Filmes com muitas vontades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Filmes com muitas vontades"

Transcrição

1 Filmes com muitas vontades Clarisse Alvarenga Desde a década de 1970, vêm sendo empreendidas algumas tentativas ainda autorais e incipientes, partindo de cineastas brasileiros, como Andrea Tonacci e Aluysio Raulino, no sentido de dar a câmera para que grupos sem um histórico de prática audiovisual viessem a experimentar a possibilidade de se filmarem. Entretanto, apenas na segunda metade da década de 1990, foi possível realmente criar as condições para que esses grupos de fato começassem a produzir imagens de uma maneira sistemática. Um dos elementos que foi central na concretização do chamado vídeo comunitário foi a inclusão de oficinas de vídeo dentro das propostas. Esses cursos são ministrados em geral por cineastas, nas periferias dos centros urbanos ou em áreas rurais e prevêem ao final a realização de vídeos por parte das comunidades. O cineasta Christian Saghaard coordena as Oficinas Kinoforum, um programa de oficinas de vídeo que tem levado diversos grupos sociais leigos à prática do vídeo na cidade de São Paulo. Além das produções decorrentes das oficinas, já é possível detectar grupos que se formaram dentro desse contexto e hoje produzem filmes de maneira independente, como é o caso do Filmagens Periféricas, de Cidade Tiradentes, realizadores do vídeo Defina-se, premiado com uma menção honrosa no Festival de Quebec, Canadá, e também do grupo Arroz, Feijão, Cinema e Vídeo, formado por moradores de Taipas, Zona Norte de São Paulo. A idéia de ministrar as oficinas Kinoforum na periferia da capital paulista surgiu dentro do Festival Internacional de Curtas-Metragens quando foi feita uma primeira experiência de exibir filmes brasileiros em Capão Redondo. A organização do festival detectou então que seria interessante desenvolver uma ação integrada, baseada na proposta das oficinas de vídeo, o que possibilitaria aos moradores da periferia, além de assistir filmes brasileiros, fazerem seus próprios filmes. Em julho de 2001, iniciaram o trabalho no Centro Cultural Monte Azul, situado em Monte Azul. No ano seguinte, foi criado dentro do Festival Internacional de Curtas- Metragens um fórum intitulado Formação do olhar para exibição e discussão de vídeos feitos em comunidade de todo o país. Leia abaixo uma edição de trechos da entrevista com Christian Saghaard 1. CA: Como acontece o primeiro contato de vocês com os participantes das oficinas? CS: Primeiro, a gente encontra o grupo e faz uma exibição de filme aberta ao público. No dia seguinte, a gente começa as oficinas e apresenta uma série de possibilidades: de linguagem cinematográfica, de filmes, de trechos de filmes, de curtas, sempre voltando cada vez mais para propostas de cinema que tenham a ver 1 Esta entrevista foi concedida por Christian Saghaard durante a pesquisa de campo de meu mestrado no departamento de Multimeios, da Unicamp (Alvarenga, 2004), em cuja dissertação discuto o conceito de vídeo comunitário e apresento dez experiências significativas desta prática hoje no Brasil.

2 com a realidade que eles terão para fazer o vídeo deles. Ou seja, filmes com baixo orçamento, propostas como o cinema novo, o cinema marginal, o dogma 95, além de outras produções que estejam ou não envolvidas em uma filosofia de cinema, em um movimento, mas que forneçam para os participantes uma visão diferenciada do que eles estão acostumados a assistir em televisão e em cinema comercial. CA: No Festival de Curtas-Metragens os vídeos feitos nas oficinas são exibidos e debatidos dentro de um fórum que leva o nome de formação do olhar. Esta formação seria o objetivo das oficinas? CS: As oficinas não são voltadas exclusivamente para aqueles que querem fazer cinema e seguir carreira. Seria mais para provocar uma transformação, uma formação do olhar desses participantes que poderiam tomar gosto pelo cinema brasileiro e, a partir daí, assistir cinema, jornal, televisão, qualquer audiovisual com outro olhar que pudesse identificar as maneiras usadas na realização daquele produto. Mas falando em formação do olhar, a gente percebeu que se trata muito mais de uma desconstrução. Por que quase todos os alunos nossos saberiam fazer pelo menos um argumento de filme de ação ou pauta de telejornais sensacionalistas, que é o que a TV aberta mais veicula, antes mesmo de passar pelas oficinas. A gente está lá também para dar a oportunidade deles fazerem uma coisa próxima deles. Perguntamos na ficha de inscrição: O que você pretende fazer no seu filme? e as respostas em geral são Mostrar a realidade como ela é. Com o tempo, eles percebem que ao ligar uma câmera, você já está interpretando a realidade, mesmo que você coloque num tripé e faça um plano geral. Então, é uma reinterpretação dessa realidade. CA: Você falou de desconstrução de um olhar que já existe. Como vocês conduzem isso dentro das oficinas depois da fase de exibição dos filmes? CS: Através da valorização da linguagem audiovisual, dos movimentos de câmera, do papel criador da câmera, dos enquadramentos, uma valorização no sentido de mostrar pra eles que eles podem usar isso para expressar da melhor maneira aquilo que eles querem dizer. O que é importante é que a pessoa saiba como usar a câmera naquele momento, por quê está colocando a câmera naquele lugar, quanto tempo vai durar o plano. Também buscamos combater essa linguagem moderna, de videoclipe, por exemplo, porque os alunos têm uma tendência de cair nisso. Não dá pra resolver tudo pegando alguns flashes da favela onde moram, uma música que gostam e aí, pronto, você tem o filme. CA: Vocês dão aulas de roteiro? Trabalham mais com a ficção ou com o documentário? CS: O cinema moderno tem uma tendência para usar tanto a ficção como o documentário. Então, vemos essa coisa de gênero, mas para as coisas não ficarem tão separadas. No final, a gente conversa sobre os roteiros, os argumentos deles, que já mudaram em relação ao que eles escreveram na ficha de inscrição. Esses roteiros individuais vão ser discutidos em grupo e aí vão ser produzidos roteiros coletivos. Tanto eles podem tentar encaixar cenas dos roteiros individuais no roteiro coletivo, como eles podem partir para um outro caminho. Como os caminhos são múltiplos, então pode acontecer também de chegar num roteiro final que não tem tanto a ver até com a idéia inicial de cada um deles.

3 CA: Como esses roteiros são filmados? CS: A gente procura mostrar pra eles a possibilidade de aproveitar sempre a situação contrária como sendo uma situação bem vinda. Vai filmar num lugar, o lugar arrebentou, caiu, explodiu, pode ser que seja melhor. Outra coisa é que a improvisação e a criatividade com a câmera para transformar esses roteiros são sempre enfatizadas. Já aconteceu do grupo gravar e eles mesmos não gostarem daquilo que fizeram, mudaram totalmente o roteiro, saíram e em meio período fizeram outro vídeo. A gente tem, aliás, percebido que é uma camisa de força a gente montar seqüências que tenham ligações muito sólidas entre elas. Isso pode acontecer, mas não é exigência, uma obrigação. Muito melhor essa experiência de pensar sobre os temas, ter as vontades na cabeça e sair pra gravar tendo a idéia da produção, da cena onde deve ser feita, e não exatamente de como é a ligação entre as cenas. CA: Vocês interferem durante as gravações? CS: Eles aprendem o manuseio da câmera com muita facilidade. Eles gravam o roteiro deles, durante a semana, com a participação de um técnico do projeto. Depois, a gente assiste esse material, eles voltam a fazer mais exercícios. A gente percebe o olhar de cada um e tenta preservar isso, incentivar isso, mostrar que todos eles têm uma maneira de ver que é diferente e isso é que é interessante. CA: E como que é o envolvimento deles com a edição? CS: A oficina é toda feita nos bairros de forma que, eles acompanham a edição, a gente tem um operador nosso, que também está inserido nessa pedagogia de oficina. A gente apresenta os programas de edição para eles. Eles sabem o que está acontecendo, sabe onde está aquela imagem, aquela seqüência, aquela cena que eles querem colocar e podem pedir Olha, eu gostei mais daquele som. O que a gente conseguiu foi oferecer um módulo 2 de oficinas. Neste segundo momento, os alunos optam por uma área específica: edição, fotografia/câmera, roteiro/direção ou produção. Então estamos formando editores entre ex-alunos, que estão operando os vídeos das oficinas e que estão editando outros vídeos por conta deles. CA: Alguns dos ex-alunos se tornam professores de oficinas. CS: A nossa idéia realmente é de cada vez mais nós da equipe não dominarmos nem a finalização dos vídeos, que cada vez mais os alunos, os ex-alunos possam estar operando todos os instrumentos, todos os equipamentos e dando oficinas também. CA: Como é o processo de recepção desse material produzido nas oficinas? CS: A gente tem aberto as oficinas com exibição dos trabalhos feitos em oficinas anteriores, porque não adianta querer empurrar a nossa linguagem predominante pra periferia porque eles preferem outras. A nossa leitura da periferia não é tão interessante pra eles quanto a leitura que outra pessoa, moradora da periferia, faz. A gente exibe no festival de curtas-metragens de São Paulo e nos locais onde foram produzidos os vídeos. No período do festival, alunos de regiões diferentes acabam se conhecendo, o que é muito legal. A gente faz exibições também em locais como Monte Azul, que é o primeiro lugar em que a gente fez oficinas em A gente não fez mais oficina lá, mas a gente volta para exibir. A gente procura exibir em alguns festivais nacionais e, na medida do possível, em festivais

4 internacionais também. O Canal Brasil e a TV Cultura exibiram alguns trabalhos nossos. Todos os participantes ganham uma fita VHS com os trabalhos deles e de outras oficinas com capinha e tudo, que é uma coisa legal para eles também poderem exibir onde eles quiserem, ter liberdade de fazer essas exibições em escolas, no bairro, na própria entidade onde transcorreu a oficina. CA: Há uma diferença entre as produções de cada região onde são ministradas as oficinas. Pareceu-me que o nível de abstração das imagens produzidas por grupos que freqüentaram oficinas nos centros culturais localizados no Centro da cidade é maior do que o dos outros produzidos na periferia, em geral mais voltados para um discurso realista. CS: Até as oficinas passam por mudanças quando a gente vai fazer uma aula em Heliópolis ou no Centro Cultural Banco do Brasil, dependendo dos alunos. Você falou de abstração e é bem isso mesmo. Você apresentar o movimento do cinema novo, historicamente, citando datas, muitos cineastas, isso não tem cabimento numa oficina em Heliópolis, por exemplo, onde eles estão preocupados em levar o clipe deles e não têm essas referências lá, infelizmente. Mas, isso não quer dizer que a gente deixa de falar sobre o cinema novo. A gente tem a obrigação de adequar a oficina e dar liberdade para que eles possam fazer o vídeo deles mesmo que seja uma coisa que a gente não goste. CA: Como você entende as diferenças que aparecem entre as regiões? CS: Na Lapa, no Centro Cultural São Paulo, no Centro Cultural Banco do Brasil, esses são lugares que têm fácil acesso pessoas de várias regiões se inscrevem. Aparecem desde pessoas de regiões mais de periferia, junto com outros que não são, tem até gente formada. Eu acho isso muito rico, é o que a gente incentiva. Muitas vezes, quando um aluno vai se deparar com uma situação de ficção e há um diálogo a diferença é que, muitas vezes, esse aluno mais estudado projeta mais a decupagem daquela cena. Quando é, por exemplo, em Heliópolis, não. Tem um sujeito falando ali, tem um sujeito falando aqui. Mas não quer dizer que se projeta mais, organiza mais, está mais bem preparado de escolaridade vai fazer um filme melhor. CA: Em que sentido que você acha que essas experiências de oficinas de vídeo podem acrescentar no panorama atual do cinema brasileiro? CS: No momento que o cinema brasileiro está querendo de novo se aproximar do seu público, muitas vezes isso é feito colocando pessoas conhecidas do canal aberto para atuar, o que no meu modo de ver é uma farsa. Um dos caminhos que os vídeos de oficinas fazem é deixar claro que talvez eles não queiram escutar tanto o que mais a gente tem a dizer sobre eles. Eu acho que a gente está ajudando a mostrar o que pode ser uma revolução do ponto de vista de público, estética, que sim cinema pode ser feito de outras maneiras, que não são só aquelas maneiras que uma faculdade como a minha que eu estudei ensina, que o cinema não é obrigatoriamente um sistema de regras rígido e que essa liberdade, do ponto de vista estético é muito importante e que esses outros olhares são fundamentais se a gente quiser realmente ter um cinema brasileiro que seja assistido pelo povo brasileiro, não só um cinema pra concorrer a prêmios. Para isso tem que ser criada uma via de duas mãos para o cinema brasileiro com o seu público.

5 CA: Como você enxerga o papel do Estado no fomento dessa produção? CS: Eu acho que o Estado também tem que dar conta disso, a Agência Nacional de Cinema tem que dar conta. Ao invés de discutir com quantos milhões que é legal fazer um filme do Barreto. Com 20, 30 mil a gente faz 4 vídeos aí melhores do que uma produção que se pretende popular. Tem que acabar com essa falcatrua, essa farsa do cinema brasileiro, de tentar ser popular e nunca conseguir. Isso pode ser uma enganação, uma coisa que funciona mais ou menos, mas não é assim que a gente vai ter um público brasileiro. O público brasileiro vai existir quando eles estiverem fazendo filmes também, que tem a ver com a condição de você se olhar no espelho. O cinema é um reflexo da vida. Muitas vezes por isso que sempre tinha essa coisa do cinema brasileiro ser ruim, achavam que era ruim. Por que? Por que também é uma forma de você se esconder. CA: Vocês já tiveram experiências de voltar nos lugares para ver vídeos? CS: Já. Não é de uma hora pra outra, não é tão fácil, envolve produção, dinheiro, parceria, computador, câmera. Então, como organizar isso e como não reproduzir a linguagem predominante, que é o que importa. Ia ser muito legal dar câmera na mão de pessoas que nunca tiveram contato, mesmo porque eu sei que sem oficina eles podem produzir filmes bons. Só que a tendência é de reproduzir a linguagem que eles estão acostumados a assistir no canal aberto, na TV, o jornal sensacionalista e o filme comercial. O filme que eles querem é um filme de terror, ação, um filme norte-americano. Durante as oficinas eles passam a ter interesse em um cinema que reflita as condições deles de existência. Essa mudança eu acho que é a grande transformação que a gente consegue realizar. Muito legal essa coisa da democratização, mas, eles precisam ter acesso a esse cinema escondido, desconhecido, raro, ver [Luis] Buñuel, [George] Méliès. Glauber Rocha é complicado pra intelectual. Muitas vezes ele é muito menos complicado pro povo. Acho que falta conseguir também, através de outras parcerias com salas de cinema, a viabilização da ida deles para assistir filmes em salas de cinema do Centro da cidade, que seja no Unibanco, para eles poderem ter acesso a essa produção e seria interessante também investir em videotecas nos bairros que poderiam se transformar em pontos de cinema, núcleos de produção e exibição. CA: Queria saber mais nesse mesmo sentido, dessas coisas que você imagina, que você vislumbra... CS: O ideal utópico? CA: Sim. CS: Eu acho que quando estiverem 6 núcleos de produção, no mínimo, funcionando, em diferentes regiões da cidade, e que eles tiverem exibições regulares, toda semana, vai haver um encaminhamento mais fácil, mais reconhecido dessa produção. A transformação desses locais em pontos de cinema e uma estrutura de festival nacional menos viciada em estar abrigando só grandes produções de filmes de cineastas mais reconhecidos e estarem abrindo uma janela até porquê o público quer ver isso também, na verdade eu acho que quer ver mais isso do que aquilo que a gente tem produzido. CA: Por que o seu interesse de trabalhar com oficinas? CS: Essa coisa estilística diferencial é o que me faz ter prazer de fazer oficina porque eu aprendo muito com eles. As soluções que eles acham, muitas vezes são soluções únicas. E também essa pressão, essa obrigação de fazer um vídeo com

6 mais 3 ou 4 pessoas que você praticamente nunca viu é um exercício muito legal, que acaba gerando filmes meio frankstein, talvez, ou filmes com muitas vontades diferentes. Oficinas Kinoforum (os vídeos estão disponíveis no site) Clarisse Alvarenga é jornalista, mestre em Multimeios (Unicamp), professora no curso de Comunicação Social do Centro de Ensino Superior Promove e realizadora independente de vídeos. Vive e trabalha em Belo Horizonte.

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento.

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. museudapessoa.net P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. R Meu nome é Kizzes Daiane de Jesus Santos, 21 de julho de 1988, eu nasci em Aracaju, no estado do Sergipe.

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

A oficina contou com 26 participantes, representando 11 diferentes entidades da sociedade civil local.

A oficina contou com 26 participantes, representando 11 diferentes entidades da sociedade civil local. Relatoria da Oficina de Praia Grande 12 de junho de 2012 A Oficina Desafios para o Desenvolvimento Sustentável de Praia Grande, realizada no dia 12 de julho de 2012, na Associação Comercial de Praia Grande,

Leia mais

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 A maior Ambição do Homem é querer Colher aquilo que Não Semeou. Hebert Schiavelli (Empreendedor) Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

por futebol profissional ou amador?

por futebol profissional ou amador? Tabela 3 - Síntese das entrevistas com torcedores I O que é o futebol pra você? Uma paixão. É um esporte que eu pratico, que gosto. O meu time de futebol é a razão do meu viver. Você se interessa mais

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro , Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro Brasília - DF, 21 de setembro de 2006 Eu poderia deixar você falar, Paim, mas o microfone é alto e você não vai alcançar aqui.

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

Regina Barbosa. Escritora e fundadora da ONG Ideário

Regina Barbosa. Escritora e fundadora da ONG Ideário Escritora e fundadora da ONG Ideário Levamos cinema para quem nunca foi até um. O piso é a areia branca, o teto é o céu estrelado e a tela é a vela da jangada. Na vela parada, as imagens em movimento.

Leia mais

Departamento de Educação Alunas: Gleilcelene Neri de Brito Orientadora: Rosália Duarte Título do Projeto:

Departamento de Educação Alunas: Gleilcelene Neri de Brito Orientadora: Rosália Duarte Título do Projeto: PIBIC 05/06 Departamento de Educação Alunas: Gleilcelene Neri de Brito Orientadora: Rosália Duarte Título do Projeto: Criança e Televisão: O que as Crianças da favela da Maré pensam sobre o que vêem na

Leia mais

18/11/2005. Discurso do Presidente da República

18/11/2005. Discurso do Presidente da República Discurso do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega de certificado para os primeiros participantes do programa Escolas-Irmãs Palácio do Planalto, 18 de novembro de 2005

Leia mais

Conteúdo. Introdução -------------------------------------------------------- 03. Quem sou? ------------------------------------------------------- 04

Conteúdo. Introdução -------------------------------------------------------- 03. Quem sou? ------------------------------------------------------- 04 Conteúdo Introdução -------------------------------------------------------- 03 Quem sou? ------------------------------------------------------- 04 Negócios Digitais --------------------------------------------------

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

Produzido para você por: Clube Monetizar

Produzido para você por: Clube Monetizar Produzido para você por: Clube Monetizar Publicado por: Wanderson Bessa Copyright 2016 Clube Monetizar Todos os Direitos Reservados. Este conteúdo só pode ser compartilhado com os créditos e direitos do

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

APÊNDICE A instrumento PARA COLETA DE DADOS - ROTEIRO PARA O DESIGN POSSÍVEL

APÊNDICE A instrumento PARA COLETA DE DADOS - ROTEIRO PARA O DESIGN POSSÍVEL APÊNDICES APÊNDICE A instrumento PARA COLETA DE DADOS - ROTEIRO PARA O DESIGN POSSÍVEL - Questionário Dados pessoais - Nome: Profissional - O que o fez escolher essa profissão de designer? - Caracterize

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0 Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos CAIO HENRIQUE TEODORO DOS SANTOS Página 1 Versão 1.0 2013 Esforcei-me ao máximo para transmitir em poucas páginas algumas dicas

Leia mais

SESSÃO 3: Criando Metas Atingíveis

SESSÃO 3: Criando Metas Atingíveis CURRÍCULO DE PROGRAMA SESSÃO 3: Criando Metas Atingíveis Esta sessão trata da importante habilidade pessoal e profissional do estabelecimento de metas. As participantes podem ter sentimentos diferentes

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva Pela primeira vez, o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD)

Leia mais

Capacitación de docentes en el uso de las nuevas tecnologías. Márcia Campos (marciac@fortalnet.com.br ), Hermínio Borges Neto

Capacitación de docentes en el uso de las nuevas tecnologías. Márcia Campos (marciac@fortalnet.com.br ), Hermínio Borges Neto 1. TÍTULO: QUE RECURSOS PODEM CONTRIBURIR PARA OTIMIZAR A APRENDIZAGEM EM UM AMBIENTE VIRTUAL? 1 2. ÁREA TEMÁTICA Capacitación de docentes en el uso de las nuevas tecnologías 3. AUTORES Márcia Campos (marciac@fortalnet.com.br

Leia mais

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7 Sumário Introdução - O novo hábito... 1 Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3 Sobre o vocabulário... 4 Benefícios... 7 Perguntas Frequentes sobre o Orçamento Doméstico... 10 Capítulo 2 - Partindo

Leia mais

Segredos. 7do Empreendedor de 7SUCESSO

Segredos. 7do Empreendedor de 7SUCESSO 7 Segredos 7 Segredos empreendedor magnético 2015. Empreendedor Magnético www.empreendedormagnetico.com.br Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte,

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso no encontro com representantes

Leia mais

Como fazer contato com pessoas importantes para sua carreira?

Como fazer contato com pessoas importantes para sua carreira? Como fazer contato com pessoas importantes para sua carreira? - Tem alguém com quem você gostaria de fazer contato? - Porque você não o fez até agora? - Por que é importante aprender a fazer esses contatos?

Leia mais

RELATÓRIO MESA DEVOLVER DESIGN (EXTENSÃO) Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa pronta)

RELATÓRIO MESA DEVOLVER DESIGN (EXTENSÃO) Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa pronta) 1ª RODADA RELAÇÃO PRÁTICA E TEORIA Pouca teoria, muitas oficinas Matérias não suprem as necessidades de um designer Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa

Leia mais

ANEXO I - Transcrição das entrevistas

ANEXO I - Transcrição das entrevistas 147 ANEXO I - Transcrição das entrevistas ENTREVISTA 1 Nome: L.C. Idade: 58 anos. Formação: Pedagogia. Tempo de experiência em cursos de Licenciatura: 7 anos. Pq - A pesquisa em questão trata da ação docente

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: Ensino Fundamental e Médio, Laboratório de Ensino de Matemática, Materiais didáticomanipulativos.

RESUMO. Palavras-chaves: Ensino Fundamental e Médio, Laboratório de Ensino de Matemática, Materiais didáticomanipulativos. UTILIZANDO O LEM PARA REVER OS CONTEÚDOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIENCIA COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio GT 10 RESUMO Este trabalho

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Rádio escolar, vídeo popular e cineclube popular: um panorama sobre a atuação do Grupo de Estudos e Extensão em Comunicação e Educação Popular

Rádio escolar, vídeo popular e cineclube popular: um panorama sobre a atuação do Grupo de Estudos e Extensão em Comunicação e Educação Popular Rádio escolar, vídeo popular e cineclube popular: um panorama sobre a atuação do Grupo de Estudos e Extensão em Comunicação e Educação Popular Djalma Ribeiro Junior Universidade Federal de São Carlos O

Leia mais

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Existem diversos textos sobre Gestão sendo publicados diariamente, e dentre eles, muitos tratam do tema liderança, que certamente é um dos assuntos mais

Leia mais

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder Entrevista concedida a Virginia Maria de Figueiredo e Silva e Tânia Maria Piacentini * Paulo Freire esteve em Florianópolis, no dia 8 de junho, a convite da

Leia mais

Foi um privilégio ter tido a oportunidade de trabalhar em vídeo na TVE de

Foi um privilégio ter tido a oportunidade de trabalhar em vídeo na TVE de Produção audiovisual Elaine Meneghini (Bacharel em Comunicação Social/UA e produtora de televisão) Foi um privilégio ter tido a oportunidade de trabalhar em vídeo na TVE de 1987 a 1990; de 1990 a 1993

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

Roda de conversa 3 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Iramar Rodrigues e Sérgio Figueiredo

Roda de conversa 3 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Iramar Rodrigues e Sérgio Figueiredo Fundamentos da educação musical Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Iramar Rodrigues e Sérgio Figueiredo Sergio Molina Roda de conversa número 3 do Projeto A Música na Escola.

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Das disciplinas ao estágio: percepções dos alunos sobre essa relação

Das disciplinas ao estágio: percepções dos alunos sobre essa relação Das disciplinas ao estágio: percepções dos alunos sobre essa relação Alexandra Aguirre Resumo: O trabalho baseia-se na entrevista com alunos de jornalismo sobre o tópico: quais disciplinas contribuem para

Leia mais

Bill Gates, Steve Jobs e Richard Branson grandes empreendedores que não foram excelentes alunos

Bill Gates, Steve Jobs e Richard Branson grandes empreendedores que não foram excelentes alunos http://blogs.pme.estadao.com.br/blog-do-empreendedor/bill-gates-steve-jobs-e-richard-branson-grandesempreendedores-nao-foram-excelentes-alunos/ Bill Gates, Steve Jobs e Richard Branson grandes empreendedores

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

ENTREVISTA: "NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA", diz a pesquisadora Thais de Mendonça Jorge

ENTREVISTA: NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA, diz a pesquisadora Thais de Mendonça Jorge ENTREVISTA: "NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA", diz a pesquisadora Thais de INTERVIEW: DON'T MAKE NEWS ONLY WITH TECHNOLOGY, says researcher Thais de Thaisa Cristina Bueno 1 Lucas Santiago Arraes Reino

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) Roteiro de áudio. Programa: Hora de Debate. Campanhas.../ Monica G. Zoppi-Fontana 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 Combatendo o preconceito: argumentação e linguagem Programa Hora de Debate. Campanhas de

Leia mais

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados POR ENTRETEMPOS, JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, 04.10.2015 Tião, como é chamado pelos amigos, não toma café. Ainda assim, motivado

Leia mais

É isso mesmo quando você elabora um discurso de vendas, quando você cria uma copy, qual capa você veste? Qual o seu arquétipo?

É isso mesmo quando você elabora um discurso de vendas, quando você cria uma copy, qual capa você veste? Qual o seu arquétipo? E-MAIL 1 Headline: Você sabe o que é um arquétipo? Eu tenho uma novidade para você. Você já parou para pensar em seu arquétipo? É isso mesmo quando você elabora um discurso de vendas, quando você cria

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

ENTREVISTA. Historien (Petrolina). ano 4. n. 9. Jul/Dez 2013

ENTREVISTA. Historien (Petrolina). ano 4. n. 9. Jul/Dez 2013 549 ENTREVISTA Historien (Petrolina). ano 4. n. 9. Jul/Dez 2013 CONVERSANDO SOBRE ENSINO DE HISTÓRIA ENTREVISTA COM CARLOS AUGUSTO LIMA FERREIRA Rafael de Oliveira Cruz 1 As reflexões sobre a prática de

Leia mais

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho?

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS 681 1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANEXO 4 - ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS SUJEITO UNIDADE DE CONTEXTO UNIDADE

Leia mais

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer]

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] colagem, remix narrativa em banco de dados remix de referências de várias áreas novas tecnologias a maneira que eu trabalho Eu acredito, na verdade,

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

A CURA DE UM MENINO Lição 31

A CURA DE UM MENINO Lição 31 A CURA DE UM MENINO Lição 31 1 1. Objetivos: Mostrar o poder da fé. Mostrar que Deus tem todo o poder. 2. Lição Bíblica: Mateus 17.14-21; Marcos 9.14-29; Lucas 9.37-43 (Leitura bíblica para o professor)

Leia mais

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR)

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR) Nosso déficit não é de casas, é de cidade Raquel Rolnik defende que atualmente não há políticas para moradia, apenas políticas focadas no setor imobiliário e financeiro 22/10/2012 Pedro Carrano e Thiago

Leia mais

Questionário avaliativo

Questionário avaliativo Questionário avaliativo Aluno: Série: 1. Você possui acesso a internet? Se sim, com que frequência? 2. A sua escola disponibiliza de um laboratório de informática? Se sim, este laboratório está disponível

Leia mais

Thaísa Simplício Carneiro Cristiana Carla Silva Francisca Marta Nonato Abrantes Juliana Alves Bezerra Viegas Kathleen Elane Leal Vasconcelos

Thaísa Simplício Carneiro Cristiana Carla Silva Francisca Marta Nonato Abrantes Juliana Alves Bezerra Viegas Kathleen Elane Leal Vasconcelos UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA Programa Institucional de Iniciação Científica PROINCI/UEPB Campina Grande - Paraíba Conselhos Comunitários de Saúde e Saúde da Família: Thaísa Simplício Carneiro Cristiana

Leia mais

REGULAMENTO Promoção: União Postal Universal Realização no Brasil: CORREIOS

REGULAMENTO Promoção: União Postal Universal Realização no Brasil: CORREIOS REGULAMENTO Promoção: União Postal Universal Realização no Brasil: CORREIOS Apresentação O Concurso Internacional de Redação de Cartas para Jovens é promovido anualmente pela União Postal Universal (UPU),

Leia mais

QUE TIPO DE PESSOA QUERO EM MINHA EQUIPE? Crédito da Apresentação: Diretora Milene Nader

QUE TIPO DE PESSOA QUERO EM MINHA EQUIPE? Crédito da Apresentação: Diretora Milene Nader QUE TIPO DE PESSOA QUERO EM MINHA EQUIPE? Crédito da Apresentação: Diretora Milene Nader VOCÊ CONHECE ALGUÉM QUE: Quer ganhar dinheiro; Quer uma renda extra; Deseja conhecer pessoas e fazer novas amizades;

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt São Paulo-SP, 05 de dezembro de 2008 Presidente: A minha presença aqui

Leia mais

Script: a organização da produção audiovisual no telejornalismo

Script: a organização da produção audiovisual no telejornalismo Script: a organização da produção audiovisual no telejornalismo Karen Cristina Kraemer Abreu * UNISINOS- UNISUL Índice 1. O script e a organização do telejornal 2 1.1. Modelos de scripts para telejornalismo.............

Leia mais

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com A Bíblia Sagrada já vendeu, aproximadamente, 3,9 bilhões de cópias. O livro Ágape, do Padre Marcelo Rossi, já vendeu 8 milhões de exemplares. O livro erótico, Cinquenta Tons de Cinza, chegou ao número

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO Universidade Estadual de Campinas Fernanda Resende Serradourada A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO: O Projeto de Desenvolvimento realizado por mim visava à confecção

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais

Cozinha: um prato cheio para a ciência

Cozinha: um prato cheio para a ciência Cozinha: um prato cheio para a ciência Brincar com a ciência é o único jeito de fazer divulgação científica, defende o biólogo, jornalista e divulgador argentino Diego Golombek. Desde 2003, ele vem brincando

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS Até onde vai a força da Motivação? Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Uma proposta criativa motivadora na sala de aula pode deixar o professor bem impressionado

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Vivendo e aprendendo em família

Vivendo e aprendendo em família Vivendo e aprendendo em família VERSÍCULO BÍBLICO Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado

Leia mais

Eu quero, mais uma vez, cumprimentar o nosso amigo Jacques Diouf, diretor-geral da FAO,

Eu quero, mais uma vez, cumprimentar o nosso amigo Jacques Diouf, diretor-geral da FAO, Discurso do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de apresentação da agenda das ações preparatórias da comemoração do Dia Mundial da Alimentação Data: 07/10/2004 Eu quero, mais

Leia mais

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves Estado de Minas Março de 2001 O método criado pelo professor Fernando Dolabela ensina empreendedorismo a 40 mil alunos por ano. Fernando Dolabela da aula de como abrir um

Leia mais

FESTIVAL AUDIOVISUAL DE CAMPINA GRANDE COMUNICURTAS UEPB X EDIÇÃO REGULAMENTO 1.Organização e Realização: A décima edição do Festival Audiovisual de Campina Grande Comunicurtas UEPB, será realizado entre

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

BEM-VINDA!! WWW.BOLSADEIDEASDENEGOCIO.COM

BEM-VINDA!! WWW.BOLSADEIDEASDENEGOCIO.COM BEM-VINDA!! Meu nome é Ives Lopes e eu sou a autora deste guia 22 ideias de negócios para começar já. Vê essa foto? Sou eu em minha Esmalteria, a Eva Nail Club. Foi um sucesso enquanto durou, mas infelizmente

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo São Paulo-SP, 20 de outubro de 2004 Meus queridos companheiros e minhas queridas companheiras

Leia mais

07/10/2004. Discurso do Presidente da República

07/10/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de apresentação da agenda das ações preparatórias da comemoração do Dia Mundial da Alimentação Palácio do Planalto, 07 de outubro de 2004 Eu quero, mais uma vez,

Leia mais

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais!

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Por Rafael Piva Guia 33 Prático Passos para criar Ideias de Negócio Vencedores! Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Que bom que você já deu um dos

Leia mais

Índice. - Introdução... 3. - Economize em Gastos... 7 com Supérfluos. - Controle Seus Sentimentos... 11

Índice. - Introdução... 3. - Economize em Gastos... 7 com Supérfluos. - Controle Seus Sentimentos... 11 1 Índice - Introdução... 3 - Economize em Gastos... 7 com Supérfluos - Controle Seus Sentimentos... 11 - Quite suas Dívidas, mesmo... 14 que Seja Necessário Fazer um Empréstimo - Não Siga a Massa, Existem...

Leia mais

Videobrasil ff dossier 019>> Cao Guimarães

Videobrasil ff dossier 019>> Cao Guimarães Videobrasil ff dossier 019>> Cao Guimarães Entrevista Concedida a Teté Martinho Publicada (em versão revisada e editada) no site da Associação Cultural Videobrasil http://www.sescsp.org.br/sesc/videobrasil/site/dossier019/sobre_artistas.asp

Leia mais

Menos paixão: o sucesso na Negociação

Menos paixão: o sucesso na Negociação Menos paixão: o sucesso na Negociação O sucesso de uma negociação está na ausência da paixão. Quanto mais objetiva e baseada em critérios imparciais for a negociação, melhor será o acordo final para todos.

Leia mais

NADJA VLADI - Editora da revista Muito.

NADJA VLADI - Editora da revista Muito. NADJA VLADI - Editora da revista Muito. Jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Faculdade de Comunicação da UFBA. Atualmente atua como editora-coordenadora da revista Muito do

Leia mais

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Crianças e Meios Digitais Móveis Lisboa, 29 de novembro de 2014 TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Educação para o uso crítico da mídia 1. Contexto

Leia mais

Prefácio. Julio Rezende Pai, empreendedor

Prefácio. Julio Rezende Pai, empreendedor Prefácio Nesse treinamento vou compartilhar o que os empresários do ramo de SEGURANÇA ELETRÔNICA não compartilham com ninguém, aliás, nenhum empresário quer contar o segredo de suas Empresas, Correto?

Leia mais

ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES

ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES 132 ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES September 21, 2010, by pontofinalmacau Claudio Cezar Henriques, filólogo e escritor brasileiro, esteve em Macau para uma palestra sobre a reforma ortográfica,

Leia mais

A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação

A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação POR RAQUEL PACHECO 1 Há muitos anos que o investigador David Buckingham (2009) aborda e baseia seu trabalho na Convenção

Leia mais

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com 1 Distribuição Gratuita. Este e-book em hipótese alguma deve ser comercializado ou ter seu conteúdo modificado. Nenhuma parte deste e-book pode ser reproduzida ou transmitida sem o consentimento prévio

Leia mais

PALESTRA DE LUCIANA FERRAZ - O PODER DA CONCENTRAÇÃO. OBK em São Paulo/SP. Julho de 2010

PALESTRA DE LUCIANA FERRAZ - O PODER DA CONCENTRAÇÃO. OBK em São Paulo/SP. Julho de 2010 PALESTRA DE LUCIANA FERRAZ - O PODER DA CONCENTRAÇÃO OBK em São Paulo/SP Julho de 2010 Concentração... o que significa concentração? Basicamente: ter um foco. Ou, em outras palavras, é o poder da concentração.

Leia mais

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão Zeca Camargo foi o convidado da segunda edição do RBS Debates, dia 23 de Julho, em Florianópolis. O evento reuniu mais de mil estudantes e

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais