Análise Comparativa de Sistemas de Banco de Dados Em Ambientes de Dispositivos Móveis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise Comparativa de Sistemas de Banco de Dados Em Ambientes de Dispositivos Móveis"

Transcrição

1 FACULDADE FARIAS BRITO CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO JOAO CARLOS XENOFONTE MATIAS Análise Comparativa de Sistemas de Banco de Dados Em Ambientes de Dispositivos Móveis FORTALEZA, 2010

2 JOAO CARLOS XENOFONTE MATIAS Análise Comparativa de Sistemas de Banco de Dados Em Ambientes de Dispositivos Móveis Monografia apresentada para obtenção dos créditos da disciplina Trabalho de Conclusão do Curso da Faculdade Farias Brito, como parte das exigências para graduação no Curso de Ciência da Computação. Orientador: Ricardo Wagner Cavalcante Brito, MSc. FORTALEZA, 2010

3 3 ANÁLISE COMPARATIVA DE SISTEMAS DE BANCO DE DADOS EM AMBIENTES DE DISPOSITIVOS MÓVEIS João Carlos Xenofonte Matias PARECER NOTA: FINAL (0 10): Data: / / BANCA EXAMINADORA: Ricardo Wagner Cavalcante Brito, MSc. (Orientador) Nome e titulação (Examinador) Nome e titulação (Examinador)

4 4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente à Deus, que sempre esteve presente em minha vida me dando forças pra conseguir meus planos e objetivos. Aproveito para dedicar este trabalho a toda minha família, em especial a minha tia Maria Matias, que contribuiu na construção desse trabalho, aos meus queridos pais que sempre me apoiaram na minha vida e foram e sempre serão fundamentais para a minha existência. Agradeço também a todos os professores e colegas de graduação da Faculdade Farias Brito que contribuíram nesse trabalho, em especial ao meu orientador Ricardo Wagner Cavalcante Brito pela sua paciência, compromisso e seriedade sempre demonstrado ao longo do desenvolvimento desse trabalho. Por fim, agradeço a todos que colaboraram diretamente ou indiretamente na realização deste trabalho.

5 5 RESUMO O conceito de mobilidade, no que se refere à área de computação, vem se tornando cada dia mais utilizado em nosso cotidiano. Já são inúmeras as opções de dispositivos e de aplicativos disponíveis para os usuários e essa quantidade só tende a crescer ainda mais. Em conjunto com as aplicações que estão sendo desenvolvidas faz-se necessária a utilização de sistemas de bancos de dados que sejam adequados nesse cenário. Este trabalho tem como objetivo geral analisar algumas características de alguns dos principais Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Móveis existentes no mercado, realizando um estudo comparativo baseado em certos critérios previamente estabelecidos. Essa análise irá contribuir com uma avaliação de desempenho desses sistemas e um documento que pode ser utilizado como fonte de escolha do sistema que mais se aplica em determinadas situações.

6 6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO COMPUTAÇÃO MÓVEL CARACTERÍSTICAS DA COMPUTAÇÃO MÓVEL Portabilidade Comunicação Mobilidade Adaptação Gerência de Energia Conectividade Fraca Replicação de Dados AMBIENTES DE BANCO DE DADOS MÓVEIS ARQUITETURA DE BANCO DE DADOS MÓVEIS Arquitetura Cliente-Servidor Agentes Móveis PARADIGMAS DE ACESSO AOS DADOS Difusão de dados (Broadcast) Caching de dados GERENCIAMENTO DE TRANSAÇÕES MÓVEIS Modelos de transações móveis PROCESSAMENTOS DE CONSULTAS REPLICAÇÕES DE DADOS RECUPERAÇÕES DE FALHAS SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS MÓVEIS ORACLE LITE DB2 EVERYPLACE MICROSOFT SQL SERVER 2005 MOBILE EDITION SYBASE SQL ANYWHERE ANÁLISE COMPARATIVA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓVEIS COMERCIAIS RECUPERAÇÃO DE FALHAS DB2 Everyplace Sybase SQL Anywhere Studio Oracle Lite SQL Server CE Tabela Comparativa de Recuperação de Falhas SEGURANÇA Oracle Lite DB2 Everyplace SQL Server Compact Edition SQL Anywhere Studio Tabela Comparativa da Segurança dos Bancos de dados Móveis PERFORMANCE DB2 Everyplace Oracle Lite Sybase SQL Anywhere Studio SQL Server Compact Edition Tabela Comparativa do Desempenho dos Bancos de dados Móveis CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 58

7 7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Componentes fundamentais da computação móvel Figura 2 Arquitetura da Computação Móvel Figura 3 Os estados de uma operação de desconexão Figura 4 Modelo de reintegração de dados Figura 5 Ambiente de computação móvel em uma arquitetura Cliente / Servidor 25 clássica... Figura 6 Estratégias de transmissão por difusão pull-based e pushbased Figura 7 Replicação de dados Base Consolidada e base remota Figura 8 Visão geral dos componentes da Oracle Lite Figura 9 Desenvolvimento e sincronização do DB2 Everyplace Figura 10 Arquitetura do SQL Server Mobile Figura 11 Relacionamento entre o servidor e o cliente... 41

8 8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Resumo das principais características dos produtos analisados em relação à recuperação de falhas Tabela 2 Resumo das principais características dos produtos analisados em relação à segurança dos dados Tabela 3 Resumo das principais características dos produtos analisados em relação à 56 performance dos bancos de dados móveis...

9 9 INTRODUÇÃO Sendo a área da computação móvel ainda relativamente recente, percebe-se um crescimento no interesse por parte dos usuários em relação à utilização dos benefícios que essa tecnologia pode oferecer, a qual depende diretamente de dispositivos portáteis de alta eficiência e acesso às informações através de redes sem fio. Sendo assim, a junção de dispositivos móveis com redes sem fio está conquistando novos espaços, beneficiando e proporcionando importantes melhorias aos usuários que utilizam essa tecnologia (MATEUS, 2004). Segundo PITOMBEIRA (2006), devido à crescente popularização dos dispositivos móveis e o advento de redes de transmissão sem fio cada vez mais rápidas e mais presentes em nosso cotidiano, a computação móvel está sendo cada vez mais utilizada por usuários que trabalham ou necessitam dos benefícios que essa tecnologia computacional pode oferecer. A característica que mais se destaca na computação móvel é que ela possibilita que usuários possam estabelecer comunicação com outros usuários e gerenciar seu trabalho enquanto se deslocam fisicamente, podendo se comunicar com outros dispositivos móveis, independente da localização física. Sendo assim, é importante que a abrangência da comunicação sem fio e a popularização dos dispositivos portáteis estejam cada vez mais disponíveis para os usuários (MATEUS, 2004). Tal característica é especialmente importante para organizações geograficamente dispersas. Podemos tomar como exemplos o policiamento de trânsito, serviços de previsão do tempo, serviços de táxi, comunicações sobre o mercado financeiro e aplicações sobre agências de informação (ELMASRI; NAVATHE, 2002). Em aplicações dessa natureza, os usuários freqüentemente precisam efetuar processos de sincronização entre os dispositivos móveis e os sistemas desktop. Assim, todas as

10 10 informações presentes no dispositivo são sincronizadas com as informações da estação-base. Essas informações estão normalmente armazenadas em arquivos de banco de dados. Com isso, o usuário pode se deslocar fisicamente para desempenhar sua atividade enquanto todas as novas informações recolhidas in loco são persistidas em seu dispositivo. Ao final da tarefa, o usuário pode submeter essas novas informações para o servidor, tanto de forma remota, através de algum canal de comunicação, ou local, através do processo tradicional de sincronização. As informações presentes nas aplicações dos usuários dos dispositivos móveis eram, inicialmente, armazenadas em arquivos simples, sem qualquer característica de banco de dados. Com o passar dos anos, varias aplicações foram surgindo (PITOMBEIRA et al 2004) e a utilização de bancos de dados relacionais para dispositivos móveis tornou-se de fundamental importância para as aplicações. Atualmente, várias empresas que trabalham com sistemas de banco de dados convencionais, dentre elas a Oracle, IBM, Microsoft e Sybase, já apresentam versões específicas de seus bancos para dispositivos móveis, respectivamente, Oracle Lite, DB2 Everyplace, Microsoft SQL Server 2005 Mobile Edition e o Sybase SQL Anywhere. Este último, segundo uma pesquisa do Gartner Dataquest de 2002, publicada na PC Magazine, estava sendo utilizado na época em aproximadamente 65% do mercado de banco de dados móveis (GONÇALVES, 2005). No entanto, para que essa tecnologia esteja plenamente ativa na sociedade, existe a dependência de alguns fatores, tais como, a diminuição do custo dos dispositivos portáteis de alto desempenho e uma melhoria na estrutura física e abrangência das redes sem fio. Outro importante fator para que os usuários que acessam informações remotamente é escolha de quais bancos de dados irá utilizar, já que eles podem afetar diretamente o desempenho do acesso aos dados (PITOMBEIRA, 2006). Uma importante motivação para muitos trabalhos atuais nessa área é a análise de como a limitação de recursos computacionais dos dispositivos móveis pode ser minimizada. Apesar dos diversos trabalhos acadêmicos e comerciais atualmente sendo desenvolvidos com esse objetivo, essa característica dos dispositivos móveis continua sendo um fator limitante para a maior parte das aplicações.

11 11 Apesar dos avanços conquistados nos últimos anos, os dispositivos móveis ainda são menos seguros e confiáveis do que os ambientes dekstop tradicionais, já que eles podem ser perdidos ou roubados com mais facilidade e a própria natureza da rede sem fio oferece menos segurança de informação. Esses dispositivos ainda apresentam recursos computacionais mais limitados, tais como restrição de energia, reduzida área de memória e baixo poder de processamento, influenciando diretamente na decisão do usuário na utilização da computação móvel (ITO, 2003). Assim, o mais determinante na escolha de pesquisa e estudos relativos a tipos de banco de dados móveis é que estes estão diretamente relacionados com as novas tecnologias de computação móvel que estão surgindo e sendo cada vez mais aprimorados a fim de ter melhor desempenho para seus usuários. Deste modo, novos desafios estão sendo pesquisados, tais como: melhores transmissões de dados, maior integridade dos dados compartilhados, e principalmente a segurança de informações sigilosas, já que dispositivos portáteis têm baixa segurança de seus dados (GONÇALVES, 2005). O presente trabalho justifica-se na medida em que visa analisar determinadas características importantes dos principais Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Móveis e propor um estudo comparativo entre esses sistemas conforme uma série de critérios previamente estabelecidos, os quais são: Recuperação de Falhas, Segurança de Dados e Performance.

12 12 1. COMPUTAÇÃO MÓVEL A computação móvel surgiu motivada pela necessidade do usuário de poder trabalhar com seu sistema computacional enquanto se locomove fisicamente. Assim, a computação móvel se caracteriza por permitir que seus usuários abstraiam a questão da localização física e possam continuar trabalhando com seus dispositivos computacionais mesmo estando em trânsito. Para que essa funcionalidade seja possível, faz-se necessário que toda uma infraestrutura computacional esteja presente. A comunicação wireless (sem-fio), por exemplo, é um dos requisitos fundamentais dessa tecnologia, já que ela é usada em locais onde o uso das redes estacionárias não é possível ou é economicamente inviável. Existindo esse tipo de comunicação, o usuário pode acessar uma página web dentro de um avião ou mandar um e- mail enquanto está dentro de um carro em um congestionamento. Obviamente, isso não seria possível se o usuário necessitasse do cabeamento físico em seu dispositivo. Sendo uma ampliação da computação distribuída por utilizar a comunicação sem fio, a computação móvel compõe-se por uma arquitetura basicamente formada por computadores fixos. Tais equipamentos, ao contrário dos dispositivos móveis, fazem parte da rede estacionária a qual localização não pode ser alterada. Dessa maneira, as aplicações para a computação móvel são projetadas considerando a mobilidade do usuário, limitação de energia do dispositivo e variações de latência e largura de banda de redes sem fio (ENDLER; SILVA, 2000). Apresentando fatores como a mobilidade e a praticidade, que fazem da computação móvel um paradigma recente da computação, segundo Pitombeira (2006), os elementos que compõem esse ambiente móvel são: elementos relacionados ao software como os agentes

13 13 móveis, aplicações e serviços que suportam a mobilidade; os elementos de hardware compostos pelos dispositivos móveis como telefones celulares e notebooks; e os usuários que interagem com este ambiente acessando serviços e solicitando informações. A computação móvel, conhecida também como computação nômade, é a junção de três importantes propriedades: computação, comunicação e mobilidade, conforme mostrado na Figura 1. No componente computação, encontram-se os dispositivos portáteis que realizam as operações móveis junto ao usuário. Já, na comunicação, manifesta-se a troca de mensagens através da rede do tipo wireless entre os elementos desse ambiente. Por fim, a mobilidade está relacionada à troca de localização feita pelo usuário móvel (LIU, MARLEVI & MAGUIRE, 1996). Figura 1 Componentes fundamentais da computação móvel. Assim como a grande maioria dos aplicativos baseados em sistemas desktop, os principais Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados (SGDBs) também já foram popularizados nos ambientes móveis. Segundo Gonçalves (2005), os principais desenvolvedores de tais sistemas já estão presentes no mercado da computação móvel, fazendo com que esses softwares busquem uma integração dos dados destas aplicações com os servidores de bancos de dados localizados na rede fixa. Conforme podemos identificar na Figura 2, nota-se a presença de três elementos constantes na arquitetura da computação móvel: os computadores fixos, os quais são dispositivos que não alteram sua localização dinâmica; as estações base, caracterizadas como estações que apresentam suporte à mobilidade e possuem interface wireless e, por fim, os dispositivos móveis, os quais podem ser agrupados em sub-redes ou células que deverão estar ligadas às estações base.

14 14 Os host móveis (computadores portáteis) se comunicam com as estações base e vice-versa através de canais sem fios de largura de banda limitada. Sendo assim, cada estação base gerencia os dispositivos móveis que estão dentro de sua célula, isto é, no interior do seu domínio geográfico. Se o computador portátil mudar sua localização, alterando a estação base, o processo de recuperação de dados não é afetado, já que a arquitetura é projetada de forma a emular uma arquitetura cliente/servidor (ELMASRI, 2005; SILBERCHATZ, 1999). Figura 2 Arquitetura da Computação Móvel. Fonte: (BRAZ, 2002). É interessante ressaltarmos a existência das redes ad hoc (MANET) que pode ser chamada também de rede móvel independente a qual oferece um ambiente dinâmico onde os nós da rede, os quais são os servidores e clientes móveis, tem autonomia de sair e entrar na rede. É importante destacar também que em uma rede ad hoc, segundo Holanda (2007), cada dispositivo móvel funciona como um roteador se interligando com outros computadores móveis, dessa maneira a comunicação entre dois hosts é possível mesmo que o host origem e o

15 15 destino não estejam na área de cobertura um do outro, neste caso, os pacotes de informações são conduzidos através de outros hosts que estejam no caminho até que cheguem ao destino. É perceptivo que a diferença e vantagem entre as redes sem fio infra-estruturada e as redes ad hoc é que uma rede MANET de uma infra-estrutura de rede pré-estabelecida ou de qualquer tipo de equipamento fixo (HOLANDA, 2007) Características da Computação Móvel A seguir, serão descritas algumas das características da computação móvel consideradas como problemas ou limitações e que representam importante objeto de pesquisa e desenvolvimento nesta área Portabilidade Segundo Trasel (2005), os computadores comuns não foram feitos para ser portáteis e assim as montadoras desses dispositivos tiveram mais liberdade em relação ao espaço de cabeamento e dissipação de calor para esses equipamentos. Em se tratando dos dispositivos portáteis, devem ser levados em conta alguns fatores e propriedades como: durabilidade, leveza, consumo de energia, dentre outros. Nesse sentido, algumas concessões podem ser feitas para que se chegue a uma boa relação de funcionalidade/desempenho. Amado (2002) elenca algumas dificuldades da computação móvel estabelecidas pela portabilidade: - Energia: relacionada ao tempo limitado de duração da bateria do dispositivo móvel. Nos últimos anos, essa dificuldade vem sendo minimizada, já que novas tecnologias estão sendo estudadas e implantadas, como por exemplo, alguns dispositivos móveis sendo fabricados com telas LED; - Segurança de dados e riscos de perda: com o aumento da praticidade de locomoção e da portabilidade crescem os riscos de danos físicos, de perda ou roubo do dispositivo móvel. Além disso, os dados podem ser mais fáceis de ser manipulados já que esses computadores são menos seguros e confiáveis; - Interface com o usuário: devido as reduzidas dimensões da tela desses dispositivos, aplicações que precisam de abertura de várias janelas ao mesmo tempo

16 16 são inviáveis para alguns computadores portáteis, fazendo com que algumas funcionalidades sejam diminuídas. - Espaço de armazenamento: há uma sensível diferença no tamanho físico de armazenamento entre os computadores portáteis e fixos, tendo como importante causa o custo financeiro. Contudo, algumas estratégias tecnológicas estão sendo utilizadas para reduzir esse problema, tais como, a compressão automática de arquivos e o acesso a dados remotamente, dentre outros, além da utilização de outros tipos de memória como é o caso da memória Flash Comunicação Considerando que a mobilidade é um principio básico da computação móvel, a comunicação sem fio é um fator fundamental na implantação dessa tecnologia, sendo preciso que ela esteja presente em todos os lugares, a fim de garantir a conectividade do usuário com outros dispositivos. Apresentando um custo de implantação maior do que de uma rede comum, faz-se importante ainda ressaltar que essas redes sem fio se comunicam através de sinais, podendo sofrer interferências, ruídos ou ecos. Como exemplos dessa tecnologia podem ser destacados o Bluetooth, WiFi e a telefonia celular. Amado (2002) apresenta algumas dificuldades para que haja uma boa comunicação sem fio na computação móvel, dentre elas podemos destacar: - Desconexão: nas redes sem fio são mais frequentes as desconexões do que nas redes cabeadas, podendo assim interferir em processos e aplicações que precisam estar conectados na rede. Segundo Pitombeira (2006), essa desconexão pode ser voluntária, ocorrendo quando o usuário não deseja se conectar à rede, ou pode ser forçada, quando o usuário deseja se conectar à rede, mas ela não está disponível por questão de cobertura do sinal ou a falta do canal de comunicação; - Variação de largura de banda: os fatores que podem conduzir a uma alta variação na largura de banda podem também acarretar uma desconexão do dispositivo na rede, já que esses fatores ocasionam alterações nas taxas de erro, sendo que, à medida que essas taxas de erro aumentam mais e mais pacotes são perdidos;

17 17 - Riscos de segurança: é possível perceber que quanto mais uma rede se estende, mais a segurança é comprometida. Isso se torna ainda mais complicado quando se tem que fornecer níveis de acessibilidade a um usuário móvel Mobilidade Sendo essa característica marcada pela capacidade do equipamento móvel de mudar de localização conectada a rede, alguns dados que são considerados estáticos para dispositivos fixos podem se tornar dinâmicos a fim de atender a esses computadores móveis. Dessa maneira, segundo Cunha (2003), um dos grandes desafios presente no ambiente móvel, diz respeito à tentativa de obter uma diminuição de custo de comunicação formada quando se deseja conseguir a localização de uma unidade móvel conectada a rede. Então é esperado o surgimento de novos algoritmos e estruturas de dados que venham a minimizar este problema. Também não podem ser desprezadas as questões relacionadas à segurança dos dados manipulados na rede, já que as redes sem fio tendem a ser mais vulneráveis à interceptação de mensagens e ao rastreamento de estações móveis, ficando, assim, com a segurança dos dados mais comprometida do que uma rede fixa. Conforme Cunha (2003), existem diversos cenários que envolvem a computação móvel, dependendo da mobilidade de cada elemento, os quais podem ser destacados: - Computação nômade, na qual o hardware pode se mover; - Computação sem fio, onde o usuário móvel pode se locomover por um limite de estações conectadas à rede; - Código e Agente Móvel, em que a aplicação pode se mover; - Computação Pervasiva (pervasive computing) onde o usuário móvel se move executando aplicações com códigos e dados móveis. Através da mobilidade, percebe-se que o usuário móvel passa a obter diferentes taxas de transmissão de dados, dependendo assim da localidade em que ele se encontra. Para Mateus e Loureiro (1998), essa mudança depende de vários fatores, tais como: interferências nas transmissões de dados, segurança, energia disponível no dispositivo móvel, heterogeneidade, disponibilidade de canais de comunicação e a determinação da localidade de um host móvel.

18 18 Ainda conforme identificados nos estudos de Cunha (2003), quando o usuário pode se mover por um conjunto fixo de estações conectado à rede (computação sem fio), a mobilidade pode inserir alguns problemas, tais como: - Migração de endereço: com a constante variação da localização dinâmica do usuário, diversos pontos de acesso à rede vão ser acessados, e, assim, um sistema distribuído deve ser capaz de guardar o endereço de um host sem afetar o desempenho do processamento; - Informação dependente da localidade: como o endereço de rede de um dispositivo móvel altera constantemente, o caminho de comunicação sofre um aumento, quando o mesmo visita um domínio (célula) vizinho, fazendo com que sua localização atual interfira nos parâmetros de configuração, como respostas a consultas; - Migração de localidade: como o caminho de comunicação pode crescer sem proporções, poderá ocorrer à existência de ações que aumentem a latência e os riscos de desconexões Adaptação Segundo Cunha (2003), uma das características que a computação móvel possui é a habilidade de operar sobre um ambiente de computação sem fio, sendo que, nesse ambiente estão presentes várias propriedades diferentes das encontradas nas redes fixas, como maior taxa de erros e menor taxa de transmissão de dados. Sendo assim, os dispositivos móveis utilizados na computação móvel, usualmente, apresentam limitações quanto à velocidade do processamento dos dados e a capacidade de armazenamento. Conforme Menkhaus (2002), para obterem serviços aceitáveis em um ambiente móvel, os dispositivos portáteis necessitam de algum mecanismo de gerenciamento de alterações do ambiente. Nesse sentido, esse fornecimento de serviços pode ser feito pela adaptação, significando a capacidade de um algoritmo fornecer várias saídas apropriadas, dependendo das características onde se encontra a unidade do cliente. Frente a esta realidade, nota-se que essa característica da computação móvel não se encontra muito presente nas redes fixas, já que as características desse ambiente são praticamente estáveis, ao contrário das redes sem fio, as quais têm o seu ambiente mutável, fazendo com que a presença da adaptação seja muito importante para garantir que as operações sejam finalizadas com sucesso.

19 19 Seguem três planos de adaptação conforme apresentado em (SATYANARAYANAN, NARAYANAN,1999): - Laissez-Faire: ocorre quando a aplicação é responsável por toda a adaptação necessária; - Aplicação Transparente: acontece quando o gerenciamento fixo é responsável pela adaptação, ficando transparente para a aplicação; - Aplicação Aware: junção dos modelos apresentados acima, pois a adaptação é feita tanto pela aplicação móvel como pelo o sistema fixo. Para a definição de uma arquitetura de adaptação, em um ambiente móvel, podem ser observados alguns aspectos os quais fazem com que a aplicação possa se adaptar melhor ao ambiente. Seguem descritos, a seguir, alguns desses aspectos (CUNHA, 2003): - Disponibilidade de recursos: os recursos disponíveis na rede móvel precisam reunir funcionalidades limitadas, adaptando-se às restrições de processamento e energia, enquanto um host servidor, por exemplo, deve ser capaz de processar de forma rápida, de modo que não seja comprometido o funcionamento dos dispositivos móveis; - Dados: para cada tipo de dados transmitidos há um tipo de adaptação exclusiva. Podemos tomar como exemplo a transmissão de dados em um serviço FTP (protocolo de transferência de arquivos), em que as variações da taxa de transmissões não afetam a aplicação, enquanto nas transmissões de dados multimídias torna-se necessária a realização de adaptações dependendo da largura de banda disponível; - Desempenho: uma adaptação tem que ser planejada, de forma a não causar uma perda geral do sistema. No surgimento de incapacidades, é importante que o usuário móvel receba notificações. É importante também que a transferência dos dados apresente técnicas que reduzam seu volume, adaptando-se às condições de comunicações e diminuindo a velocidade de transmissão. - Broadcast/Multicast: o motivo que mais se destaca em relação à utilização das técnicas broadcast e multicast é que elas evitam que um mesmo dado seja enviado várias vezes em um ambiente onde a largura de banda é pequena. Vale ressaltar que as comunicações, na maior parte das redes fixas, são feitas através de transmissões unicast.

20 Gerência de Energia Enquanto os computadores fixos foram produzidos para ficar conectados todo o tempo a uma fonte de energia, nos equipamentos móveis isso não ocorre. Tais equipamentos possuem uma bateria que influencia no seu peso e no seu tamanho, necessitando de recarga frequentemente, de acordo com a utilização das funcionalidades desse equipamento móvel. O aproveitamento ideal de energia é fundamental nos dispositivos móveis, considerando-se que as baterias normalmente têm uma duração de carga reduzida, comprometendo, assim, a disponibilidade do recurso de hardware (FLINN & SATYANARAYANAN, 1999). Esse fato torna-se um importante desafio para os projetistas dessas unidades móveis, tornando-se fundamental que ocorra uma diminuição de consumo de energia durante o funcionamento desse equipamento móvel Conectividade Fraca Para Cunha (2003), na computação móvel pode haver momentos em que os equipamentos estejam temporariamente desconectados da unidade móvel. Tal estado pode ocorrer em decorrência de problemas, na variação de taxas de ruído, pela energia disponibilizada pela unidade móvel ou pela distribuição da largura de banda de rede de comunicação, dentre outros. Conforme Pitoura e Samaras (1998), as operações de desconexões envolvem três estados distintos, descritas abaixo e ilustradas na Figura 3: - Hoarding: nesse estado há um pré-carregamento de itens de dados nos dispositivo móvel, podendo assim ter uma replicação de dados no cache local, ficando inacessível para outros componentes da rede; - Operações locais: nessa situação a unidade está desconectada da rede fixa, e assim ela realiza operações sobre os dados localizados na memória local, após o acontecimento do hoarding; - Reconciliação: no momento da reconexão, os dados são atualizados nos computadores fixos de acordo com os elementos decorrentes dos nós que operam sobre esses dados, gerando uma situação de concorrência e garantindo a não existência de inconsistências nos dados atualizados.

21 21 Figura 3 - Os estados de uma operação de desconexão. Segundo Cunha (2003), quando a conexão é frequentemente perdida entre os componentes de rede pode haver uma influência nas execuções de operações, ocasionando em perda de desempenho. Para Mateus e Loureiro (1998), quando há uma alternância em períodos de transferência de dados entre dispositivos móveis e fixos ou há uma falta total de conectividade entre esses elementos, ocorre uma fraca conectividade, fazendo com que haja a interrupção da execução de operações, sendo estes impedidos de serem finalizados com sucesso. Assim, para a solução desses problemas, são apresentados alguns protocolos de comunicação, os quais, sendo utilizados adequadamente, dão suporte a esses problemas referentes à fraca conectividade, tais como os ressaltados abaixo por Cunha (2003): - Protocolo de desconexão: garante que o dispositivo móvel continue atuando sobre os dados mesmo durante um período de desconexão; - Protocolo de desconexão parcial: possui a propriedade que dispõe de condições independentes precipitadas para um possível estado de desconexão que possa ocorrer no dispositivo móvel; - Protocolo de handoff: possui a característica de retransmitir as informações pertencentes ao equipamento móvel, que se desloca entre os domínios de uma área de cobertura; Replicação de Dados A computação móvel incide na manutenção das funcionalidades, que são disponibilizadas pelos dispositivos portáteis enquanto se deslocam fisicamente, migrando em diferentes localizações, fazendo-se necessária a conservação da conectividade entre os componentes do sistema de forma transparente para o usuário móvel. Para isso, torna-se

22 22 adequado que exista a probabilidade do usuário manipular cópias de banco de dados sem estar conectados na rede sem fio (Cunha, 2003). Para Barbará (1999), a criação de réplicas de um arquivo ou conjuntos de arquivos tem como objetivo central o crescimento da disponibilidade de dados e um melhor desempenho das aplicações sobre essas informações, nos dispositivos móveis, fazendo com que essas unidades móveis carreguem cópias redundantes, armazenadas no banco de dados. Essa técnica pode ser considerada estratégica e importante, já que aperfeiçoa os recursos de rede e hardware, aumentando a flexibilidade e escalabilidade em ambientes heterogêneos. A base consolidada é a base de dados que contém os itens a serem replicados, enquanto as bases remotas são aquelas que contêm um subgrupo dos dados da base consolidada em um host. Ainda, conforme Cunha (2003), a reconciliação apresenta-se como o caminho contrário dos dados copiados, pois, conforme a Figura 4, é possível identificar que, após serem feitas operações de inserção, atualização ou exclusão dos dados, nas réplicas que estão na unidade móvel, estas modificações são reintegradas na base de dados consolidada. Figura 4 Modelo de reintegração de dados. Fonte: (BADRINATH & PHATAK, 1998). Como percebido na Figura 4, é notada a presença de um quadro chamado Hoard, manifestando um procedimento que traz o acúmulo das alterações realizadas no host móvel, para assim serem propagadas juntamente como no instante da reintegração com o servidor. Tal

Bancos de Dados Móveis

Bancos de Dados Móveis Agenda Bancos de Dados Móveis Acadêmicas: Anete Terezinha Trasel Denise Veronez Introdução Banco de Dados Móveis (BDM) Projetos de BDM SGBD Móveis Conclusão Referências Bibliográficas Introdução Avanços

Leia mais

!! Conrado Carneiro Bicalho!!!!!

!! Conrado Carneiro Bicalho!!!!! Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Conrado Carneiro Bicalho Bancos de Dados em Dispositivos Móveis Ouro Preto

Leia mais

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Banco de Dados Móveis Anete Terezinha Trasel Denise

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Computação Móvel: Aspectos de Gerenciamento de Dados

Computação Móvel: Aspectos de Gerenciamento de Dados Computação Móvel: Aspectos de Gerenciamento de Dados Giani Carla Ito Instituto Nacional de Pesquisas espaciais INPE E-mail: giito@lac.inpe.br Maurício Ferreira Instituto Nacional de Pesquisas espaciais

Leia mais

05/06/11. Murilo Raphael Lira Ricardo Salomão. Roteiro. Ambiente Móvel Arquitetura Transação Móvel Processamento de Transação Modelos de Transações

05/06/11. Murilo Raphael Lira Ricardo Salomão. Roteiro. Ambiente Móvel Arquitetura Transação Móvel Processamento de Transação Modelos de Transações Transações Móveis Murilo Raphael Lira Ricardo Salomão Roteiro Ambiente Móvel Arquitetura Transação Móvel Processamento de Transação Modelos de Transações 1 Ambiente Móvel Possui elementos móveis e estáticos;

Leia mais

3 Trabalhos Correlatos

3 Trabalhos Correlatos 3 Trabalhos Correlatos Este capítulo tem por objetivo apresentar os principais modelos de transações propostos para o ambiente de computação móvel e a motivação para a proposta de um novo modelo de transações.

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Arquitetura de SGBD Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Agenda Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

SGBDs Móveis. Sumário 12/06/11. Emmanuel Férrer & Gabriela Fernanda. Introdução. Desafios do armazenamento. SQL Anywhere Studio.

SGBDs Móveis. Sumário 12/06/11. Emmanuel Férrer & Gabriela Fernanda. Introdução. Desafios do armazenamento. SQL Anywhere Studio. SGBDs Móveis Emmanuel Férrer & Gabriela Fernanda Introdução Sumário Desafios do armazenamento SQL Anywhere Studio DB2 Everyplace Microsoft SQL Server Oracle9I Lite Aplicações Móveis Referências 1 Introdução

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br SUMÁRIO Definições Características Desafios Vantagens Desvantagens 2 Definições DEFINIÇÕES Um sistema distribuído é uma coleção

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Bancos de Dados Distribuídos. Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte

Bancos de Dados Distribuídos. Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte Bancos de Dados Distribuídos Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte Conceitos Sistema distribuído. Banco de dados distribuído (BDD). Coleção de multiplos

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Página 2 Definição BD Def. Banco de Dados é uma coleção de itens de dados

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Banco de Dados para um Ambiente de Computação Móvel

Banco de Dados para um Ambiente de Computação Móvel Capítulo 3 Banco de Dados para um Ambiente de Computação Móvel Sérgio da Costa Côrtes e Sérgio Lifschitz Abstract Portable computers have been used in many different application domains and are, together

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. 7- Outras Arquiteturas para SGBDs 7.6 - SGBDs para Estações Móveis

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. 7- Outras Arquiteturas para SGBDs 7.6 - SGBDs para Estações Móveis Sistemas de Gerência de Bancos de Dados 7- Outras Arquiteturas para SGBDs 7.6 - SGBDs para Estações Móveis 1 Tópicos Alternativas para Disseminação de Dados Push-based Technologies Bancos de Dados Móveis

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Introdução Capítulo 1 Definição Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes entre si que se apresenta a seus usuários como

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase. ? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.? Desde de 1994, a Microsoft lança versões do SQL SERVER

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática /

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III 4 ADMINISTRAÇÃO DE SGBDs As pessoas que trabalham com um banco de dados podem ser categorizadas como usuários de banco de dados ou administradores de banco de dados. 1 Entre os usuários, existem

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Caracterização de Sistemas Distribuídos Coulouris, Dollimore and Kindberg. Distributed Systems: Concepts and

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Conceitos Gerais Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Forças de marketing que conduzem à arquitetura cliente/servidor "Cliente/Servidor é um movimento irresistível que está reformulando

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos (Re)Introdução 1 Organização Definição Características essenciais dos sistemas distribuídos Desafios principais 2 Definição Um sistema distribuído é... um conjunto de componentes

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 REPLICAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER 2012 Renata Azevedo Santos Carvalho 1 RESUMO Neste artigo serão relatadas as novidades que o SQL Server 2012 vem trazendo nesta sua nova versão no que se

Leia mais

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Pergunta O que é o teste de velocidade? Quem é o público alvo? O que oferece? Como funciona? Por onde é o acesso? Resposta Um teste de qualidade de banda

Leia mais

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs Rogers Rodrigues Garcia 1, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil rogersgarcia@live.com, juliocesarp@unipar.br Resumo:

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula 2

Sistemas Distribuídos Aula 2 Sistemas Distribuídos Aula 2 Prof. Alexandre Beletti Ferreira Tipos de Sistemas Distribuídos Sistemas de Computação Distribuída Alta Disponibilidade / Balanceamento de carga Alto Desempenho 1 Sistemas

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1) Em relação à manutenção corretiva pode- se afirmar que : a) Constitui a forma mais barata de manutenção do ponto de vista total do sistema. b) Aumenta a vida útil dos

Leia mais

Distributed Systems Concepts and Design

Distributed Systems Concepts and Design Distributed Systems, Cap 2, Coulouris Pag. 1 de 1 Distributed Systems Concepts and Design 2 Modelos de Sistemas Modelos de arquitetura de sistemas distribuídos, estão relacionado com o local onde estão

Leia mais

Caracterização de Sistemas Distribuídos

Caracterização de Sistemas Distribuídos Aula 1 Caracterização de Sistemas Distribuídos Prof. Dr. João Bosco M. Sobral mail: bosco@inf.ufsc.br - página: http://www.inf.ufsc.br/~bosco Rodrigo Campiolo mail: rcampiol@inf.ufsc.br - página: http://ww.inf.ufsc.br/~rcampiol

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento QUESTÕES DE TI QUESTÃO 16 Considerando-se o número de pontos de função para a estimativa do tamanho de um software, é INCORRETO afirmar que, na contagem de pontos, leva-se em consideração A) as compilações

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Configuração SERVIDOR.

Configuração SERVIDOR. REQUISITOS MINIMOS SISTEMAS FORTES INFORMÁTICA. Versão 2.0 1. PRE-REQUISITOS FUNCIONAIS HARDWARES E SOFTWARES. 1.1 ANALISE DE HARDWARE Configuração SERVIDOR. Componentes Mínimo Recomendado Padrão Adotado

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS CUP Disk Memoey CUP Memoey Disk Network CUP Memoey Disk Comunicação em Sistemas Distribuídos Sumário Modelo Cliente e Servidor Troca de Mensagens Remote Procedure Call Comunicação

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

BANCOS DE DADOS MÓVEIS

BANCOS DE DADOS MÓVEIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EDUARDO GALLIANO BANCOS DE DADOS MÓVEIS Londrina 2007 EDUARDO GALLIANO BANCOS DE DADOS MÓVEIS Monografia apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Redes de Computadores

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais