MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO"

Transcrição

1 MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM TIRADENTES, S/Nº- CENTRO CEP SÃO PAULO DE OLIVENÇA/AM GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 1 DE 15

2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Os cálculos foram desenvolvidos utilizando o software PROHIDRÁULICA de acordo com normas técnicas de projetos de instalações prediais de água fria e esgoto sanitário. Qualquer alteração o durante a execução da obra deverá ser submetida a aprovação da fiscalização da ECT e havendo modificação no projeto deverá ser comunicado ao projetista de instalações hidrossanitárias. DETALHES CONSTRUTIVOS As tubulações devem ser executadas de acordo com as normas especificas da ABNT, para o tipo do material empregado. Para o corte de paredes, necessário às modificações, se recomenda o uso de máquina moderna de corte, o que evita danificar a estrutura. A batida forte pode rachar as paredes das tubulações existentes, provocando vazamentos. As tubulações devem ser devidamente protegidas contra eventuais acessos de água poluída. Somente será permitida a localização de tubulações solidárias à estrutura se não forem prejudicadas pelos esforços ou deformações próprias dessa. Se necessário, as passagens por estrutura devem ser aprovadas pela fiscalização da ECT. Se possível, estas passagens devem ser projetadas de forma a permitir a montagem e desmontagem das tubulações e de seus acessórios em qualquer ocasião. Quanto à parte arquitetônica, a permissão para se propôr a melhor solução para a localização das tubulações indicam a sua total independência das estruturas e das alvenarias. As de diâmetro maior levarão grampos de ferro redondo Ø 3/16", espaçado e adequadamente, além do referido enchimento dos rasgos. Toda a tubulação de água deverá ser testado antes do revestimento de alvenaria, com pressão mínima de 50% superior à pressão estática da instalação, não devendo, em nenhum ponto, a ser inferior a 1 Kg/cm 2. A duração da prova será de 6 horas pelo menos(nb-32). Para tubulação de esgoto haverá teste de água ou ar comprimido, sob pressão mínima de 3m de coluna d'água nas canalizações primárias, antes da instalação dos aparelhos. Depois de sua colocação, haverá teste de fumaça, sob pressão de 25mm de coluna d'água, em ambas as provas a pressão será mantida durante 15minutos (NB-19). mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 2 DE 15

3 Durante a construção, as extremidades livres das canalizações serão vedadas com plugs ou tampões, a fim de se evitar futuras obstruções. Não será permitido o uso de papel ou madeira para está finalidade. O corte de tubulação será feito em seção reta, sendo apenas rosqueadas a porção que ficará dentro da conexão. As porções rosqueadas deverão apresentar filetes bem limpos, sem rebarbas, que se ajustarão perfeitamente às conexões. A passagem das canalização pelas paredes dos reservatórios inferior, superior e compartimento de bombas se fará utilizando-se flanges apropriadas. Tipos de juntas : Para tubos PVC soldável: Serão feitas com anel de borracha apropriado. Para tubos de aço galvanizado e PVC roscável. Serão feitas com conexões apropriadas, devendo as mesmas serem rosqueadas com proteção de zarcão e estopa de cânhamo. Descrição de serviços Água potável: 1.2 O projeto das instalações para água potável obedece ao sistema de distribuição indireta, utilizando-se a água com pressão normal da rede pública. Abastecendo e alimentando 01 caixas d'água de 1000 litros em local indicado, na cobertura do imóvel Ramal predial: O diâmetro do ramal predial foi determinado em função de sua carga e obedecendo as normas brasileiras relacionadas ao abastecimento de água a saber a NBR Cavalete do hidrômetro: O cavalete ficará protegido por abrigo construído de acordo com o regulamento da concessionária local. No cavalete logo após o hidrômetro será instalado registro de gaveta Ramal de alimentação a) A partir da captação, o ramal de alimentação, sem qualquer derivação abastecerá o reservatório superior, exceto os alimentadores das torneiras do jardim. b) A altura do nível máximo de água do reservatório inferior ficará a 4cm no máximo, abaixo da geratriz inferior do tubo de alimentação Reservatórios: Deverão possuir tampas de inspeção, bem vedadas de modo a evitar a contaminação. mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 3 DE 15

4 1.2.5 Extravasor: Para o escoamento de água será instalado no reservatório superior um cano extravasor. A saída do extravasor deverá ser protegida com uma tela de cobre, a fim de evitar a entrada de insetos Dispositivo de limpeza: Os reservatórios superior serão providos de dispositivos de limpeza. As canalizações de limpeza terão registro de manobra. A limpeza será feita por gravidade no setor do reservatório superior Ramais: Os ramais terão registros de gaveta de isolamento. O dimensionamento foi dado pela máxima vazão provável para ramais e sub-ramais, As canalizações serão executadas conforme especificações de materias Tubulações: As tubulações externas à edificação e as internas serão em tubo PVC rígido roscável marca Tigre ou similar que atenda aos requisitos mínimos de qualidade estabelecidos em norma, e os tubos sob pressão serão em aço galvanizado bem como suas conexões. Todas as emendas serão rosqueadas após uma aplicação de zarcão na região da rosca Registro de Gaveta: Serão instalados registros de gaveta, marca DECA ou similar equivalente, ref modelo C-40, acabamento cromado nos ramais localizados em projeto, e registro da mesa marca e referência, porém com acabamento bruto Registro de Pressão: Nos locais indicados no projeto, deverão ser instalados registros de pressão marca DECA ou similar equivalente, ref. 1416, modelo C-40, acabamento cromado. 2.0 Esgotos: A execução das instalações hidráulicas para esgoto, deverão obedecer às prescrições da marca NB-19 da ABNT e às disposições constantes de atos legais do Estado e Município. Deverão ser obedecidas também as seguintes prescrições durante os serviços: a) Toda a instalação será executada visando facilitar operações de inspeção ou desobstrução de: canalizações internas, caixa de inspeção, de gordura, sifonadas, fossa séptica e sumidouro ou coletor público. b) A declividade deverá ser uniforme entre trechos retos não permitindo depressão que possam formar depósitos no interior das canalizações. c) O assentamento dos tubos de ponta e bolsa deverão ser feitos de jusante para montante, com as bolsas voltadas para o ponto mais alto. d) As ligações entre os seguimentos de canalização só deverão ser feitas mediante peças apropriadas, conexões ou caixa de inspeção. e) as juntas das canalizações deverão ser executadas de maneira a apresentar condições estanques e manter, sem estrangulamentos, a seção de escoamento. f) Todos os aparelhos deverão ser instalados de modo a permitir fácil limpeza ou remoção, bem como evitar qualquer contaminação da água potável. mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 4 DE 15

5 2.1.1 Os ramais de descarga foram dimensionados de acordo com os valores mínimos tabelados para cada aparelho, conforme NB-13 da ABNT. Todos os tubos de queda e de gordura serão tubos radiais com inspeção na parte inferior Tubos Ventiladores Primários e Secundários: a) toda a instalação deverá ser convenientemente ventilada. b) a canalização de ventilação deverá ser instalada de maneira que, qualquer líquido que nela ingresse, possa se escoar por gravidade para o ramal de descarga que o ventilador tenha origem. c) os tubos ventiladores primários deverão ser instalados verticalmente e sempre que possível em um único alinhamento vertical. Estes tubos deverão elevar-se no mínimo 0,30m acima da cobertura. d) sobre a extremidade superior livre dos tubos de ventilação serão colocados chapéus metálicos, de modo a impedir a entrada de objetos e não prejudicar a ventilação dos aparelhos Caixa de Gordura: Será construída em local indicado em planta, caixa de gordura de 18 litros com tampa cega, em ferro fundido T Caixa de Inspeção: Será construída em alvenaria de tijolos maciços com argamassa no traço 1:3 (cimento-areia) e tampa de ferro fundido T-33, em local indicado em planta As tubulações para esgotos sanitário serão construídas em tubos PVC rígido soldável da TIGRE ou similar, com os dizeres "ESGOTO" A tubulação de ventilação será em tubos de PVC rígido soldável da TIGRE ou similar, em diâmetros indicados em projeto Tanto para a ventilação como para a rede de esgoto serão utilizadas conexões de PVC rígido da TIGRE ou similar Os ralos sifonados serão da marca TIGRE ou similar e terão diâmetro de 100mm. 2.2 Águas Pluviais: Águas provenientes da cobertura do prédio serão recebidas por calha de concreto e conduzidas ao coletor público através dos tubos de PVC de queda e caixa de areia e caixas de brita conforme indicado em projeto. As calhas serão galvanizadas com as devidas adequações para a perfeita vedação das descidas de água, deverá receber impermeabilização em suas emendas e todas receberão contra-rufo e ou pingadeiras para que não haja vazamento entre a calha e a parede. mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 5 DE 15

6 As calhas serão dotadas de ladrão conforme indicado em planta para auxiliarem em um ponto crítico de precipitação pluviométrica que possa extravasar os limites de segurança considerados em projeto, ou em caso de entupimento parcial ou total das descidas de água. Nas entradas dos tubos de queda serão instalados ralos do tipo "ABACAXI" com finalidade de evitar entupimento na própria tubulação. Os tubos horizontais de 100 a 250 que interligam as caixas de areia serão de PVC rígido Série R, conforme indicado em projeto. As caixas de areia serão de alvenaria de tijolo maciço, com grelha de ferro, nas dimensões indicadas em projeto, obedecendo criteriosamente as inclinações indicadas e as dimensões de cada intervalo de rede entre caixas de inspeção. As tubulações de água pluvial foram dimensionadas conforme modelo abaixo para tal foi utilizado o método de Manning Strickler, e índice pluviométrico da região Centro oeste, com I=352, ver modelo de dados abaixo: Tabela 1 -Estação fluviométrica do Porto de Manaus Características históricas As enchentes na cidade de Manaus mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 6 DE 15

7 A média histórica dos níveis d água máximos do rio Negro em Manaus (médias das máximas) é 27,81 m, com desvio padrão de 1.13 m. A cheia que terminou no dia 11 de junho, com um pico de 27,96 m, apresentou um nível 0,15 m maior que essa média. Por outro lado, ficou 1,81 m abaixo do nível atingido em 2009 (29,77 m), ano da cheia máxima observada na série histórica e 0,66 m abaixo da cheia de 2008 (28,62 m). As características históricas da estação fluviométrica do Roadway (Porto de Manaus), onde são feitas as observações desde 15/09/1902, estão mostradas nas tabelas nº s 1 e 2. CÁLCULO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS - CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS Projeto: : HIDROSSANITÁRIO AC PADRÃO/DR/AM Prancha: Terreo Dimensionamento - Águas Pluviais BARRILETE 1) Dados de cálculo: Intensidade Pluviométrica (mm/h): I = 352 Área de Contribuição (mm2): A = Vazão de Projeto (L/min): Q = I. A / 60 Q = / 60 Q = 46.9 Coef. Multiplicativo da vazão = 1.20 Coeficiente de rugosidade: n = Declividade da Calha (m/m) = Declividade do Condutor Horiz.(m/m) = ) Dimensionamento da Calha: Seção da Calha: Retangular Aplicando 'Manning-Strickler': Q = K. S. Rh^(2/3). I^0.5 n Onde: K = S = Área da seção molhada em (m2) Rh = Raio Hidráulico em (m) I = Declividade da calha em (m/m) n = Coeficiente de rugosidade Obtendo a seção da calha: 200x14mm mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 7 DE 15

8 3) Dimensionamento do Condutor Vertical: Diâmetro fixo de 50mm Encontrar a quantidade de tubos Aplicando 'Manning-Strickler', temos a vazão de 1 tubo = L/min x = Q Qu Onde: x = quantidade de tubos necessários Qu = Vazão de 1 tubo Obtendo a quantidade de 0.41 tubo(s) de 50mm 4) Dimensionamento do Condutor Horizontal: Aplicando 'Manning-Strickler' para altura de 2/3 da seção circular, obtemos o diâmetro de = 51mm Projeto: HIDROSSANITÁRIO AC PADRÃO DR/AM Prancha: Terreo Dimensionamento - Águas Pluviais CARGA E DESCARGA 1) Dados de cálculo: Intensidade Pluviométrica (mm/h): I = 352 Área de Contribuição (mm2): A = Vazão de Projeto (L/min): Q = I. A / 60 Q = / 60 Q = Coef. Multiplicativo da vazão = 1.20 Coeficiente de rugosidade: n = Declividade da Calha (m/m) = Declividade do Condutor Horiz.(m/m) = ) Dimensionamento da Calha: Seção da Calha: Retangular Aplicando 'Manning-Strickler': Q = K. S. Rh^(2/3). I^0.5 n Onde: K = S = Área da seção molhada em (m2) Rh = Raio Hidráulico em (m) I = Declividade da calha em (m/m) n = Coeficiente de rugosidade Obtendo a seção da calha: 350x29mm mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 8 DE 15

9 3) Dimensionamento do Condutor Vertical: Diâmetro fixo de 75mm Encontrar a quantidade de tubos Aplicando 'Manning-Strickler', temos a vazão de 1 tubo = L/min x = Q Qu Onde: x = quantidade de tubos necessários Qu = Vazão de 1 tubo Obtendo a quantidade de 0.78 tubo(s) de 75mm 4) Dimensionamento do Condutor Horizontal: Aplicando 'Manning-Strickler' para altura de 2/3 da seção circular, obtemos o diâmetro de = 97mm Projeto: HIDROSSANITÁRIO AC PADRÃO DR/AM Prancha: Terreo Dimensionamento - Águas Pluviais TELHADO PRINCIPAL LATERAL DIREITA 1) Dados de cálculo: Intensidade Pluviométrica (mm/h): I = 352 Área de Contribuição (mm2): A = Vazão de Projeto (L/min): Q = I. A / 60 Q = / 60 Q = Coef. Multiplicativo da vazão = 1.20 Coeficiente de rugosidade: n = Declividade da Calha (m/m) = Declividade do Condutor Horiz.(m/m) = ) Dimensionamento da Calha: Seção da Calha: Retangular Aplicando 'Manning-Strickler': K. S. Rh^(2/3). I^0.5 Q = n mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 9 DE 15

10 Onde: K = S = Área da seção molhada em (m2) Rh = Raio Hidráulico em (m) I = Declividade da calha em (m/m) n = Coeficiente de rugosidade Obtendo a seção da calha: 350x48mm EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS 3) Dimensionamento do Condutor Vertical: Diâmetro fixo de 100mm Encontrar a quantidade de tubos Aplicando 'Manning-Strickler', temos a vazão de 1 tubo = L/min x = Q Qu Onde: x = quantidade de tubos necessários Qu = Vazão de 1 tubo Obtendo a quantidade de 0.82 tubo(s) de 100mm 4) Dimensionamento do Condutor Horizontal: Aplicando 'Manning-Strickler' para altura de 2/3 da seção circular, obtemos o diâmetro de = 132mm Projeto: HIDROSSANITÁRIO AC PADRÃO DR/AM Prancha: Térreo Dimensionamento - Águas Pluviais TELHADO PRINCIPAL LATERAL ESQUERDA 1) Dados de cálculo: Intensidade Pluviométrica (mm/h): I = 352 Área de Contribuição (mm2): A = Vazão de Projeto (L/min): Q = I. A / 60 Q = / 60 Q = Coef. Multiplicativo da vazão = 1.20 Coeficiente de rugosidade: n = Declividade da Calha (m/m) = Declividade do Condutor Horiz.(m/m) = mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 10 DE 15

11 2) Dimensionamento da Calha: Seção da Calha: Retangular Aplicando 'Manning-Strickler': K. S. Rh^(2/3). I^0.5 Q = n Onde: K = S = Área da seção molhada em (m2) Rh = Raio Hidráulico em (m) I = Declividade da calha em (m/m) n = Coeficiente de rugosidade Obtendo a seção da calha: 350x48mm EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS 3) Dimensionamento do Condutor Vertical: Diâmetro fixo de 100mm Encontrar a quantidade de tubos Aplicando 'Manning-Strickler', temos a vazão de 1 tubo = L/min Q x = --- Qu Onde: x = quantidade de tubos necessários Qu = Vazão de 1 tubo Obtendo a quantidade de 0.82 tubo(s) de 100mm 4) Dimensionamento do Condutor Horizontal: Aplicando 'Manning-Strickler' para altura de 2/3 da seção circular, obtemos o diâmetro de = 132mm mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 11 DE 15

12 Projeto: PROJETO HIDROSSANITARIO DR/AM Prancha: Terreo Dimensionamento - Águas Pluviais ESCOAMENTO DE AGUA PELA SARJETA 1) Dados de cálculo: Intensidade Pluviométrica (mm/h): I = 352 Área de Contribuição (mm2): A = Vazão de Projeto (L/min): Q = I. A / 60 Q = / 60 Q = Coef. Multiplicativo da vazão = 1.20 Coeficiente de rugosidade: n = Declividade da Calha (m/m) = Declividade do Condutor Horiz.(m/m) = ) Dimensionamento da Calha: Seção da Calha: Semi-circular Aplicando 'Manning-Strickler': K. S. Rh^(2/3). I^0.5 Q = n Onde: K = S = Área da seção molhada em (m2) Rh = Raio Hidráulico em (m) I = Declividade da calha em (m/m) n = Coeficiente de rugosidade Obtendo o diâmetro da calha: 294mm 3) Dimensionamento do Condutor Vertical: Diâmetro fixo de 100mm Encontrar a quantidade de tubos mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 12 DE 15

13 Aplicando 'Manning-Strickler', temos a vazão de 1 tubo = L/min x = Q Qu Onde: x = quantidade de tubos necessários Qu = Vazão de 1 tubo Obtendo a quantidade de 2.60 tubo(s) de 100mm 4) Dimensionamento do Condutor Horizontal: Aplicando 'Manning-Strickler' para altura de 2/3 da seção circular, obtemos o diâmetro de = 204mm CÁLCULO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS - ÁGUA FRIA O calculo das pressões e velocidades estão descritos abaixo: Projeto: AMAZONAS CALCULO DAS PRESSÕES E VELOCIDADES DA COLUNA AF 01 trec. pesos vazão DN Veloc, Ju P,Inic, Dif,cota P,Disp, Cmp,Real Cmp,Eq, PC,tub PC,cnx PC,tot Pressão (l/s) (mm) (m/s) mca/m (mca) (m) (mca) (m) (m) mca mca mca (mca) A-B 1 0,3 21,6 0,82 0,0494 0,5 3 3,5 3,73 10,53 0,2 0,3 0,5 2,9 B-C 1 0,3 21,6 0,82 0,0494 2,9 1,4 4,3 1,43 3,43 0,1 0,1 0,2 4,2 C-D 1 0,3 21,6 0,82 0,0494 4,2 0 4,2 0,12 0, ,2 D-E 0,3 0,16 21,6 0,45 0,0172 4,2 0,4 4,5 0,35 4,95 0 0,1 0,1 4,4 D-F 0,7 0,25 21,6 0,68 0,0362 4,2 0 4,2 0,25 1, ,1 F-G 0,4 0,19 21,6 0,52 0,0222 4,1 0,3 4,4 0,25 4,85 0 0,1 0,1 4,3 F-H 0,3 0,16 21,6 0,45 0,0172 4,1 0 4,1 1,15 3, ,1 4,1 mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 13 DE 15

14 Projeto: AMAZONAS CALCULO DAS PRESSÕES E VELOCIDADES DA COLUNA AF 02 trec. pesos vazão DN Veloc, Ju P,Inic, Dif,cota P,Disp, Cmp,Real Cmp,Eq, PC,tub PC,cnx PC,tot Pressão (l/s) (mm) (m/s) (mca/m) (mca) (m) (mca) (m) (m) (mca) (mca) (mca) (mca) A-B 1,1 0,31 21,6 0,86 0,0537 0,5 4,4 4,9 5,13 11,93 0,3 0,4 0,6 4,2 B-C 0,1 0,09 21,6 0,26 0,0066 4,2 0 4,2 0,04 3, ,2 C-D 0,1 0,09 21,6 0,26 0,0066 4,2 0 4,2 0,02 0, ,2 D-E 0,1 0,09 21,6 0,26 0,0066 4,2 0 4,2 0,02 0, ,2 E-F 0,1 0,09 21,6 0,26 0,0066 4,2-2 2,6 2,4 26,14 0 0,2 0,2 2,4 B-G 1 0,3 21,6 0,82 0,0494 4,2 0 4,2 0,06 3,16 0 0,2 0,2 4,1 G-H 1 0,3 21,6 0,82 0,0494 4,1 0 4,1 0,03 0, ,1 H-I 1 0,3 21,6 0,82 0,0494 4,1 0 4,1 0,06 0, ,1 I-J 0,3 0,16 21,6 0,45 0,0172 4,1 0,4 4,4 0,35 4,95 0 0,1 0,1 4,3 I-K 0,7 0,25 21,6 0,68 0,0362 4,1 0 4,1 0,25 1, K-L 0,4 0,19 21,6 0,52 0, ,3 4,3 0,25 4,85 0 0,1 0,1 4,2 K-M 0,3 0,16 21,6 0,45 0, ,33 2, Projeto: AMAZONAS CALCULO DAS PRESSÕES E VELOCIDADES DA COLUNA AF 03 trec. pesos vazão DN Veloc, Ju P,Inic, Dif,cota P,Disp, Cmp,Real Cmp,Eq, PC,tub PC,cnx PC,tot Pressão (l/s) (mm) (m/s) (mca/m) (mca) (m) (mca) (m) (m) (mca) (mca) (mca) (mca) A-B 1,1 0, ,21 0,0018 0,5 4,4 4,9 5,13 11, ,8 B-C 0,1 0, ,06 0,0002 4,8 0 4,8 0,04 7, ,8 C-D 0,1 0,09 35,2 0,1 0,0007 4,8 0 4,8 0,02 0, ,8 D-E 0,1 0,09 27,8 0,16 0,002 4,8 0 4,8 0,02 0, ,8 E-F 0,1 0,09 21,6 0,26 0,0066 4,8-2 3,2 2,4 26,14 0 0,2 0,2 3,1 B-G 1 0,3 44 0,2 0,0017 4,8 0 4,8 0,06 7, ,8 G-H 1 0,3 35,2 0,31 0,0049 4,8 0 4,8 0,03 0, ,8 H-I 1 0,3 27,8 0,49 0,0149 4,8 0 4,8 0,06 0, ,8 I-J 0,3 0,16 21,6 0,45 0,0172 4,8 0,4 5,2 0,35 6,45 0 0,1 0,1 5,1 I-K 0,7 0,25 27,8 0,41 0,0109 4,8 0 4,8 0,25 1, ,8 K-L 0,4 0,19 21,6 0,52 0,0222 4,8 0,3 5,1 0,25 6,35 0 0,1 0,1 4,9 K-M 0,3 0,16 21,6 0,45 0,0172 4,8 0 4,8 0,33 3,33 0 0,1 0,1 4,7 mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 14 DE 15

15 Dimensionamento do hidrômetro principal O dimensionamento do hidrômetro mestre instalado no ramal predial de água que alimenta o edifício deve ser feito pelo procedimento convencional. Deve-se ter uma especial atenção à classe metrológica do hidrômetro, de forma que seja as baixas vazões sejam medidas com precisão. Deve-se levar em consideração que o esquema predominante é o da alimentação da rede de distribuição de água para uma caixa d água inferior dotada de bóia. Neste sistema, nos momentos em que a caixa d água está quase cheia, as vazões de alimentação são pequenas. Por esse motivo, o hidrômetro instalado no ramal predial deve ter amplo campo de medição. Dimensionamento do hidrômetro individual Para o dimensionamento dos hidrômetros a serem instalados nos apartamentos, deve-se proceder de forma convencional, considerando-se as vazões normais de serviço e suas respectivas perdas de carga. O dimensionamento do hidrômetro deve ser feito utilizando-se a perda de carga disponível na planilha de cálculo de instalações prediais de água. O hidrômetro deve ser dimensionado numa bitola de tal maneira que não provoque uma perda de carga exagerada que limite o consumo nos pontos de utilização da instalação predial de água. Outro aspecto a considerar é que o "campo de medição" do hidrômetro cubra o campo de vazões com o qual vai trabalhar o ramal de alimentação no qual está instalado o aparelho. Na prática, os medidores a serem instalados nos apartamentos terão capacidade (Q máx) entre 3 e 5 m³/. Smith Mozart Delmont Silva GEREN /DR/AM-RR mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO - AMAZONAS PÁGINA 15 DE 15

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Águas Lindas GO Novas Instalações Código do Projeto: 3947-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37 Brasília-DF

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS 2 INTRODUÇÃO A água da chuva é um dos elementos

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELA- BORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistema de instalações

Leia mais

PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI

PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI Contratante: SESI - FIEB Localização: Unidade SESI Simões Filho BA. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS Memorial Descritivo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS. Introdução

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS. Introdução MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS Introdução O presente projeto pretende dimensionar e posicionar na edificação toda rede hidrossanitária. Estas instalações devem ser realizadas de acordo

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB P SUL Ceilândia - DF Novas Instalações Código do Projeto: 3946-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37

Leia mais

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO 1. GENERALIDADES O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas

Leia mais

MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m²

MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m² MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m² Este memorial se baseia no programa de necessidades para elaboração de projetos executivos:

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS HC1 PISO TÉRREO ALA B - HEMODINÂMICA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA MARÍLIA SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng. Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio

Leia mais

Águas Pluviais: Introdução

Águas Pluviais: Introdução Águas Pluviais: Introdução Águas Pluviais: Introdução OBJETIVO GERAL Águas Pluviais: Objetivos de Projeto Recolher e conduzir as águas da chuva até um local adequado e permitido. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II TIPOS Água Fria Esgoto Águas Pluviais Água Quente Incêndio

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDRO SANITÁRIO OBRA: ANEXO 01 Proprietário: CREA SC - CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SANTA CATARINA Responsável Projeto: Eng Civil Cleber Giordani

Leia mais

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP)

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Escola de Engenharia Civil - UFG SISTEMAS PREDIAIS Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Concepção de projeto Métodos de dimensionamento dos componentes e sistemas Prof. Ricardo Prado Abreu Reis Goiânia

Leia mais

CAPÍTULO IV: INSTALAÇÕES DE ÁGUA FRIA E E S G O T O S SANITÁRIOS

CAPÍTULO IV: INSTALAÇÕES DE ÁGUA FRIA E E S G O T O S SANITÁRIOS CAPÍTULO IV: INSTALAÇÕES DE ÁGUA FRIA E E S G O T O S SANITÁRIOS 1. MEMORIAL DESCRITIVO a) As instaiaçoes serão executadas em condições totalmente operacionais, sendo que o fornecimento de materiais, equipamentos

Leia mais

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006 TÍTULO INSTLÇÕES HIDRÁULICS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Projeto. Instalação. Hidráulica. INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 PROVÇÃO PROCESSO PR 009866/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas SET 1993 NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003 - Caixa Postal 1680

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE III - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE III - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE III - Teoria) Projeto Hidráulico TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO CONCEITOS INICIAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS Prof. Adolar Ricardo Bohn - M. Sc. 1 A instalação predial de águas pluviais

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO Vazão Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser transportado que atravessa uma determinada seção (tubo, calha, etc) na unidade de tempo. No sistema

Leia mais

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS MEMORIAL CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM RUA TRIADENTES, S/Nº-CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL - AMAZONAS PÁGINA 1 DE 5 AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO

Leia mais

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA 1. ÂMBITO DA NOTA TÉCNICA A presente nota técnica diz respeito aos princípios gerais orientadores

Leia mais

MEMORIAL HIDROSSANITÁRIO CENTRO VOCACIONAL TECNOLÓGICO RIO PARDO/RS

MEMORIAL HIDROSSANITÁRIO CENTRO VOCACIONAL TECNOLÓGICO RIO PARDO/RS MEMORIAL HIDROSSANITÁRIO CENTRO VOCACIONAL TECNOLÓGICO RIO PARDO/RS 1 - INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1 - Obra: Construção do Centro Vocacional Tecnológico de Rio Pardo. 1.2 - Localização: BR-471, Km 143

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Os equipamentos do Kit Chuva atendem as exigências da norma NBR 15527: Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis Requisitos. KIT CHUVA VF1

Leia mais

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez 1. água 1.1 água fria 1.1.1 Cozinha 1.1.1.1 Interface placa cimentícia 1.1.2 Lavanderia 1.1.2.1 Interface placa

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Abastecimento de água e drenagem de águas residuais

Abastecimento de água e drenagem de águas residuais Redes e Instalações 1 Abastecimento de água e drenagem de águas residuais Filipa Ferreira Índice da apresentação 2 Introdução Regulamentação Distribuição de água Drenagem de águas residuais Aspectos gerais

Leia mais

Soluções FORTLEV para a Sua Obra

Soluções FORTLEV para a Sua Obra Soluções FORTLEV para a Sua Obra 1 2 3 6 9 8 7 5 Soluções para Cuidar da Água 1. Caixa de Polietileno FORTLEV 2. Tanque Fortplus FORTLEV 3. Filtro de Entrada FORTLEV Soluções para Cuidar do Meio Ambiente

Leia mais

01 Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 ODEBRECHT. Projeto Básico de Instalações Hidráulicas. Memorial Descritivo

01 Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 ODEBRECHT. Projeto Básico de Instalações Hidráulicas. Memorial Descritivo Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 N o Revisões Responsável Data Visto MARINHA DO BRASIL ESTALEIRO E BASE NAVAL (CONTRATO 40000/2008-006/00) ODEBRECHT PROJETO GERENCIAMENTO NÚMERO

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Caxias do Sul 2015 1 Sumário 1 REDES DE ÁGUA... 3 1.1 Assentamento

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP.

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP. MEMORIAL DESCRITIVO RECONSTRUÇÃO DO ALBERGUE JUNTO AO PRESIDIO ESTADUAL DE VACARIA RS. VACARIA RS. GENERALIDADES: Este Memorial Descritivo tem a função de propiciar a perfeita compreensão do projeto e

Leia mais

ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - HIDROSSANITÁRIO ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - HIDROSSANITÁRIO GENERALIDADES O presente Memorial Descritivo refere-se a reforma da Escola Municipal de Ensino Fundamental Afonso Guerreiro Lima. OBJETIVO O relatório

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AS OBRAS DE REFORMA DO GINÁSIO POLIESPORTIVO LOIOLA PASSARINHO E CONSTRUÇÃO DO ANEXO.

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AS OBRAS DE REFORMA DO GINÁSIO POLIESPORTIVO LOIOLA PASSARINHO E CONSTRUÇÃO DO ANEXO. SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO CASTANHAL (PA) MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AS OBRAS DE REFORMA DO GINÁSIO POLIESPORTIVO LOIOLA PASSARINHO E CONSTRUÇÃO DO ANEXO. ABRIL/2014 REFORMA

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTO EM EDIFÍCIOS ANTIGOS

EXPERIÊNCIA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTO EM EDIFÍCIOS ANTIGOS EXPERIÊNCIA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTO EM EDIFÍCIOS ANTIGOS Adalberto Cavalcanti Coelho (1) Graduado em Engenharia Civil. Pós-graduado em Recursos Hídricos obtendo o grau de M.Sc pela UFPB,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PARA ÁGUAS PLUVIAIS NBR 10844

DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PARA ÁGUAS PLUVIAIS NBR 10844 ÁREA DE CONTRIBUIÇÃO DADOS PLUVIOMÉTRICOS Localidade: Praça XV Ângulo de inclinação da chuva: θ = 60,0 Tipo: Coberturas s/ extravazamento Período de Retorno: T = 25 anos Intensidade pluviométrica*: i =

Leia mais

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras;

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Vinilfort Localização no Website Tigre: Obra Infra-estrutura Saneamento Esgoto VINILFORT Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Aplicações: Ligações prediais, redes coletoras, interceptores

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O H I D R O S S A N I T Á R I O COREN CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM

Leia mais

Anexo III - Modelo de Proposta- HIDRÁULICO-SANITÁRIO

Anexo III - Modelo de Proposta- HIDRÁULICO-SANITÁRIO Nome Banco: Agência: Conta Corrente: End.: Telefone: CNPJ: Máx. Máx. 74 Acabamento p/ válvula cromado unid 03 25,00 75,00 75 Acessório bastão para toalha (pvc) unid 05 7,40 37,00 76 Acessório cabide inox

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail:

Leia mais

Elementos de Escoamento

Elementos de Escoamento DISCIPLINA: TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II PERÍODO: 6 PROFESSORA: DÉBORA CRISTINA ALMEIDA Elementos de Escoamento André Renato Augusto César Carlos Augusto Eduardo Felipe Ivano Heleno Vicente Neto Ytallo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2 Notas de aula Tabelas, e recomendações. Esgoto Sanitário. Prof. Ms. Gerson Antonio Lisita Lopes Arantes Agosto/2004

Leia mais

PROJETO HIDROSSANITÁRIO

PROJETO HIDROSSANITÁRIO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Ampliação Comercial 1/10. PROJETO HIDROSSANITÁRIO CLIENTE : Rosangela Slomp Obra : Ampliação Comercial Endereço: Rua Dr. Mauricio Cardoso Hamburgo Velho Novo Hamburgo - RS Área

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS036 POÇOS DE VISITA TIPOS 2A e 2B Revisão: 02 Fev/09 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS036 POÇOS DE VISITA TIPOS 2A e 2B Revisão: 02 Fev/09 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...4 2. Referências...4 3. Definições...4 4. Condições para início dos serviços...5 5. Materiais e equipamentos necessários...5 6. Métodos e Procedimentos de Execução...5

Leia mais

MOS - Comunicado de Alteração Nº007

MOS - Comunicado de Alteração Nº007 MOS - Comunicado de Alteração Nº007. Novas orientações para os itens abaixo relacionados visando a melhoria da qualidade das obras. TUBO DE INSPEÇÃO E LIMPEZA (TIL) TERMINAL DE LIMPEZA (TL) TUBO DE QUEDA

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3.

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3. PROJECTO DA REDE PREDIAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS Memória Descritiva e Justificativa COMUNICAÇÃO PRÉVIA, Mata do Duque 2ª Fase, 58A 59B, Santo Estêvão, Benavente Requerente: Karen Simpson

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Os equipamentos do Kit Chuva atendem as exigências da norma NBR 15527: Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis Requisitos. KIT CHUVA RAINUS

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS MEMORIAL DESCRITIVO I N S T A L A Ç Õ E S H I D R O - S A N I T Á R I A S EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS AC. CERES ENDEREÇO: AV. PRESIDENTE VARGAS, Nº220, CENTRO, CERES - GO. Página 1 de 8

Leia mais

RESTAURANTE POPULAR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE ÁGUA QUENTE

RESTAURANTE POPULAR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE ÁGUA QUENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO RESTAURANTE POPULAR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE ÁGUA QUENTE SINOP MT 1. Projeto As instalações de água quente foram projetadas e executadas de

Leia mais

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Introdução As instalações prediais constituem subsistemas que devem ser integrados ao sistema construtivo proposto pela

Leia mais

Rev. Modificação Data Autor. Especialidades: Autores do Documento: CAU/CREA UF Matrícula Rubrica. José Flávio Azevedo dos Santos 25.459/D PE 13.

Rev. Modificação Data Autor. Especialidades: Autores do Documento: CAU/CREA UF Matrícula Rubrica. José Flávio Azevedo dos Santos 25.459/D PE 13. 00 EMISSÃO INICIAL DEZ/2012 1 Rev. Modificação Data Autor Especialidades: Autores do Documento: CAU/CREA UF Matrícula Rubrica 1 - Sistema Hidrossanitário e Combate a Incêndio José Flávio Azevedo dos Santos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP INSTALAÇÃO HIDRÁULICA 1. INTRODUÇÃO As instalações de água fria devem atender

Leia mais

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário e) Órgãos acessórios: Dispositivos fixos e não mecanizados destinados a facilitar a inspeção e limpeza dos coletores, construídos em pontos

Leia mais

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE 1 OBJETIVO Esta Norma fixa as condições exigíveis para a indicação

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Disciplina ECV5317 Instalações I INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS Prof. Enedir Ghisi, PhD Eloir Carlos Gugel, Eng. Civil Florianópolis,

Leia mais

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: Autor do Projeto Resp. Técnico: Co-Autor: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO: 200_PB.HS.AF.ET-300000

Leia mais

DECRETO N 5.631, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1980 (Com as alterações do Dec. 18.328, de 18/06/97)

DECRETO N 5.631, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1980 (Com as alterações do Dec. 18.328, de 18/06/97) DECRETO N 5.631, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1980 (Com as alterações do Dec. 18.328, de 18/06/97) Aprova o novo Regulamento para Instalações Prediais de Esgotos Sanitários no Distrito Federal, que com este baixa,

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DOS PROJETOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, SANITÁRIAS E PLUVIAL MERCADO PÚBLICO DO SÃO JOAQUIM TERESINA PI AGOSTO/2014 IDENTIFICAÇÃO Obra: Mercado do São Joaquim Endereço: Bairro São

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL NO VIADUTO DO LOUREIRO

INSTALAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL NO VIADUTO DO LOUREIRO INSTALAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL NO VIADUTO DO LOUREIRO Manuel Lorena 1 1 COBA, Consultores de Engenharia e Ambiente, Serviço de Vias de Comunicação, Núcleo Rodoviário Av. 5 de Outubro

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas da ABNT e Dec. 9369/88

Leia mais

Unidade: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA e de ÁGUA QUENTE. Unidade I:

Unidade: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA e de ÁGUA QUENTE. Unidade I: Unidade: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA e de ÁGUA QUENTE Unidade I: 0 Unidade: Instalações Prediais De Água Fria E De Água Quente 1 - INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA 1 1.1 Terminologia Abastecimento:

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. SISTEMAS PÚBLICOS DE ESGOTOS Os sistemas públicos de coleta, transporte e disposição de esgotos existem desde as primeiras civilizações conhecidas (assírios,

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma de Prédio Delegacia CRA Proprietário: Conselho Regional de administração Endereço: Av. Presidente Getulio Vargas, N 2.923 Área: 110,00 m² 1.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇADOR SECRETARIA MUNICPAL DE EDUCAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇADOR SECRETARIA MUNICPAL DE EDUCAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: REFORMA DA ESCOLA ALCIDES TOMBINI LOCALIZAÇÃO: Rua Augusto Driessen Bairro: Sorgatto 1. DEMOLIÇÕES Todas as paredes internas dos banheiros deverão ser demolidas. Todo o revestimento

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS HIDRAULICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO (EEE)

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS HIDRAULICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO (EEE) SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS HIDRAULICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO (EEE) Página: 2 de 7 1. PROJETO DA EEE O projeto da EEE deverá ser executado

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO

HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO Antonio Marozzi Righetto 1. Hidráulica é o ramo da ciência que trata das condições físicas da água em condições de repouso e em movimento. 2. Um volume de água aprisionado em um

Leia mais

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS Hidr ulica Residencial A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS 1 kgf/cm² = 10 m.c.a 1 MPa = 10 kgf/cm² = 100 m.c.a. 1 kgf/cm² = 14,223355 lb/pol² Etapas a serem executadas a de alvenaria, as instalações hidráulicas

Leia mais

III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Instalador Hidráulico Residencial CBO 7241-15 COD-SGE 014.395 MODALIDADE Qualificação Profissional Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 220 horas ITINERÁRIO Regional

Leia mais

ENG 350 Instalações Hidráulico-Sanitárias

ENG 350 Instalações Hidráulico-Sanitárias Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola ENG 350 Instalações Hidráulico-Sanitárias Cecília de Fátima e Souza Profª. Departamento de Engenharia Agrícola

Leia mais

Instalações Hidráulicas e

Instalações Hidráulicas e UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO DEA 07778 Instalações Hidráulicas e Sanitárias ias Prediais Curso: Engenharia Civil Prof. Diogo Costa Buarque diogo.buarque@gmail.com g CONTEÚDO PROGRAMÁTICO o UNIDADE

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO Qualidade Confiança Tradição Inovação Tecnologia ÍNDICE Por que a TIGRE escolheu o Sistema Aquatherm para o Brasil? 05 Características técnicas 06 Instruções de instalação

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DATA agosto/2013 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.2 74209/001 Aquisição e assentamento de placas de obra em aço galvanizado. Abrigo Provisorio de madeira executado na obra para m² 6,00 157,35 944,10 1.3 01520.8.1.1

Leia mais

MANUAL DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS. Normas e apresentação de projetos hidrossanitários

MANUAL DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS. Normas e apresentação de projetos hidrossanitários MANUAL DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS Normas e apresentação de projetos hidrossanitários Abril de 2014 APRESENTAÇÃO A cidade de Unaí está em constante desenvolvimento, acompanhado, consequentemente, pelo

Leia mais

QUI-BIO. Laboratório de Química e Biologia PROGRAMA ENSINO MÉDIO INTEGRAL ENSINO INTEGRAL 2014 MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA

QUI-BIO. Laboratório de Química e Biologia PROGRAMA ENSINO MÉDIO INTEGRAL ENSINO INTEGRAL 2014 MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA 1/11 MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA INTRODUÇÃO A escolha das salas a serem adequadas para o Laboratório de Química e Biologia, para a Sala de Preparo e para o Laboratório de Matemática e Física deverá

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO NOME: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACIQUE DOBLE-RS IDENTIFICAÇÃO DA OBRA: QUADRA POLIESPORTIVA COBERTA

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO NOME: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACIQUE DOBLE-RS IDENTIFICAÇÃO DA OBRA: QUADRA POLIESPORTIVA COBERTA MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO NOME: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACIQUE DOBLE-RS IDENTIFICAÇÃO DA OBRA: QUADRA POLIESPORTIVA COBERTA DESCRIÇÃO:O presente memorial descritivo especifica e determina os trabalhos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO.

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO. DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO. Obra : EMBRAPA, Monte Alegre do Sul. Referente: Ao contrato n.ocs-spm n 085/2008. Assunto: Projeto de construção de tanques e respectivo sistema hidráulico. I Dados do projeto,

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II 1 O PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES PARA O ELETRICISTA

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. ÁGUA FRIA PERDA DE CARGA Existem varias fórmulas e ábacos correspondentes que traduzem a dependência entre as grandezas Q,

Leia mais

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Prof. Ms. José Benedito Gianelli Filho Nesta Unidade da Disciplina, tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nas instalações

Leia mais

ÁGUA (COMO OBTER A LIGAÇÃO) INSTRUÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DO PADRÃO DE DIÂMETRO

ÁGUA (COMO OBTER A LIGAÇÃO) INSTRUÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DO PADRÃO DE DIÂMETRO DICAS COMO REDUZIR O GASTO DESNECESSÁRIO DE ÁGUA TORNEIRAS Ao lavar as mãos, feche a torneira na hora de ensaboá-las. Ao escovar os dentes ou fazer a barba, faça o mesmo. Só volte a abrir a torneira na

Leia mais

Escoamento. Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta

Escoamento. Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta Schlüter -KERDI-DRAIN Escoamento 8.2 Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta Aplicação e funcionamento Schlüter -KERDI-DRAIN é um sistema de escoamento de águas no solo destinado

Leia mais

NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) DADOS DA INSPEÇÃO Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO OBRA: CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Sobral. ENDEREÇO: Rua Sem Denominação Oficial

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof: Helano Abreu hasantos@sfiec.org.br www.profhelanoabreu.wordpress.com 1 Leitura e Interpretação de Projetos PROJETO HIDRÁULICO 2 1. PROJETO

Leia mais

ÍNDICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA

ÍNDICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA ÍNICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA Características da Linha Vinilfort Itens da Linha Vinilfort Características da Linha Vinilfort Ultra Itens da Linha Vinilfort Ultra Instruções Gerais Tabelas de Perda

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais