Sobreposição e Cruzamento de Soldas por Fricção Linear FSW

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sobreposição e Cruzamento de Soldas por Fricção Linear FSW"

Transcrição

1 (Double and Cross Friction Stir Welding) Márcio Rogério dos Santos 1, Marcelo Pavan Kuri 1, Nelson Guedes de Alcântara 1, Jorge Fernandez dos Santos 2 1 UFSCar, Departamento de Engenharia de Materiais / Laboratório de Soldagem, São Carlos, São Paulo, Brasil. 2 GKSS Forchungszentrum, Joining Technology Group, Geesthacht, Alemanha. Resumo O processo de soldagem por fricção linear - FSW Friction Stir Welding, por ser um processo no estado sólido está sendo cada vez mais utilizado na indústria aeronáutica, principalmente nas ligas de alumínio 2024 e 7075, já que as mesmas usualmente apresentam defeitos ao serem soldadas pelos processos convencionais envolvendo fusão. Na indústria aeronáutica, especificamente para a fabricação das asas dos aviões, estes materiais são utilizados e, além disto, é inevitável a sobreposição e cruzamento de soldas, cujas propriedades e características finais são pouco conhecidas. Este trabalho apresenta resultados de um estudo da sobreposição de soldas de topo obtidas por FSW da liga de alumínio 2024-T351, incluindo análise dos ciclos térmicos e ensaios de microdureza e tração. Neste trabalho também será apresentado um estudo metalográfico de cruzamentos de soldas em juntas dissimilares sobrepostas das ligas de Alumínio 2024-T351 e 7075-T351. Com a sobreposição de soldas em juntas de topo, a resistência à tração se manteve praticamente igual a da junta com passe simples, não comprometendo a qualidade final das juntas soldadas. O cruzamento de soldas FSW em juntas sobrepostas produz juntas de boa qualidade do ponto de vista microestrutural. Palavras-chave: Soldagem por fricção linear;sobreposição de soldas;cruzamento de soldas. Abstract: Friction Stir Welding process FSW is being widely used by the aircraft industry, mainly to weld Al 2024 and Al 7075 alloys, as it does not present the usual defects showed by the conventional fusion welding processes. To produce aircraft wings, usually is required double and cross welds in aluminum alloys. The properties of these welds still are not known. This work presents the results of the study of a double weld made by FSW in Al 2024 T-351 through thermal cycles, tensile and microhardness tests; and a metallographic study of the Al 2024 T-351 and Al 7075 T-351 alloys cross overlap FSW. Mechanical properties of double FSW showed similar to simple welds. Cross overlap FSW produced joints without microstructural defects. Key-words: Friction stir welding; Double welding; Cross welding 1 - Introdução No setor aeronáutico a busca por redução de peso das aeronaves e, um consequente aumento na autonomia de vôo, redução no gasto de combustíveis, além da diminuição na emissão de gases poluentes é desejada. Uma possível solução para redução do peso seria a diminuição da utilização de rebites, já que o peso dos mesmos, dependendo do tamanho do avião, pode representar até 10% do peso total [1]. Tipicamente estes rebites são aplicados na fixação da fuselagem na estrutura do avião. A utilização de processos de soldagem em substituição aos rebites tem sido objeto de pesquisa principalmente com (Recebido em 28/04/2005; Texto Final em 06/10/2005) Trabalho baseado em versão apresentada no 59º Congresso Anual Internacional da ABM 19 a 22 de julho de 2004 São Paulo SP - Brasil. o processo de soldagem por fricção linear FSW Friction Stir Welding [2]. Este processo é realizado sem a fusão dos materiais envolvidos, minimizando os possíveis problemas metalúrgicos, tais como porosidade e defeitos volumétricos [3]. Como exemplo, um protótipo de aeronave comercial fabricado conseguiu reduzir 60 % dos rebites através da utilização do processo de soldagem FSW [1]. Em especial, este processo FSW tem uma aplicação potencial para a fabricação de asas de aviões, visto que os materiais utilizados nestas partes, as ligas de alumínio 2024 (fuselagem) e 7075 (estrutura da asa), geralmente apresentam defeitos quando soldados por processos convencionais por fusão [4,5]. Na produção das asas dos aviões, por possuírem design não convencional, dois tipos de soldas são inevitáveis: sobreposição (realização de um cordão de solda se sobrepondo exatamente sobre outro realizado 155

2 Santos, M. R.; Kuri, M. P.; Alcântara, N. G.; Santos, J. F. Figura 1 Ilustração da utilização do FSW para solda em asas de aeronaves; (a) e (b) são diferentes estruturas da asa e (c) e (d) mostram as estruturas cobertas com fuselagem eos cordões de solda de de FSW (cortesia GKSS). anteriormente), e cruzamento (intersecção entre dois cordões de solda) de soldas cujas propriedades são muito pouco conhecidas. Isto também é importante quando se pensa em realizar reparos em cordões de solda de FSW. O estudo da sobreposição e cruzamento de soldas por FSW em ligas de alumínio aplicadas na indústria aeronáutica é o objeto de estudo deste trabalho. Este trabalho foi desenvolvido em parceira com uma indústria aeronáutica, já que a intensão desta empresa é fabricar asas de aviões com os processos FSW. Os principais materiais utilizados para a fabricação de asas de aviões são as ligas de alumínio 2024 (fuselagem) e 7075 (estrutura da asa), sendo que a Figura 1 ilustra a utilização do FSW para unir a fuselagem à estrutura da asa de uma aeronave. Convém salientar que o lado cujo sentido da velocidade tangencial da ferramenta está no mesmo sentido que a direção de soldagem é denominado lado de avanço, enquanto que o lado cujo sentido da velocidade tangencial é oposto ao sentido de soldagem é denominado lado de retrocesso [3]. 2 - Revisão Bibliográfica Soldagem por Fricção Linear FSW O processo de Soldagem por Fricção Linear FSW Friction Stir Welding foi desenvolvido e patenteado pelo TWI The Welding Institute, Cambrigde - Inglaterra [6]. Este é um processo de soldagem no estado sólido, no qual uma ferramenta cilíndrica, com um pino rebaixado, é rotacionada e introduzida nas partes a soldar. A rotação da ferramenta dentro das peças promove o aquecimento do metal ao redor do pino, produzindo uma região plastificada. O calor gerado é resultado da alta velocidade de rotação e a força axial aplicada, devido ao contato de fricção entre a ferramenta com pino rebaixado. Este material é deslocado da parte posterior da ferramenta para a anterior. O princípio de funcionamento é ilustrado na Figura 2 [7]. Figura 2 Ilustração do processo FSW [7]. O alumínio e suas ligas tem sido o alvo inicial para o desenvolvimento e aperfeiçoamento do processo de soldagem FSW. Entretanto, este processo de soldagem também pode ser aplicado em outros materiais tais como, cobre, titânio, magnésio, zinco e chumbo, e mesmo em chapas de aço e de materiais dissimilares tais como, magnésio fundido e ligas de alumínio extrudadas [8]. 156

3 2.2 - Soldas Sobrepostas por FSW A metalurgia do material soldado por FSW em juntas sobrepostas é similar à de juntas de topo de acordo com Cederqvist e Reynolds [9]. Para produzir uma penetração total nas juntas de topo, a ponta do pino da ferramenta deve estar próxima à superfície inferior da chapa. Geralmente para se realizar uma junta sobreposta, a ponta do pino da ferramenta deve atravessar a chapa superior até a metade da chapa inferior, criando a união entre as duas chapas [9]. A Figura 3 mostra uma representação geral da junta sobreposta soldada por FSW, com a distribuição de tensões. Figura 3 Distribuição de tensões nas juntas sobrepostas [9]. 3 Métodos Utilizados O processo de soldagem utilizado foi o de Soldagem por Fricção Linear FSW, sendo que as soldas foram realizadas utilizando uma ferramenta com pino rebaixado, fixado ao robô TRICEPT 805 (Figura 4), em juntas de topo e em juntas com chapas sobrepostas, como descrito na Tabela 1. Figura 4 Robô TRICEPT 805, campo de trabalho e valores máximos de parâmetros atingidos (propriedade do instituto alemão GKSS). Tabela 1 Condições de soldagem utilizadas 157

4 Santos, M. R.; Kuri, M. P.; Alcântara, N. G.; Santos, J. F. 3.1 Sobreposição de Soldas em Juntas de Topo O estudo da sobreposição de cordões de solda é importante, pois caso o segundo cordão de solda não afete significativamente as propriedades da solda, reparos poderiam ser feitos caso haja algum defeito no primeiro cordão de solda. A sobreposição de cordões de solda está mostrada na Figura 5, para a avaliação da influência do segundo cordão de solda nas propriedades finais destas juntas. Para realização de soldas sobrepostas em juntas de topo utilizando chapas da liga Al 2024-T351, utilizou-se os parâmetros descritos na Tabela 1 (melhor combinação de parâmetros obtida com soldas simples). 4 Resultados e Discussões 4.1 Sobreposição de Soldas Visando estudar a influência do segundo passe de solda nas propriedades mecânicas finais das juntas, foram realizadas soldas de topo por FSW na liga de alumínio 2024 T-351 com um único passe. Posteriormente, com os mesmos parâmetros utilizados anteriormente, foram realizadas soldas com dois passes, sendo o segundo sobreposto ao primeiro. O resultado destas soldas simples com um único passe e sobrepostas com dois passes foram comparados através do monitoramento dos ciclos térmicos e de ensaios de tração e microdureza Ciclos Térmicos Os resultados dos ciclos térmicos obtidos durante o processo de soldagem por FSW nas juntas de topo com passe simples e sobrepostos da liga de alumínio 2024 T-351 são apresentados na Figura 7 e Figura 8, respectivamente. Figura 5 Esquema de sobreposição para soldas em juntas de topo, 1º cordão de FSW (já realizado) e 2º cordão (sobreposto ao primeiro, sendo realizado), os pontos com as identificações mostram onde foram colocados os termopares para captação da temperatura durante a soldagem Essas amostras soldadas foram analisadas através dos ciclos térmicos, ensaios de microdureza, tração bem como análise microestrutural através de microscopia ótica e microscopia eletrônica de varredura. 3.2 Cruzamento de Soldas em Juntas Sobrepostas Os cruzamentos de cordões de soldas em juntas sobrepostas foram realizados com chapas das ligas Al T351 (chapa superior) e Al 7075-T351 (chapa inferior), utilizando-se os parâmetros descritos na Tabela 1 (melhor combinação de parâmetros obtida com soldas simples). O esquema de como foram realizados os cordões de solda está mostrado na Figura 6, e tem como objetivo avaliar a influência do cruzamento dos cordões de solda na qualidade microestrutural destas juntas. Figura 6 Esquema do cruzamento de soldas em juntas sobrepostas, cordões de FSW e a ferramenta. Figura 7 Ciclos térmicos obtidos das amostras com passe simples: (a) lado de retrocesso, (b) lado de avanço 158

5 Comparando os dois ciclos térmicos do lado de retrocesso da amostra simples (Figura 7 (a)) e o mesmo lado da amostra com cordões sobrepostos (Figura 8 (a)), nota-se que a temperatura máxima atingida pelo ciclo térmico na solda simples chegou a 396ºC, temperatura esta mais elevada que a temperatura máxima obtida pelo ciclo na amostra com sobreposição de soldas, que foi de 355 ºC. Já no lado de avanço da amostra simples (Figura 7(b)) e sobreposta (Figura (b)), observa-se que a temperatura máxima obtida pelo ciclo na amostra com sobreposição de soldas, que foi de 395 ºC, é mais elevada que a temperatura máxima atingida pelo ciclo térmico na solda simples que chegou a 383 ºC, Smith et al [10] relatam um maior aquecimento da região do lado de avanço da ferramenta em relação à região do lado de retrocesso, entretanto, no presente trabalho este efeito foi verificado somente para as amostras com passes sobrepostos Microdureza Figura 8 Ciclos térmicos obtidos das amostras com passes sobrepostos: (a) lado de retrocesso, (b) lado de avanço. O resultado dos ensaios de microdureza em juntas de topo soldadas por FSW com passe simples e sobrepostos da liga de alumínio 2024 T-351 são apresentados na Figura 9. Nota-se por estes perfis de microdureza apresentados na Figura 9 que a amostra com sobreposição de soldas apresenta valores de microdureza, na região da Zona Afetada Termicamente (ZAT), ligeiramente inferiores aos apresentados pela solda simples. Esta perda de dureza na amostra feita com a sobreposição dos cordões frente a Figura 9 Microdurezas obtidas nas soldas simples e sobrepostas. 159

6 Santos, M. R.; Kuri, M. P.; Alcântara, N. G.; Santos, J. F. amostra simples se deve principalmente ao coalescimento das partículas endurecedoras (no caso da liga Al 2 Cu), perdendo coerência com a matriz e provocando o superenvelhecimento. Isto ocorreu devido à amostra com sobreposição de cordões de solda ter sido afetada tanto pela temperatura imposta pelo ciclo térmico da primeira solda, como da segunda. Entretanto as perdas de resistência nessa região não devem ser muito significativas, já que a diminuição de dureza não é foi tão acentuada. Na região do centro da solda, também chamada de nugget ou lente de soldagem, as soldas simples e com sobreposição não apresentaram diferenças significativas nos valores de dureza encontrados, provavelmente porque as temperaturas atingidas na região foram suficientes para recolocar os precipitados em solução sólida e precipitá-los novamente durante o resfriamento da peça Tração Os resultados dos ensaios de tração em juntas de topo soldadas por FSW com passe simples e sobrepostos, da liga de alumínio 2024 T-351, são apresentados na Figura 10. A partir da Figura 10, observa-se que a amostra com sobreposição de cordões de solda (b) apresentou uma deformação ligeiramente maior durante o ensaio de tração que a solda simples (a) (9,6% comparado a 8,4%). A lente de soldagem é a região que sofre maior grau de deformação e as maiores temperaturas e, devido a isso, ocorre o processo de recristalização dinâmica contínua. Durante o processo de FSW os contornos de grão originais são substituídos por grãos finos, equiaxiais e recristalizados no nugget em um processo similar ao trabalho a quente. Evidências microestruturais mostram que os núcleos recristalizados formados e o movimento dos contornos de grão não ocorrem por um processo de recristalização descontinua, mas sim de forma contínua. O grau de recristalização ocorrido na região é fortemente dependente da temperatura e do grau de deformação imposto na região. O aumento da deformação evidenciada nos ensaios de tração indica que pode ter havido um incremento no grau de recristalização já iniciado na solda simples. A resistência à tração apresentada pela amostra com sobreposição de cordões de solda foi praticamente a mesma que a apresentada pela amostra simples, com isto pode-se afirmar que a sobreposição de cordões de soldas não é tão influente na resistência mecânica final da junta com sobreposição de cordões de solda. 4.2 Cruzamento de Soldas Com o objetivo de estudar a influência do cruzamento de soldas na microestrutura final de juntas sobrepostas, foram realizados cruzamentos de soldas por FSW em juntas sobrepostas dissimilares com ligas de alumínio 2024 T-351 (chapa superior) e 7075 T-351 (chapa inferior). Para a análise metalográfica dos cruzamentos das soldas foram retiradas as amostras segundo o esquema mostrado na Figura 11. Figura 10 Ensaios de tração para a amostra simples (a) e sobreposta (b), pra cada tipo de solda foram realizados dois ensaios, sendo os resultados obtidos semelhantes. Figura 11 Esquema dos cruzamentos de soldas e indicação dos locais de onde foram retiradas as amostras para metalografia. 160

7 Figura 12 Metalografia das amostras 3 e 4 indicadas na figura 11, apresentando em destaque os sentidos da primeira e segunda solda. Na Figura 12 são apresentadas as amostras: (a) retirada longitudinalmente da 1º solda e, (b) retirada longitudinalmente da 2º solda. Os círculos indicados na Figura 12 (a) mostram que não acorreu o principal problema encontrado em soldas com juntas sobrepostas, que é o defeito de raiz, resultante de uma geometria pontiaguda na interface entre as duas chapas, prevista por Cederqvis e Reynolds [9]. Além disto, a geometria da lente de soldagem foi bem uniforme mostrando que houve uma boa mistura dos materiais e uma homogeneidade final da solda, conforme mostrado na Figura 12 (b). Portanto, não foi constatado que o movimento dos materiais do lado de retração da ferramenta e, consequentemente, a mistura dos mesmos tenha sido menor do que a ocorrida do lado de avanço da ferramenta, como que previa Reynolds [11]. Além das amostras transversais, para que se pudesse fazer uma análise metalográfica mais completa, foram também retiradas as amostras paralelas às chapas como mostradas no esquema na Figura 11 (amostras 1 e 2). Para a obtenção da amostra 1, o procedimento adotado foi o lixamento da superfície paralela às chapas até a metade da chapa superior. Na Figura 13 apresenta-se uma macrografia e alguns detalhes da amostra 1. Figura 13 Metalografia da amostra 1 (metade da espessura da chapa superior). 161

8 Santos, M. R.; Kuri, M. P.; Alcântara, N. G.; Santos, J. F. Figura 14 Metalografia da amostra 2 (0,5 mm abaixo da superfície da chapa inferior). O procedimento adotado para obtenção da amostra 2 foi o lixamento da superfície paralela às chapas até a 0,5 mm abaixo da superfície da chapa inferior. A figura 14 apresenta uma macrografia e alguns detalhes da amostra 2. Da análise destas imagens, nota-se que na metade da chapa superior (Figura 13), os cantos da intersecção das duas soldas não são muito nítidos devido à movimentação do material durante a realização dos segundo cordão de solda, Figura 13 (a), (d), (g) e (i). Já a 0,5 mm da superfície da chapa inferior (Figura 14), isto não é tão acentuado, visto que os cantos da intersecção das soldas são bem nítidos, Figura 14 (a), (c), (e) e (g). Além disto, um aumento no refino dos grãos pode ser observado na região de intersecção das soldas, tanto na metade da chapa superior (Figura 13 (h)), assim como a 0,5mm da superfície da chapa inferior (Figura 14 (f)). Isso era esperado já que o processo FSW promove refino de grão no centro do cordão de solda [7]. Também era esperado um maior refino de grão nos cantos do cruzamento dos dois cordões de solda, fato este representado pela Figura 13 (a), (d), (g) e (i) e Figura 14 (a), (c), (e) e (g). Isto demonstra que o cruzamento de solda produz uma microestrutura mais refinada na região, com boa geometria da lente de soldagem, evitando o defeito de raiz, resultando em uma boa qualidade das soldas do ponto de vista microestrutural. Como resultado tem-se que o cruzamento de solda não comprometeu a qualidade das soldas do ponto de vista microestrutural. 5 - Conclusões Com a sobreposição de soldas FSW na liga Al 2024 T- 351 em juntas de topo, o lado da solda que atinge uma temperatura mais elevada é o lado de avanço, e apesar disso a resistência à tração se manteve praticamente igual a da junta com passe simples, não comprometendo a qualidade final das juntas soldadas. O cruzamento de soldas FSW nas ligas Al 2024 T-351 (superior) e 7075 T-351 (inferior) em juntas sobrepostas, produz uma microestrutura mais refinada na região do cruzamento, com boa geometria da lente de soldagem, sem defeito de raiz, e resultando em soldas de boa qualidade do ponto de vista microestrutural. 6 - Agradecimentos Os autores agradecem a CAPES, FAPESP, PPG-CEM / DEMa e ao Joining Technology Group do Instituto de pesquisa alemão GKSS pelo apoio ao presente trabalho. 162

9 7 - Referências [1] HANSEN M. A. Cooler Weld, Mechanical Engineering Design. p [2] KNISTROEM, K.E. Friction stir welding process goes commercial. Welding Journal, p [3] DAWES, C. J. Friction stir joining of aluminium alloys. Bulletin 6 TWI In: International Symposium on Friction Stir Welding, 1, 1999, California. p [4] TALWAR, R., BOLSER, D, LEDERICH, J, BAUMANN, J. Friction Stir welding of airframe structures. In: 2 nd International Symposium on Friction Stir Welding. Gothenburg, Sweden, p [5] PEDWELL R., DAVIES H., JEFERSON A. The Aplication of Friction Stir Welding to Aircraft Wing Structures. California. p [6] TWI. UK Patent Application - Friction Stir Welding. p [7] KALLE, S., NICHOLAS, D., Friction Stir Welding at TWI. Disponível em: <http://www.twi.co.uk> Acesso em: 12 janeiro [8] KALLEE, S.; MISTRY, A. Friction Stir welding in automotive body in white production. In: International Symposium on Friction Stir Welding, 1, 1999, California. p [9] CEDERQVIST. L., REYNOLDS. A.P. Factors Affecting the Properties of Friction Stir Welded Aluminum Lap Joints. 1 st International Symposium on Friction Stir Welding, Thousand Oaks, CA. p [10] SMITH C. B., BENDZSAK G. B., NORTH T. H., HINRICHS J. F., NORUK J. S., HEIDMAN R. J. Heat and Material Flow Modeling of the Friction Stir Welding Process, 9 th International Conference on Computer Technology in Welding. Mi. US. p [11] REYNOLDS A. P., SEIDEL T. U., SIMONSEN M. Visualization of Material Flow in an Autogenous Friction Stir Weld. 1 st International Symposium on Friction Stir Welding, Thousand Oaks, CA. p

INFLUÊNCIA DO MATERIAL DO BACKING NO FLUXO DE CALOR E NA FORMAÇÃO DE ZONAS DEFORMADAS PELO PROCESSO FSW EM LIGAS DE ALUMÍNIO

INFLUÊNCIA DO MATERIAL DO BACKING NO FLUXO DE CALOR E NA FORMAÇÃO DE ZONAS DEFORMADAS PELO PROCESSO FSW EM LIGAS DE ALUMÍNIO doi:.4322/tmm.00503008 INFLUÊNCIA DO MATERIAL DO BACKING NO FLUXO DE CALOR E NA FORMAÇÃO DE ZONAS DEFORMADAS PELO PROCESSO FSW EM LIGAS DE ALUMÍNIO Marcio Jose Cuccolo Rosales 1 Nelson Guedes de Alcântara

Leia mais

Código Aceitação Resumo: 21038370 CARACTERIZAÇÃO DE JUNTA SOLDADA POR FSW DE ALUMÍNIO AA6063 T6

Código Aceitação Resumo: 21038370 CARACTERIZAÇÃO DE JUNTA SOLDADA POR FSW DE ALUMÍNIO AA6063 T6 5 V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Código Aceitação Resumo: 21038370 CARACTERIZAÇÃO DE JUNTA SOLDADA POR FSW DE ALUMÍNIO

Leia mais

SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ESTRUTURAIS

SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ESTRUTURAIS SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ESTRUTURAIS Celso Roberto Ribeiro PPG-CEM/UFSCar DEMa, Via Washington Luís, Km 235, Caixa Postal 676, 13565-905, São Carlos S.P., e-mail: pcrri@iris.ufscar.br Ana Cristina do Carmo

Leia mais

União de Juntas Dissimilares Alumínio-Aço de Chapas Finas pelo Processo de Soldagem por Atrito com Pino não Consumível (SAPNC)

União de Juntas Dissimilares Alumínio-Aço de Chapas Finas pelo Processo de Soldagem por Atrito com Pino não Consumível (SAPNC) União de Juntas Dissimilares Alumínio-Aço de Chapas Finas pelo Processo de Soldagem por Atrito com Pino não Consumível (SAPNC) (Dissimilar Joint of Aluminum-Steel Thin Sheet by Friction Stir Welding Process)

Leia mais

Fricção linear pode ser boa opção para soldagem de tubos de aço com grande diâmetro

Fricção linear pode ser boa opção para soldagem de tubos de aço com grande diâmetro 68 Corte & Conformação de Metais Julho 2011 Fricção linear pode ser boa opção para soldagem de tubos de aço com grande diâmetro O processo de soldagem por fricção linear foi originalmente desenvolvido

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 20 2 Revisão Bibliográfica 2.1 Aços utilizados na Indústria Automotiva Os aços automotivos podem ser classificados de três formas diferentes: 1) por denominação metalúrgica; 2) pela resistência do aço

Leia mais

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL LEAN DUPLEX UNS 32304 SOLDADO POR ATRITO COM PINO NÃO CONSUMÍVEL

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL LEAN DUPLEX UNS 32304 SOLDADO POR ATRITO COM PINO NÃO CONSUMÍVEL ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL LEAN DUPLEX UNS 32304 SOLDADO POR ATRITO COM PINO NÃO CONSUMÍVEL Victor Hugo Ayusso 1, Maysa Terada 1, Víctor Ferrinho Pereira 2, Célia Regina Tomachuk

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 Daniel Favalessa, Edésio Anunciação Santos Filho, Gilberto Prevital, Heriberto Guisso, João Paulo

Leia mais

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel.

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Lauralice de C. F. Canale 1 George Edward Totten 2 João Carmo Vendramim 3 Leandro Correa dos

Leia mais

ANÁLISE DOS PARÂMETROS DO PROCESSO DE SOLDA POR FRICÇÃO EM UMA LIGA DE ALUMÍNIO

ANÁLISE DOS PARÂMETROS DO PROCESSO DE SOLDA POR FRICÇÃO EM UMA LIGA DE ALUMÍNIO Análise dos Parâmetros do Processo de Solda por Fricção em Liga de Alumínio ANÁLISE DOS PARÂMETROS DO PROCESSO DE SOLDA POR FRICÇÃO EM UMA LIGA DE ALUMÍNIO Analysis of the Parameters of Friction Welding

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF T. C. Chuvas 1 ; M. P. Cindra Fonseca 1 ; D. A. Castello 2 1 Departamento de Engenharia Mecânica/PGMEC

Leia mais

EFEITOS DA HOMOGENEIZAÇÃO E DO RESFRIAMENTO APÓS EXTRUSÃO SOBRE A MICROESTRUTURA DE GRÃOS E A RESPOSTA AO ENVELHECIMENTO DE BARRAS DA LIGA DE ALUMÍNIO

EFEITOS DA HOMOGENEIZAÇÃO E DO RESFRIAMENTO APÓS EXTRUSÃO SOBRE A MICROESTRUTURA DE GRÃOS E A RESPOSTA AO ENVELHECIMENTO DE BARRAS DA LIGA DE ALUMÍNIO EFEITOS DA HOMOGENEIZAÇÃO E DO RESFRIAMENTO APÓS EXTRUSÃO SOBRE A MICROESTRUTURA DE GRÃOS E A RESPOSTA AO ENVELHECIMENTO DE BARRAS DA LIGA DE ALUMÍNIO 2014 Gisele Szilágyi (1, 2) *, Marcelo Gonçalves (1),

Leia mais

PROPRIEDADES MECANICAS RELACIONADAS COM A MICROESTRUTURA DE AÇOS AVANÇADOS DESTINADOS À INDÚSTRIA AUTOMOBILISTICA

PROPRIEDADES MECANICAS RELACIONADAS COM A MICROESTRUTURA DE AÇOS AVANÇADOS DESTINADOS À INDÚSTRIA AUTOMOBILISTICA PROPRIEDADES MECANICAS RELACIONADAS COM A MICROESTRUTURA DE AÇOS AVANÇADOS DESTINADOS À INDÚSTRIA AUTOMOBILISTICA A.R.Faria Neto, A.Harada, M.S.Pereira Av. Dr. Ariberto Pereira da Cunha, 333. CEP: 12516-410

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PROCESSO E DOS PARAMETROS DE SOLDAGEM SOBRE O CICLO TERMICO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL.

INFLUÊNCIA DO PROCESSO E DOS PARAMETROS DE SOLDAGEM SOBRE O CICLO TERMICO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL. 334 INFLUÊNCIA DO PROCESSO E DOS PARAMETROS DE SOLDAGEM SOBRE O CICLO TERMICO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL. Cássia Maria Farias Lopes * Raimundo Carlos Silverio Freire Júnior ** Theophilo Moura Maciel

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77 Capítulo 5 77 5 DISCUSSÃO 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. A finalidade do uso dos resfriadores no molde antes da fundição das amostras Y block foi provocar uma maior velocidade de resfriamento

Leia mais

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda 3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda A união de placas em uma estrutura é conhecida como junta. Uma junta pode ser obtida utilizando-se os mais variados elementos de fixação: parafusos, rebites,

Leia mais

Radiologia Industrial. Radiografia de Soldas. Agenda. Tubulações e Equipamentos 23/08/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc.

Radiologia Industrial. Radiografia de Soldas. Agenda. Tubulações e Equipamentos 23/08/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Radiologia Radiografia de Soldas Prof.: Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Agenda Tubulações e Equipamentos Tubulações e equipamentos Descontinuidades em

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLDA POR DEPOSIÇÃO SUPERFICIALPOR FRICÇÃO EM LIGA DE ALUMÍNIO AL 7075

OTIMIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLDA POR DEPOSIÇÃO SUPERFICIALPOR FRICÇÃO EM LIGA DE ALUMÍNIO AL 7075 OTIMIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLDA POR DEPOSIÇÃO SUPERFICIALPOR FRICÇÃO EM LIGA DE ALUMÍNIO AL 7075 Autores: Gabriel Alvisio Wolfart; Ghisana Fedrigo;.Mario Wolfart Junior Apresentador por trabalho: Gabriel

Leia mais

4.Materiais e métodos

4.Materiais e métodos 4.Materiais e métodos 4.1. Material em estudo O material em estudo, de procedência sueca (Sandvik), foi adquirido como chapa laminada a quente de 3mm de espessura, recebendo posteriormente tratamento térmico

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA, DE APLICAÇAO AERONÁUTICA

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA, DE APLICAÇAO AERONÁUTICA Jornadas SAM 2000 - IV Coloquio Latinoamericano de Fractura y Fatiga, Agosto de 2000, 703-710 INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA,

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 Vicente Afonso Ventrella Prof. Dr. UNESP / Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira

Leia mais

Propriedades dos Materiais CAP 3

Propriedades dos Materiais CAP 3 Universidade Federal do Ceará Resistência dos Materiais I Propriedades dos Materiais CAP 3 Profa. Tereza Denyse de Araújo Março/2010 Roteiro de aula Ensaio de Cisalhamento Ensaio de Torção Falhas de Materiais

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO MÉTODO DE SOLDAGEM POR FRICÇÃO EM UM TORNO MECÂNICO CONVENCIONAL

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO MÉTODO DE SOLDAGEM POR FRICÇÃO EM UM TORNO MECÂNICO CONVENCIONAL ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO MÉTODO DE SOLDAGEM POR FRICÇÃO EM UM TORNO MECÂNICO CONVENCIONAL Ariel José Quitaiski, aq001177@fahor.com.br Bruna Santos, bs001340@fahor.com.br Carlos Henrique Sincak, cs000992@fahor.com.br

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE LIGAS Al-Si EUTÉTICA E HIPEREUTÉTICA FUNDIDAS POR CENTRIFUGAÇÃO PARA APLICAÇÕES AUTOMOTIVAS

CARACTERIZAÇÃO DE LIGAS Al-Si EUTÉTICA E HIPEREUTÉTICA FUNDIDAS POR CENTRIFUGAÇÃO PARA APLICAÇÕES AUTOMOTIVAS CARACTERIZAÇÃO DE LIGAS Al-Si EUTÉTICA E HIPEREUTÉTICA FUNDIDAS POR CENTRIFUGAÇÃO PARA APLICAÇÕES AUTOMOTIVAS A. A. Couto 1,2 ; D. M. Marreco 1 ; A. Cabral Neto 1 ; J. Vatavuk 1 ; M. A. Nava 3 Av. Prof.

Leia mais

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas SOLDAGEM 1. Introdução Junção de peças metálicas por contato e aquecimento. Processos por fusão: fusão local das partes, necessidade de metal de adição (geralmente). Processos por pressão: aquecimento

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE SOLDAGEM NA FORMAÇÃO DE TRINCAS A QUENTE NA LIGA DE ALUMÍNIO AA6013 SOLDADA A LASER

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE SOLDAGEM NA FORMAÇÃO DE TRINCAS A QUENTE NA LIGA DE ALUMÍNIO AA6013 SOLDADA A LASER ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE SOLDAGEM NA FORMAÇÃO DE TRINCAS A QUENTE NA LIGA DE ALUMÍNIO AA6013 SOLDADA A LASER Rafael Humberto Mota de Siqueira, rafaelhmota@yahoo.com.br 1 Carlos Eduardo Cancellier

Leia mais

Comparação das Propriedades Mecânicas em um Aço 4130 após Soldagem pelo Processo TIG e a Laser.

Comparação das Propriedades Mecânicas em um Aço 4130 após Soldagem pelo Processo TIG e a Laser. Comparação das Propriedades Mecânicas em um Aço 4130 após Soldagem pelo Processo TIG e a Laser. Fabiana de Souza Neto, fabianasneto@hotmail.com 1 Rafael Humberto Mota de Siqueira, rafaelhmota@yahoo.com.br

Leia mais

Ensaios não destrutivos Terminologia Parte 1: Descontinuidades em juntas soldadas

Ensaios não destrutivos Terminologia Parte 1: Descontinuidades em juntas soldadas Ensaios não destrutivos Terminologia Parte 1: Descontinuidades em juntas soldadas APRESENTAÇÃO 1) Este 1º Projeto de Norma foi elaborado pela Comissão de Estudo de Terminologia (CE- 58:000.13) do ABNT/ONS-58

Leia mais

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA FREIRE EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM OSASCO 2011 2 MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX G. S. Machado 1, M. L. N. M. Melo 1, C. A. Rodrigues 1. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá gustavosouza_unifei@yahoo.com.br

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

EFEITO DA GEOMETRIA DO PINO E DO FURO NO REPARO POR ATRITO RESULTADOS PRELIMINARES

EFEITO DA GEOMETRIA DO PINO E DO FURO NO REPARO POR ATRITO RESULTADOS PRELIMINARES Resumo EFEITO DA GEOMETRIA DO PINO E DO FURO NO REPARO POR ATRITO RESULTADOS PRELIMINARES doi: 10.4322/tmm.00402006 Maíra Prata Jardim 1 Rafael Ariza Gonçalves 2 Marcelo Torres Piza Paes 3 Raphael Rezende

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Terminologia Usual de Soldagem e Símbolos de Soldagem Prof. Paulo J. Modenesi Belo Horizonte, julho de 2001 Terminologia

Leia mais

Desempenamento. desempenamento de uma barra

Desempenamento. desempenamento de uma barra A UU L AL A Desempenamento Na área mecânica e metalúrgica, desempenar é a operação de endireitar chapas, tubos, arames, barras e perfis metálicos, de acordo com as necessidades relativas ao projeto de

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções.

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro, 2010 Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. Paulo Rogerio Santos de Novais * * Tecnólogo

Leia mais

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado INTRODUÇÃO Extrusão - processo no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz,

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br

Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br Influência da Velocidade de Soldagem sobre as Geometrias dos Cordões de Solda Realizados Através dos Processos de Soldagem FACW e Soldagem Híbrida (TIG/FACW) Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA LIGA Cu-7%Al-10%Mn-3%Ag (m/m) *camilaandr@gmail.com

ESTUDO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA LIGA Cu-7%Al-10%Mn-3%Ag (m/m) *camilaandr@gmail.com ESTUDO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA LIGA Cu-7%Al-10%Mn-3%Ag (m/m) C. M. A. Santos (PG) 1*, R. A. G. Silva (PQ) 2, A.T. Adorno (PQ) 1 e T. M. Carvalho (PG) 1 1 IQ, Universidade Estadual Paulista, Campus

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO UTILIZAÇÃO DO DOE APLICADO AO PROCESSO DE SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA: UM ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-TC08 IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO

Leia mais

PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS AÇOS FERRAMENTA PARA MATRIZES DE FORJAMENTO

PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS AÇOS FERRAMENTA PARA MATRIZES DE FORJAMENTO PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS AÇOS FERRAMENTA PARA MATRIZES DE FORJAMENTO Rafael Agnelli Mesquita 1) Paulo de Tarso Haddad 2) Os aços ferramenta empregados em forjamento a quente possuem várias propriedades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais. Terminologia Usual de Soldagem e Símbolos de Soldagem

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais. Terminologia Usual de Soldagem e Símbolos de Soldagem UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Terminologia Usual de Soldagem e Símbolos de Soldagem Prof. Paulo J. Modenesi Belo Horizonte, julho de 2008 Terminologia

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ANALISADORES DE IMAGENS COMO RECURSO PARA UMA NOVA METODOLOGIA DE ENSINO DE MATERIAIS PARA ENGENHARIA

UTILIZAÇÃO DE ANALISADORES DE IMAGENS COMO RECURSO PARA UMA NOVA METODOLOGIA DE ENSINO DE MATERIAIS PARA ENGENHARIA UTILIZAÇÃO DE ANALISADORES DE IMAGENS COMO RECURSO PARA UMA NOVA METODOLOGIA DE ENSINO DE MATERIAIS PARA ENGENHARIA Milton Vieira Junior; André de Lima Faculdade de Engenharia Mecânica e de Produção Universidade

Leia mais

Tratamentos Térmicos [7]

Tratamentos Térmicos [7] [7] Finalidade dos tratamentos térmicos: ajuste das propriedades mecânicas através de alterações da microestrutura do material. alívio de tensões controle da dureza e resistência mecânica usinabilidade

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA.

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. Rodrigo Freitas Guimarães 1, José Airton Lima Torres 2, George Luiz Gomes de Oliveira 3, Hélio Cordeiro de

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO FUNDIDO DE BAIXO CARBONO, COMO FUNÇÃO DA SEQUÊNCIA DE PROCESSOS DE TRATAMENTO TÉRMICO E SOLDAGEM

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO FUNDIDO DE BAIXO CARBONO, COMO FUNÇÃO DA SEQUÊNCIA DE PROCESSOS DE TRATAMENTO TÉRMICO E SOLDAGEM AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO FUNDIDO DE BAIXO CARBONO, COMO FUNÇÃO DA SEQUÊNCIA DE PROCESSOS DE TRATAMENTO TÉRMICO E SOLDAGEM Wallace Gonçalves Diniz, wallacediniz@hotmail.com 1 Alexandre

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS INTRODUÇÃO A união de cobre e suas ligas podem ser efetuadas por processos de soldagem e brasagem O processo de brasagem é adequado para componentes de dimensões relativamente pequenas, devido a grande

Leia mais

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 Fabiana Camila Simon (FAHOR) fs000792@fahor.com.br Marcelo Ioris (FAHOR) mi001024@fahor.com.br Tiago Perin (FAHOR) tp000722@fahor.com.br Valtair de Jesus

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SOLDAGEM PELO PROCESSO MIG EM AÇO INOXIDÁVEL MARTENSÍTICO

AVALIAÇÃO DA SOLDAGEM PELO PROCESSO MIG EM AÇO INOXIDÁVEL MARTENSÍTICO AVALIAÇÃO DA SOLDAGEM PELO PROCESSO MIG EM AÇO INOXIDÁVEL MARTENSÍTICO M.A. Fernandes (1); N.A. Mariano (2); D.H.C. Marinho (2) (1) UNICAMP; (2) UNIFAL-MG Universidade Federal de Alfenas, Campus Poços

Leia mais

ANÁLISE DO BALANÇO DE FASES FERRITA/AUSTENITA NO METAL DE SOLDA DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 32205 SOLDADO COM TIG

ANÁLISE DO BALANÇO DE FASES FERRITA/AUSTENITA NO METAL DE SOLDA DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 32205 SOLDADO COM TIG ANÁLISE DO BALANÇO DE FASES FERRITA/AUSTENITA NO METAL DE SOLDA DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 32205 SOLDADO COM TIG W.R.V.Sanita, J. L. Padilha, C.R.Sokey, R.C.Tokimatsu, V.A.Ventrella UNESP Departamento

Leia mais

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire O Brasil tende a se tornar o maior explorador de petróleo e gás no mercado. Descobertas recentes de novas reservas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS. Como os corpos sinterizados são compostos de regiões sólidas e poros, os valores de macrodureza determinados pelos

Leia mais

Comparativo de desempenho de processos de soldagem MIG robotizado X manual

Comparativo de desempenho de processos de soldagem MIG robotizado X manual Comparativo de desempenho de processos de soldagem MIG robotizado X manual Everaldo César de Castro 1, Valner João Brusamarello 2 1 GPIAS- Grupo de pesquisa em Informática, automação e sistemas- Universidade

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Tabela 1. Composição química da liga AA5086 (% em peso). Al Si Fe Cu Mn Mg Cr Zn Ti Balanço 0,40 0,50 0,10 0,45 4,0 0,15 0,25 0,15

Tabela 1. Composição química da liga AA5086 (% em peso). Al Si Fe Cu Mn Mg Cr Zn Ti Balanço 0,40 0,50 0,10 0,45 4,0 0,15 0,25 0,15 INFLUÊNCIA DOS GASES DE PROTEÇÃO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TENSÕES RESIDUAIS DE JUNTAS SOLDADAS DE LIGA DE ALUMÍNIO AA5086 PELO PROCESSO GTAW Marcos C. Melado 1, mmelado@gmail.com Cássio Barbosa 2,

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

Friction Stir Welding for Marine Construction

Friction Stir Welding for Marine Construction Friction Stir Welding for Marine Construction Stephen Cater Friction and Forge Processes Group TWI Ltd, United Kingdom Tel: +44 114 269 9046, stephen.cater@twi.co.uk friction@twi.co.uk Friction Stir Welding

Leia mais

Avaliação microestrutural da liga Ti-6Al-4V após tratamento superficial com laser pulsado Nd:YAG.

Avaliação microestrutural da liga Ti-6Al-4V após tratamento superficial com laser pulsado Nd:YAG. Avaliação microestrutural da liga Ti-6Al-4V após tratamento superficial com laser pulsado Nd:YAG. Fábio Sawada Cutrim Instituto Tecnológico de Aeronáutica fabiosawada@gmail.com Bolsista PIBIC CNPq Danieli

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 1: DILUIÇÃO, TEOR DE Fe E DUREZA

REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 1: DILUIÇÃO, TEOR DE Fe E DUREZA REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 1: DILUIÇÃO, TEOR DE Fe E DUREZA Marcos Mesquita da Silva 1 ; Clarice Oliveira da Rocha 2 ; Bruno Allison Araújo 3 ; Theophilo Moura

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 11 Ensaio de Fadiga Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Fadiga. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Introdução Quando são aplicados esforços

Leia mais

Técnica da Queima do Zinco ( Burn-zinc ) no Processo de Soldagem a Ponto por Resistência

Técnica da Queima do Zinco ( Burn-zinc ) no Processo de Soldagem a Ponto por Resistência 5 V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Técnica da Queima do Zinco ( Burn-zinc ) no Processo de Soldagem a Ponto por Resistência

Leia mais

ANCORAS METALICAS. Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos

ANCORAS METALICAS. Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos ANCORAS METALICAS Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos Conceito Âncoras / Clipes / Chumbadores Grapas Rabo de andorinha / Grampo Conceito Âncoras / Clipes / Chumbadores Grapas Rabo de

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

Título: ANALISE DA INFLUÊNCIA DO DIÂMETRO DO FEIXE INCIDENTE NA SOLDAGEM PULSADA COM LASER DE ND:YAG EM CHAPAS FINAS DE MONEL 400.

Título: ANALISE DA INFLUÊNCIA DO DIÂMETRO DO FEIXE INCIDENTE NA SOLDAGEM PULSADA COM LASER DE ND:YAG EM CHAPAS FINAS DE MONEL 400. Título: ANALISE DA INFLUÊNCIA DO DIÂMETRO DO FEIXE INCIDENTE NA SOLDAGEM PULSADA COM LASER DE ND:YAG EM CHAPAS FINAS DE MONEL 400. Autores: Arthur Maximo 1, Dr. Wagner de Rossi 2, Mauricio Ogawa 1 e Dr.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II 1 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II METALURGIA DA SOLDAGEM 1- Introdução A soldagem é geralmente realizada com a aplicação de calor e/ou deformação plástica. como resultado, alterações das

Leia mais

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma Figura 2.13: Amostra do aço SAF 2205 envelhecida a 850ºC por 30 minutos. Ferrita (escura), austenita (cinza) e sigma (sem ataque). Nota-se morfologia lamelar de sigma e austenita, no centro da micrografia.

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA

ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA Jornadas SAM 2000 - IV Coloquio Latinoamericano de Fractura y Fatiga, Agosto de 2000, 799-806 ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA A.A.M. da

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ENERGIA DE SOLDAGEM NO DESGASTE ABRASIVO DE REVESTIMENTOS DUROS APLICADOS PELO PROCESSO FCAW

INFLUÊNCIA DA ENERGIA DE SOLDAGEM NO DESGASTE ABRASIVO DE REVESTIMENTOS DUROS APLICADOS PELO PROCESSO FCAW INFLUÊNCIA DA ENERGIA DE SOLDAGEM NO DESGASTE ABRASIVO DE REVESTIMENTOS DUROS APLICADOS PELO PROCESSO FCAW Luciano Vensão Peruchi [Bolsista CNPq] 1, Ossimar Maranho [Orientador] 2, Fernando Henrique Gruber

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

Eng Mecânico. M.Sc.; D.Sc.; UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá Itajubá MG. Brasil.

Eng Mecânico. M.Sc.; D.Sc.; UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá Itajubá MG. Brasil. Pedro Duarte Antunes, Edmilson Otoni Corrêa et al. Corrosão sob tensão de juntas soldadas INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA DO METAL DE ADIÇÃO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E NA SUSCEPTIBILIDADE À CORROSÃO

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais