UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS MESTRADO EM HISTÓRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS MESTRADO EM HISTÓRIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS MESTRADO EM HISTÓRIA OS XOKLENG DE SANTA CATARINA: UMA ETNOHISTÓRIA E SUGESTÕES PARA OS ARQUEÓLOGOS RODRIGO LAVINA 1994

2 RODRIGO LAVINA Os Xokleng de Santa Catarina: Uma Etnohistória e Sugestões para os Arqueólogos Dissertação de Mestrado em História Área de Concentração: Estudos Ibero-Americanos Orientador: Prof. Dr. Pedro Ignácio Schmitz, S.J. Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS 1994

3 RODRIGO LAVINA Os Xokleng de Santa Catarina: Uma Etnohistória e Sugestões para os Arqueólogos Dissertação elaborada como exigência parcial para a obtenção do Título de Mestre em História, Sob a Orientação do Prof. Dr. Pedro Ignácio Schmitz, S. J. São Leopoldo, julho de 1994.

4 Para Vânia, pela paciência e para Maíra, pela alegria. Ao Pe. João Alfredo Rohr S.J., In Memoriam.

5 SUMÁRIO RESUMO... VII ABSTRACT... VIII AGRADECIMENTOS... IX APRESENTAÇÃO NOSSO MODO DE PROCEDER O TERRITÓRIO EM QUE VIVIAM OS XOKLENG: AMBIENTE E RECURSOS QUEM CRIOU AS INFORMAÇÕES SOBRE OS XOKLENG E SOBRE OS OCUPANTES ANTERIORES DO SEU TERRITÓRIO O QUE CONHECEMOS DOS XOKLENG I Economia, Sociedade, Cultura II Produção Artesanal SINTETIZANDO: O MODELO XOKLENG A MANEIRA DE CONCLUSÃO: O QUE OS ARQUEÓLOGOS PODEM UTILIZAR DO MODELO XOKLENG REFRÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS

6 MAPAS E ILUSTRAÇÕES Mapa dos Ataques Xokleng a Localidades Catarinenses Prancha I - Padrões de Cestaria Xokleng Prancha II - Arcos Xokleng Prancha III - Flechas Xokleng Prancha IV - Pontas de Flechas Xokleng Prancha V - Emplumação, Encaixe e Fixação de Ponta nas Flechas Prancha VI - Lanças Xokleng Prancha VII - Acampamentos Xokleng na Mata Atlântica Prancha VIII - Acampamento Cerimonial Xokleng Prancha IX - Acampamento Xokleng no Planalto I Prancha X - Acampamento Xokleng II

7 RESUMO Este trabalho tem por objetivo compor uma etnohistória do grupo indígena Xokleng, que habitava a Mata Atlântica, no Estado de Santa Catarina, desde o período colonial até o século XX. As informações obtidas foram usadas para criar um modelo etnográfico passível de ser usado e testado em pesquisas arqueológicas realizadas na mesma área, em sítios arqueológicos coincidentes com a colonização européia ou anteriores a mesma. Buscou-se também estabelecer, a partir da etnologia Xokleng, ligações com os sítios arqueológicos existentes em seu território histórico e também verificar as possibilidades de utilização da etnologia como referencial para estabelecer hipóteses a serem testadas sobre as estratégias de ocupação e aproveitamento dos recursos naturais da região por parte de grupos pré-históricos e seu reflexo na cultura material dos mesmos.

8 ABSTRACT The present monograph aims to compose the ethnohistory of the Xokleng, who inhabited the Atlantic Forest, in the State of Santa Catarina, from colonial times to the 20th century. The information attained have been used to elaborate an ethnographic model, able to be used and tested in archaeological research in the very same area, in archaeological sites coincident or previous to the European colonization. Departing from the Xokleng ethnology we search to establish linkings with the archaeological sites found in their historical territory and to verify the possibilities of ethnology as reference to establish hypothesis to be tested about the strategies of occupation and exploitation of the local natural resources by prehistoric groups and, consequently, its influence in their material culture.

9 AGRADECIMENTOS Ao meu Orientador Pedro Ignácio Schmitz, pelas inúmeras sugestões, conselhos, contribuições e pelo tempo dispendido comigo. Sem ele, este trabalho não estaria realizado. À UNISINOS e ao Instituto Anchietano de Pesquisas, que possibilitaram as condições materiais para a realização deste trabalho e à Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul, pelo financiamento. Às diversas Instituições que abriram suas portas para a consulta de coleções e documentos, especialmente ao Museu de Antropologia da Universidade Federal de Santa Catarina, ao Museu do Homem do Sambaqui, ao Arquivo Público do Estado de Santa Catarina e a Biblioteca Municipal de Florianópolis. alemão. A Marcos Alberto Rahmeier, que fez as traduções dos textos em

10 A Luiz Alberto Castilhos de Souza, pelas ilustrações e a Rogério Francisco Sanchotene Severo pelas ilustrações esquemáticas das aldeias. A Marcus Vinícius Beber pela datilografia e gerenciamento dos bancos de dados em computador e a André Osório Rosa, pelas sugestões e auxílio em zoologia e botânica. A todos os Colegas de trabalho, especialmente aos do IAP e do Museu de Antropologia da UFSC, pelas sugestões, amizade e companheirismo durante estes anos todos. A todas as pessoas que, de alguma maneira, ajudaram a tornar este trabalho uma realidade. X

