POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO PARANÁ. ESTADO-MAIOR - 1 a SEÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO PARANÁ. ESTADO-MAIOR - 1 a SEÇÃO"

Transcrição

1 POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO PARANÁ ESTADO-MAIOR - 1 a SEÇÃO DECRETO n o 4.509, DE 21 OUT O Governador do Estado do Paraná, usando da atribuição que lhe confere o art. 48, item I, da Constituição Estadual, D E C R E T A : Artigo Único. Fica aprovado o REGULAMENTO DO CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO, da Polícia Militar do Estado, que com este baixa. Curitiba, em 21 de outubro de 1961, 140 o da Independência e 73 o da República. NEY BRAGA AFFONSO ALVES DE CAMARGO NETO REGULAMENTO DO CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO RCFA CAPÍTULO I FINALIDADES Art. 1 o O Centro de Formação e Aperfeiçoamento da Polícia Militar do Estado do Paraná, criado pela Lei de 9 de dezembro de e designado neste Regulamento pela abreviatura CFA é instituto destinado a preparar, formar e aperfeiçoar oficiais, sargentos, cabos e soldados para o desempenho de suas funções na Polícia Militar consoante as missões que lhe são conferidas pela legislação vigente. Art. 2 o O Diretor de Ensino em assunto de instrução e de ensino, corresponder-se-á com o Comando Geral por intermédio do Comandante do CFA. Art. 3 o Os processos de seleção, instrução e educação (física, moral, intelectual e profissional) devem ser tais que o acesso ao oficialato e as graduações de sargento ou cabo e a formação de soldado seja somente possível aos que hajam revelado qualidades indispensáveis as missões que terão de desempenhar. CAPÍTULO II COMPOSIÇÃO 1 Redação original

2 2 Art. 4 o O Centro de Formação e Aperfeiçoamento, compor-se-á de: I - QUANTO AO PESSOAL a) Comando 1) - Comandante 2) - Subcomandante 3) - Ajudante 4) - Auxiliar 5) - Secretaria 6) - Tesouraria 7) - Seção de Saúde 8) - Casa das Ordens 9) - Seção de Comando 10) - Seção de Serviço 11) - Protocolo I - Quanto a Direção de Ensino (D.E) 1) - Diretor de Ensino 2) - Sub-Diretor de Ensino 3) - Auxiliar 4) - Corpo Docente 5) - Secretário de Ensino 6) - Setor Psicotécnico 7) - Seção do Pessoal de Ensino 8) - Seção de Meios CAPÍTULO III UNIDADES ESCOLARES 1) - Escola de Aperfeiçoamento (E.A.O.)

3 3 2) - Escola de Oficiais: a) Curso Preparatório (C.P.) b) Curso de Formação de Oficiais (C.F.O.) 3) - Curso de Oficiais de Administração 4) - Ginásio 5) - Escola de Sargentos 6) - Escola de Cabos 7) - Escola de Educação Física 8) - Escola de Soldado 9) - Escola Regimental COMANDO Art. 5 o O Comandante do C.F.A. é um Tenente Coronel com a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, sendo o principal responsável pela administração, ensino e disciplina competindo-lhe além das atribuições de Comandante do Corpo: 1º - Propor ao Comando Geral as medidas necessárias ao bom funcionamento da Unidade; 2º - Matricular nas diversas Escolas os candidatos que tenham satisfeito as exigências regulamentares; 3º - Desligar os alunos na forma deste Regulamento; 4º - Distribuir, para efeito de instrução, mediante proposta do Diretor de Ensino, os professores, os instrutores e auxiliares de instrutor; 5º - Superintender todos os serviços, facilitando, contudo, o livre exercício das funções de seus subordinados para que estes desenvolvam o espírito de iniciativa, indispensável na paz e na guerra e sintam a responsabilidade decorrentes; 6º - Providenciar para que o C.F.A. seja convenientemente orientado para as suas finalidades; 7º - Tomar parte pessoalmente nas formaturas do Centro; 8º - Esforçar-se para que o Centro de Formação e Aperfeiçoamento esteja sempre preparado para a eventualidade de uma mobilização e para as missões que decorrem de sua natureza policial;

4 9º - Imprimir a todos os seus atos, como exemplo, a máxima correção, pontualidade e justiça; 10º - Esforçar-se para que os oficiais sob seu Comando sirvam de exemplo as praças, quer na instrução, quer na educação e disciplina; 11º - Observar cuidadosamente a capacidade, virtude e defeitos dos seus oficiais não só para formar juízo próprio como para prestar com exatidão as informações regulamentares e outras que lhe forem solicitadas; 12º - Louvar em boletim os oficiais e praças, sob seu Comando que se tornarem excepcionalmente dignos dessa menção, esforçando-se para que o elogio não converta em fórmula banal e graciosa e corresponda exatamente aos méritos de cada um; 13º - Retificar em boletim do C.F.A. justificando, qualquer ato dos seus subordinados; 14º - Corresponder-se diretamente com o C.G. e com as autoridades civis e militares locais quando o C.F.A. estiver fora da sede daquele Comando e o assunto não exigir a intervenção de autoridade superior, salvo as restrições regulamentares; 15º - Proibir discussões religiosas ou políticas no interior do quartel de sua Unidade; 16º - Despachar e informar, com presteza, os requerimentos, partes, consultas ou queixas dos seus comandados, mandando arquivar as que não estiverem redigidas em termos ou forem de natureza especiosa, punindo neste caso os seus autores; 17º - Nomear, mediante escalas, as Comissões previstas em regulamentos, as que, julgar indispensáveis ao bom andamento do serviço, e, por livre escolha, as que exigirem aptidões especiais ou dependerem de sua confiança pessoal; 18º - Mandar incluir no Centro, os oficiais e praças nele classificados ou transferidos, designando-lhes as Sub-Unidades em que devem servir; 19º - Velar para que a distribuição dos homens incluídos no Centro, obedeça tanto quanto possível, às necessidades próprias de cada serviço, tendo em vista a aptidão de cada um; 20º - Determinar a transferência de praças dentro do Centro de acordo com as necessidades do serviço; 21º - Proceder as exclusões de oficiais e praças determinadas em boletim do Comando Geral; 22º - Comunicar ao Comandante Geral as alterações em que lhe interessarem, de acordo com as prescrições regulamentares; 4

5 23º - Utilizar no serviço de escrita das repartições do Centro além do pessoal normal, os graduados que forem necessários, sem prejuízo de suas funções ordinárias, sempre que o acúmulo de trabalho o exigir; 24º - Propor o preenchimento de vagas de graduados, de acordo com as prescrições regulamentares; 25º - Punir dentro dos limites regulamentares, os oficiais e praças pelas faltas disciplinares que cometerem; 26º - Conceder às praças sob seu comando, até seis dias de dispensa do serviço, sem prejuízo da escala do C.G.; 27º - Anular, somente dentro de trinta dias, e caso ainda não esteja averbado, qualquer nota disciplinar sua, uma vez que reconheça, posteriormente, ter sido injusto ou ilegal, devendo recorrer ao Comandante Geral, para que faça tal reparação, desde que seja exercido o prazo mencionado ou se tenha verificado a averbação; 28º - Dar suas ordens, sempre que possível, por intermédio do Sub-Comandante; 29º - Publicar em boletim o recebimento do dinheiro destinado as despesas do Centro e ao pagamento do pessoal; 30º - Transferir qualquer artigo em carga, de uma para outra repartição do Centro, de conformidade com as necessidades do serviço; 31º - Providenciar para que seja passado atestado de origem aos elementos do Centro, nos casos de ferimentos, ou doenças adquiridas em ato de serviço ou instrução, de acordo com as prescrições em vigor; 32º - Comunicar diretamente ao Comandante Geral, ao assumir ou deixar o Comando, o recebimento ou entrega de documentos em caráter secreto ou reservado, que estiverem sob a sua responsabilidade; 33º - Remeter ao Comandante Geral, quando lhe for solicitada a demonstração suscinta, acompanhada dos respectivos dados, das necessidades do Centro, a serem satisfeitas no ano seguinte; 34º - Remeter a autoridade imediatamente superior, um relatório anual dos trabalhos executados, das ocorrências e necessidades do Centro. DO SUB-COMANDANTE Art. 6 o O Sub-Comandante, Major com a E.A.O. é o auxiliar e substituto do Comandante e serve-lhe de intermediário na transmissão de ordens, cuja execução fiscaliza, devendo ordenar sempre em nome deste, para que não seja alterada a Unidade de Comando. Art. 7 o Ao Sub-Comandante compete: 5

6 1º - Organizar o boletim de acordo com as ordens do Comandante, providenciando para que dele sejam extraídas as cópias necessárias as repartições do Centro; 2º - Secundar o Comandante, na cuidadosa fiscalização da instrução do pessoal do Centro, comparecendo freqüentemente, aos respectivos exercícios e, providenciando para que sejam fielmente observados os programas e horários estabelecidos; 3º - Informar ao Comandante do C.F.A. sobre as propostas para preenchimento de vagas de graduados nas repartições do Centro; 4º - Na ausência ou impedimento do Comandante, assinar documentos e tomar providências de caráter urgente, privativas das atribuições daquele; 5º - Cientificar ao Comandante, do que houver ocorrido em sua ausência e das providências tomadas; 6º - Fiscalizar todos os serviços e obras das repartições, apresentando a despacho do Comandante os pedidos devidamente visados, quando satisfizerem as exigências legais; 7º - Inspecionar as escriturações das repartições do Centro, certificando-se de sua exatidão; 8º - Providenciar para quer a Unidade, tenha elementos materiais indispensáveis à execução dos programas de instrução e secundar o Comandante, no aparelhamento do Centro para a mobilização; 9º - Mandar escalar o pessoal que tiver de dar serviço no dia seguinte; 10º - Determinar lugar e hora da concentração das Cias. em qualquer formatura da Unidade, cujo Comando assumirá até a chegada do Comandante; 11º - Encaminhar todos os documentos dirigidos ao Comandante, devidamente informados; 12º - Fazer conferir e visar, antes de encaminhar à Tesouraria, todos os papéis de vencimentos do pessoal do Centro; 13º - Mandar afixar na Casa das Ordens, uma relação das residências de todo o pessoal da Unidade; 14º - Mandar afixar nas diversas dependências, quadros com as atribuições dos sargentos e de outros graduados, encarregados dos respectivos serviços; 15º - Fazer na carga do Centro as alterações que forem determinadas pelo Comandante do Centro e Comando Geral. DO AJUDANTE 6

7 Art. 8 o O Ajudante do C.F.A. Capitão com a E.O. é o auxiliar imediato do Sub- Comandante; Cumpre-lhe: 1º - Todo o serviço das ordens; 2º - Administrar, disciplinar e instruir o Corpo de Alunos; 3º - Propor as praças em condições de preencher diversos cargos, depois de ouvidos os chefes de repartições; 4º - Organizar, mensalmente a relação das alterações de pessoal da Unidade, a fim de serem transcritas nos respectivos assentamentos; 5º - Ter uma escala atualizada dos Oficiais do Centro bem assim uma dos serviços do Corpo de Alunos, a fim de poder indicar na ausência do Sub- Comandante, quem deve desempenhar qualquer serviço, comunicando na primeira oportunidade a alteração ocorrida. DO AUXILIAR Art. 9º - O Auxiliar do C.F.A. é um primeiro Tenente com a E.O. cumprindo-lhe secundar o Ajudante observadas as disposições regulamentares. Art DO SECRETÁRIO O Secretário da administração, é um primeiro Tenente responsável pela marcha dos trabalhos da Secretaria. Incumbe-lhe: 1º - Dirigir os trabalhos de correspondência, de arquivo e de registro das alterações do pessoal da Unidade; 2º - Fazer pessoalmente, toda a correspondência de natureza reservada, ou outra que lhe for determinada; 3º - Organizar e manter em dia, sob sua responsabilidade, o arquivo de documentos de caráter sigiloso, que lhe forem entregues pelo Comandante; 4º - Reunir e entregar diretamente ao Sub-Comandante a correspondência oficial recebida pela Unidade; 5º - Trazer em dia, em livro especial, o histórico da Unidade; 6º - Conferir e autenticar as cópias mandadas extrair, por autoridades competentes dos documentos existentes no arquivo; 7º - Fazer manter em dia, e na mais completa ordem, o arquivo da Unidade; 8º - Responder pela carga do material distribuído a Secretaria; 7

8 9º - Fiscalizar, pessoalmente, a expedição da correspondência fazendo registrá-la no protocolo em que será passado o competente recibo; 10º - Ter sob responsabilidade as Fichas de Corretivos de praças da Unidade, providenciando a sua alteração sempre que se fizer necessária. Parágrafo Único - Para o bom andamento do serviço, contará o Secretário com um 2º Tenente auxiliar. DA TESOURARIA Art Ao Tesoureiro, um 2º Tenente Q.A.O. cabe: 1º - Receber do Chefe do Serviço de Fundos os vencimentos dos oficiais e praças do C.F.A. e efetuar o pagamento aos mesmos; 2º - Receber as importâncias relativas a descontos de apostilas escolares, barbearia, engraxataria; 3º - Apresentar mensalmente, um balancete ao Sub-Comandante; 4º - Contabilizar e escriturar todo o movimento da Tesouraria; 5º - Prestar outros serviços que forem julgados necessários tais como: Recebimento de verba especial destinada ao pagamento da gratificação aos instrutores e professores dos Cursos ministrados por este Centro. DA SEÇÃO DE SAÚDE Art A Seção de Saúde, compõem-se de: a) Gabinete médico (a cargo de um Oficial médico); b) Gabinete dentário (a cargo de um Oficial dentista); c) Gabinete de biometria (a cargo de um Oficial de Educação Física). Art Ao Médico e ao Dentista, incumbe assegurar a assistência médica e odontológica a todo o pessoal do C.F.A. na forma regulamentar. Art Ao Oficial de Educação Física compete: a) Inspecionar e selecionar os candidatos aos diversos Cursos do C.F.A.; b) Controlar atentamente todos os alunos na prática de Educação Física, por meio de verificações periódicas previstas no programa geral de ensino. DA CASA DAS ORDENS Art O serviço da Casa das Ordens é chefiado por um Sub-Tenente, auxiliar imediato do Ajudante da Unidade, cumprindo-lhe: 8

9 1º - Ter perfeito conhecimento dos regulamentos, instrução e ordens gerais da Polícia Militar e dos relativos à Unidade; 2º - Coordenar a matéria a ser publicada em boletim da Unidade cuja execução dirige; 3º - Executar os trabalhos afetos a Casa das Ordens e distribuí-los aos seus auxiliares, de acordo com as instruções do Ajudante; 4º - Ter a escala dos sargentos, cabos e corneteiros da Unidade para designar aquele a quem competir o serviço; 5º - Comparecer a todas as formaturas em que deve tomar parte o Ajudante; 6º - Participar ao Ajudante qualquer ordem que lhe for dada diretamente pelas autoridades superiores; 7º - Receber a correspondência e providenciar sobre a distribuição ao C.F.A.; 8º - Zelar pelo material distribuído a Casa das Ordens. Parágrafo Único - Para execução do trabalho da Casa das Ordens, o Sub- Tenente-Chefe, terá um primeiro sargento amanuense, e, como auxiliares os datilógrafos e outras praças empregadas nessa repartição. DA SEÇÃO DE COMANDO Art Ao sargenteante compete: 1º - Fazer a chamada do pessoal sob sua responsabilidade; 2º - Fazer a escala de serviço de respondente; 3º - Providenciar as alterações dos elementos da Unidade; 4º - Trazer o Livro Índice em dia, servindo como controle dos elementos; 5º - Fazer a Limpa das alterações das praças; 6º - Redigir partes e informações; 7º - Trazer em dia o Livro Sei Tudo da Unidade; 8º - Confeccionar as Guias de Socorrimento das praças. DA SEÇÃO DE SERVIÇOS Art Ao Sub-Tenente Chefe da Seção de Serviços, compete: 1º - Manter sob sua responsabilidade o Mapa-carga da Unidade, providenciando as alterações que se fizerem necessárias; 9

10 10 2º - Manter em constante limpeza o armamento e equipamento da Unidade; 3º - Providenciar para que todo serviço de material bélico da furrielação esteja sempre em ordem. DO PROTOCOLO Art Ao cabo protocolista compete: - Receber, registrar e encaminhar as demais Seções, setores ou dependências, os papéis ou processos. II - QUANTO A DIREÇÃO DE ENSINO DO DIRETOR DE ENSINO Art O Diretor de Ensino, Major com a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, será o responsável perante o Comandante do C.F.A. pela regularidade e harmonia do ensino ministrado, competindo-lhe particularmente: 1º) - Orientar e coordenar todo o ensino, de maneira que sejam atingidos os objetivos do Centro; 2º) - Sugerir ao Comandante as medidas de caráter Técnico-administrativo que julgar necessárias a boa marcha do ensino; 3º) - Baixar diretrizes particulares para regular os trabalhos durante o ano letivo; 4º) - Dirigir pessoalmente, os exercícios de que participem, conjuntamente, duas ou mais escolas; 5º) - Propor ao Comandante do C.F.A.: a) Abertura de concurso para o provimento dos cargos de professores e técnicos do C.F.A.; b) A designação ou dispensa de oficiais instrutores e professores civis; c) A distribuição de professores, instrutores e auxiliares de instrutor; d) As datas para a realização dos exames e a designação das comissões examinadoras respectivas; e) O desligamento de alunos que revelarem personalidade ou temperamento incompatível com a função a que se destina; f) O desligamento de alunos cuja conduta, civil ou militar, os incompatibilize com a carreira policial-militar; g) A concessão de prêmios escolares e outras recompensas que estimulem o aproveitamento dos alunos;

11 11 h) A lista tríplice de nomes para escolha do Diretor do Ginásio do C.F.A.. 6º) - EMITIR: a) Em fim de curso, para conhecimento do interessado a remessa ao Estado Maior, em caráter reservado, conceito sobre cada um dos alunos das Escolas de Aperfeiçoamento e Escola de Oficiais ouvidos os instrutores e professores respectivos; b) Parecer sobre questões controversas relativas a interpretação de dispositivos e sobre os casos omissos deste regulamento; 7º) - Encaminhar anualmente, após o encerramento dos Cursos, relatórios sobre o desenvolvimento do ensino, assinalando os resultados obtidos, as falhas verificadas e propondo as modificações julgadas convenientes; 8º) - Assinar com o Comandante da Polícia Militar, Secretário do Interior e Justiça e Comandante do C.F.A. os Diplomas e Certificados de conclusão de Cursos do C.F.A.; 9º) - Encaminhar ao Comandante do C.F.A. proposta de admissão e dispensa de professores; 10º) - Exigir a fiel execução do regime didático; 11º) - Abonar, mensalmente, as faltas dos professores ou instrutores, nos termos que faculta este regulamento; 12º) - Examinar os antecedentes dos candidatos as diferentes Unidades; 13º) - Aplicar as penalidades de sua competência; 14º) - Orientar o serviço de Relações Públicas dos diversos Cursos do C.F.A. além daqueles especificados no R.I.C.F.A.. DO SUB-DIRETOR Art O Sub-Diretor do Ensino é um Capitão com a E.A.O, competindo-lhe substituir o Diretor nas suas ausências ou impedimentos e executar todos os trabalhos que lhe forem atribuídos; CUMPRE-LHE AINDA: 1º) - Fiscalizar a execução, por parte dos professores e instrutores, do regime didático; 2º) - Atender aos alunos em seus pedidos de informações, só os encaminhando ao Diretor de Ensino quando a solução dos casos seja da exclusiva competência deste; 3º) - Manter a disciplina nas diversas dependências das Escolas;

12 4º) - Comunicar ao Diretor de Ensino qualquer fato grave que ocorra e que não seja de sua atribuição resolver. DO AUXILIAR: Art O Auxiliar da Diretoria de Ensino é um 1º Tenente com a E.O. cumprindo-lhe secundar o Sub-Diretor do Ensino observadas as disposições regulamentares. DO CORPO DOCENTE: Art O Corpo Docente é constituído por professores, instrutores, assistentes e monitores dos diferentes cursos do C.F.A. 1º - Como órgão auxiliar disporá o Corpo Docente de um quadro de assistente de ensino constituído de oficiais Subalternos, ou Aspirante Oficial, além de monitores. 2º - Constitui ponto de honra para os professores, instrutores, assistente de ensino e monitores, a profunda penetração das elevadas finalidades do Centro, o que vale dizer - de suas responsabilidades perante a Polícia Militar e o Estado. Art Mediante proposta do Diretor do Ensino, ao Comandante do Centro e desde ao Comando Geral, os professores do C.F.A. serão designados dentre membros do Magistério Oficial, superior ou secundário de ensino devidamente habilitados para ministrar a cadeira respectiva. Art Mediante proposta do Diretor do Ensino o Comandante do C.F.A. designará os instrutores auxiliares de ensino e monitores respectivamente dentre os Oficiais e Aspirantes Oficiais e praças do Centro. Art Durante o período letivo os professores, instrutores, auxiliares de ensino e monitores somente poderão ser afastados de suas funções por motivo plenamente justificado. 1º - Eventualmente, mediante proposta do Diretor de Ensino ao Comandante do Centro e desde ao Comando Geral, poderão ser designados Oficiais do Exército, instrutores nas diferentes Escolas em funcionamento no C.F.A.; 2º - Nenhum oficial instrutor poderá ser designado para cargos em comissão no interior do Estado, enquanto durar o ano letivo. Art Os professores civis pertencentes ao Corpo Docente do C.F.A. merecerão todo respeito equivalente ao posto de Capitão. Art As atribuições do Corpo Docente são regidas pelo artigo 15 do R.I.C.F.A. DO SECRETÁRIO DE ENSINO Art O Secretário de Ensino é um 1º Tenente com a E. O. competindo-lhe: 12

13 13 1º - Preparar o expediente da Diretoria de Ensino; 2º - Organizar os diversos fichários e arquivos da D.E. e mantê-los em dia; 3º - Organizar os processos de matrículas; 4º - Controlar e fiscalizar as faltas dos alunos dos diferentes cursos; 5º - Fornecer elementos para a organização do relatório semestral referente ao ensino; 6º - Controlar a execução dos programas fixados; 7º - Organizar e manter atualizados os mapas gráficos estatísticos relativos ao ensino; 8º - Dirigir os trabalhos de escrituração, registro e fichário de graus de exercícios, provas, testes, trabalhos práticos, etc. distribuindo entre os seus funcionários e expediente; DO SETOR PSICOTÉCNICO Art É o órgão de seleção e orientação de todos quantos ingressem nos diferentes cursos do C.F.A. Art O Setor Psicotécnico estará a cargo de um Oficial Médico Psiquiatra especializado na matéria, de preferência membro do Corpo Docente do C.F.A. e contará com os funcionários oficiais técnicos necessários. Parágrafo Único - Não havendo oficial médico especializado, o Setor Psicotécnico poderá ficar a cargo do médico civil, que satisfaça a exigência do presente artigo. Art Nenhum aluno poderá ser admitido nos diferentes cursos e Escolas do C.F.A. sem ser julgado capaz pelo Setor Psicotécnico. Art Ao Chefe do Setor Psicotécnico, compete: 1º - Sugerir a classificação das praças e alunos nos diversos cursos, segundo o nível e aptidões para efeito de instruções e aproveitamento ulterior nas Unidades da Polícia Militar; 2º - Estudar, em cooperação com os órgãos competentes da Polícia Militar ou estranhos a ela a elaboração de provas especializadas para a determinação da aptidão para as funções policial-militares e especialidades inerentes à Polícia; 3º - Analisar os dados referentes ao ensino no C.F.A. organizar e apresentar estatísticas que permitam orientar o ensino na obtenção e tratamento de medidas educacionais;

14 4º - Fornecer ao Diretor de Ensino todos os elementos necessários à emissão de conceitos dos alunos da E.A.O., E.O. e demais cursos; 5º - Pesquisar as causas do fracasso dos alunos no estudo, anotando os dados que puder recolher, através de sua própria observação e dos professores e instrutores; Parágrafo Único - Os testes organizados e aplicados pelo Setor Psicotécnico do C.F.A. ou Instituições Públicas, serão de caráter reservado. DA SEÇÃO DO PESSOAL DE ENSINO Art O Chefe da Seção do Pessoal de Ensino é um 1º Tenente que exerce a função de Chefe dos Monitores, competindo-lhe: Orientar e fiscalizar os monitores durante a instrução, apontando-lhes as faltas e procurando sanar as deficiências. DA SEÇÃO DE MEIOS Art O Chefe da Seção de Meios, é um 2º Tenente, cumprindo-lhe: 1º - Fiscalizar e orientar a elaboração dos meios auxiliares da instrução; 2º - Atender os serviços de poligrafia, procurando manter sempre em dia o material necessário à elaboração dos meios auxiliares de instrução; 3º - Atualizar e conservar o material já existente; 4º - Zelar pela limpeza e conservação dos locais de ensino. UNIDADES ESCOLARES Art As Unidades Escolares de que trata o presente regulamento comporse-á das diferentes Escolas e Cursos de conformidade com o item II do art. 4º e terão a seguinte duração respectivamente: 1) Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais - 10 meses; 2) Escola de Oficiais - 5 anos; compreendendo: a) Curso Preparatório - 2 anos; b) Curso de Formação de Oficiais - 3 anos. 3) Curso de Oficiais da Administração - 2 anos; 4) Ginásio - 4 anos; 5) Escola de Sargentos - 8 meses; 6) Escola de Cabos - 5 meses; 14

15 15 7) Escola de Educação Física - 1 ano; 8) Escola de Soldado - 6 meses; 9) Escola Regimental - (variável). CAPÍTULO IV PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA FUNCIONAMENTO DO C.F.A. Art O regime normal do funcionamento do C.F.A. é regulado pelo R.I.C.F.A. Art O C.F.A. observará para o ensino militar em suas diferentes escolas, os regulamentos da Polícia Militar estabelecidos no R.I.C.F.A. e nos casos omissos observará os similares do Exército Nacional. Parágrafo Único - Quanto ao ensino policial, legislação civil, militar e administração, observará o que for mandado adotar pelo R.I.C.F.A. na Corporação, baixado por decreto do Poder Executivo. Art A progressão do ensino, os horários e intensidade dos trabalhos teóricos e práticos em cada curso ou escola serão regulados pelo R.I.C.F.A. Art A Escola Regimental funcionará nos moldes do curso primário fundamental, de acordo com os programas elaborados pela Secretaria de Educação e Cultura. Art O Ginásio funcionará dentro dos planos gerais estabelecidos pelo Ministério da Educação e Cultura (M.E.C.) suas leis e regulamentos, bem como do Capítulo de que trata o assunto no presente Regulamento. Art Quanto à organização do ensino, haverá um Regimento Interno e Diretrizes para cada Escola ou Curso, elaborado pelo Diretor de Ensino e sua aplicação definitiva estará subordinada a aprovação do Comandante Geral e baixada em decreto do Poder Executivo denominando-se R.I.C.F.A. CAPÍTULO V PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA FUNCIONAMENTO DO E.A.O. Art A Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (E.A.O.), tem por finalidade, aprimorar a cultura profissional e ampliar a cultura geral dos oficiais da Polícia Militar, habilitando-os para o exercício das funções de Oficial Superior da Corporação. Art Do número de oficiais-alunos fixado pelo Comando Geral, dois terços serão matriculados compulsoriamente e um terço facultativamente, mediante requerimentos dos interessados.

16 1. Concorrem às vagas do CAO os Capitães com interstício mínimo de 2 (dois)anos no posto dos respectivos quadros. 1º - As matrículas compulsórias serão feitas por ordem hierárquica decrescente entre oficiais combatentes superiores e capitães que ainda não possuam este Curso. 2º - As vagas facultativas destinam-se aos oficiais combatentes superiores ou capitães ou ainda aos 1º tenentes, excepcionalmente, quando houver vagas. 3º - Se o número de interessados for maior que o número de vagas, estas serão lotadas mediante concurso a ser realizado conforme instrução do Comando Geral. 4º - Quando os Oficiais Superiores e Capitães não preencherem as vagas, o Comando Geral determinará por boletim que as mesmas sejam preenchidas por 1º tenente, obedecida a ordem de antigüidade. 5º - As matrículas compulsórias só poderão ser adiadas pelo prazo de dois anos, perdendo o direito à matrícula qualquer que não fizer neste prazo. 16 outro. 6º - As vagas não preenchidas por um critério, reverterão em benefício do 7º - Os oficiais matriculados na E.A.O. passarão adidos ao C.F.A.. 8º - Os oficiais que por qualquer eventualidade não possuírem a E.A.O. deverão cumprir a determinação da Lei nº 1.943, de 23 de junho de em seu Artigo 64 para terem acesso ao oficialato superior. 9º - Os oficiais que já atingiram o oficialato superior mas não cumpriram o que dispõe o parágrafo anterior, deverão cumpri-lo para que lhes seja assegurado o direito à promoção ao posto imediato. Art O ensino na E.A.O. será regulado pelo R.I.C.F.A.. PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA O FUNCIONAMENTO DA ESCOLA DE OFICIAIS E CURSO DE OFICIAIS DE ADMINISTRAÇÃO Art A Escola de Oficiais compreende: a) Curso Preparatório (C.P.), destinado a ampliar a cultura geral dos alunos, habilitando-os ao ingresso no Curso de Formação de Oficiais; b) O Curso de Formação de Oficiais destinado a formar oficiais para o desempenho das funções de Tenentes e Capitães. Art O Curso de Oficiais de Administração é destinado à habilitar o candidato a ingressar no oficialato no Quadro de Auxiliar de Oficiais da Polícia Militar, tornando-se apto para o pleno exercício de suas funções, somente como oficial subalterno de administração.

17 Art O C.P. o C.F.O. o C.O.A. serão dirigidos pelo Diretor do Ensino, constituindo-se seu Corpo Docente pela forma estabelecida neste Regulamento. Art O C.P. e C.F.O. funcionarão no C.F.A., sendo que o número de alunos nas diferentes séries será de acordo com as necessidades verificadas no quadro da tropa. Art O C.O.A. funcionará eventualmente quando houver vaga no Quadro Auxiliar de Oficiais, por determinação do Comandante Geral. Art Nenhum oficial de administração poderá ingressar no quadro de combatente e vice-versa. Art Fica assegurada a promoção até o posto de Capitão aos oficiais do Quadro Auxiliar, dentro dos limites exigidos para as respectivas promoções. Art O C.O.A. constitui requisito indispensável para o ingresso no Quadro Auxiliar de Oficiais da Polícia Militar. Art Os alunos que concluírem o 2º ano do Curso Preparatório, receberão em solenidade o espadim símbolo do Cadete. 1º - Essa festividade será realizada na mesma data à declaração de Aspirante a Oficial. CAPÍTULO VI PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA O FUNCIONAMENTO DO GINÁSIO 17 I - DAS FINALIDADES Art O Ginásio do C.F.A.P.M. criado pelo Decreto nº , de 7 de agosto de 1.959, publicado no D.O. do Estado nº 130 de 8 de agosto de 1.959, é mantido na Capital do Estado do Paraná, pelo Governo do Estado, para fim precípuo de ministrar o ensino do 1º ciclo aos filhos de oficiais e praças da Corporação, militares de outras Corporações e civis candidatos à Escola de Oficiais da Polícia Militar, dentro do plano geral estabelecido pelo M.E.C., suas Leis e Regulamentos. Parágrafo Único - Não havendo vagas da Escola de Oficiais, poderá o Ginásio funcionar para o fim precípuo de ministrar o ensino do 1º ciclo. Art Em sua organização interna, o Ginásio guia-se pelo presente Regulamento e pelo R.I.C.F.A.. II - DA ORGANIZAÇÃO Art O Ginásio do C.F.A. funcionará sob o regime de internato, destinando-o exclusivamente a alunos do sexo masculino. Art O Estabelecimento terá os seguintes órgãos:

18 18 1- Direção 2- Corpo Administrativo 3- Corpo Docente 4- Corpo Discente III - DA ADMINISTRAÇÃO Art A administração do Ginásio do C.F.A.P.M. está a cargo de um Diretor, que presidirá o funcionamento dos serviços escolares, o trabalho dos professores, dos técnicos de ensino e as atividades dos alunos, diretamente subordinado ao Diretor de Ensino do C.F.A. e deverá ter sua situação legalizada perante o M.E.C.. 1º - Haverá um Sub-Diretor que substituirá o Diretor em seus impedimentos e cuja situação deverá estar legalizada perante o M.E.C.. Art Como auxiliar direto da administração, o Ginásio terá um professor Orientador Educacional, que cooperará no sentido de que cada aluno se encaminhe convenientemente nos estudos, ministrando-lhe esclarecimentos e colaborando com os professores para a boa execução dos trabalhos escolares bem como, com os pais, para melhor entrosamento destes com a vida escolar, tudo dentro das condições de melhor conveniência pedagógica, utilizando-se, quando necessário, dos serviços de Psicotécnicos, Assistência Social e demais serviços do C.F.A. e da Polícia Militar. Art COMPETE AO DIRETOR: a) Cumprir e fazer cumprir as Leis do ensino, as determinações das autoridades competentes na esfera de suas atribuições e as disposições deste Regulamento; b) Representar o Estabelecimento perante as autoridades oficiais; c) Superintender a administração, a disciplina e o ensino no Estabelecimento; d) Corresponder-se com as autoridades superiores do ensino em todos os assuntos referentes ao estabelecimento; e) Propor as autoridades competentes: 1- O provimento das vagas de professores e Técnicos de Ensino que se verificarem no Estabelecimento; 2- A designação para regência de aulas suplementares ; 3- As medidas que julgar convenientes a boa administração do Estabelecimento;

19 f) Convocar as reuniões de professores, Técnicos de Ensino, ouvindo o Diretor de Ensino do C.F.A. que a elas deverá presidir; g) Conferir certificados aos alunos que completarem os cursos mantidos pelo Estabelecimento; h) Encaminhar os mapas estatísticos devidamente preenchidos e os relatórios as autoridades competentes; i) Receber, informar, encaminhar e despachar petições e papéis; j) Fixar datas e horários para exames, designando as bancas examinadoras e promovendo sua realização; k) Assistir as aulas e exercícios escolares de qualquer natureza, no âmbito do Ginásio; l) Organizar e encaminhar ao Diretor do Ensino, no início do ano letivo os horários e o quadro demonstrativo de todas as aulas do Estabelecimento; m) Autorizar a matrícula e determinar seu cancelamento, ouvido o Diretor do Ensino do C.F.A.; n) Solicitar a aplicação da penalidade aos professores e aos alunos, segundo os preceitos legais vigentes para cada caso; o) Apresentar no fim do ano letivo ao Diretor do Ensino, um relatório circunstanciado do movimento escolar; p) Tomar medidas de caráter urgente, não previstas neste Regulamento, sujeitando-se a aprovação superior; q) Encaminhar ao Diretor do Ensino, a matéria destinada ao Boletim Interno. Parágrafo Único - Todos os atos do Diretor, bem como do Sub-Diretor deverão ser referendados pelo Diretor de Ensino do C.F.A.. 19 IV - DO CORPO ADMINISTRATIVO Art O Corpo Administrativo será integrado por: 1º - Um Secretário devidamente registrado no M.E.C.; 2º - Inspetores de alunos capacitados para a função, mediante entrevistas no Serviço Psicotécnico; 3º - Pessoal auxiliar do serviço. Art A Secretaria terá a seu cargo todo o serviço de escrituração, arquivo, fichário e correspondência. DO SECRETÁRIO:

20 20 Art Ao Secretário compete: 1º - Organizar os serviços da Secretaria, concentrando nele toda a escrituração, de acordo com as normas federais e estaduais; 2º - Organizar o arquivo de modo a assegurar a preservação dos documentos escolares e de atender, prontamente, a qualquer pedido de informação ou esclarecimento de interessados ou do Diretor; 3º - Cumprir e fazer cumprir os despachos e determinações do Diretor; 4º - Superintender e fiscalizar o serviço da Secretaria fazendo distribuição eqüitativa dos trabalhos pelos seus auxiliares; 5º - Redigir e fazer expedir toda correspondência oficial; 6º - Redigir e subscrever os editais de chamada para exames e matrículas; 7º - Lavrar os termos de posse do pessoal do Estabelecimento; 8º - Promover no tempo devido a inutilização das provas parciais; 9º - Preparar mapas estatísticos e relatórios; 10º - Trazer em dia a coleção de Leis e Regulamentos e Instruções; 11º - Fazer escriturar o livro de carga do Ginásio e o livro de inventário do material escolar; 12º - Atender as pessoas que tenham assunto a tratar na Secretaria; 13º - Secretariar as sessões ordinárias e solenes do Ginásio; 14º - Fornecer todas as informações solicitadas pelo Inspetor Federal de Ensino do Estabelecimento. Art O expediente da Secretaria obedecerá o horário harmonizado com o movimento escolar. DOS INSPETORES DE ALUNOS Art Aos inspetores de alunos compete: 1º - Acompanhar os alunos na entrada e saída das classes zelando por sua conduta, tanto no Estabelecimento, como nas imediações, usando de moderação e aconselhando-os nos casos de desobediência; 2º - Prestar assistência aos alunos que enfermarem ou sofrerem acidentes, ministrando-lhes socorros de emergência; 3º - Levar ao conhecimento do Sub-Diretor ou dos funcionários por ele designados os casos de infração a disciplina;

REEF POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO MANUAL POLICIAL MILITAR

REEF POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO MANUAL POLICIAL MILITAR REEF POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO MANUAL POLICIAL MILITAR Regulamento da Escola de Educação Física da Polícia Militar do Estado de São Paulo, e dá outras providencias Setor Gráfico do CSM/M Int.

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Subordinação: Finalidade: ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR - ADMINISTRAÇÃO DIRETA AO PREFEITO

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO Direitos e Deveres dos Participantes TÍTULO IV DOS DIREITOS E DEVERES DOS PARTICIPANTES DO PROCESSO EDUCATIVO CAPÍTULO I DAS RELAÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVAS DE TRABALHO

Leia mais

CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede, Duração e Fins

CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede, Duração e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Fins Artigo 1 - A Associação dos Auditores Fiscais da Prefeitura Municipal de Campinas é uma sociedade civil, com sede e foro na Cidade de Campinas, na rua General

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA PLANO DE CARREIRA DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO TÍTULO I DO REGULAMENTO CAPÍTULO I DO CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA PLANO DE CARREIRA DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO TÍTULO I DO REGULAMENTO CAPÍTULO I DO CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA PLANO DE CARREIRA DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO TÍTULO I DO REGULAMENTO Art. 1º - Este Plano de Carreira do Pessoal Técnico-Administrativo é um instrumento de constituição

Leia mais

LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005.

LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005. LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005. INSTITUI NA POLÍCIA MILITAR E NO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE ALAGOAS O SISTEMA DE ENSINO MILITAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL GRÊMIO ESTUDANTIL Paulo Medeiros Prudêncio Júnior 0 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVOS Art. 1º - O Grêmio Estudantil Paulo Medeiros Prudêncio Júnior, fundado no ano de 1997, com sede no

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO ICA 37-24

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO ICA 37-24 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO ICA 37-24 ADMISSÃO DE CANDIDATOS CIVIS NOS CURSOS FUNDAMENTAL E PROFISSIONAL DO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA 2011 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO

Leia mais

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências; RESOLUÇÃO CEPE Nº 012/2007 Aprova a criação e o Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Stricto sensu, Mestrado Profissional. 2192/2007; CONSIDERANDO o contido no processo nº CONSIDERANDO a Portaria Nº

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO GRÊMIO 08 DE ABRIL, fundada no dia 16 de fevereiro de 1990, com o CNPJ nº

Leia mais

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 1 Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PARTE I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DAS MODALIDADES

Leia mais

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Regulamento do Programa de Capacitação Técnica em Ciências

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Dispõe sobre o Regime de Promoção das Praças da Polícia Militar e do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA 20//2013 1 REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA CAPÍTULO I Princípios e Objetivos ARTIGO 1 O regimento interno do corpo clínico visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliações e direção

Leia mais

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão;

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; RESOLUÇÃO CEPE/CA Nº 189/2007 Aprova o Regulamento do Programa de Residência em Medicina Veterinária, da Universidade Estadual de Londrina. contidos no processo nº 13270/2006; CONSIDERANDO os pronunciamentos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

FERNANDO ANTÔNIO DA CÂMARA FREIRE Pedro Almeida Duarte. Regimento Interno do Coral Canto do Povo. Capítulo I Das Finalidades

FERNANDO ANTÔNIO DA CÂMARA FREIRE Pedro Almeida Duarte. Regimento Interno do Coral Canto do Povo. Capítulo I Das Finalidades Decreto nº 16.212, de 23 de julho de 2002. Aprova o Regimento Interno do Coral Canto do Povo. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso das atribuição que lhe são conferidas pelo artigo 64,

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE AGRONOMIA PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO EM CIÊNCIAS AGRONÔMICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE AGRONOMIA PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO EM CIÊNCIAS AGRONÔMICAS Campus I Campus II Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Tel: 18 3229 2077 / 2078 / 2079 E-mail: posgrad@unoeste.br www.unoeste.br Rua José Bongiovani, 700 Cidade Universitária CEP 19050 920 Presidente

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

FACULDADE DE COMPUTAÇÃO DE MONTES CLAROS - FACOMP REGULAMENTO DA DIVISÃO DE CONTROLE E REGISTRO ACADÊMICO

FACULDADE DE COMPUTAÇÃO DE MONTES CLAROS - FACOMP REGULAMENTO DA DIVISÃO DE CONTROLE E REGISTRO ACADÊMICO FACULDADE DE COMPUTAÇÃO DE MONTES CLAROS - FACOMP REGULAMENTO DA DIVISÃO DE CONTROLE E REGISTRO ACADÊMICO (ATUALIZADO EM AGOSTO DE 2013) SUMÁRIO: CAPÍTULO I... 3 DA DIVISÃO DE CONTROLE E REGISTRO ACADÊMICO,

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 92.790, DE 17 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a Lei nº 7.394, de 29 de outubro de 1985, que regula o exercício da profissão

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES REGIMENTO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS TÍTULO I - Das Finalidades E PRÁTICAS ESCOLARES TÍTULO II Da Coordenação do Curso CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO II DO COLEGIADO

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015 2 Edital do Processo Seletivo 2015 CAPÍTULO I DO PROCESSO SELETIVO Artigo 1º. De conformidade com o disposto na Lei 9394, de 20/12/96, Pareceres 95, de 01/12/98 e 98/99

Leia mais

CRUZ AZUL DE SÃO PAULO

CRUZ AZUL DE SÃO PAULO CRUZ AZUL DE SÃO PAULO ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR Capítulo I DA DENOMINAÇÃO SEDE FINALIDADE E DURAÇÃO Art. 1º. O Grêmio Estudantil do Colégio PM é o representativo geral da

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA Belo Horizonte 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I...2 PRINCÍPIO ORIENTADOR... 2 CAPÍTULO II...2 DOS DEVERES COMUNS...2 CAPÍTULO III...3 DA RESPONSABILIDADE...3 CAPÍTULO IV...4 DOS DIREITOS,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP Pág. 1 de 10 DO PROGRAMA DE PÓS- DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1 o A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação é o órgão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos. CAPÍTULO II Da Estrutura Acadêmica

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos. CAPÍTULO II Da Estrutura Acadêmica UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MIDIAS NA EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º. A Especialização em Mídias na Educação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. 290, DE 28 DE JULHO DE 2014 O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

LEI COMPLEMENTAR N. 290, DE 28 DE JULHO DE 2014 O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI COMPLEMENTAR N. 290, DE 28 DE JULHO DE 2014 Altera a Lei Complementar n. 164, de 3 de julho de 2006, que Dispõe sobre o Estatuto dos Militares do Estado do Acre e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PROMOÇÃO CONCEITO: O acesso na hierarquia

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO, DENOMINADO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA ECONÔMICA, SOB A RESPONSABILIDADE DO CAMPUS ALEGRETE CAPÍTULO I DA NATUREZA

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI

Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS - PCCS DOCENTE Piumhi- MG Fevereiro / 2011 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES....03 CAPÍTULO II - DO QUADRO

Leia mais

Legislação Universitária de Interesse do Estudante. Aspectos da legislação universitária que dizem respeito ao estudante de graduação.

Legislação Universitária de Interesse do Estudante. Aspectos da legislação universitária que dizem respeito ao estudante de graduação. Legislação Universitária de Interesse do Estudante Aspectos da legislação universitária que dizem respeito ao estudante de graduação. Calendário Escolar O Calendário Escolar que é fixado através de Portaria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º - O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996.

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996. RESOLUÇÃO N 008, DE 17 DE ABRIL DE 1996, DO DIRETOR DA FMTM. Fixa diretrizes e normas para os Cursos da Central de Idiomas Modernos - CIM. O DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Direito do Centro Universitário

Leia mais

SEÇÃO III DA EQUIPE TÉCNICA

SEÇÃO III DA EQUIPE TÉCNICA RESOLUÇÃO Nº 4/95 O Conselho Universitário da Universidade Federal de Viçosa, órgão superior de administração, no uso de suas atribuições legais, considerando o que consta do Processo nº 94-10326, RESOLVE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre a realização dos Estágios destinados a estudantes regularmente matriculados na Universidade Federal do Pampa e sobre os Estágios realizados no âmbito

Leia mais

PROFISSÃO DE ATUÁRIO DECRETO-LEI N 806, DE 04 DE SETEMBRO DE 1969

PROFISSÃO DE ATUÁRIO DECRETO-LEI N 806, DE 04 DE SETEMBRO DE 1969 PROFISSÃO DE ATUÁRIO DECRETO-LEI N 806, DE 04 DE SETEMBRO DE 1969 Dispõe sobre a profissão de Atuário e dá outras providências. Os Ministros da Marinha de Guerra, do Exército e da Aeronáutica Militar,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM Sete Lagoas, 2010 2 REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA Resolução Unesp-95, de 26/10/05 Seção I Dos Objetivos Artigo 1º - O programa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO Art. 1º - O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAUDE COLETIVA (CESC), será coordenado pelo Departamento de

Leia mais

Art. 1º - Os Quadros de Organização da Brigada Militar e a carreira dos Militares Estaduais passam a observar os preceitos estatuídos na presente Lei.

Art. 1º - Os Quadros de Organização da Brigada Militar e a carreira dos Militares Estaduais passam a observar os preceitos estatuídos na presente Lei. ANTEPROJETO DE LEI Nº xx DE 2013. Dispõe sobre a carreira dos Militares do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. Art. 1º - Os Quadros de Organização da Brigada Militar e a carreira dos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1. O POSMEC - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica da UFSC, em nível de Mestrado e Doutorado,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ART. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

Art. 3º Cada Programa de Pós-Graduação é organizado em 1 (um) Corpo Docente e 1 (uma) Comissão de Pós-Graduação (CPG).

Art. 3º Cada Programa de Pós-Graduação é organizado em 1 (um) Corpo Docente e 1 (uma) Comissão de Pós-Graduação (CPG). 1 O Programa de Pós-Graduação do Observatório Nacional foi credenciado pelo parecer do Conselho Federal de Educação CFE, 05/73 de 22/01/73. Foi recredenciado pelo CFE, através do Parecer 755/93 de 06/12/93,

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 04, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2005

LEI COMPLEMENTAR Nº 04, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2005 LEI COMPLEMENTAR Nº 04, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2005 Institui o Estatuto da Guarda Civil Municipal de Mauá. DINIZ LOPES DOS SANTOS, Prefeito do Município de Mauá, no uso das atribuições que me são conferidas

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Artigo 1 O Grêmio Estudantil é o Grêmio geral da Escola Nossa Senhora das Graças, fundado no dia 07 de abril de 1992, com sede no estabelecimento e de duração

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1.247/MD, DE 2 DE SETEMBRO DE 2008

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1.247/MD, DE 2 DE SETEMBRO DE 2008 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1.247/MD, DE 2 DE SETEMBRO DE 2008 Disciplina a ocupação de cargos e funções militares, a concessão da Gratificação de Exercício em Cargo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL

Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL Modelo de Estatuto Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL Capítulo I Da denominação, Sede, fins e duração Art.1º - O Grêmio estudantil da Escola funcionará no referido estabelecimento de ensino com duração ilimitada.

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA 1 RESOLUÇÃO DA CONGREGAÇÃO Nº 03, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2013 APROVA O NOVO REGULAMENTO DO SISTEMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA. O DIRETOR DA, na qualidade de Presidente da Congregação,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ 1. DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O presente Regimento Interno visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliação e direção dos profissionais

Leia mais

Circular n 01 Assunto: Normas do Colégio Senhores Pais ou Responsáveis, Caro (a) aluno (a),

Circular n 01 Assunto: Normas do Colégio Senhores Pais ou Responsáveis, Caro (a) aluno (a), Circular n 01 Assunto: Normas do Colégio Senhores Pais ou Responsáveis, Caro (a) aluno (a), O COLÉGIO PREVEST inicia mais um ano de parceria Família-escola-aluno, buscando a excelência de qualidade nos

Leia mais

Para efeito desta Lei:

Para efeito desta Lei: LEI ORDINARIA n 39/1993 de 17 de Dezembro de 1993 (Mural 17/12/1993) Estabelece o Plano de carreira do Magistério público do Município, institui o respectivo quadro de cargos e dá outras providências.

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I GENERALIDADES Art. 1 o A Fundação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mandaguari FAFIMAN - poderá oferecer cursos de pós-graduação lato

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATO DO COMANDANTE-GERAL

SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATO DO COMANDANTE-GERAL SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATO DO COMANDANTE-GERAL PORTARIA N 199, 18 DE FEVEREIRO DE 2002. Aprova o Regulamento da Escola Superior de Comando

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

Vencimento Qualificação Exigida. - Formação Superior de Engenharia Civil. Engenheiro Civil

Vencimento Qualificação Exigida. - Formação Superior de Engenharia Civil. Engenheiro Civil O PREFEITO MUNICIPAL DE FRAIBURGO, Estado de Santa Catarina, no uso de suas atribuições; FAZ SABER: Encontram-se abertas as inscrições para o Processo Seletivo da função abaixo descrita para Admissão em

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2 º SEMESTRE DE 2015

PROCESSO SELETIVO 2 º SEMESTRE DE 2015 1 Processo Seletivo 2015.2 Edital FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC RIO PROCESSO SELETIVO 2 º SEMESTRE DE 2015 SENAC RJ FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC RIO O SENAC Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial,

Leia mais

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Admissão aos Cursos 2. Matrícula Inicial 3. Matrícula em Disciplinas 4. Alteração de Matrícula em Disciplinas 5. Progressão nas Séries 6. Coeficiente de Rendimento

Leia mais

Regimento do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gerência de Serviços de Enfermagem

Regimento do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gerência de Serviços de Enfermagem 1 Regimento do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gerência de Serviços de Enfermagem TÍTULO I CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GERÊNCIA DE SERVIÇOS DE ENFERMAGEM CAPÍTULO 1 - DA MODALIDADE DO CURSO

Leia mais

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL 1.1 - O Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Comunicação: Imagens e Culturas Midiáticas constitui-se em atividade de Ensino do Departamento de Comunicação

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSOS PÚBLICOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE CONCURSOS PÚBLICOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DE CONCURSOS PÚBLICOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os concursos para seleção de candidatos aos cargos públicos dos órgãos de administração direta e indireta, da Prefeitura

Leia mais

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO ESTATUTO Capítulo I: Da Denominação Artigo 1º - O Diretório Acadêmico da, FACE ALFOR, é entidade máxima de representação dos estudantes dos cursos de Direito, Administração de Empresas e Engenharia Civil

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. TÍTULO I DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU CAPÍTULO I Dos objetivos

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2016 2 CAPÍTULO I DO PROCESSO SELETIVO Edital do Processo Seletivo 2016 Artigo 1º. De conformidade com o disposto na Lei 9394, de 20/12/96, Pareceres 95, de 01/12/98 e 98/99

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art.1º _ O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher CNDM, é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa,

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1

EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1 EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1 EDITAL N 15 2016 PROCESSO SELETIVO 2016.1 A Diretora Geral do Instituto Florence de Ensino Superior, no uso de suas atribuições regimentais, torna

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ACRE POLÍCIA MILITAR DIVISÃO DE ENSINO E INSTRUÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO ACRE POLÍCIA MILITAR DIVISÃO DE ENSINO E INSTRUÇÃO GOVERNO DO ESTADO DO ACRE POLÍCIA MILITAR DIVISÃO DE ENSINO E INSTRUÇÃO Portaria nº 033/DEI/PM/2015 Processo seletivo CHOA PM/2015/AC O COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO ACRE, no uso de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU)

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) MESTRADO TÍTULO I DOS FINS Art. 1 o O curso de Pós-Graduação Mestrado em Tecnologias em Saúde, da Fundação Bahiana para Desenvolvimento

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais