Associação Brasileira de Imprensa. Regulamentação Profissional 19/11/2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Associação Brasileira de Imprensa. Regulamentação Profissional 19/11/2010"

Transcrição

1 Associação Brasileira de Imprensa Regulamentação Profissional Normas trabalhistas para o exercício do Jornalismo 07/04/1908 criação da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) no Rio de Janeiro. A ABI é a primeira entidade classista a representar os jornalistas brasileiros. Idealizador: jornalista Gustavo Lacerda, do jornal O Paiz. Quando nasceu, tinha por objetivo atender demandas sociais como educação, cultural e atendimento à saúde. Em 1930, constrói a sede própria (Herbert Moses) 1938 Decreto-Lei nº 910, assinado por Getúlio Vargas em 30 de novembro, regulamenta pela primeira vez a duração e as condições de trabalho nas empresas jornalísticas. Introduz a profissão de jornalista no rol de profissões reconhecidas legalmente. Reconhece o trabalho jornalístico como intelectual. Reconhece o trabalho da imprensa como valiosopara a obra de progresso nacional e no engrandecimento do Brasil. O decreto estabelece o que é o jornalista: Entende-se como jornalista o trabalhador intelectual cuja função se estende desde a busca de informações até a redação de notícias e artigos e à organização, orientação e direção desse trabalho. O decreto também estabelece o limite de cinco horas diárias de trabalho, com acréscimo de duas horas mediante acordo. O período de cinco horas é justificado pelo empenho intelectual e pela possibilidade da dupla jornada de trabalho. 1

2 Para ser jornalista, o decreto determinava o registro do Ministério do Trabalho, Indústria e comércio, por meio dos seguintes documentos: Prova de nacionalidade brasileira; Folha corrida; Prova de que não responde a processo ou não sofreu condenação por crime contra a segurança nacional. Carteira Profissional Este decreto Decreto-Lei nº 910 já previa no Artigo 17 a exigência do diploma para o exercício da profissão, desde que criadas as escolas de Jornalismo. A ABI, em 1918, cria o primeiro curso livre (Escola para Jornalistas) para a formação de jornalistas. O decreto também não considerava incompatível o acúmulo de funções remuneradas, públicas ou não. Primeiro curso superior 1935 Universidade do Distrito Federal (RJ) Getúlio Vargas extingue o curso criado pelo educador Anísio Teixeira. Estado Novo de Getúlio Vargas -em 13 de maio de 1943 sanciona o Curso de Jornalismo da Faculdade Nacional de Filosofia, inaugurado somente em abril de Ainda em 1943, Vitorino Prata Castelo Branco inicia uma série de palestras e conferências na sede da Associação dos Profissionais de Imprensa de São Paulo, culminando no primeiro Curso Livre de Jornalismo no Brasil. Primeiro curso livre 1943 O jornalista Vitorino Prata Castelo Branco cria o curso e elabora o material didático-pedagógico. O objetivo de Vitorino, formado em Ciências e Letras era o de formar jornalistas com base nas pesquisas do alemão Otto Groth. Foi o primeiro a adotar uma metodologia de ensino para o jornalismo. Curso de 12 meses. 2

3 CLT 1943 Promulgada a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que incorpora os direitos profissionais do Jornalista do artigo 303 ao 309. O artigo 315 mantém a previsão da instalação das escolas de preparação ao Jornalismo. As primeiras escolas 1943 Decreto-Lei nº 5.480, de 13 de maio, prevê a criação das escolas superiores de Jornalismo. O artigo 3º estabeleceu: O Curso de Jornalismo será ministrado pela Faculdade Nacional de Filosofia, com a cooperação da Associação Brasileira de Imprensa e dos sindicatos representativos das categorias de empregados e de empregadores das empresas jornalísticas. Em 1946, surge a primeira escola 1944 O Decreto-Lei nº 7.037, de novembro, redefine a atividade profissional e amplia as funções exercidas, como a de redator auxiliar, noticiarista, repórter, revisor, ilustrador. E as funções de chefia, como diretor, redatorchefe, secretário, chefe de reportagem, chefe de revisão. Esse decreto revela o processo de especialização das atividades nas redações Decreto nº assinado pelo então ministro Tancredo Neves, chefe do gabinete parlamentar, amplia as funções dos jornalistas, dá nova redação aos decretos anteriores, e inclui as empresas de radiodifusão e televisão no rol das organizações com direito a contratar jornalistas. 1. O decreto também prevê, pela primeira vez, a exigência do diploma para o exercício profissional, que, todavia, não restringe a atividade profissional aos formados. 2. Os que não apresentassem diploma de Jornalista poderia requerer o registro desde que cumprisse 36 meses de trabalho ininterrupto na atividade específica. 3. Pela primeira vez, também, é previsto e admitido o trabalho estagiário. Conforme o Artigo 11, as empresas poderiam contratar o estagiário por até 36 meses. 4. Curiosamente, o decreto estabelece que o salário dos estagiários serão os mesmos dos jornalistas profissionais. 3

4 Rádio e Televisão 1963 Decreto nº , de 13 de dezembro, dá nova redação, inclui as funções de rádio-repórtere de repórter cinematográficoentre as atividades especializadas do jornalismo. O decreto amplia dos direitos do jornalista e introduz o sindicato da categoria como agente para manifestar-se sobre os pedido de registros Decreto-Lei nº 972, de 17 de outubro, dá nova redação, amplia as funções, introduz a exceção do reconhecimento do exercício do jornalismo em municípios com menos de 100 mil habitantes para o diretor-proprietário que exerça a função há mais de cinco anos sem o registro. O decreto foi assinado pela Junta Militar que governava o País sob o Ato Institucional nº 5. Estabelece a revisão geral de todos os registros de jornalistas concedidos até então. A revisão visava a regularizar situações de inúmeros profissionais e conceder o registro definitivo a muitos deles, conforme o novo texto Decreto nº , de 13 de março, assinado pelo presidente Ernesto Geisel, regulamenta o Decreto-Lei anterior, dá nova redação e redefine o estágio, proibindo-o em todo o território nacional. O decreto encontra-se em vigor até hoje. A proibição do estágio de certo modo atendeu a reivindicação dos jornalistas e sindicatos, em razão do abuso que ocorria nas redações. A regulamentação em vigor vai influenciar a mudança nos currículos escolares, e a partir de 1984 a Resolução Federal 002/84 define os currículos mínimos para os cursos de Jornalismo e introduz o Projeto Experimental com a finalidade de simular, na escola, as condições profissionais de trabalho. Art2º A profissão de Jornalista compreende, privativamente, o exercício habitual e remunerado de qualquer das seguintes atividades: I -redação, condensação, titulação, interpretação, correção ou coordenação de matéria a ser divulgada, contenha ou não comentário; II -comentário ou crônica, por meio de quaisquer veículos de comunicação; III -entrevista, inquérito ou reportagem, escrita ou falada; IV -planejamento, organização, direção e eventual execução de serviços técnicos de Jornalismo, como os de arquivo, ilustração ou distribuição gráfica de matéria a ser divulgada; V -planejamento, organização e administração técnica dos serviços de que trata o item I; VI -ensino de técnicas de Jornalismo; VII -coleta de notícias ou informações e seu preparo para divulgação; VIII -revisão de originais de matéria jornalística, com vistas à correção redacional e à adequação da linguagem; IX -organização e conservação de arquivo jornaiístico e pesquisa dos respectivos dados para elaboração de notícias; X -execução da distribuição gráfica de texto, fotografia ou ilustração de caráter jornalístico, para fins de divulgação; XI -execução de desenhos artísticos ou técnicos de caráter jornalístico, para fins de divulgação. 4

5 Documentos MTb Art4º O exercício da profissão de jornalista requer prévio registro no órgão regional do Ministério do Trabalho, que se fará mediante a apresentação de: I -prova de nacionalidade brasileira(rg, Certidão Nascimento) II -prova de que não está denunciado ou condenado pela prática de ilícito penal (abolido -Lei n.º 6.868, de 3 de dezembro de 1980); III -diploma de curso de nível superior de Jornalismo ou de Comunicação Social, habilitação Jornalismo, fornecido por estabelecimento de ensino reconhecido na forma da lei, para as funções relacionadas nos itens I a VII do artigo 11(vetado). IV -Carteira de Trabalho e Previdência Social. Para obter o registro é simples. "Basta o profissional apresentar à DRT/PR ou demais unidades descentralizadas (ver endereços abaixo) o RG, CPF, Carteira de Trabalho, requerimento preenchido em duas vias e demais documentações específicas de cada profissão, que são encontradas no site Serviços O registro é gratuito, não possui anuidade e fica pronto num prazo aproximado de 15 dias. Proibição do Estágio Art19. Constitui fraude a prestação de serviços profissionais gratuitos, ou com pagamentos simbólicos, sob pretexto de estágio, bolsa de estudo, bolsa de complementação, convênio ou qualquer outra modalidade, em desrespeito à legislação trabalhista e a este regulamento. Na Consolidação das Leis do Trabalho Seção XI Dos Jornalistas Profissionais Art Os dispositivos da presente Seção se aplicam aos que nas empresas jornalistas prestem serviços como jornalistas, revisores, fotógrafos, ou na ilustração, com as exceções nela previstas. 1º Entende-se como jornalista o trabalhador intelectual cuja função se estende desde a busca de informações até a redação de notícias e artigos e a organização, orientação e direção desse trabalho. 2º Consideram-se empresas jornalísticas, para os fins desta Seção, aquelas que têm a seu cargo a edição de jornais, revistas, boletins e periódicos, ou a distribuição de noticiário, e, ainda, a radiodifusão em suas seções destinadas à transmissão de notícias e comentários. Art A duração normal do trabalho dos empregados compreendidos nesta Seção não deverá exceder de 5 (cinco) horas, tanto de dia como à noite. Art Poderá a duração normal do trabalho ser elevada a 7 (sete) horas, mediante acordo escrito, em que se estipule aumento de ordenado, correspondente ao excesso do tempo de trabalho, em que se fixe um intervalo destinado a repouso ou a refeição. 5

DECRETO-LEI Nº 972, DE 17 DE OUTUBRO DE 1969

DECRETO-LEI Nº 972, DE 17 DE OUTUBRO DE 1969 DECRETO-LEI Nº 972, DE 17 DE OUTUBRO DE 1969 Dispõe sobre exercício da profissão de jornalista. OS MINISTROS DA MARINHA DE GUERRA, DO EXÉRCITO E DA AERONÁUTICA MILITAR, usando das atribuições que lhes

Leia mais

LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1986. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade. ... (À Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania.

LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1986. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade. ... (À Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania. 30708 Quarta-feira 29 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Setembro de 2004 A criação pelo Presidente da República de uma Corregedoria-Geral da União pouco contribuirá para afastar esse problema, se não houver, pari

Leia mais

PRODUTOR EM MÍDIA AUDIVISUAL

PRODUTOR EM MÍDIA AUDIVISUAL PRODUTOR EM MÍDIA AUDIVISUAL Profissão de Radialista Lei n.º 6.615, de 16/12/1978 e Decreto n.º 84.134, de 30/10/1979 Regulamenta a Lei n.º 6.615, de 16 de dezembro de 1978. O Presidente da República,

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2004 (nº 708, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei da Câmara

Leia mais

EDITAL Nº 017, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014 PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESTUDANTES NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE MONITORIA (VOLUNTÁRIA)

EDITAL Nº 017, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014 PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESTUDANTES NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE MONITORIA (VOLUNTÁRIA) EDITAL Nº 017, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014 PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESTUDANTES NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE MONITORIA (VOLUNTÁRIA) O DIRETOR DE IMPLANTAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

AVALIADOR PARA CURSO

AVALIADOR PARA CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA-UFSM FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N 2015/3050033-02 INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO DE AVALIADOR PARA CURSO A FUNDAÇÃO DE APOIO

Leia mais

Fundatec Estágios. Veículo: Site da Casa Civil Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm

Fundatec Estágios. Veículo: Site da Casa Civil Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm Fundatec Estágios A Fundatec informa seus clientes sobre a sanção da Lei de Estágios, aprovada ontem pelo Presidente da República. Seguem as principais notícias veiculadas hoje nas mídias nacionais. Segue

Leia mais

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2.

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. Disciplina o serviço de transporte de passageiros em veículos de aluguel (táxi). A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE ITAQUIRAÍ, ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 11.788 DE 25/09/2008 Dispõe sobre o estágio de estudantes, altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MOSTRA DE ENSAIOS E SABORES AUDIOVISUAIS - MESA

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MOSTRA DE ENSAIOS E SABORES AUDIOVISUAIS - MESA REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MOSTRA DE ENSAIOS E SABORES AUDIOVISUAIS - MESA Este Concurso Cultural, denominado Mostra de Ensaios e Sabores Audiovisuais- MESA" (Concurso) é promovido pela INFOGLOBO COMUNICAÇÃO

Leia mais

QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE TRES DE MAIO SETREM

QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE TRES DE MAIO SETREM QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE TRES DE MAIO SETREM O presente documento apresenta o Quadro de Carreira Docente (QCD) da Educação Superior da Sociedade Educacional Três de Maio

Leia mais

PORTARIA Nº 3.405 - DE 25 DE OUTUBRO DE 1978(8)

PORTARIA Nº 3.405 - DE 25 DE OUTUBRO DE 1978(8) PORTARIA Nº 3.405 - DE 25 DE OUTUBRO DE 1978(8) Aprova modelos de contrato de trabalho por tempo determinado, que deverão ser utilizados para contratos de Artistas e de Técnicos em Espetáculos de Diversões.

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

RESPOSTAS A PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA SOCIEDADE (inciso VI do art. 8º da Lei nº 12.527/2011) SUMÁRIO. 1. Registro Profissional...

RESPOSTAS A PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA SOCIEDADE (inciso VI do art. 8º da Lei nº 12.527/2011) SUMÁRIO. 1. Registro Profissional... SUMÁRIO 1. Registro Profissional... 2 2. Isenção de Anuidade... 3 3. Transferência de Regional... 4 4. Cancelamento de Registro (Pessoa Física)... 5 5. Reativação de Registro Profissional... 6 6. Parcelamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 Dispõe sobre o Regulamento sobre Movimentação de servidores no âmbito do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP Capítulo I DA NATUREZA E SUAS FINALIDADES Art. 1º O estágio baseia-se na Lei nº. 11.788, sancionada em 25 de setembro de 2008. Parágrafo

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Gestão com Pessoas

Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Gestão com Pessoas O CONSELHO DA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO COM PESSOAS INSTITUI REGULAMENTO DE AFASTAMENTO DOS SERVIDORES TÉCNICO ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO / UNIFESP PARA CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO CAPÍTULO I DOS CONCEITOS

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E RELAÇÕES DE ESTÁGIO

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E RELAÇÕES DE ESTÁGIO LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio

Leia mais

Portaria nº 1102/97. DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro

Portaria nº 1102/97. DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro 1 Portaria nº 1102/97 DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro As cooperativas e associações de ensino especial sem fins lucrativos corporizam uma importante experiência educativa e podem constituir um recurso

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

TJD - Santa Catarina. II que ao TJD/SC competirá nomear os membros indicados pelas entidades conveniadas,ou designar e nomear tais membros;

TJD - Santa Catarina. II que ao TJD/SC competirá nomear os membros indicados pelas entidades conveniadas,ou designar e nomear tais membros; Fundamento Legal RESOLUÇÃO N 02/CED/2007 O Presidente do Conselho Estadual de Desportos, no uso de suas atribuições regimentais e de acordo com as deliberações da plenária do CED de 9 de julho de 2007,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 04/12/CP INSEP

RESOLUÇÃO Nº. 04/12/CP INSEP FACULDADE INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO PARANÁ MANTENEDORA: INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E DA CIDADANIA IEC CNPJ: 02.684.150/0001-97 Maringá: Rua dos Gerânios, 1893 CEP: 87060-010 Fone/Fax:

Leia mais

Portaria Fatec Santana de Parnaíba nº 02/2015 de 24 de abril de 2015

Portaria Fatec Santana de Parnaíba nº 02/2015 de 24 de abril de 2015 Portaria nº 02/2015 de 24 de abril de 2015 Estabelece a normatização das Atividades Acadêmico-Científico-Culturais (AACC) do curso de Gestão Comercial da Faculdade de Tecnologia de Santana de Parnaíba.

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS INTRODUÇÃO Dispõe o Art. 578 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que a contribuição devida aos sindicatos pelos que participam das categorias econômicas ou profissionais

Leia mais

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? Parecer: I - Conceitos e objetivos: Associação Sem Fins Lucrativos: Associação é uma entidade de direito privado, dotada de personalidade

Leia mais

O empregado doméstico deverá apresentar, por ocasião da sua admissão, os seguintes documentos:

O empregado doméstico deverá apresentar, por ocasião da sua admissão, os seguintes documentos: Empregado Doméstico- Aspectos Gerais 1. Introdução A Lei nº 5.859/72, no seu art. 1o, define empregado doméstico como aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à pessoa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA-UFSM FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N 2014/3050029-01

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA-UFSM FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N 2014/3050029-01 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA-UFSM FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N 2014/3050029-01 INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO DE AUXILIAR ADMINISTRATIVO E SUPORTE TÉCNICO

Leia mais

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei:

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei: LEI Nº 2.581/2009 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE CAETÉ. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal

Leia mais

EDITAL Nº. 001/2012 4º PRÊMIO SES-MG DE JORNALISMO GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

EDITAL Nº. 001/2012 4º PRÊMIO SES-MG DE JORNALISMO GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS EDITAL Nº. 001/2012 4º PRÊMIO SES-MG DE JORNALISMO GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL END: RODOVIA PREFEITO AMÉRICO GIANETTI, S/Nº - BAIRRO SERRA VERDE CEP: 31630-901 -

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 SENADO FEDERAL GABINETE DO SENADOR EXPEDITO JÚNIOR PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Analista de Sistemas e suas correlatas, cria o Conselho

Leia mais

Serviço Requisito de qualificação N 0 de vagas. agroecologia e/ou Extensão Rural. agroecologia e/ou Extensão Rural.

Serviço Requisito de qualificação N 0 de vagas. agroecologia e/ou Extensão Rural. agroecologia e/ou Extensão Rural. EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO INSCRIÇÃO PARA SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAREM NO PROJETO ASSESSORIA TÉCNICA PEDAGÓGICA (ATP) AO PROGRAMA DE ASSESSÓRIA TÉCNICA, SOCIAL E AMBIENTAL (ATES) NOS

Leia mais

METODOLOGIA DE ENSINO A DISTÂNCIA

METODOLOGIA DE ENSINO A DISTÂNCIA METODOLOGIA DE ENSINO A DISTÂNCIA 01 APRESENTAÇÃO Cada vez mais o mercado de trabalho na área de secretariado está competitivo e exigente. Para manter seu diferencial os empregadores estão observando,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.473, DE 2015 (Do Sr. Jhc)

PROJETO DE LEI N.º 1.473, DE 2015 (Do Sr. Jhc) *C0053200A* C0053200A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.473, DE 2015 (Do Sr. Jhc) Altera a redação do Art. 2º da Lei nº 12.468, de 26 de agosto de 2011, alargando as atividades privativas dos profissionais

Leia mais

PROJETO DE LEI N, DE 2015. (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli)

PROJETO DE LEI N, DE 2015. (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli) PROJETO DE LEI N, DE 2015 (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli) O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a regulamentação do exercício das profissões de Analista de Sistemas, Desenvolvedor, Engenheiro

Leia mais

PORTARIA MINISTERIAL Nº 3.347 de 30 setembro de 1986

PORTARIA MINISTERIAL Nº 3.347 de 30 setembro de 1986 PORTARIA MINISTERIAL Nº 3.347 de 30 setembro de 1986 (Alterada pela Portaria n 446 de 19 de agosto de 2004 - ver abaixo) PORTARIA MINISTERIAL Nº 3.347 de 30 setembro de 1986 Aprova modelos de contrato

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO AMAZONAS CAU/AM EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO N. 01/2013

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO AMAZONAS CAU/AM EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO N. 01/2013 CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO AMAZONAS CAU/AM EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO N. 01/2013 O CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO AMAZONAS CAU/AM, criado pela lei nº 12.378, de 31 de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004 HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 REVOGADA RESOLUÇÃO Nº 145/04 Palmas, 08 de dezembro de 2004 Fixa normas para criação e autorização de funcionamento de instituições de educação

Leia mais

Lei n. 3.245, de 17 de junho de 2014.

Lei n. 3.245, de 17 de junho de 2014. Dispõe sobre o Licenciamento Ambiental no Município de Serafina Corrêa e sobre a regulamentação das Taxas de Licenciamento Ambiental e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE SERAFINA CORREA, seguinte

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIOS. Lei de estágio 11.788/08

MANUAL DE ESTÁGIOS. Lei de estágio 11.788/08 MANUAL DE ESTÁGIOS Lei de estágio 11.788/08 O QUE É ESTÁGIO O estágio tem por finalidade proporcionar a complementação da formação acadêmica e permite que o estudante tenha acesso ao campo de sua futura

Leia mais

EDITAL Nº 09/2015 DE 25/11/2015 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA A UNIFEI NA MODALIDADE DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO

EDITAL Nº 09/2015 DE 25/11/2015 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA A UNIFEI NA MODALIDADE DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO EDITAL Nº 09/2015 DE 25/11/2015 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA A UNIFEI NA MODALIDADE DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO O Chefe Substituto de Recrutamento e Seleção da Universidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.690, DE 19 DE JULHO DE 2012. Mensagem de veto Dispõe sobre a organização e o funcionamento das Cooperativas de Trabalho;

Leia mais

FACULDADE PRUDENTE DE MORAES BACHARELADO EM JORNALISMO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO/PROJETO EXPERIMENTAL

FACULDADE PRUDENTE DE MORAES BACHARELADO EM JORNALISMO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO/PROJETO EXPERIMENTAL MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO/PROJETO EXPERIMENTAL 1 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO/PROJETO EXPERIMENTAL ITU/SP 2013 2 CAPÍTULO I Do Conceito Artito 1

Leia mais

Lei nº 12.796 de 04/04/2013

Lei nº 12.796 de 04/04/2013 O governo federal publicou nesta sexta-feira (5), no Diário Oficial da União, a lei número 12.796 que altera a lei que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Como novidade, o texto muda

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de sanitarista e técnico sanitarista, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposição preliminar

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 09/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 09/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 09/2014 O Instituto Aliança com o Adolescente, associação civil sem fins lucrativos e qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP, MJ nº 08015.013735/2002-16,

Leia mais

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.)

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) É atribuição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) no sector da

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 341, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 341, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 341, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Regional de São Paulo. Escola SENAI Hessel Horácio Cherkassky

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Regional de São Paulo. Escola SENAI Hessel Horácio Cherkassky SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Departamento Regional de São Paulo GUIA DE REFERÊNCIA RÁPIDA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUIA DO ALUNO Cubatão SP SUMÁRIO página 1. O QUE É ESTÁGIO SUPERVISIONADO?

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDEPE (Aprovado pelo Conselho Curador em 23 de junho de 2009)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDEPE (Aprovado pelo Conselho Curador em 23 de junho de 2009) REGIMENTO INTERNO DA FUNDEPE (Aprovado pelo Conselho Curador em 23 de junho de 2009) Artigo 1º. - FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - FUNDEPE, além das disposições constantes

Leia mais

Relatório. Data 3 de julho de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF

Relatório. Data 3 de julho de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 4 - Cosit Data 3 de julho de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SUBSTITUTIVA.

Leia mais

RESOLUÇÃO N 28, DE 6 DE JULHO DE 2012

RESOLUÇÃO N 28, DE 6 DE JULHO DE 2012 RESOLUÇÃO N 28, DE 6 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre o registro e sobre a alteração e a baixa de registro de pessoa jurídica de Arquitetura e Urbanismo nos Conselhos de Arquitetura e Urbanismo dos Estados

Leia mais

Lei 4.680/65 e decretos relacionados. Lei nº 4.680 de 18 de junho de 1965

Lei 4.680/65 e decretos relacionados. Lei nº 4.680 de 18 de junho de 1965 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Ética e Legislação em Publicidade e Propaganda Profª. Cláudia Holder Lei 4.680/65 e decretos relacionados Lei nº

Leia mais

Regulamento Prêmio CNT de Jornalismo 2010

Regulamento Prêmio CNT de Jornalismo 2010 Regulamento Prêmio CNT de Jornalismo 2010 1. Objetivo 1.1. O Prêmio CNT de Jornalismo tem como objetivos estimular, divulgar e prestigiar trabalhos jornalísticos sobre o transporte. Com a finalidade de

Leia mais

SELEÇÃO INTERNA PARA PROFESSOR PESQUISADOR DA REDE e-tec BRASIL / IF-FARROUPILHA, COM ATUAÇÃO NOS CURSOS TÉC- NICOS DE NÍVEL MÉDIO NA MODALIDADE EAD

SELEÇÃO INTERNA PARA PROFESSOR PESQUISADOR DA REDE e-tec BRASIL / IF-FARROUPILHA, COM ATUAÇÃO NOS CURSOS TÉC- NICOS DE NÍVEL MÉDIO NA MODALIDADE EAD SELEÇÃO INTERNA PARA PROFESSOR PESQUISADOR DA REDE e-tec BRASIL / IF-FARROUPILHA, COM ATUAÇÃO NOS CURSOS TÉC- NICOS DE NÍVEL MÉDIO NA MODALIDADE EAD O Diretor Geral do Campus Panambi do Instituto Federal

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira)

PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira) Dispõe sobre a política de contratação e licenciamento de obras intelectuais subvencionadas pelos entes do Poder Público e

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o horário de funcionamento do Instituto Chico Mendes, jornada de trabalho e controle

Leia mais

CENTRAL DE ESTÁGIO DO GOVERNO DECRETO Nº 8654-28/10/2010 Publicado no Diário Oficial Nº 8333 de 28/10/2010

CENTRAL DE ESTÁGIO DO GOVERNO DECRETO Nº 8654-28/10/2010 Publicado no Diário Oficial Nº 8333 de 28/10/2010 Súmula: Dispõe que os Órgãos e Entidades da Administração Pública Estadual Direta e Indireta, inclusive as Instituições Estaduais de Ensino Superior podem aceitar estagiários, na forma que especifica-seap...

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL CONCESSÃO DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

NORMA PROCEDIMENTAL CONCESSÃO DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 20.01.005 1/10 1. FINALIDADE Formalizar e disciplinar os procedimentos para a concessão de bolsas de extensão universitária destinadas a discentes da UFTM, oriundas de recursos financeiros da própria instituição.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º O presente instrumento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE CÂMPUS DO CÂMPUS DO PANTANAL, da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, e Considerando

Leia mais

RESOLUÇÃO CEG nº 12/2008

RESOLUÇÃO CEG nº 12/2008 RESOLUÇÃO CEG nº 12/2008 Normas para o Estágio 1) Considerando a Lei 11.788 de 25 de setembro de 2008, que trata de Estágios de Estudantes; 2) Considerando a não existência de resolução geral que normatize

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004.

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004. LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004. Institui o Plano de Carreira do Magistério Público Municipal e dá outras providências. Grande do Sul. O PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio FAÇO SABER

Leia mais

CONSIDERANDO a resolução nº 14, de 9 de junho de 2014, que trata do Programa Mais Educação;

CONSIDERANDO a resolução nº 14, de 9 de junho de 2014, que trata do Programa Mais Educação; No pcsa EDITAL Nº 020/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS E FORMAÇÃO DO CADASTRO DE RESERVA DOS MONITORES DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO, JUNTO ÀS UNIDADES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, COM HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05 As perguntas abaixo foram compiladas após a série de treinamentos sobre a Resolução nº 1.010, de 2005, ministrados pelo Confea aos Creas durante o primeiro

Leia mais

Resende (RJ), 16 de setembro de 2015. ATO CONVOCATÓRIO AGEVAP N.º 022/2015 COMUNICADO Nº 5 Aos Interessados

Resende (RJ), 16 de setembro de 2015. ATO CONVOCATÓRIO AGEVAP N.º 022/2015 COMUNICADO Nº 5 Aos Interessados Resende (RJ), 16 de setembro de 2015. ATO CONVOCATÓRIO AGEVAP N.º 022/2015 COMUNICADO Nº 5 Aos Interessados Quanto aos pedidos de esclarecimentos apresentados por algumas entidades, referente ao Ato Convocatório

Leia mais

1º Excetuam-se da remuneração integral as vantagens indenizatórias, eventuais e transitórias.

1º Excetuam-se da remuneração integral as vantagens indenizatórias, eventuais e transitórias. DECRETO Nº 1.863, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013 Regulamenta o afastamento do servidor público efetivo para frequentar curso de pós-graduação e estabelece outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO Nº 10/2014

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO Nº 10/2014 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO Nº 10/2014 A FUNPEC Fundação Norte-rio-grandense de Pesquisa e Cultura informa que se encontra aberto o Processo Seletivo 09/2014, destinado a recrutar e selecionar

Leia mais

1. DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

1. DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS EDITAL N 1/2016 WEBTV CAATINGA SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO PARA A WEBTV e WEB RÁDIO CAATINGA Com base na Lei 11.788/2008, que dispõe sobre o estágio de estudantes, a Webtv e Web rádio Caatinga torna pública

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (DO SR. VICENTINHO PT/SP)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (DO SR. VICENTINHO PT/SP) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (DO SR. VICENTINHO PT/SP) Dispõe sobre a regulamentação das profissões de DJ Profissional. O Congresso Nacional decreta: DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 530. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte

LEI COMPLEMENTAR Nº 530. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 28/12/2009) LEI COMPLEMENTAR Nº 530 Altera dispositivos da Lei Complementar nº 16, de 09.01.1992; da Lei Complementar nº 353, de 06.01.2006; da

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº 132/2015

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº 132/2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº 132/2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE MESTRADO ACADÊMICO

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE EDUCAÇÃO SEMIPRESENCIAL (CEAD) CAPÍTULO I. Da Natureza e Finalidades

REGULAMENTO DO CENTRO DE EDUCAÇÃO SEMIPRESENCIAL (CEAD) CAPÍTULO I. Da Natureza e Finalidades REGULAMENTO DO CENTRO DE EDUCAÇÃO SEMIPRESENCIAL (CEAD) CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidades Art. 1º A educação semipresencial é a modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos

Leia mais

CONSIDERANDO os pronunciamentos contidos no Processo nº 39460/2006:

CONSIDERANDO os pronunciamentos contidos no Processo nº 39460/2006: DELIBERAÇÃO CÂMARA DE GRADUAÇÃO Nº 04/2007 Aprova o Regulamento de Estágios Curriculares Obrigatório e não Obrigatório do Curso de Letras Modalidade: Licenciatura Habilitações: Língua Inglesa e Respectivas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3, DE 14 DE OUTUBRO DE 2010. CÂMARA DE

RESOLUÇÃO Nº 3, DE 14 DE OUTUBRO DE 2010. CÂMARA DE SIC 35/10* Belo Horizonte, 20 de outubro de 2010. UNIVERSIDADE. CREDENCIAMENTO. NOVA REGULAMENTAÇÃO. RESOLUÇÃO Nº 3, DE 14 DE OUTUBRO DE 2010. CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA/COTAÇÃO PRÉVIA nº. 01/2014 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA: PRESTAÇÃO SERVIÇOS DE RECURSOS HUMANOS

TERMO DE REFERÊNCIA/COTAÇÃO PRÉVIA nº. 01/2014 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA: PRESTAÇÃO SERVIÇOS DE RECURSOS HUMANOS TERMO DE REFERÊNCIA/COTAÇÃO PRÉVIA nº. 01/2014 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA: PRESTAÇÃO SERVIÇOS DE RECURSOS HUMANOS A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA A AÇÃO POR DIREITOS DAS PESSOAS COM AUTISMO (ABRAÇA),

Leia mais

PORTARIA Nº 22, DE 1º DE ABRIL DE 2008.

PORTARIA Nº 22, DE 1º DE ABRIL DE 2008. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal PORTARIA Nº 22, DE 1º DE ABRIL DE 2008. Estabelece normas complementares necessárias à aplicação da Lei nº 3.914, de 05 de dezembro de 2006, regulamentada

Leia mais

UNIVERSIDADE JOSÉ DO ROSÁRIO VELLANO

UNIVERSIDADE JOSÉ DO ROSÁRIO VELLANO UNIVERSIDADE JOSÉ DO ROSÁRIO VELLANO 1 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALZIRA VELANO REGULAMENTO DA RESIDÊNCIA MÉDICA CAPÍTULO I DA RESIDÊNCIA E SEUS FINS Art. 1º - A Residência Médica consiste em uma modalidade

Leia mais

Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade São Lucas

Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade São Lucas Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade São Lucas 1 Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade São Lucas será regido pelos princípios da: I Ética profissional;

Leia mais

Aeducação profissional de adolescentes e jovens no Brasil é realizada

Aeducação profissional de adolescentes e jovens no Brasil é realizada APRENDIZAGEM VOLTADA À EMPREGABILIDADE DOS JOVENS E À COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS Alberto Borges de Araújo * Aeducação profissional de adolescentes e jovens no Brasil é realizada por meio de cursos de

Leia mais

Junta de Freguesia de Valongo do Vouga -----010119-----

Junta de Freguesia de Valongo do Vouga -----010119----- REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇAS DE TAXAS E LICENÇAS E RESPECTIVA TABELA DA JUNTA DE FREGUESIA DE VALONGO DO VOUGA CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Aprovação 1 - É aprovado o Regulamento de

Leia mais

PADRONIZAÇÃO & CLASSIFICAÇÃO VEGETAL

PADRONIZAÇÃO & CLASSIFICAÇÃO VEGETAL PADRONIZAÇÃO & CLASSIFICAÇÃO VEGETAL Osmário Zan Matias Fiscal Agropecuário SFA/GO Engenheiro Agrônomo CREA/GO - 2.899/D osmario.zan@agricultura.gov.br Lei nº 9.972 de 25 de maio de 2000 Institui a classificação

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N.º 3629, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2003. (Com alterações impostas pelas leis n. os 3.636, de 17 de dezembro de 2003; 3.727, de 27 de janeiro de 2005; 3.816, de 27 de dezembro de 2005; 4.048, de 07 de março

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CLÍNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROPSICOPEDAGOGIA CLÍNICA

MANUAL DE ESTÁGIO CLÍNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROPSICOPEDAGOGIA CLÍNICA MANUAL DE ESTÁGIO CLÍNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROPSICOPEDAGOGIA CLÍNICA 1. INTRODUÇÃO O Centro de Estudos UNILAS atua em várias áreas educacionais e em vários cursos de pós-graduação em nível

Leia mais

FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009

FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009 ASSOCIAÇÃO LENÇOENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA - ALEC FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009 Usando as atribuições que lhe confere o regimento

Leia mais

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008).

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008). 1. O que é o estágio? Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de estudantes. O estágio integra o itinerário

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MEDIDA PROVISÓRIA Nº 201, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre as formas de cumprimento da jornada de trabalho e o banco de horas no âmbito do Instituto Geral de Perícias (IGP) e estabelece outras providências.

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian) REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian) Requer informações ao Ministro da Educação sobre que medidas estão sendo desenvolvidas para cooperar tecnicamente com os estados que não

Leia mais

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Dispõe sobre o ensino na Aeronáutica; e revoga o Decreto-Lei no 8.437, de 24 de dezembro de 1945, e as Leis nos 1.601, de 12 de maio de 1952, e 7.549, de 11 de dezembro de 1986. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO

RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO Art. 1º. Os estágios obrigatórios ou não-obrigatórios, de estudantes de curso de graduação da Universidade do

Leia mais

MANUAL DO SUPERVISOR DE ESTAGIÁRIO

MANUAL DO SUPERVISOR DE ESTAGIÁRIO MANUAL DO SUPERVISOR DE ESTAGIÁRIO Rua Dr. Alberto Ferreira, 179 - Centro - 13480-074 - Limeira/SP - (19) 3404.9634 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO:... 4 2. PERGUNTAS E RESPOSTAS:... 4 1. O que é estágio?... 4

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.1998 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO

Leia mais

DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008

DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008 DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008 Dispõe sobre o afastamento para estudo, congressos, seminários ou reuniões similares de servidor e empregado da Administração Pública Distrital

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2012

RESOLUÇÃO Nº 02/2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Aprova o Regulamento de Extensão Universitária da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. CAPÍTULO I Das considerações gerais

NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. CAPÍTULO I Das considerações gerais Sociedade de Educação e Cultura de Goiás www.faculdadearaguaia.edu.br Rua 18 n 81 Centro Goiânia Goiás Fone: (62) 3224-8829 NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

Leia mais