PLANO DIRETOR DE RIBEIRÃO DAS NEVES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DIRETOR DE RIBEIRÃO DAS NEVES"

Transcrição

1 PLANO DIRETOR DE RIBEIRÃO DAS NEVES VOLUME I : HISTÓRICO E CONCEPÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO DAS NEVES WALACE VENTURA Prefeito Municipal BÁRBARA LEITE Vice-Prefeito Municipal SUPEVISÃO GERAL DOS TRABALHOS PELA PREFEITURA CLAYTON VENTURA Secretário Municipal de Planejamento e Meio Ambiente ELABORAÇÃO DOS TRABALHOS Prefeitura Municipal de Ribeirão das Neves Coordenação Geral dos Trabalhos CLAYTON VENTURA BRUNO LEITE LÍVIA DE SOUZA EQUIPE DE REVISÃO HÉLEN DE AGUIAR, Economista Especializada em Meio Ambiente e Finanças Públicas LUIZ MARIO QUEIROZ LIMA, Dr. Engenharia Hidráulica e Saneamento LUIZ GLUCK LIMA, Biólogo, Mestrando em Biotecnologia Vegetal BASE TECNOLÓGIC FEVEREIRO

2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO SÍNTESE DAS PRINCIPAIS ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DE RIBEIRÃO DAS NEVES INSERÇÃO MUNICIPAL DIRETRIZES PARA A GESTÃO MUNICIPAL DAS RAZÕES PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRITIVA MUNICIPAL ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL PARA O MEIO AMBIENTE O MODELO TECNOLÓGICO INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A POTÊNCIA QUE PODEMOS SER DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NEVES-TECH RIBEIRÃO DAS FLORES

3 1. INTRODUÇÃO Abrangendo uma área de 154,67 km 2, Ribeirão das Neves é um dos 34 municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte - RMBH e contribuindo com 5,67% da população do total de habitantes. A cidade é um dos núcleos mais antigos da região, tendo surgido por volta de 1747, quando foi erigida a Capela de Nossa Senhora das Neves. Somente a partir de 1943 passou a chamar-se Ribeirão das Neves e sua emancipação, como município se deu em 12 de dezembro de Com a construção da Penitenciária Agrícola de Neves é que seu núcleo urbano começou a se desenvolver, principalmente a partir da migração de parentes de penitenciários. Entretanto, o estigma cidade presídio agravado pela construção de novas unidades penitenciárias, desestimulou seu crescimento econômico, alicerçado na produção de hortigranjeiros para subsistência e na extração de areia nos córregos do município. A partir da década de 50, o município, que tinha habitantes, começou a sofrer as conseqüências do processo de metropolização, quando lhe foi imposto a condição de periferia. As correntes migratórias, que demandavam os empregos ofertados principalmente no eixo leste/oeste da RMBH e, em menor escala, no eixo norte, esbarravam no alto custo dos terrenos, nos postos de emprego, no processo de retenção especulativa e na ausência de oferta de moradias para a população de baixa renda. A maior parte desta demanda reprimida passou a se assentar em Ribeirão das Neves, incentivada pela oferta massiva de lotes sem qualquer infra-estrutura. Esse processo de ocupação, talvez inédito no país, dado a sua velocidade e ao seu caráter seletivo, que concentrou, em sua maioria, população de baixa renda. Ao longo dos últimos 50 anos, a ocupação do município de Ribeirão das Neves, se deu tanto na forma de invasão da mancha urbana do aglomerado como também através do inchaço do seu núcleo sede com o crescimento periférico. A invasão ocorreu via Venda Nova (RMBH), na região de Justinópolis, e também na região da BR-040, na divisa com Contagem (RMBH). 3

4 Na década de 70, o município registrou um crescimento urbano da ordem de 21,36% a.a., a mais alta taxa registrada na RMBH. 4

5 A concentração de uma população de baixo nível de renda que hoje é estimada em habitantes (DATASUS, 2005), dos quais são crianças e adolescentes, (Secretaria Municipal de Educação 2004), a falta de uma base econômica capaz de absorver pelo menos parte dessa força de trabalho no local de assentamento, a falta de recursos públicos para fazer frente à demanda de serviços e infra-estruturas decorrentes desta ocupação acelerada, são fatores que desenham um quadro de miséria, carência e exclusão, que tende a se agravar nas próximas décadas. 5

6 Tabela 1: Síntese Estatística do Município de Ribeirão das Neves/ Belo Horizonte Ano: 2000 Estatísticas Ribeirão das Neves Belo Horizonte População População DATASUS População com menos de 15 anos Proporção da população com menos de 15 anos 32,03 % 24,28% Proporção de Pobres 30,59 % 14,17% Proporção de crianças pobres 41,37 % 24,04% Proporção de crianças indigentes 15,90 % 8,82% Proporção de crianças fora da escola 4 a 5 anos 60,91 % 36,39% 5 a 6 anos 35,25 % 19,67% 7 a 14 anos 3,59 % 2,19% 10 a 14 anos 3,70 % 2,22% 15 a 17 anos 22,12 % 13,22% IDH 0,749 0,839 Posição de classificação entre os 853 municípios mineiros: PIB/Habitantes 673º LUGAR 33º LUGAR Fonte: Fundação João Pinheiro (FJP), Centro de Estatística e Informações (CEI) - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Coordenação de Contas Nacionais (CONAC). 6

7 É importante ressaltar que, apesar da maioria das crianças de 06 a 17 anos estar freqüentando regularmente a escola, a rede municipal de ensino, principalmente no que se refere a infra-estrutura física é deficitária: dos 48 prédios escolares, 31 funcionam em casas alugadas. O número de alunos de 0 a 5 anos atendidos na rede é insignificante frente a população de crianças dessa faixa etária. Com relação às crianças e adolescentes Portadoras de Necessidades Especiais, os serviços existentes na rede de atenção integral que promovem a inserção social e o aprendizado não são suficientes para atendimento à demanda explicitada no quadro abaixo. Pessoas com deficiência mental e/ou física 0 a 4 anos: a 9 anos: a 14 anos: a 17 anos: 1431 Nº de alunos atendidos na APAE: 300 Nº de alunos atendidos na rede pública: 74 TOTAL DE CRIANÇAS SEM QUALQUER ASSISTÊNCIA: 6328 Além disso, é preciso salientar que a maioria das crianças e adolescentes de Ribeirão das Neves não tem o que fazer fora do período escolar, haja vista que o município não possui equipamentos públicos que promovam lazer, cultura, práticas esportivas e de convivência saudável, livre de drogas, sejam elas lícitas ou ilícitas. 7

8 Segundo Pochmann (Atlas da Exclusão Social no Brasil 2003), o município de Ribeirão das Neves, dentre os 34 municípios da RMBH, ocupa: - 6 lugar no ranking de violëncia; - 9 lugar no índice de exclusão social Número de óbitos por causa externa e arma de fogo na faixa etária de 10 a 19 anos em Ribeirão das Neves no período de 2000 a Causa Externa Arma de fogo Em Ribeirão das Neves, a principal causa de óbitos registrada na faixa etária de 0 a 19 anos é por causas externas 67% são por arma de fogo. Apesar de estar a apenas 23 km da 3ª maior Capital do País, seus indicadores sociais assemelham-se aos dos municípios mais pobres do semi-árido brasileiro. Nos seus 258 anos de vida, Ribeirão das Neves, encontra-se à margem do desenvolvimento econômico e social. O impacto causado pela presença do grande número de presídios, desestimulou os investimentos econômicos e sociais, mantendo um quadro de crescimento da pobreza de forma acelerada e de exclusão social, demandando urgência na implementação de políticas públicas que revertam o quadro atual, o que contribuirá 8

9 para que os mais de cidadãos, onde são crianças e adolescentes do município reescrevam sua história como sujeitos de direitos e deveres. Como proposta de reversão a tamanha carência, Ribeirão das Neves procura conclamar a sociedade civil na busca de parceiros que viabilizem mudanças significativas. As ações transformadoras que estão sendo propostas são apresentadas em forma de projetos de intervenção de curto, médio e longo prazo, e que visam a melhoria da qualidade de vida de todos os Nevenses. Ribeirão das Neves precisa garantir à sua população o gozo dos direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata a Lei, assegurando-se-lhes, todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes proporcionar uma cidade melhor para se viver. 9

10 2. SÍNTESE DAS PRINCIPAIS ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DE RIBEIRÃO DAS NEVES Considerando os aspectos econômicos sociais, pode-se resumir as seguintes anomalias que comprometeram o desenvolvimento do município: Estrutura fundiária fragmentada, com grande número de pequenos produtores com baixo poder aquisitivo; Estigma da presença de presídios desvalorizando os imóveis e afastando investimentos necessários ao desenvolvimento sócio-econômico do município; Imobiliarismo descontrolado, invasões, loteamentos clandestinos, enfocando a falta de uma política urbana adequada; Crescimento demográfico acelerado, fato que dificultou as atividades de planejamento, acarretando o descontrole do processo de desenvolvimento urbano; Falta de uma política de desenvolvimento urbano capaz de frear o crescimento desordenado e revelar e ampliar as potencialidades do município. 10

11 3. INSERÇÃO REGIONAL A decisão de caminhar para o futuro requer a compreensão dos fatos históricos que permitiram atingir o estágio atual. Com a finalidade de conhecer melhor a inserção de Ribeirão das Neves na RMBH e no estado de Minas Gerais, serão utilizados três indicadores, o Produto Interno Bruto - PIB, o Índice de Condições de Vida - ICV - e o Índice de Desenvolvimento Humano - IDH, que serão sucintamente conceituados a seguir. O PIB é um índice estritamente econômico, que agrega de modo sintético o valor da produção de bens e serviços da unidade que se quer analisar, por exemplo, município, estado ou país. Até o final da década passada, as comparações entre países eram feitas com base no PIB. Desde 1990, a Organização das Nações Unidas - ONU - introduziu o IDH para que se pudesse captar os aspectos sociais do desenvolvimento, além da dimensão econômica. Este índice é, portanto, mais complexo do que o PIB, combinando, com pesos iguais, as dimensões de renda, educação e longevidade. Além de mais amplo, ele é também mais pertinente ao nível municipal do que o PIB, porque nem toda a renda apropriada por um município foi nele gerada, assim como nem toda a renda aí gerada foi por ele apropriada. A Fundação João Pinheiro, juntamente com o IPEA, operacionalizou o IDH para ser aplicado aos municípios mineiros. No trabalho da FJP e do IPEA, o indicador de longevidade é obtido com base na esperança de vida ao nascer; o indicador de educação, com base na taxa de alfabetização e no número médio de anos de estudo e o de renda, com base na renda familiar per capita média. Segundo os valores obtidos, os municípios podem ser classificados como apresentando IDH baixo (de 0 até 0,5), médio (entre 0,5 e 0,8) ou alto (acima de 0,8). O terceiro índice criado pela FJP e IPEA, acima referido, foi o ICV. É ainda mais abrangente que o IDH, pois não só acrescenta um bloco de dados específicos sobre a condição da infância, como amplia as informações dos blocos de renda, longevidade, educação e habitação. 11

12 O bloco infância compreende informações sobre infreqüência, defasagem escolar média, atraso escolar maior que um ano e crianças que trabalham. As modificações efetuadas nos outros indicadores são: - no bloco renda, ao indicador renda familiar per capita são acrescentadas - estimativas sobre desigualdade de renda e situação da pobreza; - no bloco longevidade, ao indicador esperança de vida ao nascer foi adicionada a informação sobre taxa de mortalidade infantil; - no bloco educação, o número de anos de permanência na escola (inclusive aqueles devidos à repetência) foi acrescentado aos indicadores constantes do IDH (taxa de alfabetização e número médio de anos de estudo) - no bloco habitação, foram incluídas a porcentagem da população vivendo em domicílios com densidade superior a duas pessoas por dormitório potencial, a porcentagem de população vivendo em domicílios duráveis e a porcentagem da população vivendo em domicílios com abastecimento adequado de água e instalação adequada de esgoto. Analisando-se a evolução de Ribeirão das Neves em relação ao PIB da RMBH e do estado, observa-se que o PIB do município apresentou, no período 1985/95, uma taxa de crescimento médio anual bastante superior à verificada na RMBH e no estado (Quadro 1). Constata-se, entretanto, que em todos os anos registrados (1985, 1990 e 1995), a contribuição do município para a formação do PIB estadual é ínfima. Quanto ao PIB por habitante (Quadro 2), observa-se que seus valores absolutos para o município são bem menores que os da RMBH e do estado. Não obstante, constata-se que, entre 1985 e 1995, o PIB por habitante de Ribeirão das Neves apresentou taxas positivas de crescimento, ao contrário do apresentado pela RMBH. 12

13 Tais taxas, no período considerado, revelaram-se bem superiores às apresentadas pelo estado. Os dados do Quadro 3 indicam que o IDH de Ribeirão das Neves apresenta, desde 1980, valores que o situam entre os municípios de médio desenvolvimento. De acordo com o IDH, o município apresentou ligeira evolução entre 1970 e Observa-se uma tendência à contínua melhora da tendência dos indicadores de longevidade e educação, enquanto o indicador renda revela um crescimento expressivo entre 1970 e 1980 e um declínio posterior, seguindo a tendência da RMBH e do estado. 13

14 Comparando-se a localidade sob análise com a RMBH e o estado de Minas Gerais, observa-se que os indicadores sociais do município encontram-se em níveis inferiores aos da RMBH e do estado, no que diz respeito à longevidade, renda e educação. Em 1970, o IDH do município se mostrava semelhante ao estadual (0,408 e 0,412, respectivamente). No decorrer dos anos seguintes, nota-se que os índices do município mantiveram-se sistematicamente abaixo dos índices apresentados pelo estado. O IDH passa para 0,699 no estado como um todo, enquanto em Ribeirão das Neves registrou-se 0,588 (84,1% da média estadual). Observa-se que os três indicadores (longevidade, educação e renda) tiveram um desempenho inferior ao do estado como um todo. 14

15 No que diz respeito à comparação entre o município e a RMBH, nota-se que, em 1991, os valores do IDH relativos ao município de Ribeirão das Neves mostram-se inferiores aos da RMBH em todos os indicadores considerados. Também quanto ao ICV, constata-se ser o desempenho do município inferior ao da RMBH, para todos os indicadores considerados, entre 1980 e Em comparação com o ICV do Estado de Minas Gerais, Ribeirão das Neves mostra um desempenho inferior no período considerado em todos os indicadores (com exceção do indicador longevidade). A fim de facilitar o acompanhamento da evolução do IDH e do ICV, foi elaborado Quadro 4, que apresenta o crescimento percentual dos índices e indicadores entre 1970 e Nele observa-se que, em todos os indicadores analisados (com exceção de longevidade), o crescimento do IDH e do ICV de Ribeirão das Neves se apresenta com menor intensidade que o do estado. 15

16 Cabe observar que a Fundação João Pinheiro e o IPEA acabam divulgar os resultados do IDH por município para o ano de Entretanto, devido a mudanças na metodologia de cálculo, os resultados de 2000 não são comparáveis aos calculados para o período O IDH de Ribeirão das Neves foi de 0,749 em 2000, sendo o índice de longevidade de 0,773, o índice de educação, de 0,856 e o índice de renda, de 0,619. O IDH da RMBH foi de 0,811 em 2000, sendo o índice de longevidade de 0,757, o índice de educação, de 0,904 e o índice de renda, de 0,771. Finalmente, o IDH do estado de Minas Gerais foi de 0,773 em 2000, sendo o índice de longevidade de 0,759, o índice de educação, de 0,850 e o índice de renda, de 0,711. De acordo com estes dados, o IDH total de Ribeirão das Neves apresentava-se, em 2000, inferior ao da RMBH e ao do estado Aspectos Demográficos 16

17 Segundo o Censo Demográfico realizado pelo IBGE em 2000, Ribeirão das Neves apresenta uma população total de habitantes, o que representa uma densidade demográfica de 1 602,69 hab/km2 (Quadro 5), considerada bastante elevada quando comparada com a do Estado, de 30,50 hab/km2. Cabe observar que, dentre os municípios que compõem a RMBH, apenas Belo Horizonte, Contagem e Ibirité têm maior densidade demográfica que Ribeirão das Neves. A distribuição da população segundo sexo (Quadro 6) mostra que a proporção de mulheres é idêntica à masculina, enquanto no estado a proporção de mulheres é um pouco mais elevada que a de homens. 17

18 Os dados do Quadro 7 mostram a população total residente, por localização urbana e rural, nos anos de 1970, 1980, 1991 e Seguindo a tendência de urbanização verificada em Minas Gerais, pode-se perceber o crescimento da população urbana no município, tanto em termos absolutos quanto percentuais. Em 1970, havia 57,1% dos habitantes de Ribeirão das Neves residindo na zona urbana, índice este elevado para 91,7 % em 1980 e 99,4% em Devido aos fatores analisados na parte 2 deste diagnóstico, Ribeirão das Neves registra, no período considerado, uma ocupação urbana acelerada, apresentando um índice de urbanização muito superior ao do estado. A população rural, por sua vez, elevou-se em números absolutos de 1970 a 1991, vindo a se reduzir a partir de então. Sua participação percentual ao longo do período de 1970 a 2000 decresce de 42,9% para 0,6% respectivamente. Enquanto a taxa média de crescimento anual da população urbana situou-se em torno de 27,2% e 6,2% nas décadas de 1970 e 80, respectivamente, e a da população rural manteve-se em torno de 3,0% e 14,1%, respectivamente, observa-se que, no período de 1991/2000, a primeira aumenta para 8,3% e a segunda se torna altamente negativa ( 26,8%). Considerando-a para o município como um todo, nota-se que foi de, respectivamente 21,4% e 7,2% nas duas primeiras décadas sob análise, reduzindo-se para 6,2% no período 1991/2000. O crescimento municipal mostrou-se muito superior ao do estado em todos períodos analisados, sobretudo no período 1970/1980 (quando a taxa de crescimento médio anual foi de 21,4 % no município, contra 1,5% no estado). 18

19 No que se refere à distribuição da população por grupos de idade (Quadro 8), pode ser verificado que o município sob análise apresenta percentuais acima da média estadual para as faixas compreendidas entre 0 e 39 anos e menores que os do estado para as faixas de 40 anos e mais. Os dados sobre a movimentação eleitoral no município, fornecidos pela Fundação João Pinheiro, indicam que o número de eleitores inscritos em Ribeirão das Neves é de , sendo que (88%) compareceram para votar nas eleições de 2000 e o grau de abstenção foi de 12,0%, contra 15,6% no estado. A população total residente segundo tipo de habitação em 2000 é apresentada no Quadro 9. Como se pode observar, o percentual da 19

20 população que reside em casas é um pouco maior em Ribeirão das Neves do que no estado e que os percentuais da população que vive em cômodos ou de forma coletiva são superiores no município, em comparação com o estado. Confirmando a tendência apontada pelo IDH e pelo ICV, o Quadro 10 apresenta dados relativos aos indicadores de esperança de vida ao nascer e de mortalidade infantil para o estado e para o município. Os dados mais recentes de que se dispõe mostram que a esperança de vida ao nascer no município é inferior à média do estado e que a taxa de mortalidade infantil é menor do que a média estadual. 20

21 Outro dado importante a ser destacado refere-se à distribuição da população economicamente ativa - PEA - por setor de atividade (Quadro 11). Enquanto em 1970 essa população correspondia a 25,4 % da população total, em 1980 tal percentual elevou-se para 30,3 % e para 35,6% em Com relação ao período analisado, a evolução observada no Quadro 11 indica que a PEA declinou fortemente no setor primário, tendo assim se deslocado para os setores secundário e terciário. O setor primário teve sua participação percentual na PEA reduzida de 34,5% em 1970 para 4,2% em 1980 e 2,3% em 1991, o que é um indicador da parca expressividade econômica das atividades agropecuárias no município. O setor secundário experimentou um aumento de sua participação na PEA de 22,6% em 1970 para 45,9 % em 1980, reduzindo sua participação para 35,6% em O setor terciário teve sua participação na PEA aumentada de 42,9 % em 1970 para 49,9% em 1980, elevando sua participação para 62,1% em

22 3.2. Economia Municipal Introdução Como mostra o Quadro 12, o município tem sua base econômica assentada nos setores secundário e terciário, tendo o setor primário participação inexpressiva no PIB. Não obstante, algumas atividades agropecuárias desenvolvidas no município merecem destaque, como a produção de hortifrutigranjeiros, a bovinocultura e a avicultura. Na exploração mineral, destaca-se a extração de argila, areia e brita. O setor terciário, embora apresente participação hegemônica no PIB municipal, caracteriza-se pela sua pouca diversificação, prevalecendo aquelas atividades de apoio à população. O Quadro 13 apresenta dados do Valor Adicionado Fiscal (VAF) do município para o ano de 2000, que permitem avaliar a importância relativa das atividades secundárias e terciárias na economia municipal. Como se pode constatar, o comércio varejista e atacadista é o setor que mais agrega valor ao município (61,55% do total), vindo a seguir a indústria de transformação, com 32,92% do total. O detalhamento dos ramos da indústria de transformação destaca a importância relativa da indústria de produtos farmacêuticos e veterinários (9,61% do total) e da indústria de mobiliário (5,61%). As demais atividades industriais e de 22

23 serviços encontram-se pulverizadas em diversos ramos, não havendo propriamente um setor que sirva de carro-chefe para o desenvolvimento municipal Setor Primário Utilização das Terras e Estrutura Fundiária No que se refere à utilização das terras, o Quadro 14 permite visualizar uma série de transformações tendenciais ocorridas no período 1970/96. Os dados comparativos para o período como um todo mostram tendências de médio prazo, a saber: 23

24 - redução significativa da área usada para a atividade agropecuária a partir de 1985, sendo que, em 1996, esta representava 16,7% da registrada em 1985; - redução da utilização das terras para lavouras de caráter permanente e temporário; - redução da área ocupada por pastagens naturais e incremento da área ocupada por pastagens plantadas; - redução da área ocupada por matas e florestas, das terras inaproveitáveis e aumento das terras em descanso e produtivas não utilizadas. - Essas mudanças podem ser analisadas de forma distinta, quando se refere a partes isoladas do período em pauta, uma vez que algumas modificações tiveram lugar de 1970 a 1980, outras de 1980 a A principal delas reside no fato de que, no primeiro período considerado, verificou-se a redução das lavouras permanentes e temporárias, das pastagens naturais e das matas e florestas plantadas, enquanto ocorreu o aumento das áreas de pastagens plantadas, das matas e florestas naturais e das terras inaproveitáveis. - Por outro lado, no período seguinte, percebe-se uma redução das áreas de lavouras permanentes e temporárias, das pastagens naturais, das matas naturais e plantadas e das terras inaproveitáveis e, ao mesmo tempo, o aumento das terras em descanso e das pastagens plantadas. 24

25 Quando se analisa a estrutura fundiária do município (Quadro 15), percebe-se que houve aumento do percentual da área ocupada pelos estabelecimentos até 200 ha,assim como uma redução do percentual dos estabelecimentos de 200 a ha. (com respectivo acréscimo do percentual de área ocupada) e a redução do percentual e da área ocupada pelos estabelecimentos acima de ha. Cabe destacar que as propriedades com tamanho até 200 ha representam cerca de 91,8% do total de estabelecimentos, embora cubram apenas 34,1% da área total. Pecuária Segundo dados do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), a atividade pecuária predominante em Ribeirão das Neves é a bovinocultura mista (de leite e de corte).o município apresentava em 1985 uma produção anual de litros. No cômputo geral do município, o gado de corte atende basicamente ao consumo local do município. Em 1985, segundo informações do IBGE, o rebanho bovino em Ribeirão das Neves contava com 6 151cabeças. O rebanho bovino acusa uma forte redução de 1970 a 1980, voltando a se elevar de 1980 a 1985, o mesmo se observando para os eqüinos. O efetivo de aves elevou-sede 1970 a 1980, apresentando forte redução de 1980 a 1985 e o rebanho 25

26 de suínos apresentou uma elevação em todo o período analisado, crescendo 46,0% de 1970 a1985. A produção de leite de vaca (Quadro 17) um aumento de 81,9% entre 1970 e A produção de ovos (Quadro 17), por sua vez, reduziu-se no período analisado, não constituindo atividade relevante na economia municipal. Agricultura A produção agrícola de Ribeirão das Neves não é muito expressiva, sendo destinada principalmente ao comércio local. Dentre os produtos agrícolas produzidos no município, destacam-se os hortifrutigranjeiros, como couve, espinafre, mostarda, alface e agrião. A instalação do CEASA nas proximidades do município incentivou, em seus primeiros anos, a produção hortifrutigranjeira em Ribeirão das Neves.A queda nas quantidades comercializadas, a partir de 1980, vem se tornando cada vez mais rápida, numa demonstração clara da perda de ritmo das atividades agrícolas no município. Os dados relativos aos produtos hortifrutigranjeiros procedentes do município comercializados no CEASA-MG entre 1980 e 2001, mostrados no Quadro 18, indicam quedas expressivas para todos os produtos. 26

27 Setor Secundário Em função das reservas minerais existentes na região (argila, areia, pedras britadas), estão instaladas no município 1 britadora, 10 indústrias de fabricação de tijolos, 1 fábrica de fabricação de filtros de barro e 2 fábricas de pré-moldados. Outra atividade industrial importante no município é a fabricação de móveis, com 8 indústrias, que geram 705 empregos. No setor de fabricação de produtos farmacêuticos, Ribeirão das Neves conta com 1 indústria,com 120 empregados. Pode-se citar, ainda, a existência, em Ribeirão das Neves, de indústrias de fabricação de artigos de vestuário, têxteis, etiquetas e adesivos, tubos de PVC, aparelhos e materiais elétricos, artefatos de borracha e plástico, etc. De acordo com o Cadastro de Empresas do IBGE, destacam-se no município as seguintes empresas industriais por setor de atividade: - Confecção de Artigos de Vestuário e Acessórios: Seculus Industrial S/A, - Industrial Sales & Kadoura Ltda, Othero Luís Cia. Ltda. - Fabricação de Produtos Farmacêuticos: Hipofarma Instituto de Hipodermia e Farmácia Ltda. - Extração de Minerais não Metálicos: Britadora Santiago Ltda. 27

28 - Fabricação de Produtos de Minerais Não-Metálicos: Cerâmica Marbeth Ltda, - Cerâmica Braúnas Ltda, - Aza Branca Indústria de Filtros Ltda, - Premoldados Estilo Ltda, - Slate Pool Table Indústria Exp. e Importação Ltda, - Cerâmica Iolanda Ltda, - Cerâmica Ipê Ltda, - Cerâmica Luve Ltda, - Cerâmica Tijolão Ltda, - Cerâmica Jacarandá Ltda, - Maria Marlene Martins da Silva, Premoldhec Comercial & Industrial Ltda, - Cerâmica Metropolitana Ltda, - Cerâmica Santo Antônio Ltda. - Fabricação de Artigos de Borracha e Plásticos: Sociedade Brasileira de Artefatos - Látex Ltda, D.V.G. Indústria e Comércio de Plásticos Ltda, - Cosmos Artefatos de Borracha e Plástico, - Coopersam/Cone do Brasil. - Fabricação de Celulose, Papel e Produtos de Papel: Etiquetas Duloro Ltda. - Fabricação de Móveis e Indústrias Diversas: Arkadia Industrial Ltda (Prima Línea), FEMAC, Augusto Doimo do Brasil Ltda, Scolart Móveis Ltda, FlexlineLtda, Tubo e Cia, Móveis e Decorações Souza Pinto Ltda, Forja Bela Ltda, Metal - Belo Ltda, Tergilene Arte e Metais, Ltda EPP, Perfiline Ltda, Metalúrgica - Augusta Ltda, Santa Tereza Industrial Ltda, Art-Silk Indústria e Comércio Ltda. - Fabricação de Outros Equipamentos de Transporte: Empresa de Equipamentos - Ferroviários Ltda. - Fabricação de Produtos Alimentícios e Bebidas: Padaria e Confeitaria Papaulos Ldta, Padaria e Mercearia Menezes Ltda, Helvécio de Amorim FIG ME, - Miriampam Ltda ME, Belo Horizonte Refrigerantes Ltda (Del Rey), Padaria Paula Ltda - Fabricação de Produtos Têxteis: Ematex Têxtil Ltda. - Fabricação de Máquinas, Aparelhos e Materiais Elétricos: S.B.S. Sociedade Brasileira de Sinalização Ltda, Helemáquinas Ltda. 28

29 Algumas dessas empresas encontram-se instaladas no Distrito industrial João de Almeida, administrado pelo Centro Industrial de Ribeirão das Neves (CIRIN). O CIRIN foi criado pela Lei Municipal nº 987, de 11 de outubro de 1989, sendo uma autarquia municipal vinculada à administração executiva centralizada e com autonomia administrativa, econômico-financeira e operacional, de conformidade com esta Lei (conforme art. 10 da lei 987/89). De acordo com o art. 20 da mesma lei, o Centro Industrial de Ribeirão das Neves CIRIN tem por finalidade básica planejar, organizar, administrar, controlar, promover e expandir, de forma integrada, os Centros Industriais de Ribeirão das Neves, de modo a oferecer condições ideais à implantação e desenvolvimento de unidades fabris, com observância da técnica urbanística e da realidade socioeconômica. Segundo informações prestadas pelo representante do CIRIN em fevereiro de 2003, o empreendedor adquire o terreno a preços bem abaixo do mercado e o empreendimento, a partir de negociações com as autoridades municipais, recebe serviços como terraplenagem e outros, além de obter isenção de impostos municipais por cinco anos. O Quadro 19 fornece informações sobre as empresas instaladas no Distrito Industrial João de Almeida, em Ribeirão das Neves. 29

30 30

31 Fora do Distrito Industrial, o município conta com outras empresas, localizadas na sede municipal ou em Justinópolis, como mostra o Quadro

32 Setor Terciário O comércio lojista de Ribeirão das Neves caracteriza-se por ser bem acanhado e modesto, visando suprir apenas as necessidades imediatas da população. Segundo informações fornecidas pela Câmara de Dirigentes Lojistas, existem no município 613 empresas comerciais, distribuídas em diversos ramos de atividade, como mostra o Quadro 21. Destacam-se os depósitos de material de construção, seguidos de pequeno comércio nos setores alimentício, vestuário e farmacêutico, sem tendências à especialização, e de pequenos serviços de conservação e reparação. 32

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Gestão e Legislação Ambiental

Gestão e Legislação Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA Mestrado em Recursos Hídricos H e Saneamento Disciplina: Gestão e Legislação Ambiental Professora: Selêude Wanderley da NóbregaN Legislação Ambiental

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81)

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 1. LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1.1 NATUREZA JURÍDICA: Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) 1.2 CONCEITO: Segundo o art. 1º,

Leia mais

DESTINO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E LEGISLAÇÃO SOBRE O TEMA

DESTINO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E LEGISLAÇÃO SOBRE O TEMA DESTINO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E LEGISLAÇÃO SOBRE O TEMA ILÍDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO DE 2009 DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO N o 292 N o 266 Desemprego cresce, mas indústria e serviços param de demitir Demissões no Comércio

Leia mais

LEI ORGÂNICA. Dispõe sobre a Lei Orgânica do Município de Sorocaba - SP. ... TÍTULO V DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I DA SAÚDE

LEI ORGÂNICA. Dispõe sobre a Lei Orgânica do Município de Sorocaba - SP. ... TÍTULO V DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I DA SAÚDE LEI ORGÂNICA Dispõe sobre a Lei Orgânica do Município de Sorocaba - SP. TÍTULO V DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I DA SAÚDE Art. 129 - A saúde é direito de todos os munícipes e dever do Poder Público,

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 I Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Brasília, 29 de março de 2012 SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - SISNAMA O

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL DIREITO NO BRASIL CONTEXTO NACIONAL Ordenamento Jurídico; O meio ambiente na constituição federal; Política Nacional do Meio Ambiente; SISNAMA; Responsabilidades civil; Responsabilidade penal ambiental;

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VI DO MEIO AMBIENTE Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94%

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94% PERFIL MUNICIPAL São Paulo - SP Data de instalação Ano de 1554 População - Censo 2010 11.376.685 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Natalidade 2010 174.265 nascidos vivos Urbanização

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 42 DE 17 DE AGOSTO DE 2012 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL, FIXA

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do

Leia mais

Presidência da República. Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011

Presidência da República. Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do

Leia mais

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 8 13/3/2012 16:26 Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do

Leia mais

SUPERVISÃO GERAL DOS TRABALHOS PELA PREFEITURA

SUPERVISÃO GERAL DOS TRABALHOS PELA PREFEITURA PLANO DIRETOR DE RIBEIRÃO DAS NEVES DIAGNÓSTICO E DIRETRIZES BÁSICAS VOLUME II - FEVEREIRO 2006 PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO DAS NEVES WALACE VENTURA Prefeito Municipal BÁRBARA LEITE Vice-Prefeito

Leia mais

Tabela 2 - População residente, segundo as unidades da federação 1991/2000/2010

Tabela 2 - População residente, segundo as unidades da federação 1991/2000/2010 A distribuição populacional de Goiás frente aos dados do Censo demográfico 2010 Daniel da Silva Souza 1 Resumo: A configuração da rede demográfica goiana está em processo de forte alteração. A taxa de

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002 Dispõe sobre a Política Municipal do Meio Ambiente, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA RS, FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona a seguinte L

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária Erradicação do Trabalho Infantil Brasília, 2 de fevereiro de 21 Introdução Esta nota apresenta um quadro do trabalho infantil no período de 26 a 28, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

I N F O R M E S E T O R I A L

I N F O R M E S E T O R I A L ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL I N F O R M E S E T O R I A L Gerência Setorial REALIDADE SOCIAL BRASILEIRA Principais Indicadores nº 1 janeiro de 2002 No final do ano de 2001 foram divulgados os estudos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

III. CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 E MEIO AMBIENTE

III. CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 E MEIO AMBIENTE III. CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 E MEIO AMBIENTE Seguindo tendências mundiais e fortemente influenciada pelas ideias apresentadas em Estocolmo-72, a Constituição Federal Brasileira de 1988 incluiu em

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

CAPÍTULO II DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS NATURAIS E DO SANEAMENTO SEÇÃO I DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO II DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS NATURAIS E DO SANEAMENTO SEÇÃO I DO MEIO AMBIENTE CAPÍTULO II DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS NATURAIS E DO SANEAMENTO SEÇÃO I DO MEIO AMBIENTE ARTIGO 242 Todos tem direito ao meio ambiente saudável e ecologicamente equilibrado, impondo-se a todos, e em

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 INTRODUÇÃO Reconhecendo a importância da oferta de saneamento para a melhoria da infraestrutura

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 277 266 DEZEMBRO DE 2007 Taxa de desemprego total diminui para 13,5% Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais