RESOLUÇÃO CONEMA 06/2011. Art. 2º. Para os fins desta Resolução são adotadas as seguintes definições:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESOLUÇÃO CONEMA 06/2011. Art. 2º. Para os fins desta Resolução são adotadas as seguintes definições:"

Transcrição

1 RESOLUÇÃO CONEMA 06/2011 DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE POSTOS (REVENDEDORES E DE ABASTECIMENTO), SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTÍVEIS, POSTOS FLUTUANTES E DEMAIS INSTALAÇÕES QUE UTILIZAM SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE COMBUSTIVEIS E/OU QUE EFETUEM TROCA DE ÓLEO E/OU LAVAGEM DE VEÍCULOS. Art. 1º. A construção, a instalação, a reforma e a operação de Postos Revendedores e de Abastecimento de Combustíveis e Lubrificantes, bem como a instalação de sistemas Retalhistas de Combustíveis, Postos Flutuantes e estabelecimentos que efetuem os serviços de troca de óleo e/ou lavagem de veículos dependem de licença ambiental, emitida pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (Idema), ou por órgão municipal competente, respeitadas as condições estabelecidas nesta Resolução e em outras normas pertinentes a esse tipo de atividade. Art. 2º. Para os fins desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Posto Revendedor instalação onde se exerce a atividade de revenda varejista de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível e outros combustíveis automotivos, dispondo de equipamentos e sistemas para armazenamento de combustíveis automotivos e equipamentos medidos; II - Posto de Abastecimento instalação que possui equipamentos e sistemas para o armazenamento de combustíveis automotivo, com registrador de volume apropriado para o abastecimento de equipamentos móveis, veículos automotores terrestres, aeronaves, embarcações ou locomotivas e cujos produtos sejam destinados exclusivamente ao uso do detentor das instalações ou de grupos fechados de pessoas físicas ou jurídicas, previamente identificadas e associadas em forma de empresas, cooperativas, condomínios, clubes ou assemelhados; III - Instalação de Sistema Retalhista instalação com sistema de tanque para o armazenamento de óleo diesel e/ou de óleo combustíveis e/ou querosene iluminante, destinada ao exercício da atividade de Transportador Revendedor Retalhista; IV Posto Flutuante toda embarcação sem propulsão empregada para o armazenamento, distribuição e comércio de combustíveis que opera em local fixo e determinado. V Serviços de troca de óleo - é a retirada e armazenamento adequado do óleo usado ou contaminado do veículo ou equipamento que o utilizou até o momento da sua coleta, bem como reposição de óleo novo, efetuada pelo revendedor ou pelos estabelecimentos que executem esses serviços;

2 VI Serviços de lavagem de veículos - Inclui os serviços de Lavagem, limpeza e higienização externa e interna de veículos, inclusive lavagem do motor, onde se utilizam água, sabão, detergente, produtos químicos, fungicidas e bactericidas. Também são utilizados serviços de polimento de pintura com a utilização de ceras específicas. Parágrafo único. O Posto Revendedor poderá ser classificado da seguinte forma: I - Posto de venda: aquele destinado exclusivamente à venda a varejo de combustíveis e lubrificantes para veículos automotores; II - Posto de serviço: aquele que, além de exercer preponderantemente a atividade prevista no inciso anterior, também se dedica a uma ou mais das seguintes atividades: a) Lavagem e lubrificação de veículos; b) Suprimento de água e ar; c) Comércio de peças e acessórios para veículos e de artigos relacionados com a higiene, conservação, aparência e segurança de veículos; d) Comércio de bar, restaurante, café, mercearia e similares. Art. 3º. No que se refere à área do empreendimento e distâncias envolvidas, somente será licenciado aquele que satisfaça a legislação municipal. Parágrafo único. Caso o terreno proposto já tenha abrigado atividades similares no passado, o empreendedor deverá realizar um estudo de Investigação do Passivo Ambiental, de acordo com as orientações do órgão ambiental competente (Anexo 2), e quando necessário estudo de investigação detalhada da qualidade do solo e água subterrânea e avaliação de risco de acordo com as orientações do Anexo 3, a fim de verificar eventual contaminação da área e necessidade de intervenções destinadas à remediação do dano. Art. 4º. As novas instalações do Sistema de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis (SASC) e/ou Sistema de Armazenamento Aéreo de Combustíveis (SAAC), e as que vierem a ser substituídas ou ampliadas, deverão atender às disposições das normas de construção e instalação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). 1º Os tanques para armazenagem de combustíveis nos postos revendedores e pontos de abastecimento existentes deverão atender às normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. 2º Para as novas instalações de SASC, somente será admitida a utilização de tanques revestidos ou jaquetados (parede dupla), de acordo com as Normas Brasileiras (NBRs) e º Para as novas instalações de SAAC em Pontos de Abastecimento (PAs) somente será admitida utilização de tanques que atendam às NBRs e É vedada a utilização de tanques recuperados em instalações subterrâneas (SASC);

3 5º Os testes de estanqueidade do SASC e do Sistema Subterrâneo de Armazenamento de Óleo Usado deverão ser realizados conforme a NBR , antes da entrada em operação do empreendimento e, a partir daí, em periodicidade da seguinte forma: a) SASC com tanque de parede simples e Sistema Subterrâneo de Armazenamento de Óleo Usado: a cada 12 meses. b) SASC com tanque de parede dupla, conforme NBR : a cada 60 meses. 6º Em casos de sistemas não estanques o empreendedor deverá proceder à retirada imediata do produto (combustível) e ao lacre dessas instalações, a fim de que se cesse a fonte de contaminação. 7º Os tanques sem condição de uso deverão ser removidos e ter sua destinação final adequada de acordo com a NBR º Os postos que comercializam GNV devem efetuar testes de estanqueidade/integridade no sistema conforme NBR º Os tanques subterrâneos que apresentarem vazamento deverão ser removidos após sua desgaseificação e limpeza e dispostos de acordo com as exigências do órgão ambiental competente. Comprovada a impossibilidade técnica da sua remoção, estes deverão ser desgaseificados, limpos, preenchidos com material inerte e lacrados; 10 Os tanques removidos após devidamente recuperados poderão ser utilizados como tanques de superfície ou elevados desde que atendam às normas da ABNT. Art. 5º. Os estabelecimentos deverão dispor do Manual de Operação do Posto, contendo os procedimentos de manutenção, operação, prevenção e controle de acidentes, a serem adotados para evitar a ocorrência de eventos que possam comprometer a segurança da população e do meio ambiente, de acordo com a NBR 15594, o Plano de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA e o Art. 8º da Resolução CONAMA Nº 273/2000. Art. 6º. Em caso de acidentes ou vazamentos, os responsáveis pelo empreendimento, seus operadores, o proprietário do SASC/SAAC e GNV e as distribuidoras que fornecem o combustível ao estabelecimento responderão solidariamente pela adoção das medidas para o controle da situação de emergência, bem como para o saneamento/remediação das áreas impactadas. 1º Os responsáveis pelo empreendimento deverão comunicar, imediatamente, ao Idema ou ao órgão ambiental municipal competente, a ocorrência do acidente ou vazamento. 2º Independentemente da comunicação mencionada no parágrafo anterior, o operador, o proprietário da SASC/SAAC/GNV e as distribuidoras que fornecem os combustíveis ao estabelecimento deverão adotar as medidas emergenciais requeridas pelo evento, de forma a minimizar os riscos e os impactos às pessoas e ao meio ambiente. Art. 7º. Os Sistemas de Armazenamento Aéreo de Combustíveis (SAACs) previstos e apresentados pelo empreendedor deverão possuir bacia de contenção impermeável, atendendo às demais prescrições da NBR 15461, no que se refere ao dimensionamento, disposição dos tanques, comandos e válvulas.

4 Parágrafo único. Quando da instalação do SAAC, os testes de integridade devem apresentar resultados de inspeções técnicas realizadas nos tanques do empreendimento conforme termo de referência fornecido pelo IDEMA, ou órgão municipal competente, contendo o roteiro para inspeção de tanques aéreos de armazenamento de combustíveis e suas tubulações, conforme o Anexo 5. Art. 8º. As instalações de lavagem de veículos deverão possuir caixa de areia, piso impermeável, contenção lateral, sistema de drenagem oleosa com tratamento de efluentes independente, de acordo com Normas da ABNT e outras especificações do órgão ambiental licenciador. Parágrafo único. O lançamento de efluentes deverá atender aos padrões estabelecidos na legislação ambiental vigente e Normas da ABNT. Art. 9º. Os pisos do estabelecimento deverão ser construídos com as seguintes especificações: a) Piso da área de abastecimento piso resistente às cargas móveis e impermeável com caimento de no mínimo 1% (um por cento) para o sistema de drenagem que deverá estar localizado internamente à projeção da cobertura e direcionado, por meio de canaletas, para o sistema separador de água/óleo (SAO), não podendo receber águas pluviais advindas das coberturas ou dos demais pisos, excetuando o piso da área de descarga de combustíveis; b) Piso da área de descarga piso resistente às cargas e impermeável com caimento de no mínimo 1% (um por cento) para o sistema de drenagem e direcionado, por meio de canaletas, para o SAO próprio ou da pista de abastecimento. No caso especifico das descargas diretas para tanques aéreos, o sistema de drenagem deverá ser direcionado para uma caixa de segurança ligada ao SAO; c) Piso da área de lavagem de veículos o piso deverá drenar as águas servidas para sistemas de tratamento (SAO), não possibilitando seu acúmulo e/ou infiltração. Art. 10. O óleo usado ou contaminado deverá ser armazenado em tanques subterrâneos de parede dupla ou tanques aéreos situados em bacia de contenção impermeável, coberta, dotada com registro de fecho rápido para controle de vazão e com drenagem para o SAO. 1º A área de descarga do tanque subterrâneo deverá ser de piso impermeável e envolto por calhas de contenção, direcionando para o SÃO. 2º O óleo usado ou contaminado deverá ser enviado para empresa de re-refino, devidamente licenciada pelo órgão ambiental competente onde está localizada e pela Agencia Nacional de Petróleo (ANP). 3º A transportadora do produto também deverá estar licenciada pelo órgão ambiental competente. Art. 11. As áreas de abastecimento deverão ser dotadas de cobertura.

5 Art. 12. Todos os resíduos oleosos provenientes das atividades reguladas por esta Resolução deverão receber acondicionamento, armazenamento, transporte, tratamento e destinação final adequados e serem executados por empresa devidamente licenciada pelo órgão ambiental competente. Art. 13. As instalações elétricas devem seguir as NBRs 14639, 8370 e Parágrafo único. É vedada a instalação de equipamentos elétricos que não sejam à prova de explosão ou de segurança intrínseca na área classificada, conforme a NBR Art. 14. É vedada a implantação de postos e sistemas retalhistas de combustíveis em áreas onde o lençol freático é aflorante. Parágrafo único. Será permitida a implantação de postos e sistemas retalhistas nos casos onde o lençol freático ultrapasse a meia-seção do SASC, e que não seja aflorante, considerando a situação mais desfavorável, ficando, neste caso, obrigada a comprovação da inexistência de alternativa locacional, além da sua ancoragem de acordo com a NBR Nestas condições, todos os postos e sistemas retalhistas serão considerados Classe 3. Art. 15. É vedada a instalação de novos postos de combustíveis, troca de óleo e lavagem de veículos, bem como de sistemas retalhistas de combustíveis, a uma distância mínima de 50 (cinquenta) metros a partir do limite das Áreas de Preservação Permanentes - APP e Unidades de Conservação de Proteção Integral, e outras áreas definidas em leis específicas. 1º - As instalações já existentes na faixa compreendida no caput do artigo serão enquadradas como Classe 3, pelos critérios estabelecidos pela NBR 13786, para fins de licenciamento ambiental; 2º - Os postos de combustíveis, bem como de sistemas retalhistas de combustíveis, que vierem a se instalar em Unidades de Conservação (UC) de Uso Sustentável, bem como nas zonas de amortecimento das Unidades de Conservação de Proteção Integral, serão enquadrados como Classe 3, pelos critérios estabelecidos pela NBR 13786, observado o Plano de Manejo e o Zoneamento da UC, para fins de licenciamento ambiental. Art. 16. Os níveis de ruído emitidos pelos empreendimentos deverão atender à NBR , conforme Resolução CONAMA nº 01/90 e a legislação estadual ou municipal vigente, adotando a mais restritiva. Art. 17. Os estabelecimentos em funcionamento na data de publicação desta Resolução e que disponham de Sistemas de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis (SASCs) deverão se adequar, de modo a atender aos seguintes requisitos mínimos, ou outros mais avançados tecnologicamente, em relação ao padrão de segurança dos equipamentos, permanecendo válidas as exigências dos artigos anteriores. I - Apresentar revisão de segurança seguindo as especificações listadas no Anexo 1; II - Estudo de Investigação do Passivo Ambiental em conformidade com as orientações do Anexo 2, a fim de averiguar contaminação da área e necessidade de intervenções destinadas à remediação do dano ambiental;

6 III - Estudo de investigação detalhada da qualidade do solo e água subterrânea e avaliação de risco de acordo com as orientações do Anexo 3. No caso de haver necessidade de remediação, os responsáveis pelo empreendimento deverão implementar as medidas corretivas cabíveis, que deverão ser aprovadas pelo órgão ambiental competente; IV Apresentar plano de adequação das instalações; V Apresentar plano de intervenção para tratamento de passivos que respeite as orientações fixadas no Anexo 4; VI Implantar os dispositivos constantes no Anexo 7. Art. 18. O prazo para adequação dos SASCs ao padrão mínimo estabelecido no artigo anterior será, de acordo com os critérios a seguir, válido após a emissão da licença ambiental. I para os SASCs com idade comprovadamente inferior a 20 (vinte) anos, o prazo de substituição será estabelecido pelo órgão ambiental competente com base na classificação do estabelecimento nos termos da NBR , na análise do tipo de material das instalações e equipamentos existentes, bem como na análise de outros fatores que possam comprometer a vida útil dos equipamentos; II para os SASCs com idade superior a 20 (vinte) anos ou que não tenham a idade comprovada, o prazo de substituição será de até 2 (dois) anos, a partir da data de emissão da Licença de Regularização de Operação LRO. Parágrafo único. Durante o transcurso do prazo concedido para adequação dos SASCs, para os tanques com idade superior a 10 (dez) anos, os testes de estanqueidade deverão ser realizados anualmente. Art. 19. O órgão ambiental competente deverá requerer a lavratura de Termo de Ajustamento de Conduta - TAC, referente à remediação do passivo ambiental. Parágrafo único. O TAC mencionado no caput deverá ser assinado pelos responsáveis pelo empreendimento, podendo envolver o operador do estabelecimento, o proprietário do SASC e as distribuidoras que fornecem combustível ao estabelecimento. Art. 20. Caso haja necessidade de remoção de tanques subterrâneos a operação deverá seguir as orientações do Anexo 6. Art. 21. Durante o processo de licenciamento ambiental, em caso de não atendimento de uma Solicitação para Providências pelo empreendedor, o órgão ambiental competente emitirá uma Notificação concedendo um prazo mais exíguo para o seu cumprimento. Parágrafo único. O descumprimento da Notificação implicará: I O arquivamento do processo de licenciamento; II - Notificação acautelatória para paralisação da atividade.

7 DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS E FINAIS Art. 22. Ficam, desde já, convocados ao licenciamento ambiental corretivo, no prazo máximo de 6 (seis) meses a partir da data de publicação desta Resolução, todos os estabelecimentos implantados no Estado de Rio Grande do Norte, e que não possuem processo de licenciamento ambiental no Órgão ambiental competente. Art. 23. As referências às normas da ABNT abrange as normas em vigor e aquelas que venham a substituí-las ou a serem instituídas. Art. 24. Compete ao plenário do CONEMA a análise de propostas de alteração desta Resolução. Art. 25. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Anexo 1 - Revisão de segurança Anexo 2 Estudo de Investigação do Passivo Ambiental Anexo 3 - Estudo de investigação detalhada da qualidade do solo e água subterrânea e avaliação de risco Anexo 4 - Plano de intervenção para tratamento de passivos Anexo 5 - Roteiro para inspeção de tanques aéreos de armazenamento de combustíveis e suas tubulações Anexo 6 Análise de fundo de cava Anexo 7 Requisitos mínimos a serem atendidos (ABNT 13786, Tabela A2) a) Descargas seladas com câmara de contenção de descargas; b) Câmara de acesso à boca de visita dos tanques de armazenamento de combustíveis; c) Câmara de contenção sob as unidades abastecedoras; d) Sistema de armazenagem de combustível de acordo com a classificação do posto de serviço, em conformidade com o disposto na Norma da ABNT; e) Sistema de distribuição de combustível constituído por material não corrosivo, impermeável e sem emendas; f) válvulas de proteção contra transbordamento; g) Válvulas de retenção junto às bombas de abastecimento;

8 h) Piso totalmente impermeabilizado nas áreas de abastecimento e descarga de combustíveis, com canaletas de contenção na projeção da cobertura de bombas devidamente interligadas a caixa separadora de água e óleo; i) Caixas separadoras de óleo, graxas e água, com placas coalescentes e caixa de areia, quando for exercida a atividade de lavagem de veículos, devidamente conectadas à rede de esgoto ou sistema de fossa e sumidouro; j) Vala seca totalmente impermeabilizada para troca de óleo, dotada de equipamento de sucção e tanque de armazenamento de óleo lubrificante usado ou contaminado; k) Equipamento de segurança e combate a incêndio, de acordo com as normas dos órgãos competentes.

9 1 REVISÃO DE SEGURANÇA POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS NÚMERO IDENTIFICADOR DO POSTO NO MINISTÉRIO PÚBLICO DO RN IMP I. INFORMAÇÕES PRELIMINARES: Nome: Data: Hora: IDENTIFICAÇÃO DO PERITO RESPONSÁVEL PELA REVISÃO DE SEGURANÇA IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Número do Processo: Tipo de Licença: LP ( ) LI ( ) LO ( ) Outra ( ) Validade da Licença: IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço Completo: Telefone: Bandeira do Posto: Data de Início da Operação: Coordenadas Geográficas: Lat: SUL Long: OESTE ( ) Zona urbana comercial ( ) Zona urbana rural Localização: ( ) Zona fluvial/lacustre ( ) Zona marítima ( ) Outra. Especificar: Documentos Apresentados

10 2 II. INFORMAÇÕES TÉCNICAS DO EMPREENDIMENTO: 1) Compartimento de Tanque de Combustível Nº Tipo Combustível /óleo Usado Vol. Litros x 1000) Tipo do Tanque Teste de Estanqueidade (Data) NBR /2006 Real Idade (Ano) Estimada Nota Fiscal (número) OBS.: (*) Tanque Desativado Documentos Apresentados

11 3 2) Unidade das Bombas/Bicos - Combustíveis (L) UNIDADE Nº. Bombas Bicos Combustível Nº. INMETRO Status de Aprovação Nº. 01 Nº. 02 Nº. 03 Nº. 04 Bomba 01 Bomba 02 Bomba 03 Bomba 01 Bomba 02 Bomba 03 Bomba 01 Bomba 02 Bomba 03 Bomba 01 Bomba 02 Bomba 03 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02

12 4 Unidade das Bombas/Bicos - Combustíveis (L) (CONTINUAÇÃO) Unidade Nº. Bombas Bicos Combustível Nº. INMETRO Status de Aprovação Nº. 05 Nº. 06 Nº. 07 Nº. 08 Bomba 01 Bomba 02 Bomba 03 Bomba 01 Bomba 02 Bomba 03 Bomba 01 Bomba 02 Bomba 03 Bomba 01 Bomba 02 Bomba 03 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02

13 5 Dispensers (GNV) Unidade Nº. Dispenser Bicos Combustível Nº. INMETRO Status de Aprovação Nº. 01 Dispenser 01 Dispenser 02 Dispenser 03 Dispenser 01 Dispenser 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Nº 02 Dispenser 03 Dispenser 01 Dispenser 02 Nº 03 Dispenser 03 Dispenser 01 Dispenser 02 Nº 04 Dispenser 03 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02 Bico 01 Bico 02

14 6 3) Certificado de Posto Revendedor de Combustível da ANP: Nº Autorização ANP (AHC/G/D/GNV): Nº Autorização ANP (GLP): Tipos Autorizados: ( ) AHC/G/D ( ) AHC/G/D/GNV ( ) GLP ( ) Não possui Revendendo: ( ) AHC/G/D ( ) AHC/G/D/GNV ( ) GLP 4) Lavagem de Veículos: ( ) Sim ( ) Não 5) Posto opera com Troca de Óleo: ( ) Sim ( ) Não 6) Destino Final dos Resíduos: (Resolução CONAMA Nº 362/2005) Oleoso líquido: Óleo Usado ou Queimado ( ) / Água oleosa ( ) ( ) Coleta pública ( ) Coletor licenciado ANP: Coleta Número: Nome do Coletor: CNPJ do Coletor: OBS: Resíduos Industriais da Troca de Óleo (Latas/Frascos de óleo lubrificante, estopas, areia, etc.) Classe I (NBR /2004) ( ) Coleta pública ( ) Coletor licenciado IDEMA: Coleta Número: Nome do Coletor: CNPJ do Coletor: OBS:

15 7 Resíduos Industriais Produzidos na Borracharia (Resolução Conama Nº 258/1999) ( ) Coleta pública ( ) Coletor licenciado IDEMA ou IBAMA: Coleta Número: Nome do Coletor: CNPJ do Coletor: OBS: Resíduos Domésticos (Escritório/Conveniência): ( ) Coleta pública ( ) Outro: OBS: 7) Resíduos Domésticos com Coleta seletiva? ( ) Sim. ( ) Não Quanto ao Acondicionamento: ( ) Dispostos de forma adequada ( ) Dispostos de forma inadequada. Descrever: 8) Tanque de Armazenamento de Óleo Usado/Contaminado (NBR15072/2004) ( ) Sim. ( ) Não Tipo Quantidade Volume (L) Aéreo Subterrâneo Tambor Metálico Tambor de Plástico Outro

16 8 9) Outros Serviços: Borracharia: ( ) Sim ( ) Não Lanchonete: ( ) Sim ( ) Não Restaurante: ( ) Sim ( ) Não Loja de Conveniência: ( ) Sim ( ) Não Estacionamento: ( ) Sim ( ) Não Pousada: ( ) Sim ( ) Não Oficina Mecânica: ( ) Sim ( ) Não Escritório/Administração ( X ) Sim ( ) Não 10) Fonte de Água Utilizada para o Abastecimento: ( ) Rede Pública ( ) Poço tubular próprio, outorga SEMARH nº. ( ) Nascente ( ) Lagoa(s). Nome(s): ( ) Arroio(s). Nome(s): ( ) Rio(s). Nome(s): 11) Lançamento de Efluentes Domésticos (Banheiros): Sistema de tratamento: ( ) Fossa/Sumidouro ( ) Esgoto Público ( ) Outro. Especificar: 12) Pisos: Abastecimento Troca de Óleo Área Descarga Direta ( ) Descarga à Distancia ( ) Lavagem Estacionamento Outra Paralelepípedo Tipo de Pavimentação Existente Concreto Armado Impermeabilizado Outro Tipo (especificar)

17 9 13) Cobertura: Área Tipo de cobertura Obs. Abastecimento ( )Metálica ( ) Laje ( )Toldo ( ) Outro Troca de Óleo ( )Metálica ( ) Laje ( )Toldo ( ) Outro Descarga ( )Metálica ( ) Laje ( )Toldo ( ) Outro Lavagem ( )Metálica ( ) Laje ( )Toldo ( ) Outro Administração ( )Metálica ( ) Laje ( )Toldo ( ) Outro Estacionamento ( )Metálica ( ) Laje ( )Toldo ( ) Outro Outra ( )Metálica ( ) Laje ( )Toldo ( ) Outro 14) Canaletas de escoamento de efluentes oleosos na área de: Local Sim Não Obs. Abastecimento Descarga Direta Descarga à Distância Tanques Subterrâneos (SASC): Troca de Óleo Tanque de Óleo Usado/Contaminado Lavagem de Veículos Compressor de Ar Gerador Elétrico Outros 15) Destino Final dos Efluentes das Canaletas do SASC em Geral (NBR14605): Local Sim Não Obs. Direto para via pública: Caixa separadora óleo/água Fossa/sumidouro: Outro Especificar: 16) Habite-se, emitido pelo Corpo de Bombeiros, atualizado: ( ) Não ( ) Sim. Nº Validade: / /. 17) Alvará de Funcionamento, emitido pela Prefeitura Municipal, atualizado: ( ) Não Sim ( ) Nº Validade: / /.

18 10 18) Certificado de treinamento teórico e prático para os funcionários do posto em operação, manutenção e reposta a incidentes: ( ) Sim. Data do treinamento: / / Não ( ) 19) Pára-Raios: ( ) Sim ( ) Não (SPDA -NBR-5419) 20) Monitoramento do SASC: ( ) Manual (c/ Régua) ( ) Automático ( ) Controle Estatístico de Inventário: Nome do Profissional Responsável: CREA do Profissional Responsável: Número da última ART: 21) Equipamentos Elétricos ligados nas Áreas de Abastecimento (NBR /2001 e /1994): ( ) Não ( ) Sim. Quais? ( ) Distância > 6 m (Altura < 0,5) das bombas: Sim ( ) Não ( ) ( ) Distância > 3 m dos Dispensers: Sim ( ) Não ( ) ( ) Não se aplica ( ) Altura > 0,5 m do solo (pontos elétricos): Sim ( ) Não ( ) 22) Área de Armazenamento de GLP (NBR /2007): - Sim ( ) Não ( ) - Classe: I ( ) II ( ) Classe Capacidade (kg) Capacidade (botijão 13kg) Distância p/bombas e pontos elétricos (m) Extintor Incêndio Validade I Até 520 Até 40 Sim ( ) Não( ) II Até 1560 Até 120 Sim ( ) Não( ) Referência: mínimo entre 5 a 15 m e no máximo de capacidade de armazenamento de 120 botijões de 13 kg de GLP Código de Segurança e Prevenção Contra Incêndio e Pânico do Estado do Rio Grande do Norte Cap. V, Seção VII, íqui g e h).

19 11 23) Respiros: (NBR 13783/2004) - Distância para qualquer edificação (Referência Raio 1,5 m): Sim ( ) Não ( ) Obs.: 24) Equipamentos Existentes: DESCARGA SIM NÃO OBSERVAÇÕES Descarga direta Selada? ( ) Sim ( ) Não Descarga a distância Selada? ( ) Sim ( ) Não Câmara de contenção de descarga (spill container) Câmara de calçada Piso em concreto impermeabilizado Canaleta direcionando os efluentes oleosos para SAO Fio terra apropriado para descarga da Energia Estática dos caminhões transportadores (NR10 do MT) instalado no mínimo a 3m dos tanques LINHAS - SASC SIM NÃO OBSERVAÇÕES Tubulações em PEAD Tubulações em aço carbono galvanizado - Respiro Câmara de contenção para emenda de tubulação subterrânea (na transição entre tubulação metálica e tubulação não metálica) BOMBAS SIM NÃO OBSERVAÇÕES Câmara de contenção sob a unidade abastecedora (sump de bombas) Câmara de contenção sob a unidade de filtragem (sump de filtro de óleo diesel) Sensor de detecção de líquidos na câmara de contenção sob a unidade abastecedora Sensor de detecção de líquidos na câmara sob a unidade de filtragem de óleo diesel Flexíveis metálicos Válvula de retenção na linha de sucção check-valves Breakaway Unidades seladoras Kit Eliminador de ar Filtro de linha Piso em concreto impermeabilizado Canaleta direcionando os efluentes oleosos para SAO

20 12 RESPIROS SIM NÃO OBSERVAÇÕES Estruturas de concreto (proteção contra abalroamento) Tubulação em aço carbono galvanizado (parte aérea) Terminal de respiro Válvula de pressão e vácuo TROCA DE ÓLEO SIM NÃO OBSERVAÇÕES Tanque de armazenamento de parede dupla - subterrâneo Tanque de armazenamento de parede simples Aéreo ( ) Subterrâneo ( ) Tambor de armazenamento em: Polietileno ( ) Metálico ( ) Área coberta (box de troca) Valeta impermeável Elevador hidráulico ( ) pneumático ( ) Eletromecânico ( ) rampa ( ) Caixa coletora de óleo usado ou contaminado ligado diretamente ao tanque Canaleta direcionando os efluentes oleosos para SAO LAVA-JATO SIM NÃO OBSERVAÇÕES Proteção contra aspersão Piso em concreto impermeabilizado Canaleta direcionando os efluentes oleosos para SAO Sistema de separação água-óleo (SAO) (concreto/ alvenaria/aço-carbono) Com placas coalescentes? ( ) sim ( ) não Sistema de separação água-óleo (SAO) próprio com placas coalescentes (PEAD) Caixa de areia Caixa de saída dos efluentes oleosos Destino final dos efluentes oleosos: sumidouro Destino final dos efluentes oleosos: Sistema público de esgoto ( ) Drenagem Pluvial ( ) Última Análise físico-química dos efluentes oleosos (Teor de Óleos e Graxas - TOG)

21 13 CONTROLE DE VAZAMENTO SIM NÃO OBSERVAÇÕES Poço de monitoramento ambiental Monitoramento do sump de bomba Monitoramento do sump de tanque Monitoramento do sump de filtro Monitoramento do sump da tubulação (interligação) de respiro Monitoramento intersticial do tanque de parede dupla Medição volumétrica automática dos tanques Medição volumétrica manual dos tanques CONTROLE DE VAZAMENTO SIM NÃO OBSERVAÇÕES Investigação preliminar de passivo ambiental (VOC ou COV Carbono Orgânico Volátil) Investigação preliminar de solo e água do lençol freático Análise de risco e/ou gerenciamento e remediação de áreas contaminadas Ocorrência de Acidente Ambiental (data) Ocorrência de Remoção de Tanque NBR /2004 ELÉTRICOS/AUTOMAÇÃO/ATERRAMENTO SIM NÃO OBSERVAÇÕES Tomadas localizadas na pista de abastecimento (áreas classificadas) a prova de explosão Bujões, caixas de passagem, unidades seladoras e condutores em alumínio fundido à prova de explosão. Eletrodutos em aço galvanizado à prova de explosão Série pesada NBR 5598 Unidades seladoras Aterramento de tanques Aterramento de bombas Aterramento de cobertura metálica Computador da pista de abastecimento Equipamentos elétricos na pista de abastecimento (freezer, refrigerador, etc.). Extintores de Incêndio Validade sim ( ) não ( ) Automação das bombas GNV SIM NÃO OBSERVAÇÕES Parede corta fogo Detector de gás Instalações elétricas a prova de explosão Pressão no dispenser inferior a 220 kgf/cm 2 Canaleta direcionando os efluentes oleosos para SAO Armazenamento de óleo hidráulico do compressor de GNV adequado Extintores de Incêndio - sim ( ) não ( )

22 14 BORRACHARIA E OFICINA SIM NÃO OBSERVAÇÕES Armazenamento adequado dos pneus Destino final dos pneus: lixão ( ) aterro sanitário ( ) recolhido pelo fabricante ( ) outro ( ) Armazenamento de óleo usado ou contaminado em área coberta em tambor com bacia de contenção 25) Responsável pelas Informações (por parte do Empreendimento): Nome: Função: CPF: Celular: Data: / /. Natal, / /20. Nome do Perito: CPF. RG:

23 Anexo 2 TERMO DE REFERÊNCIA ESTUDO DE INVESTIGAÇÃO DE PASSIVO AMBIENTAL PARA POSTOS E SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTÍVEIS

24 I. DIRETRIZES GERAIS O roteiro para elaboração deste estudo foi desenvolvido com base nos Procedimentos para Identificação de Passivos Ambientais em Estabelecimentos com Sistemas de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis (SASC), adotados pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo CETESB, aprovados em O objetivo do Estudo de Investigação do Passivo Ambiental é identificar a presença de hidrocarbonetos no subsolo, resultante de uma contaminação provocada por vazamentos ou derramamentos de combustíveis e lubrificantes em postos ou sistemas retalhistas que utilizam SASC. O método proposto neste documento contempla várias ações apresentadas de forma detalhada no item II, a seguir. A última dessas ações consiste na emissão de um relatório, que deverá ser entregue ao Órgão ambiental competente, em 02 (duas) cópias: uma em meio impresso e outra em meio digital. II. DETALHAMENTO DAS AÇÕES NECESSÁRIAS 1. Comunicação ao Órgão ambiental competente Antes de iniciar os trabalhos, a empresa contratada para realizar a investigação do passivo ambiental de determinada área, deverá apresentar expressamente ao Órgão ambiental as seguintes informações: a ) Razão social da empresa contratada, CNPJ, endereço completo, telefone, responsável pela informação e seu ; b ) Razão social da empresa contratante, CNPJ, endereço completo, telefone, responsável pela contratação e seu ; c ) Local de execução do trabalho: Razão social do empreendimento, CNPJ, endereço e telefone; d ) Data de início e previsão de término dos trabalhos. 2. Coleta de dados básicos da área; Esses dados devem ser coletados por meio de entrevistas com pessoas que conheçam a área, tais como o proprietário do empreendimento e/ou do terreno, antigos e atuais empregados do empreendimento, funcionários de concessionárias de serviços públicos (água e esgoto, principalmente), vizinhos, entre outros. O objetivo desse levantamento é obter as seguintes informações: a ) O histórico das construções da área, considerando eventuais melhorias, demolições e reformas realizadas; b ) O histórico da operação com combustíveis na área; c ) As atuais operações com combustíveis; d ) Os sistemas de drenagem existentes na área (água pluvial e esgoto);

PROCEDIMENTO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

PROCEDIMENTO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS PROCEDIMENTO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS Este documento apresenta o procedimento a ser adotado na identificação de passivos ambientais em postos revendedores e de

Leia mais

Diário Oficial Nº. 31996 de 12/09/2011 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE ANEXO II DA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11/2011

Diário Oficial Nº. 31996 de 12/09/2011 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE ANEXO II DA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11/2011 Diário Oficial Nº. 31996 de 12/09/2011 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE ANEXO II DA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11/2011 Número de Publicação: 280632 TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR 087 PROCEDIMENTO PARA REMOÇÃO DE TANQUES SUBTERRÂNEOS DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO E ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL

TERMO DE REFERÊNCIA TR 087 PROCEDIMENTO PARA REMOÇÃO DE TANQUES SUBTERRÂNEOS DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO E ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL TERMO DE REFERÊNCIA TR 087 PROCEDIMENTO PARA REMOÇÃO DE TANQUES SUBTERRÂNEOS DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO E ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL Este documento apresenta o procedimento a ser adotado na remoção

Leia mais

PORTARIA Nº. 018, DE 20 DE OUTUBBRO DE 2004.

PORTARIA Nº. 018, DE 20 DE OUTUBBRO DE 2004. PORTARIA Nº. 018, DE 20 DE OUTUBBRO DE 2004. Dispõem sobre a investigação de passivo ambiental em prestadores de serviços de revenda, distribuição, armazenamento e abastecimento de combustíveis veiculares,

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A REMOÇÃO DE TANQUES E DESMOBILIZAÇÃO DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO E ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS

PROCEDIMENTO PARA A REMOÇÃO DE TANQUES E DESMOBILIZAÇÃO DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO E ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS ANEXO VI (a que se refere o artigo 1, inciso VI, da Decisão de Diretoria n 010/2006/C) PROCEDIMENTO PARA A REMOÇÃO DE TANQUES E DESMOBILIZAÇÃO DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO E ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS

Leia mais

Investigação Confirmatória

Investigação Confirmatória MODULO 3 Gestores e Técnicos Ambientais Procedimentos para postos e sistemas retalhistas Licenciamento Ambiental Recebimento de Denúncia ou Reclamação Medidas Emergenciais Nenhuma intervenção necessária

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 O Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA, no uso das competências que lhe foram conferidas pela Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS EM ESTABELECIMENTOS COM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO SUBTERRÂNEO DE COMBUSTÍVEIS (SASC)

PROCEDIMENTO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS EM ESTABELECIMENTOS COM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO SUBTERRÂNEO DE COMBUSTÍVEIS (SASC) ANEXO IV (a que se refere o artigo 1, inciso IV, da Decisão de Diretoria n 010/2006/C) PROCEDIMENTO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS EM ESTABELECIMENTOS COM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO SUBTERRÂNEO

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS EM ESTABELECIMENTOS COM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO AÉREO DE COMBUSTÍVEIS (SAAC)

PROCEDIMENTO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS EM ESTABELECIMENTOS COM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO AÉREO DE COMBUSTÍVEIS (SAAC) ANEXO V (a que se refere o artigo 1, inciso V, da Decisão de Diretoria n 010/2006/C) PROCEDIMENTO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS EM ESTABELECIMENTOS COM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO AÉREO DE COMBUSTÍVEIS

Leia mais

AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE

AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE Conforme a Lei Estadual nº 1., de de embro de 200, FORMULÁRIO PARA EMPREENDIMENTOS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO NOME: IDENTIDADE: ENDEREÇO: ÓRGÃO EXPEDIDOR:

Leia mais

III - ANEXO I e ANEXO II (Conforme Resolução CONAMA n. 273/2000)

III - ANEXO I e ANEXO II (Conforme Resolução CONAMA n. 273/2000) III - ANEXO I e ANEXO II (Conforme Resolução CONAMA n. 273/2000) 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO Nome: Endereço: CEP: CPF: RG: e-mail: 2. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Nome Fantasia:

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

SISTEMA DE LICENCIAMENTO DE POSTOS II - Quadros de Exigências para o Licenciamento Ambiental de Postos e Sistemas Retalhistas de Combustíveis

SISTEMA DE LICENCIAMENTO DE POSTOS II - Quadros de Exigências para o Licenciamento Ambiental de Postos e Sistemas Retalhistas de Combustíveis A = Aplicável NA = Não Aplicável Quadro 1 Documentação Necessária para obtenção de LP e LI SASC SAAC* GNV Item Descritivo Reforma Condição Novo Reforma Condição Novo*** C.Mínimas C.Mínimas Completa Intermed.

Leia mais

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 O Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA, no uso das competências que lhe foram conferidas pela Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

POSTOS E SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTÍVEIS ROTEIRO PARA POSTOS NOVOS REFORMA E AMPLIAÇÕES PROCEDIMENTOS PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE POSTOS E SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTÍVEIS CAD ADASTRO ASTRO

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Armazenamento e Comercialização de Produtos Agroquímicos

Leia mais

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS LICENÇA PRÉVIA - Documentação necessária 1. Requerimento Padrão definido pelo IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Cadastro do empreendimento, definido

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 09.00 GRUPO/ATIVIDADES 09.07 Postos de Revenda de Combustíveis e Derivados de Petróleo com ou sem lavagem e ou lubrificação de veículos PPD M AGRUPAMENTO NORMATIVO

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UM POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS (PRC) NA CIDADE DE NATAL/RN

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UM POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS (PRC) NA CIDADE DE NATAL/RN DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UM POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS (PRC) NA CIDADE DE NATAL/RN Cleciana Raylle Lopes Ferreira¹ ; Dayanne Costa da Silva²; Estefhany Marreiros de Lima³; Robson Garcia da Silva

Leia mais

ROTEIRO ORIENTATIVO. anteriores, com as medidas de controle ambiental e condicionantes determinadas para a operação.

ROTEIRO ORIENTATIVO. anteriores, com as medidas de controle ambiental e condicionantes determinadas para a operação. ROTEIRO ORIENTATIVO POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS, POSTO DE ABASTECIMENTO E INSTALAÇÕES DE SISTEMA RETALHISTA LICENÇA PRÉVIA LP 1, LICENÇA DE INSTALAÇÃO LI 2 e LICENÇA DE OPERAÇÃO LO 3 Documentos GERAIS

Leia mais

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS LICENÇA PRÉVIA 1. Formulário de requerimento padrão dirigido à Presidência do IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Comprovante de pagamento da Taxa de Concessão da Licença

Leia mais

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Requisitos e procedimentos para expedição do Licenciamento Ambiental de postos de combustíveis instalados/localizados e/ou a serem

Leia mais

zeppini@zeppini.com.br www.zeppini.com.br Estrada Sadae Takagi, 665 CEP 09852-070 Fone (11) 4393-3600 Fax (11) 4393-3609 Zeppini Comercial Ltda

zeppini@zeppini.com.br www.zeppini.com.br Estrada Sadae Takagi, 665 CEP 09852-070 Fone (11) 4393-3600 Fax (11) 4393-3609 Zeppini Comercial Ltda + Sideraço Industrial do Brasil Ltda Rua Francisco Reis, 785-3º Distrito Industrial CEP 88311-710 Itajaí - SC Fone (47) 3341-6700 Fax (47) 3341-6717 vendas@sideraco.com.br www.sideraco.ind.br Zeppini Comercial

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000

RESOLUÇÃO Nº 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 RESOLUÇÃO Nº 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 O Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA, no uso das competências que lhe foram conferidas pela Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO -

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - INTRODUÇÃO Conforme a Resolução CONAMA 273 de 2000, postos de revenda e de consumo de combustíveis devem ser dotados de sistema de drenagem

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE POSTOS E SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTIVEIS ROTEIRO PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS

PROCEDIMENTO PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE POSTOS E SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTIVEIS ROTEIRO PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS PROCEDIMENTO PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE POSTOS E SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTIVEIS ROTEIRO PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS IINTRODUÇÃO O licenciamento ambiental de que trata este procedimento está previsto

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COMÉRCIO E SERVIÇOS POSTOS DE SERVIÇOS E COMBUSTÍVEIS (CÓDIGO: 08.04)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COMÉRCIO E SERVIÇOS POSTOS DE SERVIÇOS E COMBUSTÍVEIS (CÓDIGO: 08.04) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COMÉRCIO E SERVIÇOS POSTOS DE SERVIÇOS E COMBUSTÍVEIS (CÓDIGO: 08.04) CÓDIGO 08.00 08.04 GRUPO/ATIVIDADES COMÉRCIO E SERVIÇOS Postos de Revenda de Combustíveis e Derivados

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 273, de 29 de novembro de 2000 Publicada no DOU n o 5, de 8 de janeiro de 2001, Seção 1, páginas 20-23

RESOLUÇÃO CONAMA nº 273, de 29 de novembro de 2000 Publicada no DOU n o 5, de 8 de janeiro de 2001, Seção 1, páginas 20-23 LICENCIAMENTO AMBIENTAL Por atividade RESOLUÇÃO CONAMA nº 273 de 2000 RESOLUÇÃO CONAMA nº 273, de 29 de novembro de 2000 Publicada no DOU n o 5, de 8 de janeiro de 2001, Seção 1, páginas 20-23 Correlações:

Leia mais

Normas da ABNT precisam ser seguidas

Normas da ABNT precisam ser seguidas Normas da ABNT precisam ser seguidas Além das leis ambientais e toda a burocracia que o negócio da revenda exige, o revendedor precisa realizar os procedimentos de acordo com as normas da Associação Brasileira

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

CADASTRO 6- Garagens de ônibus, transportadoras e similares

CADASTRO 6- Garagens de ônibus, transportadoras e similares CADASTRO 6- Garagens de ônibus, transportadoras e similares 1. Identificação Empresa/Interessado: para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Fone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento:

Leia mais

CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS

CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS REQUERENTE SEÇÃO 1: DADOS DE IDENTIFICAÇÃO RAZÃO SOCIAL PRINCIPAL ATIVIDADE LOCAL DA ATIVIDADE BAIRRO CEP NOME DO REPRESENTANTE CARGO TEL. E RAMAL SEÇÃO 2: DADOS ADMINISTRATIVOS

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo atender as Resoluções CONAMA Nº 237/1997, 273/2000 e 319/2002, Norma Técnica da ABNT NBR 14973:2004, bem como outras normas da Associação Brasileira

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA LICENCIAMENTO ARMAZENAGEM E REVENDA DE COMBUSTIVEIS EM GERAL LICENÇA PRÉVIA 01 Requerimento de Licença; 02 Cadastro Serviços; 03 Guia de Recolhimento devidamente quitada; 04

Leia mais

CADASTRO 3 - Comércio varejista de combustível

CADASTRO 3 - Comércio varejista de combustível CADASTRO 3 - Comércio varejista de combustível 1. Identificação Empresa/Interessado: Nome fantasia: para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Fone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

O EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE DA REVENDA VAREJISTA

O EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE DA REVENDA VAREJISTA O EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE DA REVENDA VAREJISTA Diante do elevado número de autuações de postos revendedores pela Agência Nacional do Petróleo ANP, por situações que podem ser evitadas, lembramos

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 capa indice legislação postos abastecimento IT 1842 - Instrução

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2006 Disciplina o processo de licenciamento ambiental dos Postos Revendedores de Combustíveis localizados no Estado de Pernambuco, bem como os procedimentos a serem adotados

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC)

Leia mais

CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES

CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES Material disponibilizado pelo Fecombustíveis para a verificação do atendimento das principais demandas relativas à regulamentação da atividade e fiscalização. 1) Informações

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 25 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA REQUERIMENTO DAS LICENÇAS

Leia mais

Formulário para licenciamento de POSTOS DE LAVAGEM, OFICINAS MECÂNICAS E SIMILARES

Formulário para licenciamento de POSTOS DE LAVAGEM, OFICINAS MECÂNICAS E SIMILARES PREFEITURA MUNICIPAL DE ARROIO DO MEIO Formulário para licenciamento de POSTOS DE LAVAGEM, OFICINAS MECÂNICAS E SIMILARES DMA 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR Nome / Razão Social: CNPJ CPF End. n Bairro

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS,

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

FORMULÁRIO 06 CHAPEAÇÃO, OFICINA MECÂNICA, PINTURA AUTOMOTIVA, CENTRO DE DESMANCHE DE VEÍCULOS (CDV)

FORMULÁRIO 06 CHAPEAÇÃO, OFICINA MECÂNICA, PINTURA AUTOMOTIVA, CENTRO DE DESMANCHE DE VEÍCULOS (CDV) FORMULÁRIO 06 CHAPEAÇÃO, OFICINA MECÂNICA, PINTURA AUTOMOTIVA, CENTRO DE DESMANCHE DE VEÍCULOS (CDV) FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL A pessoa jurídica de direito privado, abaixo

Leia mais

LICENCIAMENTO MATADOUROS

LICENCIAMENTO MATADOUROS LICENÇA PRÉVIA (LP): LICENCIAMENTO MATADOUROS 1. Requerimento; 2. Publicações no diário oficial e jornal de grande circulação; 3. Comprovante de pagamento da taxa de licenciamento; 4. Cadastro do empreendimento

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ON LINE PARA RENOVAÇÃO DE LICENÇAS DE OPERAÇÃO PARA COMÉRCIO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS

Leia mais

POSTOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS. A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas desta instrução normativa.

POSTOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS. A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas desta instrução normativa. IN-05 POSTOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS INSTRUÇÕES GERAIS A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas desta instrução normativa. Sempre que julgar necessário a FMMA

Leia mais

Portaria n.º 108, de 06 de março de 2012.

Portaria n.º 108, de 06 de março de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 108, de 06 de março de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares O cina de Manutenção A localização deve obedecer os seguintes princípios: - Proximidade das unidades de maior concentração de equipamentos e das instalações sujeitas a manutenção mais freqüente; - Proximidade

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

DE COMBUSTÍVEIS POST

DE COMBUSTÍVEIS POST POSTOS E SISTEMAS RET ETALHIST ALHISTAS AS DE COMBUSTÍVEIS ROTEIRO PARA POST OSTOS JÁ EXISTENTES PROCEDIMENTOS PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE POSTOS E SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTÍVEIS CADASTRO 2001

Leia mais

LIC - LEVANTAMENTO DE INDÍCIOS DE CONTAMINAÇÃO EM IMÓVEIS URBANOS (para esclarecimentos consultar Anexo III) DATA DA VISITA: / /

LIC - LEVANTAMENTO DE INDÍCIOS DE CONTAMINAÇÃO EM IMÓVEIS URBANOS (para esclarecimentos consultar Anexo III) DATA DA VISITA: / / LIC - LEVANTAMENTO DE INDÍCIOS DE CONTAMINAÇÃO EM IMÓVEIS URBANOS (para esclarecimentos consultar Anexo III) 1. DADOS GERAIS DO IMÓVEL DATA DA VISITA: / / 1.1. Identificação do Imóvel: 1.2. Endereço: Cidade:

Leia mais

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1.

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele que possua ponto

Leia mais

FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES

FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL A pessoa jurídica de direito privado, abaixo identificada,

Leia mais

Norma Regulamentadora 20 - NR 20

Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Líquidos combustíveis e inflamáveis 20.1. Líquidos combustíveis. 20.1.1. Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Onofre Santo Agostini)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Onofre Santo Agostini) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Onofre Santo Agostini) Dispõe sobre a construção e reforma de postos revendedores de combustíveis, estabelece a obrigatoriedade na execução de medidas preventivas de

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Armazenamento e Revenda de Recipientes Transportáveis

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA O REQUERIMENTO DAS LICENÇAS AMBIENTAIS PARA POSTOS DE SERVIÇOS E OBTENÇÃO DA AUTORIZAÇÃO PARA SEU ENCERRAMENTO

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA O REQUERIMENTO DAS LICENÇAS AMBIENTAIS PARA POSTOS DE SERVIÇOS E OBTENÇÃO DA AUTORIZAÇÃO PARA SEU ENCERRAMENTO IT-1842.R-2 INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA O REQUERIMENTO DAS LICENÇAS AMBIENTAIS PARA POSTOS DE SERVIÇOS E OBTENÇÃO DA AUTORIZAÇÃO PARA SEU ENCERRAMENTO 1 - OBJETIVO Definir a documentação que deverá ser apresentada

Leia mais

A N E X O RESOLUÇÃO ANP Nº 20, DE 3.4.2014 - DOU 4.4.2014. Brasília, 04 de abril de 2014. Prezado (a) Revendedor (a),

A N E X O RESOLUÇÃO ANP Nº 20, DE 3.4.2014 - DOU 4.4.2014. Brasília, 04 de abril de 2014. Prezado (a) Revendedor (a), CIRCULAR SINDICOMBUSTÍVEIS-DF Nº 043/2014 Brasília, 04 de abril de 2014. Prezado (a) Revendedor (a), Enviamos, abaixo, cópia da Resolução ANP 20, de 03 de abril de 2014, publicada no DOU de 04.04.2014,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 038/09/SEMA

RESOLUÇÃO Nº 038/09/SEMA RESOLUÇÃO Nº 038/09/SEMA Dispõe sobre o licenciamento ambiental, estabelece condições e critérios para Postos de combustíveis e/ou Sistemas Retalhistas de Combustíveis e dá outras providências. O Secretário

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Armazenamento e Revenda de Recipientes Transportáveis

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP Nº 29, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999 Estabelece a regulamentação da atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível, mistura

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece as características de localização, construtivas e os procedimentos para uso do abrigo externo de armazenamento de

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

Atos Administrativos. PREFEITURA DE JACOBINA/BA www.sitiosoficiais.org/ba/prefeitura/jacobina JACOBINA, BAHIA SEGUNDA-FEIRA 28 DE MAIO DE 2012

Atos Administrativos. PREFEITURA DE JACOBINA/BA www.sitiosoficiais.org/ba/prefeitura/jacobina JACOBINA, BAHIA SEGUNDA-FEIRA 28 DE MAIO DE 2012 2 Atos Administrativos 3 Condicionantes Comprar madeira devidamente legalizada, e com Certificação Ambiental; Nas operações de corte de madeira, utilizardispositivo empurrador e guia de alinhamento; Devido

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 Correlação: Revoga a Resolução CONAMA nº 334/2003 Dispõe sobre os requisitos

Leia mais

LEI N 2529 DE 17 SE SETEMBRO DE 1997

LEI N 2529 DE 17 SE SETEMBRO DE 1997 LEI N 2529 DE 17 SE SETEMBRO DE 1997 REGULAMENTA A INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE POSTOS DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

OFICINAS MECÂNICAS E POSTOS DE LAVAGEM

OFICINAS MECÂNICAS E POSTOS DE LAVAGEM Informações para Solicitação de Licenciamento Ambiental de OFICINAS MECÂNICAS E POSTOS DE LAVAGEM no Âmbito do Município de Charqueadas (5.220,00 Oficina Mecânica / 3.421,00 Posto de Lavagem de Veículos)

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o licenciamento ambiental das atividades de transporte rodoviário de produtos perigosos (exceto os das classes 1 e 7 da Resolução ANTT 42) que circulam apenas no

Leia mais

Resoluções. ANP nº 12, de 21.3.2007, DOU 22.3.2207 Estabelece a Regulamentação para Operação e Desativação das Instalações de Ponto de Abastecimento.

Resoluções. ANP nº 12, de 21.3.2007, DOU 22.3.2207 Estabelece a Regulamentação para Operação e Desativação das Instalações de Ponto de Abastecimento. Resoluções ANP nº 12, de 21.3.2007, DOU 22.3.2207 Estabelece a Regulamentação para Operação e Desativação das Instalações de Ponto de Abastecimento. ANP n º 34, de 01.11.2007, DOU 5.11.2007 Estabelece

Leia mais

CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES

CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES Este trabalho é apenas um simples instrumento de auxílio ao posto, na verificação do atendimento das principais demandas relativas à fiscalização. 1) Informações Cadastrais:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

DICAS PARA OPERAÇÃO DE POSTOS DE COMBUSTÍVEIS.

DICAS PARA OPERAÇÃO DE POSTOS DE COMBUSTÍVEIS. DICAS PARA OPERAÇÃO DE POSTOS DE COMBUSTÍVEIS. Nosso dia a dia é feito de escolhas e o resultado delas é o que vai definir o quanto somos bem-sucedidos nas nossas ações. Como você sabe, a venda de combustíveis

Leia mais

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Indústrias 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

ANEXO 5.2. MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA BÁSICA DE GARAGENS

ANEXO 5.2. MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA BÁSICA DE GARAGENS ANEXO 5.2. MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA BÁSICA DE GARAGENS ANEXO 5.2. MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA BÁSICA DE GARAGENS 2 ÍNDICE 1 - OBJETIVO 5 2 - CAMPO DE APLICAÇÃO 5 3 - DOCUMENTAÇÃO 5 3.1 - Cadastro de Infra-estrutura

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE RAZÃO SOCIAL: HOSPITAL DE CLINICAS DE NITEROI LTDA UNIDADE: HOSPITAL ENDEREÇO: RUA LA SALLE, 12 BAIRRO: CENTRO MUNICÍPIO: NITEROI PROCESSO: E-07/204.019/05 1. CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais