ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 TABELAS... 9

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 TABELAS... 9"

Transcrição

1

2 ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 ART - Anotação de Responsabilidade Técnica... 3 Acervo Técnico (Resolução nº 317/86, do CONFEA)... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 CLASSIFICAÇÃO DA ART... 4 DADOS DO CONTRATADO... 5 DADOS DO CONTRATANTE... 6 DADOS DO CONTRATO... 6 TABELAS... 9 Tabela 1 - ENTIDADES DE CLASSE (Campo 6) Engenharia Civil Engenharia Industrial Mod. Civil Engenharia de Fortificação e Construção Engenharia de Produção Mod Civil Engenharia Sanitarista Engenharia de Operação Mod. Civil Tecnólogo Modalidade Civil Técnico da Área Civil SOLICITAÇÃO DE BAIXA ENCAMINHAMENTO PAGAMENTO EXIGÊNCIA SEDE DO CREA-RJ

3 ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART Buscando facilitar o preenchimento e a utilização do formulário de ART e atender às expectativas dos profissionais deste importante instrumento de caracterização de Responsabilidade Técnica e Acervo Profissional, apresentamos uma versão que abrange todas as naturezas de ART s, já incluindo a Solicitação de Baixa. e incorporando um novo mecanismo de recolhimento de taxa, através do Sistema de Compensação Nacional. ART - Anotação de Responsabilidade Técnica 1. Fundamento Legal A ART foi instituída pela Lei Federal nº 6496/77. Os parâmetros básicos para efetivação da ART estão estabelecidos na Resolução nº 425, de 18 de dezembro de 1998, do Confea - Dispõe sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica e dá outras providências. 2. Objetivos e finalidades Mais do que uma obrigação legal, a ART cumpre um importante papel dentro do Sistema CONFEA/CREAs, trazendo benefícios para os profissionais e a sociedade em geral: A ART constitui prova documental na relação de consumo, definindo os Responsáveis Técnicos legais na contratação de obras/serviços de Engenharia, Arquitetura, Agronomia e demais profissões vinculadas ao sistema, inclusive a nível médio, devendo, portanto, traduzir os elementos integrantes do respectivo contrato. A ART permite o acompanhamento do exercício profissional, coibindo-se o Exercício Ilegal da Profissão; A ART é um Instrumento de Controle do Salário Mínimo Profissional; A ART é um meio de comprovação do exercício profissional, para efeito de aposentadoria, inclusive especial; A ART constitui o Acervo Técnico de pessoas físicas e jurídicas, no decorrer do exercício profissional. ACERVO TÉCNICO (Resolução nº 317/86, do CONFEA) A efetivação da ART garante o registro de toda experiência adquirida pelo profissional em seu Acervo Técnico junto ao CREA. Todo Acervo Técnico acumulado, ao longo dos anos, é fornecido ao profissional ou empresa, mediante solicitação, através de Certidão, que constitui instrumento de comprovação de qualificação técnica. Vale ressaltar que: O acervo técnico de uma pessoa jurídica será representado, pelos Acervos Técnicos dos profissionais do seu quadro técnico e de seus consultores técnicos, devidamente contratados; Assim sendo, o acervo técnico da pessoa jurídica variará em função da alteração do Acervo Técnico do seu quadro de profissionais e consultores; O registro do Acervo Técnico junto ao CREA constitui instrumento fundamental para sua habilitação técnica nos processos de licitação pública. 3

4 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO CLASSIFICAÇÃO DA ART NATUREZA Assinalar o item respectivo à natureza da ART: 1. Obra/Serviço - refere-se à anotação de todo contrato escrito ou verbal para a execução de obras ou prestação de quaisquer serviços profissionais, referentes a engenharia, arquitetura e agronomia e profissões afins. 2. Desempenho de Cargo/Função - refere-se à anotação da ocupação em um cargo ou função técnica, seja por nomeação, ocupação ou contrato de trabalho, podendo ser em entidade pública ou privada, na jurisdição onde a atividade está sendo exercida. Havendo alteração do cargo ou função, deverá ser anotada nova ART. 3. Receituário Agronômico - refere-se à anotação da atividade de prescrição de Receituário Agronômico, por engenheiros agrônomos e florestais. 4. Registro de Direito Autoral - refere-se à anotação no Confea, para efeito de segurança de direitos, de projetos, esboços e obras plásticas concernentes à Engenharia, Arquitetura, Agronomia e demais profissões afins. Nota: Para anotação de Registro de Direito Autoral exige processo específico, procure nosso serviço de atendimento. 5. Múltipla - refere-se à anotação simultânea de vários contratos,referentes a mesma atividade Técnica e Especificação, nos seguintes casos: obras/ serviços de curta duração, rotineiros ou de emergência, tais como: pequenos reparos, manutenção, vistorias, perícias, fornecimento de concreto, etc... Neste caso, os campos 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 28, 29, 30, 31 e 32 da ART não deverão ser preenchidos. A ART deverá ser acompanhada de relação dos respectivos contratos, emitida pelo contratado, constituindo os seguintes dados para cada contrato: nome do contratante, nº do contrato, quantificação, data de início, prazo do contrato, nº de homem-hora, valor do contrato, descrição do complemento da Atividade (se necessário), endereço da obra/serviço e nº da ART anterior, se houver. Tal relação deverá conter o nº da ART correspondente em todas as suas páginas, bem como, a seqüência de contratos deve ser ordenada numericamente. TIPO Assinalar o item relativo ao tipo da ART, apondo o nº da ART principal respectiva. DEFINIÇÕES: ART Vinculada: É aquela de modalidade distinta, decorrente do desdobramento da ART principal, quando este referir-se a um contrato que engloba atividades diversas no campo da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Podem também ser aquelas decorrentes de subcontratações ou de contratações simultâneas em um mesmo empreendimento. 4

5 ART Substituta: É aquela de mesma modalidade, decorrente da substituição do responsável técnico pela atividade(s) técnicas(s) da ART principal. ART Co-Responsabilidade: É aquela de mesma modalidade da principal e decorrente do mesmo contrato. ART Principal: Em relação à ART Vinculada, é aquela referente a uma atividade técnica anotada que envolva outras contratações para sua total realização ou a participação de profissional(is) de outra(s) modalidade(s), em um mesmo contrato. Em relação à Substituta, é aquela anteriormente efetuada referente a atividade técnica contratada. Em relação a Co-responsabilidade é a primeira efetuada referente a atividade técnica contratada. FATO GERADOR Campo preenchido somente quando a emissão da ART for provocada por alguma comunicação prévia do CREA-RJ, ou por exigência de: prefeitura, contratante, etc... Assinalar o item respectivo ao documento emitido pelo CREA- RJ, apondo o nº referente ao mesmo. DADOS DO CONTRATADO 1. Nº do registro profissional Nº do registro no CREA-RJ do profissional que está anotando a responsabilidade técnica. 2. Nome do profissional Nome completo do profissional que está anotando a responsabilidade técnica. (evite abreviações) 3. Título profissional Título do profissional que está anotando a responsabilidade técnica. 4. Há prof. co-responsável? Assinalar se existe(m) participação(ões) de outro(s) profissional(is) da mesma modalidade na atividade técnica anotada ou em outra, em função do mesmo contrato. Nota: Campo NÃO preenchido no caso de ART de Desempenho de Cargo/Função. 5. Há prof/emp vinculado? Assinalar se existe(m): participação(ões) de outro(s) profissional(is) de diferente(s) modalidade(s) na atividade técnica anotada ou em outra, em função do mesmo contrato. participação(ões) de outro(s) profissional(is), ou empresa(s) na atividade técnica anotada ou em outra, em função de contrato distinto, dentro de um mesmo empreendimento. 5

