INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber."

Transcrição

1 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

2 ÁGUA FRIA

3 PERDA DE CARGA Existem varias fórmulas e ábacos correspondentes que traduzem a dependência entre as grandezas Q, d, v e J, introduzindo coeficientes ou fatores empíricos que levam em conta a qualidade do material, a rugosidade do equipamento ou o tipo do revestimento interno. 1ª Opção: Fórmulas; 2º Opção: Ábacos

4 PERDA DE CARGA 1ª Opção: Fórmulas: Indicada pela norma NBR 5626 (Fórmula de Fair- Whipple-Hsiao). Q 0,532 27,113J D 2,596

5 PERDA DE CARGA Perda de Carga = (Comp. Desenvolvido + Comp. Equivalente) x J

6 PERDA DE CARGA 2ª Opção: Ábacos: Ábaco de Companhia Hansen Industrial.

7

8 DIMENSIONAMENTO DA BOMBA DE RECALQUE 0,50 RS R.G. R.G. 0,50 0,50 Lrec Valv. Retenção 2,83 R.G. R.G. 2,00 Junta flexível R.G. R.G. 2,00 Junta flexível Bomba União Valv. pé e crivo Bomba União R.G. R.G. 0,40 RI Valv. pé e crivo 1,00 1,00

9 CANALIZAÇÃO DE RECALQUE Utiliza-se a fórmula de Forchheimer, considerando C = 1,3 para determinar o diâmetro: rec 1,3. 4 x. Q onde : rec = Diâmetro da tubulação, (m),. x = n. de horas trabalhadas/24. Q = vazão, (m3/s ).

10 CANALIZAÇÃO DE RECALQUE Para o exemplo dado, calcular os diâmetros das canalizações de recalque e sucção. CD = l / dia Admitindo, a vazão mínima por hora, igual a 15% CD = 1,92, ou seja, 15% CD = 1,92 m³/h. Qr = 5,33x10^-4 m³/s A relação será: X 6, Substituindo os valores, obtém-se: d rec = 0,023 m = adotar 0,025 ou 25 mm 1" d suc = 1 comercial acima = 32mm ou 1 1/4"

11 CÁLCULO DA ALTURA MANOMÉTRICA 1 - Hg = 34,10 m. Hm = Hg + hl suc + hl rec 2 - Sucção (hl suc )- (na situação mais desfavorável) (Tubo 32mm) Comprimento desenvolvido =4.40 m. Comprimentos equivalentes 1 valvula de pé com crivo = 13,30 2 registros de gaveta = joelho 90 = 1,50 2 tê de saída lateral = 6,20 " Comp. Total = 26 m

12 CÁLCULO DA ALTURA MANOMÉTRICA Usando a vazão de do exemplo e fórmula dada pela Norma NBR 5626 Q 0,532 2,596 27,113J D tem-se: J 0,028mca / m hl suc = J x L = 0,028 x 26,0 = 0,73 mca

13 CÁLCULO DA ALTURA MANOMÉTRICA 3 - Recalque (hl rec )- (na situação mais desfavorável) (Tubo 25mm) Comprimento desenvolvido =37,93 m. Comprimentos equivalentes 1 válvula de retenção = 2,70 2 registros de gaveta = 0,40 2 joelhos de 90 = 2,40 2 Tê de passagem lateral = 2,40 2 Tê de passagem bi-lateral = 2, Comp. Total = 48,23 m "

14 CÁLCULO DA ALTURA MANOMÉTRICA Usando a vazão de do exemplo e fórmula dada pela Norma NBR 5626 Q 0,532 2,596 27,113J D tem-se: J 0,094mca / m hl rec = J x L = 0,094 x 48,23 = 4,53 m Hm = Hg + hl suc + hl rec Hm = 34,10 + 0,73 + 4,53 Hm = 39,36 = 40m

15 CÁLCULO DA POTÊNCIA DA BOMBA Usando a vazão de do exemplo e fórmula dada pela Norma NBR QHm 1000x5,33x10 x40 Pot 0, 28cv Bomba a adquirir: Q = 2,0 m³/h Hm = 40,0 m.c.a Pot = 1/2 cv

16 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE, COLUNAS, RAMAIS E SUB-RAMAIS DE DISTRIBUIÇÃO

17 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE, COLUNAS, RAMAIS E SUB-RAMAIS DE DISTRIBUIÇÃO ROTEIRO DE DIMENSIONAMENTO Depende exclusivamente da localização das colunas de distribuição; As colunas devem ser localizada de comum acordo com a equipe envolvida no projeto global do edifício (arquiteto, calculista, elétrica, etc...):

18 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE, COLUNAS, RAMAIS E SUB-RAMAIS DE DISTRIBUIÇÃO ROTEIRO DE DIMENSIONAMENTO A) Determinar para cada trecho a P (tab.2); B) Calcular a vazão nos trechos Q = 0,3 P Essa é a máxima vazão provável, pois nem todos os aparelhos estão em uso simultâneo. Nos casos em que realmente todos os aparelhos funcionam simultaneamente, deve-se dimensionam as canalizações através da soma de razões (Tabela 2); C) Localizar registro os pontos de referência; D) Determine a P para cada trecho e em seguida, as vazões nos respectivos trechos.

19 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE, COLUNAS, RAMAIS E SUB-RAMAIS DE DISTRIBUIÇÃO ROTEIRO DE DIMENSIONAMENTO E) Adotar um J = 0,08 m/m Q d J.real; F) Após estimativa dos diâmetros e verificações de que o caso mais desfavorável é atendido, determinar a altura mínima da água no reservatório (determinar as pressões em todas as derivações). G) Determinar a pressão dinâmica mínima = pressão efetiva), no início de cada seção. Deve-se levar em conta a alimentação do aparelho que apresente a condição mais favorável. (ver pressões de funcionamento das peças de utilização na Tabela 3 e vazões das peças de utilização Tabela 2);

20 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE, COLUNAS, RAMAIS E SUB-RAMAIS DE DISTRIBUIÇÃO Pontos de Utilização Tab.02 - Pontos de utilização - vazões de projetos e pesos relativos Vazão (litro/s) Peso Bebedouro 0,05 0,1 Bica de banheira 0,30 1,0 Bidê 0,10 0,1 Caixa de descarga para peça não aspirante 0,15 0,3 chuveiro 0,20 0,5 Máquina de lavar prato ou roupa 0,30 1,0 Torneira ou misturador de lavatório - Água fria 0,20 0,5 Torneira ou misturador de pia de cozinha - 0,25 0,7 Água fria Torneira de pia de despejos ou de tanque 0,30 1,0 Válvula de descarga para bacia sanitária 1,90 40,0 Válvula de descarga para mictório auto 0,50 2,8 aspirante Válvula de descarga para mictório não aspirante 0,15 0,3

21 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE, COLUNAS, RAMAIS E SUB-RAMAIS DE DISTRIBUIÇÃO Tab.03 - Pontos de utilização - pressões dinâmicas e estáticas Pressão [Kpa] (A) Pontos de Utilização Dinâmica Estática Mín Máx Mín Máx Aquecedor a gás 20 _ Aquecedor elétrico de alta pressão Aquecedor elétrico de baixa pressão Bebedouro Chuveiro de diâmetro nominal Chuveiro de diâmetro nominal Torneira de água fria Torneira de água quente 10 Torneira de bóia para caixa de descarga com diâmetro nominal Torneira de bóia para reservatórios Válvula e descarga de alta pressão (B) (B) (C) 400 Válvula de descarga de baixa pressão 12 _ 20 (C) a-kpa = 10-1 m.c.a. =10-2 kgf/cm 2 b-o fabricante deve especificar a faixa de pressão dinâmica que garanta uma vazão mínima de1,7l/s e máxima de 2,4l/s nas válvulas de descarga de sua fabricação. c-o fabricante deve definir esses valores para a válvula de descarga de sua produção,respeitando as normas específicas.

22 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE. R2 R1!,50 1,60 7,00 2,40 AF1 A 1,45 1,45 1,75 1,55 AF2 2,40 7,00 1,30 C B D 1,30 AF3 AF4

23 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE.

24 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE.

25 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE.

26 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE. PRÉ-DIMENSIONAMENTO DAS CANALIZAÇÕES Adotando J = 0,08 m/m Utilizando a fórmula de Fair - Whipple - Hsiao e planilha eletrônica EXCEL, pode-se estimar rapidamente os valores dos diâmetros das tubulações a serem utilizadas no barrilete. Os valores podem ser conferidos na Tabela a seguir.

27 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE. PERDAS DE CARGA

28 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE. PERDAS DE CARGA

29 DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE. DIMENSIONAMENTO E VERIFICAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DINÂMICO DAS CANALIZAÇÕES DO BARRILETE UTILIZANDO VALORES ENCONTRADOS NO PRÉ- DIMENSIONAMENTO.

30 DIMENSIONAMENTO DAS COLUNAS. O dimensionamento das colunas é realizado em função das vazões nos trechos e dos limites de velocidade (2,5m/s ou 14 ),vide tabela 4,adiante. Uma mesma coluna pode ter 2 ou mais trechos com diâmetros diferentes, porque a vazão de distribuição diminui à medida que se atinge os pavimentos. Af1 Af2 Af3 Af4 BARRILETE ,80 2,80 2,80 2,80 2,80 2,80 2,80 3, TÉRREO

31 DIMENSIONAMENTO DAS COLUNAS. O dimensionamento das colunas é realizado em função das vazões nos trechos e dos limites de velocidade (2,5m/s ou 14 ),vide tabela 4,adiante. Uma mesma coluna pode ter 2 ou mais trechos com diâmetros diferentes, porque a vazão de distribuição diminui à medida que se atinge os pavimentos.

32 DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS E SUB-RAMAIS.

33 DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS E SUB-RAMAIS Tab.10 - Diâmetros mínimos dos sub ramais Diâmetro nominal. [mm] (pol) Aquecedor de alta pressão 15 1/2 Aquecedor de baixa pressão 20 3/4 Banheiro 15 1/2 Bebedouro 15 1/2 Bidê 15 1/2 Caixa de descarga 15 1/2 Chuveiro 15 1/2 Filtro de pressão 15 1/2 Lavatório 15 1/2 Máquina de lavar roupa ou prato 20 3/4 Mictório auto aspirante 25 1 Mictório não aspirante 15 1/2 Pia de cozinha 15 1/2 Tanque de despejo ou de lavar roupa Ponto de Utilização 3/4 Válvula de descarga 32(A). 11/4 a- Quando a pressão estática de alimentação for inferior a 30 kpa (3 m H2O ), recomenda-se instalar a válvula de descarga em sub-ramal com diâmetro nominal de (11/2 ).

34 DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS E SUB-RAMAIS Af4 0,30. 0,20 Ch R.G. 1,60 1,00 R.P. A 0,30 0,70 0,60 0,70 Lv B C 0,50 V.S. Bd 0,40

35 DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS E SUB-RAMAIS.

36 DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS E SUB-RAMAIS.

37 DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS E SUB-RAMAIS.

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO Vazão Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser transportado que atravessa uma determinada seção (tubo, calha, etc) na unidade de tempo. No sistema

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE Norma NBR 7198 (ABNT,1998) Projeto e execução de instalações prediais deágua quente. Condições

Leia mais

PCC-465 SISTEMAS PREDIAIS I. Sistemas Prediais de Suprimento de Água Quente

PCC-465 SISTEMAS PREDIAIS I. Sistemas Prediais de Suprimento de Água Quente PCC-465 SISTEMAS PREDIAIS I Sistemas Prediais de Suprimento de Água Quente Sistemas Prediais de Suprimento de Água Quente Classificação dos Sistemas Sistema Individual; - Chuveiros Elétricos - Centralizados:

Leia mais

Unidade: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA e de ÁGUA QUENTE. Unidade I:

Unidade: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA e de ÁGUA QUENTE. Unidade I: Unidade: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA e de ÁGUA QUENTE Unidade I: 0 Unidade: Instalações Prediais De Água Fria E De Água Quente 1 - INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA 1 1.1 Terminologia Abastecimento:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - EM - UFOP CAT-106 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS LISTA DE EXERCÍCIOS 2015

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - EM - UFOP CAT-106 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS LISTA DE EXERCÍCIOS 2015 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - EM - UFOP CAT-106 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS LISTA DE EXERCÍCIOS 2015 Obs.: Descrever passos da solução, identificando expressões e grandezas envolvidas, indicar valores

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO Vazão Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser transportado que atravessa uma determinada seção (tubo, calha, etc) na unidade de tempo. No sistema

Leia mais

NOÇÕES DE HIDRÁULICA. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

NOÇÕES DE HIDRÁULICA. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho NOÇÕES DE HIDRÁULICA Tratamento da água Medição da água Medição da água PLANTA VISTA FRONTAL CORTE Dimensões da Caixa de Hidrômetro Tipos de Abastecimento Abastecimento direto Tipos de Abastecimento Abastecimento

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof: Helano Abreu hasantos@sfiec.org.br www.profhelanoabreu.wordpress.com 1 Leitura e Interpretação de Projetos PROJETO HIDRÁULICO 2 1. PROJETO

Leia mais

NOTAS DE AULA INSTALAÇÃO HIDRÁULICA ÁGUA FRIA

NOTAS DE AULA INSTALAÇÃO HIDRÁULICA ÁGUA FRIA Organizadora - Profa: Dib Gebara NOTAS DE AULA INSTALAÇÃO HIDRÁULICA ÁGUA FRIA INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E SANITÁRIAS I - NOÇÕES GERAIS DE INSTALAÇÕES PREDIAIS Instalações no contexto geral das disciplinas.

Leia mais

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez 1. água 1.1 água fria 1.1.1 Cozinha 1.1.1.1 Interface placa cimentícia 1.1.2 Lavanderia 1.1.2.1 Interface placa

Leia mais

5. Cálculo da Perda de Carga (hf) e da Pressão dinâmica (Pd)

5. Cálculo da Perda de Carga (hf) e da Pressão dinâmica (Pd) AULA 4 para ter acesso às tabelas e ábacos de cálculo 5. Cálculo da Perda de Carga (hf) e da Pressão dinâmica (Pd) Cálculo da Perda de Carga - Exemplo Calcular a perda de carga do trecho

Leia mais

Dimensionamento das Instalações de Água Fria

Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento é o ato de determinar dimensões e grandezas. As instalações de água fria devem ser projetadas e construídas de modo a: - Garantir o fornecimento

Leia mais

7. Conceito de Barrilete e Dimensionamento das Colunas de Água-Fria e do Barrilete

7. Conceito de Barrilete e Dimensionamento das Colunas de Água-Fria e do Barrilete AULA 8 7. Conceito de Barrilete e Dimensionamento das Colunas de Água-Fria e do Barrilete Além do sistema ramificado utilizado em residências, existe o sistema unificado que usa um Barrilete de distribuição.

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Disciplina ECV5317 Instalações I INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA, PhD Florianópolis, Março de 2004 2 Sumário 1. Instalações Prediais

Leia mais

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Introdução As instalações prediais constituem subsistemas que devem ser integrados ao sistema construtivo proposto pela

Leia mais

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica Dimensionamento Dimensionamento Área Coletora e Kit Instalação Aquecimento Auxiliar Tubulação Objetivos: 1 - Dimensionar área coletora e kit instalação 2 - Dimensionar aquecimento auxiliar 3 - Dimensionar

Leia mais

RESTAURANTE POPULAR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE ÁGUA QUENTE

RESTAURANTE POPULAR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE ÁGUA QUENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO RESTAURANTE POPULAR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE ÁGUA QUENTE SINOP MT 1. Projeto As instalações de água quente foram projetadas e executadas de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Artes e Arquitetura Escola Profº. Edgar A. Graeff SHAU I

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Artes e Arquitetura Escola Profº. Edgar A. Graeff SHAU I UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Artes e Arquitetura Escola Profº. Edgar A. Graeff SHAU I SISTEMAS HIDRO-SANITÁRIOS NA ARQUITETURA E URBANISMO Notas de aula Tabelas, ábacos e recomendações.

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS. TARSO LUÍS CAVAZZANA Engenheiro Civil, Mestre em Recursos Hídricos e Tecnologias Ambientais, MBA em Gestão Empresarial

INSTALAÇÕES PREDIAIS. TARSO LUÍS CAVAZZANA Engenheiro Civil, Mestre em Recursos Hídricos e Tecnologias Ambientais, MBA em Gestão Empresarial INSTALAÇÕES PREDIAIS TARSO LUÍS CAVAZZANA Engenheiro Civil, Mestre em Recursos Hídricos e Tecnologias Ambientais, MBA em Gestão Empresarial tarsocavazzana@yahoo.com.br Plano de ensino CARGA HORÁRIA SEMANAL:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA Prof. Adolar Ricardo Bohn - M. Sc. 1 APRESENTAÇÃO A presente apostila faz parte

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II TIPOS Água Fria Esgoto Águas Pluviais Água Quente Incêndio

Leia mais

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas SET 1993 NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003 - Caixa Postal 1680

Leia mais

PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI

PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI Contratante: SESI - FIEB Localização: Unidade SESI Simões Filho BA. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS Memorial Descritivo

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE

SISTEMAS PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE SISTEMAS PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE PROFESSOR: ELIETE DE PINHO ARAUJO PLANO DE AULA Ementa: Aplicação dos conhecimentos teóricos adquiridos durante o curso, por meio da realização de projetos individuais

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELA- BORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistema de instalações

Leia mais

Abastecimento de água e drenagem de águas residuais

Abastecimento de água e drenagem de águas residuais Redes e Instalações 1 Abastecimento de água e drenagem de águas residuais Filipa Ferreira Índice da apresentação 2 Introdução Regulamentação Distribuição de água Drenagem de águas residuais Aspectos gerais

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE III - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE III - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE III - Teoria) Projeto Hidráulico TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO CONCEITOS INICIAIS

Leia mais

Instalações Prediais de Água Fria

Instalações Prediais de Água Fria Unidade 2 Instalações Prediais de Água Fria As instalações prediais de água fria devem ser projetadas de modo que, durante a vida útil do edifício que as contém, atendam aos seguintes requisitos: a) Preservar

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS

INSTALAÇÕES PREDIAIS INSTALAÇÕES PREDIAIS Prof. Marco Pádua ÁGUA FRIA As instalações prediais de água fria são o conjunto de tubulações, conexões, peças, aparelhos sanitários e acessórios, que permitem levar a água da rede

Leia mais

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente Primeira edição

Leia mais

DEA 07778 Instalações Hidráulicas e Sanitárias

DEA 07778 Instalações Hidráulicas e Sanitárias UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO DEA 07778 Instalações Hidráulicas e Sanitárias Prediais Curso: Engenharia Civil Prof. Diogo Costa Buarque diogo.buarque@gmail.com 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO

Leia mais

WORKSHOP SBCS SISTEMAS DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE ÁGUA

WORKSHOP SBCS SISTEMAS DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE ÁGUA WORKSHOP SBCS SISTEMAS DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE ÁGUA Sistemas Hidráulicos Prediais e a Medição Individualizada SISTEMAS DO EDIFÍCIO SUBSISTEMAS DO EDIFÍCIO 1 - Estrutura 2 - Envoltória externa 3 -

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS. Introdução

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS. Introdução MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS Introdução O presente projeto pretende dimensionar e posicionar na edificação toda rede hidrossanitária. Estas instalações devem ser realizadas de acordo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014 5 DIMENSIONAMENTO Versão 2014 Data: Março / 2014 5.1. Parâmetros para o dimensionamento... 5.3 5.1.1. Escolha de parâmetros... 5.3 5.1.2. Tipologia construtiva da instalação predial... 5.3 5.1.3. Pressão

Leia mais

Prepare o local para a instalação

Prepare o local para a instalação Em uma época em que a economia de energia é algo importante para todos, ter um aquecedor de água a gás é mais do que uma questão de conforto, é algo que beneficia seu bolso e contribui com a sociedade.

Leia mais

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 15 Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Vamos dimensionar as tubulações do sistema de esgoto abaixo: 1. Análise do projeto. Temos uma casa com um banheiro, área de serviço e cozinha.

Leia mais

sistema central privado; sistema central coletivo.

sistema central privado; sistema central coletivo. Estrutura Envoltória externa Divisórias de espaços externos Divisórias de espaços internos Fundações Superestrutura Sob o nível n do solo Sobre o nível n do solo Verticais Horizontais Escadas Verticais

Leia mais

Perda de carga. Manuel F. Barral

Perda de carga. Manuel F. Barral Perda de carga Manuel F. Barral 1. Escoamentos em Dutos Sob-Pressão 1.1. Perda de Carga 1.1. Perda de Carga 1.. Perda de Carga Distribuída 1.. Perda de Carga Distribuída Material Rugosidade absoluta ε(mm)

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM TIRADENTES, S/Nº- CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA/AM GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Professor Rafael Tavares HIDRÁULICA ÁGUA FRIA. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Construção UFRJ

Professor Rafael Tavares HIDRÁULICA ÁGUA FRIA. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Construção UFRJ ÁGUA FRIA Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Construção UFRJ ÍNDICE 1. CONCEITOS BÁSICOS... 02 1.1 O Princípio dos Vasos Comunicantes... 02 1.2 Unidades de Medida de Pressão

Leia mais

O DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS Misturadoras e redutoras de pressão

O DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS Misturadoras e redutoras de pressão Parte 1/2 FOCO TÉCNICO O DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS Misturadoras e redutoras de pressão CRITÉRIOS DE CÁLCULO DO CAUDAL DE PROJETO O principal objetivo do dimensionamento de uma rede hídrica é assegurar,

Leia mais

SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO E DE DRENAGEM DE ÁGUAS

SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO E DE DRENAGEM DE ÁGUAS PATOLOGIAS DAS CONSTRUÇÕES REABILITAÇÃO DE INSTALAÇÕES SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO E DE DRENAGEM DE ÁGUAS SISTEMAS PÚBLICOS DISTRIBUIÇÃO Problemas que se levantam com a distribuição intermitente de água Obriga

Leia mais

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS Hidr ulica Residencial A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS 1 kgf/cm² = 10 m.c.a 1 MPa = 10 kgf/cm² = 100 m.c.a. 1 kgf/cm² = 14,223355 lb/pol² Etapas a serem executadas a de alvenaria, as instalações hidráulicas

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 2 Instalações de água quente Generalidades As instalações

Leia mais

FIGURA 63 - a) TUBULAÇÕES DE RETORNO DIRETO b) TUBULAÇÕES DE RETORNO INVERSO

FIGURA 63 - a) TUBULAÇÕES DE RETORNO DIRETO b) TUBULAÇÕES DE RETORNO INVERSO 82 7 DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Os sistemas de distribuição de água podem ser classificados como: - Sem Recirculação: A água flui através do sistema sem reaproveitamento. - Recirculação Aberta: A água é bombeada

Leia mais

Grupo 30.24 - Material hidráulico

Grupo 30.24 - Material hidráulico O catálogo do grupo 30.24 contém as especificações de material hidráulico. Os itens que estão destacados com a mesma coloração significam que possuem a mesma descrição, no entanto, possuem diferentes unidades

Leia mais

Capítulo 5 Bombas. exterior; (exemplos: turbinas, motores hidráulicos, rodas d água);

Capítulo 5 Bombas. exterior; (exemplos: turbinas, motores hidráulicos, rodas d água); Capítulo 5 Bombas 1. Máquinas Hidráulicas trabalham fornecendo, retirando ou modificando a energia do líquido em escoamento; 2. Classificação: 2.1 Máquinas operatrizes introduzem no líquido a energia externa;

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006 TÍTULO INSTLÇÕES HIDRÁULICS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Projeto. Instalação. Hidráulica. INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 PROVÇÃO PROCESSO PR 009866/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

ε, sendo ε a rugosidade absoluta das

ε, sendo ε a rugosidade absoluta das DETERMINAÇÃO DAS PERDAS DE CARGA No projeto de uma instalação de bombeamento e da rede de distribuição de água de um prédio, é imprescindível calcular-se a energia que o líquido irá despender para escoar

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

ENG 350 Instalações Hidráulico-Sanitárias

ENG 350 Instalações Hidráulico-Sanitárias Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola ENG 350 Instalações Hidráulico-Sanitárias Cecília de Fátima e Souza Profª. Departamento de Engenharia Agrícola

Leia mais

ÁGUA FRIA CONSIDERAÇÕES GERAIS

ÁGUA FRIA CONSIDERAÇÕES GERAIS Parte I Instalações Hidráulicas Prediais 22 1 ÁGUA FRIA CONSIDERAÇÕES GERAIS Uma instalação predial de água fria (temperatura ambiente) constitui-se no conjunto de tubulações, equipamentos, reservatórios

Leia mais

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que 1.7 Perda de carga localizada (h L ) Borda-Belanger formulou que h L K l V 2 2g onde k L é um coeficiente de perda de carga localizada que é função do número de Reynolds e da geometria da peça. É obtido

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA Profº. Marco Antônio Penalva Reali Engº. Rodrigo Braga Moruzzi Eng

Leia mais

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2 Notas de aula Tabelas, e recomendações. Esgoto Sanitário. Prof. Ms. Gerson Antonio Lisita Lopes Arantes Agosto/2004

Leia mais

Tipo: joelho 45º PVC soldável, diâmetros 50, 32 e 25 mm. Fabricação: Tigre, Amanco ou equivalente. Aplicação: na mudança de direção das tubulações.

Tipo: joelho 45º PVC soldável, diâmetros 50, 32 e 25 mm. Fabricação: Tigre, Amanco ou equivalente. Aplicação: na mudança de direção das tubulações. ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 05.01.000 ÁGUA FRIA 05.01.200 Tubulações e Conexões de PVC Rígido 05.01.201 Tubo Tipo: tubo PVC rígido soldável, classe 15, diâmetros 85, 60, 50, 32 e 25 mm. Aplicação: nas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp.

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. www.viptec.com.br Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. Contato: (47) 3349-7979 E-mails: moaciroj@gmail.com (Orkut) moaciroj@univali.br moaciroj@hotmail.com (Facebook) moacir@viptec.com.br @Eng_Moacir (Twitter)

Leia mais

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Fria (Parte 2)

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Fria (Parte 2) Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Fria (Parte 2) Critérios para Dimensionamento Consumo máximo possível das Tubulações Este critério se baseia na hipótese do uso simultâneo de todas as peças de utilização

Leia mais

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO 1. GENERALIDADES O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf )

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) N = 33 pessoas C = 130 litros (tab.1) T = 0,83 (tab. 2 - volume entre 3001 a 4500 ) K = 94 (tab. 3 limpeza anual e t 10 ) Lf = 1

Leia mais

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho.

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho. AULA 11 SISTEMA PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 1. Conceito e classificação O sistema de água quente em um edificação é totalmente separado do sistema de água-fria. A água quente deve chegar em todos os pontos

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS HC1 PISO TÉRREO ALA B - HEMODINÂMICA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA MARÍLIA SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng. Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio

Leia mais

SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR

SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR Manual do Proprietário Utilização e Instalação S A Desd e1 94 6 BO MB AS EF ILTR OS - Consumidores - Representantes - Revendedores Serviço de Atendimento ao Consumidor Tel.:

Leia mais

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO Qualidade Confiança Tradição Inovação Tecnologia ÍNDICE Por que a TIGRE escolheu o Sistema Aquatherm para o Brasil? 05 Características técnicas 06 Instruções de instalação

Leia mais

MEMORIAL HIDROSSANITÁRIO CENTRO VOCACIONAL TECNOLÓGICO RIO PARDO/RS

MEMORIAL HIDROSSANITÁRIO CENTRO VOCACIONAL TECNOLÓGICO RIO PARDO/RS MEMORIAL HIDROSSANITÁRIO CENTRO VOCACIONAL TECNOLÓGICO RIO PARDO/RS 1 - INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1 - Obra: Construção do Centro Vocacional Tecnológico de Rio Pardo. 1.2 - Localização: BR-471, Km 143

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACABAMENTOS

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACABAMENTOS Condomínio La Galerie Vila Madalena Rua Ourânia, 100 MEMORIAL DESCRITIVO DE ACABAMENTOS 06/12/04 R06 1 CONDOMÍNIO La Galerie Vila Madalena Rua Ourânia, 100 MEMORIAL DESCRITIVO A. EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS

Leia mais

Substituição de tubos de aço galvanizado por tubos de cobre em um Sistema Hidráulico Preventivo de uma edificação

Substituição de tubos de aço galvanizado por tubos de cobre em um Sistema Hidráulico Preventivo de uma edificação Substituição de tubos de aço galvanizado por tubos de cobre em um Sistema Hidráulico Preventivo de uma edificação Resumo Luiz Henrique Back(1), Nestor Back(2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo

Leia mais

AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS E BOMBAS PRESSURIZADORAS

AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS E BOMBAS PRESSURIZADORAS AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS E BOMBAS PRESSURIZADORAS ESTRUTURA COMPLETA PELO BRASIL SOLUÇÃO PARA O SEU PROJETO A Komeco possui soluções para sistemas de aquecimento de água a gás especializados para a sua

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Universidade Federal de Goiás Escola de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil 4º ANO SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. MSc. Ricardo Prado Abreu Reis Setembro - 2007 CV VP CV VP Cob. 7 1

Leia mais

PLANILHA DE CÁLCULO DE VAZÕES, DIÂMETROS DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA RAMAL - PRUMADAS - LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO E BARRILETE

PLANILHA DE CÁLCULO DE VAZÕES, DIÂMETROS DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA RAMAL - PRUMADAS - LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO E BARRILETE RAMAL - S - LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO E BARRILETE LINHA 1 EXTENSÃO ( m ) VAZÃO ALTURA PRESSÃO PRESSÃO SANITÁRIO UNIT. QUANT. ACUMUL. ACUMUL. ( l / s ) GEOMET. DISPONÍVEL UNIT. JUSANTE B-1 bacia sanitária

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO HIDRÁULICO

MEMORIAL DESCRITIVO HIDRÁULICO MEMORIAL DESCRITIVO HIDRÁULICO 1 MEMORIAL DESCRITIVO Obra Serviço: Centro de Parto Normal - Maternidade Santa Mônica - Uncisal Local: Avenida Comendador Leão, 1.001 - Poço - Alagoas Área de Construção:

Leia mais

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp.

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. www.viptec.com.br Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. Contato: (47) 3349-7979 E-mails: moaciroj@gmail.com (Orkut) moaciroj@univali.br moaciroj@hotmail.com (Facebook) moacir@viptec.com.br @Eng_Moacir (Twitter)

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTO EM EDIFÍCIOS ANTIGOS

EXPERIÊNCIA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTO EM EDIFÍCIOS ANTIGOS EXPERIÊNCIA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTO EM EDIFÍCIOS ANTIGOS Adalberto Cavalcanti Coelho (1) Graduado em Engenharia Civil. Pós-graduado em Recursos Hídricos obtendo o grau de M.Sc pela UFPB,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DE ADUTORAS OU LINHAS DE RECALQUE

DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DE ADUTORAS OU LINHAS DE RECALQUE UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof. Raimundo Nonato Távora Costa DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DE ADUTORAS OU LINHAS DE RECALQUE 01. INTRODUÇÃO:

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail:

Leia mais

SISTEMA DE VÁCUO NA SEÇÃO DE FORMAÇÃO DA FOLHA DE PAPEL

SISTEMA DE VÁCUO NA SEÇÃO DE FORMAÇÃO DA FOLHA DE PAPEL SISTEMA DE VÁCUO NA SEÇÃO DE FORMAÇÃO DA FOLHA DE PAPEL Autores*: Cesar de Araujo Góss Filho 1 Gustavo André Leitis 2 INTRODUÇÃO A seção de formação da folha de uma máquina de papel é onde aproximadamente

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DADOS PARA PROJETO

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DADOS PARA PROJETO 1 INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DADOS PARA PROJETO 1. Consumo Predial Para fins de cálculo do consumo diário, não havendo outras indicações, deve-se considerar as seguintes taxas de consumo (extraído

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3.

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3. PROJECTO DA REDE PREDIAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS Memória Descritiva e Justificativa COMUNICAÇÃO PRÉVIA, Mata do Duque 2ª Fase, 58A 59B, Santo Estêvão, Benavente Requerente: Karen Simpson

Leia mais

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Prof. Ms. José Benedito Gianelli Filho Nesta Unidade da Disciplina, tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nas instalações

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

01 Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 ODEBRECHT. Projeto Básico de Instalações Hidráulicas. Memorial Descritivo

01 Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 ODEBRECHT. Projeto Básico de Instalações Hidráulicas. Memorial Descritivo Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 N o Revisões Responsável Data Visto MARINHA DO BRASIL ESTALEIRO E BASE NAVAL (CONTRATO 40000/2008-006/00) ODEBRECHT PROJETO GERENCIAMENTO NÚMERO

Leia mais

Medição individualizada em prédios de apartamentos.

Medição individualizada em prédios de apartamentos. Medição individualizada em prédios de apartamentos. 24-1 Capítulo 24-Medição individualizada em prédios de apartamentos. 24.1 Introdução Guarulhos foi o local onde foram feitas as primeiras experiências

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO OBRA: CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Sobral. ENDEREÇO: Rua Sem Denominação Oficial

Leia mais

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 075

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 075 USO RACIONAL DA ÁGUA: AVALIAÇÃO DE IMPACTOS NOS SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIOS ATRAVÉS DE METODOLOGIA RACIONAL PARA CONCEPÇÃO, PROJETO E DIMENSIONAMENTO Daniel C. Santos (1) Eng. Civil, Professor

Leia mais

Exercícios de FTC Prof.: Doalcey Antunes Ramos

Exercícios de FTC Prof.: Doalcey Antunes Ramos Exercícios de FTC Prof.: Doalcey Antunes Ramos 1- Numa tubulação escoa hidrogênio (R = 4122m²/s²K). Em uma seção (1), p 1 = 3x10 5 Pa e T 1 = 30 C. Ao longo da tubulação a temperatura mantém-se constante.

Leia mais

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 COORDENAÇÃO DO LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL PROFESSORA: JORDANA MOURA CAETANO GOIÂNIA, GO 2015-1

Leia mais

Cuidados na Instalação

Cuidados na Instalação Cuidados na Instalação Os principais cuidados na instalação referem-se a: Localização da Bomba Fundação/Base Alinhamento Nivelamento/Fixação à Base/Grouting Acoplamento às Tubulações Instalação Final/Partida

Leia mais

Texto Técnico Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Construção Civil

Texto Técnico Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Construção Civil Texto Técnico Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Construção Civil TT/PCC/09 Sistemas Prediais de 01 Água Quente Marina Sangoi de Oliveira Ilha Orestes Marraccini Gonçalves Yukio Kavassaki

Leia mais

01 Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 ODEBRECHT. Projeto Básico de Sist. de Proteção e Comb. Incêndio. Memorial Descritivo

01 Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 ODEBRECHT. Projeto Básico de Sist. de Proteção e Comb. Incêndio. Memorial Descritivo Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 N o Revisões Responsável Data Visto MARINHA DO BRASIL ESTALEIRO E BASE NAVAL (CONTRATO 40000/2008-006/00) ODEBRECHT PROJETO GERENCIAMENTO Projeto

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 24, de 05/03/07 Sistema de Resfriamento

Leia mais

2. Recomendações Gerais... 3 2.1 Prazos e garantia... 3 2.2 Transporte e armazenagem... 3

2. Recomendações Gerais... 3 2.1 Prazos e garantia... 3 2.2 Transporte e armazenagem... 3 Introdução... 2 1. Descrição Geral... 2 2. Recomendações Gerais... 3 2.1 Prazos e garantia... 3 2.2 Transporte e armazenagem... 3 2.3 Instalação... 3 2.4 Manutenção... 5 3. Partes do Aquecedor... 6 3.1

Leia mais

TABELA JOGOS BANHEIRAS. Figura/Desenho Código do Art.º Designação do Artigo un. Preço un. ( ) A501

TABELA JOGOS BANHEIRAS. Figura/Desenho Código do Art.º Designação do Artigo un. Preço un. ( ) A501 JOGO DE BANHEIRA Tipo "Cogumelo" Tipo "Basic" Os modelos de jogos de banheira simples possuem um tampão seguro a uma corrente. O tampão é de borracha e o ralo em aço inox polido. A grelha do ralo pode

Leia mais

Medição individualizada e sistemas prediais de água quente

Medição individualizada e sistemas prediais de água quente Oficina Sistema Predial de Água Quente Medição individualizada e sistemas prediais de água quente Lúcia Helena de Oliveira São Paulo, 09 de dezembro de 2008 Sistema de medição individualizada 14000 12000

Leia mais

1 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E SANITÁRIAS

1 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E SANITÁRIAS MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS PREDIAIS, CAPTAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA, COLETA E TRATAMENTO DO ESGOTO E DRENAGEM DE PÁTIO PARA O COMPLEXO DA SALGADEIRA. Proprietário: Secretaria

Leia mais