Diretrizes Básicas de Meio Ambiente e Segurança do Trabalho do Grupo AES Brasil Gestão de Empresas Contratadas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretrizes Básicas de Meio Ambiente e Segurança do Trabalho do Grupo AES Brasil Gestão de Empresas Contratadas"

Transcrição

1 Diretrizes Básicas de Meio Ambiente e Segurança do Trabalho do Grupo AES Brasil Gestão de Empresas Contratadas 1 de 35

2 ÍNDICE APLICAÇÃO:...4 CONDIÇÕES GERAIS:...4 CAPÍTULO 1 - SEGURANÇA DO TRABALHO E MEDICINA OCUPACIONAL:...7 DIRETRIZES GERAIS ASSOCIADAS ÀS PRÁTICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO E MEDICINA OCUPACIONAL: DIMENSIONAMENTO DO SESMT COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA EPC UNIFORME FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS PROGRAMAS DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL PCMSO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PCMAT NORMAS E PROCEDIMENTOS DE TRABALHO PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE COMUNICAÇÃO DE ACIDENTES VEÍCULOS TRANSPORTE DE PESSOAL CAPACITAÇÕES DA MÃO DE OBRA APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TREINAMENTO DE SEGURANÇA FISCALIZAÇÃO IMPEDIMENTO / PARALISAÇÃO DE SERVIÇO DADOS CADASTRAIS DOS FUNCIONÁRIOS DO CONTRATO SUBSTITUIÇÃO, DEMISSÃO OU INCLUSÃO DE FUNCIONÁRIO REUNIÃO DE INTEGRAÇÃO E INSPEÇÃO INICIAL PLANEJAMENTO INICIAL DA ATIVIDADE ANÁLISE DE RISCOS AUDITORIA DE SEGURANÇA MEDIDAS DISCIPLINARES SUBCONTRATAÇÃO RESPONSABILIDADES DOS MEMBROS DAS EQUIPES RESPONSABILIDADES DO GERENTE DA CONTRATADA RESPONSABILIDADES DO SUPERVISOR DE EQUIPES CONTRATADAS RESPONSABILIDADES DO ENCARREGADO DE EQUIPE DA CONTRATADA DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO 2 - MEIO AMBIENTE DISPOSIÇÒES GERAIS E DOCUMENTOS AMBIENTAIS QUE DEVEM SER ENVIADOS À CONTRATANTE PROIBIÇÕES E RECOMENDAÇÕES: MANEJO DE VEGETAÇÃO de 35

3 4 GESTÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS GESTÃO DOS RESÍDUOS GERADOS NAS ATIVIDADES ARMAZENAMENTO DE EQUIPAMENTOS/MATERIAIS TRANSPORTES DE EQUIPAMENTOS COM ÓLEO/CARGAS PERIGOSAS GESTÃO DE FROTA ATIVIDADES DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONTENDO PRODUTOS QUÍMICOS E VEÍCULOS PROJETOS DE EFIÊNCIA ENERGÉTICA DANOS AMBIENTAIS E COMUNICAÇÃO PREVISTA ATUAÇÃO EM RESPOSTA A EMERGÊNCIAS INSPEÇÃO DE MEIO AMBIENTE Tabela A Tabela B de 35

4 OBJETIVOS: Este documento tem por objetivo: Estabelecer critérios relacionados à Segurança, Higiene, Medicina do Trabalho e Meio Ambiente, para todas as empresas contratadas pelas empresas do Grupo AES Brasil. Estes critérios foram definidos com base na legislação aplicável ao negócio, incluindo NRs e outras exigências de Órgão Regulamentadores e/ou Fiscalizadores e ainda, com base em normas internas aplicáveis ao grupo AES e seus parceiros. Servir como suporte à preparação de propostas técnicas e comerciais, incluindo a definição da documentação que o vencedor do contrato deve apresentar à empresa contratante, junto ao contrato assinado, no momento que antecede o início das atividades. Estes documentos devem ser mantidos atualizados junto à Contratante e, conforme a necessidade, outros documentos deverão ser disponibilizados durante o desenvolvimento das atividades e/ou após finalização das mesmas. A Prevenção de Acidentes e o Respeito ao Meio Ambiente devem estar difundidas de maneira pormenorizada e presente no dia a dia de todos os colaboradores que atuam junto ao grupo AES Brasil, de modo que todas as pessoas estejam comprometidas, fazendo parte do próprio trabalho, aliados a Produtividade, Qualidade e Satisfação do Cliente. NÃO HÁ TRABALHO IMPORTANTE E NEM SERVIÇO TÃO URGENTE QUE NÃO POSSA SER REALIZADO COM SEGURANÇA E COM RESPEITO AO MEIO AMBIENTE. APLICAÇÃO: Estas Diretrizes se aplicam a todas as empresas parceiras fornecedoras de produtos e/ou serviços do grupo AES Brasil e a seus subcontratados e estão relacionadas aos Sistemas de Gestão desenvolvidos em cada empresa do grupo AES Brasil. Para uma melhor leitura e compreensão das exigências, estas diretrizes foram descritas em dois capítulos distintos, a saber: CAPÍTULO 1 - SEGURANÇA DO TRABALHO E MEDICINA OCUPACIONAL CAPÍTULO 2 - MEIO AMBIENTE CONDIÇÕES GERAIS: 1 As empresas proponentes devem ler, compreender e atender às exigências contidas nestas diretrizes, identificando as necessidades aplicáveis ao objeto do escopo do trabalho. 2 Cada empresa proponente deve enviar a Contratante, o Termo de Aceitação às Exigências de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente (anexo 6 da Instrução de Trabalho Gestão de Contratadas AES Brasil), devidamente, evidenciando que esta reconhece ter se familiarizado totalmente com os requisitos definidos pela AES, comprometendo-se no seu cumprimento e assumindo que o desrespeito a estas condições será considerado uma violação contratual. 4 de 35

5 3 Fornecedores que compartilhem das dependências da Contratada ou que prestem serviços em seu nome devem estar conscientizados quanto à Política de Sustentabilidade do Grupo AES Brasil, bem como atender a todos os requisitos/procedimentos dos Sistemas de Gestão e Normas da AES, relacionados à sua atividade. Requisitos aplicáveis a todos: - Política de Sustentabilidade do Grupo AES Brasil; - Identificação de Aspectos e Impactos Ambientais, Perigos e Riscos e controles previstos; - Comunicação; - Preparação e resposta a emergências. Todos os funcionários da Contratada passarão por um treinamento/reunião de integração, antes de iniciar suas atividades, ministrada por colaborador da Contratante (Gestor do contrato ou responsável designado). Para orientação geral dos funcionários da Contratada quanto aos requisitos aplicáveis supracitados. A Contratada fica obrigada a informar toda movimentação de pessoal, que prestam serviço nas dependências da Contratante, ao responsável pela gestão do contrato na Contratante, para que a Contratada e a Contratante providencie a programação de novas integrações e realize a verificação de outras documentações pertinentes associadas a esta modificação. Os funcionários da Contratada só poderão iniciar suas atividades após tomarem ciência dos requisitos citados neste item. 4 A contratada fica responsável por enviar a Contratante, todos os documentos considerados obrigatórios (licenças, certificados, autorizações, registros, etc.) que sejam exigidos para o(s) seu(s) segmento(s) e de seus subcontratados, conforme previsto em legislação aplicável vigente e/ou descritos nos capítulos 1 e 2, e ainda nas TABELAS A e B deste documento, mantendo-os atualizados. Detalhes adicionais quanto à criticidade do objeto a ser contratado, proibições, recomendações e as obrigações relacionadas à atividade dos fornecedores são citadas nos capítulos 1 e 2 deste documento. 5 de 35

6 6 de 35

7 CAPÍTULO 1 - SEGURANÇA DO TRABALHO E MEDICINA OCUPACIONAL: DIRETRIZES GERAIS ASSOCIADAS ÀS PRÁTICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO E MEDICINA OCUPACIONAL: 1 - DIMENSIONAMENTO DO SESMT A Contratada deve obedecer na execução do contrato o dimensionamento do seu SESMT conforme clausula contratual ou o Quadro II da NR-04 da Portaria de 08/06/78. Nas atividades relacionadas com o Sistema Elétrico de Potência, a contratada deve possuir no mínimo grau de risco 3 ou 4. Nos casos em que a Contratada não for legalmente obrigada a manter profissional especializado conforme o Quadro II na NR-04 deverá a mesma contratar um profissional de Segurança do Trabalho (engenheiro ou técnico) para fazer um plano de Segurança do Trabalho anual para ser cumprido e acompanhado pelas empresas do Grupo AES Brasil. 2 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA A Contratada que possuir 20 (vinte) ou mais empregados regidos pela C.L.T. deverá organizar e manter a CIPA de acordo com a Norma Regulamentadora nº 5 NR-05 - da Portaria do MTE, onde a AES Eletropaulo designará seus representantes para participarem das respectivas reuniões. As documentações referentes às atividades da CIPA deverão estar sempre à disposição do SESMT das empresas do Grupo AES Eletropaulo Brasil, a saber: - Ata de eleição e posse da CIPA; - Atas das reuniões ordinárias e extraordinárias; - Cópias dos certificados do Curso para Membros da CIPA ; - Relatórios de acidentes de trabalho; - Relatórios dos dados estatísticos de incidentes, acidentes, HHT, inspeções, auditorias, etc. 3 - EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI Equipamento de Segurança de fabricação nacional ou estrangeira destinado a proteger a integridade física do trabalhador, de uso individual, conforme estabelecido nas NR-06, NR-10, NR-18, NR-22, NR-29, NR-30 e NR-31 da Portaria de 08/06/78, devendo possuir C.A. - Certificado de Aprovação emitido pelo Ministério do Trabalho, que deve estar gravado de forma indelével em seu corpo. Os EPIs deverão seguir as especificações técnicas definidas pelas empresas do Grupo AES Brasil. 7 de 35

8 4 - EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA EPC A Contratada deve fornecer todos os Equipamentos de Proteção Coletiva necessários à execução dos serviços de forma segura. Serão exigidos conforme estabelecido nas Normas Regulamentadoras do MTE, Normas e Procedimentos Técnicos das empresas do Grupo AES Brasil ou a critério do SESMT, relacionada à atividade a ser desenvolvida pela Contratada. EQUIPAMENTO OBRIGATÓRIO E PERIODICIDADE DOS TESTES DIELÉTRICOS EPIs / EPCs MATERIAL Luva isolante de borracha Manga isolante de borracha Manta isolante de borracha Mangueira isolante de borracha Tapete isolante de borracha Protetor de borracha tipo bolsa Cesta Aérea Capacete de segurança Protetor de polietileno tipo calha Protetor de polietileno tipo cruzeta Protetor de polietileno para poste Protetor de polietileno para chave Protetor de polietileno para isolador tipo disco Protetor de polietileno para isolador tipo pino Plataforma isolante de fibra de vidro Elementos de vara de manobra Vara telescópica Bastão de manobra Bastão isolante Ferramenta com isolação PERIODICIDADE 6 meses 6 meses 6 meses 6 meses 6 meses 6 meses 6 meses 12 meses 12 meses 12 meses 12 meses 12 meses 12 meses 12 meses 12 meses 12 meses 12 meses 12 meses 12 meses 12 meses 5 - UNIFORME Todos os funcionários envolvidos nos trabalhos deverão estar obrigatoriamente uniformizados, com roupas profissionais contendo identificação visual da Contratada, portando Cartões Individuais de Identificação (crachás), caso contrário, não será permitida a permanência dos mesmos no local de trabalho ou executarem serviços nos locais designados; 8 de 35

9 Nas atividades em áreas de risco elétrico e fogo repentino, além das exigências do item anterior, os uniformes deverão atender padrão definido pelas empresas do Grupo AES Brasil, atendendo plenamente a NR-10 e NR- 18 obrigatoriamente camisas de mangas longas; Cada funcionário deve possuir, no mínimo, 2 conjuntos de uniformes (Calças e Camisas) e 2 pares de botinas, complementares (02 conjuntos de moletons e cinto para calça) e 1 jaqueta em perfeitas condições de uso. 6 - FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS As ferramentas e equipamentos devem ser de qualidade assegurada, estar em perfeito estado de conservação e adequadas para o serviço a qual se destinam; As ferramentas e equipamentos para serem utilizadas em tarefas específicas, devem ser adquiridos pela Contratada seguindo o padrão das empresas do Grupo AES Brasil, não sendo permitida improvisações. As ferramentas manuais utilizadas nos serviços em instalações elétricas energizadas devem ser eletricamente isoladas. Em espaços confinados deverão utilizar aparelhos detectores para 4 gases (oxigênio, explosividade, monóxido de carbono e gás sulfídrico) em todas as frentes de trabalho, com certificado de calibração de cada aparelho e etiqueta de validade da calibração nos aparelhos, e verificação antes e durante o uso mantendo evidência. Além disso, devem possuir tripé com guincho para resgate e manuseio de equipamentos, cilindro autônomo de escape/resgate, lanterna C3T4 e insuflador com exaustor. A adoção de ferramentas e equipamentos fora do padrão das empresas do Grupo AES Brasil deverá passar pela avaliação da Engenharia de qualidade de materiais e Engenharia de Segurança do Trabalho para validação. 7 - PROGRAMAS DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL PCMSO A Contratada deve atender plenamente a NR-07 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO, além de realizar os exames admissionais, periódicos, demissionais, afastamentos maiores que 30 dias, alterações de função, visando preservar a saúde dos empregados, inclusive exames médicos específicos para os riscos de exposição, conforme PPRA; Deverá apresentar o PCMSO ao SESMT da empresas do Grupo AES Brasil antes do início das atividades, assinado por um médico do trabalho e atualizando uma vez por ano; Quando aplicável apresentar o PCA (programa de controle auditivo); Para as atividades em espaços subterrâneos e/ou em atividades de encanador com possibilidade de contato com esgoto deverá constar no PCMSO à obrigatoriedade das vacinas de Hepatite A e Febre Tifóide (Deverá ser apresentado comprovante da vacinação antes da integração de segurança). Os exames, por atividade, deverão atender, no mínimo, a grade estipulada pelas empresas do Grupo AES Brasil. 9 de 35

10 8 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA A contratada deverá apresentar o PPRA antes do inicio das atividades, o PPRA deve conter, no mínimo, a seguinte estrutura: Planejamento anual com estabelecimento de metas, prioridades e cronograma e responsáveis; Estratégia e metodologia de ação; Forma de registro, manutenção e divulgação dos dados; Periodicidade e forma de avaliação do desenvolvimento do PPRA. Registro CREA do responsavel técnico A contratada deve elaborar o laudo ergonômico das atividades realizadas e medidas de controle existente, atendendo a NR PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PCMAT A Contratada deverá desenvolver e manter o PCMAT para as Obras que envolvam atividades de construção civil, visando a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança nos processos, nas condições e no meio ambiente de trabalho na indústria da construção. É obrigatório à elaboração e o cumprimento do PCMAT os estabelecimentos com 20 ou mais trabalhadores. 1 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE TRABALHO Para execução de todos os trabalhos de alto e médio risco é exigência obrigatória possuir os procedimentos de trabalho. Atividades que existem Procedimentos de Trabalho ou Instruções de Trabalho, serão cedidas para as contratadas pelas empresas do Grupo AES Brasil e esta será responsável em treinar seus funcionários, conforme padrão da AES Brasil. Caso contrário, a contratada é obrigada a elaborar Análise de Riscos, conforme padrão das empresas do Grupo AES Brasil. Trata-se de um documento de avaliação de riscos de cada etapa da obra / atividade, reconhecendo todos os riscos potenciais/conseqüências envolvidos e propondo medidas de controle. A Contratada deverá fornecer as empresas do Grupo AES Brasil uma cópia de sua Analise de Riscos devidamente assinada por profissional competente, antes do início das atividades para aprovação. Após aprovação pelo SESMT da AES Brasil, todos os profissionais, necessariamente, terão que passar por treinamento da Analise de Riscos. Trabalho de risco alto: Trabalho que expõe os colaboradores da Contratada a riscos que, se um acidente ocorrer, pode resultar em fatalidade ou incapacidade permanente, por exemplo, serviços no Sistema Elétrico de Potência (SEP); em espaço confinado, escavações, obras civis em áreas de riscos elétricos, em altura superior a 3m e operação de guindastes. Trabalho de risco médio: Trabalho que expõe os colaboradores da contratada a riscos que, se houver um acidente, pode resultar em incapacidade temporária, por exemplo, solda, carpintaria, obra civil (inferior a 3m) e roçada. Trabalho de risco baixo: Trabalho que expõe o contratado a riscos que, se houver acidente, pode resultar em lesões menores, por exemplo, segurança, consultoria, manutenção de equipamento de escritório e limpeza de escritório. 10 de 35

11 2 - PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE a) A Contratada deve elaborar no início de sua prestação de serviços, e retificar anualmente, um Plano de Segurança e Saúde, com ações que visem preservar a integridade física e mental dos empregados. O Plano deve ser elaborado por um profissional de segurança do trabalho, registrado no Ministério do Trabalho ou CREA; b) A Contratada deve submeter o Plano de Segurança e Saúde à análise das empresas do Grupo AES Brasil visando sua aprovação, antes do início da execução dos serviços e anualmente, podendo a mesma propor modificações, adequações e correções. c) O Plano de Segurança e Saúde deve ser composto por ações. Cada ação deve explicitar o seu objetivo, meta, período em que vai ser realizada, quem será o responsável pela sua execução, em que lugar vai ser realizada, quem deve participar e recursos necessários. Abordando temas tais como: Uso e conservação de EPI s e EPC s; Segurança com eletricidade; Trabalhos em Espaço Confinados; Trabalhos em Estrutura Elevadas; Trabalhos em Escavações; Combate a principio de incêndio; Prevenção contra AIDS; Aterramento temporário; Segurança no trânsito; Planejamento e supervisão; Alcoolismo e drogas; Movimentação, transporte e armazenamento de materiais; Sinalização de veículos e canteiro de trabalho; Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT; Direção defensiva. Um book de segurança contendo todas as ações do mês deve ser entregue ao SESMT das empresas do Grupo AES Brasil, até o quinto dia útil, contendo as seguintes informações: TG e TF; Quantidade de Inspeções de Segurança; Follow-up das inspeções de Segurança; Quantidade de Relatos de Perigo; Follow-up dos Relatos de Perigo; Follow-up das ações decorrentes dos acidentes do trabalho; Quantidade de pessoas que passaram por reuniões de segurança; 11 de 35

12 Doenças do trabalho ou ocupacionais; Quantidade de profissionais do referido contrato; 3 - COMUNICAÇÃO DE ACIDENTES Todo acidente do trabalho típico, deverá ser comunicado imediatamente as empresas do Grupo AES Brasil, através do Gerente de Projeto e o Técnico de Segurança; O relatório final de investigação do acidente e cópia do CAT deverá ser encaminhado para o SESMT das empresas do Grupo AES Brasil em no máximo 7 dias corridos. Deverão conter as causas, as medidas adotadas ou programadas para evitar sua reincidência, os prazos e os responsáveis. Nos acidentes que as empresas do Grupo AES Brasil julgar necessário, profissionais de segurança participarão das análises dos acidentes; A prestadora se obriga a facilitar as investigações de acidente por parte das empresas do Grupo AES Brasil. 4 VEÍCULOS Deverão estar em ótimas condições de rodagem com documentações em ordem, tendo obrigatoriamente as manutenções preventivas estabelecidas em um plano; Deverão estar identificados; Veículos tipo pick-up e caminhões deverão ter a disposição, no mínimo, 2 calços de alumínio e sinalizadores sonoros de ré e sapatas; Veículos que interajam com a rede elétrica, mesmo em serviços desenergizados, devem possuir instalados os cabos de aterramentos temporários; Sistemas de acesso à carroceria dos veículos devem garantir a minimização do risco de queda dos trabalhadores. 5 - TRANSPORTE DE PESSOAL O transporte de pessoal deverá ser em veículos próprios para este fim, em perfeito estado de conservação e funcionamento, respeitando a limitação do mesmo e em acordo com o Código de Trânsito Brasileiro; Fica expressamente proibido o transporte de pessoal na carroceria de caminhões, caminhonetas, pick-up, máquinas em geral, contatos com equipamentos/ferramentas diversos e adaptações sem laudos técnicos; 12 de 35

13 6 - CAPACITAÇÕES DA MÃO DE OBRA 6.1- APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL Somente estão autorizados a executar atividades que envolvam a operação, inspeção, construção, manutenção e montagem de equipamentos específicos do Sistema Elétrico de Potência (SEP), profissionais treinados, conforme requisitos mínimos exigidos por lei e pelas empresas do Grupo AES Brasil. 6.2 TREINAMENTO DE SEGURANÇA Os profissionais devem receber treinamentos periódicos, visando garantir a execução de suas atividades com segurança. 7 - FISCALIZAÇÃO A Fiscalização será efetuada pelo setor responsável pela obra/serviço e pelo SESMT das empresas do Grupo AES Brasil que verificarão, em inspeções periódicas, o cumprimento das determinações relativas à Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho; No caso das recomendações decorrentes das fiscalizações não serem acatadas pela Contratada e as irregularidades apontadas não serem sanadas nos prazos concedidos, os trabalhos deverão ser suspensos pela Fiscalização, não eximindo a Contratada das obrigações e penalidades constantes das cláusulas contratuais referentes aos prazos e multas, além do item deste documento Medidas disciplinares ; 8 IMPEDIMENTO / PARALISAÇÃO DE SERVIÇO A empresa do Grupo AES Brasil reserva-se ao direito de impedir a realização de atividades programadas e emergenciais, quando julgar que o descumprimento de Leis, Normas e Procedimentos Técnicos e constatação de condições abaixo do padrão gerada pela Contratada possa comprometer a segurança de seus empregados e de Terceiros, recaindo os custos da não realização dos serviços à Contratada. 9 DADOS CADASTRAIS DOS FUNCIONÁRIOS DO CONTRATO A Contratada deverá montar uma pasta com cópia da carteira de trabalho, do Atestado de Saúde Ocupacional (ASO), dos certificados de treinamentos e o formulário Cadastro de Contratados de todos os funcionários do contrato, antes do início do contrato e encaminhar ao Gerente de Projeto SUBSTITUIÇÃO, DEMISSÃO OU INCLUSÃO DE FUNCIONÁRIO A Contratada deverá avisar ao Gerente de Projeto toda e qualquer substituição e/ou inclusão de funcionários, encaminhando os documentos necessários à área gestora, inclusive os certificados de treinamentos. 13 de 35

14 11 REUNIÃO DE INTEGRAÇÃO E INSPEÇÃO INICIAL Todos os funcionários da Contratada passarão por um treinamento/reunião de integração, antes de iniciar suas atividades, ministrada pelo técnico de segurança que fica locado na Regional e pelo e Gerente de Projeto ou monitor de contrato. Também antes do início das atividades, uma inspeção inicial será efetuada pelo técnico de segurança e pelo Gerente de Projeto nas equipes. Trata-se da última verificação das equipes, no canteiro de trabalho, onde são checadas as condições veiculares, ferramentais, equipamentos, EPIs, EPCs, etc. O serviço será liberado somente após a verificação do cumprimento de todos os requisitos das empresas do Grupo AES Brasil. OBS: As integrações segurança deverão ocorrer nas dependências das empresas do grupo AES Brasil e somente serão realizadas após a constatação de inclusão dos colaboradores no cadastro de terceiros e a verificação de documentações as quais estejam aprovadas (A documentação deve ser enviada em meio físico e com prazo mínimo de 48 horas que antecede a integração de segurança). 12 PLANEJAMENTO INICIAL DA ATIVIDADE ANÁLISE DE RISCOS A Equipe somente iniciará cada atividade, após realizar a identificação de todos os riscos e medidas de controle, e após concluir o respectivo Planejamento de Segurança do Serviço. Para as tarefas executadas no SEP é obrigatória o preenchimento o formulário de Análise de Riscos, conforme determina a NR AUDITORIA DE SEGURANÇA A Contratada compromete-se a adotar as melhores práticas de Gestão de Segurança e Medicina do Trabalho, e proporcionar meios as empresas do Grupo AES Brasil, que através do SESMT e Gerente de Projetos, a seu critério, realizará auditorias em suas equipes de trabalho, em suas instalações e documentações, objetivando comprovar a eficácia das referidas práticas de Gestão adotadas. 14 MEDIDAS DISCIPLINARES Medidas disciplinares serão aplicadas nas ocorrências detectadas, de acordo com o grau de gravidade: Ocorrência Grave - Uma condição ou prática capaz de causar incapacidade permanente, morte ou mutilação para o funcionário, equipe e ou terceiros. Exemplo: Eletrocussão com graves queimaduras, e na analise do acidente, ficou comprovado o fato que este profissional cometeu atitude abaixo dos padrões ao não utilizar os equipamentos tipo barreiras (protetores de Linha Viva) e equipamentos de proteção individual e coletiva / Trabalho em linha viva sem bloqueio de circuito / Trabalho em linha desligada sem aterramento / Trabalhador sem as capacitações necessárias entre outras. Ocorrência Séria - Uma condição ou prática capaz de causar lesão ou enfermidade grave, resultando em incapacidade temporária. Exemplo: Abertura de arco voltaico, que teve pequenas queimaduras, na investigação ficando comprovado o fato de que o profissional utilizou protetores que estavam em más condições e sem testes dielétricos, apesar de existir equipamentos novos disponíveis / EPIs / EPCs / ferramentas / equipamentos em más condições ou com testes dielétricos vencidos / transportar pessoas nas carrocerias dos veículos/ corte ou religa no poste do cliente sem autorização / não comunicar substituição ou inclusão de funcionário entre outras. 14 de 35

15 Ocorrência Menor Uma condição ou prática capaz de causar lesões menores não incapacitantes, enfermidades leves. Exemplo: Pequeno corte na mão e na investigação ficou comprovado o fato que, o trabalhador fazia uso de uma luva de raspa velha sem condição de uso / não comunicar acidentes ou demorar a avisar entre outras. 15 SUBCONTRATAÇÃO Somente com autorização prévia e expressa do Gerente de Projeto; Todas as exigências das empresas do Grupo AES Brasil estendem-se às eventuais subcontratadas; A contratada é responsável pela empresa subcontratada. 16 RESPONSABILIDADES DOS MEMBROS DAS EQUIPES A Contratada deve definir claramente, através de documento, as responsabilidades de cada cargo e função, e mostrar evidências de que cada funcionário conhece estas responsabilidades. Exemplos abaixo. Todo supervisor e encarregado deve possuir treinamento de liderança abordando inclusive suas responsabilidades RESPONSABILIDADES DO GERENTE DA CONTRATADA Garantir que todos os colaboradores participem da integração de segurança antes do início dos serviços (independentemente do risco e tempo de duração do serviço). Realizar a avaliação final de desempenho. Resolver assuntos de performance de segurança da Contratada. Definir, em conjunto com a Segurança do Trabalho, as ações e sanções que se fizerem necessárias; Assegurar que a Contratada atenda as obrigações contratuais e legais; Garantir que todos os funcionários recebam o Perfil Profissiográfico Previdenciário Garantir os dispostos Legais quanto a Habilitação dos Supervisores das Equipes, somente permitido profissionais capacitados trabalharem com a supervisão de habilitados conforme estabelecido na NR10. Impedir / Paralisar as atividades das empresas Contratadas quando julgar que o descumprimento de Leis, Normas e Procedimentos Técnicos e constatação de condições abaixo do padrão geradas pela Contratada possam comprometer a segurança de seus colaboradores e de Terceiros RESPONSABILIDADES DO SUPERVISOR DE EQUIPES CONTRATADAS Transmitir claramente aos encarregados os serviços programados e certificar-se de que todos entenderam as orientações; Definir o líder da obra quando existir mais que uma equipe no local; Transmitir-lhes claramente as Normas de Segurança aplicáveis, dedicando especial consideração à execução de tarefas fora de rotina; 15 de 35

16 Anotar os possíveis riscos e lembrar que as condições de execução de um mesmo serviço nem sempre são as mesmas; Determinar o número adequado de pessoas para a execução do serviço com segurança; Especial atenção deverá ser dada quanto à instalação dos aterramentos temporários, sinalização de veículos, canteiros de trabalhos e passagem segura de pedestres, bem como manter organizado o canteiro; Garantir que somente funcionários capacitados atuem nas tarefas; Garantir que todos os encarregados estão realizando diariamente a inspeção de pátio em suas equipes e acompanhar os resultados; Garantir as condições necessárias de segurança para os EPIs / EPCs / ferramentas / equipamentos / veículos das equipes RESPONSABILIDADES DO ENCARREGADO DE EQUIPE DA CONTRATADA Antes de sair do canteiro de trabalho, o encarregado deve realizar uma inspeção de pátio na equipe utilizando o formulário padrão das empresas do Grupo AES Brasil, com o objetivo de: o o o Certificar-se de que a equipe de funcionários sob sua responsabilidade possui todos os equipamentos de proteção individual, EPIs, necessários para a execução do serviço, se estão em boas condições, com os testes dielétricos em ordem e exigir o seu uso; Certificar-se de que a equipe possui todos os equipamentos de proteção coletivos, EPCs, para a tarefa, e se estão em boas condições e com os testes dielétricos em ordem; Certificar-se de que as ferramentas, escadas, e outros equipamentos estão em boas condições de uso e sem improvisações; 20 DISPOSIÇÕES GERAIS Qualquer prejuízo material ou danos pessoais decorrentes da inobservância dos procedimentos operacionais e de segurança do trabalho, comprovando-se a responsabilidade da Contratada, dará o direito as empresas do Grupo AES Brasil ao ressarcimento dos custos de indenização, reparação e regularização; Antes do início da prestação de serviço, a contratada deverá apresentar as FISPQ s (Ficha de Segurança do Produto Químico) de todos os produtos químicos que serão utilizados, para análise da Gerência de Meio Ambiente e de Segurança para homologação ou não do uso; A Contratada deverá manter inventário e controle dos produtos químicos utilizados, bem como as respectivas FISPQ (Ficha de Segurança de Produto Químico), todos os produtos devem ser rotulados com diamante de Hommel e compartimentados e identificados adequadamente, conforme legislação federal vigente; Todos os produtos químicos e inflamáveis devem ter procedimentos de uso e todos os trabalhadores receberem treinamento para manuseio, Caso a contratada necessite trocar/substituir o produto químico utilizado ou trocar de fornecedor, deverá previamente enviar a FISPQ do produto para análise da Gerência de Meio Ambiente e de Segurança para homologação ou não do uso; A contratada não deverá empregar nas suas atividades nenhum tipo de material que contenha asbesto/amianto; 16 de 35

17 Se a contratada for realizar alguma atividade com manipulação de materiais internos das empresas do Grupo AES Brasil que contenham amianto/asbesto (como por exemplo, telhas, caixa d água) deverá seguir o procedimento das Empresas do Grupo AES Brasil; Os armazenamentos de postes devem atender ao padrão das empresas do Grupo AES Brasil; NOTA: As instruções contidas neste documento não desobrigam o cumprimento das outras normas regulamentadoras da portaria 3214/78, além de normas ou procedimentos de segurança e medicina do trabalho vigente em legislação federal, estadual ou municipal. CAPÍTULO 2 - MEIO AMBIENTE 1- DISPOSIÇÒES GERAIS E DOCUMENTOS AMBIENTAIS QUE DEVEM SER ENVIADOS À CONTRATANTE A AES Brasil tem entre suas premissas a responsabilidade ambiental, desta forma, todo o serviço executado pelos fornecedores e seus subcontratados, bem como todos os materiais utilizados nesses serviços e os resíduos gerados durante a execução dos mesmos, contemplados ou não nestas diretrizes, deverão atender integralmente todas as leis (federal, estadual e municipal) aplicáveis a sua atividade, tomando todas as medidas cabíveis para controlar impactos, prevenir incidentes e/ou acidentes ambientais. A Contratada será a única e exclusiva responsável pelo cumprimento de todas as normas municipais, estaduais e federais concernentes à proteção do meio ambiente, ao manuseio, acondicionamento, transporte e destinação final dos produtos e dos resíduos gerados que estiverem sob sua responsabilidade, seu tratamento e destinação final, respondendo por quaisquer multas ou penalidades outras que eventualmente lhe sejam impostas face ao descumprimento de quaisquer normas, bem como por ações administrativas ou judiciais, mesmo àquelas impostas contra a Contratante, mas que sejam decorrentes da execução do presente Contrato, de maneira a manter a Contratante sempre a salvo de quaisquer reclamações. A Proponente deverá informar quem serão seus subcontratados preferencialmente no envio da Proposta Técnica, sendo responsável pelo encaminhamento da documentação que comprove a regularidade ambiental dos seus possíveis parceiros. Quando a Contratada atuar em nome da Contratante e/ou em nossas instalações, esta deverá trabalhar em consonância as normas e procedimentos internos da Contratante, legislação ambiental vigente e com a Política de Sustentabilidade do Grupo AES Brasil. A Contratada responderá pela divulgação da Política de Sustentabilidade do Grupo AES Brasil aos seus funcionários e subcontratados, devendo encaminhar evidências dessa divulgação ao Gestor de Contrato da Contratante. Responderá ainda pelo acompanhamento do desempenho ambiental de seus subcontratados. As evidências desse trabalho também deverão ser encaminhadas ao Gestor do Contrato da Contratante. Caso a atividade a ser contratada não esteja relacionada com os itens desse documento ou não esteja listada na TABELA A - Documentos a serem Apresentados pelos Fornecedores e Prestadores de Serviços Críticos ao Meio Ambiente, 17 de 35

18 De acordo com a criticidade ambiental da atividade a ser contratada, são exigidos documentos específicos que demonstrem a regularidade da atividade perante autoridades legais e/ou a redução dos riscos a impactos ambientais. A documentação mínima a ser apresentada deverá estar de acordo com a solicitação descrita na TABELA A Documentos a serem Apresentados pelos Fornecedores e Prestadores de Serviços Críticos ao Meio Ambiente. Este envio deverá ocorrer no início do contrato para os Documentos necessários para o cadastro e no momento de entrega de cada tarefa para os Documentos que a empresa deverá apresentar durante a vigência ao gestor do contrato, sendo também de sua responsabilidade o envio dos documentos atualizados quando do vencimento da validade de qualquer um destes documentos. O grupo AES Brasil tratará como diferenciadas as empresas que comprovem sua boa conduta ambiental, podendo este ser um critério de desempate. 2- PROIBIÇÕES E RECOMENDAÇÕES: É proibido o fornecimento e utilização dos produtos químicos ou misturas contendo estes, descritos a seguir: Quanto aos fornecedores de Produtos Químicos Ácido oxálico; Alil isopropil acetil carbamato; Anilina; Antimônio e seus sais; Arsênio e seus sais; Benzeno; Benzina; Brometo de metila; Cádmio e seus sais; Chumbo e seus sais; Cloreto de metila; Clorobenzeno; Clorofórmio; Clorohidroetileno; Cobalto e seus sais; Cresol; DDT; Diaminofenil metano; Dicloroetil éter; Difenilclorados; Dimetil formamida; Dimetil sulfato; Dioxane; Dióxido de dietileno; Dissulfeto de carbono; Etileno diclorado; Fenil hidrazina; Fluoretos; Hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (PAH s); Mercúrio e seus sais; Monometil etileno glicol; Naftalenos clorados; Nitrobenzeno; Selênio e seus sais; Silicato etílico; Tetracloreto de carbono; Trinitrotolueno. NOTA 1: O item acima não se aplica a produtos industrializados/acabados como postes de madeira tratados, lâmpadas fluorescentes e baterias chumbo ácido. Para outros produtos, a Gerência de Meio Ambiente deverá ser consultada. NOTA 2: Não aplicável para aquisição destes como insumos ou para utilização inerente as atividades laboratoriais. É proibido o fornecimento de Óleo mineral isolante com presença de PCB (Bifenilas Policloradas) ou utilização de equipamentos com presença ou indícios desta substância. O laudo de análise química deverá ser fornecido pela contratada. 18 de 35

19 É proibida a utilização produtos químicos listados na Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes (POPs) de 2001, em vigor desde maio de 2004: - Pesticidas (aldrin, chlordane, DDT, dieldrin, endrin, heptachlor, hexachlorobenzeno, mirex e toxapheno); - PCBs (bifenilas policloradas, ascarel) bem como hexachlorobenzeno, também usado como pesticida; A12 - Dioxinas/furanos. Quanto aos fornecedores de Produtos Químicos É proibida a utilização das substâncias controladas (ex: CFCs e HALONs) especificadas nos Anexos A e B do Protocolo de Montreal sobre Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio. Na realização de atividades que envolvam a utilização de produtos químicos, considerados de uso doméstico, deve-se optar preferencialmente, pela forma não concentrada e biodegradável. A diluição do produto não deverá ocorrer nas dependências da Contratante. Também é recomendável o uso de refil desses produtos. Não é aceitável o uso de recipientes de outras origens para armazenamento de produtos químicos (exemplos: garrafas pet de refrigerante, reaproveitamento de embalagens de outros produtos químicos). Ou seja, as embalagens devem ser apropriadas, específicas para o uso, e sempre rotuladas. É proibido utilizar estopas e panos de limpeza convencionais em atividades que envolvam manutenção de equipamentos e áreas operacionais. A contratada deverá utilizar toalhas industriais reutilizadas (contrato de comodato ou aluguel). Quanto ao fornecimento de Materiais e Equipamentos É proibida a utilização de veículos que não estejam cumprindo a legislação vigente. Recomendamos o abastecimento em postos de combustível que estejam licenciados pela CETESB ou Órgão Ambiental responsável. Durante a manutenção de equipamentos ou recebimento de cilindros de gases contendo SF6, não deverá ser efetuada a liberação do gás para a atmosfera. É proibido o fornecimento de quaisquer materiais contendo amianto em sua composição, especialmente telhas e caixas d água. Proibido também o uso deste material na construção de edificações temporárias ou permanentes dentro de nossas instalações. É proibida a compra e/ou utilização de madeira nativas, sem comprovação de certificado de origem. 19 de 35

20 É proibido o fornecimento ou uso de produtos florestais de espécies ameaçadas de extinção, conforme legislação ambiental vigente. Quanto ao fornecimento de Materiais e Equipamentos Produtos importados em embalagens de madeira, provenientes de países estrangeiros tais como: USA, Japão, China, Coréia do Norte e Coréia do Sul ou que em sua rota de transporte, passem por esses países devem apresentar o Documento de fiscalização fitossanitária contra o Besouro da China e/ou outras espécies quem apresentem riscos biodiversidade. Todo papel de impressão deverá ser adquirido de empresas que possuam a certificação FSC (Forest Stewardship Council). Deverá ser dada prioridade a aquisição de papéis produzidos a partir da tecnologia ECF (Elemental Chlorine Free) e de empresas certificadas pela ISO Será dada preferência aos fornecedores de produtos e subprodutos de origem florestal, que possuírem a certificação FSC (Forest Stewardship Council). As pilhas adquiridas deverão ser de origem nacional. É proibida a intervenção em áreas ambientalmente protegidas (área de Preservação Permanente APP, área de manancial, etc.) sem autorização prévia do órgão ambiental competente e sem a solicitação da Contratante, incluindo a captação de água. Quanto a atividades de construção / obras Em caso de intervenção em área ambientalmente protegida, a Contratada deverá escolher um local afastado dessa área para depósito da areia de construção civil utilizada para a concretagem das fundações, evitando o carreamento para o curso d água ali existente na ocasião meteorológica que registre um evento de chuva representativo. Caso haja a necessidade de utilização de solo oriundo de jazidas externas, este solo deve estar livre de contaminantes mediante apresentação de laudo de análises químicas, respondendo civil e criminalmente por quaisquer danos, obrigando-se a efetuar o devido reparo. 20 de 35

DIRETRIZES BÁSICAS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO DO GRUPO AES BRASIL. Gestão de Empresas Contratadas

DIRETRIZES BÁSICAS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO DO GRUPO AES BRASIL. Gestão de Empresas Contratadas L DIRETRIZES BÁSICAS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO DO GRUPO AES BRASIL Gestão de Empresas Contratadas 1 de 26 ÍNDICE APLICAÇÃO:... 4 CONDIÇÕES GERAIS:... 4 POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO DO GRUPO AES BRASIL. Gestão de Empresas Contratadas

DIRETRIZES BÁSICAS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO DO GRUPO AES BRASIL. Gestão de Empresas Contratadas L DIRETRIZES BÁSICAS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO DO GRUPO AES BRASIL Gestão de Empresas Contratadas 1 de 35 ÍNDICE APLICAÇÃO:... 4 CONDIÇÕES GERAIS:... 4 CAPÍTULO 1 - SEGURANÇA DO TRABALHO

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS

REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS 1. EPI s (Equipamentos de Proteção Individuais): Equipamento de Segurança de fabricação nacional ou estrangeira destinado a proteger a integridade física

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

Segurança e Medicina Ocupacional

Segurança e Medicina Ocupacional Segurança e Medicina Ocupacional Este documento apresenta as exigências mínimas para prestadores de serviços, referentes a Segurança e Medicina Ocupacional. 1 - Condições Básicas 1.1 - Plano de Segurança

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS ANTES DO INÍCIO DOS TRABALHOS Fornecer cópia deste manual a sua equipe de liderança, e exigir o seu cumprimento de acordo com o Artigo 157 Item I

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12 1. FORNECIMENTOS Fornecimentos 1.1 - Ácido Clorídrico Comercial Licença da Polícia Federal 1.2 - Hidróxido de Sódio Licença da Polícia Federal 1.3 Produtos químicos em geral 1.4 - Gases Industriais 1.5

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho "Segurança o Tempo Todo"

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho Segurança o Tempo Todo Página: 1/14 1. OBJETIVO Descrever as principais rotinas gerenciais de segurança e saúde do trabalho à serem desenvolvidas pela equipe da ENDICON, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais,

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUMÁRIO

RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUMÁRIO TERCEIRIZADAS NA SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO... 02 3. CONCEITOS... 02 4. NORMAS APLICÁVEIS E DOCUMENTOS DE REFERÊNCIAS... 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS... 03 6. PROCEDIMENTOS... 03 7. CONTROLE DE REGISTROS...

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

Cartilha de Meio Ambiente

Cartilha de Meio Ambiente Cartilha de Meio Ambiente O objetivo desta cartilha é apresentar os principais procedimentos adotados pela AES Sul para eliminar ou minimizar os impactos ambientais gerados em suas atividades operacionais

Leia mais

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Introdução A Engemix possui uma equipe de Engenheiros de Segurança e Meio Ambiente capacitada para dar todo subsídio técnico para implantação, operação e desmobilização

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

2 CAMPO DE APLICAÇÃO Todas as empresas contratadas para executar projetos, serviços e obras na empresa.

2 CAMPO DE APLICAÇÃO Todas as empresas contratadas para executar projetos, serviços e obras na empresa. Responsável Técnico: Eduardo Machado Homem Gerência de Segurança do Trabalho Público-alvo: Empregados próprios e prestadores de serviços das unidades da Vale Fertilizantes. 1 OBJETIVO Nº: PRO-3209-74-24-03

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES EAP - Estudo Ambiental de Perfuração Blocos PAMA-M-265 e PAMA-M-337 - Bacia do Pará-Maranhão ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES Outubro/2015 Revisão 00

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE ANEXO Q12.6 NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS CD-70-911-CPG-003 1 / 7 ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA

Leia mais

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES Estudo de Impacto Ambiental Atividade de Perfuração Marítima de Poços no Bloco FZA-M-90, Bacia da Foz do Amazonas ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES Junho/2015

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO 1 Objetivo Promover a permanente melhoria e contínua compatibilização do trabalho com a prevenção da vida, integridade e patrimônio do SAAE Sorocaba e a promoção da saúde e segurança dos profissionais.

Leia mais

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS Introdução Este documento é um guia orientativo aos associados da Abmaco que desejem efetuar a disposição adequada de tambores e embalagens de resina poliéster

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

I - SERVIÇOS 1) A empresa contratada para prestar qualquer tipo de serviço com duração superior a 30 dias, deverá: a) Fornecer cópia do PPRA;

I - SERVIÇOS 1) A empresa contratada para prestar qualquer tipo de serviço com duração superior a 30 dias, deverá: a) Fornecer cópia do PPRA; ANEXO 4: Os produtos e/ou serviços abaixo listados possuem requisito legal associado. Para adquiri-los é obrigatório o atendimento dos requisitos conforme relação abaixo: Fornecer cópia do PCMSO; I - SERVIÇOS

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM As empresas prestadoras de serviços (construção e/ou manutenção

Leia mais

Este procedimento aplica-se a todas as unidades da Vale Fertilizantes e empresas contratadas.

Este procedimento aplica-se a todas as unidades da Vale Fertilizantes e empresas contratadas. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistemas de Gestão Público-alvo: Empregados próprios e prestadores de serviços das unidades da Vale Fertilizantes. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-74-24

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Sustentabilidade Para garantir um futuro próspero às próximas gerações, nós fomentamos a Sustentabilidade como um pilar fundamental para o

Leia mais

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10: Portaria n.º 598, de 07/12/2004 (D.O.U. de 08/12/2004 Seção 1) Ementas: Portaria n.º 126, de 03/06/2005 (D.O.U. de 06/06/2005 Seção 1) NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO. Eng. Daiana Paterno

SEGURANÇA NO TRABALHO. Eng. Daiana Paterno SEGURANÇA NO TRABALHO Eng. Daiana Paterno ATUALMENTE?? PORQUE? O cenário atual da Segurança e Saúde no Trabalho no Brasil ainda é muito distante do desejável. A Previdência Social registra, anualmente,

Leia mais

Rev007 CRITÉRIOS PARA FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇOS QUE POSSAM IMPACTAR NO MEIO AMBIENTE

Rev007 CRITÉRIOS PARA FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇOS QUE POSSAM IMPACTAR NO MEIO AMBIENTE CRITÉRIOS PARA FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇOS QUE POSSAM IMPACTAR NO MEIO AMBIENTE Revisão: Data 007 04.09.2013 Elaborador: Chaiane Ruaro da Silva Item Material / Serviço Areia extraída no Município

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE 50.05.007 1/10 1. FINALIDADE Regulamentar a utilização do Equipamento de Proteção Individual EPI, no âmbito da UFTM, visando proporcionar condições de trabalho mais seguras, evitar o risco de acidentes

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Segue abaixo checklist que será utilizado na auditoria no fornecedor ou subcontratado das empresas signatárias.. Formalização da Empresa Peso.

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Equipamentos de Transporte

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR-4.3.2. 2-No Item 4.: Foi

Leia mais

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços Para execução dos serviços o contratado deve enviar a documentação abaixo conforme a atividade que será desenvolvida. Para outras atividades que não constam na lista, o contratado deve enviar os documentos

Leia mais

Técnico de Segurança do Trabalho

Técnico de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação 02

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO Elaborado por Ana Karolina Kalil Visto Aprovado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 25/04/2014 - Emissão inicial 1. OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO

CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO As empresas concessionárias de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, representando a categoria

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DIRETRIZES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS NA GERAÇÃO HÍDRICA

ESPECIFICAÇÃO DIRETRIZES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS NA GERAÇÃO HÍDRICA Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 03-09/11/2011 09/11/2011 APROVADO POR José Roberto Rocha Carvalho SUMÁRIO 1. RESUMO... 4 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

AUDITORIAS INTEGRADAS DE SAÚDE E SEGURANÇA PRÁTICA DE SUCESSO NA GESTÃO DE CONTRATOS DA CELPE

AUDITORIAS INTEGRADAS DE SAÚDE E SEGURANÇA PRÁTICA DE SUCESSO NA GESTÃO DE CONTRATOS DA CELPE AUDITORIAS INTEGRADAS DE SAÚDE E SEGURANÇA PRÁTICA DE SUCESSO NA GESTÃO DE CONTRATOS DA CELPE Autores Andréa Katherine Vera Cruz Hugo Leonardo Vidal de Souza Araújo Sérgio Melo de Oliveira Moreira Simone

Leia mais

INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) PARA CONTRATADAS

INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) PARA CONTRATADAS INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) PARA CONTRATADAS 1- INTRODUÇÃO 1.1- O objetivo destas Instruções é divulgar as principais Normas e Regulamentos de SMS a serem observados durante a

Leia mais

ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA

ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA O Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás - IPASGO, C.N.P.J. 01.246.693/0001-60, em cumprimento às determinações

Leia mais

3º Encontro Sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico

3º Encontro Sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico 3º Encontro Sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Gestão de Resíduos AES Eletropaulo Vladimir Xavier Escopo Classificação do Resíduos; Procedimento de Gestão de Resíduos; Acondicionamento; Armazenamento;

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais Agosto/2015 Fazer obras e serviços para transmissão, distribuição e uso de energia. Contribuir para o bem estar e o desenvolviment

Leia mais

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL São Paulo, 26/09/2011 VALÉRIA APARECIDA FARIA Bióloga Especialização em Gestão Ambiental pela Faculdade

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

ANEXO III - EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE Página 1 de 7

ANEXO III - EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE Página 1 de 7 Página 1 de 7 1. OBJETIVO 1.1. Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações e procedimentos concernentes às atividades de Segurança, Proteção ao

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o licenciamento ambiental das atividades de transporte rodoviário de produtos perigosos (exceto os das classes 1 e 7 da Resolução ANTT 42) que circulam apenas no

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas 44 Capítulo VI Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Da mesma forma que se deve fazer com os elementos que formam uma instalação elétrica no seu sentido físico,

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

Matéria: Normas Regulamentadoras Aula 01: Integração e Código de ética do Técnico em Segurança PLANO DE CURSO

Matéria: Normas Regulamentadoras Aula 01: Integração e Código de ética do Técnico em Segurança PLANO DE CURSO PLANO DE CURSO Capítulo v da CLT e o meio ambiente do trabalho e a competência das empresas na saúde e segurança do trabalho; Código de ética do técnico em segurança Norma regulamentadora 1 disposições

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO Ref.: IT 001/Seg PADRÕES MÍNIMOS DE SEGURANÇA PARA CONTRATADAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO Ref.: IT 001/Seg PADRÕES MÍNIMOS DE SEGURANÇA PARA CONTRATADAS Página 1 de 13 1 Objetivo Promover a permanente melhoria e contínua compatibilização do trabalho com a prevenção da vida, integridade e patrimônio do SAAE Sorocaba, e a promoção da saúde e segurança dos

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL. Indústria da Panificação

SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL. Indústria da Panificação SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Indústria da Panificação PROGRAMAÇÃO: Palestra Segurança Geral - SESI - Segurança do Trabalho; - Riscos Ambientais e Acidentes do Trabalho; - PPRA/PCMSO; - Normas regulamentadoras;

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 Correlação: Revoga a Resolução CONAMA nº 334/2003 Dispõe sobre os requisitos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 Normas Regulamentadoras do trabalho, trabalho rural..objetivos ESPECÍFICOS Apresentar o modelo legal de organização,

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015.

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015. PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015 MEIO AMBIENTE Fevereiro/2015 ESTRUTURA DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE Diretoria de Engenharia e Construção

Leia mais

Atualmente o uso desses é regulamentado pela NR-6 (Norma Regulamentadora).

Atualmente o uso desses é regulamentado pela NR-6 (Norma Regulamentadora). Introdução Os acidentes do trabalho constituem a face visível de um processo de desgaste e destruição física de parcela da força de trabalho no sistema capitalista. O Brasil, depois de ocupar durante a

Leia mais

Conheça nossos Serviços

Conheça nossos Serviços BEM VINDO! Oferecemos completa Assessoria e Consultoria nos aspectos legais, técnicos e normativos relacionados à quaisquer serviços de SEGURANÇA, SAÚDE E MEDICINA DO TRABALHO. Conheça nossos Serviços

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais