Sumário COFINS PIS/PASEP FONTE PREVIDÊNCIA SOCIAL OUTROS ASSUNTOS FEDERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário COFINS PIS/PASEP FONTE PREVIDÊNCIA SOCIAL OUTROS ASSUNTOS FEDERAIS"

Transcrição

1 ÚLTIMO DIÁRIO OFICIAL PESQUISADO 28/01/2000 ATUALIZAÇÃO G A R A N T I DA Informativo Semanal nº 04 Ano XXXIV 2000 ÚLTIMO DOU: 28/01/2000 FECHAMENTO: 28/01/2000 EXPEDIÇÃO: 30/01/2000 PÁGINAS: 056/043 Sumário COFINS FATURAMENTO Base de Cálculo Lembrete FONTE DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE Normas para Apresentação Orientação OUTROS ASSUNTOS FEDERAIS PRAZO PARA RECOLHIMENTO Agenda Tributária Fevereiro/2000 Informação Ato Declaratório 5 COSAR PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO FISCAL Regulamentação Decreto TAXA BÁSICA FINANCEIRA Variação De a Informação Comunicados BACEN 7.232, 7.233, 7.237, e TAXA REFERENCIAL Variação De a Informação Comunicados BACEN 7.232, 7.233, 7.237, e PIS/PASEP FATURAMENTO Base de Cálculo Lembrete PREVIDÊNCIA SOCIAL CONTRIBUIÇÃO Cessão de Mão-de-Obra SIMPLES Instrução Normativa 8 INSS-DC Empreitada de Mão-de-Obra SIMPLES Instrução Normativa 8 INSS-DC GUIA DE RECOLHIMENTO Depósitos Judiciais e Extrajudiciais Instrução Normativa 9 INSS-DC REGIME PRÓPRIO Normas Informação Instrução Normativa 10 INSS-DC TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO Contagem Recíproca Orientação Normativa 11 SPS INFORMATIVO DINÂMICO 056

2 ORIENTAÇÃO NORMATIVA 11 SPS, DE (DO-U DE ) PREVIDÊNCIA SOCIAL TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO Contagem Recíproca Modifica as normas para contagem de tempo de contribuição vinculado a outro regime de previdência. Altera os itens 1e2erevoga o item 4 da Orientação Normativa 10 SPS, de (Informativo 44/99). O SECRETÁRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 8º, inciso IV, da Estrutura Regimental do Ministério da Previdência e Assistência Social, aprovado pelo Decreto nº 2.971, de 26 de fevereiro de 1999, RESOLVE: 1. A Orientação Normativa nº 10, de 29 de outubro de 1999, passa a vigorar com as seguintes alterações: 1. O tempo de contribuição do servidor público no âmbito do regime próprio de previdência social será considerado no Regime Geral de Previdência Social (RGPS) para todos os efeitos, inclusive para os de carência I vinte e quatro meses, quando o tempo de contribuição no regime próprio de previdência social for superior a cento e vinte meses; ou II doze meses, quando o tempo de contribuição no regime próprio de previdência social for igual ou inferior a cento e vinte meses (nr) 2. O segurado filiado ao RGPS a partir de 17 de dezembro de 1998, mesmo quando oriundo de outro regime próprio de previdência social, somente fará jus a aposentadoria por tempo de contribuição aos trinta e cinco anos de contribuição para o homem e trinta para a mulher. (NR) 2. Esta Orientação Normativa entra em vigor na data de sua publicação. 3. Revoga-se o item 4 da Orientação Normativa nº 10, de 29 de outubro de (Vinícius Carvalho Pinheiro) INSTRUÇÃO NORMATIVA 8 INSS-DC, DE (DO-U DE ) PREVIDÊNCIA SOCIAL CONTRIBUIÇÃO Cessão de Mão-de-Obra Empreitada de Mão-de-Obra Exclui as empresas optantes pelo SIMPLES de sofrerem retenção de contribuição previdenciária quando da prestação de serviços. Revoga o item 56 da Ordem de Serviço 209 INSS-DAF, de (Informativos 21 e 23/99). A DIRETORIA COLEGIADA DO INSTITUTO NA- CIONAL DO SEGURO SOCIAL (INSS), no uso da competência que lhe foi conferida pelo artigo 11, inciso III, do Anexo I, do Decreto nº 3.081, de 10 de junho de 1999, que aprovou a Estrutura Regimental do INSS, e considerando o custo-benefício da retenção sobre os serviços prestados pelas empresas optantes pelo SIMPLES, de acordo com o disposto no artigo 54 da Lei 8.212/91, RESOLVE: Art. 1º A retenção de 11% (onze por cento) sobre o valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços, executados mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada de mão-de-obra na forma do disposto no artigo 31 da Lei nº 8.212/91, com a nova redação dada pela Lei nº 9.711/98 e o Decreto nº 3.048/99, não será efetuada quando os serviços forem executados por empresas optantes pelo SIMPLES nos termos da Lei nº 9.317, de 5 de dezembro de Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, sendo aplicável às notas fiscais ou faturas a serem emitidas a partir do dia 1º de janeiro de 2000, ficando revogadas as disposições em contrário, em especial o item 56 da OS/INSS/DAF nº 209, de (Paulo Roberto Tannus Freitas Diretor de Administração; Marcos Maia Júnior Procurador-Geral; Luiz Alberto Lazinho Diretor de Arrecadação; Sebastião Faustino de Paula Diretor de Benefícios) ESCLARECIMENTO: O caput do artigo 31 da Lei 8.212, de (Separata/98), na redação dada pela Lei 9.711, de (Informativo 47/98), dispõe que a empresa contratante de serviços executados mediante cessão de mão-de-obra, inclusive em regime de trabalho temporário, deverá reter 11% do valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços e recolher a importância retida até o dia 2 do mês subseqüente ao da emissão da respectiva nota fiscal ou fatura, em nome da empresa cedente de mão-de-obra. INFORMATIVO DINÂMICO 055

3 INSTRUÇÃO NORMATIVA 9 INSS-DC, DE (DO-U DE ) PREVIDÊNCIA SOCIAL GUIA DE RECOLHIMENTO Depósitos Judiciais e Extrajudiciais Modifica a Tabela de Código de Receita utilizada no preenchimento da Guia para Liberação de Depósitos Judiciais e Extrajudiciais. Altera o Anexo V da Instrução Normativa 5 INSS-DC, de (Informativo 51/99). A DIRETORIA COLEGIADA DO INSTITUTO NA- CIONAL DO SEGURO SOCIAL (INSS), no uso da competência que lhe foi conferida pelo inciso III, do artigo 7, do Regimento Interno do INSS, aprovado pela Portaria nº 6.247, de 28 de dezembro de 1999, considerando a instituição de novos códigos de receita, RESOLVE: Art. 1º Alterar o Anexo V da Instrução Normativa nº 05, de 16 de dezembro de Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data da sua publicação. (Paulo Roberto Tannus Freitas Diretor de Administração; Marcos Maia Júnior Procurador-Geral; Luiz Alberto Lazinho Diretor de Arrecadação; Sebastião Faustino de Paula Diretor de Benefícios) ANEXO ANEXO V IN INSS/DC Nº 05, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1999 TABELA DE CÓDIGO DE RECEITA CÓDIGO DESCRIÇÃO DEPÓSITOS JUDICIAIS 0107 Crédito em Fase de Procuradoria 0115 Crédito em Fase de Procuradoria CEI 0123 Crédito em Fase de Procuradoria NIT/PIS/PASEP 0131 Crédito em Fase de Procuradoria CPF 0141 Crédito em Fase Administrativa DEBCAD 0157 Crédito Referente a Patrimônio 0165 Crédito Referente a Patrimônio CPF 0173 Contribuições Referentes a Contribuinte Individual NIT/PIS/PASEP 0181 Contribuição da Empresa para o INSS e Outras Entidades 0199 Contribuição da Empresa para o INSS e Outras Entidades CEI 0204 Contribuição da Empresa somente para o INSS 0212 Contribuição da Empresa somente para o INSS CEI 0220 Contribuição da Empresa somente para Outras Entidades 0238 Contribuição da Empresa somente para Outras Entidades CEI 0246 Arrecadação Bloqueada em favor do INSS 0254 Arrecadação Bloqueada em favor do INSS CEI 0262 Arrecadação Bloqueada em favor do Beneficiário 0270 Arrecadação Bloqueada em favor do Beneficiário CEI CÓDIGO DESCRIÇÃO 0301 Contribuição da Empresa somente para Salário-Educação (FNDE) 0319 Contribuição da Empresa somente para Salário-Educação (FNDE) CEI 0327 Contribuição da Empresa somente para INCRA 0335 Contribuição da Empresa somente para INCRA CEI 0343 Contribuição da Empresa somente para SENAI 0351 Contribuição da Empresa somente para SENAI CEI 0369 Contribuição da Empresa somente para SESI 0377 Contribuição da Empresa somente para SESI CEI 0385 Contribuição da Empresa somente para SENAC 0393 Contribuição da Empresa somente para SENAC CEI 0409 Contribuição da Empresa somente para SESC 0416 Contribuição da Empresa somente para SESC CEI 0424 Contribuição da Empresa somente para SEBRAE 0432 Contribuição da Empresa somente para SEBRAE CEI 0440 Contribuição da Empresa somente para DPC 0458 Contribuição da Empresa somente para DPC CEI 0466 Contribuição da Empresa somente para Fundo Aeroviário 0474 Contribuição da Empresa somente para Fundo Aeroviário CEI 0482 Contribuição da Empresa somente para SENAR 0490 Contribuição da Empresa somente para SENAR CEI 0505 Contribuição da Empresa somente para SESCOOP 0513 Contribuição da Empresa somente para SESCOOP CEI 0521 Contribuição da Empresa somente para SEST 0539 Contribuição da Empresa somente para SEST CEI 0547 Contribuição da Empresa somente para SENAT 0555 Contribuição da Empresa somente para SEST CEI DEPÓSITOS EXTRAJUDICIAIS (ADMINISTRATIVOS) 0602 Recursal 0610 Recursal CEI INFORMATIVO DINÂMICO 054

4 CÓDIGO DESCRIÇÃO 0628 Garantia de Multa 0636 Garantia de Multa CEI LIBERAÇÃO DE DEPÓSITOS JUDICIAIS 0709 Em favor do Contribuinte 0717 Em favor do Contribuinte CEI 0725 Em favor do Contribuinte NIT/PIS/PASEP 0733 Em favor do Contribuinte CPF 0741 Em favor do Contribuinte DEBCAD 0759 Em favor do INSS 0767 Em favor do INSS NIT/PIS/PASEP 0775 Em favor do INSS CPF 0783 Em favor do INSS DEBCAD CÓDIGO DESCRIÇÃO 0791 Liberação de Arrecadação Bloqueada em Favor do INSS 0806 Liberação de Arrecadação Bloqueada em Favor do INSS CEI 0814 Liberação de Arrecadação Bloqueada em Favor do Beneficiário 0822 Liberação de Arrecadação Bloqueada em Favor do Beneficiário CEI LIBERAÇÃO DE DEPÓSITOS EXTRAJUDICIAIS (ADMI- NISTRATIVOS) 0830 Em favor do Contribuinte 0848 Em favor do Contribuinte CEI 0856 Em favor do INSS 0864 Em favor do INSS CEI INFORMAÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL REGIME PRÓPRIO Normas A Instrução Normativa 10 INSS-DC, , publicada na página 7 do DO-U, Seção 1-E, de , que dentre outras normas, estabelece que a partir de , as contribuições vertidas a Regime de Previdência Social (regime de origem) serão consideradas na carência para a concessão de quaisquer dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social. O servidor oriundo de Regime Próprio de Previdência Social que se inscrever no Regime Geral de Previdência Social como empresário, autônomo ou equiparado e facultativo, o enquadramento na escala de salários-base dar-se-á em qualquer classe até a equivalente ou a mais próxima da média aritmética simples dos seus 6 últimos salários-de-contribuição atualizados, utilizando-se os mesmos critérios e os mesmos índices adotados para a obtenção do salário-de-benefício, devendo observar, para acesso às classes seguintes, os respectivos interstícios. LEMBRETE COFINS/PIS-PASEP FATURAMENTO Base de Cálculo A base de cálculo do PIS-Faturamento e da COFINS, a partir dos fatos geradores fevereiro/99 é a receita bruta, assim considerada a totalidade das receitas auferidas pela pessoa jurídica, sendo irrelevante o tipo de atividade por ela exercida e a classificação contábil adotada para as receitas. A partir de , as variações monetárias dos direitos de créditos e das obrigações do contribuinte, em função da taxa de câmbio, serão consideradas para efeito de determinação da base de cálculo das contribuições para o PIS/PASEP e COFINS. Na determinação da base de cálculo da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS poderá ser excluída a parcela das receitas financeiras decorrentes da variação dos direitos de crédito e das obrigações do contribuinte, em função da taxa de câmbio, submetida à tributação, segundo o regime de competência, relativa a períodos compreendidos no ano-calendário de 1999, excedente ao valor da variação monetária efetivamente realizada, ainda que a operação correspondente já tenha sido liquidada. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Medida Provisória , de (Informativo 02/2000). INFORMATIVO DINÂMICO 053

5 ORIENTAÇÃO A cada ano-calendário, a Secretaria da Receita Federal exige das fontes pagadoras, pessoas físicas ou jurídicas, a apresentação da Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte (DIRF), para fins de informação dos rendimentos tributáveis pagos ou creditados pelo declarante, por si ou como representante de terceiros, bem como do respectivo Imposto de Renda retido na fonte. 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO A DIRF deve ser apresentada obrigatoriamente por: a) estabelecimentos matrizes das pessoas jurídicas de direito privado domiciliadas no País, inclusive as imunes ou isentas; b) pessoas jurídicas de direito público; c) filiais, sucursais ou representações de pessoas jurídicas com sede no exterior; d) empresas individuais; e) caixas, associações e organizações sindicais de empregados e empregadores; f) cartórios de justiça; g) condomínios; h) pessoas físicas; e i) instituições administradoras de fundos ou clubes de investimentos APRESENTAÇÃO POR ÓRGÃOS PÚBLICOS FEDE- RAIS Sujeitam-se também à apresentação da DIRF, os órgãos, as autarquias e as fundações da administração pública federal que efetuaram pagamentos a pessoas jurídicas pelo fornecimento de bens ou prestação de serviços. 2. MEIOS DE APRESENTAÇÃO A DIRF relativa ao ano de retenção de 1999 deverá ser apresentada em disquete 3½", CD-ROM, fita magnética, fita DAT ou cartucho, devendo ser acompanhada do Recibo de Entrega impresso pelo Programa Gerador da DIRF ou pelo Programa de Crítica. A apresentação da DIRF em fita magnética, fita DAT, cartucho ou CD-ROM, somente será aceita para arquivos contendo mais de beneficiários. Cada disquete, CD-ROM, fita magnética, fita DAT ou cartucho apresentado deverá conter arquivo único e exclusivo (arquivo DIRF) DIRF DE ANO-CALENDÁRIO ANTERIOR As Declarações de anos anteriores somente serão aceitas quando apresentadas em disquete ou CD-ROM. Serão consideradas como de ano anterior as Declarações entregues após 31 de dezembro do ano subseqüente àquele no qual o rendimento foi pago ou creditado. 3. PROGRAMA GERADOR DA DIRF A DIRF apresentada em disquete ou CD-ROM deverá, obrigatoriamente, ser gerada pelo Programa Gerador da DIRF. Este programa encontra-se à disposição dos declarantes nas unidades da Secretaria da Receita Federal e na INTERNET, no endereço FONTE DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE Normas Para Apresentação Opcionalmente, o programa permite o preenchimento e emissão do Comprovante de Rendimentos dos beneficiários, cujos dados tenham sido informados na DIRF. 4. ARQUIVO MAGNÉTICO O declarante cuja DIRF for gerada por meio próprio, ou seja, fita ou cartucho, deverá submetê-la ao Programa de Crítica, que testará a consistência das informações declaradas, permitindo sua correção antes da efetiva entrega. O Programa de Crítica poderá ser obtido nas unidades da SRF ou do SERPRO, discriminadas no item 6 deste trabalho. Para tanto, é exigida uma fita magnética com densidade da gravação ou bpi, ou um cartucho para unidade de gravação IBM 3480/3490, sem IDCR (Improved Data Record Capability) e densidade bpi, com identificação da empresa. O layout do arquivo magnético da DIRF foi divulgado através da Instrução Normativa 146 SRF/99 (Informativo 51/99). 5. PRAZO DE ENTREGA A DIRF deverá ser entregue no mês de fevereiro, até o último dia útil deste mês, ou seja, até ENCERRAMENTO DE ATIVIDADES A empresa que tiver encerrado suas atividades deverá apresentar, em relação a todos os seus estabelecimentos, no prazo de 30 dias contados da data em que se ultimar a liquidação, a DIRF relativa ao período de 1º de janeiro até a data do encerramento das atividades, sendo permitida a entrega somente em disquete ou CD-ROM. 6. LOCAL PARA ENTREGA A DIRF deverá ser entregue: a) nas unidades administrativas da Secretaria da Receita Federal (SRF), no caso de DIRF em disquete ou CD-ROM; b) nas unidades do Serviço de Processamento de Dados (SERPRO), nos endereços a seguir, quando se tratar de DIRF em fita magnética, fita DAT ou cartucho. Cidade Endereço Telefone Brasília-DF Av. L2 Norte SGAN Quadra 601 XXX Belém-PA Av. Perimetral da Ciência, Terra Firme XXX Fortaleza-CE Av. Pontes Vieira, 836 São João Tauape XXX Recife-PE Av. Parnamirim, 295 XXX Salvador-BA Av. Luis Vianna Filho, 2355 XXX Belo Horizonte-MG Av. José Cândido da Silveira, 1200 Cidade Nova XXX Rio de Janeiro-RJ Rua Pacheco Leão, 1235 Jardim Botânico XXX São Paulo-SP Rua Olívia Guedes Penteado, 941 Socorro XXX Curitiba-PR Rua Carlos Piolli, 133 Bom Retiro XXX Porto Alegre-RS Av. Augusto de Carvalho, 1133 Cidade Baixa XXX INFORMATIVO DINÂMICO 052

6 6.1. TRANSMISSÃO POR MEIO DA INTERNET Opcionalmente, as declarações apresentadas em um único disquete, inclusive as Declarações de encerramento de atividades e as relativas a anos-calendário anteriores, poderão ser transmitidas pela INTERNET. A transmissão via Internet é feita através de um programa chamado Receitanet. Para obtê-lo, o declarante deve acessar a página da Receita Federal na INTERNET (http://www.receita.fazenda.gov.br). 7. INFORMAÇÕES A SEREM PRESTADAS A DIRF informará todos os beneficiários que sofreram retenção na fonte, ainda que em um único mês do ano-calendário, bem como os rendimentos tributáveis pagos ou creditados pelo declarante, por si ou na qualidade de representante de terceiro, as respectivas deduções e o Imposto de Renda retido na fonte. O fato de ter havido retenção na fonte apenas em relação a um ou alguns dos meses do ano-calendário não desobriga a fonte pagadora de informar a totalidade dos rendimentos pagos ou creditados durante todo o ano-calendário. Deverão ser informados na DIRF os rendimentos para os quais, por força de decisão judicial, não houve retenção de imposto de renda na fonte ou, tendo havido retenção, os valores retidos não tenham sido recolhidos BENEFICIÁRIOS PESSOAS FÍSICAS Em relação ao beneficiário pessoa física, a DIRF deverá conter as seguintes informações: a) nome e número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF); b) valor dos rendimentos tributáveis, por código de retenção e mês de pagamento, que: I sofreram retenção do imposto de renda na fonte e tenha sido efetuado o respectivo recolhimento, ou não sofreram retenção por se enquadrarem abaixo do limite de isenção; II não sofreram retenção ou sofreram retenção do Imposto de Renda na fonte sem o correspondente recolhimento, em virtude de decisão judicial; c) o valor das deduções; e d) o respectivo valor do Imposto Renda retido na fonte. Na DIRF deverá ser informada a soma dos valores pagos em cada mês, independentemente de se tratar de pagamento integral em parcela única, antecipação ou de saldo de rendimentos, e o respectivo IR/Fonte Rendimentos do Trabalho Assalariado No caso de rendimentos do trabalho assalariado, as deduções correspondem à soma dos valores a seguir: a) dependentes; b) contribuições para a Previdência Social da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; c) contribuições para as entidades de previdência privada domiciliadas no País, e para o Fundo de Aposentadoria Programada Individual (FAPI), cujo ônus tenha sido do beneficiário, destinadas a assegurar benefícios complementares assemelhados aos da Previdência Social; e d) pensão alimentícia paga em cumprimento de decisão judicial ou acordo homologado judicialmente, inclusive prestação de alimentos provisionais Férias As férias, acrescidas dos abonos legais previstos, e a participação do empregado nos lucros ou resultados, com as respectivas retenções e deduções, serão informadas no mês em que foram efetivamente pagas e somadas às demais informações daquele mês Décimo Terceiro Salário Deverá ser informado o valor total pago durante o ano-calendário, a soma das deduções utilizadas para reduzir a base de cálculo desta gratificação, e o respectivo Imposto de Renda na fonte Proventos de Pensão e Aposentadoria A partir do mês em que o contribuinte completar 65 anos de idade, será informado como rendimento tributável, relativamente aos proventos de aposentadoria e pensão, transferência para a reserva remunerada ou reforma, pagos pela Previdência Social da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, por qualquer pessoa jurídica de direito público interno ou por entidade de previdência privada, a parte que exceder a R$ 900,00 em cada mês Ausentes no Exterior a Serviço do País Neste caso, o rendimento tributável corresponderá a quarta parte dos rendimentos do trabalho assalariado pagos pelo Governo Brasileiro, em moeda estrangeira, convertidos em Reais pela taxa de compra do dólar dos Estados Unidos, fixada, pelo Banco Central do Brasil, para o último dia útil da primeira quinzena do mês anterior ao do pagamento, divulgada pela SRF. As deduções serão convertidas em dólar do Estados Unidos da América, pelo seu valor fixado pela autoridade do país no qual as despesas foram realizadas, na data do pagamento e, em seguida, em Reais pela taxa de venda do dólar dos Estados Unidos da América, fixada pelo Banco Central do Brasil, para o último dia útil da primeira quinzena do mês anterior ao do pagamento, divulgada pela SRF Beneficiários Não-Residentes no Brasil Deverão ser informados na DIRF os rendimentos pagos durante todo o ano-calendário a beneficiários pessoas físicas não-residentes no Brasil desde que possuam número de inscrição no CPF, independentemente da data em que se cadastraram Serviços de Transportes Será informado como rendimento tributável: a) 40% do rendimento decorrente do transporte de carga e de serviços com trator, máquina de terraplenagem, colheitadeira e assemelhados; b) 60% do rendimento decorrente do transporte de passageiros Rendimentos de Aluguel Neste caso, será considerado rendimento tributável o valor pago a título de aluguel, diminuído dos encargos a seguir, desde que o ônus tenha sido exclusivamente do locador e o recolhimento tenha sido efetuado pelo locatário: a) impostos, taxas e emolumentos incidentes sobre o bem que tiver produzido o rendimento; b) aluguel pago por locação de imóvel sublocado; c) despesas pagas para cobrança ou recebimento do rendimento; d) despesas de condomínio. INFORMATIVO DINÂMICO 051

7 Garimpeiros Deverá ser informado como rendimento tributável o valor correspondente a 10% do rendimento pago a garimpeiros por empresas legalmente habilitadas, na venda de metais preciosos, pedras preciosas e semipreciosas por eles extraídos Rendimentos Pagos Acumuladamente Os rendimentos pagos acumuladamente e o respectivo imposto serão informados no mês do seu pagamento CPMF Não se considera como rendimento tributável o valor do acréscimo de remuneração proporcional ao valor da CPMF BENEFICIÁRIOS PESSOAS JURÍDICAS No caso de beneficiário pessoa jurídica, a DIRF deverá conter as seguintes informações: a) nome empresarial e número de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (); b) o valor dos rendimentos tributáveis pagos ou creditados no ano de 1999, discriminados mês a mês por código de retenção, que: I sofreram retenção do Imposto de Renda na fonte e tenha sido efetuado o respectivo recolhimento; II não sofreram retenção do Imposto de Renda na fonte em virtude de decisão judicial; III sofreram retenção do Imposto de Renda na fonte sem o correspondente recolhimento em virtude de decisão judicial; c) o respectivo valor do Imposto de Renda retido na fonte Órgãos Públicos Federais Caso o declarante seja órgão, autarquia ou fundação da administração pública federal, além das informações discriminadas no subitem anterior, deverão constar na DIRF os valores pagos e os retidos, por contribuinte e código de recolhimento, de acordo com o que dispõem as Instruções Normativas Conjuntas SRF-STN-SFC 04/97 (Informativos 34 e 35/97) e 03/98 (Informativo 46/98), e Instrução Normativa 28 SRF/99 (Informativo 09/99). Os rendimentos pagos pela administração direta, por fundações e autarquias federais, recolhidos sob o código 4371, devem ser informados na DIRF de acordo com os códigos correspondentes a cada rendimento específico, utilizados pelas empresas em geral Serviços de Propaganda e Publicidade As informações relativas ao rendimento e ao Imposto de Renda recolhido pelas agências de propaganda e publicidade deverão ser informados na DIRF da Anunciante. 8. CRITÉRIOS A SEREM ADOTADOS NO PREENCHI- MENTO Os valores da DIRF serão informados em Reais e com centavos CENTRALIZAÇÃO A DIRF, a ser apresentada pelo estabelecimento matriz, conterá informações relativas a todos os estabelecimentos da pessoa jurídica RENDIMENTOS DE APLICAÇÕES FINANCEIRAS O rendimento tributável de aplicações financeiras corresponderá ao valor que tiver servido de base de cálculo do Imposto de Renda retido na fonte. Este critério também será observado no caso de mútuo entre pessoas jurídicas Fundo ou Clube de Investimentos Os rendimentos pagos ou creditados por fundos ou clubes de investimentos deverão ser informados no anexo da DIRF da administradora do fundo ou clube de investimentos. A administradora deverá preencher um anexo para cada fundo ou clube de investimentos, discriminando cada beneficiário, os respectivos rendimentos pagos ou creditados e o Imposto de Renda retido na fonte FUSÃO, CISÃO E INCORPORAÇÃO As pessoas jurídicas objeto de fusão, cisão ou incorporação, informarão os rendimentos e retenções da forma a seguir: de 1º de janeiro até a data do evento, cada pessoa jurídica prestará as informações relativas a seus beneficiários sob o número de inscrição do anterior ao evento; a partir da fusão ou da incorporação, a pessoa jurídica resultante ou incorporadora prestará as informações sob o seu número de inscrição no ; a partir da cisão, cada pessoa jurídica resultante prestará informações sob o seu número de inscrição no RETENÇÃO A MAIOR O declarante que tiver retido imposto a maior de seus beneficiários em determinado mês e o tiver compensado nos meses subseqüentes, de acordo com a legislação em vigor, deverá declarar: no mês da referida retenção, o próprio valor retido a maior; nos meses da compensação, o valor da retenção mensal menos o valor compensado. O declarante que tiver retido o imposto a maior de seus beneficiários e não o tiver compensado, mas devolvido aos beneficiários a diferença retida a maior, deverá informar, no mês em que ocorreu a retenção a maior, o valor retido menos a diferença devolvida. 9. RETIFICAÇÃO Para fins de alteração da DIRF já entregue, deverá ser apresentada uma nova declaração do tipo retificadora, devendo, para tanto, ser observadas as seguintes condições: a) a declaração retificadora deverá conter todas as informações anteriormente declaradas, alteradas ou não, bem assim as informações a serem adicionadas, se for o caso; b) não serão informados na declaração retificadora os códigos e beneficiários a serem excluídos; c) a declaração retificadora substituirá integralmente as informações apresentadas na declaração anterior, não sendo permitida complementação de informações em declaração à parte; d) o declarante cuja DIRF houver sido gerada por meio do programa próprio (apresentada em fita ou cartucho) deverá obrigatoriamente gerar a DIRF retificadora mediante programa próprio; e) A DIRF retificadora de instituições administradoras de fundos ou clubes de investimentos deverá conter todos os fundos e clubes de investimentos anteriormente declarados. INFORMATIVO DINÂMICO 050

8 9.1. DECLARAÇÕES DE ANOS ANTERIORES As disposições examinadas neste item não se aplicam à DIRF referente a anos anteriores. O declarante que possuir DIRF de anos anteriores sujeita a retificação deverá consultar a unidade da SRF de sua jurisdição. Segundo instruções constantes do programa DIRF/2000, as declarações referentes a anos-calendário anteriores (94, 95, 96 e 97 e 98) e a encerramento de atividades (ano-calendário 2000), deverão ser apresentadas através do Programa Gerador de DIRF vigente na data da respectiva entrega, observada a moeda em vigor (UFIR em 94 e Real nos anos posteriores) CANCELAMENTO DA DECLARAÇÃO Para excluir um declaração (todos os códigos e beneficiários), deverá ser apresentada DIRF retificadora gerada sem nenhum beneficiário. 10. PENALIDADES O descumprimento das obrigações referentes ao preenchimento da DIRF sujeita o declarante às multas previstas na legislação tributária vigente, conforme examinamos a seguir FALTA DE APRESENTAÇÃO A falta de apresentação da DIRF no prazo fixado pela legislação ou sua apresentação fora de prazo submete o declarante à multa de R$ 57,34, por mês-calendário ou fração de atraso, tendo como termo inicial o dia seguinte ao término do prazo fixado para a entrega da declaração e termo final a data da efetiva entrega Redução da Multa O declarante que apresentar a DIRF fora de prazo, mas antes de qualquer procedimento de ofício ou se, após intimado, houver apresentado-a no prazo fixado, obterá o benefício de redução da multa à metade Pessoa Jurídica de Direito Público No caso de falta de apresentação da DIRF por pessoa jurídica de direito público, dentro do prazo, a autoridade fiscal da respectiva jurisdição comunicará o fato ao dirigente daquela, no prazo de dez dias, contado da ciência da irregularidade, para a realização de sindicância ou abertura de processo administrativo disciplinar contra o funcionário responsável pelo cumprimento da obrigação ERRO NO PREENCHIMENTO DA DIRF Os declarantes que apresentarem a DIRF com informações inexatas, incompletas ou omitidas estarão sujeitos à multa de R$ 5,73 para cada grupo de cinco ocorrências DECLARAÇÃO REJEITADA PELO PROCESSA- MENTO A DIRF rejeitada pelo processamento, em virtude de não atendimento às especificações técnicas exigidas, e não reapresentada, correta, no prazo fixado pela SRF, sujeita o declarante à multa que varia entre R$ 538,93 e R$ 2.694, GUARDA DE DOCUMENTOS Os documentos contábeis e fiscais, relacionados com Imposto de Renda retido na fonte, bem como cópia da DIRF e informações relativas a beneficiários sem retenção do imposto, devem ser conservados pelos pessoa jurídica declarante pelo prazo de cinco anos, a contar da entrega da DIRF à SRF. Os registros e controles de todas as operações, constantes da documentação comprobatória a que se refere este item, deverão ser separados por estabelecimento. Quando solicitada pela autoridade fiscalizadora, a documentação citada neste item deverá estar disponível para exame. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei 9.779, de artigo 15 (Informativo 03/99); Decreto 3.000, de Regulamento do Imposto de Renda artigos 929, 966 e 968 (Informativos 13 e 24/99) ; Instrução Normativa 86 SRF, de (Informativo 48/97); Instrução Normativa 130 SRF, de (Informativo 50/92); Instrução Normativa 146 SRF, de (Informativo 51/99). INFORMAÇÃO OUTROS ASSUNTOS FEDERAIS TAXA BÁSICA FINANCEIRA TAXA REFERENCIAL Variação Os Comunicados BACEN 7232 de , de , de , de e 7.242, de (DO-U, Seção 3-E, de 24 a ) fixaram as variações da Taxa Referencial (TR), da Taxa Básica Financeira (TBF) e do Redutor-R, relativas aos dias 19 a : DIAS TBF (%) REDUTOR-R (%) ,5034 1,0122 0, ,4368 1,0119 0, ,3765 1,0116 0, ,3610 1,0115 0, ,4263 1,0118 0, ,4746 1,0121 0, ,5014 1,0122 0,2780 TR (%) INFORMATIVO DINÂMICO 049

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.431, DE 24 DE ABRIL DE 2000. Regulamenta a execução do Programa de Recuperação Fiscal REFIS. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO LEI N.º 2.178, DE 02 DE JUNHO DE 2.014. *VERSÃO IMPRESSA ASSINADA Dispõe sobre o Programa de Recuperação e Estímulo à Quitação de Débitos Fiscais REFIS PORTO 2014 e dá outras providências. Eu, PREFEITO

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAUCAIA

MUNICÍPIO DE CAUCAIA LEI N 1765, DE 25 DE AGOSTO 2006. Institui o Programa de Recuperação Fiscal - REFIS no Município de Caucaia, e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE CAUCAIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF?

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Sim. A legislação da DIRF, Instrução Normativa n 1.406, de 23 de outubro de 2013, coloca como pessoa jurídica

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 3.256, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui o programa de recuperação de créditos tributários da fazenda pública municipal REFIM e dá outras providências. Piauí Lei: O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA,

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*)

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) DOU de 24.5.2005 Dispõe sobre o Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais (Dacon) relativo a fatos geradores ocorridos no ano-calendário

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 983, de 18 de dezembro de 2009 - Impressão

Instrução Normativa RFB nº 983, de 18 de dezembro de 2009 - Impressão Page 1 of 9 Instrução Normativa RFB nº 983, de 18 de dezembro de 2009 DOU de 21.12.2009 Dispõe sobre a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (Dirf) e o programa gerador da Dirf 2010. Alterada

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui a Segunda Etapa do Programa de Recuperação de Créditos Fiscais do Município REFIS II e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACAJU. Faço saber que a Câmara Municipal de Aracaju aprovou

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Programa de Parcelamento de Débitos Fiscais no âmbito do Sistema CFMV/ CRMVs, destinado à regularização de débitos de anuidades, multas, taxas, emolumentos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

Dívidas não parceladas anteriormente

Dívidas não parceladas anteriormente Débitos abrangidos Dívidas não parceladas anteriormente Artigo 1º da Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 6, de 2009 Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições dos arts.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DE CRÉDITOS FISCAIS DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE FARMÁCIA PRF/CFF-CRF

DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DE CRÉDITOS FISCAIS DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE FARMÁCIA PRF/CFF-CRF PORTARIA Nº 1907 Ementa: Regulamenta no âmbito do CRF/SC o Programa de Recuperação Judicial e Extrajudicial de Créditos Fiscais dos Conselhos Federal e Regionais de Farmácia PRF/CFF-CRF. A Presidente do

Leia mais

Comprovante de Rendimentos Financeiros

Comprovante de Rendimentos Financeiros Comprovante de Rendimentos Financeiros INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 2, de 3 de fevereiro de 2011

Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 2, de 3 de fevereiro de 2011 Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 2, de 3 de fevereiro de 2011 DOU de 4.2.2011 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelo sujeito passivo para a consolidação dos débitos nas modalidades de pagamento

Leia mais

http://www.merchant.com.br

http://www.merchant.com.br DOU de 29.10.2004 Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas de direito privado a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços. O SECRETÁRIO

Leia mais

DECRETO Nº 15.206, DE 29 DE SETEMBRO DE 2006.

DECRETO Nº 15.206, DE 29 DE SETEMBRO DE 2006. DECRETO Nº 15.206, DE 29 DE SETEMBRO DE 2006. REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI Nº 4.994/1995 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS VITOR LIPPI, Prefeito do Município de Sorocaba, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ DECRETO N. 4.489

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ DECRETO N. 4.489 Publicado no Diário Oficial Nº 8708 de 08/05/2012 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, e considerando o disposto na Lei

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

ÍNDICE. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012)

ÍNDICE. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012) ÍNDICE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012) TÍTULO I DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS CAPÍTULO I DOS CONTRIBUINTES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Seção II Dos Segurados Contribuintes Obrigatórios

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 PIS/COFINS EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. CERTIFICADO DIGITAL 3. OBRIGATORIEDADE 3.a Dispensa de Apresentação da EFD-Contribuições

Leia mais

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza DIRF - 2013 Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013 Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza 1 O QUE É A DIRF? É a Declaração em que é informada à RFB: Os rendimentos pagos a pessoas físicas domiciliadas no País,

Leia mais

1º Fica dispensada de apresentar a Declaração de Ajuste Anual, a pessoa física que se enquadrar:

1º Fica dispensada de apresentar a Declaração de Ajuste Anual, a pessoa física que se enquadrar: SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.246,DE 3 DE FEVEREIRO DE 2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

DIRF 2015 (ano-calendário 2014)

DIRF 2015 (ano-calendário 2014) DIRF 2015 (ano-calendário 2014) A Instrução Normativa nº 1.503, de 29 de outubro de 2014, que dispõe sobre a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (Dirf) e o Programa Gerador da Dirf 2015

Leia mais

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped.

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped. 001 O que é a EFD-Contribuições? A EFD-Contribuições é a Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 303, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Sem eficácia Texto para impressão Dispõe sobre parcelamento de débitos junto à Secretaria

Leia mais

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40.

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40. Vitória/ES, 23 de fevereiro de 2013. ORIENTAÇÕES PARA DECLARAÇÃO DO IRPF 2013 A partir do dia 1º março a Receita Federal começa a receber a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física.

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, ESTADO DO PIAUÍ

O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, ESTADO DO PIAUÍ 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 4.448, DE 17 DE SETEMBRO DE 2013. Publicado no DOM n 1.555, de 18.09.2013. Institui o Programa de Recuperação de Créditos Tributários e não Tributários do Município de Teresina RETRIMT

Leia mais

IN RFB 1.015/10 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº 1.015 de 05.03.2010

IN RFB 1.015/10 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº 1.015 de 05.03.2010 IN RFB 1.015/10 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº 1.015 de 05.03.2010 O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUBSTITUTO, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III

Leia mais

REFIS OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS

REFIS OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS REFIS OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS PROGRAMA DE PARCELAMENTO INCENTIVADO DE DÉBITOS FISCAIS Abrangência do Programa APRESENTAÇÃO Prezados (as) Industriais Desenvolvemos uma cartilha contendo uma síntese

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

2º Os débitos ainda não constituídos deverão ser confessados, de forma irretratável e irrevogável.

2º Os débitos ainda não constituídos deverão ser confessados, de forma irretratável e irrevogável. LEI COMPLEMENTAR Nº 171, DE 27 DE MAIO DE 2013. Autoriza o Poder Executivo Municipal a instituir o Programa de Recuperação Fiscal REFIS, no município de Sorriso, e dá outras providências. DILCEU ROSSATO,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 Altera a Resolução Normativa - RN 4, de 19 de abril de 2002, que dispõe sobre o parcelamento de débitos tributários e não tributários para com a

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015 ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE COMPROVANTE ANUAL DE RENDIMENTOS PAGOS OU CREDITADOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA PUBLICADO NO DOU DE 06/02 SEÇÃO 1, PÁG. 53 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 Disciplina o parcelamento do valor correspondente à

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

Instituições Financeiras, Seguros, Previdência e Outros.

Instituições Financeiras, Seguros, Previdência e Outros. Instituições Financeiras, Seguros, Previdência e Outros. Gerais - Assuntos de interesse geral CNPJ - Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas DCTF - Declaração de Contribuições e Tributos Federais DIRF -

Leia mais

Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos

Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos Este treinamento tem o objetivo de demonstrar as informações e funcionalidades da DIRF em relação às rotinas específicas do sistema JB Folha de Pagamento.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93 . DECRETO Nº 1.763 DE 18 DE MARÇO DE 2014. PREFEITO MUNICIPAL DE BAMBUÍ, em vigor, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔNICO DE GESTÃO DO ISSQN

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

MINISTÉRIO DA FAZENDA PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL MINISTÉRIO DA FAZENDA PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PORTARIA CONJUNTA PGFN/RFB Nº 15, DE 22 DE AGOSTO DE 2014. Regulamenta o art. 33 da Medida Provisória

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

AGENDA TRIBUTÁRIA FEDERAL: DEZEMBRO DE 2015 - ADE CODAC Nº 37, DE 20/11/2015

AGENDA TRIBUTÁRIA FEDERAL: DEZEMBRO DE 2015 - ADE CODAC Nº 37, DE 20/11/2015 AGENDA TRIBUTÁRIA FEDERAL: DEZEMBRO DE 2015 - ADE CODAC Nº 37, DE 20/11/2015 Divulga a Agenda Tributária do mês de dezembro de 2015. O COORDENADOR-GERAL DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA, no uso da atribuição

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. EMENTA: Concede parcelamento de débitos fiscais com anistia

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto

Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.668, DE 25 DE JUNHO DE 1993. Dispõe sobre a constituição e o regime tributário dos Fundos de Investimento Imobiliário e dá

Leia mais

Abrangência: Esse programa abrange:

Abrangência: Esse programa abrange: Condições a serem observadas para adesão ao programa de recuperação fiscal que concede condições especiais para o pagamento à vista e o parcelamento de débitos de qualquer natureza (Portaria Conjunta PGFN/RFB

Leia mais

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTÍCIAS - 2013 Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO A presidente Dilma Rousseff sancionou o projeto de lei de conversão resultante

Leia mais

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Dispõe sobre os procedimentos de acompanhamento, controle e avaliação a serem adotados na utilização dos benefícios fiscais instituídos pela Lei n

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone/fax (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM COMUNICADO FDE / DRA Nº 001/2015 OBRIGAÇÕES FISCAIS E SOCIAIS DA APM 2 0 1 5 Página 1 de 9 O objetivo deste texto é informar aos dirigentes das Associações de Pais e Mestres APMs de Escolas Estaduais conveniadas

Leia mais

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 Regulamenta a Lei nº 12.949, de 14 de fevereiro de 2014 que estabelece mecanismos de controle do patrimônio público do Estado da Bahia, dispondo sobre provisões

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU LEI Nº 6.071, DE 17 DE MAIO DE 2.011 P. 44.656/09 Altera as redações dos artigos 96 e 98 da Lei Municipal nº 1.929, de 31 de dezembro de 1.975, acrescenta a estes outros dispositivos relacionados ao parcelamento

Leia mais

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) Regulamenta os arts. 5º a 9º e 23, da Lei nº 5.546, de 27 de dezembro de 2012, que instituem remissão, anistia e parcelamento estendido,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 040/2012. De 12 de Junho de 2012.

LEI COMPLEMENTAR N 040/2012. De 12 de Junho de 2012. LEI COMPLEMENTAR N 040/2012. De 12 de Junho de 2012. AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A INSTITUIR O PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO FISCAL REFIS, NO MUNICÍPIO DE TAPURAH E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Sr. MILTON

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Quais são os limites de rendimentos que obrigam (pessoa física) a apresentação da Declaração de Ajuste Anual relativa ao ano-calendário de 2014, exercício de 2015? A

Leia mais

Empresas optantes pelo SIMPLES NACIONAL não estão obrigadas apresentar DCTF

Empresas optantes pelo SIMPLES NACIONAL não estão obrigadas apresentar DCTF Empresas optantes pelo SIMPLES NACIONAL não estão obrigadas apresentar DCTF A seguir apresentamos um resumo sobre a obrigatoriedade e a não obrigatoriedade de apresentar a DCTF. QUEM ESTÁ OBRIGADO APRESENTAR

Leia mais

VGL NEWS ASSUNTOS FISCAIS. Tributos e Contribuições Federais. Portaria MF 185/06 Parcelamento de Débitos perante a SRF e PGFN

VGL NEWS ASSUNTOS FISCAIS. Tributos e Contribuições Federais. Portaria MF 185/06 Parcelamento de Débitos perante a SRF e PGFN VGL NEWS ANO 6 INFORMATIVO 104 01 DE JULHO a 31 DE JULHO DE 2006 ASSUNTOS FISCAIS Portaria MF 185/06 Parcelamento de Débitos perante a SRF e PGFN 1 Portaria Conjunta PGFN/SRF 02/06 REFIS III 1 Instruções

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

Lei nº 11.053. Dispõe sobre a tributação dos planos de benefícios de caráter previdenciário e dá outras providências.

Lei nº 11.053. Dispõe sobre a tributação dos planos de benefícios de caráter previdenciário e dá outras providências. Lei nº 11.053 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefícios de caráter previdenciário e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

I - as pessoas jurídicas de direito privado em geral, inclusive as equiparadas, as imunes e as isentas, de forma centralizada, pela matriz;

I - as pessoas jurídicas de direito privado em geral, inclusive as equiparadas, as imunes e as isentas, de forma centralizada, pela matriz; CURSO DCTF DIRF PER/DCOMP INDICE TEMA PÁG DCTF 01 DIRF 19 PER/DCOMP 33 1) DECLARAÇÃO DE DÉBITOS E CRÉDITOS TRIBUTOS FEDERAIS Da Obrigatoriedade de Apresentação da DCTF Art. 2º Deverão apresentar a Declaração

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

Lei 12.996/2014 - Regulamentação

Lei 12.996/2014 - Regulamentação Lei 12.996/2014 - Regulamentação Regulamentada pela Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 13, de 30/07/2014, que estabelece as condições para adesão ao Parcelamento ou Pagamento à vista de que tratam o artigo

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais para o exercício de 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso das atribuições

Leia mais

14/2/2013 DIRF-2013. Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado

14/2/2013 DIRF-2013. Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado DIRF-2013 Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado 1 Obrigatoriedade de apresentação Programa gerador A apresentação Prazo de apresentação Retificação Processamento

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 (Dispõe sobre a instituição e obrigatoriedade da nota fiscal eletrônica de serviços, da declaração eletrônica de prestadores e tomadores de serviços, com pertinência

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Aprova o Regulamento de Parcelamento de Créditos Não Tributários Administrados pela Agência Nacional de Telecomunicações Anatel

Leia mais

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties ALUGUÉIS Retenção do Imposto Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties A legislação tributária prevê que constituem rendimento bruto sujeito ao Imposto de Renda

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.218, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2011 Altera a Instrução Normativa RFB nº1.052, de 5 de julho de 2010, que institui a Escrituração Fiscal Digital

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal 03/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão...

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 025/2013

NOTA TÉCNICA N o 025/2013 NOTA TÉCNICA N o 025/2013 Brasília, 04 de junho de 2013. ÁREA: TÍTULO: REFERÊNCIA: Jurídico Parcelamento de débitos dos Municípios com a Fazenda Nacional relativos ao Programa de Formação do Patrimônio

Leia mais

5º REVOGADO. 6º REVOGADO. 7º REVOGADO. 8º REVOGADO. 9º REVOGADO.

5º REVOGADO. 6º REVOGADO. 7º REVOGADO. 8º REVOGADO. 9º REVOGADO. CAPÍTULO II DO PARCELAMENTO DE DÉBITO Art. 163. O débito decorrente da falta de recolhimento de tributos municipais poderá ser pago em até 96 (noventa e seis) parcelas mensais e sucessivas, observado o

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO Nº 027, DE 19 DE MARÇO DE 2015.

DECRETO EXECUTIVO Nº 027, DE 19 DE MARÇO DE 2015. DECRETO EXECUTIVO Nº 027, DE 19 DE MARÇO DE 2015. Regulamenta os dispositivos da Lei Complementar nº002, de 28 de dezembro de 2001 - Código Tributário Municipal, dispondo sobre a Nota Fiscal de Serviços

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo LEI Nº 7.938

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo LEI Nº 7.938 LEI Nº 7.938 Altera a Lei nº 6.075, de 29 de dezembro de 2003, com as alterações da Lei nº 6.236, de 09 de dezembro de 2004, da Lei nº 6.262, de 23 de dezembro de 2004, da Lei nº 6.527, de 29 de dezembro

Leia mais

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É DAA? É a Declaração de Imposto de Renda Anual Denominada - Declaração de Ajuste Anual ÓRGÃOS REGULADORES Receita Federal do Brasil Procuradoria

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

ANO XXV - 2014-5ª SEMANA DE JANEIRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 05/2014

ANO XXV - 2014-5ª SEMANA DE JANEIRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 05/2014 ANO XXV - 2014-5ª SEMANA DE JANEIRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 05/2014 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE COMPROVANTE ELETRÔNICO DE RENDIMENTOS PAGOS IRRF E SERVIÇOS MÉDICOS E DE SAÚDE - PESSOA FÍSICA

Leia mais

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais, o valor da Unidade Financeira Municipal (UFM) e os preços do metro quadrado de terrenos

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm Page 1 of 9 Espólio - Contribuinte Falecido CONCEITO 085 O que é espólio? Espólio é o conjunto de bens, direitos e obrigações da pessoa falecida. É contribuinte distinto do meeiro, herdeiros e legatários.

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais