2 3ATA DA 128ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 4DE FORTALEZA 5Às quatorze horas do dia doze de janeiro do ano de dois mil e dez, no

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 3ATA DA 128ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 4DE FORTALEZA 5Às quatorze horas do dia doze de janeiro do ano de dois mil e dez, no"

Transcrição

1 1 3ATA DA 18ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 4DE FORTALEZA 5Às quatorze horas do dia doze de janeiro do ano de dois mil e dez, no Auditório do 6CMSF, situado na Rua do Rosário, nº 83 Centro, o Conselho Municipal de Saúde 7de Fortaleza realizou a 18ª reunião ordinária, com a presença dos seguintes 8membros: Conselheiros Titulares: José Apolinário da Rocha; Luiza Lourenço do 9Nascimento; Magda Maria Silva; Antônio Luiz Mateus; Joaquim José Gomes Nunes 10Neto; Edmilson Pereira da Silva; Cláudio Ferreira do Nascimento; Florentino de 11Araújo Cardoso Filho; Antonio Marcos Gomes da Silva; Fernando dos Santos Rocha 1Filho; Tânia Maria dos Santos Saraiva; Anisia Ferreira Lima; Maria de Lourdes da 13Silva Sales; Francisco Ielano Vasconcelos Mesquita; Maria Jose Soares; Maria do 14Socorro Carvalho; Danilo Pereira Cavalcante. Conselheiros Suplentes e Substitutos: 15Maria Edilene Sales; Reginaldo Alves das Chagas. Conselheiros Suplentes Não- 16Substitutos: João Batista de Souza; Manuel Valentim de Oliveira; Raimunda de Sales 17Sousa; Agnel Conde Neto. Participaram ainda da reunião 36(trinta e seis) convidados 18(as). Justificaram ausência os (as) Conselheiros (as): Francisco das Chagas Oliveira 19Brito; Danielle Karoline Soares Sousa; Sônia de Fátima Marques Barros; Dellany 0Oliveira; Erica Maria Lima Pimentel. PAUTA: Apreciação das atas. (17º e 64º); 1Avaliação do Controle Social no Município de Fortaleza (origem do planejamento para 010 do CMSF); Parecer da Comissão de Planos Projetos e Programas 3(Aprovação PET-UECE-UNIFOR-UFC); Escolha dos Representantes da Comissão 4Eleitoral; Apresentação do Plano de Contingência para a Prevenção e Controle de 5Epidemias de Dengue no Município de Fortaleza em 010; Informes. O Conselheiro 6Reginaldo Alves, Representante da SMS, iniciou estendendo boas vindas a todos (as) 7presentes. Informou que devido a ausência da Sra. Maria do Socorro Carvalho Fernandes, 8Presidente do Conselho Municipal de Saúde de Fortaleza e respectivo Vice-Presidente, Sr. 9Alexandre José Mont'Alverne, na condição de suplente do Sr. Alexandre José 30Mont'Alverne, assumiu juntamento com o Secretário Geral, Sr. Antonio Marcos Gomes, os 31trabalhos da Mesa Diretora. O Secretário Geral informou a presença dos representantes da 3dengue. Informou que os mesmos encaminharam no dia sete de Janeiro do ano de dois mil e 33dez ao Conselho Municipal de Saúde, o Plano de Contingência para Prevenção e Controle 34de Epidemias de Dengue no Município de Fortaleza do ano de dois mil e dez, para analise 35da Comissão de Planos, Projetos e Programas. No entanto, devido a falta de tempo hábil 36para analise, os representantes do projeto sugeriram que fosse incluso como ponto de pauta 37para aprovação do plano nesta reunião, por tratar-se de um projeto de relevância ou será 38colocar como Ad Referendum. O Conselheiro Joaquim Jose, Representante do 39Conselho Regional de Saúde da SER V, solicitou que por questão de ordem, fosse 40informado o tempo necessário para apresentação. Os representantes do projeto informaram 41que o tempo necessário seria de apenas meia hora. O conselheiro Joaquim José falou da 4necessidade de incluir o projeto como ponto de pauta desta reunião, pois no CESAU foi 43feito um AD referendum com a intenção de prorrogar o prazo para apresentação desse 1 1

2 44projeto, no entanto o ato não foi cumprido, devido à maioria ter se colocado a favor da 45apresentação devido a relevância do assunto. O Conselheiro Marcos Gomes Secretario 46Geral do Conselho Municipal de Saúde de Fortaleza iniciou com a apreciação da Ata da 4717º Reunião Ordinária do Conselho Municipal de Fortaleza, foram feitas as alterações dos 48seguintes conselheiros: Claudio Ferreira, Manuel Valentim, João Batista, Reginaldo 49Chagas. O Conselheiro Reginaldo Chagas informou na Ata da 17º Reunião Ordinária 50que sua fala estava um pouco resumida e que poderia ser mais bem detalhada. Por esse fato 51o conselheiro pede que a Ata seja mais fiel a reunião. O Conselheiro Marcos Gomes 5informou que a após apreciação a Ata da 17º Reunião do Conselho Municipal de Saúde 53de Fortaleza foi aprovada com 14(quatorze) votos a favor, 03(três) abstenções. Colocou 54para aprovação a Ata da 64º Reunião Extraordinária, foram feitas as alterações dos 55seguintes conselheiros: Luzia Lourenço; Manuel Valentim; Cláudio Ferreira; Maria Edilene 56Oliveira. O Conselheiro Cláudio Ferreira, Representante das Entidades 57Odontológicas, questionou a forma como foi colocado o posicionamento do Conselho 58Municipal na aprovação da resolução da O.S, foi registrado na Ata da 64º Reunião 59Extraordinária do Conselho Municipal, que o conselho citado defendia a resolução a favor 60da O.S, no entanto o que ficou claro foi que o conselho aprovava o parecer mediante 61normas exposta e por um período de 0(dois) anos, o mesmo pede esclarecimento a respeito 6deste assunto. O Conselheiro Marcos Gomes, falou que sobre a resolução o Conselho na 63verdade estabelece critérios por um período de (dois) anos para que sejam avaliadas a 64implantação da O.S. Critérios como: Que seja incluso como cláusula contratual a 65articulação da Lei nº 814/90, no desenho dos contratos existentes e posteriores, bem como 66apresentação de relatórios com balancetes financeiros semestralmente às Comissões do 67Conselho Municipal de Saúde de Fortaleza dentre outros. O Conselheiro Francisco 68Ielano, Representante das Entidades Farmacêuticas, falou que naquela reunião os 69conselheiros não aprovavam um conjunto de metas que foram aprovadas mais sim como 70uma condição de ser debatido o tema com a comunidade. O Conselheiro Marcos Gomes, 71explicou que na época da aprovação da resolução foi formado um GT para analise do 7projeto de implantação da O.S, deste GT saiu um parecer que aprovava a O.S, no entanto 73com critérios. O conselheiro questionou que mediante tantas discussões o pleno deseja 74colocar novamente o tema O.S como ponto de pauta para as reuniões desta vez se 75colocando contra o sistema de O.S, OCIPS e Derivados. O Conselheiro Luiz Mateus, 76Representante do CRS IV, pediu que se o pleno deseja a discussão do tema O.S que seja 77colocado como ponto de pauta de outras reuniões e que por questão de ordem retornemos a 78pauta desta reunião, pois temos várias coisas para se deliberar. O Conselheiro Marcos 79Gomes informa que a Ata da 64º Reunião Extraordinária foi aprovada com 06(seis) votos 80a favor e 11(onze) abstenções. O Conselheiro passou para o pleno a Avaliação do Controle 81Social no Município de Fortaleza que deu origem o planejamento para o ano de 010 do 8Conselho Municipal de Saúde de Fortaleza. O Conselheiro Joaquim Jose sugeriu no 83iniciou da reunião que fosse incluso como ponto de pauta o Plano de Contingência para a 84Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue no Município de Fortaleza em 010(dois 85mil e dez), devido a relevância do tema, reforça que o pleno deve votar para a inclusão do 86ponto de pauta. A Conselheira Maria de Lourdes, Representante das Entidades de

3 87Nível Médio e Trabalhador de Saúde, pediu inclusão de ponto de pauta sobre os Agentes 88Comunitários de Saúde. O Conselheiro Marcos Gomes convidou o Secretario Executivo 89do Conselho Municipal de Saúde de Fortaleza, Sr. Idenio Pontes para conduzir a Avaliação 90do Controle Social. O Sr. Idenio Pontes, Secretario Executivo do Conselho Municipal 91de Saúde de Fortaleza, estendeu boas vindas a todos e todas presentes, posteriormente 9informou que a Avaliação do Controle Social a priori seria realizada na plenária do 93conselho, com a formação de grupos de debate, no entanto devido a necessidade da 94inclusão do ponto de pauta sobre o Plano de Contingência da Dengue, a secretaria executiva 95do Conselho Municipal distribuiu a plenária um questionário de avaliação que será 96respondido individualmente e entregue posteriormente a secretaria executiva para que a 97mesma encaminhe a Mesa Diretora pois esta avaliação será uma base para a construção do 98Plano de Ação do ano de 010(dois mil e dez)para a nova mesa diretora. O Conselheiro 99Marcos Gomes colocou os Pareceres da Comissão de Planos Projetos e Programas para 100aprovação do pleno PARECER Nº 09/009 G.T Da Comissão de Planos Projetos e 101Programas. DATA: 8/1/009, REFERÊNCIA: Projeto PET-SAÚDE 10010/011(UNIFOR), Parecer aprovado na 18ª Reunião Ordinária do Conselho Municipal 103de Saúde Fortaleza, no dia 1 de Janeiro de 010 com 17 votos, ou seja, unanimidade. No 104dia 8 de Dezembro de 009, a Comissão de Planos, Projetos e Programas, Comissão de 105Orçamento e Finanças, Comissão de Acompanhamento de Gestão do Sistema, Comissão de 106Recursos Humanos e Controle Social, estiveram reunidos para analisar o Projeto Pet-Saúde, 107que tem como objetivo geral: Promover a reorientação da formação profissional para o 108contexto de integração da Estratégia de Saúde da Família às Redes de Atenção à Saúde por 109meio das atividades de ensino-pesquisa-extensão, buscando a integralidade da atenção e a 110efetivação do controle social na deliberação das Políticas Municipais de Saúde. Após a 111apresentação do projeto ficou evidente sua importância no Sistema Público de Saúde, e terá 11parecer favorável, sugerindo implantar indicadores, analisando o desenho da relação 113habitante/profissional há necessidade do Controle Social. Recomenda ainda que: ao final de 114cada semestre (seis meses) sejam apresentados os resultados ao Conselho Municipal de 115Saúde de Fortaleza. PARECER Nº 10/009 G.T Da Comissão de Planos Projetos e 116Programas. DATA: 8/1/009 REFERÊNCIA: Projeto PET-SAÚDE 010/ (UECE) Parecer aprovado na 18ª Reunião Ordinária do Conselho Municipal de Saúde 118Fortaleza, no dia 1 de Janeiro de 010 com 17 votos, ou seja, unanimidade. No dia 8 de 119Dezembro de 009, a Comissão de Planos, Projetos e Programas, Comissão de Orçamento 10e Finanças, Comissão de Acompanhamento de Gestão do Sistema, Comissão de Recursos 11Humanos e Controle Social, estiveram reunidos para analisar o Projeto Pet-Saúde que tem 1como objetivo geral: Propiciar processo de ensino-aprendizagem aos estudantes e docentes 13dos cursos de graduação da área da saúde mediados pela realidade social vivenciada pela 14população e pelo contexto das unidades básicas de saúde da família. Após a apresentação 15do projeto ficou evidente sua importância no Sistema Público de Saúde, e terá parecer 16favorável, sugerindo implantar indicadores, analisando o desenho da relação 17habitante/profissional há necessidade do Controle Social. Recomenda ainda que: ao final de 18cada semestre (seis meses) sejam apresentados os resultados ao Conselho Municipal de 19Saúde de Fortaleza. PARECER Nº 11/009 G.T Da Comissão de Planos Projetos e 3 3

4 130Programas. DATA: 8/1/009 REFERÊNCIA: Projeto PET-SAÚDE010/011. (UFC) 131Parecer aprovado na 18ª Reunião Ordinária do Conselho Municipal de Saúde Fortaleza, no 13dia 1 de Janeiro de 010 com 17 votos, ou seja, unanimidade. No dia 8 de Dezembro de , a Comissão de Planos, Projetos e Programas, Comissão de Orçamento e Finanças, 134Comissão de Acompanhamento de Gestão do Sistema, Comissão de Recursos Humanos e 135Controle Social estiveram reunidos para analisar o Projeto Pet-Saúde que tem como 136objetivo geral: Fortalecer a formação profissional em nível de graduação de alunos da área 137da saúde na Estratégia Saúde da Família, visando viabilizar a integração ensino serviço 138entre os cursos da área de saúde da Universidade Federal do Ceará e a rede de atenção 139básica da Secretaria de Saúde do Município de Fortaleza (CE). Após a apresentação do 140projeto ficou evidente sua importância no Sistema Público de Saúde, e terá parecer 141favorável, sugerindo implantar indicadores, analisando o desenho da relação 14habitante/profissional há necessidade do Controle Social. Recomenda ainda que: ao final de 143cada semestre (seis meses) sejam apresentados os resultados ao Conselho Municipal de 144Saúde de Fortaleza. O Conselheiro Claudio Ferreira, falou ser bastante importante na 145elaboração dos próximos projetos a presença do Conselho Municipal e dos Conselhos 146Regionais. Importante também a discussão da contra partida das universidades. Falou que o 147projeto não esta bem especificada, pois muitas questões ainda encontram-se em aberto, 148como a questão de no projeto estar incluída uma faculdade particular. Citou a importância 149do Pet-Saúde ser um programa melhor controlado financeiramente por meio da Secretaria 150de Saúde com vista ao Conselho Municipal, pois a exemplo do Pró-Saúde que recebe uma 151verba mais e não a distribui da maneira correta. Sugere como ponto de pauta para próxima 15reunião, o acompanhamento das atividades do Pró-Saúde. O Conselheiro Joaquim Jose, 153falou ser interresante a entrega no mínimo anual de um relatório de acompanhamento dos 154projetos para que o Conselho Municipal tenha conhecimento de como estão sendo 155encaminhados os trabalhos. O mesmo citou o exemplo do CESAU, que ao aprovar o 156projeto colocou como uma das exigências a entrega semestral de um relatório de 157acompanhamentos das atividades do projeto. O Conselheiro falou que sobre a questão das 158regiões que os projetos contemplam, ainda necessitam serem melhores discutidas, pois 159quando se trata de saúde pública não se pode ocorrer restrições, como contemplar um 160regional somente porque a faculdade esta localizada na mesma. O Conselheiro Manuel 161Valentim, Representante do CRS VI, falou que de acordo como todo debate que foi feito 16e com todas as opiniões expostas na reunião anterior, esses pareceres encontram-se muito 163resumidos, o mesmo colocou que pode ser que não tenha tido uma compreensão muito 164clara. Acredita ser interresante que esses profissionais que serão contemplados com o 165projeto sejam conscientizados de seu papel como profissional, pois vemos muitos 166treinamentos e os postos de saúde estão sofrendo com a falta de profissionais. O 167Convidado Sr. João Urânio, representante da Vigilância Ambiental, iniciou sua 168apresentação sobre o Plano de Contingência Para a Prevenção e Controle de Epidemias 169de Dengue no Município de Fortaleza em 010. As Diretrizes Nacionais para a 170Prevenção e Controle de Epidemia de Dengue estão estruturadas em torno de componentes: assistência ao paciente, vigilância epidemiológica, controle vetorial e 17comunicação e mobilização. Tendo como meta assegurar uma taxa de letalidade por dengue 4 4

5 173menor que 1%. O Objetivo Geral é: Atender as Diretrizes Nacionais para a Prevenção e 174Controle de Epidemia de Dengue tendo como finalidade: evitar a ocorrência de óbitos por 175dengue; prevenir e controlar processos epidêmicos. Os Objetivos Específicos são: 176organizar as ações de prevenção e controle da dengue; classificar riscos nos serviços de 177saúde; promover assistência adequada ao paciente; aprimorar a vigilância epidemiológica; 178padronizar os insumos estratégicos necessários; definir estratégias para redução da força de 179transmissão da doença; por meio do controle do vetor e de seus criadouros; apoiar a 180capacitação do profissional de saúde e dos gestores; sistematizar as atividades de 181mobilização e comunicação; aprimorar a análise da situação epidemiológica e da 18organização da rede de atenção para orientar a tomada de decisão; articular as diferentes 183áreas e serviços, visando à integralidade das ações para enfrentamento da dengue e reforçar 184ações de articulação intersetorial em todas as esferas de gestão. São essas as Estratégias 185Para Implementação do Plano de Contingência Assistência ao Paciente: Classificação 186de risco para prioridade de atendimento; Organização dos serviços de saúde; Enfrentamento 187de uma epidemia de dengue. Vigilância Epidemiológica: Notificação ON LINE dos casos 188da dengue, Monitoramento da Febre Hemorrágica da Dengue, Investigação de óbitos 189suspeitos de dengue, Notificação dos casos da Dengue Clássica (DC), Mecanismos para 190notificação e divulgação, Fortalecimento local da Vigilância Epidemiológica e Capacitação 191dos profissionais médicos e enfermeiros. Controle Vetorial: Ações de controle vetorial, 19Controle do Vetor Adulto por meio de Máquinas de Ultra Baixo Volume (UBV), 193Capacidade instalada. Mobilização e Comunicação. Gestão do Plano de Contingência. 194Financiamento do Plano de Contingência. Após apresentação do plano de contingência o 195Sr. Marcos Gomes Secretário Geral do Conselho Municipal de Saúde de Fortaleza coloca 196em votação na plenária que foi aprovada por unanimidade. Informou a Secretaria de Gestão 197Estratégica e Participativa SGEPS, que o Conselho Municipal de Saúde de Fortaleza tem 198a sua sede própria situada na Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza, com auditório, 199sala de recepção, sala das comissões, sala da mesa diretora e Secretaria Executiva. 00Informou ainda, que o computador e a impressora doados pela Secretaria de Gestão 01Estratégica e Participativa Ministério da Saúde estão instalados neste conselho com 0acesso a internet. Nada mais havendo a tratar, eu, Antônio Marcos Gomes da Silva, 03Secretário Geral do Conselho Municipal de Saúde de Fortaleza lavrei a presente ata, que 04após lida, aprovada, será assinada pelos Conselheiros presentes. Fortaleza, 1 de Janeiro de

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

Relatório Final da VI Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa Piraí RJ.

Relatório Final da VI Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa Piraí RJ. PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAÍ SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI P.A.I. PONTO DE APOIO AO IDOSO Inaugurado numa quinta-feira, o novo ano no Calendário Gregoriano,

Leia mais

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO PARA O COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CTI)

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO PARA O COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CTI) PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO PARA O COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CTI) Abril/2013 CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art. 1º. O Comitê de Tecnologia da Informação CTI do Instituto Federal

Leia mais

Livro de Atas das Reuniões de 2012. Ata da Quadragésima Quarta Reunião Ordinária do Conselho Municipal de Saúde de Uberaba

Livro de Atas das Reuniões de 2012. Ata da Quadragésima Quarta Reunião Ordinária do Conselho Municipal de Saúde de Uberaba Ata da Quadragésima Quarta Reunião Ordinária do Conselho Municipal de Saúde de Uberaba Aos onze dias do mês de janeiro de dois mil e doze, às dezenove horas, realizou-se na sede da Secretaria Municipal

Leia mais

ATA DA 4ª SESSÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CAD, DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR.

ATA DA 4ª SESSÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CAD, DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 ATA DA 4ª SESSÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CAD, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

[Digite aqui] Ministério da Educação Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira UNILAB

[Digite aqui] Ministério da Educação Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira UNILAB 1 ATA DA 20ª SESSÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 Aos trinta dias do mês de outubro de dois mil e quatorze,

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA DE JACOBINA

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA DE JACOBINA REGIMENTO INTERNO DA IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JACOBINA BA Art. 1º. Este regimento interno da IV Conferência Municipal de Saúde de Jacobina-BA CMS tem como finalidade definir a organização dos

Leia mais

ATA XXXIV Reunião Ordinária do Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente.

ATA XXXIV Reunião Ordinária do Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente. ATA XXXIV Reunião Ordinária do Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Aos vinte e três dias do mês de outubro

Leia mais

FORJAS TAURUS S.A. CNPJ 92.781.335/0001-02 NIRE 43 3 0000739 1

FORJAS TAURUS S.A. CNPJ 92.781.335/0001-02 NIRE 43 3 0000739 1 FORJAS TAURUS S.A. CNPJ 92.781.335/0001-02 NIRE 43 3 0000739 1 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Data, hora e local: 25 de junho de 2014, às 13:00 horas, na sede social de Forjas Taurus S.A.,

Leia mais

Colegiado de Gestão da Fepecs

Colegiado de Gestão da Fepecs 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 Aos nove dias do mês de agosto do ano de dois mil e treze, às nove horas e

Leia mais

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO DECRETO Nº. 584, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2014. Homologa Regimento Interno do Fórum Municipal de Educação de Alegrete. O PREFEITO MUNICIPAL, no uso de sua atribuição, que lhe confere o Art. 101, IV, da Lei

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2014 São Luis de Montes Belos Goiás Faculdade Montes Belos Curso de Engenharia Agronômica São Luis de Montes Belos - Goiás COORDENADOR

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FARIAS BRITO

CÂMARA MUNICIPAL DE FARIAS BRITO ATA DA VIGÉSIMA SÉTIMA SESSÃO ORDINÁRIA DO SEGUNDO PERÍODO DA DÉCIMA OITAVA LEGISLATURA DA CÂMARA MUNICIPAL DE FARIAS BRITO, CEARÁ. Aos 04 (quatro) dias do mês de setembro de 2013 (dois mil e treze), às

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO / SP.

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO / SP. REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO / SP. CAPÍTULO I DA NATUREZA, DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA Art. 1º - O Comitê Gestor de TI, de

Leia mais

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - Conarenf, criada pela

Leia mais

CONSELHO DE CONSUMIDORES Criado pela Lei nº 8.631, de 4 de março de 1993

CONSELHO DE CONSUMIDORES Criado pela Lei nº 8.631, de 4 de março de 1993 ATA DA 73ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE CONSUMIDORES DA AMPLA Local: Sala de reuniões da Diretoria Comercial, Edifício Sede da Ampla, Praça Leoni Ramos nº 1 bl. 02 / 4º andar - São Domingos Niterói,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná LEI Nº 558/2003

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná LEI Nº 558/2003 LEI Nº 558/2003 CRIA O CONSELHO COMUNITÁRIO DE SEGURANÇA DO MUNICÍPIO DE JURANDA, ESTADO DO PARANÁ, ESTABELECE ATRIBUIÇÕES E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE JURANDA, ESTADO DO PARANÁ, APROVOU

Leia mais

Reabilitação, João Alírio Teixeira da Silva Junior, Superintendente Técnico, Fause Musse, Superintendente de Relações Externas, Dr.

Reabilitação, João Alírio Teixeira da Silva Junior, Superintendente Técnico, Fause Musse, Superintendente de Relações Externas, Dr. ATA DE REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO GOIANA DE INTEGRALIZAÇÃO E REABILITAÇÃO AGIR PARA APRECIAÇÃO E APROVAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS REFERENTE AO SEGUNDO SEMESTRE DE 2015

Leia mais

ATA DA 1ª REUNIÃO PLENÁRIA, 1ª EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DA BAHIA, REALIZADA DIA DOIS DE JANEIRO DE DOIS MIL E DOZE.

ATA DA 1ª REUNIÃO PLENÁRIA, 1ª EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DA BAHIA, REALIZADA DIA DOIS DE JANEIRO DE DOIS MIL E DOZE. 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 ATA DA 1ª REUNIÃO PLENÁRIA, 1ª EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DA BAHIA, REALIZADA DIA DOIS

Leia mais

ATA DA 2ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (COMCIT)

ATA DA 2ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (COMCIT) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 ATA DA 2ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (COMCIT) Aos dois dias do mês

Leia mais

Item 2.0 Aprovação da Ata 21

Item 2.0 Aprovação da Ata 21 - 1-1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 ATA DA VIGÉSIMA TERCEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PROGRAMA DE APOIO A PLANOS DE REESTRUTURAÇÃO E EXPANSÃO DAS

Leia mais

ATA DA DÉCIMA SEGUNDA REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PROGRAMA DE APOIO A PLANOS DE REESTRUTURAÇÃO E EXPANSÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS REUNI NA

ATA DA DÉCIMA SEGUNDA REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PROGRAMA DE APOIO A PLANOS DE REESTRUTURAÇÃO E EXPANSÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS REUNI NA ATA DA DÉCIMA SEGUNDA REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PROGRAMA DE APOIO A PLANOS DE REESTRUTURAÇÃO E EXPANSÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS REUNI NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA, realizada no dia três do mês

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO GUANAMBI 2005 CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º - O Núcleo de Pesquisa e Extensão () do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

Conselho Municipal de Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Cultural de Uberlândia

Conselho Municipal de Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Cultural de Uberlândia 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 ATA DA 1ª (PRIMERIA) REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DELIBERATIVO E CONSULTIVO MUNICIPAL DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO,

Leia mais

IF SUDESTE MG REITORIA

IF SUDESTE MG REITORIA 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO

Leia mais

ATA DE REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASTCERJ, REALIZADA EM 27/04/2015.

ATA DE REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASTCERJ, REALIZADA EM 27/04/2015. ATA DE REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASTCERJ, REALIZADA EM 27/04/2015. Ata de Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo da Associação dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado do

Leia mais

ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CMDCA

ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CMDCA ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CMDCA 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 Aos quinze

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA Art 1º - O Conselho de Desenvolvimento do Território CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC é composto por entidades

Leia mais

ATA DA 28ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DA FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ

ATA DA 28ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DA FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ ATA DA 28ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DA FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 Aos trinta dias do mês

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Capítulo I Da Natureza Art. 1º. A Fazenda Experimental de Ciências

Leia mais

Ata da 24ª Reunião do Conselho Setorial do Setor de Artes, Comunicação e Design. Aos vinte e oito dias do mês de abril de 2015, às quatorze horas e

Ata da 24ª Reunião do Conselho Setorial do Setor de Artes, Comunicação e Design. Aos vinte e oito dias do mês de abril de 2015, às quatorze horas e 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Ata da 24ª Reunião do Conselho Setorial do Setor de Artes, Comunicação e Design. Aos vinte e oito dias do mês de

Leia mais

ANEXO VI. Senhor Secretário Municipal de Saúde,

ANEXO VI. Senhor Secretário Municipal de Saúde, ANEXO VI Ofício nº 000 /2015. MODELO Goiânia, xx de xxxx de 2015. Senhor Secretário Municipal de Saúde, A par de cumprimentá-lo, servimo-nos do presente para SOLICITAR a V. Exa. informações acerca da atuação,

Leia mais

Título I Do Colegiado e Seus Fins. Título II Da Constituição do Colegiado

Título I Do Colegiado e Seus Fins. Título II Da Constituição do Colegiado Regimento Interno do Colegiado do Curso de Graduação em Ciência da Computação da Faculdade Federal de Rio das Ostras do Pólo Universitário de Rio das Ostras Título I Do Colegiado e Seus Fins Art. 1º. O

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DA 3ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CEST/RS (ATUALIZADO PELA RESOLUÇÃO CES/RS Nº 02/2014) CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A 3ª

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MCIDADES/MMA Nº 695, de 20/12/2006

PORTARIA INTERMINISTERIAL MCIDADES/MMA Nº 695, de 20/12/2006 PORTARIA INTERMINISTERIAL MCIDADES/MMA Nº 695, de 20/12/2006 Cria o Projeto Mecanismos de Desenvolvimento Limpo aplicado à redução de Emissões de Gases em Unidades de Disposição Final de Resíduos Sólidos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE UMIRIM Rua Roldão Paraíba, 18 Centro Umirim Ceará CEP. 62.660-000 CNPJ.: 04.345.137/0001-39 CGF.: 06.920.501-9

CÂMARA MUNICIPAL DE UMIRIM Rua Roldão Paraíba, 18 Centro Umirim Ceará CEP. 62.660-000 CNPJ.: 04.345.137/0001-39 CGF.: 06.920.501-9 ATA DA 3ª SESSÃO ORDINÁRIA EXERCÍCIO 2014 DO BIÊNIO 2013/2014 -PRIMEIRO PERÍODO UMIRIM-CE. Aos Dezoito (18) dias do mês de Março (03) do ano de Dois Mil e Quatorze (2014), na Câmara Municipal de Umirim-Ce,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO COMISSÃO DE ÉTICA EM USO DE ANIMAIS REGIMENTO INTERNO APROVADO EM 09/NOVEMBRO 2010 SUMÁRIO

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO COMISSÃO DE ÉTICA EM USO DE ANIMAIS REGIMENTO INTERNO APROVADO EM 09/NOVEMBRO 2010 SUMÁRIO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO COMISSÃO DE ÉTICA EM USO DE ANIMAIS REGIMENTO INTERNO APROVADO EM 09/NOVEMBRO 2010 SUMÁRIO Cap 01 - Da Natureza e Finalidades Cap 02 - Dos Vínculos Institucionais Cap 03 - Da

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO PARECER N.º, DE 2012

CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO PARECER N.º, DE 2012 PARECER N.º, DE 2012 Da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) sobre o Ofício nº 14, de 2012 CN, que Encaminha ao Congresso Nacional o Relatório de Resultados e Impactos Exercício

Leia mais

Comunidade Intermunicipal do Oeste. Conselho Executivo. Acta nº 19/ 2010 Reunião de 18.11.2010

Comunidade Intermunicipal do Oeste. Conselho Executivo. Acta nº 19/ 2010 Reunião de 18.11.2010 Fl 139 ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO EXECUTIVO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE, REALIZADA NO DIA DEZOITO DE NOVEMBRO DE DOIS MIL E DEZ -----Aos dezoito dias do mês de Novembro de dois mil

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Av. Engenheiro Diniz, 1178 Bairro Martins CP 593 38400-462 Uberlândia MG

Universidade Federal de Uberlândia Av. Engenheiro Diniz, 1178 Bairro Martins CP 593 38400-462 Uberlândia MG 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 ATA DA 8 a REUNIÃO/2007 DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Aos dezenove dias

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

Anexo. Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil

Anexo. Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil RESOLUÇÃO Nº 1 Aprova o Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil, ao qual se refere o inciso XI do art. 3º do Decreto n 7.113, de 19 de fevereiro de 2009. Tendo em vista a

Leia mais

ATA 1ª PLENÁRIA EXTRAORDINÁRIA

ATA 1ª PLENÁRIA EXTRAORDINÁRIA SECRETARIA ESPECIAL DE AQÜICULTURA E PESCA CONSELHO NACIONAL DE AQÜICULTURA E PESCA ATA 1ª PLENÁRIA EXTRAORDINÁRIA Realizada em 13 de março de 2006, no Auditório Térreo, Bloco A, Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO GABINETE DE GESTÃO INTEGRADA EM SEGURANÇA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE LUCAS DO RIO VERDE-MT.

REGIMENTO INTERNO GABINETE DE GESTÃO INTEGRADA EM SEGURANÇA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE LUCAS DO RIO VERDE-MT. REGIMENTO INTERNO GABINETE DE GESTÃO INTEGRADA EM SEGURANÇA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE LUCAS DO RIO VERDE-MT. TÍTULO I DA DEFINIÇÃO, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO Art. 1º O Gabinete de Gestão Integrada em Segurança

Leia mais

O COMITÊ GESTOR DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL é composto por membros permanentes, por membros temporários e por convidados.

O COMITÊ GESTOR DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL é composto por membros permanentes, por membros temporários e por convidados. REGIMENTO INTERNO Comitê Gestor da Logística Reversa do Setor da Construção Civil 1. OBJETIVOS O COMITÊ GESTOR DA LOGÍSTICA REVERSA DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL tem como objetivo realizar a implementação

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Capítulo I Dos Objetivos. Capítulo II Da Realização

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Capítulo I Dos Objetivos. Capítulo II Da Realização MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Define as regras de funcionamento da 4ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência Capítulo

Leia mais

Capítulo I das Atividades do Conselho

Capítulo I das Atividades do Conselho REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ITARANTIM BA, DE ACORDO COM A LEI Nº 11.947/2009 E RESOLUÇÃO/CD/FNDE Nº 038/2009. Capítulo I das Atividades do Conselho

Leia mais

Principais aspectos da Auditoria Operacional na Ação Governamental da Estratégia Saúde da Família no Município de Pelotas

Principais aspectos da Auditoria Operacional na Ação Governamental da Estratégia Saúde da Família no Município de Pelotas FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Principais aspectos da Auditoria Operacional na Ação Governamental da Estratégia Saúde da Família no Município de Pelotas Componentes: Clari Souza Daniela Boniatti

Leia mais

O presente processo de solicitação de reconhecimento foi instruído com os seguintes documentos:

O presente processo de solicitação de reconhecimento foi instruído com os seguintes documentos: INTERESSADA: Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA EMENTA: Reconhece o Curso Sequencial de Formação Específica em Gestão de Unidades de Saúde Pública da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) para

Leia mais

Juntamente com o Conselho Municipal de Saúde COMUS, o Conselho Gestor CGU, deverá prestar todo o apoio à realização da Conferencia (Plenária ou

Juntamente com o Conselho Municipal de Saúde COMUS, o Conselho Gestor CGU, deverá prestar todo o apoio à realização da Conferencia (Plenária ou 9 ART. 26º. Juntamente com o Conselho Municipal de Saúde COMUS, o Conselho Gestor CGU, deverá prestar todo o apoio à realização da Conferencia (Plenária ou Encontro) Municipal de Saúde Municipal de Saúde,

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS - LHCMA Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS é uma entidade sem fins lucrativos, com duração

Leia mais

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior 1. Apresentação Em cumprimento à deliberação 1-F do Eixo Formação, aprovada no 37 0 Encontro Nacional CFESS/CRESS,

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Intergestores Bipartite CIB/SC

Regimento Interno da Comissão Intergestores Bipartite CIB/SC ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL, TRABALHO E RENDA COLEGIADO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Regimento Interno da Comissão Intergestores Bipartite

Leia mais

ATA DA 40ª REUNIÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONARQ

ATA DA 40ª REUNIÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONARQ Conselho Nacional de Arquivos CONARQ ATA DA 40ª REUNIÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONARQ 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 Aos seis dias do

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA EDUCAÇÃO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA EDUCAÇÃO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA EDUCAÇÃO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE ATA DA 13ª REUNIÃO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE Aos trinta e um dias

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO. 1 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO. Art. 1º - O Agrária CEDAFRA, instituído com base

Leia mais

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições legais, de acordo com o artigo 24 do Estatuto da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, para observância

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.153, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas do município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso das atribuições

Leia mais

PRESENÇAS E FALTAS -----------------------------------------------------------------------------------

PRESENÇAS E FALTAS ----------------------------------------------------------------------------------- DATA DA REUNIÃO: AOS SETE DIAS DO MÊS DE DEZEMBRO DO ANO DE DOIS MIL E CINCO. ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- LOCAL

Leia mais

INTERESSADA: Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA

INTERESSADA: Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA INTERESSADA: Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA EMENTA: Renova o reconhecimento do Curso Sequencial de Formação Específica em Gestão de Pequenas e Médias Empresas da Universidade Estadual Vale do

Leia mais

FORUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DE RORAIMA

FORUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DE RORAIMA FORUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DE RORAIMA Aos vinte e quatro dias do mês de fevereiro de dois mil e dez reuniram-se no auditório do Centro de Formação dos Profissionais

Leia mais

I RELATÓRIO: 3428/2013, de 02/05/2013 PARECER CEE/PE Nº 34/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/04/2013

I RELATÓRIO: 3428/2013, de 02/05/2013 PARECER CEE/PE Nº 34/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/04/2013 INTERESSADA: ESCOLA E CURSO PROFISSIONALIZANTE DE INFORMÁTICA E ELETRÔNICA RECIFE/PE ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS: TÉCNICO EM MANUTENÇÃO E SUPORTE EM INFORMÁTICA E TÉCNICO EM INFORMÁTICA EIXO TECNOLÓGICO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 18 DE 21 DE MAIO DE 2013.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 18 DE 21 DE MAIO DE 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 18 DE 21 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros, nos moldes operacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM BACHARELADO EM SAÚDE COLETIVA. Socorro Maria de Souza Lima

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM BACHARELADO EM SAÚDE COLETIVA. Socorro Maria de Souza Lima UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM BACHARELADO EM SAÚDE COLETIVA Socorro Maria de Souza Lima RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR ÁREA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE:

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ. CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ. CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição Art. 1º - O Conselho Regional de Economia da 1ª Região tem sede e foro na cidade do Rio de Janeiro e

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DA COMISSÃO ELEITORAL 2012

ATA DA REUNIÃO DA COMISSÃO ELEITORAL 2012 ATA DA REUNIÃO DA COMISSÃO ELEITORAL 2012 Presentes Dr(a)s: José Roberto de Moraes Ramos (Secretário Geral), Adriana Rocha Brito, Naum Podkameni, Sergio Elias Estefan e Silviano Figueira de Cerqueira.

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara da Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara da Educação Superior e Profissional INTERESSADA: Universidade Estadual do Ceará EMENTA: Reconhece o Curso de Ciências Sociais Licenciatura Plena, ofertado em Fortaleza pelo Centro de Humanidades da Universidade Estadual do Ceará UECE, até

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

O PREFEITO CONSTITUCIONAL DO MUNICÍPIO DE TAVARES, ESTADO DA PARAÍBA, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município;

O PREFEITO CONSTITUCIONAL DO MUNICÍPIO DE TAVARES, ESTADO DA PARAÍBA, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município; LEI Nº 712, 28 DE FEVEREIRO DE 2014. CRIA O CONSELHO GESTOR DO TELECENTRO COMUNITÁRIO DO POVOADO DO SILVESTRE - MUNICÍPIO DE TAVARES-PB E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO CONSTITUCIONAL DO MUNICÍPIO

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CITOLOGIA CLÍNICA Capítulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º. A Liga de Citologia Clínica é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE MUNICÍPIO DE ALCOCHETE ASSEMBLEIA MUNICIPAL N.º 05/08 ACTA DA SESSÃO EXTRAORDINÁRIA DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL REALIZADA EM 19 DE NOVEMBRO DE 2008 1 Aos dezanove dias do mês de Novembro do ano de 2008, nesta

Leia mais

ATA DA ÚNICA REUNIÃO DA SESSÃO ORDINÁRIA DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE ELVAS, REALIZADA NO DIA 27 DE ABRIL DE 2015

ATA DA ÚNICA REUNIÃO DA SESSÃO ORDINÁRIA DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE ELVAS, REALIZADA NO DIA 27 DE ABRIL DE 2015 ATA DA ÚNICA REUNIÃO DA SESSÃO ORDINÁRIA DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE ELVAS, REALIZADA NO DIA 27 DE ABRIL DE 2015 Aos vinte e sete dias do mês de abril de dois mil e quinze, em cumprimento da Convocatória

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ATA DA SEXTA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CPPD NO ANO DE 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ATA DA SEXTA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CPPD NO ANO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REITORIA Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 ATA DA SEXTA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CPPD NO ANO DE 2015 Aos vinte

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 03 DE SETEMBRO DE 2013 DATA, HORÁRIO e LOCAL: 03 de setembro de 2013,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 27/2011

NOTA TÉCNICA 27/2011 Proposta de alteração do cumprimento da carga horária obrigatória destinada aos profissionais médicos das Equipes de Saúde da Família - ESF disposta na Política Nacional de Atenção Básica 1 NOTA TÉCNICA

Leia mais

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO CAPÍTULO I Da denominação, localização e finalidades Art. 1º O Compartilhamento entre Bibliotecas

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Dispõe sobre a Orientação do Trabalho de Conclusão de Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio da Faculdade

Leia mais

TOTVS S.A. CNPJ/MF nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 19 DE FEVEREIRO DE 2016

TOTVS S.A. CNPJ/MF nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 19 DE FEVEREIRO DE 2016 TOTVS S.A. CNPJ/MF nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 19 DE FEVEREIRO DE 2016 1. - DATA, HORA E LOCAL DA REUNIÃO: Realizada no dia 19 de

Leia mais

no dia 20/10/2008. O senhor presidente explicou que em razão da ata não haver sido

no dia 20/10/2008. O senhor presidente explicou que em razão da ata não haver sido RESUMO EXECUTIVO 195 REUNIAO 147 ORDINÁRIA Data: 25/11/2008 Hora do Início: 14h20min Abertura: Dr. Agnaldo Gomes da Costa ITEM I Apreciação e Aprovação da ata da Reunião Nº 194 (146 Ordinária), realizada

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Proposta: Propor mudanças nas leis que regem a publicação, desenvolvimento e divulgação dos testes no Brasil, de forma que se padronizem e ofereçam subsídios do alcance e limites dos testes. Proposta:

Leia mais

DUKE ENERGY INTERNATIONAL, GERAÇÃO PARANAPANEMA S.A. C.N.P.J. n o 02.998.301/0001-81 NIRE n o 35.300.170.563

DUKE ENERGY INTERNATIONAL, GERAÇÃO PARANAPANEMA S.A. C.N.P.J. n o 02.998.301/0001-81 NIRE n o 35.300.170.563 DUKE ENERGY INTERNATIONAL, GERAÇÃO PARANAPANEMA S.A. C.N.P.J. n o 02.998.301/0001-81 NIRE n o 35.300.170.563 Ata da 159ª Reunião do Conselho de Administração I. DATA, HORA E LOCAL: Aos 11 (onze) dias do

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE NORTELÂNDIA

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE NORTELÂNDIA ATA N. 33/2013 Ata da SESSÃO ORDINÁRIA registrada sob o nº 33/2013 da 15ª. Legislatura da Câmara Municipal de Nortelândia-MT. Aos dez (10) dias do mês de dezembro do ano de dois mil e treze (2.013), (segunda-feira)

Leia mais

Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br - E-mail: coordproex@fanserrana.com.br

Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br - E-mail: coordproex@fanserrana.com.br Regulamenta o funcionamento da Comissão Própria de Avaliação CPA da Faculdade de Nova Serrana DA NATUREZA Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação CPA é um órgão permanente da Faculdade de Nova Serrana,

Leia mais

CODIFICAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO. Vigência 19/09/2013. ASSUNTO: Regulamenta o Programa de Monitoria. Versão 01

CODIFICAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO. Vigência 19/09/2013. ASSUNTO: Regulamenta o Programa de Monitoria. Versão 01 OS-007 /SR-1/2013 01/05 1 - DA FINALIDADE A presente Ordem de Serviço tem como finalidade modificar a OS-007/SR-1/08 e regulamentar a operacionalização do Programa de Monitoria, em conformidade com o que

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara da Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara da Educação Superior e Profissional INTERESSADO: Instituto de Educação do Cariri IDEC EMENTA: Credencia o Instituto de Educação do Cariri IDEC e reconhece o curso Técnico em Enfermagem na cidade do Crato, até 31.12.2012. RELATOR: José Batista

Leia mais

PROCESSO Nº 129/2004 APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/03/2005 PARECER CEE/PE Nº 10/2005-CEB I RELATÓRIO:

PROCESSO Nº 129/2004 APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/03/2005 PARECER CEE/PE Nº 10/2005-CEB I RELATÓRIO: INTERESSADO: SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC ASSUNTO : AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ALFABETIZAÇÃO E ENSINO FUNDAMENTAL RELATORA : CONSELHEIRA EUGENILDA MARIA LINS COIMBRA PROCESSO

Leia mais

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013.

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a criação, composição, competência e funcionamento do Conselho Municipal de Esporte e Lazer CMEL. O Povo do Município de Turvolândia Estado de Minas Gerais,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) DA FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DO CONE SUL (FISUL) 2014

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) DA FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DO CONE SUL (FISUL) 2014 REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) DA FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DO CONE SUL (FISUL) 2014 CAPÍTULO I DA NATUREZA E DO OBJETIVO Art. 1º A Comissão Própria de Avaliação CPA

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA VIII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

REGIMENTO INTERNO DA VIII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL REGIMENTO INTERNO DA VIII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Define as regras de funcionamento da VIII Conferência Nacional de Assistência Social. Art. 1º A VIII Conferência Nacional de Assistência

Leia mais

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE Faculdade de São Paulo Regimento do ISE 2 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO (ISE) Art. 1. O Instituto Superior de Educação ISE é o órgão responsável pela supervisão dos cursos de licenciatura, zelando pela

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional INTERESSADO: Instituto Ateneu CV&C EMENTA: Credencia o Instituto Ateneu CV&C e reconhece os cursos Técnico em Contabilidade e Técnico em Segurança do Trabalho na cidade de Fortaleza, até 31.12.2012. RELATOR:

Leia mais

ATA DA DÉCIMA TERCEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PROGRAMA DE APOIO A PLANOS DE REESTRUTURAÇÃO E EXPANSÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS REUNI NA

ATA DA DÉCIMA TERCEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PROGRAMA DE APOIO A PLANOS DE REESTRUTURAÇÃO E EXPANSÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS REUNI NA ATA DA DÉCIMA TERCEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PROGRAMA DE APOIO A PLANOS DE REESTRUTURAÇÃO E EXPANSÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS REUNI NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA, realizada no dia dez do mês

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais