8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007"

Transcrição

1 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ANÁLISE DA SIMULAÇÃO DE REFRIGERAÇÃO NO PROCESSO DE INJEÇÃO DE TERMOPLÁSTICOS. Carlos Mauricio Sacchelli*, Christian Allan Cardoso *Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET-SC, Joinville-SC, Brasil. * RESUMO Os processos de transformação dos materiais poliméricos mais usuais são: injeção, extrusão, sopro, compressão e termoformagem, sendo o de injeção um dos mais utilizados. No processo de injeção, o tempo de cada ciclo de injeção é o somatório de vários tempos. Dentre todos os tempos, o de refrigeração é o maior. Para auxiliar na realização do projeto do molde de injeção, há disponível no mercado softwares de simulação, contudo, devido às muitas opções de métodos de cálculo e de resultados, erros de interpretações são cometidos. Assim este trabalho tem como objetivo analisar a simulação do sistema de refrigeração em um molde de injeção de termoplástico através da utilização de um molde instrumentado, comparando os métodos de cálculo e os resultados apresentados. PALAVRAS CHAVE: processo de injeção de termoplástico, sistema de refrigeração, simulação do processo.

2 INTRODUÇÃO Dentre os processos utilizados na transformação de polímeros, atualmente a moldagem por injeção é um dos mais utilizados e de maior importância. Esse fato se deve a possibilidade da fabricação de produtos injetados de elevada complexidade geométrica, baixo custo, grande volume de produção [1]. Além disso, essas características fazem com que este processo seja utilizado em diversas áreas que vão desde a indústria de utilidades domésticas até a aeronáutica. Isso é possível devido ao emprego dos termoplásticos de engenharia, com os quais são fabricados componentes de elevada resistência mecânica e baixo peso. Outras aplicações do processo de moldagem por injeção também podem ser observadas no nosso dia-a-dia, tais como televisores, refrigeradores, telefones, computadores, brinquedos, entre outros, sendo responsável por cerca de 70% da fabricação de produtos plásticos [2]. No processo de injeção, o tempo para a obtenção de um produto injetado, é denominado de ciclo, em que é composto da somatória dos seguintes tempos: fechamento do molde, preenchimento da cavidade, refrigeração, e, abertura do molde, sendo o tempo de refrigeração o maior de todos [3]. Segundo Fouray [4], há dois aspectos importantes a serem analisados no projeto do sistema de refrigeração: a eficiência e a uniformidade da distribuição de temperatura no molde. A eficiência da troca de calor entre o material polimérico e o molde é um fator decisivo para uma performance econômica no processo de injeção. Alguns trabalhos na literatura atestam ganhos significativos com melhorias nos sistema de refrigeração, com redução de até 33% do tempo total do ciclo de injeção [5]. Assim, para a obtenção de um bom sistema de refrigeração o projeto do molde e a seleção dos parâmetros do processo de injeção devem ser realizados corretamente. Contudo, a seleção dos parâmetros de processo não é tão simples, devido ao fato de que para a obtenção de produtos injetados de boa qualidade é necessário o ajuste correto de todo um conjunto de parâmetros e não apenas ajustes individuais. Para auxiliar nesta problemática, têm-se os simuladores de injeção de termoplásticos, também conhecidos como softwares de CAE Computer Aided Engineering, por exemplo, o Moldflow, Moldex 3D, Moldcae, Planets e 3D- Sigma [6]. Contudo há vários métodos de calculo disponíveis para a realização da simulação, além de vários resultados que podem confundir a pessoa que trabalha com a análise de injeção. Assim, o presente trabalho aborda o estudo comparativo entre os resultados obtidos durante a simulação de injeção e os resultados obtidos durante o processo de injeção através de um molde instrumentado, com o monitoramento e aquisição das temperaturas em 8 (oito) pontos selecionados. Com essa comparação, espera-se determinar qual o método de cálculo e qual o resultado da simulação de injeção que melhor representa os resultados do processo de injeção real. MATERIAIS E MÉTODOS O mode de injeção utilizado neste experimento foi o molde de 2 cavidades destinado a obtenção de corpos de prova de tração (Fig.1) e, o material polimérico, o Polipropileno PP (XM 6150K) da empresa Polibrasil. A máquina injetora utilizada foi a Sandretto Micro 65, e o equipamento de aquisição de dados registrador Field Logger modelo V2.0X, e para a simulação de injeção o software Moldflow Plastics Insight versão 4.1 foi utilizado.

3 Fig. 1: Modelo geométrico do corpo de prova e seus canais de refrigeração Para o experimento, foi confeccionado um molde de 2 (duas) cavidades, com a possibilidade de inserção de 8 (oito) termopares alojados a 5 mm da superfície da cavidade, realizado o processo de injeção e o de simulação, verificou-se que não era possível obter a temperatura na simulação em pontos que não estivessem em contato com o material injetado, assim foi usinado novamente o molde, com a finalidade de deixar 2 (dois) termopares em contato direto com o material polimérico no momento da injeção. Na Fig. 2, observa-se a localização dos termopares, em que são numerados de 1 a 8, sendo os de número 3 e 7 posicionados diretamente na cavidade, onde o material polimérico irá se localizar, e os outros termopares localizados a uma distância de 5 mm da cavidade. Alojamento para a passagem dos termopares Fig. 2: Pontos na cavidade onde foram alojados os termopares Os parâmetros de processo de injeção utilizados são apresentados na Tab. 1. Cabe ressaltar que os mesmos parâmetros foram utilizados na simulação do processo de injeção. Tabela 1: Parâmetros do processo de injeção Parâmetros Pressão injeção: 163,3 bar Temperatura de injeção: 210 C Força de fechamento: 7 ton Tempo injeção: 2,2s Tempo abertura do molde: 6s Pressão recalque: 80%

4 Temperatura do molde: 30 C Tempo recalque: 10s Tempo resfriamento: 20s Vazão de injeção: 76cm³/s Contra pressão: 0 Temperatura água: 30 C Vazão da água de refrigeração: 1,43l/min Velocidade de rotação da rosca injetora: 150 rpm A duração do ensaio na máquina injetora foi de 60 minutos, em que os termopares registraram os valores das temperaturas, sendo capturados pela placa de aquisição de dados, gerando assim um relatório com as temperaturas nos oito pontos de fixação durante o ciclo. RESULTADOS Com os dados obtidos, foi gerado um gráfico relacionando a variação da temperatura registrada nos termopares com o tempo, que pode ser visualizado na Fig. 3. Também para verificação das temperaturas, foi impresso o relatório com todas as temperaturas obtidas a cada 1 segundo de experimento. Durante este período verificou-se o aumento gradativo de temperatura em todos os pontos de monitoramento. Resultado esperado, pois como o material polimérico está a uma temperatura na saída da máquina de injeção de aproximadamente 210 C e o molde está em uma temperatura ambiente (30 C), ocorre a troca térmica entre o molde e o material fundido, ocasionando um constante aumento de temperatura do molde até sua estabilizar. Cabe a observação, de que como este experimento durou apenas 60 minutos, a estabilização não ocorreu, o que se observou foi ao final do tempo de coleta dos dados, havia certa tendência de estabilização da temperatura. Este aumento de temperatura pode ser considerado normal já que o processo não estava totalmente estabilizado e o molde ainda não se encontrava em equilíbrio térmico com o material injetado. Fig. 3: Gráfico temperatura x tempo (1h) nos termopares de 1 a 8. Para uma melhor interpretação dos resultados optou-se pela elaboração de gráficos que relacionam as temperaturas em um intervalo de tempo menor (aproximadamente 10 minutos), que podem ser visualizados nas Fig. 4 e 5.

5 Fig. 4: Gráfico temperatura x tempo (10min,) nos termopares de 1 a 8. Fig. 5: Gráfico temperatura x tempo (10min.) nos termopares de 1 a 8. Para fins de comparação dos dados, será considerado as temperaturas do sexto período, devido ao fato que devem ser as temperaturas próximas a estabilização do sistema.

6 Após a coletada dos dados referentes ao processo de injeção, realizou-se a simulação de injeção no software Moldflow. Para tanto, foi necessário desenhar o modelo geométrico do corpo de prova, juntamente com os canais de alimentação e de refrigeração, além de inserir os parâmetros de processo utilizados na máquina injetora. Na simulação, pode-se optar por dois métodos de cálculo, utilizando o algoritmo de Fill+Cool+Flow, ou com o de Cool+Flow. Como resultado da simulação de injeção, o software apresenta duas opções para verificação da temperatura, a primeira denominada de máxima temperatura na peça e a segunda, de temperatura no topo da peça, o que pode confundir a pessoa que realiza a simulação, pois aparentemente as duas deveriam informar a temperatura do produto injetado. Na Tab. 2, observa-se um comparativo, entre os resultados do processo de injeção e da simulação tanto da máxima temperatura a peça, como no topo da peça. Tabela 2: Comparação entre os valores do processo de injeção x simulação Termopar Temperatura do processo real ( C) Temperatura da simulação máxima temperatura na peça( C) Diferença real/simulado (%) Temperatura da simulação no topo da topo da peça( C) Diferença real/simulado (%) CF FCF CF FCF CF FCF CF FCF ,67 42,24 4,05-36,00 42,87 36,87-35,05-44, ,8 7,69-32,62 44,35 37,1-31,77-42, ,06 42,75-2,90-36,19 41,04 36,86-38,75-44, ,86 42,69 6,33-30,02 41,03 35,67-32,74-41, ,4 41,39-3,94-37,29 38,91 35,6-41,05-46, ,5 40,74 5,93-30,95 38,05 35,08-35,51-40, ,98 41,09-0,03-34,78 38,24 35,17-39,30-44, ,12 41,17 6,98-30,22 38,42 35,18-34,88-40,37 *CF- Cool +Flow; FCF-Fill+Cool+Flow. Na Fig. 6, tem-se o gráfico de demonstra a variação do erro percentual da simulação de injeção, em relação à temperatura verificada no termopar.

7 Erro das temperaturas por termopares 20,00 10,00 Erros (%) 0,00-10,00-20,00-30, ,00-50,00 Termopares Máx. temp. peça (CF) Temp. topo peça (CF) Máx. temp. peça (FCF) Temp. topo peça (CFC) Figura 6: Comparação entre os valores do processo de injeção x simulação Pode-se observar que a simulação com menor erro foi a utilizando o método Cool+Flow, com o resultado de máxima temperatura no produto. Observa-se também que nos pontos 3 e 7 que coletavam os dados da superfície da cavidade os erros foram de 2,9 e 0,03 %, e que os outros termopares demonstraram erros de até 7,7%, valores estes já esperados, já que estavam a 5 mm da superfície da cavidade. CONCLUSÃO Após os experimentos, verificou-se que a escolha do algoritmo de determinação da simulação de refrigeração possui grande impacto para a veracidade dos resultados, pois utilizando o método Fill+Cool+Flow, os resultados não foram coerentes, contudo utilizando o método Cool+Flow, obteve-se resultados mais próximos do real. Outro fato importante é saber ao certo qual o resultado da analise que deve ser considerada, como pudemos constatar, o resultado da máxima temperatura da peça foi o mais próximo do real. Como podemos também observar os termopares que não estiveram em contato com o polímero, tiveram um erro máximo de aproximadamente 7,7%. Com base nestes resultados, pode-se considerar que o processo de simulação de injeção nos mostra com grande proximidade os resultados do processo de injeção, contudo dever-se estar atento com os métodos de calculo e os resultados, pois, pode induzir a erros significativos. REFERENCIAS 1. H. Rees. Mold Injection. New York: Hanser, J. Y. H. Fuh; Y. F. Zhang; A.Y.C. Nee; M.W. Fu. Computer-Aided Injection Mold Design and Manufacture. New York: Marcel Dekker, 2004.

8 3. A. Y. F. Mylla. Influência do Resfriamento na Qualidade de Peças Termoplásticas Moldadas por Injeção, com Estudo de Caso em Sistemas CAE. Florianópolis, Dissertação de Mestrado, UFSC, A. Fouray; S. Marichez; F. Planquais. The Aluminum solution. Antec, L. Q. Tang; K. Pochiraju; C. Chassapis; S. Manoochehri. Optimal design of cooling system for injection molding. Antec, C. M. Sacchelli; A. F. Souza; R. K. Scalice; L. M. Gilapa; M. M. Lacerda. Estudo da manufatura de produtos que utilizam ferramentais. Revista do IST Ano 6 nº 7, p , 2006.

Desenho de Placas para Husky Manifold Systems

Desenho de Placas para Husky Manifold Systems Desenho de Placas para Husky Manifold Systems Como utilizar este Guia Este guia foi criado para auxiliar o fabricante de molde a integrar a Câmara Quente Husky Manifold System com as placas e ao molde.

Leia mais

Jowle - Consultoria e Projetos 1 Conceitos de moldagem.

Jowle - Consultoria e Projetos 1 Conceitos de moldagem. 1 Conceitos de moldagem. O molde é um dispositivo que trabalha em conjunto com a máquina injetora, essa recebe o material no silo alimentador, que vem em forma granular. O material é comprimido pelo aríete

Leia mais

V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil

V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil 5 V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil DIMENSIONAMENTO DE CANAIS DE REFRIGERAÇÃO NO PROJETO DE MOLDES DE INJEÇÃO: AVALIAÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. www.grima.ufsc.br/jcarlos/ jcarlos@emc.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de

Leia mais

Tabela 1. Propriedades do polipropileno (PP) homopolímero H604. Propriedades Método ASTM Valores. Resistência ao impacto Izod a 23ºC (J/m) D 256A 51

Tabela 1. Propriedades do polipropileno (PP) homopolímero H604. Propriedades Método ASTM Valores. Resistência ao impacto Izod a 23ºC (J/m) D 256A 51 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

Aumentando a precisão em cotação de peças injetadas

Aumentando a precisão em cotação de peças injetadas Aumentando a precisão em cotação de peças injetadas Renan Melhado Mazza SMARTTECH Fabio C. Caires - SMARTTECH Descrição da Classe Demonstrar as dificuldades do levantamento das informações técnicas durante

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração de

Leia mais

Cimatron Ferramentarias Usinagem

Cimatron Ferramentarias Usinagem Metalcam Há mais de 20 anos era fundada a empresa original do Grupo CMC de empresas de novas tecnologias. A vocação inovadora sempre esteve presente por meio de pesquisa e ambiente de desenvolvimento de

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Tecnologias Piovan para Refrigeração: Chillers com compressores scroll

Leia mais

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS)

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) 18º Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) Autor(es) MARCO

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

Grupo 13 Bico quente especial + acessórios para sistemas de câmara quente

Grupo 13 Bico quente especial + acessórios para sistemas de câmara quente Grupo 13 Bico quente especial + acessórios para sistemas de câmara quente Fornecedor: Tipo Descrição Página -13 Introdução -01-01 + 02 Aplicação dos bicos especiais -02-01 Resistências para bicos 10 Resistência

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem. Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem. Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Secadores com Torres Dessecantes O ar seco é gerado em uma torre de peneira

Leia mais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx na Manufatura Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx Conteúdo: Conceito de tecnologia CAx Evolução das tecnologias CAx Sistemas CAD/CAE/CAPP/CAM/CAI

Leia mais

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES Os fabricantes e as conexões devem ser pré-qualificados através de certificados de qualificação emitidos por organismos/laboratórios reconhecidos, ou pelo próprio sistema de qualificação

Leia mais

Construção. Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques. Descrição do produto

Construção. Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques. Descrição do produto Ficha de Produto Edição 09/04/2014 Identificação no: 02 07 03 06 001 0 000002 SikaFuko Eco 1 Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques Descrição

Leia mais

Manual de uso e guia de utilização do simulador de injetora

Manual de uso e guia de utilização do simulador de injetora Manual de uso e guia de utilização do simulador de injetora Versão: 902801_manualV01R00 Abril de 2012 Índice Introdução...4 Conhecendo uma injetora de termoplásticos...5 Partes de uma máquina injetora

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação descontínua de produtos moldados, por meio de injeção de material

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-TC08 IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM DA FECHADURA SYNTER EXECUÇÃO DO ALOJAMENTO DA FECHADURA:

MANUAL DE MONTAGEM DA FECHADURA SYNTER EXECUÇÃO DO ALOJAMENTO DA FECHADURA: MANUAL DE MONTAGEM DA FECHADURA SYNTER EXECUÇÃO DO ALOJAMENTO DA FECHADURA: Para fazer o alojamento da Máquina da Fechadura em uma porta, é necessário deixar 1,10m do centro do furo quadrado da maçaneta

Leia mais

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC)

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Informação técnica Denominação do sistema Componente

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL II CIMMEC 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 27 A 30 DE SETEMBRO DE 2011 Natal, Brasil DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. /jcarlos j.c.ferreira@ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE INFRAESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE INFRAESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE INFRAESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL 1. INFRAESTRURA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL A Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS ANÁLISE DA EFICIÊNCIA TÉRMICA DE ISOLAMENTOS EM AQUECIMENTO E RESFRIAMENTO

Leia mais

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q Comprimento Total Haste Corpo Extremidade cônica neste comprimento Largura do Campo Largura das Costas Ângulo da Ponta Aresta Principal de Corte Diâmetro

Leia mais

SIGMASOFT - Virtual Molding. Soluções para injeção de silicone líquido

SIGMASOFT - Virtual Molding. Soluções para injeção de silicone líquido SIGMASOFT - Virtual Molding Soluções para injeção de silicone líquido O que é possível avaliar através da moldagem virtual? Polímeros Termoplás-cos Elastômeros Termofixos Borracha Silicone Líquido (LSR)

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

Características das máquinas injetoras

Características das máquinas injetoras Características das máquinas injetoras MOLDAGEM POR INJEÇÃO O processo de moldagem por injeção foi patenteado em 1872 pelos irmãos Hyatt. Ao longo do século XX teve uma grande evolução, cujos principais

Leia mais

Relatório Parcial SÃO PAULO, Av. Afrânio Peixoto, 412 - São Paulo (SP) - Brasil - 05507-000 Tel/Fax (55) (11) 3816.2737

Relatório Parcial SÃO PAULO, Av. Afrânio Peixoto, 412 - São Paulo (SP) - Brasil - 05507-000 Tel/Fax (55) (11) 3816.2737 1 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE INSUMOS (ÁGUA, ENERGIA ELÉTRICA E GÁS) EM CHUVEIRO ELÉTRICO, AQUECEDOR A GÁS, CHUVEIRO HÍBRIDO, AQUECEDOR SOLAR E AQUECEDOR DE ACUMULAÇÃO ELÉTRICO. Relatório Parcial SÃO PAULO,

Leia mais

SCANNER DE TRIANGULAÇÃO LASER PARA PROTOTIPAGEM 3D

SCANNER DE TRIANGULAÇÃO LASER PARA PROTOTIPAGEM 3D SCANNER DE TRIANGULAÇÃO LASER PARA PROTOTIPAGEM 3D Autores: Evandro Francisco WEISS, Felipe Augusto SCHIQUETTI, Eduardo Bidese PUHL Identificação autores: Aluno da Ciência da Computação, Bolsista IFC Rio

Leia mais

BOOSTER BOOSTER? Benefícios e vantagens PORQUE COMPRAR UM

BOOSTER BOOSTER? Benefícios e vantagens PORQUE COMPRAR UM Linha BOOSTER Agilidade, confiabilidade e eficiência BOOSTER Os compressores Schulz modelo SB, possuem como função principal elevar a pressão da rede de baixa pressão para até 40 bar (580 psi). Benefícios

Leia mais

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO RESFRIAMENTO DE COMPONENTES ELETRÔNICOS EM AERONAVES

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO RESFRIAMENTO DE COMPONENTES ELETRÔNICOS EM AERONAVES SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO RESFRIAMENTO DE COMPONENTES ELETRÔNICOS EM AERONAVES Rafael Bernardo Cardoso de Mello IC rafael@redecasd.ita.br Divisão de Engenharia Aeronáutica Cláudia Regina de Andrade PQ - claudia@mec.ita.br

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO TÉCNICO BT-EL_074.REV.1 TROCA MÓDULO TERMOELÉTRICO Para os produtos Bebedouro Aqua e Adega de Vinhos, onde utilizam-se módulos termoelétricos (ou módulo Peltier) em refrigeração, segue

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

Desafios e benefícios no uso de plásticos de engenharia para substituir peças de metal

Desafios e benefícios no uso de plásticos de engenharia para substituir peças de metal Desafios e benefícios no uso de plásticos de engenharia para substituir peças de metal Fábio Moreira Gerente de Engenharia de Desenvolvimento de Produto da Mahle AUTOMOTIVE DAY BRASIL, 6 de outubro de

Leia mais

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D.

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D. Pretende-se aqui exempl ificar a maquinagem de contornos 2D em PowerMILL A modelação 3D do componente é executada em Autodesk Inventor e depois exportada em formato DXF para o PowerMILL Vamos usar esta

Leia mais

1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos

1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos 1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos Pontos, eixos e planos são entidades bastante usadas como referências em sistemas CAE/CAE/CAM. Por isso a importância em estudar como definir pontos,

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECÂNICA ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE RESFRIAMENTO EM MOLDES PARA INJEÇÃO DE PRODUTOS ALETADOS

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECÂNICA ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE RESFRIAMENTO EM MOLDES PARA INJEÇÃO DE PRODUTOS ALETADOS 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECÂNICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE RESFRIAMENTO EM MOLDES PARA INJEÇÃO DE PRODUTOS ALETADOS Wander, P.R.*, Costa, C.A.*,

Leia mais

SolidWorks FlowXpress

SolidWorks FlowXpress SolidWorks FlowXpress O SolidWorks FlowXpress tem o objetivo de exibir o comportamento de um fluido através de seu modelo. Ele pode analisar o fluxo em uma única cavidade interna com uma unica abertura

Leia mais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624-05 - Artista (artes visuais) Aquarelista, Artesão (artista visual), Artista plástico, Caricaturista,

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

RZR-900-CVA BOMBA DE ENGRENAGENS INTERNAS MODELO: Especificações: ICX-CVA/2013-0. Deslocamento por Rotação: 18 cm3

RZR-900-CVA BOMBA DE ENGRENAGENS INTERNAS MODELO: Especificações: ICX-CVA/2013-0. Deslocamento por Rotação: 18 cm3 BOMBA DE ENGRENAGENS INTERNAS MODELO: RZR-9-CVA Especificações: Deslocamento por Rotação: 18 cm3 Capacidade: l/h até 1.8 l/h (8 l/min até 3 l/min) Pressão Admissível na Sucção:, Kgf/cm2 (ABS) até 1 Kgf/cm2

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA Alexandre B. Travassos 1 ; Jorge V. L. da Silva 1 ; Mônica N. Pigozzo 2 1 - Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer -

Leia mais

6 Sistemas Terminais e Não-Terminais

6 Sistemas Terminais e Não-Terminais 6 Sistemas Terminais e Não-Terminais 1 A fim de poder realizar uma análise mais precisa dos resultados de simulação, é preciso saber classificar o sistema modelado como sendo terminal ou não-terminal.

Leia mais

Hardware Básico. Refrigeração. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. Refrigeração. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico Refrigeração Professor: Wanderson Dantas Ventoinhas Ventoinhas são pequenos ventiladores que melhoram o fluxo de ar dentro do computador, trazendo ar frio para dentro do computador e removendo

Leia mais

Congresso Internacional de Plásticos de Engenharia 2010 SOLUÇÕES NO PROCESSO DE MOLDAGEM POR INJEÇÃO

Congresso Internacional de Plásticos de Engenharia 2010 SOLUÇÕES NO PROCESSO DE MOLDAGEM POR INJEÇÃO Congresso Internacional de Plásticos de Engenharia 2010 SOLUÇÕES NO PROCESSO DE MOLDAGEM POR INJEÇÃO VILLARTA NOVA ERA, NOVA CIÊNCIA: MOLDAGEM DE PLÁSTICOS E SUA ABORDAGEM NA GESTÃO DE PROCESSOS Andresa

Leia mais

EXTRUSÃO ENERGIZED BY

EXTRUSÃO ENERGIZED BY EXTRUSÃO ENERGIZED BY Dados de referência: Grades de Filme e Extrusão TIPOS DE DURETHAN E POCAN PARA O PROCESSO DE EXTRUSÃO Plásticos com um potencial crescente Indústrias e áreas de aplicação Os polímeros

Leia mais

Grupo 09 Centrais de testes e limpeza

Grupo 09 Centrais de testes e limpeza Grupo 09 Centrais de testes e limpeza Fornecedor: Tipo Descrição Página CPR Central de teste para circuitos de refrigeração 01 Descrição 01-01 CPC Central de teste para circuitos de refrigeração 02 Descrição

Leia mais

EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203

EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203 EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203 1) Programa de Fomento à Formação de recursos humanos em Tecnologia de Equipamentos para

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área Profissional: Indústria Habilitação Profissional: Ensino

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA NA DEFINIÇÃO DO PERFIL PARA TREM DE POUSO POLIMÉRICO

UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA NA DEFINIÇÃO DO PERFIL PARA TREM DE POUSO POLIMÉRICO UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA NA DEFINIÇÃO DO PERFIL PARA TREM DE POUSO POLIMÉRICO Leonardo José Lottermann (FAHOR) ll001211@fahor.com.br Djone Rafael Viana (FAHOR) dv001140@fahor.com.br

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO DE CÂMARAS DE RESFRIAMENTO DE ALIMENTOS COM O MOTOR ELÉTRICO DO VENTILADOR DO CONDENSADOR

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS #3 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

Injeção de plásticos

Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS Maurício Bagueira de Vasconcellos Azeredo Laboratórios

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Shurflo série 8000. * Para recalque acima de 20 metros deverá ser usado 02 módulos de 85Wp.

Shurflo série 8000. * Para recalque acima de 20 metros deverá ser usado 02 módulos de 85Wp. Shurflo série 8000 A shurflo série 8000 é ideal para aplicações residenciais e rurais que necessitem de alta pressão com fluxo superior a 4,6 l/min com baixa amperagem, podendo recalcar até 42,0 metros.

Leia mais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Trabalho realizado por: Leonardo Vieira R. da Silveira Marcelo Henrique G. Bueno Ralf Marcelo. S. de Oliveira Professor: Renato de Sousa Dâmaso Disciplina:

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Haitian Série Mars. HAITIAN INTERNATIONAL HOLDINGS LIMITED Unit 1105 Level 11 Metroplaza Tower 2 223 Hing Fong RD Kwai Fong N.T

Haitian Série Mars. HAITIAN INTERNATIONAL HOLDINGS LIMITED Unit 1105 Level 11 Metroplaza Tower 2 223 Hing Fong RD Kwai Fong N.T HAITIAN INTERNATIONAL HOLDINGS LIMITED Unit 1105 Level 11 Metroplaza Tower 2 223 Hing Fong RD Kwai Fong N.T haitian@mail.haitian.com www.haitian.com NINGBO HAITIAN HUAYUAN MACHINERY CO., LTD. Export Processing

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO. Conexões Mecânicas: NBR 15.803;ISO 14.236; UNI 9561; Módulo 1.3

MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO. Conexões Mecânicas: NBR 15.803;ISO 14.236; UNI 9561; Módulo 1.3 MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO 1 Normas Aplicáveis Tubos: NBR 15.561; EN 12.201-2; Módulo 1.2 Conexões Soldáveis: NBR 15.593;EN 12.201-3; Módulo 1.3 Diretrizes para Projetos: NBR 15.802; Conexões Mecânicas:

Leia mais

APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS NO PROCESSO DE INJEÇÃO PLÁSTICA

APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS NO PROCESSO DE INJEÇÃO PLÁSTICA APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS NO PROCESSO DE INJEÇÃO PLÁSTICA Edwin V. Cardoza Galdamez Luiz C. Ribeiro Carpinetti Departamento de Engenharia de Produção, Escola de Engenharia

Leia mais

Recomendações Técnicas Sistema para refluxo assistido por micro-ondas

Recomendações Técnicas Sistema para refluxo assistido por micro-ondas Recomendações Técnicas Sistema para refluxo assistido por micro-ondas As condições para a realização de experimentos com micro-ondas dependem das especificações técnicas do equipamento utilizado e, para

Leia mais

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 MESA REUNIÃO REDONDA

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 MESA REUNIÃO REDONDA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 MESA REUNIÃO REDONDA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 A SEFIT Serviços Especializados de Fisioterapia do Trabalho Ltda, inscrita no CNPJ n.º 04.207.225/0001-74,

Leia mais

TT 151 OS DESAFIOS EM OPERAR UMA TURBINA FRANCIS DE 310 MW EM COMPENSADOR SÍNCRONO SEM UM EQUIPAMENTO ESSENCIAL.

TT 151 OS DESAFIOS EM OPERAR UMA TURBINA FRANCIS DE 310 MW EM COMPENSADOR SÍNCRONO SEM UM EQUIPAMENTO ESSENCIAL. TT 151 OS DESAFIOS EM OPERAR UMA TURBINA FRANCIS DE 310 MW EM COMPENSADOR SÍNCRONO SEM UM EQUIPAMENTO ESSENCIAL. Newton Kimura( 1 ) RESUMO Definir em eliminar um conjunto de equipamento (sistema de resfriamento

Leia mais

1M5. DE JANEIRO, 15-18 de dezembro de 1981 ESTUDO ANALÍTICO EXPERIMENTAL COM TUBOS DE CALOR

1M5. DE JANEIRO, 15-18 de dezembro de 1981 ESTUDO ANALÍTICO EXPERIMENTAL COM TUBOS DE CALOR ANAIS (A30B) Vs^>/ RIO TRABALHO PAPE» 1M5 COBEM 81 VI CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA MECÂNICA DE JANEIRO, 15-18 de dezembro de 1981 N. A-14 P.P. 145-151 PROCEEDINGS I Ifcl " ü* PUC/RJ ESTUDO ANALÍTICO

Leia mais

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Luiz Atilio Padovan Prof. Eng. Agrônomo EVOLUÇÃO DA MECANIZAÇÃO 1 TREM DE FORÇA SISTEMA MECÂNICO Diferencial Motor Câmbio Embreagem FUNCIONAMENTO DO MOTOR Motor

Leia mais

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão 6 a 1 de Outubro de 28 Olinda - PE Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão Ronaldo R. B. de Aquino Zanoni D. Lins Pedro A. C. Rosas UFPE UFPE UFPE rrba@ufpe.br zdl@ufpe.br prosas@ufpe.br

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

TRABALHO DE GRADUAÇÃO. Projeto. Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno. Aluno: xxxxxxx n

TRABALHO DE GRADUAÇÃO. Projeto. Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno. Aluno: xxxxxxx n TRABALHO DE GRADUAÇÃO Projeto Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno Aluno: xxxxxxx n Orientador: Marcelo Augusto Santos Torres Início do Trabalho: março de 2010 1. Tema: Mecânica da Fratura

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

3. Como são classificadas as diversas técnicas de prototipagem rápida?

3. Como são classificadas as diversas técnicas de prototipagem rápida? PROTOTIPAGEM RÁPIDA 1. Introdução Fabricação de protótipos em curto espaço de tempo (horas ou dias contra dias ou meses anteriormente necessários) Protótipo: - modelo em escala real de peças ou produtos

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

3. Procedimento e Montagem Experimental

3. Procedimento e Montagem Experimental 3. Procedimento e Montagem Experimental O presente trabalho é uma continuação da pesquisa iniciada por Leiroz [14]. A seção de testes usada para nosso estudo de deposição de parafina sob condições de escoamento

Leia mais

PROJETO DE ELEMENTOS DE MÁQUINA AUXILIADO POR COMPUTADOR

PROJETO DE ELEMENTOS DE MÁQUINA AUXILIADO POR COMPUTADOR Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos, SP, Brasil, Outubro, 20 a 23, 2008. PROJETO DE ELEMENTOS

Leia mais

1. Introdução. 3. Resultados. 2. Metodologia. Andréia Fernandes Muniz a *, Fernando Avancini Tristão a

1. Introdução. 3. Resultados. 2. Metodologia. Andréia Fernandes Muniz a *, Fernando Avancini Tristão a http://dx.doi.org/10.4322/cerind.2014.017 Estudo sobre a Forma de Comercialização e Especificação do Revestimento de Piso com Porcelanato Baseado nas Percepções dos Vendedores de Revestimentos Cerâmicos

Leia mais

ANALISADORES DE GASES

ANALISADORES DE GASES BGM BOMBA DE SUCÇÃO SÉRIE COMPACTA ANALISADORES DE GASES Descrição: Gera uma depressão no processo, succionando a amostra e criando a vazão exata para atender o tempo necessário de condicionamento do gás

Leia mais

COMPRESSORES PARAFUSO

COMPRESSORES PARAFUSO COMPRESSORES PARAFUSO PARTE 1 Tradução e adaptação da Engenharia de Aplicação da Divisão de Contratos YORK REFRIGERAÇÃO. Introdução Os compressores parafuso são hoje largamente usados em refrigeração industrial

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÕES PARA A VALIDAÇÃO DE SOFTWARES E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM INSPEÇÃO DE SEGURANÇA VEICULAR

Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÕES PARA A VALIDAÇÃO DE SOFTWARES E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM INSPEÇÃO DE SEGURANÇA VEICULAR Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÕES PARA A VALIDAÇÃO DE SOFTWARES E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM INSPEÇÃO DE SEGURANÇA VEICULAR Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-025 Revisão 01 DEZ/2012

Leia mais

Extrusão Princípios de Funcionamento

Extrusão Princípios de Funcionamento 1) Taxa de Compressão (RC) -Descrição da rosca de acordo com a taxa de compressão (baixa ou alta taxa de compressão). RC = h i / h f RC = 2 corresponde a baixa taxa de compressão RC = 4 corresponde a alta

Leia mais

Sagômetro Digital. Manual de Instalação e Operação

Sagômetro Digital. Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO APRESENTAÇÃO: Esse instrumento foi especialmente desenvolvido para realizar medições de Ságitas em Blocos Oftálmicos onde através de software

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

SÉRIE LEONARDO KAT COMPRESSOR PARAFUSO TRANSMISSÃO DIRETA ISENTO DE OLEO COM CATALISADOR. Capacidade de 9 a 75 kw Pressão de 8 a 10 bar

SÉRIE LEONARDO KAT COMPRESSOR PARAFUSO TRANSMISSÃO DIRETA ISENTO DE OLEO COM CATALISADOR. Capacidade de 9 a 75 kw Pressão de 8 a 10 bar COMPRESSOR PARAFUSO TRANSMISSÃO DIRETA ISENTO DE OLEO COM CATALISADOR Capacidade de 9 a 75 kw Pressão de 8 a 10 bar Compressor parafuso-transmissão direta-isento de oleo com catalisador- resfriado a ar

Leia mais