11 APRESENTAÇÃO O objetivo desta monografia é compor uma etnohistória do grupo indígena Xokleng, que habitava a Mata Atlântica, no Estado de Santa Catarina, no período colonial e imperial da História do Brasil; a partir deste estudo criar um modelo etnográfico passível de ser usado e testado em pesquisas arqueológicas realizadas na mesma área, em sítios arqueológicos coincidentes com a colonização européia ou anteriores à mesma. Duas questões foram levadas em conta dentro desta perspectiva: a possibilidade de estabelecer, a partir da etnologia Xokleng, ligações com sítios arqueológicos existentes em seu território histórico e as possibilidades de utilização da etnologia como referencial para estabelecer hipóteses a serem testadas sobre as estratégias de

12 ocupação e aproveitamento dos recursos naturais da região por parte de grupos pré-históricos. Para isso realizamos um levantamento não só da produção arqueológica existente para a região, como também uma pesquisa da etnografia do grupo, baseada em documentos históricos e etnográficos, que foram utilizados a partir de uma perspectiva etnohistórica, com o objetivo de formar um quadro da cultura material Xokleng, que pudesse ser comparado com os dados arqueológicos disponíveis. No primeiro capítulo desta dissertação, procuramos apresentar o enfoque teórico e metodológico utilizado para a realização do trabalho. O segundo capítulo busca localizar a área em estudo geográfica, geomorfológica e ecologicamente, levando em conta variáveis climáticas, faunísticas e florísticas a fim de examinar o potencial de recursos nela existentes e as condições naturais para a instalação de um sistema de abastecimento, assentamento e organização social. O terceiro capítulo, revisa a bibliografia existente sobre o assunto e comenta criticamente a produção arqueológica, histórica, etnológica e antropológica disponível. O quarto capítulo reune as informações existentes sobre os Xokleng. Não só as contidas nos trabalho publicados, mas também as obtidas a partir da análise de coleções etnográficas, de maneira a formar um painel do conhecimento existente a respeito do modo de vida tradicional do grupo. Foram privilegiados os dados sobre território, nomadismo, padrão de assentamento, padrão de subsistência, tecnologia e organização social. 2

13 O quinto capítulo sintetiza os dados reunidos no capítulo anterior, formando um quadro passível de ser usado como modelo das estratégias de ocupação e utilização dos recursos do meio ambiente pelos Xokleng. Seguem as conclusões obtidas a partir da análise das informações a respeito dos Xokleng e as propostas que, a partir do confronto destas com as informações arqueológicas, podem ser pleiteadas, formando hipóteses para serem testadas em futuros trabalhos arqueológicos. Também estão incluídas, anexas, a listagem dos objetos que compõem as coleções etnográficas analisadas e uma síntese dos ataques que os Xokleng levaram a efeito em Santa Catarina, de acordo com os dados publicados. Com a finalidade, já referida, de facilitar o acesso aos dados apresentados, as citações que estavam em língua estrangeira (alemão e inglês) foram traduzidas para o português. Por sua própria temática, esta monografia deverá ser revista à luz de informações futuras, já que trata da construção de um modelo que pode e deve ser falseado. Ela deverá funcionar como uma pedra de toque, frente à qual as evidências arqueológicas serão reunidas, não só buscando descobrir os antepassados dos Xokleng, mas principalmente auxiliando na interpretação das estruturas arqueológicas dos sítios da região, aumentando assim, cada vez mais, nosso conhecimento sobre o passado dos grupos que a habitaram. Não foi possível esgotar a documentação histórica e etnológica existente. Algumas obras importantes são pouco acessíveis por sua raridade e um volume desconhecido de informações ainda se encontra em 3

14 arquivos, particulares ou públicos, esperando por pesquisadores. Da mesma forma existem coleções de artefatos Xokleng, tanto no Brasil como no exterior, que ainda aguardam análise. Em vista destes fatos, não há motivo para considerar esta obra como definitiva. Seu mérito está na sistematização de coleções e documentos de acesso nem sempre fácil, de maneira a possibilitar que arqueólogos, etnólogos e museólogos possam utilizá-las sem tantas dificuldades, além de mostrar que uma abordagem interdisciplinar, dentro das ciências humanas, irá gerar mais resultados que análises compartimentadas em história, antropologia ou arqueologia. 4

15 1 NOSSO MODO DE PROCEDER A utilização de informações sobre grupos indígenas atuais para auxiliar na interpretação dos restos materiais de culturas préhistóricas, através de trabalhos interdisciplinares, envolvendo a arqueologia, a biologia, a etnologia e a etnohistória, é uma prática recente no Brasil, embora pesquisadores norte-americanos venham aplicando este método para elaboração de modelos interpretativos da pré-história desde a década de 1940 (Mendonça de Souza, 1991). Atualmente, esta interdisciplinaridade é uma das principais tendências da arqueologia contemporânea, estando baseada no fato de que "analisar o presente serve o passado" e que "o registro arqueológico é um fenômeno contemporâneo e as observações que fazemos sobre ele não são observações históricas. Necessitamos de jazidas que conservem elementos do passado; mas, da mesma maneira, temos necessidade de instrumentos teóricos que dêem

16 sentido a estes elementos, quando encontrados" (Binford, 1988: 27) Segundo este mesmo autor estes instrumentos teóricos, destinados a auxiliar na interpretação do registro arqueológico, só podem ser obtidos a partir da observação de grupos indígenas atuais que explorem ambientes semelhantes e que possuam tecnologias de exploração deste meio ambiente similares às dos povos pré-históricos estudados, sendo que "os nexos entre o que encontramos e as condições que deram lugar à sua produção só podem ser estudados a partir dos povos atuais" (Binford, 1988: 28). Este método de comparação (ou analogia) etnográfica é definido de maneira ampla por Prous (1992: 51), quando afirma que "a comparação etnográfica consiste na observação das populações atuais não industriais nem artesanais extrapolando os resultados para a pré-história". Segundo este autor, devido à variação das culturas humanas, este método deve ser empregado com extrema cautela, particularmente quando a comparação é feita entre culturas separadas não só temporalmente, mas também geograficamente. Este método no entanto: "seria aplicável com certa segurança no campo da cultura material, comparando-se populações de nível tecnológico semelhante e submetidas a pressões naturais parecidas" (Prous, 1992: 51). Baseado nisto pode-se afirmar que um modelo etnológico específico, criado a partir do estudo da cultura de um grupo indígena documentado historicamente, pode ser bastante útil para compreender fenômenos como padrão de assentamento, tecnologia e padrão de subsistência, de grupos pré-históricos que deixaram vestígios na mesma área geográfica, desde que sua tecnologia e cultura sejam semelhantes. Quando o grupo indígena que servirá de base para a elaboração deste modelo não mantém mais as características de sua cultura tradicional (no Brasil, isto freqüentemente ocorre a partir do contato 6

17 com a sociedade nacional), pode se fazer o controle dos documentos etnográficos e históricos existentes através da etnohistória, entendendo-se esta disciplina como: "Um conjunto especial de técnicas e métodos para estudar a cultura através do uso das tradições escritas e orais. Como metodologia, tem um caráter complementar, não só em relação à arqueologia, como também à lingüística histórica, a etnografia e à paleobiologia." (Karmack, 1979: 17) No que diz respeito à utilização dos documentos históricos, também Binford (1988: 29) afirma que: "servem não só para identificar os locais de ocupação antigos como também para informar-nos do que ali ocorria e qual nível de especialização artesanal existia, por exemplo, com detalhes referentes à organização social do assentamento. Uma vez conhecidos estes aspectos sobre a dinâmica do assentamento, estamos em condições de escavar a jazida e relacionar os achados com as notícias que possuimos sobre as atividades e processos que tiveram lugar no passado". O método etnohistórico, portanto, possibilita um conhecimento mais profundo da cultura tradicional do grupo a ser estudado, quando ainda pouco alterado pelo contato com outras sociedades, o que proporciona condições mais seguras para o estabelecimento de ligações com as culturas pré-históricas. Quanto à questão do estabelecimento de um modelo etnológico, este deve ser aqui entendido como uma construção teórica, baseada na etnologia de um grupo indígena e de documentação histórica recuperada através da etnohistória, contra o qual os questionamentos produzidos pela arqueologia podem ser comparados. Este modelo conforme destaca Belowski (1978: 353) "... não pode ser usado para aprovar ou desaprovar uma visão específica. Deve ser usado como uma hipótese, contra a qual as observações podem ser comparadas para ver se o modelo pode ser falseado." 7

18 2 O TERRITÓRIO EM QUE VIVIAM OS XOKLENG: AMBIENTE E RECURSOS Localização A área geográfica ocupada historicamente pelo grupo indígena Xokleng situa-se, aproximadamente, entre 26o e 29o30' de latitude sul e 50o30' e 49o30' de longitude oeste, englobando áreas do litoral, contrafortes da Serra Geral e do Mar e do Planalto Meridional Brasileiro, compreendendo atualmente partes dos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.(mapa p.53) Geologia e Geomorfologia A geologia desta área, segundo Pedro F. T. Kaul (1990), é caracterizada por terrenos de domínio da cobertura sedimentar cenozóica no litoral, por terrenos de domínio pré-cambriânicos nos

19 contrafortes da Serra Geral e do Mar e por terrenos de domínio da Bacia do Paraná, com cobertura sedimentar gondwânica, no Planalto Meridional. Os terrenos de domínio da cobertura sedimentar cenozóica correspondem a terrenos predominantemente holocênicos que surgem no litoral sul do Paraná, no litoral sul de Santa Catarina e no litoral norte do Rio Grande do Sul. As formações características nestas áreas são a formação Guabirotuba, que ocorre desde Curitiba, PR até Tijucas do Sul, SC, e caracteriza-se por "depósitos semiconsolidados, representados por argilitos e, secundariamente, arcóseos, arenitos arcoseanos, margas e conglomerados..." (Kaul, 1990:41). Estes depósitos são pleistocênicos e formados em ambiente fluvial com clima semiárido; Formação Alexandra, situada a sudoeste de Paranaguá, PR, caracterizada por "uma seqüência de conglomerados, arcóseos, areias e argilas, inconsolidados, depositados durante o Pleistoceno em ambiente fluvial, sob condições de clima semi-árido" (Kaul, 1990:41); Formação Chuí, distribuída pelo litoral sul de Santa Catarina e litoral do Rio Grande do Sul, composta por "areias quartzozas médias a finas, bem selecionadas (...) e areias quartzozas síltico argilosas" (Kaul, 1990:41). Este depósito, fossilífero, formou-se no Pleistoceno em ambientes marinhos de águas rasas e ambientes lacustres. Os terrenos de domínio Pré-Cambriânico, compreendendo os Crátons de Luiz Alves e o Cinturão Móvel Don Feliciano, é caracterizado pela presença de diversos tipos de rochas formadas entre três bilhões de anos e quinhentos milhões de anos atrás. Trata-se de rochas metamórficas de origem ígnea e sedimentar, rochas ígneas granitóides e sequências de cobertura vulcanossedimentar. O cráton de Luiz Alves, situado no nordeste de Santa Catarina e leste do Paraná, é formado por 9

20 rochas metamórficas de origem Arqueana, que apresentam diversos processos de metamorfismo. São encontrados gnaisses anortositos, quartzitos, metamorfitos, e biotita-gnaisses, entre outros. O Cinturão Móvel Don Feliciano situa-se a leste de Santa Catarina e é composto por complexos metamórficos-migmatítico-graníticos concordantes. Um deles, o flanco ocidental, tem embasamento formado por migmatitos e gnaisses, com sequências orogêmicas com pacotes de rochas parametamórficas entremeadas com rochas metavulcânicas. O outro complexo, a zona central, é composto por rochas gnáissicas, migmatíticas e graníticas. Além disso, em todo o Cinturão Móvel Don Feliciano ocorrem freqüentes intrusões graníticas. Os terrenos da Cobertura Sedimentar Gondwânica de domínio da Bacia do Paraná, datam do Siluriano Inferior, "...formando até o Jurássico, extensas e espessas sequências de sedimentos de granulação essencialmente fina, com intercalações de calcário e raríssimos conglomerados" (Kaul, 1990:381). Encaixados nos terrenos de domínio da Bacia do Paraná e nos terrenos de domínio Pré-Cambriânico, temos ainda derrames vulcânicos jurocretácicos e outras manifestações associadas. É característica a Formação Serra Geral, formada por derrames de lava, diques e soleiras. A seqüência básica desta formação, predominante, caracteriza-se pela presença de basalto, andesito, basalto com vidro, diques e soleiras de diabásio, brechas vulcânicas e sedimentares e corpos de arenitos interderrames. A seqüência ácida desta formação corresponde a derrame de dacitos, riolitos, basaltos-pórfiros e fenobasaltos vítreos. A idade da formação Serra Geral é estimada em 110 a 160 milhões de anos atrás. 10

21 Relevo A área em estudo compreende quatro domínios morfoestruturais, quatro subdomínios morfoestruturais e sete diferentes unidades de relevo. No litoral, ocorre o Domínio dos Depósitos Sedimentares Quaternários, ao sul de Santa Catarina e em todo o litoral do Rio Grande do Sul situam-se os depósitos sedimentares litorâneos da Planície Gaúcha, e no nordeste de Santa Catarina encontram-se os depósitos litorâneos de Planícies Descontínuas. Estes depósitos: "compreendem amplas superfícies, geralmente planas e baixas resultantes da acumulação de sedimentos arenosos, areno argilosos, predominantemente quaternários (...), depositados em ambientes marinhos, fluviais, lagunares, eólicos e colúvio-aluvionares". (Herrmann & Rosa, 1990:56) A unidade de relevo da Planície Gaúcha ocorre desde Garopaba, SC até Chuí, RS. caracteriza-se pela presença de dunas, terraços marinhos, planícies arenosas e cordões de restinga. Segundo Herrmann & Rosa (1990: 56), "...predomina um litoral retilíneo com suas praias estendendo-se por centenas de quilômetros, e costa com forma alongada, com avanço para o mar, exceção feita, apenas, em um pequeno trecho entre as imediações das cidades catarinenses de Laguna e Garopaba, onde as praias são estreitas, apresentando um litoral recortado, formando enseadas." A Unidade de Relevo de Planícies Descontínuas ocorre desde o litoral norte-paranaense até próximo a Itajaí, SC, possuindo largura média de 10km que aumentam para até 30km junto aos rios e baías que a drenam. Suas altitudes médias situam-se em cerca de 10m, podendo chegar a 30 metros em algumas áreas. É formada por sedimentação 11

22 marinha e acumulações eólicas, caracterizando bacias sedimentares quaternárias. No domínio das Bacias e Coberturas Sedimentares e dentro do Subdomínio da Bacia e Depósitos Sedimentares do Paraná, temos três Unidades de Relevo. A Unidade de Relevo das Depressões Periféricas ocorre a sudeste de Santa Catarina, possuindo altitudes médias de 400 metros e desníveis variando de 100 a metros. Seu relevo apresenta-se colinoso do tipo convexo, com vales encaixados e vertentes íngremes, apresentando formas côncavo-covexas. Ocorrem também na área relevos residuais basálticos de topo plano com altitudes de até 500 metros; a Unidade de Relevo Patamares da Bacia do Paraná é uma área interplanáltica de relevo acidentado que circunda o Planalto das Araucárias desde São Paulo até Santa Maria, RS. O contato entre esta Unidade de Relevo e o Planalto é feito pela "cuesta", que corresponde à Serra Geral, que vai se descaracterizando a sudeste e ao sul. As quotas altimétricas atingem em suas porções orientais até metros, decaindo, no sopé da Serra Geral, para quotas médias de 650 metros; a Unidade de Relevo Planalto das Araucárias abrange os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, tendo limites a norte com o estado de São Paulo e ao sul com os vales dos rios Jacuí e Ibicuí. A quotas altimétricas mais elevadas ocorrem a leste, ultrapassando, próximo à Serra Geral, metros. No domínio da Faixa de Dobramentos, correspondendo ao Subdomínio das faixas de Dobramentos do Sul, temos a unidade de Relevo das Escarpas e Reversos da Serra do Mar, que engloba a serra e o planalto a ela contíguo (planalto de Curitiba). Compreende a porção meridional da Serra do Mar, ocupando o sul do Paraná e o extremo norte de Santa 12

23 Catarina. Os relevos desta área variam de cerca de 850 a metros de altitude. Dentro do domínio dos Embasamentos em Estilos Complexos e dentro do subdomínio dos Embasamentos do Sul, temos a Unidade de Relevo das Serras do Leste Catarinense. Esta Unidade é um prolongamento dos paredões costeiros que, ao norte de Joinville, são chamados de Serra do Mar, estendendo-se desde Joinville, SC até Criciúma, SC. Suas quotas altimétricas vão desde 100 metros, próximo ao litoral, até mais de metros, nas serras de Anitápolis e Tabuleiro. Vegetação A vegetação da região é caracterizada pela Floresta Ombrófila Densa nas áreas litorâneas até os contrafortes do Planalto Meridional Brasileiro, onde as formações florestais evoluem gradualmente para a Floresta Ombrófila Mista. A Floresta Ombrófila Densa, segundo Leite & Klein (1990: 118) "...caracterizava-se por estratos superiores com grandes árvores de altura entre 25 e 30 metros, perenifoliadas e densamente dispostas, portando brotos foliares desprovidos de proteção contra a seca e as baixas temperaturas." Uma das características deste tipo de floresta é a diversificação ambiental resultante de fatores como altitude, umidade e solo, com grande influência sobre a flora e a fauna e que permite o desenvolvimento de formações diversificadas. Os ambientes mais expressivos, situam-se entre 30 e metros de altitude, correspondendo a formações submontanas e montanas. Fisionomicamente, tem grande importância as lianas e os epífitos, principalmente bromeliáceas, cactáceas, orquidáceas, diversos gêneros de cipós e as aráceas dos gêneros Philodendron e Anthurium. Sua flora arbórea possui 13

24 cerca de 708 espécies, sendo as de maior valor fisionômico a canelapreta, a laranjeira-do-mato, a peroba-vermelha, o pau-óleo, a canelasassafrás, a bicuíba, a caxeta-amarela, a canela-amarela, a guarajuva, a guapeva, e o palmiteiro. Nas planícies litorâneas predominam a figueira-de-folha-miúda, o taipá-guaçú, o olandi, o ipê-amarelo, o guacá-de-leite, o baguaçu, o leiteiro e o gumirim-ferro. Nos terrenos com altitudes acima de metros predominam a gramimunha-miúda, o cambuí, o guaperê, a quaresmeira, a jabuticaba-do-campo, o gumirim, a congonha e a caúna, entre outros. Ainda nesta altitude, em áreas de solo raso ou com embasamento rochoso exposto, pode ocorrer a instalação de vegetação gramíneo-lenhosa, com carás, caratuvas e gramíneas como a taquara-lisa. A região de Floresta Ombrófila Mista, correspondente ao Planalto Meridional Brasileiro, é caracterizada pela coexistência de espécies da flora tropical e temperada. O principal destaque é a presença do pinheiro-do-paraná, ou araucária. O domínio desta floresta se dá em altitudes acima de 800 metros. Dentro da Floresta Ombrófila Mista ocorrem dois tipos de comunidades com araucária: uma delas é caracterizada pela associação predominante da araucária e da imbuia, ocorrendo ainda a canela-amarela, a canela-preta, a canela-fogo, a sacopema, a a guabirobeira, e a erva-mate. A outra comunidade é formada basicamente pela araucária, formando estratos densos, acompanhados por canela-lageana, canela-amarela, canela-guaicá, canela-fedida, camboatás, casca-d'anta, pinheirinho, guabirobeira e outras. Clima 14

25 O clima da Região Sul, segundo Nimer (1990) pode ser classificado como Mesotérmico do tipo Temperado, com média de precipitação anual variando entre a mm., com chuvas uniformemente distribuídas por todo o território e sem estação seca. A temperatura média anual na região varia conforme a altitude. Assim, a média, que no litoral catarinense é de 20oC para uma altitude até 200 metros, vai baixando progressivamente conforme aumenta a altitude, chegando no Planalto da Araucárias com médias de 16oC para altitudes acima de metros. Existe ainda, na região, uma marcada diferença de temperatura entre o verão e o inverno. Durante o mês mais quente (janeiro), a temperatura média varia de 24o no litoral, a 20o no Planalto, podendo atingir, com exceção das regiões mais altas do Planalto, máximas acima de 40o centígrados. Já durante o mês mais frio (julho), as temperaturas médias, devido à ação das frentes polares, oscilam entre 15o e 10o em quase todo o território, com exceção das partes mais altas do planalto, que apresentam médias abaixo de 10o centígrados. Nestas regiões do Planalto é freqüente a precipitação de neve, enquanto que no restante da região, com exceção de partes do litoral, é comum a formação de geadas. As mínimas absolutas podem chegar a 0o no litoral, diminuindo progressivamente, conforme a altitude, até mínimas absolutas de -10o C., nas partes mais altas do Planalto. As variações do clima Mesotérmico na região podem ser assim esquematizadas: Clima Mesotérmico Subquente Superúmido nas áreas do litoral do Paraná e Santa Catarina; Clima Mesotérmico Brando Superúmido nos contrafortes da Serra Geral; Clima Mesotérmico Médio Superúmido no Planalto das Araucárias. 15

26 Hidrografia A região caracteriza-se por possuir, na vertente leste da Serra Geral, grande quantidade de bacias hidrográficas de pequeno porte, que Justus (1990) classifica como Bacias Hidrográficas do Sudeste, englobando os rios desde o litoral de São Paulo até o litoral do Rio Grande do Sul. Estes rios são considerados de regime tropical desde o norte até a Ilha de Santa Catarina, passando a ser classificados como de regime subtropical da Ilha de Santa Catarina para o sul. São rios morfologicamente recentes, com declividade acentuada e leitos acidentados na sua parte superior, sendo freqüentes as quedas d'água. Nas proximidades do litoral seus leitos se tornam quase planos e meandrosos. A maior bacia hidrográfica da região é a do rio Itajaí- Açu. Outras bacias de porte menor são as dos rios São João, Cubatão, Itapocu, Tijucas, Tubarão, Araranguá, Mampituba e Três Forquilhas. Na vertente sudoeste da Serra Geral, temos as nascentes dos rios Pelotas e Canoas, formadores do Rio Uruguai. Os lagos da região são freqüentes, mas confinados ao litoral. Os principais são as lagoas de Itapeva, Sombrio, Garopaba do Sul, Imaruí e da Conceição, todas originadas no Holoceno. Fauna Entre os animais que podem ocorrer na região em estudo, existem representantes das seguintes ordens, segundo Silva (1984): Marsupialia (Gambás, cuícas e guaiquicas), Edentata (tatús e tamanduás), Primatas (bugios e micos), Carnivora (guarás, graxains, coatis, mão-peladas, iraras, furões, lontras, ariranhas, gatos-do-mato, pumas, jaguatiricas e onças), Perissodactyla (antas), Artiodactyla (porcos-do-mato e 16

27 veados), Rodentia (ouriços-cacheiros, preás, capivaras, pacas, cutias) e Lagomorpha (tapitis). As aves estão representadas, entre outras, pelas seguintes famílias, segundo Sick et alii (1879): Rehidae (emas), Tinamidae (macucos, inhambús, jaós, perdizes, codornas), Ardeidae (carcarás, socós, savacus), Cicomiidae (cegonhas), Threskiornithidae (íbis), Phoenicopteridae (flamingos), Anhimidae (tachãs), Anatidae (cisnes, marrecas), Cathartidae (urubus), Accipitridae (gaviões), Falconidae (falcões, caracarás), Cracidae (aracuãs, jacus), Phasiamidae (urus), Aramidae (carões), Relidae (saracuras, frangos-d'água), Cariamidae (seriemas), Jacanidae (jaçanãs), Heamatopodidae (pirús-pirús), Charadriidae (quero-queros, babuíras), Scolopacidae (maçaricos, narcejas), Psitacidae (periquitos, papagaios), Columbidae (pombas, rolas), Ramphastidae (tucanos), Corvidae (gralhas), além de muitas outras famílias com representantes de menor porte. Podem ser encontrados ainda na região quelônios, répteis, anfíbios e insetos, destacando-se a importância de várias espécies de abelhas melíferas. Os peixes existentes na região são pertencentes a espécies de pequeno porte, principalmente nas partes superiores dos cursos d'água da região, com leitos acidentados e encaichoeirados. Entre outros, ocorrem acarás, traíras, jundiás, cascudos e lambaris. Nas partes inferiores dos cursos dos rios, já próximos ao litoral, e nas lagoas costeiras, além destas espécies, ocorrem ainda outras adaptadas a águas salobras, como tainhas, robalos, bagres e outros. Disponibilidade de Recursos Naturais 17

28 Dentro da região em estudo, e devido à existência de duas formações florestais distintas (Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista), os recursos de coleta vegetal, principalmente, e em menor grau também os recursos de caça e coleta animal, distribuem-se de maneira sazonal. Os recursos da Floresta Ombrófila Densa (Mata Atlântica), estão disponíveis, em sua maioria, principalmente nos meses de novembro a abril (final da primavera, verão e início do outono), época em que diversas árvores frutíferas alcançam a plena maturação dos seus frutos. Um recurso típico da Floresta Ombrófila Densa, o palmiteiro (Euterpe edulis), pode ter o seu meristema (palmito) coletado durante todo o ano. A frutificação, nestes meses, é responsável por um aumento na concentração de aves, mamíferos e répteis, que deles se alimentam, ou que predam os animais por ela atraídos. Isto não significa que durante os meses de final de outono, inverno e início da primavera não existam recursos de caça nesta área, mas sim que estes recursos, existentes porém dispersos, se concentram durante a época de maturação dos frutos. O recurso vegetal de maior importância encontrado na Floresta Ombrófila Mista (Mata de Araucárias), é sem dúvida o pinhão, fruto do Pinheiro do Paraná (Araucaria angustifolia), cuja maturação se dá nos meses de abril a junho (final do outono e início do inverno), atraindo com ela grande quantidade de fauna. Recursos de coleta vegetal da Floresta Ombrófila Densa (Mata Atlantica) Nome Comum Nome Cientifico Frutificação Aguaí Chisophilum viride primavera Amoreira-do-mato Rubus erythroclados verão Ananás-de-cerca Ananas bracteatus outono 18

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS MESTRADO EM HISTÓRIA

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS MESTRADO EM HISTÓRIA UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS MESTRADO EM HISTÓRIA OS XOKLENG DE SANTA CATARINA: UMA ETNOHISTÓRIA E SUGESTÕES PARA OS ARQUEÓLOGOS RODRIGO LAVINA 1994 5 SINTETIZANDO:

Leia mais

Geografia de Santa Catarina Aspectos Físicos. Disciplina: Geografia Professora: Josiane Vill Turma: 3ª Ano

Geografia de Santa Catarina Aspectos Físicos. Disciplina: Geografia Professora: Josiane Vill Turma: 3ª Ano Geografia de Santa Catarina Aspectos Físicos Disciplina: Geografia Professora: Josiane Vill Turma: 3ª Ano 1 Geografia de Santa Catarina Aspectos Físicos: Geologia, Relevo, Clima, Hidrografia e Vegetação

Leia mais

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMA BRASILEIRO O extenso território brasileiro, a diversidade de formas de relevo, a altitude e dinâmica das correntes e massas de ar, possibilitam uma grande diversidade

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado Definição Compreende-se como sendo uma Unidade Territorial com características naturais bem marcantes e que o individualizam. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado como sinônimo para identificar

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias.

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias. 01 - (UDESC 2008) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012 PROF. FERNANDO NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Rodrigo Simas Aguiar. Catálogo. da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina

Rodrigo Simas Aguiar. Catálogo. da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina Rodrigo Simas Aguiar Catálogo da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina Texto e Fotos: Rodrigo Simas Aguiar Título: Catálogo da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina Autor: Rodrigo Luiz Simas de Aguiar

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos É na faixa litorânea em que se encontra situada uma parcela significativa dos bens públicos, uma vez que, por disposição contida na Constituição Federal de 1988,

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL QUESTÃO 01 - A Terra é, dentro do sistema solar, o único astro que tem uma temperatura de superfície que permite à água existir em seus três estados: líquido, sólido e gasoso.

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

exercícios _ SANTA CATARINA

exercícios _ SANTA CATARINA exercícios _ SANTA CATARINA CONTEXTUALIZANDO SANTA CATARINA EM ATIVIDADES 1. Assinale as proposições que estiverem de acordo com a hidrografia de Santa Catarina e/ou com o mapa a seguir. HIDROGRAFIA DE

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

1. O POVOAMENTO DA PLANÍCIE LITORÂNEA

1. O POVOAMENTO DA PLANÍCIE LITORÂNEA 1. O POVOAMENTO DA PLANÍCIE LITORÂNEA No presente volume, apresentamos novos estudos sobre o povoamento da planície litorânea do centro e sul de Santa Catarina e do centro e sul do Rio Grande do Sul. Estudos

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROFa. JULIANA NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro.

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A Primavera começa este ano às 22h04min (hora de Brasília), no dia 22 de setembro e termina às 17h20min (horário de

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES A A Unidade III Cidadania e movimento. Aula 16.2 Conteúdo Características dos biomas brasileiros. Habilidade Conhecer

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

O ACERVO ARQUEOLÓGICO DO SÍTIO ALTO SUCURIÚ 12:

O ACERVO ARQUEOLÓGICO DO SÍTIO ALTO SUCURIÚ 12: HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 O ACERVO ARQUEOLÓGICO DO SÍTIO ALTO SUCURIÚ 12: PROCESSAMENTO LABORATORIAL

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos BIOMAS ESTADO DE SÃO PAULO O que é vegetação nativa? O conjunto de plantas nativas de certo local que se encontram

Leia mais

MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN

MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN LOCALIZAÇÃO Pequena porção do Estado de São Paulo e Região Sul (principalmente Paraná e Santa Catarina)

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos

Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos LOCALIZAÇÃO BRASILEIRA O Brasil é um país que integra a América do Sul e apresenta extensão territorial de 8.514.876 km². É o quinto

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

Aspectos pré-históricos pleistocênicos do projeto arqueológico Manguinhos e suas potencialidades. Maria da Conceição de Moraes Coutinho Beltrão*

Aspectos pré-históricos pleistocênicos do projeto arqueológico Manguinhos e suas potencialidades. Maria da Conceição de Moraes Coutinho Beltrão* Aspectos pré-históricos pleistocênicos do projeto arqueológico Manguinhos e suas potencialidades Maria da Conceição de Moraes Coutinho Beltrão* INTRODUÇÃO O Projeto "Sítios Pré-históricos e Megafauna Extinta

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

Economia de Santa Catarina A economia de Santa Catarina é diversificada, no território são desenvolvidas atividades econômicas no ramo da indústria, extrativismo (animal, vegetal e mineral), agricultura,

Leia mais

5ºano. 2º período 1.5 GEOGRAFIA. 10 de junho de 2014

5ºano. 2º período 1.5 GEOGRAFIA. 10 de junho de 2014 5ºano 1.5 GEOGRAFIA 2º período 10 de junho de 2014 Cuide da organização da sua avaliação, escreva de forma legível, fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado na correção.

Leia mais

CONFECÇÃO DE GUIA EDUCACIONAL COMO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA E CIÊNCIAS

CONFECÇÃO DE GUIA EDUCACIONAL COMO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA E CIÊNCIAS CONFECÇÃO DE GUIA EDUCACIONAL COMO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA E CIÊNCIAS ROCHA, Isabel Rodrigues da¹; CABRAL, João Batista Pereira²; SILVA, Hellen Fabiane Franco³; DE PAULA, Makele Rosa

Leia mais

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se:

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: 01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: I. Concentração nas baixas latitudes, associadas a elevadas precipitações. II. Distribuição

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Rafael KÖENE e Mário Sérgio de MELO Universidade Estadual de Ponta Grossa A região de Piraí da Serra é um representante remanescente

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Cobertura Vegetal A localização espacial e a diversidade da vegetação estão sistematicamente integradas às especificidades do meio físico e a ação humana sobre o território

Leia mais

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto.

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. BIOMAS BRASILEIROS BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. Bioma é uma área do espaço geográfico, com dimensões até superiores a um milhão de quilômetros quadrados, representada por

Leia mais

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia do Paraná: Rochas e solos Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia Hidrográfica do Rio Paraná versus Bacia Sedimentar do Paraná = Bacia do

Leia mais

Brasil: Natureza e Sociedade

Brasil: Natureza e Sociedade Brasil: Natureza e Sociedade O Ambiente Natural Devido ao seu tamanho, o Brasil pode ser considerado um continente ou ainda um país com dimensões continentais. É o quinto maior país do mundo em extensão,

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 1. Um pesquisador visitou as cidades de Salvador, Brasília e Manaus para caracterizar o compartimento geomorfológico de cada uma delas. Ao final do trabalho

Leia mais

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Serviço Geológico do Brasil SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Autoria: Luiz Fernando Costa Bomfim José Domingos Alves de Jesus junho/2006 OBJETIVOS DESENVOLVER UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

Leia mais

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites.

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. 1. Comparação entre as Classificações do Relevo Brasileiro

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA Aluno (a): 4º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação Sistema Solar. Mapa político do Brasil: Estados e capitais. Regiões

Leia mais

Distinguir os conjuntos

Distinguir os conjuntos A UU L AL A Distinguir os conjuntos Nesta aula, vamos acompanhar como os geógrafos distinguem conjuntos espaciais diferenciados na superfície da Terra. Vamos verificar que tais conjuntos resultam de diferentes

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

BIOMAS DO MUNDO TUNDRA, TAIGA E FLORESTAS TEMPERADAS. Aula III

BIOMAS DO MUNDO TUNDRA, TAIGA E FLORESTAS TEMPERADAS. Aula III B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO TUNDRA, TAIGA E FLORESTAS TEMPERADAS 2011 Aula III AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA TUNDRA O termo Tundra deriva da palavra finlandesa Tunturia, que significa

Leia mais

01. Frederico Ratzel enunciou o princípio, segundo o qual o geógrafo, ao estudar um dos fatores geográficos ou uma área, deveria, inicialmente, procurar localizá-la e estabelecer os seus limites, usando

Leia mais

5. CONSIDERAÇÕES SOBRE A OCUPAÇÃO PRÉ- HISTÓRICA DO LITORAL MERIDIONAL DO BRASIL

5. CONSIDERAÇÕES SOBRE A OCUPAÇÃO PRÉ- HISTÓRICA DO LITORAL MERIDIONAL DO BRASIL 5. CONSIDERAÇÕES SOBRE A OCUPAÇÃO PRÉ- HISTÓRICA DO LITORAL MERIDIONAL DO BRASIL Na presente publicação, buscamos apresentar a diversidade de ocupações indígenas pré-coloniais do litoral meridional do

Leia mais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

Caatinga. Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas

Caatinga. Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas Caatinga Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas ceas ou xerófitas (plantas adaptadas a ambientes secos). Caatinga As espécies

Leia mais

Domínio Morfoclimático das Araucárias

Domínio Morfoclimático das Araucárias Domínio Morfoclimático das Araucárias Situação Geográfica Encontrado desde o sul paulista até o norte gaúcho, o domínio das araucárias ocupa uma área de 400.000 km²,, abrangendo em seu território cidades

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil.

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. Marque com um a resposta correta. 1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. I. A região Nordeste é a maior região do país, concentrando

Leia mais

Floresta Equatorial: Floresta Amazônica. Floresta Ombrófila: Mata Atlântica. Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias

Floresta Equatorial: Floresta Amazônica. Floresta Ombrófila: Mata Atlântica. Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias Floresta Equatorial: Floresta Amazônica Floresta Ombrófila: Mata Atlântica Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias FLORESTA EQUATORIAL: FLORESTA AMAZÔNICA Floresta equatorial: floresta de baixa

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna Domínio Amazônico Clima equatorial Solos relativamente pobres Relevo

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC

ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC Vicente Rocha Silva Bolsista PNPD-CAPES/ PGE/UEM-PR vicenters61@ig.com.br Introdução O município de Urussanga localiza-se na região

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais