DA CONFERÊNCIA DE ESTOCOLMO À CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: 30 ANOS DE PROTEÇÃO INTERNACIONAL DA BIODIVERSIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DA CONFERÊNCIA DE ESTOCOLMO À CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: 30 ANOS DE PROTEÇÃO INTERNACIONAL DA BIODIVERSIDADE"

Transcrição

1 DA CONFERÊNCIA DE ESTOCOLMO À CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: Artigo DA CONFERÊNCIA DE ESTOCOLMO À CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: 30 ANOS DE PROTEÇÃO INTERNACIONAL DA BIODIVERSIDADE Márcia Rodrigues Bertoldi* RESUMO: Um dos elementos ambientais de significativa importância ao equilíbrio do meio é a diversidade biológica ou biodiversidade, que compreende três aspectos: a diversidade de espécies da fauna, flora e microorganismos, a diversidade de ecossistemas e a diversidade genética. No âmbito do Direito Internacional Ambiental, muitos instrumentos cooperam à proteção desse elemento, sendo que alguns deles são os objetos deste trabalho. Assim, esse artigo examinará os objetivos e técnicas jurídicas de proteção, encerradas nos principais instrumentos internacionais (soft law e hard law), referentes à espécies da flora, fauna e zonas especialmente protegidas antes da estruturação jurídica proposta pela Convenção sobre a diversidade biológica (CDB), de 5 de junho de Ademais, referimos a situação jurídica no Direito brasileiro. Palavras-chave: Proteção jurídica da biodiversidade. Direito internacional ambiental ABSTRACT: One of the elements with more relevance in regard the balance of the environmental is the biological diversity o biodiversity which have to be understood within three different aspect: the species of the fauna diversity, the flora and microorganisms ans the ecosystem and genetic diversity. In the environmental international law frame there are many legal instruments that cooperate *Doutora em Direito pela Universidade Pompeu Fabra de Barcelona e pela Universidade de Girona. Professora e pesquisadora da Universidade Tiradentes UNIT. 109

2 BERTOLDI, M. R. in the protection of this elements. Therefore in this article we will examine the objects and the legal techniques enclosed into the most important international instruments (Soft and Hard Law) related to the flora species, fauna and specially protected areas and zones before of the juridical or legal rearmed proposal gave it by the Convention on Biological Diversity (CDD) in June 5th of Moreover, we refer the legal position in Brazilian law. Keywords: Legal protection of biodiversity. International environmental law 1. Formação, objetivos e características do Direito internacional ambiental Como é sabido, as últimas três décadas foram fundamentais ao ambiente. Nesse curto período, a humanidade admitiu que havia causado lesões ao meio em que habita. Até pouco tempo atrás, o meio ambiente era entendido como um bem utilitário, inesgotável, a mercê de um desenvolvimento sem limites e fundado em uma concepção fundamentalmente antropocêntrica. No plano jurídico, os mecanismos de proteção reducionista reinavam, amparando determinados espaços e componentes da biosfera. Este arquétipo, que dominou o universo jurídico-ambiental durante décadas, ficou atrás frente ao advento da visão de mundo holística ou ecológica 1, que proporciona outro enfoque. Esta visão pretende acomodar homem e meio ambiente, entendendo aquele como um elemento interconectado a este, conjunto de elementos (água, ar, solo, recursos biológicos) indispensáveis à sobrevivência de todo ser vivo. Também, supõe a globalização dos problemas ambientais, já que os sistemas naturais básicos e os recursos biológicos constituem uma ordem ecológica única, um todo harmonizado, mesmo estando essa idéia longe de ser uma verdade observada. No entanto, dispomos de um todo ecológico dividido em Estados soberanos e independentes, inseridos numa dissociada ordem política, jurídica, científica, cultural e religiosa, estando integrados unicamente por uma internacionalização da comunicação e de uma economia imposta por onipotentes centros internacionais. A produção de diversas mudanças na organização da Terra e a toma de consciência da gravidade dos problemas ambientais foi determinante no momento de incluir o tema, com maior determinação, na agenda internacional. Como resultado imediato e ante o progressivo desenvolvimento da consciência crítica sobre a degradação do meio, durante a década de sessenta, o sistema social se reestrutura, sendo o próprio poder que, de certa forma, controla burocratica ou tecnocraticamente esse processo, colocando em ação um projeto político mais ou menos definido 2. Nesse sentido, cabe advertir uma dupla conseqüência: por um lado, a regulamentação jurídico-internacional na matéria passou da setorialização à transetorialização (expansão objetiva): o meio ambiente apresenta-se como uma res communes omnium, cuja proteção não pode ser realizada separadamente. E, por outro, a configuração do direito humano a um meio ambiente saudável 3, atualmente não reconhecido expressamente em nenhum instrumento jurídico internacional, com a conseguinte expansão subjetiva. Com o transcurso do tempo, à proteção do meio ambiente -finalidade geral- foi agregada a prevenção dos danos, além da distribuição eqüitativa, entre os Estados, das cargas e benefícios da utilização dos recursos ambientais 4 : o objetivo do Direito Internacional Ambiental é evitar os efeitos nocivos ao meio e garantir sua reparação. Em suma, é conservar e melhorar o meio ambiente a escala mundial mediante a luta contra todas as formas possíveis de contaminação e destruição, no intento de evitá-las ou, sendo o caso, reduzi-las. Conforme afirma José Juste Ruiz, seu objetivo essencial é estabelecer os mecanismos de regulamentação, administração e gestão (management) dos recursos ambientais conforme a pautas jurídicas ecologicamente aceitas 5. Enquanto corpo jurídico que engloba a normativa ambiental, o Direito Internacional Ambiental desfruta de uma série de características próprias. Primeiro, trata-se de um direito-dever 110

3 DA CONFERÊNCIA DE ESTOCOLMO À CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: difuso, pois todos merecem tê-lo em equilíbrio e devem defendê-lo e preservá-lo; de caráter objetivo, já que os aspectos ambientais não são sujeitos de direito; preventivo, pois tem a função de conservar o meio e evitar sua degeneração; instrumental, já que dispõe de mecanismos de regulamentação, administração e gestão dos recursos naturais; e intergeracional, isto é, um direito presente com perspectivas futuras. Segundo, é um direito multidimensional, pois seu objeto -o meio ambiente- compreende elementos (científicos e tecnológicos) e valores (a vida, a saúde, o lazer, etc.) de diferentes aspectos (político, ético, jurídico, ecológico, econômico, social, etc.). Além disso, encerra um caráter transdisciplinar, pois incorpora não somente elementos do direito nacional ou internacional, mas também de outras disciplinas diferentes à jurídica ou de caráter metajurídico (Economia, Política, Ecologia, Biologia, Sociologia, Ética, etc.). 2. Os instrumentos de soft law e seu aporte à proteção da biodiversidade A primeira grande reunião internacional sobre o meio ambiente, a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Humano 6, ocorrida em Estocolmo de 5 a 16 de junho de 1972, aprovou uma Declaração de princípios sobre o meio humano, conhecida como Declaração de Estocolmo 7, de caráter declarativo e recomendatório e, portanto, de soft law 8. Essa Declaração pretendeu minimizar os contrastes entre o desenvolvimento econômico e a proteção ambiental, instituindo princípios básicos que iluminaram os inumeráveis instrumentos jurídicos ambientais, sobre as mais distintas matérias, que surgiram posteriormente. No que se refere à biodiversidade 9, o Princípio 2 da referida Declaração enuncia: os recursos naturais da terra incluídos o ar, a água, a terra, a flora e a fauna e especialmente amostras representativas dos ecossistemas naturais devem ser preservados em benefício das gerações presentes e futuras, mediante uma cuidadosa planificação ou ordenamento. No início da década de 80, a sociedade internacional reconheceu que as recomendações da Declaração de Estocolmo haviam se dispersado e a crise ambiental do Planeta se agravado. Nesse contexto, em 8 de outubro de 1982, a Assembléia Geral das Nações Unidas aprova a Carta Mundial da Natureza 10 referente à conservação dos recursos biológicos. Tem como principais objetivos: manter os processos ecológicos essenciais e os sistemas de suporte da vida, preservar a diversidade genética e assegurar a utilização sustentável das espécies e dos ecossistemas 11. Poderíamos afirmar que os objetivos desta Carta, também de caráter declarativo, são precedentes contíguos dos objetivos da CDB. O Princípio 2 se refere diretamente à conservação da diversidade biológica 12, e os Princípios 3 e 4 13, indiretamente. Não obstante, como observa Bou Franch 14, ao contrário da Declaração de Estocolmo, a Carta Mundial não exerceu uma influência direta na prática convencional internacional posterior. Posteriormente, a Assembléia Geral das Nações Unidas solicitou à Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (CMMAD) a elaboração de um projeto global para a mudança baseado no conceito de desenvolvimento sustentável. Dessa petição, nasce, em 1987, o Informe Brundtland, conhecido como Nosso Futuro Comum. Em reconhecimento da importância da biodiversidade como um recurso indispensável ao desenvolvimento sustentável, o Informe estabelece prioridades para prevenir a extinção de espécies, recursos genéticos e ecossistemas 15. Uma vez apresentado o Informe Brundtland, as Nações Unidas convocaram a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (CNUMAD), conhecida como Conferência do Rio 16, cuja Declaração do Rio 17 ratifica e apóia-se, essencialmente, na necessidade de adoção de um modelo econômico, social e político fundado no desenvolvimento sustentável 18. Nessa Conferência, além da mencionada Declaração, da CDB e da Convenção marco sobre a mudança climática 19, foram adotados outros dois instrumentos de caráter programático: 111

4 BERTOLDI, M. R. a Agenda ou Programa 21: na Seção II, sobre a conservação e a gestão dos recursos, o capítulo 15 está dedicado à conservação da biodiversidade; a Declaração autorizada de princípios, sem força jurídica obrigatória, para um consenso mundial respeito à ordenação, à conservação e o desenvolvimento sustentável de todos os tipos de florestas 20, gestionada pelo princípio genérico de que as florestas são fundamentais para as comunidades locais e para o meio ambiente e, por conseguinte, para a conservação da biodiversidade. Em suma, as Declarações de Estocolmo e do Rio estabelecem diretrizes fundadas em condutas devidas pelos Estados, moldadas dentro de uma ordem jurídico-ecológica flexível e sem caráter obrigatório; um dever ser eticamente idôneo a ser observado de boa-fé e com espírito de solidariedade por todos os Estados e indivíduos. Também, cabe registrar que a Conferência Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável 21, mediante a linguagem exageradamente fabulosa de sua Declaração Política 22, simplesmente menciona que se deve aumentar a proteção da biodiversidade e para isso, os Estados-Membros afirmam que estão dispostos a aumentar esta proteção, mediante a adoção de decisões sobre objetivos, calendários e associações 23. Contudo, não assumiu nenhum compromisso concreto, limitando-se a admitir o já conhecido e abordado em outros instrumentos políticos e jurídicos e a reiterar medidas já existentes e não implementadas por diversas circunstâncias, desde a Conferência de Estocolmo. Essa situação também está refletida no Plano de Aplicação das Decisões da Conferência Mundial sobre o Desenvolvimento Sustentável 24 que, tal como o Capítulo 15 da Agenda 21 25, depois de reconhecer que a biodiversidade desempenha uma função decisiva no desenvolvimento sustentável e na erradicação da pobreza, que é indispensável para nosso Planeta, para o bem-estar humano e para a integridade cultural e os meios de vida da população, afirma que está desaparecendo a um ritmo sem precedentes, a causa da atividade humana. No entanto, corroborou a Meta da CDB para que propõe uma redução significativa, até 2010, do ritmo atual de perda da biodiversidade, em níveis regional, nacional e global, mediante o provimento de recursos técnicos e novos fundos adicionais, especialmente, para países em vias de desenvolvimento. Importante registrar que a Assembléia Geral das Nações Unidas também aprovou a referida Meta que foi incorporada aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (objetivo 7 garantir a sustentabilidade do meio ambiente) 27. A Meta da CDB para 2010 prevê ações para as Partes, a comunidade internacional e indivíduos e grupos de interesse 28. Como se pode notar, inexistem novos elementos, posto que estas ações já são objeto de apreciação e aplicação, há muito tempo, pela Conferência das Partes 29 da CDB e, ademais, constitui uma prática nas estratégias nacionais sobre biodiversidade implementadas em boa parte dos Estados-Parte nessa Convenção, ainda que os resultados não sejam todavia de um todo satisfatórios. 3. Os instrumentos convencionais ou de hard law de proteção da biodiversidade Até os anos 90, a proteção da biodiversidade estava fracionada e amparada dentro de una estratégia de zonas especialmente protegidas -parques nacionais, jardins botânicos, reservas naturais, etc.- e de conservação de determinadas espécies da fauna e da flora. A CDB estendeu este amparo considerando a biodiversidade como um todo inter-relacionado de espécies, ecossistemas, incluindo a proteção dos recursos genéticos e dos microorganismos. A seguir, serão analisadas algumas normativas internacionais relativas à proteção da biodiversidade. Particularmente, aquelas que tutelam espécies da fauna e flora, zonas especialmente protegidas, e grupos especiais de espécies ameaçadas ou em perigo de extinção. É importante destacar a existência de tratados internacionais de âmbito regional, tais como: a Convenção para a proteção do Mar 112

5 DA CONFERÊNCIA DE ESTOCOLMO À CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: Mediterrâneo contra a contaminação (Barcelona, 16 de fevereiro de 1976); a Convenção relativa à conservação da vida silvestre e do meio natural na Europa (Berna, 19 de setembro de 1979) e o Tratado de cooperação amazônica (Brasília, 3 de julho de 1978) Os tratados internacionais de proteção específica da fauna e da flora Os tratados que serão examinados nesta epígrafe possuem especial importância na conservação de espécies específicas da fauna e flora, já que inauguraram a tutela internacional de espécies ameaçadas no período anterior a entrada em vigor da CDB. Muito embora não tenham sido suficientemente capazes de frear a diminuição populacional de uma grande maioria de espécies ameaçadas e em perigo de extinção, esses tratados auxiliaram a reduzir a extinção de algumas que se encontravam em estado crítico de conservação, tais como os elefantes e as tartarugas marinhas. Regra geral, as espécies cobertas por esses tratados, ou constituem o objeto único ou estão listadas em anexos e classificadas nas categorias de ameaçadas de extinção, em perigo de extinção e em estado desfavorável de conservação. Para tanto, foram instituídas técnicas de proteção, tais como a proibição de captura, a restauração e/ou conservação de habitats, o controle internacional do comércio e a utilização racional. Não obstante, em algumas ocasiões, o caráter exclusivo de proteção desses instrumentos, acaba excluindo outras espécies que participam do ciclo ecológico do ecossistema que as protegidas habitam e que poderiam estar ameaçadas ou em perigo de extinção A Convenção sobre o comércio internacional de espécies ameaçadas da flora e fauna selvagem A Convenção sobre o comércio internacional de espécies ameaçadas da flora e fauna selvagem, conhecida como Convenção CITES 30 (Washington, 3 de março de ), protege, mediante a regulamentação do comércio, determinadas espécies, dispostas em três anexos 32 : a) todas espécies em perigo de extinção que são ou podem ser afetadas pelo comércio (Anexo I), o qual somente será autorizado em circunstâncias excepcionais (dispostas no art. 3); b) as espécies que não se encontram em perigo de extinção, mas que podem chegar a esta situação (Anexo II) e c) as espécies que as Partes na Convenção declararem submetidas à regulamentação interna com o objetivo de prevenir ou restringir sua exploração e que necessitam a cooperação de outras Partes no controle do comércio (Anexo III). A CITES estabelece como obrigação geral a proibição do comércio das espécies incluídas nos referidos anexos. Segundo esse instrumento internacional, o comércio de espécies está sujeito à prévia concessão e à apresentação de licenças e certificados 33 conforme a transação comercial a ser feita: exportação, importação ou reexportação. Seu órgão institucional de aplicação, a Conferência das Partes, se reúne a cada dois ou três anos para averiguar a aplicação da Convenção. Nestas reuniões, as Partes têm a possibilidade de examinar os progressos realizados na conservação das espécies incluídas nos anexos, incluir emendas aos anexos I e II, adotar medidas que facilitem o desempenho da Secretaria, receber e considerar seus informes, bem como os das Partes e formular recomendações capazes de melhorar a eficácia da CITES. Até o momento, foram realizadas treze reuniões. É importante registrar que, segundo informações da página web da CITES, desde sua entrada em vigor, não foi extinta nenhuma espécie amparada. Por isso, a Convenção é considerada um dos instrumentos jurídicos mais exitosos em matéria de proteção da flora e fauna, contando atualmente com 169 Partes 34. Por último, convém destacar que a implantação da CITES no Estado brasileiro está regulamentada pelo Decreto de 21 de setembro de Esse Decreto, além de confirmar o IBAMA como Autoridade Administrativa para, entre outras coisas, emitir licenças, também o designou como Autoridade Científica. Ademais, 113

6 BERTOLDI, M. R. o referido Decreto estabelece os procedimentos necessários ao comércio internacional de espécies e a forma e validade das licenças e certificados. No que se refere à flora, a Portaria Nº 3 de 8 de janeiro de 2004, estabelece e regulamenta os procedimentos para emissão de licenças de exportação, importação, certificado de origem e de reexportação de espécies da flora que estão protegidas pela Convenção A Convenção sobre a conservação de espécies migratórias de animais selvagens A Convenção sobre a conservação de espécies migratórias de animais selvagens 35, conhecida como Convenção de Bonn (Bonn, 23 de junho de ), tem como finalidade a conservação, mediante a restrição à captura e a conservação de habitats: a) dos habitats de reprodução e as espécies (terrestres, marinhas e aéreas) migratórias selvagens 37 nos Estados considerados da área de distribuição; b) as espécies em perigo (enumeradas no anexo I) e c) as espécies cujo estado de conservação seja desfavorável (enumeradas no anexo II). Paralelamente, a Convenção pretende: fomentar a cooperação internacional em relação às investigações que contribuam à conservação de espécies migratórias e o estabelecimento de medidas nacionais e internacionais para evitar que estas espécies se convertam em espécies ameaçadas; prevenir ou reduzir os fatores externos que ameacem às espécies migratórias e que as Partes concluam acordos subsidiários 38 sobre a conservação, cuidado e aproveitamento das espécies migratórias enumeradas no anexo II. Desde a perspectiva institucional, a Conven ção de Bonn conta com três órgãos: a Conferência das Partes (órgão de decisão que se reúne a cada três anos), o Conselho Científico (órgão encarregado de assessorar a Conferência das Partes nas questões científicas) e a Secretaria (órgão administrativo) A Convenção sobre a conservação dos recursos vivos marinhos antárticos Ante a falta de proteção aos recursos vivos marinhos antárticos 39, que adquiriram especial interesse internacional em razão às possibilidades econômicas que oferecem, a Convenção sobre a conservação dos recursos marinhos antárticos (Camberra, 20 de maio de ), complementou e expandiu o sistema do Tratado Antártico 41 (Washington, 1º de dezembro de 1959). A Convenção tem como principal objetivo a conservação e utilização racional dos recursos vivos do ecossistema marinho do Oceano Austral, ao sul da Convergência Antártica, especialmente o Krill e as focas, aves e peixes que dependem dele para sua subsistência. Como orientação à aplicação destes objetivos, estabeleceu os princípios de conservação -manutenção das relações ecológicas entre populações capturadas dependentes e associadas dos recursos vivos marinhos antárticos (art. 2.3.b)- e prevenção de modificações ou minimização dos riscos de mudanças no ecossistema marinho antártico (art. 2.3.c). Desde o ponto de vista institucional, a Convenção estabelece como instituição administrativa a Comissão para a Conservação dos Recursos Vivos Marinhos Antárticos (CCRV- MA 42 ) que, com o apoio consultivo do Comitê Científico para a Conservação dos Recursos Vivos Marinhos Antárticos -órgão consultivo da Comissão-, impulsionará os objetivos e princípios estipulados no artigo 2. Vale destacar que a CCRVMA, para gerenciar a conservação dos recursos marinhos, utiliza-se dos enfoques pecautório e ecossistêmico. Enquanto que o objetivo do primeiro é reduzir ao mínimo o risco associado às práticas insustentáveis de captura, o do segundo consiste em considerar as delicadas e complexas relações entre os recusos vivos e processos físicos que compõem o ecossistema Antártico. O Estado brasileiro, em 28 de janeiro de 1986, aderiu à Convenção, sendo admitido como membro pleno da CCRVMA em 8 de setembro de Posteriormente, em 3 de junho de 1987, o Decreto aprova a Política Nacional para Assuntos Antárticos, apoiada pelo Programa An- 114

7 DA CONFERÊNCIA DE ESTOCOLMO À CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: tártico Brasileiro (PROANTAR) que desenvolve pesquisas científicas naquele território Os tratados internacionais relativos à proteção de zonas especialmente protegidas Esses tratados estabeleceram zonas ou áreas terrestres e marinhas especialmente protegidas, as quais foram denominadas com uma infinidade de expressões: reserva natural, monumento nacional, parque nacional, jardim botânico, entre outras. Tal como nos tratados sobre as espécies da flora e fauna, fazem uso da defesa de determinadas áreas sob condições especiais, e do sistema de listas e anexos. Em sua maioria, objetivam proibir, restringir ou controlar as atividades humanas que incrementam os fenômenos de degradação ou alteração significativa das mencionadas zonas. Ainda que estes tratados instituam uma proteção jurídica setorial são fundamentais, pois demarcam áreas de interesse especial e, por conseguinte, são capazes para operar positiva e particularmente na conservação da biodiversidade dessas áreas, mantendo suas funções vitais. É importante registrar que as duas primeiras convenções a serem analisadas, juntamente com a Convenção CITES, a Convenção de Bonn e a CDB, constituem os cinco principais tratados internacionais de proteção da biodiversidade, sendo que as obrigações neles assumidas deverão ser complementarias e mutuamente reforçadas A Convenção sobre zonas úmidas de importância internacional, especialmente como habitat de aves aquáticas A Convenção sobre zonas úmidas 44 de importância internacional, especialmente como habitat de aves aquáticas -conhecida como Convenção Ramsar- instaura o regime jurídico de proteção internacional relativo a estas zonas, mediante o equilíbrio entre políticas nacionais e uma ação internacional coordenada. Adotada em Ramsar, no dia 2 de fevereiro de , e emendada por razão do Protocolo de 3 de dezembro de 1982, tem como principal objetivo proteger as zonas úmidas 46 de importância internacional para assegurar sua conservação, bem como a das aves aquáticas 47. Esta proteção está fundada no fato de que as funções ecológicas fundamentais das zonas úmidas são reguladoras dos regimes de água e do habitat de uma flora e fauna características, especialmente de aves aquáticas; as zonas úmidas constituem um recurso de grande valor econômico, cultural, científico e recreativo, cuja perda seria irreparável; as aves aquáticas nas suas migrações periódicas podem atravessar fronteiras e, portanto, devem ser consideradas como um recurso internacional 48. Os países que aderem a esta Convenção, além de assumir os compromissos de conservação e utilização racional 49 das zonas úmidas e aves aquáticas, mediante o estabelecimento de reservas naturais e a tomada de medidas adequadas para sua salvaguarda, tem a obrigação de incluir na Lista de zonas úmidas de importância internacional 50 pelo menos uma zona que em razão a sua ecologia, botânica, zoologia, limnologia ou hidrologia, possuam importância internacional. Também, deverão promover a cooperação internacional através da investigação, do intercâmbio de dados e da publicação relativa às zonas úmidas e sua flora e fauna, da celebração de consultas recíprocas respeito ao cumprimento das obrigações derivadas da Convenção e da organização de reuniões da Conferência das Partes 51 sobre a conservação das zonas úmidas e das aves aquáticas. O Brasil é o 4º país em superfícies na Lista Ramsar 52. Possui sete sítios na referida lista: Parque Nacional da Lagoa do Peixe (RS); Parque Nacional do Pantanal Matogrossense (MT); Parque Nacional do Araguaia (TO); Área de Proteção Ambiental das Reentrâncias Maranhenses (MA); Reserva de Desenvolvimento Sustentado Mamirauá (AM); Parque Estadual Marinho do Parcel de Manuel Luiz (MA) e Área de Proteção Ambiental da Baixada Maranhense (MA). Para administrar as zonas úmidas nacionais foi criado o Comitê Nacional de Zonas Úmidas 53, presidido pelo Secretário de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente. Ademais, cada país possui uma autoridade nacional 115

8 BERTOLDI, M. R. competente ou ponto focal nacional, responsável pela coordenação e implantação da Convenção. A Diretoria de Áreas Protegidas (DAP) do Ministério do Meio Ambiente, que também coordena o Sistema Nacional de Unidades de Conservação, atúa como autoridade nacional competente brasileira. É importante salientar que a Convenção Ramsar é um dos pilares do Progama Nacional de Áreas Protegidas, que visa a conservação e utilização racional da biodiversidade brasileira (ecossistemas, espécies e recursos genéticos) A Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar A Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar 54 (CNUDM) -Bahia Montego, 10 de dezembro de e, particularmente, a Parte XII (Proteção e preservação do meio marinho, artigos ), pretende constituir um marco jurídico geral, aglutinador do acervo normativo existente na matéria, isto é, o direito do mar consuetudinário e os convênios universais e regionais existentes, que fixe as bases para o desenvolvimento ulterior da regulação internacional e nacional 56, que previna, reduza e controle as distintas fontes de contaminação causadas por atividades humanas nos espaços marítimos e oceânicos, os quais compreendem suas águas e recursos naturais. Estes espaços desempenham um papel transcendental, mantendo os sistemas que sustentam a vida, moderando o clima e alimentando os animais e plantas, incluído o diminuto fito plâncton, produtor de oxigênio. Também, proporcionam proteínas, transporte, energia, emprego e propiciam outras atividades econômicas, sociais e culturais 57. Por uma parte, esta Convenção tem o objetivo global de proteger e preservar todos os espaços que constituem o meio marinho 58, da contaminação procedente de fontes terrestres, de atividades na Zona, de derramamento, a causada por barcos e a originária da atmosfera ou através dela 59 e, por outra, o objetivo setorial de proteger e preservar os ecossistemas raros ou vulneráveis e o habitat das espécies e outras formas de vida marinha dizimadas, ameaçadas ou em perigo 60. Portanto, na esfera do Direito positivo, se consagra o princípio geral de não danificar o meio marinho em quanto tal 61. As obrigações contraídas pelos Estados- Partes na CNUDM, em virtude da Parte XII, não têm força jurídica executória imediata. Estas obrigações, que deverão ser implantadas através da cooperação internacional e, quando proceda, regional, se referem à formulação de regras e standares técnicos que as desenvolvam, à notificação de danos iminentes ou reais, à elaboração e promoção de planos de emergência ante incidentes de contaminação e ao intercâmbio de informações e desenvolvimento de investigações científicas (arts ). Mesmo que a CNUDM não ofereça regras específicas relativas aos ESTANDARES técnicos que devem ser aplicados às distintas fontes de contaminação, se pode interpretar que incorpora, por referencia, as normas existentes sobre a matéria e as que podem ser adotadas com posterioridade 62, sempre e quando sejam cumpridas de maneira compatível com os princípios e objetivos gerais estipulados na CNUDM, conforme reza o artigo Os tratados internacionais relativos à proteção e conservação de espécies concretas ameaçadas ou em perigo de extinção A proteção de espécies ameaçadas ou em perigo de extinção possui uma longa trajetória jurídica no âmbito convencional internacional. Esses tratados -conseqüência da exploração insustentável por parte da indústria e a conseguinte diminuição de determinadas espécies potencialmente comerciáveis- desempenham um papel significativo no momento de idealizar o desafio que supõe a conservação da biodiversidade em sua totalidade. Primeiro, porque englobam espécies muito específicas, de captura massiva, excessiva e de grande importância industrial e comercial que chegaram a níveis de redução baixíssimos. Segundo, porque muitos deles incluem a proteção dos habitats destas espécies, o que ajuda consideravelmente na conservação do ecossistema e de outras espécies que o coabitam. 116

9 DA CONFERÊNCIA DE ESTOCOLMO À CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A proteção das focas A proteção das focas é objeto de vários tratados internacionais de âmbito regional. Entre estes instrumentos convencionais, destaca-se a Convenção provisória sobre a conservação das focas de pele do Pacífico Norte (Washington, 9 de fevereiro de 1957), atualmente denominada Convenção sobre a conservação das focas de pele do Pacífico Norte (emenda de 7 de maio de 1976). Essa Convenção derrogou o Tratado para a preservação e proteção das focas de pele (Washington, 7 de julho de 1911), que inaugurou o amparo jurídico dessa espécie de focas. O objetivo da Convenção é lograr a conservação a partir do aproveitamento sustentável dos recursos foqueiros do Oceano Pacífico Norte, tendo em conta sua relação com outros recursos marinhos da zona. Como medida de apoio institucional, foi criada a Comissão das focas de pele do Pacífico Norte, cuja função é formular e coordenar programas de investigação e adotar medidas apropriadas para a caça. A proteção das focas também teve lugar na Antártida. O Tratado da Antártida declarou como espécie especialmente protegida, as focas de pele e a de Ross. Além disso, vários de seus habitats naturais foram identificados como zonas especialmente protegidas. Consequentemente, as Partes no referido Tratado adotaram a Convenção para a conservação das focas da Antártida 63 (Londres, 1º de junho de 1972), que proíbe totalmente a captura ou sacrifício de três espécies de focas (as focas de Ross, os elefantes marinhos e a foca de pele) e institui quotas máximas de captura para as três restantes espécies de focas antárticas (a foca caranguejeiras, a de Weddell e o leopardo marinho). Também, essa Convenção designou três reservas oceânicas. Nelas estão proibidas toda captura ou sacrifício de focas. Além disso, foram impostas outras medidas de conservação tais como a regulação de temporadas de caça, as zonas de caça, o intercâmbio de informação sobre as focas caçadas, assim como os métodos de caça a serem utilizados A proteção dos ursos polares O Acordo para a conservação dos ursos polares (Oslo, 15 de novembro de 1973), tem como objetivo fundamental proteger a espécie da matança e conservar os ecossistemas donde habitam, especialmente suas zonas de abrigo e de alimentação e suas rotas migratórias. Para isso, prevê uma relação de medidas dirigidas à conservação que exigem a cooperação internacional: proibição da caça e da matança (art. 1º), exceto em situações de propósitos científicos, de conservação ou com a finalidade de prevenir alterações na gestão de outros recursos vivos (art. 3). Por conseguinte, ao teor do disposto no artigo 3, o artigo 1º não contém uma proibição absoluta. Não obstante, cabe destacar que o Informe 65 apresentado pela WWF, no ano de 2002, assinala que a mudança climática é a principal ameaça para esses mamíferos, já que o gelo marinho, que diminuiu 6% nos últimos 20 anos 66, é essencial a sua sobrevivência. Além disso, o Informe indica que há evidências de que o aquecimento global já afeta os ursos polares na Bahia Hudson no Canadá, país que alberga 60% dos ursos polares existentes no Planeta A proteção das baleias A Convenção internacional para a regulamentação da pesca da baleia 67 (Washington, 2 de dezembro de 1946), que substituiu a Convenção para a regulamentação da pesca da baleia (Londres, 24 de setembro de 1931), complementa o objetivo anterior de controlar as práticas descontroladas da captura de baleias ao introduzir o elemento exploração sustentável como acessório a devida preservação da espécie ou como um meio de manter a indústria baleeira. Para alcançar o objetivo de regular a comercialização das baleias -apoiado pela Convenção CITES- mediante o estabelecimento de quotas de captura anuais e uma proteção temporal e alternada aos diferentes tipos de baleias, foi instituída em 1948 a Comissão Baleeira Internacional 68, organismo multilateral encarregado da conservação e administração das baleias em nível mundial. O principal objetivo da Comissão é re- 117

10 BERTOLDI, M. R. visar periodicamente as medidas de aplicação da Convenção que regulam as atividades baleeiras. Essas medidas incluem: proteger certas espécies, designar áreas conhecidas como santuários e regular o número e tamanho das baleias pescadas. Os principais logros da Comissão foram a emenda de 1982 que proibiu totalmente o ato de capturar baleias em todos os mares e oceanos do mundo para efeitos comerciais e as de 1979 e 1994, que respectivamente, estabeleceram um santuário à espécie no Oceano Índico e no Oceano Austral. O Estado brasileiro 69, membro da referida Comissão, renunciou a caça às baleias há mais de 20 anos. Nesse sentido, proibiu a pesca do cetáceo em águas jurisdicionais através da lei n 7.643, de 18 de dezembro de Ademais, o Decreto s/n de 14 de setembro de 2000 criou a Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca, na região costeira do Estado de Santa Catarina. Também, é propositor, junto à Argentina e à África do Sul, do Santuário de Baleias do Atlântico Sul, área onde a matança é proibida e a pesquisa científica estimulada. 4. Considerações Finais A severa desorganização que sofre alguns ecossistemas do Planeta está colocando em perigo a diversidade de ecossistemas e espécies e, por conseguinte, a genética, as quais necessitam grandes períodos de tempo para se formar, estruturar e evoluir, bem como configuram o alicerce vivo para o desenvolvimento sustentável. A destruição da biodiversidade é um dos graves problemas que a humanidade tem para resolver no presente século. Nesse sentido, as palavras de Wilson são impactantes: a perda da diversidade biológica é pior que o esgotamento de energia, o colapso da economia, a guerra nuclear ou a conquista do poder por um governo autoritário. O único processo, crescente nos anos oitenta, que demorará milhões de anos para corrigir-se é a perda da biodiversidade genética e de espécies, mediante a destruição dos habitats. Nossos descendentes, dificilmente nos perdoarão por esse erro 70. A perda de biodiversidade, seja em nível de extinção ou redução, traz consigo desde o ponto de vista antropocêntrico a diminuição de recursos básicos que oferecem bens (alimentos, medicamentos, indumentária, energia, entre outros) e serviços ecossistêmicos (formação de solo, polinização, fotossíntese, entre outros) essenciais ao sustento e desenvolvimento da humanidade e do ambiente planetário. Ao mesmo tempo, desde o ponto de vista ecocêntrico, proporciona o desaparecimento de espécies, ecossistemas e recursos genéticos que, em conjunto com outros elementos ambientais, sustentam a biosfera e fazem possível a vida. Antes da entrada em vigor da CDB, os tratados internacionais de proteção dos elementos que integram a biodiversidade estavam fundados em uma estratégia de zonas especialmente protegidas e de conservação de determinadas espécies da fauna e flora, isto é, tutelavam separadamente as partes de um conjunto. Esses tratados ofereceram uma primeira visão da necessidade de proporcionar primazia ao valor ecológico que possuem as espécies vegetais e animais e os ecossistemas que as hospedam frente ao valor econômico resultante da imoderada caça e mortandade, que incrementaram os fenômenos de degradação ou alteração significativa destes bens ambientais e seus entornos. Não obstante, é importante acrescentar que as normas contidas nesses instrumentos jurídicos setoriais mantêm sua efetividade enquanto complementam e apóiam a CDB, a qual propôs uma estruturação jurídica: considerou a biodiversidade um todo inter-relacionado de espécies, ecossistemas, incluindo a proteção dos recursos genéticos e dos microorganismos. Notas 1 Segundo Fritjof Capra, a visão de mundo holística pode ser denominada visão ecológica se o termo ecológico é empregado em um sentido mais amplo e profundo que o atual. Afirma que a percepção ecológica profunda reconhece a interdependência fundamental de todos os fenômenos, e o fato de que, indivíduos e sociedades, estamos todos encaixados nos processos cíclicos da natureza (e, em última análise, somos dependentes desses processos (CAPRA, Fritjof. A Teia da Vida. Uma nova compreensão científica 118

11 DA CONFERÊNCIA DE ESTOCOLMO À CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, p.25). 2 PÉREZ AGOTE, Alfonso. Medio Ambiente: Abstracción y Desterritorialización de las Relaciones Sociales. In: Sociología y Medio Ambiente. Madrid: CEOTMA/MOPU, p Sobre este tema: KISS, Alexandre. An introductory note a human rigth to environment. In: BROWN WEISS, Edith. Environmental Change and International Law. Tóquio: United Nations University, pp MARIÑO MENÉNDEZ, Fernando. La protección internacional del medio ambiente (I): Régimen General. In: DIEZ DE VELASCO, Manuel. Instituciones de Derecho Internacional. Madri: Tecnos, p JUSTE RUIZ, José. Derecho internacional del medio ambiente. Madri: MacGraw-Hill, p Para mais detalhes sobre esta Conferência: SOARES, Guido Fernando Silva. Direito Internacional do Meio Ambiente. Emergência, obrigações e responsabilidades. São Paulo: Atlas, pp Doc. A/CONF.48/14, de 16 de junho de A Declaração de Estocolmo marca o início de uma nova consciência respeito à proteção do meio ambiente, pois não somente estabelece o começo da consideração do meio como uma questão transcendental, senão que, pela primeira vez enuncia os princípios gerais que devem inspirar, em nível internacional, a proteção ambiental. Consequentemente, é uma autêntica Carta Magna do ecologismo internacional. Cabe salientar que, além da Declaração de Estocolmo, foi aprovado o Plano de Ação para o Meio Ambiente (Doc. A/CONF.48/14, Rev.1) e estabelecido o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). 8 Estas normas, que não possuem caráter jurídico vinculante, optam por comportamentos voluntários. Têm respaldo em uma conduta ético-política, potenciada por uma expectativa positiva de cumprimento por todos os Estados, em um ambiente semelhante ao efeito dominó. Em suma, o soft law é próprio daqueles instrumentos cuja juridicidade é duvidosa ou cuja força vinculante é questionável. Normalmente, emergem em instrumentos programáticos tais como: Declarações de Política, Estratégias, Códigos de Conduta, Decisões de Conferências das Partes, Resoluções não obrigatórias de Organizaões Internacionais, entre outros. 9 Segundo Lévêque, o termo biodiversidade, contração de diversidade biológica, foi introduzido, na metade dos anos 80, pelos naturalistas que se inquietavam com a rápida destruição dos ambientes e de suas espécies e reclamavam que a sociedade tomasse medidas para proteger este patrimônio (LÉVÊQUE, Christian: A Biodiversidade. São Paulo: EDUSC pp ). 10 Doc. A/37/51, de 28 de outubro de BOU FRANCH, Valentín. La Conservación de la Diversidad Biológica. In: JUSTE RUIZ, José. Op.cit. p Não se ameaçará a viabilidade genética na terra; a população de todas as espécies, selvagens e domesticadas, será mantida a um nível pelo menos suficiente para garantir sua sobrevivência; assim mesmo, serão salvaguardados habitats necessários a este fim. 13 Os princípios de conservação serão aplicados a todas as partes da superfície terrestre, tanto na terra como no mar; será concedida uma proteção especial àquelas de caráter singular, aos exemplares representativos de todos os tipos de ecossistemas e aos habitats das espécies escassas ou em perigo ; os ecossistemas e os organismos, assim como os recursos terrestres, marinhos e atmosféricos que são utilizados pelo homem, serão administrados de tal maneira que mantenham sua produtividade ótima e contínua sem, por isso, colocar em perigo a integridade de outros ecossistemas e espécies com os quais coexistam ( ). 14 BOU FRANCH, Valentín. Op. cit. pp COMISIÓN MUNDIAL DEL MEDIO AMBIENTE Y DEL DESARROLLO: Nuestro Futuro Común. Alianza Editorial, pp Sobre a Conferência e os respectivos instrumentos adotados: SOARES, Guido Fernando Silva. Op. cit. pp Doc. A/CONF.151/Rev.1 (vol.1), de 14 de junio de Ver os Princípios 1, 3, 4, 5, 8, 9, 12, 20, 21, 22, 24 e 27 da Declaração do Rio. 19 Sobre esta Convenção: CASTILLO DAUDI, Mireia. La protección internacional de la atmósfera: de la contaminación transfronteriza al cambio climático. In: Cursos de Derecho internacional de Vitoria de Madri: Tecnos, pp Doc. A/CONF.151/26/ (Vol. III), de 14 de junho de Igualmente denominada Rio Foi realizada em Johannesburgo, de 26 de agosto a 4 de setembro de Doc. A/CONF.199/L.6/Rev Ver o objetivo 17 da Declaração. 24 Doc. A/CONF.199/20. Os elementos do Plano de Aplicação, respeito a biodiversidade, estão incluídos no artigo A pesar dos crescentes esforços feitos nos últimos 20 anos, o processo de perda da diversidade biológica do mundo continuou, principalmente por a causa da destruição dos habitats, o cultivo excessivo, a contaminação e a introdução inadequada de plantas e animales forâneos (art. 15.3). 26 Ver: Essa Meta foi objeto de apreciação e aprovação da Decisão VI/26 da COP 6 (Haia, abril de 2002). A decisão IX/9 da COP 9(Alemanha, maio de 2008) sugere a atualização e revisão da Meta da CDB para Ver: 28 Panorama da Biodiversidade Global 2, p. 77. Disponível em: 29 A COP, sem sede permanente, é o órgão governamental e consultivo da CDB. Tem a competência de facilitar a aplicação da CDB através das decisões, recomendações e alinhamentos técnicos estipulados em suas reuniões. O artigo 23 4º estipula suas principais funções e, paralelamente, diversos artigos estabelecem ações específicas que deverão ser desenvolvidas pela COP (arts. 14 2º, 18 3º, 19 3º, 20 2º e 21 1º). 30 Vale a pena consultar a página web da Convenção: <http:// 31 A Convenção entrou em vigor com caráter geral em 1º de julho de No Brasil, em 18 de novembro de Atualmente, em torno de espécies de animais e de vegetais estão amparados pela CITES. 32 Vejam-se os anexos em: <http://www.cites.org/esp/app/ index.shtml>. 119

12 BERTOLDI, M. R. 33 Sobre os requisitos para estas operações: artigos 3, 4, 5 e Última atualização em 10 de junho de Ver a página web da Convenção: <http://www.cms.int>. 36 A Convenção entrou em vigor com carácter geral em 1º de novembro de O Brasil não é parte. 37 Dentre as 1,5 milhões de espécies identificadas no Planeta, estima-se que entre 8 e 10 mil são migratórias. As espécies migratórias são componentes essenciais dos ecossistemas que sustentam a vida sobre a Terra. Por exemplo, ao atuar como polinizadores e distribuidores de sementes, contribuem à preservação da estrutura e função dos ecosistemas. Também, fornecem alimentos para outros animais e regulam o número de espécies presentes nestes ecossistemas. Disponível em: <http://www.cms.int/ publications/cms_brochure.htm>. 38 A participação no acordos subsidiários da Convenção está aberta a todos Estados e Organizações Regionais que alberguem as espécies resferidas no acordo, ainda que não sejam parte da Convenção. Entre os principais acordos subsidiários, é necesario destacar o Acordo para a conservação dos pequenos cetáceos do Mar Báltico e do Norte e o Acordo sobre a conservação das aves aquáticas migratórias da África e Eurásia. 39 Recursos vivos marinhos antárticos significam as populações de peixes com nadadeiras, moluscos, crustáceos e todas as demais espécies de organismos vivos incluindo pássaros, encontrados ao sul da Convergência Antártica (art. 1º. 2). 40 A Convenção entrou em vigor com caráter geral em 7 de abril de No Brasil, em 28 de janeiro de O sistema do Tratado Antártico está composto pelos seguintes instrumentos e mecanismos: o Tratado Antártico; as reuniões previstas no artigo IX do Tratado, conhecidas como Reuniões Consultivas; as Recomendações adotadas nas Reuniões Consultivas aprovadas por todos os Estados participantes; a Convenção para Conservação de Focas Antárticas; a Convenção sobre a Conservação dos Recursos Vivos Marinhos Antárticos e o Comitê Científico de Pesquisa Antártica (SCAR), organização não-governamental, filiada ao Conselho Internacional das Uniões Científicas. 42 Ver: < 43 Ver a direção eletrônica conjunta dos tratados sobre a diversidade biológica. Disponível em: <http://www.biodiv. org/convention/partners-websites.asp?lg=1>. 44 Sobre esta Convenção ver: BIRNIE, Patricia e BOYLE, Alan. International Law and the Environment. Oxford: Clarendon Press, pp e a página web: <http:// 45 A Convenção entrou em vigor com caráter geral em 21 de dezembro de No Brasil, em 24 de setembro de Segundo o artigo 1º. 1: as zonas úmidas são áreas de pântano, charco, turfeiras ou água, natural ou artificial, permanente ou temporária, com água estagnada ou corrente, doce, salobra ou salgada, incluindo áreas de água marítima com menos de seis metros de profundidade na maré baixa. Por exemplo, ecossistemas aquáticos, incluindo rios, zonas costeiras/marinhas e zonas úmidas artificiais, tais como lagoas, açudes e represas. 47 O artigo 1º.2 define aves aquáticas como as aves que dependem ecológicamente das zonas úmidas. 48 Preâmbulo da Convenção. 49 Na terceira Conferência das Partes (Regina, Canadá, maio-junho de 1987) foi adotada a siguiente definição de uso racional: O uso racional das zonas úmidas consiste no uso sustentável, em benefício da humanidade, de maneira compatível com a manutenção das propriedades naturais do ecossistema. (Recomendação 3.3: Uso racional das zonas úmidas. Disponível em <http://www.ramsar.org/ key_rec_3.3_s.htm>). 50 Conforme o artigo 8.2.b, a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), que desempenhará as funções de Oficina Permanente até que seja designada outra organização ou governo, é a instituição encarregada de manter a Lista de zonas úmidas e de receber das Partes as informações previstas no artigo 2.5, sobre todas as adições, ampliações, supressões ou diminuições relativas às zonas úmidas incluídas na Lista. 51 A Conferência das Partes, que se reúne a cada três anos, constitui o órgão institucional de aplicação da Convenção. 52 Até o presente momento foram designados 1590 sítios de importância internacional. No Brasil, confira: < 53 Decreto de 23 de outubro de Doc. A/CONF.62/ A CNUDM entrou em vigor com caráter geral em 16 de novembro de JUSTE RUIZ, José. Op. Cit. p COMISIÓN MUNDIAL DEL MEDIO AMBIENTE Y DEL DESARROLLO. Op. cit. pág Os Estados, entre outras coisas, deverão: (...) tomar todas as medidas necessárias para garantir que as atividades sob sua jurisdição ou controle se efetuem de modo a não causar prejuízos, por poluição, a outros Estados e seu respectivo ambiente, e que a poluição causada por incidentes ou actividades sob sua jurisdição ou controle não se estenda além das áreas onde exerçam direitos de soberania, em conformidade com a presente convenção (art ). 59 Os artigos estipulam os procedimentos internacionais e nacionais que as Partes deverão adotar para prevenir, reduzir e controlar os citados meios de contaminação marinha. 60 Não obstante, como observa Bou Franch, a Convenção de Bahia Montego não define nenhum destes conceitos (...) e não há nenhuma disposição sobre que classe de medidas de proteção e preservação poderão ser adotadas, nem sobre se é possível criar uma zona especialmente protegida que seja parcialmente marinha e parcialmente terrestre (BOU FRANCH, Valentín: Op. cit. p. 378). 61 MARIÑO MENÉNDEZ, Fernando. La protección internacional del medio ambiente (II): Regímenes particulares. In: DIEZ DE VELASCO, Manuel. Op. cit. p Por exemplo, a Convenção internacional para a prevenção da poluição causada por navios -MARPOL- (Londres, 2 de novembro de 1973); a Convenção internacional sobre cooperação, preparação e luta contra a contaminação por hidrocarbonetos (Londres, 30 de novembro de 1990); a Convenção sobre a prevenção da poluição marítima por alijamendo de resíduos e outras matérias (Londres,

13 DA CONFERÊNCIA DE ESTOCOLMO À CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: de dezembro de 1972); o Protocolo de 1996 relativo à Convenção sobre a prevenção da poluição marítima por alijamento de resíduos e outras matérias de 1972 (Londres, 7 de novembro de 1996); a Convenção sobre a diversidade biológica (Rio de Janeiro, 5 de junho de 1992). 63 A Convenção entrou em vigor no Brasil em 13 de março de 1991 por meio do Decreto Nº 66, de 18 de março de BOU FRANCH, Valentín. Op. cit. p WWF. Polar Bears at Risk, Suiza, Disponível em: <http://www.ngo.grida.no/wwfap/polarbears/risk/polar- BearsAtRisk.pdf>. 66 O Informe prevê que até % do gelo derreterá no verão. 67 Em vigor no Brasil desde 17 de janeiro de Ver: < 69 Ver: < 70 WILSON, Edward: La diversidad de la vida. Barcelona: Crítica, p Referências BIRNIE, Patricia e BOYLE, Alan. International Law and the Environment. Oxford: Clarendon Press, BOU FRANCH, Valentín. La Conservación de la Diversidad Biológica. In: JUSTE RUIZ, José. Derecho internacional del medio ambiente. Madri: MacGraw-Hill,1999. CAPRA, Fritjof. A Teia da Vida. Uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, CASTILLO DAUDI, Mireia. La protección internacional de la atmósfera: de la contaminación transfronteriza al cambio climático. In: Cursos de Derecho internacional de Vitoria de Madri: Tecnos, COMISIÓN MUNDIAL DEL MEDIO AM- BIENTE Y DEL DESARROLLO: Nuestro Futuro Común, Alianza Editorial, JUSTE RUIZ, José. Derecho internacional del medio ambiente. Madri: MacGraw-Hill,1999. MARIÑO MENÉNDEZ, Fernando. La protección internacional del medio ambiente (I): Régimen General. In: DIEZ DE VELASCO, Manuel. Instituciones de Derecho Internacional. Madri: Tecnos, La protección internacional del medio ambiente (II): Regímenes particulares. In: DIEZ DE VELASCO, Manuel. Instituciones de Derecho Internacional. Madri: Tecnos, PÉREZ AGOTE, Alfonso. Medio Ambiente: Abstracción y Desterritorialización de las Relaciones Sociales. In: Sociología y Medio Ambiente. Madrid: CEOTMA/MOPU, SOARES, Guido Fernando Silva. Direito Internacional do Meio Ambiente. Emergencia, obrigações e responsabilidades. São Paulo: Atlas, KISS, Alexandre. An introductory note a human rigth to environment. In: BROWN WEISS, Edith. Environmental Change and International Law. Tóquio: United Nations University, WILSON, Edward: La diversidad de la vida. Barcelona: Crítica, WWF. Polar Bears at Risk, Suiza: Disponível em: <http://www.ngo.grida.no/wwfap/ polarbears/risk/polarbearsatrisk.pdf>. 121

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável A educação é de importância crítica para promover o desenvolvimento sustentável. Por conseguinte, é essencial mobilizar os

Leia mais

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre)

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre) Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972 (tradução livre) A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, reunida em Estocolmo de 5 a 16 de junho

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 Altera os arts. 1º, 8º e 9º da Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza,

Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza, Carta Mundial para a Natureza A Assembleia Geral, Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza, Recordando que, na sua resolução 35/7 de 30 de outubro

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

Convenção sobre Prevenção da Poluição Marinha por Alijamento de Resíduos e outras Matérias (LONDON CONVENTION) (LC-72)

Convenção sobre Prevenção da Poluição Marinha por Alijamento de Resíduos e outras Matérias (LONDON CONVENTION) (LC-72) Convenção sobre Prevenção da Poluição Marinha por Alijamento de Resíduos e outras Matérias (LONDON CONVENTION) (LC-72) DECRETO N 87.566, DE 16 DE SETEMBRO DE 1982. Promulga o texto da Convenção sobre Prevenção

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO. (Estocolmo/junho/72) Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e

DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO. (Estocolmo/junho/72) Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO (Estocolmo/junho/72) A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e Considerando a necessidade

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

ESTRUTURA DE METAS E INDICADORES DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA. Braulio Dias, coordenador de Conservação da Biodiversidade, MMA/SBF

ESTRUTURA DE METAS E INDICADORES DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA. Braulio Dias, coordenador de Conservação da Biodiversidade, MMA/SBF ESTRUTURA DE METAS E INDICADORES DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA Braulio Dias, coordenador de Conservação da Biodiversidade, MMA/SBF O único tema da pauta da CONABIO desde 2003 que não foi concluído

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20: como chegamos até aqui Estocolmo 1972 Realizada há quarenta

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Diversidade biológica marinha e costeira Decisão II/10 e Decisão IV/5. Conservação e uso sustentável da diversidade biológica marinha e costeira

Diversidade biológica marinha e costeira Decisão II/10 e Decisão IV/5. Conservação e uso sustentável da diversidade biológica marinha e costeira Diversidade biológica marinha e costeira Decisão II/10 e Decisão IV/5. Conservação e uso sustentável da diversidade biológica marinha e costeira 149 Decisão V/3. Relatório de progresso da implementação

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Portaria n. 88, de 22/07/2015

Portaria n. 88, de 22/07/2015 Portaria n. 88, de 22/07/2015 O Ministério Público Federal, pelos Procuradores da República signatários, no cumprimento de suas atribuições constitucionais conferidas pelo art. 129 da Constituição Federal

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE. CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE-COEMA Câmara Técnica Especial PROCESSO

Leia mais

Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente

Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente; Tendo-se reunido em Estocolmo de 5 a 16 de junho de 1972; Tendo considerado a necessidade

Leia mais

UNTAET. UNITED NATIONS TRANSITIONAL ADMINISTRATION IN EAST TIMOR Administração Transitória das Nações Unidas em Timor-Leste

UNTAET. UNITED NATIONS TRANSITIONAL ADMINISTRATION IN EAST TIMOR Administração Transitória das Nações Unidas em Timor-Leste U N I T E D N A T I O N S United Nations Transitional Administration in East Timor N A T I O N S U N I E S Administration Transitoire de Nations Unies au Timor Oriental UNTAET UNITED NATIONS TRANSITIONAL

Leia mais

ANEXOS. Proposta de decisão do Conselho

ANEXOS. Proposta de decisão do Conselho COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.3.2014 COM(2014) 133 final ANNEXES 1 to 2 ANEXOS da Proposta de decisão do Conselho relativa à posição a adotar, em nome da União Europeia, na Comissão para a Conservação

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Estratégia Para Gestão Julho/2015 A Dezembro/2018

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Estratégia Para Gestão Julho/2015 A Dezembro/2018 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Estratégia Para Gestão Julho/2015 A Dezembro/2018 Versão 2.2 15/06/2015 Orientações Gerais Este documento tem por objetivo apresentar uma proposta

Leia mais

CONFERÊNCIAS MUNDIAS SOBRE O DIREITO AMBIENTAL 1

CONFERÊNCIAS MUNDIAS SOBRE O DIREITO AMBIENTAL 1 CONFERÊNCIAS MUNDIAS SOBRE O DIREITO AMBIENTAL 1 Cecilia Zanon Rossato 2 Waleska Mendes Cardoso 3 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar o direito ambiental internacional a partir das conferências

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos 80483 Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Estratégia Ambiental do Grupo do Banco Mundial 2012 2022 THE WORLD BANK ii Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Resumo Executivo

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

MinistériodoMeioAmbiente. Convenção sobrediversidadebiológica. Biodiversidade

MinistériodoMeioAmbiente. Convenção sobrediversidadebiológica. Biodiversidade MinistériodoMeioAmbiente Convenção sobrediversidadebiológica Biodiversidade 2 República Federativa do Brasil Presidente: Fernando Henrique Cardoso Vice-Presidente: Marco Antônio de Oliveira Maciel Ministério

Leia mais

Vote pelo seu ambiente

Vote pelo seu ambiente Vote pelo seu ambiente Um apelo ambiental para a ação do Parlamento Europeu de 2014-2019 Fotos: Susana Alves, Rúben Coelho e Pedro Geraldes Um papel claro para Europa O grande volume de desafios que a

Leia mais

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA António Gonçalves Henriques CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONCEITOS DE BASE Biodiversidade ou Diversidade Biológica é o conjunto das diferentes

Leia mais

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII ANOTAÇÕES SOBRE A FAUNA Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: VI - florestas, caça,

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann. Meio Ambiente no Mercosul

Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann. Meio Ambiente no Mercosul Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann Meio Ambiente no Mercosul 1 Introdução e Objetivos O Mercado Comum do Cone Sul foi criado em 1992 com a ratificação

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Documento de sessão 17.10.2013 B7-0000/2013 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B7-0000/2013 nos termos do artigo 115.º,

Leia mais

Comissão Nacional de Meio Ambiente Abril/2013

Comissão Nacional de Meio Ambiente Abril/2013 Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Comissão Nacional de Meio Ambiente Abril/2013 Wilson A. Bonança Consultor em Recursos Hídricos wilson.bonanca@cna.org.br Confederação da Agricultura e Pecuária

Leia mais

Estrutura Legal e Regulatória para a Implementação da GIRH. Aspectos Legais da Gestão de Recursos Hídricos Compartilhados

Estrutura Legal e Regulatória para a Implementação da GIRH. Aspectos Legais da Gestão de Recursos Hídricos Compartilhados Estrutura Legal e Regulatória para a Implementação da GIRH Aspectos Legais da Gestão de Recursos Hídricos Compartilhados Meta e objetivos do capítulo Meta A meta deste capítulo é rever o papel e a relevância

Leia mais

Breves comentários sobre a base constitucional da proteção da biodiversidade

Breves comentários sobre a base constitucional da proteção da biodiversidade Conservação da Biodiversidade Legislação e Políticas Públicas Breves comentários sobre a base constitucional da proteção da biodiversidade Ilidia da Ascenção Garrido Martins Juras A primeira referência

Leia mais

Mineração e Áreas Protegidas

Mineração e Áreas Protegidas Márcio Silva Pereira Salvador, 08.06.2010 Rua da Assembléia, 66-17 Andar - Centro - Rio de Janeiro / RJ - CEP: 20011-000 tel: (55 21) 2114-1700 - fax: (55 21) 2114-1717 - http://www.svmfa.com.br I. Recursos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Redução dos níveis de emissão de gases de efeito estufa na atmosfera

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção

Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção Resolução Conf. 11.15 (Rev. CoP12) Empréstimos, doações e intercâmbios não comerciais de de espécimes

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS. MOÇÃO N o 59, DE 20 DE SETEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS. MOÇÃO N o 59, DE 20 DE SETEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS MOÇÃO N o 59, DE 20 DE SETEMBRO DE 2011 Recomenda ações no âmbito da Bacia Hidrográfica do Rio Acre. O CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS,

Leia mais

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores!

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores! 1 Prezados alunos e professores! O livro Somos os Senhores do Planeta é fruto de um trabalho didático que tem por objetivo reunir em uma única publicação temas sobre o meio ambiente, são textos de fácil

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente LEI Nº 4366 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E DE MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM-ES. A Câmara Municipal de Cachoeiro de

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20 MANEJO AMBIENTALMENTE SAUDÁVEL DOS RESÍDUOS PERIGOSOS, INCLUINDO A PREVENÇÃO DO TRÁFICO INTERNACIONAL ILÍCITO DE RESÍDUOS

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com Meio ambiente é o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em

Leia mais

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM )

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) LÍDERES Curso Internacional sobre Saúde, Desastres e Desenvolvimento Brasília DF 26 de novembro a 07 de dezembro de 2007 Ministério da Saúde

Leia mais

Manifesto europeu para o turismo náutico sustentável

Manifesto europeu para o turismo náutico sustentável INTRODUÇÃO Através de várias iniciativas, incluindo as declarações sobre turismo de Manila e Haia, a comunidade internacional confirmou a importância do papel do turismo de veicular o desenvolvimento social

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

SEÇÃO II - CONSERVAÇÃO E GESTÃO DOS RECURSOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Capítulo 9 PROTEÇÃO DA ATMOSFERA

SEÇÃO II - CONSERVAÇÃO E GESTÃO DOS RECURSOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Capítulo 9 PROTEÇÃO DA ATMOSFERA SEÇÃO II - CONSERVAÇÃO E GESTÃO DOS RECURSOS PARA O DESENVOLVIMENTO Capítulo 9 PROTEÇÃO DA ATMOSFERA Introdução 9.1. A proteção da atmosfera é um empreendimento amplo e multidimensional, que envolve vários

Leia mais

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade A Agenda 21 vai à Escola Autora: Zióle Zanotto Malhadas Nucleo Interdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR/Curitiba/2001

Leia mais

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio;

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio; OS IMPACTOS AMBIENTAIS E A BIODIVERSIDADE 1 A poluição A introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha alterar as propriedades físicas, químicas ou biológica que afete a saúde das

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.747, DE 5 DE JUNHO DE 2012 Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas PNGATI,

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Os Acordos Multilaterais Ambientais e a OMC

Os Acordos Multilaterais Ambientais e a OMC Os Acordos Multilaterais Ambientais e a OMC Selene Cristina de Pierri Castilho Thais Megid Pinto Diego Castro Sílvia Helena Galvão de Miranda Heloísa Lee Burnquist Elaborado em março/2004 Conforme o tema

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Bases para a ação CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS 38.1. O mandato da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas

Leia mais

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS Direito e Mudanças Climáticas Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: o que o Direito tem a ver com isso? Mudanças Climáticas Alterações

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

Decreto nº 77.374, de 01.04.76

Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Promulga a Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Estocagem de Armas Bacteriológicas (Biológicas) e à Base de toxinas e sua Destruição. O PRESIDENTE DA

Leia mais

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS San José, Costa Rica 11 y 12 de diciembre del 2013 Vania Tuglio Fiscal Criminal SP, Brasil GECAP Grupo Especial de Combate aos Crimes Ambientais Lei 9.605\98 Art.

Leia mais