTICAS DE JUVENTUDE : Ação de assistência social destinada a jovens entre 15 e 17 anos, visando o desenvolvimento pessoal, social e comunitário. Proporciona capacitação teórica e prática, por meio de atividades que não configuram trabalho, mas que possibilitam a permanência do jovem no sistema de ensino, preparando-o para futuras inserções no mercado. [AGENTE JOVEM] Atendimento por meio de cursos de capacitação, sobre cidadania, saúde e meio ambiente e ações práticas para protagonismo na comunidade, com concessão de bolsa mensal de R$ 65,00 para Jovens de 15 a 17 anos BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃ ÇÃO O CONTINUADA [BPC] O BPC é um benefício assistencial, não contributivo, previsto na Constituição Federal e regulamentado pela Lei Orgânica de Assistência Social. É destinado à pessoas idosas e com deficiência impossibilitados de prover sua manutenção ou de tê-la provida por sua família.: Concessão de Benefício mensal no valor de 1 (um) salário mínimo. PROTEÇÃ ÇÃO O E ATENÇÃ ÇÃO À CRIANÇA: Apoio técnico e financeiro a programas e projetos executados por estados, municípios, Distrito Federal e entidades sociais, destinados ao atendimento de crianças de 00 a 06 anos vulnerabilizadas pela pobreza e suas famílias. Visa Assegurar o desenvolvimento integral da criança, valorizando a convivência social e familiar.

20 PROTEÇÃ ÇÃO À PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA: Apoio técnico e financeiro a estados, municípios, Distrito Federal e instituições para o desenvolvimento de ações de proteção social e inclusão das pessoas com deficiência e de suas famílias. Visa assegurar os direitos sociais da pessoa com deficiência, criando condições para promover sua autonomia, inclusão social e participação efetiva na sociedade, por meio de ações de prevenção de deficiências, habilitação e reabilitação, equiparação de oportunidades e proteção social. APOIO E PROTEÇÃO AO IDOSO: Apoio técnico e financeiro a serviços de proteção social básica e especial, a programas e projetos executados por estados, municípios, Distrito Federal e entidades sociais, destinados ao atendimento da pessoa idosa vulnerabilizada pela pobreza. Visa assegurar os direitos sociais do idoso, criando condições para promover sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade, conforme preconizam a Lei Orgânica da Assistência Social LOAS e a Política Nacional do Idoso PNI. REDE ABRIGO : Apoio técnico e financeiro a serviços de abrigo para crianças e adolescentes em situação de abandono.

21 Açã ção o x Abrangência ncia x Cobertura MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Programa de Atenção à Criança Crianças em Municípios ACRE Cri. 15 Mun. AMAZONAS Cri. 49 Mun. RONDONIA Cri. 45 Mun. RORAIMA Cri. 15 Mun. Municípios com o Programa Instalado Mais de 75% 50% a 75% 25% a 50% Menos de 25% PARA Cri. 142 Mun. MATO GROSSO Cri. 137 Mun. PARANA Cri. 383 Mun. RIO GRANDE DO SUL Cri. 381 Mun. AMAPA 999 Cri. 14 Mun. TOCANTINS Cri. 75 Mun. GOIAS Cri. 145 Mun. DF Cri. MATO GROSSO DO SUL Cri. SAO PAULO 77 Mun Cri. 558 Mun. MARANHAO Cri. 180 Mun. PIAUI Cri. 222 Mun. BAHIA Cri. 249 Mun. CEARA Cri. 179 Mun. RIO GRANDE DO NORTE Cri. 167 Mun PARAIBA Cri. 161 Mun. PERNAMBUCO Cri. 178 Mun. ALAGOAS Cri. 77 Mun. SERGIPE Cri. 73 Mun. MINAS GERAIS Cri. 516 Mun. ESPIRITO SANTO Cri. 78 Mun. RIO DE JANEIRO Cri. 76 Mun. SANTA CATARINA Cri. 293 Mun.

22 Açã ção o x Abrangência ncia x Cobertura MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Proteção à Pessoa Portadora de Deficiência pessoas em Municípios ACRE 308 PPDs 4 Mun. AMAZONAS 339 PPDs 6 Mun. RORAIMA 754 PPDs 15 Mun. RONDONIA PPDs 9 Mun. Municípios com o Programa Instalado Mais de 75% 50% a 75% 25% a 50% Menos de 25% Programa não instalado MATO GROSSO PPDs 25 Mun. AMAPA 476 PPDs 2 Mun. PARA PPDs 9 Mun. PARANA PPDs 174 Mun. RIO GRANDE DO SUL PPDs 211 Mun. TOCANTINS 502 PPDs 8 Mun. GOIAS 930 PPDs 15 Mun. DF 854 PPDs MATO GROSSO DO SUL PPDs SAO PAULO 43 Mun PPDs 296 Mun. MARANHAO 899 Pes. 6 Mun. PIAUI 418 PPDs 14 Mun. BAHIA PPDs 40 Mun. CEARA PPDs 7 Mun. MINAS GERAIS PPDs 142 Mun. ESPIRITO SANTO PPDs 55 Mun. RIO DE JANEIRO PPDs 64 Mun. SANTA CATARINA PPDs 171 Mun. RIO GRANDE DO NORTE PPDs 15 Mun. PARAIBA PPDs 5 Mun. PERNAMBUCO PPDs 12 Mun. ALAGOAS 260 PPDs 6 Mun. SERGIPE 553 PPDs 4 Mun.

23 Açã ção o x Abrangência ncia x Cobertura MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Atenção a Pessoa Idosa idosos em municípios ACRE 174 Ido. 2 Mun. AMAZONAS 873 Ido. 6 Mun. RONDONIA Ido. 21 Mun. RORAIMA 509 Ido. 15 Mun. Municípios com o Programa Instalado Mais de 75% 50% a 75% 25% a 50% Menos de 25% Programa não instalado MATO GROSSO Ido. 74 Mun. AMAPA 417 Ido. 9 Mun. PARA Ido. 10 Mun. GOIAS Ido. 41 Mun. PARANA Ido. 160 Mun. RIO GRANDE DO SUL Ido. 206 Mun. TOCANTINS Ido. 25 Mun. DF 720 Ido. MATO GROSSO DO SUL Ido. SAO PAULO 77 Mun Ido. 328 Mun. MARANHAO Ido. 46 Mun. PIAUI Ido. 24 Mun. CEARA Ido. 27 Mun. BAHIA Ido. 38 Mun. MINAS GERAIS Ido. 112 Mun. ESPIRITO SANTO Ido. 44 Mun. RIO DE JANEIRO Ido. 19 Mun. SANTA CATARINA Ido. 293 Mun. RIO GRANDE DO NORTE Ido. 71 Mun. PARAIBA Ido. 23 Mun. PERNAMBUCO Ido. 58 Mun. ALAGOAS Ido. 12 Mun. SERGIPE Ido. 21 Mun.

24 Açã ção o x Abrangência ncia x Cobertura MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME AJ Agente Jovem de Desenvolvimento Social Jovens Municípios ACRE 300 Jov. 5 Mun. AMAZONAS 650 Jov. 13 Mun. RONDONIA 250 Jov. 8 Mun. RORAIMA 700 Jov. 6 Mun. Municípios com o Programa Instalado Mais de 75% 50% a 75% 25% a 50% Menos de 25% PARA 775 Jov. 24 Mun. MATO GROSSO Jov. 21 Mun. PARANA Jov. 43 Mun. RIO GRANDE DO SUL Jov. 23 Mun. AMAPA 225 Jov. 8 Mun. TOCANTINS 835 Jov. 34 Mun. GOIAS Jov. 26 Mun. DF 425 Jov. MATO GROSSO DO SUL Jov. SAO PAULO 33 Mun Jov. 225 Mun. MARANHAO 725 Jov. 21 Mun. PIAUI Jov. 44 Mun. BAHIA Jov. 19 Mun. CEARA Jov. 46 Mun. RIO GRANDE DO NORTE Jov. 73 Mun PARAIBA Jov. 58 Mun. PERNAMBUCO Jov. 52Mun. ALAGOAS 600 Jov. 16 Mun. SERGIPE 350 Jov. 10 Mun. MINAS GERAIS Jov. 204 Mun. ESPIRITO SANTO Jov. 8 Mun. RIO DE JANEIRO Jov. 45 Mun. SANTA CATARINA 500 Jov. 11 Mun. Fonte: FNAS/SIAFAS Web Desenvolvimento: Assessoria de Informação/SNAS

25 Açã ção o x Abrangência ncia x Cobertura MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Paif - Programa de Atenção Integral à Família Famílias em 646 Municípios ACRE 3.200Fam. 7 Mun. AMAZONAS Fam. 28 Mun. RONDONIA Fam. 10 Mun. RORAIMA Fam. 5 Mun. Municípios com o Programa Instalado Mais de 75% 50% a 75% 25% a 50% Menos de 25% Programa não instalado MATO GROSSO Fam. 22 Mun. AMAPA Fam. 4 Mun. PARA Fam. 9 Mun. PARANA Fam. 35 Mun. RIO GRANDE DO SUL Fam. 23 Mun. TOCANTINS Fam. 1 Mun. DF Fam. GOIAS Fam. 28 Mun. MATO GROSSO DO SUL Fam. SAO PAULO 35 Mun Fam. 46 Mun. MARANHAO Fam. 31 Mun. PIAUI Fam. 29 Mun. BAHIA Fam. 48 Mun. CEARA Fam. 35 Mun. MINAS GERAIS Fam. 91 Mun. ESPIRITO SANTO Fam. 8 Mun. RIO DE JANEIRO Fam. 9 Mun. SANTA CATARINA Fam. 10 Mun. RIO GRANDE DO NORTE Fam. 37 Mun. PARAIBA Fam. 53 Mun. PERNAMBUCO Fam. 24 Mun. ALAGOAS Fam..7 Mun. SERGIPE Fam. 20 Mun. Fonte: FNAS/SIAFAS Web Desenvolvimento: Assessoria de Informação/SNAS

26 Abrigo Pessoas 297 Municípios RORAIMA AMAPA 31 Pes. 1 Mun. ACRE 50 Pes. 1 Mun. AMAZONAS 285 Pes. 1 Mun. RONDONIA 485 Pes. 12 Mun. Municípios com o Programa Instalado Mais de 75% 50% a 75% 25% a 50% Menos de 25% Programa não instalado MATO GROSSO 894 Pes. 8 Mun. PARA 32 Pes. 1 Mun. PARANA Pes. 18 Mun. RIO GRANDE DO SUL Pes. 1 Mun. TOCANTINS GOIAS 380 Pes. 4 Mun. DF MATO GROSSO DO SUL 482 Pes. SAO PAULO 18 Mun Pes. 121 Mun. MARANHAO CEARA 873 Pes. 102 Pes. 6 Mun. PIAUI1 Mun. 15 Pes. 1 Mun. BAHIA Pes. 15 Mun. MINAS GERAIS Pes. 18 Mun. ESPIRITO SANTO 36 Pes. 2 Mun. RIO DE JANEIRO Pes. 12 Mun. SANTA CATARINA 706 Pes. 19 Mun. RIO GRANDE DO NORTE 314 Pes. 2 Mun. PARAIBA Pes. 5 Mun PERNAMBUCO Pes. 6 Mun ALAGOAS Pes. 4 Mun. SERGIPE Pes. 3 Mun. Fonte: FNAS/SIAFAS Web Desenvolvimento: Assessoria de Informação/SNAS

27 PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Crianças Municípios RORAIMA Cri. 14 Mun. AMAPA Cri. 16 Mun. ACRE Cri. 22 Mun. AMAZONAS Cri. 55 Mun. RONDONIA Cri. 47 Mun. Municípios com o Programa Instalado Mais de 75% 50% a 75% 25% a 50% Menos de 25% Programa não instalado MATO GROSSO Cri. 40 Mun. PARA Cri. 142 Mun. PARANA Cri. 156 Mun. RIO GRANDE DO SUL Cri. 51 Mun. TOCANTINS Cri. 99 Mun. DF Cri. GOIAS Cri. 209 Mun. MATO GROSSO DO SUL Cri. SAO PAULO 77 Mun Cri. 187 Mun. MARANHAO Cri. 132 Mun. PIAUI Cri. 222 Mun. BAHIA Cri. 99 Mun. CEARA Cri. 92 Mun. MINAS GERAIS Cri. 183 Mun. ESPIRITO SANTO Cri. 76 Mun. RIO DE JANEIRO Cri. 47 Mun. SANTA CATARINA Cri. 180 Mun. RIO GRANDE DO NORTE Cri. 140 Mun. PARAIBA Cri. 149 Mun. PERNAMBUCO Cri. 175 Mun. ALAGOAS Cri.102 Mun. SERGIPE Cri. 75 Mun. Fonte: FNAS/SIAFAS Web Desenvolvimento: Assessoria de Informação/SNAS

28 Sentinela Combate ao Abuso e Exploração Sexual Beneficiados 305 Municípios RORAIMA 150 Ben. 3 Mun. AMAPA 250 Ben. 5 Mun. CEARA 610 Ben. 10 Mun. ACRE 180 Ben. 3 Mun. AMAZONAS 480 Ben. 9 Mun. RONDONIA 450 Ben. 9 Mun. Municípios com o Programa Instalado Mais de 75% 50% a 75% 25% a 50% Menos de 25% Programa não instalado MATO GROSSO 430 Ben. 8 Mun. PARA 650 Ben. 13 Mun. PARANA Ben. 29 Mun. RIO GRANDE DO SUL 280 Ben. 5 Mun. TOCANTINS 150 Ben. 2 Mun. GOIAS 790 Ben. 13 Mun. DF MATO GROSSO DO SUL Ben. SAO PAULO 20 Mun Ben. 26 Mun. MARANHAO 150 Ben. 2 Mun. PIAUI 330 Ben. 6 Mun. BAHIA 570 Ben. 9 Mun. MINAS GERAIS 510 Ben. 9 Mun. ESPIRITO SANTO 850 Ben. 17 Mun. RIO DE JANEIRO Ben. 16 Mun. SANTA CATARINA Ben. 32 Mun. RIO GRANDE DO NORTE 630 Ben. 12 Mun. PARAIBA 510 Ben. 9 Mun. PERNAMBUCO Ben. 24 Mun. ALAGOAS 680 Ben. 13 Mun. SERGIPE 50 Ben. 1 Mun. Fonte: FNAS/SIAFAS Web Desenvolvimento: Assessoria de Informação/SNAS

29 BPC Benefício de Prestação Continuada (PPD ) PPDs Municípios RORAIMA PPD 14 Mun. AMAPA PPD 15 Mun. ACRE PPD. 22 Mun. AMAZONAS PPD 62 Mun. RONDONIA PPD 49 Mun. Municípios com o Programa Instalado Mais de 75% 50% a 75% 25% a 50% Menos de 25% PARA PPD 140 Mun. MATO GROSSO PPD 131 Mun. PARANA PPD 394 Mun. RIO GRANDE DO SUL PPD 452 Mun. TOCANTINS PPD 134 Mun. DF PPD GOIAS PPD 239 Mun. MATO GROSSO DO SUL PPD SAO PAULO 77 Mun PPD 639 Mun. MARANHAO PPD 206 Mun. PIAUI PPD 210 Mun. BAHIA PPD 412 Mun. CEARA PPD 183 Mun. RIO GRANDE DO NORTE PPD 165 Mun PARAIBA PPD 215 Mun. PERNAMBUCO PPD 182 Mun. ALAGOAS PPD 102 Mun. SERGIPE PPD 75 Mun. MINAS GERAIS PPD 823 Mun. ESPIRITO SANTO PPD 78 Mun. RIO DE JANEIRO PPD 92 Mun. SANTA CATARINA PPD 282 Mun. Fonte: FNAS/SIAFAS Web Desenvolvimento: Assessoria de Informação/SNAS

30 BPC Benefício de Prestação Continuada (Idoso) Idosos Municípios RORAIMA Ido. 14 Mun. AMAPA Ido. 15 Mun. ACRE Ido. 21 Mun. AMAZONAS Ido. 61 Mun. RONDONIA Ido. 48 Mun. Municípios com o Programa Instalado Mais de 75% 50% a 75% 25% a 50% Menos de 25% PARA Ido. 139 Mun. MATO GROSSO Ido. 131 Mun. PARANA Ido. 390 Mun. RIO GRANDE DO SUL Ido. 418 Mun. TOCANTINS Ido. 137 Mun. DF Ido. GOIAS Ido. 240 Mun. MATO GROSSO DO SUL Ido. SAO PAULO 77 Mun Ido. 637 Mun. MARANHAO Ido. 205 Mun. PIAUI Ido. 168 Mun. BAHIA Ido. 411 Mun. CEARA Ido. 181 Mun. RIO GRANDE DO NORTE Ido. 151 Mun PARAIBA Ido. 212 Mun. PERNAMBUCO Ido. 179 Mun. ALAGOAS Ido. 102 Mun. SERGIPE Ido. 75 Mun. MINAS GERAIS Ido. 818 Mun. ESPIRITO SANTO Ido. 78 Mun. RIO DE JANEIRO Ido. 92 Mun. SANTA CATARINA Ido. 259 Mun. Fonte: FNAS/SIAFAS Web Desenvolvimento: Assessoria de Informação/SNAS

31 ASSISTÊNCIA SOCIAL: compromissos reafirmados proteger a família e fortalecer os vínculos familiares; desenvolver programas de enfrentamento à pobreza; fortalecer a auto organização e geração de renda comunitária; desenvolver medidas de proteção especial aos segmentos vulnerabilizados; desenvolver programas de convivência, jornadas culturais, lúdicas, a convivência intergeracional; responsabilizar-se por elenco de provisões de forma a suprir, individualmente, carecimentos oriundos de graves contingências sociais; Realizar ações que contemplem a dimensão cognitiva ou desalienadora presente na assistência social como direito.

32 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETÁRIO: Dr.Osvaldo Russo de Azevedo mds.gov.br

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

9, R$ , , R$ ,

9, R$ , , R$ , Rondônia 2005 R$ 601.575,17 2005 10.154 2004 1.027.983 2004 108.139 2004 10,52 2006 R$ 609.834,21 2006 10.757 2005 1.025.249 2005 101.539 2005 9,90 2007 R$ 1.229.490,00 2007 9.100 2006 1.047.004 2006 111.068

Leia mais

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL ORÇAMENTOS DA UNIÃO EXERCÍCIO FINANCEIRO 2015 PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Leia mais

Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais. CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011

Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais. CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011 Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011 Pilares: Constituição Federal Lei Orgânica de Assistência Social - LOAS Política Nacional

Leia mais

Helena A Wada Watanabe 2012

Helena A Wada Watanabe 2012 Helena A Wada Watanabe 2012 Política * É uma atividade mediante a qual as pessoas fazem, preservam e corrigem as regras gerais sob as quais vivem. * É inseparável tanto do conflito como da cooperação (valores

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas - ano 2015 Pernambuco 5,20% Ceará 5,44% Maranhão 5,14% Pará 4,89% Paraná 4,43% Rio Grande do Sul 4,37% Santa Catarina 2,54% Rio Grande do Norte 2,48% Espírito Santo 2,14% Amazonas 2,06% Sergipe 1,87% Alagoas

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM CARVALHO PONTA GROSSA- PARANÁ

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM CARVALHO PONTA GROSSA- PARANÁ CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM CARVALHO PONTA GROSSA- PARANÁ PACHECO, Flávia Sacchelli (estágio I), e-mail: flavia_sacchelli@yahoo.com.br PUCHTA, Tiago Messias Torres (estágio

Leia mais

SUAS, SUS E TERRITÓRIO: INTERFACES DO CUIDADO

SUAS, SUS E TERRITÓRIO: INTERFACES DO CUIDADO 1º MÓDULO SUAS, SUS E TERRITÓRIO: INTERFACES DO CUIDADO Profª Dione Menz 2016 HISTÓRICO - SUAS Sistema Único da Assistência Social é fruto de quase duas décadas de debates e coloca em prática os preceitos

Leia mais

REDE SOCIOASSISTENCIAL

REDE SOCIOASSISTENCIAL REDE SOCIOASSISTENCIAL O que é Vulnerabilidade Social? Pode ser entendida como a condição de risco em que uma pessoa se encontra. Um conjunto de situações mais, ou menos problemáticas, que situam a pessoa

Leia mais

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Bolsa Família na ótica dos direitos humanos. Clóvis Roberto Zimmermann

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Bolsa Família na ótica dos direitos humanos. Clóvis Roberto Zimmermann Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Bolsa Família na ótica dos direitos humanos Clóvis Roberto Zimmermann Políticas Sociais e os direitos Euzéby (2004) assim como Kaufmann (2003), Abramovich (2005)

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 10/2012

ESTUDO TÉCNICO N.º 10/2012 ESTUDO TÉCNICO N.º 10/2012 Análise da sub-declaração do recebimento de Benefícios pelo Programa Bolsa Família (PBF) e/ou Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) no Censo Demográfico 2010 MINISTÉRIO

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Page 2 Fique por dentro: Brasil sem miséria BRASIL SEM MISÉRIA: O QUE SERÁ FEITO Aumentar de três para cinco o número máximo de benefícios variáveis pagos pelo Bolsa

Leia mais

Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica

Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica PROTEÇÃO SOCI AL BÁSI CA - PSB Centro de Referência da Assistência Social CRAS Organização da Rede Socioassistencial

Leia mais

LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA

LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA Direitos Sociais 1988: Promulgação da Constituição Federal; A Assistência Social passou a integrar o Sistema de Seguridade Social,

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGO CENTRO DE REFERÊNCIA ASSISTÊNCIA SOCIAL VILA ROSA - PALMEIRA - PR

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGO CENTRO DE REFERÊNCIA ASSISTÊNCIA SOCIAL VILA ROSA - PALMEIRA - PR VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL GARCIA, Andressa de Oliveira 1. TRENTINI, Fabiana Vosgerau 2. CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGO CENTRO DE REFERÊNCIA ASSISTÊNCIA SOCIAL VILA ROSA - PALMEIRA -

Leia mais

Curso SUAS Sistema Único de Assistência Social nos CRAS e CREAS

Curso SUAS Sistema Único de Assistência Social nos CRAS e CREAS Associação Brasileira de Formação e Desenvolvimento Social - ABRAFORDES www.cursosabrafordes.com.br DICA: Tecle Ctrl+s para salvar este PDF no seu computador. Curso SUAS Sistema Único de Assistência Social

Leia mais

O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS

O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Redesenho/Reestruturação Orgânica da Política de Assistência Social estão Estabelecidos em 4 Instrumentos Básicos: Política Nacional de

Leia mais

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Fonte: IBGE/Pnad. Elaboração própria. Nota: a PNAD até o ano de 2003 não abrangia a área rural da região Norte (exceto o Tocantins). Nos anos de 1994, 2000

Leia mais

Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome MDS Secretaria Nacional de Assistência Social SNAS HISTÓRICO DO PETI PETI Contexto histórico

Leia mais

A Política de Assistência Social Um novo desenho.

A Política de Assistência Social Um novo desenho. A Política de Assistência Social Um novo desenho. Profª. Eline Alcoforado Maranhão Sá Profª. Maria Aparecida Guimarães Skorupski Profª Regina Coeli Climaco Matos A Assistência Social como política de proteção

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.157/2016

RESOLUÇÃO CFM nº 2.157/2016 RESOLUÇÃO CFM nº 2.157/2016 (Publicada no D.O.U. de 20 de dezembro 2016, Seção I, p. 75) Aprova previsão orçamentária do Conselho Federal de Medicina e dos Conselhos Regionais de Medicina para o exercício

Leia mais

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6.

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6. Produção Brasileira de Abacaxi por Estado 2007 Pará 15.462 701.948 125.596 Paraíba 11.600 625.527 150.054 Minas Gerais 7.593 596.668 127.597 Bahia 6.430 282.634 63.185 São Paulo 3.620 271.380 76.161 Rio

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.134/15

RESOLUÇÃO CFM nº 2.134/15 RESOLUÇÃO CFM nº 2.134/15 (Publicada no D.O.U. de 15 de dezembro de 2015, Seção I, p. 248) Aprova previsão orçamentária do Conselho Federal de Medicina e dos Conselhos Regionais de Medicina para o exercício

Leia mais

Políticas de apoio a APLs no Brasil e a estratégia do BNDES

Políticas de apoio a APLs no Brasil e a estratégia do BNDES Taller Evaluacion de impacto en programas de competitividad 4 o Congresso Lastinoamericano de Clusters Mendoza, 20 de novembro de 2009 Políticas de apoio a APLs no Brasil e a estratégia do BNDES Cristina

Leia mais

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio última atualização da pesquisa: 2011 1 2 CARACTERÍSTICAS DOS DOMICÍLIOS 3 ACESSO A SERVIÇOS PÚBLICOS EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL

Leia mais

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos Débora Martini Saúde Direito de todos Núcleo de Apoio a Saúde da Família - NASF Atenção Primária à Saúde Centros de Saúde Assistência

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Quem são os usuários da Assistência

Leia mais

Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV)

Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) O que é o SCFV? É realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus usuários, de acordo

Leia mais

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação JULHO DE 2017

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação JULHO DE 2017 Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação JULHO DE 2017 DEFINIÇÕES A Pesquisa de Emprego em Serviços é desenvolvida pela CNS/FESESP/SEPROSP com base em dados do sistema RAIS-CAGED do Ministério do

Leia mais

Circular 02 - Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social

Circular 02 - Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social Circular 02 - Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social Brasília, 5 de junho de 2016. A Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social, por meio do grupo de trabalho de mobilização constituído em

Leia mais

1ª Conferência nacional de Vigilância em Saúde. Etapa Nacional - de 21 a 24 de novembro de 2017

1ª Conferência nacional de Vigilância em Saúde. Etapa Nacional - de 21 a 24 de novembro de 2017 1ª Conferência nacional de Vigilância em Saúde Etapa Nacional - de 21 a 24 de novembro de 2017 Motivação Debater na sociedade brasileira: Direito à Promoção e Proteção da Saúde - compreendendo a Vigilância

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A ACRE B1 Repouso Semanal Remunerado 18,06 0,00 18,06 0,00 B2 Feriados 4,77 0,00 4,77 0,00 B3 Auxílio - Enfermidade 0,91 0,69 0,91 0,69 B4 13º Salário 10,97 8,33 10,97 8,33 B7 Dias de Chuvas 1,68 0,00 1,68

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO

CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESGATE HISTÓRICO Assistência Social enquanto política pública de direitos. Relevante marco no processo histórico de construção de um sistema de

Leia mais

GUIA RA PIDO DA ESTRUTURA GERAL DO ORÇAMENTO Um novo desenho frente à publicação da Portaria MDS nº 113/2015, para os entes.

GUIA RA PIDO DA ESTRUTURA GERAL DO ORÇAMENTO Um novo desenho frente à publicação da Portaria MDS nº 113/2015, para os entes. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social GUIA RA PIDO DA ESTRUTURA GERAL DO ORÇAMENTO Um novo desenho frente

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 02/08 CAÇADOR, Maio de 2008. O Conselho Municipal de Assistência Social, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

INSTRUÇÃO NORMATIVA 02/08 CAÇADOR, Maio de 2008. O Conselho Municipal de Assistência Social, no uso de suas atribuições legais e regimentais, INSTRUÇÃO NORMATIVA 02/08 CAÇADOR, Maio de 2008 Estabelece critérios para Inscrição e Funcionamento de Entidades e Organizações de Assistência Social. Registro de Ações, Serviços, Programas, Projetos de

Leia mais

ção: Motivaçõ ções e Metas

ção: Motivaçõ ções e Metas Equidade e Eficiência Educaçã ção: Motivaçõ ções e Metas RANKINGS REGIONAIS MOTIVOS DE EVASÃO Ranking Motivo de Evasão: TRABALHO (Demanda1) TOTAL BRASIL 1,43 0 a 17 anos 1 Minas Gerais 2,27 2 Pernambuco

Leia mais

Integração de Políticas Públicas e seus desafios

Integração de Políticas Públicas e seus desafios Integração de Políticas Públicas e seus desafios Rômulo Paes de Sousa Secretário Executivo do MDS Rio de Janeiro, 5 de agosto de 2011. MODELO PRÉ-SISTÊMICO Transição da Política Pública Baseado em programas

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400 ORGAO : 33000 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL UNIDADE : 33201 - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ANEXO CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,

Leia mais

DE TRAUMATOLOGIA E ORTOPEDIA - INTO S S TOTAL - FISCAL 0 TOTAL - SEGURIDADE

DE TRAUMATOLOGIA E ORTOPEDIA - INTO S S TOTAL - FISCAL 0 TOTAL - SEGURIDADE ORGAO : 36000 - MINISTERIO DA SAUDE UNIDADE : 36901 - FUNDO NACIONAL DE SAUDE ANEXO I CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 E G R M I F FUNC PROGRAMATICA

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

GRÁFICO 1 Saldo do Emprego Bancário Brasil janeiro/2015 a junho/2016

GRÁFICO 1 Saldo do Emprego Bancário Brasil janeiro/2015 a junho/2016 Saldo de Empregos no Setor Bancário Janeiro a junho de 2016 Analise do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego No primeiro semestre de 2016 foram fechados 6.785

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (PNAS) E A IMPORTÂNCIA DAS INSTÂNCIAS DO CONTROLE E DA PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1

A POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (PNAS) E A IMPORTÂNCIA DAS INSTÂNCIAS DO CONTROLE E DA PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 A POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (PNAS) E A IMPORTÂNCIA DAS INSTÂNCIAS DO CONTROLE E DA PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 Druzian, Andressa 2 ; Avila, Lisélen 3 ; Aguinsky, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social - PNAS e a concepção do Sistema Único de Assistência Social - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social - PNAS e a concepção do Sistema Único de Assistência Social - SUAS 1 A Política Nacional de Assistência Social - PNAS e a concepção do Sistema Único de Assistência Social - SUAS Profa. Conferencista: Márcia Terezinha de Oliveira Profa. Web: Larissa Marsolik Tissot 2 Programa

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CA/SP/SEPLAN nº 02/2013 Evolução da extrema pobreza em Mato

Leia mais

Nilson do Rosário Costa 1, Ana Paula Coelho 2, Maria Thereza Fortes 3 e Vanina Matos 4

Nilson do Rosário Costa 1, Ana Paula Coelho 2, Maria Thereza Fortes 3 e Vanina Matos 4 IX Encontro Nacional da Associação Nacional de Economia da Saúde, Rio de Janeiro, dez/2009. A posição regional das empresas no mercado de planos privados de assistência à saúde Nilson do Rosário Costa

Leia mais

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio Tiragem Limitada República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Ministério da Educação e do Desporto - MEC Paulo Renato Souza Secretaria

Leia mais

Bolsa Família: Relações intersetorial e intergovernamental

Bolsa Família: Relações intersetorial e intergovernamental Bolsa Família: Relações intersetorial e intergovernamental Subtema 3: Taller de Análises y Reflexión de Programas de Transferências Condicionada - México - janeiro/2008 Relação Intersetorial Articulação

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Inovação e Criatividade na Educação Básica

Inovação e Criatividade na Educação Básica MEC Inovação e Criatividade na Educação Básica 2015 Objetivo Criar as bases para uma política pública de fomento a inovação e criatividade na educação básica Desafios da Educação Básica no Brasil hoje

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos

Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos - 2016 Data: 24/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de mortos 2016 Estado

Leia mais

CONVITE II ENCONTRO NACIONAL DE JOVENS VIVENDO COM HIV AIDS

CONVITE II ENCONTRO NACIONAL DE JOVENS VIVENDO COM HIV AIDS CONVITE II ENCONTRO NACIONAL DE JOVENS VIVENDO COM HIV AIDS Caros(as) Companheiros(as), É com muita alegria que divulgamos e convidamos para o II Encontro Nacional de Jovens Vivendo com HIV/Aids, organizado

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL MEDIA COMPLEXIDADE

PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL MEDIA COMPLEXIDADE OBJETIVO: Prestar atendimento especializado às famílias e indivíduos cujos direitos tenham sido ameaçados ou violados e/ou que já tenha ocorrido rompimento familiar ou comunitário. PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL

Leia mais

ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS

ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS MONTANTE DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS (em R$ milhões) Receita Estadual () BNDES Estatais Agências Financeiras União Royalties e Participações

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

O Programa Luz para Todos e a Universalização do Atendimento de Energia Elétrica no Nordeste

O Programa Luz para Todos e a Universalização do Atendimento de Energia Elétrica no Nordeste O Programa Luz para Todos e a Universalização do Atendimento de Energia Elétrica no Nordeste Cláudio Pitta crpitta@chesf.gov.br Programa Nacional de Universalização do Acesso e Uso da Energia Elétrica

Leia mais

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Abril de 2014

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Abril de 2014 Indicadores IBGE Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Abril de 2014 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff

Leia mais

LEI ORGÂNIGA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL LOAS. LEI n 8.742/93 e Decreto n 6.214/07 04/2016 FERNANDO APRATO

LEI ORGÂNIGA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL LOAS. LEI n 8.742/93 e Decreto n 6.214/07 04/2016 FERNANDO APRATO LEI ORGÂNIGA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL LOAS LEI n 8.742/93 e Decreto n 6.214/07 04/2016 FERNANDO APRATO Conceito Art. 1º A assistência social, direito do cidadão e dever do Estado, é Política de Seguridade

Leia mais

1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo.

1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo. NOTA TÉCNICA N. 035/2013 Brasília, 24 de outubro de 2013. ÁREA: TÍTULO: Desenvolvimento Social. Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo (SCFV). REFERÊNCIA: Resolução CNAS n

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/ AUDIÊNCIA PÚBLICA Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/ Brasília, 13 de maio de 2015 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2014 Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene Martin Tendolo Diretora de Departamento: Silmaire

Leia mais

IX JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS PALMEIRA¹ / PR.

IX JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS PALMEIRA¹ / PR. IX JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS PALMEIRA¹ / PR. MARTINS, Mayara Lucia (Estágio I), e-mail: mayamartins1993@hotmail.com.

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Programa Social. Eixo Cidadania e Direitos Humanos. Criança e Adolescente. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres

Programa Social. Eixo Cidadania e Direitos Humanos. Criança e Adolescente. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Programa Social Eixo Cidadania e Direitos Humanos Criança e Adolescente Secretaria Especial dos Direitos Humanos Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério da Educação Ministério

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

Pronatec Senac Online

Pronatec Senac Online Pronatec Senac Online Introdução 6ª edição Nesta sexta edição, serão apresentados os dados do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) referentes ao mês de junho de 2013. Estes

Leia mais

As relações de cuidado e de proteção no Serviço de Acolhimento Em Família Acolhedora

As relações de cuidado e de proteção no Serviço de Acolhimento Em Família Acolhedora As relações de cuidado e de proteção no Serviço de Acolhimento Em Família Acolhedora Jane Valente Brasil 2013 Levantamento Nacional de Crianças e Adolescentes em Serviços de Acolhimento 2009 1.229 municípios

Leia mais

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Janeiro de 2017

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Janeiro de 2017 Indicadores IBGE Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Janeiro de 2017 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Michel Miguel

Leia mais

Políticas Públicas Intersetoriais - A Relação Intersetorial na Consolidação da Proteção Social.

Políticas Públicas Intersetoriais - A Relação Intersetorial na Consolidação da Proteção Social. Ministério do Políticas Públicas Intersetoriais - A Relação Intersetorial na Consolidação da Proteção Social. Rômulo Paes Secretário Executivo do Ministério do Combate à Fome Rio de Janeiro, 30 de novembro

Leia mais

1 A Prefeitura Municipal de Gavião, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

1 A Prefeitura Municipal de Gavião, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. ANO. 2013 DO MUNICÍPIO DE GAVIÃO - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Gavião, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Este documento foi assinado digitalmente por certificação

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL A Gestão proposta pelo SUAS pauta-se no Pacto Federativo onde devem ser atribuídas e detalhadas as competências e responsabilidades

Leia mais

CRAS UM ESPAÇO DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOS JOVENS

CRAS UM ESPAÇO DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOS JOVENS CRAS UM ESPAÇO DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOS JOVENS Amanda Silva do CARMO 1 Carla MENOTTI 2 Carolina Gil DAVID 3 Márcia Heloísa de OLIVEIRA 4 RESUMO: A presente pesquisa retrata uma preocupação com a legitimação

Leia mais

Desafios do Federalismo Brasileiro. Paula Ravanelli Losada Subchefia de Assuntos Federativos Secretaria de Relações Institucionais

Desafios do Federalismo Brasileiro. Paula Ravanelli Losada Subchefia de Assuntos Federativos Secretaria de Relações Institucionais Desafios do Federalismo Brasileiro Paula Ravanelli Losada Subchefia de Assuntos Federativos Secretaria de Relações Institucionais Federação desigual Arranjo Federativo Brasileiro As desigualdades regionais

Leia mais

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Agosto de 2016

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Agosto de 2016 Indicadores IBGE Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Agosto de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Michel Miguel

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes - 2015 Data: 18/05/2016 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de acidentes -

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL

SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORA BIPARTITE CIB RESOLUÇÃO 007/2004 CIB A Comissão Intergestora Bipartite CIB, em reunião ordinária realizada no dia 23 de novembro de 2004 RESOLVE Art. 1º - Aprovar o documento CRITÉRIOS

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 FLUXO - OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Maio de 2016

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Maio de 2016 Indicadores IBGE Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Maio de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Vice-Presidente da República no Exercício

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL EM SAÚDE, EDUCAÇÃO E HABITAÇÃO

POLÍTICA SOCIAL EM SAÚDE, EDUCAÇÃO E HABITAÇÃO Unidade II POLÍTICA SOCIAL EM SAÚDE, EDUCAÇÃO E HABITAÇÃO Profa. Amarilis Tudella Introdução Nesta unidade, vamos nos aproximar da compreensão do denominado Sistema de Seguridade Social brasileiro. Mais

Leia mais

300 Questões Fundamentadas do SUAS

300 Questões Fundamentadas do SUAS adquirir o apostila de 200 Questões Fundamentadas da Lei 1 APOSTILA AMOSTRA Para adquirir apostila de 300 QUESTÕES FUNDAMENTADAS DO (LEI 8.742/93 (LOAS) - LEI 12.435/2011 NOB/ PNAS Arts. 203 e 204 da CF)

Leia mais

jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16

jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16 Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 13,07 13,08 13,07 13,09 13,09 13,08 13,08 13,09 13,23 13,23 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 15,26 15,27 15,26 15,27 15,28 15,26

Leia mais

Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast

Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Secretaria de Vigilância

Leia mais

I ENCONTRO ESTADUAL DE COORDENADORES REGIONAIS. Defesa de Direitos e Mobilização Social. Informática e Comunicação. Artes

I ENCONTRO ESTADUAL DE COORDENADORES REGIONAIS. Defesa de Direitos e Mobilização Social. Informática e Comunicação. Artes I ENCONTRO ESTADUAL DE COORDENADORES REGIONAIS Defesa de Direitos e Mobilização Social Informática e Comunicação Artes FENAPAES FEDERAÇÃO NACIONAL DAS APAEs Sede em Brasília DF Detentora da marca APAE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Esplanada dos Ministérios, bloco F, anexo, ala A, 1º andar, Brasília/DF CEP: 70059-900 RESOLUÇÃO Nº 34, DE

Leia mais

Coordenação de Proteção Social Básica

Coordenação de Proteção Social Básica - S E D S Coordenação de Proteção Social Básica Agosto 212 Coordenação Proteção Social Básica A coordenação e o controle das ações da Política Pública da Assistência Social relacionadas a proteção social

Leia mais

Caracterização dos Recursos Físicos e Humanos dos Órgãos Estaduais de Segurança Pública. Efetivo Armas Letais Viaturas Coletes a Prova de Balas

Caracterização dos Recursos Físicos e Humanos dos Órgãos Estaduais de Segurança Pública. Efetivo Armas Letais Viaturas Coletes a Prova de Balas Ministério da Justiça Caracterização dos Recursos Físicos e Humanos dos Órgãos Estaduais de Segurança Pública Efetivo Armas Letais Viaturas Coletes a Prova de Balas Uma Perspectiva Democrática e Contemporânea

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO

DIREITO PREVIDENCIÁRIO DIREITO PREVIDENCIÁRIO Prof. Eduardo Tanaka CONCEITUAÇÃO Conceituação: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2014

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2014 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2014

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA O movimento Constitucional; O processo de discussão que antecedeu a LDB nº9394/96; A concepção de Educação Básica e a universalização do

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Fecundidade, Cidadania e Políticas de Proteção Social e Saúde Reprodutiva no Brasil

Fecundidade, Cidadania e Políticas de Proteção Social e Saúde Reprodutiva no Brasil Seminário Saúde, Adolescência e Juventude: promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Fecundidade, Cidadania e Políticas de Proteção Social e Saúde Reprodutiva no Brasil José Eustáquio

Leia mais

PAINEL IV: DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO ÂMBITO DA SUSTENTABILIDADE

PAINEL IV: DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO ÂMBITO DA SUSTENTABILIDADE PAINEL IV: DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO ÂMBITO DA SUSTENTABILIDADE Mara Moraes de Carvalho Superintendente de Assistência Social Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social SJDHDS GOVERNO

Leia mais