6 6. igo da entidade de classe: igo respectivo à Entidade de Classe conveniada com o CREA-RJ para a qual deseja que sejam repassados 10%(dez porcento) do valor pago pela ART (Tabela 1) 7. Nº do registro empresa Campo preenchido somente para os casos em que o profissional pertence ao quadro técnico da empresa contratada. Nº do registro no CREA-RJ, da empresa que é contratada para execução da atividade técnica. 8. Nome da empresa Campo preenchido somente para os casos em que o profissional pertence ao quadro técnico da empresa contratada. Nome da empresa contratada, para execução da atividade técnica. DADOS DO CONTRATANTE 9. Nome do contratante Nome da pessoa física ou jurídica que contrata a realização da atividade técnica, que está sendo objeto da anotação. Nota: Quando a natureza da ART tratar-se de Registro de Direito Autoral repetir neste campo o nome do profissional. 10. Endereço Endereço do contratante (Logradouro, nº, Av., Rua, complemento e etc.). 11. Bairro Bairro respectivo ao item Município Município respectivo ao item Estado Unidade Federativa respectiva ao item CEP igo Postal respectivo ao item 10. DADOS DO CONTRATO 15. Nº do contrato Nº do instrumento contratual firmado para a realização da atividade técnica, objeto da ART, se houver. Nota: Instrumento Contratual = Contrato, Ordem de Serviço, Ordem de Execução, Processo, etc Ramo igo correspondente ao título do profissional (Tabela 2) Caso não seja identificado o ramo correspondente do seu título, utilize o código de outros. 17. Atividades técnicas igo(s) da (s) atividade(s) técnica(s) que identifica(m) a obra/ 6

7 serviço/atividade contratada, conforme Resolução nº 218/ 73 (Tabela 3) 18. Especificação da atividade igo(s) que especifica(m) a descrição da atividade técnica contratada (Tabela 4 ) 19. Complemento igo(s) que complementa(m) a descrição da atividade técnica contratada (Tabela 5) 20. Quantificação Valor numérico que quantifica o empreendimento, seguido da unidade de medida respectiva. 21. Nº de pavimentos Preencher somente nos casos de ART de obra /serviço de projeto de arquitetura, construção, reforma ou legalização de edificação. Quantidade de pavimentos construídos/reformados Nota: No caso de reforma com acréscimo considerar o número total de pavimentos envolvidos na obra. 22. Data de início Data de início da execução da atividade técnica contratada. 23. Prazo do contratado Prazo previsto de realização da obra/serviço. Nota: No caso de contrato indeterminado, a ART terá uma validade de 12(doze) meses. Findo este prazo deverá ser procedida nova anotação. 24. Nº de homem-hora/jornada de trabalho Homem-Hora Quantidade de Homem-Hora (HH) que será dispendida pelo profissional responsável durante todo o decurso da obra ou serviço coberto pela ART, dentro do prazo informado no campo nº 23. Nota: Nos casos de ARTs vinculada e de Co-responsabilidade, as quantidades de homem-hora dos demais profissionais deverão ser lançadas nas suas respectivas ARTs. Jornada de Trabalho Campo preenchido somente para os casos de ART de desempenho de cargo/função Anotar a jornada de trabalho dedicada diariamente ao exercício do cargo/função 25. Valor do contrato/honorários (Resolução nº 487, de 29 de outubro de Fixa os valores das taxas de registro de ART e dá outras providências). Não preencher se for ART de desempenho de cargo/ função. Valor do contrato escrito ou verbal firmado ou dos honorários do profissional responsável. Notas: Quando se tratar de elaboração de projetos, direção e execução de obras ou serviços para entidades beneficientes, reconhecidas como de utilidade pública, que tenham sido realizadas por profissionais em caráter filantrópico, infor- 7

8 mar: CÓDIGO CF. Quando se tratar de desempenho de atividades em instituição pública oficial, com a qual o profissional mantenha vínculo empregatício, informar: CÓDIGO VE. 26. Salário Preencher somente para o caso de ART de desempenho de cargo/função. Valor do último salário recebido no exercício do cargo/ função anotado. Nota: Não considerar: gratificações, adicionais, vantagens, etc / informações complementares sucinta da especificação da atividade e/ou de seu complemento quando estes não forem identificados nas tabelas 4 e 5, ou outras informações complementares, que sejam julgadas necessárias para melhor caracterização da obra/serviço realizados dentro das atribuições do profissional. 28. Endereço da obra/serviço Não preencher para o caso de ART de Direito Autoral. Endereço do local onde foi exercida atividade técnica anotada (Logradouro, nº, Av., Rua, complemento e etc.) 29. Bairro Bairro respectivo ao item Município Município respectivo ao item Estado Unidade Federativa respectiva ao item CEP igo postal respectivo ao item Data Data do preenchimento da ART. 34. Assinatura do contratado Assinatura do profissional que anota a sua responsabilidade técnica. 35. Assinatura do contratante Assinatura da pessoa física ou representante legal da pessoa jurídica que contrata a execução/desempenho da Atividade Técnica. 8

9 TABELAS 9

10 TABELA 1 ENTIDADES DE CLASSE (Campo 6) 10 Nome ABEA Associação Brasileira de Engenheiras e Arquitetas.. 2 ABEE Associação Brasileira de Engenheiros Eletricistas... 4 ABENC Associação Brasileira de Engenheiros Civis... 3 ABPE Associação Brasileira de Pontes e Estruturas... 5 ADAE Associação Duquecaxiense de Arquitetos e Engenheiros AEANF Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Nova Friburgo AEA RJ Associação de Engenheiros Agrônomos do Estado do Rio de Janeiro... 7 AEEFL Associação de Engenheiros da Estrada de Ferro Leopoldina AENF Associação de Engenheiros Agrônomos do Noroeste Fluminense AENFER Associação de Engenheiros Ferroviários AEVR Associação de Engenheiros de Volta Redonda... 8 AFEA Associação Fluminense de Engenheiros e Arquitetos AFEM RJ Associação Fluminense de Engenheiros de Minas ALFEA Associação Leste Fluminense de Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos ANFEA Associação Norte Fluminense de Engenheiro e Arquiteto APEA Associação Petropolitana de Engenheiros e Arquitetos APEFERJ Associação dos Profissionais dos Engenheiros Florestais do Estado do RJ APG RJ Associação dos Profissionais Geólogos do Estado do Rio de Janeiro ASAERLA Associação de Arquitetos e Engenheiros da Região dos Lagos... 6 ASSEA Associação de Engenheiros e Arquitetos de Três Rios e Região... 9 ASSEAR Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Angra dos Reis ATEL Associação dos Técnicos da LIGHT CLUBE Clube de Engenharia IAB Instituto de Arquitetos do Brasil Dep/RJ IEL Instituto de Engenharia Legal SARJ Sindicato dos Arquitetos do Estado do RJ SBMET Sociedade Brasileira de Meteorologista SEAERJ Sociedade de Engenheiros e Arquitetos do Estado do Rio de Janeiro SEANI Sociedade de Engenheiros e Arquitetos de Nova Iguaçú SENGE RJ Sindicato dos Engenheiros do Estado do Rio de Janeiro SENGE VR Sindicato dos Engenheiros de Volta Redonda SOBES RIO Sociedade de Engenharia de Segurança do Estado do Rio de Janeiro... 30

11 RAMO (Campo 16) TABELA 2 Engenharia Civil Engenharia Industrial Mod. Civil e 1109 ATIVIDADE (Campo 17) (Resolução 218, art. 1º) TABELA 3 Análise... 1 Arbitramento... 2 Assessoria... 3 Assistência... 4 Avaliação... 5 Condução de Equipe de Instalação... 6 Condução de Equipe de Manutenção... 7 Condução de Equipe de Montagem... 8 Condução de Equipe de Operação... 9 Condução de Equipe de Reparo Condução de Trabalho Técnico Consultoria Controle de Qualidade Coordenação Técnica Desempenho de Cargo Técnico Desempenho de Função Técnica Direção de Obra Direção de Serviço Técnico Divulgação Técnica Elaboração de Orçamento Ensaio Ensino Especificação Estudo Estudo de Viabilidade Técnico-Econômica Execução de Desenho Técnico Execução de Instalação Execução de Montagem Execução de Obra Execução de Reparo Execução de Serviço Técnico Experimentação Extensão Fiscalização de Obra Fiscalização de Serviço Técnico Laudo Técnico Manutenção de Equipamento Manutenção de Instalação Mensuração Operação de Equipamento Operação de Instalação Orientação Técnica Padronização Parecer Técnico Perícia Pesquisa Planejamento continua... 11

12 1101 e 1109 TABELA 3 - ATIVIDADE (Campo 17) - continuação Produção Técnica Especializada Projeto Quadro Técnico de Empresa Responsável Técnico por Empresa Supervisão Técnica Vistoria TABELA 4 ESPECIFICAÇÃO DA ATIVIDADE (Campo 18) 12 Aferição... 1 Aplicação... 2 Calçamento... 6 Cálculo... 7 Classificação Concretagem Conservação Construção Contenção Controle Tecnológico Demolição Desmembramento Desmonte Detalhamento Dimensionamento Dragagem Drenagem Escoramento Estabilização Estaqueamento Fabricação Fornecimento Fundação Gerência Inspeção Irrigação Legalização Limpeza Loteamento Mecanização Melhoramento Modificação Nivelamento Parcelamento Pavimentação Prevenção Rebaixamento Recondicionamento Recuperação Reforma Remembramento Restauração Saneamento Sondagem Terraplenagem Teste Transformação... Tratamento Venda Técnica Outros... 73

13 COMPLEMENTO (Campo 19) TABELA 5 Aeroporto... 3 Aerofotogrametria... 4 Alvenaria... 8 Andaime... 9 Aqueduto Arquitetura Atracadouro Barragem Canal Central de Gás Cimento Concreto Edificação Residencial Edificação Comercial Encosta Escola Estação de TV Estação de Rádio Estação de Tratamento Estação Meteorológica Estrutura de Concreto Armado Estrada Estrutura Estrutura Metálica Ferrovia Laje Lay-out Galeria Galpão Gleba Hidrossanitária Hospital Moradia Econômica Passarela Piscina Pista de Rolamento Ponte Porto Praça Profissional do Quadro Técnico da Empresa, Habilitado ao Exercício de Todas as Atividades no Âmbito das suas atribuições Legais Rede Elétrica Rede de Esgoto Rede de Gás Rede Hidráulica Represa Revestimento Responsável Por Toda Atividade Técnica Executada Pela Pessoa Jurídica, contemplada no âmbito de minhas atribuições legais Rodovia Sinalização Sistema de Abastecimento D água Sistema Contra Incêndio Templo Religioso Teto Topografia Túnel Viabilidade Viaduto Outros e 1109

14 RAMO (Campo 16) ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART TABELA 2 Engenharia de Fortificação e Construção Engenharia de Produção Mod Civil e 1110 ATIVIDADE (Campo 17) (Resolução 218, art. 1º) TABELA 3 Análise Arbitramento Assessoria Assistência Avaliação Condução de Equipe de Instalação Condução de Equipe de Manutenção Condução de Equipe de Montagem Condução de Equipe de Operação Condução de Equipe de Reparo Condução de Trabalho Técnico Consultoria Controle de Qualidade Coordenação Técnica Desempenho de Cargo Técnico Desempenho de Função Técnica Direção de Obra Direção de Serviço Técnico Divulgação Técnica Elaboração de Orçamento Ensaio Ensino Especificação Estudo Estudo de Viabilidade Técnico-Econômica Execução de Desenho Técnico Execução de Instalação Execução de Montagem Execução de Obra Execução de Reparo Execução de Serviço Técnico Experimentação Extensão Fiscalização de Obra Fiscalização de Serviço Técnico Laudo Técnico Manutenção de Equipamento Manutenção de Instalação Mensuração Operação de Equipamento Operação de Instalação Orientação Técnica Padronização Parecer Técnico Perícia Pesquisa Planejamento continua... 14

15 TABELA 3 - ATIVIDADE (Campo 17) - continuação Produção Técnica Especializada Projeto Quadro Técnico da Empresa Responsável Técnico por Empresa Supervisão Técnica Vistoria TABELA 4 ESPECIFICAÇÃO DA ATIVIDADE (Campo 18) Aferição Aplicação Calçamento Cálculo Classificação Concretagem Conservação Construção Contenção Controle Tecnológico Demolição Desmembramento Desmonte Detalhamento Dimensionamento Dragagem Drenagem Escoramento Estabilização Estaqueamento Fabricação Fornecimento Fundação Gerência Inspeção Irrigação Legalização Limpeza Loteamento Mecanização Melhoramento Modificação Nivelamento Parcelamento Pavimentação Prevenção Rebaixamento Recondicionamento Recuperação Reforma Remembramento Restauração Saneamento Sondagem Terraplenagem Teste Transformação Tratamento Venda Técnica Outros e

16 COMPLEMENTO (Campo 19) ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART TABELA e 1110 Aeroporto Aerofotogrametria Alvenaria Andaime Aqueduto Arquitetura Atracadouro Barragem Canal Central de Gás Cimento Concreto Edificação Residencial Edificação Comercial Encosta Escola Estação de TV Estação de Rádio Estação de Tratamento Estação Meteorológica Estrutura de Concreto Armado Estrada Estrutura Estrutura Metálica Ferrovia Laje Lay-out Galeria Galpão Gleba Hidrossanitária Hospital Moradia Econômica Passarela Piscina Pista de Rolamento Ponte Porto Praça Profissional do Quadro Técnico da Empresa, Habilitado ao Exercício de Todas as Atividades no Âmbito das suas atribuições Legais Rede Elétrica Rede de Esgoto Rede de Gás Rede Hidráulica Responsável por Atividade Técnica executada pela Pessoa Jurídica, contemplada no âmbito de minhas atribuições Represa Rodovia Sinalização Sistema de Abastecimento D'água Sistema Contra Incêndio Templo Religioso Teto Topografia Túnel Viabilidade Viaduto Outros

17 RAMO (Campo 16) TABELA 2 Engenharia Sanitarista ATIVIDADE (Campo 17) (Resolução 218, art. 1º) TABELA 3 Análise Arbitramento Assessoria Assistência Avaliação Condução de Equipe de Instalação Condução de Equipe de Manutenção Condução de Equipe de Montagem Condução de Equipe de Operação Condução de Equipe de Reparo Condução de Trabalho Técnico Consultoria Controle de Qualidade Coordenação Técnica Desempenho de Cargo Técnico Desempenho de Função Técnica Direção de Obra Direção de Serviço Técnico Divulgação Técnica Elaboração de Orçamento Ensaio Ensino Especificação Estudo Estudo de Viabilidade Técnico-Econômica Execução de Desenho Técnico Execução de Instalação Execução de Montagem Execução de Obra Execução de Reparo Execução de Serviço Técnico Experimentação Extensão Fiscalização de Obra Fiscalização de Serviço Técnico Laudo Técnico Manutenção de Equipamento Manutenção de Instalação Mensuração Operação de Equipamento Operação de Instalação Orientação Técnica Padronização Parecer Técnico Perícia Pesquisa Planejamento continua... 17

18 TABELA 3 - ATIVIDADE (Campo 17) - continuação Produção Técnica Especializada Projeto Quadro Técnico de Empresa Responsável Técnico por Empresa Supervisão Técnica Vistoria TABELA 4 ESPECIFICAÇÃO DA ATIVIDADE (Campo 18) 1103 Aferição Aplicação Cálculo Classificação Conservação Construção Detalhamento Dimensionamento Gerência Inspeção Limpeza Melhoramento Modificação Prevenção Recuperação Reforma Saneamento Teste Transformação Tratamento Venda Técnica Outros COMPLEMENTO (Campo 19) TABELA Galeria Hidrossanitária Lixo Poluente Profissional do Quadro Técnico da Empresa, Habilitado ao Exercício de Todas as Atividades no Âmbito das suas atribuições Legais Rede de Esgoto Resíduo Responsável por Atividade Técnica executada pela Pessoa Jurídica, contemplada no âmbito de minhas atribuições Sistema de Abastecimento D'água Outros

19 RAMO (Campo 16) TABELA 2 Engenharia de Operação Mod. Civil Tecnólogo Modalidade Civil ATIVIDADE (Campo 17) (Resolução 218, art. 1º) TABELA 3 Condução de Equipe de Instalação Condução de Equipe de Manutenção Condução de Equipe de Montagem Condução de Equipe de Operação Condução de Equipe de Reparo Condução de Trabalho Técnico Controle de Qualidade Elaboração de Orçamento Execução de Desenho Técnico Execução de Instalação Execução de Montagem Execução de Obra Execução de Reparo Execução de Serviço Técnico Fiscalização de Obra Fiscalização de Serviço Técnico Manutenção de Equipamento Manutenção de Instalação Mensuração Operação de Equipamento Padronização Produção Técnica Especializada Projeto Quadro Técnico de Empresa Responsável Técnico por Empresa TABELA 4 ESPECIFICAÇÃO DA ATIVIDADE (Campo 18) Aferição Aplicação Calçamento Cálculo Classificação Concretagem Conservação Construção e 1204 continua... 19

20 1203 e 1204 TABELA 4 - ESPECIFICAÇÃO DA ATIVIDADE (Campo 18) - continuação Contenção Controle Tecnológico Demolição Desmembramento Desmonte Detalhamento Dimensionamento Dragagem Drenagem Escoramento Estabilização Estaqueamento Fabricação Fornecimento Fundação Gerência Inspeção Irrigação Legalização Limpeza Loteamento Mecanização Melhoramento Modificação Perícia Pesquisa Planejamento Prevenção Rebaixamento Recondicionamento Recuperação Reforma Remembramento Restauração Saneamento Sondagem Terraplenagem Teste Transformação Tratamento Venda Técnica Outros COMPLEMENTO (Campo 19) TABELA 5 20 Aeroporto Aerofotogrametria Alvenaria Andaime continua...

21 TABELA 5 - COMPLEMENTO (Campo 19) - continuação Aqueduto Arquitetura Atracadouro Barragem Canal Central de Gás Cimento Concreto Edificação Residencial Edificação Comercial Edificação Especial Encosta Escola Estação de Tratamento Estrutura de Concreto Armado Estrada Estrutura Estrutura Metálica Ferrovia Final Galeria Galpão Gleba Hidrossanitária Hospital Laje Lay-out Moradia Econômica Passarela Piscina Pista de Rolamento Poço Praça Profissional do Quadro Técnico da Empresa, Habilitado ao Exercício de Todas as Atividades no Âmbito das suas atribuições Legais Rede Elétrica Rede de Esgoto Rede de Gás Rede Hidráulica Represa Responsável Por Toda Atividade Técnica Executada Pela Pessoa Jurídica, contemplada no âmbito de minhas atribuições legais Rodovia Sinalização Sistema de Abastecimento D'água Sistema Contra Incêndio Templo Religioso Teto Topografia Viabilidade Outros e

22 TABELA 2 RAMO (Campo 16) Técnico da Área Civil ATIVIDADE (Campo 17) (Resolução 218, art. 1º) TABELA 3 Condução de Equipe de Instalação Condução de Equipe de Manutenção Condução de Equipe de Montagem Condução de Equipe de Operação Condução de Equipe de Reparo Execução de Desenho Técnico Execução de Instalação Execução de Montagem Execução de Reparo Execução de Serviço Técnico TABELA 4 ESPECIFICAÇÃO DA ATIVIDADE (Campo 18) Descrever a Especificação no Campo 27 da ART (/ Informações Complementares) COMPLEMENTO (Campo 19) TABELA Profissional do Quadro Técnico da Empresa, Habilitado ao Exercício de Todas as Atividades no Âmbito das suas atribuições Legais Responsável Por Toda Atividade Técnica Executada Pela Pessoa Jurídica, contemplada no âmbito de minhas atribuições legais

23 SOLICITAÇÃO DE BAIXA Motivo de baixa Assinalar o motivo pelo qual solicita a baixa da responsabilidade técnica, apondo a data respectiva ao encerramento da mesma. Data da baixa Data em que foi preenchida a solicitação Nome do requerente Nome do responsável pela solicitação Assinatura Assinatura do requerente Notas: Nos casos das atividades técnicas de manutenção e reparo não havendo apresentação da Solicitação de Baixa SB respectiva, será procedida a baixa automática ao fim do prazo do contrato informado. Sempre que a ART for preenchida após o término de um serviço, o profissional deverá ao mesmo tempo proceder também o preenchimento do formulário Solicitação de Baixa - SB. ENCAMINHAMENTO Após o preenchimento de todos os campos da ART, de acordo com a sua natureza, o profissional deverá proceder o encaminhamento da 1ª via ao CREA-RJ, com as devidas assinaturas. Este encaminhamento poderá ser feito através dos seguintes meios: ON LINE Somente para o envio de dados, a 1ª via deverá seguir a orientação acima. CORREIO Utilização do serviço de Carta-Resposta com porte pago. CREA-RJ Depositar na urna respectiva existente na Coordenação de Atendimento de Pessoa Física e de Pessoa Jurídica ou na Inspetoria mais próxima, conforme relação de endereços anexa. FAX Enviar para o nº (21) PAGAMENTO Preenchimento on line - no ato do preenchimento da ART, o valor da taxa a ser recolhida, será calculado automaticamente, podendo ser pago em qualquer agência bancária. Preenchimento convencional - após o preenchimento da ART, deverá ser calculado o valor da taxa a ser recolhida, 23

ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 TABELAS... 9

ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 TABELAS... 9 ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 ART - Anotação de Responsabilidade Técnica... 3 Acervo Técnico (Resolução nº 317/86, do CONFEA)... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 CLASSIFICAÇÃO DA ART...

Leia mais

ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 TABELAS... 9

ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 TABELAS... 9 ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 ART - Anotação de Responsabilidade Técnica... 3 Acervo Técnico (Resolução nº 317/86, do CONFEA)... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 CLASSIFICAÇÃO DA ART...

Leia mais

ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 TABELAS... 9

ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 TABELAS... 9 ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 ART - Anotação de Responsabilidade Técnica... 3 Acervo Técnico (Resolução nº 317/86, do CONFEA)... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 CLASSIFICAÇÃO DA ART...

Leia mais

ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 TABELAS... 9

ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 TABELAS... 9 ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 ART - Anotação de Responsabilidade Técnica... 3 Acervo Técnico (Resolução nº 317/86, do CONFEA)... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 CLASSIFICAÇÃO DA ART...

Leia mais

Autovistoria: prevenção agora é Lei. Agosto/2013

Autovistoria: prevenção agora é Lei. Agosto/2013 Autovistoria: prevenção agora é Lei Agosto/2013 1 2 Autovistoria: prevenção agora é Lei Um importante instrumento de defesa da sociedade passou a vigorar, em março de 2013, com a publicação de duas novas

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005

ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005 ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005 Dispõe sobre os valores das taxas de registro de ART devidas ao Crea-ES, para o exercício de 2006 e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA

Leia mais

Autovistoria. Prevenção agora é Lei

Autovistoria. Prevenção agora é Lei Autovistoria Prevenção agora é Lei Autovistoria: prevenção agora é Lei Agosto/2013 1 2 Autovistoria: prevenção agora é Lei Um importante instrumento de defesa da sociedade passou a vigorar, em março de

Leia mais

1º Para aplicação da Tabela I, será considerado o valor da obra, no caso de atividade de execução e o valor dos serviços para as demais atividades.

1º Para aplicação da Tabela I, será considerado o valor da obra, no caso de atividade de execução e o valor dos serviços para as demais atividades. ATO NORMATIVO Nº 55/03 Dispõe sobre os valores das taxas de registro de ART devidas ao Crea ES, para o exercício de 2004 e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições Dispõe sobre o exercício profissional dos Tecnólogos das áreas submetidas à regulamentação e fiscalização instituídas pela Lei nº 5.194, de 24 DEZ 1966, e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA,

Leia mais

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia CONFEA CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CREA CONSELHO REGIONAL

Leia mais

A empresa Expernet Telemática Ltda., solicita os seguintes esclarecimentos: O subitem 2.3 Documentos Relativos à Qualificação Técnica alínea b) exige:

A empresa Expernet Telemática Ltda., solicita os seguintes esclarecimentos: O subitem 2.3 Documentos Relativos à Qualificação Técnica alínea b) exige: COP-148/2009 Processo nº 000578-14.89/09-2 Assunto: Esclarecimento A empresa Expernet Telemática Ltda., solicita os seguintes esclarecimentos: Questionamento 1. O subitem 2.3 Documentos Relativos à Qualificação

Leia mais

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA TÓPICOS INSTRUMENTOS LEGAIS APLICÁVEIS LEGISLAÇÃO: CONSTITUIÇÃO FEDERAL, LEIS, DECRETOS e RESOLUÇÕES FORMAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL DELIBERAÇÕES NORMATIVAS

Leia mais

SISTEMAS PROFISSIONAIS

SISTEMAS PROFISSIONAIS SISTEMAS PROFISSIONAIS Prof. Dr. Eng. Mec. Amarildo Tabone Paschoalini Docente Departamento de Engenharia Mecânica UNESP Ilha Solteira Coordenador da Câmara Especializada de Eng. Mecânica e Metalúrgica

Leia mais

ÍNDICE. Obra ou Serviço... 4 Desempenho de Cargo e Função... 13 Múltipla - Obra ou Serviço de Rotina... 20 Múltipla - Receituário Agronômico...

ÍNDICE. Obra ou Serviço... 4 Desempenho de Cargo e Função... 13 Múltipla - Obra ou Serviço de Rotina... 20 Múltipla - Receituário Agronômico... ART+FÁCIL 1 CREA-SP 2 ÍNDICE Obra ou Serviço... 4 Desempenho de Cargo e Função... 13 Múltipla - Obra ou Serviço de Rotina... 20 Múltipla - Receituário Agronômico... 27 CREA-SP MANUAL DE PREENCHIMENTO DA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 497, DE 25 DE AGOSTO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 497, DE 25 DE AGOSTO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 497, 25 AGOSTO 2006 Fixa os valores de registro de ART e dá outras providências. O CONSELHO FERAL ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Confea, no uso das atribuições que lhe confere a alínea

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 502, DE 21 DE SETEMBRO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº 502, DE 21 DE SETEMBRO DE 2007 RESOLUÇÃO Nº 502, DE 21 DE SETEMBRO DE 2007 Fixa os valores de registro de ART e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Confea, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

O bom síndico deixa seu condominio sempre em ordem. Manual do Síndico

O bom síndico deixa seu condominio sempre em ordem. Manual do Síndico O bom síndico deixa seu condominio sempre em ordem Manual do Síndico O que é o CREA-RO? O C o n s e l h o R e g i o n a l d e E n g e n h a r i a e Agronomia do Estado de Rondônia - CREA- RO é uma autarquia

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Fl. 1 de 5 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre

Leia mais

1º A taxa de ART referente à execução incide sobre o valor do custo da obra.

1º A taxa de ART referente à execução incide sobre o valor do custo da obra. ATO NORMATIVO Nº. 34/09 Dispõe sobre os valores das taxas de registro de ART devidas ao Crea-ES, para o exercício de 2010 e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA

Leia mais

I Seminário de Licitações e Contratos Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes DNIT

I Seminário de Licitações e Contratos Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes DNIT I Seminário de Licitações e Contratos Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes DNIT -ATESTAÇÃO TÉCNICA - Palestrante: Engenheiro Civil Reinaldo Teixeira Vieira - CONFEA - O Conselho Federal

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO A SER APRESENTADA PARA EMISSÃO DE CERTIDÃO DE ACERVO TÉCNICO:

DOCUMENTAÇÃO A SER APRESENTADA PARA EMISSÃO DE CERTIDÃO DE ACERVO TÉCNICO: O QUE É ACERVO TÉCNICO? O Acervo Técnico é o conjunto das atividades desenvolvidas ao longo da vida do profissional, compatíveis com suas atribuições desde que registradas no Crea-ES por meio de ARTS -Anotações

Leia mais

João Fernando Custodio da Silva Engenheiro Cartógrafo, Conselheiro CREA-SP 2007-2009 Professor Titular do Departamento de Cartografia, FCT/UNESP

João Fernando Custodio da Silva Engenheiro Cartógrafo, Conselheiro CREA-SP 2007-2009 Professor Titular do Departamento de Cartografia, FCT/UNESP Regulamentação da atribuição de títulos profissionais, atividades, competências e caracterização do âmbito de atuação dos profissionais inseridos no Sistema CONFEA-CREA João Fernando Custodio da Silva

Leia mais

Audiência para tratar das possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em riscos de acidentes nos aeroportos de pista curta

Audiência para tratar das possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em riscos de acidentes nos aeroportos de pista curta Audiência para tratar das possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em riscos de acidentes nos aeroportos de pista curta JAQUES SHERIQUE Eng. Mec. e de Seg. do Trab. Vice-Presidente

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DE ART OBRA OU SERVIÇO

MANUAL DE PREENCHIMENTO DE ART OBRA OU SERVIÇO MANUAL DE PREENCHIMENTO DE ART OBRA OU SERVIÇO A ART relativa à execução de obra ou à prestação de serviço, objeto de contrato único, deve ser registrada antes do início da respectiva atividade técnica,

Leia mais

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita 4º SEMINÁRIO PAULISTA DE PERÍCIA JUDICIAL 26 de agosto de 2011 O Perito Judicial e a Justiça Gratuita Ao CREA-SP, instituído pelo Decreto Federal nº 23.569, de 11 de dezembro de 1933, e mantido pela Lei

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA Portaria CVS 15, de 26 de Dezembro de 2002. Define diretrizes, critérios e procedimentos para a avaliação físico funcional de projetos

Leia mais

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO UNIÃO DE ENSINO E CULTURA DE GUARAPUAVA - UNIGUA FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO

Leia mais

Link de Acesso para ART WEB

Link de Acesso para ART WEB ART WEB Link de Acesso para ART WEB Na tela seguinte, o profissional deve entrar com seu login (Usuário) e sua senha. O login é o número da sua carteira profissional (Ex. MT120321, MT011378, SP139787),

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO DE JANEIRO - CREA-RJ. Certidão de Acervo Técnico nº 44449/2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO DE JANEIRO - CREA-RJ. Certidão de Acervo Técnico nº 44449/2014 PÁG: 1/ 6 Certidão de Acervo Técnico nº 44449/2014 Não há vinculação entre a presente Certidão e qualquer atestado (Artigo 30,P arágrafo 1º, Inciso I da Lei 8666/93), tendo sido a mesma emitida com a finalidade

Leia mais

INSTRUÇÃO DA PRESIDÊNCIA N.º 168, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO DA PRESIDÊNCIA N.º 168, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO DA PRESIDÊNCIA N.º 168, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece procedimentos administrativos para fins de Registro de Atestado de obra/serviço no Crea-RS, conforme disposto na Resolução do Confea

Leia mais

Controle de Processos: Introdução

Controle de Processos: Introdução Controle de Processos: Introdução Prof. Eduardo Stockler Tognetti & David Fiorillo Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB Conteúdo 1. Panorama da engenharia de controle

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER APRESENTAÇÃO O CAU/RS Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul, na qualidade de Autarquia Federal deve na

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Roccato. Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra. Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais

Roccato. Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra. Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais Aprovações necessárias Copel, Sanepar, Prefeitura, Bombeiros Descubra

Leia mais

SMART EXPRESS TRANSPORTES SERVIÇOS DE MOTOBOY E ENTREGAS COM CARROS UTILITÁRIOS E EXECUTIVOS AGILIDADE PARA QUEM MANDA E PARA QUEM RECEBE

SMART EXPRESS TRANSPORTES SERVIÇOS DE MOTOBOY E ENTREGAS COM CARROS UTILITÁRIOS E EXECUTIVOS AGILIDADE PARA QUEM MANDA E PARA QUEM RECEBE 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo estabelecer uma sistemática organizada de controle e combate a situações de vazamentos e derrames com risco ambiental e este procedimento se aplica a todas

Leia mais

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria;

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; CATEGORIAS E PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; 2.- Os atestados deverão: 2.1.- Ser apresentados rigorosamente de acordo com

Leia mais

CREA-RS. Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL

CREA-RS. Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL CREA-RS Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL INSPEÇÃO TÉCNICA DE SEGURANÇA VEICULAR O QUE FISCALIZAR ONDE FISCALIZAR PARÂMETRO LEGISLAÇÃO Inspeção Empresas

Leia mais

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Manual da Construção Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico APRESENTAÇÃO A presente cartilha é uma contribuição da Prefeitura Municipal de Viana, através da Secretaria de Planejamento

Leia mais

O Sistema Confea/ Crea

O Sistema Confea/ Crea O Sistema Confea/Crea é regido pela Lei nº 5.194, de 24/dez/1966. O Sistema Confea/ Crea O Conselho Federal e os Conselhos Regionais são autarquias* dotadas de personalidade jurídica de direito público,

Leia mais

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA DISA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de rosto deste formulário,

Leia mais

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos GLOSSÁRIO Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos nele apresentados, embora aplicáveis em outros contextos. Análise atividade que envolve a determinação

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 187 Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das atividades profissionais previstas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MODALIDADE MECÂNICA, COM ÊNFASE EM AUTOMOBILÍSTICA, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino,

Leia mais

VERSÃO SETEMBRO 2012 pág. 1

VERSÃO SETEMBRO 2012 pág. 1 VERSÃO SETEMBRO 2012 pág. 1 LEI Nº 6.496 - DE 7 DE DEZEMBRO DE 1977 Institui a "Anotação de Responsabilidade Técnica" na prestação de serviços de Engenharia, de Arquitetura e Agronomia; autoriza a criação,

Leia mais

Incêndio da Boate Kiss: análise da conduta ética dos engenheiros civis

Incêndio da Boate Kiss: análise da conduta ética dos engenheiros civis Incêndio da Boate Kiss: análise da conduta ética dos engenheiros civis Deivid Vieira de Souza* Rafael Fonseca Machado** Raissa Garcia Evangelista Montes*** Isabel Cristina de Souza**** RESUMO O presente

Leia mais

Construção e Reforma Legal. Cartilha de orientação para o cidadão

Construção e Reforma Legal. Cartilha de orientação para o cidadão Construção e Reforma Legal Cartilha de orientação para o cidadão Construção e Reforma Legal Cartilha de orientação para o cidadão Apresentação A presente cartilha é mais uma contribuição do CREA-RJ no

Leia mais

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Construindo as Metas Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Região: Sudeste; UF: Mesorregião: Município: Angra dos Reis; Aperibé; Araruama; Areal; Armação dos Búzios; Arraial do Cabo;

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 16/2015 Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref: Orientações para o Recolhimento da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

196,6 referente à habitação unifamiliar isolada e habitação multifamiliar única e isolada R$ 196,60.

196,6 referente à habitação unifamiliar isolada e habitação multifamiliar única e isolada R$ 196,60. ANEXO XII LICENÇA PARA EXECUÇÃO DE OBRAS OU SERVIÇOS DE ENGENHARIA 1.0 TERRENO R$ 1.0.1 Análise de terreno referente a desmembramento, remembramento e demarcação, com 163,89 área até 5.000m². 1.0.2 Análise

Leia mais

Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT

Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL (EXTRATO) Duque de Caxias 2016 Objetivos do Curso

Leia mais

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL REGISTRO PROFISSIONAL E ACERVO TÉCNICO A EXPERIÊNCIA DO CREA-PR Eng. Civ. Joel Krüger Presidente CREA-PR Sistema CONFEA/CREAs 977.750 Profissionais 306

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO O Colegiado do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REPAROS E OBRAS EMERGENCIAIS DE IMOVEIS SITUADOS NA ÁREA DE ESPECIAL INTERESSE URBANISTICO DA REGIÃO DO PORTO MARAVILHA. 1. INTRODUÇÃO A Operação

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DE ART DESEMPENHO DE CARGO OU FUNÇÃO

MANUAL DE PREENCHIMENTO DE ART DESEMPENHO DE CARGO OU FUNÇÃO MANUAL DE PREENCHIMENTO DE ART DESEMPENHO DE CARGO OU FUNÇÃO A ART de cargo ou função relativa ao vínculo contratual do profissional com a pessoa jurídica para desempenho de cargo ou função técnica deve

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= LEI Nº 2.689, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- Autoriza a doação de lote

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 189, DE 18 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

Autores: Deputado SAMUEL MALAFAIA, Deputado LUIZ PAULO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE:

Autores: Deputado SAMUEL MALAFAIA, Deputado LUIZ PAULO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE: PROJETO DE LEI Nº 2584/2013 EMENTA: DETERMINA QUE SEGUROS IMOBILIÁRIOS DE CONDOMÍNIOS, PRÉDIOS RESIDENCIAIS, COMERCIAIS E PÚBLICOS SOMENTE SEJAM EMITIDOS MEDIANTE O CUMPRIMENTO DA LEI Nº6400, DE 05 DE

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais 05/08/2014 Pergunte à CPA ISS Regras Gerais Apresentação: Samyr Henrique Muniz Qbar ISS Legislação básica Art. 156, III da C.F./88 Lei Complementar 116/2003 (lista de serviços) Lei Ordinária de cada município

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como considerar o campo Tributação de uma NFS-e para serviços prestados fora do país 02/10/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como considerar o campo Tributação de uma NFS-e para serviços prestados fora do país 02/10/14 serviços prestados fora do país 02/10/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 2.1 Lei Complementar 116 de 2003... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Lei

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 13. CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Área de atuação O curso pretende formar o arquiteto pleno, capacitado a atuar nos diversos âmbitos

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional Missão do Curso A função primordial do Engenheiro Agrônomo consiste em promover a integração do homem com a terra através da planta e do animal, com empreendimentos de interesse social e humano, no trato

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR QUE DETERMINA "OBRIGATÓRIA" REALIZAÇÃO DE INSPEÇÃO PREDIAL POR PROFISSIONAL HABILITADO NO CREA

LEGISLAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR QUE DETERMINA OBRIGATÓRIA REALIZAÇÃO DE INSPEÇÃO PREDIAL POR PROFISSIONAL HABILITADO NO CREA LEGISLAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR QUE DETERMINA "OBRIGATÓRIA" REALIZAÇÃO DE INSPEÇÃO PREDIAL POR PROFISSIONAL HABILITADO NO CREA Diário Oficial do Município ATOS DO PODER LEGISLATIVO LEI Nº 5.907/2001

Leia mais

Condomínios Edilícios e o sistema da NF-e SF/SUREM/DEFIS 09/03/2009

Condomínios Edilícios e o sistema da NF-e SF/SUREM/DEFIS 09/03/2009 Condomínios Edilícios e o sistema da NF-e SF/SUREM/DEFIS Conteúdo 1.Créditos na NF-e/ Retenção do ISS 2. Créditos Gerados na NF-e 3. Orientações Créditos 4. Orientações - Senha Web 5. Orientações Retenção

Leia mais

URBES TRÂNSITO E TRANSPORTES

URBES TRÂNSITO E TRANSPORTES CADASTRO DE FORNECEDORES RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA CADASTRAMENTO NESTA EMPRESA PÚBLICA, CONFORME ARTIGOS 27 A 31 DA LEI FEDERAL 8.666/93 E SUAS ALTERAÇÕES, EM ATENDIMENTO AO ARTIGO 35 DA REFERIDA

Leia mais

Mercia Maria Teixeira Bezerra

Mercia Maria Teixeira Bezerra Mercia Maria Teixeira Bezerra Rua Anísio de Abreu, n 1549, Brasileira Marquês - Teresina PI CEP: 64.002-485 Casada Tel.: (86) 9982-5103/3221-1455/8813-1394 Nascimento: 20/12/1955 Email: merciatb@gmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis Teresópolis a) R$ 500,00 (quinhentos reais): Porteiro,

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DE RONDÔNIA. Sumário SUMÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DE RONDÔNIA. Sumário SUMÁRIO Sumário SUMÁRIO 1 SUMÁRIO 1.0 APRESENTAÇÃO... 7 2.0 MISSÃO... 7 3.0 OBJETIVOS DA FISCALIZAÇÃO... 7 4.0 O AGENTE FISCAL... 8 5.0 PERFIL PROFISSIONAL DO AGENTE FISCAL... 8 6.0 POSTURAS DO AGENTE FISCAL...

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA (Cópias e originais ou cópias autenticadas) 1- Requerimento; 2- Contrato Social + Aditivos (se tiver, todos); 3- CNPJ (atualizado); 4- Indicação

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 81, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 81, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 81, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre nova Estrutura Tarifária, revisão dos valores das Tarifas de Água e Esgoto e reajuste dos Preços Públicos dos demais serviços de água e

Leia mais

NR-13 Caldeiras, Vasos de Pressão e Tubulações. O Papel do Engenheiro Mecânico

NR-13 Caldeiras, Vasos de Pressão e Tubulações. O Papel do Engenheiro Mecânico NR-13 Caldeiras, Vasos de Pressão e Tubulações 24 de julho de 2014 ABEMEC-RS Eng Mec. Milton Mentz julho 2014 1 Responsabilidade do Profissional Habilitado x Responsabilidade do Empregador: julho 2014

Leia mais

Resposta: 2 - Favor observar o item 24.6.4.7 do Projeto Básico (Grupo I e II - Desempenho Profissional e Desempenho das Atividades)

Resposta: 2 - Favor observar o item 24.6.4.7 do Projeto Básico (Grupo I e II - Desempenho Profissional e Desempenho das Atividades) : Solicitamos da comissão de licitação da ICMBio, os seguintes esclarecimentos: 1 De acordo com edital capitulo da proposta de preços item 36/38, estabelece que nos preços estejam inclusos despesas como

Leia mais

Secretaria da Saúde/RS

Secretaria da Saúde/RS Secretaria da Saúde/RS CADASTRO DO ÓRGÃO OU ENTIDADE E DO DIRIGENTE I IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO OU ENTIDADE 01 NOME 02- EXERCÍCIO 03-C.G.C 04- EA 05- TIPO 06- ENDEREÇO COMPLETO: 07 MUNICÍPIO 08- CAIXA POSTAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003.

RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003. RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre o registro de profissionais, aprova os modelos e os critérios para expedição de Carteira de Identidade Profissional e dá outras providências.

Leia mais

Atribuições do engenheiro eletricista e as resoluções 218 e 1010 do CONFEA/CREA

Atribuições do engenheiro eletricista e as resoluções 218 e 1010 do CONFEA/CREA Atribuições do engenheiro eletricista e as resoluções 218 e 1010 do CONFEA/CREA Victor Ricardo Viana de Oliveira¹, Matheus Felipe Sousa Neves 2, Rafael Ferreira Félix 3, Allan de Oliveira Lima 4 1,2,3,4

Leia mais

Para iniciar o programa ART Modelo Nacional Win siga os seguintes passos:

Para iniciar o programa ART Modelo Nacional Win siga os seguintes passos: versão Ago/06 pág. 1 Para iniciar o programa ART Modelo Nacional Win siga os seguintes passos: Na barra de tarefas do Windows clique em Iniciar Programas ART Nacional W01 Início da ART Para facilitar o

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Emissão de nota fiscal de serviço conjugada com descrição de produtos e serviços no município de

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Emissão de nota fiscal de serviço conjugada com descrição de produtos e serviços no município de Emissão de nota fiscal de serviço conjugada com descrição de produtos e serviços no município de Lavras-MG 05/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente...

Leia mais

Resolução Normativa RN 259

Resolução Normativa RN 259 Resolução Normativa RN 259 (Publicada em 17/06/11, alterada pela RN 268 de 20/10/11 e complementada pela IN/DIPRO nº n 37 de 07/12/11) Gerência de Regulação 27 de janeiro de 2012 Apresentação da Norma

Leia mais

INDICATIVO DAS ÁREAS DE COMPETÊNCIAS DE ENGENHEIROS, AGRÔNOMOS, ARQUITETOS, GEÓLOGOS, METEOROLOGISTAS E GEÓGRAFOS COM ÊNFASE

INDICATIVO DAS ÁREAS DE COMPETÊNCIAS DE ENGENHEIROS, AGRÔNOMOS, ARQUITETOS, GEÓLOGOS, METEOROLOGISTAS E GEÓGRAFOS COM ÊNFASE INDICATIVO DAS ÁREAS DE COMPETÊNCIAS DE ENGENHEIROS, AGRÔNOMOS, ARQUITETOS, GEÓLOGOS, METEOROLOGISTAS E GEÓGRAFOS COM ÊNFASE EM PERÍCIAS, AVALIAÇÕES E AUDITORIAS, COM BASE NA LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL VIGENTE

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA Aprovado na Assembléia Geral Ordinária de 10/04/2012. Capítulo I NORMAS GERAIS Art.1º - Este Regulamento de Honorários para Avaliações

Leia mais

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UF Municipio RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Aperibé RJ Aperibé CNPJ Razão Social FUNDAÇÃO INSTITUTO DE DO ESTADO DO RIO DE

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA A.R.T. NACIONAL

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA A.R.T. NACIONAL INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA A.R.T. NACIONAL Este passo a passo visa instruir o preenchimento correto do formulário eletrônico da A.R.T. Nacional. O Crea-Minas disponibiliza aos profissionais e empresas

Leia mais

Autor: Alexandre Marques Andrade Lemos

Autor: Alexandre Marques Andrade Lemos TABELA PRÁTICA DE RETENÇÃO DE INSS DOS OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL NAS ATIVIDADES DE CONSTRUÇÃO CIVIL Autor: Alexandre Marques Andrade Lemos Atualizada até 20 de outubro de 2014 (É proibida a reprodução

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA

INSTITUTO BRASILEIRO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA 1 REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA CAPÍTULO I NORMAS GERAIS Art. 1º - Este Regulamento de Honorários para Avaliações e Perícias de Engenharia estabelece parâmetros para

Leia mais

Taxas: Certidão R$ 36,89 ART R$ 60,00

Taxas: Certidão R$ 36,89 ART R$ 60,00 DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA IDICAÇÃO DE RESPONSÁVEL TÉCNICO (Cópias e originais ou cópias autenticadas) 1- Requerimento; 2- Indicação de responsável (eis) técnico (s) para atividades técnicas da Empresa

Leia mais

Faculdade Figueiredo Costa 35/73

Faculdade Figueiredo Costa 35/73 35/73 CAPITULO VII GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL AS ATRIBUIÇÕES, ÁREAS DE ATUAÇÃO E O MERCADO DE TRABALHO A Resolução CONFEA/CREA Nº 1.010, de 22 de Agosto de 2005, dispõe sobre a regulamentação da atribuição

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA SINDICATO DOS ENGENHEIROS NO ESTADO DE SANTA CATARINA APRESENTAÇÃO Tem sido grande o esforço de diversas Entidades de Classe,

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil 1º Semestre 1. Cálculo Diferencial e Integral I 2. Desenho Básico 3. Física I 4. Laboratório de Física I 1º Básica 5. Química Geral 6. Introdução a Engenharia

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO 132 ARQUITETURA E URBANISMO COORDENADORA DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Aline Werneck Barbosa de Carvalho abarbosa@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

Leia mais