MANUAL DE PREENCHIMENTO DA ART - ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA -

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE PREENCHIMENTO DA ART - ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA -"

Transcrição

1 MANUAL DE PREENCHIMENTO DA ART - ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - 1

2 DIRETORIA DO CREA/TO Presidente: Engº Agrônomo ROGERIO CESAR DE VASCONCELOS 1 Vice Presidente Eng Eletr. LUIZ CLAUDIO WERNER 2 Vice Presidente Eng Civil ELVAN LEAO COSTA 1º Secretário: Engº Civil JOSE GUSTAVO RIOS FAYAD 2º Secretário: Eng Agr. JOAO JOSE DE SOUZA CRUZ 1º Tesoureiro: Arq. ARY DEMOSTENES C. DA CUNHA MONTELO 2º Tesoureiro: Eng Civil MARTIM RIBEIRO QUINTANILHA JUNIOR MANUAL DE PREENCHIMENTO DA ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA ART 1. PREENCHIMENTO E INFORMAÇÕES GERAIS FINALIDADE a) Do manual: Este manual visa padronizar os formulários de Anotação de responsabilidade Técnica ART em todo o território Nacional e instruir aos profissionais e empresas registradas no Sistema CONFEA/CREAs, de como preenchê-los corretamente. b) Da ART: Atender o que preceitua a Lei 6.496/77 e Resoluções do CONFEA, dando melhor oportunidade aos profissionais de registrar nos CREAs as suas obras ou serviços, cargos ou funções, visando o cadastramento de seu Acervo Técnico e a caracterização da Responsabilidade Técnica específica de suas atuações em obras ou serviços da Engenharia, Arquitetura E Agronomia e demais profissões afins regulamentadas pelo Sistema CONFEA/CREAs. 1.2 LEGISLAÇÃO A Legislação que atualmente abriga e regulamenta a Anotação de Responsabilidade Técnica de todo e qualquer contrato de obra ou serviço, escrito ou verbal é abaixo relacionada. - Lei de 07 de dezembro de Resolução 425 de 18 de dezembro de OBRIGATORIEDADE Todo profissional do Sistema, independente de seu título profissional, é OBRIGADO a fazer a ART de todas as suas obras ou serviços, ou de desempenho de cargo ou função técnica. 1.4 ESTRUTURA A ART deverá ser feita no Conselho Regional da jurisdição em que for realizada a obra ou serviço ou onde exercer o cargo ou função técnica, através da sede destes Conselhos, das Inspetorias ou através da rede bancária indicada pelo CREA em cada Estado. As ARTs efetuadas através de uma rede bancária serão revistas pelo CREA e se houver incorreções no preenchimento do Formulário, o interessado terá o prazo de 30 (trinta) dias para corrigi-las, sob pena de anulação da respectiva ART. 2

3 1.5 FORMULÁRIO O Formulário de ART do CREA-TO, nos termos do artigo 10º da Resolução 307 de , tem as seguintes características: - Número de vias 05 (cinco), em diferentes cores. - Cor e destinação das vias. - 1ª via branca Destina-se ao CREA-TO e será remetida pelo banco recebedor. - 2ª via amarela Destina-se ao Responsável Técnico contratado como comprovante da anotação e do contrato. - 3ª via azul Destina-se ao contratante da obra ou serviço como comprovante da anotação e do contrato. - 4ª via rosa Destina-se à documentação da obra para apresentação à fiscalização dos CREAs, quando solicitado. - 5ª via verde Destina-se à apresentação junto aos documentos exigidos por Órgãos Federais, Estaduais ou Municipais encarregados do licenciamento, aprovação das obras ou liberação das faturas, etc.... O número das vias, sua destinação e o número da ART já estão impressos tipograficamente, pelo CREA no formulário. 1.6 PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO O formulário será preenchido pelo Responsável Técnico pela obra ou serviço, sem rasuras, datilograficamente ou em letra de forma, com cópias em carbono, rigorosamente com as instruções que seguem: CONTRATADO CAMPO 2 : NOME DO PROFISSIONAL Escreva o nome completo (sem abreviações) do profissional responsável técnico pela obra ou serviço que está sendo anotado. No caso do profissional pertencer a uma empresa não é necessário que seja o responsável técnico da mesma. O nome deste campo indica o profissional efetivamente responsável pela obra ou serviço descrito na ART. O profissional indicado neste campo deverá ter registro ou visto no CREA-TO. Este profissional assina a ART (campo 19). CAMPO 3 : TÍTULO DO PROFISSIONAL Escreva o título do profissional do Responsável Técnico anotado no Campo 2. (Engº Civil, Arquiteto, Engº Agrônomo, Geólogo, Engº de Minas, etc.). CAMPO 4: Nº DE REGISTRO NO CREA-TO Coloque o número da carteira e no campo UF a sigla do Estado em que foi emitida a Carteira. CAMPO 6: ENDEREÇO DO PROFISSIONAL Anote o endereço para correspondência conforme padrão recomendado pela ECT ( Empresa de Correios e Telégrafos). Lembre-se, o objetivo é fazer a Correspondência chegar até você. CAMPO 7: TELEFONE Anote um telefone para contato com o responsável técnico da obra ou serviço. Inclua o código DDD CAMPO 8: NOME DA EMPRESA CONTRATADA Anote o nome completo (sem abreviações) da empresa contratada para executar a obra ou serviço. O profissional anotado no campo 2 deve ter vínculo com a empresa. A empresa indicada neste campo deve estar registrada no CREA-TO. Se não houver empresa contratada anote XXX, ficando subentendido que a obra ou serviço foi contratada diretamente com o profissional responsável. CAMPO 9: Nº REGISTRO NO CREA-TO 3

4 Coloque o número de registro da empresa contratada no CREA-TO. CAMPO 10: TELEFONE Anote um telefone para contato com a empresa contratada. Inclua o código DDD CAMPO 11: NOME DO CONTRATANTE Anote o nome completo do contratante. Normalmente o proprietário. O contratante assina a ART juntamente com o profissional (campo 19). CAMPO 12: CPF / CGC Se o contratante é pessoa jurídica, anote o CGC (todos os 14 dígitos). Se o contratante é pessoa física, anote o CPF ( todos os 11 dígitos). CAMPO 13: ENDEREÇO PARA CORREPONDÊNCIA Anote o endereço para correspondência do contratante de tal forma que uma correspondência que se utilize dessas informações possa chegar a seu destino usando a ECT ( Correio Comum ). Indique rua, número, cidade, município, CEP, caixa postal ou outros. CAMPO 14: TELEFONE Anote um telefone para contato com o contratante. Inclua o código DDD DESCRIÇÃO CAMPO 15: RESUMO DO CONTRATO Preencha este campo com uma descrição resumida da obra do serviço ou contrato. Descreva adequadamente para que o contratante tome conhecimento dos serviços pelos quais pagará. Mencione, se for o caso, as condições, os prazos, as quantificações, os custos, etc. Caso exista contrato escrito entre as partes, é facultado anotar neste campo: CONFORME CONTRATO ASSINADO ENTRE AS PARTES NA DATA DE / /. CAMPO 16: ESCREVA O QUE SE APLICAR OBRA significa a materialização de um projeto ( Ex. construção de uma casa de alvenaria). SERVIÇO significa a prestação de serviços técnicos tais como projeto, fiscalização, vistoria, perícia. CARGO/FUNÇÃO em ART, da ocupação de função ou cargo técnico privativo de profissionais. CAMPO 17: VALOR DA OBRA/SERVIÇO Anote o valor global da obra ou do serviço na moeda corrente (o valor do serviço é o valor constante na tabela de honorários mínimos profissionais registrada no CREA-TO). Não esqueça de colocar o símbolo da moeda utilizada e indicar a posição da vírgula com clareza, seguida de duas casas decimais. CAMPO 18: VALOR DOS HONORÁRIOS Anote o valor dos honorários, na moeda corrente, auferidos pelo Responsável Técnico da obra ou serviço, na condição de autônomo, em razão da obra ou do serviço contratado. Indique a posição da vírgula com clareza, seguida de duas casas decimais. Se o profissional for diretor da empresa contratada, anote PRO-LABORE ou FUNCIONÁRIO DA EMPRESA, quando empregado. Obedeça a tabela de honorários profissionais registrada no CREA-TO, ou, no mínimo, o salário mínimo profissional. Nenhuma ART será efetivada se os honorários forem inferiores ao mínimo profissional ASSINATURAS CAMPO 19: Anote o local e a data da assinatura da ART. Em PROFISSIONAL assina o profissional, responsável pela obra ou serviço, mencionado no campo 2. Em CONTRATANTE assina o próprio, mencionado no campo 11, ou seu representante legal. 4

5 1.6.5 RESERVADO AO RESPONSÁVEL TÉCNICO CAMPO 20: NOME DO PROPRIETÁRIO Anote o nome completo do proprietário da obra ou serviço Caso o proprietário seja o próprio contratante, repita neste campo o nome do contratante. O proprietário difere do contratante quando tratar-se de subempreitada. CAMPO 21: CPF/CGC Repita o campo 12 quando o proprietário for o contratante. Anote o CGC quando o proprietário for pessoa jurídica (todos os 14 dígitos). Anote o CPF quando o proprietário for pessoa física (todos os 11 dígitos). CAMPO 22: ENDEREÇO DA OBRA OU SERVIÇO Anote o endereço da obra ou serviço como se fosse para correspondência, incluindo sempre o nome da cidade. Na ausência do endereço formal, localize a obra de modo que possa ser encontrada pelo fiscal. CAMPO 23: CEP Anote o CEP do local onde se encontra a obra ou serviço. CAMPO 24 a 29: ATIVIDADES Estes campos são utilizados pelo profissional para informar ao CREA, através de uma codificação padronizada, as diferentes responsabilidades técnicas que está assumindo através da ART. OBJETO: preencher com código do objeto da atividade. Os objetos estão codificados na Tabela nº 1. (anexo I) CLASSIFICAÇÃO: preencher com código de classificação da atividade. As classificações de atividades estão relacionadas na Tabela nº 2. (anexo I) NÍVEL: preencher com código do nível em que o profissional está atuando. Os níveis estão codificados na Tabela nº 3 (anexo I). QUANTIDADE: preencher com valor numérico que quantifica a atividade. As quantidades, mesmo inteiras, são sempre escritas com duas casa depois da vírgula. UNIDADE: preencher com código que define a unidade utilizada para quantificar a atividade. As unidades estão codificadas na Tabela nº 4. (anexo I). Preencha tantos campos que julgar necessários à perfeita caracterização de suas responsabilidades na obra ou serviço. Inutilize os campos referentes aos itens excedentes, com símbolo XXXX. CAMPO 30: DESCRIÇÃO COMPLETA DA OBRA OU SERVIÇO Características da obra ou serviço que forem consideradas importantes pelo profissional, para constar do acervo técnico respectivo. Exemplo: Nome da obra e especificações de outras quantidades e características além daquelas anotadas nos campos 24 a 29. Quando a codificação efetuada nos campos 24 a 29 não caracterizar adequadamente o(s) serviço(s) que se está anotando é obrigatório o preenchimento deste campo. CAMPO 31: PARTICIPAÇÃO Escreva o termo que se aplica CO-AUTOR Significa que existem outros profissionais também responsáveis técnicos, pelas mesmas atividades relacionadas ao projeto e anotadas nos campos 24 a 29 desta ART. É importante ressaltar que cada um dos co-autores deve possuir atribuições para as atividades anotadas em co-autoria. Preencha o campo 35 relativo à vinculação. CO-RESPONSÁVEL Significa que existem outros profissionais também responsáveis técnicos pelas mesmas atividades relacionadas à execução e anotadas nos campos 24 a 29 desta ART. É importante observar que cada um dos co-responsáveis deve possuir atribuições para as atividades anotadas em co-responsabilidade. Preencha o campo 35 relativo à vinculação. Cada co-responsável preenche um formulário. 5

6 INDIVIDUAL Significa que o profissional que anota a ART é responsável sozinho pelas atividades registradas nos campos 24 a 29. EQUIPE Significa que profissionais com atribuições distintas estão anotando uma obra ou serviço, objeto de um contrato único. Cada profissional deve anotar as atividades pelas quais assume a responsabilidade técnica, em compatibilidade com as respectivas atribuições (campos 24 a 29). Preencher o campo 35 relativo à vinculação. Cada membro da equipe preenche um formulário. No caso de diversos contratos na mesma obra ou serviço (subempreitada e outros), não existe a vinculação de que trata este campo. As ARTs são diversas e específicas para cada um dos contratos. CAMPO 32: TIPO DE ART Escreva o termo que se aplica. SUBSTITUIÇÃO Quando tratar de substituição de responsável técnico por obra ou serviço com ART anterior já existente. Preencha também o campo 35 referente à vinculação. COMPLEMENTAÇÃO Quando esta ART complementa outra ART já existente em razão de eventuais prorrogações, aditamentos, modificação de objetivos ou qualquer outra alteração referente àquela ART. Preencha também o campo 35 referente à vinculação. NORMAL Quando a ART não se enquadra em nenhum dos casos anteriores. CAMPO 33: Escreva o tipo de contrato do responsável técnico relacionado com a obra ou serviço anotado, se empregador, empregado ou autônomo. CAMPO 34: ENTIDADES DE CLASSE Anote a sigla da Entidade de Classe a qual pertence. Se pertencer a mais de uma anote a de sua preferência. Consulte a relação de Entidades de Classe registradas no CREA. Preencha o item com XXXX caso não deseje indicar um Entidade de Classe ou se não pertencer a nenhuma. CAMPO 35: VINCULAÇÃO Quando se tratar de co-autoria, co-responsabilidade ou equipe, anote o número da ART e o nome do profissional da ART, anote, neste campo, somente IDEM para informar que há outras anotações vinculadas. Quando se tratar de complementação ou substituição, anote o número e o nome do profissional que constam na ART que está sendo substituída ou complementada. Este campo é também utilizado para estabelecer vinculação entre ARTs de dois ou mais profissionais, relativos a uma obra ou serviço, podendo conter dígitos idênticos de classificação de atividades (Tabela nº 2 anexo I), porém diferido no código de nível (Tabela nº 3 anexo I). Anote XXXX quando não se aplicar QUITAÇÃO/BANCO CAMPO 36: DATA DO PAGAMENTO Indique dia, mês e ano no qual irá efetuar o pagamento bancário da taxa de ART. Caso o pagamento tenha sido efetuado na ART relativa a outro profissional (co-autor, coresponsável ou equipe) anote a data daquele recolhimento. CAMPO 37: VALOR DA TAXA A PAGAR Anote a taxa da ART a pagar. Indique a posição da vírgula seguida der duas casas decimais. Consulte a tabela de taxas em vigor. Obedeça a tabela de honorários registrada no CREA-TO. Caso a taxa de ART tenha sido paga em outro formulário, em razão da vinculação existente, pague a taxa mínima somente. Não esqueça de verificar o correto preenchimento do campo 35, referente à vinculação. CAMPO 38: AUTENTICAÇÃO MECÂNICA Campo reservado para a impressão da máquina registradora dos bancos. A data e o valor registrados neste campo, são os referenciais para controle e fiscalização CAMPO 39: VALOR DA TAXA A PAGAR Anote o mesmo valor do campo 37. Este campo existe somente na primeira via. 6

7 ANEXO I TABELAS AUXILIARES INDISPENSÁVEIS AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PADRÃO 1. Códigos para Objeto... Tabela 1 2. Códigos para Classificação... Tabela 2 3. Códigos para Nível... Tabela 3 4. Códigos para Unidades... Tabela 4 TABELA Nº 1 CÓDIGOS PARA OBJETO DESCRIÇÃO COD. DESCRIÇÃO COD. ANÁLISE 45 INSTALAÇÃO 54 ANTE-PROJETO 86 LAUDO TÉCNICO 05 ARBITRAMENTO 17 LEVANTAMENTO 23 ASSISTÊNCIA TÉCNICA 85 LOCAÇÃO 27 AVALIAÇÃO 16 MANUTENÇÃO 58 CARGO OU FUNÇÃO 00 MENSURAÇÃO 51 CLASSIFICAÇÃO 50 MONTAGEM 55 CONSERVAÇÃO 21 OPERAÇÃO 56 CONTROLE DE QUALIDADE 52 ORÇAMENTO 41 DEMARCAÇÃO 90 PADRONIZAÇÃO 49 DEMOLIÇÃO 22 PARECER TÉCNICO 07 DESENHO TÉCNICO 60 PERÍCIA 14 DETALHAMENTO 62 PESQUISA 43 DIVULGAÇÃO TÉCNICA 48 PLANEJAMENTO 11 ENSAIO PREPARAÇÃO 83 ENSINO 42 PRECRIÇÃO TÉCNICA 84 ESPECIFICAÇÃO 13 PRODUÇÃO 82 ESTUDO 10 PRODUÇÃO TÉCNICA ESPECIALIZADA 18 EXECUÇÃO 53 PROJETO 12 EXECUÇÃO E PROJETO 20 PROJETO E EXECUÇÃO 20 EXPERIMENTAÇÃO 46 PROJETO E FISCALIZAÇÃO 19 EXTENSÃO 44 REFORMA 25 FABRICAÇÀO 81 RELATÓRIO 87 FAB. E FORNECIMENTO 89 REPARO 57 FISCALIZAÇÃO 59 RESTAURAÇÃO 26 FORNECIMENTO 88 VISTORIA Em caso de dúvida, consulte o entendimento sobre os termos constantes deste tabela 7

8 TABELA Nº 01 ENTENDIMENTO ANÁLISE Atividade que envolve a determinação das partes constituintes de um todo, buscando conhecer sua natureza e/ou avaliar seus aspectos técnicos ARBITRAMENTO Atividade que envolve a tomada de decisão ou posição entre alternativas tecnicamente controversas ou que decorrem de aspectos subjetivos AVALIAÇÃO Atividade que envolve a determinação técnica do valor qualitativo ou monetário de um bem, de um direito ou de um empreendimento. CLASSIFICAÇÃO Atividade que consiste em comparar os produtos, características, parâmetros e especificações técnicas (estabelecida nos padrões). CARGO OU FUNÇÃO Utilizado exclusivamente para que fique documentado através de ART o fato de ter havido nomeação, designação ou contrato de trabalho. CONSERVAÇÃO Atividade que envolve o conjunto de operações destinadas a dar aos usuários da obra as condições de conforto e segurança prevista no projeto CONTROLE DE QUALIDADE. Atividade que envolve o acompanhamento efetivo da produção e da verificação da conformidade do produto com as normas técnicas e com os projetos, através da interpretação de resultados de ensaios, quando necessários, visando a correção de eventuais desvios e o fornecimento à fiscalização de elementos para aceitação ou rejeição. 8

9 DEMOLIÇÃO Atividade que implica em deitar por terra, destruir, uma obra ou construção. TABELA Nº 01 ENTENDIMENTO (CONTINUAÇÃO 01) DESENHO TÉCNICO Atividade que implica da representação de formas sobre uma superfície, por meio de linhas, pontos e manchas, com objetivo técnico. DETALHAMENTO Atividade que implica na representação de formas de uma superfície, por meio de linhas, pontos e manchas, com objetivo técnico. DIVULGAÇÃO TÉCNICA Atividade de difundir, propagar ou publicar matéria técnica. ENSAIO Atividade que envolve o estudo ou a investigação sumária dos aspectos técnicos e/ou científicos de determinado assunto. ENSINO Atividade cuja finalidade consiste na transmissão de conhecimento de maneira formal. ESPECIFICAÇÃO Atividade que envolve a fixação das características, condições ou requisitos de materiais, equipamentos e técnicas de execução a serem empregadas em obras ou serviço técnico. 9

10 ESTUDO Atividade que envolve simultaneamente o levantamento, a coleta, a observação, o tratamento e a análise de dados de natureza técnica, necessários à execução de obra ou serviço técnico, ou desenvolvimento de método ou processos de produção e/ou à determinação de viabilidade técnico-econômica. EXECUÇÃO Atividade de materialização na obra do que é previsto nos projetos, e do que é decidido por si ou por outro profissional legalmente habilitado. TABELA Nº 01 ENTENDIMENTO (CONTINUAÇÃO 2) EXECUÇÃO E PROJETO Realização em conjunto das atividades listadas. EXPERIMENTAÇÃO Atividade que consiste em observar manifestações de um determinado fenômeno, sob condições previamente estabelecidas. EXTENSÃO Atividade que envolve a transmissão de conhecimentos técnicos pela utilização de sistemas informais, sob condições previamente estabelecidas. FABRICAÇÃO Atividade fabril. Produção Industrial. FISCALIZAÇÃO Atividade que envolve o controle e a Inspeção sistemática da obra ou serviço, com a finalidade de examinar ou verificar se sua execução obedece às especificações e prazos estabelecidos e ao projeto. 10

11 INSTALAÇÃO Atividade que implica em colocar ou dispor convenientemente, peças, equipamentos e acessórios necessários a determinada obra ou serviço técnico. LAUDO TÉCNICO Atividade que consiste em elaborar uma peça escrita, fundamentada, na qual o profissional expõe as observações e estudos efetuados, bem como as respectivas conclusões. LEVANTAMENTO Atividade que envolve a observação, a mensuração e/ou a quantificação de dados de natureza técnica necessários a execução de serviços técnicos ou obra. TABELA Nº 01 ENTENDIMENTO (CONTINUAÇÃO 3) LOCAÇÃO Atividade que envolve a marcação, por mensuração, do terreno a ser ocupado por uma obra. MANUTENÇÃO Atividade que implica em conservar aparelhos, máquinas e equipamentos em bom estado de operação. MENSURAÇÃO Atividade que envolve a apuração de quantitativos de determinado fenômeno, produto, obras ou serviços técnicos num determinado período de tempo. MONTAGEM Atividade que implica no arranjo ou disposição ordenada de peças e mecanismos de modo a compor um todo e a funcionar. 11

12 OPERAÇÃO Atividade que implica em fazer funcionar mecanismos ou equipamentos para produzir certos efeitos ou produtos. ORÇAMENTO Atividade que envolve o levantamento de custos de todos os elementos inerentes à execução de determinado empreendimento. PADRONIZAÇÃO Atividade que envolve a determinação ou estabelecimento de características ou parâmetros, visando a uniformização de processos ou produtos. PARECER TÉCNICO Atividade que implica em elaborar uma peça escrita, na qual contenha a opinião fundamentada sobre determinado assunto, emitida pelo profissional. TABELA Nº 01 ENTENDIMENTO (CONTINUAÇÃO 4) PERÍCIA Atividade que envolve a apuração das causas que motivaram determinado evento ou da asserção de direitos. PESQUISA Atividade que envolve a investigação minudente sistemática e metódica para elucidação ou o conhecimento dos aspectos e/ou científicos de determinado processo, fenômeno ou fato. PLANEJAMENTO Atividade que envolve a formulação sistematizada de um conjunto de decisões devidamente integrantes, expressa em objetivos e metas e que explicita os meios disponíveis e/ou necessários para alcançá-los, num dado prazo. 12

13 PREPARAÇÃO Atividade inicial necessária a uma outra. PRODUÇÃO Atividade fabril de reprodução em série de tipos idênticos. PRODUÇÃO TÉCNICA OU ESPECIALIZADA Atividade que envolve o tratamento e/ou transformação de matéria prima, através de processos técnicos, pelo manuseio ou a utilização de equipamentos, gerando produtos acabados ou semi-acabados, isoladamente ou em série. PROJETO Atividade necessária à materialização dos meios, através de princípios técnicos e científicos, visando à consecução de um objetivo ou meta, adequando-se aos recursos disponíveis e às alternativas que conduzem à viabilidade da decis PROJETO E EXECUÇÃO Realização em conjunto das atividades listadas. TABELA Nº 01 ENTENDIMENTO (CONTINUAÇÃO 5) PROJETO E FISCALIZAÇÃO Realização em conjunto das atividades listadas. REFORMA Atividade que implica em recuperar uma parte ou em todo uma obra, alterando ou não algumas características da mesma. 13

14 REPARO Atividade que implica em restaurar ou consertar obras ou equipamentos sem modificar-lhes os planos ou a estrutura. RESTAURAÇÃO Atividade que implica na recuperação total da obra mantendo as características iniciais da mesma. VISTORIA Atividade que envolve a constatação de um fato, mediante exame circunstanciado e descrição minuciosa dos elementos que os constituem, sem a indagação das causas que o motivaram. TABELA Nº 2 CÓDIGOS PARA CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES 1. As atividades estão classificadas em oito grupos, identificados pelas letras em ordem alfabética de A até H. 2. Em cada um dos campos, 24 até 29, pode ser anotado apenas um código de classificação de atividades. Há espaço para anotação de até seis Códigos distintos, um em cada campo. 3. Anote o mesmo Código de Classificação de Atividades em mais de uma campo, caso isto se torne necessário. TABELA Nº 2 CÓDIGOS PARA CLASSIFICAÇÃO GRUPO A 14

15 EDIFICAÇÕES CÓDIGO EDIFÍCIO DE MADEIRA PARA FINS RESIDENCIAIS... A0101 EDIFÍCIO DE MADEIRA PARA FINS COMERCIAIS... A0102 EDIFÍCIO DE MADEIRA PARA FINS INDUSTRIAIS... A0103 EDIFÍCIO DE MADEIRA PARA FINS ESPECIAIS... A0104 EDIFÍCIO DE MADEIRA PARA FINS DIVERSOS... A0105 EDIFÍCIO DE ALVENARIA PARA FINS RESIDENCIAIS... A0106 EDIFÍCIO DE ALVENARIA PARA FINS COMERCIAIS... A0107 EDIFÍCIO DE ALVENARIA PARA FINS INDUSTRIAIS... A0108 EDIFÍCIO DE ALVENARIA PARA FINS ESPECIAIS A0109 EDIFÍCIO DE ALVENARIA PARA FINS DIVERSOS... A0110 EDIFÍCIO DE MATERIAIS MISTOS/ESPECIAIS PARA FINS RESIDENCIAIS... A0111 EDIFÍCIO DE MATERIAIS MISTOS/ESPECIAIS PARA FINS COMERCIAIS... A0112 EDIFÍCIO DE MATERIAIS MISTOS/ESPECIAIS PARA FINS INDUSTRIAIS... A0113 EDIFÍCIO DE MATERIAIS MISTOS/ESPECIAIS PARA FINS ESPECIAIS... A0114 EDIFÍCIO DE MATERIAIS MISTOS/ESPECIAIS PARA FINS DIVERSOS... A0115 EDIFICAÇÃO EM SISTEMA PRÉ-FABRICADO... A0116 EDIFÍCIO RESIDENCIAL PARA PROGRAMA SOCIAL... A0117 CONJUNTO ARQUITETÔNICO... A0118 ARQUITETURA DE INTERIORES... A0119 MONUMENTO... A0120 PAISAGISMO PARA EDIFÍCIO... A0121 GALPÃO... A0122 GINÁSIO DE ESPORTES... A0123 IGREJA... A0124 AUDITÓRIO, TEATRO OU CINEMA... A0125 HOTEL OU MOTEL... A0126 HOSPITAL... A0127 ESTÁDIO... A

16 SERVIÇOS AFINS E CORRELATOS EM EDIFICAÇÕES... A0199 URBANISMO PARCELAMENTO DO SOLO DESMEMBRAMENTO...A0201 PARCELAMENTO DO SOLO REMEMBRAMENTO... A0202 LOTEAMENTO... A0203 ASSENTAMENTO URBANO... A0204 CIDADE NOVA... A0205 DESENVOLVIMENTO FÍSICO TERRITORIAL URBANO... A0206 DESENVOLVIMENTO FÍSICO TERRITORIAL REGIONAL... A0207 DESENVOLVIMENTO FÍSICO TERRITORIAL SETORIAL... A0208 INFRA-ESTRUTURA URBANA... A0209 EQUIPAMENTO URBANO... A0210 PARQUES E JARDINS... A0211 PAISAGISMO URBANO... A0212 PARQUE AQUÁTICO... A0213 ARRUAMENTO... A0214 IMPLANTAÇÃO... A0215 SERVIÇOS AFINS E CORRELATOS EM URBANISMO... A0299 ESTRUTURAS E CONCRETOS ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO... A0301 ESTRUTURA METÁLICA... A0302 ESTRUTURA DE ARGAMASSA ARMADA... A0303 ESTRUTURA DE MADEIRA... A0304 ESTRUTURA DE CONCRETO PRÉ-MOLDADO... A0305 LAJE PRÉ-FABRICADA... A0306 CONCRETO USINADO... A

17 PRÉ-MOLDADO DE CONCRETO... A0308 ESTRUTURA DE MATERIAL SINTÉTICO... A0309 ESTRUTURA EM CASCA... A0310 ESTRUTURA EM PAINEL... A0311 ESTRUTURA EM SILO... A0312 ESTRUTURA EM ARCO... A0313 ALVENARIA AUTO-PORTANTE/ESTRUTURAL... A0314 SERVIÇOS AFINS E CORRELATOS EM ESTRUTURAS E CONCRETOS... A0399 SANEAMENTO AQUADUTO OU ADUTORA... A0401 SANEAMENTO... A0402 REDE DE ÁGUA... A0403 REDE DE ESGOTO... A0404 EMISSÁRIO SUBMARINO... A0405 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA... A0406 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO... A0407 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS... A0408 LAGOA DE ESTABILIZAÇÃO... A0409 ESTAÇÃO ELEVATÓRIA... A0410 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE LIXO... A0411 LIMPEZA URBANA... A0412 TRATAMENTO DE RESÍDUOS... A0413 BARRAGEM DE CONCRETO... A0414 BARRAGEM DE TERRA... A0415 DIQUE... A0416 REDE DE ÁGUAS PLUVIAIS... A0417 GALERIA PLUVIAL... A

18 TANQUE OU RESERVATÓRIO EM AÇO... A0419 TANQUE OU RESERVATÓRIO EM CONCRETO ARMADO... A0420 TANQUE OU RESERVATÓRIO EM FIBRAS SINTÉTICAS... A0421 PISCINA... A0422 IMPERMEABILIZAÇÃO... A0423 CANAL... A0424 REDE HIDRO-SANITÁRIA EM EDIFICAÇÃO... A0425 REDE HIDRÁULICA PARA COMBATE A INCÊNDIO... A0426 REDE HIDRO-SANITÁRIA EM PRAÇA PÚBLICA... A0427 LIGAÇÕES DOMICILIARES DE ÁGUA... A0428 LIGAÇÕES DOMICILIARES DE ESGOTO... A0429 BOCAS DE LOBO... A0430 POÇOS DE VISITA... A0431 SERVIÇOS AFINS E CORRELATOS EM SANEAMENTO... A0499 TRANSPORTES RODOVIA... A0501 FERROVIA... A0502 HIDROVIA... A0503 METRÔ... A0504 AEROPORTO... A0505 PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA... A0506 PAVIMENTAÇÃO DE CONCRETO... A0507 PAVIMENTAÇÃO DE LAJOTAS... A0508 PAVIMENTAÇÃO DE PARALELEPÍPEDOS... A0509 CALÇAMENTO COM PEDRAS... A0510 TÚNEL... A

19 PONTE, VIADUTO OU ELEVADO DE CONCRETO... A0512 PONTE, VIADUTO OU ELEVADO METÁLICO... A0513 PONTE DE MADEIRA... A0514 PORTO... A0515 DRAGAGEM... A0516 ATRACADOURO... A0517 OLEODUTO... A0518 GASODUTO... A0519 RETIFICAÇÃO DE RIO OU CANAL... A0520 OBRA SUBMARINA... A0521 TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA... A0522 TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS... A0523 TRANSPORTE FERROVIÁRIO... A0524 TRANSPORTE HIDROVIÁRIO... A0525 TRANSPORTE MARÍTIMO... A0526 TRANSPORTE AÉREO... A0527 SINALIZAÇÃO... A0528 BUEIRO... A0529 TRÁFEGO... A0530 TRÂNSITO... A0531 PAVIMENTAÇÃO SEM REVESTIMENTO... A0532 PONTE, VIADUTO OU ELEVADO DE MATERIAIS MISTOS E ESPECIAIS... A0533 SARJETAS... A0534 MEIOS-FIOS... A0535 DESCIDAS D ÁGUAS... A0536 DEFENSAS... A0537 SINALIZAÇÃO HORIZONTAL... A

20 SINALIZAÇÃO VERTICAL... A0539 SEMÁFORO... A0540 SERVIÇOS E AFINS CORRELATOS EM TRANSPORTE... A0599 OBRAS EM TERRA E TERRAPLENAGEM FUNDAÇÕES PROFUNDAS... A0601 FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS... A0602 ESTAQUEAMENTO... A0603 TERRAPLENAGEM... A0604 DRENAGEM... A0605 IRRIGAÇÃO... A0606 OBRA DE PROTEÇÃO DE ENCOSTAS... A0607 MURO DE CONTENÇÃO... A0608 TERRA-ARMADA... A0609 TÚNEL... A0610 GALERIA... A0611 GABIÕES... A0612 VALAS... A0613 SERVIÇOS E AFINS CORRELATOS EM TERRA E TERRAPLENAGEM... A0699 UNIDADES INDUSTRIAIS USINA DE CONCRETO... A0701 CENTRAL DE BRITAGEM... A0702 EXPLORAÇÃO DE PEDREIRA... A0703 USINA DE ASFALTO... A0704 USINA DE SOLOS... A0705 SERVIÇOS E AFINS CORRELATOS EM UNIDADES INDUSTRIAIS... A

21 SERVIÇOS GERAIS ASTRONOMIA... A0801 GEODESIA... A0802 AEROFOTOGRAMETRIA... A0803 TOPOGRAFIA... A0804 BATIMETRIA... A0805 GEOLOGIA... A0806 GEOTECNIA... A0807 SONDAGEM... A0808 PROSPECÇÃO... A0809 PERFURAÇÃO DE POÇO... A0810 CARTOGRAFIA... A0811 CUBAÇÃO DE JAZIDA... A0812 MEIO AMBIENTE... A0813 METEOROLOGIA... A0814 HIDRO-GEOLOGIA... A0815 HIDROLOGIA... A0816 AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PROJETO... A0817 ENSAIOS DE SOLOS... A0818 ENSAIOS DE MATERIAL... A0819 OBRAS DE CUNHO ARTÍSTICO... A0820 DESENHO INDUSTRIAL... A0821 COMUNICAÇÃO VISUAL... A0822 PLOTAGEM DE COORDENADAS GEOGRÁFICAS... A0823 AVALIAÇÃO DE CUSTO DE OBRA... A0824 SENSORAMENTO REMOTO... A0825 SERVIÇOS GERAIS... A

22 TABELA Nº 2 CÓDIGOS PARA CLASSIFICAÇÃO GRUPO B COMUNICAÇÕES E TELECOMUNICAÇÕES ANTENA COLETIVA... B0101 CABLAGEM TELEFÔNICA PREDIAL... B0102 CENTRAL DE COMUNICAÇÃO TELEX... B0103 CENTRAL DE TELECOMUNICAÇÕES... B0104 CENTRAL TELEFÔNICA PRIVATIVA... B0105 CIRCUITO FECHADO DE TV... B0106 COMUNICAÇÃO... B0107 PORTEIRO ELETRÔNICO/INTERFONE... B0108 RÁDIODIFUSÃO... B0109 REDE TELEFÔNICA... B0110 SISTEMA DE COMUNICAÇÕES... B0111 SISTEMA DE RÁDIO PARA COMUNICAÇÕES PRIVADAS... B0112 SISTEMA DE TELECOMUNICAÇÕES... B0113 SONORIZAÇÀO... B0114 TELECOMUNICAÇÃO... B0115 TELEFONIA... B0116 TELEGRAFIA... B0117 TELEVISÃO... B0118 TUBULAÇÃO PARA ANTENA COLETIVA OU PORTEIRO ELETRÔNICO... B

23 TUBULAÇÃO TELEFÔNICA PREDIAL... B0120 TUBULAÇÃO E CABLAGEM TELEFÔNICA PREDIAL... B0121 TELEFONIA CELULAR... B0122 TELEFONIA RURAL... B0123 TUBULAÇÃO PARA REDE TELEFÔNICA EXTERNA... B0124 CABLAGEM DE REDE TELEFÔNICA EXTERNA... B0125 SERVIÇOS E AFINS CORRELATOS EM COMUNICAÇÕES/TELECOMUNICAÇÕES... B0199 CONTROLE ELÉTRICO OU ELETRÔNICO CONTROLE ELÉTRICO... B0201 CONTROLE ELETRÔNICO... B0202 SISTEMA DE COMANDO ELÉTRICO OU ELETRÔNICO... B0203 SISTEMA DE CONTROLE ELÉTRICO... B0204 SISTEMA DE CONTROLE ELETRÔNICO... B0205 SISTEMA DE PROTEÇÃO ELÉTRICO OU ELETRÔNICO... B0206 SERVIÇOS AFINS E CONRRELATOS EM CONTROLE ELÉTRICO OU ELETRÔNICO. B0299 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENRGIA ELÉTRICA... B0301 REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA... B0302 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA... B0303 SUBESTAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA... B0304 SERVIÇOS AFINS E CORRELATOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA... B0399 EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS OU ELETRÔNICOS ALARME ELÉTRICO OU ELETRÔNICO... B0401 APARELHO ELÉTRICO OU ELTRÔNICO P/ FINS DOMÉSTICOS OU PESSOAIS... B0402 APARELHO ELÉTRICO OU ELTRÔNICO P/ FINS INDUSTRIAIS OU COMERCIAIS... B0403 APARELHO ELÉT./ELETRÔN. P/ FINS TERAPÊUTICOS/ELETROQUIM./OUTROS... B0404 EQUIPAMENTO DE COMUNICAÇÃO OU TELECOMUNICAÇÃO... B

TABELAS DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS

TABELAS DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS TABELAS DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS Apresentação O presente trabalho tem como objetivo de fornecer aos profissionais representados pelo SENGE, bem como seus clientes contratantes de serviços, subsídios

Leia mais

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL Em atendimento ao disposto na Lei 12.378, de 31.12.2010: (...) Artigo 28- Compete ao CAU/BR: Inciso XIV - aprovar e divulgar tabelas

Leia mais

ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 TABELAS... 9

ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 TABELAS... 9 ÍNDICE ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DA ART... 3 ART - Anotação de Responsabilidade Técnica... 3 Acervo Técnico (Resolução nº 317/86, do CONFEA)... 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO... 4 CLASSIFICAÇÃO DA ART...

Leia mais

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. I - Criação dos ambientes de banco de dados deve participar do projeto dos sistemas de

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. I - Criação dos ambientes de banco de dados deve participar do projeto dos sistemas de ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO: ADMNISTRADOR DE BANCO DE DADOS I - Criação dos ambientes de banco de dados deve participar do projeto dos sistemas de informações a serem utilizados pela organização

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão Rede de Distribuição Aérea ou Subterrânea

Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão Rede de Distribuição Aérea ou Subterrânea ND-5.3 Companhia Energética de Minas Gerais Manual de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão Rede de Distribuição Aérea ou Subterrânea Belo Horizonte - Minas Gerais Brasil ND-5.3

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão. Rede de Distribuição Aérea ou Subterrânea

Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão. Rede de Distribuição Aérea ou Subterrânea ND-5.3 Companhia Energética de Minas Gerais Manual de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão Rede de Distribuição Aérea ou Subterrânea Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil ND-5.3

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DA CORSAN R.S.A.E.

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DA CORSAN R.S.A.E. REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DA CORSAN (Publicado no DOE em 01/07/2009) (Resolução 1093 AGERGS, publicada no DOE em 23/04/2009) R.S.A.E. 2009 REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DA CORSAN...

Leia mais

CRÉDITOS. Anel Colaboradores Paola Tucunduva Maria Ramos Soares Fabio Araujo

CRÉDITOS. Anel Colaboradores Paola Tucunduva Maria Ramos Soares Fabio Araujo Parceria: CRÉDITOS SEBRAE-SP Conselho Deliberativo Presidente Alencar Burti (ACSP) ACSP - Associação Comercial de São Paulo ANPEI - Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas

Leia mais

S E G U R A N Ç A d o T R A B A L H O

S E G U R A N Ç A d o T R A B A L H O M A N U A L D O E X E R C Í C I O P R O F I S S I O N A L FISCALIZAÇÃO S E G U R A N Ç A d o T R A B A L H O Câmara Especializada de Segurança do Trabalho MANUAL DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL - FISCALIZAÇÃO

Leia mais

Determina as instruções para o cálculo de honorários referentes aos projectos de obras públicas.

Determina as instruções para o cálculo de honorários referentes aos projectos de obras públicas. A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Portaria de 7 de Fevereiro de 1972, publicada no Suplemento ao Diário do Governo, n.º 35, 2.ª Série, de 11 de Fevereiro de 1972 (alterada pelas Portarias

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Básicas SEÇÃO I Do Fato Gerador

CAPÍTULO I Das Disposições Básicas SEÇÃO I Do Fato Gerador REGULAMENTO DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS NATAL/RN Instituído pelo Decreto Nº 8.162 de 29/05/2007, publicado no DOM nº 1.155 de 31/05/2007 Edição extra, alterado pelo Decreto nº 8.195 de 28/06/2007, publicado

Leia mais

CATEGORIA FUNCIONAL: AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL

CATEGORIA FUNCIONAL: AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL CATEGORIA FUNCIONAL: AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL PADRÃO DE VENCIMENTO: 01 Atuar junto às crianças nas diversas fases de Educação Infantil, auxiliando o professor no processo ensino-aprendizagem;

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL AFERIÇÃO INDIRETA APURAÇÃO DA REMUNERAÇÃO DA MÃO DE OBRA

CONSTRUÇÃO CIVIL AFERIÇÃO INDIRETA APURAÇÃO DA REMUNERAÇÃO DA MÃO DE OBRA Matéria - Trabalhista CONSTRUÇÃO CIVIL AFERIÇÃO INDIRETA APURAÇÃO DA REMUNERAÇÃO DA MÃO DE OBRA SUMÁRIO 1. Introdução 2. Conceitos 3. Matrícula 3.1. Matrícula Fracionamento 4. Matrícula Dispensa 5. Cadastramento

Leia mais

ANEXO II LAUDO DE VISTORIA DE ENGENHARIA

ANEXO II LAUDO DE VISTORIA DE ENGENHARIA ANEXO II LAUDO DE VISTORIA DE ENGENHARIA 15 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE VISTORIA DE ENGENHARIA 1. IDENTIFICAÇÃO DO SOLICITANTE 1.1. Nome: 1.2. Telefone: 1.3.

Leia mais

Edital Chamada PDRS/SA 02

Edital Chamada PDRS/SA 02 Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais Unidade de Gestão Local do Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Projeto de Desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB CENTRO DE TECNOLOGIA - CT CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB CENTRO DE TECNOLOGIA - CT CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB CENTRO DE TECNOLOGIA - CT CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO OBRAS DO PROGRAMA REUNI: UM ESTUDO DAS PRINCIPAIS CAUSAS DA DIFERENÇA

Leia mais

Considerando o disposto na Resolução ANTT nº 701, de 25 de agosto de 2004, que altera a Resolução ANTT nº 420, de 12 de fevereiro de 2004;

Considerando o disposto na Resolução ANTT nº 701, de 25 de agosto de 2004, que altera a Resolução ANTT nº 420, de 12 de fevereiro de 2004; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria nº 10, de 24 de janeiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA DO CORPO DE PRAÇAS DA ARMADA EM 2012 (CP-QTPA/2012) Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA DO CORPO DE PRAÇAS DA ARMADA EM 2012 (CP-QTPA/2012) Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA DO CORPO DE PRAÇAS DA ARMADA EM 2012 (CP-QTPA/2012) Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA O QTPA 1 Da Carreira Militar

Leia mais

Projeto de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil para as Obras de Infraestrutura Setores A, I, K, L TRANSPARÊNCIA

Projeto de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil para as Obras de Infraestrutura Setores A, I, K, L TRANSPARÊNCIA Projeto de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil para as Obras de Infraestrutura Setores A, I, K, L TRANSPARÊNCIA COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO - CDURP

Leia mais

LEI Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966

LEI Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966 LEI Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966 Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro- Agrônomo, e dá outras providências. O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

NOMENCLATURA BRASILEIRA DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZAM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO

NOMENCLATURA BRASILEIRA DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZAM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO NOMENCLATURA BRASILEIRA DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZAM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidenta Dilma Roussef Ministro da Fazenda Guido Mantega Secretário-Executivo

Leia mais

Localiza Fleet S/A. Plano de Gestão Ambiental

Localiza Fleet S/A. Plano de Gestão Ambiental S/A Local de instalação do Empreendimento Belo Horizonte, MG Documento Elaborado para o atendimento de requisitos de operação ambiental e sistematização de aspectos ambientais. 2ª. EDIÇÃO Janeiro / 2014

Leia mais

CNARH CADASTRO NACIONAL DE USUÁRIOS DE RECURSOS HÍDRICOS MANUAL DO USUÁRIO

CNARH CADASTRO NACIONAL DE USUÁRIOS DE RECURSOS HÍDRICOS MANUAL DO USUÁRIO CNARH CADASTRO NACIONAL DE USUÁRIOS DE RECURSOS HÍDRICOS MANUAL DO USUÁRIO BRASÍLIA, NOVEMBRO DE 2008 SUMÁRIO PÁGINA APRESENTAÇÃO 3 1 - OBRIGATORIEDADE DE EFETIVAR O CADASTRO 4 2 - FORMAS DE PREENCHIMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Orientações para Contratação de Serviços no Sistema Único de Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Orientações para Contratação de Serviços no Sistema Único de Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Manual de Orientações para Contratação de Serviços no Sistema Único de Saúde BRASÍLIA DF 2007 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO

Leia mais

Construção de Redes de Distribuição por Particulares PART

Construção de Redes de Distribuição por Particulares PART 02.111- ED/CE - 3055 Manual de Distribuição Construção de Redes de Distribuição por Particulares PART VOLUME II DOCUMENTAÇÃO Belo Horizonte Mina Gerais - Brasil ANEXOS SUMÁRIO Nº da Página ÚLTIMA REVISÃO

Leia mais

Diretrizes Básicas de Meio Ambiente e Segurança do Trabalho do Grupo AES Brasil Gestão de Empresas Contratadas

Diretrizes Básicas de Meio Ambiente e Segurança do Trabalho do Grupo AES Brasil Gestão de Empresas Contratadas Diretrizes Básicas de Meio Ambiente e Segurança do Trabalho do Grupo AES Brasil Gestão de Empresas Contratadas 1 de 35 ÍNDICE APLICAÇÃO:...4 CONDIÇÕES GERAIS:...4 CAPÍTULO 1 - SEGURANÇA DO TRABALHO E MEDICINA

Leia mais

São Paulo 2ª Edição - 2010

São Paulo 2ª Edição - 2010 Casa Lotérica São Paulo 2ª Edição - 2010 Índice aspectos legais da atividade Atividade desenvolvida...6 AS formas de atuação neste ramo de atividade...8 Empresário e Sociedade Empresária...9 Idade mínima

Leia mais

República Federativa do Brasil Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente: José Alencar Gomes da Silva

República Federativa do Brasil Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente: José Alencar Gomes da Silva República Federativa do Brasil Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente: José Alencar Gomes da Silva Ministério do Meio Ambiente Ministra: Marina Silva Secretário Executivo: João Paulo Ribeiro

Leia mais

Dispositivos que tratam de Áreas de Preservação Permanente (APP) na legislação brasileira vigente

Dispositivos que tratam de Áreas de Preservação Permanente (APP) na legislação brasileira vigente Dispositivos que tratam de Áreas de Preservação Permanente (APP) na legislação brasileira vigente Lei Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965 - Institui o novo Código Florestal Lei nº 6.766, de 19 de dezembro

Leia mais

MANUAL DE IMPACTOS AMBIENTAIS Orientações Básicas sobre Aspectos Ambientais de Atividades Produtivas INTRODUÇÃO

MANUAL DE IMPACTOS AMBIENTAIS Orientações Básicas sobre Aspectos Ambientais de Atividades Produtivas INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A acelerada degradação dos recursos naturais compromete a qualidade de vida das atuais e futuras gerações e, por outro lado, leva a sociedade a buscar modelos alternativos que harmonizem o desenvolvimento

Leia mais